Nove partes da alma humana de acordo com os antigos egípcios

Nove partes da alma humana de acordo com os antigos egípcios

A ideia da alma humana fascina a humanidade há milhares de anos. As culturas em todo o mundo têm procurado explicar a alma ou o espírito de uma ampla e fascinante variedade de maneiras.

A alma costuma ser um aspecto importante da religião e está intimamente ligada à vida após a morte, à reencarnação e aos reinos espirituais. Isso significa que o conceito de alma é parte integrante de muitos sistemas de crenças e que, em muitos casos, as descrições e explicações da alma são longas e complexas.

Para os religiosos e não religiosos, a alma continua a ser um símbolo do eu, e a ideia de apostar ou perder a alma tem sido usada como um enredo em histórias como Fausto por gerações. Em algumas culturas, como tribos caçadoras de cabeças na Indonésia, tirar a parte do corpo que se acredita abrigar a alma de um inimigo é o maior prêmio - simultaneamente negando ao inimigo a chance de seguir em frente para uma vida após a morte e roubando o poder do alma para fortalecer sua própria tribo ou família.

Os antigos egípcios tinham suas próprias idéias complexas sobre o que constitui a alma humana, e suas crenças envolviam dividir a alma em nove partes: Khat, Ba, Ren, Ka, Shuyet, Jb, Akh, Sahu e Sechem.

Oito deles eram imortais e passaram para a vida após a morte e o nono foi o corpo físico que foi deixado para trás. Todas as partes tinham suas próprias funções únicas e, ao analisá-las, é possível entender mais sobre o que os antigos egípcios acreditavam.

Khat ou Kha - o corpo

Os antigos egípcios acreditavam que a própria forma física era uma parte da alma humana e chamavam esse elemento de Khat ou Kha. Era a nave habitada pelo resto da alma na Terra. Essa é parte da razão pela qual a mumificação se tornou tão importante para os antigos egípcios - preservar o corpo físico era, na verdade, preservar uma parte importante da alma.

Após a morte de uma pessoa, as ofertas ainda seriam feitas à alma em seu corpo físico, porque se acreditava que o resto de sua alma poderia absorver sobrenaturalmente os benefícios e nutrientes das ofertas. O corpo era um elo com a essência da pessoa que um dia o habitou - um conceito que é visto em muitas outras interpretações da alma.

Ba - a personalidade

O Ba é talvez o mais próximo que os antigos egípcios tinham das idéias modernas sobre a alma. É composta por todos os elementos de uma pessoa que os tornam únicos.

Assumindo a forma de um pássaro com cabeça humana, o Ba era o meio pelo qual a alma podia se mover entre o reino mortal e o espiritual. Os egípcios acreditavam que o Ba ainda viajava entre os dois reinos ocasionalmente enquanto uma pessoa ainda estava viva, mas que a jornada que o Ba fazia entre os mundos aumentou significativamente após a morte.

Ba, parte da alma humana, em um fac-símile de uma vinheta do Livro dos Mortos. (Um papagaio / )

O Ba visitava os deuses e o reino espiritual, mas era essa parte da alma que também frequentava os lugares que uma pessoa amava quando ainda estava viva, mantendo um elo entre as partes da alma que moravam entre as estrelas e os Khat e outros elementos da alma que permaneceram na Terra.

A ideia de que o Ba passaria um tempo em lugares que uma pessoa amava durante a vida também é semelhante a algumas ideias modernas sobre fantasmas e espíritos que permanecem em um lugar que uma vez foi amado por uma pessoa em particular quando estavam vivos. Acreditava-se também que o Ba estava conectado fisicamente ao corpo e permaneceria com o Khat quando não estivesse visitando outros lugares físicos ou se comunicando com os deuses.

Ren - o verdadeiro nome

Os antigos egípcios receberam um nome de nascimento que foi mantido em segredo para todos, exceto para os deuses. Este nome era considerado uma parte extremamente importante e poderosa da alma, com a capacidade de destruir uma pessoa e sua alma permanentemente.

Ao longo da vida, um indivíduo era conhecido apenas por um apelido para que ninguém pudesse aprender seu verdadeiro Ren e ganhar os poderes que ele continha, ou a chance e o conhecimento necessários para destruí-lo.

Enquanto o Ren ainda existisse, uma alma tinha o poder de continuar sobrevivendo. Contanto que o embalsamamento fosse completado corretamente e a mumificação fosse bem-sucedida, o Ren significava que uma pessoa e sua alma existiriam para a eternidade.

  • Escada para o céu: conceitos antigos sobre o céu e a vida após a morte
  • Por que não há nariz? O antigo sopro de vida e as "estátuas vivas" incrivelmente poderosas
  • Os antigos egípcios sabiam a distância entre os planetas interiores?

Enquanto o Ren existiu, a alma humana sobreviveu. (Jacktandy000 / CC BY-SA 4.0 )

Uma série de textos começando por volta de 350 DC, chamada de Livro da Respiração compilou os nomes dos antigos egípcios e os anotou fisicamente para tentar garantir que sobrevivessem. O poder do nome foi reconhecido pela criação do cartucho - uma forma especial de escrever um nome dentro de uma barreira mágica protetora - que era usado em torno de nomes reais.

Assim como preservar o nome, o Ren foi fundamental para preservar a alma. Destruir o Ren era uma forma de garantir que uma alma fosse destruída para sempre. Esta é parte da razão pela qual alguns nomes de figuras odiadas como Akhenaton foram removidos de forma destrutiva e ritualística de monumentos e textos após sua morte.

Ka - A Essência Vital

O Ka era a essência vital de uma pessoa que distinguia entre a vida e a morte. Os egípcios acreditavam que a deusa da fertilidade Heqet ou a deusa do parto Meskhenet soprou o Ka em um corpo no momento do nascimento. O Ka é o que tornou o novo bebê verdadeiramente vivo.

Eles acreditavam que o Ka era sustentado por toda a vida por meio de comida e bebida. Eles acreditavam que o Ka ainda precisava de alimento após a morte, razão pela qual comida e bebida seriam oferecidas ao Khat. Eles não achavam que o Ka ainda precisava comer a comida fisicamente, mas achavam que os nutrientes foram absorvidos pelo Ka de maneira sobrenatural após a morte.

Uma espécie de bandeja de oferendas chamada Casa da Alma, feita de barro moldado em uma casa, foi desenvolvida para presentear o Ka com oferendas. Alguns exemplos sobreviventes têm até modelos de comida em argila, e eles foram usados ​​como uma forma de determinar como seria uma casa média no antigo Egito.

A Soul House .. (Geni / CC BY-SA 4.0 )

Algumas pessoas acreditam que as Casas da Alma foram concebidas como um lugar físico para os Ka residirem, embora não haja nenhuma evidência disso, e é mais provável que fossem simplesmente uma forma elaborada de apresentar oferendas de comida e bebida ao falecido.

Shuyet - a sombra

Os antigos egípcios acreditavam que a sombra era na verdade uma parte da alma de uma pessoa. Estava sempre presente e eles acreditavam que continha uma parte do que torna cada indivíduo único.

Como em muitas outras culturas, os egípcios também acreditavam que a sombra estava de alguma forma ligada à morte. O Shuyet era considerado um servo de Anúbis, o deus egípcio da morte e da vida após a morte. As representações físicas do Shuyet eram de uma figura humana sombreada inteiramente de preto.

Anúbis era o antigo deus egípcio associado aos rituais de mumificação e sepultamento, aqui ele atende a uma múmia. (Jeff Dahl / )

Algumas pessoas tinham uma ‘Caixa de Sombras’ entre seus itens funerários para que o Shuyet tivesse um lugar para habitar. No egípcio Livro dos mortos a alma é descrita como deixando o túmulo do falecido durante o dia na forma de uma sombra. Este Shuyet é considerado apenas uma sombra da pessoa que representa e não uma manifestação principal ou destrutiva do falecido no reino físico.

Jb - o coração

Assim como muitas pessoas ainda acreditam hoje, os antigos egípcios viam o coração como o lar das emoções humanas. Também foi considerado o centro do pensamento, vontade e intenção. Isso significava que Jb (coração) era uma parte muito importante da alma para eles, e a palavra aparece em muitos ditos e expressões nos escritos egípcios antigos. Embora as expressões em inglês muitas vezes se refiram ao coração como uma metáfora, nos ditados dos antigos egípcios, mencionar o coração é se referir ao coração físico.

Como um elemento da alma, o Jb era a parte que a pessoa usava para ter acesso à vida após a morte. O coração seria pesado em uma balança contra uma pena - a pena da verdade - e se o coração pesasse mais do que a pena, uma pessoa teria acesso à vida após a morte e seu coração seria comido por um demônio chamado Ammit, que foi descrito como um temível híbrido de leão-hipopótamo-crocodilo.

Pesando o coração, o Jb da alma humana. (ISa1 / )

Para preservar e proteger o Jb, o coração seria especialmente embalsamado e, em seguida, colocado com o resto do corpo junto com um escaravelho de coração, que era um amuleto mágico destinado a evitar que o coração fornecesse muitas informações sobre uma pessoa e prejudicasse seu sucesso no passando a pesagem do coração.

Akh ou Ikhu - O Eu Imortal

O Akh era uma combinação mágica dos elementos Ba e Ka que representava o ser imortal iluminado após a morte. Esta unificação mágica de Ba e Ka só seria possível se os ritos funerários corretos fossem realizados após a morte.

O Akh não permaneceu com o Khat como muitos outros elementos da alma, ele viveu entre as estrelas com os deuses, embora retornasse ao corpo ocasionalmente, se necessário. Era uma representação do intelecto, da vontade e das intenções de uma pessoa.

O Akh também era o aspecto da alma que poderia se reconectar por meio de entes queridos, aparecendo a eles em seus sonhos.

Sahu - o juiz e corpo espiritual

O Sahu era na verdade um aspecto adicional do Akh. Assim que uma alma fosse considerada digna de entrar na vida após a morte, o Sahu se separaria de todas as outras formas da alma. Muito parecido com algumas idéias modernas sobre fantasmas, o Sahu foi dito para assombrar aqueles que fizeram mal a uma pessoa na vida e proteger aqueles que a alma amou. Assim como o Akh pode aparecer nos sonhos de uma pessoa, o Sahu pode aparecer para uma pessoa.

  • Crenças ocultas cobertas pela igreja? Ressurreição e Reencarnação no Cristianismo Primitivo
  • Ciência versus religião em nossas origens antigas: e se ambas estiverem erradas?
  • Religião não é inimiga da ciência: inspira cientistas há séculos

A literatura do Egito Antigo incluía assombrações do Sahu, a parte "fantasma" da alma humana. (SteinsplitterBot)

Muitas vezes era considerado um espírito vingativo e poderia ser culpado por qualquer azar. Existe até um exemplo do Reino Médio de uma carta deixada por um viúvo no túmulo de sua falecida esposa implorando a seu Sahu para parar de assombrá-lo.

Sechem ou Sekhem - Energia da Vida

O Sekhem era outro elemento do Akh. Não se sabe muito sobre o Sekhem, mas era considerado uma espécie de energia vital da alma. O Sekhem estava presente na vida após a morte depois que o julgamento foi feito e a alma foi considerada digna.

No Livro dos mortos o Sekhem é descrito como um poder e o lugar em que os deuses Hórus e Osíris vivem no submundo.

Folha de um Livro dos Mortos. (Alonso de Mendoza / )

O Sekhem também pode ter sido usado para controlar o ambiente físico e os resultados de uma pessoa e suas ações. Como o Akh, o Sekhem não residia com o Khat e o corpo físico, mas entre as estrelas com os deuses e deusas.

A Complexidade da Alma

A maneira como os antigos egípcios dividiam a alma é um indicativo de como isso era importante para eles. Era claramente algo que havia sido pensado com muitos detalhes, e era o ponto crucial de suas crenças sobre a vida após a morte e como uma pessoa poderia alcançá-la.

Suas crenças sobre a alma também ditaram a maneira como tratavam o corpo após a morte. A mumificação, uma parte icônica da cultura egípcia antiga, era o resultado de suas crenças sobre o Khat e outras partes da alma que precisavam de um lugar para morar.

Os nove aspectos da alma também influenciaram muitas outras partes da cultura egípcia. Desde a remoção violenta de nomes para destruir o Ren até a criação de textos como o Livro dos mortos , a alma era fundamental para grande parte da cultura e da sociedade do antigo Egito.

Sem esse complicado sistema de crenças, muitos dos artefatos que se tornaram elementos icônicos e mundialmente famosos da cultura egípcia antiga não teriam sido desenvolvidos, e o mundo fascinante que conquistou a imaginação de muitos modernos pode ter deixado tesouros muito diferentes para trás.


5: Componentes da alma no antigo Egito

Os cinco componentes são: Ren, Ka, Ib, BA e Sheut.

O conceito mais simples é Ren, que é literalmente o seu nome: ele vive enquanto você for lembrado, ou pode ser lido em inscrições ou incluído em orações pelos ancestrais e suas realizações.
Ka também é bastante fácil de traduzir para a linguagem moderna, pois é essa essência vital que faz a diferença entre os vivos e os mortos, entre a vida e a carne morta, entre um corpo quente e argila fria.
Ib é literalmente o coração, formado de uma única gota de sangue coagulado extraído do coração de sua mãe na hora de sua concepção ou nascimento. De cor, os egípcios significavam não apenas o órgão para bombear o sangue pelo corpo, mas a sede da sua alma, a boa força dirigente em sua vida, em busca da verdade, da paz e da harmonia.
Ba é o que torna cada um de nós único e diferente, o que nos faz lutar e realizar, o motivador, mas também a força elemental faminta que precisa de comida e sexo. De alguma forma, seu ba está destinado a sobreviver após a morte, muitas vezes retratado ou imaginado como um pássaro com cabeça humana, que com sorte sairá durante o dia para desfrutar da luz, mas também pode acabar existindo apenas no escuro, como o morcego ou a coruja que assombra as ruínas.
Sheut é a sua sombra e, por extensão, o outro você, além de ser usada para descrever uma estátua, um modelo ou uma pintura de um humano.


Sheut (sombra)

A sombra de uma pessoa, Sheut (šwt em egípcio), sempre esteve presente. Acreditava-se que uma pessoa não poderia existir sem uma sombra, nem uma sombra sem uma pessoa, portanto, os egípcios presumiram que uma sombra continha algo da pessoa que ela representa. Por essa razão, estátuas de pessoas e divindades eram às vezes chamadas de sombras.

A sombra foi representada graficamente como uma pequena figura humana pintada de preto também, como uma figura da morte, ou servo de Anúbis


As 9 partes da alma humana de acordo com o Egito Antigo

Em muitas culturas antigas, como as encontradas na Ásia, África e até mesmo na América, encontramos um conceito de Alma analogamente semelhante ao conceito desenvolvido pelas religiões do grupo judaico-cristão (incluindo o Islã) e pela filosofia europeia.

A alma, do ponto de vista Védico ou Veda, é o ser, que por natureza é eterno (sem nascimento ou morte ou sem começo ou fim) de uma substância diferente daquela do corpo físico e que possui consciência própria.

Desse ponto de vista, a ciência material ou que estuda os fenômenos físicos ou materiais é limitada porque não pode estudar os fenômenos espirituais, pois sua natureza é diferente da física.

Este capítulo do Bhagavad Gita trata da natureza da alma.

Mas assim como aquelas culturas antigas explicam em detalhes o conceito da alma humana, os antigos egípcios, conhecidos por terem sido uma das civilizações antigas mais avançadas que já existiram na Terra, desenvolveram um conceito extremamente interessante que explica a alma humana.

A ALMA NÃO ERA APENAS UM PERSONAGEM, MAS UM SER COMPOSTO DE DIFERENTES ENTIDADES, CADA UMA DAS QUAIS TINHA SEU PRÓPRIO PAPEL PARA DESEMPENHAR NA JORNADA DA VIDA E DA VIDA AFTER-VIDA.

Os antigos egípcios estavam convencidos de que a alma humana era composta de NOVE partes principais: o Ren, o Ba, o Ka, o Shuyet e o Jb, o Akh, o Sahu, o Khat e o Sechem.

(Nota) Em algumas épocas, pensava-se que a alma era composta de cinco partes e em outras sete, mas, geralmente, era nove. Aqui, damos uma olhada nas NOVE partes.

Além dos componentes da alma humana, havia o corpo humano conhecido como Ha — Haw — que era interpretado como a soma das partes do corpo.

Jb (o coração) era uma parte extremamente importante da alma egípcia.

Acreditava-se que se formava de uma gota de sangue do coração da mãe da criança, tirada na concepção.

Na antiga mitologia egípcia, o coração era a chave para a vida após a morte.

Shuyet (a sombra) está sempre presente. Os antigos egípcios acreditavam que a sombra resumia o que uma pessoa representa.

Ren (o nome) era outra parte crucial da alma. O Ren de uma pessoa foi dado a eles no nascimento e os egípcios acreditavam que viveria enquanto esse nome fosse falado.

Bâ (a personalidade) Resumindo, os antigos egípcios acreditavam que Bâ era tudo o que torna uma pessoa única.

Ka (a centelha vital) De acordo com os antigos egípcios, o Ka era um conceito vital na alma, pois distingue a diferença entre uma pessoa viva e uma pessoa morta.

Khat (o corpo) o Khat era referido pelo Antigo Egípcio como o corpo físico que, quando falecido, fornecia a ligação entre a alma e a vida terrena.

Akh (o Eu Imortal) de acordo com os antigos egípcios, o Akh era o eu imortal transformado que oferecia uma união mágica de Ba e Ka.

Sahu (o juiz) O Sahu era o aspecto de Akh que chegava a uma pessoa como um fantasma ou durante o sono em sonhos.

Sahu foi diferenciado de todos os outros aspectos da alma, uma vez que a pessoa foi "justificada" pelo Deus Osíris e julgada digna de existência eterna.

Sechem (outro aspecto de Akh) O Sechem era outro aspecto do Akh que lhe permitia o domínio das circunstâncias.

Era considerada a energia vital da pessoa que se manifestava como o poder que tinha a capacidade de controlar o ambiente e os resultados.

Além disso, de acordo com os antigos egípcios, o ser humano tem oito graus de personalidade:

“Ren”, ou “o nome, podendo continuar existindo de acordo com o cuidado de um correto embalsamamento.

“Sejem” é a energia, o poder, a luz do falecido.

“Aj” é a unificação de “Ka” e “Ba”, em vista de um retorno à existência.

"BA", que faz de um indivíduo ser o que é, também se aplica a coisas inanimadas. É o conceito mais próximo da “Alma” ocidental.

“Ka,” a força vital. Sustentado por ofertas de alimentos ao falecido.

“Sheut ou Shuyet” é a sombra da pessoa, representada por uma figura humana totalmente negra.


As 9 partes da alma humana de acordo com o Egito Antigo

No antigo Egito, pensava-se que a alma de uma pessoa consistia em nove partes separadas que eram integradas em um indivíduo inteiro, mas tinham aspectos muito distintos.

Em muitas culturas antigas, como as encontradas na Ásia, África e até mesmo na América, encontramos um conceito de Alma analogamente semelhante ao conceito desenvolvido pelas religiões do grupo judaico-cristão (incluindo o Islã) e pela filosofia europeia.

A alma, do ponto de vista Védico ou Veda, é o ser, que por natureza é eterno (sem nascimento ou morte ou sem começo ou fim) de uma substância diferente daquela do corpo físico e que tem sua própria consciência.

Deste ponto de vista, a ciência material ou que estuda os fenômenos físicos ou materiais é limitada porque não pode estudar os fenômenos espirituais, pois sua natureza é diferente da física.

Este capítulo do Bhagavad Gita trata da natureza da alma.

Mas assim como essas culturas antigas explicam em detalhes o conceito da alma humana, os antigos egípcios, conhecidos por terem sido uma das civilizações antigas mais avançadas que já existiram na Terra, desenvolveram um conceito extremamente interessante que explica a alma humana.

A ALMA NÃO ERA APENAS UM & # 8217S PERSONAGEM, MAS UM SER COMPOSTO DE DIFERENTES ENTIDADES, CADA UMA DAS QUAIS TINHA O SEU PRÓPRIO PAPEL PARA DESEMPENHAR NA JORNADA DA VIDA E DA VIDA AFTER-VIDA.

Os antigos egípcios estavam convencidos de que a alma humana era composta de NOVE partes principais: o Ren, o Ba, o Ka, o Shuyet e o Jb, o Akh, o Sahu, o Khat e o Sechem.

(Nota) Em algumas épocas, pensava-se que a alma era composta de cinco partes e em outras sete, mas, geralmente, era nove. Aqui, damos uma olhada nas NOVE partes.

Além dos componentes da alma humana, havia o corpo humano conhecido como Ha & # 8212Haw & # 8212, que era interpretado como a soma das partes do corpo.

Jb (O coração) era uma parte extremamente importante da alma egípcia. Acredita-se que tenha se formado a partir de uma gota de sangue do coração da mãe da criança, tirada na concepção. Na antiga mitologia egípcia, o coração era a chave para a vida após a morte.

Shuyet (A Sombra) está sempre presente. Os antigos egípcios acreditavam que a sombra resumia o que uma pessoa representa.

Ren (O nome) era outra parte crucial da alma. O Ren de uma pessoa foi dado a eles no nascimento e os egípcios acreditavam que ele viveria enquanto esse nome fosse falado.

BA (A personalidade) Resumindo, os antigos egípcios acreditavam que Bâ era tudo o que torna uma pessoa única.

Ka (A centelha vital) De acordo com os antigos egípcios, o Ka era um conceito vital na alma, pois distingue a diferença entre uma pessoa viva e uma pessoa morta.

Khat (O Corpo) o Khat era referido pelo Antigo Egípcio como o corpo físico que, quando falecido, fornecia o vínculo entre a alma e a vida terrena da pessoa.

Akh (O Eu Imortal) De acordo com os antigos egípcios, o Akh era o eu imortal transformado que oferecia uma união mágica de Ba e Ka.

Sahu (O Juiz) O Sahu era o aspecto de Akh que chegava a uma pessoa como um fantasma ou durante o sono em sonhos. Sahu foi diferenciado de todos os outros aspectos da alma, uma vez que a pessoa foi & # 8216justificada & # 8217 pelo Deus Osíris e julgada digna de existência eterna.

Sechem (Outro aspecto do Akh) O Sechem era outro aspecto do Akh que lhe permitia o domínio das circunstâncias. Era considerada a energia vital da pessoa que se manifestava como o poder que tinha a capacidade de controlar o ambiente e os resultados de uma pessoa.

Além disso, de acordo com os antigos egípcios, o ser humano tem oito graus de personalidade:

& # 8220Ren & # 8220, ou & # 8220o nome, podendo continuar existindo de acordo com os cuidados de um embalsamamento correto.

& # 8220Sejem & # 8221 é a energia, o poder, a luz do falecido.

& # 8220Aj & # 8221 é a unificação de & # 8220Ka & # 8221 e & # 8220Ba & # 8221, em vista de um retorno à existência.

& # 8220Ba & # 8220, que faz de um indivíduo ser o que é, também se aplica a coisas inanimadas. É o conceito mais próximo do Western & # 8220Soul & # 8221.

& # 8220Ka, & # 8221 a força vital. Sustentado por ofertas de alimentos ao falecido.

& # 8220Sheut ou Shuyet & # 8221 é a sombra da pessoa, representada por uma figura humana completamente negra.


Estas são as nove partes da alma humana de acordo com o Egito Antigo

Em muitas culturas antigas, como as encontradas na Ásia, África e até mesmo na América, encontramos um conceito de Alma analogamente semelhante ao conceito desenvolvido pelas religiões do grupo judaico-cristão (incluindo o Islã) e pela filosofia europeia.

A alma, do ponto de vista Védico ou Veda, é o ser, que por natureza é eterno (sem nascimento ou morte ou sem começo ou fim) de uma substância diferente daquela do corpo físico e que possui consciência própria.

Desse ponto de vista, a ciência material ou que estuda os fenômenos físicos ou materiais é limitada porque não pode estudar os fenômenos espirituais, pois sua natureza é diferente da física.

Este capítulo do Bhagavad Gita trata da natureza da alma.

Mas assim como aquelas culturas antigas explicam em detalhes o conceito da alma humana, os antigos egípcios, conhecidos por terem sido uma das civilizações antigas mais avançadas que já existiram na Terra, desenvolveram um conceito extremamente interessante que explica a alma humana.

Os antigos egípcios estavam convencidos de que a alma humana era composta de NOVE partes principais: o Ren, a BA, a Ka, a Shuyet, e as Jb, a Akh, a Sahu, a Khat e a Sechem.

(Observação) Em algumas épocas, pensava-se que a alma era composta por cinco partes e em outras Sete, mas, geralmente, eram nove. Aqui, damos uma olhada nas NOVE partes.

Além dos componentes da alma humana, havia o corpo humano conhecido como Ha - Haw - que era interpretado como a soma das partes do corpo.

Jb (O coração) era uma parte extremamente importante da alma egípcia. Acreditava-se que se formava de uma gota de sangue do coração da mãe da criança, tirada na concepção. Na antiga mitologia egípcia, o coração era a chave para a vida após a morte.

Shuyet (A Sombra) está sempre presente. Os antigos egípcios acreditavam que a sombra resumia o que uma pessoa representa.

Ren (O nome) era outra parte crucial da alma. O Ren de uma pessoa foi dado a eles no nascimento e os egípcios acreditavam que viveria enquanto esse nome fosse falado.

BA (A personalidade) Resumindo, os antigos egípcios acreditavam que Bâ era tudo o que torna uma pessoa única.

Ka (A centelha vital) De acordo com os antigos egípcios, o Ka era um conceito vital na alma, pois distingue a diferença entre uma pessoa viva e uma pessoa morta.

Khat (O Corpo) o Khat era referido pelo Antigo Egípcio como o corpo físico que, quando falecido, fornecia o vínculo entre a alma e a vida terrena.

Akh (O Eu Imortal) De acordo com os antigos egípcios, o Akh era o eu imortal transformado que oferecia uma união mágica de Ba e Ka.

Sahu (O Juiz) O Sahu era o aspecto de Akh que chegava a uma pessoa como um fantasma ou durante o sono em sonhos. Sahu foi diferenciado de todos os outros aspectos da alma, uma vez que a pessoa foi "justificada" pelo Deus Osíris e julgada digna de existência eterna.

Sechem (Outro aspecto do Akh) O Sechem era outro aspecto do Akh que lhe permitia o domínio das circunstâncias. Era considerada a energia vital da pessoa que se manifestava como o poder que tinha a capacidade de controlar o ambiente e os resultados.

Além disso, de acordo com os antigos egípcios, o ser humano tem oito graus de personalidade:

“Ren“, ou “o nome, podendo continuar existindo de acordo com o cuidado de um correto embalsamamento.

“Sejem” é a energia, o poder, a luz do falecido.

“Aj” é a unificação de “Ka” e “Ba”, em vista de um retorno à existência.

"BA", que faz de um indivíduo ser o que é, também se aplica a coisas inanimadas. É o conceito mais próximo da “Alma” ocidental.

“Ka,” a força vital. Sustentado por ofertas de alimentos ao falecido.

“Sheut ou Shuyet” é a sombra da pessoa, representada por uma figura humana totalmente negra.

“Seju” significa os restos físicos da pessoa.

“Jat” é a parte carnal da pessoa.

_________________________
Quietude na nota do Editor do Storm: Você encontrou um erro de ortografia ou de gramática? Você acha que este artigo precisa de uma correção ou atualização? Ou você apenas tem algum feedback? Envie-nos um e-mail para [email protected] com o erro, título e url. Obrigado por ler.

Apoie a liberdade de expressão e as notícias ELES não querem que você veja. DOE agora.

Avisos e isenções de responsabilidade

Precisamos de $ 2.000 por mês para pagar nossos custos.Ajude-nos uma vez ou recorrente. (DOE AQUI)

Para se inscrever para atualizações RSS, cole este link (https://stillnessinthestorm.com/feed/) no campo de pesquisa de seu leitor ou serviço RSS preferido (como Feedly ou gReader).

“É a marca de uma mente educada ser capaz de entreter um pensamento sem aceitá-lo.” - Aristóteles

Este site é mantido por leitores como você.

Se você acha nosso trabalho de valor, considere fazer uma doação.

Quietude na tempestade AVISO LEGAL : Todos os artigos, vídeos, declarações, reivindicações, pontos de vista e opiniões que aparecem em qualquer lugar neste site, sejam declarados como teorias ou fatos absolutos, são sempre apresentados por Stillness in the Storm como não verificados e devem ser verificados e discernidos pessoalmente por você, o leitor. Quaisquer opiniões ou declarações aqui apresentadas não são necessariamente promovidas, endossadas ou concordadas por Stillness, aqueles que trabalham com Stillness ou aqueles que leem Stillness. Qualquer crença ou conclusão obtida a partir do conteúdo deste site é exclusivamente de sua responsabilidade, leitor, comprovar, verificar os fatos e não causar danos a você ou às pessoas ao seu redor. E quaisquer ações tomadas por aqueles que leem o material neste site são de responsabilidade exclusiva da parte atuante. Você é encorajado a pensar com cuidado e fazer sua própria pesquisa. Nada neste site deve ser acreditado sem questionamento ou avaliação pessoal.

Isenção de responsabilidade de conteúdo: Todo o conteúdo deste site marcado com “fonte - [digite o nome e url do site]” não é propriedade da Stillness in the Storm. Todo o conteúdo deste site que não foi originalmente escrito, criado ou postado como original é propriedade dos criadores do conteúdo original, que detém a jurisdição exclusiva de todos os direitos de propriedade intelectual. Qualquer material protegido por direitos autorais neste site foi compartilhado de boa fé, sob uso justo ou creative commons. Qualquer solicitação para remover material protegido por direitos autorais será honrada, desde que a prova de propriedade seja apresentada. Envie solicitações de remoção para [email protected]

Qual é a nossa missão? Por que postamos o que fazemos?

Nossa missão aqui é curar (compartilhar) artigos e informações que consideramos importantes para a evolução da consciência. A maioria dessas informações é escrita ou produzida por outras pessoas e organizações, o que significa que não representam nossos pontos de vista ou opiniões como equipe de gerenciamento de Stillness in the Storm. Parte do conteúdo foi escrito por um de nossos redatores e está claramente marcado de acordo. Só porque compartilhamos uma história da CNN que fala mal do presidente, não significa que estamos promovendo opiniões anti-POTUS. Estamos relatando o fato de que foi relatado e que este evento é importante para nós sabermos para que possamos enfrentar melhor os desafios de ganhar liberdade e prosperidade. Da mesma forma, só porque compartilhamos um conteúdo pró / anti- [inserir questão ou tópico], como uma peça pró-segunda emenda ou um vídeo anti-militar, não significa que endossamos o que é dito. Novamente, as informações são compartilhadas neste site com o propósito de desenvolver a consciência. Em nossa opinião, a consciência evolui por meio do processo de acumular conhecimento da verdade e contemplar esse conhecimento para destilar sabedoria e melhorar a vida, descobrindo e incorporando valores holísticos. Assim, compartilhar informações de muitas fontes diferentes, com muitas perspectivas diferentes, é a melhor maneira de maximizar a evolução. Além do mais, o domínio da mente e o discernimento não ocorrem no vácuo, é muito parecido com o sistema imunológico, ele precisa de exposição regular a coisas novas para se manter saudável e forte. Se você tiver alguma dúvida quanto à nossa missão ou métodos, entre em contato conosco pelo e-mail [email protected]


Fatos sobre Ma'at

  • Ma'at está no centro dos ideais sociais e religiosos do antigo Egito
  • Simbolizou harmonia e equilíbrio, verdade e justiça, lei e ordem
  • Ma'at também era o nome dado à deusa egípcia que personificava esses conceitos e supervisionava as estrelas, bem como a estação
  • Os antigos egípcios acreditavam que a deusa Ma'at influenciava as divindades primordiais que uniram forças para impor ordem ao caos tumultuoso no instante da criação
  • Ma’at’ was opposed in her work by Isfet the goddess governing violence, chaos, injustice and evil
  • Eventually, the Ra the king of the gods absorbed Ma’at role at the heart of all creation
  • Egypt’s pharaohs styled themselves as the “Lords of Ma’at”

Origin And Significance

Ra or Atum the sun god was believed to have created Ma’at at the moment of creation when Nun’s primordial waters parted and the ben-ben or first dry mound of land rose with Ra astride it, thanks to Heka’s invisible magical power. In the instant Ra spoke the world into being Ma’at was birthed. Ma’at’s name is translated as “that which is straight.” This connotes harmony, order and justice.

Ma’at’s principals of balance and harmony suffused this act of creation causing the world to function rationally and with purpose. The concept of ma’at underpinned the functioning of life, while heka or magic was the source of its power. This is why Ma’at is seen as more conceptual than a conventional goddess complete with a clearly defined personality and back-story such as Hathor or Isis. Ma’at’s divine spirit underpinned all creation. If an ancient Egyptian lived in keeping with her principals, one would enjoy a full life and could hope to enjoy eternal peace after journeying through the afterlife. Conversely, if one refused to conform to Ma’at’s principles one would be condemned to suffer the ramifications of that decision.

Her significance is shown by how the ancient Egyptians inscribed her name. While Ma’at was frequently identified by her feather motif, she was frequently associated with a plinth. A plinth was often set under the throne of a divine being but was not inscribed with the deity’s name. Ma’at’s association with a plinth suggested she was thought of as the foundation of Egyptian society. Her importance is clearly shown in iconography positioning her at Ra’s side on his heavenly barge as she voyaged with him during daytime across the sky while assisting him to defend their boat against attacks by the serpent god Apophis at night.

Ma’at And The White Feather Of Truth

Ancient Egyptians fervently believed each person was ultimately responsible for their own lives and that their lives should be lived in balance and harmony with the earth and other people. Just as the gods looked after humanity, so humans needed to adopt the same caring attitude for one other and the world the gods had provided.

This concept of harmony and balance is found in all aspects of ancient Egyptian society and culture, from how they laid out their cities and homes, to the symmetry and balance found in the design of their sprawling temples and immense monuments. Living harmoniously in accordance with the will of the gods, equated to living according to the dictate of the goddess personifying the concept ma’at. Eventually, everyone faced judgment in the afterlife’s Hall of Truth.

Ancient Egyptians, thought of the human soul as comprising nine parts: the physical body was the Khat the Ka was a person’s double-form, their Ba was a human-headed bird aspect capable of speeding between the heavens and earth the shadow self was the Shuyet, while the Akh formed the deceased’s immortal self, transformed by death, Sechem and Sahu were both Akh, forms, the heart was Ab, the wellspring of good and evil and Ren was an individual’s secret name. All nine aspects were part of an Egyptian’s earthly existence.

After death, the Akh together with the Sechem and Sahu appeared before Osiris, Thoth the god of wisdom and the Forty-Two Judges in the Hall of Truth to have the deceased’s heart or Ab weighed on a golden scale against Ma’at’s white feather of truth.

If the deceased’s heart proved lighter than Ma’at’s feather, the deceased remained as Osiris consulted Thoth and the Forty-Two Judges. If the deceased was adjudged to be worthy, the soul was granted the freedom to move on through the hall to continue its existence in paradise at The Field of Reeds. No one could escape this eternal judgment.

In the Egyptian idea of the afterlife, Ma’at was believed to assist those who adhered to her principles during their life.

Worshipping Ma’at As A Divine Goddess

While Ma’at was respected as an important goddess, the ancient Egyptians dedicated no temples to Ma’at. Nor did she have any official priests. Instead, a modest shrine was consecrated to her in other gods’ temples honoured Ma’at. The single temple recognized as having been built in her honour by Queen Hatshepsut (1479-1458 BCE) was erected within the god Montu’s temple grounds.

Egyptians venerated their goddess by simply living their lives in observance to her tenets. Devotional gifts and offerings to her were placed on her shrines set in many temples.

According to surviving records, the sole “official” veneration of Ma’at occurred when a newly crowned Egyptian king offered sacrifices to her. After being crowned, the new king would offer a representation of her to the gods. This act represented the king’s request for her assistance in preserving the divine harmony and balance during his reign. Should a king fail to maintain the balance and harmony, it was a clear portent he was unfit to reign. Ma’at thus was crucial a king’s successful rule.

In the Egyptian pantheon of gods, Ma’at was a significant and universal presence, despite having no priestly cult or dedicated temple. The Egyptian gods were thought to live off Ma’at and the majority of images showing the king offering Ma’at to Egypt’s pantheon of gods upon his coronation were mirror images of those depicting the king presenting wine, food, and other sacrifices to the gods. The gods were thought to live off Ma’at as they were obliged by divine law to maintain balance and harmony and to encourage those specific values amongst their human worshippers.

Ma’at’s temples were set amidst other gods’ temples due to Ma’at’s role as a universal cosmic essence, which enabled the lives of both humans and their gods. Egyptians venerated the goddess Ma’at by living their lives in keeping with her principles of harmony, balance, order and justice and being considerate to their neighbours and the earth the gods gifted them to nurture. While goddesses such as Isis and Hathor proved more widely worshipped, and eventually absorbed several Ma’at’s attributes, the goddess retained her significance as a deity right through Egypt’s lengthy culture and defined much the country’s core cultural values for centuries.

Reflecting On The Past

Anyone looking to understand ancient Egyptian culture must first understand ma’at and the role its core concept of balance and harmony played in shaping Egypt’s belief system.

Header image courtesy: British Museum [Public domain], via Wikimedia Commons


Baixe Agora!

Nós facilitamos para você encontrar um PDF Ebooks sem qualquer escavação. And by having access to our ebooks online or by storing it on your computer, you have convenient answers with The Soul Of Ancient Egypt By Robert Bauval . To get started finding The Soul Of Ancient Egypt By Robert Bauval , you are right to find our website which has a comprehensive collection of manuals listed.
Nossa biblioteca é a maior delas, com literalmente centenas de milhares de produtos diferentes representados.

Finally I get this ebook, thanks for all these The Soul Of Ancient Egypt By Robert Bauval I can get now!

Eu não pensei que isso iria funcionar, meu melhor amigo me mostrou este site, e funciona! Eu recebo meu e-book mais procurado

wtf este ótimo ebook de graça ?!

Meus amigos estão tão bravos que não sabem como eu tenho todos os e-books de alta qualidade, o que eles não sabem!

É muito fácil obter e-books de qualidade)

tantos sites falsos. este é o primeiro que funcionou! Muito Obrigado

wtffff eu não entendo isso!

Basta selecionar o seu clique e, em seguida, o botão de download e preencher uma oferta para começar a baixar o e-book. Se houver uma pesquisa que leve apenas 5 minutos, tente qualquer pesquisa que funcione para você.


Baixe Agora!

Nós facilitamos para você encontrar um PDF Ebooks sem qualquer escavação. And by having access to our ebooks online or by storing it on your computer, you have convenient answers with The Soul Of Ancient Egypt By Robert Bauval . To get started finding The Soul Of Ancient Egypt By Robert Bauval , you are right to find our website which has a comprehensive collection of manuals listed.
Nossa biblioteca é a maior delas, com literalmente centenas de milhares de produtos diferentes representados.

Finally I get this ebook, thanks for all these The Soul Of Ancient Egypt By Robert Bauval I can get now!

Eu não pensei que isso iria funcionar, meu melhor amigo me mostrou este site, e funciona! Eu recebo meu e-book mais procurado

wtf este ótimo ebook de graça ?!

Meus amigos estão tão bravos que não sabem como eu tenho todos os e-books de alta qualidade, o que eles não sabem!

É muito fácil obter e-books de qualidade)

tantos sites falsos. este é o primeiro que funcionou! Muito Obrigado

wtffff eu não entendo isso!

Basta selecionar o seu clique e, em seguida, o botão de download e preencher uma oferta para começar a baixar o e-book. Se houver uma pesquisa que leve apenas 5 minutos, tente qualquer pesquisa que funcione para você.


Nine Parts of the Human Soul According to the Ancient Egyptians - History

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Soul, in religion and philosophy, the immaterial aspect or essence of a human being, that which confers individuality and humanity, often considered to be synonymous with the mind or the self. In theology, the soul is further defined as that part of the individual which partakes of divinity and often is considered to survive the death of the body.

Many cultures have recognized some incorporeal principle of human life or existence corresponding to the soul, and many have attributed souls to all living things. There is evidence even among prehistoric peoples of a belief in an aspect distinct from the body and residing in it. Despite widespread and longstanding belief in the existence of a soul, however, different religions and philosophers have developed a variety of theories as to its nature, its relationship to the body, and its origin and mortality.

Among ancient peoples, both the Egyptians and the Chinese conceived of a dual soul. The Egyptian ka (breath) survived death but remained near the body, while the spiritual BA proceeded to the region of the dead. The Chinese distinguished between a lower, sensitive soul, which disappears with death, and a rational principle, the hun, which survives the grave and is the object of ancestor worship.

The early Hebrews apparently had a concept of the soul but did not separate it from the body, although later Jewish writers developed the idea of the soul further. Biblical references to the soul are related to the concept of breath and establish no distinction between the ethereal soul and the corporeal body. Christian concepts of a body-soul dichotomy originated with the ancient Greeks and were introduced into Christian theology at an early date by St. Gregory of Nyssa and by St. Augustine.

Ancient Greek concepts of the soul varied considerably according to the particular era and philosophical school. The Epicureans considered the soul to be made up of atoms like the rest of the body. For the Platonists, the soul was an immaterial and incorporeal substance, akin to the gods yet part of the world of change and becoming. Aristotle’s conception of the soul was obscure, though he did state that it was a form inseparable from the body.

In Christian theology St. Augustine spoke of the soul as a “rider” on the body, making clear the split between the material and the immaterial, with the soul representing the “true” person. However, although body and soul were separate, it was not possible to conceive of a soul without its body. In the Middle Ages, St. Thomas Aquinas returned to the Greek philosophers’ concept of the soul as a motivating principle of the body, independent but requiring the substance of the body to make an individual.

From the Middle Ages onward, the existence and nature of the soul and its relationship to the body continued to be disputed in Western philosophy. To René Descartes, man was a union of the body and the soul, each a distinct substance acting on the other the soul was equivalent to the mind. To Benedict de Spinoza, body and soul formed two aspects of a single reality. Immanuel Kant concluded that the soul was not demonstrable through reason, although the mind inevitably must reach the conclusion that the soul exists because such a conclusion was necessary for the development of ethics and religion. To William James at the beginning of the 20th century, the soul as such did not exist at all but was merely a collection of psychic phenomena.

Just as there have been different concepts of the relation of the soul to the body, there have been numerous ideas about when the soul comes into existence and when and if it dies. Ancient Greek beliefs were varied and evolved over time. Pythagoras held that the soul was of divine origin and existed before and after death. Plato and Socrates also accepted the immortality of the soul, while Aristotle considered only part of the soul, the noûs, or intellect, to have that quality. Epicurus believed that both body and soul ended at death. The early Christian philosophers adopted the Greek concept of the soul’s immortality and thought of the soul as being created by God and infused into the body at conception.

In Hinduism the atman (“breath,” or “soul”) is the universal, eternal self, of which each individual soul (jiva ou jiva-atman) partakes. o jiva-atman is also eternal but is imprisoned in an earthly body at birth. At death the jiva-atman passes into a new existence determined by karma, or the cumulative consequences of actions. The cycle of death and rebirth ( samsara) is eternal according to some Hindus, but others say it persists only until the soul has attained karmic perfection, thus merging with the Absolute (brahman). Buddhism negates the concept not only of the individual self but of the atman as well, asserting that any sense of having an individual eternal soul or of partaking in a persistent universal self is illusory.

The Muslim concept, like the Christian, holds that the soul comes into existence at the same time as the body thereafter, it has a life of its own, its union with the body being a temporary condition.

This article was most recently revised and updated by Matt Stefon, Assistant Editor.