Ferramentas agrícolas: (Y16) INF

Ferramentas agrícolas: (Y16) INF

Arado Moulboard: Um arado que produzia um sulco profundo e revirava a terra depois de ter sido cortada pela relha e compartilhada. O moulboard era o dispositivo para guiar o arado e virar a terra. Para obter a profundidade certa para a semente, o arado deve cortar e revirar a terra.

Arado com rodas: este arado permitiu que a profundidade de aragem fosse controlada. No tempo chuvoso, as rodas ficavam entupidas com lama e, portanto, eram muito difíceis de usar. Os arados com rodas eram usados ​​principalmente em solos arenosos e raramente em áreas de argila pesada.

Harrow: usado para quebrar o solo e cobrir as sementes. A grade tinha entre quatro e seis vigas de madeira chamadas 'touros', nas quais eram colocados dentes de ferro ou de madeira. Os touros foram unidos por travessas de madeira.

Ancinho: Usado para espalhar e coletar grama durante a fenação. Os agricultores que não podiam pagar uma grade usavam um ancinho.

Foice: a foice de cabo longo permitia que o milho fosse cortado enquanto o trabalhador permanecia em pé. Segurada com as duas mãos, a safra foi colhida por uma ação de corte. A foice era usada principalmente para cortar grama e colher cevada e aveia.

Foice: a principal ferramenta usada pelos fazendeiros medievais para o corte do milho. A lâmina de ferro foi inclinada para trás em relação ao cabo para permitir um movimento de corte suave. A foice permitia que o milho fosse cortado sem muita pressão no pulso. A lâmina pode ser dentada ou lisa.

Mangual: Duas peças de madeira unidas. A alça foi presa a uma peça menor chamada 'striker'. O mangual era usado para separar o grão dos feixes colhidos.

Garfos: Feitos de madeira com dois ou três dentes 'passados'. Utilizado para preparação do solo e para feno.

Espada: Feita de madeira com sapatas de ferro para protegê-la do desgaste. Usado para preparar o terreno, principalmente no campo. Também para cavar valas durante a drenagem de terrenos. Antes de plantar as sementes, é necessário quebrar a terra. Os agricultores pobres que não podiam pedir emprestado ou alugar um arado tinham que usar uma pá.

Machado: usado para cortar árvores e matar animais. O calcanhar do machado foi usado para atordoar o porco antes de sangrar.

Tesoura: ferramenta usada para remover lã de ovelha.

Cesta de joeirar: uma cesta usada para separar os grãos de milho da casca externa ou do joio. O milho debulhado foi jogado para cima da cesta e a brisa (às vezes criada pelo movimento de uma folha) soprou a palha dos grãos mais pesados.


Ferramentas agrícolas: (Y16) INF - História

J. I. Case and Company & # 150 um dos mais antigos construtores de tratores & # 150 começou os anos 50 vendendo uma das linhas de tratores mais antigas, uma linha que havia sido introduzida uma década antes. Nos 20 anos seguintes, eles desenvolveram e introduziram quatro novas séries de tratores.

  • The Letter Series. Na parte inferior desta linha estava o modelo "VC" avaliado em 18 cavalos de força na barra de tração. O modelo "SC" foi avaliado em 27 HP. Ambos os modelos foram vendidos entre 1940 e 1955. A série V foi atualizada primeiro para o VC e depois para a série VA em 1942. A versão de cultivo em linha, o "VAC", foi anunciado como "O trator para mais de 100 empregos agrícolas . " O modelo "DC" foi lançado em 1939 e tinha 33 HP. O Modelo “LA” foi o maior trator Case da época com 51 HP. Foi vendido entre 1940 e '53.
  • The Hundred Series. Quando a Case começou a modernizar sua linha, a começou em 1953 com seu primeiro trator com motor diesel, o Modelo "500". O "500" produzia 56 HP na barra de tração e se tornou um motor respeitado. Dois anos depois, a Case lançou os tratores da série "400" com 44 HP e os "300" com 23 HP. De 1956 a 1958, ofereceu o Modelo "350" com 42 HP. Então, em 1957, o modelo "600" se juntou à programação.
  • Tratores de construção. Em 1957, Case comprou a American Tractor Corporation, uma pequena empresa privada que havia desenvolvido um acessório de retroescavadeira. A Case pegou o aparato da retroescavadeira hidráulica, colocou uma carregadeira hidráulica na frente e os casou com vários de seus modelos de trator, e um novo mercado foi estabelecido. O Case Model "320" foi a primeira carregadeira / retroescavadeira integrada de fábrica. Ao longo dos anos, esses modelos de construção tornaram-se grandes vendedores.
  • A série "B". De 1958 a 1960, a Case ofereceu a série "B" em 12 classificações de potência diferentes (dependendo dos tipos de combustível) e 124 configurações de modelo para atender agricultores de plantações em linha, cultivadores de arroz, homens de pomar, industriais e outras necessidades especiais. A linha incluía o "200B" com 26 HP, o "300B" com 28 HP, o "400B" com 31 HP, o "500B" com 39 HP, o "600B" com 41 HP, o "700B" com 46 HP , o "800B" com 49 HP e o "900B" com 66 HP.
  • A série "30". Em 1960, a Case lançou uma nova linha que ficaria nos showrooms de seus revendedores até 1969. Cada trator da linha tinha um aumento de potência, melhores transmissões e a opção de engate de três pontos. O "330" oferecia cerca de 31 HP, o "430" tinha 33 HP, o "530" tinha cerca de 36 HP, o "630" chegava a 40 HP, o "730" a 48 HP, o "830" a 56 HP HP e o "930" com 75 HP.
  • Os tratores de alta potência. Mais tarde na década, Case se juntou ao sorteio de cavalos de força. Em 1964, lançou o Case "1200", uma enorme máquina com tração nas quatro rodas e direção nas quatro rodas com 106 HP. Pesava mais de 17.000 libras e custava mais de US $ 20.000, então era útil apenas para grandes fazendeiros que tinham muito que arar. Foi construído até 1969. O modelo "1030" foi construído entre 1966 e 1969 e era um trator de uso geral com 92 HP.
  • A série "70". Em 1969, a Case encerrou a década com a Série "70" que se tornou a espinha dorsal da empresa na nova década. A série foi superada pelo enorme Modelo "2670" que produziu 219 HP no PTO. [Cobriremos esta série com mais detalhes na próxima seção deste site.]

J. I. Case Company começou em 1842 a construir debulhadoras para agricultores. Com o passar dos anos, eles expandiram suas linhas de implementos e tratores, muitas vezes comprando outras empresas. Ao longo do caminho, a Case e a maioria dos outros fabricantes de equipamentos agrícolas lançaram versões industriais de seus tratores.

Mas Case levou o mercado industrial a um novo patamar. Em 1967 & # 150, após a introdução de seu modelo de retroescavadeira & # 150, a divisão de construção da empresa estava vendendo tanto quanto a divisão agrícola. Naquela época, o venerável velho fabricante de produtos agrícolas foi adquirido pelo conglomerado de energia Tenneco Inc. de Houston. Isso deu início a um período de consolidação do mercado agrícola que caracterizou o último quartel do século XX.

Escrito por Bill Ganzel, Grupo Ganzel. Publicado pela primeira vez em 2007. Uma bibliografia parcial das fontes está aqui.


Como as pessoas se aplicaram ao Homestead Act

Para fazer uma reclamação, os homesteaders pagaram uma taxa de depósito de $ 18 & # x2014 $ 10 para fazer uma reclamação temporária sobre a terra, $ 2 para comissão ao agente de terras e um pagamento final adicional de $ 6 para receber uma patente oficial da terra. Os títulos de terra também poderiam ser comprados do governo por US $ 1,25 por acre após seis meses de residência comprovada.

Os requisitos adicionais incluíam cinco anos de residência contínua no terreno, construção de uma casa nele, cultivo do terreno e melhorias. Homesteaders, que deveriam ser o chefe de uma família ou ter 21 anos de idade e certificar-se de que nunca haviam portado armas contra os EUA, também precisavam de dois vizinhos ou amigos para atestar ao governo que cumpriram os requisitos. Os soldados da União poderiam reduzir o tempo de serviço na Guerra Civil da exigência de residência de cinco anos.


Ferramentas agrícolas: (Y16) INF - História

Departamento de Guerra dos EUA escolhe um local

No início de 1941, quando o Departamento de Guerra decidiu construir novas bases de treinamento, os especialistas procuraram por todo o país locais com 50.000 acres de terra, um bom suprimento de água, energia elétrica adequada e uma ferrovia. O governo considerou vários locais do Vale Willamette em Oregon.

A escolha final para o local do acampamento recaiu sobre Eugene ou Corvallis. John H. Gallagher, Sr., graduado e engenheiro da Oregon State University, foi a Washington, D.C., para fazer lobby pela localização de Corvallis.

O Exército escolheu o local de Corvallis em setembro de 1941.

Região como a Alemanha

No local de Camp Adair, havia terreno plano para quartéis e terreno acidentado para treinamento de combate.

O clima e as características naturais do terreno do Vale Willamette eram como a Alemanha, onde os soldados iriam lutar.

Modelos em escala real de cidades europeias e japonesas foram construídos para o treinamento de soldados.


Soldados de Camp Adair em frente à torre de vigia de incêndio de Marys Peak.

Por que o campo é chamado de "Adair?"

Camp Adair foi batizado em homenagem a Henry Rodney Adair, formado em West Point e descendente dos pioneiros do Oregon.

O tenente Adair, um oficial da 10ª Cavalaria, foi o primeiro Oregonian morto no confronto de 1916 na fronteira mexicana.

Quando o general Pershing invadiu a fronteira mexicana em busca do general bandido Pancho Villa, o tenente Adair destruiu dois ninhos de metralhadoras e responsabilizou-se por mais de 30 bandidos mexicanos antes de ser morto.

Sacrifícios Feitos

Para que Camp Adair fosse construído, muitas famílias tiveram que desistir de suas casas. O governo redirecionou trilhos de trem e estradas, realocou cemitérios e eliminou a pequena comunidade de Wells, Oregon.

A maioria dos evacuados eram agricultores. Muitos eram descendentes de pioneiros que cruzaram as planícies em carroções cobertos para construir suas casas no vale Willamette. Eles não tiveram escolha a não ser vender suas terras, gado e máquinas e se mudar.

Cemitérios realocados

Durante a construção do Camp Adair, foi necessário mover cemitérios localizados dentro dos limites do campo. O governo realocou cemitérios de pioneiros com sepulturas que datavam de 1850. Um total de 414 sepulturas foram removidas.

Embora a maioria das pessoas tenha percebido que era necessário realocar casas, fazendas e cemitérios para o novo campo, muitos lamentaram a perda.

Relocation Remininscence

"O governo comprou a fazenda de 150 acres que minha avó, Bonnie Smith, possuía na comunidade de Lewisville (Lewisburg). Era a casa dela desde seu casamento com meu avô em 1893. Suas quatro filhas, minhas duas irmãs e eu éramos todos nascida na fazenda. Não é preciso dizer que foi uma época triste e traumática para ela quando foi forçada a se mudar de casa e da fazenda após 49 anos. "

Nada Runkle, em Homesteading Camp Adair


A cidade de Wells, Oregon, foi demolida para a construção de Camp Adair.


Limites aproximados de Camp Adair, 1942

Oregon e a segunda maior cidade

Numa época em que a população de Corvallis era de apenas 14.000 pessoas, cerca de 30.000 a 50.000 soldados e funcionários civis viviam e trabalhavam nas proximidades de Camp Adair. Camp Adair se tornou a segunda maior cidade do Oregon, apenas Portland era maior.

O Exército construiu cerca de 1.700 edifícios no campo, incluindo quartéis, oficinas mecânicas, lojas, cozinhas, teatros, hospitais e capelas.

Adair impulsiona a economia local

Muitos comerciantes locais forneceram bens e serviços para construir Camp Adair e servi-lo durante a guerra. Alimentos, materiais de construção e moradias locais foram todos destinados ao esforço de guerra. Como resultado, a economia regional lucrou. À medida que a área emergia de uma recessão econômica, a maioria dos residentes apreciava as oportunidades de emprego oferecidas pelo acampamento.

Aqueles que serviram

Em Camp White, no sul do Oregon, perto de Medford, a 91ª Divisão participou de um treinamento intensivo. Os soldados foram submetidos a extremos de calor, frio, neve e chuva para prepará-los para o que estava por vir. Conhecida como a Divisão "Powder River", a 91ª chegou a Camp Adair em novembro de 1943 para treinamento adicional.

Em abril de 1944, a divisão apresentou-se ao serviço no Norte da África. Mais tarde, esses soldados desembarcaram na Itália e abriram caminho para o norte até que as forças inimigas finalmente se renderam em 2 de maio de 1945.

A 96ª Infantaria, organizada quase três décadas antes na Primeira Guerra Mundial, tornou-se ativa novamente em Camp Adair em agosto de 1942. Esta "Divisão Deadeye" recebeu treinamento especial em tiro e aterrissagem de veículos terrestres / aquáticos para estar pronta para o combate.

O 96º combate nas Ilhas Filipinas, no Pacífico, em 1944. Mais tarde, eles enfrentaram combates ferozes por três meses em Okinawa, Japão. As baixas em ambos os lados foram altas.

Os "Deadeyes" voltaram para casa e foram desativados em fevereiro de 1946.

Em 15 de junho de 1943, a 70ª Divisão foi ativada em Camp Adair. Eles eram conhecidos como os "Pioneiros", lembrando os corajosos pioneiros da Trilha do Oregon. A divisão permaneceu em Camp Adair até julho de 1944, depois continuou seu treinamento no Missouri antes de ir para a França.

O 70º passou 86 dias em intensos combates, ajudando a libertar 58 cidades e fazendo 668 prisioneiros. O preço do combate foi alto para os Pioneiros: 835 homens mortos em combate, 2.713 feridos, 397 presos e 54 listados como desaparecidos.

Originalmente conhecido como "Divisão de Fronteira", o 104º mais tarde adotou o nome "Timberwolf". O exército ativou a divisão em 15 de setembro de 1942, em Camp Adair. Era composto por 840 oficiais e 16.000 homens alistados.

Eles lutaram na França em setembro de 1944 e também entraram em ação na Bélgica e na Alemanha. Em março de 1945, eles cruzaram o rio Reno, capturando várias cidades e muitas tropas alemãs. Depois de lutar no teatro europeu por 10 meses, esta divisão voltou para casa.


91ª Divisão de Infantaria


Velho Abe, o Águia de Guerra e Coronel Joseph Bailey

Os regimentos de Wisconsin ficaram conhecidos por suas contribuições individuais. Por exemplo, alguns regimentos eram conhecidos por sua etnia. Os 9º, 26º, 27º e 45º regimentos de Wisconsin eram principalmente alemães, enquanto os noruegueses preenchiam as fileiras do 15º regimento. A 8ª Infantaria de Wisconsin ficou conhecida como "Regimento da Águia" por causa de uma águia careca de estimação, chamada Old Abe, que eles carregaram para a batalha em um poleiro com uma bandeira americana. Ele gozou de grande celebridade nas reuniões e feiras de soldados até sua morte em 1881.

Os soldados de Wisconsin se destacaram em vários combates famosos. Sob Cadwallader C. Washburn, a 2ª Cavalaria de Wisconsin lutou bravamente em muitas batalhas ocidentais, incluindo o Cerco de Vicksburg, Mississippi. Em 1864, o coronel Joseph Bailey, com a ajuda de lenhadores dos 23º e 24º regimentos, salvou uma frota de canhoneiras e transportes da União encalhada nas águas baixas do Rio Vermelho da Louisiana. Usando uma técnica para represar e aprofundar o rio, esses homens usaram as habilidades aprendidas nos acampamentos de madeira de Wisconsin para ajudar a causa da União.


Sobre o Wildfire and Hurricane Indemnity Program Plus

O que o programa cobriu?

O WHIP + forneceu pagamentos a produtores qualificados que sofreram safras, árvores, arbustos, cipós elegíveis ou evitaram perdas de plantio resultantes de furacões, inundações, tornados, tufões, atividade vulcânica, tempestades de neve, incêndios florestais, seca e umidade excessiva que ocorreram em 2018 e 2019 anos do calendário.

Assistência também estava disponível para produtores que sofreram perdas devido a condições relacionadas a esses eventos de desastre qualificados, como chuva excessiva, ventos fortes, deslizamentos de lama e fumaça pesada.

Culturas Elegíveis

As safras elegíveis para WHIP + eram destinadas aos anos safra de 2018, 2019 e 2020 e eram elegíveis para cobertura de seguro agrícola federal ou Programa de Assistência a Desastres Não-segurados (NAP), excluindo safras destinadas ao pasto, uma vez que essas perdas foram cobertas por outros programas de recuperação de desastres oferecidos por meio da Agência de Serviços Agrícolas do USDA.

Uma lista de safras cobertas pelo seguro de safra está disponível por meio do Navegador de informações atuariais da Agência de Gerenciamento de Riscos do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

As safras devem ter sofrido perdas antes de serem colhidas.

Localizações Elegíveis

Os produtores devem ter sofrido uma perda devido a um evento de desastre qualificado em um condado principal que recebeu uma Declaração Presidencial de Desastre de Emergência ou Designação de Desastre de Secretariado. Uma atualização em fevereiro de 2020 expandiu a elegibilidade do programa para os condados que experimentaram a seca D3 e D4 em 2018 e 2019.

Para serem elegíveis, os produtores fora desses condados eram obrigados a fornecer documentação estabelecendo que as safras foram impactadas diretamente por um evento de desastre qualificado.

Opções de árvore, arbusto e videira

O WHIP + forneceu pagamentos com base na perda de valor de árvores, arbustos e vinhas devido a eventos de desastre qualificados.

A elegibilidade para o Programa de Assistência à Árvore (TAP) foi expandida para auxiliar os pomares ou produtores de árvores em viveiro de nogueira-pecã que sofreram uma taxa de mortalidade superior a 7,5% e inferior a 15% (ajustada para mortalidade normal) para perdas ocorridas em 2018.

Assistência aos produtores de beterraba sacarina

O USDA forneceu US $ 285 milhões por meio de cooperativas de processamento de beterraba para compensar os membros produtores pelas perdas na safra de beterraba em 2018 e 2019.

Cobertura de perda adicional

O WHIP + incluía um Programa de Perda de Leite que fornecia pagamentos a operações de laticínios elegíveis que despejavam ou retiravam leite sem compensação do mercado comercial de leite. As perdas de leite cobertas foram devido a um desastre natural qualificado em 2018 e 2019.

Um novo Programa de Perda de Armazenamento On-Farm também foi incluído no WHIP +. Este programa ajudou os produtores que sofreram perdas de commodities colhidas, incluindo feno, que foram armazenados em estruturas na fazenda em 2018 e 2019.

Plantio Prevenido

Muitos produtores agrícolas enfrentaram desafios significativos para o plantio em 2019. Os produtores qualificados receberam pagamentos adicionais relacionados ao plantio evitado.

Os produtores que entraram com pedido de seguro de plantio impedido devido a inundação ou excesso de umidade no ano civil de 2019 receberam um pagamento de “bônus” no total de 10% de sua indenização, e um adicional de 5% foi fornecido aos produtores que adquiriram cobertura de opção de preço de colheita.

O WHIP + forneceu assistência de plantio evitado para produtores não segurados, produtores NAP, produtores que podem ter sido impedidos de plantar uma safra segurada no ano safra de 2018 e safras de 2019 que tiveram uma data de plantio final antes de 1º de janeiro de 2019.

Quais foram os requisitos do programa?

Tanto os produtores segurados quanto os não segurados eram elegíveis para se inscrever no WHIP +, mas todos os produtores que receberam pagamentos por perdas de safra e evitaram perdas de plantio foram obrigados a adquirir seguro de safra ou cobertura do Programa de Assistência a Desastres Não-Segurados (NAP). A cobertura era necessária no nível de 60% ou mais para os próximos dois anos-safra consecutivos disponíveis após o ano-safra para o qual os pagamentos do WHIP + foram distribuídos.

Se os produtores não conseguirem adquirir o seguro agrícola pelos próximos dois anos consecutivos, eles deverão pagar de volta o pagamento do WHIP +.

Como foram calculados os pagamentos WHIP +?

Os pagamentos foram direcionados para fornecer assistência para perdas de produção. No entanto, se a qualidade foi levada em consideração tanto no seguro quanto na apólice do Programa de Assistência a Desastres de Safra Não-Segurada (NAP) em que a produção foi ajustada, a produção ajustada foi usada no cálculo da assistência.

Os produtores que sofreram perdas de safra devido aos desastres de 2018 receberam 100 por cento de seu pagamento WHIP + calculado assim que o pedido foi aprovado. Os produtores que sofreram perdas de safra devido aos desastres de 2019 receberam 50% do pagamento WHIP + calculado após a aprovação do pedido e receberam até os 50% restantes após 1º de janeiro de 2020, com base no financiamento.

Os produtores estavam limitados a US $ 125.000 sob WHIP + para os anos de safra 2018, 2019 e 2020 combinados se sua renda agrícola bruta ajustada média fosse inferior a 75 por cento de sua renda bruta média ajustada (AGI) para 2015, 2016 e 2017. Se pelo menos 75 por cento do AGI médio do produtor foi derivado de atividades relacionadas à agricultura, pecuária ou silvicultura, o produtor era elegível para receber até $ 250.000 por ano safra em pagamentos WHIP +, com uma limitação total combinada para pagamentos para 2018, 2019 e 2020 anos de safra de $ 500.000.

Fórmula de Pagamento

A FSA calculou o pagamento WHIP + com base no valor esperado da safra, o valor da safra colhida, o nível de cobertura do seguro (conforme refletido no fator WHIP), um fator de pagamento e os pagamentos de seguro recebidos.

A fórmula de pagamento WHIP + era:

WHIP + Pagamento = Valor Esperado da Safra x Fator WHIP - Valor Real da Safra Colhida x Fator de Pagamento - Pagamento NAP ou Indenização de Seguro de Safra recebida pelo Produtor

O fator WHIP foi de 70% para os produtores que não obtiveram seguro agrícola ou cobertura do NAP, entre 75 e 95% para os produtores que obtiveram seguro agrícola ou cobertura do NAP e 95% para os produtores que escolheram o nível de cobertura mais alto.

O fator de pagamento variava por estado e commodity e foi definido para refletir os custos reduzidos incorridos pelos produtores quando a safra não foi colhida ou foi impedida de ser plantada.


As pessoas gostam de criar muitas variedades diferentes de aves domésticas e de caça, e a seção de suprimentos para gado avícola do eBay inclui a incubação de ovos para começar ou aumentar seu rebanho. Crie pássaros comuns como faisões, codornizes, cisnes ou galinhas Partridge Brahma, ou escolha variedades mais incomuns, como frango Cubalaya, pato-real da neve, Modern Game Bantam ou Crele Orpington. Use ração especial, como ração inicial para aves de caça, ou moa a sua própria com um moedor de ração ou moedor de pellet, encontrado em suprimentos de ração animal.

Os apicultores podem estocar todos os suprimentos necessários para a apicultura, seja para criar abelhas como um hobby ou como um empreendimento comercial de venda de mel. Um macacão de apicultura de algodão com véu irá protegê-lo de picadas e, ao mesmo tempo, mantê-lo fresco no trabalho. Use um fumante de abelhas para acalmar as abelhas e reduzir as distrações, e experimente a conveniência de um extrator de mel de aço inoxidável para a temporada de colheita de mel no final do verão.


Songhai, Império Africano, Século 15-16

A África Ocidental é o lar de muitos dos reinos mais antigos da África. Esses reinos desempenharam um papel importante no desenvolvimento do comércio e no crescimento econômico da região. À medida que antigos reinos foram substituídos por novos reinos menores, muitas mudanças foram experimentadas. As transformações foram influenciadas pela conquista e pela guerra, juntamente com os padrões de comércio. As sociedades da África Ocidental foram moldadas pela competição pela riqueza e pela busca pela independência de reinos mais poderosos.

As primeiras civilizações africanas ao sul do deserto do Saara estavam na África Ocidental. Essas civilizações se desenvolveram em uma época em que a maior parte da Europa vivia a Idade das Trevas, após a queda da metade ocidental do Império Romano por volta de 476 d.C., o povo da África Ocidental já podia fundir minério de ferro para fazer ferramentas para a guerra e a agricultura. Ferramentas agrícolas de ferro tornaram os métodos agrícolas muito mais eficientes. Isso levou a melhorias na agricultura e maior produtividade da terra, à medida que a prosperidade crescia, a população se expandia, dando origem a cidades maiores. Rios largos ligavam as pessoas dessas cidades maiores por meio de viagens de canoa. Esses rios também mantinham a fertilidade do solo durante todo o ano.

Ao mesmo tempo, reinos estavam se desenvolvendo nesta região. Um dos primeiros reinos a surgir aqui foi o antigo Gana, no extremo oeste. No ano 300 d.C., este reino já havia sido governado por cerca de 40 reis, mostrando que sua administração política era bem desenvolvida para permitir que novos reis tomassem posse sem destruir o reino por meio de guerras civis destrutivas. A economia de Gana era baseada na mineração de ferro e ouro junto com a agricultura. Os produtos eram comercializados com sociedades berberes ao norte do deserto do Saara. Ao mesmo tempo (1230-1300), o reino do povo Mande no Mali, a leste de Gana, crescia e aumentava o controle do comércio na região. Isso colocou os dois reinos em conflito. Finalmente, o reino de Gana foi assumido pelo reino de Mali. O reino do Mali conseguiu estabelecer sua influência com facilidade devido ao terreno de savana circundante. Isso possibilitou o envio fácil e rápido de soldados pela região para conquistar vizinhos. A adoção da fé islâmica pelo povo do Mali por volta de 1500, durante o governo de Kankan Musa, criou um ponto de unidade para este reino.

As disputas sobre quem deveria suceder ao trono e a rebelião do povo Fulani na Senegâmbia e do povo Songhai em Gao levaram ao colapso do reino do Mali no século XVI. Songhai tornou-se independente do Mali e rivalizava com ele como a principal potência na África Ocidental.

Cultura, Religião e Monarquia

Os Songhai se estabeleceram em ambas as margens do meio do rio Níger. Eles estabeleceram um estado no século 15, que unificou uma grande parte do oeste do Sudão e se desenvolveu em uma civilização brilhante. Foi governado pela dinastia ou família real de Sonni do século XIII ao final do século XV. A capital ficava em Gao, uma cidade cercada por um muro. Era um grande mercado cosmopolita onde nozes de cola, ouro, marfim, escravos, especiarias, óleo de palma e madeiras preciosas eram trocados por sal, tecido, armas, cavalos e cobre.

O Islã foi apresentado à corte real de Songhai em 1019, mas a maioria das pessoas permaneceu fiel à sua religião tradicional.

Sonni Ali reorganizou o exército, que foi equipado com uma frota no rio Níger. O comandante da frota era conhecido como "Mestre da Água". Soldados a pé capturaram os melhores homens dos exércitos derrotados. Uma cavalaria de elite era rápida e resistente. Eles usavam couraças de ferro por baixo das túnicas de batalha.

Os soldados de infantaria estavam armados com lanças, flechas e escudos de couro ou cobre. Música militar produzida por um grupo de trompetistas. O exército total era composto por 30.000 infantaria e 10.000 cavaleiros. O sistema de defesa Songhai era a maior força organizada no oeste do Sudão, não era apenas um instrumento político, mas também uma arma econômica em virtude do butim que trouxe. Eles conquistaram as cidades de Timbuktu e Jenne.

Estudiosos muçulmanos em Timbuktu chamaram Sonni Ali de "tirânico, cruel e ímpio". Os Sonni foram expulsos do poder pela dinastia muçulmana Askiya.

A nova monarquia baseada em Gao tinha um poder centralizado e absoluto e sagrado. Só era possível abordá-lo na posição de próstata. Ele se sentou em uma plataforma elevada cercada por 700 eunucos. As pessoas pagavam impostos ao rei em troca de segurança interna e externa. A corte real era responsável pela administração e pelo exército. Grandes propriedades pertenciam a nobres. Eles eram trabalhados por mão-de-obra servil que fazia a pesca, criação de animais para leite, carne e peles, e o trabalho agrícola.

O reino Songhai foi o último grande na região. Sua queda não acabou com os reinos da África Ocidental. Os reinos que sobreviveram foram Guiné, Benin na Nigéria, Ashanti na atual Gana e Daomé, ao norte de Benin. Esses reinos continuaram o comércio Transsaariano com os estados árabes do Norte da África. O comércio transsaariano era complexo. Não se limitava ao comércio e à troca de ouro, cobre, ferro, nozes de cola, tecido e sal. Tratava-se também de estreita cooperação e interdependência entre reinos ao sul do Saara e reinos ao norte do Saara. O sal do deserto do Saara era tão importante para as economias e reinos ao sul do Saara quanto o ouro para os do norte. Portanto, a troca dessas commodities era vital para a estabilidade econômica e política da região.

Viagem e comércio em Songhai

O comércio influenciou significativamente o curso da história na África Ocidental. A riqueza obtida com o comércio foi usada para construir reinos e impérios maiores. Para proteger seus interesses comerciais, esses reinos construíram fortes exércitos. Os reinos que desejavam mais controle do comércio também desenvolveram exércitos fortes para expandir seus reinos e protegê-los da competição.

O comércio de longa distância ajudou a economia local e apoiou o comércio interno. Os mercadores que viajavam entre as cidades do Saara precisavam de lugares para descansar e estocar alimentos para a jornada pelo deserto do Saara. Os alimentos seriam fornecidos por mercados locais que dependiam de fazendas locais para suprimentos. Essa prática permitiu que os comerciantes planejassem viagens longas, sabendo que os mercados locais forneceriam comida e abrigo. Por esse motivo, muitos reinos na África Ocidental incentivaram melhorias agrícolas para atender a essa necessidade. Freqüentemente, isso significava unir pequenos agricultores, comerciantes e sociedades em blocos comerciais mais fortes. Por exemplo, o reino Kuba no atual Congo reuniu diferentes culturas sob uma única autoridade e usou o rio Congo como principal meio de transporte para outros reinos distantes. Como resultado, os comerciantes menores uniram-se uns aos outros como os reinos Chokwe e Lunda sob um único comércio de base ampla. Isso levou ao aumento do comércio de marfim e borracha entre esses reinos e com os comerciantes portugueses.

Atual Kuba King. Fonte: Daniel Laine (2001) National Geographic, de www.news.nationalgeographic.com

O comércio de escravos também foi importante para o desenvolvimento econômico da África Ocidental. Por muito tempo, os reinos da África Ocidental dependeram de escravos para realizar trabalhos pesados. O reino Songhai sob o governo de Askia Mohammed usava escravos como soldados. Os escravos não deveriam derrubar seus governantes. Os escravos também receberam posições importantes como conselheiros reais. Os governantes Songhai acreditavam que se podia confiar nos escravos para fornecer conselhos imparciais, ao contrário de outros cidadãos que tinham um interesse pessoal no resultado das decisões. Outro grupo de escravos era conhecido como escravos do palácio ou Arbi. Os escravos Arbi serviam principalmente como artesãos, oleiros, marceneiros e músicos. Os escravos também trabalhavam nas fazendas das aldeias para ajudar a produzir alimentos suficientes para abastecer a crescente população das cidades.

O reino Asante do povo Akan cresceu por volta dos séculos 15 e 16 em um poderoso reino nas partes mais meridionais da África Ocidental, atual Gana. Este crescimento foi possibilitado pelas ricas minas de ouro encontradas no reino. O povo Akan usou seu ouro para comprar escravos dos portugueses. Desde 1482, os portugueses interessados ​​em obter ouro Asante abriram um porto comercial em El Mina. Como resultado, seu primeiro comércio de escravos na África Ocidental foi com o povo Akan. Os portugueses compraram os escravos do reino do Benin, perto do Delta do Níger, na Nigéria. O trabalho escravo tornou fácil para o povo Akan mudar da agricultura de pequena escala para a agricultura de grande escala (Giblin 1992). A mudança transformou o reino Asante e desenvolveu uma rica economia agrícola e de mineração.

O povo Akan precisava de escravos para trabalhar em suas minas de ouro e fazendas. Comerciantes que passavam e uma população crescente nas cidades Asante exigiam suprimentos cada vez maiores de alimentos. O comércio de escravos com os portugueses continuou até o início do século XVIII. O povo Akan forneceu escravos aos portugueses para trabalhar nas plantações de açúcar no Brasil. Um pequeno número de escravos foi mantido no reino Asante. No entanto, nesse período, o comércio de escravos do Atlântico dominou o comércio com a África Ocidental. Reinos como o Asante e o Daomé usavam seu poder para invadir sociedades como os Bambara, Mende e Fulanis para escravos. O reino de Benin é o único reino conhecido na África Ocidental a abolir o comércio de escravos no Benin. A proibição do comércio de escravos foi bem-sucedida e forçou os portugueses a procurar escravos em outras partes da África Ocidental. No entanto, os comerciantes holandeses assumiram o papel. A partir de 1600, os holandeses dominaram o comércio de escravos da África Ocidental e do Atlântico.

Os governos português e holandês não conseguiram colonizar os reinos da África Ocidental porque eram muito fortes e bem organizados. As a result, the slave and ivory, rubber and gold trades remained under the control of Asante, Fon, and Kongo kingdoms. In 1807, the British government abolished the slave trade. Because West African kingdoms did not co-operate with the British, the slave trade across the Atlantic Ocean continued. However, the slave trade declined in areas where the British had influence, for example the Gold Coast.

Industrial development in Britain led to increasing trade with West Africa in agricultural products like palm oil, rubber, and cocoa. To supply Britain with these products, the Asante kingdom kept the slaves they had captured for the Atlantic slave trade and used them as farm workers instead. This led to the growth of slavery in West Africa because each kingdom wanted to profit from this new trade. West African slavery came to a slow end towards the end of the 19th century when many of these kingdoms were colonised by the French and British. Former slaves became the landless lower classes.

The states of the Niger Delta extend for about three hundred miles along the Gulf of Guinea from the Benin River on the West to the Cross River on the East. Due to the many rivers, which cross over each other, the main source of transport was by canoe. Societies found in this area include the Ibo, Ijaw, Jekiri Efik and Calabari.

Unlike other West African states, Niger ones were different in character. They were small states that maintained contact through war, trade and migrations. The Atlantic trade brought about great prosperity in this region. These states were known for their skill in politics and for their “middleman” skills in commerce. Their long history of internal trade had brought these small states together and led to economic growth of Bonny (also known as Igbani) and Warri states.

The Kingdom of Dahomey (also known as the Fon Kingdom of Dahomey) was the southern part of the Republic of Benin, a country that divides the dense forest of Nigeria from those of modern Ghana. Dahomey was the most prominent coastal state in the region. It was ruled by a king on the authority of the queen mother who held the power to appoint an heir. The king and queen mother ruled Dahomey from their capital Abomey. Dahomey began emerging as a great power in the early 18th century because of the slave trade. It also managed to overtake other coastal states competing for control of both the slave and inland trade. The Fon army was unusual in West Africa because its soldiers were women feared by other neighbouring coastal states.

In about 1650 there was a great demand from the West Indies sugar plantations for African slaves. The Fon people used their position as sea-merchants to ensure that they held a monopoly of the slave trade. The Dahomey kingdom also relied on its strong military to dominate weaker inland states and to conquer coastal states. States looking to trade in the region were expected to pay a fixed amount of tax and fixed prices for slaves. Custom duties were paid in respect of each ship as well.

By the 18th century the Fon king had absolute power and under his rule Dahomey became strong enough to capture neighbouring coastal states. The Fon were still paying tribute to the Oyo kingdom and this meant that they had to appease the Oyo with guns and other goods each year. In 1725, Dahomey conquered the Oyo kingdom, and three years later they pushed south to Savi and Whyad, Jakin was taken in 1732 but it was only in 1740 that the Fon won complete control when Whydah became a Fon colony. This ushered in control of the coast and even visiting Europeans had to gain prior permission to go ashore.

Atlantic System, Contact with Europeans

The arrival of the Portuguese in the 15th century in search of new trading opportunities changed the trade networks in West Africa. An important change was the new direction of the slave trade across the Atlantic Ocean instead of the Sahara desert. This increased the power of small West African kingdoms like the Asante and Dahomey kingdoms. It also contributed to the fall of the Songhai Empire, because the slave and gold trade were no longer going through the Songhai kingdom. As a result, the Songhai rulers could not claim tribute and taxes from these kingdoms.

The other change came from the growing slave trade. African slaves were captured from Africa to work as slaves in the Americas in the early 1500’s. Portugal, Spain, France and Britain were the key players in this slave trade, which lasted for more than 400 years. Because Portugal was the first to establish itself in the region and to enter treaties with West African kingdoms, it had the monopoly on the slave and gold trade. As a result, Portugal was responsible for transporting over 4.5 million Africans, approximately 40 percent of the slaves taken from the continent before the 1700s. During the 18th century however, Britain was responsible for almost 2.5 million of the 6 million African slaves traded. Due to expanding market opportunities in Europe and the Mediterranean, they increased trade across the Sahara and later gained access to the interior using the Senegal and Gambia River, which bisected long-standing trans-Saharan routes. The Portuguese brought in copper ware, cloth, tools, wine and horses and later included guns, in exchange for gold, pepper, slaves, and ivory. The growing trade across the Atlantic came to be called the triangular trade system.

The Triangular Trade System

The Atlantic Slave Trade (also known as the triangular trade) was a system of trade that revolved around three areas. The first point of the triangle would begin in Africa, where large shipments of people were taken across the Atlantic Ocean to the Americas (The Caribbean, North and South America) to be sold to work in colonies on plantations as slaves. Once the slaves were offloaded in the Americas, the same ships would then load products from plantations such as sugar, cotton and tobacco. These products would be sold in Europe. From Europe the ships would carry manufactured goods such as cloth, iron, rum and guns, which they would use in exchange for slaves and gold.

Most captured slaves were taken between 1450 and 1500, from the West African interior with the co-operation of African kings and merchants. There were occasional military campaigns organised by Europeans to capture slaves, especially by the Portuguese in what is now Angola. This accounts for only a small percentage of the total. In return, the African kings and merchants received various trade goods including beads, cowry shells (used as money), textiles, brandy, horses, and perhaps most importantly, guns. These guns became a very important trade commodity when West African kingdoms were increasingly organising their militaries into professional armies. During this period England sold close to 100 000 muskets a year to West African kingdoms.

Slaves crossing the Atlantic Ocean endured inhumane conditions aboard the ships transporting them. They would travel naked and cramped into the hold of the ship chained together at the ankles and packed together side-by-side in holds which were about 1.5 m high with hardly any light and fresh air. They were provided with buckets, which they had to use as toilets. This resulted in many slaves becoming sick and dying. Cases of fevers and small pox were common during the voyages. The health of slaves on board was made worse by the lack of medical attention. Slaves would be regularly hosed down with water each morning and those that had died overnight, would be thrown overboard.

The slave trade was abolished in 1807 by the British government. The French only abolished their slave trade in 1848. The continued Atlantic slave trade forced the British government to take responsibility to end slave trading. They captured European ships and released slaves on board. This was made more difficult by the unwillingness of West african kingdoms to give up the slave trade. The British government tried to influence the Asante rulers to stop practising slavery in their kingdom with no success. As a result, from the 1870s, the British government began to colonise the Asante people in order to prevent the use of slave labour, but also as an excuse to take control of the rich gold mines of the Asante and to protect British commercial interests against French expansion in the region. Click here to read a lesson about colonial rule and African responses.

A royal mausoleum for the ruler of Songhai, Askia Muhammed (1493-1528) built in Gao in the once powerful capital of the Songhai Empire. Picture source: baobab.harvard.edu

The foot soldiers were armed with spears, arrows and leather or copper shields. Military music as produced by a group of trumpeters. The total army comprised 30 000 infantry and 10 000 horsemen. The Songhai defence systemwas the largest organised force in the western Sudan Not only was a political instrument, but also an economic weapon by virtue of the booty it brought in. They conquered the cities of Timbuktu and Jenne.

Muslim scholars at Timbuktu called Sonni Ali 'tyrannical, cruel and impious'. The Sonni's were driven from power by the Muslim Askiya dynasty.

The new monarchy based at Gao had centralised and absolute and sacred power.

It was possible to approach him only in a prostate position. He sat on a raised platform surrounded by 700 eunuchs. People paid taxes to the king in return for internal and external security. The royal court was responsible for the administration and the army. Large estates belonged to nobles. They were worked by servile labour that did the fishing, animal raising for milk, meat and skins, and the agricultural work.

The following information will still be developed for this topic:
- Travel and trade in Songhai at the height of its power ( Arab, Italian and Jewish merchants at Timbuktu)
- Learning and culture
- Fall of the Empire: Moroccan invasion of 1591.
- Women in Songha
- Contact with Europeans Please contribute activities and content for this section by clicking on the ‘contribute’ button.

Linha do tempo
800 - Gao was established
1110 - Timbuktu was established
1290 - Empire of Mali established and conquered Timbuktu and Gao
1375 - Timbuktu appeared for the first time on a European map
1400 - Gold trade flourished - from west Africa, through Timbuktu and Gao, to Europe
1450 - Large settlement of scholars and traders in Timbuktu
1468 - Songhay Empire established by Sunni Ali. Took over Timbuktu and Gao
1493 - Muhammed Ture, a Muslim, founded the Askia dynasty and took over Songhay Empire.
1530 - Portuguese came to Timbuktu in search of wealth. Only one man survived.
1591 - Timbuktu and the Songhay Empire conquered by Moroccans.

Activity Put these events up on the board in the wrong order. Students should try to recall the correct order in their note books.


Join to Gain Access to Millions of Records

Your history isn’t far away- it’s right here. Join today to receive free publications, access to records, discounts to conferences, and much more. Join to receive the keys to your past.

The Ohio Genealogical Society is the largest state genealogical society in the United States, with a mission of protecting and sharing Ohio’s family history resources, developing engaging educational opportunities, and connecting genealogists.

611 State Route 97 West, Bellville, OH 44813
419.886.1903
FAX 419.886.0092


Farm Tools : (Y16) INF - History

An estimated 2.75 million soldiers fought in the Civil War, with more than 618,000 perishing in battle, from wounds, or from disease. More than 153,000 Virginians served in Confederate units during the Civil War, and most were native-born farmers between the ages of 18 and 39, with an average age of just under 26. Men on both sides of the conflict were inspired to fight by pro- or anti-slavery sentiments, patriotism, state pride, the chance for adventure, and steady pay but soon found out that the war would last longer than they had imagined. Soldiers spent much of their time in camp enduring long hours of boredom, followed by daily drills and picket and guard duty. The Library has numerous published and unpublished accounts of soldiers, most of which relate to their experiences in battle and camp life.

Confederate States of America Army
Confederate States of America Army Military life
Soldiers Virginia [Locality]
Exército dos Estados Unidos
(NOTE: if looking for a particular regiment or company, entry should look like: Confederate States of America Army Virginia Infantry Regiment, 4th.)
United States Army Military life
United States History Civil War, 1861-1865 Campaigns

Billings, John D. Hardtack and Coffee: The Unwritten Story of Army Life. Boston: George M. Smith, 1887 reprint, Williamstown, Mass.: Corner House Publishers, 1980 reprint, Alexandria: Time-Life Books, 1982.

Bonner, Robert E. The Soldier&rsquos Pen: Firsthand Impressions of the Civil War . New York: Hill and Wang, 2006.

Manning, Chandra. What This Cruel War Was Over: Soldiers, Slavery, and the Civil War . New York: Alfred A. Knopf, 2007.

McPherson, James M. What They Fought For, 1861&ndash1865 . Baton Rouge: Louisiana State University Press, 1994.

Mitchell, Reid. Civil War Soldiers . New York: Viking, 1988.

Sheehan-Dean, Aaron. Why Confederates Fought: Family and Nation in Civil War Virginia . Chapel Hill: University of North Carolina Press, 2007.

&mdash&mdash&mdash. The Vacant Chair: The Northern Soldier Leaves Home . New York: Oxford University Press, 1993.

Wiley, Bell Irwin. The Life of Billy Yank, the Common Soldier of the Union. Indianapolis: Bobbs-Merrill Press, 1952 reprint, Garden City, N.Y.: Doubleday, 1971.

&mdash&mdash&mdash. The Life of Johnny Reb, the Common Soldier of the Confederacy. Updated with a new introduction and a foreword by James I. Robertson Jr. Baton Rouge: Louisiana State University Press, 2008.

Robert H. Depriest. Letters, 1862&ndash1864. Accession 37726.
Letters, 1862&ndash1864, of Robert H. Depriest (1834&ndash1892) of Augusta County, Virginia, to his wife, Mary I. Depriest (1838&ndash1893), while he was serving in the 2nd Virginia Infantry. The letters relate to his service during the Civil War as a member of the Stonewall Brigade, and detail the activities of the regiment while stationed in Berkeley, Frederick, Hanover, Orange, Shenandoah, and Spotsylvania Counties. Depriest writes concerning troop movements and strength, rumors of his being killed at Gaines's Mill, his requests for a new detail, the prices of goods, deserters, the chances for peace, his family's farming activities at home, the death of his wife's mother, pay, furloughs, and visits from his wife's father, as well as the numbers killed, wounded, and taken prisoner during fighting. Depriest describes various battles in which he fought, including the confusion after the Battle of Kernstown, the fighting at the Second Battle of Winchester, the retreat after the Battle of Gettysburg, the buildup to Payne's Farm, and the retreat of his unit after the Spotsylvania Campaign.

George Hupman. Letters, 1862&ndash1864. Accession 38741.
Letters, 1862&ndash1864, of George Hupman of Company G, 89th New York Infantry, to his parents in Windsor, New York, discussing his health, news of his brothers Charles and Elias Hupman, including hearing of Elias Hupman's death camp life campaigns in Virginia and South Carolina, including the Battle of Fredericksburg, the Siege of Petersburg, the Mud March, and the shelling of Fort Sumter. He comments on the possibility of reenlisting and his dislike of his company's captain. He remarks on the need for conscription and criticizes conscripts who injure themselves rather than join the army. Also includes two letters from family members in Windsor, New York, detailing the effects of the Civil War on people in Windsor.

James A. Littlefield. Letters, 1860&ndash1867. Accession 37899.
Letters, 1860&ndash1867, written by James A. Littlefield of Greenwood, Oxford County, Maine, while he was serving with the 5th Maine Volunteers in Virginia. The letters are written to his cousin Martha Rice of Waterville, Kennebec County, Maine. Subjects include his plans to enlist, his stay in the hospital, the Battle of Bull Run and Brigadier General Irvin McDowell's censure after his defeat, Littlefield's trip home after his term of service expired, his reenlistment, and subsequent regrets at doing so. Also includes comments on Major General John Charles Frémont, Henry Wise's defeat at Roanoke Island and the capture of many Confederate prisoners, camp life, marching, and inspections, troop movements, weather, his viewing of the Monitor at Fortress Monroe, battle strategies, Major General George B. McClellan's removal from command, the mistreatment of privates, his opinions on Brigadier General Joseph Hooker, battles and skirmishes fought, the Battle of Big Bethel, and his encampment near Charlestown and Harpers Ferry.

William S. Tippett. Diaries, 1861&ndash1864. Accession 39949.
Diaries, 1861&ndash1864, written by William S. Tippett (b. 1837) of Wheeling, West Virginia. There are six volumes of diaries detailing his activities while serving with the 1st Regiment West Virginia Infantry Volunteers (3 months) and the First Virginia Infantry (3 years), including his imprisonment at Belle Isle Prison in Richmond. The diaries also contain accounts, lists of rations, and names of individuals on picket duty, as well as those wounded, sick, or killed, prisoners taken, camp life and activities, family news, marching and drilling exercises, descriptions of rations eaten, weather, illnesses, and news of Union victories. Also included are details of his unit's troop movements, as well as those of the Confederate army. Fighting at Philippi, Blues Gap, Romney, and the Battles at Winchester, Port Republic, Cedar Mountain, Rappahannock Station, Thoroughfare Gap, as well as the Second Battle of Bull Run, are documented.

John G. Wallace. Papers, 1840&ndash1910. Accession 41524.
Papers, 1861&ndash1865, of John G. Wallace (1840&ndash1910) of Norfolk County, Virginia, while serving as captain in the 61st Virginia Infantry. Includes accounts, certificates, vouchers, daybook, orders, ordnance records, receipts, regulations and instructions, published manuals and guides, clippings, clothing rolls, payrolls, muster rolls, and other items.


Assista o vídeo: Moje maszyny rolnicze