Fontes primárias para a apreensão da casa da moeda

Fontes primárias para a apreensão da casa da moeda

Que fontes primárias existem para a apreensão de ouro da Torre da Moeda por Carlos o Primeiro em 1640?

Ele é descrito aqui na fonte terciária, Wikipedia: https://en.wikipedia.org/wiki/Charles_I_of_England#Finances


Você pode consultar

  • Challis, C.E., ed. 1992. A New History of the Royal Mint .; ou,
  • Craig, J. 1953. The Mint: A History of the London Mint de 287 DC a 1948.

The Quarterly Journal of Economics (disponível no não editável Google Books) cita as seguintes fontes primárias:

  1. História de Burnet da minha própria época e
  2. Rushworth's Coleções Históricas
  3. e Annals of the Coinage, de Ruding, Rogers

  • Faça uma transparência para cima (ou equivalente) do seguinte:
    • Página "Harpers Ferry National Historical Park Quarter"
    • Página "Harpers Ferry National Historical Park Quarter" (uma por aluno)
    • Crie planilhas de análise de documentos para vários tipos de documentos (carta, relatório, diário, etc.)
    • "Harpers Ferry History Essay Question and Rubric" (uma por aluno)
    • Prepare exemplos visuais de fontes primárias e secundárias que revelam detalhes do significado de John Brown, o forte retratado na moeda e Harpers Ferry antes da Guerra Civil.
    1. Localize este site em um mapa de turma. Observe sua posição em relação à localização da sua escola.
    2. Como informação de base, explique aos alunos que a Casa da Moeda dos Estados Unidos começou a emitir os trimestres no Programa America the Beautiful Quarters® em 2010. Quando o programa terminar, em 2021, haverá um total de 56 designs. Cada projeto se concentrará em um local nacional diferente - um de cada estado, território e distrito de Columbia.
    3. Exiba e examine a página "Harpers Ferry National Historical Park Quarter"
    4. Diga aos alunos que a frente de uma moeda é chamada de "anverso" e o verso de "reverso". Peça aos alunos que leiam as inscrições na imagem do reverso da moeda.
    5. Pergunte aos alunos quais informações podem ser deduzidas das inscrições. À medida que os alunos fazem suas inferências, relacione-as no quadro ou papel gráfico. As respostas dos alunos devem incluir que o forte de John Brown está localizado em Harpers Ferry, West Virginia, que deve ser um local importante na história dos Estados Unidos, uma vez que está inscrito na moeda dos Estados Unidos e que "E Pluribus Unum" significa "Out of Many, One. "
    6. Explique que a imagem no desenho reverso mostra o Forte de John Brown, o local da última resistência de John Brown durante seu ataque ao Arsenal em 1859.
    7. Usando as fontes listadas em "preparação", exiba as fontes primárias e secundárias e discuta com os alunos o significado das imagens na moeda. Inclua imagens, textos e outros documentos para referência.
    8. Conduza uma discussão em classe sobre a confiabilidade de cada fonte. Inclua a data de criação do documento como parte da conversa. Pergunte como eles podem localizar essas informações.
    9. Diga aos alunos que analisar as fontes primárias é apenas o primeiro passo para corroborar as fontes de informação.
    10. Como uma classe, confirme a precisão de pelo menos uma fonte secundária em relação às fontes primárias.
    11. Facilite uma discussão em classe sobre por que é importante corroborar fontes de informação na história. Pergunte aos alunos se eles acham que esta é uma habilidade que pode ser aplicada a outros campos acadêmicos ou na vida diária. Peça aos alunos que forneçam exemplos específicos e detalhes com suas respostas.
    12. Diga aos alunos que amanhã eles escreverão uma redação explicando a importância da corroboração de fontes de informação na vida diária.
    13. Distribua a "Questão e avaliação do ensaio sobre a história dos harpistas". Revise a pergunta dissertativa e a avaliação com os alunos.
    14. Dê tempo para que os alunos escrevam o primeiro rascunho de suas redações. Forneça assistência individual conforme necessário.
    15. Dê tempo para a edição e feedback dos colegas.
    16. Peça aos alunos que escrevam a versão final de sua redação.
    17. Peça aos alunos que preencham a autoavaliação em sua rubrica. Colete as rubricas e os ensaios.

    Tipos de convulsões

    A epilepsia é um distúrbio do cérebro. As pessoas são diagnosticadas com epilepsia quando tiveram duas ou mais convulsões.

    Existem muitos tipos de convulsões. Uma pessoa com epilepsia pode ter mais de um tipo de convulsão.

    Os sinais de convulsão dependem do tipo de convulsão.

    Às vezes é difícil dizer quando uma pessoa está tendo uma convulsão. Uma pessoa tendo uma convulsão pode parecer confusa ou parecer que está olhando para algo que não está ali. Outras convulsões podem fazer com que a pessoa caia, trema e não perceba o que está acontecendo ao seu redor.

    Aprenda sobre os diferentes tipos de convulsões e seus sinais e sintomas para que você possa saber quando alguém está tendo uma convulsão.
    Visite nossa página de primeiros socorros para saber o que você pode fazer para manter essa pessoa segura até que a convulsão pare por si mesma.

    As apreensões são classificadas em dois grupos.

    • Convulsões de ausência, às vezes chamadas de ataques de pequeno mal, podem causar piscadas rápidas ou olhar para o nada por alguns segundos.
    • Convulsões tônico-clônicas, também chamadas de convulsões de grande mal, podem fazer uma pessoa
      • Gritar.
      • Perder consciência.
      • Caia no chão.
      • Têm contrações musculares ou espasmos.

      A pessoa pode se sentir cansada após uma convulsão tônico-clônica.

      1. Ataques focais estão localizados em apenas uma área do cérebro. Essas convulsões também são chamadas de convulsões parciais.
      • Apreensões focais simples afetam uma pequena parte do cérebro. Essas convulsões podem causar espasmos ou uma mudança na sensação, como um gosto ou cheiro estranho.
      • Apreensões focais complexas pode deixar uma pessoa com epilepsia confusa ou atordoada. A pessoa será incapaz de responder a perguntas ou orientações por alguns minutos.
      • Convulsões generalizadas secundárias começam em uma parte do cérebro, mas depois se espalham para ambos os lados do cérebro. Em outras palavras, a pessoa primeiro tem uma crise focal, seguida por uma crise generalizada.

      As convulsões podem durar alguns minutos.

      Estas palavras são usadas para descrever convulsões generalizadas:

      • Tônica: Os músculos do corpo ficam rígidos.
      • Atônico: Os músculos do corpo relaxam.
      • Mioclônico: Espasmos curtos em partes do corpo.
      • Clonic: Períodos de agitação ou sacudidela de partes do corpo.

      Nem todas as convulsões são emergências.

      Acompanhe quanto tempo dura a convulsão. Ligue para o 911 se uma convulsão durar mais de 5 minutos ou se a pessoa se ferir durante a convulsão.

      Aprenda os primeiros socorros em convulsões para responder quando uma pessoa está tendo uma convulsão.


      Convulsão generalizada

      Uma convulsão generalizada ocorre em ambos os lados do cérebro. Seu filho perderá a consciência e ficará cansado após a convulsão (estado pós-ictal). Os tipos de convulsões generalizadas incluem:

      Crise de ausência . Isso também é chamado de convulsão do pequeno mal. Essa convulsão causa uma breve mudança no estado de consciência e de olhar fixo. Seu filho provavelmente manterá a postura. A boca ou o rosto dele podem se contorcer ou os olhos podem piscar rapidamente. A convulsão geralmente não dura mais do que 30 segundos. Quando a convulsão acabar, seu filho pode não se lembrar do que acabou de acontecer. Ele ou ela pode continuar com as atividades como se nada tivesse acontecido. Essas convulsões podem ocorrer várias vezes ao dia. Esse tipo de crise às vezes é confundido com um problema de aprendizado ou de comportamento. As crises de ausência quase sempre começam entre os 4 e 12 anos.

      Apreensão atônica. Isso também é chamado de ataque de queda. Com uma crise atônica, seu filho tem uma perda repentina do tônus ​​muscular e pode cair da posição ereta ou cair repentinamente a cabeça. Durante a convulsão, seu filho ficará mole e sem resposta.

      Crise tônico-clônica generalizada (GTC). Isso também é chamado de convulsão do grande mal. A forma clássica desse tipo de crise apresenta 5 fases distintas. O corpo, os braços e as pernas do seu filho irão flexionar (contrair), estender (endireitar) e tremer (tremer). Isso é seguido pela contração e relaxamento dos músculos (período clônico) e o período pós-ictal. Durante o período pós-ictal, seu filho pode estar com sono. Ele ou ela pode ter problemas de visão ou fala e pode ter uma forte dor de cabeça, fadiga ou dores no corpo. Nem todas essas fases ocorrem em todas as pessoas com esse tipo de convulsão.

      Crise mioclônica. Este tipo de convulsão causa movimentos rápidos ou espasmos repentinos de um grupo de músculos. Essas convulsões tendem a ocorrer em grupos. Isso significa que eles podem ocorrer várias vezes ao dia ou por vários dias seguidos.


      Significado clínico

      A crença popular de que dietas ricas em gorduras causam obesidade e várias outras doenças, como doença coronariana, diabetes e câncer, não foi observada em estudos epidemiológicos recentes. Estudos realizados em animais alimentados com dietas ricas em gordura não mostraram uma relação causal específica entre a gordura dietética e a obesidade. Ao contrário, dietas com muito baixo teor de carboidratos e gorduras, como a dieta cetogênica, mostraram ser benéficas para a perda de peso.

      Evidências por trás da dieta cetogênica

      Em relação à ingestão calórica total, os carboidratos representam cerca de 55% da dieta típica americana, variando de 200 a 350 g / dia. O vasto potencial dos carboidratos refinados para causar efeitos prejudiciais foi relativamente negligenciado até recentemente. Uma maior ingestão de alimentos carregados de açúcar está associada a um aumento de 44% na prevalência de síndrome metabólica e obesidade e um aumento de 26% no risco de desenvolver diabetes mellitus. Em um estudo de 2012 & # x000a0 de todas as mortes cardiometabólicas (doença cardíaca, acidente vascular cerebral e diabetes tipo 2) nos Estados Unidos, cerca de 45,4% foram associados a ingestão subótima de 10 fatores dietéticos. A maior mortalidade estimada foi associada ao alto consumo de sódio (9,5%), seguido por baixo consumo de nozes e sementes (8,5%), alto consumo de carnes processadas (8,2%), baixo consumo de gorduras ômega-3 (7,8%), baixo consumo de verduras 7,6%), baixo consumo de frutas (7,5%) e alto consumo de bebidas açucaradas artificialmente (7,4%). A mortalidade estimada mais baixa & # x000a0 foi associada a gorduras poliinsaturadas com baixo teor (2,3%) e carnes vermelhas não processadas (0,4%). Além desse dano direto, o consumo excessivo de carboidratos de baixa qualidade pode substituir e não deixar espaço na dieta para alimentos mais saudáveis ​​& # x000a0 como nozes, grãos não processados ​​& # x000a0 frutas e vegetais.

      Uma recente revisão sistêmica e meta-análise de ensaios clínicos randomizados comparando os efeitos de longo prazo (mais de 1 ano) de intervenções dietéticas na perda de peso não mostrou nenhuma evidência sólida para recomendar dietas com baixo teor de gordura. Na verdade, as dietas com baixo teor de carboidratos levaram a uma perda de peso significativamente maior em comparação com as intervenções com baixo teor de gordura. Foi observado que uma dieta restrita em carboidratos é melhor do que uma dieta com baixo teor de gordura para reter a TMB de um indivíduo. Em outras palavras, a qualidade das calorias consumidas pode afetar o número de calorias queimadas. A TMB caiu em mais de 400 kcal / dia em uma dieta com baixo teor de gordura quando comparada a uma dieta com muito baixo teor de carboidratos.

      Uma dieta cetogênica bem formulada, além de limitar os carboidratos, também limita a ingestão de proteínas moderadamente para menos de 1g / lb de peso corporal, a menos que os indivíduos estejam realizando exercícios pesados ​​envolvendo treinamento com pesos, quando a ingestão de proteínas pode ser aumentada para 1,5g / lb de peso corporal. Isso evita a produção endógena de glicose no corpo por meio da gliconeogênese. No entanto, ele não restringe a gordura ou as calorias diárias gerais. Pessoas em uma dieta cetogênica inicialmente experimentam uma rápida perda de peso de até 4,5 kg em 2 semanas ou menos. Esta dieta tem um efeito diurético e alguma perda de peso precoce é devida à perda de peso da água seguida por uma perda de gordura. Curiosamente, com este plano de dieta, a massa muscular magra é amplamente poupada. À medida que o estado nutricional de cetose se mantém, as dores da fome diminuem e uma redução geral na ingestão calórica ajuda a promover a perda de peso.


      Busca e apreensão na Inglaterra, 1642-1700: The Legal Background to the English Critique of General Warrants

      Este capítulo discute as leis da Inglaterra e os usos da busca e apreensão entre 1642 e 1700. Durante este período, a crença e a lei sobre a busca e apreensão entraram em conflito porque o mandado geral continuou a florescer, mesmo quando o da Coca-Cola Institutos e outros tratados proclamaram sua ilegalidade. Mandados gerais, buscas e prisões continuaram a ser usados ​​para apreender criminosos, recuperar propriedade roubada, coletar impostos, controlar armas, amordaçar a imprensa, regulamentar as guildas e desencorajar a vadiagem, caça furtiva, desvio religioso e dissidência política. A tese contra as garantias gerais que se desenvolveu entre 1642 e 1700 não era uma realidade legal, mas uma crença de que a realidade se contradizia. Por outro lado, as raízes da emenda cresceram menos da lei inglesa do que de teorias jurídicas herdadas sobre essa lei.

      Oxford Scholarship Online requer uma assinatura ou compra para acessar o texto completo dos livros dentro do serviço. Os usuários públicos podem, no entanto, pesquisar livremente o site e visualizar os resumos e palavras-chave de cada livro e capítulo.

      Por favor, inscreva-se ou faça o login para acessar o conteúdo de texto completo.

      Se você acha que deveria ter acesso a este título, entre em contato com seu bibliotecário.

      Para solucionar o problema, consulte nossas Perguntas frequentes e, se não conseguir encontrar a resposta lá, entre em contato conosco.


      A maioria das pessoas com convulsões bem controladas é tratada por um médico de atenção primária. Mas as mulheres que têm preocupações especiais com convulsões e hormônios precisam ser encaminhadas a um neurologista. Um neurologista especializado em convulsões é chamado de epileptologista. Um especialista em neuroendócrino é um neurologista com treinamento em distúrbios hormonais e seus efeitos na função cerebral. Esses médicos geralmente são encontrados em hospitais ou centros de saúde com programas dedicados ao tratamento da epilepsia, geralmente chamados de Centros Abrangentes de Epilepsia.

      Fale primeiro com o seu médico de cuidados primários sobre as suas preocupações e fontes de encaminhamento cobertas pelo seu seguro de saúde. Seu afiliado local da Epilepsy Foundation pode ter informações sobre especialistas em tratamento de epilepsia que podem ajudá-lo.


      Fontes primárias para a apreensão da casa da moeda - História

      Consulte a página principal para obter um guia de todos os conteúdos de todas as seções.

      • O Desenvolvimento da Oposição
      • Lenin
      • 1905
      • Programas de festa de 1905
      • 1917
      • Conde von Moltke: a coroação do czar Alexandre II, 1855 [neste site]
      • Alexandre II, The Emancipation Manifesto, 3 de março de 1861 [novo estilo] [No SHU]
      • Théophile Gautier: As corridas no rio Neva, 1870 [neste site]
      • Mary Antin: Uma menininha judia na língua russa, 1890 [neste site]
      • Príncipe Ukhtomskii: Destino Imperial da Rússia, 1891 [neste site]
      • Sergei Witte, Sobre as tarefas da política econômica, 1900 [Em Durham]
      • Comandante Vladimir Semenoff: Carvão no mar, 1905 [neste local]
        As aventuras de um navio russo a caminho da guerra Russo-Japonesa.
      • Lindon Bates, Jr .: Em uma tenda tártara, c. 1909 [neste site]
      • REDEGuia da Revolução Russa na Web
      • REDEHistória da Rússia e da ex-URSS [No Internet Archive]
      • REDEO arquivo da Internet de Vladimir Ilyich Lenin [em Marxists.org]
      • REDEThe Leon Trotsky Internet Archive [em Marxists.org]
      • REDEArquivo da Internet Josef Stalin [em Marxists.org]
      • RESUMO : A Revolução Russa
      • O Desenvolvimento da Oposição
        • Baronesa M. De Packh: Em Marcha para a Sibéria, c. 1840 [neste site]
        • A vontade do povo
        • Maria Sukloff: A história de um assassinato, trechos [na WSU]
        • Anatoly Vasilievich Lunacharsky: George Plekhanov, de Silhouttes Revolucionárias [At Marxists.Org], site alternativo [At Artbin]
        • George V. Plekhanov: O Papel do Indivíduo na História [At Artbin]
          Vladimir Illyich Lenin (1870-1924): Textos Completos [índice em Hanover] ->
      • Vladimir Illyich Lenin (1870-1924): Nosso Programa, 1899, [Neste Site]
      • Vladimir Illyich Lenin (1870-1924): O que fazer ?, 1902, excertos estendidos [neste site]
      • Vladimir Illyich Lenin (1870-1924): O que deve ser feito ?, excertos [na WSU]
      • Vladimir Illyich Lenin (1870-1924): O Estado e a Revolução, 1918, trechos estendidos [neste site]
      • Vladimir Illyich Lenin (1870-1924): Trechos do Testamento de Lenin, 1922 [neste site]
        Os julgamentos de Lenin sobre seus colegas.
        • Manifesto de 17 de outubro de 1905 [em Durham]
        • A Lei Fundamental Russa de 23 de abril de 1906 [Em Durham]
        • A Reforma Agrária Stolypin: Sobre os camponeses que deixam a comuna da terra (obshchina), Ukaz de 9 de novembro de 1906 [em Durham]
        • Programas de festa de 1905
          • Programa do Partido Socialista Revolucionário, 1905 [Em Durham]
          • Programa do Partido Democrático Constitucional Russo (Kadet), 1905 [Em Durham]
          • Os Octobristas [em Durham]
          • Os nacionalistas [em Durham]
          • Programa da União do Povo Russo, 1905 [Em Durham]
          • Os Bolcheviques, Programa SDP Russo, 1 de agosto de 1903 [Em Durham]
          • Os menscheviques: sobre a tomada do poder e a participação em um governo provisório, abril de 1905 [em Durham]
          • Czar Nicolau II, abdicação, 15 de março de 1917 [em Durham]
          • O Primeiro Governo Provisório, Izvestiia, 3 de março de 1917 [em Durham]
          • Resoluções adotadas pelo Primeiro Congresso Pan-Russo do Soviete, junho de 1917 [em Durham]
          • Vladmir Illyich Lenin (1870-1924): Em suas teses de abril [em Durham]
          • Vladmir Illyich Lenin (1870-1924): Chamada ao poder, 24 de outubro de 1917 [neste site]
          • Declaração dos Direitos dos Povos Trabalhadores e Explorados, 1917 (?) [Em Durham]
          • Vladmir Illyich Lenin (1870-1924): Sobre a Organização e Comissão Extraordinária de Luta Contra a Revolução, Carta a Dzerzhinskii, 19 de dezembro de 1917 [Em Durham]
            As origens da Cheka, NKVD e KGB.
          • Anatoly Vasilievich Lunacharsky: Leo Trotsky, de Silhouttes Revolucionárias [Em Marxists.org]
          • John Reed: 10 dias que abalaram o mundo

          Regra Bolchevique até 1924

          • REDELETTONIE - RUSSIE Traités et documents de base - in extenso
            Uma grande coleção de documentos sobre a história soviética, especialmente no que se refere a Lativia. Tudo em francês.
          • Constituição da RSFSR, 1918 [em Marxists.org]
          • Lei Fundamental de Socialização da Terra, Decreto do Comitê Executivo Central, 19 de fevereiro de 1918, [Em Barnsdale]
          • Alexandra Kollontai: The Workers 'Opposition, 1921 [At Marxists.Org]
          • Alexandra Kollontai: Communism and the Family, 1920 [Em Marxists.Org]
          • REDERevelações dos arquivos russos [em LC]
            Um recurso tremendo.
          • Josef Stalin (1879-1953): Marxismo e a Questão Nacional 1913 [No Stalin Internet Archive]
          • Josef Stalin (1879-1953): Trotskismo ou leninismo? 1924 [No Stalin Internet Archive]
          • Josef Stalin (1879-1953): Industrialização do país, 1928 [neste site]
          • Josef Stalin (1879-1953): Materialismo histórico e dialético de 1938 [no arquivo da Internet de Stalin]
          • Tonto de sucesso: a respeito de questões do movimento Fazenda Coletiva, de Pravda, 2 de março de 1930. [Em Durham]
          • Fazendas Coletivas da União 1929-1940 [Em Durham]
          • Memorando sobre o problema dos grãos, 1932 [Em LC]
            O memorando que indica o início deliberado da fome na Ucrânia.
          • Constituição da URSS, 1936 [em Bucknell] ou representada como um organograma [no Brooklyn]
          • Joseph Stalin: Materialismo Dialético e Histórico (setembro de 1938) [Atbin],
            O culto da personalidade.
          • Osip Mandelstam (1934?) E Yevgeny Yevtushenko (1962): Poemas sobre Stalin [neste site], 1936, trechos [neste site]
          • O caso do Centro Terrorista Trotskista-Zinovievita, ouvido perante o Colégio Militar da Suprema Corte dos EUA, Moscou, 19 a 24 de agosto de 1936 & quot (Visão geral) [Dividido em 10 arquivos] [Em Artbin]
          • N.I. Bukharin: Last Plea, from & quotThe case of the Anti-Soviet 'Bloc of Rights and Trotskites', Heard before the Military Colegium of the Supreme Court of the U.S.S.R., Moscow, March 2-13, 1938 [At Artbin]
          • Aproximação entre a Igreja Ortodoxa e o Governo Soviético. Discurso de M. G. Karpov no Conselho da Igreja Ortodoxa, 1945. [Em Durham]

          o Projeto de livros de referência de história da Internet está localizado no Departamento de História da Fordham University, em Nova York. O Internet Medieval Sourcebook e outros componentes medievais do projeto estão localizados no Fordham University Center for Medieval Studies. O IHSP reconhece a contribuição da Fordham University, do Fordham University History Department e do Fordham Center for Medieval Studies no fornecimento de espaço na web e suporte de servidor para o projeto. O IHSP é um projeto independente da Fordham University. Embora o IHSP busque seguir todas as leis de direitos autorais aplicáveis, a Fordham University não é a proprietária institucional e não é responsável como resultado de qualquer ação legal.

          & copy Site Concept and Design: Paul Halsall criado em 26 de janeiro de 1996: última revisão em 20 de janeiro de 2021 [CV]


          Convulsões em pacientes dependentes de álcool: epidemiologia, fisiopatologia e manejo

          A relação entre álcool e convulsões é complexa e multifacetada. A prevalência de epilepsia em pacientes dependentes de álcool de países industrializados ocidentais pode ser pelo menos o triplo da população em geral, enquanto a prevalência de alcoolismo é apenas ligeiramente maior em pacientes com epilepsia do que na população em geral. O limiar de convulsão aumenta com o consumo de álcool e diminui com a cessação do consumo. Como resultado, durante a abstinência do álcool, geralmente de 6 a 48 horas após a interrupção do consumo de álcool, podem ocorrer convulsões. O álcool atua no cérebro por meio de vários mecanismos que influenciam o limiar convulsivo. Estes incluem efeitos sobre o fluxo de cálcio e cloreto através dos receptores NMDA e GABA de glutamato ionizado. Durante a intoxicação prolongada, o SNC se adapta aos efeitos do álcool, resultando em tolerância; no entanto, esses efeitos adaptativos parecem ser transitórios, desaparecendo após a interrupção da ingestão de álcool. Embora a relação das convulsões com o uso de álcool seja provavelmente dependente da dose e causal, os dados clínicos disponíveis não sugerem que o uso de álcool resulte na gênese das convulsões. No entanto, uma predisposição genética para convulsões de abstinência de álcool é possível. Outras convulsões em indivíduos dependentes de álcool podem ser decorrentes de doenças metabólicas, tóxicas, infecciosas, traumáticas, neoplásicas e cerebrovasculares concomitantes e são freqüentemente convulsões de início parcial. O abuso de álcool é o principal precipitante do estado de mal epiléptico (9-25% dos casos), que pode até ser o primeiro tipo de convulsão. O tratamento imediato das crises de abstinência do álcool é recomendado para prevenir o estado de mal epiléptico. Durante o processo de desintoxicação, medidas preventivas primárias e secundárias podem ser tomadas. Uma meta-análise de estudos controlados para a prevenção primária de convulsões de abstinência do álcool demonstrou uma redução de risco altamente significativa para convulsões com benzodiazepínicos e medicamentos antiepilépticos e um risco aumentado com antipsicóticos. Uma meta-análise de ensaios clínicos randomizados e controlados por placebo para a prevenção secundária de convulsões após a retirada do álcool mostrou que o lorazepam é eficaz, enquanto a fenitoína foi ineficaz. Como as crises de abstinência não recorrem se o paciente permanecer abstinente, a administração de medicamentos antiepilépticos a longo prazo é desnecessária em pacientes abstinentes. A primeira convulsão não relacionada à abstinência do álcool não deve resultar em tratamento medicamentoso permanente em um paciente dependente de álcool, devido à baixa adesão e à alta probabilidade de remissão. O tratamento da dependência do álcool é mais importante e deve ser priorizado antes da prevenção de novas convulsões.


          De janeiro a novembro de 2009, as apreensões de drogas ilegais em trânsito nos EUA ultrapassaram 1.626 toneladas métricas, indicando que os DTOs conseguem transportar vários milhares de toneladas de cocaína, metanfetamina, maconha, heroína e MDMA para os Estados Unidos anualmente. Existem métodos exclusivos de contrabando e transporte associados a cada tipo de droga, mas, em geral, os dados de apreensão de drogas e relatórios de aplicação da lei indicam que o contrabando por via terrestre e o transporte subsequente por veículo excedem todos os outros métodos combinados (ver Figura 1).

          Figura 1. Apreensões de drogas em trânsito, nos Estados Unidos, em quilogramas, 2009 *


          d-link

          Fonte: Sistema Nacional de Apreensões.
          * Os dados da tabela de 1º de dezembro de 2009 incluem apreensões de cocaína, metanfetamina, maconha, heroína e MDMA.

          Contrabando por terra para os Estados Unidos

          A maioria das drogas ilícitas produzidas no exterior disponíveis nos Estados Unidos são contrabandeadas para o país através das fronteiras com o México e, em uma extensão muito menor, com o Canadá (ver Tabela 1). Os métodos de contrabando por via terrestre são relativamente consistentes (veja a caixa de texto), entretanto, os DTOs freqüentemente mudam de rota em resposta à pressão da aplicação da lei, conflitos entre os cartéis ou outros fatores externos. Essas mudanças foram observadas em 2008 e 2009.

          Tabela 1. Apreensões de Drogas ao Longo das Fronteiras Sudoeste e Norte, em Quilogramas, 2005-2009 *

          2005 2006 2007 2008 2009
          Cocaína
          Fronteira Sudoeste 22,653 28,284 22,656 16,755 17,085
          Fronteira Norte & gt1 2 & gt1 & gt1 18
          Total 22,654 28,286 22,657 16,756 17,103
          Heroína
          Fronteira Sudoeste 228 489 404 556 642
          Fronteira Norte 3 2 & lt1 & lt1 28
          Total 231 491 405 557 670
          Maconha
          Fronteira Sudoeste 1,034,102 1,146,687 1,472,536 1,253,054 1,489,673
          Fronteira Norte 10,447 4,177 2,791 3,184 3,423
          Total 1,044,549 1,150,864 1,475,327 1,256,238 1,493,096
          MDMA
          Fronteira Sudoeste 23 16 39 92 54
          Fronteira Norte 479 351 240 616 303
          Total 502 367 279 708 357
          Metanfetamina
          Fronteira Sudoeste 2,918 2,798 1,860 2,201 3,478
          Fronteira Norte & gt1 & gt1 136 & gt1 10
          Total 2,919 2,799 1,996 2,202 3,488

          Fonte: Sistema Nacional de Apreensões.
          * Dados de 1º de dezembro de 2009, os totais são arredondados para o quilograma mais próximo.

          Métodos comuns de contrabando terrestre

          DTOs mexicanos dominam o transporte de drogas ilícitas através da fronteira sudoeste. Eles normalmente usam caminhões comerciais e veículos particulares e de aluguel para contrabandear cocaína, maconha, metanfetamina e heroína através dos 25 POEs terrestres, bem como através de vastas áreas de deserto e terreno montanhoso entre os POEs. Traficantes asiáticos, OMGs e traficantes de drogas indo-canadenses transportam quantidades significativas de maconha de alta potência e MDMA para os Estados Unidos através da fronteira EUA-Canadá. Eles usam caminhões comerciais e veículos particulares e de aluguel para transportar essas drogas por meio de mais de 100 POEs terrestres. Eles também usam veículos todo-o-terreno (ATVs), aeronaves, embarcações marítimas e mensageiros a pé para contrabandear drogas através de vastas áreas entre os POEs.

          Algumas rotas e métodos de contrabando para transportar cocaína, heroína, metanfetamina e maconha para os Estados Unidos parecem ter mudado, em parte devido ao aumento da pressão policial, mudanças nas tendências de produção de drogas e evolução da dinâmica do mercado.

          Houve mudanças significativas e prolongadas nas rotas de contrabando de cocaína que provavelmente foram causadas por uma combinação de fatores, particularmente a diminuição da produção de cocaína na Colômbia, mas também aumentaram os esforços de combate às drogas no México, altos níveis de violência de cartéis, pressão de interdição sustentada e cocaína fluxo para mercados fora dos EUA, especialmente Europa. Em 2007, um declínio na quantidade de cocaína apreendida ao longo da fronteira sudoeste na região do sul do Texas - a rota de contrabando de cocaína predominante na época - resultou em uma queda acentuada na quantidade de cocaína apreendida em geral. À medida que os totais de apreensão do sul do Texas diminuíram, os totais de apreensão dos POEs da Califórnia começaram a apresentar tendência de alta. Desde 2007, as apreensões de cocaína em POEs da Califórnia igualaram ou excederam o total de apreensões em POEs do sul do Texas, no entanto, os totais de apreensão em geral permanecem menores do que os totais de apreensão registrados antes que o declínio significativo fosse observado. Embora nenhuma causa para o declínio nas apreensões em geral possa ser identificada, vários fatores - incluindo um declínio acentuado na produção de cocaína em 2008 (ver Figura 7 na seção Cocaína) e esforços intensificados de combate às drogas do GOM - provavelmente contribuíram para a redução nas quantidades sendo transportado da América do Sul para o México e, finalmente, para a fronteira sudoeste. Além disso, várias apreensões excepcionalmente grandes de cocaína da América do Sul com destino ao México em 2007 podem ter iniciado a tendência. Essas apreensões coincidiram com o declínio nas apreensões ao longo da fronteira sudoeste e foram seguidas por um declínio sem precedentes na disponibilidade de cocaína em muitos mercados dos Estados Unidos.

          Por outro lado, as apreensões de heroína ao longo da fronteira sudoeste têm aumentado, provavelmente como resultado da crescente influência mexicana na produção e transporte de heroína. Este aumento nas apreensões de heroína na Fronteira Sudoeste coincide com uma diminuição nas apreensões de heroína em companhias aéreas comerciais. Em 2008, a quantidade total de heroína apreendida ao longo da fronteira sudoeste (556,1 kg) excedeu a quantidade total de heroína apreendida de companhias aéreas comerciais (398,1 kg) pela primeira vez (ver Tabela 2). Essa mudança parece estar diretamente relacionada às tendências de produção e às mudanças nas funções dos DTOs. Nos últimos anos, as estimativas de produção de heroína mexicana, que é transportada principalmente por via terrestre através da fronteira sudoeste, aumentaram constantemente para níveis recordes em 2008. Além disso, os DTOs mexicanos estão cada vez mais envolvidos no transporte de heroína sul-americana. Enquanto isso, as estimativas de produção de heroína sul-americana, historicamente transportada para os Estados Unidos por via aérea comercial, diminuíram constantemente (ver Figura 2). Essa maior disponibilidade de heroína mexicana, juntamente com o aumento do envolvimento de DTOs mexicanos no tráfico de heroína da América do Sul, provavelmente resultou em quantidades significativamente maiores de heroína transportadas através da fronteira sudoeste.

          Figura 2. Estimativas de produção potencial de heroína pura, Colômbia, em toneladas métricas, 2002-2008 *


          d-link

          Fonte: estimativa do governo dos EUA.
          * Número estimado para 2007 com base em dados parciais devido a estimativas incompletas da pesquisa para 2005 e 2008 não disponíveis.

          As apreensões de metanfetamina e maconha também aumentaram ao longo da fronteira sudoeste, em parte devido ao aumento da produção. Tal como acontece com a heroína, o aumento parece ser específico da droga. A produção de metanfetaminas no México parece estar aumentando novamente após um período sustentado de produção limitada resultante de leis que acabaram por proibir a pseudoefedrina no México. Vários fatores podem estar contribuindo para um aumento no contrabando de maconha, particularmente os esforços de erradicação da cannabis GOM diminuídos, que resultaram em níveis elevados de produção.

          Uma revisão dos padrões de contrabando para cada um dos principais tipos de drogas revela uma miríade de fatores - alguns dos quais estão inter-relacionados e alguns dos quais são exclusivos da droga - que afetam os modos e métodos usados ​​para transportar drogas para os Estados Unidos. No entanto, é possível que as apreensões de grandes quantidades de cocaína a caminho do México e os esforços antidrogas tenham afetado a capacidade dos principais DTOs de contrabandear cocaína da América do Sul para o México. Esses fatores também podem explicar a diminuição das apreensões ao longo da fronteira sudoeste, o declínio na disponibilidade de cocaína em partes dos Estados Unidos e a falta de declínios semelhantes de longo prazo na disponibilidade de metanfetamina, heroína e maconha.

          Contrabando marítimo diretamente para os Estados Unidos

          Quantidades significativamente menores de drogas são contrabandeadas diretamente para os Estados Unidos por traficantes que usam meios de transporte marítimos do que por traficantes que usam rotas terrestres. Em 2009, menos de 3 por cento de todas as apreensões de drogas na zona de chegada ocorreram em transportes marítimos comerciais e não comerciais. No entanto, alguns DTOs continuam a usar métodos de contrabando marítimo para transportar drogas ilegais para os Estados Unidos (ver caixa de texto) e, como os contrabandistas por terra, alguns desses contrabandistas marítimos mudaram suas operações em 2008 e 2009 em resposta à pressão da aplicação da lei ou lacunas em cobertura de interdição.

          Métodos de contrabando marítimo comuns

          Vários DTOs - principalmente colombianos, mas também dominicanos, jamaicanos, porto-riquenhos e venezuelanos - transportam cocaína e menores quantidades de heroína e maconha para os Estados Unidos usando uma variedade de meios de transporte, incluindo navios de contêineres, navios de cruzeiro, navios de pesca comercial, embarcações de recreio e lanchas rápidas. As drogas são normalmente escondidas em compartimentos ocultos, misturados com produtos legítimos ou enviados por passageiros ou membros da tripulação em embarcações marítimas. Os traficantes também têm usado cada vez mais os semissubmersíveis autopropulsados ​​(SPSSs) a para transportar cocaína da América do Sul para o México. O uso de SPSSs oferece aos traficantes a capacidade de transportar secretamente grandes quantidades de drogas.

          uma. Embarcações semissubmersíveis autopropelidas são embarcações marítimas utilizadas pelos traficantes para o transporte de drogas ilícitas. Esses vasos normalmente se projetam apenas alguns centímetros acima da superfície da água, tornando-os muito difíceis de detectar visualmente. Os SPSSs normalmente têm uma tripulação de quatro homens e são capazes de transportar grandes quantidades de cocaína.

          Os traficantes usaram embarcações marítimas privadas para contrabandear drogas para os Estados Unidos durante 2009 através de Porto Rico, Sul da Flórida, Sul do Texas e sul da Califórnia, e DTOs mexicanos às vezes contrabandeiam drogas por meios marítimos para evitar o escrutínio da polícia ao longo da fronteira sudoeste.

          A principal ameaça do contrabando de drogas por meio de embarcações privadas vem de traficantes caribenhos que exploram as costas de Porto Rico e Flórida. Traffickers transported mostly cocaine from the Dominican Republic to Puerto Rico, although they smuggled lesser amounts of heroin and MDMA, sometimes commingled with cocaine loads. Caribbean traffickers also smuggled cocaine, heroin, and marijuana from the Bahamas to areas of South Florida between Miami and Palm Beach. Seizure totals and routes remained relatively constant compared with those of previous years.

          Mexican traffickers seeking to avoid scrutiny along the Southwest Border used private vessels to smuggle marijuana and cocaine into the United States during 2009. Incidents involving kilogram packages of cocaine and marijuana washing up or being found abandoned along the South Texas coastline increased, particularly in the South Padre Island area, during the first half of the year. By the end of December, more than 114 kilograms of cocaine had been recovered in the region. In comparison, only 1 kilogram was recovered in the region during 2008. Federal investigators believe that the smugglers typically depart from Tamaulipas State in northern Mexico and make short hops to the Texas coastline. Mexican traffickers also used private vessels in 2009 to smuggle marijuana from the northern Mexico state of Baja California to southern California. In fact, in 2009, more than 3.1 metric tons of marijuana were reported to have been seized from private vessels arriving in southern California, primarily the San Diego area.

          Commercial maritime vessels, especially maritime containers, remain a viable conveyance for smuggling drugs directly into the United States, but seizure data and law enforcement reporting indicate that this smuggling method continues to account for a relatively small portion of the nation's illicit drug supply.

          Traffickers use commercial maritime vessels to smuggle sizable quantities of drugs into the United States, but data suggest that other conveyance methods are preferred by smugglers. Traffickers often hide drugs among legitimate cargo in maritime containers, a fraction of which are inspected. Analysis of commercial maritime seizure data for 2004 through 2009 indicates that cocaine and marijuana are most often smuggled in commercial maritime vessels from Caribbean locations, such as the Dominican Republic, Haiti, and Jamaica, into East Coast ports in Florida and New Jersey. Traffickers also use commercial vessels to smuggle cocaine from the Dominican Republic into Puerto Rico. Smaller amounts of heroin, typically 2 kilograms or less, are occasionally smuggled by cruise ship passengers working for Caribbean trafficking organizations into East Coast ports however, this smuggling technique appears to have declined since 2006. Seizure data indicate that methamphetamine is rarely smuggled into the United States on commercial maritime vessels.

          Despite the fact that sizable quantities of drugs are seized annually from commercial maritime vessels arriving in the United States, the dominance of Mexican trafficking organizations as the primary transporters of cocaine, heroin, marijuana, and methamphetamine to the United States results in commercial maritime seizure totals that are far less than Southwest Border seizure totals. Seizure data for 2009 show that the amount seized from commercial maritime vessels remains less than 1 percent (6,015 kg of 828,223 kg) of the amount seized at the Southwest Border. Law enforcement reporting confirms that Caribbean and South American traffickers are more likely than Mexican traffickers to take advantage of commercial maritime vessels as a smuggling conveyance to supply their much smaller U.S. distribution networks. Moreover, large quantities of drugs seized at U.S. ports are often destined for distribution in countries other than the United States. Many drug shipments concealed in commercial maritime containers by Caribbean and South American traffickers are intercepted by U.S. authorities as they transit the United States en route to markets in Europe and Asia.

          The Logistics of Transporting Drug Shipments

          DTOs have well-established transportation networks and often transport illicit drug shipments directly to drug markets throughout the United States. Some DTOs relinquish control by distributing illicit drugs from stash locations to traffickers who purchase these drugs and then transport the shipments themselves to distribution areas. DTOs often hire independent drug transportation groups to transport drugs, insulating themselves from law enforcement investigations and compartmentalizing trafficking operations. These transporters are hired for the sole purpose of moving drug shipments, and they operate in cells that are separate from other DTO operations. As a result, seizures of illicit drugs from transporters often yield little or no information to law enforcement officials about other DTO members or DTO operations. For example, Colombian DTOs often employ Mexican traffickers whose successful transportation networks allow these DTOs to circumvent the problems caused by law enforcement disruption of their own transportation routes.

          Drug shipments are typically stashed in ranches, warehouses, residences, and trailers near primary points of entry into the United States for consolidation, distribution, and subsequent transport to drug markets throughout the United States. To transport drugs, traffickers primarily use commercial trucks and privately owned and rental vehicles equipped with hidden compartments and natural voids in the vehicles. Additionally, bulk quantities of illicit drugs are sometimes commingled with legitimate goods in commercial trucks. Many drug traffickers use postal and package delivery services to transport illicit drugs within the United States and, to a much lesser extent, use couriers and cargo shipments on aircraft, buses, and trains.

          Air Smuggling Into the United States

          The amount of drugs smuggled into the United States by couriers and in cargo aboard commercial aircraft is significantly less than the amount smuggled by other means. In 2009, the total amount seized from commercial aircraft for cocaine, heroin, methamphetamine, marijuana, and MDMA was less than for any other conveyance. Drug seizure data show that only 24 percent of heroin seizures, 15 percent of MDMA seizures, 6 percent of cocaine seizures, and less than 1 percent each of methamphetamine and marijuana seizures were from commercial air conveyances.

          The use of commercial air to smuggle heroin into the United States is rapidly declining, while heroin smuggling over the Southwest Border is increasing.

          The amount of heroin seized at commercial air POEs decreased 56.2 percent (909 kg to 398 kg) from 2004 through 2008. The decrease is partially attributable to a shift in the smuggling of South American heroin by couriers on commercial flights to overland transportation across the Southwest Border as well as increased airport interdiction activities in Colombian airports. Colombian DTOs are now, to a large extent, relying on Mexican DTOs to smuggle heroin overland into the United States rather than conducting their own air courier smuggling operations. At the same time that heroin seizures decreased at commercial air POEs, heroin seizures at Southwest Border POEs increased 44.0 percent (386 kg to 556 kg), and preliminary seizure data indicate that Southwest Border heroin seizures reached a record high in 2009 (see Table 2).

          Table 2. Heroin Seizures at Southwest Border Area and Commercial Air POEs, in Kilograms, 2004-2009*

          2004 2005 2006 2007 2008 2009*
          Southwest Border 386 229 489 362 556 642
          Commercial Air POEs 909 740 529 424 398 199

          Source: National Seizure System.
          *Data as of December 1, 2009.

          The decline in commercial air smuggling for heroin is attributable to a number of factors, including decreasing South American heroin production and a shift to smuggling routes across the Southwest Border. Most of the heroin seized at air POEs in previous years was seized from South American heroin couriers. However, South American heroin production appears to have decreased sharply since 2003 (see Figure 2).

          The Flow of Drugs Within the United States

          There are 327 official U.S. land, maritime, and air POEs however, a relatively few POEs account for most of the drug flow into the United States. In fact, 88 percent of all drug seizures occurred at just 20 POEs. From these and other POEs, drug shipments are transported to dozens of national and regional distribution centers through eight principal corridors to the major drug markets within the United States. (See Figure 3.)

          Figure 3. Drug Transportation Corridors in the United States

          Source: Federal, state, and local law enforcement data and reporting.

          Among the eight principal drug corridors, Corridor A is particularly vital to DTOs. Corridor A is the primary route for DTOs transporting multiton quantities of cocaine, heroin, marijuana, and methamphetamine from the Southwest Border to eastern U.S. drug markets, many of the largest drug markets in the country. Within Corridor A, Interstate 10 as well as Interstates 8 and 20 are among those most used by drug couriers, as evidenced by drug seizure data showing that from 2008 through October 2009, nearly 19 percent of all reported interstate cocaine seizures and 7 percent of all reported interstate heroin seizures occurred on these routes.

          Corridor B is also important to DTOs, especially those moving methamphetamine and marijuana produced in California or Mexico to major market areas in western, central, or eastern states. Interstates 15, 80, 70, and 40 are the leading routes through Corridor B, and seizures on these interstates accounted for 46 percent of all reported methamphetamine seizures and 31 percent of all marijuana seizures on interstates from 2008 through October 2009.

          Drug couriers moving drugs through the various corridors are often destined for one of the relatively few primary U.S. drug markets, where there are large drug user populations and where drugs are further distributed to smaller markets. There are relatively little data available to objectively rank cities as leading or lesser drug markets. Nevertheless, analysis of national seizure data that identify the destination and origination of drug shipments shows that seven city areas (Chicago, Denver, Detroit, Houston, Miami, New York, and Tucson) are identified more often than any other cities as major points of both origination 12 and destination for drug shipments (see Table 3).

          Table 3. Metropolitan Areas Most Often Identified as Origination and Destination Points for Seized Drug Shipments, by Drug, 2008-2009*


          Assista o vídeo: CÉDULA E MOEDA COMEMORATIVAS DO PLANO REAL ESCASSAS E VALIOSAS AS MAIS PROCURADAS POR COLECIONADORES