Templo Haeinsa Janggyeong Panjeon, os depositários de ... (UNESCO / NHK)

Templo Haeinsa Janggyeong Panjeon, os depositários de ... (UNESCO / NHK)

>

O Templo de Haeinsa, no Monte Gaya, abriga o Tripitaka Koreana, a coleção mais completa de textos budistas, gravada em 80.000 xilogravuras entre 1237 e 1248 DC. Os edifícios de Janggyeong Panjeon, que datam do século 15 DC, foram construídos em albergam as xilogravuras, também reverenciadas como obras de arte excepcionais. Como o mais antigo depositário da Tripitaka, eles revelam um domínio surpreendente da invenção e implementação das técnicas de conservação usadas para preservar esses blocos de xilogravura.

Fonte: TV UNESCO / © NHK Nippon Hoso Kyokai
URL: http://whc.unesco.org/en/list/737/


Templo Haeinsa

O Haein-sa (templo) é um dos três principais templos da Coreia do Sul. Seu nome significa "Reflexo sobre um mar calmo". Pertence à Ordem Chogye, uma escola Zen do Budismo.

Haein-sa abriga todos os textos budistas esculpidos em blocos de madeira, símbolos dos ensinamentos. Os blocos, conhecidos como Tripitaka Koreana, somam 81.340. Inscritas estão as regras para os monges, os ensinamentos do Buda e os comentários adicionados ao longo dos tempos.

O Tripitaka inteiro foi esculpido duas vezes. O primeiro foi concluído em 1087, mas foi queimado na invasão dos mongóis. Então os monges começaram a esculpir novamente, e aquele (que agora pode ser visto) data de 1251.


Palácio de Changdeokgung [Seul]

Localizado no coração de Seul, este palácio é o mais original dos & # 8216Grandes Palácios & # 8217 da cidade e serviu como corte da Dinastia Joseon. Foi muito danificado durante a ocupação japonesa, com apenas 30% dos edifícios remanescentes da área antes da colonização. Digno de nota é a sala de ladrilhos azuis a leste do trono, que serviu de estudo para o rei e de inspiração para a Casa Azul, a residência formal do Presidente da Coreia. Outra parte que vale a pena conferir é a Ponte Geumcheongyo, uma das estruturas mais antigas do complexo, construída em 1411. Se tiver tempo, não deixe de fazer um passeio guiado pelos jardins reais.

Dica Profissional & # 8211 A melhor época para visitar é no final de março / início de abril, quando as flores de cerejeira estão em plena floração. Embora você possa ter concorrência de outros fotógrafos, vale a pena o incômodo.

Aqui está uma revisão mais extensa e fotos do Palácio de Changdeokgung


2006, Templo Haeinsa Janggyeong Panjeon

Templo Haeinsa Janggyeong Panjeon
2006. 7. 15-16.

O Janggyeong Panjeon no Templo de Haeinsa, nas encostas do Monte Gayasan, é o lar do Tripitaka Koreana, a coleção mais completa de textos budistas, leis e tratados existentes, gravada em aproximadamente 80.000 xilogravuras entre 1237 e 1248. As xilogravuras Haeinsa Tripitaka foram esculpidas em um apelo à autoridade do Buda na defesa da Coreia contra as invasões mongóis. Eles são reconhecidos por estudiosos budistas em todo o mundo por sua excelente precisão e qualidade superior. As xilogravuras também são valiosas pelos delicados entalhes dos caracteres chineses, tão regulares que sugerem que são obra de uma única mão.

Os depósitos de Janggyeong Panjeon compreendem dois prédios longos e dois menores, dispostos em um retângulo ao redor de um pátio. Como os edifícios mais importantes do complexo do Templo Haeinsa, eles estão localizados em um nível mais alto do que o salão que abriga o Buda principal do complexo. Construído no século 15 no estilo tradicional do início do período Joseon, seu design é caracterizado pela simplicidade de detalhamento e harmonia de layout, tamanho, equilíbrio e ritmo.

Os quatro edifícios são considerados únicos tanto em termos de sua antiguidade no que diz respeito a este tipo especializado de estrutura, quanto pelas soluções de conservação notavelmente eficazes que foram empregadas em seu projeto para proteger os blocos de madeira da deterioração, proporcionando fácil acesso e armazenamento . Foram especialmente projetados para fornecer ventilação natural e modular a temperatura e a umidade, adaptados às condições climáticas, preservando os blocos de madeira por cerca de 500 anos da infestação de roedores e insetos. O complexo do Templo Haeinsa é um destino famoso para peregrinações, não apenas entre os budistas coreanos, mas também entre budistas e acadêmicos de todo o mundo. - UNESCO


Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO República da Coreia

O Templo de Haeinsa, no Monte Gaya, abriga o Tripitaka Koreana, a coleção mais completa de textos budistas, gravada em 80.000 blocos de madeira entre 1237 e 1248. Os edifícios de Janggyeong Panjeon, que datam do século 15, foram construídos para abrigar as xilogravuras, também reverenciadas como obras de arte excepcionais. Como o mais antigo depositário da Tripitaka, eles revelam um domínio surpreendente da invenção e implementação das técnicas de conservação usadas para preservar esses blocos de xilogravura.

738 Jongmyo Shrine & # 8211 1995

Jongmyo é o mais antigo e mais autêntico santuário real confucionista que já foi preservado. Dedicado aos antepassados ​​da dinastia Joseon (1392–1910), o santuário existe em sua forma atual desde o século 16 e abriga tabuinhas com os ensinamentos de membros da antiga família real. Lá ainda acontecem cerimônias rituais que unem música, canto e dança, perpetuando uma tradição que remonta ao século XIV.

736 Seokguram Grotto e Bulguksa Temple & # 8211 1995

Fundada no século 8 nas encostas do Monte Toham, a Gruta Seokguram contém uma estátua monumental de Buda olhando para o mar na posição bhumisparsha mudra. Com os retratos circundantes de deuses, Bodhisattvas e discípulos, todos realística e delicadamente esculpidos em alto e baixo relevo, é considerada uma obra-prima da arte budista no Extremo Oriente. O Templo de Bulguksa (construído em 774) e a Gruta Seokguram formam um complexo arquitetônico religioso de importância excepcional.

816 Changdeokgung Palace Complex & # 8211 1997

No início do século 15, o Rei Taejong ordenou a construção de um novo palácio em um local auspicioso. Um Bureau of Palace Construction foi criado para criar o complexo, consistindo de uma série de edifícios oficiais e residenciais situados em um jardim que foi habilmente adaptado à topografia irregular do terreno de 58 ha. O resultado é um exemplo excepcional da arquitetura e design de um palácio do Extremo Oriente, combinando-se harmoniosamente com a paisagem circundante.

Fortaleza Hwaseong 817 & # 8211 1997

Quando o Rei Joseon Jeongjo mudou a tumba de seu pai & # 8217 para Suwon no final do século 18, ele a cercou de fortes trabalhos defensivos, dispostos de acordo com os preceitos de um influente arquiteto militar da época, que reuniu os últimos desenvolvimentos no campo de leste e oeste. As paredes maciças, que se estendem por quase 6 km, ainda sobrevivem, são perfuradas por quatro portões e equipadas com bastiões, torres de artilharia e outros recursos.

977 Gochang, Hwasun e Ganghwa Dolmen Sites & # 8211 2000

Os cemitérios pré-históricos em Gochang, Hwasun e Ganghwa contêm muitas centenas de exemplos de antas e tumbas do primeiro milênio aC construídas com grandes lajes de pedra. Eles fazem parte da cultura megalítica, encontrada em muitas partes do mundo, mas em nenhum lugar de forma tão concentrada.

976 Gyeongju Historic Areas & # 8211 2000

Eles contêm uma concentração notável de exemplos notáveis ​​da arte budista coreana, na forma de esculturas, relevos, pagodes e os restos de templos e palácios do florescimento, em particular entre os séculos 7 e 10, desta forma de expressão artística única .

1264 Ilha Vulcânica de Jeju e Tubos de Lava & # 8211 2007

juntos compreendem três sites que perfazem 18.846 ha. Inclui Geomunoreum, considerado o melhor sistema de tubo de lava de cavernas em qualquer lugar, com seus telhados e pisos de carbonato multicolorido e paredes de lava de cor escura, o cone de tufo Seongsan Ilchulbong semelhante a uma fortaleza, surgindo do oceano, uma paisagem dramática e o Monte Halla , a mais alta da Coreia, com suas cachoeiras, formações rochosas multiformes e crateras repletas de lagos. O local, de grande beleza estética, também testemunha a história do planeta, suas características e processos.

1319 Tumbas Reais da Dinastia Joseon & # 8211 2009

O formulário é uma coleção de 40 tumbas espalhadas por 18 locais. Construídas ao longo de cinco séculos, de 1408 a 1966, as tumbas homenageavam a memória dos ancestrais, mostravam respeito por suas conquistas, afirmavam autoridade real, protegiam os espíritos ancestrais do mal e forneciam proteção contra o vandalismo. Os locais de grande beleza natural foram escolhidos para os túmulos, que normalmente têm suas costas protegidas por uma colina quando estão voltados para o sul em direção à água e, idealmente, camadas de cumes de montanhas à distância. Ao lado da área de sepultamento, os túmulos reais apresentam uma área cerimonial e uma entrada. Além dos túmulos, os edifícios associados que são parte integrante dos túmulos incluem um santuário de madeira em forma de T, um galpão para estela, uma cozinha real e uma casa dos guardas, um portão com pontas vermelhas e a casa do guardião do túmulo. Os motivos são adornados externamente com uma variedade de objetos de pedra, incluindo figuras de pessoas e animais. As Tumbas de Joseon completam os 5.000 anos de história da arquitetura das tumbas reais na península coreana.

1324 Aldeias Históricas da Coreia: Hahoe e Yangdong & # 8211 2010

Fundada entre os séculos 14 e 15, Hahoe e Yangdong são vistas como as duas aldeias históricas de clãs mais representativas da República da Coréia. Seu layout e localização & # 8211 protegidos por montanhas com florestas e voltados para um rio e campos agrícolas abertos - refletem a cultura aristocrática confucionista distinta do início da Dinastia Joseon (1392-1910). As aldeias foram localizadas para fornecer alimento físico e espiritual de suas paisagens circundantes. Eles incluem residências das famílias principais, junto com casas de madeira de outros membros do clã, também pavilhões, salas de estudo, academias confucionistas para aprendizagem e grupos de casas de um andar com paredes de barro e telhados de palha, anteriormente para plebeus. As paisagens de montanhas, árvores e água ao redor da vila, emolduradas por vistas de pavilhões e retiros, eram celebradas por sua beleza por poetas dos séculos XVII e XVIII.

1439 Namhansanseong & # 8211 2014

foi projetada como uma capital de emergência para a dinastia Joseon (1392–1910), em um local montanhoso a 25 km a sudeste de Seul. Construído e defendido por monges-soldados budistas, podia acomodar 4.000 pessoas e cumpria importantes funções administrativas e militares. Seus vestígios mais antigos datam do século 7, mas foi reconstruída várias vezes, principalmente no início do século 17, em antecipação a um ataque da dinastia Qing sino-manchu. A cidade representa uma síntese dos conceitos de engenharia militar defensiva do período, com base nas influências chinesas e japonesas, e as mudanças na arte da fortificação após a introdução do Ocidente de armas com pólvora. Uma cidade que sempre foi habitada e que foi durante muito tempo a capital da província, contém evidências de uma variedade de edifícios militares, civis e religiosos e tornou-se um símbolo da soberania coreana.

1477 Baekje Historic Areas & # 8211 2015

Localizada na região montanhosa do meio-oeste da República da Coreia, esta propriedade compreende oito sítios arqueológicos que datam de 475 a 660 dC, incluindo a fortaleza Gongsanseong e tumbas reais em Songsan-ri relacionadas à capital, Ungjin (atual Gongju), a Fortaleza Busosanseong e os edifícios administrativos Gwanbuk-ri, o Templo Jeongnimsa, os túmulos reais em Neungsan-ri e a muralha da cidade de Naseong relacionadas com a capital, Sabi (agora Buyeo), o palácio real em Wanggung-ri e o Templo Mireuksa em Iksan relacionadas com a secundária Sabi capital. Juntos, esses locais representam o período posterior do Reino de Baekje - um dos três primeiros reinos da península coreana (18 aC a 660 dC) & # 8211, período durante o qual eles estiveram na encruzilhada de considerável nível tecnológico, religioso (budista) intercâmbios culturais e artísticos entre os antigos reinos do Leste Asiático na Coréia, China e Japão.

1562 Sansa, mosteiros de montanha budistas na Coreia e # 8211 2018

Os Sansa são mosteiros de montanha budistas localizados nas províncias do sul da Península Coreana. O arranjo espacial dos sete templos que compõem a propriedade, estabelecido entre os séculos 7 e 9, apresenta características comuns que são específicas da Coreia - o 'madang' (pátio aberto) ladeado por quatro edifícios (Buddha Hall, pavilhão, sala de conferências e dormitório). Eles contêm um grande número de estruturas, objetos, documentos e santuários individualmente notáveis. Esses mosteiros de montanha são locais sagrados, que sobreviveram como centros vivos de fé e prática religiosa diária até o presente.

1498 Seowon, Academias Neo-Confucionistas Coreanas & # 8211 2019

A propriedade está localizada nas partes central e sul da República da Coreia e compreende nove seowon, representando um tipo de academia neoconfucionista da dinastia Joseon (séculos 15-19 DC). Aprendizagem, veneração de estudiosos e interação com o meio ambiente foram as funções essenciais das seowons, expressas em seu design. Situados perto de montanhas e fontes de água, eles favorecem a valorização da natureza e o cultivo da mente e do corpo. Os edifícios em estilo pavilhão visavam facilitar as conexões com a paisagem. As seowons ilustram um processo histórico no qual o neoconfucionismo da China foi adaptado às condições coreanas.


Templo Haeinsa e # 038 Tripitaka Koreana

Templo Haeinsa em Hapcheon-gun, dentro da área cênica do Monte Gaya (Foto: Jan Haenraets, 2012).
O Tripitaka Koreana é uma das escrituras budistas mais completas e está localizado no Templo de Haensa. Eles consistem em 81.258 xilogravuras de impressão de cerca de 70x24 cm. Os artesãos demoraram 16 anos, de 1236 a 1251, para concluir a talha.

O edifício do depósito, o & # 8216Janggyeong Panjeon & # 8217, consiste em dois edifícios principais e, embora de planta simples, possui o conhecimento técnico mais meticuloso para um fluxo de ar e umidade perfeitos.

Mais informações podem ser encontradas na página do Patrimônio Mundial da UNESCO de Haeinsa. O Templo Haeinsa também tem um excelente programa de Estadia no Templo para os visitantes.

Texto e fotografias de Jan Haenraets

Jan Haenraets é diretor do Atelier Anonymous Landscapes Inc., Vancouver, BC, Canadá

O Janggyeong Panjeon em Haeinsa, que abriga o Tripitaka Koreana (Foto: Jan Haenraets, 2012). A impressão de xilogravuras de Tripitaka Koreana no Janggyong Panjeon no Templo Haeinsa (fonte da foto: Templo Haeinsa).


Breve síntese

O Janggyeong Panjeon no Templo de Haeinsa, nas encostas do Monte Gayasan, é o lar do Tripitaka Koreana, a coleção mais completa de textos budistas, leis e tratados existentes, gravados em aproximadamente 80.000 xilogravuras entre 1237 e 1248. Os blocos de madeira Haeinsa Tripitaka foram esculpidos em um apelo à autoridade de Buda na defesa da Coreia contra as invasões mongóis. Eles são reconhecidos por estudiosos budistas em todo o mundo por sua excelente precisão e qualidade superior. As xilogravuras também são valiosas pelos delicados entalhes dos caracteres chineses, tão regulares que sugerem que são obra de uma única mão.

Os depósitos de Janggyeong Panjeon compreendem dois prédios longos e dois menores, dispostos em um retângulo ao redor de um pátio. Como os edifícios mais importantes do complexo do Templo Haeinsa, eles estão localizados em um nível mais alto do que o salão que abriga o Buda principal do complexo. Construído no século 15 no estilo tradicional do início do período Joseon, seu design é caracterizado por sua simplicidade de detalhamento e harmonia de layout, tamanho, equilíbrio e ritmo.

Os quatro edifícios são considerados únicos tanto em termos de sua antiguidade com relação a este tipo especializado de estrutura, quanto pelas soluções de conservação notavelmente eficazes que foram empregadas em seu projeto para proteger os blocos de madeira da deterioração, ao mesmo tempo que proporcionam fácil acesso e armazenamento . Foram especialmente projetados para fornecer ventilação natural e modular a temperatura e a umidade, adaptados às condições climáticas, preservando os blocos de madeira por cerca de 500 anos da infestação de roedores e insetos. O complexo do Templo Haeinsa é um destino famoso para peregrinações, não apenas entre os budistas coreanos, mas também entre budistas e acadêmicos de todo o mundo.


Templo Haeinsa Janggyeong Panjeon, os Depositários para ... (UNESCO / NHK) - História

  • Notícias do Ministério
  • Comunicados de imprensa
  • Press Briefings
  • Discursos e materiais publicados

“Sansa, mosteiros de montanha budistas na Coreia” inscritos na lista do patrimônio mundial da UNESCO

1. Em sua 42ª sessão (24 de junho a 4 de julho, Manama, Bahrein), o Comitê do Patrimônio Mundial da UNESCO decidiu inscrever “Sansa, mosteiros de montanha budistas na Coreia” na Lista do Patrimônio Mundial em 30 de junho (hora local).

o “Sansa, mosteiros de montanha budistas na Coreia” é composto por sete templos estabelecidos entre os séculos 7 e 9: Templo Tongdosa (Yangsan, Gyeongsangnam-do), Templo Buseoksa (Yeongju, Gyeongsangbuk-do), Templo Bongjeongsa (Andong, Gyeongsangbuk- do), Templo Beopjusa (Boeun, Chungcheongbuk-do), Templo Magoksa (Gongju, Chungcheongnam-do), Templo Seonamsa (Suncheon, Jeollanam-do) e Templo Daeheungsa (Haenam, Jeollanam-do).

2. O Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS), um órgão consultivo do Comitê do Patrimônio Mundial, recomendou inicialmente a inscrição de apenas quatro templos (Templo de Tongdosa, Templo de Buseoksa, Templo de Beopjusa e Templo de Daeheungsa) dos sete templos para os quais o O lado da ROK solicitou a designação de Patrimônio Mundial. No entanto, como resultado dos esforços diplomáticos ativos da delegação da ROK, incluindo a Delegação Permanente da UNESCO (Embaixador Lee Byong-hyun), no Centro do Patrimônio Mundial e os membros do Comitê do Patrimônio Mundial, todos os sete templos conseguiram na Lista do Patrimônio Mundial na discussão sobre inscrição realizada em 30 de junho (hora local) depois que 17 dos 21 membros do Comitê do Patrimônio Mundial assinaram em conjunto e 20 membros expressaram apoio à proposta feita pela China, um membro do Comitê, em inscrição de todos os sete templos da Lista.

o O chefe da delegação da ROK à 42ª sessão do Comitê do Patrimônio Mundial * e outros membros da delegação do Ministério das Relações Exteriores e da Administração do Patrimônio Cultural, bem como especialistas do setor privado ativamente envolvidos em atividades para angariar apoio no solo para garantir que todos os sete templos estejam inscritos na Lista do Patrimônio Mundial.

* A delegação da ROK para a 42ª sessão do Comitê do Patrimônio Mundial é liderada pelo Embaixador na UNESCO Lee Byong-hyun de 24 a 28 de junho, e pelo Administrador da Administração do Patrimônio Cultural Kim Jong-jin de 29 de junho a 1º de julho.

o Desde que a ROK apresentou seu pedido de inscrição em janeiro de 2017, o Embaixador Lee Byong-hyun tem se esforçado para fornecer informações relacionadas aos membros do Comitê do Patrimônio Mundial e sua agência especializada. Em particular, como presidente do Conselho Executivo da UNESCO (2017-2019), o Embaixador Lee supervisionou atividades para angariar apoio desde maio, contribuindo para a inscrição bem-sucedida dos sete templos na Lista do Patrimônio Mundial.

3. A inscrição de "Sansa, mosteiros de montanha budistas na Coreia" na Lista do Patrimônio Mundial é vista como resultado do reconhecimento da comunidade internacional do Valor Universal Excepcional (OUV) * de que a "continuidade dos sete templos até o presente, desde o estabelecimento nos séculos 7 a 9, e uma longa história do budismo coreano ”, bem como uma estreita colaboração entre agências governamentais relevantes, incluindo o Ministério das Relações Exteriores e a Administração do Patrimônio Cultural, e especialistas do setor privado.

* OUV (Valor Universal Excepcional): critérios que precisam ser atendidos para serem incluídos na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO

4. A inscrição de “Sansa, mosteiros de montanha budistas na Coréia” na Lista do Patrimônio Mundial eleva o número de sítios do patrimônio mundial na ROK para 13 (12 sítios culturais e 1 sítio natural). O ROK continuará a se empenhar para que o mundo conheça a excelência de seu patrimônio e, como um país que lidera as discussões internacionais na área de patrimônio mundial, continuará a aumentar suas contribuições nessa área.

o A ROK realizou reuniões internacionais sobre interpretação do patrimônio mundial, incluindo uma conferência internacional no 30º aniversário da adesão da ROK à Convenção do Patrimônio Mundial da UNESCO (2 de maio de 2018, Seul), todos os anos desde 2016, construindo e fortalecendo redes com a membros do Comitê do Patrimônio Mundial e especialistas.

※ Locais do Patrimônio Mundial na ROK: Gruta Seokguram e Templo Bulguksa (1995), Templo Haeinsa Janggyeong Panjeon, os Depósitos para os blocos de madeira Tripitaka Koreana (1995), Santuário Jongmyo (1995), Complexo do Palácio Changdeokgung (1997), Fortaleza Hwaseong (1997) ), Gyeongju Historic Areas (2000), Gochang, Hwasun and Ganghwa Dolmen Sites (2000), Jeju Volcanic Island and Lava Tubes (2007), Royal Tombs of the Joseon Dynasty (2009), Historic Villages of Korea: Hahoe e Yangdong (2010 ), Namhansanseong (2014), Baekje Historic Areas (2015) e Sansa, Buddhist Mountain Monasteries in Korea (2018)


Templo Haeinsa Janggyeong Panjeon, os Depositários para ... (UNESCO / NHK) - História

o Comitê do Patrimônio Mundial inscreveu 890 bens na Lista do Patrimônio Mundial

A seguir estão alguns que visitei:

A 2.430 metros acima do nível do mar, em um local montanhoso de extraordinária beleza, no meio de uma floresta tropical de montanha, Machu Picchu foi provavelmente a criação urbana mais surpreendente do Império Inca em seu auge, com suas paredes gigantes, terraços e rampas, que aparecem como se tivessem sido cortados naturalmente nas escarpas rochosas contínuas. O cenário natural na encosta leste dos Andes abrange a bacia do alto Amazonas com sua rica diversidade de espécies.

interior da catedral, Lima

Embora severamente danificada por terremotos (em 1940, 1966, 1970 e 1974), esta & quotCidade dos Reis & quot foi, até meados do século 18, a capital e a cidade mais importante dos domínios espanhóis na América do Sul. Muitos dos seus edifícios, como o Convento de São Francisco (o maior desta parte do mundo), são fruto da criação conjunta de artesãos locais e mestres do Velho Continente.

as famosas linhas NAZCA
(visto de uma pequena aeronave)

Localizados na árida planície costeira do Peru, cerca de 400 km ao sul de Lima, os geoglifos de Nasca e dos Pampas de Jumana cobrem cerca de 450 km quadrados. Essas linhas, traçadas entre 500 a.C. e 500 d.C. estão entre os enigmas mais impenetráveis ​​da arqueologia em virtude de sua quantidade, natureza e tamanho, bem como de sua continuidade. Alguns dos geoglifos representam criaturas vivas, plantas ou figuras imaginárias, bem como figuras geométricas de vários quilômetros de comprimento. Acredita-se que eles tivessem funções rituais ligadas à astronomia.

Localizada no sopé do Wawel, 250 km a sudeste de Varsóvia, Cracóvia, a antiga capital da Polônia, tem um rico centro histórico formado pelo sítio medieval de Kazimierz na parte sul da cidade com resquícios do século XIV. fortificações do século 13, o local da Cracóvia do século 13 com a maior praça do mercado da Europa, a Prefeitura, a Universidade Jagellonian, o Castelo Real e a Catedral de San Waclaw, onde os reis da Polônia estão enterrados.

Entrada com & quotArchie & quot, um sobrevivente de Auschwitz.

As paredes fortificadas, o arame farpado, as plataformas, os quartéis, a forca, as câmaras de gás e os fornos de cremação, todos testemunham as condições em que ocorreu o genocídio hitleriano no antigo campo de concentração e extermínio de Auschwitz-Birkenau, o mais extensa do Terceiro Reich. Quatro milhões de pessoas, entre elas um grande número de judeus, foram sistematicamente famintos, torturados e assassinados neste campo, símbolo da crueldade do homem para com seus semelhantes no século XX.

Em agosto de 1944, durante a Segunda Guerra Mundial, mais de 85 por cento do centro histórico de Varsóvia do século 18 foi destruído pelas tropas de ocupação nazistas. Após a guerra, uma campanha de reconstrução de cinco anos pelos seus cidadãos resultou na reprodução meticulosa de hoje das igrejas, palácios e do mercado. É um exemplo excepcional de reconstrução total de um período da história do século XIII ao século XX.

Torun deve as suas origens à Ordem Teutônica, que ali construiu um castelo em meados do século XIII como base para a conquista e evangelização da Prússia. Ele rapidamente desenvolveu um papel comercial como parte da Liga Hanseática, e muitos dos imponentes edifícios públicos e privados dos séculos 14 e 15 que sobreviveram em suas cidades antigas e novas são um testemunho impressionante de sua importância.

Marienburg, Fortaleza Teutônica Alemã agora localizada na Polônia.

Quando a residência do Grão-Mestre da Ordem Teutônica mudou de Veneza para o que era então conhecido como Marienburg, o castelo anterior foi muito ampliado e embelezado. Tornou-se o exemplo supremo do castelo medieval de tijolos. Ele entrou em decadência mais tarde, mas no século 19 e no início do século 20 foi meticulosamente restaurado. Foi aqui que muitas das técnicas de conservação agora aceitas como padrão foram desenvolvidas. Após severos danos na Segunda Guerra Mundial, foi mais uma vez restaurado, usando a documentação detalhada preparada pelos primeiros conservadores.

À entrada do porto de Lisboa, o Mosteiro dos Jerónimos - cuja construção começou em 1502 - exemplifica a arte portuguesa no seu melhor, enquanto a vizinha Torre de Belém, construída para comemorar a expedição de Vasco da Gama, é uma recordação do grande mar. descobertas que lançaram as bases do mundo moderno.

Sintra tornou-se no século XIX no primeiro centro da arquitectura romântica europeia. Fernando II transformou um mosteiro em ruínas em um castelo onde esta nova sensibilidade se manifestou no uso de elementos góticos, egípcios, mouros e renascentistas e na criação de um parque que mescla espécies de árvores locais e exóticas. Outras casas de prestígio construídas no mesmo sentido na Serra circundante criaram uma combinação única de parques e jardins que influenciaram o desenvolvimento das paisagens na Europa.

A cidade do Porto, construída ao longo das encostas que dominam a foz do rio Douro, constitui uma paisagem urbana excepcional com uma história milenar. Seu crescimento contínuo, ligado ao mar (os romanos lhe deram o nome de Portus, ou porto), pode ser visto em seus muitos e variados monumentos - desde a Catedral com seu coro romano, passando pela neoclássica Bolsa de Valores até o típico Igreja de Santa Clara em estilo manuelino português.

vistas da área montanhosa

A Laurisilva da Madeira é um remanescente notável de um tipo de floresta laurissilva anteriormente generalizada. É a maior área de floresta laurissilva sobrevivente e acredita-se que seja 90% de floresta primária, contendo um conjunto único de plantas e animais, incluindo muitas espécies endémicas, como o pombo-comprido madeirense.

O vinho é produzido por proprietários tradicionais do Alto Douro há cerca de 2.000 anos. Desde o século XVIII, o seu principal produto, o vinho do Porto, é mundialmente conhecido pela sua qualidade. Esta longa tradição da viticultura produziu uma paisagem cultural de rara beleza que reflete sua evolução tecnológica, social e econômica.

Tripitaka Koreana
(80.000 blocos de madeira de texto budista)

O Templo de Haeinsa, no Monte Kaya, abriga o Tripitaka Koreana, a coleção mais completa de textos budistas, gravada em 80.000 xilogravuras entre 1237 e 1249. Os edifícios de Janggyeong Panjeon, que datam do século 15, foram construídos para abrigar os blocos de madeira, que também são reverenciados como uma obra de arte excepcional. Como o mais antigo depositário da Tripitaka, eles revelam um domínio surpreendente na concepção e implementação de técnicas de conservação.

Pedro, o Grande, presidindo um dia triste em São Petersburgo

A & quotVeneza do Norte & quot, com seus numerosos canais e mais de 400 pontes, é principalmente o resultado de um vasto projeto urbano iniciado em 1703 sob Pedro, o Grande. Mais tarde conhecido como Leningrado (na ex-URSS), está intimamente associado à Revolução de Outubro. O seu património arquitectónico concilia os estilos opostos do barroco e do puro neoclassicismo, como se pode ver no Almirantado, no Palácio de Inverno, no Palácio de Mármore e no Hermitage.


Patrimônio Mundial da UNESCO na Coreia

Exploramos o rico patrimônio cultural da Coréia do século 27 reconhecido pela UNESCO, desde palácios e templos protegidos até a cultura tradicional intangível e os documentos que lançam luz sobre a história nacional.

UNESCO na Coreia

Em 1972, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) estabeleceu a Lista do Patrimônio Mundial com o objetivo de proteger os sítios do patrimônio cultural e natural em todos os cantos do globo - sítios cuja conservação é reconhecida como do interesse de todos humanidade.

Desde então, a Coreia passou a ocupar uma posição de destaque nesta lista mundial, com um total atual de 13 locais de patrimônio cultural e um local de patrimônio natural (Ilha de Jeju). Além disso, a UNESCO reconheceu vinte aspectos importantes da cultura tradicional coreana em sua Lista do Patrimônio Cultural Imaterial e dezesseis documentos históricos importantes em sua Lista da Memória do Mundo.

As listas da UNESCO são um ótimo lugar para começar a explorar a história e a cultura coreana, seja em sua viagem à Coreia ou de casa. Você pode encontrar uma lista abrangente dos locais de herança e tradições culturais coreanas reconhecidos no site da Organização de Turismo da Coreia, mas neste artigo selecionamos alguns exemplos proeminentes de cada categoria como uma introdução inicial à vibrante herança cultural da Coreia.

Patrimônio real: os palácios da UNESCO, fortalezas e tumbas

O contexto histórico dos locais de patrimônio cultural da Coreia é diverso, abrangendo desde os locais verdadeiramente antigos de Gochang, Hwasun e Ganghwa Dolmen (monumentos funerários e rituais pré-históricos) até os vários locais construídos durante a mais recente Dinastia Joseon (1392 - 1897).

Como você notará se visitar a Coreia, muitos dos locais históricos mais proeminentes estão associados às famílias reais que governaram a Coreia no passado, de palácios e fortalezas a magníficos túmulos reais. Aqui estão alguns que entraram na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO (com as datas indicando quando foram adicionados):

    - Jongmyo é o santuário ancestral real da Dinastia Joseon e está localizado em Jongno-gu, no centro de Seul. Its two main buildings – Jeongjeon Hall and Yeongnyeongjeon Hall – exhibit the unique architectural style of 16th century Korea, and still host seasonal memorial rites commemorating the lives and achievements of the royal ancestors of Joseon. – Changdeokgung Palace, also located in Jongno-gu, is one of the five Royal Palaces of Joseon. It was built in 1405 as a royal villa but became the Joseon Dynasty’s official royal residence after Gyeongbokgung was destroyed by invading Japanese forces in 1592. The palace maintained its prestigious position until 1867. Visitors often enjoy the peaceful atmosphere of the ‘Secret Garden’ tucked behind the buildings of Changdeokgung. – Located in Suwon, Gyeonggi-do Province, this large fortress was constructed in 1796 by King Jeongjo after he moved the grave of his father, Crown Prince Sado, to Suwon. The fortress was built to effectively protect the city using scientific devices developed by the distinguished Confucian thinker and writer Jeong Yak-yong, including the Geojunggi crane and the Nongno pulley wheel. – The Joseon Dynasty left behind a total of 44 tombs occupied by Kings and their Queen Consorts, most of which are located near the capital in Gyeonggi-do Province. The tombs are recognised for reflecting the values of the Korean people (drawn partly from Confucian ideology and fengshui), as well as for being preserved in their original condition for up to 600 years.

The Buddhist and Confucian sites recognised by UNESCO

Buddhism has occupied a prominent place in Korean culture since it first arrived in 372, with the first two temples built in 375 by King Sosurim of Goguryeo and many more to follow. Owing to their particular historical significance, a handful of Korean Buddhist temples are listed on the UNESCO World Heritage List and are among the most popular tourist attractions in Korea.

Another strong influence on Korean culture and society is Neo-Confucianism, an ideology which melds the older teachings of Confucius with Taoism and Buddhism, and which began to take hold during the Goryeo Dunasty (918-1392) before being adopted by the Joseon state as its primary belief system. The significance of Neo-Confucian ideology throughout Korean history led to UNESCO’s recognition of nine Korean seowon, Neo-Confucian academies, as a World Heritage Sites in 2019.

Buddhist and Confucian sites on the UNESCO list include:

    – The printing woodblocks of the Tripitaka Koreana (Buddhist scriptures produced during the Goryeo Dynasty, 918-1392) are housed in two specially made depositories at Haeinsa Temple in Hapcheon. The depositories are recognised for their unique design which makes use of the wind blowing in from the valley of Gayasan to provide effective natural ventilation and ensure the safe storage of the woodblocks.

    – Seokguram in Gyeongju, Gyeongbuk Province is a Buddhist hermitage with an artificial stone cave built in 774 to serve as a dharma hall. The grotto’s Buddha statue, surrounded by carvings of his guardians and followers, is widely admired as a masterpiece. Built in the same year, Bulguksa Temple houses a variety of exquisite monuments including two stone pagodas, Dabotap and Seokgatap, the latter of which is generally regarded as the archetype of all three-story stone pagodas built across Korea thereafter. – Sansa consists of seven Buddhist mountain monasteries: Tongdosa, Buseoksa, Bongjeongsa, Beopjusa, Magoksa, Seonamsa and Daeheungsa. Established between the 7th and 9th centuries, the monasteries have since functioned as centres of religious belief, spiritual practice, and daily living of monastic communities, reflecting the distinct historical development of Korean Buddhism. – This site comprises nine traditional Korean Neo-Confucian Academies, known as ‘seowon’, built across the central and southern parts of Korea during the Joseon Dynasty. The academies, according to UNESCO, are “exceptional testimony to cultural traditions associated with Neo-Confucianism in Korea”.

Jeju Island: A World Natural Heritage Site

Jeju Island, the largest island in Korea boasting a temperate climate and beautiful natural scenery, has always been a popular tourist destination with Korean and foreign visitors alike. In 2007, Jeju was designated a World Natural Heritage Site under the name “Jeju Volcanic Island and Lava Tubes”. The UNESCO-recognised site includes three specific features formed by the island’s volcanic structure: Mount Halla, the Geomunoreum Lava Tube system and Seongsan Ilchulbong Peak.

  • Mount Halla – Hallasan, or Mount Halla, is Korea’s tallest mountain and is recognised for its beautiful array of textures and colours that appear throughout the changing seasons.
  • Geomunoreum Lava Tubes – the Geomunoreum Lava Tube system is regarded as the most impressive of its kind in the world. The tubes present an outstanding visual impact, with their unique spectacle of multi-coloured carbonate decorations adorning the roofs and floors, and dark-coloured lava walls that are also partially covered by a mural of carbonate deposits.
  • Seongsan Ilchulbong – Seongsan Ilchulbong is a tuff cone formed by hydrovolcanic eruptions over 5,000 years ago. Originally a separate island, it has become naturally connected to the main island over time and is now one of Jeju’s most dramatic landscape features, often said to resemble a gigantic ancient castle. Ilchulbong means ‘sunrise peak’, and true to its name visitors who climb the peak early enough are treated to a magnificent sunrise.

Preserving Korean traditions through Intangible Cultural Heritage

Alongside the temples, palaces and natural sites listed above, UNESCO also recognises Korea’s Intangible Cultural Heritage, a category defined as: “traditions or living expressions inherited from our ancestors and passed on to our descendants” and incorporating oral traditions, performing arts, rituals, festive events, the skills to produce traditional crafts and more.

As of 2020 UNESCO has recognised twenty examples of Intangible Cultural Heritage in Korea, which is testament to the country’s unique cultural history and preservation of traditions. We have selected just a few prominent examples to introduce here.

    – Often referred to as ‘Korean Opera’, pansori is a genre of musical storytelling performed by a vocalist and a drummer. The art form, which was established during the 18th century, combines singing (sori) with gestures (ballim) and narrative (aniri) to present an epic drama conceived from popular folk tales and well-known historic events. Watch UNESCO’s short explanatory video of pansorihere.* – The Ganggangsullae dance was traditionally performed by women around the coastal areas of Jeollanam-do during traditional holidays such as Chuseok e Daeboreum. Performers sing the song of Ganggangsullae as they dance, alternating between the lead singer and the rest of the group with the song tempo and dance movements becoming faster towards the end. Find out more about the dance in UNESCO’s video here. – Also known as Gakhui (sport of legs) and Bigaksul (art of flying legs), Taekkyeon is aimed at improving one’s self-defence techniques and promoting physical and mental health through the practice of orchestrated dance-like bodily movements, using the feet and legs in particular. Watch UNESCO’s video of Taekkyeon here. – Arirang is a well known and beloved Korean folk song whose simple musical and literary composition invites improvisation, imitation and singing in unison, encouraging its acceptance by a variety of musical genres. Each region of the country has its own celebrated version of the song with different lyrics, creating both cultural diversity and unity across Korea. Listen to some of the different versions in UNESCO’s video here. – Traditionally Kimjang takes place in autumn, when families and sometimes whole communities get together to prepare enough kimchi to last the cold winter. While kimchi can now easily be bought from a supermarket at any time of year, the age-old tradition of Kimjang is still maintained in Korea as a collective cultural activity contributing to a shared sense of social identity. See how kimchi is made during the Kimjang season here. – Jeju Island is home to a community of women, some over 80 years old, who dive substantial depths into the sea without the support of oxygen masks to gather abalone, sea urchins and other shellfish. o haenyeo go diving for up to seven hours a day, 90 days of the year, holding their breath for up to two minutes and making a unique verbal sound when they resurface. Witness their incredible skill and stamina in UNESCO’s video here.

*All videos were produced courtesy of the Korean Cultural Heritage Administration before being uploaded to the official UNESCO YouTube Channel.

Documenting Korean history: The Memory of the World Register

The final UNESCO list we’d like to introduce is the Memory of the World Register, launched to protect and preserve the documentary heritage of humanity. The list includes written works, maps, musical scores, films, and photographs.

A total of sixteen Korean documents are currently listed on the register, all of which shed crucial light on different events in Korean history from the Goryeo Dynasty (918 – 1392) up until the late 20th century. Here are a few representative examples:


Assista o vídeo: Haein Temple in South Korea