Super-dreadnought HMS Orion

Super-dreadnought HMS Orion

Super-dreadnought HMS Orion

Esta imagem mostra o super-dreadnought HMS Orion. Era o navio com o nome da classe de encouraçados Orion, os primeiros encouraçados britânicos a carregar todos os seus canhões principais na linha central. Eles também foram os primeiros a portar armas de 13,5 polegadas. A maior falha de projeto foi a posição do mastro do tripé com a importante plataforma de controle de armas. Ele foi colocado logo atrás do funil de proa e a visão muitas vezes foi obscurecida pela própria fumaça do navio.


Encouraçados

Um navio de guerra entrando em serviço em 1900 normalmente montava uma bateria mista de quatro canhões pesados ​​(11 a 13,5 polegadas) em duas torres gêmeas, cerca de uma dúzia de canhões secundários de seis a nove polegadas e pequenos canhões de disparo rápido de três polegadas ou menos para repelir ataques de torpedeiros. Esses navios geralmente deslocaram 12.000 a 18.000 toneladas.

Em 1904, estudos reforçados pela experiência de batalha nas guerras hispano-americanas e russo-japonesas indicaram que o fogo de grandes canhões a distâncias mais longas era mais eficaz do que o fogo de bateria mista mais próximo. Somente granadas maiores poderiam causar sérios danos a navios bem blindados. Além disso, os projéteis disparados de armas de muitos calibres diferentes produziam um padrão confuso de respingos na água que tornava a correção da pontaria e do alcance bastante difícil. O alcance efetivo de aumentar, então, dependia do abandono do padrão de calibre múltiplo do armamento de navio de guerra anterior em favor de um armamento de calibre único. Várias marinhas chegaram a essa conclusão simultaneamente, mas os britânicos foram os primeiros a produzir tal navio, o HMS Dreadnought, concluído em 1906. Deslocando cerca de 18.000 toneladas, carregava 10 canhões de 12 polegadas e seu único outro armamento consistia em armas de três polegadas destinadas a combater destruidores.

o Dreadnought deu seu nome a uma classe inteiramente nova de navios de guerra do design mais avançado. Em 1914, a Marinha Real tinha 22 encouraçados (outros 13 foram concluídos durante a Primeira Guerra Mundial), a Alemanha construiu um total de 19 (cinco concluídos depois de 1914) e os Estados Unidos completaram 22 (14 deles após 1914). O Japão e a Itália construíram seis, enquanto a Rússia e a França construíram sete cada. Nem todos esses navios eram estritamente equivalentes. Ao contrário de seus contemporâneos alemães e americanos imediatos, o Dreadnought tinha turbinas a vapor no lugar de motores alternativos. Isso permitiu que ele atingisse uma velocidade de 21 nós, que até então era alcançada apenas por cruzadores. (Os navios de guerra contemporâneos eram geralmente limitados a cerca de 18 nós.) Assim, tanto em mobilidade quanto em tamanho, o Dreadnought começou uma nova era.

HMS Dreadnought também marcou o início de um rápido desenvolvimento no poder de fogo de grandes armas. Em 1909, a Royal Navy estabeleceu o HMS Orion, o primeiro “super dreadnought”, que deslocou 22.500 toneladas e estava armado com canhões de 13,5 polegadas. A Marinha dos Estados Unidos seguiu com navios armados com canhões de 14 polegadas. Então, na véspera da Primeira Guerra Mundial, a Royal Navy deu um passo adiante com o HMS rainha Elizabeth, armado com canhões de 15 polegadas e capaz, em teoria, de 25 nós. A Primeira Guerra Mundial interrompeu o crescimento de navios de guerra britânicos e alemães, mas os Estados Unidos e o Japão continuaram a construir navios com mais de 30.000 toneladas de deslocamento. Em 1916, os dois países adotaram o canhão de 16 polegadas, que disparou um projétil de aproximadamente 2.100 libras. Essas armas poderiam ser destinadas a atingir distâncias de até 20.000 jardas.

O navio de guerra viu poucos combates na Primeira Guerra Mundial, mas, apesar dos submarinos, aeronaves e destróieres, o resultado da guerra ainda dependia do controle do mar pelo navio de guerra. Se a superioridade em navios de guerra tivesse passado para a Alemanha, a Grã-Bretanha teria sido perdida e os Aliados teriam perdido a guerra. O único momento em que isso poderia ter acontecido foi o único confronto em grande escala de navios de guerra, a Batalha da Jutlândia. Lutada em maio de 1916 em meio à névoa, neblina e escuridão, Jutland revelou os pontos fortes e fracos de navios de guerra e cruzadores de batalha. Três cruzadores de batalha britânicos foram perdidos. Vários navios de guerra alemães, graças à subdivisão estanque e aos eficientes sistemas de controle de danos, sobreviveram apesar de mais ataques. Mas a vantagem britânica em número foi decisiva, e a Alemanha recorreu ao submarino para conter o bloqueio aliado.


H.M.S. Orion na Batalha da Jutlândia

Sinal V.A. n ° 1815 de 2 de junho de 1916. O relatório anexo sobre a Ação de 31 de maio de 1910 é submetido de acordo com o sinal acima citado.

6.15. S.E. implantado tchau.
Treinado em um cruzador inimigo aparentemente da classe Kolberg já em chamas na popa e parado, o vapor escapando dos funis. Foremast disparou.
Faixa de telêmetro de vanguarda, 12.400.
Não abriu fogo quando bloqueado por um navio do 1º Esquadrão Cruzador. Fogo aberto por outros navios da 2ª Divisão.
Mais ou menos nessa época, um dos primeiros esquadrões de cruzadores a estibordo explodiu e desapareceu totalmente.
6.20. Observou um dos Battle Cruisers fortemente engajado antes da viga de estibordo. Ricochetes caindo perto do navio.
6.32. Navio avistado da classe Kaiser com 105 ° green em curso ligeiramente divergente, alcance por telêmetro, 11.100 jardas.
6.33. Fogo aberto pelo diretor. Disparou quatro salvas. Os dois primeiros curtos. Terceiro acerto e quarto acerto com 13.300 na mira. Grandes chamas observadas perto das torres do inimigo quando a quarta salva caiu. Imediatamente após isso, o inimigo perdeu a visão em spray e névoa resultantes de uma salva curta de outro navio.
6.37. O fogo cessou, inimigo fora de vista.
7.00. Naufrágio ultrapassado do que parecia ser um cruzador de batalha britânico, 3.000 a estibordo. Proa e popa aparecendo acima da água.
7.09. Navio avistado, aparentemente cruzador de batalha do rumo da classe Derfflinger (50 ° verde, acompanhado por um grande número de contratorpedeiros se aproximando e depois virando em curso aproximadamente paralelo.
7.15. Abriu fogo pelo diretor contra ela. Faixa, 19.800. Disparou seis salvas, das quais as duas últimas foram vistas em pé. Outros navios da 2ª Divisão também disparam contra o mesmo inimigo.
Inimigo se afastou sobre a quarta salva.
7.20. O fogo cessou, o inimigo saindo de seu alcance e tornando-se indistinto.
7.21. Avistado encouraçado inimigo (classe Markgraf ou Kaiser) saindo da fumaça verde 98 ° em curso aproximadamente paralelo, aparentemente o navio da frente de uma coluna, já que outros podiam ser vistos a sua popa. Alcance pelo telêmetro da Foretop, 14.800, mas antes que o diretor pudesse ser estabilizado no navio-alvo, o navio virou 4 pontos para o porto para seguir a 1ª Divisão evitando um ataque de destróier.
O inimigo então se perdeu de vista na fumaça dos destróieres inimigos avançando da frente da coluna.
O fogo não foi aberto contra os contratorpedeiros inimigos enquanto os próprios cruzadores leves e contratorpedeiros avançavam e bloqueavam o alcance.
Nenhuma outra nave inimiga vista após este tempo.

O despedimento era feito pelo diretor e o controle era executado no alto.

Detalhes sobre o controle de fogo omitidos do Relatório, conforme reproduzido no Despachos oficiais.

Não houve interferência com manchas pelo fogo de outros navios.

Detalhes sobre o controle de fogo omitidos do Relatório, conforme reproduzido no Despachos oficiais.

Número de cartuchos disparados - 51 A. P. Acidentes e atrasos em Lyddite - nulo.

Como o navio não foi atacado, não há outros pontos que mereçam menção especial.

O rastreamento está anexado mostrando a rota do navio e dos navios inimigos observados com os tempos dos eventos.


Catalisador: a salva de abertura do Brasil [editar | editar fonte]

Após o início da construção dos três novos pequenos encouraçados do Brasil, o governo brasileiro reconsiderou sua ordem e escolheu o design do encouraçado (algo que aconteceria várias vezes durante a construção do Rio de Janeiro em 1913). Isso foi causado pelo impacto da Batalha de Tsushima, que levou as marinhas a acreditar que armas maiores eram necessárias, e a estreia do novo conceito de couraça do Reino Unido, representado pela construção e comissionamento surpreendentemente rápido do navio homônimo em 1906, processado os navios brasileiros tornaram-se obsoletos antes de serem concluídos. & # 9127 & # 93

O dinheiro autorizado para a expansão naval em 1905 foi redirecionado para a construção de três encouraçados (com o terceiro a ser depositado após o primeiro ter sido lançado), três cruzadores de escoteiros (mais tarde reduzidos a dois, que se tornaram os Bahia& # 160class), quinze contratorpedeiros (mais tarde reduzido para dez, o Pára& # 160class), três submarinos (o F 1& # 160class), e dois submarinos (posteriormente reduzidos a um, Ceará) & # 9129 & # 93 Essa medida foi feita com o apoio em larga escala de políticos brasileiros, incluindo Pinheiro Machado e uma votação quase unânime no Senado da Marinha, agora com um defensor dos grandes navios, o Contra-almirante Alexandrino Fario de Alencar, no poderoso cargo de ministro da Marinha e da Imprensa brasileira. & # 9130 & # 93 Ainda assim, essas mudanças foram feitas com a estipulação de que o preço total do novo programa naval não ultrapassasse o limite original, de modo que o aumento da tonelagem do encouraçado foi comprado com a eliminação prévia dos cruzadores blindados e diminuição do número de contratorpedeiros -tipo navios de guerra. & # 9131 & # 93 Os três navios de guerra em que a construção havia começado foram desmantelados a partir de 7 de janeiro de 1907, e o projeto dos novos encouraçados foi aprovado em 20 de fevereiro. & # 9132 & # 93 Os jornais começaram a cobrir um pedido brasileiro de encouraçados em março, & # 9133 & # 93, enquanto o pedido completo, incluindo os três encouraçados e os dois cruzadores, foi amplamente divulgado no início de agosto. & # 9134 & # 93

O pedido brasileiro do que os comentaristas contemporâneos chamaram de "o (s) navio (s) de guerra mais poderoso (s) do mundo" surgiu em uma época em que poucos países do mundo haviam contratado esse tipo de armamento. & # 9135 & # 93 O Brasil foi o terceiro país a ter um couraçado em construção, atrás do Reino Unido, com Dreadnought e a Belerofonte& # 160class, e os Estados Unidos, com a Carolina do Sul& # 160class. Isso significava que o Brasil estava prestes a ter um couraçado antes de muitas das potências reconhecidas do mundo, como a França, o Império Alemão, o Império Russo e o Império do Japão. & # 9136 & # 93 & # 91upper-alpha 6 & # 93 Como dreadnoughts foram rapidamente equiparados a status internacional, algo semelhante às armas nucleares hoje - isto é, independentemente da necessidade de um estado por tal equipamento, simplesmente pedir e possuir um couraçado aumentava o de seu proprietário prestígio - a ordem causou grande agitação nas relações internacionais. & # 9138 & # 93

Jornais e periódicos de todo o mundo especularam que o Brasil estaria atuando como procurador de uma potência naval que se apossaria dos dois encouraçados logo após a conclusão, pois não acreditavam que um poder geopolítico antes insignificante contrairia tão poderoso armamento. & # 9139 & # 93 Muitas fontes americanas, britânicas e alemãs acusaram os governos americano, britânico, alemão ou japonês de conspirar secretamente para comprar os navios. & # 9140 & # 93 & # 91upper-alpha 7 & # 93 The Trabalho do mundo observou:

A questão que intriga os diplomatas em todo o mundo é por que o Brasil deveria querer leviatãs ferozes de tamanho, armamento e velocidade a ponto de colocá-los dez a quinze anos à frente de qualquer outra nação além da Grã-Bretanha. . Embora o Brasil negue que sejam destinados à Inglaterra ou ao Japão, os marinheiros de todas as nações suspeitam que sejam destinados a algum governo diferente do brasileiro. & # 91upper-alpha 8 & # 93 Em caso de guerra, o governo que primeiro seria capaz de proteger essas embarcações. colocaria imediatamente as chances de supremacia naval a seu favor. A Inglaterra, não importa quantos Dreadnoughts ela tenha, seria obrigada a comprá-los para mantê-los longe de algum poder inferior. Eles trazem uma nova questão para a política internacional. Eles podem ser líderes de uma grande frota que se diz que um governo menor está se preparando para construir ou, para ser mais preciso, para defender patrocinadores. Alguma mão maquiavélica pode estar trabalhando neste novo jogo da política internacional e o Almirantado britânico é suspeito. Mas todo estadista e estudante naval pode fazer suas próprias suposições. ("O mistério dos grandes navios de guerra brasileiros", Trabalho do mundo 17, não. 1 [1909]: 10867–68)

Do outro lado do Atlântico, em meio à corrida armamentista naval anglo-germânica, membros da Câmara dos Comuns britânica se preocuparam com os possíveis destinos dos navios de guerra, embora o Almirantado tenha afirmado sistematicamente que não acreditavam que qualquer venda ocorreria. Em meados de julho e setembro de 1908, a Câmara dos Comuns discutiu a compra dos navios para reforçar a Marinha Real e garantir que eles não fossem vendidos a um rival estrangeiro, o que perturbaria o plano naval britânico estabelecido pelo "padrão de duas potências", embora em março e no final de julho de 1908, o governo brasileiro negasse oficialmente que qualquer venda fosse planejada. & # 9143 & # 93 Em março de 1909, a imprensa britânica e a Câmara dos Comuns começaram a pressionar por mais encouraçados depois que o Primeiro Lorde do Almirantado, Reginald McKenna, afirmou que a Alemanha havia intensificado seu cronograma de construção e completaria treze encouraçados em 1911 - quatro mais do que o estimado anteriormente. Naturalmente, o assunto da compra dos encouraçados brasileiros já em construção foi levantado, e McKenna teve que negar oficialmente que o governo estava planejando uma oferta pelos navios de guerra. & # 9144 & # 93 Ele também afirmou que uma venda a uma potência estrangeira seria inconseqüente, pois "nossa superioridade atual em força em 1909-1910 é tão grande que nenhum alarme seria criado na mente do Conselho do Almirantado". & # 9145 & # 93

Apesar da abundância de boatos, o governo brasileiro não planejava vender seus navios. Dreadnoughts formaram um papel importante na meta de Rio Branco de elevar o Brasil a uma potência internacional, como o New York Evening Mail presumido corretamente:

O Brasil começa a sentir a importância de sua grande posição, o papel que ela pode desempenhar no mundo, e está tomando medidas em um grau de iniciante proporcional a essa constatação. A construção de seu navio de guerra coincide com sua atitude em Haia, e esses juntos são apenas parte integrante, não de uma luta vangloriosa por uma posição, mas de uma concepção justa de seu futuro. O Dr. Ruy Barboza não se opôs aos detalhes da representação no tribunal arbitral internacional por antipatia aos Estados Unidos, mas porque acreditava que a soberania do Brasil era pelo menos igual à de qualquer outra nação soberana, e porque estava convicto que a representação desigual naquele tribunal resultaria no estabelecimento de 'categorias de soberania' - algo totalmente oposto à filosofia de direitos soberanos iguais. & # 91upper-alpha 9 & # 93 E como no discurso e no direito internacional, também em sua marinha, o Brasil busca demonstrar sua posição soberana. (New York Evening Mail citado em "Mystery of the Brazilian 'Dreadnoughts'," Resumo Literário 37, no. 4 [1908]: 103)


Super-dreadnought HMS Orion - História

Este jornal noticiou que, para a Marinha Real Britânica, dois novos cruzadores, chamados Orios e Leo, deveriam ser baixados. O Leo seria o mais poderoso cruzador construído, com uma cilindrada de 26.000 toneladas e motores entregando 70.000 hp permitindo uma velocidade de 28 nós. Seu armamento seria 10-12: de 13 & # 8221 canhões. A velocidade do Orios era de 21 nós. Os nomes dos navios de guerra britânicos não estão escritos corretamente.

Na internet encontrei a próxima foto linda do Orion. fonte http://en.wikipedia.org/wiki/File:HMS_Orion_(Orion_class_battleship).jpg com cortesia de Navy-photos. A foto é datada de 1912-1922, mas o nome de seu fotógrafo é desconhecido.

O Orios foi, obviamente, o primeiro super dreadnought HMS Orion da Marinha Real Britânica. Instalado no estaleiro de Portsmouth em 29 de novembro de 1909, lançado em 20 de agosto de um ano depois, os testes no mar em setembro de 1911, encomendado em 2 de janeiro de 1912, junho de 1921, navio de treinamento de artilharia em Portland, em 12 de abril do ano seguinte valeu a pena, vendido em 19 de dezembro para ser dividido, o que foi iniciado em fevereiro de 1923 em Upnor. Com um deslocamento de 22.000 toneladas longas / 22.000 toneladas (padrão) -25.870 toneladas longas / 26.290 toneladas (máximo), suas dimensões eram 177 x 27,00 x 7,47 metros ou 581 & # 8217 x 88 & # 82177 & # 8221 x 24 & # 82176 & # 8221. Suas turbinas a vapor e 18 caldeiras forneceram 27.000 cv, permitindo uma velocidade de 21 nós. A capacidade do bunker de carvão era de 900 / 2.700 toneladas. Sua tripulação era composta por 750 e 1.100 homens. O armamento consistia em canhões de carregamento de culatra 5x2-13,5 & # 8221 (34,29 cm), canhões de carregamento de culatra 16-4 & # 8221 (10,16 cm) e tubos de torpedo submersos 3-21 & # 8217 (53 cm) (2x feixe, 1 popa ) O Naval Annual para 1913 relatou um deslocamento de 22.500 toneladas e dimensões 545 & # 8217x 88 & # 189 & # 8217x 27 & # 189 & # 8217. Os motores construídos por Wallsend P.T. forneceu 29.108 ihp permitindo uma velocidade de 21,02 nós. A armadura consistia em um cinto de espessura 12 & # 8221, o lado acima do cinto era protegido por 9 & # 8221 e os canhões pesados ​​por 10 & # 8221. A construção estimada custa 1.918.773 libras esterlinas.

Encontrei na internet em http://en.wikipedia.org/wiki/File:LionSP_001672.jpg uma foto do Leão. Ela faz parte da coleção do Museu Imperial da Guerra no. 1900-01 como foto no. SP1672 e fabricado durante a Primeira Guerra Mundial por Oscar Parkes.

O Leo (em latim para Leão) foi, obviamente, o cruzador de batalha HMS Lion estabelecido no estaleiro Devonport em 29 de novembro de 1909, lançado em 6 de agosto de um ano depois, comissionado em 4 de junho de 1912, em 30 de maio dez anos depois desativado e em 31 Janeiro de 1924 vendido para ser dividido. Seu deslocamento foi de 26.690 (carga normal) -31.310 (carga total) toneladas. Seu armamento consistia em canhões 4x2-13 & # 82175 & # 8221, canhões 16x1-4 & # 8221 e tubos de torpedo submersos 21x1-21 & # 8221. A construção estimada custa 2,08,458 libras esterlinas. Os motores foram fabricados pela Vickers PT.

Outro jornal holandês Algemeen Handelsblad a edição noturna de 9 de novembro foi mais correta com a grafia do nome. Ela usou o jornal britânico Glasgow Herald para seu item e chamado de Orion, que recentemente foi colocado como um couraçado aprimorado com um deslocamento de 22.500 toneladas. Ela deveria ser equipada com turbinas permitindo uma velocidade de 21 nós. O armamento consistia em canhões de 10-30cm colocados na linha central do navio, permitindo sempre disparar com quatro canhões para a frente ou para trás. Dois novos cruzadores, incluindo o Lion, deveriam ter um comprimento de 700 pés e um deslocamento de 26.350 toneladas, com uma velocidade de 28 nós.


Dreadnought

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Dreadnought, Navio de guerra britânico lançado em 1906 que estabeleceu o padrão do navio de guerra "all-big gun" movido a turbina, um tipo que dominou as marinhas do mundo pelos próximos 35 anos.

o Dreadnought deslocou 18.000 toneladas (mais de 20.000 toneladas de carga total), tinha 526 pés (160 m) de comprimento e carregava uma tripulação de cerca de 800. Seus quatro eixos de hélice, movidos por turbinas a vapor em vez dos tradicionais pistões a vapor, deram-lhe um topo sem precedentes velocidade de 21 nós. Como as melhorias recentes na artilharia naval tornaram desnecessário se preparar para a batalha de curto alcance, Dreadnought não carregava armas de calibre secundário. Em vez disso, montou um armamento principal de calibre único de 10 canhões de 12 polegadas em cinco torres gêmeas. Além disso, 24 canhões de tiro rápido de 3 polegadas, 5 metralhadoras Maxim e 4 tubos de torpedo foram adicionados para lutar contra contratorpedeiros e torpedeiros.

o Dreadnought imediatamente tornou obsoletos todos os couraçados de batalha anteriores, mas na Primeira Guerra Mundial ele próprio se tornou obsoleto, tendo sido superado por “superdreadnoughts” mais rápidos portando armas maiores. o DreadnoughtO único compromisso notável da guerra foi o abalroamento e naufrágio de um submarino alemão perto de Pentland Firth, na Escócia, em março de 1915. Colocado na reserva em 1919, o navio foi vendido para sucata no ano seguinte e quebrado em 1923 .

The Editors of Encyclopaedia Britannica Este artigo foi revisado e atualizado mais recentemente por Adam Augustyn, Editor Gerente, Reference Content.


Reciprocidade: Brasil encomenda novamente

Rio de Janeiro

Depois do primeiro couraçado brasileiro, Minas Geraes, foi lançado, o governo brasileiro iniciou uma campanha estendida para remover o terceiro couraçado do contrato por causa de razões políticas - reação da Revolta do Chicote com o aquecimento das relações com a Argentina - e razões econômicas. Depois de muitas negociações e tentativas de Armstrong de fazer com que o governo brasileiro cumprisse o contrato, os brasileiros cederam, em parte devido às taxas de títulos mais baixas que possibilitaram ao governo tomar emprestado o dinheiro necessário. Rio de Janeiro foi estabelecido pela primeira vez em março de 1910. [106]

Em maio, o governo brasileiro pediu a Armstrong que parasse de trabalhar no novo navio de guerra e apresentasse novos projetos que incorporassem o mais recente avanço da tecnologia naval, os superdreadnoughts. Eustace Tennyson-d'Eyncourt serviu como contato de Armstrong para o Brasil. O 1911 Encyclopædia Britannica especifica este projeto como um navio de 655 pés (200 e # 160m) de comprimento total, 32.000 toneladas de comprimento (33.000 e # 160t), com 12 canhões de 14 polegadas e custando cerca de £ 3.000.000. Os muitos pedidos feitos pela Marinha do Brasil para pequenas alterações atrasaram a assinatura do contrato até 10 de outubro de 1910, e o assentamento da quilha do encouraçado foi adiado ainda por uma disputa trabalhista com a Venerável Companhia dos Armadores, que culminou em um bloqueio. Durante esses atrasos, um novo ministro da Marinha, almirante Marques Leão, foi nomeado para substituir de Alencar - um avanço importante, pois o contrato estipulava que o projeto só poderia prosseguir com a aprovação do novo ministro. Mais uma vez, no entanto, a Marinha do Brasil se viu dividida entre duas escolas de pensamento: Leão e outros na Marinha favoreceram uma reversão para o canhão de 12 polegadas, mas outros, liderados pelo Ministro da Marinha (de Alencar) que estava deixando o cargo e pelo chefe da comissão naval brasileira no Reino Unido (Contra-almirante pt & # 160 (Duarte Huet de Bacelar Pinto Guedes)), foram fortemente a favor da obtenção do navio com o maior armamento - no caso, um projeto elaborado por Bacellar, carregando oito armas de 16 polegadas, seis armas de 9,4 polegadas e quatorze armas de 6 polegadas. [107]

D'Eyncourt, que partiu do Brasil em outubro imediatamente após a assinatura do contrato, voltou em março de 1911 para mostrar as várias opções de design à disposição da Marinha do Brasil. Armstrong evidentemente pensou que a segunda facção prevaleceria, então ele também levou consigo tudo o que era necessário para fechar um acordo sobre o projeto de Bacellar. Em meados de março, os contatos de Armstrong no Brasil relataram que Leão havia convencido o recém-eleito presidente Hermes Rodrigues da Fonseca a cancelar o projeto com doze canhões de 14 polegadas em favor de um navio menor. [108] O crédito pode não ter ficado apenas com Leão, embora da Fonseca já estivesse lidando com vários problemas. Mais importante, ele teve que lidar com as consequências de uma grande revolta naval em novembro de 1910 (a Revolta do Lash), que viu três dos novos navios recém-adquiridos pela marinha, junto com um navio de defesa costeira mais antigo, motim contra o uso de castigos corporais na marinha. [109]

Para piorar as coisas, as despesas com dreadnoughts, combinadas com o pagamento de empréstimos e uma economia em deterioração, levaram ao aumento da dívida pública agravada por déficits orçamentários. Por uma medida do PIB per capita do Brasil, a renda do país aumentou de $ 718 em 1905 para $ 836 em 1911, antes de cair nos próximos três anos para $ 780 em 1914 (ambos medidos em 1990 & # 160international & # 160dollars). Só se recuperou totalmente depois da Primeira Guerra Mundial. [15] Ao mesmo tempo, a dívida externa e interna do Brasil atingiu US $ 500 e US $ 335 e # 160 milhões (respectivamente, em valores contemporâneos em dólares) em 1913, em parte devido a déficits crescentes, que eram de US $ 22 e # 160 milhões em 1908 e US $ 47 e # 160 milhões em 1912. [110] Em maio, o presidente comentou negativamente sobre o novo navio:

Quando assumi o cargo, descobri que meu antecessor havia assinado um contrato para a construção do encouraçado Rio de Janeiro, um navio de 32.000 & # 160 toneladas, com um armamento de canhões de 14 polegadas. Considerações de todo tipo apontavam para o inconveniente de adquirir tal embarcação e para a revisão do contrato no sentido de redução da tonelagem. Isso foi feito, e possuiremos uma unidade poderosa que não será construída em linhas exageradas, como ainda não resistiram ao tempo da experiência. [111]

D'Eyncourt provavelmente evitou propor qualquer projeto com armas de 16 polegadas quando viu a situação política. Em reuniões com Leão, projetos de apenas dez canhões de 12 polegadas montados na linha central foram rapidamente rejeitados, embora seu lado largo fosse tão forte quanto o do Minas Geraes classe, mas um design com nada menos que quatorze As armas de 12 polegadas surgiram como vanguarda. O autor David Topliss atribui isso à necessidade política, pois acreditava que o Ministro da Marinha não poderia validar a compra de um encouraçado aparentemente menos poderoso do que o Minas Geraes classe: com armas maiores descartadas, a única escolha restante era um número maior de armas. [112]

Depois que vários pedidos de alterações de projeto da Marinha do Brasil foram atendidos ou rejeitados, um contrato foi assinado para um navio com quatorze canhões de 12 polegadas em 3 de junho de 1911 por £ 2.675.000, e Rio de Janeiro A quilha do foi lançada pela quarta vez em 14 de setembro. Não demorou muito para que o governo brasileiro reconsiderasse sua decisão novamente [113]. Em meados de 1912, navios de guerra com canhões de 14 polegadas estavam em construção, e de repente parecia que Rio de Janeiro seria superado após a conclusão. [114] Para piorar as coisas, uma depressão europeia após o fim da Segunda Guerra dos Balcãs em agosto de 1913 reduziu a capacidade do Brasil de obter empréstimos estrangeiros. Isso coincidiu com o colapso das exportações brasileiras de café e borracha, esta última devido à perda do monopólio da borracha brasileira para as plantações britânicas no Extremo Oriente. O preço do café caiu 20 por cento e as exportações brasileiras caíram 12,5 por cento entre 1912 e 1913 a borracha viu um declínio semelhante de 25 e 36,6 por cento, respectivamente. [115] A Marinha do Brasil mais tarde afirmou que a venda Rio de Janeiro foi uma decisão tática, então eles poderiam ter duas divisões de navios de guerra: dois com canhões de 12 polegadas (o Minas Geraes classe), e dois com armas de 15 polegadas. [116]

Armstrong estudou se substituir os canhões de 12 polegadas por sete de 15 polegadas seria viável, mas o Brasil provavelmente já estava tentando vender o navio. Na tensão que se acumulou até a Primeira Guerra Mundial, muitos países, incluindo Rússia, Itália, Grécia e o Império Otomano, estavam interessados ​​em comprar o navio. Enquanto a Rússia desistia rapidamente, a Itália e os rivais gregos e otomanos estavam todos muito interessados. Os italianos pareciam perto de comprar o navio até que o governo francês decidiu apoiar os gregos - em vez de permitir que os italianos, que eram os principais rivais navais dos franceses, obtivessem o navio. O governo grego fez uma oferta pelo preço de compra original mais £ 50.000 adicionais, mas como os gregos trabalhavam para obter uma parcela inicial, o governo otomano também fazia ofertas. [117]

Governo brasileiro rejeitou proposta otomana de troca de navios, com do Brasil Rio de Janeiro indo para os otomanos e Reşadiye indo para o Brasil, presumivelmente com alguma quantia de dinheiro. O governo brasileiro aceitaria apenas uma oferta monetária. Na falta disso, os otomanos foram forçados a conseguir um empréstimo. Felizmente para eles, eles foram capazes de obter um de um banqueiro francês agindo de forma independente de seu governo, e a Marinha Otomana garantiu o Rio de Janeiro em 29 de dezembro de 1913 por £ 1.200.000 no estado em que se encontra. [118] [Alfa 16 superior] Como parte do contrato de compra, o restante do navio foi construído com £ 2.340.000 em dinheiro otomano. [119] Renomeado Sultân Osmân-ı Evvel, acabou sendo assumido pelos britânicos logo após o início da Primeira Guerra Mundial, servindo na Marinha Real como HMS & # 160Agincourt. [121] [alfa superior 17]

O governo argentino autorizou um terceiro encouraçado em outubro de 1912, caso Rio de Janeiro foi concluído e entregue, mas o navio nunca foi nomeado ou construído. [123]

Riachuelo

Depois de vender Rio de Janeiro, o governo brasileiro pediu a Armstrong e Vickers que preparassem projetos para um novo encouraçado, algo fortemente apoiado pela Liga da Marinha do Brasil (Liga Maritima) [124] Armstrong concordou em construir o navio sem quaisquer pagamentos adicionais do Brasil. Eles responderam com pelo menos quatorze designs, seis da Vickers (dezembro de 1913 a março de 1914) e oito da Armstrong (fevereiro de 1914). Os projetos da Vickers variavam entre oito e dez canhões de 15 polegadas e oito de 16 polegadas, com velocidades entre 22 e 25 e # 160 nós (os navios da extremidade inferior tinham disparos mistos, os maiores usavam óleo) e deslocamentos entre 26.000 toneladas (26.000 de comprimento toneladas) e 30.500 toneladas (30.000 toneladas longas). Armstrong pegou dois designs básicos, um com oito e outro com dez canhões de 15 polegadas, e variava sua velocidade e disparo. [125] [alfa superior 18]

Enquanto a maioria das fontes secundárias não menciona que o Brasil encomendou um encouraçado, [126] com a entrada do navio na enciclopédia de navios de guerra Todos os navios de combate do mundo de Conway mesmo observando que "o Brasil não selecionou entre as quatro variações de design", [127] o governo brasileiro escolheu o que foi rotulado como Design 781, o primeiro dos oito designs de 15 polegadas oferecidos por Armstrong, que também compartilhavam características com o rainha Elizabeth e Vingança classes que estão sendo construídas para o Reino Unido. [128] Eles fizeram um pedido para um navio deste projeto, a ser nomeado Riachuelo, no estaleiro Armstrong Whitworth em Elswick em 12 de maio de 1914. [129] Alguma coleta preliminar de materiais foi concluída para uma data planejada de assentamento da quilha em 10 de setembro, mas o início da Primeira Guerra Mundial em agosto de 1914 atrasou os planos. Riachuelo foi oficialmente suspenso em 14 de janeiro de 1915 e cancelado em 13 de maio de 1915. [130]


Sábado lado a lado: navios de guerra e cruzadores da Marinha Real [4376x5792]

Este ano marca o 100º aniversário da Batalha da Jutlândia, a maior ação de navio de guerra da história. Para comemorar essa batalha histórica, postarei uma série de composições que antecederão o evento principal. Esta semana, uma história dos navios de guerra e cruzadores da Marinha Real.

EncouraçadosCruzadores de batalhaPós-Primeira Guerra Mundial
DuncanInvencívelG3
Lord NelsonInfatigávelN3
DreadnoughtLeãoNelson
OrionTigreRei george v
Duque de ferroRepulsaLeão
ErinCorajosoVanguarda
AgincourtFurioso
CanadáHood 1920Hood 1941
rainha ElizabethMalaya 1937Rainha Elizabeth 1941
VingançaRevenge 1933Resolução 1942

Encouraçados

No início do século 20, a Grã-Bretanha liderou o mundo em poder naval. Sua frota de cinquenta navios de guerra era de longe a maior do mundo. No entanto, todos eles estavam armados com apenas quatro armas principais, a maioria peças de 12 ”. Portanto, os britânicos começaram a adicionar armas de 9,2 ”para complementar a bateria principal, mas ainda queriam mais.

No final de 1906, um dos navios mais revolucionários da história chegou HMS Dreadnought. Comparado a um Rei Edward VII, Dreadnought aumentou o peso lateral em 100% (63% contando peças de 9,2 ”), a velocidade em 14% e a correia em 22%, entre muitas outras melhorias, para apenas um aumento de 18% na tonelagem. Da noite para o dia, todos os outros pré-dreadnought do mundo tornaram-se obsoletos. Todos os navios de guerra construídos nas duas décadas seguintes seriam chamados de encouraçados.

A Grã-Bretanha corrigiu algumas falhas de design com o seguinte Belerofonte classe e adicionou uma nova arma de 12 "/ 50 de alta potência ao São Vicente. No entanto, esta arma foi um fracasso total, com velocidades de cano incertas (e, portanto, alcance) e uma vida de cano incrivelmente curta. o Netuno classe adicionou as primeiras torres superestimulantes a um navio de guerra britânico, embora com uma falha crítica. Os capuzes de mira nos telhados da torre eram buracos na armadura que permitiam que a pressão dos canhões superiores danificasse os canhões inferiores, significando que esses navios não podiam atirar a menos de 30 graus dos canhões inferiores. Essa falha continuaria em todos os navios, exceto oito, mesmo após as modernizações.

A Grã-Bretanha novamente liderou o caminho para o futuro com o primeiro Super-Dreadnought, HMS Orion. Montando cinco torres de 13,5 ”, todas na linha central, esses navios tinham a lateral mais pesada do mundo. However, they suffered from a common flaw shared by all British shells until 1918: they were prone to shatter when striking armor at angles above 20 degrees.

A seguir Rei george v e Duque de ferro classes were improved Orions. They mounted guns that fired heavier shells, improved mast and funnel arrangements (which changed with every British battleship), and improved the secondary battery. However, they were very vulnerable to mines and torpedoes, as shown when 23,000 ton HMS Audacious sank from one 180lb (82kg) mine, a warhead half the size of almost every torpedo in service.

During this period Britain was also building warships for nations from Chile to Greece to Japan. When WWI broke out they immediately took over all of these ships in the yards and pressed them into service. The Royal Navy bought Almirante Latorre from Chile, commissioning her as HMS Canada, but they were less kind to the Turks. Reşadiye (Erin) e Sultân Osmân-ı Evvel (Agincourt) were confiscated and their Turkish crews sent back empty handed. This infuriated the Ottoman citizens, who had helped privately fund the two ships, and was one of many triggers that led to them joining the Central Powers. Agincourt deserves special mention for the most main battery guns of any battleship ever built: fourteen guns in seven turrets, each named after a day of the week.

But the most powerful British ships of WWI were the five Queen Elizabeths and the five smaller and simplified Vingança navios de classe. Armed with eight 15” guns, these ten ships were the heart and soul of the British fleet. These ten ships would serve through WWII, where two were sunk in action. Warspite would earn more battle honors than any other British ship in history and shares the record for Longest Gunfire Hit on a Moving Target.

Cruzadores de batalha

The battlecruiser was the brainchild of Admiral John Fisher, who imagined a revolution to armored cruisers as dreadnoughts had been for battleships. These ships mounted battleship-caliber guns and had the speed of the cruisers they hunted, but were only armored against small caliber guns.

o Invencível class were smaller than Dreadnought and lacked the broadside firepower, but were four knots faster. These ships easily destroyed German armored cruisers at the Falkland Islands, but suffered heavily at Jutland, where Invencível exploded after just five hits. Six survived.

o Indefatigable class improved the basic design of the Invincibles, allowing the wing turrets to fire to either broadside. Two, Nova Zelândia e Austrália, were funded by their respective dominions. However, they had the same flaws as the Invincibles: Indefatigable exploded on the third 11” hit at Jutland, with only two survivors.

o Leões and the slightly improved Queen Mary greatly improved on the older designs and were truly new designs. They were armed with 13.5” guns (Queen Mary with the heavier versions), had 50% more armor and were 2 knots faster. However, they were still vulnerable: Lion twice seriously damaged by German ships and nearly exploded at Jutland a half hour after she was hit in Q turret. Queen Mary was not so fortunate, taking seven hits before exploding at Jutland. Twenty survived.

The next British battlecruiser, Tigre, improved the armor yet again, yet kept the same speed of the Queen Mary. At Jutland she withstood more shells than any other British battlecruiser, although none caused serious damage they were all 11” shells. The follow up Renown class was the first to mount 15” guns, albeit only six, but reduced the armor back to 6”. Nevertheless both ships served into WWII, where Repulsa was sunk by air attack before she could be extensively modernized.

During WWI the Allies tried every way possible to find a flank in the Central Powers that could win the war. Three “large light cruisers” were designed and built for one such plan-the Baltic Project. Intended to sail the shallow waters off Denmark, these ships mounted only four 15” guns and three inches of armor, less armor than light cruisers. The final ship, Furious, was to receive two 18” guns, the largest naval guns then built, but the British finally realized this was a terrible idea. Furious was completed with a flying-off deck in place of the forward turret and all three ships were converted to carriers by the mid-20s.

The final British battlecruiser class, the Admiral class, was the best battlecruiser built in this period. Unfortunately, only one was completed. HMS Hood, weighing in at 45,000 tons, was the largest warship in the world for two decades. In 1941 she went up against the ship that took her crown, and in the shortest naval battle on record sank with all but three of her men at most eight minutes of combat.

After WWI Britain planned a great expansion of their naval power. The G3 battlecruisers and the N3 battleships were unique in mounting their armament in the forward half of the ship, shortening the armor belt and decreasing the weight. By every metric G3 was one of the first true fast battleship designs, with 9x16” guns, 14” of armor, and a top speed of 32 knots. However, the Washington Naval Treaty in 1922 killed these plans. Britain was allowed to build two gimped G3 style ships, the Nelson class, but these ships had such a laundry list of problems they rival the battlecruisers for flaws. The guns were mediocre at best, they turned like modern supertankers, and they were sluggish even by standards of the day. Their only major action was Rodney verses Bismarck, where the ship scored the only two main belt penetrations at point-blank range and may have scored the only battleship-launched torpedo hit in history.

Learning from these problems, the British built the (second) Rei george v class in the late 1930s. Apart from some teething troubles with the guns, which were prone to breaking down, these were excellent ships. The major drawback was the 14” guns, which the British installed hoping treaties would set this as the limit for gun caliber, but they were extremely well armored, second only to the Yamato classe. At North Cape Duque de iorque, scored 21 straddles of 25 broadsides against the German battleship Scharnhorst, crippling the German ship and sending her to the bottom with some of the most accurate extended shooting of the war.

Once treaties failed to cap battleship guns, Britain laid down their best battleship class, the Leões. Armed with nine excellent 16” guns, these ships were the British equivalent of the Iowas. However, just three months after the keel was laid WWII started and the ships cancelled. A modified design using spare 15” guns from the Corajoso class was ordered. HMS Vanguard became the last battleship ever launched in November 1944. Doomed to serve as a Royal Yacht, she served until 1960 and was the last Royal Navy battleship left above water. Like most of the others listed here, she was scrapped and turned into razor blades.

The original images were drawn by the artists at Shipbucket.com. If you have any ship plans or rare photographs, head over to Shipbucket’s forums to help the artists with their projects. If you have any artistic skill, head over and draw one of the many ships that remain to be done. British ships in particular need all the help they can get.

Next week, German battleships and battlecruisers. The following week, a brief hiatus on Jutland to mark the 75th Anniversary of the Bismarck chase.


How HMS Dreadnought Rammed and Sunk a U-Boat During World War I

How many British dreadnoughts did German submarines sink in World War I? Nenhum. How many German submarines did the United Kingdom’s dreadnoughts sink? One.

Stories of naval technology in the twentieth century typically emphasize how the submarine and aircraft carrier rapidly displaced the battleship, despite the stubbornness of admirals who refused insisted on building more dreadnoughts. While there is an element of truth to this, especially in World War II, in the First World War both submarines and aircraft struggled to make inroads against the �stles of steel” that made up much of the most powerful fleets.

In March 1915, the U-27 class submarine U-29 began a cruise in the North Sea. U-29 was built in the months before the war started and had the most advanced design then available. Her captain was Otto Weddigen, who had commanded U-9 in 1914 and 1915, during which he executed one of the most successful attacks in the history of submarine warfare. On September 22, 1914, U-9 sighted three Royal Navy cruisers patrolling the eastern entrance of the English Channel. The Royal Navy did not take the submarine threat as seriously as it should have, and the three old cruisers had no destroyer escort. U-9 targeted and sank the HMS Aboukir, Hogue, and Cressy, killing over 1400 officers and men. From that point on, the Royal Navy took submarine attacks on the fleet much more seriously and radically improved its anti-submarine practices. Less than a month later, U-9 sank the even more elderly cruiser, HMS Hawke.

In the week before the encounter with the HMS Dreadnought, U-29 had sunk or damaged six Allied merchant vessels of over 17000 total tonnages. RMS Lusitania had not yet been torpedoed, and so German U-boat captains remained relatively free in their selection of targets. Weddigen was unusual in his preference for attacking warships, however. On March 18, U-29 encountered a portion of the Grand Fleet on exercise in Pentland Firth, in the Orkney Islands. U-29 fired a torpedo at the battleship HMS Neptune but missed. As was often the case with WWI submarines, the boat inadvertently broke the surface after firing the torpedo, which gave HMS Dreadnought and another battleship, HMS Temeraire, a chance to sight her.

212 feet long with a displacement of 675 tons, U-29 was dwarfed by Dreadnought, which at 527 feet long displaced around 20000 tons. The HMS Dreadnought also had a speed advantage over the German submarine, even on the surface. Like many battleships of the period, HMS Dreadnought had a ram bow, although expectation that battleships would ever be able to use their rams in combat effectively had diminished as the quality of long-range gunnery improved. Indeed, all Royal Navy battleships would have such a bow until the post-war Nelsons.

After a chase that lasted only a few minutes𠅊nd almost involved a collision between Dreadnought and Temeraire—the former rammed U-29 and cut the submarine in half. U-29 sank almost immediately, taking all hands. The sinking of U-29 was the only consequential operation of war ever conducted by HMS Dreadnought. She missed the Battle of Jutland due to a refit. In reserve by the end of the war, she never fired her guns against a surface target and was scrapped soon after the conclusion of the peace.

The crew of HMS Dreadnought received several congratulatory telegrams after the sinking of the sub. One of these read 𠇋unga Bunga!” in reference to the 𠇍readnought Hoax” of 1910. A handful of literary pranksters (including Virginia Woolf) associated with the Bloomsbury Group donned blackface and what they imagined to be royal Abyssinian costume and convinced the Royal Navy to grant them a tour of the HMS Dreadnought. While on the tour, the group would yell 𠇋unga Bunga!” whenever they saw something interesting or surprising. The prank became a minor scandal in the Royal Navy.

Overall, submarine attacks saw mixed success against warships throughout World War I. The British and French lost several older pre-dreadnought battleships to submarine attack, but of the dreadnoughts, only the French battleship Jean Bart took serious damage from a submarine. In addition, the super-dreadnought HMS Audacious was sunk by a mine laid by a German surface vessel. Even when the Germans attempted to combine surface and submarine operations, they saw little success efforts to lure the Grand Fleet into submarine ambushes in 1916 and 1918 yielded no sinkings. In 1917, the Germans turned to British commerce with considerably more success, almost starving Britain before the implementation of the convoy system. And in World War II submarines would see enormous success against capital ships, sinking numerous battleships and aircraft carriers.


Rescaldo

More than 44,000 Allied troops died at Gallipoli. The Turkish death toll was much higher, with as many as 90,000 killed in the successful defense of their country. The British and French suffered far more casualties at Gallipoli than the Australians and New Zealanders, but the campaign would always have a special significance in the history of the colonies and on their road to becoming independent nations. The campaign also had a marked emotional significance for Turkey, a country evolving from a multinational empire into a nation-state. Militarily, its effect was to allow Turkey to fight on for three more years. The Allied failure encouraged Bulgaria to enter the war on the side of the Central Powers in October 1915, sealing the fate of Serbia.