O que os países contemporâneos da Europa chamam de Império Otomano?

O que os países contemporâneos da Europa chamam de Império Otomano?

Nos textos atuais, é comum chamá-lo de "Império Otomano", embora o nome se refira à dinastia governante e não à nação, povo ou região. Este não é o caso de outros impérios contemporâneos na Europa, por ex. Império Russo, Império Austríaco, Império Francês.

Eles também foram chamados contemporaneamente de "Império Otomano" na diplomacia e na escrita oficial, ou por outro nome como "Turquia" ou "Império Turco"?


A Wikipedia tem uma lista bastante abrangente dos nomes usados ​​para o Império Otomano em diferentes períodos e em várias línguas. No final do artigo, há também uma lista cronológica de links para mapas históricos usando nomes alternativos do Império Otomano.

Como você está mais interessado em diplomacia e redação oficial, também procurei alguns pactos e tratados bilaterais ou internacionais notáveis. O período do Império Otomano com o qual estou mais familiarizado é durante e após a Guerra da Independência da Grécia, então concentrei minha pesquisa em documentos após 1821. No entanto, acho que minhas descobertas mostram suficientemente que uma variedade de nomes foi usada, às vezes até dentro do mesmo documento. "Turquia" e "Império Otomano" eram os termos mais comumente usados.

Protocolo de Londres (1830) e Tratado de Constantinopla (1832)

Na versão original em francês do Protocolo de Londres, que estabeleceu a Grécia como um reino independente, são usados ​​"l'Empire Ottoman", "Porte Ottomane" e "Porte".

Na versão em inglês do Tratado de Constantinopla que marcou o fim da Guerra da Independência da Grécia, são usados ​​"Turquia", "Turco", "Porta Sublime Otomano", "Porta Sublime" e "Otomanos".

Pacto de Halepa (1878)

Não consegui localizar o texto original do Pacto de Halepa, mas encontrei duas menções em jornais quase contemporâneos que mostram que uma variedade de nomes foi usada. O primeiro, da edição de 16 de julho de 1896 de The Mercury (Austrália), usa "Porte" para se referir ao governo otomano, e "turcos", "membros muçulmanos", "membros muçulmanos" e "maometanos" para os otomanos pessoas.

A segunda menção é da edição de 29 de maio de 1903 do Star, a edição noturna do Lyttelton Times (Nova Zelândia). Ele usa "Turquia", "turco" e "maometanos".

Tratado de Londres (1913) e Convenção de Paz de Atenas (1913)

O Tratado de Londres e o tratado de paz assinado na convenção de Atenas concluíram a Primeira Guerra dos Balcãs. Ambos os documentos usam "Império Otomano".

Em uma nota que as Grandes Potências enviaram à Grécia em 13 de fevereiro de 1914 a respeito de violações do Tratado de Londres, "Turquie" é usado em seu lugar.

Tratados de Sèvres (1920) e Lausanne (1923)

Na versão em inglês do Tratado de Sèvres, o Império Otomano é referido como "Turquia" e o governo otomano como "Governo Otomano Imperial" (preâmbulo) e como "Governo turco" (artigo 250). Não consegui localizar a versão francesa (primária) ou italiana do tratado, embora a inglesa também seja oficial.

O Tratado de Lausanne foi assinado após a dissolução do Império Otomano, no entanto, talvez seja importante notar que existem vários exemplos de "Otomano" nele.

Fontes

  • Protocole (No 1) tenu à Londres le 3 Février 1830, relatif à l'indépendance de la Grèce.
  • Acordo entre Grã-Bretanha, França, Rússia e Turquia, para o Acordo Definitivo dos Limites Continentais da Grécia. Assinado em Constantinopla, 21 de julho de 1832.
  • The Mercury, quinta-feira, 16 de julho de 1896.
  • Star, exemplar 7718, 29 de maio de 1903, página 2
  • Convenção de Paix d 'Athènes
  • Tratado de Paz entre Grécia, Bulgária, Sérvia, Montenegro e o Império Otomano
  • Note des représentants d 'Allemagne, d' Autriche-Hongrie, de Grande-Bretagne, d 'Italie et de Russie au Gouvernement Grec, na data de 31 de janeiro / 13 de fevereiro de 1914.
  • Tratado de Paz de Sèvres
  • Tratado de Lausanne

Eu quero fornecer uma fonte mais antiga para vocês.

É chamado de "Império Turco" na London Gazette de 1683.

Aqui o Gazette está nos contando como os turcos vão invadir Viena. É muito importante me perguntar.

http://i.hizliresim.com/gqbboN.png "> http://i.hizliresim.com/9QbbG8.png">CompartilharMelhorar esta respostarespondidas 20 de novembro de 17 às 13h02KuantewKuantew1313 emblemas de bronze

A Questão Oriental

O Império Otomano foi uma parte crucial do sistema de estados europeus e desempenhou um papel ativo em seus negócios, em parte devido aos seus períodos contíguos de desenvolvimento. Na história diplomática, a & # 8220 Questão Oriental & # 8221 refere-se à competição estratégica e às considerações políticas das Grandes Potências europeias à luz da instabilidade política e econômica no Império Otomano do final do século 18 ao início do século 20. Caracterizado como o & # 8220 homem doente da Europa & # 8221, o enfraquecimento militar do império na segunda metade do século 18 ameaçou minar o frágil equilíbrio de poder moldado em grande parte pelo Concerto da Europa. A Questão Oriental englobava uma miríade de elementos inter-relacionados: derrotas militares otomanas, insolvência institucional otomana, o programa de modernização política e econômica otomana em andamento, a ascensão do nacionalismo étnico-religioso em suas províncias e rivalidades entre as grandes potências.

A Questão Oriental é normalmente datada de 1774, quando a Guerra Russo-Turca (1768-74) terminou em derrota para os otomanos. Como a dissolução do Império Otomano era considerada iminente, as potências europeias se engajaram em uma luta pelo poder para salvaguardar seus interesses militares, estratégicos e comerciais nos domínios otomanos. A Rússia Imperial se beneficiava do declínio do Império Otomano. Por outro lado, a Áustria-Hungria e a Grã-Bretanha consideravam a preservação do Império como sendo de seu interesse. A Questão Oriental foi posta de lado após a Primeira Guerra Mundial, um dos resultados da qual foi o colapso e a divisão das propriedades otomanas.


O estado otomano até 1481: a era da expansão

O primeiro período da história otomana foi caracterizado pela expansão territorial quase contínua, durante a qual o domínio otomano se espalhou de um pequeno principado do noroeste da Anatólia para cobrir a maior parte do sudeste da Europa e da Anatólia. As instituições políticas, econômicas e sociais dos impérios islâmicos clássicos foram amalgamadas com aquelas herdadas de Bizâncio e dos grandes impérios turcos da Ásia Central e foram restabelecidas em novas formas que caracterizariam a área nos tempos modernos.


O império Otomano

Pressionados a deixar suas casas nas estepes asiáticas pelos mongóis, as tribos nômades turcas se converteram ao islamismo durante os séculos VIII e IX. No século X, uma das tribos turcas, os seljúcidas, havia se tornado uma potência significativa no mundo islâmico e adotado uma vida estável que incluía a ortodoxia islâmica, uma administração central e impostos. No entanto, muitos outros grupos turcos permaneceram nômades e, seguindo a tradição gazi, procuraram conquistar terras para o Islã e adquirir espólio de guerra para si próprios. Isso os levou a um conflito com os turcos seljúcidas e, para pacificar as tribos nômades, os seljúcidas os direcionaram para o domínio oriental do Império Bizantino, na Anatólia. A tribo conhecida como otomanos surgiu de um dos emirados menores estabelecidos no noroeste da Anatólia depois de 1071. A dinastia foi nomeada em homenagem a Osman Gazi (1259-1326), que começou a expandir seu reino no Império Bizantino na Ásia Menor, mudando sua capital para Bursa em 1326.

O império

A entidade política e geográfica governada pelos turcos otomanos muçulmanos. Seu império estava centrado na atual Turquia e estendeu sua influência ao sudeste da Europa, bem como ao Oriente Médio. A Europa foi apenas temporariamente capaz de resistir ao avanço deles: o ponto de inflexão veio na Batalha de Varna em 1444, quando um exército de coalizão europeu falhou em impedir o avanço turco. Apenas Constantinopla (Istambul) permaneceu em mãos bizantinas e sua conquista em 1453 parecia inevitável após Varna. Os turcos posteriormente estabeleceram um império na Anatólia e no sudeste da Europa, que durou até o início do século XX.

Apesar de império Otomano não é considerado um reino europeu per se, a expansão otomana teve um impacto profundo em um continente já atordoado pelas calamidades dos séculos XIV e XV e os turcos otomanos devem, portanto, ser considerados em qualquer estudo da Europa no final da Idade Média. A facilidade com que o Império Otomano alcançou vitórias militares levou os europeus ocidentais a temer que o sucesso contínuo do otomano colapsasse a infraestrutura política e social do Ocidente e causaria a queda da cristandade. Uma ameaça tão importante não poderia ser ignorada e os europeus montaram cruzadas contra os otomanos em 1366, 1396 e 1444, mas sem sucesso. Os otomanos continuaram conquistando novos territórios.

Uma das várias tribos turcas que migraram da estepe da Ásia Central, os otomanos eram inicialmente um povo nômade que seguia uma religião xamânica primitiva. O contato com vários povos assentados levou à introdução do Islã e, sob a influência islâmica, os turcos adquiriram sua maior tradição de luta, a dos guerreiros gazi. Bem treinados e altamente qualificados, os guerreiros gazi lutaram para conquistar os infiéis, adquirindo terras e riquezas no processo.

Enquanto os guerreiros gazi lutavam pelo Islã, o maior ativo militar do Império Otomano era o exército pago permanente de soldados cristãos, os janízaros. Originalmente criado em 1330 por Orhan Gazi, os janízaros eram cativos cristãos de territórios conquistados. Educados na fé islâmica e treinados como soldados, os janízaros foram forçados a prestar homenagem anual na forma de serviço militar. Para enfrentar os desafios da nobreza Gazi, Murad I (1319-1389) transformou a nova força militar no exército pessoal de elite do Sultão. Eles foram recompensados ​​por sua lealdade com concessões de terras recém-adquiridas, e os janízaros rapidamente ocuparam os cargos administrativos mais importantes do Império Otomano.

Durante o início da história do Império Otomano, facções políticas dentro de Bizâncio empregaram os turcos otomanos e os janízaros como mercenários em suas próprias lutas pela supremacia imperial. Na década de 1340, o pedido de um usurpador de ajuda otomana em uma revolta contra o imperador forneceu a desculpa para uma invasão otomana da Trácia na fronteira norte do Império Bizantino. A conquista da Trácia deu aos otomanos um ponto de apoio na Europa, de onde foram lançadas futuras campanhas nos Bálcãs e na Grécia e Adrianópolis (Edirne) se tornou a capital otomana em 1366. No século seguinte, os otomanos desenvolveram um império que conquistou a Anatólia e cada vez mais seções maiores de territórios bizantinos na Europa Oriental e na Ásia Menor.

A expansão otomana na Europa estava bem encaminhada no final do século XIV. Gallipoli foi conquistada em 1354 e um vasto exército de cruzadas foi esmagado na Batalha de Nicópolis em 1396. O desastre foi tão grande que os cavaleiros da Europa Ocidental foram desencorajados de lançar uma nova expedição contra os turcos. O aparecimento dos tártaros sob Tamerlão no início do século XV atrasou temporariamente os avanços turcos, mas os otomanos logo retomaram os ataques a Bizâncio e à Europa Oriental. Um exército húngaro-polonês foi dizimado em Varna em 1444 por Murad II e as conquistas otomanas foram virtualmente desmarcadas durante o reinado de seu filho, Mehmed II, o Conquistador (1432-1481).

A própria Constantinopla foi capturada em 1453, enviando uma onda de choque por toda a Europa, e seu nome foi mudado para Istambul. Com a queda de Bizâncio, uma onda de refugiados bizantinos fugiu para o Ocidente latino, levando consigo o conhecimento clássico e helenístico que deu ímpeto adicional ao florescente humanismo da Renascença.

Atenas caiu em 1456 e Belgrado escapou por pouco da captura quando um exército camponês liderado pelo húngaro Janos Hunyadi suspendeu um cerco no mesmo ano; no entanto, Sérvia, Bósnia, Valáquia e o Canato da Crimeia estavam todos sob controle otomano em 1478. Os turcos comandavam o Mar Negro e o norte do Egeu, e muitas rotas comerciais importantes haviam sido fechadas ao transporte marítimo europeu. A ameaça islâmica tornou-se ainda maior quando uma cabeça de ponte otomana foi estabelecida em Otranto, na Itália, em 1480.

Embora a presença turca na Itália tenha durado pouco, parecia que a própria Roma logo cairia nas mãos dos islâmicos. Em 1529, os otomanos subiram o Danúbio e sitiaram Viena. O cerco não teve sucesso e os turcos começaram a recuar. Embora os otomanos continuassem a inspirar medo até o século 16, as lutas internas começaram a deteriorar a outrora esmagadora supremacia militar do Império Otomano. O resultado das batalhas não era mais uma conclusão precipitada e os europeus começaram a marcar vitórias contra os turcos.

Apesar do sucesso militar de sua expansão territorial, persistiram problemas de organização e governo dentro do Império Otomano. Murad II tentou limitar a influência da nobreza e dos gazi elevando fiéis ex-escravos e janízaros a cargos administrativos. Esses administradores passaram a fornecer uma voz alternativa à da nobreza e, como resultado, Murad II e sucessivos sultões foram capazes de jogar uma facção contra a outra, uma característica que veio a tipificar o Império Otomano. O poder dos janízaros frequentemente anulava um sultão fraco e a força militar de elite ocasionalmente agia como "fazedores de reis".

Outra fraqueza era que a primogenitura não era usada no Islã e a transferência de poder de um sultão falecido para seu filho era frequentemente contestada. Se um sultão morria sem um herdeiro homem ou se deixava vários filhos, a sucessão era violentamente contestada. No período inicial, para evitar rivalidades contínuas, todos os parentes do sexo masculino de um sultão recém-coroado eram condenados à morte. Mais tarde, porém, os rivais em potencial foram meramente presos para o resto da vida. Alguns historiadores consideram que essa política de encarceramento contribuiu para o declínio do Império Otomano, pois sultões mentalmente instáveis ​​e politicamente inexperientes foram resgatados da prisão e colocados no trono. No entanto, apesar das frequentes disputas sobre a sucessão, o Império Otomano conseguiu produzir líderes eficazes no final da Idade Média e desenvolveu-se uma política governamental abrangente.

Apesar das dificuldades de sucessão e controle administrativo, os otomanos tinham uma série de vantagens que contribuíram para seu sucesso, sendo a enorme riqueza do Império o ativo mais significativo. Com a expansão do Império Otomano, ele adquiriu o controle das rotas comerciais com o Oriente e muitas potências europeias, como Veneza e Gênova, pagaram grandes somas pelo privilégio de acesso a essas rotas.

Embora as atrocidades do "turco infiel" tenham causado medo nos corações de todos os cristãos no final da Idade Média, na realidade, os otomanos geralmente permitiam que grupos religiosos continuassem a praticar sua própria fé nos territórios conquistados. Eles também tendiam a preservar as instituições feudais estabelecidas e, em muitos casos, permitiam a coexistência de códigos legais para regulamentar os diferentes grupos étnicos e religiosos. Seus sistemas administrativos e governamentais eram bem desenvolvidos e altamente eficazes, e a maioria das terras sob controle otomano era bem administrada nessa época.


O império Otomano

Apenas 80 anos separam o Oriente Médio moderno do esquecido e longevo Império Otomano. Ao longo de um período de seiscentos anos, de cerca de 1300 a 1923, o Império Otomano se expandiu e se tornou a maior entidade política da Europa e da Ásia Ocidental e depois implodiu e desapareceu nas últimas páginas da história. Em seu auge, o Império controlava grande parte do sudeste da Europa, grande parte da área do atual Oriente Médio e partes do Norte da África. No século 13, a região da Anatólia (a maior parte da parte asiática da atual Turquia) era controlada pelo Império Bizantino no noroeste e pelos turcos seljúcidas no sudoeste. Por volta de 1290, Osman I (1258-1324), um guerreiro muçulmano e líder de um pequeno principado dentro do território turco seljúcida, declarou sua independência do sultão seljúcida. O Império Otomano foi fundado. (Otomano é derivado de Uthman, a forma árabe de Osman.)

De sua pequena cabeça de ponte na Anatólia, Osman e seu filho Orhan (1288-1362) começaram a expandir suas terras para o noroeste no território do Império Bizantino e para o leste no resto da Anatólia. Em 1481, o território do Império Otomano incluía a maior parte da Península Balcânica e toda a Anatólia. Durante o segundo período de grande expansão de 1481 a 1683, os turcos otomanos conquistaram territórios na Síria, Egito, Mesopotâmia (atual Iraque) e Hungria. Em seu apogeu, Solimão, o Magnífico (c. 1495-1566) governou o Império e supervisionou importantes conquistas da cultura otomana. Em 1683, os turcos tentaram continuar sua expansão europeia atacando Viena em julho. O ataque falhou, o lento declínio do Império havia começado. Problemas dentro do exército (sobre salários e recrutamento), bem como corrupção governamental e agitação civil foram os principais catalisadores para o declínio. Por meio de uma série de grandes conflitos malsucedidos e tratados subsequentes, o Império perdeu a maior parte de seu território. O Egito foi temporariamente perdido para Napoleão em 1798 e depois permanentemente perdido em 1882. A Grécia foi perdida após a Guerra da Independência Grega (1822-1827). A guerra com a Rússia (1877-1878) resultou na perda de mais territórios balcânicos.

O Império tentou modernizar seu exército e implementar reformas políticas e econômicas, mas era tarde demais. Em 1908, o movimento Young Turk, liderado por uma coalizão de grupos nacionalistas, se revoltou contra o regime autoritário do sultão e estabeleceu um governo constitucional. Na Primeira Guerra Mundial, o governo uniu forças com as Potências Centrais. Quando as Potências Centrais foram derrotadas, o Território Otomano foi grandemente reduzido e as fronteiras foram alinhadas aproximadamente com a atual Turquia. Após a guerra, a partir dos anos 1919 e 1923, Mustafa Kemal liderou um levante nacional (a Guerra da Independência da Turquia) contra o último sultão otomano que lançou as bases do novo Estado turco e sinalizou o fim do Império Otomano. Fontes selecionadas: Cantor, Norman F. ed. A Enciclopédia da Idade Média. Nova york. 1999. O & # 39Brien, Patrick K. general ed. Enciclopédia de História Mundial. Fatos em arquivo. Nova york. 2000.


Uma história da moda no Império Otomano

Dado o ardor do desenvolvimento e crescimento cultural durante o apogeu do Império Otomano, não é surpresa que certos elementos de sua história continuem a inspirar artistas, chefs e designers turcos até hoje. Damos uma olhada na história da vestimenta otomana - das vestes do sultão às roupas usadas pelas mulheres da corte - para um pequeno vislumbre daqueles dias imperiosos.

Durante o século 16, o Império Otomano atingiu o auge do poder econômico e político. Como tal, a indústria têxtil também conheceu um boom, com as técnicas de tecelagem e a qualidade dos tecidos no seu auge. Claro, os sultões teriam nada menos do que luxuosos kaftans compostos dos tecidos mais caros, com fios folheados a ouro ou prata. Para suprir a demanda substancial, oficinas especiais projetaram roupas e móveis para a corte, às vezes até mesmo fazendo pedidos para outras oficinas em Istambul e Bursa, a fim de atender à alta demanda.

Os impressionantes kaftans do sultão (usados ​​com şalvar, calças largas) eram feitas de tecidos como brocado, veludo, cetim e lampas de seda, tafetá, mohair e caxemira. A influência internacional também desempenhou um papel importante, com vários tecidos encomendados de renomados centros de tecelagem italianos em Veneza, Gênova e Florença, bem como os presentes diplomáticos de países ricos em têxteis, como Irã, Índia e China. Um dos designs mais famosos desta época foi o Chintamani motivo, que era composto por uma linha ondulada com três círculos. Outros motivos como flores, galhos com folhas, o sol, a lua, as estrelas e o nó infinito também eram comuns. O capacete do sultão também era um elemento muito importante da moda otomana, começando com o Horasani (um chapéu cônico de lã) e evoluindo para o mücevveze (um chapéu cilíndrico envolto em fina musselina).

Quanto às mulheres pertencentes à família do sultão, um Kaşbastı (um diadema enfeitado com uma pedra no centro) era usado na cabeça para indicar sua posição. No século XVII os enfeites para a cabeça das mulheres evoluíram, tornando-se cada vez mais ostentosos, com conjuntos de joias cuidadosamente selecionados. No século XVI também era usado um fez com um fino lenço branco que cobria toda a cabeça e ombros. As mulheres na corte usavam um manto interno chamado de iç entari com um cinto elaborado chamado de Cevberi. Esses cintos também se tornaram bastante decorativos, com adagas de joias ou porta-chaves bordados. Como camada externa, as mulheres também usavam kaftans, que eram forrados com pele nos meses de inverno, enquanto todas as roupas eram feitas com os tecidos predominantes da época, como brocado, seda e veludo.

Durante o reinado de Ahmed III (1703-1730), mudanças significativas começaram a ocorrer nas roupas à medida que a influência ocidental tomava conta. À medida que as mulheres começaram a entrar na esfera pública recreativa, sua estética também mudou com a ferace (um sobretudo liso para exterior) tornando-se mais colorido e embelezado com guarnições e fitas douradas. Capacetes com cristas e cobertos por um fino véu branco eram usados ​​por mulheres, que também carregavam guarda-sóis de seda com punhos de joias. Um movimento em direção à ocidentalização do vestuário durante o reinado do sultão Mahmud II no século 17 causou a ocidentalização do vestuário militar, pois os sultões otomanos começaram a se vestir como comandantes ocidentais em ternos escuros com bordas bordadas, além de um fez. Na década de 1850, o interesse das mulheres por produtos europeus aumentou e os pedidos foram feitos, resultando em uma importação de moda que mudou drasticamente o estilo otomano.


Fatos sobre o Império Otomano

Antes de prosseguirmos em direção à linha do tempo, vamos examinar mais de perto alguns fatos básicos relativos a este império gigantesco.

O que foi o Império Otomano?

O Império Turco foi uma entidade política e militar muito poderosa dos turcos, que se estabeleceu na Idade Média e durou até o século XX. Tudo começou com um pequeno estado composto por apenas um punhado de turcos que se acredita serem os sucessores dos turcos seljúcidas, estes tendo vindo originalmente da Ásia Menor durante o início da Idade Média. Acredita-se que o Império Otomano oficial foi estabelecido em julho de 1299 e durou até outubro de 1923. Atingiu o auge de seu poder e glória nos séculos XVI e XVII e, durante este período, na área geográfica sob o reinado do Império Otomano O cetro se estendeu por três continentes e incluiu uma parte significativa do sudeste da Europa, norte da África e oeste da Ásia. O império foi dividido em 29 províncias e um grande número de estados vassalos e tributários. O Império também estendeu sua autoridade sobre muitos estados e reinos distantes por meio da mídia, declarando lealdade ao chefe de estado otomano & # 8211, o sultão e o califa. Constantinopla, ou seja, a Istambul dos dias modernos, era a capital.

Quem fundou o Império Otomano?

Embora formado como resultado da desintegração da Anatólia turca em estados independentes (os emirados Ghazi), o crédito pela fundação do Grande Império Turco foi concedido a Osman I. Ele liderou um dos emirados Ghazi e declarou seu pequeno assentamento de turcos independente do reinado dos turcos seljúcidas no ano de 1299. ele declarou Bursa como a capital de seu pequeno reino depois de estender o limiar de seu pequeno povoado mais perto dos limites do Império Bizantino. É de Osman I que o Império Otomano deriva seu nome.

Religião

Embora o assentamento turco original, os sultões e os califas seguissem a religião islâmica sunita, com expansão gradual em várias regiões políticas e socioculturais, os súditos consistiam em cristãos, judeus e seguidores de várias outras religiões minoritárias. O Império manteve uma atitude liberal em relação à tolerância religiosa, mas tal tolerância não foi demonstrada aos seguidores de religiões politeístas.


Conteúdo

Conflitos sociais Editar

A Europa tornou-se dominada por Estados-nação com o surgimento do nacionalismo na Europa. O Império Otomano foi um império religioso. O século 19 viu o surgimento do nacionalismo sob o Império Otomano, que resultou no estabelecimento de uma Grécia independente em 1821, da Sérvia em 1835 e da Bulgária em 1877-1878. Muitos dos muçulmanos locais nesses países morreram durante os conflitos e massacres, enquanto outros fugiram. Ao contrário das nações europeias, o Império Otomano não fez nenhuma tentativa de integrar os povos conquistados por meio da assimilação cultural. [2] O Porte não tinha uma política oficial de conversão dos não-muçulmanos dos Bálcãs ou da Anatólia ao Islã. Em vez disso, a política otomana era governar por meio do sistema do painço, que consistia em comunidades confessionais para cada religião. [uma]

O Império nunca integrou suas conquistas economicamente e, portanto, nunca estabeleceu um vínculo vinculante com seus súditos. [2] Entre 1828 e 1908, o Império tentou alcançar a industrialização e um mercado mundial emergente reformando o estado e a sociedade. O otomanismo, originário dos jovens otomanos e inspirado em Montesquieu, Rousseau e na Revolução Francesa, promoveu a igualdade entre os millets e afirmou que seus súditos eram iguais perante a lei. Os defensores do otomanismo acreditavam em aceitar todas as etnias e religiões separadas como Otomanos poderia resolver questões sociais. [4] Após as reformas do Tanzimat, grandes mudanças foram introduzidas na estrutura do Império. A essência do sistema de painço não foi desmantelada, mas organizações e políticas seculares foram aplicadas. A educação primária e o recrutamento otomano deveriam ser aplicados tanto a não muçulmanos quanto a muçulmanos. Michael Hechter argumenta que a ascensão do nacionalismo no Império Otomano foi o resultado de uma reação contra as tentativas otomanas de instituir formas mais diretas e centrais de governo sobre populações que antes tinham maior autonomia. [5]

Edite questões econômicas

As Capitulações foram a principal discussão durante o período. Acreditava-se que a entrada de ajuda estrangeira com capitulação poderia beneficiar o Império. Funcionários otomanos, representando diferentes jurisdições, buscaram subornos em todas as oportunidades e retiveram os rendimentos de um sistema tributário vicioso e discriminatório, que arruinou todas as indústrias em dificuldades com o suborno, e lutou contra todas as demonstrações de independência por parte dos muitos povos súditos do Império.

A dívida pública otomana fazia parte de um esquema mais amplo de controle político, por meio do qual os interesses comerciais do mundo buscaram obter vantagens que talvez não fossem do interesse do Império. A dívida era administrada pela Administração da Dívida Pública Otomana e seu poder foi estendido ao Banco Otomano Imperial (ou Banco Central). A dívida total do Império antes da Guerra Mundial era de US $ 716 milhões. A França tinha 60% do total. A Alemanha tem 20%. O Reino Unido possuía 15%. A administração da dívida otomana controlava muitas das receitas importantes do Império. O Conselho tinha poder sobre os assuntos financeiros e seu controle se estendia até mesmo para determinar o imposto sobre o gado nos distritos.

1908 Abdul Hamid Editar

O sultão Abdul Hamid estabeleceu a monarquia constitucional em 1876 durante o que é conhecido como a Primeira Era Constitucional. Este sistema foi abolido dois anos depois, em 1878.

Revolução jovem turca Editar

Em julho de 1908, a Revolução do Jovem Turco mudou a estrutura política do Império. Os Jovens Turcos se rebelaram contra o governo absoluto do Sultão Abdul Hamid II para estabelecer a Segunda Era Constitucional. Em 24 de julho de 1908, o sultão Abdul Hamid II capitulou de seu posto e restaurou a constituição otomana de 1876.

A revolução criou uma democracia multipartidária. Uma vez clandestino, o movimento Young Turk declarou seus partidos. [6] (p32) Entre eles "Comitê de União e Progresso" (CUP), e "Partido da Liberdade e Acordo" também conhecido como União Liberal ou Entente Liberal (LU).

No início, havia o desejo de permanecer unificado e os grupos concorrentes desejavam manter um país comum. A Organização Revolucionária Interna da Macedônia colaborou com os membros do "CUP", e gregos e búlgaros aderiram ao segundo maior partido, o "LU". A ala federalista búlgara deu as boas-vindas à revolução e, mais tarde, juntou-se à política dominante como o Partido Federativo do Povo (Seção Búlgara). Os ex-centralistas da IMRO formaram os Clubes Constitucionais Búlgaros e, como o PFP, participaram das eleições gerais otomanas de 1908.

Nova edição do parlamento

As eleições gerais otomanas de 1908 foram precedidas por campanhas políticas. No verão de 1908, várias propostas políticas foram apresentadas pela CUP. O CUP afirmou no seu manifesto eleitoral que pretendia modernizar o Estado, reformando as finanças e a educação, promovendo as obras públicas e a agricultura e os princípios da igualdade e da justiça. [7] Em relação ao nacionalismo, (armênio, curdo, turco ...), o CUP identificou os turcos como a "nação dominante" em torno da qual o império deveria ser organizado, não muito diferente da posição dos alemães na Áustria-Hungria. De acordo com Reynolds, apenas uma pequena minoria no Império se ocupava com o pan-turquismo. [8]

As eleições gerais otomanas de 1908 ocorreram em outubro e novembro de 1908. Os candidatos patrocinados pelo CUP se opuseram à LU. Este último se tornou um centro para aqueles que se opõem ao CUP. Sabaheddin Bey, que voltou de seu longo exílio, acreditava que em províncias não homogêneas um governo descentralizado era melhor. O LU estava mal organizado nas províncias e não conseguiu convencer os candidatos das minorias a disputar as eleições sob a bandeira do LU, mas também não conseguiu obter o apoio contínuo ao antigo regime em áreas menos desenvolvidas. [7]

Em setembro de 1908, foi inaugurada a importante ferrovia de Hejaz, cuja construção havia começado em 1900. O domínio otomano foi firmemente restabelecido em Hejaz e no Iêmen com a ferrovia de Damasco a Medina. Historicamente, o interior da Arábia era controlado principalmente por um grupo tribal contra outro. Quando a ferrovia terminou, os fundamentalistas islâmicos wahhabistas opostos se reafirmaram sob a liderança política de Abdul al-Aziz Ibn Saud.

As comunidades cristãs dos Balcãs sentiram que a CUP já não representava as suas aspirações. Eles tinham ouvido os argumentos do CUP antes, sob as reformas do Tanzimat:

Aqueles na vanguarda da reforma se apropriaram da noção de otomanismo, mas as contradições implícitas na realização prática dessa ideologia - em persuadir muçulmanos e não-muçulmanos de que a conquista da verdadeira igualdade entre eles implicava na aceitação de ambas as obrigações também como direitos - representava um problema para o CUP. October 1908 saw the new regime suffer a significant blow with the loss of Bulgaria, Bosnia, and Crete, over which the empire still exercised nominal sovereignty. [7]

The system became multi-headed, with old and new structures coexisting, until the CUP took full control of the government in 1913 and, under the chaos of change, power was exercised without accountability.

Annexations Edit

The de jure Bulgarian Declaration of Independence on 5 October [O.S. 22 September] 1908 from the Empire was proclaimed in the old capital of Tarnovo by Prince Ferdinand of Bulgaria, who afterwards took the title "Tsar".

The Bosnian crisis on 6 October 1908 erupted when Austria-Hungary announced the annexation of Bosnia and Herzegovina, territories formally within the sovereignty of the Empire. This unilateral action was timed to coincide with Bulgaria's declaration of independence (5 October) from the Empire. The Ottoman Empire protested Bulgaria's declaration with more vigour than the annexation of Bosnia-Herzegovina, which it had no practical prospects of governing. A boycott of Austro-Hungarian goods and shops occurred, inflicting commercial losses of over 100,000,000 kronen on Austria-Hungary. Austria-Hungary agreed to pay the Ottomans ₤2.2 million for the public land in Bosnia-Herzegovina. [9] Bulgarian independence could not be reversed.

Just after the revolution in 1908, the Cretan deputies declared union with Greece, taking advantage of the revolution as well as the timing of Zaimis's vacation away from the island. [10] 1908 ended with the issue still unresolved between the Empire and the Cretans. In 1909, after the parliament elected its governing structure (first cabinet), the CUP majority decided that if order was maintained and the rights of Muslims were respected, the issue would be solved with negotiations.

CUP Government Edit

The Senate of the Ottoman Empire was opened by the Sultan on 17 December 1908. The new year brought the results of 1908 elections. Chamber of Deputies gathered on 30 January 1909. CUP needed a strategy to realize their Ottomanist ideals. [7] The task of stopping the collapse of the Empire became the majority seat holder CUP's burden. However, the new system may have arrived too late to have any impact. The Empire was already in constant conflict and only four years remained before the Great War ignited.

In 1909, public order laws and police were unable to maintain order protesters were prepared to risk reprisals to express their grievances. In the three months following the inauguration of the new regime there were more than 100 strikes, constituting three-quarters of the labor force of the Empire, mainly in Constantinople and Salonika (Thessaloniki). During previous strikes (Anatolian tax revolts in 1905-1907) the Sultan remained above criticism and bureaucrats and administrators were deemed corrupt this time CUP took the blame. In the parliament LU accused the CUP of authoritarianism. Abdul Hamid's Grand Viziers Said and Kâmil Pasha and his Foreign Minister Tevfik Pasha continued in the office. They were now independent of the Sultan and were taking measures to strengthen the Porte against the encroachments of both the Palace and the CUP. Said and Kâmil were nevertheless men of the old regime. [7]

After nine months into the new government, discontent found expression in a fundamentalist movement which attempted to dismantle Constitution and revert it with a monarchy. The Ottoman counter-coup of 1909 gained traction when Sultan promised to restore the Caliphate, eliminate secular policies, and restore the rule of Islamic law, as the mutinous troops claimed. CUP also eliminated the time for religious observance. [7] Unfortunately for the advocates of representative parliamentary government, mutinous demonstrations by disenfranchised regimental officers broke out on 13 April 1909, which led to the collapse of the government. [6] ( p33 ) On 27 April 1909 counter-coup put down by "31 March Incident" using the 11th Salonika Reserve Infantry Division of the Third Army. Some of the leaders of Bulgarian federalist wing like Sandanski and Chernopeev participated in the march on Capital to depose the "attempt to dismantle constitution". [11] Abdul Hamid II was removed from the throne, and Mehmed V became the Sultan.

The Albanians of Tirana and Elbassan, where the Albanian National Awakening spread, were among the first groups to join the constitutional movement. Hoping that it would gain their people autonomy within the empire. However, due to shifting national borders in the Balkans, the Albanians had been marginalized as a nation-less people. The most significant factor uniting the Albanians, their spoken language, lacked a standard literary form and even a standard alphabet. Under the new regime the Ottoman ban on Albanian-language schools and on writing the Albanian language lifted. The new regime also appealed for Islamic solidarity to break the Albanians' unity and used the Muslim clergy to try to impose the Arabic alphabet. The Albanians refused to submit to the campaign to "Ottomanize" them by force. As a consequence, Albanian intellectuals meeting, the Congress of Manastir on 22 November 1908, chose the Latin alphabet as a standard script.

1909–1918 Mehmed V Edit

After the 31 March Incident in 1909, the Sultan Abdul Hamid II was overthrown. [12]

Constitutional revision Edit

On 5 August 1909, the revised constitution was granted by the new Sultan Mehmed V. This revised constitution, as the one before, proclaimed the equality of all subjects in the matter of taxes, military service (allowing Christians into the military for the first time), and political rights. The new constitution was perceived as a big step for the establishment of a common law for all subjects. The position of Sultan was greatly reduced to a figurehead, while still retaining some constitutional powers, such as the ability to declare war. [13] The new constitution, aimed to bring more sovereignty to the public, could not address certain public services, such as the Ottoman public debt, the Ottoman Bank or Ottoman Public Debt Administration because of their international character. The same held true of most of the companies which were formed to execute public works such as Baghdad Railway, tobacco and cigarette trades of two French companies the "Regie Company", and "Narquileh tobacco".

Italian War, 1911 Edit

Italy declared war, the Italo-Turkish War, on the Empire on 29 September 1911, demanding the turnover of Tripoli and Cyrenaica. The empire's response was weak so Italian forces took those areas on 5 November of that year (this act was confirmed by an act of the Italian Parliament on 25 February 1912). Although minor, the war was an important precursor of World War I as it sparked nationalism in the Balkan states.

Ottomans were losing their last directly ruled African territory. The Italians also sent weapons to Montenegro, encouraged Albanian dissidents, seized Rhodes and the other. [ esclarecimento necessário ] [13] Seeing how easily the Italians had defeated the disorganized Ottomans, the members of the Balkan League attacked the Empire before the war with Italy had ended.

On 18 October 1912, Italy and the Empire signed a treaty in Ouchy near Lausanne. Often called Treaty of Ouchy, but also named as the First Treaty of Lausanne.

Elections, 1912 Edit

The Liberal Union was in power sharing when the First Balkan War broke out in October. The Committee of Union and Progress won landslide the 1912 Ottoman general election. In this election CUP proved/developed into a real political party. Decentralization (the Liberal Union's position) was rejected and all effort was directed toward streamline of the government, streamlining the administration (bureaucracy), and strengthening the armed forces. The CUP, which got the public mandate from the electrode, did not compromise with minority parties like their predecessors (that is being Sultan Abdul Hamid) had been. [13] The first three years of relations between the new regime and the Great Powers were demoralizing and frustrating. The Powers refused to make any concessions over the Capitulations and loosen their grip over the Empire's internal affairs. [14]

When the Italian War and the counterinsurgency operations in Albania and Yemen began to fail, a number of high-ranking military officers, who were unhappy with the counterproductive political involvement in these wars, formed a political committee in the capital. Calling itself the Group of Liberating Officers or Savior Officers, its members were committed to reducing the autocratic control wielded by the CUP over military operations. Supported by the Liberal Union in parliament, these officers threatened violent action unless their demands were met. Said Pasha resigned as Grand Vizier on 17 July 1912, and the government collapsed. A new government, so called the "Great government", was formed by Ahmet Muhtar Pasha. The members of the government were prestigious statesmen, technocrat government, and they easily received the vote of confidence. This CUP excluded from cabinet posts. [6] ( p101 )

The 1912 Mürefte earthquake occurred causing 216 casualties on 9 August 1912. The Ottoman Aviation Squadrons established by largely under French guidance in 1912. [13] Squadrons were established in a short time as Louis Blériot and the Belgian pilot Baron Pierre de Caters performed the first flight demonstration in the Empire on 2 December 1909.

Balkan Wars, 1912–1913 Edit

The three new Balkan states formed at the end of the 19th century and Montenegro, sought additional territories from the Albania, Macedonia, and Thrace regions, behind their nationalistic arguments. The incomplete emergence of these nation-states on the fringes of the Empire during the nineteenth century set the stage for the Balkan Wars. On 10 October 1912 the collective note of the powers was handed. CUP responded to demands of European powers on reforms in Macedonia on 14 October. [15] Before further action could be taken war broke out.

While Powers were asking Empire to reform Macedonia, under the encouragement of Russia, a series of agreements were concluded: between Serbia and Bulgaria in March 1912, between Greece and Bulgaria in May 1912, and Montenegro subsequently concluded agreements between Serbia and Bulgaria respectively in October 1912. The Serbian-Bulgarian agreement specifically called for the partition of Macedonia which resulted in the First Balkan War. A nationalist uprising broke out in Albania, and on 8 October, the Balkan League, consisting of Serbia, Montenegro, Greece and Bulgaria, mounted a joint attack on the Empire, starting the First Balkan War. The strong march of the Bulgarian forces in Thrace pushed the Ottoman armies to the gates of Constantinople. The Second Balkan War soon followed. Albania declared independence on 28 November.

The empire agreed to a ceasefire on 2 December, and its territory losses were finalized in 1913 in the treaties of London and Bucharest. Albania became independent, and the Empire lost almost all of its European territory (Kosovo, Sanjak of Novi Pazar, Macedonia and western Thrace) to the four allies. These treaties resulted in the loss of 83 percent of their European territory and almost 70 percent of their European population. [16]

Inter-communal conflicts, 1911–1913 Edit

In the two-year period between September 1911 and September 1913 ethnic cleansing sent hundreds of thousands of Muslim refugees, or muhacir, streaming into the Empire, adding yet another economic burden and straining the social fabric. During the wars, food shortages and hundreds of thousands of refugees haunted the empire. After the war there was a violent expel of the Muslim peasants of eastern Thrace. [16]

Cession of Kuwait and Albania, 1913 Edit

The Anglo-Ottoman Convention of 1913 was a short-lived agreement signed in July 1913 between the Ottoman sultan Mehmed V and the British over several issues. However the status of Kuwait that came to be the only lasting result, as its outcome was formal independence for Kuwait.

Albania had been under Ottoman rule since about 1478. When Serbia, Montenegro, and Greece laid claim to Albanian-populated lands during Balkan Wars, the Albanians declared independence. [17] The European Great Powers endorsed an independent Albania in 1913, after the Second Balkan War leaving outside the Albanian border more than half of the Albanian population and their lands, that were partitioned between Montenegro, Serbia and Greece. They were assisted by Aubrey Herbert, a British MP who passionately advocated their cause in London. As a result, Herbert was offered the crown of Albania, but was dissuaded by the British prime minister, H. H. Asquith, from accepting. Instead the offer went to William of Wied, a German prince who accepted and became sovereign of the new Principality of Albania. Albania's neighbours still cast covetous eyes on this new and largely Islamic state. [16] The young state, however, collapsed within weeks of the outbreak of World War I. [17]

CUP takes control Edit

At the turn of 1913, the Ottoman Modern Army failed at counterinsurgencies in the periphery of the empire, Libya was lost to Italy, and Balkan war erupted in the fall of 1912. LU flexed its muscles with the forced dissolution of the parliament in 1912. The signs of humiliation of the Balkan wars worked to the advantage of the CUP [18] The cumulative defeats of 1912 enabled the CUP to seize control of the government.

The Liberal Union Party presented the peace proposal to the Ottoman government as a collective démarche, which was almost immediately accepted by both the Ottoman cabinet and by an overwhelming majority of the parliament on 22 January 1913. [6] ( p101 ) The 1913 Ottoman coup d'état (23 January), was carried out by a number of CUP members led by Ismail Enver Bey and Mehmed Talaat Bey, in which the group made a surprise raid on the central Ottoman government buildings, the Sublime Porte (Turkish: Bâb-ı Âlî) During the coup, the Minister of the Navy Nazım Pasha was assassinated and the Grand Vizier, Kâmil Pasha, was forced to resign. The CUP established tighter control over the faltering Ottoman state. [6] ( p98 ) Mahmud Sevket Pasha was assassinated just in 5 months after the coup in June 1913. LU supporters had been involved in the assassination their crush followed. Cemal Pasha was responsible for executing revenge. The execution of former officials had been an exception since the Tanzimat (1840s) period the punishment was the exile. The public life could not be far more brutish 75 years after the Tanzimat. [18] The Foreign Ministry was always occupied by someone from the inner circle of the CUP except for the interim appointment of Muhtar Bey. Said Halim Pasha who was already Foreign Minister, became Grand Vizier in June 1913 and remained in office until October 1915. He was succeeded in the Ministry by Halil [ quem? ] .

In May 1913 German military mission assigned Otto Liman von Sanders to help train and reorganize the Ottoman army. Otto Liman von Sanders was assigned to reorganize the First Army, his model to be replicated to other units as an advisor [he took the command of this army in November 1914] and began working on its operational area which was the straits. This became a scandal and intolerable for St. Petersburg. The Russian Empire developed a plan for invading and occupying the Black Sea port of Trabzon or the Eastern Anatolian town of Bayezid in retaliation. To solve this issue Germany demoted Otto Liman von Sanders to a rank that he could barely command an army corps. If there was no solution through Naval occupation of Constantinople, the next Russian idea was to improve the Russian Caucasus Army.

Elections, 1914 Edit

The Empire lost territory in the Balkans, where many of its Christian voters were based before the 1914 elections. The CUP made efforts to win support in the Arab provinces by making conciliatory gestures to Arab leaders. Weakened Arab support for the LU and enabled the CUP to call elections with unionists holding the upper hand. After 1914 elections, the democratic structure had a better representation in the parliament the parliament that emerged from the elections in 1914 reflected better ethnic composition of the Ottoman population There were more Arab deputies, which were under-represented in previous parliaments. The CUP had a majority government. The Ottoman imperial government was established in January 1914. Ismail Enver became a Pasha and was assigned as the Minister of War Ahmet Cemal who was the military governor of Constantinople became Minister for the Navy and once a postal official Talaat became the Minister of the Interior. These Three Pashas would maintain de fato control of the Empire as a military regime and almost as a personal dictatorship under Enver Pasha during the World War I. Until the 1919 Ottoman general election, any other input into the political process was restricted with the outbreak of the World War I. [18] The 1914 Burdur earthquake occurred on 4 October 1914.

Local-Regional politics Edit

Arab politics Edit

The Hauran Druze Rebellion was a violent Druze uprising in the Syrian province, which erupted in 1909. The rebellion was led by the al-Atrash family, in an aim to gain independence. A business dispute between Druze chief Yahia bey Atrash in the village of Basr al-Harir escalated into a clash of arms between the Druze and Ottoman-backed local villagers. [19] Though it is the financial change during second constitutional area the spread of taxation, elections and conscription, to areas already undergoing economic change caused by the construction of new railroads, provoked large revolts, particularly among the Druzes and the Hauran. [20] Sami Pasha al-Farouqi arrived in Damascus in August 1910, leading an Ottoman expeditionary force of some 35 battalions. [19] The resistance collapsed. [19]

In 1911, Muslim intellectuals and politicians formed "The Young Arab Society", a small Arab nationalist club, in Paris. Its stated aim was "raising the level of the Arab nation to the level of modern nations." In the first few years of its existence, al-Fatat called for greater autonomy within a unified Ottoman state rather than Arab independence from the empire. Al-Fatat hosted the Arab Congress of 1913 in Paris, the purpose of which was to discuss desired reforms with other dissenting individuals from the Arab world. They also requested that Arab conscripts to the Ottoman army not be required to serve in non-Arab regions except in time of war. However, as the Ottoman authorities cracked down on the organization's activities and members, al-Fatat went underground and demanded the complete independence and unity of the Arab provinces. [21]

Nationalist movement become prominent during this Ottoman period, but it has to be mentionas that this was among Arab nobles and common Arabs considered themselves loyal subjects of the Caliph. [22] ( p229 ) Instead of Ottoman Caliph, the British, for their part, incited the Sharif of Mecca to launch the Arab Revolt during the First World War. [22] ( pp8–9 )

Armenian politics Edit

In 1908, the Armenian Revolutionary Federation (ARF) or Dashnak Party embraced a public position endorsing participation and reconciliation in the Imperial Government of the Ottoman Empire and the abandonment of the idea of an independent Armenia. Stepan Zorian and Simon Zavarian managed the political campaign for the 1908 Ottoman Elections. ARF field workers were dispatched to the provinces containing significant Armenian populations for example, Drastamat Kanayan (Dro), went to Diyarbakir as a political organizer. The Committee of Union and Progress could only able to bring 10 Armenian representatives to the 288 seats in the 1908 Ottoman general election. The other 4 Armenians represented parties with no ethnic affiliation. The ARF was aware that the elections were shaky ground and maintained its political direction and self-defence mechanism intact and continued to smuggle arms and ammunition. [6] ( p33 )

On 13 April 1909, while Constantinople was dealing with the consequences of Ottoman countercoup of 1909 an outbreak of violence, known today as the Adana Massacre shook in April the ARF-CUP relations to the core. On 24 April the 31 March Incident and suppression of the Adana violence followed each other. The Ottoman authorities in Adana brought in military forces and ruthlessly stamped out both real opponents, while at the same time massacring thousands of innocent people. In July 1909, the CUP government announced the trials of various local government and military officials, for "being implicated in the Armenian massacres.".

On 15 January 1912, the Ottoman parliament dissolved and political campaigns began almost immediately. Andranik Ozanian participated in the Balkan Wars of 1912–1913 alongside general Garegin Nzhdeh as a commander of Armenian auxiliary troops. Andranik met revolutionist Boris Sarafov and the two pledged to work jointly for the oppressed peoples of Armenia and Macedonia. Andranik participated in the First Balkan War alongside Garegin Nzhdeh as a Chief Commander of 12th Battalion of Lozengrad Third Brigade of the Macedonian-Adrianopolitan militia under the command of Colonel Aleksandar Protogerov. His detachment consisted of 273 Armenian volunteers. On 5 May 1912, the Armenian Revolutionary Federation officially severed the relations with the Ottoman government a public declaration of the Western Bureau printed in the official announcement was directed to "Ottoman Citizens." The June issue of Droshak ran an editorial about it. [6] ( p35 ) Shortly after the war started, rumours surfaced that Armenians fighting together with the Bulgarians near Kavala had massacred Muslims. There were overwhelming numbers of Armenians who served the Empire units with distinction during Balkan wars. The ARF quickly disproved 273 Armenian volunteers of Macedonian-Adrianopolitan militia from killing Muslims by pointing out that there were no Armenian names in the list of those accused and published telegrams and testimonials from the Armenians in the Ottoman units. [6] ( pp89–90 )

In October 1912, George V of Armenia engaged in negotiations with General Illarion Ivanovich Vorontsov-Dashkov to discuss Armenian reforms inside the Russian Empire. In December 1912, Kevork V formed the Armenian National Delegation and appointed Boghos Nubar. The delegation established itself in Paris. Another member appointed to the delegation was James Malcolm who resided in London and became the delegation's point man in its dealings with the British. In early 1913, Armenian diplomacy shaped as Boghos Nubar was to be responsible for external negotiations with the European governments, while the Political Council "seconded by the Constantinople and Tblisi Commissions" were to negotiate the reform question internally with the Ottoman and Russian governments. [6] ( p99 ) The Armenian reform package was established in February 1914 based on the arrangements nominally made in the Treaty of Berlin (1878) and the Treaty of San Stefano.

During the Spring of 1913, the provinces faced increasingly worse relations between Kurds and Armenians that created an urgent need for the ARF to revive its self-defence capability. In 1913, the Social Democrat Hunchakian Party (followed by other Ottoman political parties) changed its policy and stopped cooperating with the Committee of Union and Progress, moving out of the concept of Ottomanism and developing its own kind of nationalism. [23]

The plan called for the unification of the Six Vilayets and the nomination of a Christian governor and religiously balanced council over the unified provinces, the establishment of a second Gendarmerie over Ottoman Gendarmerie commanded by European officers, the legalization of the Armenian language and schools, and the establishment of a special commission to examine land confiscations empowered to expel Muslim refugees. The most important clause was obligating the European powers to enforce the reforms, by overriding the regional governments. [b] [6] ( pp104–105 )


Reform efforts

The Ottoman reforms introduced during the 17th century were undertaken by Sultans Osman II (ruled 1618–22) and Murad IV (1623–40) and by the famous dynasty of Köprülü grand viziers who served under Mehmed IV (1648–87)—Köprülü Mehmed Paşa (served 1656–61) and Köprülü Fazıl Ahmed Paşa (served 1661–76). Each of those early reformers rose as the result of crises and military defeats that threatened the very existence of the empire. Each was given the power needed to introduce reforms because of the fears of the ruling class that the empire, on which the privileges of the ruling class depended, was in mortal danger. In a war between the Ottomans and the Habsburgs that began in 1593, the Austrians were able to take much of central Hungary and Romania, and only an accidental Ottoman triumph in 1596 enabled the sultan to recoup. The Habsburgs then agreed to the Treaty of Zsitvatorok (1606), by which Ottoman rule of Hungary and Romania was restored. The treaty itself, however, like the events that led up to it, for the first time demonstrated to Europe the extent of Ottoman weakness and thus exposed the Ottomans to new dangers in subsequent years.

In the East, anarchy in Iran was brought to an end by Shah ʿAbbās I, who not only restored Iranian power but also conquered Iraq (1624) and threatened to take the entire Ottoman Empire. Though Murad IV was able to retake Iraq (1638), Iran remained a major threat. Finally, a long war with Venice (1645–69), occasioned by Ottoman efforts to capture Crete, exposed Istanbul to a major Venetian naval attack. Although the Venetians finally were pushed back in a naval campaign culminating in the Ottoman conquest of Crete (1669), they still posed a major threat that, like those which had occurred earlier in the century, stimulated the ruling class to accept needed reforms. The reforms introduced during the 17th century were too limited in nature and scope, however, to permanently arrest the Ottoman decline. The reforms essentially were no more than efforts to restore the inherited system of government and society that had operated successfully in the past. Efforts were made to restore the timar and tax farm systems as the basis of the administration and army and to limit taxes to the limits imposed by law. Provincial revolts were suppressed, peasants were forced back to the land, and cultivation was increased. Debased coins were replaced by coins of full value. Industry and trade were encouraged, corrupt officials executed, and insubordination driven out.

Such reforms were sufficient to end the immediate difficulties. But they were successful only temporarily because the reformers were allowed to act against only the results of the decay and not its cause, the continued monopoly of the self-interested ruling class. As soon as the worst consequences of decay had been alleviated, the old groups resumed power and their old ways. Moreover, the reformers did not understand that the Europe now faced by the Ottomans was far more powerful than the entity that the great sultans of the past had defeated even if the reforms had been more permanently successful, they could not have corrected the increasing Ottoman weakness relative to the powerful nation-states then rising in Europe. Such an understanding was to come to the Ottoman reformers only in the 19th century.


The people

In 1914 the total population of the Ottoman Empire was approximately 25 million, of which about 10 million were Turks, 6 million Arabs, 1.5 million Kurds, 1.5 million Greeks, and 2.5 million Armenians. The population of the empire (excluding such virtually independent areas as Egypt, Romania, and Serbia) in the period immediately prior to the losses of 1878 is estimated to have been about 26 million. Natural increases and Muslim immigration from Russia and the Balkans virtually made up the losses, and in 1914 the population was increasingly homogeneous in religion and language, though a variety of languages continued to be spoken.


1. Legacy In History

The Ottoman Empire's legacy is both treasured and loathed in equal measure. According to a study by Rutgers University, between 1914 and 1923 over 3.5 million Greeks, Armenians, Assyrians were killed under the successive Young Turks' and Mustafa Kemal's reigns. That genocide to date continues to be a thorny issue in Turkey. As the Armenian National Institute reports, 1 million Armenians perished in that genocide. Increasing Muslim territory by Jihad also came to the forefront during the Ottoman Empire. Still in modern day Turkey, the Ottoman Empire is credited with modernization, and having merged many traditions that today account for its diverse culture. According to BBC History, state-run education and an emphasis on creating strong armies was another hallmark of the Ottoman Empire. At its peak, the Ottoman Empire occupied Jordan, Romania, Hungary Turkey, Egypt, Greece, Syria, Bulgaria, Macedonia, Palestine, Lebanon, a section of Arabia, and most of the North Africa Mediterranean coast. It was also during Orhan’s reign over the Ottoman Empire that their iconic coins began to be used as currency.


Assista o vídeo: O IMPÉRIO OTOMANO: DA IDADE MÉDIA A 1ª GUERRA MUNDIAL