Fuerte De Samaipata - um local de entalhes e sacrifícios cerimoniais

Fuerte De Samaipata - um local de entalhes e sacrifícios cerimoniais


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

A nação andina da Bolívia é o lar de várias culturas notáveis ​​e, como resultado, muitos sítios arqueológicos permanecem no país. O sítio Fuerte de Samaipata foi reconhecido como crucial para a compreensão das culturas andinas e foi adicionado ao Patrimônio Mundial da UNESCO.

A História de Fuerte De Samaipata, Bolívia

Este local foi originalmente construído por um grupo que pertencia à cultura Mojocoyas, o ramo mais meridional do grande povo de língua aruaque. Eles usaram o local como um centro cerimonial e administrativo de pelo menos 300 DC. A área foi posteriormente incorporada ao Império Inca no século XIV.

Os habitantes da área submeteram-se voluntariamente ao domínio do Inca, que mais tarde a tornou uma capital regional e deu o nome à área. Por ser estrategicamente benéfico e um dos postos avançados mais remotos do Império Andino, o Inca reconstruiu grande parte do assentamento original.

Fuerte de Samaipata foi freqüentemente atacado pelos ferozes Chiriguanos da região do Chaco, que faziam parte do grande grupo Guarani. E quando os conquistadores espanhóis ocuparam o local e colonizaram a área, e mais tarde tornou-se um ponto chave no transporte de prata da famosa mina de Potosí. Os Chiriguanos, no entanto, continuaram a invadir o centro urbano remoto.

Mais tarde, os colonizadores desenvolveram a nova cidade de Samaipata no Valle de la Purificación, em parte porque acreditavam que seu antigo assentamento era muito vulnerável a ataques. Por fim, foi abandonado, o que ironicamente ajudou a preservar as muitas ruínas do local.

Sítio Arqueológico Samaipata

O sítio arqueológico cobre uma área de 20 hectares e está tradicionalmente dividido em duas partes. Há um centro cerimonial / religioso, bem como uma área administrativa e residencial. Embora o Inca tenha reconstruído muitos dos edifícios originais, eles mantiveram o layout do assentamento urbano original.

A área cerimonial na seção norte do local é de aproximadamente 700 por 200 pés (213 por 60 metros). Um grande afloramento de arenito vermelho domina toda a área e as muitas esculturas gravadas na face da rocha datam de antes e depois da época da ocupação inca. As figuras incluem animais, gravuras lineares distintas - chamadas de serpente pelos habitantes locais - assim como muitas figuras geométricas.

  • Centenas de artefatos antigos e restos humanos descobertos em tumbas subterrâneas na Bolívia
  • Os últimos vestígios do taíno: locais cerimoniais porto-riquenhos são o testemunho de uma rica cultura
  • Mitos de origem da civilização inca e reconstituição do patrimônio real

Detalhe de uma das gravuras na rocha maciça de Fuerte de Samaipata (CC BY SA 2.0)

Existem também vários nichos esculpidos na rocha e aqueles no ponto mais alto da eminência são conhecidos como "o coro do sacerdote". Algumas das alcovas podem ter sido moradas de sacerdotes ou podem ter mantido ídolos. Eles também podem ter feito parte de vários templos e santuários que mais tarde foram destruídos pelos espanhóis.

A outra seção principal do site é a área administrativa, que também serviu como um bairro residencial para a elite local. Esta enorme praça triangular tem cerca de 300 por 300 pés (91 por 91 metros) com os restos de um mercado e uma era espanhola hacienda. A praça é cercada por edifícios incas em ruínas conhecidos como Kallanka. Esses edifícios, em forma de trapézio com muitas entradas, já foram o centro da vida pública. Reuniões públicas eram realizadas e visitantes estimados eram hospedados aqui, embora muitas vezes fossem usados ​​como quartéis militares. Parece que um Kallanka estava sendo consertado quando foi abandonado.

Nichos esculpidos na grande rocha, Samaipata (Domínio público )

Um dos vestígios residenciais mais fascinantes é o Acllahuasi, ou "casa dos escolhidos", onde as mulheres incas foram sequestradas, passando o tempo tecendo tecidos para o imperador inca até se casarem com nobres locais. Muitas mulheres também participavam de cerimônias religiosas e eram frequentemente selecionadas para serem sacrificadas para apaziguar as divindades.

Experimente Fuerte De Samaipata por você mesmo

Fuerte de Samaipata está localizado na Província da Flórida, Departamento de Santa Cruz, Bolívia. Há visitas guiadas pela área e um ônibus organizado por operadoras de turismo, sai de Samaipata. O local histórico é supervisionado por um grupo sem fins lucrativos e há uma pequena taxa de entrada. Infelizmente, o local foi danificado nos últimos anos por turistas descuidados que não respeitaram o local e as gravuras nas rochas.


Fuerte De Samaipata - Um Local de Esculturas Cerimoniais e Sacrifícios - História

Passeios e atrações em Samaipata e arredores

Cuevas e Cachoeiras. A meio caminho de Samaipata, você chegará a Cuevas (The Caves), onde poderá estacionar seu carro e fazer uma curta caminhada até uma série de 3 belas cachoeiras tropicais. É um bom lugar para fazer um piquenique ao longo do caminho e aproveitar o clima que esfria gradualmente. Mais adiante na estrada e mais perto da cidade, a estrada atravessa outra cachoeira com uma piscina natural cintilante bem ao lado da estrada. Cerca de 1 hora depois de Samaipata, há outra bela cachoeira e lagoa chamada Pajcha.

El Fuerte de Samaipata. Claro, os passeios de Samaipata também incluem uma visita a El Fuerte de Samaipata, a principal atração da cidade. As origens desta enorme rocha esculpida (a maior do mundo) não são totalmente conhecidas, no entanto, parece ter sido um antigo local cerimonial esculpido inicialmente pelo Chané e ocupado posteriormente pelos Incas, Chiriguanos (Guaraní) e colonos espanhóis .

Vila Samaipata. A cidade de Samaipata em si é pequena (mas crescente) e você pode passar algum tempo em sua praça central cercada por uma igreja, uma escola, cafés e restaurantes, um cyber café e um centro de chamadas internacionais e um escritório de informações turísticas. Você também pode entrar na Igreja Católica para uma visita (a cidade também tem duas igrejas evangélicas). Você também pode caminhar e caminhar ao redor para ver o resto da cidade, visitar diferentes restaurantes e albergues locais e estrangeiros ou visitar o mercado colorido.

Museo Arqueológico. Samaipata tem um Museu Arqueológico que abriga artefatos descobertos durante a escavação do forte de Samaipata e outras descobertas. É um lugar pequeno, mas interessante para aprender mais sobre a história desta área. Está localizado na Calle Bolivar # 37. Telefone: (591-3) 944 6065. Email: [email protected] e está aberto todos os dias das 10h00 às 12h00 e novamente às 14h30 às 18h00.

Cavalgando. Você também pode desfrutar de explorar a cidade e seus arredores a cavalo. Michael Blendinger Nature Tours oferece passeios a cavalo. O site deles é www.discoveringbolivia.com.

La Ruta del Vino. O governo do estado de Santa Cruz iniciou recentemente um tour de degustação de três vinhedos para aumentar o turismo na área de Samaipata. As vinhas estão todas perto da cidade e incluem Uvairenda, LandSua e Viña de Vargas. Você pode visitar todos os 3 ou escolher apenas um. Os vinhedos estão todos a 6 km da cidade. Você pode entrar em contato com um operador turístico local ou ir sozinho de táxi.

Observação de pássaros e da vida selvagem. Samaipata é uma das portas de entrada para o Parque Nacional Amboro e devido à localização privilegiada da área entre os trópicos e as montanhas, há uma abundância de fauna e flora para ver. A maioria dos operadores turísticos oferece esse tipo de passeio.

Acampamento. Se você preferir acampar, vários dos albergues e hotéis têm pequenos acampamentos onde você pode armar uma barraca.

Zoológico e refúgio de Samaipata. Se você prefere não fazer caminhadas ou caminhadas, andar de bicicleta ou a cavalo, mas ainda quer ver um pouco da vida selvagem da região, você pode visitar o pequeno Zoológico de Samaipata, que na verdade funciona como um refúgio de animais. Infelizmente, a Bolívia tem um grande problema com as pessoas que extraem pássaros e animais de seus lares naturais. Não é incomum encontrar araras ameaçadas de extinção, tucanos e até répteis, macacos e outros animais selvagens sendo vendidos nas ruas da cidade. Quando as pessoas descobrem que não poderão cuidar deles, muitas vezes os abandonam ou os levam para um refúgio local. A maioria dos refúgios de animais na Bolívia é de propriedade privada e operada e sempre precisa seriamente de doações e / ou voluntários para ajudar. Se tiver interesse, visite o Zoológico El Refugio, localizado a apenas 2 quilômetros da cidade. Telefone: (591-3) 944 6169.

Passeios e atrações um pouco mais longe

Cachoeira Pajcha. Cerca de uma hora de Samaipata por estrada, e com uma pequena caminhada, você chegará à Cascada Pajcha. Você precisa ir de carro ou táxi e da estrada não é uma caminhada difícil. É um lugar adorável para fazer um piquenique e nadar na piscina no fundo da cachoeira (foto acima). Se você puder me localizar em uma saliência à esquerda das cataratas, verá como elas realmente são altas. Mas a água abaixo das quedas é bastante calma.

Área de nidificação de condor andino. A cerca de 40 quilômetros (25 milhas) de Samaipata, perto de San Juan del Rosario e Sivingalito, você encontrará o que é considerado o maior local de nidificação de condores andinos do mundo. Os operadores turísticos normalmente oferecem uma viagem de 2 a 3 dias e incluem outras atividades, como rapel e uma parada na cachoeira da Pajcha. Requer caminhadas e acampamentos. O condor andino é a ave nacional da Bolívia.

Parque Nacional Amboro é uma das reservas nacionais mais conhecidas e bem cuidadas da Bolívia. É o lar de uma incrível variedade de espécies de flora e fauna, borboletas, orquídeas, macacos e pássaros. Samaipata é uma das portas de entrada para o Parque Nacional Amboro. Outro, localizado várias horas ao norte de Santa Cruz, é Buena Vista. Se você gosta de natureza, viagens de ida e volta para Amboro estão disponíveis em quase todas as operadoras que oferecem passeios pela Samaipata. Requer caminhadas e acampamentos.

La Ruta del Ché. Um passeio popular na Bolívia é a Trilha Che Guevara (Ruta del Che). Você passará vários dias caminhando e caminhando, refazendo os passos que este líder guerrilheiro argentino deu até chegar ao local onde foi morto a tiros pelos militares bolivianos. Leia mais sobre Che Guevara e o Tour Che Guevara aqui.

Refugio Volcanes é uma área de lindas vistas da montanha com vales profundos e planaltos arredondados íngremes. O Refugio Volcanes faz parte do Parque Nacional Amboro e oferece belas vistas panorâmicas, caminhadas, passeios e até caminhadas noturnas ao luar. A Bolívia abriga 35% das plantas e da vida selvagem da Terra, e esses passeios são especialmente maravilhosos para aqueles que estão interessados ​​em observação de pássaros e animais selvagens.

Laguna Volcán Eco Resort próximo a Bermejo, oferece vistas espetaculares dos cânions de argila vermelha. Aqui você pode caminhar, nadar e jogar tênis ou golfe. O hotel está localizado às margens de uma grande lagoa formada pela água que encheu a cratera de um vulcão inativo. Está localizada a cerca de 38 quilômetros de Samaipata.


Samaipata

Samaipata é uma pequena cidade no departamento de Santa Cruz da Bolívia a uma altitude de 1.600 m.

Samaipata é popular entre os turistas por seu clima ameno, suas paisagens diversas, as casas bonitas e a atmosfera de uma pequena cidade, e por sua proximidade com o patrimônio mundial 'Fuerte de Samaipata'. Embora existam ótimas oportunidades para caminhadas ao redor de Samaipata, quase todas requerem um guia, seja como parte de um passeio maior ou com um guia particular.

Por estrada Editar

  • De Santa Cruz leva 2,5-3 horas. Táxis compartilhados em: Bs. 30 por pessoa, o táxi inteiro custará Bs. 120 ou 130 com pick up, opção privada é recomendado, pois os bolivianos podem acomodar um número incrível de pessoas no carro pequeno.
  • Expresso Samaipata (Av. Omar Chavez Ortiz 1147 esquina Soliz de Olguin - Telf. ​​333-5067). Do terminal, pegue o ônibus número 8 para Bs. 1.5 para chegar lá, ou um táxi para Bs. 10B. Eles saem com pelo menos 4 passageiros. Demora entre 2 horas na maioria dos casos, mas pode chegar a 4 horas com um deslizamento de terra ou algumas obras na estrada.
  • Cooperativa de Transporte "El Fuerte" (2do Anillo Av. Grgota esq. Aruma - Telf. ​​359-8958), Mini-ônibus para Bs. 30 por passageiro, você pode chegar lá do Terminal Nuevo em Santa Cruz pegando o ônibus (Bs. 2) para El Torno / La Guardia na outra extremidade do túnel sob o terminal.

Edite a pé

A maneira mais fácil de contornar o pueblo é a pé.

De táxi Editar

A maioria das excursões de um dia requer um táxi. Combine a tarifa antes de partir, o trajeto local custa Bs. 10, o retorno de Cuevas com 2 espera irá definir você de volta para Bs. 80

Por locação de moto Editar

Martin, um holandês, aluga motos, mora em direção ao Zoo, peça o número dele ou faça uma visita a ele. Fácil de dirigir e divertido para uma viagem de um dia a Cuevas ou El Fuerte.

  • -18.175 -63.819444 1El Fuerte de Samaipata. Este local do Patrimônio Mundial da UNESCO era um local sagrado e local cerimonial das civilizações pré-incas e incas locais, e foi usado pelos espanhóis até que a nova cidade de Samaipata foi construída. Existem ruínas de todas as três eras aqui. A peça central, no entanto, é a enorme rocha cerimonial esculpida. Não há muito para ver em termos de edifícios ou estátuas, mas se você estiver interessado nas culturas antigas e ler todas as placas no local ou contratar um guia, então é uma boa viagem de um dia (a pé) ou meio - Viagem de um dia (de carro / táxi) de Samaipata. Para ir a pé, siga para o leste pela estrada (direção Santa Cruz) por 3 km até a estrada que sobe à direita, onde uma placa indica 'El Fuerte de Samaipata'. Siga esta estrada (quase sem tráfego) por cerca de 6 km subindo, e você chega diretamente na entrada. Bs. 50 (atualizado em outubro de 2018)
  • Refúgio animal (Caminhe 2 km para fora da cidade perto do mercado municipal - sinalizado ao longo do caminho). Existem alguns pássaros e macacos e outros animais que gostam de brincar e dizer olá. Bs. 20 (atualizado em outubro de 2018)
  • Outros destinos são Vallegrande, Pucará e La Higuera (onde Che Guevara foi morto), além de Laguna Quirusillas. A rodovia da cidade de Santa Cruz a Samaipata é muito pitoresca.
  • Amboro Park . Oferecendo caminhadas na floresta nublada. Você pode contratar um guia em uma das agências no centro da cidade. Este é mais um deve, porque não há trilhas e você não poderá caminhar sozinho. Bs. 210 pp para um grupo de 4, Bs. 320 pp para um grupo de 2.
  • Cuevas, cachoeiras fáceis de visitar com uma bela área para descobrir por conta própria.
  • Montanha Condor, melhor visitar em dias claros. A caminhada levará um longo dia com 4 horas de condução de carro e 4 a 6 horas de caminhada. É considerado uma alternativa ao Cânion do Colca, no Peru, embora a probabilidade de ver condores seja um pouco menor aqui. Os condores costumam aparecer por volta do meio-dia, mas não aposte em ver mais do que alguns pontos pretos no céu.
  • Cachoeira La Pajcha, perto da montanha do condor, ótima para acampar. Muitas vezes é combinado com a caminhada do condor no mesmo dia.
  • Há um canyoning excelente, mas simples, por desfiladeiros espetaculares. É possível como caminhadas autoguiadas, se você souber o que está fazendo e para onde está indo, mas não na estação chuvosa de dezembro a fevereiro.
  • Museo Arqueologico de Samaipata (Calle Bolivar, perto de Caff'e Art): pequeno museu, Bs. 5
  • Descanso en las Alturas-Pizzeria , Calle Bolivar Final, ☏ +591 944-6072.
  • Tierra Libre (pela praça principal, é só perguntar). Ótimos, deliciosos e originais pratos bolivianos com um toque especial. Porções enormes. Proprietário muito amigável. Também tem uma esplanada-cervejaria. Perfeito! Frango Teriaki av. Bs. 40
  • La Oveja Negra (dois quarteirões da praça principal). A partir das 18:00. Os holandeses possuíam o bar / descanso favorito dos gringos. Porções substanciais de caril de frango / vegetais, pimenta com carne, goulash. Além de crumble de maçã suntuoso. Proprietários amáveis. Jogos de tabuleiro e dardos também av. Bs. 30
  • Ranita (um bloco na esquina da praça principal). Diariamente das 8h às 12h, das 16h às 18h. Pão e bolos ridiculamente bons (tudo o mais pobre, especialmente o café!) Neste padeiro francês. Uma obrigação.
  • Posada del Sol restobar . Experimente o Restobar recém-inaugurado na Posada del Sol! A comida é ótima e as bebidas são de primeira classe!
  • 1900 , Praça principal . Após a sua grande refeição, você pode retirar-se para este café com uma conexão Wi-Fi (através de 3G). Tem alguns pastéis agradáveis ​​e chocolate quente.

La Oveja Negra Propriedade de um casal holandês e gerido por jovens simpáticos, este bar tem um toque de pub.

Che Wilson Povoado por adolescentes e aberto apenas nos finais de semana, este lugar ainda é um dos únicos pontos da pacata vila para 'vida noturna'.

  • La Boheme , Central Plaza. Bem na esquina da praça central, você não pode perder. É o único bar verdadeiro de Samaipata e um dos poucos da Bolívia. Basta verificar o tripadvisor se você tiver dúvidas!

Edição de orçamento

  • Residencial Vargas - quartos simples de Bs. 20, proprietários adoráveis.
  • Andoriña Hostal, arte e cultura, Calle Campero (2 1/2 quarteirões antes da praça principal), ☏ +591 3 944 6333, ✉ [email protected] Check-in: 24 horas, check-out: 24 horas. Excelentes vistas das varandas e quartos, pequeno-almoço fresco incluído. Aqui você pode conhecer outros viajantes. Os proprietários apostam em um turismo mais sustentável e trazem muitas dicas de caminhadas e outras atividades. Bs. 40 inc café da manhã.
  • El Jardin, Calle Arenales final s / n (2 cuadras del mercado), ☏ +591 73119461, ✉ [email protected] Com forno e churrasqueira. Também alguns iglus de argila para Bs. 35 por pessoa. Cozinha compartilhada independente. Café, biblioteca. Você pode dormir de graça se trabalhar no jardim. Os hippies adoram o lugar, os proprietários são um jovem casal simpático. Ao sol o dia todo. Quartos para estalagens 30 por pessoa. Acampar para Bs. 15

Mid-range to splurge Edit

  • Vivero Sarita , A 2 quarteirões do Village Plaza, ☏ +591 7-368-4035. Check-in: 11:00, check-out: meio-dia. Para uma experiência verdadeiramente cultural, hospede-se com Dona Sarita em sua pousada rústica, bonita e tranquila, que fica perto da Praça da Vila, Mercado e Restaurantes. Seu exuberante jardim exibe mais de 400 espécies de plantas, flores e samambaias. O café fresco feito com os grãos de café em seu jardim, seus pratos deliciosos e o calor acolhedor dão a sensação de um lar longe de casa por um preço muito acessível. Chuveiros de água quente, dormitório ou quartos privados estão disponíveis e café da manhã fresco está incluído. Ela também tem um contato local chamado "Don Gilberto", que é o guia turístico original da vila. Ligue para reservas ou apenas chegue.
  • -18.1842021 -63.8836527 1Quinta Piray, Estrada para Valle Abajo (táxis cobram Bs. 10-15 ou por uma caminhada curta de 10 minutos (1 km) da praça central), ☏ +591 721 91292 (WhatsApp). Check-out: 12:00. Oferece mais de 20 cabines. Além disso, você encontrará amplos espaços verdes de flores e jardins. US $ 40-90. (atualizado em junho de 2018)
  • Hotel e restaurante El Pueblito Resort, ☏ + 591-7-214-7994, ✉ [email protected]
  • Finca "La Víspera" Um Refúgio Paradisíaco Insuperável, onde os proprietários acolhem os visitantes que almejam o silêncio e a natureza. [1] Casas de hóspedes, cavalos, acampamento, café no jardim.
  • La Posada del Sol. Três quarteirões da praça principal em uma colina com vistas espetaculares. Oferece um excelente pequeno-almoço e inclui um menu feito a pedido para os hóspedes, disponível durante todo o dia.

Há um Banco Union em Campero com um caixa eletrônico.

A Cooperativa la Merced dará adiantamento em dinheiro no Visa ou Mastercard durante o horário de trabalho, você também pode obter adiantamento em Mairana nas proximidades.


El Fuerte de Samaipata

El Fuerte de Samaipata ou Forte samaipata, também conhecido simplesmente como "El Fuerte", é um sítio arqueológico pré-colombiano e UNESCO World & # 8197Heritage & # 8197Site localizado na Flórida & # 8197Province, Santa & # 8197Cruz & # 8197Department, Bolívia. [1] Ele está situado no sopé oriental dos Andes bolivianos e é um destino turístico popular para bolivianos e estrangeiros. É servido pela cidade vizinha de Samaipata. O sítio arqueológico de El Fuerte é único, pois abrange edifícios de três culturas diferentes: Chanè, Inca e Espanhola. [2]

Embora chamada de forte, Samaipata também tinha uma função religiosa, cerimonial e residencial. Sua construção foi provavelmente iniciada pelos Chané, povo pré-inca de origem aruaque. Também há ruínas de uma praça e residências incas, que datam do final do século 15 e início do século 16, quando o império inca se expandiu para o leste desde as montanhas dos Andes até o sopé subtropical. Chané, Inca e Espanhóis sofreram ataques de guerreiros Guarani (Chiriguano) que também se estabeleceram na região. Os Guarani conquistaram as planícies e vales de Santa & # 8197Cruz e ocuparam a área de Samaipata. Os Guaranis dominaram a região durante o período colonial espanhol. [3]

Os espanhóis construíram um assentamento no forte de Samaipata, e há vestígios de edifícios de arquitetura árabe típica da Andaluzia. Os espanhóis logo abandonaram o forte e se mudaram para um vale próximo, estabelecendo a cidade de Samaipata em 1618. [4]


O misterioso sítio megalítico de Samaipata no alto da selva boliviana

Localizado na Província da Flórida, Departamento de Santa Cruz, o sítio arqueológico de Fuerte de Samaipata é composto por duas partes claramente identificadas: o morro com suas inúmeras talhas, que se acredita ter sido o Centro Cerimonial e a área ao sul do morro, que formou o distrito administrativo e residencial e a administração política.

O local é conhecido por ter sido ocupado e usado como um centro ritual e residencial por pessoas pertencentes à cultura Mojocoyas já em 300 DC, e foi nessa época que o trabalho começou na moldagem desta grande rocha. Foi ocupada no século XIV pelos Inca, que a tornaram capital de província. As paredes em primeiro plano foram criadas pelo Inca.

Nosso guia local (não o cara da foto acima, que sou eu) disse que a escultura dessa enorme superfície de arenito vermelho ocorreu por volta de 1500 aC, e foi feita por povos da Amazônia, o que acho muito difícil de acreditar, já que eles provavelmente o fizeram. ferramentas da idade da pedra. A quantidade de desgaste da pedra pode indicar grande idade, mas a tecnologia usada deve ter sido avançada.

Talvez a característica mais famosa deste sítio enigmático pouco conhecido sejam as duas ranhuras paralelas vistas na foto acima. Nosso guia afirmou que eram para fins rituais, pelos quais cerveja chicha de milho era servida neles para fins de adivinhação. Mais conceitos marginais incluem o uso deles como pistas para espaçonaves antigas & # 8230

Os grandes nichos, dos quais existem pelo menos 15, são grandes o suficiente para que um corpo humano possa caber facilmente neles, e são muito semelhantes às características encontradas em locais como Ollantaytambo e Amaru Machay, que a maioria dos arqueólogos acredita serem obras incas, mas poderiam ser milhares de anos mais velho.

Felizmente, as autoridades locais permitiram que eu pilotasse meu quadricóptero & # 8220Pachacutec & # 8221 sobre o local, o que permitiu vistas incomparáveis ​​da maciça superfície de pedra. Vídeos feitos pelo quadricóptero estarão disponíveis no meu canal no Youtube. Além disso, Samaipata definitivamente será incluído em futuras viagens incas escondidas.

Acima está um exemplo do que & # 8220Pachacutec & # 8221 é capaz. Iremos levá-lo ao México em fevereiro, e ao Egito, bem como a Baalbek no Líbano em março & # 8230.As possibilidades dessa tecnologia são imensas.

Junte-se a nós para explorar a Alta Tecnologia Antiga Perdida do Egito nesta excursão exclusiva AQUI, após o qual exploraremos Baalbek no Líbano AQUI.

Explore o estranho fenômeno dos crânios alongados do Peru e da Bolívia neste tour único em maio de 2015, detalhes AQUI.

Junte-se a Hugh Newman, Andrew Collins e a mim enquanto estudamos os megálitos e os crânios alongados do Peru e da Bolívia nesta excursão única em junho AQUI.


Samaipata: ruínas de El Fuerte e cachoeiras Las Cuevas

& ldquoO eco no vale é nosso wi-fi da montanha & rdquo, disse Cecilio, o guia que contratamos.

Nós nos revezamos para gritar, e as montanhas verdejantes gritaram de volta para nós. Os ecos sempre me fazem sorrir.

Ou talvez tenha sido o céu azul e as vistas deslumbrantes das montanhas que nos acompanharam enquanto caminhávamos pela trilha fácil das montanhas até as ruínas de El Fuerte, localizadas a apenas 9 km da tranquila cidade de Samaipata.

A cidade de Samaipata

Com um nome que soa mais japonês do que latino-americano, Samaipata é uma cidade que está fora da trilha dos gringos. Na verdade, toda a parte oriental da Bolívia é frequentemente ignorada em favor das regiões mais famosas de Uyuni e La Paz.

Depois de passar 10 dias aprendendo espanhol na agitada capital Sucre, eu estava ansioso para mudar o ambiente. Samaipata & ndash aninhado nas montanhas, rodeado por ruínas, cachoeiras e parques nacionais - parecia a melhor opção.

& lsquoFresh & rsquo parecia a palavra perfeita para descrever minha experiência aqui. O clima temperado foi uma recepção calorosa e diferente das grandes altitudes de Uyuni e Potosi, enquanto a proximidade da pequena cidade deu uma sensação acolhedora.

Na verdade, Samaipata significa & lsquoRest nas Terras Altas & rsquo em Quechua.

Mas eu não estava aqui pelo clima ou por ser aconchegante, eu estava aqui pelas ruínas e pela natureza.

El Fuerte de Sampaipata

Na praça principal da cidade, muitos motoristas de táxi oferecem uma carona até a principal atração da região: as ruínas de El Fuerte.

Por BOB $ 100 (US $ 14), o taxista leva você até lá, espera 2 horas e o leva de volta à cidade. Joe, um americano que conheci no meu albergue, e compartilhei a viagem de táxi de 15 minutos lá.

Não era necessário contratar um guia, mas o amante de história em mim queria saber o que eu estava vendo e não andar cegamente por ruínas majestosas sem saber o significado disso.

Imediatamente, Cecílio desenhou na areia com seu fiel bastão e nos forneceu dados de fundo e a história da região.

Ele nos mostrou que El Fuerte está localizado bem no meio de 4 regiões distintas: a planície amazônica, o Grande Chaco, o Morocoya e os Andes. Ele contou histórias sobre os Incas viajando dos Andes ao Grande Chaco e mais adiante na Argentina.

Eu estava fascinado antes mesmo de começarmos. Mas, o mais importante, começamos a caminhada com uma melhor compreensão da região em mente.

Subimos os picos das montanhas de tirar o fôlego, e Cecílio apontou as diferenças de paisagem entre as abundantes florestas amazônicas e as planícies sem árvores do Chaco. Ele colheu amoras e nos deixou experimentá-las.

O monólito maciço de granito escuro de 220 m apareceu bem na nossa frente. Uma rocha gigante, única em seu tipo, esculpida com todos os tipos de desenhos com significados significativos.

Este pedaço de rocha & ndash e seus edifícios circundantes & ndash recebeu o título da UNESCO em 1998. Nas palavras da UNESCO:

"A enorme rocha esculpida, dominando a cidade abaixo, é um testemunho único de crenças e pré-hispânicos, e não tem paralelo em nenhuma parte das Américas."

O sítio arqueológico de El Fuerte consiste em duas áreas: uma área cerimonial e um distrito administrativo. E bem à nossa frente estava o principal elemento cerimonial.

Uma das esculturas mais interessantes é a forma de felinos - principalmente pumas e onças - em bases circulares na pedra. O puma é um dos três animais sagrados dos Incas.

Também vimos duas esculturas paralelas em forma de zigue-zague duplo, que os habitantes locais chamaram de The Snake & rsquos Back (a cobra é outro animal sagrado). Alguns teorizaram que The Snake & rsquos Back era usado para rituais, com água (ou sangue?) Fluindo através deles, como um sistema de canalização.

Enquanto caminhávamos pelas ruínas (você pode & rsquot entrar nas ruínas), Cecílio explicou que o povo também fazia sacrifícios humanos e animais, rituais astrológicos, idolatria de animais, deuses e deusas.

No topo do monólito está um círculo de nichos ou assentos retangulares e triangulares, provavelmente para os líderes ou padres, como é chamado de & ldquoO Coro dos Padres & rdquo.

Coisas místicas sempre me fascinam. Mas o que realmente me interessa aqui são as três diferentes gerações e culturas que influenciaram o local.

O local foi pensado para ser construído pelo povo Chan & eacute, uma cultura pré-inca, com as primeiras gravuras durante o período Mojocoyas (200 DC e 800 DC).

Então, os Inca ocuparam no século 14 e adicionaram suas próprias construções em outro local religioso da cultura e rsquos, como a parede flagrantemente óbvia que se destacava na rocha. Eles também construíram portas e janelas e um templo para seus sacerdotes, e fizeram do local sua capital provincial. Ao lado da área cerimonial estavam assentamentos incas e terraços nas encostas para a agricultura.

assentamentos inca

Como a maioria dos territórios incas, os espanhóis chegaram por volta de 1540 e tomaram-no como seu. Eles renomearam o local como & lsquoEl Fuerte & rsquo (A Fortaleza), construíram uma torre de vigia militar feia e outras construções de estilo espanhol, e a abandonaram por volta de 1629.

Assim, três culturas diferentes influenciaram esta maravilha arqueológica, o El Fuerte de Samaipata, uma joia da Bolívia & rsquos & lsquohidden & rsquo. Embora o local não tenha sido construído pelos poderosos Incas, os bolivianos se orgulham deste patrimônio mundial da UNESCO em seu quintal.

Pouco se sabe sobre o local, algumas pessoas até dizem que Samaipata está sendo usada por extraterrestres para pousar suas espaçonaves.

Gosto particularmente dessa teoria. Na verdade, o site só ganhou fama quando o autor suíço Erik Von Daniken propôs, na década de 1960, que fosse projetado como um local de pouso para OVNIs, por mais absurdo que pareça.

Seja o que for, sugiro aos visitantes que contratem um guia. Com um bom guia como Cecilio, parte da história pode ganhar vida diante de seus olhos. Ou, pelo menos, visite o museu da cidade antes de ir. Caso contrário, você estará apenas olhando para um grande pedaço de rocha marrom.

Como ir para El Fuerte de Sampaipata

A 9km de Samaipata, você pode caminhar por 2 horas, a maior parte em subida, para chegar lá. Observe que na baixa temporada, pode não haver nenhum transporte de volta se você decidir ir a pé até lá.

Ou você pode pegar um táxi na praça principal. Os motoristas geralmente esperam em uma esquina e chamam os turistas. Uma viagem de ida e volta custa BOB $ 100 (julho de 2017) e o motorista espera por você por 2 horas.

(Você pode pegar um táxi lá e caminhar de volta, economizando metade dos custos e podendo desfrutar da paisagem montanhosa no caminho.)

Os táxis de motocicleta também fazem essa viagem.

A alternativa de fazer você mesmo é fazer um tour. Existem inúmeras agências de turismo em Samaipata, todas oferecendo as mesmas viagens.

Cachoeiras Las Cuevas

No lado oposto da cidade, situado no deserto entre montanhas verdes, estão as Cachoeiras Las Cuevas.

Desde a entrada, é uma série de caminhos pedonais que conduzem a três conjuntos de cascatas. Embora sejam chamados de Las Cuevas, não existem cavernas reais. O lugar parecia um oásis escondido na selva.

As crianças locais estavam brincando na primeira cachoeira quando eu visitei. A segunda e a terceira cachoeiras são maiores e dá para chegar de perto pisando nas pedras.

Nos finais de semana, o local fica inundado com gente de Santa Cruz que quer vencer o calor. Na verdade, as piscinas naturais e as (muito) pequenas praias de areia fazem deste um ótimo lugar para passar horas.

Há degraus feitos de pneus usados ​​que levam ao mirante da terceira cachoeira. Não há muito para ver, apenas montanhas verdes e vales.

Mesmo assim, o Las Cuevas é uma fuga rápida e refrescante da vida da cidade.

Localizadas a cerca de 20 km da cidade, é melhor chegar a essas cachoeiras de bicicleta ou táxi.

Semelhante às ruínas de El Fuerte, o motorista esperará 2 horas por você. Custa BOB $ 100 em ambos os sentidos.

Você também pode sinalizar um assento em um dos muitos ônibus que passam pela entrada no caminho de / para Santa Cruz. I&rsquod rather not bet on it.

Samaipata is a 2-3 hours&rsquo drive from Santa Cruz. At the corner of Avenida Omar Chavez Ortiz and Soliz de Olguin are 7-seater shared taxis (called trufis) that leave when full (or almost full, and then stop to pick up additional passengers) and costs BOB $30 (USD $5) each.

Private taxis may be willing to take you to Samipata, but beware: taxi drivers at hotels may try to charge astronomical fees for the three-hour drive.

If you&rsquore going from Sucre, any bus that goes towards Santa Cruz stops in Samaipata, usually around 3am for night buses. The journey takes around 10 hours.


Fuerte de Samaipata Tours

On a Bolivia tour, visit the unparalleled archeological site, Fuerte de Samaipata. Samaipata is divided into two distinct parts and is dominated by an enormous carved rock that is an homage to the pre-Hispanic culture, traditions, and beliefs of the people that once thrived here. The ancient city is separated into the hill, believed to have been the ceremonial center, and to the south, the residential area. Fuerte de Samaipata is a Bolivian national treasure and pride and attests to the extraordinary urban planning, architectural, and artistic skills that the pre-Columbian civilizations possessed. The nearby town of Samaipata, in the Santa Cruz region, is within walking distance of the ruins. You can also take taxis or even ride motorbikes in the area. The town offers some pleasant cafes, which even have WiFi, despite the remoteness of the area. The hike to the Samaipata pueblo is about a 16 km round-trip. There also are hikes in Amboro Park, where guides are recommended.

Update: Bolivia Covid-19 Travel – Bolivia is open for travel again!
Bolivia has reopened to tourists and we’re delighted to be planning trips again.


Samaipata: El Fuerte Ruins and Las Cuevas Waterfalls

“The echo in the valley is our mountain wifi,” said Cecilio, the guide we hired.

We took turns to shout, and the verdant mountains shouted back at us. Echoes always make me smile.

Or maybe, it was the clear blue skies and stunning mountain views that accompanied us as we walked the easy mountain trail to the ruins of El Fuerte, located just 9km from the tranquil town of Samaipata.

The Town of Samaipata

With a name that sounds more Japanese than Latin American, Samaipata is a town that is off the gringo trail. In fact, the whole eastern part of Bolivia is often skipped in favour of the more famous Uyuni and La Paz regions.

Having spent 10 days learning Spanish in the hectic capital Sucre, I was eager to have a change in environment. Samaipata – being nestled in the mountains, surrounded by ruins, waterfalls and national parks - seemed like the best option.

‘Fresh’ felt like the perfect word to describe my experience here. The temperate climate was a warm welcome and change from the high altitudes of Uyuni and Potosi, while the closeness of the small town gave a homey feeling.

In fact, Samaipata means ‘Rest in the Highlands’ in Quechua.

But I wasn’t here for the weather or being cosy, I was here for the ruins and nature.

El Fuerte de Sampaipata

At the main square of town are many taxi drivers offering a ride to the main attraction of the area: the ruins of El Fuerte.

For BOB $100 (USD $14), the taxi driver brings you there, waits 2 hours, and brings you back to town. Joe, an American I met at my hostel, and I shared the 15min taxi ride there.

The BOB $50 entrance fee includes free entry to the museum in town. We paid another BOB $100 for our English-speaking guide Cecilio.

It wasn’t necessary to hire a guide but the history lover in me wanted to know what I was seeing and not blindly walking through majestic ruins without knowing the significance of it.

Immediately, Cecilio drew on the sand with his trusty stick and provided us with background information and the history of the region.

He showed us that El Fuerte is located right in the middle of 4 distinct regions the Amazonian Plains, the Grand Chaco, the Morocoya, and the Andes. He told stories about the Incas travelling from the Andes to the Grand Chaco, and farther into Argentina.

I was fascinated even before we began. But more importantly, we started the hike with a better understanding of the region in mind.

We went up the breath-taking mountain peaks, and Cecilio pointed out the differences in landscapes between the plentiful Amazonian forests and the treeless Chaco plains. He plucked blackberries and let us try them.

The 220m massive dark-granite monolith appeared right in front of us. A giant rock, one of its kind, carved with all sorts of designs with significant meanings.

This piece of rock – and its surrounding buildings – was given UNESCO title in 1998. In the words of UNESCO:

"The huge sculptured rock, dominating the town below, is a unique testimony to pre-Hispanic and beliefs, and has no parallel anywhere in the Americas."

The archaeological site of El Fuerte consist of two areas: a ceremonial area and an administrative district. And right in front of us was the main ceremonial feature.

One of the more interesting carvings is the shape of felines - particularly pumas and jaguars - on circular bases in the stone. The puma is one of the three sacred animals of the Incas.

We also saw two parallel, double-zigzag-shaped carvings, which the locals named The Snake’s Back (the snake is another sacred animal). Some theorized that The Snake’s Back was used for rituals, with water (or blood?) flowing through them, like a channelling system.

As we walked along the ruins (you can’t go inside the ruins), Cecilio explained that the people also performed human and animal sacrifices, astrological rituals, idol worshipping of animals, gods and goddesses.

At the top of the monolith is a circle of rectangular and triangular niches or seats, probably for the leaders or priests, as it is called “The Chorus of the Priests”.

Mystical stuff always fascinates me. But what really interests me here was the three different generations and culture that influenced the site.

The site is thought to be built by the Chané people, a pre-Incan culture, with the first engravings during the Mojocoyas period (AD 200 – 800).

Then, the Inca occupied it in the 14 th century and added their own constructions on another culture’s religious site, like the blatantly obvious wall that stood out on the rock. They also built doors and windows and a temple for their priests, and made the site their provincial capital. Next to the ceremonial area were Inca settlements and hillside terraces for agriculture.

Like most Inca territories, the Spanish came around 1540 and took it as their own. They renamed the site ‘El Fuerte’ (The Fortress), built an ugly military watch tower and other Spanish-styled constructions, then abandoned it around 1629.

So, three different cultures influenced this archaeological wonder, the El Fuerte de Samaipata, one of Bolivia’s ‘hidden’ jewel. While the site was not built by the mighty Incas, Bolivians are nevertheless proud of this UNESCO world heritage site in their backyard.

Little is known about the site some people even say that Samaipata is being used by extraterrestrials to land their spaceship.

I particularly like that theory. In fact, the site only gained fame when Swiss author Erik Von Daniken proposed in the 1960's that it was designed as a landing site for UFO's, however absurd that sounds.

Whatever it is, I suggest visitors to hire a guide. With a good guide like Cecilio, part of the history may just come alive before your eyes. Or, at least visit the museum in town before going. Otherwise you’d be just looking at a piece of big brown rock.

How to Go to El Fuerte de Sampaipata

At 9km from Samaipata, you can walk for 2 hours, mostly uphill, to get there. Do note that in off-season, there might not be any transport back if you do decide to walk there.

Or, you can hire a taxi from the main plaza. The drivers usually wait at one corner and call out to tourists. A two-way trip costs BOB $100 (July 2017) and the driver waits for you for 2 hours.

(You can hire a taxi there and walk back, saving you half the costs and getting to enjoy the mountainous scenery on the way.)

Motorbike taxis also make this trip.

The alternative to doing it yourself is to go on a tour. There are numerous tour agencies in Samaipata all offering the same trips.

Las Cuevas Waterfalls

On the opposite side of town, set in the wilderness amongst green mountains, are the Las Cuevas Waterfalls.

From the entrance, it is a series of footpaths leading to three sets of waterfall. Even though they are named Las Cuevas, there are no actual caves. The place felt like a hidden oasis in the jungle instead.

Local kids were playing in the first waterfall when I visited. The second and third waterfalls are bigger and you are able to get up close by stepping on the rocks.

On weekends, the place gets flooded with people from Santa Cruz looking to beat the heat. Indeed, the cool swimming holes and (very) small sandy beaches make this a great place to hang out for hours.

There are steps made from used tyres leading up to a viewpoint from the third waterfall. There isn’t much to see, just green mountains and valleys.

But still, the Las Cuevas make for a short cooling escape from city life.

Entrance fee: BOB $15 (July 2017)

How to Go to Las Cuevas Watefalls

Located around 20 km out of town, these waterfalls are best reached by bike or taxi.

Similar to the El Fuerte ruins, the driver will wait 2 hours for you. It costs BOB $100 both ways.

You may also be able to flag down a seat in one of the many buses passing by the entrance on the way to/from Santa Cruz. I’d rather not bet on it.

How to Get to Samaipata

Samaipata is a 2-3 hours’ drive from Santa Cruz . At the corner of Avenida Omar Chavez Ortiz and Soliz de Olguin are 7-seater shared taxis (called trufis) that leave when full (or almost full, and then stop to pick up additional passengers) and costs BOB $30 (USD $5) each.

Private taxis may be willing to take you to Samipata, but beware: taxi drivers at hotels may try to charge astronomical fees for the three-hour drive.

If you’re going from Sucre , any bus that goes towards Santa Cruz stops in Samaipata, usually around 3am for night buses. The journey takes around 10 hours.


Noel Kempff Mercado National Park (2000)

Noel Kempff Mercado National Park, which was added to the list of UNESCO World Heritage Sites in Bolivia in 2000, is the only natural site in this list. This national park spans 750,000 hectares of land area. Majority of this area that is protected by UNESCO consists of Serrania de Huanchaca.

This national park sits on a transitional zone from the rainforests of the Amazon to the dry forests and savannas of Cerrado. Hence, there are five distinct habitats that form the property of the national park. These habitats include upland evergreen forest, deciduous forest, savanna wetlands, forest wetlands, and upland cerrado savanna. Due to this diverse habitat, the national park is home to over 4,000 species of plants and over 130 species of mammals, 620 species of birds and 70 reptile species.


UNESCO World Heritage Sites In Bolivia

El Fuerte De Samaipata is a UNESCO World Heritage Site, renowned for its archaeological riches. It is located in the eastern foothills of the Bolivian Andes. The site considered as an ancient religious site which was built by Chane community who practice Arawak cultura. It consists of two areas. The include a hill with a great deal of carvings, which is believed to have been the ceremonial center of the old town considering the flat nature of the top, and the residential and administrative district to the south of the hill. The hill is considered to be the site's religious center.

El Fuerte De Samaipata is an attraction center for both local and foreign tourists, most being drawn by the El Cascabel. These are two parallel lines pointing in the eastern sky at the position of azimuth and at an altitude surrounding the structures of three different cultures, namely the Chanes, Incas, e Spaniards. Waterfalls have eroded the stone and damaged by people walking on it, to curb further damages the area has been cordoned off and is now managed by Stonewatch, a nonprofit society, and conservation academy.The rock is a souvenir of the traditional life of the ancient communities in Bolivia and their artifacts.

The City of Potosi

The City of Potosi is an ancient industrial city in the southern highlands of Bolivia, developed for its richness in silver ore starting in the 16 th Century, it was listed as heritage site in 1987. The site has vertical industrial monuments of the Cerro Rico, where water was provided by an intricate system and artificial lakes. The colonial town had Casa De La Moneda, the church of San Lorenzo, several houses and workers dwellings called Barrios Mitayos.

On June 17, 2014, the city of Potosi was listed among the world heritage centers at risk by the UNESCO world heritage committee in a meeting in Doha-Qatar, thus obligating the Bolivian government to further protect it. This move has led to the stoppage of all mining activities in the hill and creation of management committee of Cerro Rico Mountain composed of different actors. This act will save the mountain from collapse which would have resulted in environmental problem and also save the historic town.

Jesuit Missions of Chiquittos

The Jesuit Missions of Chiquittos, located in the Santa Cruz department in eastern Bolivia, are an ancient settlement for former missionaries who lived in the 17 th and 18 th Centuries. Their mission was to convert local communities to Christianity. UNESCO officially gazetted it World Heritage Site in 1990. It is famous for its unique fusion of European and American-Indian cultural artifacts. The churches were built in a unique way combining elements of native and European architecture.

Tourists are drawn by the large houses with double-sloping roofs and porch roofs overhanging their western galleries. Long walls are dividing three interior galleries. The heritage site was declared a monument of Bolivia by Decreto Supremo on January 4, 1950, and is protected by the Bolivian laws. Committees have also been put up to manage the site in conjunction with the Ministry Of Cultures. Protecting the site has helped to cut out the modernization threat to the villages that could have eroded them out. The site has been a source of income to the Bolivian government and has also been a treasure for the ancient culture. It has also benefited scholars in data collection.

Tiwanaku

Located in the Tiwanaku municipality in Bolivia, the Tiwanaku ruins were designated in 2000 during the 24 th session of UNESCO. In ancient times they were occupied by a small agricultural village whose members left no written language, and hence made it hard to identify them. It has attracted tourist due to the presence of Akapana, a cross-shaped pyramidal structure which is 257 meters wide, 197 meters thick, and 16.5 meters tall. The structure is suspected to be a man-made mound with a mixture of large and small stone blocks, Pumapunku a man-made rectangular earthen mound faced with megalithic blocks, 167.36 meters wide, 116.7 meters thick, and 5 meters tall.

The presence of a courtyard, houses, and walls lead to the conclusion that the Tiwanaku ruins once housed an organized community that had rulers who judged the people. The site is protected by the government of Bolivia and has been a source of information to local and foreign scholars and above all a tourist destination to many.


Assista o vídeo: FESTA TABERNÁCULOS - 19092021