NAFTA

NAFTA

Em uma versão recente da Política de Boa Vizinhança, a maior área de livre comércio do mundo foi criada quando os Estados Unidos, Canadá e México lançaram o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta). Esse acordo trouxe crescimento econômico e padrões de vida mais elevados para os três países, e tem o compromisso de ajudar os parceiros a realizar uma economia norte-americana mais integrada e eficiente.

O NAFTA entrou em vigor em 1º de janeiro de 1994. O acordo suspendeu imediatamente as tarifas sobre a maioria dos bens produzidos pelas nações signatárias. Também apelou à eliminação gradual, ao longo de um período de 15 anos, da maioria das barreiras remanescentes ao investimento transfronteiriço e ao movimento de bens e serviços entre os três países. Os principais setores afetados incluem agricultura, manufatura automotiva e têxtil, telecomunicações, serviços financeiros, energia e transporte rodoviário. O Nafta foi seguido pela assinatura do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT / Organização Mundial do Comércio (OMC), também em 1994.

A OMC administra uma variedade de acordos, abrangendo, entre outras coisas, comércio de bens, comércio de serviços, investimento estrangeiro, compras governamentais e propriedade intelectual. Tais acordos comerciais regionais como o NAFTA interagem com o regime global de maneiras que podem fazer ou quebrar a estratégia de negócios de uma empresa. Além disso, os acordos comerciais regionais podem oferecer pistas sobre os rumos que os acordos globais podem tomar.

Como qualquer tratado multinacional, o Nafta tem seus prós e contras, seus líderes de torcida e seus detratores. Mais de 10 anos após a assinatura do tratado, os protestos continuam, especialmente por parte dos cidadãos "ao sul da fronteira". O NAFTA parece favorecer os grandes negócios da América do Norte em detrimento das necessidades dos povos indígenas da América Latina. Embora possam ter sido criados empregos na América Latina, o pagamento geralmente é baixo e os empregos disponíveis estão longe de casa. Os benefícios parecem ir para governos, ricos proprietários de terras e grandes empresas.

As novas economias do Nafta aparentemente também perturbaram os modos de vida agrários tradicionais. Famílias agrárias antes bem-sucedidas, uma vez capazes de mandar seus filhos para a faculdade, encontram mercados para sua safra tradicional, como o milho, foram prejudicadas por corporações agrícolas multinacionais. Os pequenos agricultores não conseguem vender seu milho a um preço lucrativo.

Nenhuma compensação oficial do NAFTA ou estrutura de reparações parece existir para lidar com a privação generalizada de direitos civis de famílias indígenas que dependem de economias locais tradicionais, mas obsoletas.

As seguintes informações são obtidas no site oficial do NAFTA:

Preâmbulo

O Governo do Canadá, o Governo dos Estados Unidos Mexicanos e o Governo dos Estados Unidos da América decidem:

  • fortalecer os laços especiais de amizade e cooperação entre suas nações;
  • contribuir para o desenvolvimento harmonioso e expansão do comércio mundial e fornecer um catalisador para uma cooperação internacional mais ampla;
  • Criar um mercado expandido e seguro para os bens e serviços produzidos em seus territórios;
  • reduzir distorções ao comércio;
  • estabelecer regras claras e mutuamente vantajosas que regem seu comércio;
  • garantir uma estrutura comercial previsível para planejamento de negócios e investimentos;
  • construir sobre seus respectivos direitos e obrigações no âmbito do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio e outros instrumentos multilaterais e bilaterais de cooperação;
  • realçar a competitividade de suas empresas nos mercados globais;
  • adotivo criatividade e inovação e promoção do comércio de bens e serviços objeto de direitos de propriedade intelectual;
  • Criar novas oportunidades de emprego e melhoria das condições de trabalho e de vida em seus respectivos territórios;
  • empreender cada uma das anteriores de maneira consistente com a proteção e conservação ambiental;
  • preservar sua flexibilidade para salvaguardar o bem-estar público;
  • promover desenvolvimento sustentável;
    fortalecer o desenvolvimento e aplicação de leis e regulamentos ambientais; e
  • proteger, melhorar e fazer cumprir os direitos básicos dos trabalhadores.
  • O acordo NAFTA entre Canadá, Estados Unidos e México foi assinado pelo Presidente George H.W. Bush em 1992. No entanto, ainda precisava ser aprovado pelo Congresso. Uma dura batalha se seguiu apesar do apoio de alto nível em ambos os partidos principais. No ano seguinte, o presidente Bill Clinton reuniu toda a sua influência política para levar a medida ao Congresso. O escritório do representante republicano Gerald Solomon, de Nova York, divulgou uma lista de cerca de 37 negócios colaterais especiais e projetos que o governo Clinton usou para comprar a aprovação do acordo comercial. A vitória política do presidente em 17 de novembro na Câmara dos Representantes chegou por 234 a 200 votos.

    Detratores do Nafta apontam o capítulo 20, que determinou a criação de uma "Comissão de Livre Comércio" norte-americana e uma vasta nova burocracia sob a comissão chamada de "Secretariado". A Secretaria do NAFTA, composta por três Seções - canadense, mexicana e americana - é responsável pela administração das disposições de solução de controvérsias do acordo.

    O ex-secretário de Estado Henry Kissinger, membro do comitê executivo da Comissão Trilateral e um antigo poder no Conselho de Relações Exteriores (CFR), considerou a votação do NAFTA a decisão mais importante que o Congresso tomaria durante o Sr. Clinton. s primeiro mandato. Na verdade, Kissinger reconheceu no Los Angeles Times essa passagem "representará o passo mais criativo em direção a uma nova ordem mundial dado por qualquer grupo de países desde o fim da Guerra Fria." O NAFTA “não é um acordo comercial convencional”, afirmou, “mas a arquitetura de um novo sistema internacional”.

    O representante democrata Robert Matsui, da Califórnia, outro apoiador do Nafta, admitiu abertamente que o acordo traz consigo a rendição da "independência" americana. O senador democrata Max Baucus, de Montana, apoiador do Nafta, se gabou do "punho de ferro" do pacto.

    O representante comercial dos EUA, Mickey Kantor, negociador do "acordo paralelo" sobre o meio ambiente, disse oficialmente que "nenhuma nação pode reduzir os padrões trabalhistas ou ambientais, apenas aumentá-los". Na edição de 17 de agosto de 1993 do Wall Street Journal, Kantor disse que "Nenhum país no acordo pode reduzir seus padrões ambientais - nunca."


    Acordo de Livre Comércio da América do Norte

    O Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) estabeleceu uma zona de livre comércio na América do Norte que foi assinada em 1992 pelo Canadá, México e Estados Unidos e entrou em vigor em 1º de janeiro de 1994. O NAFTA suspendeu imediatamente as tarifas sobre a maioria das mercadorias produzidos pelas nações signatárias. Também apela à eliminação gradual, ao longo de um período de 15 anos, da maioria das barreiras remanescentes ao investimento transfronteiriço e ao movimento de bens e serviços entre os três países.

    As informações a seguir são apenas consultivas. A página não se responsabiliza por danos causados ​​pelo acesso aos links e às informações neles contidas.

    Decisões Antecipadas

    Uma decisão antecipada é um documento escrito recebido da autoridade alfandegária de um país do NAFTA. Ele fornece informações vinculativas sobre questões específicas do NAFTA que você possa ter sobre futuras importações de mercadorias para o Canadá, México e Estados Unidos.

    Anexo 401

    O Anexo 401 do NAFTA fornece a regra de origem específica que é aplicada para determinar se uma mercadoria é qualificada como originária de acordo com os termos do NAFTA.

    Esses procedimentos são usados ​​por importadores, exportadores ou produtores de bens para solicitar uma segunda revisão das decisões do NAFTA dadas pelas administrações alfandegárias.

      do NAFTA - Revisão e recurso de decisões de marcação adversas podem ser encontrados nas seções 181.111 e ndash 181.116 - Recursos de determinação de origem

    Certificado de origem

    Esta é uma forma acordada trilateralmente usada pelo Canadá, México e Estados Unidos para certificar que os produtos se qualificam para o tratamento tarifário preferencial concedido pelo NAFTA. O Certificado de Origem deve ser preenchido pelo exportador. Um produtor ou fabricante também pode preencher um certificado de origem em um território do NAFTA para ser usado como base para um Certificado de Origem do Exportador. Para fazer uma reclamação de preferência NAFTA, o importador deve possuir um certificado de origem no momento em que a reclamação é feita.

    Reivindicando Tratamento Preferencial

    Um pedido de tratamento preferencial é geralmente feito no momento da importação no documento alfandegário usado pelo país importador. O Acordo permite reivindicações do NAFTA até um ano a partir da data de importação. Os procedimentos para apresentar uma reclamação do Nafta são diferentes no Canadá, México e Estados Unidos.

    Amostras comerciais e materiais impressos de publicidade

      do NAFTA - Entrada isenta de direitos aduaneiros de certas amostras comerciais e materiais impressos de publicidade - Amostras comerciais de valor insignificante podem ser encontradas na seção 181.62

    Informações específicas da mercadoria

    Esta seção contém informações específicas do NAFTA sobre certas commodities comercializadas.

    Confidencialidade

    O Artigo 507 (1) do NAFTA exige que cada país proteja a confidencialidade das informações comerciais fornecidas a eles no curso da condução de negócios governamentais. Além disso, os governos do Canadá, México e Estados Unidos devem garantir que essas informações comerciais não sejam divulgadas a terceiros e não prejudiquem as posições competitivas das pessoas que as fornecem.

    Artigo 507 do NAFTA - Confidencialidade

    19 CFR 181 Subparte K - Confidencialidade de informações comerciais

    Marcação do país de origem

    A marcação do país de origem é usada para indicar claramente ao comprador final de um produto onde ele é feito. As regras de marcação do NAFTA também são usadas para determinar a taxa de imposto, o estágio e o país de origem aplicáveis ​​aos produtos do NAFTA.

      - Marcação de país de origem - Marcação de país de origem - Regras de origem - Regras de origem - Têxteis e produtos têxteis do país de origem - Revisão e recurso de decisões de marcação adversas
      • Observação: As regras alfandegárias dos EUA estão disponíveis no Sistema de pesquisa online de regras alfandegárias (CROSS)

      Conversão de moeda

      A conversão de moeda é um meio de determinar o valor de um bem ou material quando a moeda é expressa em uma moeda diferente da do produtor. A moeda usada no Canadá é o dólar canadense. No México, é o peso. Os Estados Unidos usam o dólar americano.

      Procedimentos Alfandegários

      Este tópico inclui vários assuntos, como Certificado de Origem, Decisões Antecipadas, Reivindicações do NAFTA, Verificações, Determinações e Recursos, para citar alguns. Esta informação é recolhida de uma variedade de documentos publicados pela Alfândega.

      Decisões Antecipadas
      Uma decisão antecipada é um documento escrito recebido da autoridade alfandegária de um país do NAFTA. Ele fornece informações vinculativas sobre questões específicas do NAFTA que você possa ter sobre futuras importações de mercadorias para o Canadá, México e Estados Unidos.

      Certificado de origem
      Esta é uma forma acordada trilateralmente usada pelo Canadá, México e Estados Unidos para certificar que os produtos se qualificam para o tratamento tarifário preferencial concedido pelo NAFTA. O Certificado de Origem deve ser preenchido pelo exportador. Um produtor ou fabricante também pode preencher um certificado de origem em um território do NAFTA para ser usado como base para um Certificado de Origem do Exportador. Para fazer uma reclamação de preferência NAFTA, o importador deve possuir um certificado de origem no momento em que a reclamação é feita.

      Confidencialidade
      O Artigo 507 (1) do NAFTA exige que cada país proteja a confidencialidade das informações comerciais confidenciais fornecidas a eles no curso da condução de negócios governamentais. Além disso, os governos do Canadá, México e Estados Unidos devem garantir que essas informações comerciais não sejam divulgadas a terceiros e não prejudiquem as posições competitivas das pessoas que as fornecem.

      Marcação de país de origem
      A marcação do país de origem é usada para indicar claramente ao comprador final de um produto onde ele é feito. As regras de marcação do NAFTA também são usadas para determinar a taxa de imposto, o estadiamento e o país de origem aplicáveis ​​às mercadorias do NAFTA.

      Obrigações do exportador - Artigo 504 do NAFTA

      Princípios de contabilidade geralmente aceitos (GAAP) - Apêndice a 19 CFR 181, Anexo XII

      Obrigações do importador - Artigo 502 do NAFTA

      Verificações
      Verificações é o processo usado pelas autoridades alfandegárias para determinar se uma mercadoria se qualifica como NAFTA originada quando uma taxa de direito preferencial foi reivindicada.

      MANUTENÇÃO DE REGISTROS

      Todos os registros relacionados a uma reivindicação de dever preferencial sob o NAFTA devem ser mantidos por no mínimo cinco anos.

        do NAFTA - Registros - Manutenção e disponibilização de registros - Manutenção de registros e envio de Certificado pelo importador - Retenção de registros

      APELOS
      Esses procedimentos são usados ​​por importadores, exportadores ou produtores de bens para solicitar uma segunda revisão das decisões do NAFTA dadas pelas administrações alfandegárias.


      NAFTA - História

      Não houve ambigüidade no debate democrata de ontem à noite quando se tratou do Nafta. Ambos os candidatos disseram claramente que estavam dispostos a descartar o tratado comercial na ausência de uma renegociação. “Tenho sido uma crítica do Nafta desde o início”, começou a senadora Hillary Clinton, apesar, aparentemente, de comentários frequentes em contrário. Ela prosseguiu, sugerindo um "tempo limite para troca": "Eu apresentei um plano muito específico sobre o que eu faria, e inclui dizer ao Canadá e ao México que iremos cancelar a menos que renegocie os padrões trabalhistas e ambientais fundamentais - não acordos paralelos, mas acordos básicos de que melhoraremos o mecanismo de fiscalização ”. Obama a apoiou.

      Isso não significa, no entanto, que qualquer um dos candidatos realmente espera enfrentar essa decisão. Quando o moderador Tim Russert a pressionou ("Na ausência da mudança que você está sugerindo, você está disposto a sair do Nafta em seis meses?"), O senador Clinton respondeu: "Estou confiante de que, como presidente, quando digo que iremos opt out, a menos que renegocie, seremos capazes de renegociar. " (O New York Times tem um recurso de debate interativo bacana que permite que você vá a uma discussão de um problema específico e, ao mesmo tempo, assista à troca e leia a transcrição.)

      Claro, para fazer isso, qualquer um dos candidatos a presidente teria que superar a forte resistência do Congresso ... dos democratas. (Incluindo o ex-assessor de Clinton Rahm Emmanuel.) Como a Agenda observou antes, quando se trata de comércio, os democratas têm o hábito de falar de um jeito e votar de outro. Na verdade, o correspondente comercial da National Public Radio, Adam Davidson, auxilia na observação de que, embora Clinton e Obama "não votassem no Nafta quando ele foi aprovado", já que nenhum dos dois estava no Senado em 1994 (Obama tinha apenas 13 anos! *) , "ambos votaram a favor da maioria dos acordos de livre comércio quando tiveram uma chance."

      O comentário de Davidson surge no final de uma desconstrução útil do lugar do Nafta na campanha das primárias de Ohio. Acontece que os economistas que Davidson entrevistou, incluindo o esquerdista que odeia o Nafta, não consideram o NAFTA a fonte dos problemas de Ohio. (No debate, Russert observou que Ohio ocupa o quarto lugar entre os estados em exportações para o Canadá e o México.) Em vez disso, eles culpam a inépcia das grandes montadoras em dificuldades e negociam com - espere e a China. Então, por que o Nafta é tão desprezado? De acordo com um funcionário da AFL-CIO em Ohio, é porque os sindicatos fizeram do Nafta sua última resistência. "Os trabalhadores sabem sobre o Nafta", disse ela, "porque educamos muito sobre o impacto do Nafta e o que ele faria quando fosse aprovado pela legislação, nos anos 90".

      ATUALIZAÇÃO, 4:24 PM ET: Nova york Vezes o colunista David Leonhardt astutamente compara as duas faces dos democratas sobre o comércio com a posição republicana sobre o aborto. (Embora a analogia realmente só se sustente quando você está falando sobre o Partido Republicano nacional, não os partidos estaduais.) Os economistas entrevistados por Leonhardt dizem que a melhor maneira de ajudar Ohio é com "mais investimento governamental em infraestrutura, ciências médicas, energia alternativa e outras áreas que poderiam produzir bons novos empregos ", bem como um código tributário mais progressivo que reduza os impostos dos trabalhadores. Como Leonhardt aponta, ambos os democratas apóiam essas políticas.


      A difícil história do NAFTA

      CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - Negociadores do Canadá, México e Estados Unidos iniciaram uma segunda rodada de negociações sobre o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) na sexta-feira, enquanto os países tentam acelerar um acordo para modernizar o tratado no início Próximo ano.

      A seguir estão os principais momentos da história do negócio:

      * 10 de junho de 1990: Presidente dos Estados Unidos George H.W. Bush e o presidente mexicano Carlos Salinas de Gortari endossam um novo pacto de livre comércio abrangente entre os dois vizinhos, ordenando o início das negociações. O Canadá juntou-se às negociações em 1991, abrindo caminho para negociações triplas. Os Estados Unidos e o Canadá assinaram um acordo bilateral de livre comércio em 1988.

      * 3 de novembro de 1992: Candidato independente à presidência nos Estados Unidos, Ross Perot afirma que o Nafta proposto levaria a um “som gigante de sucção” de empregos correndo para o México. Bill Clinton vence a eleição, derrotando o presidente Bush. Perot ganha 19 por cento dos votos para colocar um forte terceiro lugar.

      * 17 de dezembro de 1992: O Nafta é assinado pelo ex-presidente Bush, pelo mexicano Salinas de Gortari e pelo primeiro-ministro canadense Brian Mulroney, criando a maior área de livre comércio do mundo. O momento era, em parte, destinado a tornar mais difícil para o presidente eleito Clinton buscar mudanças importantes. Clinton havia endossado o acordo, mas insistia em acordos ambientais e trabalhistas.

      * 1º de janeiro de 1994: O Nafta entra em vigor e o exército guerrilheiro índio maia Zapatista no sul do México lança uma rebelião armada contra o “neoliberalismo” e explicitamente contra o acordo de livre comércio. A declaração de guerra contra o governo mexicano leva a dias de combates e dezenas de mortes antes que os rebeldes se retirem para a selva.

      * 30 de novembro de 1999: Dezenas de milhares de manifestantes antiglobalização convergem para a cidade americana de Seattle, levando a tumultos generalizados que coincidem com uma conferência ministerial da Organização Mundial do Comércio, que buscava lançar novas negociações comerciais internacionais. Os protestos ressaltam a crescente, embora dispersa, oposição a acordos de livre comércio como o Nafta.

      * 11 de dezembro de 2001: a China se junta formalmente à Organização Mundial do Comércio, integrando o gigante asiático mais profundamente à economia global. A flexibilização do comércio com a China intensifica uma tendência observada desde a entrada em vigor do Nafta, quando o déficit comercial dos EUA disparou para mais de US $ 800 bilhões em 2006.

      * 16 de julho de 2004: Altos funcionários de comércio do Canadá, Estados Unidos e México emitem uma declaração conjunta promovendo uma década de expansão do comércio na América do Norte. O comércio tripartido mais do que dobrou, atingindo US $ 623 bilhões, enquanto o investimento estrangeiro direto acumulado aumenta em mais de US $ 1,7 trilhão em comparação com os níveis anteriores ao Nafta.

      * 1º de janeiro de 2008: O NAFTA é totalmente implementado quando a última de suas políticas entra em vigor. Em setores sensíveis como o açúcar, o Nafta estipula que as barreiras comerciais seriam gradualmente eliminadas, o que foi projetado para suavizar choques econômicos em setores vulneráveis. A esta altura, o comércio entre as três nações norte-americanas mais do que triplicou.

      * 19 de julho de 2016: O empresário bilionário e político estranho Donald Trump formalmente conquista a indicação presidencial republicana, ganhando a aprovação do partido tradicionalmente pró-livre comércio em parte ao denunciar o NAFTA, chamando-o de "o pior acordo comercial de todos os tempos".

      * 16 de agosto de 2017: negociações de alto risco destinadas a "modernizar" o NAFTA começam em Washington, com autoridades americanas e mexicanas com o objetivo de concluir um novo pacto no início de 2018 antes das eleições no final do ano em ambos os países podem atrapalhar as negociações. Uma segunda rodada de negociações será realizada no México em setembro.

      * 1º de setembro de 2017: Na semana que antecede a segunda rodada de negociações no México, que começa em 1º de setembro, Trump havia dito repetidamente que provavelmente encerraria o acordo se as negociações não seguissem seu caminho. O México disse que sairia da mesa se Trump iniciasse o processo de retirada do Nafta.


      O Acordo de Livre Comércio da América do Norte: Ronald Reagan & # 039s Vision Realized

      A aprovação pelo Congresso do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) é uma vitória do engajamento e da competição sobre a retirada e a complacência. O pacto comercial, que eliminará tarifas sobre bens e serviços entre os Estados Unidos, Canadá e México em um período de quinze anos, criará o maior mercado do mundo: cerca de 360 ​​milhões de pessoas, com uma produção econômica de mais de US $ 6 trilhões um ano. O NAFTA, portanto, garante que os trabalhadores americanos permanecerão os mais competitivos do mundo e que os consumidores americanos continuarão a ter acesso aos melhores produtos e serviços do mundo.

      A área de livre comércio da América do Norte criada pelo acordo produzirá 25% mais bens e serviços do que a Comunidade Européia, dando à América do Norte força econômica suficiente para desafiar o mercado unificado emergente na Europa e um mercado do Leste Asiático dominado pelo Japão. O Nafta também oferecerá produtos mais baratos aos americanos e aumentará as exportações dos EUA, tornando-as mais acessíveis para o resto do mundo. Além disso, criará cerca de 200.000 novos empregos para os americanos, reduzirá a imigração ilegal do México, ajudará a combater o tráfico de drogas, fortalecerá a democracia mexicana e os direitos humanos e servirá de modelo para o resto do mundo.

      O presidente Clinton descreveu corretamente o acordo como "apenas um primeiro passo", enfatizando que ele estenderá a mão para outros países latino-americanos em um esforço para difundir o livre comércio em todo o hemisfério. Ao fazer isso, ele se aproximará ainda mais da visão conservadora de uma área de livre comércio para todo o hemisfério.

      Apoio de longa data ao livre comércio com o México. Ronald Reagan propôs pela primeira vez um acordo de livre comércio entre os EUA e o México em sua campanha presidencial de 1980. Desde então, a Heritage Foundation se orgulha do papel que desempenhou na articulação da visão do presidente Reagan sobre o livre comércio na América Latina e no mundo todo. Desde meados da década de 1980, os analistas do Heritage têm enfatizado que um acordo de livre comércio com o México não apenas estimulará o crescimento econômico dos EUA, mas tornará o México um país mais estável e próspero. A Heritage publicou mais de três dezenas de estudos enfatizando os benefícios do livre comércio na América do Norte.

      A Fundação também destacou a história de sucesso mexicana. Sob a liderança do presidente mexicano Carlos Salinas de Gortari, o México avançou mais e mais rápido do que praticamente qualquer outro país do mundo na promoção de reformas de livre mercado e livre comércio. A aprovação do NAFTA pelo Congresso é um reconhecimento desses avanços históricos e ajudará a garantir que o ímpeto em favor da liberdade econômica e política em todas as Américas seja mantido.

      Em junho de 1986, o então analista da Heritage Edward L. Hudgins escreveu "Uma Estratégia dos Estados Unidos para Resolver a Crise da Dívida do México." Nesse Backgrounder, Hudgins instou o governo Reagan a "explorar mais acordos especiais de livre comércio e investimento" com o México. Disse Hudgins: "A possibilidade de uma zona de livre comércio e investimento completa [entre os EUA e o México] deve ser explorada. Em última análise, deve-se buscar uma Área de Livre Comércio completa entre os EUA e o México, semelhante ao pacto EUA-Canadá [então ] sendo negociado. "

      Quatro anos depois, o analista do Heritage Michael Wilson argumentou em um memorando executivo intitulado "Bush e Salinas devem lançar conversações de livre comércio entre os EUA e o México": "O que antes eram vizinhos distantes agora parecem estar se transformando em parceiros econômicos e geopolíticos. George Bush deveria fortalecer esta relação de cooperação não apenas apoiando as reformas econômicas de Salinas, mas agindo rapidamente para negociar um acordo de livre comércio com o México. "

      The Politics of Fear vs. the Politics of Hope. A aprovação do NAFTA não representa apenas uma vitória para a economia dos EUA e do povo americano, mas também um golpe para o trabalho organizado e outras forças protecionistas. O acordo reafirma o compromisso americano com a competição e a livre iniciativa que outras nações imitam.

      Ao apoiar o NAFTA, o governo Clinton e a maioria do Congresso sabiamente rejeitaram os apelos por um retorno às mesmas políticas protecionistas, demonstradas pelas leis tarifárias Smoot-Hawley, que ajudaram a criar a Grande Depressão. Muitas dessas chamadas protecionistas eram de sindicatos preocupados com o fato de o NAFTA custar empregos nos EUA em indústrias mais antigas. Apesar de tais preocupações, no entanto, os trabalhadores verão que, como consumidores em uma economia em crescimento, eles também estarão em melhor situação quando as nações estiverem livres para fazer comércio entre si e os trabalhadores estiverem expostos aos rigores da competição internacional.

      Olhando para o futuro. O presidente Clinton deve aproveitar o impulso do livre comércio que os conservadores lhe deram e reafirmar seu apoio aos acordos de livre comércio com outros países latino-americanos, a saber, Chile, Argentina e Venezuela. Ele expressou sabiamente seu apoio à visão de George Bush de uma Empresa para as Américas, que busca criar uma área de livre comércio que se estende do Alasca à Antártica. A América Latina é o mercado que mais cresce para os EUA e a única região onde a América tem superávit comercial. Todos os líderes latino-americanos, de Carlos Menem na Argentina a Patricio Aylwin no Chile, expressaram apoio ao livre comércio com os EUA. O governo Clinton deve começar a negociar acordos de livre comércio com eles.

      O presidente Clinton também deve estender a oferta de livre comércio aos parceiros da América na Europa e na Ásia. Uma conclusão bem-sucedida da Rodada Uruguai do Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (GATT) em dezembro seria um primeiro passo bem-vindo nessa direção, assim como a recusa do presidente das idéias de "comércio administrado" após a reunião de países asiáticos. Líderes da Cooperação Econômica do Pacífico (APEC) na semana passada em Seattle.

      A vitória do Nafta é uma grande vitória para os conservadores do livre comércio. Foram eles os primeiros a defender a noção de livre comércio com o México. E serão eles que carregarão a bandeira do livre comércio no futuro - uma bandeira sob a qual até Bill Clinton agora marcha.


      Linha do tempo - Oposta desde o início, a difícil história do Nafta

      (Reuters) - Negociadores do Canadá, México e Estados Unidos dão início a uma ambiciosa primeira rodada de negociações comerciais na quarta-feira, enquanto os países tentam acelerar um acordo para modernizar o Acordo de Livre Comércio da América do Norte no início do próximo ano. A seguir estão momentos significativos na história do negócio:

      * 10 de junho de 1990: Presidente dos Estados Unidos George H.W. Bush e o presidente mexicano Carlos Salinas de Gortari emitem uma declaração endossando um novo e abrangente pacto de livre comércio entre os dois vizinhos, ordenando o início das negociações. O Canadá se juntaria às negociações em 1991, abrindo caminho para negociações triplas. Os Estados Unidos e o Canadá assinaram um acordo bilateral de livre comércio em 1988.

      * 3 de novembro de 1992: Candidato independente à presidência dos Estados Unidos, Ross Perot afirma que a proposta do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta) levaria a um “som gigante de sucção” de empregos correndo para o México. Bill Clinton vence a eleição, derrotando o presidente Bush. Perot ganha 19 por cento dos votos para colocar um forte terceiro lugar.

      * 17 de dezembro de 1992: O Nafta é assinado pelo ex-presidente Bush, pelo mexicano Salinas de Gortari e pelo primeiro-ministro canadense Brian Mulroney, criando a maior área de livre comércio do mundo. O momento era, em parte, destinado a tornar mais difícil para o presidente eleito Clinton buscar mudanças importantes. Clinton havia endossado o acordo, mas insistia em acordos ambientais e trabalhistas.

      * 1º de janeiro de 1994: O Nafta entra em vigor e um exército guerrilheiro indígena maia no sul do México lança uma rebelião armada contra o “neoliberalismo” e explicitamente contra o acordo de livre comércio. A declaração de guerra contra o governo mexicano leva a dias de combates e dezenas de mortes antes que os rebeldes se retirem para a selva.

      * 30 de novembro de 1999: Dezenas de milhares de manifestantes antiglobalização convergem para a cidade americana de Seattle, levando a tumultos generalizados que coincidem com uma conferência ministerial da Organização Mundial do Comércio, que buscava lançar novas negociações comerciais internacionais. Os protestos ressaltam a crescente, embora dispersa, oposição a acordos de livre comércio como o Nafta.

      * 16 de julho de 2004: Altos funcionários de comércio do Canadá, Estados Unidos e México emitem uma declaração conjunta promovendo uma década de expansão do comércio na América do Norte. O comércio tripartido mais do que dobrou, atingindo US $ 623 bilhões, enquanto o investimento estrangeiro direto acumulado aumenta em mais de US $ 1,7 trilhão em comparação com os níveis anteriores ao Nafta.

      * 11 de dezembro de 2001: a China ingressou formalmente na Organização Mundial do Comércio, integrando o gigante asiático mais profundamente à economia global. A flexibilização do comércio com a China intensifica uma tendência observada desde a entrada em vigor do Nafta, quando o déficit comercial dos EUA disparou para mais de US $ 800 bilhões em 2006.

      * 1º de janeiro de 2008: O NAFTA é totalmente implementado quando a última de suas políticas entra em vigor. Em muitos setores, o Nafta estipula que as barreiras comerciais seriam gradualmente eliminadas, o que foi criado para suavizar choques econômicos em setores vulneráveis. A esta altura, o comércio entre as três nações norte-americanas mais do que triplicou desde o início do Nafta.

      * 19 de julho de 2016: O empresário bilionário e político estranho Donald Trump formalmente conquista a indicação presidencial republicana, ganhando a aprovação do partido tradicionalmente pró-livre comércio em parte ao denunciar o NAFTA, chamando-o de "o pior acordo comercial de todos os tempos".


      Trabalhos de manufatura nos EUA

      A implementação do NAFTA coincidiu com uma queda de 30% no emprego industrial, de 17,7 milhões de empregos no final de 1993 para 12,3 milhões no final de 2016.

      No entanto, se o Nafta é o responsável direto por esse declínio, é difícil dizer. A indústria automotiva costuma ser considerada uma das mais atingidas pelo acordo. Mas, embora o mercado de veículos dos EUA tenha sido imediatamente aberto à competição mexicana, o emprego no setor cresceu durante anos após a introdução do Nafta, chegando a quase 1,3 milhão em outubro de 2000. Os empregos começaram a desaparecer naquele ponto, e as perdas ficaram mais acentuadas com o setor financeiro. crise. Em seu ponto mais baixo em junho de 2009, a indústria automobilística americana empregava apenas 623.000 pessoas. Embora esse número tenha aumentado para 948.000, permanece 27% abaixo do nível anterior ao Nafta.

      A evidência anedótica apóia a ideia de que esses empregos foram para o México. Os salários no México são uma fração do que são nos EUA. Todos os principais fabricantes de automóveis americanos agora têm fábricas ao sul da fronteira e, antes da campanha de Trump no Twitter contra o offshoring, alguns planejavam abertamente enviar mais empregos para o exterior. No entanto, embora seja difícil negar as perdas de empregos, elas podem ser menos graves do que em um hipotético mundo sem NAFTA.

      The CRS notes that "many economists and other observers have credited NAFTA with helping U.S. manufacturing industries, especially the U.S. auto industry, become more globally competitive through the development of supply chains." Carmakers did not move their entire operations to Mexico. They now straddle the border. A 2011 working paper by the Hong Kong Institute for Monetary Research estimates that a U.S. import from Mexico contains 40% U.S. content. For Canada, the corresponding figure is 25%. Meanwhile, it is 4% for China and 2% for Japan.

      While thousands of U.S. auto workers undoubtedly lost their jobs as a result of NAFTA, they may have fared worse without it. By integrating supply chains across North America, keeping a significant share of production in the U.S. became an option for carmakers. Otherwise, they may have been unable to compete with Asian rivals, causing even more jobs to depart. "Without the ability to move lower-wage jobs to Mexico we would have lost the whole industry," UC San Diego economist Gordon Hanson told O jornal New York Times in March 2016. On the other hand, it may be impossible to know what would have happened in a hypothetical scenario.

      Garment manufacturing is another industry that was particularly hard-hit by offshoring. Total employment in the sector has declined by nearly 85% since NAFTA was signed,   but according to the Commerce Department, Mexico was only the sixth-largest source of textile imports in 2019 to the tune of $4.1 billion. The country was still behind other international manufacturers including:

      • China: $35.9 billion
      • Vietnam: $10.5 billion
      • India: $6.7 billion
      • Bangladesh: $5.1 billion
      • Indonesia: $4.6 billion

      Not only are none of these other countries members of NAFTA, but none also has a free trade agreement with the U.S.


      Conteúdo

      A palavra naphtha is from Latin and Ancient Greek (νάφθα), derived from Middle Persian naft ("wet", "naphtha"), [3] [4] the latter meaning of which was an assimilation from the Akkadian napṭu (see Semitic relatives such as Arabic نَفْط nafṭ ["petroleum"], Syriac ܢܰܦܬܳܐ naftā) and Hebrew נֵפְט neft (meaning petroleum). [5] In Ancient Greek, it was used to refer to any sort of petroleum or pitch.

      In the Song of the Three Children the Greek word νάφθα designates one of the materials used to stoke the fiery furnace. The translation of Charles Brenton renders this as "rosin".

      The book of II Maccabees tells how a "thick water" was put on a sacrifice at the time of Nehemiah and when the sun shone it caught fire. It adds that "those around Nehemiah termed this 'Nephthar', which means Purification, but it is called Nephthaei by the many." [6]

      It enters the word napalm, a contraction of the "na" of naphthenic acid and "palm" of palmitic acid, originally made from a mixture of naphthenic acid combined with aluminium and magnesium salts of palmitic acid. Naphtha is the root of the word naphthalene, and can also be recognised in the word phthalate, and the paint colour phthalo blue.

      In older usage, "naphtha" simply meant crude oil, but this usage is now obsolete in English. It was also used for mineral spirits (also known as "Stoddard Solvent"), originally the main active ingredient in Fels Naptha laundry soap. The Ukrainian and Belarusian word нафта (nafta), Lithuanian, Latvian and Estonian "nafta" and the Persian naft ( نفت ) mean "crude oil". The Russian word нефть (neft') means "crude oil", but нафта (nafta) is a synonym of ligroin. Also, in Albania, Bosnia and Herzegovina, Bulgaria, Croatia, Finland, Italy, Serbia, Slovenia, Macedonia nafta (нафта in Cyrillic) is colloquially used to indicate diesel fuel and crude oil. In the Czech Republic and Slovakia, nafta was historically used for both diesel fuel and crude oil, but its use for crude oil is now obsolete [7] and it generally indicates diesel fuel. In Bulgarian, nafta means diesel fuel, while neft, as well as gasolina (петрол in Cyrillic), means crude oil. Nafta is also used in everyday parlance in Argentina, Paraguay and Uruguay to refer to gasoline/petrol. [8] In Poland, the word nafta means kerosene, [9] and colloquially crude oil (technical name for crude oil is ropa naftowa, also colloquially used for diesel fuel as ropa) In Flemish, the word naft is used colloquially for gasoline. [10]

      There is a hypothesis that the word is connected with the name of the Indo-Iranian god Apam Napat, which occurs in Vedic and in Avestic the name means "grandson of (the) waters", and the Vedas describe him as emerging from water golden and shining "with bright rays", perhaps inspired by a burning seepage of natural gas. [11]

      Various qualifiers have been added to the term "naphtha" by different sources in an effort to make it more specific:

      One source [12] distinguishes by boiling point:

      Light naphtha is the fraction boiling between 30 °C and 90 °C and consists of molecules with 5–6 carbon atoms. Heavy naphtha boils between 90 °C and 200 °C and consists of molecules with 6–12 carbon atoms.

      Another source [13] differentiates luz e pesado comments on the hydrocarbon structure, but offers a less precise dividing line:

      Luz [is] a mixture consisting mainly of straight-chained and cyclic aliphatic hydrocarbons having from five to six carbon atoms per molecule. Pesado [is] a mixture consisting mainly of straight-chained and cyclic aliphatic hydrocarbons having from seven to nine carbon atoms per molecule.

      Both of these are useful definitions, but they are incompatible with one another and the latter does not provide for mixes containing both six and seven carbon atoms per molecule. These terms are also sufficiently broad that they are not widely useful.

      Heavy crude oil dilution Edit

      Naphtha is used to dilute heavy crude oil to reduce its viscosity and enable/facilitate transport undiluted heavy crude cannot normally be transported by pipeline, and may also be difficult to pump onto oil tankers. Other common dilutants include natural-gas condensate, and light crude. However, naphtha is a particularly efficient dilutant and can be recycled from diluted heavy crude after transport and processing. [14] [15] [16] The importance of oil dilutants has increased as global production of lighter crude oils has fallen and shifted to exploitation of heavier reserves. [15]

      Fuel Edit

      Light naphtha is used as a fuel in some commercial applications. One notable example is wick-based cigarette lighters, such as the Zippo, which draw “lighter fluid” - naphtha - into a wick from a reservoir to be ignited using the flint and wheel.

      It is also a fuel for camping stoves and oil lanterns, known as “white gas”, where naphtha’s low boiling point making it easy to ignite. Naphtha is sometimes preferred over kerosene due to a lower incidence of fuel line clogging.

      Plastics Edit

      Naphtha is a crucial component in the production of plastics. [17]

      The safety data sheets (SDSs) from various naphtha vendors are also indicative of the non-specific nature of the product and reflect the considerations due for a flammable mixture of hydrocarbons: flammability, carcinogenicity, skin and airway irritation, etc. [18] [2] [19] [20]

      Humans can be exposed to naphtha in the workplace by inhalation, ingestion, dermal contact, and eye contact. The US Occupational Safety and Health Administration (OSHA) has set the permissible exposure limit for naphtha in the workplace as 100 ppm (400 mg/m 3 ) over an 8-hour workday. The US National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) has set a recommended exposure limit (REL) of 100 ppm (400 mg/m 3 ) over an 8-hour workday. At levels of 1000 ppm, which equates to 10% of the lower explosive limit, naphtha is immediately dangerous to life and health. [21]


      US-Latin American Trade Before and After NAFTA

      The North American Free Trade Agreement (NAFTA) went into effect on January 1st, 1994. The goal of the agreement was to eliminate barriers to help promote positive trade and investment between the United States, Canada, and Mexico. To accomplish this, tariffs were eradicated over time and almost “all duties and quantitative restrictions…were eliminated by 2008,” (“North American Free Trade Agreement”). Despite the claims that’s NAFTA would have large, substantive effects on these three countries, the legitimacy of the effects and the usefulness of the agreement have been called into question continually over the years, especially in regard to the economic relations between Mexico and the US. While there have been positive effects on trade between these countries and on GDP in the US, there have also been negative effects, such as the fact that the US continually loses jobs as a result of the agreement, as well as the worsened inequality and the harmful consequences for small businesses and farmers in Mexico. Although there are many ways to assess the overall outcome of NAFTA and whether or not it was worth it, one perspective to take is the change in US trade with other Latin American countries since NAFTA came into effect. By looking at the growth in trade between the US and other Latin American countries after NAFTA went into effect, the bigger picture about the general trends of trade can be seen, making it clearer whether or not Mexico would have experienced the same growth of trade with the US in the absence of NAFTA.

      Looking at US trade with ten Latin American countries (data for which can be seen in the attached chart) between the years of 1990 and 2015 provides insight to the trends of trade over the years. One of the main arguments in support of NAFTA is that it has helped facilitate positive trade growth between the US and Mexico. However, there is the possibility that this growth would have occurred even without NAFTA. Looking at the difference in US trade with these countries from 1990 to 2015, every single country has experienced a growth in trade, and the only one that has exhibited a significant downward trend in recent years is Venezuela.

      Some may argue that these numbers are not comparable with the numbers for US trade with Mexico because the US does so much more trading with Mexico than any other Latin American country. The exports for Mexico were $207,925 million higher in 2015 than in 1990, whereas the exports for all ten of the other Latin American countries combined were only $89,726.7 million higher in 2015 than in 1990. While this would suggest that Mexico did indeed experience trade growth that was significantly greater than other Latin American countries during the same time, this is not necessarily the case. Looking at the attached table, it is clear that the US traded significantly more with Mexico than another country before NAFTA came into effect, with $28,279 million in exports and $30,156.8 million in imports in 1990. In 2015, there were $236,204 million in exports and $296,401.2 million in imports. This means that the number of exports in 2015 was 8.3 times higher than in 1990 and the number of imports was 9.3 times higher. On average (of the ten countries sampled) exports for these countries were 7.3 times higher in 2015 than in 1990 (US Census Bureau Foreign Trade Division). So while the numerical value of US trade with Mexico has been significantly higher than trade with any other Latin American country, looking at amount of exports each country had in 2015 proportionate to their exports in 1990 shows that these Latin American countries have experienced a trade growthcomparable to that of Mexico’s. This proves that it’s quite plausible that growth in trade between US and Mexico would have occurred even in the absence of NAFTA.

      While the data does show growth in US trade with Mexico since the establishment of NAFTA, the data also shows similar growth in US trade with many other Latin American countries in the same time period, despite the fact that these countries were not directly impacted by the agreement. What this suggests is that this kind of growth has more to do with general development, and that trade between Mexico and the US would have made significant growth throughout these years anyway, especially considering the fact that US trade with Mexico was so much greater than US trade with other Latin American countries before NAFTA.

      While it is true that NAFTA has had positive effects on trade between the US and Mexico, it’s also true that both countries have found faults in the effect of the agreement domestically. The question remains whether NAFTA and the elimination of trade barriers were necessary to achieve the goal of promoting trade and investment between the US, Mexico, and Canada and whether or not the agreement is still beneficial and worth continuing. Based on this data from the United States Census Bureau and the trend in Latin American trade growth, the argument could be made that trade between Mexico and the United States would have experienced a similar growth in the absence of NAFTA, without the negative consequences both countries have experienced. While there are numerous other factors that must be analyzed to create a more complete picture about the effects and success of NAFTA, this data serves to addresses the issue from a broader perspective, potentially providing new insight.

      Written by Kiersten Maule. Kiersten is currently a sophomore, double majoring in Spanish and Political Science, with a minor in sociology, and pursuing a certificate in Latin American Studies. After graduation, Kiersten plans on attending law school to pursue a career in family law.