Homem na Lua no final da Lua - História

Homem na Lua no final da Lua - História


A lua e o homem aos 50: por que o discurso de exploração espacial de JFK ainda ressoa

Hoje, há cinquenta anos (25 de maio), o presidente John F. Kennedy apresentou à NASA e à nação um desafio histórico: colocar um homem na Lua e devolvê-lo em segurança à Terra antes do final da década de 1960.

O dramático discurso de Kennedy em 1961 deu início ao programa Apollo da NASA, uma corrida total até a lua que teve sucesso quando a bota de Neil Armstrong caiu na terra lunar em 20 de julho de 1969. O pouso na lua foi uma conquista tremenda para a humanidade e um grande impulso ao orgulho tecnológico americano, que havia sido seriamente ferido por várias derrotas recentes na corrida espacial para a União Soviética.

O impacto das palavras de Kennedy ainda perdura, muito depois que a Apollo chegou ao fim em 1972. O discurso mudou fundamentalmente a NASA, aumentando o perfil público da agência espacial e criando uma enorme infraestrutura que continua a existir hoje. [Fotos: John F. Kennedy's NASA Legacy]

"Esta é a decisão mais significativa tomada por nossos líderes políticos nacionais em relação às atividades espaciais", disse Roger Launius, curador de história espacial do Museu Nacional Aéreo e Espacial do Smithsonian. Além de iniciar a primeira jornada da humanidade para outro mundo, ele acrescentou, "transformou a NASA em uma grande agência espacial espetacular, o que não era antes."

Um desafio da Guerra Fria

Kennedy fez seu discurso antes de uma sessão especial conjunta do Congresso, apenas quatro meses depois de tomar posse como presidente. Cheio de iniciativas políticas propostas (o desafio da lua sendo o último e mais dramático deles), o discurso foi uma tentativa de colocar sua presidência nos trilhos após um início muito acidentado. [Vídeo: Momento Moonshot do presidente Kennedy]

No breve mandato de Kennedy, os Estados Unidos já haviam sofrido duas derrotas importantes na Guerra Fria para a rival URSS. Primeiro, em 12 de abril, o cosmonauta Yuri Gagarin se tornou o primeiro humano a chegar ao espaço, fazendo uma órbita completa da Terra durante uma missão de 108 minutos. (A NASA lançou Alan Shepard com sucesso em 5 de maio, mas seu vôo de 15 minutos só alcançou o espaço suborbital.)

Então, em 17 de abril de 1961, começou a desastrosa invasão da Baía dos Porcos. Um pequeno grupo de exilados cubanos treinados pela CIA invadiu o país insular na tentativa de derrubar o governo comunista de Fidel Castro, que era apoiado pela União Soviética. Os pretensos revolucionários foram derrotados em três dias.

E os soviéticos haviam conquistado outra grande vitória menos de quatro anos antes, com o lançamento surpresa do Sputnik I, o primeiro satélite artificial do mundo, em outubro de 1957. Aquele evento importante efetivamente deu início à corrida espacial.

Assim, Kennedy sentiu que ele e a nação deveriam responder aos soviéticos para demonstrar a superioridade tecnológica americana e a liderança internacional. Ele acreditava que os Estados Unidos precisavam de uma grande conquista no espaço. [50 anos de visões presidenciais para exploração espacial]

"A União Soviética meio que definiu o campo de jogo como um sucesso espacial, e Kennedy chegou à conclusão de que não tinha escolha a não ser aceitar esse jogo em vez de tentar mudar as apostas em outra coisa", disse o especialista em política espacial John Logsdon, autor de "John F. Kennedy e a corrida para a lua" (Palgrave Macmillian, 2010).

Chegando à lua primeiro

Pouco depois da fuga de Gagarin, Kennedy se reuniu com alguns de seus principais conselheiros para descobrir como derrotar os soviéticos no espaço. Eles precisavam encontrar algo em que a URSS ainda não tivesse uma grande vantagem. [Moon Shot de JFK: perguntas e respostas com o especialista em política espacial John Logsdon]

A resposta de consenso: um pouso tripulado na lua.

"Eles [os soviéticos] teriam que construir um foguete novo e maior para enviar as pessoas à superfície da lua", disse Logsdon ao SPACE.com "E assim a lua se tornou a primeira coisa que os Estados Unidos tiveram, como [o famoso foguete o designer Wernher] von Braun disse, uma chance esportiva de ser o primeiro. "

Kennedy apresentou o ambicioso objetivo da lua apenas seis semanas após o vôo de Gagarin. O ano que Kennedy e seus conselheiros originalmente tinham em mente para o primeiro pouso lunar tripulado deixa claro que as preocupações com a Guerra Fria motivaram o presidente.

"O discurso inicial diz 1967", disse Launius ao SPACE.com. "A razão para isso foi que seria o 50º aniversário da Revolução Bolchevique."

Mas Kennedy aparentemente tinha mudado de idéia sobre esse prazo, temendo que pousar um homem na lua em menos de sete anos pudesse ser muito difícil. Então ele fez uma pequena improvisação de último segundo.

"Literalmente a caminho para fazer o discurso, Kennedy simplesmente supera isso e diz, 'até o final da década'", disse Launius.

Efeitos de longa duração

O programa Apollo atingiu a meta de Kennedy em 20 de julho de 1969, quando os astronautas Neil Armstrong e Buzz Aldrin se tornaram os primeiros humanos a pisar em um mundo além da Terra. Mais cinco missões Apollo eventualmente levaram astronautas à Lua, a última ocorrendo em dezembro de 1972.

O impacto das palavras de Kennedy, no entanto, não terminou com essa última missão. Seu discurso mudou a NASA de maneiras fundamentais e duradouras.

"Para tornar possível o pouso na lua, a NASA teve que aumentar muito em termos de financiamento", disse Launius. "Era preciso construir novos centros e implementar novos sistemas para realizar essa tarefa. Então, uma das coisas que resultou disso foi a criação de uma infraestrutura que agora precisa ser alimentada para sempre."

Embora o orçamento da NASA tenha diminuído consideravelmente desde seu apogeu Apollo, a agência teve que continuar apoiando esses centros e seu grande número de funcionários. A NASA não teve permissão para ajustar a infraestrutura em um esforço para esticar seu financiamento limitado, disse Launius, porque isso significaria a perda de empregos nos distritos de congressistas influentes.

"Eu sei que tem havido tentativas de administradores da NASA ao longo dos anos para tentar fechar centros, e eles têm sido interrompidos a cada passo", disse Launius. "Então, você está gastando mais dinheiro hoje do que gostaria de gastar apenas com as coisas associadas às instalações."

Um mundo sem Apollo?

A NASA tinha um plano para voos espaciais humanos antes do discurso de Kennedy. Envolveu a demonstração de proficiência em órbita baixa da Terra com o programa Mercury. Mais tarde, a agência desenvolveria um veículo alado reutilizável, como o ônibus espacial de hoje, e colocaria uma estação espacial em órbita. Então viriam jornadas mais ambiciosas & mdash indo para a lua e, eventualmente, para Marte.

"Essa foi uma estratégia integrada bastante razoável", disse Launius. "Quando Kennedy disse, 'Vamos para a lua', ele jogou tudo isso em um chapéu armado."

Então, talvez os astronautas da NASA tivessem chegado à lua algum dia, talvez algumas décadas depois, e o discurso emocionante de Kennedy apenas mudou a linha do tempo. Mas isso não é um dado adquirido, considerando a frequência com que planos caros e ambiciosos de voos espaciais não são realizados (o custo do programa Apollo é estimado em US $ 25 bilhões, bem mais de US $ 100 bilhões em dólares atuais).

Portanto, talvez o desafio ousado de Kennedy, impulsionado pelas pressões da corrida espacial da Guerra Fria, fosse essencial. Talvez sem esse discurso, a humanidade ainda estaria olhando para a lua e se perguntando quando o primeiro pé humano pousaria na poeira lunar cinzenta.

O discurso de Kennedy "foi um produto da convergência da política do momento com os sonhos de séculos", disse Logsdon. "E eu acho que Kennedy foi um líder capaz de fazer isso, de misturar visão de longo prazo com realidade política de maneiras que se transformaram em algo grandioso."


Homem na Lua no final da Lua - História

Em um dia muito quente de final de verão em 1962, o presidente Kennedy visitou a Rice University em Houston, Texas, e fez seu discurso ao ar livre no estádio de futebol. O presidente falou em termos filosóficos sobre a necessidade de resolver os mistérios do espaço, reafirmou o compromisso da América em pousar um homem na Lua antes do final da década de 1960 e também defendeu o enorme gasto do programa espacial. Ao longo do caminho, o presidente fez menções humorísticas à rivalidade do futebol entre Rice e Texas e ao calor escaldante.

Presidente Pitzer, Sr. Vice-Presidente, Governador, Congressista Thomas, Senador Wiley, e Congressista Miller, Sr. Webb, Sr. Bell, cientistas, distintos convidados e senhoras e senhores:

Agradeço que seu presidente tenha me nomeado professor visitante honorário e garanto que minha primeira palestra será muito breve.

Estou muito feliz por estar aqui e particularmente feliz por estar aqui nesta ocasião.

Nós nos encontramos em uma faculdade conhecida pelo conhecimento, em uma cidade famosa pelo progresso, em um estado conhecido pela força, e precisamos dos três, pois nos encontramos em uma hora de mudança e desafio, em uma década de esperança e medo , em uma era de conhecimento e ignorância. Quanto maior for o nosso conhecimento, maior será a nossa ignorância.

Apesar do fato surpreendente de que a maioria dos cientistas que o mundo já conheceu estão vivos e trabalhando hoje, apesar do fato de que a força de trabalho científica desta nação está dobrando a cada 12 anos em uma taxa de crescimento mais de três vezes maior do que a de nossa população como um No todo, apesar disso, os vastos trechos do desconhecido e do não respondido e do inacabado ainda ultrapassam em muito nossa compreensão coletiva.

Nenhum homem pode compreender completamente o quão longe e com que rapidez viemos, mas condensar, se você quiser, os 50.000 anos de história do homem registrados em um intervalo de tempo de apenas meio século. Dito nesses termos, sabemos muito pouco sobre os primeiros 40 anos, exceto no final deles o homem avançado aprendeu a usar peles de animais para cobri-los. Então, cerca de 10 anos atrás, sob esse padrão, o homem emergiu de suas cavernas para construir outros tipos de abrigo. Há apenas cinco anos, o homem aprendeu a escrever e a usar um carrinho com rodas. O cristianismo começou há menos de dois anos. A imprensa surgiu este ano e, menos de dois meses atrás, durante todo esse período de 50 anos de história da humanidade, a máquina a vapor forneceu uma nova fonte de energia. Newton explorou o significado da gravidade. No mês passado, luzes elétricas e telefones e automóveis e aviões foram disponibilizados. Apenas na semana passada desenvolvemos a penicilina, a televisão e a energia nuclear, e agora, se a nova espaçonave americana conseguir chegar a Vênus, teremos literalmente alcançado as estrelas antes da meia-noite desta noite.

Este é um ritmo de tirar o fôlego, e esse ritmo não pode ajudar, mas cria novos males ao dissipar a velha e nova ignorância, novos problemas, novos perigos. Certamente, as vistas iniciais do espaço prometem altos custos e dificuldades, bem como grandes recompensas.

Portanto, não é surpreendente que alguns nos façam ficar onde estamos um pouco mais para descansar, para esperar. Mas esta cidade de Houston, este estado do Texas, este país dos Estados Unidos não foi construído por aqueles que esperaram e descansaram e quiseram olhar para trás. Este país foi conquistado por aqueles que avançaram - e o espaço também.

William Bradford, falando em 1630 sobre a fundação da Colônia da Baía de Plymouth, disse que todas as grandes e honrosas ações são acompanhadas de grandes dificuldades, e ambas devem ser empreendidas e superadas com coragem responsável.

Se esta cápsula da história do nosso progresso nos ensina alguma coisa, é que o homem, em sua busca pelo conhecimento e pelo progresso, está determinado e não pode ser detido. A exploração do espaço irá adiante, quer participemos dela ou não, e é uma das grandes aventuras de todos os tempos, e nenhuma nação que espera ser líder de outras nações pode esperar ficar para trás nesta corrida pelo espaço .

Aqueles que vieram antes de nós asseguraram-se de que este país cavalgou as primeiras ondas da revolução industrial, as primeiras ondas da invenção moderna e a primeira onda de energia nuclear, e esta geração não pretende afundar no retrocesso da era vindoura de espaço. Queremos fazer parte dele - queremos liderá-lo. Pois os olhos do mundo agora olham para o espaço, para a lua e para os planetas além, e juramos que não o veremos governado por uma bandeira hostil de conquista, mas por uma bandeira de liberdade e paz. Juramos que não veremos o espaço repleto de armas de destruição em massa, mas de instrumentos de conhecimento e compreensão.

No entanto, os votos desta Nação só podem ser cumpridos se nós, nesta Nação, formos os primeiros e, portanto, pretendemos ser os primeiros. Em suma, nossa liderança na ciência e na indústria, nossas esperanças de paz e segurança, nossas obrigações para conosco e também para com os outros, tudo exige que façamos este esforço, para resolver esses mistérios, para resolvê-los para o bem de todos os homens, e para se tornar a nação líder mundial em viagens espaciais.

Navegamos neste novo mar porque há novos conhecimentos a serem adquiridos e novos direitos a serem conquistados, e eles devem ser conquistados e usados ​​para o progresso de todas as pessoas. Pois a ciência espacial, como a ciência nuclear e toda tecnologia, não tem consciência própria. Se ela se tornará uma força para o bem ou para o mal, depende do homem, e somente se os Estados Unidos ocuparem uma posição de preeminência poderemos ajudar a decidir se esse novo oceano será um mar de paz ou um novo teatro de guerra aterrorizante. Não digo que devemos ou iremos ficar desprotegidos contra o uso hostil do espaço, assim como não estamos desprotegidos contra o uso hostil da terra ou do mar, mas digo que o espaço pode ser explorado e dominado sem alimentar o fogo da guerra, sem repetir os erros que o homem cometeu ao estender sua escrita ao redor deste nosso globo.

Não há contenda, nenhum preconceito, nenhum conflito nacional no espaço sideral ainda. Seus perigos são hostis a todos nós. Sua conquista merece o melhor de toda a humanidade, e sua oportunidade de cooperação pacífica muitos nunca mais voltarão. Mas por que, dizem alguns, a lua? Por que escolher isso como nosso objetivo? E eles podem perguntar por que escalar a montanha mais alta? Por que, 35 anos atrás, voar no Atlântico? Por que Rice joga no Texas?

Nós escolhemos ir à lua. Escolhemos ir à lua nesta década e fazer as outras coisas, não porque sejam fáceis, mas porque são difíceis, porque esse objetivo servirá para organizar e medir o melhor de nossas energias e habilidades, porque esse desafio é um só que estamos dispostos a aceitar, que não queremos adiar e que pretendemos ganhar, e os outros também.

É por essas razões que considero a decisão do ano passado de mudar nossos esforços no espaço de baixa para alta velocidade como uma das decisões mais importantes que serão tomadas durante meu mandato na Presidência.

Nas últimas 24 horas, vimos instalações sendo criadas para a maior e mais complexa exploração da história do homem. Sentimos o chão tremer e o ar estilhaçado pelo teste de um foguete auxiliar Saturn C-1, muitas vezes mais poderoso do que o Atlas que lançou John Glenn, gerando energia equivalente a 10.000 automóveis com seus aceleradores no chão. Vimos o local onde cinco motores de foguete F-1, cada um tão potente quanto todos os oito motores do Saturno combinados, serão agrupados para fazer o míssil Saturno avançado, montado em um novo edifício a ser construído no Cabo Canaveral tão alto como uma estrutura de 48 andares, com a largura de um quarteirão e com o comprimento de dois comprimentos deste campo.

Nestes últimos 19 meses, pelo menos 45 satélites circundaram a Terra. Cerca de 40 deles foram feitos nos Estados Unidos da América e eram muito mais sofisticados e forneciam muito mais conhecimento às pessoas do mundo do que os da União Soviética.

A espaçonave Mariner agora a caminho de Vênus é o instrumento mais intrincado da história da ciência espacial. A precisão desse tiro é comparável a disparar um míssil do Cabo Canaveral e deixá-lo cair neste estádio entre as linhas de 40 jardas.

Os satélites de trânsito estão ajudando nossos navios no mar a tomar um rumo mais seguro. Os satélites Tiros nos deram avisos sem precedentes de furacões e tempestades, e farão o mesmo com incêndios florestais e icebergs.

Tivemos nossos fracassos, mas outros também, mesmo que não os admitam. E eles podem ser menos públicos.

Com certeza, estamos para trás e ficaremos para trás por algum tempo em vôo tripulado. Mas não pretendemos ficar para trás e, nesta década, vamos fazer as pazes e seguir em frente.

O crescimento de nossa ciência e educação será enriquecido por novos conhecimentos de nosso universo e meio ambiente, por novas técnicas de aprendizagem, mapeamento e observação, por novas ferramentas e computadores para a indústria, medicina, casa e também escola. Instituições técnicas, como Rice, farão a colheita desses ganhos.

E, finalmente, o próprio esforço espacial, ainda em sua infância, já criou um grande número de novas empresas e dezenas de milhares de novos empregos. As indústrias espaciais e correlatas estão gerando novas demandas em investimentos e pessoal qualificado, e esta cidade e este estado, e esta região, terão grande participação neste crescimento. O que antes era o posto avançado mais distante na velha fronteira do Oeste será o mais avançado posto avançado na nova fronteira da ciência e do espaço. Houston, sua cidade de Houston, com seu Manned Spacecraft Center, se tornará o coração de uma grande comunidade científica e de engenharia. Durante os próximos 5 anos, a Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço espera dobrar o número de cientistas e engenheiros nesta área, para aumentar seus gastos com salários e despesas para $ 60 milhões por ano para investir cerca de $ 200 milhões em instalações de fábricas e laboratórios e para dirigir ou contrato para novos esforços espaciais acima de US $ 1 bilhão deste centro nesta cidade.

Com certeza, tudo isso nos custa muito dinheiro. O orçamento espacial deste ano é três vezes o que era em janeiro de 1961 e é maior do que o orçamento espacial dos oito anos anteriores combinados. Esse orçamento agora é de US $ 5.400 milhões por ano - uma quantia impressionante, embora um pouco menos do que pagamos por cigarros e charutos todos os anos. Os gastos com espaço em breve aumentarão um pouco mais, de 40 centavos por pessoa por semana para mais de 50 centavos por semana para cada homem, mulher e criança nos Estados Unidos, pois demos a este programa uma alta prioridade nacional - embora eu saiba que este é, em certa medida, um ato de fé e visão, pois não sabemos agora que benefícios nos aguardam. Mas se eu dissesse, meus concidadãos, que enviaríamos à lua, a 240.000 milhas de distância da estação de controle em Houston, um foguete gigante com mais de 300 pés de altura, o comprimento deste campo de futebol, feito de novas ligas de metal , alguns dos quais ainda não foram inventados, capazes de suportar o calor e tensões várias vezes mais do que nunca, equipados com uma precisão melhor do que o melhor relógio, carregando todo o equipamento necessário para propulsão, orientação, controle, comunicações, comida e sobrevivência, em uma missão não experimentada, a um corpo celeste desconhecido, e então devolvê-lo com segurança à terra, reentrando na atmosfera a velocidades de mais de 25.000 milhas por hora, causando calor cerca de metade da temperatura do sol - quase tão quente quanto está aqui hoje - e fazer tudo isso, e fazer certo, e fazer isso antes que esta década termine - então devemos ser ousados.

Sou eu que estou fazendo todo o trabalho, então só queremos que você fique calmo por um minuto. [risada]

No entanto, acho que vamos fazer isso, e acho que devemos pagar o que precisa ser pago. Não acho que devemos desperdiçar dinheiro, mas acho que devemos fazer o trabalho. E isso será feito na década de sessenta. Pode ser feito enquanto alguns de vocês ainda estão aqui na escola nesta faculdade e universidade. Isso será feito durante os mandatos de algumas das pessoas que se sentam aqui nesta plataforma. Mas isso será feito. E isso será feito antes do final desta década.

E estou muito feliz que esta universidade esteja contribuindo para colocar um homem na Lua como parte de um grande esforço nacional dos Estados Unidos da América.

Muitos anos atrás, perguntaram ao grande explorador britânico George Mallory, que morreria no Monte Everest, por que ele queria escalá-lo. Ele disse: "Porque está lá."

Bem, o espaço está lá, e nós vamos escalá-lo, e a lua e os planetas estão lá, e novas esperanças de conhecimento e paz estão lá. E, portanto, ao zarpar, pedimos a bênção de Deus para a mais arriscada e perigosa e maior aventura em que o homem já embarcou.

Obrigada.

Presidente John F. Kennedy - 12 de setembro de 1962

Termos de uso: Casa / escola particular não comercial, não reutilização da Internet somente é permitida de qualquer texto, gráfico, fotos, clipes de áudio, outros arquivos eletrônicos ou materiais do The History Place.


Kennedy & # 39s Famous & # 39Moon & # 39 Speech Still Stirs

Em 12 de setembro de 1962, em meio a uma feroz corrida espacial com a União Soviética, o presidente dos Estados Unidos John F. Kennedy fez um discurso emocionante para 40.000 espectadores suados no estádio de futebol da Universidade Rice, na úmida Houston, um discurso que viria a ser um dos os momentos decisivos de sua presidência abreviada.

Cinqüenta anos depois, aquele discurso icônico - em que Kennedy convocou a América para colocar um homem na lua até o final daquela década - está sendo comemorado pela agência espacial americana NASA e pela tripulação da Estação Espacial Internacional (ISS), que atualmente inclui cosmonautas russos Gennady Padalka e Sergei Revin e o ucraniano Yuri Malenchenko.

Disse Kennedy, nas palavras mais famosas daquele endereço de Rice:

Esse desafio assustador veio apenas sete meses depois de John Glenn, a bordo do Friendship 7, se tornar o primeiro americano a orbitar a Terra, que por si só estava quase um ano atrás da conquista da União Soviética de colocar o primeiro homem do mundo, Yuri Gagarin, em espaço.

Um homem na lua em sete anos, embora nenhuma caminhada espacial ainda tenha ocorrido, nenhuma ancoragem no espaço tenha sido praticada, nenhum módulo lunar tenha sido construído.

ASSISTIR: Discurso de Kennedy & quotmoon & quot na Rice University


Kennedy reconheceu o trabalho pela frente:

Sem mencionar o nome da União Soviética, Kennedy - assustado com os avanços espaciais daquela nação - deixou claro que era sua intenção derrotar o Kremlin em seu próprio jogo, ser o primeiro militar e tecnologicamente.

Como o correspondente Mike Wall observa sobre Space.com, Kennedy enfatizou que a carga da humanidade no espaço é inexorável e que o mundo estaria melhor com os Estados Unidos liderando:

Em 20 de julho de 1969, os astronautas da Apollo 11 Neil Armstrong e Buzz Aldrin cumpriram a visão de Kennedy pousando na lua e, quatro dias depois, retornando em segurança à Terra.

Como o falecido Neil Armstrong - o primeiro humano a pisar na lua - notou recentemente em um entrevista rara com a CPA Australia, a própria caminhada na lua era um molho:

Para marcar o aniversário, NASA TV planeja transmitir uma versão de alta qualidade do discurso de Kennedy ao mesmo tempo em que ele o fez originalmente - às 15h15 GMT de hoje. O astronauta americano Suni Williams, que está a bordo da ISS em órbita, também falará sobre o significado das palavras de Kennedy.


Homem na Lua no final da Lua - História

12 de setembro de 1962

Clipes de filme de JFK falando na Rice University: (.mov) ou (.avi) (833K)

Veja e ouça todo o discurso para download do modem de 56K [8,7 megabytes em um formato de filme .asf que requer Windows Media Player 7 (o discurso dura cerca de 33 minutos)].
Veja e ouça a fala inteira para acesso de alta velocidade [25,3 megabytes no formato de filme .asf que requer Windows Media Player 7].
Veja e ouça uma versão em áudio de cinco minutos do discurso, acompanhada de slides e música. Esta é uma apresentação mais inspiradora de, talvez, o discurso espacial mais famoso já feito. O arquivo é um formato de streaming de vídeo do Windows Media Player 7. [11 megabytes em formato de filme .asf que requer Windows Media Player 7].
Veja e ouça o discurso de 17 minutos e 48 segundos no formato .mpg. Este é um arquivo muito grande de 189 megabytes e sugerido apenas para aqueles com acesso DSL, ASDL ou modem a cabo, pois o tempo de download em um modem de 28,8 K ou 56 K seria de muitas horas.

TEXTO DO PRESIDENTE JOHN KENNEDY'S RICE STADIUM MOON DISCURSO

Presidente Pitzer, Sr. Vice-Presidente, Governador, Congressista Thomas, Senador Wiley, e Congressista Miller, Sr. Webb, Sr. Bell, cientistas, distintos convidados e senhoras e senhores:

Agradeço que seu presidente tenha me nomeado professor visitante honorário e garanto que minha primeira palestra será muito breve.

Estou muito feliz por estar aqui, e estou particularmente feliz por estar aqui nesta ocasião.

Nós nos encontramos em uma faculdade conhecida pelo conhecimento, em uma cidade conhecida pelo progresso, em um estado conhecido pela força, e precisamos dos três, pois nos encontramos em uma hora de mudança e desafio, em uma década de esperança e medo , em uma era de conhecimento e ignorância. Quanto maior for o nosso conhecimento, maior será a nossa ignorância.

Apesar do fato surpreendente de que a maioria dos cientistas que o mundo já conheceu estão vivos e trabalhando hoje, apesar do fato de que a força de trabalho científica desta nação está dobrando a cada 12 anos em uma taxa de crescimento mais de três vezes maior que a de nossa população como um todo, apesar disso, os vastos trechos de desconhecido e sem resposta e inacabado ainda ultrapassam em muito nossa compreensão coletiva.

Nenhum homem pode compreender completamente quão longe e quão rápido nós viemos, mas condensar, se você quiser, os 50.000 anos de história do homem registrados em um intervalo de tempo de apenas meio século. Dito nesses termos, sabemos muito pouco sobre os primeiros 40 anos, exceto no final deles o homem avançado aprendeu a usar peles de animais para cobri-los. Então, cerca de 10 anos atrás, sob esse padrão, o homem emergiu de suas cavernas para construir outros tipos de abrigo. Há apenas cinco anos, o homem aprendeu a escrever e a usar um carrinho com rodas. O cristianismo começou há menos de dois anos. A imprensa surgiu este ano e, menos de dois meses atrás, durante todo esse período de 50 anos de história da humanidade, a máquina a vapor forneceu uma nova fonte de energia.

Newton explorou o significado da gravidade. No mês passado, luzes elétricas e telefones e automóveis e aviões foram disponibilizados. Apenas na semana passada desenvolvemos a penicilina, a televisão e a energia nuclear, e agora, se a nova espaçonave americana conseguir chegar a Vênus, teremos literalmente alcançado as estrelas antes da meia-noite desta noite.

Este é um ritmo de tirar o fôlego, e esse ritmo não pode ajudar, mas cria novos males ao dissipar a velha e nova ignorância, novos problemas, novos perigos. Certamente, as vistas iniciais do espaço prometem altos custos e dificuldades, bem como grandes recompensas.

Portanto, não é surpreendente que alguns nos façam ficar onde estamos um pouco mais para descansar, para esperar. Mas esta cidade de Houston, este estado do Texas, este país dos Estados Unidos não foi construído por aqueles que esperaram e descansaram e quiseram olhar para trás. Este país foi conquistado por aqueles que avançaram - e o espaço também.

William Bradford, falando em 1630 sobre a fundação da Colônia da Baía de Plymouth, disse que todas as grandes e honrosas ações são acompanhadas de grandes dificuldades, e ambas devem ser empreendidas e superadas com coragem responsável.

Se esta cápsula da história do nosso progresso nos ensina alguma coisa, é que o homem, em sua busca pelo conhecimento e pelo progresso, está determinado e não pode ser detido. A exploração do espaço irá adiante, quer nos juntemos a ela ou não, e é uma das grandes aventuras de todos os tempos, e nenhuma nação que espera ser o líder de outras nações pode esperar ficar para trás na corrida pelo espaço .

Aqueles que vieram antes de nós se certificaram de que este país cavalgou as primeiras ondas das revoluções industriais, as primeiras ondas da invenção moderna e a primeira onda de energia nuclear, e esta geração não pretende afundar no retrocesso da era vindoura de espaço. Queremos fazer parte dele - queremos liderá-lo. Pois os olhos do mundo agora olham para o espaço, para a lua e para os planetas além, e juramos que não o veremos governado por uma bandeira hostil de conquista, mas por uma bandeira de liberdade e paz. Juramos que não veremos o espaço repleto de armas de destruição em massa, mas de instrumentos de conhecimento e compreensão.

No entanto, os votos desta Nação só podem ser cumpridos se nós, nesta Nação, formos os primeiros e, portanto, pretendemos ser os primeiros. Em suma, nossa liderança na ciência e na indústria, nossas esperanças de paz e segurança, nossas obrigações para conosco e para com os outros, tudo exige que façamos este esforço, para resolver esses mistérios, para resolvê-los para o bem de todos os homens, e se tornar a nação líder mundial em viagens espaciais.

Navegamos neste novo mar porque há novos conhecimentos a serem adquiridos e novos direitos a serem conquistados, e eles devem ser conquistados e usados ​​para o progresso de todas as pessoas. Pois a ciência espacial, como a ciência nuclear e toda tecnologia, não tem consciência própria. Se ela se tornará uma força para o bem ou para o mal, depende do homem, e somente se os Estados Unidos ocuparem uma posição de preeminência poderemos ajudar a decidir se esse novo oceano será um mar de paz ou um novo e assustador teatro de guerra. Não digo que devemos ou iremos desprotegidos contra o uso hostil do espaço, assim como não estamos desprotegidos contra o uso hostil da terra ou do mar, mas digo que o espaço pode ser explorado e dominado sem alimentar o fogo da guerra, sem repetir os erros que o homem cometeu ao estender sua escrita ao redor deste nosso globo.

Não há contenda, nenhum preconceito, nenhum conflito nacional no espaço sideral ainda. Seus perigos são hostis a todos nós. Sua conquista merece o melhor de toda a humanidade, e sua oportunidade de cooperação pacífica muitos nunca mais voltarão. Mas por que, dizem alguns, a lua? Por que escolher isso como nosso objetivo? E eles podem perguntar por que escalar a montanha mais alta? Por que, 35 anos atrás, voar no Atlântico? Por que Rice joga no Texas?

Nós escolhemos ir à lua. Escolhemos ir à lua nesta década e fazer as outras coisas, não porque sejam fáceis, mas porque são difíceis, porque esse objetivo servirá para organizar e medir o melhor de nossas energias e habilidades, porque esse desafio é um só que estamos dispostos a aceitar, que não queremos adiar e que pretendemos ganhar, e os outros também.

É por essas razões que considero a decisão do ano passado de mudar nossos esforços no espaço de baixa para alta velocidade como uma das decisões mais importantes que serão tomadas durante meu mandato na Presidência.

Nas últimas 24 horas, vimos instalações sendo criadas para a maior e mais complexa exploração da história do homem. Sentimos o chão tremer e o ar estilhaçado pelo teste de um foguete auxiliar Saturn C-1, muitas vezes mais poderoso do que o Atlas que lançou John Glenn, gerando energia equivalente a 10.000 automóveis com seus aceleradores no chão. Vimos o local onde os motores do foguete F-1, cada um tão potente quanto todos os oito motores do Saturno combinados, serão agrupados para fazer o míssil Saturno avançado, montado em um novo edifício a ser construído no Cabo Canaveral tão alto como uma estrutura de 48 andares, com a largura de um quarteirão e com o comprimento de dois comprimentos deste campo.

Nestes últimos 19 meses, pelo menos 45 satélites circundaram a Terra. Cerca de 40 deles foram "feitos nos Estados Unidos da América" ​​e eram muito mais sofisticados e forneciam muito mais conhecimento ao povo do mundo do que os da União Soviética.

The Mariner spacecraft now on its way to Venus is the most intricate instrument in the history of space science. The accuracy of that shot is comparable to firing a missile from Cape Canaveral and dropping it in this stadium between the the 40-yard lines.

Transit satellites are helping our ships at sea to steer a safer course. Tiros satellites have given us unprecedented warnings of hurricanes and storms, and will do the same for forest fires and icebergs.

We have had our failures, but so have others, even if they do not admit them. And they may be less public.

To be sure, we are behind, and will be behind for some time in manned flight. But we do not intend to stay behind, and in this decade, we shall make up and move ahead.

The growth of our science and education will be enriched by new knowledge of our universe and environment, by new techniques of learning and mapping and observation, by new tools and computers for industry, medicine, the home as well as the school. Technical institutions, such as Rice, will reap the harvest of these gains.

And finally, the space effort itself, while still in its infancy, has already created a great number of new companies, and tens of thousands of new jobs. Space and related industries are generating new demands in investment and skilled personnel, and this city and this State, and this region, will share greatly in this growth. What was once the furthest outpost on the old frontier of the West will be the furthest outpost on the new frontier of science and space. Houston, your City of Houston, with its Manned Spacecraft Center, will become the heart of a large scientific and engineering community. During the next 5 years the National Aeronautics and Space Administration expects to double the number of scientists and engineers in this area, to increase its outlays for salaries and expenses to $60 million a year to invest some $200 million in plant and laboratory facilities and to direct or contract for new space efforts over $1 billion from this Center in this City.

To be sure, all this costs us all a good deal of money. This year s space budget is three times what it was in January 1961, and it is greater than the space budget of the previous eight years combined. That budget now stands at $5,400 million a year--a staggering sum, though somewhat less than we pay for cigarettes and cigars every year. Space expenditures will soon rise some more, from 40 cents per person per week to more than 50 cents a week for every man, woman and child in the United Stated, for we have given this program a high national priority--even though I realize that this is in some measure an act of faith and vision, for we do not now know what benefits await us.

But if I were to say, my fellow citizens, that we shall send to the moon, 240,000 miles away from the control station in Houston, a giant rocket more than 300 feet tall, the length of this football field, made of new metal alloys, some of which have not yet been invented, capable of standing heat and stresses several times more than have ever been experienced, fitted together with a precision better than the finest watch, carrying all the equipment needed for propulsion, guidance, control, communications, food and survival, on an untried mission, to an unknown celestial body, and then return it safely to earth, re-entering the atmosphere at speeds of over 25,000 miles per hour, causing heat about half that of the temperature of the sun--almost as hot as it is here today--and do all this, and do it right, and do it first before this decade is out--then we must be bold.

I'm the one who is doing all the work, so we just want you to stay cool for a minute. [laughter]

However, I think we're going to do it, and I think that we must pay what needs to be paid. I don't think we ought to waste any money, but I think we ought to do the job. And this will be done in the decade of the sixties. It may be done while some of you are still here at school at this college and university. It will be done during the term of office of some of the people who sit here on this platform. But it will be done. And it will be done before the end of this decade.

I am delighted that this university is playing a part in putting a man on the moon as part of a great national effort of the United States of America.

Many years ago the great British explorer George Mallory, who was to die on Mount Everest, was asked why did he want to climb it. He said, "Because it is there."

Well, space is there, and we're going to climb it, and the moon and the planets are there, and new hopes for knowledge and peace are there. And, therefore, as we set sail we ask God's blessing on the most hazardous and dangerous and greatest adventure on which man has ever embarked.


Man on the Moon: An End of Days Soundtrack

Mott the Hoople and the Game of Life
Yeah, yeah, yeah, yeah
Andy Kaufman in the wrestling match
Yeah, yeah, yeah, yeah
Monopoly, twenty-one, checkers and chess
Yeah, yeah, yeah, yeah
Mister Fred Blassie in a breakfast mess
Yeah, yeah, yeah, yeah

Clutching my lunch—two slices of pizza and a cola bottle—I stand patiently in a line which seems much longer than it really is because of social distancing. The Fresh Thyme is busier than normal and I feel a certain edginess. I’m constantly on the lookout for signs of panic. That way I’ll know when to panic too. There are a lot more people wearing masks now, maybe a third of the customers. Last week when they closed the salad bars and encased everything in plastic, I saw only one person wearing a mask in the store—a burly construction worker who seemed outright terrified. He wore gloves and insisted on bagging his own groceries. I hope he wasn’t sick. I remember him taking one last look at all of us unmasked fools before he left, like we were all gonna die soon.

Let’s play Twister, let’s play Risk
Yeah, yeah, yeah, yeah
See you in heaven if you make the list
Yeah, yeah, yeah, yeah

President Trump suggested today that if people had masks, they should wear them. Prior to this, the U.S. Surgeon General had recommended against the public buying or wearing masks the hospitals needed them and that the masks made you touch your face. Don’t touch your face. Remain calm and wash your hands , I tell myself. I’m coming off a week-long quarantine caused by a minor cold and lack of testing. The time at home benefited my mental health enormously. I’d been getting emotional about elderly customers on my postal route. Crying actually. In my head, I say goodbye to them and then continue down streets that seem lifeless, dead, depopulated. So much so that I feel like a ghost myself. I’ve been experiencing the stages of grief (denial, anger and depression), struggling to accept the fact that one morning my sons woke up to a world that was different. Children’s play had been criminalized and their schools closed with signage on the playground equipment telling them to stay away.

Now Andy did you hear about this one?
Tell me, are you locked in the punch?
Andy are you goofing on Elvis?
Hey, baby? Are we losing touch?

Everyone I talk to says the same thing: “It’s like a movie. It doesn’t seem real.” I’ve analyzed the numbers, selfishly hoping that this encroaching viral wave will only take out the aged and the sick. Eu não. Not my kids. I’ve vacillated between believing the WHO’s dire predictions and dismissing it all as mass hysteria. I’m at a point where I place my faith in God (a word I rarely capitalize) and laugh into the abyss because it’s the only way for an essential worker without hand sanitizer to stay sane.

The line isn’t moving and I just want to bail, get the fuck out of there. The clock is ticking on my mandated half-hour lunch. Finally, I break away from my mental static enough to recognize Michel Stipe’s ethereal voice over the grocery store’s intercom system.

If you believed they put a man on the moon
Man on the moon
If you believe there’s nothing up his sleeve
Then nothing is cool

I snicker because the popular R.E.M. song is funny and this situation is absurd. I purchased Automatic for the People on cassette tape back in college. I seem to be the only one in on the joke. Yes, we’re all gonna die. We were always going to die. The people around me have these blank, bored looks. We’re waiting in line to check out.

How do we know they put a man on the moon? It’s like the world was round and television made it flat again. Now we’ve encountered a plague and we’re all falling off the edge of science.

Moses went walking with the staff of wood
Yeah, yeah, yeah, yeah
Newton got beaned by the apple good
Yeah, yeah, yeah, yeah
Egypt was troubled by the horrible asp
Yeah, yeah, yeah, yeah
Mister Charles Darwin had the gall to ask
Yeah, yeah, yeah, yeah

I make it to the cashier, a man in his sixties with a tremor in one hand. The guy ahead of me—a college kid in need of a haircut—turns before leaving and thanks him for his service.

“You as well,” he says to me.

Attired in my blue uniform, I smile and nod graciously. My Discover card works. The falcon can still hear the falconer. It’s April Fool’s Day and all day long, music plays in my head like an end of days soundtrack.

Now, Andy did you hear about this one?
Tell me, are you locked in the punch?
Hey, Andy are you goofing on Elvis?
Hey, Baby! Are we having fun?”

Later in the day, as I sort letters into the boxes of a cramped apartment vestibule, I observe a man slowly progress up the concrete steps toward me. It’s painful to watch. His mouth and nose are swaddled by a bandanna, almost like a gag as he plods along with the assistance of a cane. I hold the door open for him so he can come inside. Thanking me, he immediately takes a rest on the carpeted stairs.

“You don’t mind if I wait here?” he asks politely. His face is ruddy, drenched in sweat.

“No, not at all.” I answer. “I should be done in just a moment. Are you waiting on a package?”

He shakes his head. “Someone is coming by with some food.” He consults his phone with a look of annoyance. The gentleman appears to be in his fifties. He is someone I’d classify as “high risk.” As I lock up the boxes the man pants. He removes the bandanna from his face and uses it to dry off his forehead.

“Are you all right?” I inquire pointedly. By “all right” I mean, do you need an ambulance? I don’t think so, but it seems like a dutiful question.

Chuckling, he raises his palm in refusal and tells me he has other issues. He pulls up one leg of his sweatpants to reveal a portion of his swollen calf outlined in marker, the shape eerily similar to a puzzle piece.

“I had cellulitis,” he says. “They just released me from the hospital. I don’t know if I should even be out here. They seemed awfully worried about it when I showed up yesterday at the emergency room.”

I nod, suppressing a grimace. I feel sympathy toward him, but not in a touchy-feely sort of way. “They’re probably trying to keep bed space open,” I say.

“The hospital was empty,” he says. “So many beds.”

I visualize a ward full of creaseless white sheets and pillowcases waiting for the legions of sick to arrive.

“I really appreciate you guys being out here.”

“I’m just grateful to have a job,” I respond with a sheepish smile. “Do you mind if I sneak by you. I don’t like leaving packages here. They get stolen.”

“I’m sure they do.” He leans over and I ascend the stairs with a precarious armful of boxes. Coming back down he jokingly observes that I’m short of breath as well. I’ve been rushing around all day. The Coronavirus is getting to all of us. We share a laugh and I push the door open, happy to once again be awash in the sun’s cleansing rays.

If you believed they put a man on the moon
Man on the moon
If you believed there’s nothing up their sleeve
Then nothing is cool

Each day I home-school my nine-year-old son before work. My wife and I used to argue about whether or not he has dyslexia. I’m trying to use this never-ending Spring Break as an opportunity. The burden is now on us to help him. No more complaining about the school district. They’ve provided us this packet of essays for him to read. I compose my own short-answer questions to test his comprehension.

Today’s assignment is about the first manned exploration of the moon by the Apollo 11 crew of Buzz Aldrin and Neil Armstrong. Growing bored with my tutelage, my son sketches a rocket ship on a lunar landscape pocked with craters. His simple pencil drawing reminds me of illustrations from the French novella, O pequeno Príncipe.

With the REM song from the supermarket still stuck in my head, I’m startled by the coincidence but also wondrous. My son and I are exiled together. Two sad inhabitants of a world gone wrong. We play our games, yearning for a reopening of the schools, a reopening of life. That planet called “normal” is small and blue in the distance, close enough to see but too far away to touch.


The heavenly bodies in Norse mythology

Early signs of the man in the Moon can be found in Norse mythology, where Máni and Sól are the personifications of the Moon and the Sun respectively. They are chased by Hati and his brother, Sköll, two wargs born from a giantess in the forest of Ironwood, who are destined to consume the heavenly bodies on the day of Ragnarök.

In the shape of a wolf, Hati chases Máni through the night sky, while Sköll chases Sól. As their destinies unfold, it is believed that the wolf who snatches the Moon would also eat the flesh of the dead and spatter the heavens with blood.


There are various explanations for how the Man in the Moon came to be.

A longstanding European tradition holds that the man was banished to the Moon for some crime. Christian lore commonly held that he is the man caught gathering sticks on the Sabbath and sentenced by God to death by stoning in the book of Numbers XV.32–36. [1] Some Germanic cultures thought he was a woodcutter found working on the Sabbath. [2] There is a Roman legend that he is a sheep-thief. [ citação necessária ]

One medieval Christian tradition claims him to be Cain, the Wanderer, forever doomed to circle the Earth. Dante's Inferno [3] alludes to this:

For now doth Cain with fork of thorns confine
On either hemisphere, touching the wave
Beneath the towers of Seville. Yesternight
The moon was round.

This is mentioned again in his Paradise: [4]

But tell, I pray thee, whence the gloomy spots
Upon this body, which below on earth
Give rise to talk of Cain in fabling quaint?

There is also a Mediaeval Jewish tradition that the image of Jacob is engraved on the Moon. [5] [6] [7]

John Lyly says in the prologue to his Endymion (1591), "There liveth none under the sunne, that knows what to make of the man in the moone." [8]

In Norse mythology, Máni is the male personification of the Moon who crosses the sky in a horse-drawn carriage. He is continually pursued by the Great Wolf Hati who catches him at Ragnarök. Máni simply means "Moon".

In Chinese mythology, the goddess Chang'e is stranded upon the Moon after foolishly consuming a double dose of an immortality potion. In some versions of the myth, she is accompanied by Yu Tu, a Moon rabbit. [9]

In Haida mythology, the figure represents a boy gathering sticks. The boy's father had told him the Moon's light would brighten the night, allowing the chore to be completed. Not wanting to gather sticks, the boy complained and ridiculed the Moon. As punishment for his disrespect, the boy was taken from Earth and trapped on the Moon. [10] [11]

In Japanese mythology, it is said that a tribe of human-like spiritual beings live on the Moon. This is especially explored in The Tale of the Bamboo Cutter.

In Vietnamese mythology, the Man in the Moon is named Cuội. He was originally a woodcutter on Earth who owned a magical banyan. One day, when his wife ignorantly watered the tree with unclean water and caused it to uproot itself to fly away, Cuội grabbed its roots and was taken to the Moon. There, he eternally accompanied the Moon Lady and the Jade Rabbit. [12] [13] The trio has become the personifications of the Mid-Autumn Festival, when they descend to the mortal world and give out cellophane lanterns, mooncakes and gifts to children. [14]

There is a traditional European belief that the Man in the Moon enjoyed drinking, especially claret. An old ballad runs (original spelling):

Our man in the moon drinks clarret,
With powder-beef, turnep, and carret.
If he doth so, why should not you
Drink until the sky looks blew? [15]

In the English Middle Ages and renaissance, the Moon was held to be the god of drunkards, and at least three London taverns were named "The Man in the Moone". [16] The man in the Moon is named in an early dated English nursery rhyme:

The man in the moon came tumbling down
And asked his way to Norwich
He went by the south and burnt his mouth
With supping cold pease porridge.

One tradition sees a figure of a man carrying a wide burden on his back. He is sometimes seen as accompanied by a small dog. [17] Various cultures recognise other examples of lunar pareidolia, such as the Moon rabbit. [18]

In the Northern Hemisphere, a common Western perception of the face has it that the figure's eyes are Mare Imbrium and Mare Serenitatis, its nose is Sinus Aestuum, and its open mouth is Mare Nubium and Mare Cognitum. [19] This particular human face can also be seen in tropical regions on both sides of the equator. However, the Moon orientation associated with the face is observed less frequently—and eventually not at all—as one moves toward the South Pole.

Conventionalized illustrations of the Man in the Moon seen in Western art often show a very simple face in the full moon, or a human profile in the crescent moon, corresponding to no actual markings. Some depict a man with a face turned away from the viewer on the ground, for example when viewed from North America, with Jesus Christ's crown shown as the lighter ring around Mare Imbrium. Another common one is a cowled Death's head looking down at Earth, with the black lava rock 'hood' around the white dust bone of the skull, and also forming the eye sockets.

"The Man in the Moon" can also refer to a mythological character said to live on or in the Moon, but who is not necessarily represented by the markings on the face of the Moon. An example is Yue-Laou, from Chinese tradition [20] another is Aiken Drum from Scotland.

The Man in the Moone by Francis Godwin, published in 1638, is one of the earliest novels thought of as containing several traits prototypical of science fiction.

The Man in the Moon is made up of various lunar maria (which ones depend on the pareidolic image seen). These vast, flat spots on the Moon are called "maria" or "seas" because, for a long time, astronomers believed they were large bodies of water. They are large areas formed by lava that covered up old craters and then cooled, becoming smooth, basalt rock. [21]

The near side of the Moon, containing these maria that make up the man, is always facing Earth. This is due to a tidal locking or synchronous orbit. Thought to have occurred because of the gravitational forces partially caused by the Moon's oblong shape, its rotation has slowed to the point where it rotates exactly once on each trip around the Earth. This causes the near side of the Moon to always turn its face toward Earth. [22]

Near full moon over Berlin, Germany, in December 2015, approximately 30 minutes after moonrise


May 25, 1961: JFK's Moon Shot Speech to Congress

Fifty years ago, on May 25, 1961, President John F. Kennedy gave a historic speech before a joint session of Congress that set the United States on a course to the moon.

In his speech, Kennedy called for an ambitious space exploration program that included not just missions to put astronauts on the moon, but also a Rover nuclear rocket, weather satellites and other space projects. [Video: President Kennedy's Moonshot Moment]

This NASA-provided transcript shows the text of Kennedy's speech and what it called for, in 1961, to put Americans in space and on the moon before the decade ended. About 2 1/2 years after giving the speech, later, Kennedy was assassinated in Dallas on Nov. 22, 1963. Just over eight years after the speech, on July 20, 1969, NASA's Apollo 11 mission would land the first humans on the moon.

Here's a look at Kennedy's speech to Congress:

President John F. Kennedy

Delivered in person before a joint session of Congress May 25, 1961

Section IX: Space:

Finally, if we are to win the battle that is now going on around the world between freedom and tyranny, the dramatic achievements in space which occurred in recent weeks should have made clear to us all, as did the Sputnik in 1957, the impact of this adventure on the minds of men everywhere, who are attempting to make a determination of which road they should take. Since early in my term, our efforts in space have been under review. With the advice of the Vice President, who is Chairman of the National Space Council, we have examined where we are strong and where we are not, where we may succeed and where we may not. Now it is time to take longer strides--time for a great new American enterprise--time for this nation to take a clearly leading role in space achievement, which in many ways may hold the key to our future on earth.

I believe we possess all the resources and talents necessary. But the facts of the matter are that we have never made the national decisions or marshaled the national resources required for such leadership. We have never specified long-range goals on an urgent time schedule, or managed our resources and our time so as to insure their fulfillment.

Recognizing the head start obtained by the Soviets with their large rocket engines, which gives them many months of lead-time, and recognizing the likelihood that they will exploit this lead for some time to come in still more impressive successes, we nevertheless are required to make new efforts on our own. For while we cannot guarantee that we shall one day be first, we can guarantee that any failure to make this effort will make us last. We take an additional risk by making it in full view of the world, but as shown by the feat of astronaut Shepard, this very risk enhances our stature when we are successful. But this is not merely a race. Space is open to us now and our eagerness to share its meaning is not governed by the efforts of others. We go into space because whatever mankind must undertake, free men must fully share.

I therefore ask the Congress, above and beyond the increases I have earlier requested for space activities, to provide the funds which are needed to meet the following national goals:

First, I believe that this nation should commit itself to achieving the goal, before this decade is out, of landing a man on the moon and returning him safely to the Earth. No single space project in this period will be more impressive to mankind, or more important for the long-range exploration of space and none will be so difficult or expensive to accomplish. We propose to accelerate the development of the appropriate lunar space craft. We propose to develop alternate liquid and solid fuel boosters, much larger than any now being developed, until certain which is superior. We propose additional funds for other engine development and for unmanned explorations--explorations which are particularly important for one purpose which this nation will never overlook: the survival of the man who first makes this daring flight. But in a very real sense, it will not be one man going to the moon--if we make this judgment affirmatively, it will be an entire nation. For all of us must work to put him there.

Secondly, an additional 23 million dollars, together with 7 million dollars already available, will accelerate development of the Rover nuclear rocket. This gives promise of some day providing a means for even more exciting and ambitious exploration of space, perhaps beyond the moon, perhaps to the very end of the solar system itself.

Third, an additional 50 million dollars will make the most of our present leadership, by accelerating the use of space satellites for world-wide communications.

Fourth, an additional 75 million dollars--of which 53 million dollars is for the Weather Bureau--will help give us at the earliest possible time a satellite system for world-wide weather observation.

Let it be clear--and this is a judgment which the Members of the Congress must finally make--let it be clear that I am asking the Congress and the country to accept a firm commitment to a new course of action, a course which will last for many years and carry very heavy costs: 531 million dollars in fiscal '62--an estimated 7 to 9 billion dollars additional over the next five years. If we are to go only half way, or reduce our sights in the face of difficulty, in my judgment it would be better not to go at all.

Now this is a choice which this country must make, and I am confident that under the leadership of the Space Committees of the Congress, and the Appropriating Committees, that you will consider the matter carefully.

It is a most important decision that we make as a nation. But all of you have lived through the last four years and have seen the significance of space and the adventures in space, and no one can predict with certainty what the ultimate meaning will be of mastery of space.

I believe we should go to the moon. But I think every citizen of this country as well as the Members of the Congress should consider the matter carefully in making their judgment, to which we have given attention over many weeks and months, because it is a heavy burden, and there is no sense in agreeing or desiring that the United States take an affirmative position in outer space, unless we are prepared to do the work and bear the burdens to make it successful. If we are not, we should decide today and this year.

This decision demands a major national commitment of scientific and technical manpower, materiel and facilities, and the possibility of their diversion from other important activities where they are already thinly spread. It means a degree of dedication, organization and discipline which have not always characterized our research and development efforts. It means we cannot afford undue work stoppages, inflated costs of material or talent, wasteful interagency rivalries, or a high turnover of key personnel.

New objectives and new money cannot solve these problems. They could in fact, aggravate them further--unless every scientist, every engineer, every serviceman, every technician, contractor, and civil servant gives his personal pledge that this nation will move forward, with the full speed of freedom, in the exciting adventure of space.


Man on the moon: moment of greatness that defined the American century

Neil Armstrong, Michael Collins and Buzz Aldrin in a mobile quarantine facility on board the USS Hornet where they were greeted by President Nixon, after they returned to Earth on 24 July 1969. Photograph: SSPL/Getty

Neil Armstrong, Michael Collins and Buzz Aldrin in a mobile quarantine facility on board the USS Hornet where they were greeted by President Nixon, after they returned to Earth on 24 July 1969. Photograph: SSPL/Getty

It was a moment that still defines what many have come to call the American century. Amid all the turmoil and horror of that most bloody 100-year stretch, the sight of the first human being to walk on the moon, transmitted on television screens all over the world, was a sublime vision, the power of which was not marred by the blurry images that brought it back to a breathlessly awaiting Earth.

This was the moment that Neil Armstrong stepped on to the lunar surface on 20 July 1969, and said the immortal words: "That's one small step for man, one giant leap for mankind." The fact Armstrong seemed to fluff his lines, omitting the vital, modest "a" before "man", did not matter a jot. Humanity had finally broken the bonds of earth and put one of the species on another planet.

The rhetoric was universal, but it was really a wholeheartedly American triumph. The flag planted on the moon was an American flag.

The man doing the walking was born in the small town of Wapakoneta, Ohio: about as all-American as you can get. He was also fulfilling the dreams of that other icon of muscular American patriotism, President John F Kennedy, who had urged his nation in 1961 to go forwards to reach for the moon – and put one over the Soviets at the same time. Kennedy had died back in 1963, laid low by an assassin's bullet in another one of those moments that all Americans remember.

Indeed, in many ways Armstrong's triumph was a much-needed feelgood counterpoint to the horrors of the Kennedy killing. The event, coming as it did at the end of the turbulent 1960s, functioned as a brief national antidote to the whole decade. This was a tumultuous period that had seen Kennedy slain, the civil rights movement triumph and then despair over the killing of Martin Luther King and the spreading blaze of race riots. The 1960s saw vast and unsettling social change, the beginnings of white flight and urban decline and the upheaval and national trauma of Vietnam.

But for that single moment staring heavenwards – as the world focused on the sheer derring-do and genius of American ingenuity – none of that really seemed to matter. America was a country that in eight short years had lived up to the command of its slain hero president and put a man on the moon. Staring up in the night sky at that silvery circle above would never be the same for anyone again.

The whole world watched. Armstrong's step was witnessed by a global audience on television or radio that some estimate at a staggering 600 million people – the largest ever for a single event and an amazing one-fifth of the world's population at the time.

The landing sent a message that America could compete in and win the cold war. The nation had been startled and terrified by the Russian success in putting the first satellite, Sputnik, into space. Suddenly, there was a fear that America might never catch up. But, in eight short years, the Apollo programme dragged the country ahead.

Just as ordinary people had been scared witless by the thought of a beeping Russian probe overhead, so they now celebrated the triumph of the moon landing. Families huddled around their television sets in awe together. Those without the then expensive devices booked into motel rooms so they could watch too. It was a popular rumour at the time that some people even peered up at the moon through telescopes hoping to catch a glimpse of the American citizens they now knew were walking around up there. For Armstrong himself, the moment was a mixed blessing. He passed into the history books and he was assured of global fame. But he was also a quiet person. After he returned home he was given a parade in New York and embarked on a 22-nation world tour. But within a few years he had accepted an academic job at a university in the Ohio city of Cincinnati. He even bought a farm and started to grow corn and raise cattle. He did not give many interviews and rarely talked of his experiences. Asked once what it had meant to him, he replied that it had made him feel "very, very small".

But then the moment itself was not about Armstrong. It was about his nation. The achievement was not stepping off that ladder and kicking up the dust on the moon. It was about the thousands of engineers who had worked so hard to get him there. It was about the public money poured into the sheer effort by a government determined to explore beyond the bounds of earth, now that every corner of the globe was known. It was about celebrating the wealthiest and most powerful nation the world has ever seen and the nature of its crowning achievement: not the conquest of another people, but the act of putting one of its own on another world. If ever America deserved to feel proud – and the world instinctively felt proud of America – it was then. Of course, the moment is now seen within an historic context.

After that great triumph, the following decades saw American cities decline and, in some cases such as Detroit, they were hollowed out into post-industrial wastelands. American manufacturing fled overseas as ruthless corporations sought lower wage costs. The cold war was won, but it seemed an odd sort of triumph. Before a peace dividend could be declared and built upon, the so-called war on terror began, and the invasion of Iraq and its chaotic aftermath, followed by the financial crisis shocked the country to its core.

The Apollo programme itself had ended. When Armstrong landed on the moon, no one could have known that the last man to walk on the moon – fellow astronaut Eugene Cernan – would follow him just three years later in 1972. No one has been back since. At the time it had seemed the beginning of a remarkable new journey. But it was not.

Rather, it was the summit of a nation's achievement. It was a peak of progress. Now the next person to land on the moon is almost certain to be Chinese. Armstrong's amazing step did not, in the end, lead America anywhere.


Assista o vídeo: O Homem na Lua: Investigação Documentário History Channel Brasil