Satanta

Satanta

Satanta, um membro da tribo Kiowa, nasceu por volta de 1830. Ele também era conhecido como Settainte (Urso Branco). Ele desenvolveu uma reputação de guerreiro notável e, aos 20 anos, foi nomeado chefe de sua tribo.

Satanta negociou vários tratados com o governo americano, incluindo Little Arkansas (1865) e Medicine Lodge (1867). Satanta concordou que os Kiowas viveriam em uma reserva indígena. No entanto, quando eles atrasaram sua mudança, Satanta foi apreendido pelo General George A. Custer e mantido como refém até que a migração ocorresse.

Em 1871, Satanta liderou vários ataques a trens de vagões no Texas. Ele foi preso em Fort Sill, Oklahoma, e em seu encalço avisou o que poderia acontecer se fosse enforcado: "Sou um grande chefe entre meu povo. Se você me matar, será como uma faísca na pradaria. Será faça uma grande fogueira - uma fogueira terrível! " Satanta foi considerado culpado de assassinato e condenado à morte, mas Edmund Davis, o governador do Texas, decidiu anular o tribunal e a punição foi mudada para prisão perpétua.

Satanta foi lançado em 1873 e logo voltou a atacar caçadores de búfalos e liderou o ataque a Adobe Walls. Ele foi capturado em outubro de 1874. Não querendo passar o resto de sua vida na prisão, Satanta se matou em 11 de outubro de 1878, mergulhando de cabeça de uma janela alta do hospital da prisão.


Satanta - História

Um chefe de guerra Kiowa, Satanta (Set'tainte, Urso Branco) provavelmente nasceu por volta de 1819 no sul das Grandes Planícies. Uma figura imponente, ele era um guerreiro renomado e membro da sociedade de soldados Koitsenko. Ele emergiu como um líder antes de 1850 e assinou o Tratado de Little Arkansas em 1865. Orador habilidoso, ele rivalizou com Kicking Bird e Lone Wolf pela autoridade tribal após a morte de Dohasan em 1866. Satanta representou os Kiowa no conselho do Medicine Lodge Treaty em 1867. Apesar da aceitação de uma reserva no território indiano, as hostilidades de Kiowa continuaram. Após a Batalha de Washita em novembro de 1868, o tenente-coronel George A. Custer manteve Satanta em cativeiro até que os Kiowa acampassem pacificamente no Forte Cobb.

Em maio de 1871, Satanta participou de um ataque a um vagão de trem no Condado de Young, Texas. Ele, Satank e Big Tree foram presos depois que Satanta se gabou do incidente para o agente Lawrie Tatum em Fort Sill. Ordenado a ir a Jacksboro, Texas, para ser julgado, Satanta foi condenado por assassinato e sentenciado à forca. Sua sentença foi comutada para prisão perpétua e ele foi transferido para a Penitenciária do Estado do Texas em Huntsville. Ele acabou sendo devolvido a Fort Sill, e lá permaneceu até a liberdade condicional em outubro de 1873. Embora o papel de Satanta durante a Guerra do Rio Vermelho seja incerto, sua liberdade condicional estipulou a não agressão de Kiowa. Portanto, ele foi preso no outono de 1874 e voltou para Huntsville. Lá ele cometeu suicídio em 11 de outubro de 1878. Enterrado na prisão, os restos mortais de Satanta foram reenterrados em Fort Sill em 1963.

Bibliografia

Mildred P. Mayhall, Os Kiowas (2ª ed. Norman: University of Oklahoma Press, 1971).

Wilbur S. Nye, Carbine and Lance: a história do Old Fort Sill (3ª edição, rev. Norman: University of Oklahoma Press, 1969).

Carl Coke Rister, "Satanta, Orador das Planícies", Southwest Review 17 (outubro de 1931).

Charles M. Robinson, Satanta: a vida e a morte de um chefe de guerra (Austin, Tex .: State House Press, 1997).

Clarence Wharton, Satanta: O Grande Chefe dos Kiowas e seu povo (Dallas, Tex .: Banks Upshaw and Co., 1935).

Nenhuma parte deste site pode ser interpretada como de domínio público.

Direitos autorais de todos os artigos e outros conteúdos nas versões online e impressa do The Encyclopedia of Oklahoma History é realizada pela Oklahoma Historical Society (OHS). Isso inclui artigos individuais (direitos autorais para OHS por atribuição do autor) e corporativamente (como um corpo completo do trabalho), incluindo web design, gráficos, funções de pesquisa e métodos de listagem / navegação. Os direitos autorais de todos esses materiais são protegidos pelas leis dos Estados Unidos e internacionais.

Os usuários concordam em não baixar, copiar, modificar, vender, arrendar, alugar, reimprimir ou de outra forma distribuir esses materiais, ou vincular a esses materiais em outro site, sem autorização da Oklahoma Historical Society. Os usuários individuais devem determinar se o uso dos Materiais se enquadra nas diretrizes de & quotFair Use & quot da lei de direitos autorais dos Estados Unidos e não infringe os direitos de propriedade da Oklahoma Historical Society como o detentor legal dos direitos autorais de The Encyclopedia of Oklahoma History e parte ou no todo.

Créditos das fotos: todas as fotografias apresentadas nas versões publicadas e online de The Encyclopedia of Oklahoma History and Culture são propriedade da Oklahoma Historical Society (salvo indicação em contrário).

Citação

O seguinte (de acordo com The Chicago Manual of Style, 17ª edição) é a citação preferida para artigos:
Jon D. May, & ldquoSatanta & rdquo The Encyclopedia of Oklahoma History and Culture, https://www.okhistory.org/publications/enc/entry.php?entry=SA024.

& # 169 Oklahoma Historical Society.


Satanta

Nas décadas de 1860 e 1870, os índios Kiowa travaram uma batalha contínua para proteger sua terra e seu modo de vida da invasão dos EUA. Satanta (1830-1878), também conhecido como Urso Branco, foi um dos principais líderes Kiowa a favor da resistência. Além de sua destreza como guerreiro, Satanta também era um orador famoso - fato atestado por seu apelido dado aos americanos de "O Orador das Planícies".

Satanta nasceu nas planícies do norte, mas depois migrou para as planícies do sul com seu povo. Seu pai, Red Tipi, era o guardião dos pacotes de remédios tribais ou Tai-me. Grande parte da vida adulta de Satanta foi passada lutando contra colonos e militares dos EUA. Ele participou de ataques ao longo da Trilha de Santa Fé no início de 1860 e, em 1866, tornou-se o líder dos Kiowa, que apoiava a resistência militar contra as forças militares dos EUA. Em 1867, ele falou no Kiowa Medicine Lodge Council, uma reunião cerimonial anual, onde, por causa de seu discurso eloqüente, os observadores dos EUA lhe deram seu apelido. No conselho, Satanta assinou um tratado de paz que obrigava os Kiowa a se reinstalarem em uma reserva na atual Oklahoma. Pouco depois, no entanto, ele foi feito refém por oficiais dos EUA que usaram sua prisão para coagir mais Kiowa a se reinstalarem em sua reserva designada.

Nos dois anos seguintes, Satanta participou de uma série de ataques no Texas, onde fazendeiros de gado e caçadores de búfalos empurravam constantemente os índios Kiowa e Comanche para as reservas. Foi um desses ataques que acabou levando à captura de Satanta. Em maio de 1871, Satanta planejou uma emboscada ao longo da Butterfield Stage Route em Salt Creek Prairie. Depois de permitir a passagem de um trem menor de vagões médicos, Satanta e seus guerreiros atacaram e confiscaram o conteúdo de um trem maior de dez vagões de carga do exército. Infelizmente para Satanta, o trem que ele permitiu a passagem transportava o general William Tecumseh Sherman, o famoso general da Guerra Civil, então comandante do Exército dos EUA. Sherman interpretou o ataque como um sinal de que uma ofensa mais militante e coordenada era necessária para subjugar os Kiowa e Comanche, que não estavam dispostos a se estabelecer permanentemente em reservas. Pouco tempo depois, Satanta foi atraído para um conselho de paz, foi preso e condenado à morte. Grupos humanitários e líderes indígenas protestaram contra a dura sentença. Em 1873, Satanta recebeu liberdade condicional com a condição de permanecer na Reserva Kiowa.

Em 1874, durante o conflito do Comanche e dos Estados Unidos, chamado Guerra do Rio Vermelho, Satanta se apresentou às autoridades americanas para provar que não estava participando das hostilidades. Sua demonstração de lealdade foi recompensada com prisão. Quatro anos depois, um Satanta doente foi informado de que nunca seria libertado. Ele saltou para a morte da segunda história de um hospital de prisão. □

Cite este artigo
Escolha um estilo abaixo e copie o texto para sua bibliografia.

"Satanta." Enciclopédia da Biografia Mundial. . Encyclopedia.com. 17 de junho de 2021 e lt https://www.encyclopedia.com & gt.

Estilos de citação

A Encyclopedia.com oferece a capacidade de citar entradas e artigos de referência de acordo com estilos comuns da Modern Language Association (MLA), do Chicago Manual of Style e da American Psychological Association (APA).

Na ferramenta “Citar este artigo”, escolha um estilo para ver a aparência de todas as informações disponíveis quando formatadas de acordo com esse estilo. Em seguida, copie e cole o texto em sua bibliografia ou lista de obras citadas.


Chefe Satanta Kiowa

novo

Dietmar
Administrador

Postado por Dietmar em 12 de dezembro de 2006 15:08:09 GMT -5

Começamos uma conversa sobre Satanta em outro tópico, mas achei que seria bom ter algo mais dele para ler. Satanta foi talvez uma das figuras mais controversas da história dos índios americanos. Aqui está um artigo de Charles Robinson III, que também escreveu uma biografia sobre o chefe Kiowa:

Kiowa Chief Satanta
O chefe Kiowa, Satanta, foi um dos homens mais complicados que já existiu nas Grandes Planícies - um diplomata e orador de seu povo que fez sua parte na matança.
Por Charles M. Robinson III

Nas décadas de 1860 e 70, um dos índios das planícies mais conhecidos foi o chefe da guerra Kiowa, Satanta. No Oriente, ele era visto como o orador de seu povo, uma espécie de filósofo rústico que os representava nas negociações de tratados, e suas observações sobre as relações entre índios e brancos eram freqüentemente repetidas em grandes jornais metropolitanos. No Texas, ele foi considerado o arquiteto do Warren Wagon Train Massacre, no qual sete caminhoneiros foram mortos - um assassino que merecidamente foi condenado à morte, mas que, no último minuto, recebeu prisão perpétua devido à política de Reconstrução .

Ambas as visões simplificaram excessivamente um dos homens mais complicados já surgidos das Grandes Planícies - um chefe, diplomata e filósofo altamente inteligente que também era um assassino, mas um homem cuja história de vida só recentemente começou a receber sua medida completa de justiça.

Satanta já era um adulto notável quando entrou na história das planícies do sul. O que se sabe de sua infância se baseia na tradição tribal passada de geração em geração em Kiowa até os dias atuais. Quando ou onde ele nasceu é incerto, mas com base em um acordo geral sobre sua idade entre contemporâneos brancos, pode-se presumir que ele nasceu entre 1815 e 1818, quando seu povo se estendia entre o rio North Platte no que hoje é o oeste de Nebraska e o rio canadense do que hoje é o norte do Texas e o centro de Oklahoma. Seu pai era Red Tipi, o sacerdote Kiowa de sua época, sua mãe parece ter sido Arapaho.

Quando bebê, Satanta era chamado de Costelas Grandes, referindo-se ao físico enorme pelo qual era conhecido ao longo de sua vida. Quando ficou mais velho, recebeu seu nome permanente, Set-t'ainte ou "Urso Branco", talvez baseado em uma visão ou algum tipo de realização pessoal. Como Set-t'ainte é virtualmente impronunciável para qualquer pessoa além de um Kiowa, os brancos transformaram o nome em "Satanta".

Os meninos Kiowa começaram a treinar como guerreiros bem cedo e foram enviados por conta própria assim que se mostraram capazes. Aos 20 anos, a maioria se casou e começou uma família própria. Satanta, no entanto, não teve essa liberdade inicial. A tradição Kiowa afirma que Red Tipi estava tão orgulhoso de seu filho que manteve Satanta sob supervisão estrita muito depois de a maioria dos jovens ter saído por conta própria. Quando seu pai finalmente o libertou ao mundo, Satanta tinha quase 30 anos e estava totalmente preparado para seu papel na Nação Kiowa.

Satanta entra para a história convencional em meados da década de 1850, quando atraiu pela primeira vez a atenção de soldados ligados a expedições militares no país de Kiowa. Embora ele ainda fosse um subchefe, todos notaram sua grande estrutura e traços finos. Um oficial, o capitão Richard T. Jacob, descreveu-o como "um homem de físico magnífico, tendo mais de um metro e oitenta de altura, bem constituído e bem proporcionado" - uma descrição que se repetiria ao longo da vida de Satanta. Os brancos também notaram sua inteligência, personalidade forte e arrogância. Ele tinha um bom senso dramático, mas qualquer um que considerasse sua postura nada além de espetáculo subestimou totalmente o homem. Por baixo de sua teatralidade, ele era um guerreiro e líder notável. No auge de seu prestígio no final da década de 1860, os brancos da fronteira o odiavam e temiam.

Satanta teve destaque na guerra intertribal da década de 1850, bem como nas negociações de tratados com o governo dos EUA. Durante uma conferência sobre o tratado em Fort Atkinson, Território do Kansas, em 1853, ele transmitiu as queixas de Kiowa a um oficial dragão, o major Robert Hall Chilton. Um dos soldados, o soldado Percival Lowe, achou que Chilton e Satanta combinavam muito bem, ambos sendo durões e intransigentes, e um entendendo o outro.

Na época deste tratado, Satanta tinha quase 40 anos e era um guerreiro notável. Na batalha, ele usava tinta vermelha na parte superior do torso, rosto e cabelo, e um colete de pele de gamo pintado de vermelho de um lado e amarelo do outro. Entre seus associados estava o antigo curandeiro Cavalo Negro, que forneceu o equipamento de batalha mais importante de Satanta - um dos escudos sagrados usados ​​durante a Dança do Sol de Kiowa. Para aceitá-lo, Satanta teve que sacrificar sua própria carne ao sol fazendo quatro cortes profundos na parte de trás de cada ombro, logo acima da junta com o braço, uma oferenda dolorosa e duradoura. Ele carregou o escudo durante ataques contra outras tribos e no México.

Embora os Kiowa pudessem considerar o escudo solar como o bem mais importante de Satanta, entre os brancos sua marca registrada mais conhecida era a corneta que ele tocava para sinalizar um ataque ou anunciar sua presença. Os Kiowa dizem que capturou o clarim durante uma luta com tropas federais após observar os soldados respondendo aos diferentes toques de clarim. Embora outros índios também carregassem clarins e sinalizassem aos guerreiros com chamados do exército durante as lutas, os brancos ligavam isso a Satanta e automaticamente presumiam que ele estava presente se ouvissem um clarim durante uma luta indígena.

A Guerra Civil forneceu novas oportunidades para os índios expandir suas depredações com virtual impunidade. Com a maioria dos soldados retirados para lutar no Leste, a fronteira estava mais ou menos indefesa e eles podiam atacar à vontade. O Texas, um de seus territórios de saqueadores tradicionais, era um alvo particularmente atraente. Como o Texas era um estado confederado, o Norte não apenas olhou para o outro lado, mas incentivou ativamente a invasão. De acordo com o etnólogo James Mooney, os Kiowa "claramente declararam que foram instruídos por oficiais militares do governo [federal] para fazer todo o dano que pudessem ao Texas, porque o Texas estava em guerra com os Estados Unidos".

O ano de 1864 foi um dos mais sangrentos da história das planícies do sul. Satanta começou liderando um ataque nas proximidades de Menard, no oeste do Texas, onde ele e seus guerreiros mataram vários brancos e levaram uma mulher para o cativeiro. Então, ele se juntou a outros índios das planícies em depredações no Colorado, pelas quais os amigos cheyenne seguidores de Black Kettle posteriormente sofreram no sem sentido Massacre de Sand Creek.

Um dos piores ataques foi no condado de Young, Texas, em outubro de 1864. Embora o chefe Comanche Little Buffalo liderasse o grupo de guerra, um dos cativos mais tarde disse a seus salvadores que um chefe Kiowa chamado "Satine" havia tocado uma corneta para sinalizar o outros. Não há dúvida de que era Satanta. Em uma operação posterior, ele sequestrou vários membros de uma família texana chamada Box e, satisfeito com o resgate pago pelo governo, observou que o tráfico de mulheres brancas era mais lucrativo do que o roubo de cavalos.

Em 1867, ataques de Satanta e outros no sul, combinados com a Guerra da Nuvem Vermelha no norte, levaram o governo a tentar negociar tratados com as várias tribos das planícies. Este foi o segundo esforço de paz em dois anos. O anterior Tratado do Pequeno Arkansas, do qual Satanta participou, não havia realizado nada. Agora, mais uma vez, os comissários federais se reuniram com as tribos, desta vez perto de Medicine Lodge Creek, no Kansas, em outubro de 1867.

Os comissários se reuniram em Fort Larned, onde Satanta e vários outros chefes os encontraram e os acompanharam por 80 milhas até o local da conferência. Durante o conselho, Satanta chamou a atenção dos correspondentes noticiosos, incluindo o jovem Henry Morton Stanley, que mais tarde ganharia fama como o maior de todos os exploradores africanos.

Satanta falava com frequência, a certa altura fazendo um discurso que mais tarde se tornou leitura obrigatória nas aulas de literatura americana. Ele disse: "Ouvi dizer que você pretende reservar uma reserva perto das montanhas de [oeste de Oklahoma]. Não quero me acomodar, adoro vagar pela pradaria. Sinto-me livre e feliz, mas quando nos estabelecermos, conseguiremos pálido e morre. Há muito tempo atrás esta terra pertencia aos nossos pais, mas quando eu subo ao rio [Arkansas] vejo acampamentos de soldados em suas margens. Os soldados cortam minha madeira, matam meu búfalo e quando eu vejo isso meu coração parece explodir, sinto muito. "

Embora suas palavras possam ter impressionado as gerações posteriores, na época elas tiveram pouco efeito sobre os comissários de paz, que, de acordo com Stanley, deram a Satanta "um olhar um tanto vazio". Não obstante, nesta e nas declarações subsequentes, o chefe conseguiu desconcertar os comissários sobre o fracasso do governo em cumprir as obrigações dos tratados anteriores. O fato de o próprio Satanta violar tratados quando lhe convinha não se tornou um problema importante. No final, os Kiowa concordaram em assinar o tratado e aceitar a reserva que Satanta considerou questionável. Eles também concordaram em aceitar escolas, anuidades e suprimentos do governo e mudar de incursões para a agricultura.

Como tantos outros tratados, o pacto da Loja de Medicina era impraticável. O governo tentou manter a fé, mas foi prejudicado pela burocracia. A facção de guerra Kiowa, liderada por Satanta e Lone Wolf, não estava realmente interessada em fazer funcionar. Apesar das alegações do major-general Philip H. Sheridan, no entanto, as evidências documentadas mostram que Satanta estava em outro lugar quando o tenente-coronel George Armstrong Custer atacou os acampamentos indígenas das planícies ao longo do Washita durante a campanha de inverno de Sheridan em 186869. E estando ausente, ele também não foi responsável pela morte naquela luta da cativa branca Clara Blinn, pela qual Sheridan o culpou especificamente. Mesmo assim, Sheridan ordenou que Custer prendesse Satanta e Lone Wolf, e eles foram mantidos em confinamento por várias semanas. Após a liberação, Satanta voltou ao seu antigo hábito de invasão.

Satanta finalmente levou a sorte longe demais quando participou do Massacre da Trilha de Warren Wagon perto de Fort Richardson, Texas, em 18 de maio de 1871. Retornando à Agência KiowaComanche perto de Fort Sill (sudoeste de Oklahoma), ele se gabou do ataque e das mortes em O agente Lawrie Tatum incriminou vários outros chefes, incluindo o idoso chefe da guerra Satank e o subchefe adolescente Big Tree. Tatum relatou as vaias ao Fort Sill, onde o General W.T. Sherman estava sob inspeção, tendo acabado de chegar do Fort Richardson. Sherman estava ciente do ataque de Warren e por pouco não morrera nas mãos do mesmo grupo de guerra, que o avistara um dia antes do massacre. Sherman prendeu Satanta e Satank e os ordenou, junto com Big Tree, para o Texas para julgamento.

O velho Satank (que muitas vezes é confundido com Satanta por causa de seus nomes semelhantes) saltou para um guarda em Fort Sill e foi morto. Satanta e Big Tree foram julgados por um júri do Texas e condenados por sete acusações de assassinato no massacre de Warren. O júri fixou suas sentenças na morte por enforcamento. A pedido do agente Tatum, um quacre, e do juiz Charles Soward, que presidiu o julgamento, o governador Edmund Davis comutou suas sentenças para prisão perpétua e, em 2 de novembro de 1871, Satanta e Big Tree entraram na penitenciária estadual em Huntsville.

Embora Tatum defendesse o envio de chefes mais hostis para a prisão, seus superiores no comitê quaker que administrava todas as agências das planícies do sul imediatamente começaram a fazer lobby por um perdão para os dois chefes. Davis, um governador da Reconstrução, recusou a ideia, mas depois de 23 meses de disputas e pressão de Washington, finalmente concordou em dar liberdade condicional a Satanta e Big Tree contra o bom comportamento dos Kiowa como um todo.

Muito do espírito de luta havia deixado Satanta quando ele retornou ao seu povo, e, quando os Kiowa debateram se deveriam entrar na Guerra do Rio Vermelho em 1874, ele declarou publicamente sua posição renunciando ao cargo de chefe de guerra e dando sua lança médica simbólica e escudo para outros guerreiros. Mesmo assim, ele estava presente quando a luta estourou. Embora ele possa não ter participado dela, ele se associou a chefes hostis, e o envolvimento de Kiowa na guerra foi, em si, considerado uma violação da liberdade condicional. Ele foi preso e devolvido a Huntsville.

Com o passar do tempo, Satanta pareceu perder a vontade de viver e se tornou uma figura simpática. Até Thomas J. Gorree, superintendente da penitenciária, defendeu sua libertação. O governo, no entanto, insistiu em que ele permanecesse confinado. Finalmente, em 11 de outubro de 1878, ele cortou os pulsos. Ao ser levado para o segundo andar do hospital da prisão, ele saltou do patamar. A queda o matou.

Os descendentes de Satanta acreditam que ele foi empurrado para fora do patamar, porque o suicídio não estava em sua natureza. Ainda assim, seria característico de Satanta, em seu último ato como guerreiro Kiowa, privar os brancos da vitória tirando sua própria vida. Eles tinham seu cadáver, mas não sua obediência. E para um guerreiro, essa é uma morte honrosa.


Legends of America

Chefe Satanta da tribo Kiowa.

Conhecido por seu povo como Set-Tainte, que significa & # 8220 Pessoa Urso Branco, & # 8221 Satanta foi um grande guerreiro Kiowa que mais tarde se tornaria o chefe principal nas Guerras Kiowa das décadas de 1860 a 1870 e era conhecido como & # 8220O Orador de as planícies. & # 8221

Ele nasceu por volta de 1820, durante o auge do poder das tribos das planícies, provavelmente ao longo do rio canadense nos tradicionais acampamentos de inverno de seu povo.

Depois de desenvolver uma reputação como um guerreiro notável, ele foi nomeado subchefe de sua tribo sob o chefe Dohasan quando ainda tinha vinte e poucos anos. Na aparência, ele foi descrito como alto, com um físico fino, porte ereto e um olhar penetrante.

Ele lutou com o chefe Dohasan na Primeira Batalha de Adobe Walls em 1864 e ganhou fama duradoura por usar uma corneta do exército para confundir as tropas na batalha.

Suas habilidades orais lhe renderam o título de & # 8220Orator of the Plains & # 8221 e, como tal, ele negociou vários tratados com o governo americano, incluindo o Tratado de Little Arkansas em 1865 e o Tratado da Loja de Medicina em 1867, que exigia que os Kiowa ser colocado em uma reserva.

O tratado garantiu ao povo Kiowa o domínio sobre as terras reservadas para eles, mas os colonos brancos continuaram a invadir seu território e, como resultado, os Kiowa continuaram a invadir os assentamentos e perseguir os imigrantes.

A situação instável piorou quando o chefe Dohasan morreu em 1866 e, sem sua liderança forte, a competição entre vários subchefes, incluindo Satanta, Guipago e Tene-angopte, resultou em mais ataques nas planícies do sul do Kansas ao Texas, durante a queda de 1866 e em 1867. Durante uma dessas incursões no Texas Panhandle, os Kiowa mataram um homem chamado James Box e capturaram sua esposa e quatro filhos, que venderam ao exército em Fort Dodge, Kansas.

Nessa época, a fama de Satanta como guerreiro e líder estava crescendo, mas ele não foi capaz de neutralizar um confronto entre os Kiowa e a Cavalaria dos EUA perto de Fort Zarah, Kansas em 1867. Depois que um jovem guerreiro Kiowa foi morto no acampamento civil perto do forte do exército, os Kiowa se reuniram para vingar sua morte, e a cavalaria retaliou atacando o acampamento Kiowa, no qual várias crianças foram mortas durante a breve escaramuça.

Medicine Lodge, Tratado de Paz de Kansas

O Tratado da Loja de Medicina de 1867 não conseguiu resolver as fontes de conflito e, no início de 1868, os Kiowa e outras tribos das planícies estavam atacando ativamente os colonos brancos.

Temendo que esses ataques estivessem levando a um levante indiano, o general Philip H. Sheridan foi enviado para restaurar a ordem na & # 8220campanha de inverno & # 8221 de 1868-69. A estratégia de Sheridan de destruir casas e cavalos Kiowa diminuiu a vontade de resistir dos Kiowa, especialmente depois que o tenente-coronel George A. Custer destruiu a aldeia Cheyenne no sul do rio Washita em 27 de novembro de 1868.

Ao ouvir sobre a vontade de Custer de matar mulheres e crianças, Satanta e Guipago decidiram se render. Voando uma bandeira de trégua, os dois chefes abordaram Custer em 17 de dezembro, mas foram imediatamente presos e mantidos por quase três meses enquanto Custer pedia permissão para enforcá-los. Finalmente, em fevereiro de 1869, Tene-angopte negociou sua liberdade prometendo que os Kiowa voltariam à reserva e cessariam todos os ataques aos colonos brancos.

Warren Wagon Train Raid por Buck Taylor.

No entanto, em 1871, Satanta e seus seguidores obviamente não estavam satisfeitos com a reserva e começaram a fazer uma série de ataques aos trens de vagões no Texas. Em 18 de maio de 1871, Satanta, junto com Big Tree e Satank, liderou o Warren Wagon Train Raid no Texas. Também conhecido como & # 8220The Salt Creek Massacre & # 8221, o incidente ocorreu quando Henry Warren foi contratado para transportar suprimentos para os fortes do Texas, incluindo Fort Richardson, Fort Griffin e Fort Concho. Enquanto o trem de carga estava viajando pela estrada Jacksboro-Belknap em 18 de maio em direção a Salt Creek Crossing, eles encontraram o general William T. Sherman, que antes havia permitido que Satanta e seus homens passassem sem serem molestados. Menos de uma hora depois, a carruagem avistou um grupo de cerca de 100 guerreiros.

Reconhecendo um ataque iminente, o trem de vagões rapidamente entrou em formação de anel, mas os 12 pilotos foram dominados pelos guerreiros. Quando o ataque acabou, os índios capturaram todos os suprimentos e mataram e mutilaram sete dos wagoneers. Cinco homens conseguiram escapar e Thomas Brazeale conseguiu chegar a Fort Richardson a pé, a cerca de 20 milhas de distância. Quando o coronel Ranald S. Mackenzie soube do ataque, imediatamente informou ao general Sherman, que por sua vez despachou Mackenzie para levar os índios infratores à justiça.

Guerreiro Kiowa Setangya, também conhecido como Satank, Urso Sentado, de William S. Soule

Sua missão, entretanto, provou ser desnecessária, pois Satanta, logo após retornar do ataque com seus homens a Fort Sill, Oklahoma, para reclamar suas rações, foi questionado pelo agente indiano Lawrie Tatum. O guerreiro, obviamente usando mau julgamento, respondeu gabando-se do ataque, e um horrorizado Tatum rapidamente entregou os chefes ao General Sherman. Os guerreiros foram então enviados a Jacksboro, Texas, para serem julgados por assassinato. Com as mãos e os pés amarrados, Satanta, Satank e Big Tree deixaram Fort Sill em 8 de junho de 1871. Satank foi morto mais tarde enquanto resistia a um guarda e Satanta foi avisado de que poderia ser enforcado por seus crimes. A isso, Satanta respondeu: & # 8220Sou um grande chefe entre meu povo. Se você me matar, será como uma faísca na pradaria. Isso fará um grande incêndio & # 8211 um terrível incêndio! & # 8221

Satanta e Big Tree foram julgados no Texas e condenados à morte, mas o governador do Texas, Edmund Davis, anulou o tribunal e a punição foi mudada para prisão perpétua. Enquanto estava na prisão, um visitante o descreveu como & # 8220 um homem alto e bem formado, com uma carruagem principesca, em quem até mesmo o traje da prisão parecia elegante. & # 8221 Apenas dois anos depois, Satanta foi libertado em 1873, condicionado ao bom comportamento de seu povo.

No ano seguinte, Satanta e seus guerreiros estavam de volta ao caminho da guerra, atacando caçadores de búfalos e se engajando no que é conhecido como a Segunda Batalha de Paredes de Adobe, que ocorreu em 27 de junho de 1874.

Em outubro de 1874, Satanta foi capturado e mais uma vez colocado na Penitenciária do Texas em Huntsville. Não querendo passar o resto de sua vida na prisão, Satanta suicidou-se em 11 de outubro de 1878, atirando-se de uma janela alta do hospital da prisão.

Big Tree, com outros chefes considerados secretamente hostis, foram confinados como prisioneiros em Fort Sill, Oklahoma. Após o lançamento de Big Tree & # 8217s, ele continuou a viver em um lote da reserva até sua morte em 1929.


Logotipo da Satanta USD 507

Os alunos da Satanta High School (SHS) envolvidos no Clube de Ciências e História da escola e rsquos trabalharam durante dois anos para arrecadar fundos para fazer uma viagem educacional pelo Kansas nesta primavera. Esta viagem aconteceu de 27 a 29 de abril. O Sr. Tim Dusin, instrutor de ciências sociais do SHS, e a Sra. Crystal Naylor, instrutor de ciências do SHS, foram os patrocinadores que acompanharam esses alunos do ensino médio em sua viagem. Maureen Wagner dirigiu o ônibus de atividades Satanta para uma aventura de três dias.

A programação da viagem incluiu uma parada no sábado no Cosmosphere em Hutchinson, onde os alunos experimentaram experimentos com fogo real e visitaram o museu. A viagem continuou naquele dia no parque Tanganyika Wildlife perto de Wichita, onde eles puderam alimentar as girafas e andar de camelo. Eles passaram a noite em Kansas City na noite de sábado.

No domingo, a viagem continuou com uma visita ao museu da Primeira Guerra Mundial em Kansas City, onde os alunos puderam homenagear as vidas que foram perdidas naquela terrível guerra. O sábado terminou com um jogo do Kansas City Royals contra o Las Angeles Angels.

Após o jogo, os alunos viajaram para Topeka para a última parada. Na segunda-feira, os alunos puderam visitar a Suprema Corte do Kansas e a capital do estado. Leslie Cabrera diz: & ldquoFoi uma ótima experiência educacional. Agradeço a escola nos deixar ir e aos nossos professores e à Sra. Wagner por nos ajudar a tornar esta viagem memorável. & Rdquo


História da Biblioteca

A biblioteca Satanta foi fundada em novembro de 1931 por quatro clubes femininos Satanta: The American Legion Auxiliary, Santee, Owaissa e Wohelo. Os clubes Santee e Owaissa ainda estavam ativos até alguns anos atrás. A jovem Owaissa ainda está ativa hoje e é chamada de clube YO. No final do anuário, encontra-se uma cópia manuscrita do estatuto e um recorte de jornal com o título “Clubes lançam campanha para a Biblioteca Municipal”.

A Biblioteca foi fundada durante a Grande Depressão e os tempos de economia pobre dos anos de Dust Bowl. Durante esse tempo, a biblioteca recebeu financiamento para os salários dos bibliotecários do Kansas Emergency Relief Committee (KERC). Posteriormente, o financiamento veio da Works Progress Administration (WPA), que fazia parte do projeto New Deal do presidente Franklin D. Roosevelt & # 8217s.

A ata de 17 de novembro de 1931 observou que a Constituição e os Regulamentos foram lidos e aceitos conforme redigidos. O Conselho da Escola Primária votou para permitir que a biblioteca seja localizada em uma sala no prédio da escola primária. Os primeiros membros do Conselho da Biblioteca foram:

As regras para fazer check-out de um livro em 1933: apenas UM livro poderia ser retirado em um cartão, a menos que o indivíduo pagasse 10 centavos por um segundo cartão para permitir o check-out de um segundo livro.

Hoje, a Dudley Township Library é financiada por meio de uma arrecadação da fábrica de Dudley Township. Em dezembro de 1961, um prédio de tijolos louros foi concluído em 105 Sequoyah para abrigar a Biblioteca Dudley Township. O edifício foi adicionado na década de 1970.

A história da Biblioteca Satanta foi compartilhada pela primeira vez no almoço da Câmara de Comércio de Satanta em 1º de dezembro de 2008. A informação foi extraída das atas do conselho da biblioteca de 1931-1944 por Leanne Tschanz, membro do conselho da Dudley Township Library.

Notas do autor & # 8217s: Minha fonte primária de informação são as atas manuscritas do conselho da biblioteca de novembro de 1931 a janeiro de 1944. As atas foram registradas à mão em um anuário de 1929, elogios de James Patrick, um abstrator vinculado. James Patrick comprou o primeiro lote de construção em Satanta em 1912 e seu escritório imobiliário foi um dos primeiros negócios em Satanta.


Sisällysluettelo

Satantan tarkkaa syntymäaikaa ja -paikkaa ei ole yleisessä ateossa, eikä hänen nuoruudestaan ​​löydy luotettavia merkintöjä. Ruumiinrakenteeltaan hänet on kuvattu lapsesta lähtien kookkaaksi. [2] Hänen nimeään Set-Tainte eivät pystyneet lausumaan kuin kiowat, joten nimi muotoiltiin helpompaan muotoon Satanta. Soturina hän osoittautui erinomaiseksi taisteltuaan ylipäällikkö Dohasanin alaisuudessa monien vuosien ajan.

Satanta nousi 1860-luvun alussa päällikön asemaan. Yhdessä muiden alipäälliköiden tavoin hän käytti sodan ja diplomatian keinoja hillitsemään Texasissa Yhdysvaltain asutuksen lisääntyvää leviämistä. Vuosina 1865 ja 1867 hän osallistui neuvotteluihin kiowien maiden luovuttamisesta Yhdysvalloille. Reservaattiin siirtymisen vaikeutui, kun everstiluutnantti George Armstrong Custerin joukot hyökkäsivät vuonna 1868 läheiseen cheyennien talvileiriin ja surmasivat yli sata intiaania. [4] Verilöylyn pelästyttäminä uuteen reservaattiin matkaavat kiowat lähettivät lapsensa ja naisensa päinvastaiseen suuntaan. Custer pidätytti vaikutusvaltaisimmat kiowapäälliköt Lone Wolfin ja Satantan ja piti heidät vankeudessa, kunnes kiowat oli saman vuoden loppuun mennessä saatuattiin. [5]

Kiowien ja Yhdysvaltojen väliset vihamielisyydet lisääntyivät uudelleen vuoden 1870 aikana. Satanta ja suurin osa kiowista vihasivat elämää reservaatissa. Intiaaniasiamiesten kautta tuleva naudanliha oli sitkeää eikä ollut verrattavissa biisonin lihaan. Heille tarjottu maissi oli mautonta. [6] Hallituksen vuotuisten muona-annosten pieneneminen ja valkoisten metsästäjien järjestämät biisonien joukkoteurastukset eteläisillä tasangoilla saivat Satantan johtamaan sotapäällikkönä kiowat hyökkäyksiin Texasin uudisasutuksia vastaan. [7] Kun Satanta kiowineen palasi reservaattiin, he eivät myöntäneet olleensa hyökkäysten takana. [6]

Seuraavana vuonna Satantan katkeruus kasvoi. Hän liittyi reservaattiensa kurinalaisuudesta tarpeeksi saaneisiin kiowiin ja comancheihin, ja johti nämä eteläisillä tasangoilla liikkuvien vankkurikaravaanien kimppuun. Näistä hyökkäyksistä historiaan on jättänyt surullisen merkkinsä toukokuussa 1871 suoritettu Warren Wagonin verilöylynä tunnettu tapahtuma. Satanta ja noin sadan soturin joukko, joista osa oli aseistettu uusin kiväärein, pysäytti maissia kuljettavan karavaanin ja surmasi seitsemän vankkurinkuljettajaa. Eräs kuljettajista oli kahlittu vankkurin pyörään ja poltettu. [8] Tapahtumapaikalta pakoon selvinnyt vahvisti surmien tekijöiden olleen reservaatistaan poistuneita kiowia. Intiaanit olivat halunneet aseita ja ammuksia. Satanta myönsi myöhemmin olleensa murhaajien johtaja ja perusteli tekoa reservaatin ankeilla oloilla. [6]

– Kiowa-johtaja Satanta. [6]

Satanta joutui valkoisen tuomioistuimen eteen, ja hänet tuomittiin vankeuteen kahden muun kiowan kanssa. Alkuperäinen murhasyyte hylättiin, ja kahden vuoden kuluttua Satanta pääsi moitteettoman käytöksen ansiosta ehdonalaiseen vapauteen. Vapautuminen osui kuitenkin mahdollisimman huonoon aikaan. Comanchien merkittäväksi johtajaksi noussut Quanah Parker aloitti samanaikaisesti laajamittaiset hyökkäykset Texasin siirtolaisasutuksia vastaan. Vuonna 1873 aikana Parker ja hänen soturinsa, joihin kuului hänen oman heimonsa lisäksi kiowia, cheyennejä ja arapahoja, levittivät pelkoa ympärilleen ja saivat seuraavana vuonna aikaan parikymmentä yhteenottoa Yhdysvaltain armeijan kanssa Red Riverin sodassa. [9]

Viimeisistä sodista sivussa pysynyt Satanta pidätettiin uudelleen vuonna 1874. Hän kielsi osallisuutensa, mutta hänen sanojaan ei uskottu, ja hänet passitettiin Texasin valtionvankilaan Huntsvilleen neljäksi vuodeksi. Määräajan tultua täyteen hän vankilaelämän masentaneena, sairaana ja katkeroituneena kertoi kärsineensä vankeustuomionsa ja haluavansa vapauteen. Kun Satantan pyyntöihin ei suostuttu, hän hakeutui vankilan lääkärin vastaanotolle. Lääkäri lähetti Satantan vankilan sairaalaan, jossa tämä lokakuussa 1878 teki itsemurhan heittäytymällä toisen kerroksen ikkunasta pää edellä maahan. [10]


Satanta

"Satanta would ride into Fort Chadbourne splendidly mounted, dressed in beautiful fashion carrying a shield ornamented with a white woman's scalp from which hung a suite of beautiful brown hair."

"After he was returned to the penitentiary in 1874, he saw no hope of escape. For awhile he was worked on a chain gain which helped to build the M.K. & T. Railway. He became sullen and broken in spirit, and would be seen for hours gazing through his prison bars toward the north, the hunting grounds of his people."

Both illustrations and captions from History of Texas by Clarence R. Wharton, 1935.

Like his counterpart Comanche chief Quanah Parker, the Kiowa chief Satanta (White Bear) led his people in the titanic struggle to expel the white man from his ancestral homeland. And, like Parker, he lived to see his people eclipsed in defeat and exile. One of the most feared of all Indian leaders, his life inspired the character of Blue Duck in Larry McMurtry's classic Texas novel Lonesome Dove.

Satanta was born around 1820 in Kiowa country, somewhere in present-day Kansas or Oklahoma. Little is known of his early life. As he grew up, he became a warrior, participating in raids against the Cheyennes and the Utes and raiding white settlements in Texas and Mexico for horses and other booty. By 1865, the tall, muscular Kiowa had become important enough to accompany Dohäsan (Little Mountain), the principal chief of the Kiowas, and two other well-known chiefs to treaty negotiations.

Dohäsan led the Kiowas for more than thirty years and was renowned as both a warrior and a shrewd politician. As long as he was living, Satanta and other subchiefs were willing to follow his lead, tacking between war and diplomacy to stop the increasing flow of whites into their lands. But after Dohäsan died in 1866, the leadership of the Kiowas split. The majority of Kiowas threw in their lot with the peace chief, Kicking Bird. The warlike younger men were divided between two war chiefs, Satanta and Lone Wolf. The competition set off an especially fierce round of raids across the southern plains in 1866 and 1867.

Satanta's exploits earned him the right to represent the Kiowas at the Medicine Lodge Treaty council in Kansas in October 1867. In spite of the success of their raids, Satanta and the elderly chief who accompanied him, Satank (Sitting Bear), both realized that the Kiowas were in deep trouble. Like other tribes, they had been greatly weakened by epidemic disease. Moreover, it was easy to see that the U.S. army was increasing its presence in the West now that the American Civil War had ended. Satanta and Satank signed the treaty, which required that the Kiowas move to a reservation in Oklahoma. However, the treaty was a dismal failure, and the Kiowas were back on the warpath within months.

During the winter of 1868-1869, the U.S. army undertook its most important campaign against the Indians in decades. The so-called "winter campaign" of General Phil Sheridan made use of all of the devastating tactics learned by the Army in the Civil War, including burning the Indians' homes, killing their horses, and even entering villages to kill unarmed women and children. The militants Satanta and Lone Wolf decided to surrender to a subordinate of Sheridan's, Colonel George Armstrong Custer, rather than risk a massacre of their people. Custer took the two chiefs hostage and held them prisoner for several months until Kicking Bird won their release by promising to take the Kiowas to the reservation.

An uneasy peace lasted until the spring of 1871, when fourteen white Texans were killed in renewed raids by the Kiowas. Lone Wolf and Satanta were both leading their own factions again, and Satanta headed out of the reservation with a war party of about one hundred warriors, including the able Big Tree and the elderly Satank. Their raids culminated in the notorious Warren Wagon Train Raid (See Native American Relations in Texas for more.) Back at Fort Sill, Oklahoma, Satanta bragged openly about the massacre. He was arrested by the commander of the U.S. Army, General William Tecumseh Sherman, and taken under guard for trial at Fort Richardson in Jacksboro, Texas.

A lieutenant at the fort vividly described Satanta when he arrived at the fort: "He was over six feet and, mounted on a small pony, seemed taller. He was stark naked but for a breech clout and beaded moccasins. His coarse black hair, powdered with dust, hung tangled about his neck except a single scalp lock with an eagle feather to adorn it. The muscles stood out on his giant frame like knots, and his form was proud and erect in the saddle, while his motionless face and body gave him the appearance of a bronze statue. Nothing but his intensely black glittering eyes betokened any life in his carved figure. Every feature of his face spoke disdain for the curious crowd that gathered about him. His feet were lashed with a rawhide lariat under the pony's belly, and his hands were tied. Disarmed and helpless, he was a picture of fallen savage greatness."

The trial of Satanta and Big Tree became a national sensation. (Satank was killed before the trial in an escape attempt.) It was the first time that Indian chiefs had been tried for murder in a court of law. They were sentenced to death. Under pressure from eastern humanitarians and fearing igniting a larger Indian war, Governor Edmund J. Davis commuted their sentences to life in prison and ordered Satanta and Big Tree locked up in Huntsville prison.

After two years, Davis paroled the chiefs in a move designed to appease the Kiowas, who were increasingly outraged about the slaughter of the buffalo. Needless to say, this decision was extremely unpopular with white Texans and with General Sherman, who wrote, "I believe Satanta and Big Tree will have their revenge, if they have not already had it, and if they are to take scalps, I hope that yours is the first that will be taken."

Nor did the parole have the effect for which Davis hoped. Within mere days of being released from custody, Kiowa and Comanche war parties descended on Texas. Over the next year, Satanta was often seen on these deadly raids, including the Second Battle of Adobe Walls in June 1874, a debacle that all but destroyed the Kiowas as a military power. In September 1874, Satanta turned himself in to authorities and was taken back to Huntsville to resume serving his life sentence.

Four years later, Satanta committed suicide by jumping out a window. He was buried in the prison graveyard. In 1963, Satanta's grandson claimed his body and returned it for burial in Fort Sill, Oklahoma.

Satanta I speak to
Lone Wolfe, Kicking Bird and all and
want them to pick up a good road
to the other Comanches now raiding

in Texas I want them to quit it and
stay here on the reservation. This Chief
(Mr Smith) has come from Washington to
tell them what the Great Father wants
them to do. While in Texas in prison I
was treated kindly, no one struck or abused
mim. Some one told my tribe I was dead
which was wrong. I mean what I say.
I take my Texas father by the hand and
hold him tight. I am half Kiowa and
half Arrapahoe [sic]. Whatever the white man
agrees in, that is what I want my
people to do. Strip these things off of
me that I have worn in prison, turn
me even to the Kiowas and I will live
on the white man&rsquos road forever. Vez
me over to my people and they will do as
the white man wants them. The Father
in Washington has selected good men to
meet my tribe and do what is good. o
best thing to do for my people is to re-
lease me. That is what I have to
say to the White People and now I will
talk to my Chiefs.

(He addresses his people in Kiowa
and on being told that he must
talk to them in Comanche so that
the Interpreter could interpret what

he said he desisted from saying
more and took his seat.)

(Lone Wolfe. Kiowa Chief.) My people
have come here to-day to hear what the
Governor of Texas has to say to them
and afterwards we will answer.

Satanta's speech at the Negotiations Concerning Satanta and Big Tree, October 6, 1873. Texas Indian Papers Volume 4, #224, Archives and Information Services Division, Texas State Library and Archives Commission.


Silent Death

This 1880s cabinet photo taken at Arizona’s Fort Apache features an Indian holding two arrows in his bow that looks to be a Self Bow, made of one piece from local wood, possibly willow, mesquite, cottonwood or juniper. His 1883 blue wool U.S. Army shirt and woven canvas cartridge belt indicate
he may be a scout.
– Courtesy Phil Spangenberger Collection –

Silent, deadly and accurate at close range, the American Indian’s handmade bow was capable of rapid fire. Because the archer’s bow threw a projectile, it could easily be considered the predecessor to the gun. In the early days of the frontier, it was even superior to the settler’s firearms.

While the bow predates recorded history, some historians feel the weapon did not make its first appearance in North America until around AD 1000, when early Viking explorers introduced it to northeastern North America. Others believe indigenous peoples of the continent knew about the bow as early as 500 BC, although it reportedly began spreading from Alaska down through North America around 2000 BC. Regardless, by the time settlers made contact with frontier Indians, the bow had become a staple for hunting or war.

Up until the mid-19th century and the introduction of repeating firearms, the Indian’s bow was superior to the clumsy, often unreliable and slow loading muzzle-loading weapons of the Europeans. Lead for ammunition for guns could be difficult for Indians to obtain, while the bow’s ammunition—arrows—were literally growing on trees. Easy to make in large quantities, the bow offered rapid fire and reliability.

Artist George Catlin put it best when he wrote of his travels in the 1830s: “An Indian…mounted on a fleet and well-trained horse, with his bow in his hand, and his quiver slung on his back, containing an hundred arrows, of which he can throw fifteen or twenty in a minute, is a formidable and dangerous enemy.”

Indian bows were made in a variety of configurations, such as straight bows, or single or double recurve bows. As a rule, Indian bows ran about three feet in length, although they occasionally reached as long as five. Records show that their bows seldom exceeded what we know as a 60-pound pull, the necessary force to bring the bow to full draw.

Indians made their bows out of natural materials, generally of wood, such as cottonwood, willow, hickory, oak, ash, mesquite, birch, evergreen or any tree found in the Indian’s locale. Bows made from animal parts, such as deer antler, buffalo ribs or whalebone, were also common in certain regions.

Today’s collectors have narrowed Indian bows down to four main types. The first is the most common class of North American bow, the Self Bow, made of one piece of material, usually wood. Next is the rarely encountered Compound Bow, made of several pieces of wood bone or horn that are lashed together, similar to lamination, to form a solid bow. The third is the Sinew Backed Bow made from a brittle piece of wood and reinforced with cord or sinew wrapping. The last type is the Sinew Lined Bow, a self bow with its back strengthened by a sinew strip glued on the outside of the bow or, in certain regions, on both sides of the bow.

Early-day mountain men also made use of the bow. Well-known fur trapper James P. Beckwourth claimed he practiced with it extensively during the early 1820s and became proficient.

For the most part, the bow was exclusively a weapon for the Indians. As 1830s and early 1840s Southwestern traveler Josiah Gregg put it: “The arms of the wild Indians are chiefly the bow and arrows, with the use of which they become remarkably expert…at distances under fifty yards, with an accuracy equal to the rifle.”

Surely, many a frontiersman would have attested to that!

This fine specimen of a mid-19th century Southern Plains outfit consists of a sinew-wrapped bow, a hide and fringed bow case, a lightly beaded, fringed and trade cloth-decorated quiver with a shoulder strap and several arrows.
– Courtesy Richard Manifor Collection –

Famed Kiowa Chief Satanta, present at both famous Adobe Walls battles, in 1864 and 1874, holds his bow, bow case and quiver, made of animal hide trimmed with fur and trade cloth. This circa 1870s photo also shows metal trade arrowheads. Satanta not only led many attacks against settlers, but also helped negotiate the Medicine Lodge Treaty in October 1867.
– Courtesy Phil Spangenberger Collection –

Phil Spangenberger escreveu para Guns & Ammo, appears on the History Channel and other documentary networks, produces Wild West shows, is a Hollywood gun coach and character actor, and is True West’s Firearms Editor.

Related Posts

Cotton Smith’s Death Mask follows a trail of ghostly revenge. After ex-Texas Ranger Tanneman Rose&hellip


Assista o vídeo: Satanta Kiowa Warrior Around Kansas May