Influência alemã se os nazistas tivessem vencido

Influência alemã se os nazistas tivessem vencido

Por influência alemã, refiro-me à língua alemã. Eu ouço o tempo todo que, se a Alemanha ganhasse a guerra, estaríamos falando alemão agora. É claro que há muito exagero nisso e a extensão da língua alemã dentro de outras sociedades europeias se os nazistas ganhassem pode ser argumentada, mas podemos concordar que seria muito influente não só na Europa, mas no mundo. Acredito que há dois cenários que poderiam ter ocorrido de outra forma na guerra que podem explicar minha pergunta. Primeiro os alemães venceram na Europa, mas nenhum controle sobre os EUA, já que eles supostamente permaneceram neutros.
A segunda Alemanha derrotando os EUA também. Levando em consideração o primeiro e o segundo cenário, qual seria a língua internacional hoje, alemão ou inglês? Sabemos que a influência do inglês no mundo foi criada pelo poder americano após a guerra, então, se eles fossem derrotados, isso esmagaria o inglês como uma língua futura no cenário dois? Agora, a julgar pela experiência anterior com ditaduras, nas quais o nazismo foi o pior de todos, você não acha que se eles tivessem ganhado a guerra quando as coisas começaram a se acalmar, e os alemães não estivessem mais ocupados pela guerra, eles finalmente conseguiriam cansado e começar a protestar e se revoltar contra o nazismo e ele desmoronaria de dentro de Berlim? Como isso afetaria a influência alemã, você acha? Acho importante dizer que sei que esta pergunta não tem resposta, ela se baseia na opinião pessoal e que excluí o russo e o japonês para simplificar as coisas, mas se quiser incluí-los, sinta-se à vontade para fazê-lo . História não é minha matéria. Nunca fiz isso na escola, então, por favor, tenha paciência com minhas questões desorganizadas e talvez pouco práticas. Obrigado


Esta é uma história contrafactual ("alternativa"), mas podemos extrapolar a partir da história normal.

Especificamente, ser a potência dominante de uma região geográfica não muda, por si só, o idioma de outros países dessa região. O processo, se ocorrer, leva muito tempo - como séculos.

Considere quanto tempo levou para o inglês ultrapassar o francês como a língua franca da Europa; ou o fato de que os alemães orientais (Deutsche Demokratische Republik) não começou a falar russo durante a noite; ou que a língua basca ainda é usada em certas províncias, apesar de ter perdido a soberania para falantes de castelhano no século XVI.

Ainda assim, dito isto - a formação original da Alemanha a partir dos estados prussianos dependia fortemente de uma língua comum, e não é irracional acreditar que um Grande Reich germânico teria sido implacável o suficiente para mudar a língua nativa de todos os falantes daquele território.


E se a Alemanha ganhasse em Kursk?

Postado por Rommel8 & raquo 23 de junho de 2003, 01:26

Nós vamos. e se? Como você acha que a guerra teria mudado, se é que mudou.

Eu pessoalmente acreditava que havia uma chance de vitória alemã.

Postado por Bola oito & raquo 23 de junho de 2003, 07:06

Postado por Major Linden & raquo 23 de junho de 2003, 11h37

Eu terei que apoiar Eightball neste. As perdas alemãs (principalmente em mão de obra) eram terríveis demais para uma nação de apenas 80 milhões se recuperar em tão curto período de tempo.

Adicione a isso o fato de que o Exército Vermelho evoluiu para uma força de combate extremamente difícil (como um pedaço de carvão em um diamante através do calor da batalha), e você tem uma indicação bastante justa de que o jogo acabou, não importa o resultado em Kursk.

Postado por Qvist & raquo 23 de junho de 2003, 18:26

Mesmo um resultado favorável ao máximo em Kursk, do ponto de vista alemão, não teria permitido mais do que a oportunidade de manter uma frente mais estável em 1943. Nesse ponto, o Exército Vermelho era simplesmente um oponente muito superior em recursos, certamente muito muito forte para o exército alemão derrotar consistentemente.

Postado por Rommel8 & raquo 23 de junho de 2003, 19:47

Mas muitos historiadores (pelo que reuni em livros e documentários) pensam que, se houvesse um círculo em torno de todos aqueles exércitos soviéticos, eles teriam forçado uma rendição soviética todos juntos?

Postado por luz da tarde & raquo 24 de junho de 2003, 14:07

Postado por TIBERIVS & raquo 27 de junho de 2003, 23:15

Concordo totalmente, a URSS era um gigante industrial com milhões de homens para atirar contra os alemães. As fábricas estavam produzindo tanques e aviões não perturbados pelos bombardeiros alemães durante a maior parte da guerra. Embora tenham perdido centenas de milhares, senão milhões, nos grandes incircuitos de Barbarossa, eles ainda tinham mais substitutos do que o suficiente. Por exemplo, em 1945 os russos tinham milhões em Berlim, não tenho certeza de quantos, mas de acordo com Anthony Beevors "Queda de Berlim", eles tinham 1.030.494 homens transferidos apenas dos Gulags. Mesmo sem treinamento, um milhão de homens é uma marreta de um ataque a uma única cidade. Isso nos mostra o quão grande era o rolo compressor soviético.

Agora, a ofensiva de Kursk foi originalmente programada para começar na primavera de 43, eu acredito que abril. No entanto, Hitler adiou até junho porque queria que os novos poderosos tanques Tiger participassem da batalha. A mensagem foi interceptada pelos aliados e entregue aos Soviéticos, dando-lhes tempo suficiente para construir as defesas em torno de Kursk. Acho que uma pergunta melhor seria: e se os alemães tivessem atacado em abril sem os Tigres e pegado os soviéticos de surpresa?

Postado por Bola oito & raquo 28 de junho de 2003, 16:50

TIBERIVS escreveu: Concordo totalmente, a URSS era um gigante industrial com milhões de homens para atirar nos alemães. As fábricas estavam produzindo tanques e aviões não perturbados pelos bombardeiros alemães durante a maior parte da guerra. Embora tenham perdido centenas de milhares, senão milhões, nos grandes incircuitos de Barbarossa, eles ainda tinham substitutos mais do que suficientes. Por exemplo, em 1945 os russos tinham milhões em Berlim, não exatamente quantos, mas de acordo com Anthony Beevors "Queda de Berlim", eles tinham 1.030.494 homens transferidos apenas dos Gulags. Embora sem treinamento, um milhão de homens é a marreta de um ataque a uma única cidade. Isso nos mostra o quão grande era o rolo compressor soviético.

Agora, a ofensiva de Kursk foi originalmente programada para começar na primavera de 43, eu acredito que abril. No entanto, Hitler adiou até junho porque queria que os novos poderosos tanques Tiger participassem da batalha. A mensagem foi interceptada pelos aliados e entregue aos Soviéticos, dando-lhes tempo suficiente para construir as defesas em torno de Kursk. Acho que uma pergunta melhor seria: e se os alemães tivessem atacado em abril sem os Tigres e pegado os soviéticos de surpresa?

Acredito que deveria ser lançado em maio, mas foi adiado até julho porque Hitler queria que os novos tanques Panther fossem concluídos. Agora, se eles * tivessem * de fato atacado em maio, sem os Panteras talvez eles tivessem uma chance melhor, embora eu ainda acredite que a Rússia Soviética teria vencido.


E se Hitler desenvolvesse armas nucleares durante a Segunda Guerra Mundial?

A Segunda Guerra Mundial está repleta de "e se" históricos. Este é o maior de todos.

Nos primeiros anos da Segunda Guerra Mundial, parecia que a Alemanha teria o luxo de gastar seu tempo desenvolvendo uma nova geração de super-armas. Os nazistas perseguiram desordenadamente a ideia de construir uma bomba atômica, com vistas a um eventual conflito com os Estados Unidos. No entanto, as demandas imediatas da guerra, combinadas com a sabotagem dos Aliados Ocidentais, minaram o programa, deixando-o na fase de pesquisa básica ao final da guerra.

Mas e se os alemães tivessem dedicado mais atenção ao programa ou tivessem conseguido avanços mais substanciais? O que os nazistas poderiam ter feito com uma arma atômica?

Contexto para construção:

O programa americano de armas atômicas custou uma enorme quantidade de dinheiro e tirou capital humano de outros projetos importantes. Mas os Estados Unidos, único entre as grandes potências da Segunda Guerra Mundial, acreditavam que a guerra duraria o suficiente para justificar projetos complexos.

A Alemanha não teve esse luxo, especialmente depois que ficou claro que a União Soviética não entraria em colapso em 1941. Para que a Alemanha considerasse seriamente o mergulho atômico, precisava de condições de guerra favoráveis ​​que permitissem o desenvolvimento de projetos de pesquisa de longo prazo. No evento, jatos, submarinos e foguetes ocuparam a maior parte dos escassos recursos de engenharia do Reich.

O programa alemão enfrentou outros obstáculos. Os ataques aliados ocidentais à economia industrial alemã cobraram seu preço, mesmo que não pudessem tirar a Alemanha da guerra. A sabotagem, como os ataques a pesadas fábricas de processamento de água na Noruega, também impediu o progresso alemão. A natureza do regime nazista também dificultou o progresso científico. Muitos dos melhores cientistas nucleares não gostaram dos nazistas e tomaram medidas para escapar da Europa. Os alemães não podiam aproveitar a experiência científica da Europa na mesma medida que os americanos. Não obstante, o regime nazista fez progressos substanciais em várias fronteiras da engenharia e poderia ter desenvolvido uma arma a tempo.

Resolver os problemas básicos teóricos e de engenharia não teria transformado repentinamente a Alemanha em uma grande potência nuclear, no entanto. O programa alemão concentrou-se no urânio enriquecido, um projeto mais simples que eliminou alguns dos problemas mais complicados enfrentados pelos Estados Unidos. No entanto, a necessidade de estoques de urânio (alguns dos quais foram apreendidos na Bélgica) e o extenso complexo industrial necessário para enriquecimento teriam tornado difícil para os alemães a produção de um grande número de dispositivos.

Mesmo se os alemães tivessem conseguido desenvolver uma arma atômica, a entrega teria sido um problema. Para uso tático contra alvos terrestres, a Wehrmacht poderia ter arquitetado uma maneira de lançar os dispositivos, mas qualquer coisa em um alcance maior teria sido uma luta.

A Luftwaffe carecia de um bombardeiro pesado avançado, capaz de atingir alvos na Inglaterra ou na Rússia, muito menos nos Estados Unidos. Projetada para lutar em apoio à Wehrmacht, a força aérea alemã brincou com a ideia de bombardeiros pesados ​​na década de 1930, mas se concentrou em aviões menores e mais leves à medida que a guerra se aproximava. Certamente, o alemão poderia ter desenvolvido um bombardeiro estratégico com tempo suficiente. Junkers, Heinkel e Focke Wulf trabalharam em grandes projetos de bombardeiros durante a guerra. Mas essas aeronaves eram extremamente complexas e caras, com longos prazos de entrega. O programa B-29 supostamente custava mais do que a própria bomba atômica, e até mesmo os B-29 exigiam modificações para transportar armas atômicas. O melhor candidato disponível para a Luftwaffe seria o He 177, capaz de carregar um dispositivo consideravelmente menor do que a bomba “Little Boy” lançada em Hiroshima.

Os submarinos poderiam ter entregado os dispositivos? Possivelmente. Um torpedo nuclear provavelmente estava além do alcance do Kriegsmarine, mas um submarino suficientemente próximo de seu alvo provavelmente poderia lançar a ogiva em um pequeno barco. Mas ficar em posição não era uma tarefa fácil em 1943, a guerra anti-submarina aliada estava devastando a frota de submarinos da Alemanha. Apenas os submarinos Tipo XXI poderiam ter se aproximado de alvos úteis com algum grau de certeza, e esses barcos só apareceram no final da guerra.

Os mísseis balísticos V-2 representavam os veículos de entrega potencial mais óbvios. Eles poderiam entregar cargas úteis ao alcance, com pouca chance de interceptação e com precisão suficiente para uma ogiva atômica. No entanto, os V-2s tinham uma taxa de falha de lançamento surpreendente, tornando-os uma opção incompleta para uma carga atômica. Eles também não tinham a capacidade de transportar cargas úteis, reduzindo uma ogiva a um tamanho suficientemente pequeno e reforçando-a para que pudesse lidar com os rigores do lançamento, vôo e separação, eram tarefas provavelmente além da Alemanha nazista em qualquer período de tempo útil.

Uso da arma:

Como os alemães teriam usado a bomba atômica, se tivessem conseguido construí-la? Depende, naturalmente, da situação tática da Alemanha quando desenvolveu a arma e dos sistemas de lançamento disponíveis.

Alvos estratégicos óbvios incluem Londres e Moscou, e a Luftwaffe provavelmente poderia tê-los entregado com sucesso com um certo grau de confiança. Um ataque a qualquer um dos dois seria devastador. No caso de Moscou, um ataque surpresa que decapitou a liderança soviética pode ter causado problemas muito sérios, embora o Exército Vermelho sem dúvida tivesse continuado a lutar. No Ocidente, a campanha V-2 teve um sério impacto no moral britânico, e um dispositivo atômico teria um impacto ainda mais devastador. Vale a pena ter em mente, no entanto, que a Ofensiva de Bombardeiro Combinada estava entregando níveis atômicos de destruição ao Reich de 1943 em diante, e que esse esforço falhou em forçar uma rendição alemã. Em qualquer caso, o centro de gravidade do esforço de guerra aliado ocidental havia passado para o outro lado do Atlântico, e os Estados Unidos provavelmente estavam fora de alcance.

Se pressionada pelo Exército Vermelho, a Alemanha poderia ter usado suas armas para efeito tático. Uma arma atômica poderia ter um impacto devastador em colunas blindadas, áreas de teste ou centros de comando, embora com um pequeno número de ogivas os alemães tivessem que tomar muito cuidado na seleção de alvos. O Exército Vermelho se moveu em uma escala tão grande que mesmo um ataque atômico pode não ter perturbado suas maiores ofensivas.

No lado naval, os testes da bomba atômica Bikini demonstraram que as unidades navais modernas podem sobreviver a ataques atômicos, embora de forma imperfeita. Tal como aconteceu com a guerra no Oriente, as bombas atômicas poderiam ter prejudicado a vantagem naval aliada ocidental, mas provavelmente não a ponto de cortar a linha de vida transatlântica. Grandes operações anfíbias, como a Invasão da Normandia, teriam se mostrado alvos muito mais interessantes, embora tivessem exigido decisões muito judiciosas da parte dos alemães.

A salva final:

A Alemanha nazista poderia ter desenvolvido armas nucleares se tivesse vencido a guerra. Ela não poderia desenvolvê-los como armas para vencer a guerra, tanto por causa das demandas do projeto quanto pelas limitações dos primeiros dispositivos atômicos. Somente os Estados Unidos poderiam combinar os recursos econômicos e o horizonte de longo prazo necessários para desenvolver a bomba e, ao mesmo tempo, desenvolver uma frota de bombardeiros capaz de lançá-la.

Robert Farley, um colaborador frequente da TNI, é autor de O livro do navio de guerra. Ele atua como professor sênior na Escola de Diplomacia e Comércio Internacional da Universidade de Kentucky de Patterson. Seu trabalho inclui doutrina militar, segurança nacional e assuntos marítimos. Ele bloga em Advogados, armas e dinheiro e Disseminação de Informação e O diplomata.

Imagem: Hitler discursa no Reichstag em 1941. Wikimedia Commons / Deutsches Bundesarchiv, Bild 183-2006-0315-500 / Schwan / CC-BY-SA 3.0


História alternativa - O Oriente se a Alemanha nazista tivesse vencido

Não tinha certeza de onde colocar isso, então pensei que tinha colocado aqui.

Estou curioso para saber quais as opiniões das pessoas sobre esta ideia de história alternativa em relação ao extremismo islâmico e a situação israelense-palestina se os nazistas tivessem vencido a segunda guerra mundial.

Você acha que o Islã extremo existiria?
Como você acha que a terra de Israel hoje seria chamada / seria?

Eu acho que é um tópico interessante.

Eu acredito que se eles tivessem ganhado, Israel estaria sob o controle alemão completo devido ao seu valor religioso. Não acho que estaria sob o controle de Iew ou dos árabes.

Eu acho que a população judaica estaria apenas nos EUA

Eu acredito que o Islã extremo estaria vivo, mas em qualquer lugar perto da extensão que está hoje.

Então seríamos todos terroristas. Um governo mundial nazista bem-sucedido enfrentaria rebelião constante da maneira mais viscosa possível: terrorismo. Cristãos, judeus, muçulmanos, etc. Ninguém de qualquer espiritualidade redentora toleraria as ações de Hitler, portanto, quase todos os caminhos religiosos formariam sua própria "Jihad" contra o regime nazista.

E seríamos todos rotulados de "extremistas" pelos nazistas por reagirmos.

Sem mencionar que aqueles que são leais à Constituição americana farão uma Segunda Revolução Americana caso os nazistas tomem conta da América.

Eu duvido disso.
A doutrina alemã de que se uma cidade germinasse partisians queimá-la até o chão acabaria por acabar com isso.

Com um alto custo em sangue.
A paz realmente vale a pena por esse preço?
Eu acho que não.

Seria um pesadelo completo e total.
Eu acho que o Islã extremo ainda iria aparecer.
Nem que seja por nada mais do que "a Terra Santa" sendo ocupada por infiéis.

No entanto, os nazistas responderiam brutalmente e provavelmente seria o caso de dois monstros lutando.

Eles são brancos, loiros e de olhos azuis e totalmente DEVOTADOS ao Reich? Se não, então eles eram uma raça mestiça e, como tal, seriam permitidos a existir até que chegasse o momento em que NÃO existissem.

HITLER foi realmente PORQUE eles perderam, suas ideias eram nada menos do que FULL TILT BOZO. eles não eram lógicos.

Hitler era aliado do Japão, da última vez que verifiquei que eles não eram brancos e arianos, a Alemanha era um aliado próximo da Turquia no ww1.

Um pedaço de papel.
Hitler assinou muitos deles.

A ideologia nazista acreditava que a guerra era essencial para fortalecer o povo, então Hitler iria exterminar a maior parte do povo eslavo se pudesse, pois pretendia povoar a Rússia com pessoas de etnia alemã, outras raças que seriam relegadas ao status de trabalhador ou escravo e o Oriente Médio ainda não havia entrado em seus planos de longo prazo, exceto e na medida em que usaram os árabes como aliados para lutar contra os britânicos, a Grã-Bretanha foi capaz de mobilizar seu império e logo repeliu os alemães no norte da África protegendo os campos de petróleo a guerra no oeste, poderia ter sido bem diferente, na verdade foi por causa da resistência da Grã-Bretanha que a Rússia sobreviveu.

O comboio do Atlântico Norte entregou armas e suprimentos muito necessários para a Rússia e a rota foi uma das mais infernais que qualquer marinheiro poderia navegar, exceto a Operação Barbarosa, que era um plano de estimação de Hitler (que odiava todos os russos, incluindo os ucranianos e queria eliminá-los todos incluindo o ucraniano como era o plano ideológico) na verdade, levantou a pressão sobre o Reino Unido e a operação leão-marinho foi arquivada (a operação leão-marinho era o plano de invasão alemã para a Grã-Bretanha), pois eles não podiam obter superioridade aérea sobre a Grã-Bretanha (devido às ordens de Hitler uma mudança de bombardeio do campo aéreo para a cidade da Grã-Bretanha).

Essa trégua trouxe a Rússia, que tecnicamente estava em guerra com a Grã-Bretanha e a França devido à co-invasão da Polônia com a Alemanha, para o lado dos aliados e, sem muita escolha, decidimos ajudar os russos da melhor maneira que podíamos.

O ataque a Pearl Harbor foi a mudança de sementes que trouxe os EUA para a guerra, eles tinham sido ferozmente neutros até os japoneses os atacarem, mas agora a pressão pública nos EUA não apenas os levou à guerra com o Japão, mas com sua Allie Nazi Germany e a Os navios da liberdade que os estaleiros dos Estados Unidos foram capazes de produzir na velocidade da luz logo oprimiram a frota de submarinos alemã que estava estrangulando a Grã-Bretanha no mar, eles também forneceram uma tábua de salvação de mercadorias americanas e armas para a Rússia.

Como teria sido o mundo se a Inglaterra aceitasse a tentativa da Alemanha de negociar a paz com eles e de ter formado uma aliança com Hitler como sempre sonhou, bem, Hitler olhou para o domínio britânico na Índia com óculos tendenciosos e coloridos interpretando os 5000 funcionário britânico que administrava centenas de milhões de indianos como um sinal da superioridade do Povo Germânico (Os britânicos) e ele realmente idolatrava o Império Britânico antes da guerra, Mas ele queria o seu próprio, se isto acontecesse o Império da Grã-Bretanha e o novo O Império da Grande Alemanha ainda existiria, mas foi construído sobre os ossos de incontáveis ​​homens, mulheres e crianças assassinados, e isso é um custo muito alto.

No início da década de 1930, Hitler estava convencido de que a América iria para a guerra com o império britânico e tinha boas razões, pois naquela época havia muito sentimento anti-britânico no estado, os canadenses estavam se preparando para uma invasão pelas forças americanas e um contra-ataque, mas os planos dependiam de os britânicos virem ajudar enquanto os britânicos traçaram planos de contingência para abandonar o Canadá e ceder ao estado depois de fazer as contas e chegar à conclusão de que não podiam derrotar os EUA, mas podiam segurá-los indefinidamente no Atlântico, enquanto isso Hitler mandava seus generais traçarem um plano para ajudar a Grã-Bretanha até a guerra estourando com a América.

A história é uma confusão emaranhada, mas os árabes ainda existiriam e lembre-se que a Turquia foi o aliado tradicional da Alemanha.

A russa e seu povo teriam sido exterminados. A maior parte da Europa teria se submetido ao programa eugênico e à política de reprodução do Terceiro Reich, bem como à reeducação.

O nome do povo judeu não seria encontrado em nenhum lugar da Europa.

O sangue dos inocentes teria criado um monstro imparável que acabaria por consumir o mundo, pois com a ideologia nazista, acreditando que a guerra era essencial, eles teriam travado uma guerra ideológica e racial na Ásia, eventualmente se voltando para seus aliados japoneses após exterminar os chineses e também posso prevendo o estabelecimento de colônias alemãs na Arábia e o controle de todas as colônias francesas e belgas, as rebeliões seriam uma bênção para eles, pois a guerra fortalece o povo, então, eventualmente, os primeiros escravos do nativo teriam sido erradicados.

Os NAZI queriam terrenos suficientes para serem autossuficientes em alimentos e matérias-primas. As pessoas são iguais em muitos níveis, é lógico que a Alemanha quisesse o suficiente para ser segura, e nada mais. Mais eventualmente dá um retorno decrescente.

Os NAZI começaram o Holocausto depois que a guerra deu errado e o trabalho escravo de todos os não-arianos era a única maneira de manter a produção.

Se os NAZI tivessem vencido no Leste, Israel poderia ter sido estabelecido de qualquer maneira, para tirar os judeus da Alemanha.

Especialmente se a guerra fosse um jogo de cassino com os banqueiros como a casa.

A Alemanha nunca governou os árabes e poderia ter negociado melhor um acordo diplomático e aceitável para a residência judaica.


E se o Eixo tivesse vencido a 2ª Guerra Mundial?

E se o Eixo tivesse vencido a 2ª Guerra Mundial? - Este é um dos cenários "e se" mais populares frequentemente discutidos entre entusiastas e escritores de história em fóruns e em obras de ficção. Afinal, não é nenhuma surpresa, pois se trata de um evento historicamente recente e profundamente significativo, sendo ainda mais popularizado por obras como Man in the High Castle, Swastika Nights e Wolfenstein, que nos apresentam vividamente com um mundo alternativo distópico onde reinam os poderes do Eixo. dominante. No entanto, muitas dessas abordagens sobre este tópico tendem a se envolver em bajulação indevida e exagero do poder que as nações do Eixo exerceram. Como qualquer historiador informado irá lhe dizer, as potências do Eixo tinham poucas chances de vitória, sendo superadas, manobradas e desarmadas pelos Aliados.

Se em uma linha do tempo alternativa o Eixo conseguisse de alguma forma a vitória, como seria o mundo? Tomando sugestões de analogias do mundo real e com uma compreensão das realidades geopolíticas das principais potências, tentamos pintar o mais preciso possível a imagem de um mundo onde o Eixo havia vencido a 2ª Guerra Mundial.

Como o eixo poderia ter vencido?

Soldados da Wehrmacht no ataque em Stalingrado

Primeiro, precisamos construir nossa linha do tempo alternativa, criando primeiro o cenário de como o Eixo poderia ter vencido a guerra. Para que isso aconteça, os EUA precisam se manter neutros. A vantagem econômica desequilibrada que os Aliados desfrutavam sobre o Eixo, graças ao puro poder industrial dos Estados Unidos, garantiu que o Eixo logo perderia de uma forma ou de outra.

Em nossa linha do tempo alternativa, triunfos políticos isolacionistas sobre os EUA e o país mantém sua neutralidade durante a guerra. Com petróleo, sucata e borracha das Américas ainda sendo fornecidos aos japoneses, nenhum evento como Peral Harbor acontece. Sem restrições de suprimentos, as facções militares favoráveis ​​a um ataque à URSS ganham impulso e a Operação Kantokuen acontece.

Enquanto isso, na Europa, como em nossa linha do tempo real, a Alemanha não tem a logística nem as capacidades técnicas para lançar uma invasão bem-sucedida das Ilhas Britânicas, mas sem lend-lease e suprimentos cada vez menores, a Grã-Bretanha é eventualmente forçada a uma rendição negociada. A Grã-Bretanha provavelmente perderá sua participação no norte da África e no Oriente Médio. Com a frente ocidental assegurada e o petróleo sendo fornecido do sul, a Alemanha se concentra em vencer a guerra no leste, enquanto as forças japonesas já iniciaram a invasão da Sibéria.

Mesmo neste cenário muito mais favorável para o Eixo, a vitória não é garantida contra os soviéticos. Como em nossa linha do tempo, o Soviete ainda tem amplas divisões militares estacionadas no Leste para potencialmente não apenas repelir uma ofensiva japonesa, mas ameaçar a destruição da base industrial japonesa, já que o próprio país está ao alcance dos bombardeiros soviéticos. Apesar de mais recursos disponíveis, a Alemanha ainda não seria capaz de capitular o Soviete antes do início do General Winter. A ideologia racial nazista e os processos judiciais acabaram sendo o maior trunfo para a causa soviética, pois pessoas que antes podem ter ajudado imensamente os alemães em seus esforços de guerra, como ucranianos e bielorrussos, se levantaram na luta contra os alemães ao lado dos russos devido às atrocidades nazistas.

Mas, para definir nossa linha do tempo alternativa, Hitler age de maneira sensata e é mais pragmático em sua política de ocupação, Stalin sofre um derrame por algum motivo no meio da guerra e o Soviete sofre assim de uma crise de liderança e, finalmente, devido à agressão japonesa, o Exército Vermelho mobiliza mais recursos no leste, deixando divisões insuficientes para conter o avanço alemão quando Hitler lançar a Operação Barbarossa. Os soviéticos capitulam e os alemães consolidam seus ganhos a oeste dos Urais, enquanto os japoneses fazem o mesmo na Sibéria, deixando um estado de retaguarda entre eles para agir como um amortecedor. Com isso, o improvável foi assegurado - uma vitória do Eixo na 2ª Guerra Mundial.

O Mundo da Hegemonia do Eixo

Desfile da vitória realizado em Berlim em comemoração ao 15º aniversário da vitória alemã na 2ª Guerra Mundial

Agora, para a questão principal em questão - como a história teria se desenrolado em um mundo onde o Eixo derrotou os Aliados?

Consequências imediatas

Semelhante à divisão entre a URSS, Iugoslávia e China como em nossa linha do tempo, devido a atritos ideológicos e geopolíticos, Alemanha, Itália e Japão não permanecerão aliados por muito tempo depois que a guerra terminar. Devido à natureza excludente da doutrina fascista, a Alemanha nazista e o Japão imperial acabaram desenvolvendo uma rivalidade acirrada. Itália, Portugal e Espanha, ameaçados pela Alemanha, tentam manter uma postura oficial de neutralidade, inclusive desenvolvendo laços mais estreitos com os EUA, bem como para contrabalançar a influência alemã.

Ásia leste

Na China, com os japoneses incapazes de penetrar no vasto interior da China e os nacionalistas chineses igualmente, incapazes de desalojar os japoneses das áreas costeiras, eventualmente, após anos de um impasse sangrento, assinam um armistício. Os comunistas, sem o apoio da URSS como em nossa linha do tempo, foram completamente erradicados. A China nacionalista provavelmente cai sob a influência alemã, enquanto os japoneses instalam um governo fantoche nas regiões ocupadas pelos chineses, semelhante ao que fizeram na Coréia e na Manchúria. O cenário provavelmente se desenrola de forma semelhante à divisão norte / sul-coreana em nossa linha do tempo, apenas em uma escala muito maior.

O terceiro mundo

Em nossa linha do tempo real, o Império Britânico já estava em declínio antes mesmo do início da guerra. Após a guerra, a Grã-Bretanha estava fraca demais para manter o controle de seu império e, portanto, cedeu à pressão dos vários movimentos de independência em suas colônias, bem como ao crescente apoio doméstico a eles. Em nosso cenário alternativo, o apelo à independência é acelerado à medida que a notícia da derrota da Grã-Bretanha se espalha para suas colônias, mas a derrota da Grã-Bretanha também gera um ambiente doméstico de chauvinismo, levando a Grã-Bretanha a atrasar ou suprimir à força a independência das colônias que poderia esperar manter como parte de seu império.

Na nossa linha do tempo, foi a intervenção das Superpotências, URSS e EUA que permitiu que os movimentos de independência tivessem sucesso contra potências europeias que se opunham à independência, como a França e Portugal. Nessa linha de tempo alternativa, com os EUA neutros e a Alemanha e o Japão imperialistas, muitas colônias são incapazes de obter sua independência.

No entanto, países como Índia e Egito, devido ao seu tamanho, ainda são capazes de alcançar sua liberdade sem a necessidade de intervenção externa. No entanto, qualquer esperança de governo democrático nesses países recém-independentes desvanece-se rapidamente à medida que a vitória do poder fascista sobre as democracias ocidentais leva a um maior apelo por formas não democráticas de governo.

Os EUA

Enquanto isso, como em nossa linha do tempo, os EUA emergem como a maior economia após a guerra, tendo sido poupados da destruição da guerra que impactou o resto do mundo. No entanto, o tamanho relativo da economia dos EUA em comparação com o resto do mundo continua a divergir ainda mais. Nesta linha do tempo, a economia dos EUA não está sobrecarregada por tentar manter o sistema de Bretton Woods (que não existe) e sua indústria manufatureira não enfrenta a concorrência das economias emergentes da Ásia. Os EUA retêm um superávit comercial e se beneficiam imensamente da imigração, à medida que talentos habilidosos escapam dos processos judiciais no Velho Mundo.

Com o passar dos anos, a divergência entre os EUA e o resto do mundo cresce dramaticamente à medida que a inovação nos EUA ganha ritmo, se beneficiando de um pool maior de talentos graças à imigração, alta mobilidade social e menor exclusão. Enquanto isso, os poderes fascistas ficam para trás, pois muitos de seus recursos são gastos em censura e repressão, enquanto a maioria da população é excluída do avanço, portanto, o pool de talentos é muito restrito.

Europa

A saúde física e mental de Hitler declinou rapidamente nos últimos anos de seu reinado antes de ele cometer suicídio em nossa própria história. Neste cenário alternativo, embora ele não cometa suicídio, ele ainda morre alguns anos depois. Göring ou Goebbels é um provável sucessor. No entanto, se Himmler tiver sucesso na luta interpartidária que se seguiu, possivelmente ocorrerá um golpe militar.

Tirando lições de exemplos em nossa linha do tempo de casos em que os líderes ideológicos morreram em uma ditadura, podemos interpretar que a primeira coisa que seu sucessor faz após tomar o poder é expurgar do regime que eram mais próximos de Hitler para consolidar seu próprio governo. Secretamente, Hitler é denunciado em reuniões secretas do partido, enquanto uma imagem positiva dele em público é mantida. Foi o que aconteceu em muitas ditaduras da vida real, como a URSS após a morte de Stalin e a China após a morte de Mao.

Este novo regime reverte muitas das velhas políticas com motivação ideológica, pois seu principal interesse é permanecer no poder e enriquecer-se, em vez de qualquer implementação estrita da ideologia do fundador. No entanto, tragédias como o Holocausto ainda continuam. Em nossa linha do tempo, mesmo quando os nazistas estavam em uma frente de guerra perdida e sem recursos, eles continuaram sua eliminação dos judeus europeus. The only way to prevent the near extinction of the European Jews in this alternative history would be if the German people themselves protested strongly against the crimes, giving the military a pretext to curtail the powers of the SS. However, in reality, given how apathetic or even supportive the common public was of Jewish persecutions, such a scenario is unlikely.

On the other hand, the systematic destruction of Slavic people would be an unrealistic scenario. The regime, being short of labor due to the war and realizing that people are less willing to resist you if you’re not trying to exterminate them, instead pursues a policy of implementing a racially divided society with ethnic Germans at the top. Despite the official surrender of Soviets in the war, communist-led guerilla warfare and underground movements in Europe and Asia continue to be a drain on the resources of Fascist powers.

In this far less free alternative history, an Apartheid like system eventually emerges and becomes the norm, instead of multiculturalism like in our timeline. This would be the arrangement between Germans and Slavs in Europe, Latins and Arabs in the Mediterranean and North Africa, Japan and Han Chinese in East Asia, Whites and non-whites in the Americas and Africa.

A New Cold War Begins

With the Germans first to reach the moon, the U.S sets its sights on Mars in an attempt to win the Space Race.

The U.S of this alternative timeline doesn’t remain isolationist for long as news of the Nazi atrocities reaches the American press and politicians began to realize the extent of threat Nazi Germany poses.

Nazi Germany is the first country to develop nuclear bombs but other Great Powers such as the US and even Japan are able to develop their own nuclear capabilities by the late 50s. A new three-way Cold War emerges between the three Superpowers of this alternative timeline. The world is divided into three blocs, a Nazi-led Europe and Africa (which is still under white minority rule), a U.S led Americas and a Japan led Asia-Pacific. Lesser powers such as Great Britain, Australia and India either align with any of the three blocs or choose to remain neutral.

The Middle-East becomes, like in our timeline, a ground for proxy warfare between the three powers. Somewhere in the 60s, with the development of medium-range missiles, a Cuban-missile like crisis likely occurs, most probably in Iceland from where German missiles could reach the US mainland. Just like in our timeline, the U.S becomes highly interventionist in Latin American politics. However, in this alternative history, America finances socialist coups against fascist governments rather than vice versa.

In our timeline, the Japanese economy, benefitting from political stability, greater social freedoms and access to rich Western markets, grew exponentially in size after the war. In this alternative history, however, the Japanese economy starts to stagnate far sooner with the Asian states under its influence in the so-called Greater East Asia Co-prosperity Sphere unable to provide a large enough market for its manufactured goods. The economy also suffers from a lack of incentives to shift to a capital-intensive mode of production due to the easy availability of cheap labor and resources from Asia.

As Japan lags behind, both Nazi Europe and the U.S try and fill in the power vacuum it generates. Feeling more threatened by Nazi Germany, Japan develops closer ties with the U.S. It isn’t an improbable scenario. In our own timeline, the U.S did garner strong ties with oppressive regimes which opposed the Soviet Union and still today maintains an alliance with countries such as Saudi Arabia. The US signs a mutual defense pact with Imperial Japan as a means of countering Nazi influence in the region. Following the death of Emperor Hirohito, his son Akihito, taking heavy influence from the US, makes a deliberate attempt at democratizing the nation.

Meanwhile, in Nazi Europe, the first few decades see rising prosperity as Europe recovers from the devastation of the war and the large continental market becomes increasingly integrated. However, with the majority of non-Germans excluded from the formal economy, a parallel black economy strings up, creating sources of revenue for the resistance movements to sustain themselves on in Nazi-occupied lands.

In terms of technology, Germany retains an edge in many fields as rocketry, armaments and mechanics over that of US in the initial decades. The Space race is far more protracted and intense, with Germany being the first to send a man to the moon. However, by the ending decades of 20 th century, the larger and more innovative economy of America allows it to outcompete Nazi Germany, especially with the rise of the domestic IT revolution.

Defeat

As the economic gap between Nazi Germany and the US continues to increase, the former finds it increasingly hard to sustain an arms race, further hampered by the continuous fighting against insurgency in Eastern Europe, made much worse by implicit American support. With stagnating standards of livings and never-ending war in the East, protests begin to erupt across Western Europe.

The Nazi regime tries to increasingly relax its suppressive policies as a means of staying in power. This is what many dictatorships in our own timeline did in the later decades of the century. However, with greater freedom comes greater awareness of the outside world and this leads to even greater demands for liberty. By the late 90s, occupation of Western Europe becomes increasingly difficult and the German military begins to withdraw. Western European countries finally are able to hold democratic elections after decades of oppressive rule.

In Eastern Europe, however, the situation is far more complicated due to the presence of a sizable German minority and a history of prosecution of the Slavic majority. While the German regime does grant independence to the colonies, instead of democracies, corrupt dictators take hold of power on a pretext of maintaining social peace. These regimes are given backing by the now weakened but still powerful Nazi Germany.

The economic liberalization of Nazi Germany results in a large-scale capital flight and a severe economic crisis, threatening to plunge the rest of the world into a recession. The American administration creates the Bush plan in response, a series of concessional loans and stimulation packages to stabilize western European economies and encourage growth.

Declassification of official documents makes the world finally aware of the extent of past Nazi atrocities. Facing international condemnation and an economic crisis, opportunistic factions within the regime take their chance to switch sides and join the growing opposition movement against the regime. Election are held but democratic rule occurs in name only as many leading members of the past regime are still able to keep office. However, over time, the country slowly manages to transition into a full liberal democracy.

The Present Day

Władysław Bartoszewski, a guerilla fighter turned peace activist played a leading role in the growing democracy movement in Eastern Europe

It is 2019 and in this alternative history, Facebook, Apple and Burger king still exist but man have been to Mars and the world is going through an economic boon due to the opening up of markets in Europe and Asia. However, racism is far more prevalent and the institution of universal human rights less entrenched.

India, which is ruled under a technocratic dictatorship, has become the manufacturing hub of the global economy. China remains divided between an increasingly isolationist Nationalist dictatorship and a fast-growing coastal democracy. Decolonization has just started in Africa. In East Europe, Poland-Ukraine leads the way in the growing democratization movement across the region. However, tensions exist between the German minority enjoying a disproportionate presentation in many sectors of the country and the Slavic majority demanding repatriation and affirmative action for past injustices. The US is more liberal and Europe is more conservative than their counterparts in our timeline. Canada is still Canada but less polite.


7 A Great Wall Of Baby-Makers

The Nazi defense against the new Japanese empire had to start at the 70th meridian east. In time, they were sure, there would be a war between the two new rulers of the world, and they needed to be ready when it came.

The plan was to make a &ldquoliving wall&rdquo of German colonists who would reside along the border, reproducing as madly as they could. Any man of worth who had served 12 years in the Nazi army was to be sent to the eastern border, given a farm and a gun, and ordered to have as many babies as possible.

The men in the baby-making squad of Nazi veterans were required to marry locals. They couldn&rsquot bring German wives with them. This was supposed to distill the gene pool on the border and make a new generation of half-German babies. It could only work if those Nazi soldiers spent a lot of time in the bedroom. For the sake of his country, Hitler demanded, every man on the eastern front was expected to father at least seven babies. [4]


1. The war drags on a little longer but with the same result

So Stalingrad has fallen and the Germans have conquered the city. But at what cost?

In our timeline, Germany suffered 80% of its casualties during WW2 on the Eastern Front, a good portion of those at Stalingrad - around 850,000 casualties along with a vast amount of military equipment. It was the single biggest defeat in the history of the German army and the battle took a hefty toll on the Nazi cause. In any scenario in which the German army takes Stalingrad, the bloody street-to-street combat ensures the Germans will suffer great losses, impacting the effectiveness at which it can continue to carry out its eastern offensive.

With Stalingrad behind them, the Germans now stagger on towards the oilfields of Baku in the Caucasus, one of the main objectives of their 1942 summer offensive into southern Russia, known as Case Blue. The vast majority of Germany’s oil comes from Romania but stocks are running low, meaning the Soviet oilfields are extremely important for Hitler’s war efforts.

Although the Soviets have lost Stalingrad, they still vastly outnumber the Germans and their strong resistance continues.

However, the Soviets destroy the oil production facilities during their retreat. In all likelihood, it will take the Germans somewhere between 1-2 years to repair these facilities and have them producing the fuel that the mechanised Nazi war machine so desperately craves.

Even if the Germans can get the oilfields up and running quicker than a year, their already overstretched supply lines will be pushed to the limit. They’d have to build, secure and protect a route that the oil could be transported along connecting the Caucasus all the way back to the West.

Although the Soviets have lost Stalingrad, they still vastly outnumber the Germans and their strong resistance continues. They target German supply lines, especially those carrying oil, and make a number of attempts to retake Stalingrad.

Hitler’s belief that Slavs are ‘sub-human’ and his policy of complete annihilation means his forces gain little favour from the various nations/non-Russians within the Soviet Union, who no longer see the Nazis as liberators but instead take up arms against them.

Without the immediate benefit of the oilfields, combined with the sheer size and logistical complexity of Russia, defending the Caucasus stretches the Wehrmacht beyond its limits.

Although delayed, the outcome of the war remains the same as in our timeline, with Germany eventually retreating from Russia and losing the war.


A busca de poder de Hitler quase descarrilou várias vezes. Mas o sistema possibilitou sua ascensão

Um lobo Hitler não precisava chegar ao poder. De fato, durante sua busca de 13 anos pela liderança da Alemanha, ele quase falhou muitas vezes.

No final, entretanto, seu sucesso surpreendente mostrou como a demagogia poderia superar desafios que potencialmente encerrariam a carreira e mudar profundamente a história. Um homem forte e determinado, não levado a sério pelas elites, mas capacitado por um núcleo de partidários apaixonados, poderia dobrar os eventos em seu caminho assim que seu país entrou em queda livre. A ascensão aparentemente improvável de Hitler é uma lição prática da volatilidade da história.

Enquanto pesquisava meu novo livro sobre a ascensão radical nazista, fiquei surpreso com o número de vezes que a busca de Hitler pelo poder quase chegou ao fim - e quão perto o mundo chegou, ao que parece, de evitar o terror que ele causou. O primeiro foi em 1923, quando ele deu um golpe malfadado d & rsquo & eacutetat que ficou conhecido como Beer Hall Putsch. Ele falhou em 17 horas. Vinte homens foram mortos e Hitler não foi atingido por uma saraivada de balas da polícia por apenas meio metro. O homem ao lado dele morreu. Hitler ameaçou suicídio e, na prisão, tentou uma greve de fome. No final, ele foi julgado e condenado por traição.

Esse evento deveria ter encerrado a carreira política de Hitler. Mas o chefe nazista era fanático. Convencido de sua missão messiânica de salvar a Alemanha da queda iminente, ele escreveu um manifesto autobiográfico chamado Mein Kampf, obteve liberdade condicional da prisão e fundou novamente o movimento nazista em 1925. O partido de Hitler e Rsquos atraiu verdadeiros adeptos e cresceu. Ainda assim, em 1926, ele enfrentou uma insurreição interna e uma possível divisão do partido. No último minuto, ele sufocou o desafio com uma corda bamba de quatro horas em uma reunião nazista fechada.

Um ano depois, o Partido Nazista estava falido. Hitler novamente considerou o suicídio, dizendo a seu novo acólito, Joseph Goebbels, que preferia colocar uma bala na cabeça a aceitar a falência. Ele foi salvo por um rico industrial, Emil Kirdorf. Motivado por um monólogo de Hitler de quatro horas proferido em uma mansão de Munique, Kirdorf supostamente deu ao Partido Nazista 100.000 marcos & mdash $ 350.000 em dinheiro de hoje.

Em 1928, Hitler liderou sua banda radical nas eleições nacionais e mdashand não deu certo. Pregando desgraça e queda, Hitler nadou contra a maré histórica. A economia da Alemanha estava se recuperando. Os nazistas conquistaram apenas 2,6% dos votos, chegando ao fundo do poço.

Mesmo depois que a Grande Depressão provocou uma reviravolta para o partido em crise & mdashby 1930, os nazistas venceram 18,3% em uma eleição nacional & mdashhe enfrentou outro motim dentro do partido e então, em 1931, um escândalo provocado pelo suicídio de sua sobrinha de 23 anos , Geli Raubal, que muitos consideravam ser sua amante. A montanha-russa política continuou. Em 1932, os nazistas de Hitler & rsquos atingiram o pico de 37% dos votos parlamentares, mas a recusa de Hitler & rsquos em fazer parte de uma coalizão levou o partido a perder dois milhões de votos nas eleições finais do ano.

Depois que o principal tenente de Hitler e rsquos, Gregor Strasser, desertou dramaticamente, ameaçando uma dissolução do partido, o líder nazista e rsquos ascensão política meteórica parecia ter chegado ao fim. "É óbvio que [Hitler] agora está descendo a ladeira", escreveu um importante jornal. & ldquoA república foi resgatada. & rdquo

Até Goebbels ficou arrasado. & ldquoO ano de 1932 foi uma longa seqüência de azar & rdquo, escreveu ele. & ldquoNós apenas temos que despedaçá-lo. & rdquo

Mas, para surpresa de muitos, Hitler ainda não estava morto.

Em janeiro de 1933, a política alemã estava em parafuso e o desemprego havia atingido 24%, com 6 milhões sem trabalho. Um novo governo era desesperadamente necessário. Depois de uma série de reuniões clandestinas de atores políticos nos bastidores em uma elegante villa de Berlim, Hitler surgiu como a escolha secreta para ser nomeado chanceler pelo presidente Paul von Hindenburg.

No entanto, o arranjo secreto dependia de um gabinete multipartidário delicadamente equilibrado. Então, poucas horas antes de sua posse programada pelo presidente Hindenburg, o líder nazista exigiu que seus possíveis ministros concordassem com novas eleições dentro de seis semanas - um movimento que afirmaria os nazistas & rsquo no poder. Foi uma condição impressionante de último segundo, mas todos concordaram, exceto Alfred Hugenberg, que seria ministro da Economia e da Agricultura. O velho e teimoso político, 24 anos Hitler & rsquos mais velho, não confiava no barulhento nazista e não queria lhe dar uma mão ainda mais livre.

O acordo para Hitler assumir o poder agora ameaçava ser desfeito, mais uma vez.

Sem Hugenberg, todos sabiam, não haveria gabinete, nem governo, nem juramento.

Quando Hitler e os membros do gabinete entraram na chancelaria, onde Hindenburg, de 84 anos, os esperava, o presidente e assessor principal subiu correndo, com o relógio de bolso na mão. "Cavalheiros, vocês não podem deixar o presidente esperando mais", disse ele.

De repente, Hugenberg, um homem da velha escola que reverenciava modos, autoridade e idade, aceitou as condições de Hitler. O último contato de Hitler com a obscuridade política foi evitado. Nas duas décadas anteriores, ele confiara na sorte e na retórica para salvar sua carreira repetidamente - mas por trás desses fatores havia, sempre, um contexto mais amplo da política alemã que possibilitou sua ascensão. Seus discursos podem impedir um motim, mas o sucesso ou o fracasso da economia alemã teve mais influência sobre a sorte do Partido Nazista. E aqui, mais uma vez, foi um momento em que a mania de Hitler pelo poder não teve sucesso sozinho, mas sim com a ajuda de um sistema que o deixou acontecer. Em 15 minutos, ele se tornou chanceler da Alemanha, preparando o cenário para os horrores que se seguiram.

No dia seguinte, Hugenberg disse a um amigo: & ldquoOntem, fiz a coisa mais estúpida da minha vida. Juntei forças com o maior demagogo da história mundial. & Rdquo


If Nazi Germany had had industrial parity in WWII, would they have won?

Difficulty here is the "how". The Allies, particularly the U.S. had enormous internal resources at hand (oil being first on the list), without some sort of ASB level intervention Germany is never going to match the Permian Basin (not even mentioning the other readily accessible oil basins across the U.S.) or coal fields scattered across North America nor the Copper mines of the upper Plains, or the mineral wealth of Commonwealth South Africa, or the vast resources of the USSR.

The other issue (and this is one that is almost always forgotten) is that the REAL, back-breaking advantage that the Allies had was the specifics of American manufacturing techniques. by 1939 the United States had taken "mass production" to a level that could not even be imagined elsewhere. We are all used to seeing the sort of production that marks, as an example, the auto industry today, where Japanese and German companies have equaled or in many cases surpassed American manufacturers. That was not the case in WW II. American companies were all about volume and speed. A perfect example of this is the difference between the RR Merlin and the Packard built mass production variants. The RR Merlins were pieces of art, every one what American car fans call "blueprinted" engines where the final fit and finish of parts was done by an expert machinist all the way down to the piston rings (the Merlin's original blueprints included a number of "hand machine to fit" instructions), overall exquisite, engine sized, watches. Packard took one look at the blueprints and lost their minds. "What do you mean "hand fit"? We're going to be building these things on an assembly line. Every single part in every single engine has to be identical." The RR engineers thought the Packard folk had lost their sense, no way to punch out Merlins like they were buttons.

Well, the Packard folks came back with "hold my beer" and proceeded to redesign the Packard V-1650 so every engine could use any piston ring, or valve stem, or any other part straight out of the parts bin without so much as an assembly worker using as much as a metal rasp throughout the process. The engines were not works of art, but they had identical performance and Packard built 55,000+ of them. Same thing happened with the RR turbo charge design. Rather than retype it I'll just quote it

"In my enthusiasm, I considered that Rolls-Royce designs were the ne plus ultra, until the Ford Motor Co. in Britain was invited to manufacture the Merlin in the early days of the War. A number of Ford engineers arrived in Derby, and spent some months examining and familiarizing themselves with the drawings and manufacturing methods. One day their Chief Engineer appeared in (Merlin development head Cyril Lovesey's) office, which I was then sharing, and said, 'You know, we can't make the Merlin to these drawings.'

"I replied loftily, 'I suppose that is because the drawing tolerances are too difficult for you, and you can't achieve the accuracy.'

"'On the contrary,' he replied, 'the tolerances are far too wide for us. We make motor cars far more accurately than this. Every part on our car engines has to be interchangeable with the same part on any other engine, and hence all parts have to be made with extreme accuracy, far closer than you use. That is the only way we can achieve mass production.'"

original quote is from Not Much of an Engineer Stanley Hooker's autobiography.

Everywhere else in the world the same sort, to greater or lesser degree, of individual fitment had to be done (and this didn't just mean at original time of construction, every time a mechanic had to replace a part they had to be ready to fiddle with it).

The U.S. mass produced SHIPS. Kaiser yards would build parts of a 14,000 ton Liberty Ship in sections, then literally put the pieces in a huge jig and weld them together, using unskilled labor, largely women who had never even seen a welding torch or rivet gun in their lives before the war started. Now the resulting ships were ugly as hell, and were more or less designed to be the ship equivalent of fresh milk, use it because it is going to go bad fairly quickly, but those unskilled workers managed to build them from keel to launch in 42 days (average pre-war construction from keel to launch for a 14,000 ton cargo ship was 8 months), and did it better than 2,700 times.

It isn't enough to give the Reich the same number of factories (i.e. industry power). It need more resources than can possibly exist inside German borders (or all of Western Europe for that matter, straight line from San Francisco to Baltimore is 4,150km while the distance from Irun (on the French-Spanish to Moscow is

3,200km) AND it needs an entirely difference business/industrial/engineering culture.


Alternate History discussion

I know there's alot of books about Nazi Germany winning and the Turtledove Series following the US/CS had the US/Germany winning World War I setting the stage for a Nazi-CSA, but does anyone know of any books where germany wins world war I? And does anyone know or have a thought about how the world would look in that universe?

Loren wrote: "I know there's alot of books about Nazi Germany winning and the Turtledove Series following the US/CS had the US/Germany winning World War I setting the stage for a Nazi-CSA, but does anyone know o. "

I asked that same question over on a History Book group and got the same answer you gave. Try Turtledove. I've read most of Turtledove and I don't recall any with this premise.

My personal thoughts on the matter are. That if you assume that Germany wins early and the diplomats patch up a piece, then there will be no communist dictatorship in Russia, no communist movement in the world. The Ottoman empire remains intact and the bulk of the world oil reserves are now controlled by it. Germany remains the dominant nation in Europe and gradually moves to a monarchy patterned after
Inglaterra. Austria retains a large hold on the Balkans.
China remains locked in a struggle between the war lords and the Republic. Japan refuses to return German's colonies and there is a naval war between these two countries for several years which finally ends with Japan triumphant and more aggressive than ever. The USA never have gotten into the war remains a third rate power with an even more isolationist outlook. The British empire remains as is. France becomes dominated by a very conservative government but is unable to do anything about revenge due to the overwhelming power of Germany. There is no Israel nor holocaust and the major power blocs are a British and German Empire alliance against the Ottomans.

Ottoman Empire was going to fail - it was just a matter of time. Also, the Ottoman Empire in 1914 did not control Arabia except for loose control of the Red Sea shore. So while they would have the oil fields in modern Iraq, nearly all those in modern Saudi Arabia (and modern Iran) were outside Ottoman control.

Austria too was weakening to the point where internal nationalist forces would surely have been a problem eventually.

No Israel and probably no League Of Nations to set the stage for the United Nations could be significant.

Russian monarchy's survival is probably not as sure a thing either: Russia has still been beaten again and the people are still unhappy. It wouldn't go down like it did in 1917 by any means, but continued discontent among the populace - especially if it spread to the army - could lead to an eventual toppling of the Romanov dynasty. Whether the Communists could have capitalized on that slower upheaval is more doubtful.

US-Japan war probably still happens.

Josh wrote: "Ottoman Empire was going to fail - it was just a matter of time. Also, the Ottoman Empire in 1914 did not control Arabia except for loose control of the Red Sea shore. So while they would have th. "

Since the Ottoman Empire had been sick for several hundred years but still functioning, I don't think its early demise can be assumed. Especially if the young Turks come to influence and shape the extended empire. Without British backing of the Arabs I sort of assumed the Turks would reconquer the Arabs especially as their German advisers and suppliers would be plentiful. It is really hard to pull together convincing arguments on what-if scenarios and I can't really argue with anything you have stated.

I am not sure it was a possibility. They simply did not have the manpower to make a breakout move on the Western Front nor did they have the naval power to contest the Royal Navy. That said, Imperial Germany certainly could have fought to a stalemate and as Britain bled itself white with incompetent generalship and the French army was rocked with massive mutinies this is exactly would have happened - EXCEPTING of course the warmonger Woodrow Wilson looking out for the Wall Street bankers who had ill-advisedly backed the British and French with unsustainable war loans. Wilson's intervention (in spite of a US electorate that firmly against involvement in the bloodbath of the Western Front) set the table for the dramatic turn in fortunes for Great Britain and France and the revenge orgy that became the Versailles Treaty and thus paved the way for just about everything else that went wrong for the remainder of the 20th Century.

Funny how Wilson's "I will not send American boys to fight in a European War" campaign rhetoric of 1916 sounds so similar to FDR's 1940 promises and LBJ's 1964 promises.