Gertrude Stein

Gertrude Stein


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Gertrude Stein nasceu em Allegheny, Pensilvânia, em 3 de fevereiro de 1874. Quando criança, ela morou em Viena e Paris antes de retornar aos Estados Unidos para estudar no Radcliffe College (1893-97) e na Johns Hopkins Medical School (1897-1901) mas saiu antes de se formar.

Em 1903, Stein mudou-se para a França, onde viveu com sua amante, Alice B. Toklas. Sua casa se tornou um ponto de encontro de artistas europeus e escritores americanos.

Seu primeiro romance, Três vidas, foi publicado em 1909. Seu estilo de prosa é altamente não convencional e praticamente dispensa a pontuação normal. Botões de concurso (1914) foi ainda mais experimental e vendeu muito mal. Outros trabalhos de Stein incluem sua teoria da escrita, Composição e Explicação (1926), o Autobiografia de Alice B. Toklas (1933), dois volumes de memórias, Autobiografia de todos (1937) e Guerras que eu vi (1945), um romance sobre a Segunda Guerra Mundial, Brewsie e Willie (1946) e uma ópera sobre Susan B. Anthony, a defensora dos direitos das mulheres, A mãe de todos nós (1946).

Gertrude Stein morreu em Neuilly-sur-Seine em 27 de julho de 1946.


Gertrude Stein

Gertrude Stein, 1934. Fotógrafo: Carl Van Vechten.

Gertrude Stein, a escritora modernista americana, foi uma celebridade internacional, uma iconoclasta artística e um gênio autoproclamado. Seus experimentos literários ainda confundem os críticos estruturalistas, desconstrucionistas e feministas. Sua contribuição para a literatura americana, no entanto, não está em dúvida: os estudiosos consideram Stein um importante inovador, cuja atenção à linguagem e ao questionamento das convenções narrativas influenciaram escritores como Ernest Hemingway e Sherwood Anderson. Personalidade lendária, desde o início dos anos 1900, quando chegou pela primeira vez a Paris, até sua morte em 1946, ela reinou no centro de um florescente salão parisiense cujos convidados incluíam Pablo Picasso e Henri Matisse, Edith Sitwell e Harold Acton, F. Scott Fitzgerald e Thornton Wilder e dezenas de outros escritores, artistas e músicos.

Gertrude Stein nasceu em 3 de fevereiro de 1874, em Allegheny, Pensilvânia, a mais nova de cinco filhos - três meninos e duas meninas - de Daniel, um empresário, e Amelia (Keyser) Stein. Ambos os pais eram descendentes de judeus alemães. Seu pai nasceu na Baviera e imigrou para os Estados Unidos em 1841. Os Steins reconheceram suas raízes culturais no judaísmo, mas embora Daniel e Amelia Stein fossem membros de uma sinagoga durante a infância de Gertrude, os filhos Stein não foram criados para serem judeus praticantes. No entanto, Stein cresceu acreditando fortemente que os judeus compartilhavam certas características pessoais, como inteligência superior, perspicácia financeira e lealdade uns aos outros.

Quando Gertrude era criança, a família Stein deixou a Pensilvânia e viajou de volta para a Europa. Stein passou seus primeiros anos na Áustria e mais tarde na França. Em 1879, os Steins retornaram à América, estabelecendo-se primeiro em Baltimore, onde Amelia Stein tinha parentes, e depois, em 1880, mudando-se para Oakland, Califórnia, onde Stein passou o resto de sua juventude. Sobre Oakland, ela proferiu mais tarde a famosa observação: “Não existe lá”, alegando que ela não poderia mais descobrir suas memórias de juventude na comunidade transformada. Ao crescer, ela lutou contra a falta de estímulo cultural lendo vorazmente. Shakespeare, Scott, Richardson, Fielding e Wordsworth estavam entre seus autores favoritos.

Depois que ambos os pais morreram - sua mãe em 1888 e seu pai em 1891 - o irmão mais velho de Stein, Michael, mudou-se com seus quatro irmãos para São Francisco, onde dirigiu uma empresa ferroviária de rua. Em 1892, com seu irmão Leo e sua irmã Bertha, Stein mudou-se para Baltimore para morar com uma tia. Durante a juventude de Stein, Leo foi seu companheiro e confidente mais próximo. Quando decidiu deixar Baltimore para se matricular em Harvard, Stein o seguiu sem hesitar.

Como Harvard estava fechada para mulheres, no outono de 1893 Stein se matriculou no Harvard Annex, o precursor do Radcliffe College, onde estudou por quatro anos, graduando-se em 1897. Em uma aula de redação em 1896, Stein escreveu “The Modern Jew Who Desistiu da fé de seus pais pode acreditar de forma razoável e consistente no isolamento ”, um ensaio que reflete sua rejeição do judaísmo como religião em favor da raça, que ela argumenta que deve ser preservada pela proibição de casamentos mistos. Stein estudou com William James, George Santayana, Josiah Royce e Hugo Munsterberg, entre outros, e mais tarde citou James como a influência mais significativa de seus anos de faculdade. Stein trabalhou no laboratório de psicologia de James, realizando experimentos de escrita automática que se tornaram a base de sua primeira publicação, "Normal Motor Automatism" (em coautoria com um colega de classe, Leon Solomons), que foi publicado no Revisão Psicológica em 1896.

Embora alguns críticos posteriormente tenham conectado os escritos experimentais de Stein a esses experimentos de laboratório, é mais provável que os experimentos tenham inspirado o interesse de Stein nas camadas subconscientes da personalidade. Nos primeiros cadernos e em vários retratos literários, pode-se ver Stein tentando descobrir a "natureza inferior", como ela disse, de seus amigos, conhecidos e de sua própria personalidade. Como Stein expressou interesse em estudar psicologia, James sugeriu que ela continuasse seus estudos na Johns Hopkins Medical School. Seguindo o conselho dele, ela começou a estudar na Johns Hopkins no outono de 1897. Mas seu entusiasmo pelos cursos científicos logo diminuiu e suas notas despencaram.

Além da decepção com seus estudos, Stein, não pela primeira vez, sofreu em sua vida pessoal. Seus escritos ocasionais durante seus anos de graduação em Radcliffe revelam uma jovem preocupada e deprimida, incapaz de se imaginar encaixando em papéis prescritos como esposa e mãe. Seu “vermelho profundo”, como ela chamava seus sentimentos tumultuosos, tornou-se exacerbado na Johns Hopkins, onde seu amor por outra mulher não era correspondido. Esta crise emocional fez o seu caminho em sua primeira longa peça de ficção, As coisas como estão (1903), que foi publicado postumamente.

Leo e Gertrude Stein, Paris, ca. 1905.

Solitária e desanimada, Stein deixou Johns Hopkins e seguiu seu irmão Leo para a Europa, onde ele havia se estabelecido recentemente. Os dois viveram primeiro em Londres em 1902 e depois em Paris em 1903, onde Stein se juntou a ele em seu apartamento na rua de Fleurus, 27, no bairro de Montparnasse da cidade. Logo seu irmão Michael, sua esposa Sarah e seu filho Allan, fixaram residência nas proximidades.

Embora a expatriação dos Steins não fosse incomum em uma época em que muitos artistas, escritores e intelectuais encontravam um ambiente mais hospitaleiro na Europa do que nos Estados Unidos, Stein buscou em Paris uma libertação das restrições da sociedade americana que a faziam sentir-se uma exilado. Em uma comunidade de artistas e escritores que tentavam inventar uma nova linguagem na pintura, poesia e prosa, Stein foi capaz de criar sua própria identidade como pioneira literária. Em uma comunidade que aceitava e até mesmo afirmava uma ampla gama de identidades sexuais, Stein não precisava temer a censura.

Stein começou a escrever seriamente na Europa. Seus dois primeiros trabalhos, Três Vidas, uma coleção de histórias vagamente modeladas na de Flaubert Trois Contes, e The Making of American, um romance, são baseados principalmente em sua própria vida, preocupações e lutas. O protagonista de cada história em Três vidas é uma mulher que não se conforma com a sociedade dominante por causa de diferenças étnicas ou raciais. O cenário de Baltimore serve para representar a América em geral. Das três histórias, “Melanctha” recebeu mais atenção, em parte porque é a história mais longa e em parte porque Melanctha, a personagem central, e seu amante, um médico, são afro-americanos. Ao retratar seu conturbado caso de amor, Stein opõe a sexualmente impulsiva Melanctha contra o mais cerebral Jeff Campbell para retratar a dor e a frustração que ambos sentem quando tentam, mas não conseguem, entender um ao outro. Alienados da sociedade branca por causa de sua cor, eles não conseguem encontrar um senso de comunidade uns com os outros. Escrito com a dor de seu próprio caso frustrado ainda a afligindo, Stein estava menos preocupado em explorar questões raciais do que em reconsiderar seus próprios sentimentos de solidão.

The Making of American, escrito de 1906 a 1911, não foi publicado na íntegra até 1966. Mais de Três Vidas, este livro é estilisticamente não convencional, refletindo o interesse de Stein em criar um senso de "presente contínuo" que representa nossa experiência de tempo. Mesmo uma versão resumida que apareceu em 1934 parecia para a maioria dos leitores inchada e inacessível por causa de suas frases e parágrafos longos, confusos e repetitivos. Em seu esforço para explorar a formação da identidade americana, ela usou a si mesma e sua família como americanos representativos. Os personagens principais, os Herslands, são versões quase fictícias dos Steins, com Gertrude Stein aparecendo como a deprimida e infeliz Martha. Grande parte do livro descreve e reitera episódios autobiográficos. Embora tenha servido a alguns dos biógrafos de Stein como uma fonte para documentar sua vida, não conquistou muitos admiradores para Stein.

No entanto, escrever essas duas obras convenceu Stein de que ela havia encontrado sua vocação. Sua confiança crescente, no entanto, não era evidente para os visitantes da rue de Fleurus. Amigos que se lembram de Stein nos primeiros anos após sua chegada a Paris descrevem uma mulher quieta e reticente que se sentou à sombra de seu irmão loquaz. Leo, empenhado em colecionar arte e formular suas próprias teorias estéticas, reivindicou o papel de intelectual familiar. Infelizmente, ele não tinha admiração pela escrita de sua irmã.

Mas Stein logo encontrou amplo incentivo de Alice B. Toklas, que chegou a Paris em 1907 e logo substituiu Leo nos afetos de Stein e em sua vida. Quando Leo saiu do apartamento da rue de Fleurus, Toklas mudou-se, tornando-se o companheiro de vida de Stein. Eles continuaram morando em Paris e mais tarde passaram parte do ano em Bilignin, no sul da França, onde alugaram uma casa.

Com Toklas como leitor agradecido, Stein se sentiu livre para experimentar com mais ousadia do que antes. No Botões de concurso (1912), ela criou colagens verbais que foram comparadas, de fato, às pinturas cubistas de seus amigos Picasso, Georges Braque e Juan Gris. Stein pretendia nessas peças, e também em muitas obras posteriores, revitalizar a linguagem, despojando as palavras de suas conotações históricas e culturais. Às vezes, ela acreditava que apenas repetindo uma palavra, ela poderia despojá-la de suas cracas contextuais. O verso mais familiar que demonstra essa técnica vem do poema “Sacred Emily”: “Rosa é uma rosa é uma rosa é uma rosa”. Em sua tentativa de alcançar uma representação precisa de sua própria realidade experimentada, ela justapôs palavras e frases em uma ordem que desafiava a lógica convencional e as expectativas dos leitores. A maioria dos trabalhos experimentais de Stein foram publicados em pequenas revistas literárias ou por editoras de vaidade.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Stein e Toklas deixaram Paris para Maiorca. Durante este período de isolamento, Stein escreveu peças curtas nas quais desenvolveu ainda mais a técnica que havia usado em Botões de concurso, justapondo descrições mundanas (de condições meteorológicas e comida, por exemplo), pedaços de conversa e reflexões aleatórias. As alusões à identidade judaica mostram Stein às voltas com estereótipos de judeus como gênios ou degenerados. As peças de Maiorca refletem o interesse de Stein não apenas com experimentação artística, mas em explorar seus sentimentos sobre Alice Toklas, seu relacionamento e seu futuro juntos. Esses sentimentos emergem em exclamações de amor exuberante, às vezes expresso em código privado, bem como em revelações de ciúme e insegurança. Embora alguns biógrafos retratem o período maiorquino como uma lua de mel idílica, uma leitura cuidadosa das obras de Stein sugere que a atmosfera muitas vezes era tensa e até mesmo volátil.

Quando Stein e Toklas voltaram para a França em 1916, as duas mulheres ofereceram seus serviços para o Fundo Americano para Feridos Franceses. Stein aprendeu a dirigir e ela e Toklas entregaram suprimentos hospitalares em todo o sul da França. A visão dos dois em cima de seu caminhão Ford foi lembrada vividamente nas memórias de muitos de seus contemporâneos.

Na década de 1920, o animado salão literário e artístico de Stein atraiu uma crescente população de jovens americanos expatriados a quem Stein chamava de Geração Perdida - perdidos, disse ela, porque eram jovens demais para lutar na Primeira Guerra Mundial e, portanto, não haviam encontrado nada político ou social causa para inspirá-los. Entre esses jovens perdidos, o mais notável foi Ernest Hemingway, cujas atenções para Stein inspiraram o ciúme de Toklas. Toklas finalmente conseguiu banir Hemingway da rue de Fleurus, mas não antes de Hemingway interpretar as palavras de Stein como epígrafe de seu primeiro romance, O sol também nasce.

Em 1926, quando Stein foi convidada para dar uma palestra em Oxford e Cambridge, ela ofereceu sua primeira discussão sustentada da base teórica de sua prosa experimental. Em “Composition As Explanation”, ela argumenta que os contextos culturais e artísticos afetam a forma como uma obra literária é escrita e lida. Mas escritor e leitor às vezes não compartilham o mesmo contexto ao mesmo tempo. Quando os escritores trazem para suas obras novos padrões de pensamento e percepção, os leitores podem considerar suas criações vanguardistas e, às vezes, impenetráveis. Stein citou sua própria invenção do “presente contínuo” como uma técnica que era “natural” para ela, mas difícil para alguns de seus leitores. "Composição como explicação" foi seguida por peças como "Sentenças e parágrafos" (1930) e O que são obras-primas e por que existem tão poucas delas (1935), ambos servindo como guias para a compreensão dos experimentos literários modernistas. Essas obras convincentes e ponderadas testemunham a base intelectual profunda e complexa das produções literárias de Stein.

Na década de 1930, Stein ganhou uma reputação de inovadora literária, mas suas obras tinham apenas um pequeno público leitor: os escritores que frequentavam seu salão, os leitores das "pequenas revistas" em que ela foi publicada e seu círculo de amigos parisienses . Ela ansiava por um maior reconhecimento, entretanto, e decidiu seguir o conselho de alguns amigos americanos - o crítico musical Carl Van Vechten e o editor Bennett Cerf, entre eles - e escrever suas memórias. Embora o livro fosse diferente de seus experimentos literários, Stein escolheu um dispositivo literário inovador: a criação de uma narrativa do ponto de vista muitas vezes amargo de Toklas. De acordo com Stein, a versão dos eventos de Toklas sempre foi definitiva. Quando A autobiografia de Alice B. Toklas publicado em 1933, Gertrude Stein finalmente encontrou a fama que tanto procurava. Este livro de memórias espirituoso, fofoqueiro e irreverente criou a lenda pública de Gertrude Stein.

De repente, Stein se tornou uma personalidade procurada em ambos os lados do Atlântico. O leão literário que desembarcou em Nova York em outubro de 1934 para uma excursão de palestras muito divulgada não se parecia em nada com a jovem vulnerável que partira três décadas antes. Repórteres lotaram o navio, entrevistadores e fotógrafos a seguiram por toda parte, e seus fãs lotaram os auditórios para ouvi-la falar.

No entanto, tão encantada quanto ela estava com o reconhecimento e elogios, em particular Stein se perguntou se sua identidade como escritora havia sido comprometida. Em peças experimentais escritas na década de 1930, ela questionou o efeito da publicidade e das expectativas dos leitores sobre sua capacidade de ser fiel a seus próprios objetivos como escritora. Embora ela tenha continuado a produzir livros populares, incluindo Autobiografia de todos (1937) (uma sequela de A autobiografia de Alice B. Toklas) Paris, França (1940), uma homenagem à sua cidade de adoção e Brewsie e Willie (1945), uma afetuosa homenagem aos soldados americanos que lutaram na Segunda Guerra Mundial, ela nunca parou de escrever prosa experimental.

Como Stein nunca se limitou a nenhum gênero, alguns leitores podem conhecê-la por meio de suas peças, que às vezes encontram seu caminho no repertório de grupos de teatro experimental ou universitário. Embora muitas de suas peças não tenham sido escritas para serem encenadas, duas foram musicadas pelo amigo de Stein, Virgil Thomson: Quatro Santos em Três Atos, uma ópera com Santa Teresa de Ávila, e A mãe de todos nós, que celebra a vida e obra de Susan B. Anthony. Suas letras repetitivas, falta de desenvolvimento do personagem ou enredo, e pontuação normal não lhes rendeu grande aclamação.

A reputação de Stein como uma escritora de vanguarda é baseada em grande parte em seus trabalhos experimentais e herméticos: peças que foram coletadas em oito volumes publicados pela Yale University Press e em várias outras coleções. Ao avaliar as críticas a essas obras, é importante lembrar que Stein costumava escrever peças herméticas para ocultar sua relação lésbica com Toklas e explorar questões pessoais que ela não queria que estranhos entendessem. Embora Stein tenha defendido seu trabalho afirmando que queria desafiar os preconceitos de seus leitores sobre linguagem e narrativa, ela também usou sua escrita para dissecar e sondar sua própria "natureza inferior". Embora seja tentador explicar a escrita experimental de Stein como sua rebelião contra um patriarcado literário, ou sua criação de um cubismo literário, nenhuma explicação única é viável para todas as suas obras.

Stein e Toklas permaneceram na França durante a Segunda Guerra Mundial, durante a qual Stein escreveu um ensaio polêmico elogiando Maréchal Petain, que tem sido objeto de muitos estudos. Seus amigos americanos temiam pela segurança das duas judias e as encorajaram a fugir. Mas eles fugiram apenas para o sul até Bilignin, onde esperaram o fim da guerra e juntaram alimentos e necessidades básicas. É provável que fossem protegidos por amigos franceses, principalmente Bernard Fay, que tinha ligações com o governo de Vichy. A própria Stein nunca falou em nome dos judeus perseguidos.

Depois da guerra, Stein, que sofreu de problemas de estômago ao longo da vida, foi diagnosticado com câncer de estômago. Ela morreu em 27 de julho de 1946, no American Hospital em Neuilly-sur-Seine. Gertrude Stein está enterrada no cemitério Père-Lachaise em Paris.


Muda-se para a França

Stein não se formou em Radcliffe ou na Johns Hopkins University, em Maryland, onde estudou medicina por quatro anos. Em 1903 ela foi para Paris, França, e fixou residência na Margem Esquerda (um bairro famoso de Paris) com seu irmão Leo. Em 1907 ela conheceu Alice B. Toklas (1877 & # x20131967), uma jovem rica de São Francisco que se tornou sua companheira e secretária por toda a vida, cuidando da casa, datilografando manuscritos e examinando visitantes. A França tornou-se seu lar permanente.

Durante os primeiros anos de Paris de Stein & # x0027, ela se estabeleceu como uma campeã dos pintores de vanguarda, ou artistas que buscam novos métodos e técnicas em sua arte. Com sua riqueza herdada, ela apoiou jovens artistas e conheceu praticamente todos os pintores importantes, incluindo Pablo Picasso (1881 & # x20131973), que fez um famoso retrato dela, Henri Matisse (1869 & # x20131954), Juan Gris (1887 & # x20131927), Andr & # xE9e Derain (1880 & # x20131954) e Georges Braque (1882 & # x20131963). Seu irmão, Leo, tornou-se um famoso crítico de arte, mas o relacionamento deles, que tinha sido extremamente próximo, desmoronou em 1912 por causa de um desentendimento sobre seu casamento.

Stein & # x0027s primeiros dois livros, Três vidas (1909) e Botões de concurso (1915), despertou um interesse considerável entre um público limitado, mas sofisticado, e sua casa se tornou um ponto de encontro informal visitado por muitas pessoas criativas, incluindo o compositor americano Virgil Thomson (1896 & # x20131969), os escritores britânicos Ford Madox Ford (1873 & # x20131939), Lytton Strachey (1880 & # x20131932) e Edith Sitwell (1887 & # x20131964) e os escritores americanos Ezra Pound (1885 & # x20131972), Elliot Paul (1891 & # x20131958), Sherwood Anderson (1876 & # x20131941), F. Scott Fitzgerald (1896 & # x20131940) e Ernest Hemingway (1899 & # x20131961). Foi para Hemingway que Stein caracterizou os desencantados veteranos expatriados (os que viviam no exterior) como uma & # x0022 geração perdida. & # X0022

Uma mulher com profundos olhos negros e maneiras supremamente autoconfiante, Stein era frequentemente intimidante, impaciente com discordâncias e muitas vezes afastava as pessoas. O estilo único de sua escrita atraiu principalmente um pequeno público, mas sua reputação como patrocinadora das artes durou toda a vida.

Stein & # x0027s 1934 visita aos Estados Unidos para a abertura de sua ópera Quatro Santos em Três Atos, com música de Virgil Thomson, iniciou uma turnê de palestras universitárias de enorme sucesso. Durante a ocupação alemã da França (o período durante a Segunda Guerra Mundial quando as forças alemãs tomaram grandes porções da França), Stein e Toklas viveram brevemente em Culoz, França, retornando a Paris em 1944. Reações de Stein & # x0027s à Segunda Guerra Mundial ( 1939 & # x201345 uma guerra em que as forças britânicas, francesas, soviéticas e americanas lideradas pelos americanos lutaram contra as lideradas pela Alemanha) foram registradas em Paris, França (1940) e Guerras que eu vi (1945), e seu interesse pelos soldados se refletiu nas conversas de Brewsie e Willie (1946), que foi publicado uma semana antes de sua morte, em 27 de julho de 1946, em Neuilly, França.


O texto assombrado

  • 3 A versão original em francês diz: “Ce style“ pulvérulent ”répond au même refus de la mémoire, au d (.)
  • 4 Ao longo deste artigo, usarei a tipologia de direções de palco de Marvin Carlson. Carlson distinguis (.)

3 Em seu livro seminal de 2001, O Palco Assombrado. O teatro como máquina de memória, Marvin Carlson argumenta que "cada peça é uma peça de memória": "é o repositório da memória cultural", escreve ele, "a experiência presente é sempre fantasma por experiências anteriores e associações, enquanto esses fantasmas são simultaneamente deslocados e modificados pelos processos de reciclagem e recolhimento ”(2). Baseando-se na teoria da recepção e no conceito de Hans Robert Jauss dos “horizontes de expectativa” do receptor, Marvin Carlson afirma que “somos capazes de 'ler' novas obras ... apenas porque reconhecemos nelas elementos que foram reciclados de outras estruturas de experiência que que experimentamos anteriormente ”3. A intertextualidade é, portanto, central em nossa recepção de obras. Gertrude Stein joga com essa noção aparentemente adotando alguns dos códigos tradicionais do gênero dramático para informar aos leitores que eles estão lidando com uma peça. O dramaturgo, à imagem do artista modernista iconoclasta, cita as dramáticas convenções do passado para desmontá-las com humor. À primeira vista, a primeira peça da sequência aparece como uma peça convencional com a didascalia introdutória de personagens e localização: 4

4 O layout do diálogo parece convencional com os nomes dos personagens antes de suas falas. Recorrendo ao seu conhecimento e, portanto, à memória de formas passadas, os leitores crédulos podem esperar uma peça tradicional. No entanto, seus horizontes de expectativa são desafiados conforme eles entram no texto e descobrem que as caracterizações nas listas de personagens rompem com as descrições físicas ou psicológicas esperadas dos personagens e que as falas atribuídas aos personagens não são lidas como um diálogo, mas como uma série de não sequitante afirmações.

5 Ao contrário do que se espera de peças apresentadas como “históricas”, as três obras não contam a história de grandes personagens históricos. A primeira peça é apresentada como uma homenagem ao anônimo Winnie Elliot, que nunca é mencionado no corpo da obra. Na verdade, os títulos das peças são as primeiras evidências paratextuais da lúdica reinvenção do passado de Gertrude Stein. A categoria “drama histórico” é uma invenção de Stein. A frase tradicional é de fato "jogo de história". A frase “drama histórico” também é usada, mas o adjetivo “histórico” nunca é usado para definir uma peça. Chamando suas peças de "drama histórico" ou melhor, "Ødrama histórico ”- desde o artigo“ an ”em vez do normativo“ a ”antes de a frase ser usada -, Stein anuncia desde o início a seus leitores / espectadores que ela distorcerá o padrão tradicional da história dramática de Shakespeare. O adjetivo “histórico” é também uma nota humorística por parte da dramaturga que apresenta sua obra como excepcional, “histórica”, importante na história da literatura como que para sublinhar a originalidade de suas peças no cânone literário que ela divertidamente transforma De dentro para fora. O jogo de palavras pode ser lido como a expressão do desejo de Gertrude Stein de entrar na história literária a partir da qual - ela argumenta em uma entrevista que deu perto do fim de sua vida - ela foi condenada ao ostracismo por conta da própria "novidade" de sua arte que - ao contrário da ficção de James Joyce - não "cheirava a museus":

Você vê, são as pessoas que geralmente cheiram a museus que são aceitas, e são os novos que não são aceitos. Você tem que aceitar uma diferença completa. É difícil aceitar isso, é muito mais fácil ter uma mão no passado. É por isso que James Joyce foi aceito e eu não. Ele se inclinou para o passado e no meu trabalho a novidade e a diferença são fundamentais. (Stein qtd. Em Caramelo 198)

6 A tensão entre o familiar e o desconhecido - que é específico do estranho -, as referências às convenções dramáticas e suas distorções criam um sentimento de alienação dos receptores que sentem ter entrado em um universo estranho que, à primeira vista, havia no entanto parecia familiar. O interesse de Stein na alienação dramática pode ser explicado por seu próprio passado como espectadora. Ela foi influenciada pela memória de suas primeiras experiências como membro de uma audiência. Em "Plays", uma de suas "Lectures in America", a escritora se lembra de suas impressões ao assistir a uma apresentação de Sarah Bernhardt em San Francisco:

Eu devia ter dezesseis anos e Bernhardt veio para San Francisco e ficou dois meses. Eu sabia um pouco de francês, claro, mas realmente não importava, era tudo tão estrangeiro e sua voz tão variada e tão francesa que eu poderia descansar sem me preocupar. E eu fiz. Era melhor do que a ópera porque continuava. Era melhor do que o teatro porque você não precisava se conhecer. As maneiras e os costumes do teatro francês criaram uma coisa em si e ela existia por si mesma como as peças poéticas que eu tanto lia, havia tantos personagens como havia nessas peças e você não tinha conhecê-los eram tão estranhos, e o cenário estrangeiro e a realidade substituíram a poesia e as vozes substituíram os retratos. Foi para mim um prazer muito simples, direto e comovente. (71)

7 O espetáculo era “melhor que o teatro”, isto é, o teatro tradicional, pela comovente e agradável sensação de alienação que despertou em Stein. O cenário e as vozes eram estranhos para o adolescente. Prazer derivado dessa impressão de alienação, de novidade que está em jogo no "drama histórico" de Stein. Romper com o passado, com as convenções que o escritor cita para melhor transgredi-las é a qualidade do artista moderno, do artista do presente que - infelizmente segundo Stein - só será reconhecido depois de sua morte, quando ele ou ela se torna uma artista do passado, um clássico. Em "Composition as Explanation" - que ela escreveu no inverno de 1925-1926 e fez uma palestra no Cambridge Literary Club e na Oxford University naquele verão -, a autora escreve:

Aqueles que estão criando a composição moderna com autenticidade são naturalmente importantes apenas quando estão mortos, porque nessa época a composição moderna tendo se passado é classificada e a descrição dela é clássica. Essa é a razão pela qual o criador da nova composição nas artes é um fora da lei até que ele seja um clássico, dificilmente há um momento entre e é realmente muito ruim, muito ruim naturalmente para o criador, mas também muito ruim para o apreciador, todos eles realmente apreciariam o criado muito melhor logo depois de feito do que quando já é um clássico, mas é perfeitamente simples que não há razão para que os contemporâneos vejam, porque não faria nenhum diferença como eles levam suas vidas na nova composição de qualquer maneira, e como cada um é naturalmente indolente por que naturalmente eles não vêem. (22)

8 A composição passa a ser apreciada pelos críticos de arte quando eles se tornam “memória”, uma posição que Stein rejeita ao trabalhar contra a maré da memória para reinventar o passado no presente.


Ela começou sua famosa coleção com o irmão.

Os Steins no pátio da rue de Fleurus 27, Paris, ca. 1905. (A partir da esquerda: Leo Stein, Allan Stein, Gertrude Stein, Theresa Ehrman, Sarah Stein, Michael Stein)

Pouco depois de abandonar os estudos, Stein decidiu acompanhar seu irmão, Leo, a Londres, onde moraram por um ano. Após esse período, eles se mudaram para um apartamento na margem esquerda de Paris. Usando conexões que Leo fez durante suas viagens no início de 1890, eles rapidamente começaram a colecionar obras contemporâneas, com Paul C & eacutezanne & # 8216s Banhistas e Paul Gauguin & # 8216s Girassóis e Três taitianos entre suas primeiras aquisições.

Em seu apartamento em Paris, os irmãos Stein hospedavam regularmente artistas de vanguarda e escritores inovadores, incluindo Ernest Hemingway e F. Scott Fitzgerald. Devido à natureza dessas reuniões, o apartamento ficaria conhecido como o nome & # 8220Stein Salon & # 8221 & mdasha, que permaneceu mesmo depois que Leo Stein se mudou em 1914.


História ou mensagens da história

Escrito em 1930, History or Messages from History explora o significado da história em oposição ao que o estudioso de Stein Donald Gallup descreveu como & # 147 sua narrativa de eventos e rumores do passado, presente e futuro. & # 148 Nesta obra em prosa concebida poeticamente, Stein contrapõe conceitos históricos a padrões narrativos de significado. Palavras e frases como & # 147 assar um bolo, & # 148 & # 147birds, & # 148 & # 147apricots, & # 148 & # 147begonias, & # 148 & # 147dogs, & # 148 & # 147horses and bois, & # 148 e muitos outros são sutilmente repetidos, cada vez em um contexto ligeiramente diferente, para tecer um padrão narrativo aparente que se opõe à própria história do leitor enquanto ele avança pelo texto de Stein.

A própria experiência dessas imagens recorrentes, que na verdade não funcionam como narrativas, mas parecem apontá-la, ajuda o leitor a perceber a própria definição de Stein:

A história é o aprendizado de uma consistência espetacular em particular, aprendendo sozinho e, quando mais chega, eles recebem.

Escrito numa época em que Stein explorava conceitos de história por meio de seus dramas históricos e outros escritos, História ou Mensagens da História é um trabalho crucial para a compreensão de suas idéias.

Green Integer está publicando vários títulos novos, antigos e fora de estoque Sun & amp Moon, Green Integer e outros títulos arquivados online. Alguns deles aparecerão de graça, outros terão um preço acessível.

Doações para este serviço são bem-vindas.

Green Integer | 750 S. Spaulding, Suíte 112 | Los Angeles, CA 90036
Entre em contato conosco


Attending Academie Matisse

It was well known that Henri Matisse could be a stubborn man. He had gained a reputation as a non-conformist. He was kicked out of multiple studios over the course of his career because of this attitude, and he was repeatedly under attack for his unorthodox color usage and his lack of interest in representing naturalistic anatomy. As he formed his own style and gained notoriety for it, a few of his wealthy friends and patrons funded the opening of his own school in Paris, where he had the opportunity to spread his own ideas about painting to burgeoning artists. Academie Matisse opened in January 1908.

Matisse and his students, 1909
Matisse amongst his students, 1909

Attending “Academie Matisse” was a unique experience from the other painting schools in Paris. Matisse allowed his students to draw from models and casts, such as one of the Apollo Belvedere—in fact, for the first few months, students were only allowed to draw, only being allowed to paint once Matisse felt they had mastered the drawing basics—and encouraged them to visit the Louvre on the weekends to study and copy works on display. Matisse’s interest in Post-Impressionist color theory meant that he would allow his students to use color experimentally. Many students recall that Matisse could be a tough teacher and discouraged art that he considered lazy or unfocused, urging his students to be intentional about their painting rather than simply copying another’s style.

As was typical of Parisian academies of the time, on Saturdays Matisse would conduct a weekly critique of his students’ work. Making sure to leave enough time to fairly critique every student, many of his pupils found this to be both the most nerve-wracking experience of attending Academie Matisse and the moment where Matisse would shine, as students found his direct practical advice to be the most valuable part of attendance. Matisse would also often host his students in his own studio, showing them works from his own collection or his current works in progress, giving his students the opportunity to comment on his work in return.

Students at work at the Academie Matisse

The Academie Matisse was short-lived. Matisse would stop teaching only a year after its founding in 1909, though the school would continue without him for two more years. In the summer of 1911, Academie Matisse would close altogether when the Matisse family would move to Issy-les-Moulineaux. During the brief existence of Academie Matisse, however, Matisse would teach multiple influential figures, including the painters Max Weber, Beatrice de Waard, Patrick Henry Bruce, Hans Purrmann, and more, and the artistic exchanges made there would become world famous.

Examples of work done by students while at Academie Mattise:

Hans Purrmann, Standing Nude (1910)
Jean Heiberg, Figure Study (1909)


Gertrude Stein - Biography and Legacy

Gertrude Stein was the youngest of five children. When she was one year old, her father, Daniel, abandoned the family clothing business (Stein Bros.) following a falling out with his brother and moved with his wife (Amelia) and his children to Vienna. The Stein's moved again to Paris (via Passy) when Gertrude was four years old before returning to America in 1879. Having spent a year in Baltimore they settled finally in Oakland California in 1880.

Stein enjoyed a comfortable childhood but she found it difficult to interact with other children. To compensate, she formed a close bond with her brother Leo of whom she later wrote, "it is better if you are the youngest girl in a family to have a brother two years older, because that makes everything a pleasure to you, you go everywhere and do everything while he does it all for you and with you which is a pleasant way to have everything happen to you".

Though she retained a special fondness for her oldest sibling Michael, the author Janet Hobhouse observed that Leo and Gertrude regarded themselves as "superior creatures who ignored as best they could the existence of other members of their family, and the pressures of what discipline there was". Hobhouse adds that the pair didn't care for either of their parents and Gertrude welcomed their premature passing. Stein said of her mother's death from cancer in 1885, "we had already had the habit of doing without her" while on the event of her father's demise in 1891, she stated, "our life without a father began a very pleasant one" in which the twenty-six-year-old Michael took over day-to-day parental responsibilities.

Early Training

When Stein was eighteen she left California to live briefly with her mother's family in Baltimore. Missing Leo, however, she followed him to Massachusetts where he was attending Harvard. To be near him, she enrolled at the Harvard Annex (the women's school today known as Radcliffe) in 1894. At first it was as a "special student", a status given to students with no high school degree. However, Stein worked assiduously to achieve full student status and focused her college studies on psychology and philosophy under the "father of American psychology", William James. Indeed, encouraged by James, Stein published two research papers in the Harvard Revisão Psicológica before enrolling at the Johns Hopkins Medical School.

It was at John Hopkins School that Stein experienced new personal freedoms exploring her own sexuality through her first love affair with a woman. While she enjoyed the social side of academic life, Stein began to lose interest in her studies and, in 1902, after failing her exams, she left school for good, joining Leo in London where he had been living for the last year.

Mature Period

Gertrude and Leo settled in Paris in the fall of 1903, moving into what was destined to become one of the city's most famous apartments: 27, rue de Fleurus: "Paris was the place that suited us who were to create the twentieth century art and literature", she stated later. Stein, who had begun to take writing seriously by this time, had also became interested in art due largely to Leo who had been studying painting. Associating with figures such as dealer Amboise Vollard, Leo and Gertrude began collecting modern art based purely on their aesthetic preferences (not as investments in other words). Vollard considered the Steins among his favorite customers, and according to author and critic James R. Mellow, "they were the only clients who bought pictures 'not because they were rich, but despite the fact that they weren't". Among those early works were numerous paintings by Paul Cézanne and Henri Matisse with one of their most notable purchases being Matisse's controversial Woman with a Hat (1905). Around this time, Stein's older brother Michael moved his family to Paris and began to collect modern art too marking the beginnings of a true family enterprise.

Gertrude and Leo began to host Saturday evening dinners in the apartment where people gathered to examine the paintings and discuss their merits (or demerits). Together, Gertrude and Leo developed quite the reputation as eccentrics which, according to Hobhouse, included, "their irregular behavior and dress: their cigar smoking and loud laughter in public places (they were barred from the Café Royal) [and] the brown corduroy suits which they wore with sandals (even in winter)". Initially it was Leo that led the group gatherings, but Gertrude soon began to assert her own authority. Such was her insight she would soon start to play a key role in shaping the careers of her patrons. The sales income undoubtedly helped the artists involved, but more importantly the "exhibition" of the purchased work in the Steins' apartment brought them fresh attention from the many visitors who would then themselves often become patrons. Moreover, artists who visited the apartment were able to take inspiration from the likes of Europeans Juan Gris, Marie Laurencin and Francis Picabia and Americans including Marsden Hartley, Alfred Maurer, and Morgan Russell .

The lifelong friendship between Stein and Pablo Picasso began in 1905. Stein was not at all taken with the first paintings Leo purchased, one of which was the Spaniard's Young Girl with a Flower Basket (1905). Indeed, when Leo boasted to his sister of his new acquisition over dinner, she told him he had "spoiled her appetite". Her attitude changed quickly however and Stein took an instant liking to Picasso when he had joined her for dinner at the apartment. According to Hobhouse, Stein "found his brilliant black eyes, his handsome, compact appearance [and] his rough manner, all engaging".

Picasso introduced Stein to a new circle of friends including the poets Guillaume Apollinaire and Max Jacob. In 1906, he asked Stein if he might paint her portrait and Hobhouse describes how, "over the months that Gertrude came to pose for him at his studio - some ninety sittings in all - their friendship was formed". Both in possession of strong personalities, Picasso and Stein would, during the early years of their friendship, have arguments that lead to periods of estrangement. But, as Hobhouse records, the artist remained "both morally and financially supported by the Stein family". It was also through the Steins that Picasso became acquainted with Matisse. It was in Matisse's studio, indeed, that Picasso first encountered African sculptures, thereby influencing Picasso's transition from his Rose and Blue periods to his Cubist phase.

Picasso introduced Stein to Cubism and she, in turn, played a key role in furthering the movement through her writing. While many were critical of his early experiments, Stein grasped the significance of what Picasso was on the cusp to achieving. For instance, while there was near universal criticism of his "ugly" prototype Cubist work Les Demoiselles d'Avignon (1907), Stein offered support: "in the effort to create the intensity and the struggle to create this intensity, the result always produces a certain ugliness, those who follow can make of this thing a beautiful thing because they know what they are doing, the thing having already been invented, but the inventor because he does not know what he is going to invent inevitably the thing he makes must have its ugliness". Not known for her modesty, Stein later told Picasso that "there are two geniuses in art today, you in painting and I in literature".

Picasso's experiments in Cubism would mark the point at which sister and brother parted ways. Leo could never fully endorse the Cubist style and he became more and more disinterested in modern art. As Hobhouse noted, "the advent of Cubism marked the end of Leo's career as a crusader for the avant-garde in painting", while for Stein it marked her independence as a major player in the art world. Indeed, Hobhouse argued that "For years she had sat patiently taking a secondary role in the goings-on at the rue de Fleurus. Now she began to tire of his leadership [. ] Cubism was a game she could play without her brother".

A major event in Stein's life occurred in the fall of 1907 when her sister-in-law Sally brought Alice Toklas, a woman she had met while on a recent trip to San Francisco, to visit the apartment. The two took an immediate liking to each other and began a romantic relationship that would last the rest of their lives. Moving in a year later, Toklas supported Stein by transcribing and editing her writing.

As her role as a major influencer of modern art was being cemented, Stein's creative writing began to gather momentum with her first, and many believe to be her most important, novel Three Lives published in 1909. Three Lives comprised of three short stories exploring the essence of human relationships (of which "Melanctha", the story of a young mulatto girl who engages in a doomed affair with a black doctor was singled out for special recommendation by the likes of the famous Harlem Renaissance writer and critic Carl Van Vechten). Combining both her passions (writing and art), a selection of her writings were focused on artists and the art world, the earliest being her series of brief summaries on the life of some of her artist friends which she aptly called "portraits". Taken with her growing reputation, the art dealer and photographer Alfred Stieglitz featured images from her art collection, accompanied by her written "portraits" of Matisse and Picasso, in a 1912 edition of his Camera Work revista. Another of her American advocates was the art patron Mabel Dodge. To coincide with New York's first Armory Show in February 1913, Dodge arranged for an article on Stein to feature in Artes e Decoração revista. At the same time, Dodge praised Stein in an interview with reporter Carl Van Vechten (a future friend and champion of Stein) for the New York Times. Stein's "portraits" had brought her a certain mystique and, for Americans, the excitement and controversy the Armory Show evoked saw the name of Gertrude Stein inextricably linked with the avant-garde and making her the person to meet when in Paris.

Stein was at the very center of the rise of modernity in both art and literature but her new status also brought personal trials. Her relationship with Leo, which had started to disintegrate following her relationship Toklas, was only exacerbated by her love of Cubism, and Leo's dislike of her experimental writing style. Their relationship came to a permanent end in 1913 when he moved out of the apartment after dividing up their art collection (with Gertrude of course taking the Picassos).

During the First World War, Stein worked for the American Fund for French Wounded. Knowing she could best serve as a supplies driver, in 1917 she purchased a car which she named "Auntie" (after her Aunt Pauline, because, as Stein reasoned, "[Pauline] always behaved admirably in emergencies and behaved fairly well most times if she was properly flattered"). According to Hobhouse, Stein made friends with many of the wounded soldiers and she shared a particular affinity with the American GIs. She also did all she could to support her artist friends financially and by helping to arrange the sale of Cubist paintings by Auguste Herbin and Juan Gris (who was experiencing acute financial hardship and ill health).

Following the war, Stein's circle of friends had disintegrated and Cubism had begun to fall out of fashion ("it was a changed Paris. Guillaume Apollinaire was dead" bemoaned Stein). It proved a very difficult period for Stein who did not take to the avant-garde's move towards abstraction, declaring, "the minute painting gets abstract it gets pornographic". Stein had an intense aversion to the Surrealists and the Futurists of whom she wrote, "the surréalistes are the vulgarisation of Picabia as Delaunay and his followers the futurists were a vulgarisation of Picasso". Stein did find some appeal in Neo-Romanticism, however, and though she soon lost interest in the movement, two of the artists she had supported, Eugène Berman and Pavel Tcheltichew, created portrait sketches of Stein as a gesture of appreciation for her support.

After the war, Stein's reputation as a writer continued to grow. Still the person to be seen with in Paris, she began friendships with two icons of American literature, F. Scott Fitzgerald and Ernest Hemingway. As with Picasso, however, Stein and Hemmingway were of such strong personalities they would often argue, though, according to Hobhouse, Stein, "gave Hemingway enormous confidence in himself as a writer". While she was happy to nurture rising literary figures, Stein also possessed a fierce jealousy of others specifically James Joyce. According to Hemingway, "if you brought up Joyce twice, you would not be invited back. It was like mentioning one general favourably to another general".

True literary success came to Stein in 1932 when she published her book, The Autobiography of Alice B. Toklas. Written as if it was Toklas's own story, the book was in fact Stein's autobiography. The impressive book sales meant that for the first time Stein had real money to spend: "first I bought myself a new eight cylinder Ford car, and the most expensive coat made to order by Hermes and fitted by the man who makes coats for race horses for Basket [her dog] and two collars studded for Basket. I had never made any money before in my life and I was most excited".

Despite its popularity, the publication of The Autobiography of Alice B. Toklas caused bad blood between Stein and several of her friends and acquaintances. In February 1935 Georges Braque, Eugene Jolas, Maria Jolas, Henri Matisse, André Salmon and Tristan Tzara responded by jointly publishing a pamphlet entitled Testimony Against Gertrude Stein in which the contributors offered a detailed list of rebuttals of Stein's memoirs. Introducing the article, Eugene Jolas wrote "Her participation in the genesis and development of such movements a Fauvism, Cubism, Dada, Surrealism, Transition etc. was never ideologically intimate and, as M. Matisse states, she has presented the epoch "without taste and without relation to reality". Stein had, for example, dismissed Braque as "a facile [. ] Picasso" to which Braque responded by stating that "Miss Stein obviously saw everything from the outside and never the real struggle we [Braque and Picasso] were engaged in". He concluded that for "one who poses as an authority on the epoch it is safe to say that she never went beyond the stage of tourist". The book caused the loss of friendships within her literary circle too. She had described Hemingway as "fragile" and "yellow" to which, with a caustic pun on Stein's most quoted line of literature, "Rose is a rose is a rose", he responded by sending her a copy of his treatise on bullfighting, Morte à Tarde, with a handwritten inscription that read "Bitch is a Bitch is a Bitch is a Bitch".

Notwithstanding its' personal costs, the book's commercial success allowed Stein to undertake (with Toklas) a lecture tour of some thirty American universities between October 1934 and May 1935. Drawing heavy press attention - who routinely referred to Stein by her preferred pseudonym "Sybil of Montparnasse" - the tour allowed her to socialize with many important figures including Frank Lloyd Wright (in Wisconsin), Charlie Chaplin (in Hollywood) and First Lady Eleanor Roosevelt who invited Stein to tea at the White House.

Later Period

When Stein returned to Paris in the summer of 1935 her life had changed significantly. While many of her friendships had been lost with the publication of her biography, she was more troubled by the change in Picasso who had aligned himself with the Surrealists and had, for the most part, given up painting to pursue poetry. Perhaps angered (or jealous) that he was encroaching on her territory, she refused to offer her opinion after he gave a personal reading at her apartment. Picasso later sent his friend Salvador Dalí to meet her in the hope that she might share her opinion with a third party on his poetry. She told Dalí, "I was bored with the hopelessness of painters and poetry. That in a way was the trouble with the painters they did not know what poetry was". Angered by her lack of support, Picasso did not speak to Stein again for several months until they made up over a chance meeting at an art gallery. Not long after, in 1938, Stein wrote Picasso, her biography of the artist.

The outbreak of World War Two caused Stein to leave her Paris apartment for the small town of Bilignin near the French/Swiss border. Stein did what she could to help American GIs with her friend Virgil Thomson recalling how, "Every day, as she walked her dog [she] asked them questions, took them home [and] fed them cake and whiskey". According to Hobhouse the soldiers were equally taken with Stein: "they called her Getty and spoke freely to her, some as to a celebrity of whom they had known ten years ago, some as to an extraordinarily wise (and sometimes slightly dotty) old lady".

As an American Jew living in occupied France this was a precarious time for Stein. While the Bilignin townspeople liked her and helped hide her identity, it is believed her friend, the historian and member of the Vichy government, Bernard Fäy, was most instrumental in protecting her from the Germans. Their friendship would prove controversial however when he was later found guilty and imprisoned for being a Nazi collaborator. Additionally, her support for French leader Philippe Pétain and his Vichy government would temporarily damage her reputation after the war. Of particular concern was a 1942 undertaking in which she began to translate into English the leader's speeches, which, according to Mellows, she did out of "her need to justify Pétain's decision to surrender to the Germans". Though she did not finish the project, the fact that she accepted the work at all suggested an ideological affinity with a leader who had kowtowed to the Nazis.

As the war reached its end, Stein returned to Paris to find her apartment had been raided by the Nazis but her paintings had been thankfully spared (something again believed to have been an intervention by Fäy). Trying to return to something like a normal life, she set about reuniting with old friends, including Picasso. She also captured something of her experiences of the occupation in a book, Wars I Have Seen which was published in America in the spring of 1945 and, in 1946, Brewsie and Willie, which sought to capture the war experiences of American servicemen through spoken word.

While giving a lecture to the US army still stationed in Brussels in November of 1945, Stein became sick with abdominal pains. Doctors diagnosed it as stomach cancer. Months later, back home in Paris, she grew sick again and was rushed to hospital. The doctors thought it too dangerous to operate but Stein insisted they proceed. She died on the operating table on July 27, 1946 aged seventy-two. Her last recorded words were spoken to Toklas as she was being taken into surgery. She asked Toklas: "What is the answer?" Upon receiving no response she added: "In that case What is the question?"

The Legacy of Gertrude Stein

Stein's experimental writings are now generally considered "interesting" rather than important, though her non-linear, Cubist-inspired, style certainly attracted the attentions to some of the most important literary figures of the period, who actively sought out her company. But if her legacy has seen her assigned a supporting role in the history of modernist literature, her influence as a personality and influencer on the "New Moderns" is unequivocal. An imposing, eccentric, figure, Stein was possessed of an unwavering self-belief that allowed her to become a champion for some the most important artists of the time. According to author and critic James R. Mellow, "for their services in exposing modern art to a continuous stream of international visitors - eager young German students, visiting Swedes and Hungarians, wealthy American tourists - the Steins could easily have claimed the distinction of having instituted the first museum of modern art".

In her native America ("America is my country and Paris is my hometown", she once declared) Stein emerged as a champion of the Cubism movement, supporting the works of Pablo Picasso long before most Americans had come to grips this revolutionary ideas. In this respect she was one of the key players in introducing America to European modern painting. She has also become an icon within the gay/queer community on account of her 40-year, documented love affair with Alice Toklas. In the 1980s Yale University made public some 300 love letters between the two women (published later under the title: Baby Precious Always Shines: Selected Love Notes between Gertrude Stein and Alice B. Toklas) Most of the notes were written by Stein (referred to by Toklas as "Mr. Cuddle-Wuddle") for Toklas (referred to by Stein as "Baby Precious") and they are testament to the view, put by Toklas, that "notes are a very beautiful form of literature, personal, provocative, and tender".


Gertrude Stein

Gertrude Stein was born on February 3, 1874, in Allegheny, Pennsylvania. At the age of three, her family moved first to Vienna and then to Paris. Although Stein’s parents belonged to a synagogue, they did not raise their children to be practicing Jews. She returned to America with her family in 1878, settling in Oakland, California. Stein attended Radcliffe College and studied under the psychologist William James, graduating in 1897.

In 1902, Stein moved to France during the height of artistic creativity gathering in Montparnasse. From 1903 to 1912 she lived in Paris with her brother Leo and lover Alice B. Toklas. She and her brother compiled one of the first collections of Cubist and modern art.

Stein began to write in earnest: novels, plays, stories, and poems. Some of her early works include Things as They Are (completed in 1903, but not published until after her death), Three Lives (1909), and The Making of Americans (completed in 1911, but not published until 1966). Her work was rarely published, however. Many of her experiment works such as Tender Buttons (1914) have since been interpreted by critics as a feminist reworking of patriarchal language. The biggest visual or painterly influence on Stein’s work is that of Cezann, specifically in her idea of equality. In addition Stein’s work is funny and multilayered, allowing a variety of interpretations and engagements.

Stein wrote in long hand, typically about half an hour per day. Toklas would collect the pages, type them up and deal with the publishing and was generally supportive. Toklas even founded the publisher “Plain Editions” to distribute Stein’s work. In 1932, she wrote The Autobiography of Alice B. Toklas the book would become her first best-seller. Despite the title, it was really her own autobiography. Her other popular works include Four Saints in Three Acts (1934), an opera with music by Virgil Thomson, Everybody’s Autobiography (1937), Paris, France (1940), and Brewise and Willie (1945).

By the 1920s her salon in France, attracted many of the great artists and writers including Ernest Hemingway, Henri Matisse, and Thornton Wilder. She coined the term “Lost Generation” for some of these expatriate American writers. Her judgements in literature and art were highly influential.

With the outbreak of World War II, Stein and Toklas moved to a country home in Bilignin, Ain, in the Rhone-Alpes region. Stein died on July 27, 1946, at the age of 72, from stomach cancer.

Fontes: "Gertrude Stein (1874 - 1946)." American Jewish Historical Society, American Jewish Desk Reference, (NY: Random House, 1999). pg. 561-2, Wikipedia

Baixe nosso aplicativo móvel para acesso móvel à Biblioteca Virtual Judaica


3 - Gertrude Stein

‘It is necessary that there is stock taking. If there is such necessity, can we critically abandon individualism. One cannot critically abandon individualism. One cannot critically realise men and women.’

Though all literary criticism may be read as implicit commentary on the writer's own practice, Gertrude Stein's is especially self-regarding, always explicitly about her compositional practices. Even the pleasure she takes in viewing paintings, the subject of the least ostensibly literary of her Lectures in America (1935), proves inseparable from her writing. Paradoxically, this is because the two complementary forms of experience do not over lap every one, Stein declares at once grandly and tentatively, ‘is almost sure to really like something outside of their real occupation’, and in her case ‘looking at pictures’ is ‘the only thing’, apart from her ‘real’ occupation, writing, which she ‘never get[s] tired of doing’. Such self-reflexivity, typical of modernist poetry and fiction yet fairly exceptional in twentieth-century criticism, should not be dismissed as a sign of self-indulgence. Instead, Stein's multiple accounts of herself writing, and of her writing self, form a trenchant critique of the idealist assumptions which continued to operate in the critical writing of her modernist contemporaries, despite being called into question by their creative work.

Hence, when her concerns become expressly literary near the end of ‘Pictures’, the contrast she makes between the ‘literary ideas’ of painters and those of writers directly leads to a dismissal of that staple of literary criticism, ‘the writer's idea’: ‘Of course the best writers that is the writers who feel writing the most as well as the best painters that is the painters who feel painting the most do not have literary ideas.’ Accordingly, such writing can not properly be understood in terms of the writer's – or in deed any – organising idea, any ‘central thing which has to move’ even if ‘everything else can be quiet’.


Assista o vídeo: Gertrude Stein - Author u0026 Poet. Mini Bio. BIO