Por que os prisioneiros preferem Alcatraz

Por que os prisioneiros preferem Alcatraz


Cronograma de Atividades Diárias

06:30: Apito da manhã. Os presos se levantam, arrumam as camas, colocam todos os artigos na ordem prescrita na prateleira, limpam a pia e o vaso sanitário, enxugam as barras, varrem o chão da cela, dobram a mesa e o assento contra a parede, se lavam e se vestem.

06:45: Os guardas designados para o serviço de refeitório tomam suas posições de modo a observar os prisioneiros saindo das celas e se preparando para marchar para o refeitório com eles. Os guardas supervisionam o serviço e os assentos de seus comandados dão o sinal para começar a comer e o sinal para se levantar depois de comer.

06h50: Segundo apito da manhã os presos ficam em pé junto à porta voltados para fora e ali permanecem até o apito, momento em que fazem a contagem os tenentes e os guardas das celas de ambos os turnos. Quando a contagem está correta, o tenente ordena que as células sejam desbloqueadas.

06:55: Sinal de apito dado pelo vice-diretor ou tenente, todos os presos saem de suas celas e ficam de frente para o refeitório. Após o segundo apito, todos os presos em cada nível se aproximam em uma única fila sobre o homem chefe.

07:00: Terceiro sinal de apito nível inferior direito do bloco três (Bloco C), e orelha esquerda inferior do bloco dois (Bloco B), avance para o refeitório, cada linha é seguida por sua vez pela segunda e terceira camada, a seguir pela camada inferior no lado oposto de seu bloco, seguida pela segunda terceira camada do mesmo lado. A fila do bloco três avança para o refeitório, mantendo-se à esquerda do centro do refeitório, o bloco dois avança ao mesmo tempo, mantendo-se à direita. Ambas as linhas seguem para a mesa de serviço, a linha da direita servida da direita e ocupa as mesas da direita, a linha da esquerda para a esquerda, etc. À medida que cada homem é servido, ele se sentará diretamente com as mãos ao lado do corpo até o apito ser dado para o primeiro detalhe para começar a comer. Vinte minutos permitidos para comer. Quando terminam de comer, os prisioneiros colocam suas facas, garfos e colheres nas bandejas - a faca da esquerda, o garfo no centro e a colher do lado direito da bandeja. Eles então se sentam com as mãos ao lado do corpo. Depois que todos os homens terminam de comer, um guarda vai até cada mesa para ver se todos os utensílios estão em seus devidos lugares. Ele então retorna à sua posição atribuída.

7h20: Ao sinal do Vice-Diretor, o primeiro destacamento em cada fila se levanta e segue para a porta de entrada dos fundos da cela para o pátio de recreação. Os detalhes internos, ou aqueles não atribuídos a nenhum detalhe, prossigam com seus trabalhos ou células.

07:25: Os guardas e seus detalhes saem na seguinte ordem através dos portões:

  1. ) Lavanderia
  2. ) Alfaiataria
  3. ) Loja de sapateiros
  4. ) Loja de modelos
  5. ) Todas as outras lojas
  6. ) Jardinagem e detalhes de mão de obra

Os guardas passam pelos portões traseiros e ficam em frente ao portão traseiro. Lá eles contam os prisioneiros que passam pelo portão em fila única e fazem a contagem com o guarda do portão traseiro. O detalhe pára na frente dos degraus da estrada de nível inferior. O guarda os encara à direita e segue para as lojas, mantendo-se por trás de seu destacamento. Ao chegar na frente das lojas, o detalhe se mantém e fica voltado para a entrada da loja.

07:30: O encarregado da loja conta seu destacamento quando a fila entra na loja e imediatamente liga a contagem para o tenente do relógio. Ele também assina o recibo de contagem e o entrega ao tenente que faz seu primeiro turno.

07h30: O guarda do portão traseiro elabora um comprovante de contagem detalhado, liga para o tenente do relógio, assina e prossegue com ele para o escritório do tenente.

09h30: Período de descanso durante o qual os homens podem fumar nos locais permitidos, mas não podem se aglomerar.

09:38: O capataz ou o guarda dá sinal de apito para que todos os homens de cada andar das lojas se reúnam em um determinado ponto e sejam contados, voltando imediatamente ao trabalho. Essa assembléia é feita rapidamente, a contagem é escrita em um pedaço de papel, assinado pelo capataz ou guarda, e depois entregue ao tenente que fará sua próxima rodada.

11h30: Os prisioneiros param de trabalhar e se reúnem em frente às lojas. A contagem é feita pelo capataz ou guarda. O capataz telefona para a contagem e assina o recibo de contagem, entregando-o ao guarda, que prossegue com o destacamento para o portão traseiro e verifica o seu destacamento com o guarda do portão traseiro.

11h35: No pátio de recreação, a fila do refeitório é imediatamente formada na mesma ordem que pela manhã. Os detalhes seguem nas mesmas linhas para o refeitório.

11h40: A rotina do jantar é a mesma do café da manhã, exceto no final do jantar, quando os detalhes seguem imediatamente para as celas.

12h00: Contagem de celas ao meio-dia, os guardas de serviço permanecem na frente das celas até que os prisioneiros sejam encerrados na contagem feita.

12h20: Desbloqueie e proceda da mesma forma que antes de ir para o café da manhã. Exceto que os prisioneiros marcharam em uma única fila para o pátio, o bloco de celas número três (C) primeiro. Os detalhes da loja aparecem novamente na frente de seus guardas.

12h25: os detalhes são verificados no portão traseiro da mesma forma que pela manhã.

12h30: Os detalhes entram nas lojas e são contados pelo capataz e pelo guarda. Os procedimentos são iguais aos das 07:30.

14h30: Período de descanso o procedimento e a contagem são os mesmos da manhã.

16h15: o trabalho interrompeu o procedimento e a contagem é igual às 11h30.

16:20: Prisioneiros no portão, com contagem.

16h25: Os prisioneiros marcharam para o refeitório, com o conde.

16h45: Os prisioneiros voltaram para suas celas.

17h00: Contagem em pé nas celas pelos turnos dos tenentes e dos guardas da cela.

20h00: Contagem nas células.

12:01: contagem por tenentes e homens da cela de ambos os turnos.

03:00: contagem nas células.

05:00: contagem nas células.

Um total de 13 contagens oficiais são feitas a cada 24 horas. Além disso, o supervisor da loja faz seis contagens de verificação. As rotinas de domingo e feriados exigem horários próprios, com tempo reservado para cortes de cabelo, chuveiros, troca de roupas e recreação. Quanto à barba, os prisioneiros eram obrigados a tirar os bigodes três vezes por semana.

** Consulte as Regras e Regulamentos de Alcatraz para horários de recreação dos presidiários.


O dispositivo de travamento operado por embreagem que pode ser configurado por oficiais para abrir grupos ou células individuais.



Um oficial prepara mesas no refeitório de Alcatraz.

Uma cela típica em Alcatraz em março de 1956. Esta é a cela de um dos vários prisioneiros autorizados a perseguir pinturas a óleo.


A Assombração de Alcatraz

Localizada na Baía de São Francisco, a Prisão Federal de Alcatraz funcionou de 1934 a 1963 e foi considerada a prisão mais forte da América. Alcatraz também é considerado um dos lugares mais assombrados dos Estados Unidos.

Podcast de morbidologia

Morbidology é um podcast semanal de crimes verdadeiros criado e hospedado por Emily G. Thompson. Usando pesquisa investigativa combinada com áudio primário, Morbidology analisa em profundidade os casos de crimes reais em todo o mundo.

A Ilha de Alcatraz, ou The Rock, era o lar de uma prisão federal de segurança máxima conhecida como Penitenciária Federal de Alcatraz. Localizada na Baía de São Francisco, a prisão funcionou de 1934 a 1963 e foi considerada a prisão mais forte da América. Alcatraz também é considerado um dos lugares mais assombrados dos Estados Unidos.

Na década de 1850, os militares construíram uma fortaleza na rocha e este foi o local de trabalho dos trabalhadores que não chegaram às minas de ouro. Muitas vidas foram perdidas durante a fase de construção. No final de 1800 e no início de 1900, a Ilha de Alcatraz foi usada para abrigar líderes tribais do Arizona e do Alasca. Eventualmente, a Ilha de Alcatraz se tornou uma prisão. No início, era uma prisão militar, mas em 1934, tornou-se uma prisão federal - Penitenciária Federal de Alcatraz. Dizia-se que era impossível escapar de Alcatraz. Aqueles que tentaram escapar foram mortos a tiros, morreram enquanto tentavam atravessar a corrente fria e forte, ou foram forçados a se render ou serem mortos. 1 Ao longo dos anos, um total de 36 prisioneiros fizeram 14 tentativas de fuga, 23 foram recapturados, seis foram mortos a tiros, dois se afogaram e cinco estão listados como “desaparecidos e supostamente afogados”. As tentativas de fuga mais notáveis ​​foram a tentativa de maio de 1946, que ficou conhecida como Batalha de Alcatraz, e a tentativa de junho de 1962. Durante a Batalha de Alcatraz, dois oficiais correcionais e três prisioneiros foram mortos. Dois dos prisioneiros sobreviventes envolvidos na tentativa de fuga foram mais tarde executados por seu envolvimento. Na fuga de junho de 1962, três prisioneiros escaparam de suas celas. Embora eles - ou seus corpos - nunca tenham sido encontrados, o FBI constata que eles se afogaram nas águas geladas da Baía de São Francisco quando tentaram fugir da ilha.

Alcatraz foi projetado para manter prisioneiros que causaram problemas em outras prisões, incluindo alguns dos criminosos mais hediondos e implacáveis ​​da América. Era uma “prisão de último recurso” para prender aqueles que não tinham chance de reabilitação. Era o lar do pior dos piores e, ao longo dos anos, 1.576 assassinos, mafiosos e tudo o mais chamado de lar de Alcatraz. 2 Provavelmente, o recluso mais infame foi Al Capone, que cumpriu pena de quatro anos. Alguns outros prisioneiros notáveis ​​incluem Doc Barker, George “Machine Gun” Kelly, Robert “Birdman of Alcatraz” Stroud e Floyd Hamilton. O tempo de serviço foi especialmente difícil porque a paisagem urbana de São Francisco os lembrava da liberdade que haviam perdido. George DeVincenzi, guarda de Alcatraz de 1950 a 1957, disse que a proximidade com as luzes brilhantes e a vida de São Francisco levou os prisioneiros à loucura. “Iates circulavam a ilha, e os homens no terceiro nível dos blocos C e B podiam ver meninas em biquínis bebendo coquetéis”, disse ele. “Estava tão perto, mas tão longe ...” Só podemos imaginar a frustração que um presidiário sentiu ao contemplar o horizonte da cidade ou o pôr do sol sobre a lendária Golden State Bridge. A prisão foi fechada em março de 1963 devido a altos custos operacionais e custos orçados. Além disso, desenvolveu uma má reputação ao longo dos anos. “Alcatraz nunca foi ruim para ninguém”, disse Gregory Johnson, o vigia noturno.

Hoje, Alcatraz se tornou um dos maiores destinos turísticos dos Estados Unidos. Os turistas agora se aglomeram no local que os prisioneiros anseiam por fugir. A cada ano, cerca de 1,4 milhão de turistas pegam a balsa do Pier 41 em Fisherman’s Wharf para a Ilha de Alcatraz para visitar uma das prisões mais temidas do mundo. Alguns visitam para aprender sobre a história da prisão e seus ocupantes, enquanto outros visitam na esperança de vislumbrar algo misterioso. Com uma história tão violenta e trágica, é fácil ver por que Alcatraz é supostamente assombrada.

Os locais mais assombrados em Alcatraz seriam a Casa do Diretor, o hospital, a lavanderia e o bloco C, onde vários prisioneiros morreram durante a tentativa de 1946. De acordo com investigadores paranormais, prisioneiros e guardas semelhantes, o bloco de celas D que era confinamento solitário & # 8211 é o local com a maior atividade paranormal. Diz-se que o ar no bloco de celas D é substancialmente mais frio do que no resto da prisão. Assim que a porta sem janelas foi fechada nessas celas, o recluso foi envolvido em completa escuridão e silêncio. Um ex-guarda da prisão disse que quando um prisioneiro foi enviado para o bloco de celas D, eles gritaram incontrolavelmente assim que a porta bateu atrás deles e tudo o que puderam ver foi a escuridão total. Muitos prisioneiros alegaram que não estavam sozinhos nessas celas e que muitas vezes viam olhos brilhantes dentro da cela com eles. Houve um certo prisioneiro que se queixou de ver olhos brilhantes e gritou durante toda a noite. De manhã, ele foi encontrado morto com estrangulamento em seu pescoço. John Banner, que esteve preso em Alcatraz por quatro anos, lembra do barulho do vento noturno, até hoje. “Ficar acordado, ouvindo aquele vento, tentando manter a sanidade que me restava, sempre pensei na brutalidade daquela prisão ...”, ele relembrou.

Células de confinamento solitário em Alcatraz.

Os guardas da prisão inicialmente riram das alegações de fantasmas. No entanto, alguns começaram a experimentar atividades paranormais eles próprios, eles ouviram sons bizarros e sentiram dedos invisíveis tocando-os. O primeiro diretor ainda disse que durante a realização de uma excursão, ele ouviu uma mulher chorando, mas quando ele olhou para a fonte do choro, não havia nenhuma mulher ali. Erik Novencido trabalhou como vigia noturno por 10 anos depois que Alcatraz fechou suas portas. Uma noite, ele disse que tirou uma foto dentro da sala de eletrochoque para mostrar aos amigos que estavam curiosos sobre seu trabalho. Quando ele revelou o filme, a fotografia mostrava um rosto na sala olhando de volta para ele. “Às vezes, eu ficava dominado pelo medo”, disse ele. Gregory Johnson, outro vigia noturno de Alcatraz, disse: "Não consigo imaginar estar aqui à noite sem minha arma". 3 Embora trabalhar em Alcatraz durante a noite seja particularmente assustador, durante o dia pode ser tão assustador. O guarda florestal veterano, Craig Glassner, disse que teve medo durante o dia, enquanto estava em Alcatraz: "Uma vez em um local isolado, eu ouvi‘ whooooo, whoooooo ’, como alguém soprando em uma grande garrafa de Coca", disse ele. “Eu pensei,‘ Devo correr? ’Então vi que era o vento soprando nas escoras de uma cerca. Isso realmente me assustou. ” Mary McClure, que passou 12 anos trabalhando no turno noturno em Alcatraz, disse: “Muitas vezes, à noite na cela, tive a nítida sensação de ser beliscada na bunda”.

Prisioneiros e guardas não são os únicos que experimentaram algo inexplicável. Os visitantes afirmam ter ouvido sons estridentes misteriosos, choro e gritos ao longo de seus passeios pela prisão. Em 2014, a turista britânica Sheila Sillery-Walsh afirmou ter capturado a fotografia de um espírito enquanto visitava Alcatraz. Quando ela olhou para uma das salas de espera de visitação, ela tirou uma fotografia. A fotografia mostra uma figura fantasmagórica olhando pela janela de vidro da porta. & # 8220Quando olhei para a foto no meu celular, vi esta figura feminina escura na foto. Olhei para a janela novamente e não havia ninguém na sala ”, disse Sillery-Walsh ao Daily Mail. & # 8220Desse ponto em diante, eu não estava mais interessado na turnê de Alcatraz. Fiquei olhando para a foto várias vezes. & # 8221 Outro turista que visitou Alcatraz nos anos 90 estava convencido de que viu o fantasma de Robert Stroud, o Homem-Pássaro de Alcatraz. “Quando Debra e eu chegamos à cela do Homem-Pássaro, ouvimos canários cantando”, disse Walter Zaheely. “E então vimos um velho sentado na cama, lendo um livro.” 4

Indiscutivelmente, o fantasma mais infame de Alcatraz é o de Al Capone ... Enquanto seu corpo jaz em um túmulo modesto no cemitério Mt. Carmel em Hillside, Illinois, seu espírito ainda se esconde dentro das paredes de Alcatraz. Durante seu confinamento em Alcatraz, Al Capone estava em estágios avançados de sífilis; ele costumava alegar que era assombrado pelos fantasmas de suas vítimas e balbuciava e chorava em sua cela. 5 Al Capone encontrava conforto em seu banjo e ficava sentado em sua cama tocando por horas. À medida que a sífilis lentamente consumia seu cérebro e ele se tornava cada vez mais irracional, os guardas da prisão frequentemente o ouviam implorar por misericórdia ao fantasma de James Clark, uma das vítimas do massacre do S. Valentim. Ele passou o último trecho de sua sentença de prisão na enfermaria de Alcatraz. Após sua libertação, companheiro mafioso, Jake Guzik disse que ele era "mais maluco do que um bolo de frutas". Em 1969, um guarda florestal disse a um investigador paranormal que uma música misteriosa de banjo às vezes pode ser ouvida emanando da velha cela de Al Capone e do banheiro onde ele costumava praticar.

Acredite ou não nos contos paranormais de Alcatraz, não há como negar que a ilha tem uma história fascinante. Alcatraz ainda oferece passeios noturnos para aqueles que estão se sentindo mais aventureiros. Assombrada? Talvez ... Escuro e assustador? Definitivamente. Se você visitar e experimentar algo inexplicável, não deixe de nos avisar!


Sobrinho da Geórgia de Alcatraz Fuga Mantém sua história viva

LEESBURG, Geórgia. (CW69 News at 10 / CNN / Albany Herald) & # 8212 Cada família tem uma "história", e Widner ouvia sobre o legado de seus tios - John e Clarence Anglin - desde que ele tinha idade suficiente para entender sobre o que os adultos estavam falando. Mesmo aos 11 anos de idade, ele proclamou que contaria a "história real" sobre a fuga de seus tios da prisão de Alcatraz.

Além disso, havia todos aqueles agentes do FBI que sempre estavam por perto.

“Acho que foi isso que me convenceu mais do que tudo a contar a história dos meus tios”, disse Widner ao comemorar o recente aniversário de 11 de junho da fuga de John e Clarence Anglin e do companheiro de prisão Frank Morris da prisão que havia sido proclamada inevitável. “Em todos os lugares que íamos quando éramos jovens, havia agentes do FBI por perto. Eles vieram à nossa casa, eles nos seguiram, eles ouviram todos os nossos telefonemas. ”

É a história em que se baseia o filme “Escape From Alcatraz”, estrelado por Clint Eastwood.

Widner, sua mãe Marie e seu irmão Ken assumiram a tarefa de arquivar a história dos irmãos Anglin nos anos seguintes, e foram esses esforços que convenceram Ken e David a participar de dois projetos muito recentes e marcantes que contam a história de um fuga ousada que capturou a imaginação do país, tornou os irmãos Anglin e Morris heróis populares e confundiu o escalão superior da aplicação da lei por 58 anos.

David e Ken, que contribuíram para vários documentários sobre a fuga de seus tios, foram essenciais para a realização do surpreendente - e extremamente bem feito - documentário do History Channel "Alcatraz: The Search for the Truth", e David Widner se juntou a O renomado autor Michael Esslinger escreverá "Escaping Alcatraz: The Untold Story of the Maior Prison Break in American History".

“Havia muito escrito sobre a fuga, mas uma das coisas que realmente me impressionou foi como J. Edgar Hoover e o FBI tentaram convencer a todos que, enquanto meus tios e Frank Morris conseguiram sair da prisão em Alcatraz, eles nunca chegaram ao continente ”, disse Widner. “O FBI ficou envergonhado por não ter sido capaz de encontrar (os fugitivos), então eles tentaram convencer a todos de que os três morreram nas águas ao redor de Alcatraz.

“Nós, é claro, coletamos evidências que diziam o contrário e acho que, ao longo dos anos, convencemos a todos de que o que o FBI disse não era verdade.”

Já na década de 1860, Alcatraz foi utilizada como uma instalação de encarceramento, abrigando soldados insolentes que comemoravam a morte do presidente Lincoln na América pós-Guerra Civil. No final do século, a ilha continuou a servir ao que as autoridades consideravam seu propósito legítimo: um lugar para trancar os homens.

Um quartel disciplinar foi construído na ilha de 22 acres localizada na Baía de São Francisco em 1912 e, na década de 1920, a estrutura de três andares estava em plena capacidade. Com sua localização a 2 km de São Francisco e do continente da Califórnia, Alcatraz - conhecida como The Rock - aparentemente ganhou sua reputação de ser à prova de fuga. A estrutura foi oficialmente inaugurada como uma penitenciária federal em 1934, e abrigava alguns dos criminosos mais notórios do país, homens como Al Capone, Metralhadora Kelly, James “Whitey” Bulger, Mickey Cohen, Ellsworth “Bumpy” Johnson e o famoso “Homem-Pássaro de Alcatraz”, Robert Stroud, que foi confinado ao The Rock para pagar por seus crimes.

A cada prisioneiro foi dito a mesma coisa quando ele veio para Alcatraz: não há como escapar.

“Recebemos cartas de alguns dos prisioneiros, homens como Whitey Bulger, e eles nos disseram que, quando você chegou a Alcatraz, disseram que tubarões patrulhavam as águas ao redor da ilha”, disse Widner. “Existem alguns tubarões nessas águas - alguns tubarões-brancos foram vistos lá - mas a maioria se alimentava do fundo. Foi apenas mais uma tática de susto para impedir os prisioneiros de pensarem em fugir. ”

Um homem - Joseph Bowers - tentou escapar em 1935, mas todas as evidências indicam que ele era um prisioneiro suicida (ele tentou se matar uma vez na prisão) que levou um tiro antes mesmo de chegar à água ao redor da ilha. Ele se tornou pouco mais do que uma nota de rodapé na história da prisão. Dois outros, Ted Cole e Ralph Roe, conseguiram entrar na água em uma noite de nevoeiro e, embora houvesse histórias sobre a dupla aparecendo mais tarde na América do Sul, a maioria das testemunhas diz que os prisioneiros morreram nas águas ao redor da ilha.

O que eles fizeram, entretanto, foi colocar dúvidas sobre a invulnerabilidade da Rocha.

John e Clarence Anglin faziam parte de uma família de 14 crianças que cresceram pobres nas pequenas comunidades de Donalsonville e Colquitt no sul da Geórgia antes de se mudarem para Ruskin, no centro da Flórida. Eles e seu irmão mais velho Alfred, que desempenharia um papel fundamental na história de fuga dos irmãos, cansaram da escola e começaram o que se tornaria uma vida de pequenos crimes. Curiosamente, os meninos Anglin ao longo dos anos desenvolveram uma grande habilidade para escapar de qualquer instituição que os prendesse.

Por volta das 10h do dia 17 de janeiro de 1958, o trio, usando uma arma de brinquedo, roubou o Banco de Columbia no Alabama, levando consigo cerca de US $ 18.000. Mas cinco dias depois, eles foram presos em Ohio. Os três se declararam culpados e foram condenados a uma prisão federal em Atlanta, mas como o estado do Alabama pode ser condenado à morte por assalto a banco, os Anglins foram transferidos para lá e julgados novamente por seu crime.

John Anglin foi preso na Penitenciária Federal em Lewisburg, Pensilvânia, enquanto Clarence foi enviado para a Prisão dos Estados Unidos em Leavenworth, Kan. Após a descoberta de uma tentativa de fuga planejada, John Anglin foi transferido para Leavenworth, onde se reuniu com Clarence. Quando a dupla teve uma tentativa de fuga frustrada, os irmãos foram transferidos para Alcatraz. Eles chegaram ao The Rock em 18 de janeiro de 1960.

“Meus tios não eram bandidos, estavam apenas desesperados”, disse Widner. “Mesmo quando roubaram o banco, eles usaram uma arma de brinquedo, e quando um dos funcionários do banco desmaiou, eles se certificaram de que ele tinha água e estava bem antes de sair. Mas porque nenhuma prisão jamais foi capaz de detê-los, eles foram transferidos para Alcatraz. ”

Quando os irmãos Anglin foram transferidos para Alcatraz, o diretor de Leavenworth deu alguns conselhos a seu homólogo na famosa ilha: mantenha os irmãos Anglin separados. Mas o diretor de Alcatraz, Olin Blackwell, ignorou a sugestão e colocou os Anglins em celas adjacentes. Ao longo de seu tempo na ilha, eles conheceram outros presidiários Frank Morris, que tinha um QI de nível genial, Allen Clayton West, Cohen, Thomas Kent, Clarence Carnes, Woodrow Wilson Gainey, Johnson e Red Winhoven. Muitos dos que investigaram a famosa fuga da prisão dizem que cada um desses homens desempenhou um papel no planejamento e na ajuda aos Anglins e Morris na execução de seu plano de fuga.

Os Anglins e Morris, que usaram habilidades de costura que aprenderam na prisão para fazer dispositivos pessoais de flutuação e um bote salva-vidas com capas de chuva roubadas, conseguiram cavar em torno de aberturas em suas celas usando colheres, uma reminiscência da fuga de Tim Robbins no filme altamente considerado “Shawshank Redemption”. Eles também adquiriram tintas que usaram em pinturas impressionantes da namorada de John Anglin e sua irmã, que os ajudaram a criar cabeças de boneco realistas com sabão em barra que colocaram em suas camas para enganar os guardas. Os manequins também tinham cabelos de verdade que os Anglins haviam retirado secretamente da barbearia da prisão.

Também foi utilizada na fuga uma sanfona, um instrumento semelhante a um acordeão cujo fole foi usado para inflar o equipamento de flutuação.

Depois de rastejarem pelos estreitos buracos que cavaram em suas celas, os Anglins e Morris seguiram até o telhado da prisão e desceram por um cano de esgoto para chegar ao terreno da prisão. Eles conseguiram prender seus dispositivos de flutuação feitos por eles mesmos a um dos barcos que traziam guardas de e para a ilha, basicamente pegando uma carona em águas abertas. A partir daí, a história assume um ar de mistério, mas um policial no continente relatou ter visto um pequeno barco flutuando suspeitamente no porto na noite da fuga. Alguns sugeriram que Cohen deixou o barco para os fugitivos, e Johnson alegou que ele era o responsável.

Em qualquer caso, depois de uma caça ao homem massiva que durou meses e envolveu oficiais da prisão, agências de aplicação da lei da área e o FBI, os Anglins e Morris se tornaram heróis folclóricos, inspirando tudo, desde “avistamentos” por todo o país a uma canção - “A Milha e um quarto ”& # 8230 a distância para o continente - pelo artista country Sonny James. Os guardas da prisão foram punidos, a segurança foi aumentada e a população carcerária de Alcatraz foi encorajada.

Com o fechamento da prisão então iminente, mais dois prisioneiros - John Paul Scott e Darl Dee Parker - usando táticas semelhantes às dos Anglins e Morris, escaparam de Alcatraz apenas seis meses após a ousada fuga do trio e chegaram ao continente vivo. No entanto, eles foram capturados e devolvidos à prisão.

A MORTE DE ALFRED ANGLIN

Um dos aspectos mais assustadores do documentário do History Channel sobre a fuga de Alcatraz foi a história paralela de Alfred Anglin. Cumprindo pena em uma prisão no Alabama e, segundo todos os relatos, um prisioneiro modelo, Alfred morreu dias antes de ser elegível para liberdade condicional quando, segundo autoridades da prisão do Alabama, ele foi eletrocutado enquanto tentava escapar.

“Houve uma reunião de família com o tio Alfred apenas alguns dias antes em uma mesa de piquenique no terreno da prisão”, disse Widner. “Estamos agora convencidos de que a conversa‘ privada ’foi grampeada. Alfred falou sobre John e Clarence e disse que sabia onde eles estavam. Sempre acreditamos que o tio Alfred foi espancado até a morte por funcionários da prisão que tentavam encontrar a localização dos irmãos. ”

Em "Alcatraz: Search for the Truth", os oficiais do US Marshals concordaram em exumar o corpo de Alfred Anglin para tentar determinar se ele foi realmente espancado até a morte. Em troca, David e Ken Widner concordaram em fornecer amostras de DNA para provar (ou refutar) os ossos que foram encontrados na baía de São Francisco eram de John e / ou Clarence Anglin, como sugerido pelo FBI.

A horrível exumação de Alfred Anglin, cujo corpo estava em "condições primitivas" após anos de sepultamento, não mostrou evidências do tipo de abuso físico que a família pensava ser provável, mas as amostras de DNA oferecidas pelos Widners provaram definitivamente que os ossos que foram descobertos não eram de nenhum dos irmãos Anglin fugitivos.

“Ainda achamos que algo foi feito ao tio Alfred”, disse Widner. “O legista de Tampa disse que sua morte não foi causada por eletrocução.”

Muitas das evidências da vida pós-fuga dos irmãos Anglin reveladas no documentário vieram de uma conversa com o amigo de longa data da família Fred Brizzi, um conhecido contrabandista de drogas. Ele indicou que os irmãos estavam realmente vivos e no Brasil. Ele deu fotos da família Anglin, uma das quais foi exaustivamente examinada por um especialista em reconhecimento facial que considerou que a foto era de fato dos irmãos Anglin.

“Sabemos que os irmãos fugiram e moraram na América do Sul”, disse Widner. “Sei de ocasiões em que eles vieram à América para visitar a família. Não tenho dúvidas de que eles escaparam da prisão e viveram suas vidas. ”

Widner, por sua vez, disse que tem outros projetos possíveis sobre a Grande Fuga em andamento. Uma área que ele disse que gostaria de perseguir é investigar a vida de seus tios na América do Sul para ver se eles tinham famílias e se há parentes sobreviventes.

“Há um grande interesse na fuga dos meus tios e vamos explorar isso mais a fundo”, disse David Widner, que mora em Leesburg. “A história deles é incrível, e ouço pessoas de todo o mundo que ainda estão fascinadas por ela anos depois.

“Tornou-se parte do trabalho da minha vida documentar e contar a verdadeira história do que aconteceu em Alcatraz. É parte de mim, parte de quem eu sou. Eu nunca vou desistir até que toda a história seja contada. "

© 2020 CBS Broadcasting Inc. Todos os direitos reservados. A CNN e o Albany Herald contribuíram para a história.


Fortaleza Alcatraz

Fortaleza Alcatraz
A notoriedade de Alcatraz como penitenciária ofusca seu uso anterior e prolongado pelo Exército. Surpreendentemente, esta pequena ilha já foi o forte mais poderoso a oeste do rio Mississippi.

A Baía de São Francisco é o maior porto natural da Costa Oeste da América. A corrida do ouro de 1849 transformou São Francisco de um vilarejo sonolento de 300 habitantes em uma cidade em expansão - e um prêmio tentador para possíveis invasores estrangeiros. Os primeiros planos do Exército eram para fortes em cada lado da Golden Gate, com Alcatraz como defesa secundária. No entanto, Alcatraz tornou-se um forte principal quase imediatamente, quando surgiram grandes obstáculos para a construção de um forte no lado norte da Golden Gate.

As primeiras defesas de São Francisco, onze canhões, foram montadas em Alcatraz em 1854. No início de 1860, Alcatraz tinha 111 canhões. Alguns eram enormes, disparando uma bola de quinze polegadas e pesando 450 libras. As defesas incluíam uma fileira de posições de armas fechadas com tijolos, chamadas casamatas, para proteger o cais, um portal fortificado ou Sally Port para bloquear a estrada de entrada e uma cidadela de três andares no topo da ilha. Isso servia tanto como quartel armado quanto como última linha de defesa.

Ironicamente, embora tenha sido construída para proteger contra uma invasão estrangeira, o período militar mais importante de Alcatraz foi durante a Guerra Civil, 1861-1865. Como era o único forte concluído na baía, era vital para proteger São Francisco dos invasores confederados. No início da guerra, dez mil rifles foram transferidos de um arsenal próximo para Alcatraz, para evitar que fossem usados ​​por simpatizantes do sul. A tripulação de um corsário confederado estava entre os primeiros prisioneiros da ilha.

Houve alguma modernização limitada das defesas da ilha após a Guerra Civil. Canhões com rifles foram montados. Em 1854, cerca de 450 minas subaquáticas eletricamente controladas foram trazidas para a ilha para proteger a baía. No entanto, à medida que as naves de inimigos em potencial se tornavam cada vez mais poderosas, as defesas se tornavam cada vez mais obsoletas. Em 1907, Alcatraz deixou oficialmente de ser uma fortaleza e tornou-se no Pacific Branch, U.S. Military Prison.

Prisão Militar
O uso da Ilha de Alcatraz como prisão começou em dezembro de 1859 com a chegada da primeira guarnição permanente. Onze desses soldados foram confinados no porão de Sally Port. O Exército reconheceu que a água fria (53 F) e as correntes rápidas em torno de Alcatraz tornavam-no um local ideal para uma prisão e, em 1861, o posto foi designado prisão militar para o Departamento do Pacífico - a maior parte do território a oeste do Montanhas Rochosas.

The prison population grew during the Civil War with the addition of prisoners from other army posts, the crew of a Confederate privateer, and civilians accused of treason. The Sally Port's basement was filled, then one of the gun rooms, and a wooden stockade was built just to the North of the Sally Port.

During the next three decades additional buildings were erected just north of the Sally Port to house up to 150 Army prisoners. These provided hard labor for construction projects both on and off the island. At various times "rebellious" American Indians were also held on Alcatraz. The largest group was nineteen Hopi, held in 1895.

The Spanish-American War of 1898 increased the size of the Army enormously, and the prison population also grew. A prison stockade, known as the "Upper Prison" was hastily built on the parade ground and by 1902 there were 461 prisoners on the Island. In 1904 the upper prison stockade was expanded to house 300 inmates, and the lower prison buildings near the Sally Port were used for other purposes.

With modern weaponry making Alcatraz more and more unsuitable as a fort, in 1907 the Army dropped plans to mount new guns, and instead designated the island "Pacific Branch, U.S. Military Prison." The next year, with plentiful prison labor available, work began on the Cellhouse which still stands today. Completed in 1912 with 600 single cells, each with toilet and electricity, the Cellhouse was the largest reinforced concrete building in the world.

In 1915 Alcatraz was changed from a military prison to "Pacific Branch, U.S. Disciplinary Barracks." The new name reflected the growing emphasis on rehabilitation as well as punishment. Prisoners with less serious offenses could receive training, education, and an opportunity to return to the Army. Prisoners convicted of serious crimes were not given these chances, and were discharged from the Army when their sentences were completed.

During the great depression of the 1930s military budgets were cut, and the Army was considering closing the Disciplinary Barracks - a perfect match for the Justice Departments desires for a super prison for incorrigible prisoners.


The Escape Plan

The plan for the escape was quite simple, but the means to pull it off were nearly impossible. They would need the perfect coordination of the whole team to make it work.


This was not the first escape attempt of this kind. Over 30 inmates had tried to escape Alcatraz island over the years and none had succeeded. What would make this attempt any different?


ALCATRAZ’S MOST DANGEROUS INMATES

Alcatraz Island, just 2 kilometres off the coast of San Francisco, is an infamous sight in the bay. This military prison, turned federal penitentiary, housed some of the country’s most notorious criminals. 1,576 inmates did time on The Rock from 1934 until the 1960s. Here’s our list of the sinister six - Alcatraz’s most dangerous inmates:

Alvin Karpis

An official public enemy number one and part of a formidable 1930s crime gang of robbers, hijackers and kidnappers, Karpis was the group’s leader with a photographic memory. Legend says he was captured by FBI director J. Edgar Hoover himself and sentenced to life imprisonment on Alcatraz for ten murders, six kidnappings and a robbery. He was the last of the depression-era criminals to be caught and served the longest sentence - 26 years - of any Alcatraz prisoner. Arthur Barker, another member of the gang, was also in Alcatraz and was part of a disastrous break out, during which he was shot and killed.

Canadian-born criminal of Lithuanian descent, known for being the leader of the Barker–Karpis gang.

Capone was involved in crime from a young age and later became an infamous gangster and criminal mastermind. At the same time he had political connections and was known for helping the poor and needy. However, public opinion turned against him after the St Valentine’s Day Massacre and his capture became a priority for the new President Hoover. Five years later he was sent to Atlanta Jail where he manipulated the system, bribing the guards to receive home comforts. He was later transferred to Alcatraz where he led a very different and harsher existence.

Alphonse Gabriel Capone circa 1930 - Also known by the nickname 'Scarface'.

George 'Machine Gun' Kelly

A prohibition gangster, Kelly became a bootlegger in an effort to avoid financial hardship. He then met and fell in love with another outlaw, Kathryn Thorne, and under her influence he became increasingly notorious and earned his 'Machine Gun' moniker. His downfall was the kidnap and ransom of an oil tycoon, for which he and other gang members received life sentences. When he was sent to prison, he told the press that he would escape and break out his wife in time for Christmas. The authorities took him seriously and he was sent to Alcatraz instead. He didn’t make it home for Christmas.

The 1933 kidnap and ransom of oil tycoon, Charles F. Urschel, secured Kelly and his gang $200,000.

The Birdman of Alcatraz

Robert Stroud, the Birdman of Alcatraz, was surely the prison’s most famous inmate. He even had a film made about him, which earned Burt Lancaster an Oscar nomination. Stroud was imprisoned for murdering a bartender who had allegedly owed money to a prostitute that Stroud was pimping. When jailed, he was a violent prisoner, eventually stabbing a prison guard. Whilst on death row his sentence was commuted. He was put into solitary confinement where he developed an interest in canaries, having found one injured on the prison grounds. He later bred and studied them, eventually publishing books on the subject. He found his way to Alcatraz after guards from his previous prison found some of his ornithological equipment was being used to brew alcohol. He spent 17 years there – six in segregation – without his birds, spending his time writing and illustrating books.

Burt Lancaster received an Oscar nomination for his portrayal of Stroud in the 1962 film 'Birdman of Alcatraz'.

Roy Gardner

A notorious criminal who was as well known for his success at breaking out of jail, the eventual reason he found himself transferred to Alatraz in the first place. He escaped from McNeil Island prison in the 1920s, was recaptured and sent to Atlanta, where he continued to hatch plans to escape before being transferred to Alcatraz. He never escaped from The Rock, and later penned an autobiography titled Hellcatraz.

"Smiling Bandit", and the "King of the Escape Artists" - A couple of the names used by West Coast newspapers to describe Gardner. (Image: Alcatrazhistory.com)

Frank Lee Morris

Following a life of crime sprees, Frank Morris was transferred to Alcatraz in 1960. He began plotting his escape with four others. They stole tools, which they used to dig out. They built a raft and dummies for their cell beds. They escaped on June 11, 1962 and, although the raft and some personal items were found, the men never were. It was presumed that they had drowned in the strong current, but no bodies were ever found. So, no one is really sure whether the group escaped or died trying.

Frank Lee Morris's record card. His IQ was thought to be 133 borderline genius! (Image: Alcatrazhistory.com)

Alcatraz Island - Home to the Famous Federal Penitentiary.

Alcatraz, Hellcatraz, The Rock – it’s an infamous and foreboding sight, home to many notorious characters.

Check out Alcatraz with Gray Line San Francisco

Alcatraz is an intriguing story and a phenomenal sight in San Francisco Bay. If you are planning to visit San Francisco, it’s definitely one of the places to build into your trip. To help you do that, get in touch with Gray Line San Francisco at graylineofsanfrancisco.com

Our tours around Alcatraz are very popular – check out our TripAdvisor pages to find out what our previous guests thought of them – including Mother Y from Chester, England who described our City Tour and Escape from the Rock combination as being a “fab tour” and “well worth the money”. This tour will take you around Alcatraz Island where you’ll hear all about this famous island and its inmates.

Want to stop off on Alcatraz Island and explore the prison itself? We also offer packages which include tickets and a live guided tour (in English). Click here for more information on one of these fantastic packages.

To find out more head to our website at graylineofsanfrancisco.com or our Facebook and Twitter pages.

We’d love to welcome you to this most beautiful part of the USA.

If you want to see more content from San Francisco follow us on social media


From a Lighthouse to a Prison

The first registered owner of the island was Julian Workman, who was appointed in June 1846 by Mexican Governor Pio Pico to build a lighthouse. In 1848, at the end of the American-Mexican War, California, along with the island, became the property of the United States. In the early 1860s, when the Civil War broke out, Alcatraz served as a place to protect and store firearms for the San Francisco arsenal.

Realizing its strategic position, a fortress began to be built with 11 cannons placed on top. During the war, Confederate sympathizers were sent to the island. In 1868, after the construction of the brick prison, it was officially designated to serve as a long-term place of detention for military prisoners.


Hopi Prisoners on the Rock

Hopi Prisoners at Alcatraz, January 1895. Back Row (left to right): unidentified Polingyawma Heevi'ima Masatiwa unidentified. Middle Row: Qötsventiwa Piphongva unidentified Lomahongewma unidentified Lomayestiwa Yukiwma. Front Row: Tuvehoyiwma unidentified Patupha Qötsyawma unidentified

Hopi History: The Story of the Alcatraz Prisoners

Wendy Holliday, Historian Hopi Cultural Preservation Office

One hundred years ago, in September 1895, 19 Hopi men from Orayvi (Oraibi) returned home after spending nearly a year imprisoned on Alcatraz Island. This article is the first step in an ongoing project to commemorate the 100th anniversary of their release and to document and record Hopi testimony about central events in Hopi history.

The story of the Alcatraz prisoners is one episode in an ongoing struggle between the Hopi people and the United States government. The late nineteenth century witnessed increased attacks on Hopi sovereignty and culture, as the United States government acted to "Americanize" the Hopi people. Imprisonment became the government's principal means of intimidation and punishment.

The U.S. government wanted to "Americanize" the Hopi by indoctrinating them with Anglo-American ideals and extinguishing Hopi culture. The education of children was the centerpiece of a U.S. government policy of Manifest Destiny, and it was fiercely resisted by Hopi people.

Soldiers guarding the Hopi prisoners on their arrest in Arizona, 1894

#57, Mennonite Library and Archives, Bethel College, North Newton, Kansas

All over the country, U.S. government agents coerced Indian children to go to non-Indian schools, most often off-reservation and miles away from home and family. At Hopi, pressure to send children to boarding schools began in earnest in 1887, when the first government school was established in Keams Canyon. Many Hopi parents refused to send their children to school so far away to learn the white man's ways.

In addition, the Keams Canyon School was in dismal condition. According the E.H. Plummer, the agent in Fort Defiance in 1893, the school was crowded and the buildings were inadequate. Disease was a problem in such a setting. Plummer wrote to the commissioner of Indian Affairs and explained his reluctance to force the school issue too strongly: "If deaths occur a strong prejudice will be aroused against the school, to say nothing of the policy of conducting a boarding school for any human pupils with such conditions of accommodations."

Despite these dangers, government agents tried to persuade parents to enroll their children in school voluntarily. Most resisted, and agents became increasingly frustrated with what they called "half-promises." Parents would tell the agents that they would send their children, but they never did, a strategy of passive resistance that worked for a short time.

The government also tried to bribe parents into sending their children to school. In January 1894, Plummer told the superintendent of the Keams Canyon School to stop issuing annuity goods and cease all work on houses and wells for the villages of Second Mesa. This was an especially calculating act, because Plummer noted that two feet of snow lay on the ground and the temperature was 17 degrees below zero.

The U.S. government most frequently resorted to force. In December 1890, for example, soldiers entered Orayvi and, through coercion and force, secured 104 children for the school in Keams Canyon. The same scene repeated itself in 1894 at Second Mesa. First, the government sent policemen to Second Mesa to round up children and bring them to the school in Keams. When this failed, School Superintendent Goodman requested soldiers to escalate the show of force in the villages.

Plummer suggested that having the troops take the children might not be wise. Instead, he suggested sending troops "to arrest and confine the headmen who are responsible for the children not being sent to school." Thus, the precedent for arresting village leaders who resisted the U.S. government was well established by 1894.

It was at about the same time that government officials began to report of two factions at Orayvi. Government agents called these two groups the Friendlies and the Hostiles. According to one of these agents, Constant Williams, "In the pueblo of Oraibi there are two factions, called by whites the 'Friendlies," and the 'Hostiles,' in about the proportion of one to two. The Friendlies sent their children to school and are willing to adopt civilized ways the Hostiles, under the bad influence of Shamans, believe that the abandonment of old ways will be followed by drought and famine, to avert [this] they wish to drive the Friendlies out."

The government's division of Orayvi into Hostile and Friendly factions was inaccurate. Nearly all Hopis were, in fact, quite hostile to government efforts to wipe out all vestiges of Hopi culture. Friendlies, for example, resisted the government's land allotment program along with the Hostiles. Resistance or compliance with the government was not a clear cut issue. Many people complied with the government and sent their children to school out of sheer necessity to survive.

The government used overwhelming force against both factions and imprisoned people who resisted. Thus, the decision to send a child to school did not necessarily mean acceptance of the white man's ways.

In any case, tensions at Orayvi were mounting in the face of intensified pressure from the U.S. government to comply with its wishes. The government became increasingly frustrated with Hopi resistance to their efforts. To make matters worse, a land dispute between Navajos and Mormon settlers near Tuba City, Arizona was heating up.

Beginning in 1893, Agent Plummer reported to Washington that Navajos were trying to interfere with a dam built by Mormon settlers. By January 1894, tensions had increased to the point that Plummer feared bloodshed. In May, he wrote to the commissioner, "I fear very much that if attempt it made by the civil authorities to arrest the Indians by force that serious trouble will result."

Chiefs Lomahanoma and Habima just before their arrest in 1894 at Hopi.

#1, Mennonite Library and Archives, Bethel College, North Newton, Kansas

That trouble eventually spilled over into Hopi lands. Since the 1870s land around Munqapi and been farmed by Tuuvi, an emerging leader of Munqapi, and families from Orayvi who were sympathetic to those who became knows as Friendlies in the 1890s. As tensions were increasing in Orayvi over the education issue and divisions within the village, the hostility between whites and Navajos in Tuba City added fuel to the flames.

On October 10, 1894, Samuel Hertzog, the school superintendent, reported to Plummer that 30 hostiles had come to Munqapi, seized the fields, and planted them in wheat. According to Hertzog, "This is the first act of hostilities." Hertzog also suggested that these hostilities might have had more to do with the local tensions around Tuba City: "May be because a Mormon and a Navajo stole one man's corn and afterward came and cut the fodder and told Ololomai (Loololma, Kikmongwi [leader/chief] of Orayvi) to get out."

For a variety of reasons, in October 1894, 50 Hostiles did go to Munqapi and plant the lands that had traditionally belonged to their clans. The government, in their strategy of divide and conquer, predictably took the side of the Friendlies. Agent Plummer asked Washington to send two troops of cavalry to adjust the difficulties and, he wrote, "if necessary arresting such of the Hostile element as have appropriated lands belonging to the friendly element." He continued, "The rights of property and of person of well behaved, industrious Oraibas and Navajos are being trampled upon and abused and unless prompt measures are taken by the Department murder and bloodshed will follow."

Nothing was done, however, until November, when the new Navajo/Hopi Agent, Constant Williams, reported for duty in Fort Defiance. His first action as agent was to go to Orayvi to hear the reports of differences.

On November 6, in the presence of the entire village, Loololma made the following statement to Williams: "He and his people perceiving the advantages to be derived from education and the adoption of Washington ways (i.e. civilized habits) had sent their children to school that the Hostiles, finding persuasion useless to make them give up this course, had first threatened them with deprivation of their fields and expulsion from their country into Mexico, and, finally, that the Hostiles had now sent a part of fifty men over to Moencopi, had seized the fields of the Friendlies there and had planted them with wheat that the Friendlies, being outnumbered could no more than protest and report to the agent: that they were sincerely desirous of walking in the Washington way: and that they wished for soldiers to settle the difficulty."

Lomahongewma, Spider Clan, and Heevi'ima, Fire Clan, both rivals to Loololma, replied that Loololma's facts were true. According to Williams, "They said for themselves that they do not want to follow the Washington path that they do not want their children to go to school that they do not want to wear the white man's clothes that they do not want to eat the white man's food that they do want the white man to let them alone and to allow them to follow the Oraibi path and they bitterly denounced the Friendlies for departing from the Oraibi path. They said that they had taken the Moencopi fields because they had anciently belonged to them, although they admitted that the Friendlies had had peaceful possession of them for many years they added that in the spring they intended to take away the fields not cultivated by the Friendlies around the mesa of Oraibi. And they concluded by saying that they also wished to have troops come. I asked them if they could not adjust their differences in a peaceable talk and they replied 'no, that this trouble can never be settled until the soldiers come.'"

Williams responded by saying that the Hostiles had been forbidden by Agent Plummer to disturb the Friendlies and their fields. Thus, they should not expect to harvest the crop or take away the Friendlies' fields around Orayvi. In addition, "Their desire for the presence of troops would be gratified." At this point, the meeting ended. Williams returned to Fort Defiance where he wrote this report.

Army guards and Hopi prisoners with crowd waiting and watching.

#60, Mennonite Library and Archives,
Bethel College, North Newton, Kansas

On that same day, November 15, 1894, he requested two cavalry companies with Hotchkiss guns to be sent from Colorado. He wrote, "The Friendlies must be protected in their rights and encouraged to continue in the Washington way, and being convinced that this can only be done by a display of force and the arrest of the principal men engaged in the disorders."

And so, on November 25, troops came to Orayvi and arrested 19 Hostiles: Heevi'ima, Polingyawma, Masatiwa, Qotsventiwa, Piphongva, Lomahongewma, Lomayestiwa, Yukiwma, Tuvehoyiwma, Patupha, Qotsyawma, Sikyakeptiwa, Talagayniwa, Talasyawma, Nasingayniwa, Lomayawma, Tawalestiwa, Aqawsi, and Qoiwiso.

Because they were arrested by government troops, these men were taken first to Fort Defiance, and then to Alcatraz, a military installation on a harsh island of rock in San Francisco Harbor. These men spent nearly a year at Alcatraz because the government had once again resorted to its ultimate form of coercion at Hopi: military force.

On January 4, 1895, the San Francisco Ligar published a story under the headline "A Batch of Apaches." The article stated, "Nineteen murderous-looking Apache Indians were landed at Alcatraz island yesterday morning." The article misidentified the 19 Hopi men who had been arrested at Orayvi the previous November. The article is filled with racial stereotypes of murderous and "crafty redskins" who refused to live according to the "civilized ways of the white men." In February, the same newspaper published another story about the "Moquis on Alcatraz."

"Uncle Sam has summarily arrested nineteen Moqui Indians. and taken them to Alcatraz island, all because they would not let their children go to school. But he has not done it unkindly and the life of the burnt-umber natives is one of ease, comparatively speaking. They have not hardship aside from the fact that they have been rudely snatched from the bosom of their families and are prisoners and prisoners they shall stay until they have learned to appreciate the advantage of education."

In 1995, the Hopi Cultural Preservation Office began a project to record the history of the Alcatraz prisoners. It began with an article in the Tutuveni about the events leading to the arrest of the prisoners. As the San Francisco newspaper suggested, the men were imprisoned because they opposed the government's program of forced education and assimilation. o Tutuveni article was based upon government records. Subsequent research uncovered these San Francisco newspaper articles. While they shed light onto the story of the Alcatraz prisoners, they are all told from the point of view of the white government and Anglos who supported the forced education program.

These viewpoints often reflected callous disregard for the human suffering of the Hopi prisoners. The San Francisco newspaper article wrote that the prisoners' days were generally spent sawing large logs into shorter lengths. Occasionally, their work was interrupted by trips into San Francisco to visit the public schools, "so that they can see the harmlessness of the multiplication table in its daily application." Their accommodations were the same as that of the white military prisoners, and their food was "like that of any ordinary second-class hotel."

De acordo com Ligar, "It is even difficult to find work for them at times. They rise early, breakfast, go to work, if the weather is fine, eat their dinner at noon and then work all afternoon. This is followed by tea or a wholesome equivalent for it and then bed. Their taskmaster is a good-natured, well educated young man with a sympathetic understanding of their condition that makes it easy for him to deal with them and keeps them in even humor."

1894 - Hopi crowd watching in suspense.

#50, Mennonite Library and Archives, Bethel College, North Newton, Kansas

According to the newspaper, the Hopi prisoners were treated rather well. The article claimed that the prisoners' only grievance was being taken from their homes and families. In fact, other sources provide glimpses into very real hardships faced by both the prisoners and their families back at Hopi. John Martini described the prisoner's cells at Alcatraz as "tiny wooden cells. worlds removed from the western desert and plains." Indeed, a description of Alcatraz in 1902, just seven years after the Hopi prisoners were jailed there, suggests that the cells were in poor condition: "The old cell blocks were `rotten and unsafe the sanitary condition very dangerous to health. They are dark and damp, and are fire traps of the most approved (sic) kind.

Furthermore, taking the prisoners from their homes and families was more than "rude." In a series of letters between H.R. Voth, a Mennonite missionary at Orayvi, and Guruther, the Commanding Officer at Alcatraz, family members at Hopi were extremely worried about the prisoners. There were rumors that some of them had died.

In August, Voth wrote to the Guruther that the pictures of the prisoners were "very much appreciated by relatives and friends" because rumors had circulated that they were "poorly fed, clothed, worked hard, some had died, etc. were perhaps killed."

In September, Voth wrote to Lomahongiwma to report on the prisoners' families and the crops. These reports must have caused considerable anguish among the prisoners, especially those who were separated from their families during important ceremonies and planting and harvesting. In addition, two of the prisoners' wives gave birth to children who died while the men were at Alcatraz. Being torn from their villages and families was certainly more than a rude inconvenience.

The story of the Alcatraz prisoners, in the written historical records, is incomplete. It is based solely on written records and is missing Hopi perspectives. The Cultural Preservation Office would like to complete a written account of the Alcatraz prisoners by using Hopi remembrances and stories. We would like to gather stories of the actual hardships endured by the prisoners at Alcatraz, as well as the friends and families left behind to raise families, plant and tend to the crops, and worry about their loved ones imprisoned in a distant place. The Cultural Preservation Office has been able to trace some of the descendants of the prisoners. We have a current list of these descendants on file. If you would like to share any stories about the prisoners' experiences at Alcatraz or the lives of their families while they were imprisoned, please contact Leigh J. Kuwanwisiwma, at the Hopi Cultural Preservation Office at 928-734-3611.

Hopi prisoners of the U.S. Government sent to Alcatraz Island for "seditious conduct" Jan. 3 to Aug. 7, 1895.

Mennonite Library and Archives, Bethel College, North Newton, Kansas

The following is a list of the Alcatraz prisoners and their clans.

Aqawsi (Kwaa/Eagle)
Heevi'yma (Kookop/Fire)
Kuywisa (Kookop/Fire)
Lomahongiwma (Kookyangw/Spider)
Lomayawma (Is/Coyote)
Lomayestiwa (Kookyangw/Spider)
Masaatiwa (Kuukuts or Tep/Lizard or Greasewood)
Nasingayniwa (Kwaa/Eagle) Patupha(Kookop/Fire)
Piphongva (Masihonan/Grey Badger)
Polingyawma (Kyar/Parrot)
Qotsventiwa (Aawat/Bow)
Qotsyawma (Paa'is/Water Coyote)
Sikyaheptiwa (Piikyas or Patki/Young Corn or Water)
Talangayniwa (Kookop/Fire)
Talasyawma (Masihonan/Grey Badger)
Tawaletstiwa (Tasaphonan/Navajo Badger)
Tuvehoyiwma (Hon/Bear)
Yukiwma (Kookop/Fire)


Why was Alcatraz so hard to escape from?

Alcatraz has gone down in folklore as one of the meanest prisons in history, as well as one of the toughest to escape from. That doesn’t mean to say no one tried it, but you had to be pretty determined, smart and lucky to get away from this maximum security site.

First of all, Alcatraz was on an island. Well, if you can call it that. It was little more than a rocky outcrop on which little raft-making or camouflage-creating foliage grew. This meant that any escape either had to involve a plane, boat or a long, hard swim. The water can often drop to 16 degrees C (60 degrees F) and the currents will slosh you about furiously, meaning you’re in for a rough ride. Another hazard was the Great White sharks that patrolled the area.

Secondly, it was pretty well defended. In a former life it was a fort, built in 1912 with steel and concrete the main, insurmountable barriers to a way off the island. The steel was called ‘tool-resistant’ and did exactly what it said on the tin – it was strong enough to resist any attempt to saw away with whatever blade the inmates were able to get their hands on.

Thirdly, there was no preferential treatment for any of the inmates. While big names crooks may have got treated well in other prisons, there was no room for celebrity at Alcatraz where all inmates were treated the same and were only allowed out for one hour of exercise a day.


Assista o vídeo: Cechy mężczyzny wysokiej jakości