Pacotes da Primeira Guerra Mundial

Pacotes da Primeira Guerra Mundial

Em um vídeo do Mail Call, R. Ermey revela que além de todas as outras dificuldades que os soldados da Primeira Guerra Mundial tiveram de suportar, suas mochilas provaram ser outro aborrecimento. Homens da Sociedade Histórica da Grande Guerra amarraram as mochilas da Primeira Guerra Mundial e completaram alguns exercícios; no final, eles definitivamente sentiram a dor dos soldados da Primeira Guerra Mundial. A parte inferior da mochila, conhecida como fralda, era removível e carregava o cobertor dos soldados, a metade do abrigo e a metade do mastro e alfinetes. No cinto você encontrará munição, um kit de primeiros socorros, uma tampa de cantil e um cantil e um copo. Dentro das abas havia uma assadeira, uma lata de condimentos e caixas de rações de pão. Também dentro das abas havia toalha, saboneteira, kit de barbear, lenço, talco para os pés e meias extras. Presos do lado de fora estavam a baioneta, a pá, a ferramenta de abertura de valas e um kit de bagunça. Todo o peso da mochila recai inteiramente sobre os ombros dos soldados, tornando-a muito desconfortável. Se um soldado quisesse tirar alguma coisa de sua mochila, ele teria que parar, desfazer tudo, conseguir o que precisava e então empacotar tudo de volta. Devido à colocação da baioneta, a maioria dos soldados teria que mandar um amigo colocá-la de volta para eles.


O que a Primeira Guerra Mundial pode nos ensinar sobre o julgamento incorreto de tecnologia e mudança social

Ameaças globais como a pandemia de coronavírus estão transformando o mundo hoje. Uma verdade existencial emergiu: os avanços tecnológicos estão ultrapassando a capacidade política e a imaginação. Esta não é uma história nova

PRINCIPAIS RECONHECIMENTOS

Em 2020, condições tecnológicas e sociais desconhecidas oscilam sobre estruturas políticas ossificadas em um momento assustadoramente semelhante aos primeiros anos do século XX.

No século 19, as ferrovias remodelaram as economias, indústrias e culturas nacionais - com consequências mundiais. Na Europa, as rápidas mudanças tecnológicas foram adotadas como indicadores de progresso e celebradas em homenagem à maior glória dos próprios estados.

Hoje, os líderes mundiais têm dificuldade em compreender as complexas redes de forças sociais e tecnológicas que sustentam as bases da vida moderna. O desalinhamento entre nossa capacidade de governar e o ritmo alucinante das mudanças sociais e tecnológicas está crescendo a um ritmo alarmante.

A crescente complexidade e interconexão em torno das tecnologias de uso duplo - aquelas que podem ser usadas tanto para fins sociais benéficos quanto militares - aumentam o risco de confronto militar inadvertido. As luzes estão apagadas e as barreiras de entrada não são proibitivamente altas.

1920/2020 É um déjà vu de novo? (Crédito: Pierre-Paul Pariseau)

Em um dia comum de janeiro, há pouco mais de cem anos, a era do império na Europa chegou ao fim. Os estados colossais que governavam territórios vastos e multiétnicos com suprema autoconfiança repentinamente deixaram de existir. O fim do Império chegou com um estrondo, não um gemido, com certeza. Embora o Tratado de Versalhes, que entrou em vigor no início de 1920, tenha redesenhado o mapa da Europa, os grandes monarcas selaram seu próprio destino quando avançaram involuntariamente para o fogo da Grande Guerra. Sua morte demonstra o custo do erro de cálculo quando o ritmo e a escala da mudança tecnológica e social ultrapassam a capacidade política e a imaginação. Uma vez iniciada, a guerra prosseguiu de acordo com uma lógica brutal de escalada sangrenta e inesperada, culminando na destruição dos próprios Estados que presidiram a ascensão da Europa moderna. Ao refletirmos sobre a guerra um século depois, podemos nos surpreender ao descobrir que as semelhanças entre nosso tempo e aquele passado não tão distante são mais preocupantes do que as diferenças.

Ao longo do século XIX, o progresso científico e tecnológico avançou a tal ritmo que os órgãos dirigentes mal podiam compreender a enormidade da transformação do próprio solo sob seus pés. Eles foram embalados pela complacência por sua própria aparente imutabilidade. As mudanças dentro de seus reinos foram consideradas indicações de progresso e celebradas em homenagem à maior glória dos próprios estados. Escrevendo sobre a substituição de lâmpadas de rua a gás por iluminação elétrica, a rapidez inovadora das carruagens sem cavalos e a recém-descoberta capacidade de voar alto como Ícaro, o escritor vienense Stefan Zweig relata como “a fé em um 'progresso' ininterrupto e irresistível realmente teve a força de uma religião para aquela geração. Começamos a acreditar mais neste ‘progresso’ do que na Bíblia, e seu evangelho parecia definitivo por causa das novas maravilhas diárias da ciência e da tecnologia. ”

Ao longo do século XIX, o progresso científico e tecnológico avançou a tal ritmo que os órgãos dirigentes mal podiam compreender a enormidade da transformação do próprio solo sob seus pés. Eles foram embalados pela complacência por sua própria aparente imutabilidade.

O progresso tecnológico na Europa da virada do século pode parecer aos leitores modernos curiosos e inócuos. Hoje, afinal, as principais empresas competem para alcançar a supremacia quântica na computação, os líderes políticos entoam sombriamente que o domínio da inteligência artificial levará à dominação global e os bilionários do Vale do Silício olham para as estrelas - investindo imenso capital na produção de satélites e naves espaciais para extrair a riqueza mineral dos asteróides.

Assim como na Viena de Zweig, no entanto, os líderes mundiais de hoje têm dificuldade em compreender as complexas redes de forças sociais e tecnológicas que sustentam as bases da vida moderna. Bem acima de nossas cabeças, junto com os retransmissores de satélite fixos que fornecem comunicação face a face instantânea com qualquer pessoa, em qualquer lugar, em tempo real, estão satélites ocultos dos quais os estados dependem para receber e transmitir informações críticas aos submarinos, realizar vigilância e reconhecimento e fornecer monitoramento de alerta precoce para lançamentos de mísseis. Os satélites são um exemplo de tecnologia de “uso duplo”: ou seja, uma tecnologia que pode ser usada tanto para fins sociais benéficos quanto militares. Nesse sentido, não são diferentes das ferrovias do século XIX.

Seguro em casa Sentado na varanda da frente de sua casa, um soldado americano modela sua máscara de gás, ca. 1919. Usado pela primeira vez na Primeira Guerra Mundial pelos alemães na Segunda Batalha de Ypres em 1915, o gás cloro provou ser um meio eficaz de mirar nas trincheiras inimigas à distância. Após o ataque mortal de Ypres, o London Correio diário condenou a "implantação a sangue frio de todos os dispositivos da ciência moderna", trovejando, "Diabo, Teu nome é a Alemanha!" Em poucos meses, a Grã-Bretanha atacaria as trincheiras alemãs com gás na Batalha de Loos. (Crédito: Kirn Vintage Stock / Corbis via Getty Images)

As ferrovias se espalharam pelo continente europeu nos anos 1800 e, no processo, remodelaram as economias, as indústrias e as culturas nacionais. Sua onipresença se tornou um componente-chave do planejamento militar alemão - surpresa estratégica levando a uma vitória rápida - nos anos que antecederam a Primeira Guerra Mundial. Ao mobilizar e posicionar rapidamente milhares de soldados por meio da ferrovia, os estrategistas imperiais alemães acreditaram que poderiam entregar um golpe de nocaute para a França antes de virar para enfrentar o Império Russo em seu flanco oriental. Hoje, alguns estudiosos sugerem que o excesso de confiança em tecnologia de satélite e comunicações apresenta uma tentação semelhante para planejadores militares: o apelo sedutor do primeiro ataque, de um ataque surpresa repentino e avassalador. Considere, por exemplo, a confusão que resultaria de um ataque inesperado que desativasse os satélites militares de alerta usados ​​para detectar o lançamento de mísseis nucleares.

Se a história serve de guia, devemos estar atentos. Quando o ataque surpresa alemão contra a França foi repelido nas margens do rio Marne, a implantação de metralhadoras modernas - cujo uso era praticamente inexplicável na estratégia alemã do século 19 - exigiu a abertura de trincheiras para proteger as tropas de um ataque devastador. A frustração com a intransigência da guerra de trincheiras levou os generais a buscar vantagens por meios modernos. O cloro gasoso, recentemente sintetizado e manufaturado graças aos avanços nas ciências químicas, foi considerado um meio eficaz de atingir as trincheiras inimigas à distância. De repente, o que deveria ter sido um noivado muito rápido tornou-se uma ruptura para uma época.

James Acton, codiretor do Programa de Política Nuclear do Carnegie Endowment for International Peace, define o risco potencial de um confronto militar transbordar para uma escalada nuclear derivada da crescente complexidade e interconexão em torno de tecnologias de uso dual como um problema de emaranhamento. Acton escreve:

Em um conflito convencional, se as defesas dos EUA fossem eficazes na interceptação de mísseis russos não nucleares disparados contra alvos na Europa, a Rússia poderia atacar os satélites de alerta precoce dos EUA para embotar essas defesas.

No entanto, como tal ataque também degradaria a capacidade dos Estados Unidos de detectar ataques nucleares, Washington poderia interpretá-lo como o prelúdio de um ataque nuclear russo - potencialmente resultando em uma escalada.

O que diferencia o risco hoje daquele de um século atrás é que o emaranhamento pode ser inadvertido. O Exército Imperial Alemão de 1914 destinada para utilizar a tecnologia relativamente moderna das ferrovias para lançar um ataque surpresa. O ataque falhou devido a um erro de cálculo, resultando em uma sequência sombria e imprevista de escaladas em cascata que culminou na morte de 40 milhões de pessoas e no desaparecimento da grandeza imperial que ocupou a imaginação europeia por séculos. Hoje, tal série de eventos poderia ser iniciada sem que o primeiro tiro fosse disparado intencionalmente.

Vá mais fundo: “Can a New Generation of Experts Restore Nuclear Security?”

Isso porque, ao contrário de ferrovias e vagões de trem, os satélites são mais do que aparenta. Os próprios satélites são um fisica aspecto de um novo reino digital composto de uma miríade de relações quase impossíveis de rastrear, conexões e dependências. Embora um satélite orbitando muitos milhares de pés acima de nossas cabeças possa ser fisicamente desativado, por exemplo, por um míssil ou uma espaçonave (um cenário com o qual alguns estrategistas se preocupam), ele também pode ser invadido remotamente, monitorado, desativado ou assumido pelo mesmo teclado que pode ser usado para atacar uma torradeira de cozinha, um carro elétrico, uma rede elétrica municipal ou uma cabine de votação. Além disso, os satélites dependem invariavelmente de redes de outros sistemas para receber e processar os sinais que enviam, e esses sistemas trazem consigo seus próprios riscos e vulnerabilidades. Em outras palavras, satélites, como computadores de escritório, aviões, elevadores e ventiladores hospitalares, são tão seguros quanto os sistemas dos quais dependem. Se um determinado grupo não-estatal visasse um fornecimento de energia ou uma rede de telecomunicações, eles poderiam, não intencionalmente - ou intencionalmente - cegar um satélite de alerta precoce e, assim, precipitar uma crise nuclear entre os Estados.

Fica pior. As armas cibernéticas não são apenas invisíveis a olho nu, mas sua própria eficácia reside em sua ocultação: uma vez que um adversário fica ciente da existência de uma arma cibernética, uma defesa adequada pode ser rapidamente projetada e a arma efetivamente neutralizada. Ao contrário dos paradigmas anteriores de guerra, a ênfase absoluta na proteção do sigilo das operações cibernéticas torna extraordinariamente difícil para os estados concorrentes desenvolverem medidas de construção de confiança ou salvaguardas para proteção contra escalada inadvertida.

Na guerra cibernética, da maneira como é travada atualmente, não pode haver confiança nem veracidade. As regras da estrada são descobertas na hora, em combate, no escuro.

O controle de armas nucleares, por exemplo, depende da divulgação voluntária de recursos militares para funcionar de maneira eficaz, aumentando a compreensão mútua das capacidades e intenções de cada parte. O Tratado de Céus Abertos, atualmente em risco de ser vítima de desconfiança, permite que os estados realizem voos regulares de vigilância sobre o território adversário para observar os movimentos de tropas e arsenais de armas por si próprios. Foi precisamente essa capacidade de inspecionar a atividade dos parceiros do tratado que deu início a uma era de controle de armas e boa vontade cautelosa, informada pela fórmula concisa de Ronald Reagan: "Confie, mas verifique".

Leia mais histórias como esta no Carnegie Reporter revista.Inscreva-se hoje: é grátis!

Na guerra cibernética, da maneira como é travada atualmente, não pode haver confiança nem veracidade. As regras da estrada são descobertas na hora, em combate, no escuro. Para operar nesta arena mercurial, os Estados Unidos adotaram uma política de “engajamento persistente”. Alcançar e manter a superioridade do ciberespaço descreve o ciberespaço como um "ambiente fluido de contato constante e terreno móvel", em que a "inovação constante de tecnologias disruptivas oferece a todos os atores novas oportunidades de exploração". Este “roteiro” de abril de 2018 para o Comando Cibernético dos EUA (USCYBERCOM) afirma que “os Estados Unidos devem aumentar a resiliência, defender-se o mais próximo possível da origem da atividade adversária e contestar persistentemente os atores maliciosos do ciberespaço para gerar contínuos táticos, operacionais e vantagem estratégica. ”

Imagine o berço de um gato amarrado com arames termonucleares e enfiado entre os dedos de uma série de rivais, cada um dos quais busca ativamente minar e atacar os outros. As luzes estão apagadas e as barreiras de entrada não são proibitivamente altas. Qualquer parte com conhecimento de programação e capacidade de computação suficientes pode entrar na arena e pegar uma discussão. Além de seu picante, a imagem sugere um nível mais profundo de incerteza abaixo do técnico. Além do emaranhado de fios de arame, a complexidade e o risco da situação são agravados pela variedade de psicologias em jogo. Além de entender qual corda pode levar a qual efeito, há uma falta de compreensão de como os jogadores individuais podem interpretar qualquer ação específica.

Carnegie Voices: "Ainda vivemos com o risco de uma guerra nuclear"

Em um relatório de 2016 que buscou encontrar um terreno comum entre os Estados Unidos e a Rússia em relação à segurança cibernética, o Grupo de Trabalho de Harvard sobre o Futuro das Relações EUA-Rússia começou observando que os dois rivais nem mesmo usam a mesma terminologia para descrever a ameaça : “A Rússia enfatiza a 'segurança da informação internacional', enquanto os Estados Unidos acreditam que o cibercrime, a ciberespionagem e o ciberterrorismo são as principais ameaças neste domínio e, portanto, prefere o termo 'cibersegurança' e se concentra na proteção de redes e recursos de computadores.” O relatório presciente passou a destacar uma preocupação preocupante: crescente consternação no Kremlin de que sua dependência de um sistema global de redes de computadores interconectadas administradas de fora de suas fronteiras era uma ameaça à sua soberania, e que o país havia começado a buscar métodos para proteger em si, incluindo o desacoplamento total da Internet. Quatro anos depois, essa dissociação parece estar acontecendo.

Embora alguns desafios possam ser enfrentados com soluções tecnocráticas, outros estão enraizados em patologias mais nebulosas e difíceis de analisar. De acordo com o falecido historiador de Cambridge, C. A. Bayly, é o último que aciona a centrífuga da história. Ao discutir os “motores da mudança” nos séculos 19 e 20, Bayly identificou a guerra como o principal motivador, mas argumentou que, como quadro de análise, sua compra era limitada. Afinal, de onde vem a guerra? Fazendo um levantamento do século 20, ele observou que enquanto a guerra alimentava e era alimentada pela demanda por crescimento e expansão econômica, a direção do conflito em si era fornecida por identidades nacionais e extranacionais. “A carreira de Cecil Rhodes no sul da África, ou o projeto de construção das ferrovias Berlim-Bagdá ou Trans-Siberiana, foi em última instância dirigida por estados ou atores políticos que tentavam garantir [não apenas] sua riqueza, mas também sua identidade. ” No degelo da Guerra Fria, as energias gêmeas da globalização e a ascensão da Internet comprimiram o tempo e o espaço, elevando como nunca as pressões da aquisição de riqueza e identidade. Hoje, o exemplo por excelência da visão de Bayly pode ser encontrado na luta global pela Huawei, a empresa de telecomunicações apoiada pelo governo chinês.

Dentro da Huawei, Gigante da tecnologia da China Um engenheiro térmico realiza um teste de calor na área de pesquisa e desenvolvimento do campus Bantian da Huawei, Shenzhen, China, conforme capturado em um ensaio fotográfico publicado em U.S. News & amp World Report (12 de abril de 2019). “Embora seja bem-sucedido comercialmente e um jogador dominante em 5G, ou tecnologia de rede de quinta geração,” U.S. News escreve: "A Huawei enfrentou ventos contrários políticos e alegações de que seu equipamento inclui os chamados backdoors que o governo dos EUA considera uma ameaça à segurança nacional." (Crédito: Kevin Frayer / Getty Images)

A determinação com que os Estados Unidos têm buscado impedir seus aliados de adquirirem a infraestrutura de comunicações da Huawei demonstra seu reconhecimento de que os contornos do comércio e do engajamento social no século 21 serão determinados pelo código de computador que os encaminha. Na formulação sucinta de Lawrence Lessig de Harvard, “código é lei”. * Nas próximas décadas, à medida que mais e mais mercadorias físicas e processos sociais ficam online, esse código e rede se tornarão um tributário em expansão, canalizando um suprimento cada vez maior de humanos atividade: sapatos, geladeiras, termostatos, mas também funções de navegação na Internet e chat, acesso a arquivos e, não menos importante, telemedicina, planejamento logístico, tributação, energia e votação. Para lidar com o grande aumento no volume de tráfego da web resultante de tal expansão, precisaremos de serviços de rede e comunicação com capacidade muito aumentada. Em 2020, devido ao subinvestimento, não havia alternativa ocidental confiável para a Huawei, cuja ascensão e adoção em amplas áreas da Ásia e África, e agora na Europa, foram subsidiadas como um projeto nacional prioritário da República Popular da China.

Como as enormes transformações ocorridas no final do século 19 e no início do século 20 romperam as normas sociais e geraram novas demandas políticas, o declínio da propriedade de terras e das elites militares foram incapazes de se adaptar às novas circunstâncias. Desanimado por um mundo emergente em que sua estatura não era garantida, o ancien régime - variando do alemão junkers e nobres russos para aristocratas britânicos e franceses - procuraram em vão administrar movimentos sociais populares com retórica nacionalista e, em última instância, recrutamento. Devemos ter o cuidado de prestar atenção à falta de imaginação política para conceber ou acompanhar as grandes mudanças em andamento. O desalinhamento entre nossa capacidade de governar e o ritmo alucinante das mudanças sociais e tecnológicas cresce a um ritmo alarmante. Agitamos a imigração, como se um muro pudesse impedir uma pandemia. Nós esbanjamos fortunas cada vez maiores com nossos militares, enquanto os militares dos EUA são um dos maiores emissores de carbono deste planeta. Minamos e revogamos os tratados internacionais estabilizadores, à medida que a realidade se dissolve em quanta diante de nossos olhos. Os enredamentos se multiplicam pelo progresso inexorável da inovação tecnológica e científica. Aprendizado de máquina, enxames de drones autônomos letais, inteligência artificial e computação quântica ocupam um horizonte sombrio. Um clima sitiado continuará a desencadear conflagrações e catalisar distúrbios sociais, econômicos e políticos. Condições tecnológicas e sociais desconhecidas oscilam sobre estruturas políticas ossificadas em um momento assustadoramente semelhante aos primeiros anos do século XX. Chegou a hora de nos beliscar e perguntar se estamos sonhando. Se um passo em falso para nos acordar, poderíamos ansiar pelos dias de carruagens sem cavalos, máquinas voadoras e as "luzes fracas das ruas de outros tempos".

* Para o site Above the Law (12 de agosto de 2019), Olga V. Mack forneceu algum contexto para esta famosa frase: “[Q] uando Lessig usou a frase pela primeira vez, ele não tinha em mente seu uso contemporâneo. Lessig não argumenta que se o código do software permite uma ação, ela é necessariamente permitida. E ele definitivamente não argumenta que o software irá substituir a lei. ” Em vez disso, explica Mack, “quando ele escreveu que‘ código é lei ’, Lessig estava argumentando que a Internet deveria incorporar princípios constitucionais. Lessig astutamente observou desde o início que o software que sustenta a própria arquitetura e infraestrutura da Internet a governa como um todo. Mas quem decide quais são as regras do código? Quem são os arquitetos por trás dessas estruturas baseadas em código? Há uma falta de transparência óbvia e problemática. ”

Eugene Scherbakov é pesquisador associado do programa Internacional de Paz e Segurança da Corporação.

PRINCIPAL Publicado na Alemanha, provavelmente em 1915, este mapa satírico captura a Europa nos primeiros dias da Primeira Guerra Mundial, com cada país pintado na mais ampla das caricaturas. Por exemplo, a Inglaterra é representada como um oficial militar montado em um buldogue sobrecarregado, com navios de guerra a reboque. O urso russo, cercado por cenas de lutas civis, ataca um leão e uma águia de duas cabeças que se dirigem para a Áustria. A França é um soldado que foge das balas vindas do alpinista alemão com passos firmes. Enquanto isso, a Espanha cochila, Portugal fica atento aos sinais de guerra e a Itália se reclina, semi-nua. A risada logo pararia. (Crédito: Biblioteca do Congresso, Divisão de Impressos e Fotografias)


História da Primeira Guerra Mundial

A Primeira Guerra Mundial (WWI ou WW1), também conhecida como a Primeira Guerra Mundial, ou Grande Guerra, foi uma guerra global centrada na Europa que começou em 28 de julho de 1914 e durou até 11 de novembro de 1918. Mais de 70 milhões de militares, incluindo 60 milhões de europeus, foram mobilizados em uma das maiores guerras da história. [5] [6] Mais de 9 milhões de combatentes e 7 milhões de civis morreram como resultado da guerra (incluindo as vítimas de uma série de genocídios), uma taxa de baixas exacerbada pela sofisticação tecnológica e industrial dos beligerantes e o impasse tático causado pela guerra de trincheiras, um forma estafante de guerra em que o defensor tinha a vantagem. Foi um dos conflitos mais mortais da história e abriu caminho para grandes mudanças políticas, incluindo revoluções em muitas das nações envolvidas. [7]

A guerra atraiu todas as grandes potências econômicas do mundo, [8] reunidas em duas alianças opostas: os Aliados (com base na Tríplice Entente do Reino Unido / Império Britânico, França e Império Russo) e as Potências Centrais da Alemanha e Áustria -Hungria. Embora a Itália também tenha sido membro da Tríplice Aliança ao lado da Alemanha e da Áustria-Hungria, ela não se juntou às Potências Centrais, já que a Áustria-Hungria tomou a ofensiva contra os termos da aliança. [9] Essas alianças foram reorganizadas e expandidas à medida que mais nações entraram na guerra: Itália, Japão e Estados Unidos juntaram-se aos Aliados, enquanto o Império Otomano e a Bulgária juntaram-se aos Poderes Centrais.


Notas

1 Renate Stauf, Anette Simonis e Jörg Paulus, Der Liebesbrief. Schriftkultur und Medienwechsel vom 18. Jahrhundert bis zur Gegenwart (Berlim / Nova York: de Gruyter, 2008) 2, 6

2 Martyn Lyons, & quotLove Letters and Writing Practices: On Écritures Intimes in the Nineteenth Century, & quot Jornal de História da Família 24, No. 2 (abril de 1999): 232-39, aqui 232, 233.

3 Reinhard M. G. Nikisch, Apresentação (Stuttgart: Metzler Verlag, 1991) 43, 15.

4 Bettina Marxer, & quotLiebesbriefe, und was nun einmal so genannt wird & quot. Korrespondenzen zwischen Arthur Schnitzler, Olga Waissnix und Marie Reinhard: Eine literatur- und kulturwissenschaftliche Lektüre (Würzburg: Königshausen & amp Neumann, 2001), 2.

5 Das 44 cartas conservadas restantes de Franz Kundera, datadas de 22 de março de 1917 a 15 de dezembro de 1917, quase todas são a lápis e compostas em uma folha de papel de quatro faces. Eles estão hoje arquivados como NL 75 / I na & quotSammlung Frauennachlässe & quot (Coleção de Artigos Pessoais de Mulheres) no Departamento de História da Universidade de Viena cf. www.univie.ac.at/geschichte/sfn.

6 Evy L. Wyss, & quotFrom the Bridal letter to Online Flirting. Mudanças no tipo de texto do século XIX à era da Internet, & quot Journal of Historical Pragmatics 9, não. 2 (2008): 225-254, hier 232.

7 Estas são perguntas feitas a partir de projetos financiados pelo Austrian Science Fund (FWF) & quot (Über) Liebe schreiben? Historische Analysen zum Verhandeln von Geschlechterbeziehungen und -positionen em Paarkorrespondenzen des 19. und 20. Jahrhunderts & quot, gerido por Ingrid Bauer und Christa Hämmerle, de onde provêm as fontes disponíveis das cartas analisadas.

8 Só no Império Alemão havia até 28,7 bilhões de correspondências em circulação na Primeira Guerra Mundial, na França havia aparentemente 10 bilhões, ou seja, 4 milhões por dia.

9 Por exemplo, na França, Martha Hanna apontou em & quotA Republic of Letters: The Epistolary Tradition in France Durante a Primeira Guerra Mundial, & quot American Historical Review 108 (dezembro de 2003): 1338-61, esp. 1343-48.

10 Para a Itália Marco Mondini, & quotPapierhelden. Briefe von der Front während des Ersten Weltkrieges em Italien und die Schaffung eines männlich-kriegerischen Bildes, & quot em Schreiben im Krieg - Schreiben vom Krieg. Feldpost im Zeitalter der Weltkriege, Veit Didczuneit, Jens Ebert e Thomas Jander, eds. (Essen: Klartext Verlagsgesellschaft, 2011), 185-92.

11 Cfr. por exemplo, Wyss, & quotFrom the Bridal Letter & quot.

12 Fac-símile da certidão de casamento, emitida por Pfarre Kritzendorf, distrito Tulln, registo de casamento Tom. L. Fol 135, 29 de setembro de 1919, gentilmente encaminhado por Roman Stani-Fertl.

13 Manfried Rauchensteiner, Der Erste Weltkrieg und das Ende der Habsburgermonarchie 1914-1918 (Wien: Böhlau, 2013), 836.

14 Rauchensteiner, Der Erste Weltkrieg, 849.

15 Uma criatura parecida com uma fera, folclore comum nos países alpinos, que vem punir crianças no Natal.

16 Martin Humburg, Das Gesicht des Krieges. Feldpostbriefe von Wehrmachtsoldaten aus der Sowjetunion 1941-1944 (Opladen: Westdeutscher Verlag, 1998), 62.

17 Cécile Dauphin, Pézerat Pierrette e Danièle Poublan (éds.), Ces Bonnes Lettres. Une correspondance familiale au XIXe siècle (Paris: Albin Michel, 1995), desenvolvido a partir do conceito de Philippe Lejeunes de & pacto quotautobiográfico & quot.


Retratando a Primeira Guerra Mundial: América & # 039s First Official War Artists, 1918-1919

Os Estados Unidos entraram na Primeira Guerra Mundial quando declararam guerra à Alemanha em 6 de abril de 1917. O governo prontamente estabeleceu um Comitê de Informação Pública para coordenar a propaganda do esforço de guerra. A Divisão de Publicidade pictórica do comitê logo começou a planejar fornecer artistas oficiais à Força Expedicionária Americana (AEF). Este foi um movimento sem precedentes, inspirado pelos programas oficiais de arte de guerra da Grã-Bretanha e da França. Nunca antes da Primeira Guerra Mundial nenhum artista patrocinado pelo governo registrou uma guerra em andamento, embora os artistas de jornais e revistas tivessem começado a fazê-lo em meados do século XIX. A Divisão selecionou oito artistas americanos, todos ilustradores experientes. O Exército dos Estados Unidos os comissionou como capitães e os designou para registrar as atividades abrangentes da AEF para a posteridade, bem como para ajudar a moldar a compreensão popular da guerra em casa.

Na primavera de 1918, os artistas estavam na França, ocupados trabalhando. Tanto o alto comando americano quanto o francês deram aos artistas carta branca para viajar para onde quisessem na zona de guerra e desenhar o que quer que viessem. Eles aproveitaram ao máximo sua liberdade para criar imagens de homens, máquinas e paisagens, desde os portos de desembarque até as linhas de frente. No final, eles produziram mais de 700 esboços, desenhos e pinturas. Seu trabalho se enquadrava em quatro grandes categorias: paisagens de guerra, que retratavam paisagens devastadas e edifícios danificados, geralmente com pouca ou nenhuma presença humana, vida de soldado e atividades, tanto no trabalho quanto em repouso por trás das linhas de tecnologia e engenharia militar, com particular atenção a essas novidades como tanques, aviões e veículos motorizados, bem como as bases logísticas e de combate da AEF.

O Departamento de Guerra transferiu aproximadamente 500 das obras dos artistas para o Smithsonian Institution imediatamente após a guerra. Eles estavam em exibição no Museu Nacional durante a década de 1920, junto com uma série de outras relíquias de guerra. Mas, desde então, a maior parte da arte nunca mais saiu do armazenamento. A Divisão de História das Forças Armadas do Museu Nacional de História Americana agora mantém esta coleção de arte oficial da AEF da Primeira Guerra Mundial. Este grupo de objetos, com imagens digitalizadas de alta resolução da obra de arte, disponibiliza toda a coleção ao público para o pela primeira vez desde que foi retirado da exibição no final dos anos 1920 e permite que os visitantes vejam por si mesmos como foi a Primeira Guerra Mundial para as pessoas que a vivenciaram e os artistas encarregados de desenhá-la.


A Segunda Guerra Mundial foi travada na forma de batalhas físicas e também de guerra psicológica. Os artefatos sobreviventes das linhas de frente dessas lutas fornecem uma janela sobre como a Segunda Guerra Mundial foi travada. Esses planos de aula são baseados em Detetives de história episódios que examinam como vários objetos desempenharam um papel fundamental na Segunda Guerra Mundial, particularmente o papel do Japão e dos japoneses na guerra. Eles oferecem aos alunos oportunidades de pesquisar e escrever sobre os campos de internamento japoneses, a guerra aérea e a propaganda.

Os alunos assistem a um trecho da investigação japonesa Carved Cane em que aprendem sobre os campos de internação japoneses nos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Em seguida, eles criam jornais retratando a vida nos campos e nas comunidades americanas típicas da época.

Os alunos aprendem sobre aviões de combate usados ​​durante a Segunda Guerra Mundial por meio da investigação do Drone Propeller e, em seguida, debatem se esse tipo de tecnologia deve ou não ser usado na guerra militar.

Os alunos assistem a um trecho da investigação dos Folhetos da Segunda Guerra Mundial, no qual aprendem sobre os folhetos de propaganda distribuídos no Japão pelos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Em seguida, analisam os cartazes de propaganda do período.

Reproduzíveis relacionados:

Padrões McRel

Essas lições estão alinhadas com os Padrões Nacionais McRel. Eles também podem ser alinhados aos Padrões Nacionais de História.

  • Planos de aula
    • Abraham Lincoln: Homem contra Lenda
    • História Afro-americana: Pacote de Atividades
    • História afro-americana: escalando o muro
    • História afro-americana: homenageados como heróis
    • História Afro-americana: Balcão de almoço fechado
    • Baker & # 39s Gold
    • Histórico do Cardboard
    • Guerra Civil: Pacote de Atividades
    • Guerra Civil: Antes da Guerra
    • Guerra Civil: Negros no campo de batalha
    • Guerra Civil: Face Jug
    • Resolva o caso: história e mistérios mais difíceis dos anos 39
    • Cromwell Dixon
    • Avaliando evidências conflitantes: Sultana
    • História da Família: Pacote de Atividades
    • História da família: em sua honra
    • História da Família: Aqueles com Ideais Elevados
    • História da família: tesouros
    • Lar Doce Lar
    • Invenções
    • Mito do Oeste: Pacote de Atividades
    • Mito do Oeste: Kit Carson para o Resgate
    • Mito do Oeste: Solitário, mas livre, serei encontrado
    • Myth of the West: The Battle of the Washita
    • Fontes primárias
    • The Sixties: Activity Pack
    • The Sixties: Dylan Plugs in and Sells Out
    • The Sixties: Hitsville USA
    • The Sixties: Notes from the Ho Chi Minh Trail
    • Think Like a Historian: A Viewing Guide
    • Using Primary Sources: Activity Pack
    • Using Primary Sources: Nazi Spy Ring Busted
    • Using Primary Sources: The Rogue's Gallery
    • Using Primary Sources: Wide Open Town
    • Women's History: Activity Pack
    • Women's History: Clara Barton
    • Women's History: Glass Windows & Glass Ceilings
    • Women's History: Parading Through History
    • WWII: Activity Pack
    • WWII: Detained
    • WWII: The Art of Persuasion
    • WWII: Up in the Air
    • 1000 Words
    • Before We Travel, We Research
    • Cemetery Information
    • Classificação
    • Conceptualizing An Experiment
    • Document This
    • Going Back In Time
    • Interviewing A Parent
    • Observing
    • Recursos online
    • Predicting/Making a Hypothesis
    • Researching An Historical Site
    • Caça ao tesouro
    • Searching The Attic
    • Taking A Field Trip
    • Testing The Hypothesis
    • Who Knows Best
    • Writing An Historical Poem
    • Written In Stone

    Support Your Local PBS Station: Donate Now

    Terms of Use | Política de privacidade | © 2003 - 2014 Oregon Public Broadcasting. Todos os direitos reservados.


    The delicate "war laces" of World War I

    "War" and "lace" are not often part of the same sentence. However, laces made in Belgium during World War I are an exception. About 50 of these form an important part of the lace holdings of the Division of Home and Community Life's Textile Collection. While they aren't currently on display, you can explore them in a new online object group.

    But why are Belgian-made laces in the collection of the National Museum of American History? There are several connections. At the outbreak of World War I in 1914, Herbert Hoover, who later became the 31st president of the United States, was a wealthy mining engineer living in London. After helping thousands of Americans who found themselves stranded and penniless in Europe, he was asked to set up the Commission for Relief in Belgium (CRB). The main goal was to help feed the starving Belgians. When the German army invaded Belgium (a neutral country) in August 1914 in preparation to invade France, the British navy blockaded Belgium's harbors in order to cut off German supply lines. However, Belgium depended on imports for 80% of their food supply, and with the blockade in place it could not import any food for its citizens. Hoover was able to negotiate with the British and Germans to let food be delivered to the Belgian people.

    Besides the all-important food shipments, Britain and Germany reached an agreement allowing the importation of thread and the exportation of lace made with the thread. This effort helped thousands of Belgian lace makers earn money for food for their families. The laces were ordered, inspected, and sold through the London office of the CRB.

    Lou Henry Hoover was very active with her husband in helping with this effort. Mrs. Hoover utilized her skills as an organizer to establish a hospital in London, which was supported and staffed by American volunteers, and also organized a knitting factory in London. She also showed a keen interest in preserving the Belgian lace industry, which had been well established and world famous since the sixteenth century. She saw an opportunity to help the Belgian people through the lace making skills of the many Belgian lace makers.

    Exploring the laces, certain types emerge.

    In addition to Lou Henry Hoover, Americans heavily involved in helping the Belgian lace makers included Mrs. Brand Whitlock (née Ella Brainerd), wife of the American envoy and later ambassador to Belgium. The allied nations table cover below expresses gratitude from the Belgian lace makers toward Mrs. Whitlock. The Vicomtesse de Beughem (née Irene or Irone Hare), an American married to a Belgian nobleman and living in Belgium, was part of the Lace Committee, specifically working with the lace makers under the CRB. The vicomtesse donated many of the laces in this collection, and possibly commissioned examples like this panel for her mother, Augusta Virginia Hancock Hare Mitchell.

    Now that the War Laces are viewable online, we continue to learn interesting things about them.

    The design of the above lace border was specifically made to appeal to Dutch women for their bonnets. A single repetition of the pattern measures half an "el," the old length for a bonnet. As it was wartime, people saved on luxuries so instead of using an el, approximately 69 cm (depending on the area), some only bought half an el. When the budget allowed it, they could use two pattern repeats of the lace to decorate the bonnets. The way the motif is finished, it was easily inserted into the linen of the bonnet.

    Karen Thompson is a Volunteer in the Division of Home and Community Life's Textile Collection. To learn more about Belgian lace makers in World War I, she recommends Charlotte Kellogg's Bobbins of Belgium, Funk & Wagnalls Company, 1920. She also recommends our blog post about embroideries made by women in France during the war.


    World War I: Introduction

    The State of Delaware maintains an extensive collection of World War I era objects under the stewardship of the Division of Historical and Cultural Affairs . The World War I collection consists of military gear, uniforms, medals, Red Cross related items including attire, personal letters, postcards, books, photographs, advertisements and sound recordings.

    The collection also includes 27 World War I propaganda posters that were artfully designed to encourage Americans to support and participate in the Great War. The vibrant colors and details utilized on each poster were meant to convey the American patriotic spirit. Because the posters are fragile and light sensitive, they require specialized handling and storage to ensure the best museum standard of care. This fragility limits visitors and researchers from being able to view these unframed works of art.

    To allow a larger audience to see and to enjoy the World War I posters in the state’s collections, the concept of this online exhibit, Drawing America to Victory: The Persuasive Power of the Arts in World War I , was developed. This online exhibit was not intended to document the entire history of the Great War. Rather, it highlights the war efforts in the United States and the persuasive power of the propaganda posters that indeed served to energize Americans.

    Drawing America to Victory ‘s themes are derived from the topics presented through the graphics and wording on the propaganda posters. The online exhibit also includes selected World War I era objects from the State’s collection as a means of emphasizing the social and economic conditions at the time of the Great War.

    All objects viewed in this online exhibit, unless otherwise noted, are from the collections of the State of Delaware, administered by the Division of Historical and Cultural Affairs.


    How Three Doughboys Experienced the Last Days of World War I

    Sgt. Harold J. Higginbottom. 2nd Lt. Thomas Jabine. Brigadier General Amos A. Fries. When these three U.S. servicemen heard the news about the armistice ending the First World War, they were in three very different circumstances. Their stories, told below in an excerpt from Theo Emery’s Hellfire Boys: The Birth of the U.S. Chemical Warfare Service and the Race for the World’s Deadliest Weapons, offer a window into how the war was still running hot until its very last hours. While Emery’s book details the rapid research and development of chemical weapons in the U.S. during the war and the young men in the First Gas Regiment, it also connects readers to the seemingly abstract lives of 100 years ago.

    Daylight was fading on November 8 as Harold “Higgie” Higginbottom and his platoon started through the woods in the Argonne. Branches slapped their faces as they pushed through the undergrowth. Their packs were heavy, and it began to rain. There was no path, no road, just a compass guiding them in the dark. Whispers about an armistice had reached all the way to the front. “There was a rumor around today that peace had been declared,” Higgie wrote in his journal. If there was any truth to it, he had yet to see it. Rumors of peace or no, Company B still had a show to carry out. Its next attack was some 15 miles to the north, in an exposed spot across the Meuse River from where the Germans had withdrawn. The trucks had brought them partway, but shells were falling on the road, so the men had to get out of the open and hike undercover.

    They waded across brooks and swamps and slithered down hills, cursing as they went. Some of the men kept asking the new lieutenant in charge where they were going. One man fell down twice and had trouble getting back up the other men had to drag him to his feet. They found a road the mud was knee deep. Arching German flares seemed to be directly overhead, and even though the men knew that the Meuse River lay between the armies, they wondered if they had somehow blundered into enemy territory. Water soaked through Higgie’s boots and socks. When they finally stopped for the night, the undergrowth was so dense it was impossible to camp, so Higgie just rolled himself up in his tent as best he could and huddled on the hillside.

    Hellfire Boys: The Birth of the U.S. Chemical Warfare Service and the Race for the World’s Deadliest Weapons

    As gas attacks began to mark the heaviest and most devastating battles, these brave and brilliant men were on the front lines, racing against the clock-and the Germans-to protect, develop, and unleash the latest weapons of mass destruction.

    Higgie awoke the next morning in a pool of water. He jumped to his feet, cursing. Mud was everywhere, but at least in daylight they could see their positions and where they were going. He carried bombs up to the advance position, returned for coffee, then made another carry, sliding in the mud. More of the company joined them in carrying mortars up to the front. Higgie had begun to feel better—the hike had warmed him up, and he had found a swell place to camp that night, a spot nestled among trees felled by the Germans. Everyone was cold and wet and caked in mud, but at least Higgie had found a dry spot. When he went to bed, the air was so cold that he and another man kept warm by hugging each other all night.

    When the frigid morning of November 10 arrived, some of the men lit pieces of paper and tucked them into their frozen boots to thaw them out. Higgie made hot coffee and spread his blankets out to dry. Late that night, the 177th Brigade was going to ford the Meuse, and Higgie’s company was to fire a smoke screen to draw fire away from the advancing infantry.

    Elsewhere, the Hellfire Regiment had other shows. At 4:00 p.m., Company A shot phosgene at a machine-gun position, forcing the Germans to flee. That night, Company D fired thermite shells over German machine-gun positions about six miles north of Higgie and put up a smoke screen that allowed the Fourth Infantry to cross the Meuse. Higgie rolled himself up in blankets to sleep before the show late that night. But his show was canceled, the infantry forded the river without the smoke screen, and Higgie couldn’t have been happier. He swaddled himself back up in his blanket and went back to bed.

    Higgie was dead asleep when a private named Charles Stemmerman shook him awake at 4:00 a.m. on November 11. Shells were falling again, and he wanted Higgie to take cover deeper in the forest. Their lieutenant and sergeant had already retreated into the woods. Higgie shrugged off the warning. If the shells got closer, he would move, he told the private. Then he turned over and went back to sleep.

    He awoke again around 8:00 a.m. The early morning shell barrage had ended. In the light of morning, an impenetrable fog blanketed the forest, so dense that he couldn’t see more than ten feet around him. He got up to make breakfast and prepared for the morning show, a mortar attack with thermite.

    Then the lieutenant appeared through the mist with the best news Higgie had heard in a long time. All guns would stop firing at 11 o’clock. The Germans had agreed to the Armistice terms. The war had ended. Higgie thought in disbelief that maybe the lieutenant was joking. It seemed too good to be true. He rolled up his pack and retreated deeper into the woods, just to be on the safe side. They had gone through so much, had seen so many things that he would have thought impossible, that he wasn’t going to take any chances now.

    To the southeast, Tom Jabine’s old Company C was preparing a thermite attack on a German battalion at Remoiville. Zero hour was 10:30 a.m. With 15 minutes to go, the men saw movement across the line. The company watched warily as 100 German soldiers stood up in plain view. As they got to their feet, they thrust their hands into their pockets—a gesture of surrender. An officer clambered up out of the German trench. The Americans watched as he crossed no-man’s-land. The armistice had been signed, the German officer said, and asked that the attack be canceled. Suspecting a trap, the Americans suspended the operation but held their positions, just in case. Minutes later, word arrived from the 11th Infantry. It was true: The armistice had been signed. The war was over.

    Hundreds of miles away, the sound of whistles and church bells reached Tom Jabine as he lay in his hospital bed in the base in Nantes, where he had arrived a few days earlier. For days after a mustard shell detonated in the doorway of his dugout in October, he had lain in a hospital bed in Langres, inflamed eyes swollen shut, throat and lungs burning. After a time, the bandages had come off, and he could finally see again. He still couldn’t read, but even if he could, letters from home had not followed him to the field hospital. The army had not yet sent official word about his injuries, but after his letters home abruptly stopped, his family back in Yonkers must have feared the worst.

    In early November, the army transferred him to the base hospital in Nantes. Not a single letter had reached Tom since his injury. He could walk, but his eyes still pained him, and it was difficult to write. More than three weeks after he was gassed, he had been finally able to pick up a pen and write a brief letter to his mother. “I got a slight dose of Fritz’s gas which sent me to the hospital. It was in the battle of the Argonne Forest near Verdun. Well I have been in the hospital ever since and getting a little better every day.”

    When the pealing from the town spires reached his ears, he reached for pen and paper to write to his mother again. “The good news has come that the armistice has been signed and the fighting stopped. We all hope this means the end of the war and I guess it does. It is hard to believe it is true, but I for one am thankful it is so. When we came over I never expected to see this day so soon if I ever saw it at all,” he wrote. Now, perhaps, he could rejoin his company and go home. “That seems too good to be true but I hope it won’t be long.”

    Amos Fries was at general headquarters in Chaumont when the news arrived. Later in the day, he drove into Paris in his Cadillac. Shells had fallen just days earlier now the city erupted in celebration. After four years of bloodshed, euphoria spilled through the city. As Fries waited in his car, a young schoolgirl wearing a blue cape and a hood jumped up on the running board. She stuck her head in the open window and blurted to Fries with glee: “La guerre est fini!” — The war is over! — and then ran on. Of all the sights that day, that was the one Fries recounted in his letter home the next day. “Somehow that sight and those sweet childish words sum up more eloquently than any oration the feeling of France since yesterday at 11 a.m.”

    As the city roiled in jubilation, a splitting headache sent Fries to bed early. The festivities continued the next day Fries celebrated with a golf game, then dinner in the evening. “Our war work is done, our reconstruction and peace work looms large ahead. When will I get home? ‘When will we get home?’ is the question on the lips of hundreds of thousands.”

    Like the turn of the tide, the movement of the American army in the Argonne stopped and reversed, and the men of the gas regiment began retreating south. Hours earlier, the land Higginbottom walked on had been a shooting gallery in a firestorm. Now silence fell over the blasted countryside. For Higgie, the stillness was disquieting after months of earthshaking detonations. He still couldn’t believe the end had come. The company loaded packs on a truck and started hiking to Nouart, about 14 miles south. They arrived in the village at about 5:30 p.m. Higgie went to bed not long after eating. He felt ill after days of unending stress and toil. But he couldn’t sleep. As he lay in the dark with the quiet pressing in around him, he realized that he missed the noise of the guns.

    He awoke in the morning to the same eerie stillness. After breakfast, he threw his rolled-up pack on a truck and began the 20-mile hike back to Montfaucon. Everything seemed so different now as he retraced his steps. Everything was at a standstill. Nobody knew what to make of things. They arrived at Montfaucon after dark. The moon was bright and the air very cold with a fierce wind blowing. The men set up pup tents on the hilltop, where the shattered ruins of the village overlooked the valley. A month before, German planes had bombed the company as they camped in the lowlands just west of Montfaucon, scattering men and lighting up the encampment with bombs. For months, open fires had been forbidden at the front, to keep the troops invisible in the dark. Now, as Higgie sat on the moonlit hilltop, hundreds of campfires blazed in the valley below.


    Postcards of World War I

    Of all the types of material contributed to the Veterans History Project, World War I-era postcards are among my favorites. Postcards sent and kept by veterans are striking in their documentation of World War I and early 20 th century life. They not only depict images of European cities and landscapes, but also include scenes of camp life, battles and even death. The following postcards top my list.

    Postcard depicting a soldier receiving a shave. Philip E. Scholz Collection. Veterans History Project, AFC/2001/001/00864.

    Philip E. Scholz, who served in France with the 332 nd Machine Gun Battalion, collected several humorous postcards depicting camp life. One shows a soldier receiving a shave in a field with other soldiers and a wagon in the background. The inscription reads, “No hot towels here.”  While the light tone may have been an attempt to ease the minds of the recipients, the image demonstrates that camp life was (and is) an integral part of the soldier’s military service.

    Postcard depicting soldiers in a trench during a gas attack. Philip E. Scholz Collection. Veterans History Project, AFC/2001/001/00864.

    A second postcard in the Scholz collection stands in stark contrast to the first one. The black and white image shows soldiers in trenches, wearing gas masks, with an unknown white substance flowing over their heads. The inscription further solidifies the imagery: “Fighting a Gas Attack.”  The use of gas is mentioned in several World War I collections. Most veterans refer to the discomfort of having to wear a gas mask. Another veteran discusses a cough he developed due to a gas attack. Postcards such as this one, depicting battles and death, are a departure from the common use of postcards as pleasant souvenirs of relaxing vacations.

    Photo postcard depicting Philip Scholz (right) with three fellow soldiers. Philip E. Scholz Collection. Veterans History Project, AFC/2001/001/00864.

    Along with traditional postcards, the Scholz collection also includes photographs of the veteran. These photographs are actually “real photo postcards,” also known as RPPCs, and were produced on postcard stock.[i]

    Back of photo postcard depicting Philip Scholz with three fellow soldiers. Philip E. Scholz Collection. Veterans History Project, AFC/2001/001/00864.

    While most will focus on the image, the back of these items illustrates an interesting component of the postcard market during World War I. They allowed soldiers to send home a personalized souvenir to their families. As clearly seen here, the item is labeled as a “Post Card,” with sections for correspondence, an address and a stamp.

    “A Kiss From France” silk postcard. Henry Trollinger McNutt Collection. Veterans History Project, AFC/2001/001/90141.

    By far, my favorite type of World War I postcard is the silk postcard. Soldiers prized these beautiful and artistic items and they were not cheap. [ii] Known as “World War I Silks,” they were typically made of embroidered silk, and were heavily produced from 1914-1919.[iii] I really like the one above from the Henry Trollinger McNutt collection. Sent by McNutt to his girlfriend, the postcard includes a blue peacock, nine embroidered Allied Powers flags and the inscription, “A Kiss From France.”

    Postcard from Edgar D. Andrews to his father [12/24/1917]. Edgar D. Andrews Collection. Veterans History Project, AFC/2001/001/103623.

    Nothing like this in the town where I am.

    Postcards, much like oral histories, letters, memoirs and photographs, play a critical role in telling World War I veterans’ stories. They provide information on location, popular designs and general sentiment, with the occasional message from the veteran. Most importantly, they represent a piece of history for their families, and for themselves.

    Bibliografia

    [ii] Read, Fergus, “Embroidered Silk Postcards,” Imperial War Museums, August 1, 2017, http://www.iwm.org.uk/history/first-world-war-silk-postcards.  http://www.iwm.org.uk/history/first-world-war-silk-postcards

    [iii] Read, Fergus, “Embroidered Silk Postcards,” Imperial War Museums, August 1, 2017, http://www.iwm.org.uk/history/first-world-war-silk-postcards.  http://www.iwm.org.uk/history/first-world-war-silk-postcards

    One Comment

    Philip Scholz was my Great-Grandfather. I just came across all his letters, papers, photos ect. while cleaning out my Grandparents house today. It’s a shock and surprise to find these here. I know my Grandmother submitted a lot of his story and items to preserve the history of it all.

    Adicione um comentário

    Este blog é regido pelas regras gerais do discurso civil respeitoso. Você é totalmente responsável por tudo o que você postar. O conteúdo de todos os comentários é liberado para o domínio público, a menos que seja claramente declarado o contrário. A Biblioteca do Congresso não controla o conteúdo postado. No entanto, a Biblioteca do Congresso pode monitorar qualquer conteúdo gerado pelo usuário conforme escolher e se reserva o direito de remover o conteúdo por qualquer motivo, sem consentimento. Links gratuitos para sites são vistos como spam e podem resultar na remoção de comentários. Além disso, nos reservamos o direito, a nosso exclusivo critério, de remover o privilégio de um usuário de postar conteúdo no site da Biblioteca. Leia nossa Política de Comentários e Publicação.


    Assista o vídeo: Filmagens da Primeira Guerra Mundial