Os caçadores voltam ao castelo

Os caçadores voltam ao castelo


Resumo do Senhor das Moscas

Durante um período de guerra sem nome, um avião que transportava um grupo de estudantes britânicos é abatido sobre o Pacífico. O piloto do avião morre, mas muitos dos meninos sobrevivem ao acidente e se encontram desertos em uma ilha desabitada, onde estão sozinhos, sem supervisão de um adulto. Os dois primeiros garotos apresentados são os principais protagonistas da história: Ralph está entre os garotos mais velhos, bonito e confiante, enquanto Piggy, como é chamado zombeteiramente, é um garoto atarracado asmático com óculos que, no entanto, possui uma inteligência aguçada. Ralph encontra uma concha e, quando a sopra, os outros meninos se reúnem. Entre esses meninos está Jack Merridew, um menino agressivo que marcha à frente de seu coro. Ralph, a quem os outros meninos escolhem como chefe, leva Jack e outro menino, Simon, em uma expedição para explorar a ilha. Em sua expedição, eles descobrem que estão, de fato, em uma ilha deserta e decidem que precisam encontrar comida. Os três garotos encontram um porco, que Jack se prepara para matar, mas finalmente se esquiva antes de poder apunhalá-lo.

Quando os meninos voltam de sua expedição, Ralph convoca uma reunião e tenta estabelecer regras de ordem para a ilha. Jack concorda com Ralph, pois a existência de regras significa a existência de punição para aqueles que as quebram, mas Piggy repreende Jack por sua falta de preocupação com questões de longo prazo de sobrevivência. Ralph propõe que eles acendam uma fogueira na montanha que pode sinalizar sua presença a qualquer navio que passe. Os meninos começam a acender o fogo, mas os meninos mais novos perdem o interesse quando a tarefa se mostra muito difícil para eles. Piggy se mostra essencial para o processo: os meninos usam seus óculos para acender o fogo. Depois que eles começaram o incêndio, Piggy perde a paciência e critica os outros meninos por não terem construído abrigos primeiro. Ele se preocupa que eles ainda não saibam quantos meninos são e acredita que um deles já está faltando.

Enquanto Jack tenta caçar porcos, Ralph orquestra a construção de abrigos para os meninos. Os meninos menores não ajudaram em nada, enquanto os meninos do coro de Jack, cujo dever é caçar para comer, passaram o dia nadando. Jack diz a Ralph que se sente como se ele próprio estivesse sendo caçado quando caça porcos. Quando Simon, o único menino que sempre ajudou Ralph, sai provavelmente para tomar banho, Ralph e Jack vão procurá-lo na piscina. Mas Simon, em vez disso, está caminhando sozinho pela selva. Ele encontra um espaço aberto sereno com arbustos aromáticos e flores.

Os meninos logo se estabelecem em um padrão diário na ilha. O mais novo dos meninos, geralmente conhecido como "littluns", passa a maior parte do dia procurando frutas para comer. Quando os meninos brincam, eles ainda obedecem a algum senso de decência um com o outro, apesar da falta de autoridade dos pais. Jack continua a caçar, enquanto Piggy, que é aceito como um estranho entre os meninos, pensa em construir um relógio de sol. Um navio passa pela ilha, mas não para, talvez porque o fogo já tenha apagado. Piggy culpa Jack por deixar o fogo morrer, pois ele e seus caçadores estão preocupados em matar um porco às custas de seu dever, e Jack dá um soco em Piggy, quebrando uma lente de seus óculos. Jack e os caçadores cantam: "Mate o porco. Corte a garganta dela. Enfie-a" em comemoração ao assassinato, e eles executam uma dança em que Maurice finge ser um porco e os outros fingem atacá-lo.

Ralph fica preocupado com o comportamento de Jack e dos caçadores e começa a apreciar a maturidade de Piggy. Ele convoca uma assembleia em que critica os meninos por não terem ajudado no incêndio ou na construção dos abrigos. Ele insiste que o fogo é a coisa mais importante na ilha, pois é a sua única chance de resgate, e declara que o único lugar onde eles deveriam fazer um incêndio é no topo da montanha. Ralph admite que está com medo, mas diz que não há razão legítima para ter medo. Jack então grita com os pequenos por causa do medo deles e por não ajudarem na caça ou na construção de abrigos. Ele proclama que não há nenhum animal na ilha, como alguns dos meninos acreditam, mas então um littlun, Phil, conta que teve um pesadelo e quando acorda viu algo se movendo entre as árvores. Simon diz que provavelmente Phil viu Simon, pois ele estava caminhando na selva naquela noite. Mas os pequenos começam a se preocupar com a besta, que eles concebem como um fantasma ou uma lula. Piggy e Ralph lutam mais uma vez, e quando Ralph tenta fazer valer as regras da ordem, Jack pergunta retoricamente se alguém se importa com as regras. Ralph, por sua vez, insiste que as regras são tudo o que eles têm. Jack então decide liderar uma expedição para caçar a fera, deixando apenas Ralph, Piggy e Simon para trás. Piggy avisa Ralph que se Jack se tornar chefe, os meninos nunca serão resgatados.

Naquela noite, durante uma batalha aérea, um piloto salta de pára-quedas pela ilha. O piloto morre, possivelmente com o impacto. Na manhã seguinte, enquanto os gêmeos Sam e Eric colocam gravetos no fogo, eles localizam o piloto e o confundem com a besta. Eles descem a montanha e acordam Ralph. Jack pede uma caçada, mas Piggy insiste que eles devem ficar juntos, pois a fera pode não chegar perto deles. Jack afirma que a concha agora é irrelevante. Ele dá um soco em Ralph quando Ralph acusa Jack de não querer ser resgatado. Ralph decide se juntar aos caçadores em sua expedição para encontrar a besta, apesar de seu desejo de reacender o fogo na montanha. Quando eles chegam ao outro lado da ilha, Jack expressa seu desejo de construir um forte perto do mar.

Os caçadores, enquanto procuram pela besta, encontram um javali que ataca Jack, mas Jack o esfaqueia e ele foge. Os caçadores entram em frenesi, voltando a cantar "mate o porco". Ralph percebe que Piggy permanece com os pequeninos do outro lado da ilha, e Simon se oferece para voltar e dizer a Piggy que os outros meninos não voltarão naquela noite. Ralph percebe que Jack o odeia e o confronta sobre esse fato. Jack zomba de Ralph por não querer caçar, alegando que isso se deve à covardia, mas quando os meninos vêem o que acreditam ser a fera, fogem.

Ralph retorna aos abrigos para encontrar Piggy e diz a ele que eles viram a besta, mas Piggy permanece cético. Ralph considera os caçadores como meninos com paus, mas Jack o acusa de chamar seus caçadores de covardes. Jack tenta exercer controle sobre os outros meninos, pedindo a remoção de Ralph como chefe, mas quando Ralph mantém o apoio dos outros meninos, Jack foge, chorando. Porquinho sugere que, se a fera os impedir de chegar ao topo da montanha, eles devem acender uma fogueira na praia e garante que sobreviverão se agirem com bom senso. Simon sai para se sentar no espaço aberto que ele encontrou antes. Jack afirma que será o chefe dos caçadores e que eles irão para a rocha do castelo, onde planejam construir um forte e fazer um banquete. Os caçadores matam um porco e Jack espalha o sangue no rosto de Maurice. Eles então cortam a cabeça e a deixam em uma estaca como uma oferta para a besta. Jack traz vários caçadores de volta aos abrigos, onde convida os outros meninos para se juntarem à sua tribo e oferece a eles carne e a oportunidade de caçar e se divertir. Todos os meninos, exceto Ralph e Piggy, juntam-se a Jack.

Enquanto isso, Simon encontra a cabeça de porco que os caçadores deixaram. Ele o chama de O Senhor das Moscas por causa dos insetos que enxameiam ao redor dele. Ele acredita que fala com ele, dizendo o quão tolo ele é e que os outros meninos pensam que ele é louco. A cabeça do porco afirma que é a besta e zomba da ideia de que a besta poderia ser caçada e morta. Simon cai e perde a consciência. Depois que ele recupera a consciência e vagueia, ele vê o piloto morto que os meninos perceberam ser a besta e percebe o que ele realmente é. Ele desce a montanha correndo para alertar os outros meninos sobre o que encontrou.

Ralph e Piggy, que estão brincando na lagoa sozinhos, decidem encontrar os outros meninos para garantir que nada de ruim aconteça enquanto eles fingem ser caçadores. Quando encontram Jack, Ralph e Jack discutem sobre quem será o chefe. Quando Piggy afirma que pode falar porque tem a concha, Jack diz a ele que a concha não conta com o seu lado da ilha. Os meninos entram em pânico quando Ralph os avisa que uma tempestade está chegando. Quando a tempestade começa, Simon sai correndo da floresta, contando sobre o cadáver na montanha. Com a impressão de que ele é a besta, os meninos descem sobre Simon e o matam.

De volta ao outro lado da ilha, Ralph e Piggy discutem a morte de Simon. Ambos participaram do assassinato, mas tentam justificar seu comportamento como motivado pelo medo e instinto. Os únicos quatro meninos que não fazem parte da tribo de Jack são Ralph e Piggy e os gêmeos Sam e Eric, que ajudam a cuidar do fogo. Em Castle Rock, Jack governa os meninos com a aparência de um ídolo. Ele manteve um menino amarrado e instila medo nos outros ao avisá-los sobre a fera e os intrusos. Quando Bill pergunta a Jack como eles vão começar um incêndio, Jack afirma que eles vão roubar o fogo dos outros meninos. Enquanto isso, Ralph, Piggy e os gêmeos trabalham para manter o fogo aceso, mas descobrem que é muito difícil fazer sozinhos. Eles voltam para os abrigos para dormir. Durante a noite, os caçadores atacam os quatro meninos, que os lutam, mas sofrem ferimentos consideráveis. Piggy descobre o propósito do ataque: eles vieram roubar seus óculos.

Após o ataque, os quatro meninos decidem ir para a rocha do castelo para apelar a Jack como um povo civilizado. Eles se arrumam para parecerem apresentáveis ​​e se vestem com roupas normais de colegial. Quando eles chegam a Castle Rock, Ralph convoca os outros meninos com a concha. Jack chega da caça e diz a Ralph e Piggy para deixá-los sozinhos. Quando Jack se recusa a ouvir os apelos de Ralph à justiça, Ralph chama os meninos de idiotas pintados. Jack leva Sam e Eric como prisioneiros e ordena que eles sejam amarrados. Piggy pergunta a Jack e seus caçadores se é melhor ser um bando de índios pintados ou sensatos como Ralph, mas Roger vira uma pedra sobre Piggy, fazendo-o cair da montanha até a praia. O impacto o mata e, para deleite de Jack, estilhaça a concha. Jack se declara chefe e arremessa sua lança em Ralph, que foge.

Ralph se esconde perto de Castle Rock, onde pode ver os outros meninos, que ele não reconhece mais como meninos ingleses civilizados, mas como selvagens. Ele rasteja até a entrada do acampamento de Jack, onde Sam e Eric agora estão posicionados como guardas, e eles dão a ele um pouco de carne e pedem que ele saia. Enquanto Ralph se esconde, ele percebe que os outros meninos estão rolando pedras montanha abaixo. Ralph foge dos outros meninos que estão caçando para ele, então percebe que eles estão incendiando a floresta para matá-lo - e assim destruirá qualquer fruta que sobrar na ilha.

Correndo para salvar sua vida, Ralph finalmente desmaia na praia, onde um oficial da marinha chegou com seu navio. Ele acha que os meninos estão apenas brincando e repreende-os por não se comportarem de maneira mais organizada e responsável, como é o costume britânico. Enquanto os meninos se preparam para deixar a ilha e voltar para casa, Ralph chora pela morte de Piggy e pelo fim da inocência dos meninos.


Episódio 3: Guerra Civil Inglesa - Newark - Rio Trento

Este episódio mostra Rick e Beau rumo ao vasto rio Trent, local de uma das maiores fortalezas da Guerra Civil Inglesa - o Castelo de Newark. Na primeira busca oficial da hidrovia, os River Hunters estarão procurando por relíquias perdidas da Guerra Civil que revelam os segredos deste campo de batalha brutal. A dupla começa sua busca diretamente ao lado do castelo e encontra evidências dos principais avanços na guerra da época, o que acabou ajudando a levar à morte do rei. Eles também descobrem balas de mosquete entre outros itens perdidos que ajudam a imaginar a vida angustiante nesta época turbulenta.


Começos sangrentos

Chillingham foi ocupada desde os tempos pré-históricos. Durante a Segunda Guerra Mundial, uma escavação improvisada no terreno do castelo por um prisioneiro de guerra alemão descobriu sílex e pontas de flechas de chifre e machados que datavam da Idade do Bronze. Essas ferramentas podem ser evidências de um campo de caça pré-histórico. Ou pode ter sido uma das primeiras manifestações de guerra. Na Idade do Ferro, tribos locais estabeleceram um forte em Chillington, na vizinha Ross Hill, com vista para o atual castelo e terreno rsquos. Talvez este fosse o & acirc & # 128 & # 152 originalherdade de Ceofel & rsquo isso dá a Chillingham seu nome.

Por volta de 1200, o conflito estava aumentando ao longo da fronteira entre a Inglaterra e a Escócia. Os monges construíram uma casa no terreno abaixo da colina Ross. Este mosteiro foi convertido em uma casa senhorial fortificada com apenas uma torre e uma cortina de parede. A monarquia colocou o novo castelo nas mãos da família Gray em 1246. Os Greys eram descendentes dos Croys, parentes de Guilherme, o Conquistador. Com a tarefa de manter a fronteira em torno de Chillingham, foram eles que transformaram a mansão em uma fortaleza, construindo suas masmorras, câmara de tortura e ameias.

Em 1297, estourou a Primeira Guerra da Independência da Escócia. Naquele mesmo ano, as forças de William Wallace invadiram Chillington, queimando vivas mulheres e crianças locais em uma igreja. No entanto, em 1298, Edward I, & ldquoo martelo dos escoceses & rdquo fez de Chillington sua base para a campanha contra a Escócia. A masmorra de Chillington & rsquos começou a se encher de prisioneiros inimigos - mulheres e crianças escocesas, bem como soldados e espiões. A lenda diz que o rei Eduardo nomeou pessoalmente o homem que iria lidar com eles: John Sage.

O Rack no Castelo de Chillington. Imagens do google.

Sage era supostamente um soldado que subiu na hierarquia para se tornar tenente no exército de Eduardo. Quando uma lesão na perna o forçou a se retirar do combate, ele implorou ao rei que lhe arranjasse um papel. Então, Edward, o nomeou torturador no castelo de Chillington. Sage era um sádico e odiava os escoceses. Ao longo dos três anos de guerra, ele supostamente torturou cerca de 50 prisioneiros por semana. Quando a guerra terminou, Sage queimou os prisioneiros adultos restantes vivos no terreno do castelo, enquanto seus filhos assistiam do que é conhecido como Edward Room ou Killing Room. Mais tarde, Sage matou essas crianças com um machado ainda em exibição no castelo.

Ao todo, 7.500 prisioneiros escoceses supostamente morreram em Chillington, seus corpos jogados no lago. John Sage também encontrou seu fim em Chillington. Uma noite, Sage matou sua amante Elizabeth Charlton, estrangulando-a durante um jogo de sexo na prateleira da câmara de tortura de Chillington & rsquos. Infelizmente para Sage, o pai de Elizabeth e rsquos era um líder dos poderosos reivers da fronteira, gangues fora da lei que atormentavam as terras fronteiriças, mas eram vitais para a luta contra os escoceses. Para evitar perder os Reivers para o inimigo, Edward I entregou Sage à justiça. Ele foi condenado à forca em Chillington, mas foi dilacerado enquanto ainda vivia. Outros logo se juntariam ao fantasma de Sage & rsquos e aos de suas vítimas.


Castelos de escravos de Gana: a história chocante da costa do cabo de Gana

Dê uma olhada na costa de Gana e você encontrará uma miríade de castelos e fortes antigos. Marcando o início da perigosa jornada dos escravos durante a era do comércio de escravos, essas fortalezas foram a última memória que os escravos tinham de sua terra natal antes de serem embarcados através do Atlântico, para nunca mais voltarem. Leia mais sobre a história chocante das fortalezas de escravos de Gana e seu significado para o Gana moderno ...

Entre 1482 e 1786, grupos de castelos e fortes foram erguidos ao longo da costa de 500 quilômetros de Gana entre Keta no leste e Beyin no oeste. Naquela época, Gana era chamada de Costa do Ouro devido às suas vastas quantidades de ouro, e essas fortalezas serviam como postos comerciais fortificados, oferecendo proteção contra outros colonos estrangeiros e ameaças da população africana.

Estrategicamente colocados como elo de ligação nas rotas comerciais estabelecidas pelos portugueses no século XV, que foram os primeiros colonizadores da Costa do Ouro, os fortes foram posteriormente apreendidos, atacados, trocados, vendidos e abandonados durante quase quatro séculos de luta entre potências europeias por domínio sobre a Gold Coast.

Já em 1500, o interesse dos colonos voltou-se para o comércio de escravos, à luz da crescente demanda por trabalho humano no Novo Mundo (nas Américas e no Caribe). De possuir ouro, marfim e outras mercadorias, os castelos gradualmente aprisionaram escravos, que foram reduzidos a mais uma mercadoria. As majestosas fortalezas ao longo da deslumbrante costa de Gana abrigavam masmorras escuras, transbordando de miséria e desespero, até que o comércio de escravos foi gradualmente abolido por cada uma das potências coloniais na primeira metade do século XIX. Mas a essa altura, o dano irreversível e incomensurável estava feito, e somente da África Ocidental, estima-se que seis milhões de escravos foram enviados para outros países. Cerca de 10-15% morreram no mar durante a chamada Passagem do Meio, nunca alcançando seu destino final.

Os castelos eram a parada final de muitas maneiras. Eles proporcionaram a última experiência que homens e mulheres tiveram em sua terra natal antes de sua partida final. Para aqueles que não conseguiram chegar ao novo mundo, os castelos foram o último lugar que viram em terra. Os últimos resquícios de esperança murchariam a cada dia de cativeiro no castelo. No lado litorâneo dos castelos de escravos costeiros, ficava "a porta sem volta", um portal através do qual os escravos eram baixados em barcos e carregados como carga em grandes navios escravistas mais longe no mar, para nunca colocar os pés em seus pátria novamente e com um adeus final à liberdade que um dia conheceram.

Um dos castelos mais famosos do episódio sombrio da escravidão de Gana é o Castelo de Cape Coast. Começou como uma casa comercial construída pelos portugueses em 1555 numa parte da Costa do Ouro, que mais tarde ficou conhecida como Costa do Cabo. Em 1653, após a conquista da Costa do Cabo pela Suécia, a Swedish Africa Company construiu uma fortaleza permanente de madeira para o comércio de madeira e ouro. Uma década depois, o forte foi reconstruído em pedra quando os dinamarqueses tomaram o poder dos suecos.

O forte então passou pelas mãos dos holandeses e até de um chefe Fetu local em algum momento, antes de ser conquistado pelos britânicos em 1664. Com o passar dos anos, o forte foi cada vez mais usado para o desenvolvimento do comércio de escravos, que atingiu o auge no século 18. Em 1700, o forte foi transformado em um castelo e também serviu como sede do governador colonial britânico.

Até 1.000 escravos e 500 escravos foram algemados e amontoados nas masmorras úmidas e mal ventiladas do castelo, sem espaço para se deitar e com muito pouca luz. Sem água ou saneamento, o chão da masmorra estava cheio de dejetos humanos e muitos cativos ficaram gravemente doentes. Os homens foram separados das mulheres e os captores estupraram regularmente as mulheres indefesas. O castelo também apresentava celas de confinamento - pequenos espaços na escuridão para prisioneiros que se revoltaram ou foram vistos como rebeldes. Assim que os escravos colocassem os pés no castelo, eles poderiam passar até três meses em cativeiro sob essas condições terríveis antes de serem enviados para o Novo Mundo.

Num ambiente de fortes contrastes, o castelo também tinha algumas câmaras extravagantes, desprovidas do fedor e da miséria das masmorras, apenas alguns metros abaixo. Por exemplo, os aposentos do governador e dos oficiais britânicos eram espaçosos e arejados, com belos pisos em parquet e vistas panorâmicas das águas azuis do Atlântico. Havia também uma capela no recinto do castelo para os oficiais, comerciantes e suas famílias, enquanto eles levavam a vida normal do dia-a-dia completamente alheios ao insondável sofrimento humano que eles estavam infligindo conscientemente.

O envolvimento do castelo com a escravidão acabou por ser interrompido como resultado da proibição britânica do comércio de escravos. O Castelo de Cape Coast voltou à sua função anterior de local essencial para o comércio de mercadorias (não humanas), após o que foi transformado em um centro de treinamento do exército. Em 1957, quando Gana se tornou o primeiro estado africano a recuperar a independência do domínio colonial britânico, a propriedade do Castelo de Cape Coast foi transferida para o novo governo e, posteriormente, para o Conselho de Museus e Monumentos de Gana. O castelo só passou por consideráveis ​​trabalhos de restauração no início dos anos 1990 com a ajuda de fundos de doadores, e atualmente é um museu e local histórico bem visitado.

Assista ao vídeo da visita da família Obama ao Castelo de Cape Coast:

Outro famoso castelo de escravos é o Castelo de Elmina (também chamado de Castelo de São Jorge), situado na cidade de Elmina a cerca de 13 quilômetros do Castelo da Costa do Cabo. Conhecida como a mais antiga estrutura europeia em Gana, a construção do castelo começou em 1482 após a chegada dos portugueses à Costa do Ouro em 1471, e serviu para proteger a área de colonização portuguesa, denominada São Jorge da Mina (São Jorge das Minas).

Ao longo das décadas, várias partes do Castelo foram reconstruídas, mantendo-se o comércio como principal foco. No entanto, no século 17, a maior parte desse comércio era de pessoas. Em 1637, os holandeses assumiram o controle da Costa do Ouro e continuaram a usar o Castelo de Elmina como um lugar para "armazenar" escravos até sua partida. Os holandeses fizeram algumas mudanças substanciais no castelo, como a criação de um mercado onde escravos pudessem ser leiloados. As condições eram semelhantes às do vizinho Castelo de Cape Coast. Nas masmorras, a luz só podia entrar pelas portas ou por alguns pequenos orifícios nas extremidades do teto. Qualquer revolta foi severamente disciplinada. Os homens foram enviados para a cela dos condenados sem iluminação e morreram de fome, enquanto as mulheres eram espancadas e acorrentadas a balas de canhão no pátio. Cientes de possíveis ataques, os holandeses construíram um bastião, o Forte Coenraadsburg (também conhecido como St. Jago), na colina em frente ao Castelo de Elmina, que dava para a casa dos horrores de seu irmão mais velho.

Sob o domínio da Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, cerca de 30.000 escravos por ano passavam pelas portas sem volta de Elmina, até 1814, quando o comércio de escravos holandês foi abolido, sete anos depois do britânico. Cedido aos britânicos em 1872, o Castelo de Elmina quase não estava em uso até a independência de Gana. Posteriormente, tornou-se um centro de treinamento para recrutas da polícia ganense e, surpreendentemente, uma escola por algum tempo, antes de também ser convertido em um museu de história.

Outros castelos e fortes que permanecem incluem o Forte Christiansborg (ou Castelo Osu), o Forte Ussher e o Forte James. Além de museus, algumas fortalezas foram transformadas em escritórios do governo, prisões e casas de hóspedes, enquanto outras nada mais são do que ruínas de pedra abandonadas com algumas paredes de pé. A UNESCO declarou muitos desses castelos e fortes como patrimônios mundiais de grande importância histórica. No entanto, devido ao financiamento limitado, a preservação foi limitada e os locais continuam a se deteriorar.

Assista a um documentário da UNESCO sobre os fortes e castelos da costa de Gana:

Hoje, 30 fortes sobreviventes, castelos e antigos postos comerciais podem ser encontrados ao longo da costa de Gana, muitos testemunhando a maior migração (forçada) da história e as atrocidades que a humanidade é capaz de cometer. Castelos como Elmina, Cape Coast e Ussher Fort foram transformados em museus e oferecem visitas guiadas. Um tanto comoventes, esses passeios literalmente conduzem os visitantes através da história dos castelos de escravos, trazendo à vida as experiências comoventes dos escravos.

Extremamente populares entre os turistas afro-americanos que querem saber mais sobre sua herança, hoje os castelos também estão recebendo cada vez mais ganenses locais interessados ​​em aprender sobre o período da escravidão em seu país. Mais do que apenas museus, esses castelos estão repletos de histórias assustadoras, revelando os horrores do comércio de escravos. Ao servir como um forte lembrete da história sombria de Gana, os castelos continuam a homenagear os milhões de pessoas que adoeceram nas mãos dos escravistas. Eles estão longe de ser esquecidos, mesmo no século 21.


Fuja para o Chateau

De um palácio parisiense a uma casa de campo, os aristocratas e camponeses franceses definem tendências para tecidos, móveis e uma abordagem sofisticada para decoração que ainda nos inspiram hoje. Veja a galeria

Mais de HGTV.com

25 casas que parecem pertencer a um conto de fadas 25 fotos

Cinderela, João e Maria, Rumpelstiltskin - todos nós tínhamos um livro de histórias favorito quando crianças. Mas e se sua casa na vida real parecesse pertencer a um desses contos mágicos? Esses proprietários de Você mora em quê? estão vivendo o sonho nessas casas. Veja a galeria

Guia final de casamento da HGTV

Desde as fotos de noivado até a saída do diamante, estaremos lá para inspirar você em cada passo do caminho para & quotEu aceito & quot

De Our Sister Networks

Os 10 castelos mais cativantes do mundo

São fortalezas grandiosas e históricas e, para ver o melhor delas, você precisa ir à Europa - ou dar uma olhada nessas fotos - em TravelChannel.com.
Veja a galeria

Medieval Gone Modern: Hotéis em Castelo de Luxo

Reserve uma estadia em um desses castelos transformados em hotéis de luxo. Relaxe no spa, dê um mergulho na piscina ou passeie pelos jardins antigos dessas mansões medievais cheias de história. Veja a galeria

Romance e lua de mel

Esteja você planejando um fim de semana romântico ou reservando as férias perfeitas para depois do casamento, descubra os melhores destinos de lua de mel do mundo e os melhores lugares para dizer "sim". Descubra mais


A igreja na propriedade Landoll & # x27s foi totalmente queimada.

A propriedade também possui morros e bosques que exigiam muito mais trabalho para navegar na época. Exumar todos aqueles corpos não foi uma tarefa fácil, e ter que lidar com o estresse emocional de cortar os laços com sua igreja e ter que colocar os corpos de seus entes queridos falecidos em um novo lote de terra só piorou as coisas.

Pouco depois de os corpos serem exumados e realocados, a igreja na propriedade Landoll & aposs em Loudonville, Ohio, foi totalmente destruída pelo fogo. & # XA0

Nós até vimos vestígios dela em nosso tour do terreno e estava localizado não muito longe do cemitério. Nossa maior dúvida sobre a igreja queimando até o chão era se havia ou não um jogo sujo envolvido.


Centro Simon Wiesenthal

Na verdade, não havia um grupo de caçadores de nazistas correndo por Nova York decretando sua própria forma de justiça brutal contra os ex-nazistas na década de 1970. No entanto, era um grupo com objetivos gerais semelhantes.

O Simon Wiesenthal Center foi fundado em 1977 (o mesmo ano caçadores acontece em). É autodescrita como uma organização de direitos humanos que pesquisa o Holocausto e o ódio. Tem o nome de Simon Wiesenthal, um sobrevivente do campo de concentração que dedicou sua vida a rastrear nazistas fugitivos após a Segunda Guerra Mundial para que eles pudessem ser julgados por seus crimes (não torturados e mortos em segredo). Wiesenthal até desempenhou um papel menor na captura de Adolf Eichmann, um dos principais arquitetos do Holocausto.

Parece provável que o personagem de Al Pacino seja pelo menos parcialmente inspirado por Wiesenthal e pela organização que leva seu nome. Contudo, caçadores obviamente leva as coisas de uma forma muito mais violenta (e divertida).


Os 16 maiores escândalos da HGTV de todos os tempos

Mesmo se você estiver morando sob uma rocha, uma rocha triste de um quarto com papel de parede antigo, espaço de armário subutilizado e sem cabo! & mdash, você provavelmente ainda sabe tudo sobre televisão para casa e jardim. (É a rede que te deixou com ciúmes da casa subterrânea do seu melhor amigo, porque é 4 metros quadrados maior e tem um deck.)

Mais conhecido por sua sigla popular HGTV, o canal a cabo exibe uma série de programas viciantes onde hosts animados transformam caixas de merda em caixas de merda mais habitáveis ​​(leia-se: mais monocromáticas, cortantes). Você sabe que tem um painel do Pinterest cheio das melhores dicas deles! Afinal, é importante acompanhar as últimas tendências em almofadas. E você sabe o que mais é importante acompanhar !? o

que cercam a estação extremamente popular. Aqui estão alguns dos momentos mais quentes da história da HGTV e drama mdash que mesmo um casaco ou cinco shiplap não pode cobrir.

1. Quando Flip ou FlopTarek e Christina El Moussa se separaram depois de um drama sério. O casal anunciou sua separação com uma declaração para Pessoas a revista 12 de dezembro, afirmando que eles enfrentaram "desafios" em seu casamento e, em particular, citando um "infeliz mal-entendido há cerca de seis meses" como o grande problema. O TMZ ofereceu mais detalhes sobre esse "mal-entendido", descrevendo-o como "um incidente assustador envolvendo armas e uma temida tentativa de suicídio". Depois de uma grande briga, a polícia foi chamada à casa do casal e viu Tarek correndo da propriedade com uma arma (Christina também fugiu de casa chorando). Depois de ser encontrado pela polícia, Tarek explicou que tinha saído com sua arma para "desabafar".

2. E quando um dos Irmãos de propriedade entrou em uma briga de bar. Jonathan Scott, um dos estimados Property Bros, entrou em uma briga de bar em uma Dakota do Norte em junho passado e teria que ser arrastado do local. O estabelecimento de bebidas aparentemente estava fechado na época, e Jonathan e sua equipe ficaram chateados quando suas bebidas foram levadas embora. Avance rapidamente para o segurança do bar & rsquos, supostamente tendo Scott em uma chave de braço e a estrela da TV ligando para o 911 para relatar que ele foi atacado. No final do dia TMZ & rsquos vídeo da altercação provou não ser suficiente para obter o Imóvel Bro et al em apuros e as acusações foram retiradas por falta de provas.

3. Quando um Ame ou liste casa talvez tenha sido destruída. Um casal da Carolina do Norte entrou com uma ação em abril contra a produtora por trás Ame-o ou liste-o, alegando que sua casa foi deixada & ldquoirreparably danificada & rdquo depois que o show foi filmado. o Miami Herald relataram que Deena Murphy e Timothy Sullivan pediram à produtora que limpasse o trabalho de má qualidade da construtora contratada para trabalhar na casa do casal. Aparentemente, eles deixaram o local em grande desordem, com carpete de baixa qualidade, pisos em ruínas e janelas fechadas. Nada bom!

4. Quando foi revelado que Caçadores de Casas é uma mentira de GD. Quando anterior Caçadores de Casas O participante Bobi Jensen chamou o show de farsa, inicialmente fiquei tipo, & ldquoWHAT! & rdquo e depois de um momento de processamento, eu estava tudo, & ldquoOh sim, totalmente. Isso faz muito sentido. & Rdquo Em uma postagem agora infame de 2012 no Viciado em casas blog, Jensen compartilhou que os produtores de HGTV não gostaram de seu plano inicial de remodelar sua casa atual para que ela pudesse alugá-la e basicamente disse a ela que o episódio seria sobre o desespero de sua família por mais metragem quadrada. Eles também forçaram Jensen a comprar a nova casa antes do episódio ir ao ar, e as casas que eles visitaram no programa pertenciam a amigos da família. Tiros disparados!

When it became apparent that HGTV wasn't gonna be able to throw a drape over this scandal, they gave the following statement to EW:

So, they basically admitted everything, and also admitted nothing. That's more crafty than Joanna with sub-par siding!

5. And when the beginning of Fixer Upper was hella fake. Herein starts all your fave juicy Fixer Upper scandals &mdash sit down and get comfy, OK!? According to season three participant David Ridley in a November 2016 interview with Fox News, the home-picking process at the beginning of Fixer Upper is fake AF. Similar to what Bobi Jensen said about House Hunters, Ridley claimed that he&rsquod been forced to purchase a new home before even applying for the show. "You have to be under contract to be on the show. They show you other homes but you already have one," he said. "After they select you, they send your house to Chip and Joanna and their design team." Tsk, tsk, HGTV.

6. When the world learned that the Fixer Upper homeowners don't get to keep their furniture either. I hope you're sitting down because it's true: the people who have their homes fixer upped don't get to keep their fly new furnishings. Say it ain't so, Joanna! (She can't, because it is.)

I guess the people could go to Magnolia Market if they want to buy the furniture back? I mean, if they even have a parking lot. (Please see no. 8 below.)

7. When Chip and Joanna didn't like their fixed-up houses being rented out on Airbnb. Apparently lots of people like to rent out their Fixer Upper houses on Airbnb, and Chip and Joanna aren't too fond of that. Maybe if they let them keep their furniture, they wouldn't need to, IDK! They issued this muito measured statement about it:

Translation: We're straight-up pissed and this isn't happening again. (Meanwhile, Fixer Upper's "Barndominium" is in the midst of a second local dispute following the owner's attempts to rent it out, the Waco-Tribune Herald reports. So these problems are not going away!

8. When Chip and Joanna Gaines got hit with $1 million lawsuit. Chip and Joanna are in the process of being sued for $1 million over the property around their Magnolia Market at the Silos in Waco, Texas. It&rsquos a bit complicated, but basically the alley next to the market doesn&rsquot belong to Gaineses, and they had a lease agreement with the previous owners to use it for customer parking. However, when the old owners sold the alley, the new owners decided not to renew the lease (apparently planning instead to charge Magnolia Market customers for parking, because duh). Chip put up a gate to separate the free/not-free parking lots, but the alley's owners are now seeking between $200,000 and $1 million in damages from said gate on their property and want it removed. That&rsquos some major drama for the parking lot of a country market in middle-of-nowhere Texas &mdash it probably has nothing to do with the fact that the owners are HGTV stars, right.

9. And when Chip and Joanna Gaines's pastor preached conservative, anti-gay values. Last month, BuzzFeed wrote about the Gaineses' affiliation with a non-denominational evangelical church whose pastor, Jimmy Seibert, opposes homosexuality and gay marriage. In response, HGTV issued a statement affirming the network&rsquos commitment to LGBT rights, writing, "We don&rsquot discriminate against members of the LGBT community in any of our shows. HGTV is proud to have a crystal clear, consistent record of including people from all walks of life in its series." Chip and Joanna never responded, except to ask their fans to stop harassing writers who covered the story.

10. Also when a show was canceled before it even got on the air. HGTV was set to debut a new show, Flip It Forward, in October of 2014, but it was soon pulled from the lineup when one of the star&rsquos controversial comments about same-sex marriage, abortion, and Islam caused major uproar. The show was four weeks into production when it was revealed that the hosts, twin brothers David and Jason Benham, had led prayers at anti-gay protests and their father, Flip Benham, was an extreme anti-choice, conspiracy theorist preacher. The show was quickly shut down, and we are never to speak of the Benham brothers again!

11. When the star of Rehab Addict hid her second pregnancy and also got caught in a custody fight. When Nicole Curtis, the star of the highly addictive (but never on! What gives, HGTV!?) Rehab Addict, was pregnant with her second kid, Harper, she kept her baby bump hidden using all sorts of visual trickery. (She did announce her pregnancy on Facebook.) Curtis later explained it was because she didn&rsquot want the public to know her business, which is totally fair. The public isn't entitled to knowing everything about our favorite celebrities! Just most things!

Additionally, in her memoir, Better Than New, Curtis gets real about the hard custody battle she fought with her youngest son&rsquos father. De acordo com Fox News, she was banned from taking him to worksites with toxins present and was warned she would face jail time for skipping out on expenses, attorney fees, and missed visits between her son and her ex.

12. Also when Curtis royally pissed off her neighbors and almost lost her home. Because renovations on the Rehab Addict's Minneapolis home were moving at a glacial pace, her neighbors started complaining to the city council. The city council found that Curtis's renovation was a "burden" on her community, and some of her neighbors crashed a charity fundraiser at her home to inspect the house.

For her part, Curtis never spoke directly with any of the complainers, choosing to address everything on Facebook: "The long and short of it is I wrote done big checks to people we felt we could trust to get this done -and it didn't," she wrote in a comment. "By the time we got caught up to speed it was a hot mess and we were onto other projects and quite frankly, my family comes first."

13. When Flip or Flop charged its fans a lot of money to learn how to flip homes from them &mdash and then never showed up. According to the Associated Press, fans of the show were tricked into signing up for expensive classes where the show&rsquos hosts, Tarek and Christina, were supposed to teach them their flipping ways. In interviews, former students complained the hosts never showed up, there wasn&rsquot any real instruction, and the only thing they learned was how to sign up for more courses. HGTV claims to have known nothing about the classes, so their hands are clean.

14. When the winner of Ellen&rsquos Design Challenge possibly stole his "original" design and was disqualified. When furniture designer Tim McLellan won the 2015 contest &mdash and the $100,000 prize &mdash he was ecstatic. Well, ecstatic until he was quickly dethroned when it was revealed that his final challenge was actually "plagiarized" from another designer. In under a week, his title and spoils were taken away and given to fellow finalist Katie Stout.

In a subsequent appearance on The Ellen DeGeneres Show, McLellan denied he has consciously copied anyone else's work. While not giving him back the win, Ellen commiserated with him, sagely saying, "Most furniture is a derivate of something. Maybe something starts it, but chairs, tables, everything &mdash it&rsquos similar."

15. When people freaked out over the suggestion to use an American Flag as a tablecloth. In 2013, a HGTV segment called "Classic Fourth of July Table Setting Ideas," suggested using a nylon flag as a table runner "so spills can be easily wiped off and the flag can later be hung with pride on a flag pole." The internet wasn't having it, and quickly bombarded the network's Facebook page with, um, unpleasant comments.

HGTV removed the article from its website and issued an apology:

16. And when hardly anybody keeps their "dream homes." Since 1997, HGTV has been giving away a "dream home" valued at over $1 million every year to one lucky winner. Sounds awesome, right? Wrong! The accompanying taxes are so high that every winner save two has sold their homes almost immediately. Maybe they should consider renaming the sweepstakes, "Nightmare IRS Shacks," or something catchier?

The drama continues to this day, literally. Oh, HGTV!

Follow Laura on Twitter.


The Hunters Return to the Castle - History

With its original features and unique furnishings, all set in 40 acres of land, there is something to delight and enchant visitors of all ages.

Built in 1263 it is one of the very few castles in Scotland that still belongs to the original family. The 757 year old castle is the smallest of the West Kilbride castles and is about 24 feet long by 21 feet wide and 34 feet to the ramparts, but it has been greatly extended throughout the years.

Hunterston Castle is part of the wider Estate that comprises of 300 acres of land which is outrightly owned by the Hunter family, although over 2000 acres are farmed through leasing from owners like EDF Energy who own the Hunterston B Power Station and Clydeport who own the Deep Sea Port.

The castle comprises of 3 floors in the new tower and 2 floors in the new extension. Over the years there has been many alterations, however the original tower has not changed since it was built.

This website is dedicated specifically to the actual castle itself and not the associated newer buildings added over the more recent years.


Assista o vídeo: Encontrei muitas Relíquias próximo ao Castelo Medieval Detector de Metais