Retratos de Alexandre e um jovem (Heféstion?)

Retratos de Alexandre e um jovem (Heféstion?)


Alexandre, o Grande, uma vez realizou uma competição de bebidas & # 8211 Todos os competidores morreram

Alexandre, o Grande, o homem que conquistou vastos impérios e trouxe um capítulo completamente novo na história dos tempos antigos, permanece até hoje um nome familiar relacionado à glória, conquista e poder, mas também à juventude e ao orgulho. Entre seus pares ele era tudo isso, mas também muito mais.

Alexander era, para falar nos termos de hoje, a vida e a alma da festa, bem conhecido por seu estilo de vida hedonista e, acima de tudo - um gosto insaciável por vinho.

Escultura de Alexandre, o Grande.

As origens do que alguns consideram seu uso excessivo de álcool encontram-se em sua família e na cultura a que pertenceu.

Os antigos macedônios eram conhecidos por beber vinho puro - uma característica que seus vizinhos do sul em cidades-estado gregas como Atenas consideravam bárbara.

Alexandre bebia muito em sua juventude, em parte devido à pressão a que era exposto por seus pais muito exigentes.

Aristóteles, um filósofo da cidade macedônia de Stageira, ensinando o jovem Alexandre no Palácio Real de Pella.

Por outro lado, o jovem governante da Macedônia também era conhecido como um homem sábio, educado por um dos fundadores da filosofia: Aristóteles. Portanto, como Alexandre conhecia a filosofia, ele foi acompanhado em sua conquista por uma comitiva de pensadores, que serviram como seus conselheiros.

Enquanto estava estacionado na cidade persa de Susa em 324 aC, um de seus conselheiros, um gimnosofista de 73 anos (que significa literalmente & # 8220 um filósofo nu & # 8221) chamado Calanus relatou que estava se sentindo mortalmente doente e que planejava cometer suicídio em vez de enfrentar uma morte lenta.

Os casamentos de Stateira II com Alexandre o Grande da Macedônia e sua irmã, Drypteis, com Heféstion em Susa em 324 aC, conforme retratado em uma gravura do final do século 19.

Alexandre teria tentado convencê-lo do contrário, mas Calanus já havia tomado sua decisão. Ele escolheu a autoimolação como meio de eutanásia e seguiu sua decisão até o fim.

Um dos principais oficiais militares de Alexandre & # 8217 escreveu sobre a morte de Calanus & # 8217, descrevendo-a como um verdadeiro espetáculo:

& # 8220 & # 8230 no momento em que o fogo foi aceso houve, por ordem de Alexander & # 8217s, uma saudação impressionante: os clarins soaram, as tropas em um acordo rugiram seu grito de guerra, e os elefantes se juntaram a sua estridente guerra trombetas. & # 8221

Alexandre, o Grande, recebendo a notícia da morte por imolação do gimnosofista indiano Calanus por Jean-Baptiste de Champaigne, 1672.

Depois que o filósofo foi completamente consumido pelas chamas, Alexandre foi atingido pela tristeza - ele havia perdido um bom amigo e companheiro e sentiu o desejo de homenagear o falecido filósofo com um evento digno de sua menção.

Vídeo relacionado: Os hábitos de beber de 8 escritores famosos

A princípio, pensou em organizar uma Olimpíada, ali mesmo em Susa, mas teve que desistir, já que os nativos conheciam muito pouco dos esportes gregos.

É importante notar que o segredo da grandeza de Alexandre & # 8217 era sua capacidade de fundir diferentes culturas, mais precisamente grega e persa, e para representar essa fusão cultural e política, ele se casou com Roxanna, filha de um poderoso chefe dos persas.

Além disso, foi em Susa que o jovem imperador organizou um casamento em massa entre membros da nobreza persa e seus oficiais e soldados de confiança - tudo com o propósito de legitimar sua conquista, e a si mesmo, como o verdadeiro sucessor de Persa Shahs.

Detalhe do mosaico de Alexandre, mostrando a Batalha de Issus, da Casa do Fauno, em Pompéia. Foto de Magrippa CC BY-SA 3.0

No entanto, como sua tentativa de conceder a Susa a honra de realizar as Olimpíadas fracassou, Alexandre teve que propor uma disciplina diferente, que serviria como um velório adequado, bem como outro evento que uniria gregos e persas. Bem, que melhor maneira de unir duas culturas do que organizar uma competição de bebida?

Estátua de Alexandre, o Grande, do século 3 a.C., assinada & # 8220Menas. & # 8221 Museu de Arqueologia de Istambul.

Isso é o que Alexander deve ter pensado ao reunir a multidão para anunciar a competição. Muito em breve 41 contendores foram escolhidos, alguns vindos das fileiras de seu exército e outros pertencentes à população local.

As regras eram simples. Quem bebesse mais vinho era o vencedor e receberia uma coroa no valor de um talento de ouro. Para quem não estava familiarizado com as medidas da Grécia Antiga, um talento era igual a cerca de 57 libras, ou 26 kg.

Então, um prêmio digno desse esforço, com certeza. O único problema era que os habitantes locais não estavam acostumados tanto ao álcool - bem, certamente não tanto quanto os macedônios, que até mesmo faziam os adoradores de Dyonisus, o deus grego do vinho, tremer.

Dionísio estendendo um copo (kantharos), final do século 6 aC.

Naturalmente, o vencedor foi um dos soldados de infantaria de Alexander & # 8217 com o nome de Promachus, que conseguiu beber 4 galões do infame vinho não misturado.

Infelizmente, sinais de intoxicação por álcool apareceram durante a competição, azedando toda a festa. Cerca de 35 candidatos morreram no local, enquanto ainda tentavam beber mais vinho, e os outros, incluindo o vencedor, morreram nos dias seguintes.

Assim, uma celebração realizada em homenagem ao falecimento de uma pessoa logo se transformou no sepultamento de 41 pessoas. De acordo com os antigos cronistas da vida de Alexandre & # 8217, todos os contendores morreram e todo o evento foi considerado um fiasco.

Como uma espécie de mau presságio, o evento prenunciou a própria morte de Alexander & # 8217, que aconteceu menos de um ano após o concurso de bebida condenado.


The & # 039Life of Alexander & # 039 and West Africa

Há evidências, argumenta Adrian Tronson, que sugerem que o império do Mali do século 13, e seu governante Sundiata, foram fortemente influenciados pela vida de Alexandre o Grande, 356-323 aC, uma influência que seria capitalizada no final 1950

Os relatos da vida de Alexandre, o Grande, existem nas tradições literárias e orais de sociedades tão distantes como a Islândia, a Etiópia e a Indonésia: isso é bem conhecido. No entanto, a 'vida após a morte' de Alexandre nas tradições orais dos povos Mandirika do Senegal, Guiné, Mali e Costa do Marfim deve ser reconhecida, uma vez que pode-se dizer que influenciou em algum grau o destino político daquela região.

No século XIII, Sundiata Keita, um chefe local de uma obscura tribo Mandinke no canto noroeste do que hoje é a Guiné, inspirado nos contos de Alexandre, o Grande, que ele ouvira quando criança de comerciantes de todo o Saara , embarcou em um programa de conquista militar. Suas campanhas resultaram na unificação das tribos Mandinke e na fundação do Império do Mali, um dos estados africanos mais poderosos e ricos da história daquele continente. Durou mais de duzentos anos e foi um dos poucos reinos africanos, além do Egito e da Etiópia, que figurou nos mapas europeus da África, na Idade Média.

As fontes que tratam da vida de Sundiata, consistem em uma breve referência de Ibn Khaldoun, em seu História dos berberes (escrito no século XV), e as tradições orais de Mandinke, das quais a mais acessível é a chamada Mali Epic .

No final da década de 1950, um descendente distante de Sundiata, Modibo Keita, uma figura importante no movimento de independência pós-guerra do Sudão francês, capitalizou as façanhas de seu ancestral, a fim de promover suas ambições políticas. Esta campanha de propaganda foi parcialmente responsável pela fundação, no final de 1959, da Federação do Mali, composta pela atual República do Mali e do Senegal, e batizada, note-se, após o império do século XIV de Sundiata. A Federação foi fundada através dos esforços combinados de Modibo Keita e Leopold Senghor do Senegal, mas durou apenas alguns meses. Keita foi presidente da curta Federação, mas continuou a ocupar a presidência da República do Mali até 1967.

A propaganda Sundiata que acompanhou a fundação da Federação do Mali não deixa de interessar ao classicista e historiador antigo. Além de um disco de gramofone, emitido por uma gravadora francesa por volta de 1960, que apresenta um bardo tribal (Griot ) cantando sobre as façanhas de Sundiata e comparando-o com Alexandre, o Grande, o item que merece atenção especial é o Mali Epic , ou Sundiata , que foi publicado em francês em 1960 e em inglês em 1965. Seu autor-compilador, o historiador da África Ocidental, Djibril Tausir Niane, afirma que é virtualmente uma transcrição de uma recitação de um griot, cuja família tinha sido intimamente ligada a, e a serviço do clã Keita na qualidade de cantores de louvor, desde a época de Sundiata. A epopéia, que trata do nascimento, infância, andanças, batalhas e triunfos do herói, teria sido transmitida, praticamente inalterada, desde o século XIV.

Ao ler o épico, ficamos impressionados com as referências frequentes a Djoula Kara Naini , a corrupção Mandinke de Dhu'l Quarnein, o Alexandre chifrudo da tradição romântica do Oriente Médio, o sexto grande conquistador do mundo e o defensor da civilização contra as forças de Gog e Magog, que é mencionado no sétimo livro do História da Guerra Judaica de Josefo (ch 7) e no décimo oitavo Shura do Alcorão. Em três ocasiões no épico, Sundiata é referido como 'escudo', 'baluarte' e 'sétimo e último conquistador do mundo', destacando-se Djoula Kara Naini , respectivamente. Há duas referências explícitas no épico à admiração de Sundiata por Alexandre: quando criança, aos pés de seu griot, ele 'ouvia extasiado a história de Djoula Kara Naini , o poderoso rei de ouro e prata, cujo sol brilhou sobre metade do mundo '. Anos mais tarde, durante a campanha, ele ouviu os homens santos que 'muitas vezes contaram a ele a história de Djoula Kara Naini , e vários outros heróis, mas de todos eles Sundiata preferiu Djoula Kara Naini o rei do ouro e da prata, que cruzou o mundo de oeste a leste: ele queria superar seu protótipo tanto na extensão de seu território quanto na riqueza de seu tesouro ”. A última citação em si sugere um exemplo de 'imitação' de Sundiata: isto é, sua preferência pelas histórias sobre Alexandre corresponde à preferência de Alexandre pela Ilíada e para seu herói a quem ele emulou. Na verdade, Plutarco, no sétimo capítulo de sua vida de Alexandre, relata que Alexandre usou o Ilíada como um Vade Mecum em suas campanhas e guardou-o em um caixão especial. A emulação de Aquiles de Alexandre é atestada em todas as histórias de Alexandre existentes.

Ao examinar o conteúdo do épico de Sundiata, as instâncias em que os detalhes biográficos, as ações e o comportamento de Sundiata parecem ter uma semelhança óbvia com os de Alexandre, visto que estão relacionados nas várias fontes, o leitor pode detectar tanto a natureza quanto a extensão de Sundiata Alexandri aemulatio . Supondo que os pontos de semelhança sejam deliberados e não coincidentes, o épico na verdade parece imitar o romance de Alexandre no que diz respeito à estrutura e ao conteúdo.

Os pontos de semelhança são os seguintes. Tanto Olympias, a mãe de Alexander, quanto Sogolon, a mãe de Sundiata, foram em sua época consideradas feiticeiras. Os pais, em ambos os casos, eram reis e ambos receberam profecias de que seus filhos não nascidos seriam os conquistadores do mundo. Um leão, ouro, o sol, fogo e luz desempenham um papel simbólico nas profecias. Sundiata e Alexander, à medida que envelhecem, são comparados aos leões e na tradição Mandinke Djoula Kara Naini é freqüentemente referido como 'o rei do ouro e da prata', a luz do leste 'e' a estrela '. O nascimento de Alexandre, segundo os pseudo-Calístenes (1, 12), é acompanhado por relâmpagos e trovões:

. quando a criança caiu no chão, o relâmpago brilhou de repente, o trovão começou a ribombar, o chão tremeu e todos os céus se moveram.

As circunstâncias que envolveram o nascimento de Sundiata são descritas em termos notavelmente semelhantes: *

De repente, o céu escureceu. o trovão começou a ribombar e relâmpagos rápidos rasgaram as nuvens. Um clarão de relâmpago acompanhado por um som surdo de trovão irrompeu do leste e iluminou o céu até o oeste.

A precocidade juvenil de Alexandre é contada por Plutarco (Vida de alexandre , ch 5). A criança surpreende os enviados persas à corte da Macedônia com suas perguntas inteligentes a respeito das estradas e recursos militares da Pérsia e por "sua ânsia de realizar grandes feitos". Da mesma forma, Sundiata, com a idade de dez anos, "tinha uma maneira autoritária de falar como quem está destinado a comandar". Mostra curiosidade inteligente ao perguntar aos viajantes sobre terras estrangeiras no deserto e sobre o grande tirano Soumaoro, o rei do Sosso, que conquistou sua pátria e que um dia está destinado a derrubar. Alexander e Sundiata, como resultado de intrigas da corte, são forçados ao exílio com suas mães. O exílio de Sundiata, ao contrário de Alexandre, dura dez anos, durante os quais ele e sua família encontram refúgio com uma tribo no reino de Gana, cujos membros afirmavam ser descendentes de Alexandre, o Grande:

és de Gana foram os mais poderosos dos príncipes. Eles eram descendentes de Djoula Kara Naini, o rei do ouro e da prata. Na época do Sundiata, os descendentes de Djoula Kara Naini estavam homenageando o rei de Sosso.

Deve-se notar como o épico coloca o 'novo Alexandre' no papel de vingador dos descendentes de seu modelo.

Sundiata, em sua primeira campanha militar, se destacou na luta de cavalaria, da mesma forma que Alexandre, de 18 anos, se destacou em sua primeira grande batalha, em Queronéia em 338. Ambos se lançam impetuosamente à ação para impressionar seus pais que estão no comando (no caso de Sundiata, seu pai adotivo):

Então Alexandre, ansioso por mostrar seu valor ao pai, já que seu desejo de distinção não tinha limites. foi o primeiro a romper a sólida frente da linha inimiga. (Diodoro, 16, 86, 3)

Plutarco, em seu relato da batalha (Alexandre , ch 9) escreve o seguinte:

Como resultado dessas façanhas, ao que parece, Filipe amava tanto seu filho que ficou encantado ao ouvir os macedônios chamarem Alexandre de rei e Filipe de general.

O comportamento de Sundiata em circunstâncias semelhantes se assemelha ao de Alexandre, já que a reação de seu pai adotivo, Moussa Tounkara, se assemelha à de Philip:

Moussa Tounkara era um grande guerreiro e, portanto, admirava a força. Quando Sundiata tinha quinze anos, o rei o levou consigo em campanha. Sundiata surpreendeu todo o exército com sua força e seu ímpeto no ataque. No decorrer da escaramuça. ele se lançou sobre o inimigo com tal. veemência que o rei temia por sua vida. O rei viu com êxtase como o jovem semeava o pânico entre o inimigo.

Como resultado, o rei fez de Sundiata seu vice-rei "e na ausência do rei era Sundiata quem governava". Alexandre também, com a mesma idade, serviu como regente da Macedônia na ausência de Filipe.

A primeira grande batalha do Sundiata, na qualidade de comandante, foi contra o Sosso. Isso corresponde à primeira batalha de Alexandre contra os persas, no rio Granicus (334 aC). Ambas as batalhas foram travadas para obter acesso ao território do inimigo. Os macedônios chegam no final do dia às margens do Granicus. Alexandre é aconselhado a não tentar uma travessia por causa do adiantado da hora e do grande número de inimigos.

Alexandre rejeita com desprezo essas objeções, reúne suas forças e mergulha no rio. Plutarco descreve o episódio da seguinte forma (Alex 16, 1-2):

Quando Parmênio (o general) não permitiu que ele corresse o risco, alegando que já era tarde, disse que o Helesponto se envergonharia se, depois de cruzá-lo, tivesse medo do Granicus e mergulhasse no o rio com treze destacamentos de Cavalaria.

No épico do Mali, Sundiata, depois de marchar o dia todo, chega à noite à cabeceira do vale que leva ao país do Sosso.

As laterais do vale estavam negras de homens. seus generais instaram-no a esperar até o dia seguinte porque as tropas estavam cansadas e em menor número. Sundiata riu. nenhum mero homem poderia impedi-lo de chegar ao Mali. a batalha não duraria muito. ordens foram dadas, os tambores começaram a bater em seu orgulhoso cavalo, Sundiata. desembainhou a espada e liderou o ataque, gritando seu grito de guerra.

Arrian começa sua descrição da batalha de Granicus da seguinte forma (Anabasis 1, 14, 6):

Então, com trombetas soando, Alexandre saltou em seu cavalo. e ele mesmo liderando a ala direita, começou a travessia.

Durante a batalha, Alexandre se envolveu em um combate individual com o sátrapa de Jônia, um parente do rei Dario. Sundiata, por outro lado, se envolve com o filho do rei de Sosso. O ponto principal da comparação é que Alexandre e Sundiata, nas primeiras grandes batalhas de suas respectivas carreiras, não se enfrentam com o rei inimigo, mas com seu vice.

Como Alexandre, Sundiata luta três grandes batalhas contra seu arquiinimigo. Na segunda batalha, que corresponde à batalha de Alexandre em Issus (333 aC), Sundiata, como Alexandre, luta com o rei inimigo em combate pessoal. Em ambos os casos, o rei inimigo escapa. O relato de Diodoro sobre a batalha de Issus (17, 37) corresponde ao relato do épico de seu homólogo africano, em que ambos mencionam a grande quantidade de mísseis que foram gastos. O primeiro escreve,

Os bárbaros lançaram um número tão grande de mísseis que colidiram uns com os outros, tão denso foi seu vôo.

enquanto o épico relata que 'As flechas dispararam para o céu e caíram pesadamente como chuva de ferro'. Diodoro, em seu relato do desdobramento das forças de Alexandre em Issus (cap 33), diz que Alexandre coloca sua cavalaria ao longo da frente de todo o seu exército. Esta formação incomum não é atestada em qualquer outra fonte para qualquer outra das batalhas campais de Alexandre. O épico, por outro lado, descreve Sundiata adotando para sua segunda batalha "um desdobramento muito original", pois ele transformou "sua infantaria em um quadrado apertado, com sua cavalaria armada ao longo de toda a frente". Talvez essa "imitação" das táticas de Alexandre seja mais do que coincidência. Também há semelhanças nos relatos da terceira e decisiva batalha de Sundiata contra o Sosso, e a de Alexandre em Gaugamala (331 aC). Ambas as batalhas começam quando o sol já está alto. As forças de Sundiata e Alexander estão em menor número, presságios de pássaros aparecem antes ou durante a luta e tanto Sundiata quanto Alexander perseguem o rei inimigo por um dia e uma noite e não conseguem pegá-lo vivo.

Existem outros pontos de comparação que merecem atenção. O amigo de longa data de Sundiata, Manding Bory, que o acompanha até o exílio, é seu segundo em comando em campanha e eventualmente se torna vizir de seu império, desempenha um papel semelhante ao de Heféstion. Há também o cavalo de guerra de Sundiata, Daffeke, que desempenha um papel semelhante ao de Bucéfalo. Sundiata empreende uma peregrinação a uma fonte sagrada de montanha no deserto, assim como Alexandre visita o oráculo do deserto de Amon no oásis de Siwah, e retorna investido de um brilho divino e poderes mágicos aumentados. Alexandre retorna de Siwah com o reconhecimento do oráculo de sua ascendência divina. Sundiata assume as vestes de um Mansa muçulmano quando organiza seu império, enquanto Alexandre assume o traje persa após derrotar Dario. Tanto Sundiata quanto Alexander, na organização de seus impérios, incorporam aos seus exércitos os jovens do inimigo derrotado e os treinam como cadetes.

O 'Romance' de Alexandre o Grande foi difundido no Oriente Médio nas eras helenística e romana. A existência do épico do Mali mostra como as façanhas do conquistador macedônio, espalhadas pelas terras do Níger pelos comerciantes transsaarianos, cativaram a imaginação de um povo, distante da cultura helenística, até ao ponto de um Ocidente Tribo africana afirmava ser descendente dele, que um chefe do século XIII fundou um império imitando-o e que seu descendente distante "imitando" Sundiata e usando como propaganda a "história oficial" do clã Keita, que parecia ter sido modelado após o romance de Alexandre, de alguma forma envolveu Alexandre o Grande na política africana do século XX.

* As traduções são de G.D. Pickett (Sundiata: um épico do Velho Mali por D.T. Niane, Longman, 1956).

Leitura Adicional

  • D.T. Niane, Soundjata ou L'Epopeé mandingue, Paris, 1960 (tradução para o inglês, G. Pickett, Sundiata: uma epopéia do antigo Mali, Londres, 1964)
  • Gordon Innes, Sunjata: três versões do Mandinka, Londres, 1974
  • Plutarco, A vida de alexandre Arrian, The Anabasis Curtius Rufus, A História de Alexandre Diodorus Siculus, Bibliotheca. Todos os volumes do Loeb Classical Library (Harvard University Press)
  • Pseudo-Calistenes, Historia Alexandri Magni (W. Kroll, 1926)
  • A. Mazrui, 'Ancient Greece in African Political Thought', Présence Africaine vol 22, 1967.

Adrian Tronson lecionou história antiga no Departamento de Clássicos da Universidade da África do Sul.


Como Alexandre, o Grande, mudou o mundo da arte para sempre

Uma nova exposição importante do Met mostra a amplitude e a riqueza da arte helenística. Prepare-se para enfeites de cabeça folheados a ouro e vasos de dois metros de altura.

William O’Connor

Cortesia do Metropolitan Museum of Art

O período helenístico inspirou admiração em obras grandes e pequenas.

Esse sentimento de constante admiração pode ser encontrado em uma nova e massiva exposição que está sendo preparada há cinco anos no Metropolitan Museum of Art.

Pergamon e os reinos helenísticos do mundo antigo- com abertura de terça a 17 de julho - cataloga a amplitude, diversidade e riqueza da arte helenística, um período que começou com a morte de Alexandre o Grande em 323 aC e terminou após a Batalha de Ácio com o suicídio de Cleópatra em 30 aC.

“Esta exposição tem algo para todos”, me disse Carlos A. Picón, o irreprimível curador de arte grega e romana do Met. "Argila, mármore, joias, vidro e assim por diante."

O núcleo da exposição - um terço das estátuas em exibição - é composto por obras do Museu Pergamon em Berlim, muitas das quais nunca estiveram nos EUA antes.

O Pergamon tem o nome da cidade na Turquia moderna que foi a capital da dinastia Attalid (um dos reinos helenísticos formados a partir do império dividido de Alexandre).

Foi escavado no final do século 19 por arqueólogos alemães que trouxeram muitos de seus tesouros de volta para a Alemanha. O Museu Pergamon está agora passando por uma reforma, apresentando uma oportunidade perfeita para o Met.

Uma dessas peças aqui pela primeira vez, que talvez pudesse ser considerada uma das peças centrais da exposição é o Atena do Altar de Pérgamo.

Pesando mais de três toneladas, foi embarcado em três peças, disse Picón. Mesmo com sua magnitude, a coisa mais espantosa sobre o trabalho imponente é que ele tem apenas um terço do tamanho do original esculpido por Fídias que ficava no Partenon.

o Atena é cercada por outras obras monumentais, incluindo a cativante Cabeça colossal fragmentária de um jovem do século 2 aC (homens gays, você vai entender). Há também a impressionante cabeça e braço de mármore de Zeus de Aigeira de cerca de 150 aC, emprestado do Museu Nacional de Arqueologia da Grécia.

Contra outra parede pode ser encontrado o texto mais antigo conhecido de Homero A odisseia de 285-250 aC, preservado porque o papiro onde estava foi reutilizado como múmia e enterrado na areia quente.

A exposição, com muitos mapas, começa com grandes retratos de esculturas dos principais governantes helenísticos encontrados na Villa dei Papiri em Herculano, apresentando-nos a alguns dos homens cuja riqueza e poder moldaram este período.

Cada sala da exposição tem uma peça exclusiva. Em um é o Atena, em outra a réplica do modelo do Altar de Pérgamo. Na última câmara, que enfoca a arte helenística do período romano, está o Borghese Krater.

Com quase dois metros de altura, o vaso foi feito em Atenas no século 1 aC, enviado para Roma e descoberto no século 16 em um jardim romano. Comprado por Napoleão da família Borghese em 1808, ele saiu do Louvre apenas duas vezes.

O destino de muitas exposições em museus hoje depende de seu sucesso nas redes sociais, especialmente no Instagram (basta ver a multidão lotada todo fim de semana para Maravilha na Renwick Gallery ou A praia no ano passado no Museu Nacional do Edifício).

O Loeb Diadem atraiu a maior parte da atenção dos jornalistas na prévia para a imprensa, sugerindo que pode se tornar a estrela da mídia social.

Este cocar folheado a ouro feito em 150 aC e encontrado na Crimeia apresenta em seu centro um nó de ouro e granada de Hércules totalmente cativante, do qual pendem uma série de pingentes com borlas de ouro, granada e cornalina e pérolas com bandas brancas. Coroando a peça estão dois dragões marinhos dourados em cada lado de uma Nike dourada, a deusa da vitória.

Na mesma sala, a habilidade dos artesãos da época é muito evidente, a partir de braçadeiras de ouro em forma de serpentina e várias redes de cabelo de ouro.

A seção de joias da exposição esclarece uma história política mais ampla.

Quando Alexandre conquistou a Pérsia, seis mil toneladas de ouro foram retiradas apenas dos tesouros de Persépolis e Susa. Essas fabulosas riquezas combinadas com a habilidade grega significaram o início de uma nova era em termos de supremacia cultural.

Enquanto seu império foi dividido em vários reinos (o Ptolomaico talvez sendo o mais famoso devido à sua biblioteca e Cleópatra), a arte e a arquitetura originárias das cidades-estado gregas explodiram.

A exposição destaca, no entanto, que a riqueza também mudou a cultura grega. Jogadas fora foram as críticas e desaprovação de cidades-estado como Atenas e Esparta contra exibições de ostentação de riqueza privada. O resultado foi um período de arte que mudou culturas em todo o mundo antigo.

Essa influência talvez seja mais palpável na Roma antiga, onde a mania por cópias de obras gregas famosas costuma ser tudo o que nos resta da arte grega.

Não deixe de ver o Hermafrodita Romano Adormecido, feito no século 2 dC, mas como uma cópia de um original grego do século 2 aC. Dezenas de cópias foram encomendadas por romanos ricos, e esta estátua e seu tema refletem os gostos variados desses clientes ricos.

O objetivo da exposição de capturar 300 anos de história da arte em um de seus períodos mais ricos é assustador, mas os visitantes sairão desta exposição com uma compreensão muito mais rica da influência e alcance da arte helenística. Na verdade, fica-se querendo saber mais sobre como a arte mudou e progrediu ao longo dos séculos, e como ela diferiu nos vários reinos.

Na vitrine final está um retrato do Kleopatra Selene. Ela era a única filha de Cleópatra e de Marco Antônio e, por falar nisso, a única filha deles a sobreviver.

Ela foi casada com Juba II, o ex-rei da Numídia antes de eles serem enviados para governar a Mauritânia, no atual norte do Marrocos. Dentro da caixa está um anel de gema da Cornália em que se acredita ser um retrato dela, a prole de um dos casos mais condenados da história.

Pequeno como uma unha, mas com uma história muito mais impressionante do que um cachorro gigante de balão.


Museu J. Paul Getty

Esta imagem está disponível para download, gratuitamente, no Programa de Conteúdo Aberto da Getty.

Retrato de Alexandre o Grande

Desconhecido 29,1 × 25,9 × 27,5 cm (11 7/16 × 10 3/16 × 10 13/16 pol.) 73.AA.27

As imagens de conteúdo aberto tendem a ser grandes em tamanho de arquivo. Para evitar possíveis cobranças de dados de sua operadora, recomendamos que seu dispositivo esteja conectado a uma rede Wi-Fi antes de fazer o download.

Atualmente em exibição em: Getty Villa, Gallery 111, The Hellenistic World

Detalhes do Objeto

Título:

Retrato de Alexandre o Grande

Artista / Criador:
Cultura:
Lugar:
Médio:
Número do objeto:
Dimensões:

29,1 × 25,9 × 27,5 cm (11 7/16 × 10 3/16 × 10 13/16 pol.)

Título alternativo:

Cabeça de Alexandre, o Grande (exibir título)

Departamento:
Classificação:
Tipo de objeto:
Descrição do Objeto

Identificado por sua massa de cabelo leonino, seu rosto jovem e idealizado e seus olhos profundos e voltados para cima, Alexandre o Grande foi o primeiro governante grego a compreender e explorar os poderes propagandísticos do retrato. Fontes literárias antigas dizem que ele deixou apenas um escultor esculpir seu retrato: Lysippos (ativo entre 370-300 a.C.), que criou o tipo de retrato padrão de Alexandre.

Essa cabeça em tamanho natural, supostamente encontrada em Megara, fazia parte de um grupo de múltiplas figuras, que provavelmente servia como monumento funerário para um cortesão que queria se associar ao governante. O Museu Getty possui mais de trinta fragmentos desse grupo, que podem ter representado uma cena de sacrifício. Os participantes incluem Alexandre, seu companheiro Hefistion, uma deusa, Hércules, um flautista e várias outras figuras, além de animais e pássaros.

A cabeça foi re-esculpida na antiguidade. A orelha esquerda foi acrescentada, a costeleta direita encurtada e as pálpebras inferiores recortadas.

Trabalhos relacionados
Trabalhos relacionados
Proveniência
Proveniência

Robin Symes, Limited, fundada em 1977, dissolvida em 2005 (Londres, Inglaterra), por crédito parcial e compra parcial, vendida ao J. Paul Getty Museum, 1973.

Exposições
Exposições
A busca por Alexandre, o Grande (16 de novembro de 1980 a 16 de maio de 1982)
  • Galeria Nacional de Arte (Washington, D.C.), 16 de novembro de 1980 a 5 de abril de 1981
  • The Art Institute of Chicago, 16 de maio a 7 de setembro de 1981
  • Museu de Belas Artes, Boston, 27 de outubro de 1981 a 10 de janeiro de 1982
  • M. H. de Young Memorial Museum (San Francisco), 20 de fevereiro a 16 de maio de 1982
A formação de um herói: Alexandre, o Grande, da Antiguidade ao Renascimento (22 de outubro de 1996 a 5 de janeiro de 1997)
Tradição transformadora: motivos antigos em manuscritos medievais (23 de setembro a 30 de novembro de 2003)
Pergamon e a arte dos reinos helenísticos (11 de abril a 17 de julho de 2016)
Bibliografia
Bibliografia

Lipsius, Frank. Alexandre o grande (Londres: Weidenfeld & amp Nicolson, 1974), III. p. 84

Frel, Jiri, Burton Fredericksen e Gillian Wilson. Guia do J. Paul Getty Museum. Rev. ed. (Los Angeles: J. Paul Getty Museum, 1976), p. 47 doente. p. 48

Fredericksen, Burton B., Jiří Frel e Gillian Wilson. Guia: Museu J. Paul Getty. 4ª ed. Sandra Morgan, ed. (Malibu: J. Paul Getty Museum, 1978), pp. 29-30, ill.

Frel, Jiří. Antiguidades no Museu J. Paul Getty: Uma Lista de Verificação da Escultura I: Originais Gregos (Malibu: J. Paul Getty Museum, 1979), p. 7, não. 20

Vermeule, Cornelius C. Arte Grega: Sócrates a Sula Das Guerras do Peloponeso à Ascensão de Júlio César. Arte da Antiguidade 2, pt. 2 (Boston: Dept. of Classical Art, Museum of Fine Art, 1980), pp. 126, no. 71, 215, fig. 71A, III.

A busca por Alexandre. Uma exibição. National Gallery of Art, Washington, DC, 16 de novembro de 1980 a 5 de abril de 1981 Art Institute of Chicago, 14 de maio a 7 de setembro de 1981 Museum of Fine Arts, Boston, 23 de outubro de 1981 a 10 de janeiro de 1982 Museus de Belas Artes of San Francisco: MH de Young Memorial Museum, February 19-May 16, 1982. New York Graphics Society: 1980, pl. 2, bottom p. 101, no. 6, ill.

Frel, Jiří. Greek Portraits in the J. Paul Getty Museum (Malibu: J. Paul Getty Museum, 1981), pp. 68-69, 112, no. 19

The J. Paul Getty Museum Appointment Calendar (Malibu: J. Paul Getty Museum, 1981), week of February 16.

Vermeule, Cornelius C. Greek and Roman Sculpture in America (Berkeley and London: University of California Press, 1981), no. 101

Stewart, Andrew. Review of "The Search for Alexander." The Art Bulletin 64, no. 2 (June 1982), pp. 321-26.

Stewart, Andrew. Skopas in Malibu: the head of Achilles from Tegea and other sculptures by Skopas in the J. Paul Getty Museum (Malibu: J. Paul Getty Museum, 1982), pp. 65-67, fig. 62.

Frel, Jiří. "Ancient Repairs to Classical Sculpture at Malibu." The J. Paul Getty Museum Journal 12 (1984), pp. 73-92 p. 81, no. 23

Giuliani, Luca. Bildnis und Botschaft: Hermeneutische Untersuchungen zur Bildniskunst der römischen Republik (Frankfurt: Suhrkamp, 1986), pl. 34, p. 153 ff.

The J. Paul Getty Museum Handbook of the Collections. 1st ed. (Malibu: J. Paul Getty Museum, 1986), p. 32

Smith, R. R. R. Hellenistic Royal Portraits (Oxford: Clarendon Press, 1988), p. 158, cat. não. 16 pl. 12, 6.

Stewart, Andrew. "Ethos and Pothos in a Portrait of Alexander the Great." Abstracts and Program Statements, College Art Association, 77th Annual Meeting, February 16-18, 1989, p. 60

Ridgway, Brunilde S. Hellenistic Sculpture I: The Style of Circa 331-200 B.C. (Madison: University of Wisconsin Press, 1990), pp. 116, 134-35.

Stewart, Andrew. Greek Sculpture: An Exploration (New Haven, CT: Yale University Press, 1990), p. 191, 192 fig. 576.

The J. Paul Getty Museum Handbook of the Collections. 3rd ed. (Malibu: J. Paul Getty Museum, 1991), p. 24.

Stewart, Andrew. Faces of Power: Alexander's Image and Hellenistic Politics (Berkeley: University of California Press, 1993), appendix 5, "The Getty Fragments: A Catalogue," pp. 438-52, pp. 438-39, no. 1 pl. 2 figs. 16, 146-49.

Grossman, Janet Burnett, and Elizabeth C. Teviotdale. The Making of a Hero: Alexander the Great from Antiquity to the Renaissance, exh. brochure (Malibu: J. Paul Getty Museum, 1996), ill.

The J. Paul Getty Museum Handbook of the Collections. 4th ed. (Los Angeles: J. Paul Getty Museum, 1997), p. 23

The J. Paul Getty Museum Handbook of the Collections. 6ª ed. (Los Angeles: J. Paul Getty Museum, 2001), p. 23

The J. Paul Getty Museum Handbook of the Antiquities Collection (Los Angeles: 2002), p. 25

Grossman, Janet Burnett. Looking at Greek and Roman Sculpture in Stone (Los Angeles: J. Paul Getty Museum, 2003), pp. 50, ill.

Queyrel, Francois. Les portraits des Attalides: Fonction et représentation. BEFAR 308 (Athens: École francaise d'Athènes, 2003), p. 170n227.

Spivey, Nigel and Squire, Michael. Panorama of the Classical World (Los Angeles: Getty Publications, 2004), p. 176-177, fig. 275.

Reinsburg, Carola. "Alexanderbilder in Ägypten: Manifestation eines neuen Herrscherideals." In Fremdheit - Eigenheit: Ägypten, Griechenland und Rom: Austausch und Verständnis. P. C. Bol et al., eds. (Stuttgart: Scheufele, 2004), p. 324, fig. 8.

Foreman, Laura. Alexander the Conqueror: The Epic Story of the Warrior King (Cambridge, Da Capo Press, 2004), p. 16

The J. Paul Getty Museum Handbook of the Collections. 7th ed. (Los Angeles: J. Paul Getty Museum, 2007), p. 5, ill.

The J. Paul Getty Museum Handbook of the Antiquities Collection. Rev. ed. (Los Angeles: J. Paul Getty Museum, 2010), p. 25

Ogden, Daniel. Alexander the Great: Myth, Genesis and Sexuality (Exeter: University of Exeter Press, 2011), p.157, figs. 8.1-8.2.

Picón, Carlos A. and Seán Hemingway, eds. Pergamon and the Hellenistic Kingdoms of the Ancient World (New Haven and London: Yale University Press, 2016), pp. 111-112, no.13a, ill., entry by Jens M. Daehner.


Examining Greek Pederastic Relationships

Pederasty is an ancient Greek form of interaction in which members of the same sex would partake in the pleasures of an intellectual and/or sexual relationship as part of a socially acceptable ancient custom (Hubbard: 4-7). The question of whether the ideal pederastic relationship was the most common form of pederasty in Greece, or whether the reality of ancient same-sex desire involved relationships between males of the same age, is one that has been contested between scholars for many years.

The ideal pederastic relationship in ancient Greece involved an erastes (an older male, usually in his mid- to late-20s) and an eromenos (a younger male who has passed puberty, usually no older than 18) (Dover, I.4.: 16). This age difference between the erastes and the eromenos was of the utmost importance to the scheme of the ideal pederastic relationship. The power dynamics involved in such a relationship, with the erastes always in control, ensured that the erastes kept his dignity as a fully-functioning member of Greek society, while the eromenos grew up under the tutelage of such a man and as such could become a great citizen when he reached adulthood. Both people in an ideal pederastic relationship would have practiced great sophrosyne, or taking no indulgence to excess (Dover, II.C.5.: 97). The erastes shows restraint in his &ldquopursuit&rdquo rather than his &ldquocapture&rdquo of the young boy, and the eromenos would similarly show restraint by not immediately giving into the older man&rsquos sexual desires.

Ideal pederastic couples were ones whose relationship directly benefitted their Greek society. Another important reason for the age difference between the erastes and eromenos was that the older male was responsible for teaching the younger male about Greek politics, military, and social gatherings (Hubbard, Introduction: 12). The ideal erastes was meant to be more of a teacher than a lover. The eromenos would receive this training in exchange for the sexual favors he provided to his erastes. Also important to the ideal pederastic relationship was the fact that the eromenos supposedly did not enjoy the sexual actions that he performed with his erastes, adding to the idea of the older male acting as a teacher: &ldquoBoy, my passion&rsquos master, listen. I&rsquoll tell no tale/That&rsquos unpersuasive or unpleasant to your heart./Just try to grasp my words with your mind. There is no need/For you to do what&rsquos not to your liking&rdquo (Theognis, 1235-38: 40).

There are many examples of the ideal pederastic couple in ancient Greek literature. One of these examples is Harmodius and Aristogeiton, who were known in the ancient Greek world as a ideal pederastic couple. Harmodius was an Athenian youth who at one time was propositioned by Hipparchus, the brother of the Athenian tyrant Hippias. Harmodius turned him down, of course, because he was the eromenos of Aristogeiton, a Greek middle class citizen. When Aristogeiton found out about Hipparchus&rsquo advances, he immediately began plotting to overthrow the tyranny. Hipparchus, in the meantime, had found a way to insult Harmodius as revenge for his inability to attain the young man. The tyrant&rsquos brother enlisted Harmodius&rsquo sister to participate in a sacred procession, then recanted his invitation, stating that she was unworthy. This only enraged Aristogeiton more he put together a small band of men to attack Hipparchus. In the end, Harmodius and Aristogeiton attacked Hipparchus and killed him Harmodius was killed on the spot, while Aristogeiton was killed later after having escaped the bodyguards. Thanks to the daring of Harmodius and Aristogeiton, the tyrant was eventually overthrown and democracy was established in Athens (Thucydides, 6.54.1-4, 6.56.1-59.2: 60-61).

Another example of an ideal pederastic couple was Zeus and Ganymede. Zeus was so taken by the beauty of the mortal Ganymede that he made the boy immortal: &ldquoBoy-love is such a delight, since even the son of Cronus,/King of the gods, once came to love Ganymede,/And seizing him, brought him up to Olympus and made him/Eternal in the lovely flower of boyhood&rdquo (Theognis, 1341-50: 45). The pederastic relationship of Zeus and Ganymede was ideal because of their age difference, but more importantly it was a sign to the Greeks that it was okay for them to participate in the same kind of relationship. After all, whatever was acceptable for the gods (and especially for the king of the gods) was also acceptable for mortals. This also meant that anything outside of the model pairing presented by Zeus and Ganymede was less than &ldquoideal.&rdquo

Another case to be considered when discussing ideal pederastic relationships is that of Agathon and Pausanias. Agathon was a young poet who hosted the dinner party that was the setting for Plato&rsquos Simpósio, and Pausanias was his erastes (Plato, 178A-185C: 180-182). Their relationship was ideal in the sense that they differed in age by about 10 years, having started their relationship when Agathon was 18. However, Agathon and Pausanias stayed together far longer than the typical pederastic couple. It seems from the evidence available that neither man ever took a wife or had children. In fact, when Agathon emigrated to Macedonia sometime between 411 and 405 to continue his career as a dramatist, Pausanias went with him (Dover, II.C.4.: 84). While not completely different from the ideal pederastic relationship, Agathon and Pausanias prove that there were forms of same-sex desire and interaction in ancient Greece that went outside the ideal.

The evidence for the ideal pederastic relationship being the most common in Greece is overwhelming, but the case for atypical relationships is not completely lost. There is documentation for the existence of same-sex couples who were of the same or similar ages when they were together. The ideal pederastic relationship was not the only type possible for the ancient Greeks.

The first major example of a pederastic couple that was not ideal was Achilles, the legendary Greek hero, and Patroclus. These two were similar in age, and there is much dissension as to which of them was the erastes and which was the eromenos. In the Greek tragedy Myrmidons, Achilles is depicted as the lover and Patroclus is depicted as the beloved, though Phaedrus presents a good argument for the opposite in Plato&rsquos Simpósio, in reference to Achilles exacting revenge on Hector, the person who killed Patroclus:

&ldquoIncidentally, Aeschylus&rsquo view, that it was Achilles who was in love with Patroclus, is nonsense. Quite apart from the fact that he was more beautiful than Patroclus&hellipand had not yet grown a beard, he was also, according to Homer, much younger. And he must have been younger because it is an undoubted fact that the gods&hellipare most impressed and pleased, and grant the greatest rewards, when the younger man is loyal to his lover, than when the lover is loyal to him&rdquo (Plato, 178A-185C: 183).

The fact that Achilles, one of ancient Greece&rsquos most famous heroes, was involved in a pederastic relationship that was anything other than ideal lends credence to the existence of other same-age, same-sex couples.

Another pederastic relationship featuring partners of similar ages was that of Alexander the Great and Hephaestion. The two were lifelong companions, and their relationship is reminiscent of that of Patroclus and Achilles, for whom Alexander held a great respect. Alexander and Hephaestion always traveled together and fought in battles together Alexander even went so far as to refer to Hephaestion as an extension of himself during an encounter with the abandoned mother of the king Dareius:

&ldquoSo at daybreak, the king took with him the most valued of his Friends, Hephaestion, and came to the women. They both were dressed alike, but Hephaestion was taller and more handsome. Sisyngambris took him for the king and did him obeisance. As the others present made signs to her and pointed to Alexander with their hands she was embarrassed by her mistake, but made a new start and did obeisance to Alexander. He, however, cut in and said, "Never mind, Mother. For actually he too is Alexander&rdquo (Diodorus, 17.38).

The closeness between Alexander and Hephaestion, as well as the similarity of their ages, points to their pederastic relationship being one outside of the ideal, and provides more evidence that the ideal was not the only type of relationship practiced in ancient Greece.

There can be no doubt that the ideal pederastic relationship was one of great prominence in many ancient Greek city-states. One could even argue that it was the most common, given all the documents available on the subject. However, accounts and reports of relationships between people in our current society are not always representative of relationships as a whole it is quite possible that the ideal pederastic relationship portrayed in writing may not have been the most commonly practiced form of same-sex interaction in Greece. So, although the ideal pederastic relationship was perhaps the most popular type of relationship in ancient Greece, it was by no means the only one possible.

Referências

Dover, K.J. Greek Homosexuality . Massachusetts: Harvard University Press, 1978.

Hubbard, Thomas K., ed. Homosexuality in Greece and Rome . California: University of California Press, 2003.

Plato, 178A-185C (Hubbard 5.7).

Siculus, Diodorus. Library of History, Volume IV, Books 9-12.40 . 17.38. 4 March 2009.


The companion of brothers

Hephaestion was born, like Alexander, in around 365 BC. He was a son of Amyntor, a noble man of Macedonia. Hephaestion was a friend, companion and a general in the army of Alexander. According to the ancient resources, he had a special bond with the king. He was described as his dearest friend, the person who was witness to the most significant moments in Alexander's life, but also the one with whom the king shared his most personal secrets.

Head of Hephaistion sculpted in marble. Statue is at the Getty Museum in California. ( Domínio público )

Alexander and Hephaestion spent time with each other nearly their whole lives, until the death of Hephaestion in 324 BC. They traveled, fought in battlefields and experienced many adventures together. Alexander is said to have felt a strong bond with him also due to his sensitivity, love of literature and intelligence. When Hephaestion died, Alexander’s life collapsed. As a ruler, he didn't have too many people who he could trust. It seems that he believed in the loyalty his mother Olympias, Hephaestion, and his friend Ptolemy, future pharaoh Ptolemy I Soter. According to some later writings, Alexander felt extreme loneliness after the death of his dear friend, and he himself died just a few months after the burial of Hephaestion.


Alexander The Great’s Boy: A Persian Courtesan

The wounded Darius seated on a collapsed chariot to left being given drinking water contained in a helmet by a soldier by Christian Bernhard Rode , 1774, via the British Museum, London

Bagoas was a Persian eunuch, originally a lover of the Great King Darius III . He is distinguished from another courtier in the court of Darius III, also called Bagoas, who was shamed for his attempt to assassinate the Great King he originally installed on the throne—this is Bagoas the Elder. Bagoas the Younger lived through the betrayal of King Darius III and the conquest of Alexander the Great and was the lover of these two great kings.

Not much is known about the life of Bagoas the Younger prior to his arrival at the court of Darius III, though some theorize that he may have been of higher class due to his eventual position as a eunuch of the king. O que é known is that he was brought to the court as a young boy and like most—if not all—eunuchs, he had already had the castrating procedure. Once at court, he was a favorite of Darius III. He was also known as an exceptional dancer and ancient sources claim that he participated in dancing festivals when he traveled with Alexander, notably winning the famous festival in Carmania after the march through the Gedrosian desert.


Invasion of India

In early summer 327 Alexander left Bactria with a reinforced army under a reorganized command. If Plutarch’s figure of 120,000 men has any reality, however, it must include all kinds of auxiliary services, together with muleteers, camel drivers, medical corps, peddlers, entertainers, women, and children the fighting strength perhaps stood at about 35,000. Recrossing the Hindu Kush, probably by Bamiyan and the Ghorband Valley, Alexander divided his forces. Half the army with the baggage under Hephaestion and Perdiccas, both cavalry commanders, was sent through the Khyber Pass, while he himself led the rest, together with his siege train, through the hills to the north. His advance through Swāt and Gandhāra was marked by the storming of the almost impregnable pinnacle of Aornos, the modern Pir-Sar, a few miles west of the Indus and north of the Buner River, an impressive feat of siegecraft. In spring 326, crossing the Indus near Attock, Alexander entered Taxila, whose ruler, Taxiles, furnished elephants and troops in return for aid against his rival Porus, who ruled the lands between the Hydaspes (modern Jhelum) and the Acesines (modern Chenāb). In June Alexander fought his last great battle on the left bank of the Hydaspes. He founded two cities there, Alexandria Nicaea (to celebrate his victory) and Bucephala (named after his horse Bucephalus, which died there) and Porus became his ally.

How much Alexander knew of India beyond the Hyphasis (probably the modern Beas) is uncertain there is no conclusive proof that he had heard of the Ganges. But he was anxious to press on farther, and he had advanced to the Hyphasis when his army mutinied, refusing to go farther in the tropical rain they were weary in body and spirit, and Coenus, one of Alexander’s four chief marshals, acted as their spokesman. On finding the army adamant, Alexander agreed to turn back.

On the Hyphasis he erected 12 altars to the 12 Olympian gods, and on the Hydaspes he built a fleet of 800 to 1,000 ships. Leaving Porus, he then proceeded down the river and into the Indus, with half his forces on shipboard and half marching in three columns down the two banks. The fleet was commanded by Nearchus, and Alexander’s own captain was Onesicritus both later wrote accounts of the campaign. The march was attended with much fighting and heavy, pitiless slaughter at the storming of one town of the Malli near the Hydraotes (Ravi) River, Alexander received a severe wound which left him weakened.

On reaching Patala, located at the head of the Indus delta, he built a harbour and docks and explored both arms of the Indus, which probably then ran into the Rann of Kachchh. He planned to lead part of his forces back by land, while the rest in perhaps 100 to 150 ships under the command of Nearchus, a Cretan with naval experience, made a voyage of exploration along the Persian Gulf. Local opposition led Nearchus to set sail in September (325), and he was held up for three weeks until he could pick up the northeast monsoon in late October. In September Alexander too set out along the coast through Gedrosia (modern Baluchistan), but he was soon compelled by mountainous country to turn inland, thus failing in his project to establish food depots for the fleet. Craterus, a high-ranking officer, already had been sent off with the baggage and siege train, the elephants, and the sick and wounded, together with three battalions of the phalanx, by way of the Mulla Pass, Quetta, and Kandahar into the Helmand Valley from there he was to march through Drangiana to rejoin the main army on the Amanis (modern Minab) River in Carmania. Alexander’s march through Gedrosia proved disastrous waterless desert and shortage of food and fuel caused great suffering, and many, especially women and children, perished in a sudden monsoon flood while encamped in a wadi. At length, at the Amanis, he was rejoined by Nearchus and the fleet, which also had suffered losses.


Public Image/Private Self: Exploring Identity through Self-Portraiture

Long before the social media selfie, artists created self-portraits that converted the inner, private self into an outer, public persona. Robyn Asleson, Curator of Prints and Drawings at the National Portrait Gallery, highlights some of the ways in which artists have used self-portraits to construct versions of themselves that foreground particular aspects of identity, including life experience, artistic affiliation, nationality, and gender.


Assista o vídeo: Filme Alexandre O Grande, cena princesa Estatira