O capitão da Marinha se torna o primeiro humano a realizar uma caminhada pelo espaço livre

O capitão da Marinha se torna o primeiro humano a realizar uma caminhada pelo espaço livre

Enquanto em órbita 170 milhas acima da Terra, o capitão da Marinha Bruce McCandless II se torna o primeiro ser humano a realizar uma caminhada espacial sem amarras, quando sai do ônibus espacial dos EUA Desafiador e manobra livremente, usando um foguete branco volumoso de seu próprio projeto. McCandless orbitou a Terra em tangente com o ônibus espacial a velocidades superiores a 17.500 milhas por hora - a velocidade na qual os satélites normalmente orbitam a Terra - e voou até 320 pés de distância do Desafiador. Depois de uma hora e meia testando e voando a mochila a jato e admirando a Terra, McCandless voltou a entrar no ônibus espacial com segurança.

Mais tarde naquele dia, o tenente-coronel do Exército Robert Stewart experimentou o foguete, que foi um dispositivo considerado um passo importante para futuras operações de reparo e manutenção de satélites em órbita e para montar e manter grandes estações espaciais. Foi a quarta missão orbital do ônibus espacial Desafiador.

LEIA MAIS: Exploração Espacial: Linha do Tempo e Tecnologias


Wally Schirra

Walter Marty Schirra Jr. (/ ʃ ɜːr ˈ ɑː /, 12 de março de 1923 - 3 de maio de 2007) foi um aviador naval americano, piloto de teste e astronauta da NASA. Em 1959, ele se tornou um dos sete astronautas originais escolhidos para o Projeto Mercury, que foi o primeiro esforço dos Estados Unidos para colocar seres humanos no espaço. Em 3 de outubro de 1962, ele voou na missão Mercury-Atlas 8 de seis órbitas e nove horas, em uma espaçonave que ele apelidou Sigma 7. Na época de sua missão em Sigma 7, Schirra se tornou o quinto americano e o nono humano a viajar para o espaço. No programa Gemini de dois homens, ele alcançou o primeiro encontro espacial, mantendo a estação de sua nave Gemini 6A a 30 cm da nave irmã Gemini 7 em dezembro de 1965. Em outubro de 1968, ele comandou a Apollo 7, um 11 teste de redução da órbita terrestre de um dia de baixa do Módulo de Comando / Serviço Apollo de três homens e o primeiro lançamento tripulado para o programa Apollo.

Ele foi o primeiro astronauta a ir ao espaço três vezes, e o único astronauta a voar nos programas Mercury, Gemini e Apollo. [1] No total, Schirra registrou 295 horas e 15 minutos no espaço. Depois da Apollo 7, ele se aposentou como capitão da Marinha dos Estados Unidos e também da NASA, tornando-se posteriormente consultor da CBS News na cobertura da rede dos voos seguintes da Apollo. Schirra se juntou a Walter Cronkite como co-âncora para todas as sete missões de pouso na Lua da NASA.


Artigos relacionados

McCandless obteve um mestrado em engenharia elétrica pela Stanford University em 1965 e um mestrado em administração de empresas pela University of Houston em Clear Lake em 1987.

O dispositivo MMU usado por McCandless para a caminhada no espaço sem amarras foi projetado, construído e testado pela Lockheed Martin em suas instalações em Waterton Canyon e no Johnson Space Center da NASA em Houston.

Depois de se aposentar do programa espacial, McCandless se tornou o cientista-chefe do programa de Sistemas Espaciais Avançados da Lockheed no Colorado. Ele se aposentou da Lockheed em 2006. McCandless era um residente da área de Conifer desde meados da década de 1990. Em janeiro de 2014, a esposa de McCandless de 53 anos, Bernice, morreu aos 76 anos.

Seus sobreviventes incluem sua esposa, Ellen Shields McCandless, de Conifer, seu filho, Bruce McCandless III, de Austin, Texas, sua filha, Tracy McCandless, de Islamorada, Flórida, e duas netas.


História da NASA

Edward Higgins White, II nasceu em 14 de novembro de 1930 em San Antonio, Texas. Seu pai era formado em West Point e serviu na Força Aérea dos Estados Unidos. Ele se tornou conhecido como um pioneiro da aeronáutica, iniciando sua carreira militar voando em balões do Exército dos EUA. Com o passar dos anos e mais ênfase foi colocada no vôo motorizado, ele mudou para o vôo motorizado. Quando se aposentou da Força Aérea, o pai de White havia conquistado o posto de major-general.

Os pais de White incutiram uma variedade de qualidades pessoais em seu filho. Eles lhe ensinaram o valor da autodisciplina, persistência e dedicação sincera. Eles também modelaram para ele a importância de temperar uma vida altamente focada com uma boa dose de risos e diversão. White aprendeu bem suas lições e usou com sucesso essas qualidades ao longo de sua vida pessoal e profissional.

Aos 12 anos, quando a maioria dos outros meninos pilotava aeromodelos, Ed subiu em um velho treinador T-6 com o pai. Foi uma experiência da qual ele se lembraria por muito tempo. Embora "ele mal tivesse idade para colocar o cinto de segurança em um pára-quedas" (2), seu pai permitiu que ele assumisse os controles do avião. Ed lembrou que "parecia a coisa mais natural do mundo a se fazer." o ensinou: Defina uma meta, acredite em seu coração e alma que você pode alcançá-la e então trabalhar para alcançá-la.

Como o pai de Ed era um oficial militar de carreira, a família mudou-se várias vezes para várias bases da Força Aérea em todo o país. Como resultado, Ed aprendeu a se ajustar a novas situações, pessoas e lugares. Ed foi considerado um aluno muito bom e um excelente atleta em qualquer escola que frequentou. Na verdade, a mudança constante de um posto da Força Aérea para outro não criou grandes dificuldades para White até que ele se matriculou na Western High School em Washington, DC Assim que começou a pesquisar as políticas de admissão em sua faculdade de escolha, a falta de um a residência contínua representava um obstáculo.

A família White tinha uma longa e orgulhosa história de serviço em vários ramos do exército. Além da carreira de seu pai na Força Aérea, dois tios de Ed tiveram uma carreira sólida no Exército e na Marinha. West Point tinha formado dois membros da família White & quot e nunca parecia haver qualquer dúvida de que eu iria para lá também. Mas a maioria das famílias de militares não tem residência permanente, então não tínhamos um congressista para me nomear para a Academia. & Quot (4)

White sabia que precisaria ser apadrinhado como nomeado para um mandato geral se quisesse seguir os passos do pai e do tio e frequentar West Point. A fim de obter a cobiçada nomeação, Ed iria "subir e descer os corredores do Congresso batendo nas portas." [e] finalmente bateu em portas suficientes para conseguir um compromisso & quot. (5) Após sua formatura no ensino médio, a Academia Militar dos Estados Unidos em West Point abriu suas portas para Edward H. White, II, o mais novo membro do clã White a caminhar por seus corredores sagrados.

Enquanto frequentava West Point, White continuou a se apresentar tanto na academia quanto no atletismo. Ele estrelou como meia-volta no time de futebol. Ele entrou para a equipe de atletismo como um obstáculo e estabeleceu um recorde de West Point nos 400 metros com barreiras. Ele por pouco não conseguiu uma vaga na equipe olímpica de atletismo dos Estados Unidos de 1952. Ele se dedicou a um regime diário estabelecido para manter a boa forma física, o que mantinha seu metro e setenta e cinco centímetros em excelentes condições.

Ed também reservava tempo para outras atividades além de estudar e treinar para competições atléticas. Enquanto participava de um fim de semana de futebol em West Point, ele conheceu Patricia Eileen Finegan. Com o tempo, Pat, uma pequena loira de Washington, D.C., tornou-se a Sra. Edward White, II.

Em 1952, White formou-se em West Point com um diploma de bacharel em ciências e alistou-se na Força Aérea dos EUA. Depois de receber instruções de vôo, ele ganhou suas asas. Logo depois, ele foi transferido para a Alemanha. Enquanto servia no exterior, White se estabeleceu como um piloto talentoso, voando com jatos F-86 Sabre e também com os mais novos caças F-100. Além disso, White concluiu com sucesso a Escola de Sobrevivência da Força Aérea em Bad Tolz, Alemanha.

Então, em 1957, Ed White leu um artigo que descreveu o papel dos futuros astronautas. “O artigo foi escrito com ironia, mas algo me disse: é isso - esse é o tipo de coisa para a qual você foi feito. A partir de então, tudo o que eu fazia parecia estar me preparando para o vôo espacial. & Quot (6) O fato é que, naquele momento, Ed White decidiu que se tornar um astronauta era seu mais novo objetivo e ele planejou cuidadosamente suas atividades futuras em a fim de atingir esse objetivo.

Depois de servir por três anos e meio na Alemanha, White voltou para os Estados Unidos com sua esposa e dois filhos, Edward e Bonnie Lynn. A essa altura, Ed estava convencido de que um diploma avançado lhe daria uma vantagem sobre outros homens contra os quais estaria competindo por uma vaga na lista de astronautas. Portanto, ele se inscreveu em um programa de pós-graduação na Universidade de Michigan. Ele recebeu seu diploma de MS em engenharia aeronáutica em 1959.

Naquele mesmo ano, a NASA selecionou seus sete astronautas originais para o Projeto Mercury, o primeiro programa espacial tripulado dos EUA. Com a seleção, ficou claro que as credenciais de piloto de teste seriam um pré-requisito para aqueles que desejam se tornar parte do corpo de astronautas. Conseqüentemente, White se matriculou na Escola de Pilotos de Teste da Força Aérea na Edwards AFB da Califórnia. Ele recebeu suas credenciais de piloto de teste em 1959 e foi transferido para a Base Aérea Wright-Patterson em Ohio, onde foi designado como piloto de teste experimental na Divisão de Sistema Aeronáutico. Enquanto estava na Wright-Patterson, White & quotfez testes de vôo para pesquisa e desenvolvimento de sistemas de armas, escreveu relatórios técnicos de engenharia e fez recomendações para melhorias no projeto e construção de aeronaves & quot. (7)

Na época em que White servia como piloto de teste em Ohio, os sete astronautas do Projeto Mercury estavam imersos em treinamento. Um dos exercícios de treinamento mais cruciais foi projetado para prepará-los para a falta de peso que experimentariam durante o vôo espacial. Três aviões foram usados ​​para fornecer aos astronautas breves períodos de ausência de peso: o C-131, o C-135 e o F-100F da Força Aérea. Ed White pilotou vários desses voos. “Eu pilotava os grandes aviões de carga da Força Aérea por meio de manobras leves para testar o que acontecia a um piloto em gravidade zero. Dois dos meus passageiros eram John Glenn e Deke Slayton, que estavam praticando vôo sem peso para o Projeto Mercury. Dois outros passageiros meus eram Ham e Enos, os chimpanzés que subiram antes dos Astronautas. & Quot (8)

Como o Projeto Mercury estava chegando ao fim e o Projeto Gemini começou a surgir, ficou claro que um grupo adicional de astronautas seria necessário para cumprir as metas do programa espacial intermediário. Em abril de 1962, a NASA começou a recrutar. A maioria dos requisitos básicos permaneceram os mesmos. A NASA estava procurando pilotos de teste do sexo masculino com vasta experiência em voos de aeronaves a jato. Os candidatos precisavam possuir pelo menos o diploma de bacharel em engenharia ou uma das ciências físicas. No entanto, o limite máximo de idade foi reduzido de quarenta para trinta e cinco e a altura máxima foi aumentada de cinco pés e onze polegadas para seis pés. Além disso, os pilotos de teste civis seriam elegíveis para se inscrever. Assim como no Projeto Mercury, os candidatos realizaram vários testes físicos e psicológicos. Em setembro de 1962, a seleção final foi feita e a NASA adicionou seus mais novos membros à lista de astronautas. O Capitão da Força Aérea Edward H. White, II, & quotque gostava de estabelecer objetivos elevados e então dirigir por eles & quot (9) atingiu seu objetivo ao derrotar mais de duzentos outros candidatos para ganhar o título de Astronauta. Oito outros pilotos de teste também ganharam um lugar na lista final da NASA:

Sr. Neil A. Armstrong
Major Frank Borman, Força Aérea dos EUA
Tenente Charles Conrad, Marinha dos Estados Unidos
Tenente Comandante James A. Lovell, Jr., Marinha dos Estados Unidos
Capitão James A. McDivitt, Força Aérea dos EUA
Sr. Elliot See, Jr.
Capitão Thomas P. Stafford, Força Aérea dos EUA
Tenente Comandante John W. Young, Marinha dos Estados Unidos

Depois de ser selecionado como parte do segundo grupo de astronautas, Ed White e sua família seguiram a tendência e se mudaram para o Texas para ficar perto do futuro Manned Space Center. Ed escolheu uma casa no subúrbio de Houston, El Lago. White tinha visto os desfiles empolgantes e a blitz da mídia que cercaram os astronautas do Projeto Mercury e suas famílias, mas ele não estava preparado para a atenção que ele e seu amigo Jim McDivitt receberiam ao chegarem em Houston. Enquanto ele fazia os preparativos finais para a compra de sua casa, as crianças da vizinhança começaram a se reunir nas proximidades. Os jovens perguntaram se ele era astronauta. Assim que receberam uma resposta afirmativa, as crianças correram para cima e para baixo na rua gritando: 'Os astronautas estão na casa!' Quando White e McDivitt saíram, as crianças pediram seus autógrafos. Depois de obedecer, ambos expressaram surpresa. que alguém iria querer um autógrafo, porque não tinha feito nada & quot. (10) White & quot se considerava um membro de uma equipe. como uma engrenagem de engenharia em um vasto programa técnico & quot (11), em vez de um herói a ser seguido. Além disso, ele mal havia sido selecionado. Autógrafos e atenção pareciam deslocados e prematuros.

Depois de formalmente fazerem parte do programa, os nove novos homens foram avaliados rapidamente por seus sete predecessores. Todos os membros do segundo grupo foram considerados pilotos altamente qualificados. Também ficou evidente que, em média, o segundo grupo tinha um nível de educação formal maior do que os astronautas originais do Mercury. No entanto, mesmo entre um grupo de grandes realizadores, Ed White se destacou entre a multidão. Ele era visto como um homem de cota que, quando perguntado de maneira inteligente, respondia de maneira pensativa e direta, mas raramente fornecia informações voluntariamente. (12) As & quotolduras do Projeto Mercury o escolheram como o cara a ser assistido & quot. (13)

Como já estava profundamente envolvido no programa Gemini em setembro de 1962, Gus Grissom foi designado para supervisionar os novos recrutas. Grissom deu crédito a quem merecia em sua avaliação dos recém-chegados: & quotEles são todos talentosos. Na verdade, quando um deles surge com uma nova resposta para algum problema, acho que eles são muito mais inteligentes do que nosso grupo original de sete & quot. (14) No entanto, ficou muito claro desde o primeiro dia que, como ninguém do segundo grupo havia treinado especificamente para voos espaciais, muito menos realmente voou no espaço, eles eram os novos garotos do quarteirão. & quotCerta ocasião, Grissom avisou secamente a um jovem: Não se sinta tão inteligente. Você é apenas um astronauta estagiário. & Quot (15)

Amparada pelas informações e experiência adquiridas no Projeto Mercúrio, a NASA adotou um novo programa de treinamento que era muito mais avançado, refinado e rigoroso do que os preparativos anteriores para voos espaciais. Ed White e seus colegas trainees logo se viram participando de uma variedade de exercícios elaborados para antecipar o Projeto Gemini, o próximo estágio do voo espacial tripulado dos EUA.

O treinamento começou familiarizando os novos membros do corpo de astronautas com detalhes coletados do Projeto Mercury. Eles ganharam experiência prática com os sistemas e hardware da espaçonave Mercury. Eles aprenderam sobre as operações de voo e tarefas de bordo associadas. Eles visitaram as instalações em Cape Kennedy, incluindo os sistemas de rastreamento e áreas de lançamento. Titã, Atlas, Agena e Saturno tornaram-se parte de seu vocabulário à medida que se familiarizaram com os vários impulsionadores associados ao programa espacial.

A instrução formal em sala de aula era parte integrante do treinamento da Gemini, de modo que os astronautas pudessem "fazer tarefas científicas e conversar de maneira inteligente com cientistas PhD em todas as áreas". (16) Assim, os astronautas participaram de treinamentos intensivos nas áreas de física, geologia, anatomia e fisiologia, astronomia, meteorologia, aerodinâmica, mecânica de vôo, orientação e navegação, matemática e comunicações, entre outras. O componente educacional provou ser desgastante mesmo para um grupo de homens cujo nível médio de QI era de aproximadamente 135.

Depois de completar as instruções exigidas em sala de aula, cada um dos astronautas da Gemini foi designado para se especializar em um aspecto particular do vôo espacial. Isso permitiu que cada astronauta se envolvesse diretamente em uma parte integrante do desenvolvimento da engenharia. Além disso, devido ao grande número de tarefas associadas ao programa Gemini, essa especialização incentivou práticas excelentes de gerenciamento de tempo. Ao delegar áreas de responsabilidade em todo o corpo de astronautas, a agência foi capaz de reduzir drasticamente a quantidade de tempo necessária para cobrir todo o sistema operacional de forma adequada. Por meio do uso eficaz de briefings, reuniões de equipe e conferências, todos os membros da equipe podem se manter bem informados sobre todas as áreas de operação do programa e dos sistemas, independentemente de sua área de especialização. Mesmo com a delegação eficaz de tarefas, Ed sentiu que & quotthe dia simplesmente não é longo o suficiente para fazer tudo que eu gostaria de & quot. (17)

Ed White foi designado para se especializar em & quot no projeto e desenvolvimento de sistemas de controle de vôo de espaçonaves e equipamentos relacionados & quot. (18) White gostou muito de sua área de especialidade "porque ela envolve o toque do próprio piloto - a conexão humana com a espaçonave e a maneira como ele a manobra". (19) O chamado "toque do piloto" foi extremamente importante para Ed White como piloto de teste. Ele entendeu claramente que um casamento entre o homem e a máquina era absolutamente necessário para atingir a meta de chegar à lua. No entanto, ele estava igualmente convicto de que & quott o importante é que o homem - não uma máquina automática - é o sistema primário no vôo espacial & quot. (20) No entanto, para White, o "toque do piloto" foi além das porcas e parafusos da viagem espacial e alcançou o âmago de seu ser. & quotMuitos de nós aqui na terra estão ficando bastante curiosos sobre o que a lua é feita, e você nunca vai satisfazer a curiosidade do homem a menos que um homem vá sozinho. & quot (21)

Uma das maiores frustrações que Ed encontrou durante o treinamento, entretanto, envolveu o aspecto mecânico do "toque do piloto". Cada um dos simuladores foi equipado com um tipo diferente de alavanca de controle manual. Como resultado, Ed descobriu que os astronautas precisavam dedicar parte de seu tempo de treinamento simplesmente para se ajustar a cada alavanca de controle e senti-la. White julgou ser um uso indevido de um tempo precioso e começou a "campanha para um controlador que é basicamente semelhante para todos os veículos do programa. Parecia inconcebível para mim que, como algumas pessoas sugeriram, um astronauta voasse em direção à lua no Apollo usando um tipo de vara, depois subisse no LEM, nossa nave de pouso lunar, e usasse um tipo diferente de controlador para pousá-lo na lua & quot. (22) A persistência das brancas valeu a pena com a criação do tipo de controlador de & quota que acredito que podemos usar em todos os veículos. A sensação será a mesma e, quando movê-la, ela dará basicamente a mesma resposta & quot. (23)

O treinamento de sobrevivência também desempenhou um papel importante no programa de treinamento Gemini. Os astronautas foram treinados para lidar com crises potenciais em terra e no mar. Eles aprenderam como deixar uma cápsula que está afundando e usar com sucesso um bote salva-vidas no caso de encontrarem uma emergência após o respingo. Além disso, eles se tornaram hábeis em técnicas que os ajudariam a sobreviver no caso improvável de sua espaçonave pousar no solo em vez de no oceano. Ed White e seus colegas aprenderam a confeccionar roupas com pára-quedas, o que os protegeria do intenso calor do deserto de Nevada. Eles foram lançados em pares de helicópteros nas profundezas da floresta tropical úmida do Panamá, onde iguana cozida, jibóia assada e palmito eram os pratos especiais do almoço.

Manter-se em excelentes condições físicas também era uma das principais prioridades dos astronautas da Gemini. Esse enfoque apenas reforçou o compromisso de toda a vida de Ed White em manter sua saúde física e força. Apesar de sua agenda lotada de treinos, Ed continuou a participar de natação, handebol, vôlei, squash e golfe. Ele começou seu dia correndo pelo menos uma milha. Em vez de dirigir de sua casa até o Manned Space Center em Houston, White frequentemente optou por pedalar o trecho de três milhas. Enquanto corria, White gostava de apertar uma bola de borracha dura para aumentar a força em suas mãos e braços. Ele instalou uma corda de escalada de 12 metros no quintal de sua casa e a enfrentou regularmente. “Ele conseguia fazer cinquenta abdominais e cinquenta flexões sem um gemido.” (24) Sem dúvida, Ed White era considerado o mais apto fisicamente de todos os astronautas do corpo.

Uma área menos óbvia do treinamento de astronautas foram as relações públicas. Muitos dos homens se sentiam muito desconfortáveis ​​em falar em público. No entanto, "ocasionalmente, muitas vezes sem aviso, [os astronautas] seriam solicitados a falar em reuniões de funcionários, muitas vezes eventos improvisados ​​realizados na linha de produção". (25) Sabendo que falar em público era considerado parte do trabalho, Ed White se juntou ao Toastmasters International para melhorar suas habilidades de comunicação em público. A certa altura, Ed serviu como vice-presidente-secretário da organização.

Após meses de treinamento, o cronograma de vôo da Gemini foi divulgado. James McDivitt foi escolhido como piloto de comando para o vôo Gemini 4, com Ed White servindo como piloto. Frank Borman e James Lovell, Jr. foram os backups do vôo. White e McDivitt combinavam bem e suas vidas pessoais e profissionais freqüentemente tinham paralelos misteriosos. Ambos foram casados ​​com mulheres chamadas Pat. Ambos eram capitães da Força Aérea. Ambos haviam se formado em engenharia aeronáutica na Universidade de Michigan em 1959. Enquanto Ed fazia o mestrado, Jim estudava para o bacharelado em ciências. Ambos haviam concluído o treinamento de piloto de teste na Edwards AFB. Embora White tivesse mais horas de vôo no geral, as duas mil horas de McDivitt em aviões a jato foram quase idênticas às 1.950 horas de White em jatos. Ambos responderam ao chamado da NASA por mais astronautas em 1962 e ambos foram selecionados como parte do segundo grupo de astronautas em setembro do mesmo ano. Relembrando como seus caminhos se cruzaram em várias ocasiões, White afirmou que, “Jim e eu temos seguido bem juntos. Parece que toda vez que nos reuníamos, estávamos fazendo exames de algum tipo. & Quot (26)

O sucesso do voo Gemini 3 de Grissom e Young abriu o caminho para voos espaciais de longa duração. O mais longo vôo espacial tripulado dos EUA até o momento foi o vôo de 34 horas de Gordon Cooper em Mercury. Os soviéticos, no entanto, tinham quatro voos de longa duração em seu crédito, variando de setenta a cento e dezenove horas. McDivitt e White foram selecionados para fazer o primeiro vôo de longa duração do programa Gemini.

O plano de vôo original do Gemini 4 era bastante conservador. O objetivo principal era determinar o desempenho da espaçonave e da tripulação durante um vôo de quatro dias. Além disso, treze experimentos científicos pontuaram o plano. No entanto, no início de março de 1965, a NASA revisou o plano de vôo e adicionou dois componentes extras. Um dos novos objetivos era tentar manter uma distância fixa do segundo estágio do veículo de lançamento Titan II da espaçonave. Essa tarefa, que ajudaria em futuras missões de encontro, coube ao piloto de comando Jim McDivitt. Ed White foi escalado para realizar uma atividade extra veicular (EVA) dramática. Em 18 de março de 1965, o cosmonauta russo Alexi Leonov se tornou o primeiro homem a se aventurar fora da segurança relativa de sua espaçonave a flutuar no espaço por dez minutos enquanto estava preso ao Voskhod II por meio de uma corda de três metros. White foi programado para usar um traje recém-desenvolvido e uma unidade especial de mão que permitiria ao astronauta se impulsionar enquanto realizava manobras fora da espaçonave. Quando o plano de vôo original foi apresentado, o traje de White e a unidade de autopropulsão ainda estavam na prancheta. Na verdade, o equipamento não foi certificado para uso no espaço até dez dias antes do lançamento do Gemini 4 e o próprio EVA não foi oficialmente confirmado até uma semana antes do lançamento programado. No entanto, White passou incontáveis ​​horas praticando na câmara de pressão McDonnell para se preparar para realizar sua caminhada espacial. Embora um russo tenha sido o primeiro a flutuar no espaço, Ed White estava determinado a ser o primeiro a usar propulsão a jato para realmente manobrar no espaço.

Embora GT-4 fosse seu primeiro vôo espacial, Ed afirmou: & quotSinto-me inteiramente seguro em uma espaçonave & quot. (27) Com aquela sensação de confiança como pano de fundo, White deu seu sinal de positivo para a multidão que se reuniu em 3 de junho de 1965 e embarcou no Gemini 4 com o comandante Jim McDivitt. Eles decolaram do Pad 19 às 10:16. Ed, um metodista devoto, trouxe três itens especiais para carregar com ele durante sua planejada EVA: uma medalha de São Cristóvão, uma cruz de ouro e uma Estrela de Davi. “Eu tinha muita fé em mim mesmo e especialmente em Jim, e também acho que tinha muita fé em meu Deus. Então, peguei esses símbolos porque acho que essa era a coisa mais importante que eu tinha a meu favor e senti que, embora não pudesse escolher um para todas as religiões do país, poderia pegar as três que conhecia mais com. & quot (28)

Ficou claro logo após a decolagem que o plano de McDivitt de manter uma distância fixa do segundo estágio alijado do veículo de lançamento Titan II teria que ser abandonado porque o estágio estava caindo tão fortemente que sua órbita se deteriorou em relação à da espaçonave. Para perseguir o objeto, McDivitt teria usado muito combustível. Esfregando esse objetivo, a tripulação voltou sua atenção para o EVA de Ed White, que estava programado para ocorrer no final da segunda revolução.

Quando o Gemini 4 começou sua segunda revolução, Jim e Ed começaram a revisar a lista de verificação dos vários equipamentos EVA. Dentro dos confins da espaçonave, eles retiraram a bolsa de oxigênio de emergência de White, suas luvas térmicas especialmente projetadas e a volumosa combinação de umbilical de oxigênio primário e cordão. A unidade de manobra de sete libras e meia foi retirada e verificada. O equipamento fotográfico, que registraria a caminhada histórica de White, foi montado. Eles queriam ser muito meticulosos em seus preparativos para o EVA porque & quotit foi nosso primeiro passo para o espaço. [e] queríamos ter certeza de que os procedimentos foram realizados de forma completa e correta & quot. (29) À medida que se aproximava a hora do EVA, a tripulação percebeu que estava começando a se apressar na lista de verificação. McDivitt ligou para atrasar o EVA até a terceira revolução, a fim de dar-lhes o tempo necessário para verificar e colocar o equipamento adequadamente. Um desapontado Ed White acabou concordando. & quotDecidimos ir desde o início da lista de verificação novamente. Começamos tudo de novo. Desta vez, pudemos levar todo o tempo que queríamos. & Quot (30)

Durante a terceira revolução, a tripulação recebeu autorização para descompressão e EVA. Consequentemente, a atmosfera da espaçonave foi reduzida a um vácuo e a escotilha de White foi aberta. Enquanto Ed estava em seu assento, preparando-se para a saída, ele verificou seu equipamento de câmera três vezes. & quotQueria ter certeza de que não deixei a tampa da lente colocada. Eu sabia que era melhor não voltar se voltasse. & Quot (31)

Às 14h45, quando Gemini 4 passou além do Havaí, Ed White surgiu pela escotilha. & quotQuando parti da espaçonave, não houve qualquer impulso da espaçonave. A arma realmente deu o impulso para eu deixar a espaçonave. & Quot (32) Ao começar sua caminhada espacial, Ed tinha plena consciência de que todas as suas transmissões VOX estavam sendo ouvidas por milhões de pessoas grudadas em seus rádios e televisores . & quotEu pensei: 'O que você diz a 194 milhões de pessoas quando está olhando para elas do espaço?' Então, a solução tornou-se muito óbvia para mim. 'Eles não querem que eu fale com eles. Eles querem saber o que estamos fazendo aqui. . Então, o que você ouviu foram dois pilotos de teste conduzindo sua missão da melhor maneira possível. & Quot (33)

Ed disse que não sentiu nenhuma desorientação ou sensação de estar caindo. Apesar do fato de que o Gemini 4 estava voando pelo espaço a velocidades superiores a 17.500 mph, White sentia muito pouca sensação de velocidade. Ele relatou que a unidade de manobra é boa. O único problema que tenho é que não tenho combustível suficiente & quot. (34) Com o combustível esgotado na unidade manual, White teve que contar com a corda de vinte cinco pés para manobrar. Ele logo descobriu que a arma fornecia um controle muito melhor do que a corda e que se mover era muito mais difícil e desajeitado sem ela.

Ed, um aficionado por fotografia, então voltou sua atenção para capturar as vistas espetaculares que estava testemunhando no filme. & quotEu vou trabalhar para conseguir algumas fotos. Posso sentar aqui e ver toda a costa da Califórnia ”, observou ele. Enquanto White tirava fotos com sua câmera de 35 mm, Jim McDivitt tirou algumas fotos de Ed quando ele estava totalmente à vista da janela. Enquanto ele manobrava para longe, Ed acidentalmente esbarrou na espaçonave, deixando uma marca na janela de McDivitt. O mundo ficou encantado ao ouvir as brincadeiras entre dois amigos quando Jim afirmou: “Você manchou meu pára-brisa, seu cachorro sujo. Está vendo como está tudo manchado aí? & Quot (36)

O traje de White segurava bem e a viseira especial do capacete fornecia a proteção necessária do sol. White observou que, & quotO sol no espaço não cega, mas é muito bom. & Quot (37) Toda a caminhada espacial estava progredindo extremamente bem. Ficou claro que White estava se divertindo muito enquanto falava exuberantemente pelo rádio, “Estou muito grato por ter a experiência de ser o primeiro. Isso é divertido! & Quot (38)

A última visão de Ed durante sua caminhada espacial foi o estado da Flórida. "Eu podia ver toda a parte baixa do estado, a cadeia de ilhas de Cuba e Porto Rico." Ninguém ficou mais triste ao ver o fim do que Ed White. "É o momento mais triste da minha vida", comentou (40) enquanto lentamente manobrava para voltar. Sem o benefício da unidade de autopropulsão, Ed precisou de mais tempo para retornar à escotilha. Alguns argumentaram que o atraso era uma indicação de que ele havia sofrido de uma espécie de narcose das profundezas ou euforia. No entanto, Ed insistiu que não era esse o caso. & quotPosso dizer com toda a sinceridade e honestidade que gostei muito do EVA e lamento vê-lo chegar ao fim, e estava realmente relutante em entrar em cena. Mas quando soube que a fase do EVA havia acabado, eu sabia que era hora de entrar e eu entrei. Não houve euforia, mas voltar para a cabana demorou tanto quanto sair. Tive de fazer as mesmas coisas, só que na ordem inversa, entregando meu equipamento para Jim, e assim por diante. & Quot (41) White tinha alcançado seu objetivo de se tornar o primeiro homem a se impulsionar no espaço. Além disso, sua caminhada espacial durou o dobro da excursão de dez minutos de Leonov. Ed had felt many things during those twenty minutes, but "the biggest thing was a feeling of accomplishment". (42)

Gemini 4 made sixty two orbits around the earth, flying a grand total of 1,609,700 miles before splashing down in the Atlantic. Skeptics had predicted that astronauts would suffer horrendous physical side effects from a long duration flight and that the recovery crews would find either dead bodies or unconscious astronauts hovering on the brink of death once they opened the hatches. However, the recovery helicopter pilot saw a totally different sight. "They were like a couple of kids playing on the beach, splashing in the salt water." (43) Ed White was doing some kind of exercise that resembled deep knee bends. Both astronauts appeared to be in fine shape, aside from a slight case of seasickness on Ed's part and being in desperate need of a shower and shave. Commenting on their distinct aroma after the flight Ed quipped, "I thought we smelled fine. It was all those people on the carrier that smelled strange." (44) On board the recovery carrier Wasp , Ed stated, "I felt so good I didn't know whether to hop, skip, jump or walk on my hands!" (40) His spirits were so high that he danced a jig on the way to the crew quarters.

In spite of their good mood, the astronauts had experienced some practical concerns during their flight. They found the work/rest cycles to be inadequate. Thoughts about running out of water had caused the crew to be overly conservative in their water intake, putting them at risk for dehydration. In addition, "White noted that about four or five hours after eating, he began to feel as if his energy level was going downhill in a more pronounced manner than it did on earth. Each time he ate, he noted definitely that his energy level bounced up." (45) Those who knew Ed White were not at all surprised to learn that hunger pangs were his biggest discomfort during the flight. He was known to have the most voracious appetite in the entire astronaut corps. "Although space doctors failed to find an ounce of fat on his 170 pound frame, White could put away two full course dinners at one sitting and then ask for dessert with a straight face." (46) Needless to say, it did not take Ed long to gain back the eight pounds he had lost during his flight.

Upon returning to Houston, White and McDivitt received a grand welcome home. President Lyndon Johnson took the opportunity to promote both men to the rank of lieutenant colonel and presented each of them with a NASA Exceptional Service medal. Chicago played host to an enormous ticker tape parade. The University of Michigan awarded the newly created honorary doctorate degree of astronautical science to both alumni. After receiving the degree, White, who still was trying to adjust to his new military title joked, "I can hardly get used to people calling me 'Colonel'. I know in a million years I'll never get used to people calling me 'Doctor'." (47) Finally, White and McDivitt, along with their families, were asked to represent the United States and strut their stuff at the Paris Air Show. In spite of the presence of Russia's pride and joy, Yuri Gagarin, the U.S. Gemini space twins captured a great deal of media attention and put the U.S. manned space program back on the map.

Based in part on the quality and strength of his EVA performance, Ed White was selected as Senior Pilot for the first Apollo flight. He was joined by Command Pilot Virgil "Gus" Grissom and Pilot Roger Chaffee. Grissom expressed a great deal of satisfaction with White saying, "Ed's a real hard driver. I don't care what kind of job you give Ed, he's going to get it done he's going to get it finished." (48) Ed valued Grissom's experience and was pleased to discover that he and his commander tended to think along the same lines about many things.

As the crew prepared for the flight, they encountered numerous glitches and setbacks with the Apollo spacecraft. The crew stayed focused and dealt with the problems as they came up. In spite of the frustrations and delays, they never failed to keep their sense of humor intact. Well aware of Ed White's tremendous appetite, Grissom joked that during the Apollo I flight, he planned to keep his personal food supply under lock and key to discourage Ed from sneaking samples from his meals. Shortly before the final series of spacecraft testing began, the crew was asked to pose for pictures wearing their space suits. As photographers attempted to get the perfect shot of the first Apollo crew, Grissom reached over and tugged at a cord on White's space suit, causing its bright orange Mae Wests to suddenly balloon to life.

As the crew entered the Apollo I command module for the plugs out test on January 27, 1967, Ed White took the center seat. Toward the end of the test, they would be practicing emergency egress procedures and Ed would be responsible for opening the hatch by removing the bolts which sealed it shut. It was a difficult maneuver because Ed needed to reach over his head to loosen the bolts with a ratchet. The inner hatch was extremely heavy, but Ed, who was known for his great strength, had become accustomed to handling it by repeatedly practicing the opening procedure. Although the well-trained crew had practiced the egress drill numerous times, they never had managed to perform the duty within the ninety second recommended time frame. The entire plugs out test had been riddled with various problems from the time the crew entered the spacecraft shortly after 1:00 P.M., especially in the area of communications. As darkness began to fall, the crew still needed to perform the emergency egress procedure before ending the test and heading home for the weekend. A ninety second time frame was the goal for completing the hatch removal. Ed White had no idea that he and the crew soon would be in an emergency situation and that their lives would depend upon the crew opening the hatch in less than twenty seconds. Notas:

1. Life . June 18, 1965, p. 38

2. Time . February 3, 1967, p. 16

3. Newsweek . June 14, 1965, p. 32

7. Erik Bergaust, editor, Illustrated Space Encyclopedia ( New York: G.P. Putnam's Sons, 1965), p. 146

9. Newsweek , February 6, 1967, p. 29.

10. Henry Dethloff, Suddenly Tomorrow Came. A History of the Johnson Space Center (Houston: Lyndon B. Johnson Space Center, National Aeronautics and Space Administration, 1993), p. 44

11. The New York Times , January 28, 1967, p. 1L.

13. Life , February 10, 1967, p. 22

14. Betty Grissom and Henry Still, Starfall (New York: Thomas Y. Crowell Company, 1974), p. 144

16. Virgil Grissom, Gemini: A Personal Account of Man's Venture Into Space (New York: The Macmillan Company, 1968), p. 74

17. Life , June 18, 1965, p. 39

18. Ralph O. Shankle, The Twins of Space: The Story of the Gemini Project (New York: J.B. Lippincott Company, 1964), p. 160

24. Life , February 10, 1967, p. 22

26. United Press International, editors, Gemini: America's Historic Walk In Space (United Press International, Inc., 1965), p. 13


Bruce McCandless, 1st to fly untethered in space, dies

1 of 6 In a photo provided by Nasa, Bruce McCandless uses a nitrogen-propelled thruster unit to perform the first-ever untethered spacewalk, on Feb. 7, 1984. McCandless, a highly-decorated astronaut for more than two decades, died on Dec. 21, 2017. He was 80. (NASA via The New York Times) -- FOR EDITORIAL USE ONLY -- NASA/NYT Show More Show Less

2 of 6 In a photo provided by Nasa, Bruce McCandless aboard the Discovery space shuttle on April 29, 1990. McCandless, who on a 1984 mission became the first astronaut to fly untethered from his spacecraft, died on Dec. 21, 2017. He was 80. (NASA via The New York Times) -- FOR EDITORIAL USE ONLY -- NASA/NYT Show More Show Less

4 of 6 Former astronaut and retired U.S. Navy captain Bruce McCandless II died Thursday in California at age 80. He was the first to fly untethered in space, where he logged more than 312 hours. HOGP Show More Show Less

5 of 6 Mission Specialist Bruce McCandless II uses a Manned Maneuvering Unit to "free-fly" 320 feet away from the orbiter. Photo credit: NASA Show More Show Less

HOUSTON &mdash NASA astronaut Bruce McCandless, the first person to fly freely and untethered in space, has died. He was 80.

He was famously photographed in 1984 flying with a hefty spacewalker&rsquos jetpack, alone in the cosmic blackness above a blue Earth. He traveled more than 300 feet away from the space shuttle Challenger during the spacewalk.

&ldquoThe iconic photo of Bruce soaring effortlessly in space has inspired generations of Americans to believe that there is no limit to the human potential,&rdquo Sen. John McCain said in a statement. The Arizona Republican and McCandless were classmates at the U.S. Naval Academy.

NASA&rsquos Johnson Space Center said Friday that McCandless died Thursday in California. No cause of death was given.

ALSO: Historic SpaceX launch lights up Southern California skies (story continues below)

McCandless said he wasn&rsquot nervous about the historic spacewalk.

&ldquoI was grossly over-trained. I was just anxious to get out there and fly. I felt very comfortable . It got so cold my teeth were chattering and I was shivering, but that was a very minor thing,&rdquo he told the Daily Camera in Boulder, Colorado, in 2006.

During that flight, McCandless and fellow astronaut Robert L. Stewart pioneered the use of NASA&rsquos backpack device that allowed astronauts walking in space to propel themselves from the shuttle. Stewart became the second person to fly untethered two hours after McCandless.

&ldquoI&rsquod been told of the quiet vacuum you experience in space, but with three radio links saying, &ldquoHow&rsquos your oxygen holding out?&rdquo &lsquo&rsquoStay away from the engines!&rdquo &lsquo&rsquoWhen&rsquos my turn?&rdquo it wasn&rsquot that peaceful,&rsquo McCandless wrote in the Guardian in 2015.

But he also wrote: &ldquoIt was a wonderful feeling, a mix of personal elation and professional pride: it had taken many years to get to that point.&rdquo


Council Era - War and Rebellion (1 CE - 900 CE)

The Rachni Wars continue. The salarians make first contact with and uplift the primitive krogan, manipulating them into acting as soldiers for the Citadel Council. The krogan prove able to survive the harsh environments of the rachni worlds and pursue the rachni into their nests, systematically eradicating queens and eggs.

The rachni are declared extinct. In gratitude for their aid during the Rachni Wars, the Council rewards the krogan a new homeworld. Free of the harsh environment of Tuchanka, the krogan population explodes.

The krogan begin to expand exponentially, colonizing many new worlds. Growing concerns about their expansion lead to the founding of the Special Tactics and Reconnaissance branch of the Citadel.

Beelo Gurji, a salarian operative, is appointed the first Spectre by the Citadel Council.

700 CE: The Krogan Rebellions

Nakmor Drack is born. Krogan warlords leverage veterans of the Rachni Wars to annex territory from other races in Citadel space. Eventually the Council demands withdrawal from the asari colony of Lusia, but the krogan refuse. A preemptive strike is made on krogan infrastructures by the Spectres. The Krogan Rebellions begin. The Citadel Council makes first contact with the turians around this time and persuades them to aid in the war. After the krogan respond to the initial turian offensive by devastating turian colonies with weapons of mass destruction, the turians vow to stop the krogan from ever becoming a threat again. Sometime after the turians join the galactic community, the volus are accepted as a client race of the Turian Hierarchy.

Realizing that the krogan will never give in as long as they can replenish their fighters, the turians unleash a salarian-engineered bio-weapon known as the genophage on the krogan. The krogan population starts its decline.

The Krogan Rebellions end, though scattered krogan insurgent actions continue for decades. The turians fill the military and peacekeeping niche left by the decimated krogan. The Citadel Conventions are drawn up in the wake of the conflict.


New wearable authentication more than a ‘token’ gesture

Posted On April 29, 2020 15:53:29

The Army Futures Command, or AFC, is developing wearable identity authentication and authorization technologies that will enable soldiers to securely access network-based capabilities while operating on the move in contested, threat-based environments.

Since 2001, the Common Access Card, or CAC, has served as the de facto, government-wide standard for network and system security access control. However, CAC cards are not operationally suited for use in every environment.

Moreover, the Army lacks a standard way for soldiers at every echelon to prove their identity when operating systems, devices, and applications on Army networks.

With this in mind, AFC’s major subordinate command, the U.S. Army Combat Capabilities Development Command, or CCDC, is researching and developing authentication technologies that will provide soldiers with secure and simple ways to identify, authenticate and be authorized access to Army networks, operating systems, servers, laptops, applications, web services, radios, weapon systems, and handheld devices.

CCDC’s Command, Control, Communications, Computers, Cyber, Intelligence, Surveillance and Reconnaissance, or C5ISR, Center is designing wearable identity tokens for soldiers to use to log on to mission command systems, networks and tactical platforms. The tokens are wireless, lightweight, flexible, and rugged, and they can be inserted in a soldier’s pocket, attached to a sleeve or integrated into a wrist band like a Fitbit.

Conceptually, soldiers wearing these tokens could simply approach a system to login, be recognized by that system, which would then prompt the soldier to enter a PIN or use a biometric as a second factor, and be automatically logged out when they walk out of the system’s range.

The CCDC C5ISR Center is developing wearable authentication tokens that will enable soldiers at every echelon to prove their identity when operating systems, devices and applications on the Army tactical network.

(Photo by Spc. Dustin D. Biven, 22nd Mobile Public Affairs Detachment)

“The Army is driving towards a simpler and intuitive tactical network, so we’re aligning our Science and Technology resources to explore the challenges associated with this mission space, inform senior decision makers of the lessons learned and deliver capabilities that support Army Modernization and address the soldier’s needs — now and in the future,” said Brian Dempsey, Tactical Network Protection chief for the C5ISR Center’s Space and Terrestrial Communications Directorate, or STCD.

The wearable identity tokens combine the security of a public key-based credential — similar to the credential on the CAC — with cutting-edge advances in the commercial wireless payment industry and flexible hybrid electronics, explained Ogedi Okwudishu, project lead for the Tactical Identity and Access Management, or TIDAM, program.

“As part of the Army Futures Command, we’re looking to move at the speed of the information age. We want to be able to research, test, proof the concepts and integrate emerging IT capabilities from industry as they become available. There’s no point re-inventing the wheel,” Okwudishu said.

Under the current paradigm, tactical platforms would need to be retrofitted with specialized equipment in order to read new identity authentication technologies. Such deployments and retrofitting can be very costly. Wearable tokens, however, leverage already existing communication and protocol capabilities, Okwudishu pointed out.

“Soldiers should not have to take out a smartcard, insert it into a card reader and then remember to remove the card from the reader when they are done,” said Okwudishu. “Contactless identity tokens are not only easy to use, they provide a significant cost savings for the Army. You can continue to add authentication capabilities without needing to redesign, or deploy new, tactical hardware to every laptop, server, handheld device or weapon system in the field.”

The tokens are lightweight, flexible and rugged, and they can be inserted in a soldier’s pocket, attached to a sleeve or integrated into a wrist band like a Fitbit.

Since beginning the TIDAM program in 2017, the C5ISR Center has worked closely with soldiers and Program Executive Offices, or PEOs, soldier and Command, Control Communications-Tactical, or C3T, to validate, demonstrate and mature the technology.

The center’s STCD is working with Project Manager Integrated Visual Augmentation System, or IVAS, to finalize a transition agreement with PEO soldier for wearable authenticator infrastructure technologies. In the meantime, the directorate is developing a wearable authenticator software provisioner that will enable the secure placement of credentials on the wearable tokens and the ability to do this “locally” at the brigade level and below.

STCD is also working from a roadmap it jointly developed with PEO soldier to integrate the capability with various systems from PEO soldier and PEO C3T. Currently, the goal for fielding the tokens is in FY 22.

“I think this is a really great idea,” said Sgt. 1st Class David Worthington, senior enlisted advisor for the C5ISR Center. “Nobody has done anything like this yet. If done properly, it will make the authentication process a lot easier and a lot faster. More important, it provides more reciprocity at the tactical level for log-ins, so you can track what people are doing on the network.”

This article originally appeared on United States Army. Follow @USArmy on Twitter.


The F-35 can make China’s carrier killer missiles ‘irrelevant’

Posted On April 10, 2018 03:08:36

As China builds out its network of militarized islands in the South China Sea and expands a sphere of influence designed to keep the U.S. out, the U.S. Marine Corps is putting the finishing touches on a weapon to burst its bubble: the F-35B.

China’s People’s Liberation Army Rocket Force has turned out a massive number of so-called carrier-killer missiles, ballistic missiles that can target ships up to about 800 miles out at sea, even testing them against models of U.S. aircraft carriers.

With the U.S. Navy’s longest-range platform — aircraft carriers — maxing out at a range of about 550 miles, this means China could theoretically use the missiles to shut the U.S. out of a battle for the South China Sea.

But theories and lines drawn on paper won’t beat the U.S. military in a battle.

A U.S. Marine Corps F-35B Lightning II with Marine Fighter Attack Squadron (VMFA) 121, conducts a vertical landing at Marine Corps Air Station Iwakuni, Japan, Nov. 15 2017. (U.S. Marine Corps photo by Cpl. Carlos Jimenez)

In pursuing the strategy of anti-access/area denial, known as A2AD, China assumes that the U.S. must launch aircraft from bases or aircraft carriers. But the F-35B, the U.S. Marine Corps’ variant of the most expensive weapons system of all time, doesn’t work that way.

“You can fly the F-35B literally anywhere,” David Berke, a retired U.S. Marine Corps lieutenant colonel, told Business Insider. “If your traditional places of operation are unavailable” — perhaps because Chinese missile fire cratered them, a likely tactic in a war — “the F-35B can be there.”

By taking off in just a few hundred feet or so and landing from a vertical drop, the F-35B frees up the Marine Corps from worrying about large, obvious bases.


Jetpack Reality

On April 20th, 1961, a little more than a week after Yuri Gagarin became the first human to breach outer space, Harold Graham propelled himself to the incredible height of four-feet above the Earth. The secret flight lasted 14 seconds, covering a distance of less than 35 feet at a speed of about 6mph. It marks the very first successful outdoor test of a jetpack in free flight (no tethers). Fittingly, the flight took place in Niagara Falls, New York, otherwise, known as "the capital city of Earth" to Buck Rogers fans. The Rocket Belt used was developed by Wendell F. Moore for Bell Aerospace under contract with the US Army's Small Rocket Lift Device (SRLD) program.

Moore's dream of rocket flight started in 1953 when the aeronautical engineer began doodling jetpack designs at his kitchen table. Naturally, he tested the Rocket Belt himself even breaking his knee in an accident after his fuel tank snagging a support line in an early tethered flight. The Bell design pushed five US gallons (19 liters) of 90 percent liquid hydrogen peroxide through tiny nitrate-coated silver screen catalysts — enough fuel for about 20 seconds of flight. Hydrogen peroxide fuel was chosen for its power-to-weight ratio, capable of creating about 300 pounds of thrust as super-heated jets of steam escape a pair of nozzles. In other words, it produced a lot of noisy hot air.

On June 8, 1961, Harold Graham demonstrated Bell's "portable Army rocket" for the first time to an incredulous public. The flight saw Graham fly over a truck at a height of 15 feet landing 150 feet away after 14 seconds of air time. Nevertheless, the "ear-splitting" flight was described by the New York Times as "short but spectacular." By December 1961 Bell's 100-pound rocket belt would carry a man as high as 35 feet or a distance of 368 feet when barely skimming the ground.

By 1962, Moore's design was considered "perfected" with a top speed of 60mph, a top altitude of 60 feet, and 21 seconds of operation. Unfortunately, it also created 130 decibels of deafening noise — that's about as loud as a jet taking off from 200 feet away. Moore died in 1969 but variations of his original Rocket Belt design would be demonstrated around the world many years after his death. To this day, when you hear the word "jetpack," you're probably imagining Moore's Bell Rocket Belt design just before your sense of jilted entitlement sets in.

By November of 1962, four years after NASA was established, we get our first look at the "human spaceship." This 10-nozzel pack developed for the Air Force by Chance-Vought, was designed to use nitrogen-pressurized hydrogen peroxide jets to propel future spacemen away from their craft for up to four hours at a time at a distance of a few miles. The SMU (Self-Maneuvering Unit) pictured ultimately lead to the more aptly named (but bulkier) AMU (Astronaut Maneuvering Unit), MMU (Manned Maneuvering Unit), and SAFER (Simplified Aid for EVA Rescue) packs used on actual NASA flights. Esse Ciência popular article also marks one of the first uses of "jet pack" in popular media.

Unlike the fabled Greek myth, the 1964 project ICARUS died without ever getting off the ground.

In 1965, Bell created a "rocket chair" ejection seat concept using a regular chair from the Bell cafeteria. Moore and Bell also experimented with a two-man Pogo as a method of moving Apollo astronauts around on the moon. No, seriously.

In 1965 the jetpack became a mainstream phenomena when Sean Connery strapped on a Hollywood mock-up of the Bell Rocketbelt in Thunderball. He wears another, unnamed pack, for an underwater battle. In short, 007 does it everywhere with the smug confidence of a man who knows that fewer people would fly a jetpack than be shot into space.

Bill Suitor and Gordon Yeager (not Sean Connery) were the actual pilots of the Bell Rocketbelt in Thunderball. Bill, a jetpack legend, approached his neighbor for a job in 1963 — he was just 19 years old. Bill's neighbor, Wendell F. Moore, just happened to be the inventor of the Bell Rocketbelt. Suitor would spend the next 30 years demonstrating the Bell jetpack more than a 1,000 times in over 40 countries across the globe.

It was Suitor who flew the jetpack during the opening ceremony of the 1984 Olympic Games in Los Angeles seen by an estimated 2.5 billion people. 2.5 billion very disappointed people.

From 1965 to 1968, Lost in Space television viewers could marvel at professor John Robinson's use of a Bell Rocket Belt and tin-foil clothing — Oh Daddy, is right! The series was set in the impossibly far-off future of 1997. Sounds magical.

The June 1966 edition of Ciência popular publishes word of a patent for a new, as of yet unseen, "jet belt" from Bell using a turbojet engine and conventional jet fuel. Note that the co-inventor is none other than Wendell F. Moore.

1968: Buck Rogers flying belt "a large hop closer today"

On June 27th, 1968, a New York Times article proclaimed that the Buck Rogers flying belt was "a large hop closer today" when Bell Aerosystems revealed its successor to Wendell Moore's Jet Belt design. The new jetpack was powered by the world's smallest (for its day) turbojet engine (about one foot wide and two feet long) built by Williams Research to burn standard kerosene-type jet fuel (stored in clear plastic tanks) with a range measured in minutes and miles, not seconds and feet. Or so they claimed.

Alas, it was also heavier than the original and just as loud. The article mistakenly says that the Bell Rocket Belt was "flown more than 3,000 times without injury or accident since the first test on April 27, 1960." Although the Rocket Belts safety record was indeed impressive (especially since it flew beneath parachute level), by his own admission, Wendell Moore broke his knee during an early test flight on February 17th, 1961. Unfortunately, it would be just one of many jetpack-related lies to come.

On April 7 1969, pilot Robert Couter of Bell (now Textron Bell Aerosystems) flew the first successful free flight of the "Jet Belt" or "Jet Flying Belt." He flew a distance of more than 300 feet at about 20 feet off the ground. o Ciência popular article proposes that "maybe someday your 'second car' will be a flying belt garaged in the hall closet." Yeah, someday, but not 42 years later.

Unfortunately, the 70s and 80s provide a near dearth in terrestrial jetpack innovation. There was simply too much Pabst to drink after the scientists finished feathering each other's hair.

In 1984 NASA used its version of the jetpack, the 24-nozzel nitrogen-powered Manned Maneuvering Unit (MMU), on three space shuttle missions. After an uneventful first test, the MMU nearly caused a satellite to careen out of control during an improvised recovery mission. The MMU performed better in its third mission, helping astronauts capture two satellites and return them to the orbiter payload.

After the Challenger disaster, the MMU system was determined too risky and replaced by SAFER (Simplified Aid for EVA Rescue). SAFER, developed by the Robotics Division of NASA at the Johnson Space Center, was first flown in 1994. It functioned as an emergency, self-rescue apparatus in case an astronaut became separated from his tethers during a space walk. In 2000, two astronauts used the nitrogen-powered SAFER to perform a "gentle 50-foot flight" while tethered to the shuttle.

It's 1992 — just a year after the theatrical release of The Rocketeer — are you really surprised that the man from Neverland would own a jetpack? See if you can spot the switch.

Stanley then brought Barker to court receiving a $10 million reward from the judge. Barker refused to pay and found himself stuffed in a box, locked from the outside. After eight days Barker managed to escape. Police arrested Stanley and in 2002 he was sentenced to life in prison, since reduced to eight years.

The motivation? Fame and an expected payday of $25,000 per flight a jetpack operator could expect for advertising, movie stunts, and events. Oh, and stupidity.

The RB-2000 was never found.

Think Jetpack Jacko was an oddity, try this one on. In 1992, Brad Barker set off to built the Rocketbelt-2000 with two partners: Joe Wright and Larry Stanley. By 1994 they had a working prototype of the original Wendell Moore design, modified with lighter components and an increased fuel stock. On June 12th, 1995, our old friend Bill Suitor flew the RB-2000 for 30 seconds (9 seconds longer than the previous record of the Moore design).

A disagreement between Stanley, who fronted most of the money, and Barker resulted in Barker bludgeoning Stanley with a hammer. Barker was convicted of assault. Stanley subsequently wins a court order giving him ownership of the RB-2000. When Stanley goes to Wright's auto shop to collect the RB-2000, it was gone, and so was Barker. So, Stanley goes to Joe Wright for answers who turns up dead, so badly beaten that Wright's body had to be identified from his dental records.

Today's hydrogen peroxide rocket belts still mimics Moore's original design only with an increased operating capacity of 34 seconds thanks to advances in materials and larger 10 gallon fuel tanks. Unfortunately, the noise, costs, piloting difficulties, and short flight duration continues to limit the packs to roles in advertising, movies and entertainment. Still, a handful of enthusiasts like TAM, Go Fast!, Thunderbolt Aerosystems (Bill Suitor's new employer), Ky Michaelson, and Dan Schlund have kept the dream alive.

2006: Isabel Lozano becomes first 'rocket woman'

One man in particular, TAM's Juan Manuel Lozano Gallegos, is particularly obsessed with jetpacks — any form of rocket propelled travel, really, including rocket cars, bikes, and even helicopters. The self-taught engineer has single-handedly built eight rocket belts (Bell Aerosystems only built four) at a cost of about $35,000 each — his first prototype cost about $500,000 to develop. And since you can't purchase 90 percent concentrated hydrogen peroxide anymore (pharmacies only sell a 3 percent concentration), Juan built a machine to create his own 90 percent solution. Juan is so obsessed with jetpacks that he convinced his daughter — Isabel Lozano — to become the world's first "rocket woman" on August 11th, 2006.

After decades of nothingness in terms of true jetpack innovation, in steps Yves Rossy, aka, "Jet Man," who in November 2006 strapped four, Kerosine-fueld Jet-Cat P200 jet engines to a pair of semi-rigid carbon-fiber wings and rocketed himself Superman-like for a proper six minutes and nine seconds.

In 2008, he hit a descent speed of 189mph over the Alps and in 2010 he dropped from a hot air balloon at 7,900 feet and proceeded to fly for a total of 18 minutes before landing by parachute, wings folded. Oh, and he flew his powered wing over the Grand Canyon. This guy is a hero a mad, mad hero.


That time Sen. Mitch McConnell was fooled by ‘Duffel Blog’

Posted On April 10, 2018 19:46:40

You might think that, somewhere along the way, someone in the staff of a senior senator from Kentucky would have figured out what Duffel Blog really was. Instead, in 2012, a concerned constituent actually had the Senator’s office send a formal letter to the Pentagon concerning Duffel Blog’s report of the VA extending benefits to Guantanamo Bay detainees.

O que Duffel Blog is, on its face, is a satirical news website that covers the military. At the very least, we all laugh. We laugh at the brave Airman who sent his steak back at the DFAC and the Army wife who re-enlisted her husband indefinitely using a general power of attorney. We laugh because the stories’ absurdities are grounded in the reality of military culture.

Duffel Blog and its writers are more than brilliant. What it does at its best is play the role of court jester – delivering hard truths hidden inside jokes. In the case of Senator McConnell’s office sending a letter of concern to the Pentagon over a Duffel Blog piece, the site was hammering the VA, equating using its services to punishing accused terrorists in one of the most notorious prisons in the world.

We laugh, but they’re talking about the VA we all use – and we laugh because there’s truth to the premise.

Paul Szoldra is the founder and Editor-in-Chief of Duffel Blog, former Military and Defense Editor at Business Insider, and was instrumental in the creation of We Are The Mighty. He’s now a columnist at Task & Purpose.

Szoldra speaks the the Got Your 6 Storytellers event in Los Angeles, Calif. (Television Academy)

Speaking truth to power is not difficult for Szoldra, even when the power he speaks to is one that is so revered by the American people that it’s nearly untouchable by most other media. We live in an age where criticizing politicians is the order of the day, but criticizing the military can be a career-ending endeavor. You don’t have to be a veteran to criticize military leadership, but it helps.

“If you go back on the timeline far enough, you’ll find a lot of bullsh*t,” Szoldra says, referring specifically to comments made by generals about the now 17-year-old war in Afghanistan. “And I have no problem calling it out, highlighting it where need be.”

Szoldra doesn’t like that the top leadership of the U.S. military exists in what he calls a “bubble” and can get away with a lot because of American support for its fighting men and women — those fighting the war on the ground. Szoldra, who left the Marine Corps as a sergeant in 2010, was one of those lower-enlisted who fought the war. When he writes, he writes from that perspective.

Szoldra as a Marine in Afghanistan (Paul Szoldra)

“If we’re talking about sending troops into Syria… I wonder what does that feel like to the grunt on the ground,” Szoldra says. “I don’t really care too much about the general and how he’s going to deal with the strategy, I wonder about the 20-something lance corporal that I used to be trying to find IEDs with their feet.”

His work is thoughtful and, at times, intense, but always well-founded. Szoldra also does a semi-regular podcast with Terminal Lance creator, Max Uriarte, where they have honest discussion about similar topics. Those discussions often take more of a cultural turn and it feels more like you’re listening to Marine grunts wax on about the way things are changing – because that’s exactly what it is, with just as much honesty as you’d come to expect from Paul Szoldra and his ongoing body of work.

Szoldra and Max Uriarte record their podcast. (After Action with Max and Paul)

If you liked Szoldra on the show, read his work on Task & Purpose, give After Action with Max and Paul a listen, and get the latest from Duffel Blog. If you aren’t interested in the latest and just want the greatest, pick up Mission Accomplished: The Very Best of Duffel Blog, Volume One at Amazon.

And for a (potentially) limited time, you can get the Duffel Blog party game “WTF, Over? The Duffel Box” by donating to the game’s Kickstarter campaign.


Assista o vídeo: Suspenso no espaço-tempo - Ricardo Pensador