O presidente sul-africano Nelson Mandela morre aos 95 anos

O presidente sul-africano Nelson Mandela morre aos 95 anos


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Em 5 de dezembro de 2013, Nelson Mandela, o ex-ativista que superou uma prisão de quase três décadas para se tornar presidente da África do Sul, faleceu após anos lutando com problemas de saúde. Ele tinha 95 anos.

"Nossa nação perdeu seu melhor filho. Nosso povo perdeu um pai", disse o presidente sul-africano, Jacob Zuma. "O que tornou Nelson Mandela grande foi precisamente o que o tornou humano. Vimos nele o que buscamos em nós mesmos."

Mandela era conhecido como um lutador pela liberdade, prisioneiro, líder dos direitos civis, líder político e símbolo de integridade e reconciliação não apenas para a África do Sul, mas para o mundo.

Sua missão ao longo da vida para acabar com o apartheid começou quando ele deixou a escola para ingressar no Congresso Nacional Africano (ANC). Ele ascendeu rapidamente na organização e foi eleito presidente da organização em 1950. Foi em 1960 que os esforços de Mandela se tornaram mais militantes, desencadeados quando a polícia abriu fogo contra um grupo de manifestantes desarmados no município de Sharpeville, matando 69 pessoas.

LEIA MAIS: Principais etapas que levaram ao fim do apartheid

Logo depois, o ANC foi declarado ilegal, mas isso não impediu Mandela. Após a proibição, ele passou à clandestinidade para formar um novo braço armado da organização chamado "Lança da Nação". Por meio desse grupo, também conhecido como MK, Mandela ajudou a planejar ataques a instituições governamentais, como os correios.

A virada violenta não foi levada a sério. “Seria errado e irreal para os líderes africanos continuarem a pregar a paz e a não-violência em um momento em que o governo atendeu às nossas demandas pacíficas com força”, disse ele sobre o início do ramo mais militante. “Foi somente quando tudo mais falhou, quando todos os canais de protesto pacífico foram barrados para nós, que a decisão foi tomada para embarcar em formas violentas de luta política.”

Em 1962, Mandela deixou secretamente a África do Sul, viajando pela África e pela Inglaterra para obter apoio. Ele também treinou no Marrocos e na Etiópia. Quando voltou, foi preso e acusado de saída ilegal do país e incitação à greve. Ele foi então condenado à prisão perpétua por sabotagem e conspiração para derrubar o governo.

Em vez de um depoimento, ele fez um discurso de quatro horas, terminando com: "Lutei contra a dominação branca e lutei contra a dominação negra. Tenho acalentado o ideal de uma sociedade democrática e livre em que todas as pessoas vivam juntos em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal pelo qual espero viver e realizar. Mas se for necessário, é um ideal pelo qual estou preparado para morrer. "

Enquanto ele estava na prisão, uma campanha “Free Nelson Mandela” alimentou o clamor contra o regime.

Em 1990, o recém-eleito presidente F. W. de Klerk fez um movimento chocante que rompeu com os conservadores de seu partido, levantando a proibição do ANC - e todos os outros partidos políticos anteriormente proibidos - e pedindo uma África do Sul não racista. Em fevereiro daquele ano, De Klerk libertou Mandela incondicionalmente. O então 71-year-old saiu da prisão, punho erguido acima da cabeça. Ele cumpriu 27 anos de prisão.

Após sua libertação, Mandela retomou sua liderança no ANC em suas negociações para o fim do apartheid. Incrivelmente, apenas quatro anos após sua libertação, em 10 de maio de 1994, ele foi empossado como o primeiro presidente eleito democraticamente da África do Sul.

Como presidente, Mandela introduziu programas sociais e econômicos e presidiu a promulgação de uma nova constituição que estabelecia um governo central forte e proibia a discriminação. Ele também desencorajou os sul-africanos negros de buscar vingança pelo período do apartheid, pregando bondade e perdão. Mandela cumpriu apenas um mandato para servir de exemplo para futuros líderes, mas permaneceu na consciência da nação até sua morte.

Dezenas de oficiais líderes mundiais expressaram sua tristeza pelo falecimento de Mandela. O funeral e a tumba ocorreram ao longo de 10 dias de luto nacional. Em 15 de dezembro, líderes tribais vestidos com peles de animais ficaram ao lado de oficiais em ternos escuros enquanto o caixão de Mandela, que estava coberto com a bandeira da África do Sul, era enterrado em Qunu, seu vilarejo de infância.

LEIA MAIS: Nelson Mandela: seu legado escrito


O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela está morto aos 95 anos

O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela sorri para os fotógrafos após uma reunião com o ator Tim Robbins na casa de Mandela em Joanesburgo, em 22 de setembro de 2005. Robbins está atualmente na África do Sul filmando. | (Foto: Reuters / Mike Hutchings)

O presidente sul-africano, Jacob Zuma, anunciou na quinta-feira que o reverenciado ex-presidente sul-africano Nelson Mandela morreu. Ele tinha 95 anos.

"Este é o momento de nossa mais profunda tristeza. Nossa nação perdeu seu maior filho, mas o que tornou Nelson Mandela grande foi precisamente o que o tornou humano", disse Zuma em um discurso na CNN.

"Vimos nele o que buscamos em nós mesmos e nele vimos muito de nós mesmos. Companheiros sul-africanos, Nelson Mandela nos uniu e é juntos que vamos nos despedir dele", acrescentou.

Mandela emergiu de 27 anos de prisão em 11 de fevereiro de 1990, para finalmente liderar aquele país de décadas de existência marcada pelo apartheid e foi celebrado como um ícone mundial pela igualdade racial.

Zuma explicou que Mandela terá um funeral de estado e observou que ordenou que todas as bandeiras da África do Sul fossem hasteadas a meio mastro de 6 de dezembro até Mandela ser oficialmente enterrado.

De acordo com a CNN, Mandela lutou contra vários surtos de doença associados à idade avançada e voltou para sua casa de infância na Província do Cabo Oriental, onde explicou que estava em paz.
As reações à sua morte vêm ocorrendo em todo o mundo desde o anúncio de Zuma.

"É com profundo pesar que tomamos conhecimento do falecimento de nosso fundador, Nelson Rolihlahla Mandela - Madiba", observou a Fundação Nelson Mandela em um comunicado publicado em seu site.

"Queremos expressar nossa tristeza neste momento. Nenhuma palavra pode descrever adequadamente esta enorme perda para nossa nação e para o mundo", continuou o comunicado. “Agradecemos por sua vida, sua liderança, sua devoção à humanidade e às causas humanitárias. Saudamos nosso amigo, colega e camarada e agradecemos por seus sacrifícios por nossa liberdade. As três organizações de caridade que ele criou se dedicam a continuar promovendo sua legado extraordinário. "


Nelson Mandela, pacificador da África do Sul e # x2019s, morre aos 95 anos

JOHANNESBURG & # x2014 Nelson Mandela era um mestre do perdão. O primeiro presidente negro da África do Sul passou quase um terço de sua vida como prisioneiro do apartheid, o sistema de governo branco racista que ele descreveu como maligno, mas ele procurou conquistar seus guardiões derrotados em uma transição relativamente pacífica de poder que inspirou o mundo.

Como chefe de estado, o ex-pugilista, advogado e recluso almoçou com o promotor que argumentou com sucesso em seu encarceramento, cantou o hino do Afrikaans da era do apartheid em sua posse e viajou centenas de quilômetros para tomar chá com a viúva de Hendrik Verwoerd, o o primeiro-ministro na época ele foi enviado para a prisão, que também foi o arquiteto do governo branco.

Foi essa generosidade de espírito que fez de Mandela, que morreu na quinta-feira aos 95 anos, um símbolo global de sacrifício e reconciliação em um mundo muitas vezes abalado por conflitos e divisões.

A estatura de Mandela como um lutador contra o domínio racista branco e buscador da paz com seus inimigos estava no mesmo nível de outros homens que ele admirava: o ativista americano dos direitos civis Martin Luther King Jr. e o líder da independência indiana Mohandas K. Gandhi, ambos que foram assassinados enquanto estavam ativamente envolvidos em seus chamados.

A morte de Mandela privou o mundo de uma das grandes figuras da história moderna e preparou o cenário para dias de luto e reflexão sobre um colosso do século 20 que projetou graça surpreendente, determinação e bom humor.

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, fez o anúncio em uma entrevista coletiva na noite de quinta-feira, dizendo & # x201cwe & # x2019 perdemos nosso maior filho. & # X201d

Às vezes, Mandela abraçava seu status de ícone, aparecendo diante de uma multidão extasiada no Estádio de Wembley em Londres e nos anos # x2019 logo após sua libertação da prisão em 1990. Às vezes, ele procurava minimizar, preocupado com os perigos de ser colocado em um pedestal. Em um manuscrito não publicado, escrito enquanto estava na prisão, Mandela reconheceu que os líderes do movimento anti-apartheid dominaram os holofotes, mas disse que eles eram & # x201convenientemente parte da história & # x201d e cada ativista era & # x201como um tijolo que compõe nossa organização. & # x201d

Ele ponderou o custo para sua família de sua dedicação à luta contra o sistema racista de governo que o encarcerou por 27 anos e lhe negou permissão para comparecer ao funeral de sua mãe e de um filho morto em um acidente de carro. No tribunal, ele se descreveu como & # x201c o homem mais solitário & # x201d durante seu divórcio em meados da década de 1990 de Winnie Mandela. Como presidente, ele não conseguiu forjar soluções duradouras para a pobreza, o desemprego e outros males sociais que ainda atormentam a África do Sul, que luta para viver à altura de sua imagem rosada como a & # x201cNação do Arco-Íris. & # X201d

Ele garantiu um status quase mítico em seu país e além. No ano passado, o banco central da África do Sul divulgou novas notas mostrando seu rosto, uma imagem robusta e sorridente de um homem meticuloso com sua aparência e se exercitando rotineiramente na prisão. A África do Sul ergueu estátuas dele e nomeou edifícios e outros lugares em sua homenagem. Ele dividiu o Prêmio Nobel da Paz de 1993 com F. W. de Klerk, o último presidente branco do país. Ele foi tema de livros, filmes e canções e um ímã para celebridades.

Em 2010, Mandela acenou para a multidão no estádio Soccer City na cerimônia de encerramento da Copa do Mundo, cuja realização na África do Sul permitiu que o país e o continente brilhassem internacionalmente. Foi a última aparição pública do ex-presidente e prisioneiro, que sorria abertamente e estava agasalhado contra o frio.

Um dos mais memoráveis ​​de seus gestos em direção à harmonia racial foi o dia em 1995, quando ele entrou em campo antes da final da Copa do Mundo de Rúgbi em Joanesburgo, e novamente após o jogo, quando ele parabenizou o time da casa pela vitória sobre um difícil Equipe da Nova Zelândia. Mandela vestia as cores da África do Sul e a esmagadora multidão de brancos de 63.000 pessoas estava de pé, cantando & # x201cNelson! Nelson! Nelson! & # X201d

Era típico de Mandela marchar de cabeça para baixo em um bastião do Afrikanerdom branco & # x2014 neste caso o templo do rugby sul-africano & # x2014 e fazer seus seguidores sentirem que pertenciam à nova África do Sul.

O momento foi retratado no filme & # x201cInvictus & # x201d Clint Eastwood & # x2019s contando a história da transformação da África do Sul & # x2019s através do prisma do esporte.

Foi um momento de meio século em formação. Na década de 1950, Mandela buscou os direitos universais por meios pacíficos, mas foi condenado à prisão perpétua em 1964 por liderar uma campanha de sabotagem contra o governo. O discurso que ele proferiu durante o julgamento delineou sua visão e determinação.

& # x201cDurante minha vida dediquei-me a essa luta do povo africano & # x201d disse Mandela. & # x201c Lutei contra a dominação branca e lutei contra a dominação negra. Tenho acalentado o ideal de uma sociedade democrática e livre em que todas as pessoas vivam juntas em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal pelo qual espero viver e realizar. Mas se for necessário, é um ideal pelo qual estou preparado para morrer. & # X201d

Ele foi confinado na dura prisão da Ilha Robben, perto da Cidade do Cabo, na maior parte de seu tempo atrás das grades, depois foi transferido para prisões no continente. Era proibido citá-lo ou publicar sua foto, mas ele e outros membros presos de seu banido Congresso Nacional Africano foram capazes de contrabandear mensagens de orientação ao movimento anti-apartheid e, nos estágios finais de seu confinamento, ele negociou secretamente com os líderes do apartheid que reconheceram que a mudança era inevitável.

Milhares morreram, foram torturados ou presos na luta de décadas contra o apartheid, que privou a maioria negra do voto, do direito de escolher onde morar e viajar e de outras liberdades básicas.

Então, quando o preso nº 46664 foi libertado após 27 anos, andando de mãos dadas com sua esposa Winnie para fora de uma prisão no continente sul-africano, as pessoas em todo o mundo se alegraram. Mandela ergueu o punho direito em triunfo e em sua autobiografia, & # x201cLong Walk to Freedom & # x201d, ele escreveria: & # x201cQuando finalmente atravessei aqueles portões & # 8230 me senti & # x2014 mesmo aos setenta anos de idade -um & # x2014 que minha vida estava começando de novo, & # x201d

O lançamento de Mandela # x2019, rivalizava com a queda do Muro de Berlim alguns meses antes como um símbolo da humanidade ansiando por liberdade, e seu cabelo grisalho, voz rouca e camisas coloridas o tornaram uma figura mundialmente conhecida.

A vida, no entanto, impôs novos desafios a Mandela.

Os governantes brancos da África do Sul o retrataram como a ponta de lança de uma revolução comunista e insistiram que o governo da maioria negra daria início a um caos sangrento. Milhares morreram em lutas entre facções na corrida para as eleições democráticas de 1994, e Mandela acusou o governo de conivência com o derramamento de sangue. Mas o dia da votação, quando longas filas de eleitores esperavam pacientemente para votar, passou pacificamente, assim como Mandela e a posse de Mandela como presidente

& # x201cNunca, e nunca mais será que esta bela terra novamente experimentará a opressão de um pelo outro e sofrerá a indignidade de ser o gambá do mundo, & # x201d disse o novo presidente. & # x201cDeixe a liberdade reinar. O sol nunca se porá em uma realização humana tão gloriosa! Deus abençoe a África! Obrigado. & # X201d

Mandela também manteve a mão no coração, saudado por generais brancos enquanto cantava dois hinos, agora um: o Afrikaans da era do apartheid & # x201cDie Stem, & # x201d (& # x201cThe Voice & # x201d) e o Africano & # x201cNkosi Sikelel & # x2019 iAfrika & # x201d (& # x201cLord Bless Africa & # x201d).

Desde o fim do apartheid, a África do Sul realizou quatro eleições parlamentares e elegeu três presidentes, sempre de forma pacífica, dando o exemplo em um continente onde a democracia ainda é nova e frágil. No entanto, escândalos de corrupção e outros passos errados sob o governo do Congresso Nacional Africano, o grupo de libertação antes liderado por Mandela, minaram algumas das promessas iniciais.

O presidente Jacob Zuma observa periodicamente que a minoria branca sul-africana é muito mais rica do que a maioria negra, um desequilíbrio que ele considera um vestígio do sistema de apartheid que concedeu a maioria dos benefícios econômicos aos brancos.

Quando Mandela chegou ao poder, os sul-africanos negros anteciparam soluções rápidas depois de terem negado moradia adequada, escolas e assistência médica sob o regime do apartheid. O novo governo, no entanto, adotou políticas de livre mercado para manter as grandes empresas dominadas pelos brancos ao seu lado e atrair investimentos estrangeiros. A política evitou o tipo de deterioração econômica que ocorreu no Zimbábue após a independência, embora a África do Sul tenha uma das maiores lacunas do mundo entre ricos e pobres.

Nelson Rolihlahla Mandela nasceu em 18 de julho de 1918, filho de um chefe tribal em Transkei, uma terra natal Xhosa que mais tarde se tornou um dos & # x201cBantustões & # x201d estabelecidos como repúblicas independentes pelo regime do apartheid para cimentar a separação entre brancos e negros .

A educação real de Mandela nos anos 2019 deu-lhe um porte real que se tornou sua marca registrada. Muitos sul-africanos de todas as raças mais tarde o chamariam pelo nome de seu clã, Madiba, como um símbolo de afeto e respeito.

Crescendo em uma época em que praticamente toda a África estava sob o domínio colonial europeu, Mandela frequentou escolas metodistas antes de ser admitido na Universidade negra de Fort Hare em 1938. Ele foi expulso dois anos depois por seu papel em uma greve estudantil.

Ele se mudou para Joanesburgo e trabalhou como policial em uma mina de ouro, lutou como peso-pesado amador e estudou direito.

Sua primeira esposa, a enfermeira Evelyn Mase, deu-lhe quatro filhos. Uma filha morreu na infância, um filho morreu em um acidente de carro em 1970 e outro filho morreu de AIDS em 2005. O casal se divorciou em 1957 e Evelyn morreu em 2004.

Mandela começou sua ascensão por meio do movimento anti-apartheid em 1944, quando ajudou a formar a Liga da Juventude do ANC.

Ele organizou uma campanha em 1952 para encorajar o desafio às leis que segregavam escolas, casamento, moradia e oportunidades de emprego. O governo retaliou impedindo-o de comparecer às reuniões e deixar Joanesburgo, a primeira de muitas & # x201cbanning & # x201d ordens que ele deveria cumprir.

Depois que uma greve nacional de dois dias foi esmagada pela polícia, ele e um pequeno grupo de colegas do ANC decidiram por uma ação militar e Mandela pressionou para formar a ala guerrilheira do movimento Umkhonto we Sizwe, ou Lança da Nação.

Ele foi preso em 1962 e condenado a cinco anos de trabalhos forçados por deixar o país ilegalmente e incitar os negros à greve.

Um ano depois, a polícia descobriu a sede subterrânea do ANC & # x2019s em uma fazenda perto de Joanesburgo e apreendeu documentos que esboçavam planos para uma campanha de guerrilha. Numa época em que as colônias africanas estavam uma a uma se tornando Estados independentes, Mandela e sete co-réus foram condenados à prisão perpétua.

O braço armado do ANC & # x2019s foi posteriormente envolvido em uma série de bombardeios de alto perfil que mataram civis, e muitos na minoria branca viram Mandela preso como um terrorista. O governo do apartheid, por sua vez, foi denunciado globalmente por sua campanha de espancamentos, assassinatos e outros ataques violentos contra oponentes.

Mesmo em um confinamento entorpecente, Mandela procurou florescer.

& # x201cIncidentalmente, você pode descobrir que a célula é um lugar ideal para aprender a se conhecer, para pesquisar de forma realista e regular o processo de sua própria mente e sentimentos, & # x201d ele escreveu em 1975 para Winnie Mandela, uma ativista proeminente nela próprio direito que estava em uma prisão separada naquele momento.

Mandela recusou ofertas condicionais de liberdade durante suas décadas na prisão. Em 1989, P.W. Botha, o presidente linha-dura da África do Sul, foi substituído por de Klerk, que reconheceu que o fim do apartheid estava próximo. Mandela continuou, mesmo nas últimas semanas na prisão, a defender a nacionalização de bancos, minas e indústrias monopolistas & # x2014, uma postura que assustou a comunidade empresarial branca.

Mas as negociações já estavam em andamento, com Mandela sendo retirado da prisão para se encontrar com líderes governamentais brancos. Após sua libertação, ele assumiu o comando do ANC e foi eleito presidente em uma vitória esmagadora na África do Sul & # x2019 a primeira eleição geral.

Sucessos percebidos durante o mandato de Mandela & # x2019 incluem a introdução de uma constituição com proteções robustas para os direitos individuais e a Comissão de Verdade e Reconciliação, que ele estabeleceu com seu colega Nobel, o arcebispo Desmond Tutu. Permitiu que infratores de direitos humanos de todas as raças admitissem seus crimes publicamente em troca de tratamento leniente. Embora não seja considerado totalmente bem-sucedido, provou ser um tipo de terapia nacional que se tornaria um modelo para outros países emergindo de conflitos prolongados.

Apesar de sua imagem de santidade, Mandela às vezes era um crítico severo. Quando jornalistas negros criticaram levemente seu governo, ele os pintou como fantoches dos brancos donos da mídia. Alguns brancos com reclamações foram rejeitados por ansiando por seus antigos privilégios.

Na preparação para a Guerra do Iraque, Mandela repreendeu duramente o presidente George W. Bush. & # x201cPor que os Estados Unidos estão se comportando de forma tão arrogante? & # x201d ele perguntou em um discurso. & # x201cTudo o que (Bush) quer é petróleo iraquiano. & # x201d Ele sugeriu que Bush e o então primeiro-ministro britânico Tony Blair eram racistas e alegou que os Estados Unidos, & # x201c, que cometeu atrocidades indescritíveis no mundo, & # x201d não tinha posição moral .

Até que Bush revogasse a ordem em 2008, Mandela não poderia visitar os EUA sem que o secretário de Estado certificasse que ele não era um terrorista.

Aos críticos de sua proximidade com Fidel Castro e Moammar Kadafi, apesar das violações dos direitos humanos nos países que governaram, Mandela explicou que não abandonaria os partidários da luta anti-apartheid.

Para a decepção de muitos sul-africanos, ele deixou cada vez mais o governo para o vice-presidente Thabo Mbeki, que venceu a próxima eleição presidencial e assumiu quando Mandela & # x2019s mandato terminou em 1999.

& # x201c Devo renunciar enquanto há uma ou duas pessoas que me admiram & # x201d Mandela brincou na época. Quando se aposentou, disse que iria ficar em uma rua com uma placa que dizia: & # x201cDesempregado, sem emprego. Nova esposa e grande família para sustentar. & # X201d

Seu casamento com Winnie desmoronou após sua libertação e ele se casou com Graça Machel, a viúva e ex-primeira-dama do vizinho Moçambique.

Com o apartheid vencido, Mandela voltou-se para os esforços de pacificação em outras partes da África e do mundo e, finalmente, para a luta contra a AIDS, reconhecendo publicamente que seu próprio filho, Makgatho, havia morrido da doença.

Os anos finais de Mandela foram marcados por hospitalizações frequentes, enquanto ele lutava com problemas respiratórios que o incomodavam desde que contraiu tuberculose na prisão.

Ele ficou em sua casa rural em Qunu, na província do Cabo Oriental, onde Hillary Clinton, então secretária de Estado dos EUA, o visitou em 2012, mas depois se mudou em tempo integral para sua casa em Joanesburgo para que ele pudesse estar perto de cuidados médicos em Pretória. O capital.

Ele deixou Machel, sua filha Makaziwe, do primeiro casamento, e as filhas Zindzi e Zenani, do segundo.

Donna Bryson, ex-chefe do escritório da AP em Joanesburgo, contribuiu para este relatório. Marcus Eliason trabalhou para a AP na África do Sul e agora está em Nova York.


Ilha Robben

Nascido em 1918, Nelson Mandela ingressou no Congresso Nacional Africano (ANC) em 1943, como estudante de direito.

Ele e outros líderes do ANC fizeram campanha contra o apartheid. Inicialmente, ele fez campanha pacificamente, mas na década de 1960 o ANC começou a defender a violência e Mandela foi nomeado comandante de seu braço armado.

Ele foi preso por sabotagem e condenado à prisão perpétua em 1964, cumprindo a maior parte de sua sentença na Ilha Robben.

Foi proibido citá-lo ou publicar sua foto, mas ele e outros líderes do ANC conseguiram contrabandear mensagens de orientação ao movimento anti-apartheid.

Ele foi libertado em 1990 quando a África do Sul começou a se afastar da estrita segregação racial - um processo concluído pelas primeiras eleições multirraciais em 1994.

O Sr. Mandela, que havia recebido o Prêmio Nobel em 1993 juntamente com o Sr. de Klerk, foi eleito o primeiro presidente negro da África do Sul. Ele cumpriu um único mandato, deixando o cargo em 1999.

Depois de deixar o cargo, ele se tornou o embaixador de maior perfil da África do Sul, fazendo campanha contra o HIV / Aids e ajudando a garantir a seu país o direito de sediar a Copa do Mundo de futebol de 2010.

Ele também esteve envolvido em negociações de paz na República Democrática do Congo, Burundi e outros países na África e em outros lugares.


O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela morre aos 95 anos

O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela morreu aos 95 anos de complicações causadas por uma infecção pulmonar recorrente.

O líder anti-apartheid e ganhador do Nobel era uma figura amada em todo o mundo, um símbolo de reconciliação de um país com uma história brutal de racismo.

Mandela foi libertado da prisão em 1990 após quase 30 anos por conspirar para derrubar o governo do apartheid na África do Sul. Em 1994, em uma eleição histórica, ele se tornou o primeiro líder negro da nação. Mandela deixou o cargo em 1999 após um único mandato e se aposentou da vida política e pública.

Nascido Nelson Rolihlahla Mandela em Transkei, África do Sul, em 18 de julho de 1918, ele foi um dos mais reverenciados estadistas e revolucionários do mundo que liderou a luta contra o apartheid na África do Sul.

Um advogado qualificado da University College of Fort Hare e da University of Witwatersrand, Mandela serviu como presidente da África do Sul de 1994 a 1999.

A sua carreira política começou em 1944 quando se juntou ao Congresso Nacional Africano (ANC) e participou na resistência contra a política de apartheid do então governo em 1948. Em junho de 1961, o executivo do ANC aprovou a sua ideia de usar tácticas violentas e encorajou os membros que desejavam envolver-se na campanha de Mandela & # 8217s. Pouco depois, ele fundou o Umkhonto we Sizwe, o braço armado do ANC, e foi nomeado seu líder.

Em 1962, ele foi preso e condenado por sabotagem e outras acusações, e foi condenado a cinco anos de prisão rigorosa. Em 1963, Mandela foi levado a julgamento junto com muitos outros membros do Umkhonto we Sizwe por conspirar contra o governo e conspirar para derrubá-lo pelo uso da violência.

Condenado à prisão perpétua

Em 12 de junho de 1964, oito dos acusados, incluindo Mandela, foram condenados à prisão perpétua.

Sua declaração do banco dos réus na abertura do julgamento de defesa tornou-se extremamente popular. Ele encerrou sua declaração com: & # 8220Durante minha vida dediquei-me à luta do povo africano. Lutei contra a dominação branca e lutei contra a dominação negra. Tenho acalentado o ideal de uma sociedade democrática e livre em que todas as pessoas vivam juntas em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal pelo qual espero viver e realizar. Mas se for preciso, é um ideal pelo qual estou preparado para morrer. & # 8221

Mandela cumpriu 27 anos de prisão, passando muitos desses anos na prisão da Ilha Robben, perto da Cidade do Cabo. Enquanto estava na prisão, sua reputação cresceu e ele se tornou amplamente conhecido em todo o mundo como o mais importante líder negro da África do Sul.

Ele se tornou um importante símbolo de resistência à medida que o movimento anti-apartheid ganhou força na África do Sul e em todo o mundo. Na ilha, ele e outros prisioneiros foram submetidos a trabalhos forçados em uma pedreira de cal. A discriminação racial era galopante e os prisioneiros eram segregados por raça, com os prisioneiros negros recebendo o menor número de rações. Mandela escreveu sobre como recebia um visitante e uma carta a cada seis meses.

Livre e justo

Em fevereiro de 1985, o presidente P.W. Botha ofereceu a Mandela sua liberdade com a condição de que rejeitasse incondicionalmente a violência como arma política, mas Mandela rejeitou a proposta. Ele manifestou seu sentimento por meio de uma carta que divulgou por meio de sua filha.

& # 8220Que liberdade estou sendo oferecida enquanto a organização do povo permanece proibida? Somente homens livres podem negociar. Um prisioneiro não pode celebrar contratos & # 8221, escreveu ele. Em 1988, Mandela foi transferido para a prisão de Victor Verster e lá permaneceria até sua libertação.

Ao longo de sua prisão, aumentou a pressão sobre o governo sul-africano para libertá-lo. O slogan & # 8220Free Nelson Mandela & # 8221 tornou-se o novo grito de guerra dos militantes anti-apartheid. Finalmente, Mandela foi lançado em 11 de fevereiro de 1990, em um evento transmitido ao vivo para todo o mundo. Após sua libertação, Mandela voltou ao trabalho de sua vida e do trabalho, se esforçando para atingir os objetivos que ele e outros haviam estabelecido quase quatro décadas antes. Em 1991, a primeira conferência nacional do ANC foi realizada na África do Sul desde que a organização foi proibida em 1960.

Presidente mandela

Mandela foi eleito presidente do ANC, enquanto seu amigo Oliver Tambo se tornou o presidente nacional da organização. A liderança de Mandela e seu trabalho, bem como seu relacionamento com o então presidente FW de Klerk, foram reconhecidos quando receberam o Prêmio Nobel da Paz em 1993. As primeiras eleições multirraciais da África do Sul, realizadas em 27 de abril de 1994, viram a tempestade do ANC entrou com uma maioria de 62% dos votos, e Mandela foi empossado em maio de 1994 como o primeiro presidente negro do país.

Como presidente de maio de 1994 a junho de 1999, Mandela presidiu a transição do regime da minoria e do apartheid, ganhando respeito internacional por sua defesa da reconciliação nacional e internacional.

Honras e vida pessoal

Mandela recebeu muitas homenagens internacionais nacionais, incluindo o Prêmio Nobel da Paz em 1993, a Ordem do Mérito da Rainha Elizabeth II e a Medalha Presidencial da Liberdade de George W. Bush.

Em julho de 2004, a cidade de Joanesburgo concedeu sua maior honra ao conceder a Mandela a liberdade da cidade em uma cerimônia em Orlando, Soweto.

Em 1990, ele recebeu o Prêmio Bharat Ratna do governo da Índia e também recebeu o último Prêmio Lenin da Paz da União Soviética.

Em 1992, ele recebeu o Prêmio Ataturk da Paz da Turquia. Ele recusou o prêmio citando violações de direitos humanos cometidas pela Turquia na época, mas depois aceitou o prêmio em 1999. Também em 1992, ele recebeu o Nishan-e-Pakistan, o maior prêmio de serviço civil do Paquistão. A autobiografia de Mandela & # 8217s, & # 8220Long Walk to Freedom & # 8221, foi publicada em 1994. Ele começou a trabalhar nela secretamente enquanto estava na prisão.

Mandela e suas esposas

A vida amorosa de Nelson Mandela e # 8217 aparentemente correu paralela à sua vida política - e pode ser dividida em três eras principais. O jovem ativista se casou com sua primeira esposa, Evelyn Mase, em 1944. O casal, que tinha quatro filhos, se divorciou em 1958 - pouco antes de Mandela se tornar um fora-da-lei com o banimento do ANC.

O segundo casamento de Mandela - e provavelmente o mais famoso - coincidiu amplamente com o tempo que ele passou preso nas mãos do regime do apartheid. Em 1958, ele caminhou pelo corredor com Winnie Madikizela, que ficou ao seu lado e fez campanha para libertá-lo da prisão. Winnie se tornou uma figura poderosa por si mesma enquanto Mandela estava preso, mas uma série de escândalos envolvendo ela levou ao afastamento do casal em 1992, sua demissão de seu gabinete em 1995 e seu divórcio oficial em 1996. O casal teve dois crianças. Winnie Mandela também foi posteriormente condenado por sequestro.

O seu terceiro casamento, com Graça Machel - a viúva do antigo Presidente de Moçambique Samora Machel - aconteceu no seu 80º aniversário quando assumiu o seu papel de estadista mundial. do yahoo


& # x2018 Pessoas fragmentadas & # x2019

& # x201Nosso objetivo era a anistia geral em troca da verdade, & # x201D o bispo Desmond Tutu, ganhador do Nobel e presidente da Comissão de Verdade e Reconciliação, disse à Bloomberg News em uma entrevista de 1999. & # x201Cidade era a única maneira de curar um povo atormentado, dividido e fragmentado. & # x201D

Mandela deu um exemplo de perdão para o país como um todo, escreveu Nadine Gordimer, uma romancista sul-africana e ganhadora do Nobel de literatura. Ela o descreveu como & # x201Ca líder revolucionário de enorme coragem & # x201D e & # x201Ca negociador político de extraordinária habilidade e sabedoria, um estadista pela causa da mudança pacífica. & # X201D

As habilidades e percepções de Mandela sobre seu país e a paixão por esportes de # x2019, retratada no filme de 2009 & # x201CInvictus & # x201D, o levaram a forjar uma unidade nacional notável que ajudou a África do Sul a obter uma vitória frustrante na Copa Mundial de Rúgbi de 1995 realizada em Joanesburgo.


Nelson Mandela morre aos 95 anos

Nelson Mandela, que morreu em 5 de dezembro aos 95 anos após uma longa doença, triunfou sobre o sofrimento pessoal, o racismo institucionalizado e a opressão política para se tornar o primeiro presidente negro de uma África do Sul multirracial - e um dos titãs do século 20.

His death was announced to the South African people in a late night address by President Jacob Zuma.

Mandela was born July 18, 1918, in a village in South Africa's Cape Province. His birth name was Rolihlahla, which means "troublemaker" in his native Xhosa. (He was given the name Nelson later, in the tradition of schoolchildren having non-African names.) Many South Africans still refer to him by his clan name: Madiba.

During the 1940s, he was active in the African National Congress, which fought for the rights of majority blacks. He became a member of the ANC's national executive committee in 1950.

On Dec. 5, 1956, Mandela was among the ANC leaders arrested on charges of high treason. After a nearly five-year trial, he was found not guilty. But in 1964, he was sentenced to life in prison on charges of sabotage. He served more than 26 years—first in the notorious Robben Island prison, working in a lime quarry, and later at Pollsmoor and Victor Verster.


Nelson Mandela dead at 95: Anti-apartheid hero and former South African president dies in Johannesburg

Nelson Mandela, who led the fight against apartheid and then pushed for reconciliation as his country's first black president, died after a prolonged illness Thursday. He was 95.

"He passed on peacefully in the comfort of his family," South African President Jacob Zuma said in an address to the world just before midnight Thursday in the African nation. "We've lost our greatest son."

As word of the death of the man South Africans called Madiba spread across the heartbroken country, hundreds of weeping mourners converged on Mandela's home in Johannesburg, chanting, "Viva Mandela, viva!"

Fittingly, blacks and whites mourned Mandela together.

"If it wasn't for Mandela, I wouldn't be chilling with my black friends," said 19-year-old Dominic Sadie, who is white and was part of the giant crowd of people holding candles and paying their respects. "I love him."

Mandela died at 8:50 p.m. local time, but Zuma didn't make his sad announcement until a little before midnight.

Weeping South Africans raced out into streets in their pajamas, including one black mom who rushed over to Mandela's house with her two daughters.

"I am glad that he is in a better place, but I hope South Africans will be able to deal with his death," she said through her tears.

Mandela shared the Nobel Peace Prize in 1993 with F.W. de Klerk, South Africa's last president during the era of state-sanctioned racial segregation.

"I liked him and I immediately felt that this is truly a man of greatness," de Klerk recalled. "I think Nelson Mandela's legacy is don't be bitter about the past, take the hands also of your former enemies."

In Washington, President Obama said Mandela "no longer belongs to us, he belongs to the ages."

"I am one of the countless millions who drew inspiration from Mandela's life," Obama said at the White House. "So long as I live, I will do what I can to learn from him."

Obama ordered that flags be flown at half-staff until sunset Monday and prepared to fly out to South Africa for a state funeral.

Former President Bill Clinton, another politician who drew inspiration from the mighty South African, was in his New York City office when he got the word.

"Today the world has lost one of its most important leaders and one of its finest human beings," Clinton said.

In Times Square, tourists and commuters stopped in their tracks when word of Mandela's passing appeared on the scrolling headlines on the ABC News building at 44th St. and Broadway.

"He moved a whole nation," said Charles Gayle, 75, who lives on the Lower East Side. "He's not only one of the greatest people of our time, he was one of the greatest of any time.

Up in Harlem, historian Billy Mitchell recalled when Mandela drove through his neighborhood during his triumphant visit to New York City in 1990.

"Brothers and sisters were chanting," he said. "People were dressed up in Afro-centric clothes. I felt so African and one of African descent."

At City Hall, Mayor Bloomberg said, "We lost one of the most transformative and influential figures in modern history."

"Nelson Mandela was a global icon who broke the back of apartheid in South Africa," he said.

Mayor-elect Bill de Blasio said Mandela "met hatred with reason, intolerance with resolve."

"For so many of us, the fight for a free South Africa became the rallying cry of our generation," he said. "It brought us together, and inspired us to confront oppression abroad — and also here at home."

The Rev. Al Sharpton also chimed in, saying the world "has lost one of history's greatest citizens."

"He changed human history and taught activists around the world that in order to legitimately further what is noble, you must actually be a noble person," Sharpton said. "He showed us that you can change the course of human history without lowering yourself to human depravity."

In a twist of fate, Prince William and Kate Middleton, along with Mandela's daughter, Zindzi Mandela, were attending the premiere of the film about her dad's life, "Long Walk to Freedom," in London when they received word of his death.

"It's extremely sad and tragic news. We're just reminded what an extraordinary and inspiring man Nelson Mandela was," said William. "Our thoughts and prayers are with him, and with his family right now."

Mandela served 27 years in prison for taking up arms against his country's oppressive white government. But when he was freed, he embraced former captors and urged sworn enemies to forge a "rainbow" nation.


Nelson Mandela, Inspiration To World, Dies At 95

Nelson Mandela, who was born in a country that viewed him as a second-class citizen, died Thursday as one of the most respected statesmen in the world. He was 95.

President Jacob Zuma announced the death in a televised speech.

From his childhood as a herd boy, Mandela went on to lead the African National Congress' struggle against the racially oppressive, apartheid regime of South Africa. For his efforts, he spent 27 years behind bars as a political prisoner. In 1994, after Mandela was elected president in South Africa's first democratic elections, Archbishop Desmond Tutu shook with elation as he welcomed Mandela to a rally in Cape Town.

"One man inspires us all. One man inspires the whole world," Tutu said at the time. "Ladies and gentlemen, friends, fellow South Africans, welcome our brand new state president — out of the box: Nelson Mandela."

Mandela: An Audio History

In 2004, Todas as coisas consideradas aired a five-part series on South Africans' struggle against apartheid through rare sound recordings of Mandela, as well as those who fought with and against him. Hear That Special Report

Political Awakening

Mandela was born on July 18, 1918, in the Transkei, a region of rolling green hills near the southern tip of the African continent. Em sua autobiografia, Long Walk to Freedom, he recalled his childhood as a simple, joyful time. He herded sheep and cows near his mother's huts and played barefoot with other boys. He was educated by British missionaries, got a law degree and eventually opened the first black law firm in Johannesburg.

In the 1940s, Mandela became active with the Youth League of the African National Congress.

Tapping into the culture of black resistance that was sweeping Johannesburg, Mandela helped organize strikes and demonstrations against the country's system of racial segregation.

Later, Mandela and other ANC leaders decided that freedom songs and civil disobedience would never topple the apartheid government, so they set up Umkhonto we Sizwe, the armed wing of the ANC. As a result of Umkhonto we Sizwe's guerrilla tactics, Mandela and seven other ANC leaders went on trial for sabotage in 1963.

Against the advice of his lawyers, Mandela gave a four-hour closing statement. He used the speech in what's known as the "Rivonia trial" to attack the apartheid system. Despite facing the death penalty, he defiantly told the court that his actions had been in pursuit of the ideal of a free, democratic society with equal opportunity for people of all races.

"It is an idea for which I hope to live for and to see realized but my Lord, if it needs be, it is an idea for which I am prepared to die," Mandela said at the time.

Mandela and his codefendants escaped the gallows but were sentenced to life in prison.

He would spend the next 27 years behind bars, much of that time in the maximum security prison on Robben Island. In prison he became a symbol of the anti-apartheid movement and the focal point of international campaigns to do away with racial segregation in South Africa.

'A War Of Attrition'

One of Mandela's co-defendants at the Rivonia trial was Ahmed Kathrada, who was one of Mandela's closest confidants inside and later outside prison.

Related NPR Stories

Parallels

Mandela: A Rare Success As Liberation Leader And President

In an interview with Radio Diaries in 2004, Kathrada recalled Mandela playing a chess game for three days against a young medical student who had recently been incarcerated on the island.

"They played the first day, and when it came to lockup time, the game had not finished because Mandela calculates every move as he does in politics," Kathrada said.

Mandela persuaded one of the guards to lock the board away in an empty cell. At the end of the next day, the game was still not finished and the guard had to lock it away again.

"In the end, this young chap just gave up. He said, 'You win. I can't carry on this way,' " Kathrada said. "That's Mandela it's a war of attrition and he won."

In Mandela's war of attrition against the apartheid government, South African President F.W. de Klerk made several offers to free him but Mandela would accept only an unconditional release.

In 1990, de Klerk did just that. Apartheid was on its final legs, and Africa's largest economy was, for the first time in centuries, headed for black majority rule.

'That Man Saved This Country'

The four years between Mandela's release from prison and South Africa's first democratic elections in 1994 were tumultuous, however.

Elements within the white apartheid government were desperately trying to retain power. Violent clashes between supporters of the Zulu-based Inkatha Freedom Party and Mandela's ANC left many foreign observers predicting that South Africa would disintegrate into a bloody civil war.

But Mandela's paternal, grandfatherly presence had a calming effect across the country. In 1993, he and de Klerk shared the Nobel Peace Prize. After winning the 1994 election, Mandela reached out to South Africans of all races to help build an equitable and prosperous country.

"We place our vision of a new constitutional order for South Africa on the table not as conquerors, prescribing to the conquered," Mandela said at the time. "We speak as fellow citizens to heal the wounds of the past with the intent of constructing a new order based on justice for all. This is the challenge that faces all South Africans today, and it is one to which I am certain we will all rise."

Possibly his greatest political move was his decision to serve only one term as president. This was partly because he was 80, but also because he said he wanted to establish a tradition of contested, democratic elections.

During the 2004 presidential elections in which Thabo Mbeki won a second term, South Africans of all races stood in long lines to cast their ballots. Before 1994, none of the black people in those lines would have been allowed to vote. Mlongi Sitcholosa, a black schoolteacher waiting to vote in the township of Soweto, credited one man with changing that: Mandela.

"That man saved this country," Sitcholosa said. "If it wasn't because of him this country would have gone to flame, but because of his wisdom and his intelligence he saved this country."

Vida pessoal

In his autobiography, Mandela notes that his struggle against apartheid took a toll on his personal life.

Toward the end of the book Mandela says: "To be the father of a nation is a great honor, but to be the father of a family is a greater joy. But it is a joy I had far too little of."

He had four children with his first wife, Evelyn Mase. Three of them died before him. Mandela's son, Makgatho, died of an HIV-related illness in 2005.

His marriage to Winnie Madikizela Mandela survived his incarceration but disintegrated soon after he was released. He watched his daughters from this second marriage grow up through the glass of prison visitor's rooms.

But in his waning years, Mandela's home life finally improved. Rumors that he was in love started to surface in 1996. Graca Machel, the widow of Mozambican President Samora Machel, was seen frequently in Mandela's presence. For his 80th birthday, the two got married in a tiny, private ceremony.

Friends say that Machel brought Mandela the joy that he felt he'd missed as he struggled for decades to bring freedom to South Africa.


Nelson Mandela dead: South Africa's first black president and anti-apartheid icon dies at 95

Nelson Mandela, South Africa’s first black president and the man widely seen as the architect of a peaceful transition to democracy after three centuries of apartheid rule, has died at his home in the Johannesburg suburb of Houghton. He was 95.

Mr Mandela had been receiving home-based intensive care after being discharged from hospital in September.

The South African president Jacob Zuma confirmed the news in a statement broadcast live on national television.

He said Mr Mandela had "departed" and was now at peace.

He said South Africa had lost its greatest son and its people had lost a father.

"His tireless struggle for freedom earned him the respect of the world. His humility, his compassion and his humanity earned him their love," he said.

"Our thoughts and prayers are with the Mandela family. To them, we owe a debt of gratitude.

"They have sacrificed much and endured much so that our people could be free."

British Prime Minister David Cameron paid tribute to Mr Mandela tweeting: "A great light has gone out in the world. Nelson Mandela was a hero of our time. I've asked for the flag at No10 to be flown at half mast.''

President Barack Obama said the day Mr Mandela was released from prison had given him a sense of "what a human being can do when they're guided by their hopes and not by their fears".

"I cannot imagine my own life without the example that Nelson Mandela set," he said.

"As long as I live, I will do what I can to learn from him."

Mr Obama thanked the Mandela family for sharing "this extraordinary man" with the rest of the world.

He said Mr Mandela's legacy of a "free South Africa at peace with itself" was an example to the world.

"We will not likely see the likes of Nelson Mandela again."

"He no longer belongs to us, he belongs to the ages", Mr Obama added.

Mr Mandela had been discharged at the start of September after spending 87 days in hospital – his fourth admission since December 2012 – and had remained in a “critical and at times unstable” condition while receiving intensive care at his home.

He had been vulnerable to respiratory problems since contracting tuberculosis during his imprisonment under apartheid. But over the last year his condition had significantly worsened with a recurring lung infection the latest of his ailments.

Click here for our Nelson Mandela interactive e-book

His humanitarian legacy in 20th century history remains unrivalled. Mr Mandela practically changed the fabric of South African politics after being freed by the apartheid government in 1990 after 27 years of imprisonment.

He later became South Africa’s first black president after the country’s first democratic elections in 1994, serving one term until 1999.

The years that followed were marked by a seemingly endless succession of visits to him by world leaders and other prominent figures in which his unique status on the global stage was honoured.

But as age took its toll, Mr Mandela’s public appearances dwindled, and he had been rarely seen since the South Africa-hosted football World Cup of 2010.

News of his death brought the inevitable end to months of speculation over his deteriorating health with scenes that were at times criticised for their seeming lack of grace.

South Africa's first black president had been in the Mediclinic heart hospital in Pretoria where he had lain for 12 weeks after he being admitted on June 8 with a recurring lung infection. With his life hanging by a thread, rumours circulated, global news teams combed for clues and South Africans braced themselves for the inevitable end, with crowds laying flowers outside the hospital.

But at the start of September things changed unexpectedly after the country watched Mr Mandela discharged in an ambulance marked "paramedical intensive care" make the 31-mile journey from Pretoria back to Houghton where a makeshift clinic had been set up in Mr Mandela’s house allow the former president to receive similar levels of treatment.

These scenes were further played out against a backdrop of an odd internal dispute in the Mandela family. In July sixteen relatives won a court case against the former president’s eldest grandson, Mandla, ensuring that the bones of Mandela's three late children were dug up and moved to the village of Qunu – where Mandela himself has said he wants to be buried.