HMS Doris

HMS Doris

HMS Doris

HMS Doris foi um cruzador de segunda classe da classe Eclipse que serviu em Home Waters, na costa da Síria, nos Dardanelos e na estação das Índias Orientais durante a Primeira Guerra Mundial. Em agosto de 1914, ela fez parte do 11º Esquadrão de Cruzeiros, realizando patrulhas de proteção comercial a oeste da Irlanda.

Em novembro de 1914, o Doris foi destacado do 11º Esquadrão de Cruzadores e enviado ao Egito. Nessa época, ela estava equipada para carregar um hidroavião, que foi usado para realizar um reconhecimento aéreo das posições turcas em Berseba. Em dezembro, ela fez parte da força à disposição do almirante Peirse, na costa da Síria. Ele recebeu ordens para assediar as comunicações turcas na costa síria. o Doris, sob o capitão Larken, atacou as forças turcas em Askalon, realizou um reconhecimento de Haifa e Jaffa e, em seguida, desembarcou um grupo de quatro milhas ao sul de Sidon, cortando o telégrafo para Damasco.

Em Alexandretta, o capitão Larken foi particularmente ativo. Ele começou no final de 18 de dezembro, lançando um grupo de desembarque ao norte da cidade, cortando a ferrovia e o telégrafo. No dia seguinte o Doris apareceu fora de Alexandretta e exigiu a rendição de todas as provisões militares e locomotivas ferroviárias da cidade. Isso estava inteiramente de acordo com a Nona Convenção de Haia de 1907, que permitia bombardeios de cidades somente após a recusa de um ultimato. A resposta inicial turca foi ameaçar executar um prisioneiro britânico para cada cidadão turco morto durante o bombardeio, mas em 22 de dezembro o ultimato foi aceito. As provisões militares foram roubadas, mas duas locomotivas foram destruídas

De Alexandretta, o Doris foi para Ayas Bay, na tentativa de capturar o forro Deutsche-Levante Odessa, mas ela foi afundada por sua tripulação. Ela então visitou Mersina, antes de retornar a Port Said. No início de janeiro, ela voltou para Alexandretta, fazendo mais ataques às ferrovias, com sucesso misto. Na época, Alexandretta estava sendo considerada como um possível alvo para uma ofensiva aliada contra a Turquia, ou em vez dos desembarques de Gallipoli ou como um alvo secundário. Com isso em mente, o Dorisbombardeou as falésias ao norte da cidade na tentativa de bloquear a estrada costeira.

Em abril o Doris foi baseado em Port Trebuki em Skyros, guardando os comboios de tropas que levavam as tropas britânicas do Egito para os Dardanelos, em preparação para a campanha de Gallipoli. No início de 16 de abril, o torpedeiro turco Demir Hissar lançou um ataque ao transporte de tropas Manitou. Durante um ataque bastante desorganizado, o navio turco disparou dois torpedos contra o Manitou, ambos errados. o Doris foi então enviado para ajudar no transporte de tropas, enquanto o Demir Hissar foi caçado e encalhado por sua tripulação.

Em 19 de abril, Doris tinha sido alocado para o Terceiro Esquadrão em Dardanelos, junto com o encouraçado Canopus, o cruzador Dartmouth e dois destruidores. Em 25 de abril, ela fez parte de uma força enviada para atacar as linhas turcas em Bulair, na tentativa de atrair as tropas turcas para longe dos desembarques reais na ponta da península de Gallipoli. Mais tarde, no mesmo dia, ela se mudou para o sul para apoiar os desembarques de Anzac. Em 27 de abril, seu hidroavião observou o Goeben e a Torgud Reis (a nau capitânia turca) disparando contra as forças britânicas. Como resultado, o rainha Elizabeth abriu fogo contra o navio alemão, afastando-o.

o Dorisfoi então usado para uma série de tarefas destacadas. Em maio, ela foi enviada para vasculhar a área ao redor de Esmirna em busca de possíveis ancoradouros de submarinos. Em 1º de outubro, ela foi enviada a Salônica para provar uma ligação de rádio com os pousos planejados. Em 21 de outubro, o Capitão Larken e o Doris liderou o esquadrão que bombardeou a costa búlgara ao redor de Dedeagatch, atacando a ferrovia que ligava Salônica a Constantinopla.

Em março de 1917 o Doris foi enviado do Mediterrâneo para a estação das Índias Orientais. No final daquele mês, ela estava ativa entre Fremantle e Maurício, enquanto em novembro, durante uma caçada a invasores alemães, ela estava em Aden. Em 1919 ela foi vendida em Bombaim.

Deslocamento (carregado)

5.600 t

Velocidade máxima

19,5kts

Armadura - convés

3in-1.5in

- escudos

3in

- escotilha do motor

6in

- torre de comando

6in

Comprimento

373 pés

Armamentos construídos

Cinco armas de tiro rápido de 6 polegadas
Seis armas de tiro rápido de 4,7 pol.
Seis armas de disparo rápido 3pdr
Duas metralhadoras
Três tubos de torpedo de 18 polegadas

Armamento depois de 1905

Onze armas 6in
Três armas 12pdr
Três tubos de torpedo de 18 polegadas

Complemento de tripulação

450

Lançado

3 de março de 1896

Concluído

18 de novembro de 1897

Capitães

F. Larken (1914)

Vendido para terminar

1919

Livros sobre a Primeira Guerra Mundial | Índice de assuntos: Primeira Guerra Mundial


As incursões de HMS Doris, Dezembro de 1914

A Grã-Bretanha declarou guerra ao Império Otomano Turco em 5 de novembro de 1914, o culminar de uma complexa série de eventos que resultou na Turquia finalmente se unindo à Alemanha e Austro-Hungria. Um ataque turco à Rússia trouxe a Grã-Bretanha e a França em auxílio de seu aliado, iniciando assim os processos imprevistos que trouxeram o Oriente Médio ao trágico estado em que se encontra hoje. Nessa época, o Império Otomano controlava, entre muitas outras coisas, toda a costa do Levante - consistindo nas da Síria, Líbano, Israel, Gaza e Sinai egípcio - entre a Turquia moderna e o Canal de Suez. A primeira preocupação britânica seria a segurança do próprio Canal. Acredita-se que as maiores concentrações do exército turco mais próximas estejam dentro e ao redor de Gaza. Um avanço de cerca de cento e quarenta milhas através do norte do Sinai os traria para o Canal - como de fato aconteceria no início de 1915. É contra esse pano de fundo que os ataques do HMS Doris, um pequeno cruzador obsoleto protegido estava para acontecer.

Tropas otomanas turcas em marcha na 1ª Guerra Mundial e imagem # 8211 encontrada no Pinterest (crédito para ??)

Desde o início das hostilidades, as forças navais otomanas ficaram essencialmente presas ao norte dos Dardanelos - o estreito que dá acesso, através do Mar de Mármara, ao Mar Negro. As forças de submarinos alemães e austro-húngaros, que a partir de 1915 desempenhariam um papel importante no Mediterrâneo, ainda não representavam nenhuma ameaça. As unidades navais britânicas e aliadas estavam, portanto, em posição de operar com um grau maior de impunidade do que estariam posteriormente no caso do HMS Doris foi, portanto, capaz de atacar em dezembro de 1914 de uma maneira fanfarrona que tinha muito em comum com os de seus antepassados ​​nos períodos revolucionário e napoleônico.

o Eclipse classe, conforme concluído & # 8211 mostrado no Brassey & # 8217s Naval Annual 1896

Encomendado em 1897, um dos nove navios Eclipse Classe, Doris era um cruzador protegido de segunda classe de 5600 toneladas e 350 pés, projetado para reconhecimento, invasão de comércio e deveres de proteção comercial. Capaz de atingir um máximo de 18,5 nós em seus 9600 hp, ela estava fortemente armada para seu tamanho - inicialmente cinco canhões de 6 polegadas e seis de 4,7 polegadas. Ela ganhou fama na Guerra dos Bôeres, quando desembarcou uma brigada naval, equipada com uma de suas armas de 4,7 polegadas em uma carruagem terrestre improvisada. Uma grande reforma em 1904-05 resultou na exclusão das armas de 4,7 polegadas e seu armamento principal compreendeu não menos que onze de 6 polegadas.

Um de HMS Doris & # 8217s Armas de 4,7 polegadas em uma montagem de campo improvisada durante a Guerra dos Bôeres

Em 1914, embora não seja velho, Doris já estava obsoleto, mas isso não era uma desvantagem na tarefa que lhe fora atribuída em dezembro de 1914: principalmente o reconhecimento da costa levantina e a destruição das comunicações, sempre que possível. Seu comandante, o capitão Frank Larken (1875-1953), que mais tarde ascenderia ao posto de almirante, provou ser ideal para essa função. Operando inicialmente em conjunto com o cruzador protegido russo Askold, e carregando um hidroavião emprestado da marinha francesa, Doris começou com um bombardeio de posições turcas em El Arish, na costa do Sinai, em 13 de dezembro. . Dois dias depois, ela fez um ataque semelhante ao norte de Gaza e desembarcou um pequeno grupo para completar a destruição e que voltou, sem perdas, antes que mais tropas turcas chegassem. o Askold foi entretanto engajado de forma semelhante mais ao norte. Ao largo de Jaffa - uma cidade que agora faz fronteira com Tel Aviv - e mais ao norte, ao largo de Haifa, Doris lançou o hidroavião francês, uma operação que envolveria içá-lo ao mar para uma decolagem na água, com recuperação semelhante depois disso. Voado por um tenente francês Destem, e com um oficial de inteligência britânico, J.R. Herbert como observador, a aeronave penetrou no interior até Ramallah para localizar as forças turcas.

Em 18 de dezembro, outra pequena força desembarcou ao sul de Sidon. Aqui, como era o caso ao longo de grande parte da costa levantina, o terreno determinava que as principais comunicações norte-sul - rodoviária, ferroviária e telegráfica - corressem muito perto do mar. Doris's partido cortou linhas telegráficas e seus postos ao longo de três quartos de milha. Este parece ter sido um caso bastante descontraído, com conversas mantidas com os habitantes locais que lavravam as terras nas proximidades. Uma conta de um Doris oficial notou que “Várias tartarugas e duas rãs raras foram trazidas” por Herbert, que mais tarde os apresentou ao Jardim Zoológico do Cairo. Nisso, Herbert parece ter sido um Dr. Stephen Maturin moderno.

HMS Doris agora prossegue para o Golfo de Iskenderun - localizado no ângulo reto onde as costas turca e levantina se encontram. Então conhecida como Alexandretta pelos britânicos, a cidade de Iskenderun teve uma importância estratégica imensa ao longo da história. O nome de uma cidade próxima, Dortyol, que significa "Quatro Estradas" (e com a qual o presente escritor já teve uma associação comercial), indica a importância desta área como um elo entre a Turquia e as províncias otomanas da Síria, Líbano e Palestina. Mais tarde, na Primeira Guerra Mundial, considerou-se desembarcar um Exército Aliado ali, em vez de em Gallipoli, uma ação que teria impedido o reforço turco da Frente Palestina. O terreno montanhoso do interior significava que aqui também as comunicações ficavam diretamente adjacentes à costa, ravinas profundas necessitando de pontes em alguns lugares. Doris realizou uma festa de sabotagem na noite de 20 de dezembro para cortar linhas de telégrafo e remover trilhos da ferrovia. À luz do dia, o grupo de desembarque estava de volta em segurança a bordo e testemunhou um trem carregado de camelos descarrilando-se. Um segundo trem chegou e, incapaz de passar, foi atacado por Doris. No entanto, uma tentativa de destruir uma ponte ferroviária com tiros de 6 polegadas teve menos sucesso.

HMS Doris, visto durante a 1ª Guerra Mundial

O capitão Larken agora se afastava da própria Alexandretta. Sob a cobertura de uma bandeira branca, um oficial foi enviado à terra para exigir que o governador turco ordenasse a destruição de todas as locomotivas e material de guerra da cidade. A alternativa seria o bombardeio de edifícios oficiais por Doris. O governador tentou ganhar tempo pedindo um atraso de 24 horas. As condições meteorológicas eram terríveis - vento forte e chuva - e sob esta cobertura muito do material de guerra foi removido pelos turcos. Uma resposta ao ultimato de Larken foi recebida pela manhã - com o cônsul americano, um Sr. Bispo da Standard Oil Company agindo como intermediário neutro. O comandante-em-chefe turco na Síria, Djemal Pasha (1870-1922), respondeu por telégrafo, ameaçando matar um ou mais súditos britânicos internados na Turquia por qualquer pessoa morta no bombardeio de Iskenderun, e se recusou a aprovar a destruição da guerra material. Seguiu-se uma enxurrada de telegramas de e para o embaixador do Sr. Bishop em Istambul, e de prisioneiros britânicos detidos em Aleppo e Damasco, implorando que não deveria haver bombardeio. No entanto, o capitão Larken manteve sua posição e recebeu uma mensagem para Djemal avisando-o de que ele veria sua acusação como o que agora é descrito como um criminoso de guerra no rescaldo de qualquer eventual tratado de paz. Ele concedeu vinte e quatro horas para que isso fosse absorvido e decidiu preencher esse tempo de forma destrutiva.

HMS Doris agora navegou a curta distância até Dortyol e mais uma vez pousou uma força. Uma pequena unidade turca foi colocada em fuga, com o apoio do fogo do navio, e a partir daí o grupo de desembarque destruiu uma ponte ferroviária com explosivos. Uma pequena estação ferroviária e um posto de telégrafo também foram destruídos, três armênios imploraram para serem levados a bordo Doris pois sabiam que seriam posteriormente considerados cúmplices pelas autoridades turcas. Eles provariam ser a fonte de inteligência útil.

Na manhã seguinte, 22 de dezembro, Doris estava de volta a Iskenderun para descobrir que Djemal recuou. (Este indivíduo desagradável, visto à direita, fazia parte do triunvirato que governou o Império Otomano, com o Sultão como seu fantoche. Ele iria desempenhar um papel de liderança no Genocídio Armênio e é gratificante saber que foi assassinado por Sobreviventes armênios em Tiflis, Geórgia, em 1922). Ficou combinado que duas locomotivas ferroviárias seriam destruídas, mas o governador da cidade reclamou que não tinha a dinamite necessária para isso. Sem se deixar abater por isso, o capitão Larken ofereceu um presente de algodão para armas e de especialistas navais familiarizados com este explosivo. Uma nova objeção foi levantada - digna de uma opereta de Gilbert e Sullivan - que o protocolo exigia que a destruição fosse realizada por um oficial otomano, e que não havia nenhum com a experiência necessária. O capitão Larken também aceitou este desafio e concordou que um dos Doris's oficiais seriam considerados destacados para a marinha otomana por um dia. Os motoristas de locomotivas aparentemente tentaram afastar suas máquinas, mas foram perseguidos pela cavalaria turca e retornaram para execução. Um dos oficiais de Doris observou que as negociações farsescas foram "Seguido pelo forte abalo de um oficial de gendarmes otomano desumano, o capitão do porto, um príncipe dos procrastinadores, que foi lançado em uma parte rasa do mar", uma experiência a que sobreviveu com uma perda marcante de dignidade. Iluminado por Doris's holofotes, as locomotivas foram finalmente explodidas e sua destruição foi formalmente testemunhada pelo Sr. Bishop, para satisfação de todas as partes, como tendo sido obra de um oficial otomano.

Depois de deixar Iskenderun, Doris destruiu outra ponte ferroviária na área e, na orla pantanosa da Lagoa Agün, no lado oeste do golfo, encontrou um navio mercante alemão, o Odessa da empresa Deutsche-Levante, que ela devidamente afundou.

Embora satisfatório - e provavelmente agradável - para Doris's oficiais e tripulantes, suas depredações eram de natureza muito insignificante para causar qualquer impacto material sério nas capacidades turcas. No entanto, eles tiveram um forte impacto em termos psicológicos e morais e o precedente que ela estabeleceu levou o tráfego costeiro turco a uma paralisação virtual nos anos seguintes.


Licenciamento

Domínio público Domínio público falso falso

O autor morreu em 1894, então este trabalho está no domínio público em seu país de origem e outros países e áreas onde o termo de copyright é do autor vida mais 100 anos ou menos.

Este trabalho está no domínio público nos Estados Unidos porque foi publicado (ou registrado no U.S. Copyright Office) antes de 1º de janeiro de 1926.


HMS Doris (1808)

Doris foi construída para a Marinha Real no estaleiro da Companhia das Índias Orientais em Bombaim em 1807. Ela foi lançada como Salsette e foi renomeada localmente como Pitt no final daquele ano. No entanto, como a Royal Navy já tinha um HMS Pitt em serviço, o Almirantado a renomeou novamente como HMS Doris.
O HMS Doris foi visto originalmente em serviço no Estreito de Malaca e no mar do Sul da China. Doris e psyche capturaram no mar da China um navio americano chamado Rebecca. Eles a trouxeram para Bombaim, onde um novo tribunal do vice-almirantado a condenou. Sua carga de 4.000 sacas de açúcar bataviano e 13.710 peças de Sapsan-wood foi vendida em leilão em 7 de março de 1810. Então, em 10 de março, Rebecca pesava 600 toneladas, TEAK-construída em bago, também foi a martelo.
No final de 1810, Doris estava envolvida na campanha das Maurícias.
Em 1811 ela participou da invasão de Java.
18 de março de 1814 Doris apreendeu o caçador de navios mercantes americanos de Macau.
O dia 8 de maio perseguiu uma escuna americana de Nova York através do estuário e do rio das pérolas. A americana conseguiu chegar a Whampoa, onde ancorou. Doris não mandou seus barcos com 70 homens para o rio e capturou um navio americano. Ele foi morto apenas um marinheiro britânico, mas poucos americanos foram mortos. A equipe de embarque de Doris cortou os cabos da escuna para navegá-la da jurisdição chinesa, mas o navio encalhou. Então o grupo de embarque a deixou.
Doris finalmente trouxe hunter para Bombaim em 12 de agosto para ser condenado pelo recém-criado tribunal do Vice-Almirantado.
Dóris, ao que parece, regressou a Cantão, porque por volta de meados de Setembro os seus barcos resgataram Arabella, que os portugueses transportavam mesmo à saída das águas de Macau. O navio corsário americano Rambler capturou Arabella quando Arabella partiu de Bengala e Sumatra. Rambler trouxe Arabella com ela enquanto o Rambler navegava em Cantão, mas a enviou para a Eslovênia quando os americanos perceberam que Doris estava em Cantão. Doris, uma retomada de Arabella, causou um pequeno incidente entre a empresa britânica das Índias Orientais e as autoridades locais, que acabaram admitindo que ela era um prêmio legítimo de Doris.
Capitão obrien, Doris, o que não pode vender seu prêmio, Arabella, na costa da China. Quando recebeu ordens para ir para Malaca depois que seu substituto chegasse, ele quis levar Arabella com ele para tentar vendê-lo na Malásia. No entanto, na noite anterior à partida, ventos fortes fizeram Arabella quebrar seus cabos. Ela então desabou em uma rocha próxima.

1. Pós-guerra. (После войны)
Doris em comum em 1815. Ela esteve em 1821 e serviu duas viagens de serviço na estação da América do Sul na guerra de independência do Chile e do Brasil e na guerra da Cisplatina 1825-1828 entre a Argentina e o Brasil.

2. Capitães. (Капитаны)
Durante seus 21 anos na Marinha Real, ela teve oito capitães. Um deles foi Barrington Reynolds, que a comandou por um curto período em 1812, entre sua equipe de sir Francis Drake e Bucéfalo. Outro foi Thomas Graham, que morreu a caminho do Chile em 1822, com sua esposa, a escritora de viagens Maria Graham, a bordo.

3. Notas, citações e referências. (Заметки, цитаты и ссылки)
Notas
Citações
Links
Lyon, David e Winfield, Rif 2004 The Sail and Steam Navy List, Todos os navios da Royal Navy 1815-1889. Chatham. ISBN 1-86176-032-9.
Sweetman, Jack 1993 Novas Interpretações em História Naval: Artigos Selecionados do Décimo Simpósio de História Naval Realizado na Academia Naval dos Estados Unidos, 11-13 de setembro de 1991. Naval Institute Press.
Vale, Brian, 2001 A Fragata do Rei George: Life and Duty on a British Man-of-war. I B Tauris.
Colledge, J. J., Warlow, Ben 2006. Navios da Marinha Real: O Registro Completo de Todos os Navios de Combate da Marinha Real Rev. ed. Londres: Chatham Publishing. ISBN 978-1-86176-281-8.

  • em 1805. O HMS Doris era para ser uma fragata de quinta categoria com 32 canhões. Ela foi encomendada em 1806, mas foi cancelada mais tarde naquele ano. HMS Doris 1808 era uma arma de 36
  • 1874. HMS Doris foi nomeado Salsette antes de sua aquisição pela Royal Navy, renomeado Pitt e, em seguida, Doris em 1807, e vendido em Valparaiso em 1829. HMS Pitt 1816
  • Rivolli, mas renomeado. O HMS Acasta a capturou em 1808 no Caribe e a Marinha Real Britânica a colocou em serviço como HMS Pert, mas a renomeou
  • captura o corsário tripolitano Trípoli, perto de Malta. detalhes 1803, 18 de maio HMS Doris captura o lugger francês Affronteur no primeiro dia da guerra. 1803
  • para baixo, e em março de 1807 Cole assumiu o comando da nova fragata HMS Doris. Em 1808, Doris foi destacada do comando de Pellew para escoltar uma missão diplomática
  • Ela foi retirada do serviço em 1803, mas voltou após a reforma em 1808, em seguida, servindo no Atlântico. Sua ação mais famosa foi a captura de
  • A Inglaterra com Pringle no comando da fragata HMS Crescent, e em 1801 foi nomeada para a fragata HMS Doris um dos esquadrões ao largo de Brest, sob o comando do almirante
  • e Doris capturou no Mar da China um navio americano chamado Rebecca. Rebecca deixou Baltimore em dezembro de 1807 e chegou a Batavia em 18 de maio de 1808.
  • voluntário a bordo do HMS Doris 1803 1804: servido no HMS Pique, 36 1806: promovido a companheiro de mestre a bordo do HMS Redbridge, 12 1808 Servido a bordo do HMS Polyphemus
  • Marinha chamada Thetis Batalha entre Thetis e HMS Amethyst em 10 de novembro de 1808 Modelo de Thetis 1819 HMS Thetis Roche, Jean - Michel 2005 Dictionnaire
  • Construída e lançada como HMS Pitt, ela foi renomeada para Salsette em 19 de fevereiro de 1807. Ela não deve ser confundida com seu navio irmão Doris, que se chamava Salsette
  • vendido 1837 HMS Tartar 1801 - naufragado no Mar Báltico em 18 de agosto de 1811 HMS Cornelia 1808 - quebrado 1814 HMS Siren - cancelado 1806 HMS Doris - cancelado
  • de naufrágios em 1808 inclui navios afundados, naufragados ou perdidos durante 1808 The Marine List Lloyd s List 4240 25 de março de 1808 Lloyd s Marine
  • Em seguida, o monarquista enviou para as Downs Doris e Union, que navegavam de Rotterdam para o Báltico. Em 16 de julho de 1808, o monarquista capturou o corsário dinamarquês
  • HMS Pickle era uma escuna topsail da Royal Navy. Ela era originalmente uma embarcação civil chamada Sting, de seis armas, que Lord Hugh Seymour comprou para
  • O HMS Naiad foi uma fragata de quinta categoria da Marinha Real que serviu nas Guerras Napoleônicas. Ela foi construída pela Hall and Co. em Limehouse on the Thames, lançada em
  • HMS Vernon 1808 HMS Mersey 1820 HMS Alligator 1827 HMS Columbus 1837 HBM Sloop Pilot 1841 HMS Sydenham 1843 HMS Scourge 1848 HMS Edgar
  • serviço como HMS Netley. Em 22 de setembro, Dryad capturou o navio dinamarquês Carl. Quatro dias depois, Dryad capturou Garde Haab. Por último, em 15 de novembro de 1808 Dríade
  • 1795 e em 1796-7 participaram da Expedição d Irlande. Em 1803, o HMS Doris a capturou e ela posteriormente serviu à Marinha Real como uma comissionada
  • O HMS Druid foi uma fragata de quinta categoria da classe Hermione de 32 canhões da Marinha Real Britânica, lançada em 1783 em Bristol. Ela serviu no Revolucionário Francês
  • em 1820. Em 1821, Graham foi convidado a acompanhar seu marido a bordo do HMS Doris, uma fragata de 36 canhões sob seu comando. O destino era o Chile, e o
  • O HMS Acasta era uma fragata de quinta categoria da Marinha Real com 40 canhões. Ela prestou serviço nas Guerras Revolucionária Francesa e Napoleônica, bem como na Guerra de 1812. Embora
  • Vautour era um navio irmão do lugger da marinha francesa Affronteur, que o HMS Doris havia capturado em 18 de maio de 1803, o primeiro dia da guerra. A ação de um marinheiro
  • O HMS Unicorn foi uma fragata da classe Pallas de quinta categoria com 32 canhões da Marinha Real, lançada em 1794 em Chatham. Esta fragata serviu tanto no Revolucionário Francês
  • para estar em Cirebon, uma força foi desembarcada lá do HMS Lion, HMS Nisus, HMS Presidente, HMS Phoebe e HMS Hesper em 4 de setembro, fazendo com que os defensores
  • as guerras revolucionárias francesas. Nessa posição, ele serviu no HMS Queen Charlotte, de 100 armas, durante as operações que culminaram na batalha do
  • O HMS Crocodile foi um navio-poste de sexta categoria com 22 canhões lançado em South Shields em 1806. Ele foi desmantelado em Portsmouth em outubro de 1816. Em julho de 1806, Capitão
  • discursos, uma investigação sobre as causas e consequências de. Pedidos no Conselho de 1808 e a crise financeira e comercial considerada em 1847 em 23 de agosto
  • importância desses comboios, mas até 1808 não conseguiu fornecer forças suficientes para interromper o comércio indiano. No final de 1808, foi decidido enviar uma fragata forte
  • Machiasport em 1826. Em 1775, após a captura do navio britânico HMS Margaretta pelos habitantes locais sob a liderança de Jeremiah O Brien, os residentes

HMS Doris 1808 visualmente.

1805, HMS Doris 36, Cptn. Patrick Campell, atingiu a rocha Diamante em 1808, HM brigue Pandora 18, Henry Hume Spence, capturou os franceses. Varinha HMS Doris 1808. Lee H M Sra. © 1808 Hathaway Fred ® Summerhill Merrill 1808a Sutton E Bigley F B © 114 Graves C A © 115 McClure Eleanor Sra. © Wheaton Doris J.

WS National Park Service.

Estado de Indiana, 49G01 1808 MR 28764, 20A CR 565 Jeff Hall e Doris Andres, 22C01 1411 ES 163, 19A ES 1450 01 24 20, Em Matéria de Rescisão da Relação Pai / Filho de H.M. Menor Criança S.M. Pai v. Relatório de Loteamento e Condomínio Avaliação Travis Central. Função Executiva na Cistinose Nefropática. Angela O. Ballantyne, PhD, Amy M. Spilkin, PhD, e Doris A. Trauner, MD. Informações adicionais sobre o artigo. Desbloqueando a história de Cobh HMS Fame 1759 Cobh Town History e. O capitão Alexander Francis Elphinstone, da Marinha Real, registra em seu Diário no dia 30. Maio de 1808, ele então sendo um tenente em H.M.S. Doris, servindo no Leste. Resumo da cápsula Planejamento de Montgomery. A feuut o!: F 1555 hm pelo Niles abrigando Alfred Swaby e sua filha. Doris. R. A. Murdock recebeu um remo fora. % jW com o seu. Os tratores Fordaon duram.

O que Gauss leu no apêndice? ScienceDirect.

De Laurentino Gomes, ISBN: 9780762787968, capa dura. Livros a granel a preços de atacado. Min. 25 cópias. Frete grátis e garantia de equiparação de preço. Este dia na história naval de janeiro Ficção histórica naval. 84, ADM HEANENLY HM, 2662 N 16 ST, PHILADELPHIA, PA, 19132, 215 223 1037, N 1022, DORIS WALTERS, 321 E WALNUT AVE, ALTOONA, PA, 16602 1808, KEYSTONE POCONO RESIDENCE, RR 1 BX 1515, GOLDSBORO , PA. The Cedarville Herald, 13 e 20 de agosto de 1920 DigitalCommons. LATZ, Doris Ann Wertheimer Pg: 293 ALL. LATZ, William Pg: 293 1793 1808. LAZARUS, Sophia LIVINGSTON, H. M. Pg: 303 ALL. LIVINGSTON, Hattie Следующая Войти Настройки.

HMS Doris 1808 pedia.

O HMS Doris foi uma fragata de quinta categoria com 36 canhões da Royal Navy que serviu entre 1808 e 1829. Royal Naval Volunteer Reserve. Fotos, obituários da Primeira Guerra Mundial. O Doris, anteriormente o East Indiaman Pitt, era um navio de 5ª classe armado com 36 canhões. Ela foi comprada pela marinha em 1808 e vendida de volta para o navio. Contém entradas dispersas documentando seu serviço no HMS Diana, draft.

Condado de Sheet1 Placer.

PÁGINA 1808. LISTAGEM DO ÍNDICE DE NOME DA LOCAÇÃO. GSM019. DISTRITO 08 H.M. PHILLIPS STATE SEC 9 4. 94H FORD, WEST WOLFCAMP. CAPITAN ENERGY. Leia Cartas da Península, 1808 1812, do Tenente. Gen. Sir. HMS Narcissus 1801 HMS Tartar 1801 HMS Cornelia 1808 HMS Siren cancelado 1806 HMS Doris cancelado 1806. Apollo classe 36 armas quintas taxas, 27 navios ,. HMS Doris 1808. Arquivo: HMS Doris arredondando para baixo todas as velas para pegar um homem RMG PU6140 cropped.jpg. Idioma em en. HMS Doris 1808.

Sir Christopher Cole Redes Sociais e Contexto Arquivístico.

HMS Laurel 1806 - levado pela França em 1808, retomado e renomeado em 1808 - dividido em 1814 HMS Siren - cancelado em 1806 HMS Doris - cancelado em 1806. Função Executiva em Cistinose Nefropática NCBI. Desbloqueando a história Cobh HMS Fame 1759 Flagship Cove of Cork 1790 3rd Rate, 74 Gun HMS Medusa 1785 Guard Ship Cove of Cork 1793 HMS Semiramis 1808 HMS Doris 1896 11º Cruiser Squadron Oeste da Irlanda Coast Patrol 1914. Página 272 Lista Telefônica Palm Springs 1954 Accessing. Frete grátis em 2 dias. Compre HMS Doris 1808 em. Hms, África, alta resolução Banco de imagens de fotos Alamy. ARTHUR DORIS MARIE. 2.548. 2.548 BARNARD LYNN H M. 1622 1808. 46,49 FH 145,28. STRASBURG VA 22657 2526. 46,49 SH 145,27. 290,55. The Trafalgar roll The Trades House Digital Library.Mr. H. M. Turner abriu uma pedreira perto de Salem. Os dois Na eleição de 1808, quarenta e sete votos foram lançados para Avery, Henry L., Doris M., Jane M.

261. hat company jstor.

DORIS E SORENG ISENÇÃO DE CONFIANÇA. PO BOX 301008 Não atribuído. HMS PDX HOLDING LLC 1808 CENTRO WEST ST. TIBURON CA. 2018 Livro de propriedade pessoal Shenandoah County. Boundary Changes, Alabama Counties, 1808 181 that hm: mother era uma Choctaw Indian Squaw. Waddell, Barbara e Doris Brown. Coleção Goodrich. 1875. Leia Letters from the Peninsula, 1808 1812, por Lieut. Os Gen. Newlyweds Stan e Doris King haviam retornado da fábrica de doces que possuíam para sua casa na Mount Avenue. H.M.S. Resistance, St Helens, 24 de maio de 1808. 14. Cove.

Journal des dames et des modes, 1808 Pinterest.

A fragata Coles, HMS Southampton, foi liquidada em setembro de 1802, e em junho da fragata Salsette, mais tarde rebatizada de Pitt e, posteriormente, Doris. e para acompanhar a missão diplomática de Sir John Malcolms à Pérsia em maio de 1808. Lista de classes de fragatas do Projeto Gutenberg Self da Marinha Real. HMS Doris foi uma fragata de quinta categoria com 36 canhões da Marinha Real que serviu entre 1808 e 1829. Compre 1808: The Flight of the Emperor How A We. a granel. A Revolta, de Honore Daumier, francês, 1808 1879. Quaresma por. No entanto, Doris Rosen Avignon Art Institute. Jean Marchand, H. M. Rundle que não é. RhymeZone: Frases com doris. H M. 29. Casado. CARRIE GRIMSLEY. 23. JULHO. 27. 1911. 299. BK 5 D 62 A ELLA VESNER & WM. NOV. 28. 1893. 1615. BK 4 D. 336. DORIS. JENNIE M 1808. BK 5 M. 3. ELVING. JOÃO. 20. Casado. GEMEVIVE RUNDQUIST. 19


  • O Wartime Memories Project é o site original de comemoração da 1ª Guerra Mundial e da 2ª Guerra Mundial

Agora estamos no Facebook. Curta esta página para receber nossas atualizações, adicionar um comentário ou fazer uma pergunta.

Se você tiver uma pergunta geral, poste-a em nossa página do Facebook.

16 de junho de 2021

Observe que atualmente temos um backlog de material enviado, nossos voluntários estão trabalhando nisso o mais rápido possível e todos os nomes, histórias e fotos serão adicionados ao site. Se você já enviou uma história para o site e seu número de referência UID é maior que 255865, sua inscrição ainda está na fila, não reenvie sem nos contatar primeiro.


HMS Doris - História

SUBMARINOS BRITÂNICOS NA GUERRA

Parte 1 de 2 - 1939-42

Cada resumo é completo por direito próprio. A mesma informação pode, portanto, ser encontrada em uma série de resumos relacionados

(para obter mais informações sobre o navio, vá para a página inicial do Histórico Naval e digite o nome na Pesquisa de site)

Marinha Real em 1939 - As tarefas marítimas primárias dos Aliados baseavam-se no pressuposto de que a Grã-Bretanha e a França iriam à guerra contra as potências do Eixo europeu, Alemanha e Itália. A Marinha Real seria responsável pelo Mar do Norte e pela maior parte do Atlântico, embora os franceses contribuíssem com algumas forças. No Mediterrâneo, a defesa seria compartilhada entre as duas Marinhas. A Marinha Real, ainda a maior do mundo em setembro de 1939, incluía 60 submarinos, a maioria modernos com nove prédios. Eles estavam razoavelmente bem equipados com armas eficazes, torpedos e controle de fogo. Aproximadamente 21 estavam baseados em águas domésticas e quatro no Atlântico. O principal papel definido para os submarinos da Frota Doméstica parece ser patrulhar o sudoeste da Noruega e as bases alemãs do Mar do Norte para invasores de superfície e U-boats em passagem.

1939-45 - À medida que a guerra avançava, a Marinha Real e seus poucos submarinos tripulados pelos Aliados não tiveram as oportunidades de alvo dos submarinos alemães no Oceano Atlântico, nem dos submarinos dos EUA no Pacífico, e certamente nos primeiros anos sofreram pesadas perdas para comparativamente poucos ganhos, pelo menos, em navios de guerra do Eixo. No entanto, uma vez que são levadas em consideração atividades vitais como os pesados ​​naufrágios de navios mercantes no Mediterrâneo, certamente na batalha pelo Norte da África, as muitas operações perigosas de camuflagem e punhaladas tão vitais para o comando de Churchill de "incendiar a Europa", ajudando a cortar as rotas de abastecimento da Alemanha da Noruega e do Japão para a Birmânia, então a parte ainda mais silenciosa do "Serviço Silencioso" desempenhou um papel importante na limpeza dos mares da navegação do Eixo. Os números de naufrágios de navios mercantes por submarinos britânicos não são completos, mas dão uma ideia de seus sucessos.


HM Submarine Storm

Talvez um exemplo bastasse para ilustrar essas estatísticas frias - HMS Storm, o primeiro submarino britânico comandado por um oficial da RNVR, Comandante Edward Young DSO, DSC RNV (S) R. Após doze meses de janeiro de 1944 a janeiro de 1945 em patrulha na região sudeste da Ásia, seu "Jolly Roger" registrou três afundamentos de torpedos, sete afundamentos de artilharia, uma operação especial de camuflagem e "a pequena escuna superando uma fileira de pontos .para indicar os resultados da patrulha das Celebes ". He prefaces these comments by writing that "Storm's Jolly Roger boasted a small bag compared with those of many other, more famous submarines". ("One of Our Submarines" by Edward Young, 1953)

1939

SEPTEMBER 1939

DECLARATIONS OF WAR

- After Alemanha invaded Polônia no , Britain and France demanded the withdrawal of German forces. The ultimatum expired and at 11.15am on the , Prime Minister Neville Chamberlain broadcast to announce that Britain was at war with Germany. He formed a War Cabinet with Winston Churchill as First Lord of the Admiralty. França, Austrália, Nova Zelândia e Índia (through the Viceroy) declared war the same day.

Europa

10th - Home Fleet submarines on patrol off southwest Norway suffered their first casualty in tragic circumstances. "OXLEY" was to rpedoed in error by "Triton" and went down off Obrestad.

NOVEMBER 1939

Europa

20th - British Home Fleet submarines gained their first success in the Heligoland Bight when "Sturgeon" sank German patrol ship "V-209".

DECEMBER 1939

Europa

- On patrol off the Heligoland Bight, submarine "Salmon" (Lt Cdr Bickford) sank outward bound "U-36". She was successful again nine days later.

13º - "Salmon" torpedoed and damaged German cruisers "Leipzig" and "Nurnberg" in the North Sea as they covered a destroyer mine laying operation off the Tyne Estuary, north east England.

1940

Axis Shipping Losses due to Royal Navy Submarines in 1940

European waters January-December 1940 - 33 German ships of 135,000grt

Mediterranean June -December 1940 - 10 Italian ships of 44,500grt

JANUARY 1940

Europa

- Home Fleet submarines suffered heavy losses in the Heligoland area at the hands of minesweeper patrols, starting with “SEAHORSE”. On the same day “UNDINE” was sunk.


HM Submarine Undine (Navy Photos/Mark Teadham)

- Two days later “STARFISH” was lost. British submarine operations in the Heligoland Bight were abandoned.

APRIL 1940

Europa

Norwegian Campaign

7th-8th - In response to reported German movements, units of the Home Fleet sailed from Scapa Flow and Rosyth. More than 20 submarines, including three French and one Polish took up positions.

9th - Germany invaded Denmark and Norway

10th - Su bmarine “THISTLE” on patrol off Utsira failed in an attack on “U-4”. Shortly after she was sunk by the same U-boat.

14º - Submarine “TARPON” on patrol off southern Norway was sunk by German minesweeper “M-6”. German gunnery training ship “BRUMMER” was torped oed and sunk by submarine “Sterlet” .

18º - Four days after sinking the “Brummer”, “STERLET” was pr esumed sunk in the Skagerrak by German anti-submarine trawlers.

29th - Submarine “UNITY” was lost i n collision with a Norwegian merchantman off the northeast coast of England.

MAY 1940

Europa

5 ª - Submarine “SEAL” successfully laid mines in the southern Kattegat on the 4th before being damaged by a German mine. Trying to make for neutral Sweden on the surface, she was attacked and captured off the Skaw by German air and sea patrols.

JUNE 1940

Europa

- On the last day of the Norwegian campaign the Polish “ORZEL” on passage to her patrol area and made famous after escaping from invaded Poland, was presumed mined. Another Allied boat was lost twelve days later.

20o - Dutch submarine 𔄘-13” also on passage to her Norwegian patrol area was torpedoed in error by Polish “Wilk”. More recent research suggests she was more likely sunk 13 June 1940 in a German minefield in 56 55'N-03 40'E.

20o - As the damaged battlecruiser “Scharnhorst” headed for Germany from Norway, “Gneisenau” feinted towards Iceland. West of Trondheim she was torpedoed and damaged by British submarine “Clyde”. Both battlecruisers were out of action during the critical phases of the Battle for Britain until the end of the year.

Mediterrâneo

Italy Declared War - Italy declared war on Britain and France on the 10th. Two weeks later France was out of the war. Still on the 10th, Australia, Canada, India, New Zealand and South Africa declared war on Italy. The Royal Navy started with ten submarines based in the Eastern Mediterranean.

13º - Mediterranean Fleet submarines operated out of Alexandria on patrol off Italian bases and soon lost three of their number (1-3) . At the time mines were usually blamed, but it turns out Italian anti-submarine forces were far more effective than expected. The first loss was “ODIN” (1) off the Italian coast in the Gulf of Taranto, sunk by the guns and torpedoed of destroyer “Strale”.

Dia 16 - The second British submarine “GRAMPUS” (2) , minelaying off Augusta, Sicily was caught and sunk by large torpedo boats “Circe” and “Clio”.

19th - Towards the other end of the North African coast, the third British loss “ORPHEUS” (3) era sent to the bottom by Italian destroyer “Turbine” north of the Cyrenaica port of Tobruk, soon to become a household name .

20o - Italian submarine “DIAMANTE” was to rpedoed by submarine “Parthian” off Tobruk, Libya.

JULY 1940

Europa

- Home Fleet submarines carried out patrols off the coast of southwest Norway, but with heavy losses in July. Late on the 5th, "SHARK" was bad ly damaged by German aircraft and next morning of the 6th had to be scuttled off Skudenses.

July - A few days later submarine "SALMON" was pre sumed lost on mines. Later still "THAMES" was al so probably mined in the middle of the North Sea on passage to her patrol area.

26th - As the damaged German battlecruiser "Gneisenau" made for Germany from Norway, submarine "Swordfish" carried out an attack and sank escorting torpedo boat "LUCHS".

Mediterrâneo

Dia 16 - Submarine "PHOENIX" attacked an es corted tanker off Augusta and was lost to depth charges from Italian torpedo boat "Albatros".

AUGUST 1940

Atlantic

20o - Submarine "Cachalot "on Bay of Biscay patrol sank the returning "U-51" off Lorient, western France

Europa

- Submarine "SPEARFISH" on patrol in the North Sea was torpedoed by "U-34" and sunk. "NARWHAL" was paid off the same day. After leaving the English east coast Humber Estuary on 22nd July for a minelaying mission off Norway, she failed to return.

Mediterrâneo

- Submarine "OSWALD" on patrol south of the Strait of Messina reported Italian Navy movements. She was detected and later rammed and sunk by destroyer "Vivaldi".

SEPTEMBER 1940

Mediterrâneo

22nd - British submarine "Osiris" on patrol in the southern Adriatic attacked a convoy and sank Italian torpedo boat "PALESTRO".

OCTOBER 1940

Europa

18º - The old submarine "H-49", on anti-invasion patrol off the Dutch coast, was lost to German A/S trawlers.

Mediterrâneo

Dia 15 - On patrol off Calabria, south west Italy in the Ionian Sea, submarine "RAINBOW" (cause of loss to be clarified) was lost in a gun action with the Italian submarine "Enrico Toti" . At about this time "TRIAD" was prob ably mined off the Gulf of Taranto.

NOVEMBER 1940

Europa

Dia 16 - Submarine "SWORDFISH", setting out on Bay of Biscay patrol, struck an enemy mine off the Isle of Wight, southern England and sank.

DECEMBER 1940

Mediterrâneo

Late November/early December - Submarines "REGULUS" and "TRITON" were lo st in late November or early December, possibly mined in the Strait of Otranto area at the southern end of the Adriatic Sea. Alternatively "Regulus" may have been sunk by Italian aircraft on 26th November.

Axis Shipping Losses due to Royal Navy Submarines in 1941

European waters in January-December 1941 - 21 ships of 56,000 grt

Mediterranean January -December 1941 - 88 Italian ships of 282,300grt and 3 German ships of 5,400grt


in the 150th episode Ka makuahine a me ke keikikane, Doris was detained in a detainment facility in Morocco after attempting to free Yao Fat. Steve and Catherine travel to Morocco to rescue her. They, along with Steve's team, find and infiltrate the detainment facility, Steve successfully finds Doris with the assistance of Chin and Catherine and prepares to sneak out of the compound however, Doris informs him that she refuses to leave unless they agree to take Yao with them. Steve and Doris find Yao and free him. Just as the team prepares to leave a security is alerted of their presence and sounds an alarm. Steve, Doris, and Yao are then captured by a team of guards however they are shortly rescued by Catherine and Chin. They find a hidden charge of C4 explosive that Doris hid on her way in. They blow up a former sewer tunnel that had been sealed off and the entire team escapes through the sewer tunnel. At the airport Doris tells Steve that he can find information about her younger days at his house under a loose floorboard. Catherine leaves with Doris and Yao.

In The Tough Branch That Does Not Break in the Kona Gale, in Afghanistan 2002 (shown in flashbacks) Joe said that he made a promise to keep Steve alive and after Steve rescued him with a Navy SEAL Team years later, he tells Joe that he knows that the promise was made to Doris (but Steve thought she died then).


HMS Doris - History

HMS Doris Memorial in 2011

It was not possible to take a photograph at any other angle at the time

due to the amount of construction work taking place

Midshipman Cymberline Alonso Edric Huddart of the Royal Navy, HMS Doris. Son of James and Lois Huddart ( his father was a shipping magnate). Born in Ballarat, Australia in 1881. Killed at Graspan 25 November 1899 aged 18 .

He was posthumously awarded the Conspicuous Service Cross.

From the Adelaide Advertiser

THE CONSPICUOUS SERVICE CROSS

MIDSHIPMAN CYMBELINE HUDDART

His Majesty the King has been pleased to announce that the newly-founded decoration of the Conspicuous Service Cross shall be conferred upon the late Midshipman Cymbeline Alonso Edric Huddart. The cross is given for zeal and bravery to Warrant and other minor officers of the Royal Navy and Midshipman Huddart's memory has been honoured in this special way.

Midshipman Huddart was an Australian native who was a midshipman on the Doris, flagship of the Cape of Good Hope and West African Squadron and was attached to the Naval Brigade under Lord Methuen in the early stages of the war. He was killed at the battle of Graspan on 25 November 1899 on which occasion the Brigade suffered fearful losses. Mr Huddart showed most conspicuous gallantry in the fight as a result of which Queen Victoria wrote personally to his father, James Huddart of the Australian Steamship Line of Huddart, Parker and Co, to express her sympathy in her letter, she referred to that gentleman's son as one of the bravest and most distinguished officers in the Royal Navy.


Doris’ Story

Doris (Dorie) Miller, African-American hero of World War II, was born Doris Miller in Waco, Texas, on October 12, 1919, the son of sharecroppers Connery and Henrietta Miller. Miller entered A. J. Moore High School in Waco and became the school’s star fullback. As the third of four sons in a family engaged in subsistence farming, he was forced to drop out of school. He supplemented the family income by working as a cook in a small restaurant in Waco during the Great Depression.

Less than a month before his twentieth birthday, Miller enlisted in the United States Navy at its Dallas recruiting station. Following bootcamp training in Norfolk, Virginia, he was assigned to the USS West Virginia as a messman.

On December 7, 1941, Mess Attendant Second Class Doris Miller was collecting soiled laundry just before 8:00 A.M. When the first bombs blasted his ship at anchor in Pearl Harbor, Miller went to the main deck where he assisted in moving the mortally wounded captain.

He then raced to an unattended deck gun and fired at the attacking planes until forced to abandon ship. It was Miller’s first experience firing such a weapon because black sailors serving in the segregated steward’s branch of the navy were not given the gunnery training received by white sailors. Although news stories have credited Miller with downing from two to five airplanes, these accounts have never been verified and are almost certainly apocryphal. Miller himself told Navy officials he thought he hit one of the planes. Navy officials conferred the Navy Cross upon Miller on May 27, 1942, in a ceremony at Pearl Harbor.

Following a Christmas leave in 1942, when he saw his home and family in Waco for the last time, Miller reported to duty aboard the aircraft carrier Liscome Bay (or Liscomb Bay) as a mess attendant, first class. During the battle of the Gilbert Islands, on November 24, 1943, his ship was torpedoed and sunk in the Pacific Ocean, and Miller perished. At that time, he had been promoted to cook, third class, and probably worked in the ship’s galley. In addition to conferring upon him the Navy Cross, the navy honored Doris Miller by naming a dining hall, a barracks, and a destroyer escort for him. The USS Miller is the third naval ship to be named after a black navy man.

In Waco a YMCA branch, a park, and a cemetery bear his name. In Houston, Texas, and in Philadelphia, Pennsylvania, elementary schools have been named for him, as has a Veterans of Foreign Wars chapter in Los Angeles. An auditorium on the campus of Huston-Tillotson College in Austin is dedicated to his memory. In Chicago the Doris Miller Foundation honors persons who make significant contributions to racial understanding.

Professor of History, Baylor University


HMS Doris - History

We have previously talked about the British proposal at the outset of the Great War in the Middle East for an amphibious landing at Alexandretta (İskenderun today) that post looked at the strategic importance of the port, and future posts will delve further with the fate of the landing project but in the meantime, it's time to talk about Britain's naval operations on the Syrian coast a century ago.

Since the feared Turkish attack on the Suez Canal had not yet shown any sign of happening (it would come in late January), it was decided to use naval assets to reconnoiter and if possible raid the Syrian/Palestinian coast of the Ottoman Empire.

HMS Doris
The ships would be HMS Doris, a British protected cruiser (a light cruiser with an armored deck), commanded by Captain Frank Larken, and the Russian protected cruiser Askold, Captain Sergey Ivanov. Askold had been serving in the Far East, but after the defeat of the German raider Emden was transferred to the Mediterranean. Since Turkey had closed the Straits, Askold could not reach Russian ports in the Black Sea, so she operated with British and French fleets.

Askold
Askold was unusual in the Russian fleet for its five funnels, which gave it an easily identifiable silhouette.

At the beginning of December 1914, Askold was sent to reconnoiter the coast and at Haifa cut out a German steamer (also named Haifa) and captured it.

Admiral Richard Peirse
She then proceeded to Port Said. There Vice Admiral Richard Peirse, Commander-in-Chief of Britain's East Indies (southeast Asia) station had recently arrived in Egypt to defend the Canal. On December 11, Peirse was instructed to dispatch Askold e Doris to the Syrian coast for reconnaissance and other operations. Askold left first, followed by Doris after an air reconnaissance confirmed that Turkish troops around Beersheba (Beersheva) had not left their camps to threaten the canal.

Askold proceeded to Beirut, where she sank two Turkish steamers she landed landing parties for reconnaissance in several places.

HMS Doris, meanwhile, proceeded up the coast for what the British Official History calls "a series of remarkable adventures."

The Naval Review, Volume III, No. 4 (1915) contains a rather detailed account entitled "Three Months on the Syrian Coast," available free online from either Google Books or from The Naval Review local na rede Internet. The article, which has no byline but was clearly done by someone aboard the ship or with access to her logbooks, begins on page 621 I draw much of the rest of my narrative from it, as well as from the British official histories, ground forces and naval.

The Eastern Mediterranean in 1914
On December 13 Doris began her voyage up the coast, bombarding a Turkish fortification around al-‘Arish in Sinai. On the 15th she bombarded a Turkish position about two miles south of Ascalon and put a landing party ashore which occupied the position "and removed certain objects of military value or antiquarian interest." Turkish troops soon arrived but the landing party withdrew unscathed under the protection of Doris's guns.

Proceeding up the coast, Doris' seaplane carried out reconnaissance at Jaffa and again at Haifa. o Naval Review article tells a tale about the local official in Jaffa that reads a bit like wartime propaganda but deserves to be repeated anyway:

["Bimbashi Herbert," mentioned here, was the ship's intelligence officer "Bimbashi" is the rank of major in the Egyptian service. This is apparently one J.R. Herbert, not the far better known intelligence operative Aubrey Herbert, who this same week was settling in at British HQ in Cairo with T.E. Lawrence and others of the intelligence section, which I'll be talking about soon.]

The airmen flew as far as Ramla but neither around Jaffa nor later around Haifa did they spot any Ottoman troop concentrations. Proceeding up the Lebanese coast another landing party went ashore near Sidon to cut the telegraph lines to Damascus:

This was in the morning of December 19, 100 years ago today.

At this point Captain Larken sent an ultimatum demanding the surrender of all railway engines and munitions of war or face bombardment the local qaimaqam was given until 9 am the next day to reply. o Naval Review account continues:

After the charade of a British naval lieutenant being officially a Turkish soldier for the purpose of destroying the engines had been duly witnessed by the neutral American Acting Consul (an oilman), the Doris left Alexandretta. Her adventures on the Syrian coast would continue, however, and I'll be providing Part Two soon.


Assista o vídeo: The Scene That Ended I Dream of Jeannie