Corinth

Corinth

Localizada no istmo que conecta a Grécia continental com o Peloponeso, cercada por planícies férteis e abençoada com fontes naturais, Corinto foi uma cidade importante nos tempos grego, helenístico e romano. Sua localização geográfica, papel como centro de comércio, frota naval, participação em várias guerras gregas e status como uma importante colônia romana significaram que a cidade ficou, por mais de um milênio, raramente fora dos holofotes no mundo antigo.

Corinto em Mitologia

Não sendo um grande centro micênico, Corinto carece da herança mitológica de outras cidades-estado gregas. No entanto, acredita-se que o fundador mítico da cidade tenha sido o rei Sísifo, famoso por sua punição no Hades, onde foi obrigado a rolar para sempre uma grande pedra colina acima. Sísifo foi sucedido por seu filho Glauco e seu neto Belerofonte, cujo cavalo alado Pégaso se tornou um símbolo da cidade e uma característica das moedas coríntias. Corinto também é o cenário de vários outros episódios da mitologia grega, como a caça de Teseu ao javali, Jasão se estabeleceu lá com Medéia após suas aventuras em busca do Velocino de Ouro, e há o mito de Arion - a vida real e talentosa jogador kithara e morador de Corinto - que foi resgatado por golfinhos após ser sequestrado por piratas.

Visão histórica

Habitado pela primeira vez no período Neolítico (c. 5000 aC), o local tornou-se mais densamente povoado a partir do século 10 aC. Os fundadores históricos da cidade foram os descendentes aristocráticos do Rei Bacchis, o Bacchiadae, em c. 750 AC. Estes substituíram a longa linha de reis que se estendia no tempo antes dos registros históricos. O Bacchiadae governou como um corpo de 200 até em c. 657 AC, o popular tirano Cipselo assumiu o controle da cidade, para ser sucedido por seu filho Periandro (ref. C. 627-587 AC). Cypselus financiou a construção de um tesouro em Delfos e fundou colônias que incluíam Ambracia, Anactorium e Leucas. Estes se somaram às colônias coríntias existentes de Corcyra (Corfu) e Siracusa, na Sicília, que foram fundadas em 734 AEC (data tradicional).

A partir do século 8 aC, a alta qualidade da cerâmica coríntia levou à sua exportação para toda a Grécia. Na verdade, a cerâmica coríntia, com sua decoração de figuras inovadoras, dominaria o mercado de cerâmica grego até o século 6 aC, quando a cerâmica ática de figuras negras assumiu o estilo dominante. Outras exportações significativas foram a pedra coríntia e bronzewares. Corinto também se tornou o centro de comércio por meio do dilokos. Era uma trilha de pedra com sulcos entalhados para carroças com rodas que oferecia um atalho terrestre entre os portos de Lechaion no Golfo de Corinto e Kenchreai no Golfo Sarônico e provavelmente data do reinado de Periandro. Na Guerra do Peloponeso, o Diolkos foi usado até mesmo para transportar trirremes de um mar para o outro e continuou a ser usado até o século 9 EC. Embora a ideia de um canal através do istmo tenha sido considerada pela primeira vez no século 7 aC e vários imperadores romanos, de Júlio César a Adriano, começaram os estudos preliminares de viabilidade, foi Nero quem realmente iniciou o projeto em 67 dC. No entanto, com a morte do imperador, o projeto foi abandonado após três meses, para não ser retomado até 1881 EC.

Desde o início do século 6 AEC, Corinto administrava os jogos pan-helênicos na vizinha Isthmia, realizados a cada dois anos na primavera. Esses jogos foram criados em homenagem a Poseidon e eram particularmente famosos por suas corridas de cavalos e carruagens.

Uma oligarquia, consistindo de um conselho de 80, ganhou o poder em Corinto em c. 585 AC. Preocupado com o rival local Argos, de c. 550 AC Corinto tornou-se um aliado de Esparta. Juntos, uma expedição foi lançada contra Polícrates de Samos em c. 525 AEC, mas acabou sem sucesso. No entanto, durante o reinado de Cleomenes, a cidade desconfiou do crescente poder de Esparta e se opôs à intervenção espartana em Atenas. Corinto também lutou nas Guerras Persas contra as forças invasoras de Xerxes que ameaçavam a autonomia de toda a Grécia.

História de amor?

Inscreva-se para receber nosso boletim informativo semanal gratuito por e-mail!

Corinto sofreu muito na Primeira Guerra do Peloponeso, pela qual foi responsável depois de atacar Megara. Os coríntios também foram fundamentais para causar a Segunda Guerra do Peloponeso, quando sentiram que seus interesses regionais centralizados em Corcira foram ameaçados por Atenas em 433 AEC. Mais uma vez, porém, o Corinthians, principalmente como aliado naval de Esparta, travou uma guerra desastrosa. A cidade, no entanto, defendeu com sucesso sua colônia de Siracusa quando foi atacada pelas forças atenienses. Desiludido com a relutância de Esparta em destruir completamente Atenas após sua vitória na guerra em 404 aC e preocupado com a expansão espartana na Grécia e na Ásia Menor, Corinto formou uma aliança com Argos, Beócia, Tebas e Atenas para lutar contra Esparta nas Guerras de Corinto (395 -386 AC). O conflito foi em grande parte travado no mar e no território de Corinto e foi mais um esforço caro para os cidadãos de Corinto.

A cidade floresceu mais uma vez no século I dC e tornou-se um importante centro administrativo e comercial.

Um conflito final, desta vez contra o invasor Filipe II da Macedônia, foi mais uma vez perdido em Queronéia em 338 AEC. Corinto se tornou a sede da Liga Coríntia, mas uma conseqüência infeliz dessa honra duvidosa foi uma guarnição macedônia estacionada na acrópole Acrocorinto com vista para a cidade. Uma sucessão de reis helenísticos assumiu o controle da cidade - começando com Ptolomeu I e terminando com Arato em 243 AEC, quando Corinto se juntou à Liga Aqueia. O pior estava por vir, no entanto, quando o comandante romano Lúcio Múmio saqueou a cidade em 146 aC.

Um período mais brilhante voltou à cidade quando Júlio César fundou sua colônia no local em 44 AEC e organizou as terras agrícolas em lotes organizados (centuriação) para distribuição aos colonos romanos. A cidade floresceu mais uma vez no século I dC e tornou-se um importante centro administrativo e comercial. Além disso, após a visita de São Paulo entre 51 e 52 EC, Corinto se tornou o centro do cristianismo primitivo na Grécia. Em uma audiência pública, o santo teve que se defender das acusações dos hebreus da cidade de que sua pregação minava a Lei Mosiac. O pró-cônsul Lúcio Júlio Gálio julgou que Paulo não havia violado nenhuma lei romana e, portanto, foi autorizado a continuar seus ensinamentos. A partir do terceiro século EC, a cidade começou a declinar e as tribos germânicas Heruli e Alaric atacaram a cidade em 267 EC e 396 EC, respectivamente.

O sítio arqueológico

Na Corinto grega havia cultos a Afrodite (protetora da cidade), Apolo, Deméter Thesmophoros, Hera, Poseidon e Helios e vários edifícios para heróis de culto, os fundadores da cidade. Além disso, havia várias fontes sagradas, sendo a mais famosa Peirene. Infelizmente, a destruição em 146 aC obliterou muito desse passado religioso. Em Roman Corinto, Afrodite, Poseidon e Deméter continuaram a ser adorados junto com os deuses romanos.

O local hoje, escavado pela primeira vez em 1892 CE pelo Serviço Arqueológico Grego, é dominado pelo Templo peripteral dórico de Apolo (c. 550-530 aC), originalmente com 6 colunas nas fachadas e quinze nos lados longos. Uma característica particular do templo é o uso de colunas monolíticas em vez dos tambores de coluna mais comumente usados. Sete colunas permanecem de pé até hoje.

A maioria dos outros edifícios sobreviventes datam do século I dC na era romana e incluem um grande fórum, um templo para Otávia, banhos, o Bema onde São Paulo se dirigiu aos coríntios, o templo Asklepeion para Asclépio e um centro de cura, fontes - incluindo o monumental complexo de fontes de Peirine (século 2 dC) - uma propileia, teatro, odeion, ginásio e stoas. Também estão os restos de três basílicas.

Os achados arqueológicos no local incluem muitos mosaicos finos - notavelmente o mosaico de Dionísio - escultura grega e romana - incluindo um número impressionante de bustos de governantes romanos - e exemplos notáveis ​​de todos os estilos de cerâmica grega, a primeira fonte da fama da cidade no mundo antigo.


Corinth - História

que está satisfeito com a beleza do ornamento

uma antiga e célebre cidade da Grécia, no istmo de Corinto e cerca de 40 milhas a oeste de Atenas. Em conseqüência de sua posição geográfica, formou a comunicação mais direta entre os mares Jônico e Egeu. Uma característica notável foi a Acrocorinthus, uma vasta cidadela de rocha, que se eleva abruptamente a 2.000 pés de altura acima do nível do mar, e cujo cume é tão extenso que outrora continha uma cidade inteira. A situação de Corinto, e a posse de seus portos oriental e ocidental, Cencréia e Lechaeum, são os segredos de sua história. Corinto era um lugar de grande atividade mental, bem como de empreendimentos comerciais e manufatureiros. Sua riqueza era tão famosa a ponto de ser proverbial, assim como o vício e a libertinagem de seus habitantes. A adoração de Vênus foi acompanhada de vergonhosa licenciosidade. Corinto ainda é uma sé episcopal. A cidade agora encolheu a uma aldeia miserável, no antigo local e com o nome antigo, que, no entanto, está corrompido em Gortho . São Paulo pregou aqui (Atos 18:11) e fundou uma igreja, à qual suas epístolas aos coríntios são endereçadas. [EPÍSTOLAS AOS CORÍNTIOS, PRIMEIRA EPÍSTOLA AOS, CORÍNTIOS, SEGUNDA EPÍSTOLA A]

Alguns argumentaram em 2 Coríntios 12:14 13: 1, que Paulo visitou Corinto uma terceira vez (ou seja, que em alguma ocasião não registrada ele visitou a cidade entre o que geralmente é chamado de primeira e segunda visita). Mas as passagens mencionadas indicam apenas a intenção de Paulo de visitar Corinto (Comp. 1 Coríntios 16: 5, onde o presente grego denota uma intenção), uma intenção que foi de alguma forma frustrada. Dificilmente podemos supor que tal visita poderia ter sido feita pelo apóstolo sem referência mais distinta a ela.

2. (N.) Uma pequena fruta uma groselha.

kor'-inth (Korinthos, "ornamento"): Uma célebre cidade do Peloponeso, capital da Coríntia, que ficava ao norte de Argolis, e com o istmo unia a península ao continente. Corinto tinha três bons portos (Lechaeum, no Corinto, e Cencreia e Schoenus no Golfo Sarônico) e, portanto, comandava o tráfego dos mares do leste e do oeste. Os navios maiores não podiam ser transportados através do istmo (Atos 27: 6, 37). Os navios menores eram tomados por um bonde de navio com trilhos de madeira. Os fenícios, que aqui se instalaram desde muito cedo, deixaram muitos vestígios da sua civilização nas artes industriais, como a tinturaria e a tecelagem, bem como na sua religião e mitologia. O culto coríntio de Afrodite, de Melikertes (Melkart) e de Atenas Fenike são de origem fenícia. Poseidon, também, e outras divindades do mar eram tidos em alta estima na cidade comercial. Cultivaram-se várias artes e os coríntios, mesmo nos primeiros tempos, ficaram famosos por sua inteligência, inventividade e senso artístico, e se orgulhavam de superar os outros gregos no embelezamento de sua cidade e no adorno de seus templos. Havia muitos pintores célebres em Corinto, e a cidade tornou-se famosa pela ordem da arquitetura coríntia: uma ordem que, a propósito, embora tida em alta conta pelos romanos, era muito pouco usada pelos próprios gregos. Foi aqui também que o ditirambo (hino a Dionísio) foi arranjado artisticamente para ser cantado por um coro e os jogos ístmicos, realizados a cada dois anos, eram celebrados fora da cidade, no istmo perto do Golfo Sarônico. Mas o espírito comercial e materialista prevaleceu mais tarde. Nem um único coríntio se destacou na literatura. Estadistas, entretanto, eram abundantes: Periandro, Fídon, Timoleão.

Os portos são poucos no Golfo de Corinto. Conseqüentemente, nenhuma outra cidade poderia arrancar o comércio dessas águas de Corinto. De acordo com Tucídides, os primeiros navios de guerra foram construídos aqui em 664 a.C. Naqueles primeiros dias, Corinto ocupava uma posição de liderança entre as cidades gregas, mas em consequência de sua grande prosperidade material, ela não arriscaria tudo como Atenas arriscou, e ganharia a supremacia eterna sobre os homens: ela tinha muito a perder para pôr em risco seus interesses materiais por princípio , e ela logo afundou na segunda classe. Mas quando Atenas, Tebas, Esparta e Argos caíram, Corinto voltou à frente como a cidade mais rica e importante da Grécia e quando foi destruída por Múmio em 146 aC, os tesouros de arte levados para Roma eram tão grandes quanto aqueles de Atenas. Delos se tornou o centro comercial por um tempo, mas quando Júlio César restaurou Corinto um século depois (46 a.C.), cresceu tão rapidamente que a colônia romana logo se tornou novamente um dos centros mais importantes da Grécia. Quando Paulo visitou Corinto, ele descobriu que era a metrópole do Peloponeso. Os judeus migraram para este centro de comércio (Atos 18: 1-18 Romanos 16:21 1 Coríntios 9:20), o local natural para um grande mercado, e floresceu sob a mão pródiga dos césares e esta é uma das razões pelas quais Paulo permaneceu lá muito tempo (Atos 18:11), em vez de peregrinação nos antigos lugares da aristocracia, como Argos, Esparta e Atenas. Ele encontrou um forte núcleo judeu para começar e estava em comunicação direta com Éfeso. Mas o terremoto, a malária e o severo domínio turco finalmente varreram tudo, exceto sete colunas de um antigo templo dórico, o único objeto acima do solo deixado hoje para marcar o local da antiga cidade de riqueza, luxo e imoralidade - a cidade do vice-parágrafo excelência no mundo romano. Perto do templo foram escavadas as ruínas da famosa fonte de Peirene, tão celebrada na literatura grega. Diretamente ao sul da cidade está a rocha alta (mais de 1.800 pés) Acrocorinthus, que formou uma fortaleza inexpugnável. Traços do antigo canal do navio através do istmo (tentado por Nero em 66-67 d.C.) deveriam ser vistos antes do início das escavações para o canal atual. Nessa época, a cidade era totalmente romana. Conseqüentemente, os muitos nomes latinos no Novo Testamento: Lúcio, Tertius, Gaius, Erasto, Quartus (Romanos 16: 21-23), Crispo, Tito Justus (Atos 18: 7, 8), Fortunato, Achaicus (1 Coríntios 16: 17). Segundo o testemunho de Dio Crisóstomo, Corinto havia se tornado, no século II da nossa era, a cidade mais rica da Grécia. Seus monumentos e edifícios públicos e tesouros de arte são descritos em detalhes por Pausânias.

A igreja em Corinto consistia principalmente de não judeus (1 Coríntios 12: 2). A princípio, Paulo não tinha intenção de fazer da cidade uma base de operações (Atos 18: 1 Atos 16: 9, 10), pois ele desejava retornar a Tessalônica (1 Tessalonicenses 2:17, 18). Seus planos foram mudados por uma revelação (Atos 18: 9, 10). O Senhor ordenou-lhe que falasse com ousadia, e ele o fez, permanecendo na cidade dezoito meses. Encontrando forte oposição na sinagoga, ele deixou os judeus e foi para os gentios (Atos 18: 6). No entanto, Crispo, o chefe da sinagoga e sua família eram crentes e os batismos foram numerosos (Atos 18: 8), mas nenhum coríntio foi batizado pelo próprio Paulo, exceto Crispo, Gaio e alguns da família de Estéfanas (1 Coríntios 1:14, 16) "as primícias da Acaia" (1 Coríntios 16:15). Um deles, Gaius, foi o anfitrião de Paulo na próxima vez que ele visitou a cidade (Romanos 16:23). Silas e Timóteo, que haviam ficado em Beréia, chegaram a Corinto cerca de 45 dias após a chegada de Paulo. Foi nessa época que Paulo escreveu sua primeira epístola aos tessalonicenses (1 Tessalonicenses 3: 6). Durante o governo de Gálio, os judeus acusaram Paulo, mas o procônsul se recusou a permitir que o caso fosse levado a julgamento. Essa decisão deve ter sido vista com bons olhos pela grande maioria dos coríntios, que não gostavam dos judeus (Atos 18:17). Paulo também conheceu Priscila e Áquila (Atos 18:18, 26 Romanos 16: 3 2 Timóteo 4:19), e mais tarde eles o acompanharam a Éfeso. Poucos anos depois da primeira visita de Paulo a Corinto, os cristãos aumentaram tão rapidamente que formaram uma congregação bastante grande, mas era composta principalmente de classes mais baixas: eles não eram 'eruditos, influentes, nem de berço nobre' (1 Coríntios 1:26).

Paulo provavelmente deixou Corinto para assistir à celebração da festa em Jerusalém (Atos 18:21). Pouco se sabe sobre a história da igreja em Corinto após sua partida. Apolo veio de Éfeso com uma carta de recomendação aos irmãos da Acaia (Atos 18:27 2 Coríntios 3: 1) e exerceu uma influência poderosa (Atos 18:27, 28 1 Coríntios 1:12) e Paulo desceu mais tarde de Macedônia. Sua primeira carta aos coríntios foi escrita em Éfeso. Tanto Tito quanto Timóteo foram enviados a Corinto de Éfeso (2 Coríntios 7:13, 15 1 Coríntios 4:17), e Timóteo voltou por terra, encontrando Paulo na Macedônia (2 Coríntios 1: 1), que visitou a Grécia novamente em 56- 57 ou 57-58.

Leake, Travels in the Morea, IlI, 229-304 Peloponnesiaca, 392 Curtius, Peloponnesos, II, 514 Clark, Peloponnesus, 42-61 Conybeare e Howson, The Life and Epistles 'de Paul, capítulo xii Ramsay, "Corinth" (em HDB) Holm, History of Greece, I, 286 II, 142 e 306-16 III, 31-44 e 283 IV, 221, 251, 347 e 410-12.

2747. Kegchreai - Cenchrea, um porto de Corinth
. Cencreia, um porto de Corinth. Parte do discurso: substantivo, transliteração feminina: Kegchreai
Ortografia fonética: (keng-khreh-a & # 39-hee) Definição curta: Cencreia .
//strongsnumbers.com/greek2/2747.htm - 6k

883. Achaikos - & quotan Achaian, & quot Achaicus, um cristão em Corinth
. 882, 883. Achaikos. 884. & quotan Achaian, & quot Achaicus, um cristão em Corinth. Papel
da Fala: Substantivo, Transliteração Masculina: Ortografia Fonética Achaikos: (ach .
//strongsnumbers.com/greek2/883.htm - 6k

4734. Stephanas - & quotcrowned, & quot Stephanas, uma cristã em Corinth
. 4733, 4734. Stephanas. 4735. & quotcorado & quot Stephanas, uma cristã em Corinth.
Parte do discurso: substantivo, transliteração masculina: grafia fonética de Stephanas: ( .
//strongsnumbers.com/greek2/4734.htm - 6k

2881. Korinthios - Corinthian
. Parte do discurso: Transliteração de adjetivo: ortografia fonética Korinthios
(kor-in & # 39-ti-os) Definição curta: Corinthian Definição: Corinthian, of Corinth. .
//strongsnumbers.com/greek2/2881.htm - 6k

5415. Phortounatos - & quotprosperous, lucky, & quot Fortunatus, a Christian
. Substantivo, transliteração masculina: Fortounatos Ortografia fonética: (for-too-nat & # 39-os)
Definição curta: Fortunatus Definição: Fortunatus, um cristão de Corinth. .
//strongsnumbers.com/greek2/5415.htm - 6k

3066. Loukios - Lucius, o nome de dois cristãos
. Lúcio, (a) de Cirene, um dos primeiros cristãos, na igreja de Antioquia, por alguns identificados
com o evangelista Lucas, (b) um cristão com Paulo em Corinth, por alguns .
//strongsnumbers.com/greek2/3066.htm - 6k

4988. Sóstenes - & quot da força segura, & quot; Sóstenes, o nome de um .
. Transliteração: Ortografia fonética de Sóstenes: (soce-then & # 39-ace) Definição curta:
Sóstenes Definição: Sóstenes, o governante da sinagoga em Corinth. .
//strongsnumbers.com/greek2/4988.htm - 6k

2921. Krispos - Crispus, um cristão coríntio
. Transliteração: Ortografia fonética de Krispos: (kris & # 39-pos) Definição curta: Crispus
Definição: Crispus, governante da sinagoga em Corinth, convertido e .
//strongsnumbers.com/greek2/2921.htm - 6k

5514. Chloe uma prim. palavra - Chloe.
. palavra Ortografia fonética: (khlo & # 39-ay) Definição curta: Chloe Definição: Chloe, provavelmente
com conexões de negócios em Corinth ou em Éfeso ou em ambos. .
//strongsnumbers.com/greek2/5514.htm - 6k

Paul em Corinth
. OS ATOS CAP. XIII PARA FINALIZAR PAUL EM CORINTH. & # 39Após . Cristo. Corinth era
um centro de comércio, riqueza e corrupção moral. .
/. / maclaren / exposições da sagrada escritura os atos / paul em corinth.htm

Corinth
. Lição 24 Corinth. . Durante o primeiro século da era cristã, Corinth era um
das principais cidades, não só da Grécia, mas do mundo. .
//christianbookshelf.org/white/os atos dos apóstolos / lição 24 corinth.htm

Dionísio, bispo de Corinth.
. Fragmentos de seus cinco livros de comentários sobre os atos da Igreja.
Dionísio, bispo de Corinth. [ad170.] Eusébio está quase .
//christianbookshelf.org/unknown/the decretals / dionysius bispo de corinth.htm

A história de uma donzela de Corinth, e um certo Magistrianus.
. Fragmentos de outros escritos de Hipólito. A história de uma donzela de
Corinth, e um certo Magistrianus. O relato fornecido por .
/. / as obras e fragmentos existentes de hipolito / a história de uma donzela.htm

1 Corinth. 13
. TRADUÇÕES E PARAFRASES EM VERSOS DE DIVERSAS PASSAGENS DA ESCRITURA SAGRADA
49 1 Corinth. 13. 8,6,8,6. Embora a eloqüência perfeita seja adornada. .
/. / anonymous / scottish psalter and parphrases / 49 1 corinth 13.htm

Corinth. 5:1-11
. TRADUÇÕES E PARAFRASES EM VERSOS DE DIVERSAS PASSAGENS DA ESCRITURA SAGRADA 51
2 Corinth. 5: 1-11. 8,6,8,6. Em breve esta estrutura terrestre, dissolvida. .
/. / anonymous / scottish psalter and parphrases / 51 2 corinth 5 1-11.htm

Apolo em Corinth
. Lição 26 Apolo em Corinth. [Este capítulo é baseado em Atos 18: 18-28.] Depois
deixando Corinth, A próxima cena de trabalho de Paulo foi Éfeso. .
/. / white / os atos dos apóstolos / lição 26 apollos em corinth.htm

Paul em Corinth.
. PALESTRAS PALESTRA XXI. PAUL IN CORINTH. Indivíduo. xviii.1-17. A Comissão
de Jesus Cristo aos seus apóstolos, autorizou-os a pregar .
/. / dick / palestras sobre os atos dos apóstolos / palestra xxi paul em corinth.htm

Dionísio, bispo de Corinth, e as epístolas que ele escreveu.
. Livro IV. Capítulo XXIII. "Dionísio, Bispo de Corinth, e as epístolas
que ele escreveu. 1. E primeiro devemos falar de Dionísio .
/. / pamphilius / história da igreja / capítulo xxiii bispo dionísio de corinto.htm

1 Corinth. 15:52, até o fim
. TRADUÇÕES E PARAFRASES EM VERSOS DE DIVERSAS PASSAGENS DA ESCRITURA SAGRADA 50
1 Corinth. 15:52, até o fim. 8,6,8,6. Quando a última trombeta & # 39s voz terrível. .
/. / anonymous / scottish psalter and parphrases / 50 1 corinth 15 52 to.htm

Aquila (7 ocorrências)
. Eagle, um nativo de Ponto, por ocupação um fabricante de tendas, que Paul conheceu em seu primeiro
visita a Corinth (Atos 18: 2). Junto com sua esposa Priscila, ele fugiu de .
/a/aquila.htm - 13k

Erasto (3 ocorrências)
. Dicionário da Bíblia de Easton, amado. (1.) O & quotchamberlain & quot da cidade de
Corinth (Romanos 16:23), e um dos discípulos de Paulo. Como .
/e/erastus.htm - 9k

Stephanas (3 ocorrências)
. Coroa do Dicionário Bíblico de Easton, membro da igreja em Corinth, cuja família
estavam entre aqueles que o apóstolo batizou (1 Coríntios 1:16 16:15, 17). .
/s/stephanas.htm - 10k

Tito (15 ocorrências)
. Nós o encontramos, em um período posterior, com Paulo e Timóteo em Éfeso, de onde ele era
enviado por Paul para Corinth com o objetivo de obter as contribuições do .
/t/titus.htm - 29k

Gaius (5 ocorrências)
. Dicionário da Bíblia de Easton. (1.) Um macedônio, companheiro de viagem de Paulo, e seu
anfitrião em Corinth quando escreveu sua Epístola aos Romanos (16:23). .
/g/gaius.htm - 10k

Ágape
. na igreja de Corinto nas reuniões para a observância da Ceia do Senhor
(1 Coríntios 11: 20-22, 33, 34) tornam evidente que em Corinth como em .
/a/agape.htm - 15k

Sicyon
. 140 AC e Philo). Sicyon estava situada a 18 milhas a oeste de Corinth no sul
lado do Golfo de Corinth. Sua antiguidade e ancestral .
/s/sicyon.htm - 7k

Acaia (11 ocorrências)
. Em 146 AC Corinth foi destruída e a Liga quebrada (ver 1 Macabeus 15:23)
e toda a Grécia, sob o nome de Acaia, foi transformada em um .
/a/achaia.htm - 13k

Macedônia (23 ocorrências)
. A história da primeira viagem de Paulo pela Macedônia é dada em detalhes em Atos
16: 10-17: 15. No final desta jornada, ele voltou de Corinth para a Síria. .
/m/macedonia.htm - 40k

Atos 18: 1
Depois disso, Paulo partiu de Atenas e foi para Corinto.
(WEB KJV WEY ASV BBE DBY WBS YLT NAS RSV NIV)

Atos 18: 8
Crispo, o chefe da sinagoga, cria no Senhor com toda a sua casa. Muitos dos coríntios, quando ouviram, creram e foram batizados.
(Raiz em WEB KJV WEY ASV BBE DBY WBS YLT NAS RSV NIV)

Atos 18:11
Então Paulo permaneceu em Corinto por um ano e seis meses, ensinando entre eles a Mensagem de Deus.
(WEY)

Atos 18:18
Depois de permanecer um tempo considerável em Corinto, Paulo despediu-se dos irmãos e partiu para a Síria e Priscila e Áquila estavam com ele. Ele havia raspado a cabeça em Cencréia, porque estava preso por um voto.
(WEY NIV)

Atos 18:27
Então, como ele havia decidido cruzar para a Grécia, os irmãos escreveram aos discípulos em Corinto implorando-lhes que lhe dessem as boas-vindas. Após a sua chegada, prestou uma ajuda valiosa àqueles que, pela graça, acreditaram
(WEY)

Atos 19: 1
Aconteceu que, enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo, tendo passado pela região superior, foi a Éfeso e encontrou alguns discípulos.
(WEB KJV WEY ASV BBE DBY WBS YLT NAS RSV NIV)

1 Coríntios 1: 2
à assembléia de Deus que está em Corinto, os que são santificados em Cristo Jesus, chamados a serem santos, com todos os que invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo em todos os lugares, tanto deles como de nós:
(WEB KJV WEY ASV BBE DBY WBS YLT NAS RSV NIV)

1 Coríntios 4:18
Mas alguns de vocês ficaram empolgados com a idéia de que não irei para Corinto.
(WEY)

2 Coríntios 1: 1
Paulo, apóstolo de Cristo Jesus pela vontade de Deus, e Timóteo nosso irmão, à assembléia de Deus que está em Corinto, com todos os santos que estão em toda a Acaia:
(WEB KJV WEY ASV BBE DBY WBS YLT NAS RSV NIV)

2 Coríntios 1:16
e passar pelo caminho de Corinto para a Macedônia. Então, meu plano era voltar da Macedônia para convosco e ser ajudado por vós a avançar para a Judéia.
(WEY BBE)

2 Coríntios 1:23
Mas eu chamo Deus para uma testemunha para minha alma, que eu não vim a Corinto para poupá-lo.
(WEB KJV WEY ASV BBE DBY WBS YLT NAS RSV NIV)

2 Coríntios 10:14
Pois não há nenhum exagero indevido de autoridade de nossa parte, como se não se estendesse a você. Seguimos até Corinto e fomos os primeiros a anunciar-vos a Boa Nova de Cristo.
(WEY)

2 Timóteo 4:20
Erasto permaneceu em Corinto, mas deixei Trófimo em Mileto doente.
(WEB KJV WEY ASV BBE DBY WBS YLT NAS RSV NIV)


Colônias

Como muitos outros estados gregos, Corinto estabeleceu colônias, incluindo Corfu e Siracusa na Sicília. Isso permitiu-lhes desenvolver ligações comerciais e, assim, ajudou nas suas exportações.

No século 5 aC, Atenas tornou-se a potência dominante na região. Mas depois da guerra entre Atenas e Esparta (que Sparta venceu), Corinto recuperou parte de sua influência como uma das cidades gregas na & # 8220 Liga de Corinto & # 8221 sob a liderança de Filipe da Macedônia e seu filho Alexandre o Grande.

Este plano mostra as principais estruturas que foram escavadas na antiga Corinto. Como você verá, a maioria deles é da época romana.

Este mapa esquemático contém conteúdo e fotos adicionais.

Clique nas formas cinzas ou marcadores azuis para nome e descrição. Clique nos marcadores de símbolos claros para fotos.

Experimente a visualização ampliada e a visualização de satélite (encontrada na parte inferior do menu pop-up).

História de Corinto e # 8211 declínio e queda

A história de Corinto nos conta que devido a terremotos e invasões a cidade perdeu sua importância. O terremoto de 521 DC destruiu completamente a cidade, e apenas um pequeno povoado cresceu no local da velha ágora no século 10 DC. O comércio o contornou, e Corinto nunca recuperou seu antigo status, seja sob o governo dos francos, venezianos ou turcos.


Coisas para fazer

Quer você vá fazer compras, comer fora ou percorrer as trilhas, podemos garantir que você vai se divertir muito em nossa cidade. Explore as seguintes oportunidades:

De redes de grandes nomes e butiques de roupas elegantes a algo muito mais eclético, você pode encontrar em Corinto. Somos o lar de varejistas nacionais e lojas de propriedade local. Há algo para chamar a atenção de todos na família, então faça compras!

Comer localmente é um dos nossos passatempos favoritos em Corinto. A cidade oferece uma infinidade de divertidas e deliciosas experiências gastronômicas, desde a sofisticada culinária italiana e clássicos do sul até opções tailandesas e a mais antiga fonte de refrigerante em funcionamento. Não saia de nossa cidade sem visitar pelo menos um de nossos estabelecimentos de dar água na boca.

Não importa que tipo de atividade você esteja procurando, seja educação histórica, uma partida de golfe ou caminhadas em um lindo parque, Corinth tem o que você precisa. Com tudo, desde museus interativos e trilhas a teatro musical e drama, algo está acontecendo todos os dias para os habitantes locais e visitantes desfrutarem.

Após um longo dia de compras, comer e brincar, você precisa de um lugar confortável para descansar e se preparar para a próxima aventura. Além de hotéis e motéis famosos, há muitos lugares para se hospedar em Corinto. Estacione o seu trailer, reserve um quarto em uma pousada ou até mesmo alugue uma cabana confortável para você e toda a família.


Os coríntios eram muito piedosos, como evidenciam os achados das escavações. Em Corinto, eles adoravam Afrodite, Atenas, Apolo, Deméter e Coré, Hera, Poseidon, Asclépio. Os festivais religiosos incluíam música, procissões, rituais, eventos teatrais e esportivos e, é claro, oferendas aos deuses.

Na próxima vez que você visitar Corinto, passe algum tempo pensando em Sísifo em seu caminho para Acrocorinto e aprenda com seus erros. Descubra como criar sua própria experiência de viagem única ou confira o resto de nossos tours pela Grécia!


Corinth

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Corinth, cidade, sede (1870) do condado de Alcorn, nordeste do Mississippi, EUA. Situa-se 85 milhas (137 km) a leste de Memphis, Tennessee, perto da fronteira com o Tennessee. Fundada por volta de 1855 como a junção das ferrovias Memphis e Charleston e as ferrovias Mobile e Ohio, foi chamada de Cross City até 1857, quando foi rebatizada de Corinth, em homenagem à antiga cidade helênica. Durante a Guerra Civil Americana, a sangrenta Batalha de Shiloh (6 a 7 de abril de 1862) ocorreu a 32 km ao norte da cidade. Como um centro ferroviário estratégico, a própria Corinto foi palco de uma batalha (3-4 de outubro de 1862) na qual as tropas da União do general William S. Rosecrans repeliram uma força confederada liderada pelos generais Earl Van Dorn e Sterling Price. Mais de 5.500 soldados da Guerra Civil estão enterrados no Cemitério Nacional de Corinto.

As atividades econômicas incluem agricultura (milho, soja, algodão e trigo), impressão e fabricação de equipamentos eletrônicos e motores a diesel. O Pickwick Landing State Park, no Tennessee, está localizado a 20 milhas a nordeste de Corinth. Inc. 1856. Pop. (2000) 14.054 (2010) 14.573.

Este artigo foi revisado e atualizado mais recentemente por Amy Tikkanen, Gerente de Correções.


Sobre Corinto

Corinth, Mississippi, tem uma mistura única de história e novo crescimento. Corinth foi fundada em 1853 como Cross City, assim chamada porque servia como um entroncamento para as ferrovias Mobile & amp Ohio e Memphis & amp Charleston. Foi o primeiro editor de jornal da cidade, W.E. Gibson, que sugeriu o nome de Corinto, em homenagem à cidade na Grécia que também servia como uma encruzilhada. A localização de Corinto na junção de duas ferrovias tornou-a estrategicamente importante para a Confederação durante a Guerra Civil Americana. General Confederado P.G.T. Beauregard retirou-se para Corinto após a Batalha de Shiloh, perseguido pelo Major General Henry W. Halleck. O General Beauregard abandonou a cidade quando o General Halleck se aproximou, deixando-a cair nas mãos da União. Desde que Halleck se aproximou com tanta cautela, cavando trincheiras em cada parada por mais de um mês, essa ação ficou conhecida como o Cerco de Corinto.

A União também enviou o major-general William Rosecrans a Corinto e concentrou suas forças na cidade. The Second Battle of Corinth took place on October 3–4, 1862, when Confederate Maj. Gen. Earl Van Dorn attempted to retake the city. The Confederate troops won back the city for a very brief period but were quickly forced out again on the same day when the Union troops were reinforced.

Today there are approximately 14,000 people, 6,220 households, and 3,800 families residing in the city of Corinth. Located in Northeast Mississippi, Corinth is a city of contrast that attracts people from all walks of life with its history and tradition, its community spirit and hospitality, and its excellent quality of life. Whether raising a family or retiring to the “good life,” Corinth is the place to be, and no matter what your age is it is a great place to live. Considered the “Crossroads of the South”, Corinth offers great access to Memphis, Nashville and Birmingham and is located just 20 minutes away from Pickwick Lake, a beautiful recreational lake with over 90 miles of shoreline.

Corinth offers all of the quintessential small town amenities, including great schools, abundant recreational opportunities, and a quality of life that is simply unmatched.


Corinth - History


Acts 18:2 He found a certain Jew named Aquila, a man of Pontus by race, who had recently come from Italy, with his wife Priscilla, because Claudius had commanded all the Jews to depart from Rome. He came to them,

Acts 18:5 But when Silas and Timothy came down from Macedonia, Paul was compelled by the Spirit, testifying to the Jews that Jesus was the Christ.

Acts 19:1 It happened that, while Apollos was at Corinth, Paul, having passed through the upper country, came to Ephesus, and found certain disciples.

1 Corinthians 1:2 to the assembly of God which is at Corinth those who are sanctified in Christ Jesus, called to be saints, with all who call on the name of our Lord Jesus Christ in every place, both theirs and ours:

2 Corinthians 1:1 Paul, an apostle of Christ Jesus through the will of God, and Timothy our brother, to the assembly of God which is at Corinth, with all the saints who are in the whole of Achaia:

2 Corinthians 1:23 But I call God for a witness to my soul, that I didn't come to Corinth to spare you.

2 Timothy 4:20 Erastus remained at Corinth, but I left Trophimus at Miletus sick.

kor'-inth (Korinthos, "ornament"): A celebrated city of the Peloponnesus, capital of Corinthia, which lay North of Argolis, and with the isthmus joined the peninsula to the mainland. Corinth had three good harbors (Lechaeum, on the Corinthian, and Cenchrea and Schoenus on the Saronic Gulf), and thus commanded the traffic of both the eastern and the western seas. The larger ships could not be hauled across the isthmus (Acts 27:6, 37) smaller vessels were taken over by means of a ship tramway with wooden rails. The Phoenicians, who settled here very early, left many traces of their civilization in the industrial arts, such as dyeing and weaving, as well as in their religion and mythology. The Corinthian cult of Aphrodite, of Melikertes (Melkart) and of Athene Phoenike are of Phoenician origin. Poseidon, too, and other sea deities were held in high esteem in the commercial city. Various arts were cultivated and the Corinthians, even in the earliest times, were famous for their cleverness, inventiveness and artistic sense, and they prided themselves on surpassing the other Greeks in the embellishment of their city and in the adornment of their temples. There were many celebrated painters in Corinth, and the city became famous for the Corinthian order of architecture: an order, which, by the way, though held in high esteem by the Romans, was very little used by the Greeks themselves. It was here, too, that the dithyramb (hymn to Dionysus) was first arranged artistically to be sung by a chorus and the Isthmian games, held every two years, were celebrated just outside the city on the isthmus near the Saronic Gulf. But the commercial and materialistic spirit prevailed later. Not a single Corinthian distinguished himself in literature. Statesmen, however, there were in abundance: Periander, Phidon, Timoleon.

Harbors are few on the Corinthian Gulf. Hence, no other city could wrest the commerce of these waters from Corinth. According to Thucydides, the first ships of war were built here in 664 B.C. In those early days Corinth held a leading position among the Greek cities but in consequence of her great material prosperity she would not risk all as Athens did, and win eternal supremacy over men: she had too much to lose to jeopardize her material interests for principle, and she soon sank into the second class. But when Athens, Thebes, Sparta and Argos fell away, Corinth came to the front again as the wealthiest and most important city in Greece and when it was destroyed by Mummius in 146 B.C., the treasures of art carried to Rome were as great as those of Athens. Delos became the commercial center for a time but when Julius Caesar restored Corinth a century later (46 B.C.), it grew so rapidly that the Roman colony soon became again one of the most prominent centers in Greece. When Paul visited Corinth, he found it the metropolis of the Peloponnesus. Jews flocked to this center of trade (Acts 18:1-18 Romans 16:21 1 Corinthians 9:20), the natural site for a great mart, and flourishing under the lavish hand of the Caesars and this is one reason why Paul remained there so long (Acts 18:11) instead of sojourning in the old seats of aristocracy, such as Argos, Sparta and Athens. He found a strong Jewish nucleus to begin with and it was in direct communication with Ephesus. But earthquake, malaria, and the harsh Turkish rule finally swept everything away except seven columns of one old Doric temple, the only object above ground left today to mark the site of the ancient city of wealth and luxury and immorality-the city of vice paragraph excellence in the Roman world. Near the temple have been excavated the ruins of the famous fount of Peirene, so celebrated in Greek literature. Directly South of the city is the high rock (over 1,800 ft.) Acrocorinthus, which formed an impregnable fortress. Traces of the old ship-canal across the isthmus (attempted by Nero in 66-67 A.D.) were to be seen before excavations were begun for the present canal. At this time the city was thoroughly Roman. Hence, the many Latin names in the New Testament: Lucius, Tertius, Gaius, Erastus, Quartus (Romans 16:21-23), Crispus, Titus Justus (Acts 18:7, 8), Fortunatus, Achaicus (1 Corinthians 16:17). According to the testimony of Dio Chrysostomus, Corinth had become in the 2nd century of our era the richest city in Greece. Its monuments and public buildings and art treasures are described in detail by Pausanias.

The church in Corinth consisted principally of non-Jews (1 Corinthians 12:2). Paul had no intention at first of making the city a base of operations (Acts 18:1 Acts 16:9, 10) for he wished to return to Thessalonica (1 Thessalonians 2:17, 18). His plans were changed by a revelation (Acts 18:9, 10). The Lord commanded him to speak boldly, and he did so, remaining in the city eighteen months. Finding strong opposition in the synagogue he left the Jews and went to the Gentiles (Acts 18:6). Nevertheless, Crispus, the ruler of the synagogue and his household were believers and baptisms were numerous (Acts 18:8) but no Corinthians were baptized by Paul himself except Crispus, Gaius and some of the household of Stephanas (1 Corinthians 1:14, 16) "the firstfruits of Achaia" (1 Corinthians 16:15). One of these, Gaius, was Paul's host the next time he visited the city (Romans 16:23). Silas and Timothy, who had been left at Berea, came on to Corinth about 45 days after Paul's arrival. It was at this time that Paul wrote his first Epistle to the Thessalonians (1 Thessalonians 3:6). During Gallio's administration the Jews accused Paul, but the proconsul refused to allow the case to be brought to trial. This decision must have been looked upon with favor by a large majority of the Corinthians, who had a great dislike for the Jews (Acts 18:17). Paul became acquainted also with Priscilla and Aquila (Acts 18:18, 26 Romans 16:3 2 Timothy 4:19), and later they accompanied him to Ephesus. Within a few years after Paul's first visit to Corinth the Christians had increased so rapidly that they made quite a large congregation, but it was composed mainly of the lower classes: they were neither `learned, influential, nor of noble birth' (1 Corinthians 1:26).

Paul probably left Corinth to attend the celebration of the feast at Jerusalem (Acts 18:21). Little is known of the history of the church in Corinth after his departure. Apollos came from Ephesus with a letter of recommendation to the brethren in Achaia (Acts 18:27 2 Corinthians 3:1) and he exercised a powerful influence (Acts 18:27, 28 1 Corinthians 1:12) and Paul came down later from Macedonia. His first letter to the Corinthians was written from Ephesus. Both Titus and Timothy were sent to Corinth from Ephesus (2 Corinthians 7:13, 15 1 Corinthians 4:17), and Timothy returned by land, meeting Paul in Macedonia (2 Corinthians 1:1), who visited Greece again in 56-57 or 57-58.

Leake, Travels in the Morea, IlI, 229-304 Peloponnesiaca, 392 Curtius, Peloponnesos, II, 514 Clark, Peloponnesus, 42-61 Conybeare and Howson, The Life and Epistles' of Paul, chapter xii Ramsay, "Corinth" (in HDB) Holm, History of Greece, I, 286 II, 142, and 306-16 III, 31-44, and 283 IV, 221, 251, 347 and 410-12.

COR'INTH, the splendid capital of Achaia, 46 ms. C. of Athens, Cenchrea was its e. seaport. It is now desolate except that the little miserable village Gortho occupies a part of its ancient site.


The City Of Corinth

Corinth is located in southern Greece about 50 miles from Athens, and about two miles south of the narrow isthmus that forms a land bridge between the main landmass of Greece and the Peloponnesus. The isthmus is less than four miles wide. Corinth controlled the two major harbors and thus command of the trade routes between Asia and Rome. In ancient days small ships were dragged across the isthmus on a paved road larger ships unloaded their cargo, which was then carried across the isthmus and then reloaded onto other ships.

"One of the most important factors drawing Paul to Corinth was its strategic location on the narrow isthmus connecting central Greece to the southern land mass of the Peloponnese. Even more important than the land travel north and south, however, was the sea travel cast and west through the Saronic Gulf and the Gulf of Corinth, lapping the eastern and western shores of the isthmus respectively. The Roman poet Horace wrote in praise of 'twin-sea'd Corinth.' Ship captains plying the northern Mediterranean sea route between Europe and the Aegean Sea much preferred to bring their vessels through the sheltered waters of these two gulfs rather than to add over 200 miles to their sea journey and to risk the more exposed seas off the southern coast of the Peloponnese. Corinth stood, therefore, at a heavily traveled crossroads of the Roman empire. The idea for a canal had emerged as early as the 7th century B.C." (The Biblical World In Pictures).

Alexander the Great, Julius Caesar, and Caligula all considered making a canal through the isthmus. In 67 A.D., 15 years after Paul came here, Nero came to Corinth to turn over a spadeful of soil in a groundbreaking ceremony for a canal to be dug by Jewish prisoners, but the project was abandoned. French engineers completed a canal in 1881-93.

The city flourished from the 8th to the 5th centuries B.C. Because of the leading role it had played against them as a member of the Achaean League, the Roman consul Lucius Mummius burned and destroyed the city in 146 B.C., and left her a heap of ruins. All that remains of the old Greek city is a part of the old marketplace, the seven colums of the temple of Apollo, and a fountain which was preserved by the Romans.

Julius Caeser rebuilt Corinth around 46-44 B.C. as a Roman colony and renamed it Colonia Laus Julia Corinthiensis, "Corinth the praise of Julius."

The majority of the population was Greek, but a large number of Roman military veterans lived there as well, with a sprinkling of Phoenicians and Phrygians. The Roman character of the city is reflected by the many Latin names associated with it in the New Testament: Aquila, Priscilla Crispus, Lucius, Gaius, Tertius, Erastus, Quartus, Fortunatus, Achaicus.

Corinth became the capital of the Roman province of Achaia. In Roman Corinth, old temples were restored and enlarged, new shops and markets built, new water supplies developed, and many public buildings added (including three governmental buildings and an amphitheater seating over 14,000). In the 1st century Corinth's public marketplace (agora, forum) was larger than any in Rome. By 50 A.D., when Paul visited Corinth, it was the most beautiful, modern, and industrious city of its size in Greece.

Corinth had a Jewish synagogue (Acts 18:4). Crispus, the ruler of the synagogue (Acts 18:8), was baptized by Paul himself (1 Cor. 1:14). Apparently Silas and Timothy baptized the other converts at Corinth (1 Cor. 1:14-17).


Corinth - History

HISTORY of CORINTH, NY
FROM OUR COUNTY AND ITS PEOPLE
A DESCRIPTIVE AND BIOGRAPHICAL RECORD OF
S ARATOGA C OUNTY
NEW YORK
PREPARED AND PUBLISHED UNDER THE AUSPICES OF
T HE S ARATOGIAN
THE BOSTON HISTORY COMPANY, PUBLISHERS 1899

Corinth is bounded on the north by Day and Hadley, on the east by Warren county and Moreau, on the south by Wilton and Greenfield, and on the west by Edinburgh. The Revised Statutes define the town thus:

The town of Corinth shall contain all that part of said county beginning at the southeast corner of the town of Edinburgh and running thence south along the east bounds of Providence to a point due west from the middle of a public highway south of and adjoining the late dwelling house of George Shove, deceased, then east to the middle of the said highway, then east to the northwest corner of Wilton, then north thirty-two degrees east to a place called Flat Rock on or near the western bank of said river, then north to the bounds of the county, then westerly and northerly along the bounds of the county to a point six miles north of the south bounds of said town of Corinth, then west parallel to said south bounds to the east bounds of Edinburgh, and then south along the same to the place of beginning.

The surface of Corinth is mountainous, abounding in wild, diversified and exceedingly picturesque scenery. The Kayaderosseras range of mountains extend through the northern and western portion, and the Palmertown mountains occupy the southeastern part. In the extreme southeastern corner is the famous Mount McGregor, where Gen. Ulysses S. Grant died. This mountain, however, lies partly in Moreau and Wilton. In the northwestern part are several small lakes, among the larger being Hunt, Efnor, and Jenny lakes and Black pond. Early s creek runs along the foot of the Kayaderosseras range Daly s creek, which is supplied by the lakes above named, flows northward across the western part of the town Clothier s creek flows along the northwestern base of Mount McGregor and the Kayaderosseras creek rises in the southern part and flows in a southerly direction into Saratoga lake. The great falls of the Hudson river lie about midway of the eastern boundary. The scenery at Palmer s Falls is probably unexcelled in New York State, except that the world of industry has laid its hand upon the waterpower there for manufacturing purposes. The Adirondack railroad runs nearly north and south east of the middle of the town. The, Mount McGregor railroad enters the extreme southeastern corner, its track extending about a mile into the town.

The first settlement in Corinth was made near Mount McGregor about 1775 by Ambrose Clothier. Samuel Eggleston located near by in the same year. Benjamin Ide came from Jonesville, in Clifton Park, in 1777. The first church (Baptist) was constituted in 1795. The first lumber mills in the town were built about 1800. Jonathan Deuel owned one at South Corinth in that year. The first clothing mill was built about 1805 on Kayaderosseras creek by Washington Chapman. Hiram Chapman had the, first store, at South Corinth, in 1826.

Corinth is a village located in the northeastern part of the town. It has several manufactures, including paper mills. The village is of modern growth. It was incorporated in 1888 since which time the village presidents have been:

1888, Warren Curtis 1889-1890, S. C. Johnson 1891, Daniel B. Ide 1892, Charles H. Pitts 1893, F. R. Walker 1894, Charles H. Pitts 1895, James B. Ross 1896, Levi B. Dedrick 1897 1898, W. Curtis, jr.

South Corinth is a hamlet located in the southern part of the town, on the Adirondack railroad.

Corinth was formed from Hadley April 20, 181St At the first town meeting held in April, 1819, Benjamin Cowles was elected supervisor and John W. Taylor clerk. Since that time the supervisors of Cornith have been:


Corinth - History

Corinth was a powerful ancient Greek city-state. It was located on the coast and was ruled by a king. The Corinthians were problem solvers, possibly the best problem solvers in ancient Greece.

For a while, the ancient Greek city-state of Corinth had a huge problem with unemployment. Their city grew faster than the job market. Some city-states would have ignored this situation. But not Corinth. They solved this problem by creating public works projects. One of the public works projects was to build new aqueducts, the huge pipes that brought fresh water into the city. This put people to work, and solved another problem - the need for enough safe drinking water to provide to their growing population.

One of their most clever solutions was to create their own coinage. Argos did that as well. But Corinth took it one step further. They opened places where people could trade their money for Corinthian money so people could pay for goods. This was not a free service. There was a charge for this. Corinth was one of the largest centers of trade in ancient Greece. So the city made a great deal of money from their money exchange program.

Corinth felt their schools were as good as those in Athens. They were not as fancy perhaps, but the level of education in Corinth was outstanding. All boys went to military school for at least two years after high school.

Corinth worked at being a leader in the ancient Greek world, and they were highly respected by other Greek city-states. The people of Corinth were very proud of their city-state.


Assista o vídeo: Grecja - korynt #1