Moody DD- 277 - História

Moody DD- 277 - História

temperamental
(DD-277: dp. 1.308; 1. 314'3 "; b. 30'11"; dr. 9'4 "; s. 34,7 k .; cpl. 122; a. 4 4", 1 3 ", 12 21 "tt .; cl. Clemson)

Moody (DD-277) foi escondido pela Bethlehem Ship building Corp., Squantum, Mass, 9 de dezembro de 1918, lançado em 28 de junho de 1919; patrocinado por Miss Mary E. Moody, irmã de Justice Moody, e comissionado em Boston em 10 de dezembro de 1919; Comdr. James D. Wilson no comando.

Atribuído à Frota do Pacífico, Moody partiu de Boston em 9 de fevereiro de 1920, carregou torpedos e munições em Newport, R.I., e navegou via Nova York, Guantánamo e o Canal do Panamá para a costa oeste, chegando a San Diego no dia 31. O quatro stacker com deck embutido operou ao longo da costa da Califórnia até junho e, em seguida, partiu de São Francisco em 1º de julho para Washington, onde, em 10 kh, participou do cruzeiro do Secretário da Marinha Josephus Daniels, do Secretário do Interior John B. Payne e do Almirante Hugh Rodman , Comandante da Frota do Pacífico, para o Alasca. Em uma viagem de inspeção dos campos de petróleo e carvão do Alasca e procurando por um possível ancoradouro da frota, o cruzeiro tocou em nove portos, incluindo Sitka, Duncan Bay e Juneau, e durou quase 1 mês. Moody voltou a San Diego em 31 de agosto para operar na costa da Califórnia em treinamento e exercícios de batalha por 2 meses. Ela foi colocada em San Diego em 10 de outubro, permanecendo lá e desativando em 15 de junho de 1922.

O destruidor foi reativado em 27 de setembro de 1923, com o tenente E. A. Zehner no comando. Designado para Esquadrões de Destruidores. Battle Fleet, o navio operou ao longo da costa do Pacífico pelos próximos 19 meses e, em 27 de maio de 1925, partiu de Bremerton para exercícios de frota nas ilhas havaianas. Operando fora de Pearl Harbor e Lahaina Roads por 1 mês, ela então partiu de Pearl em 1º de julho para o Sonth Pacific, parou em Pago Pago, Samoa, e então fez boas visitas a Melbourne, Austrália, e Dunedin e Wellington, Nova Zelândia. Retornando via Honolulu para San Diego em 26 de setembro, Moody então retomou as operações na costa oeste em 1927, incluindo uma viagem ao Panamá entre fevereiro e abril de 1928.

Em 17 de fevereiro de 1927, ela partiu de San Diego para manobras táticas com a Frota dos EUA no Caribe. Seguindo pelo Canal do Panamá em 4 de março, ela chegou a Guantánamo em 18 de março e operou a partir desse porto e de Gonaives no Problema de Frota 7, envolvendo a defesa do Canal do Panamá até 22 de abril. Ela então seguiu para Nova York para reparos, voltando para casa em 16 de maio, chegando a San Diego em 25 de junho.

O destróier permaneceu em serviço com a frota de batalha até meados de 1929. De abril a junho de 1928, ela fez outro cruzeiro para o Havaí com a frota para os exercícios extensivos do Problema da Frota 8. Ela navegou para o México e o Panamá no início de 1929 e então em julho cruzou para o Noroeste do Pacífico, tão ao norte quanto Ketchikan.

Moody descomissionou em San Diego 2 de junho de 1930. Ela foi rebocada para Mare Island Navy Yard chegando no dia 8. O destróier foi retirado da lista da Marinha em 3 de novembro e descartado de acordo com o Tratado de Londres que limita os armamentos navais. A maior parte de sua superestrutura foi vendida como sucata em 10 de junho de 1931 e seu casco foi afundado na costa da Califórnia em fevereiro de 1933.


DD-Moody

Moody (DD 277) foi estabelecido pela Bethlehem Ship building Corp., Squantum, Mass, 9 de dezembro de 1918, lançado em 28 de junho de 1919, patrocinado pela Srta. Mary E. Moody, irmã do Justice Moody, e comissionado em Boston em 10 de dezembro de 1919 Comdr. James D. Wilson no comando.

Atribuído à Frota do Pacífico, Moody partiu de Boston em 9 de fevereiro de 1920, carregou torpedos e munições em Newport, R.I., e navegou via Nova York, Guantánamo e o Canal do Panamá para a costa oeste, chegando a San Diego no dia 31. O quatro stacker com deck embutido operou ao longo da costa da Califórnia até junho e, em seguida, partiu de São Francisco em 1º de julho para Washington, onde no dia 10 participou do cruzeiro do Secretário da Marinha Josephus Daniels, do Secretário do Interior John B. Payne e do Almirante Hugh Rodman , Comandante da Frota do Pacífico, para o Alasca. Em uma viagem de inspeção dos campos de carvão e petróleo do Alasca e procurando possíveis ancoradouros para a frota, o cruzeiro tocou em nove portos, incluindo Sitka, Duncan Bay e Juneau, e durou quase 1 mês. 1Moody voltou a San Diego em 31 de agosto para operar frequentemente na costa da Califórnia em treinamento e exercícios de batalha por 2 meses. Ela foi colocada em San Diego em 10 de outubro, permanecendo lá e desativando em 15 de junho de 1922.

O destruidor foi reativado em 27 de setembro de 1923, com o tenente E. A. Zehner no comando. Designado para Esquadrões de Destruidores. Battle Fleet, o navio operou ao longo da costa do Pacífico pelos próximos 19 meses e, em 27 de maio de 1925, partiu de Bremerton para exercícios de frota nas ilhas havaianas. Operando fora de Pearl Harbor e Lahaina Roads por 1 mês, ela então partiu de Pearl em 1º de julho para o Pacífico sul, parou em Pago Pago, Samoa, e então fez visitas de boa vontade a Melbourne, Austrália, e Dunedin e Wellington, Nova Zelândia. Retornando via Honolulu para San Diego em 26 de setembro, Moody então retomou as operações na costa oeste em 1927, incluindo uma viagem ao Panamá entre fevereiro e abril de 1928.

Em 17 de fevereiro de 1927, ela partiu de San Diego para manobras táticas com a Frota dos Estados Unidos no Caribe. Seguindo pelo Canal do Panamá em 4 de março, ela chegou a Guantánamo em 18 de março e operou a partir desse porto e de Gonaives no Problema de Frota 7, envolvendo a defesa do Canal do Panamá até 22 de abril. Ela então seguiu para Nova York para reparos, voltando para casa em 16 de maio, chegando a San Diego em 25 de junho.

O contratorpedeiro permaneceu em serviço com a frota de batalha até meados de 1929. De abril a junho de 1928, ela fez outro cruzeiro para o Havaí com a frota para os exercícios extensivos do Problema da Frota 8. Ela navegou para o México e o Panamá no início de 1929 e então em julho cruzou para o noroeste do Pacífico, tão ao norte quanto Ketchikan.

Moody descomissionou em San Diego 2 de junho de 1930. Ela foi rebocada para Mare Island Navy Yard chegando no dia 8. O destróier foi retirado da lista da Marinha em 3 de novembro e descartado de acordo com o Tratado de Londres que limita os armamentos navais. A maior parte de sua superestrutura foi vendida como sucata em 10 de junho de 1931 e seu casco foi afundado na costa da Califórnia em fevereiro de 1933.


temperamental được đặt lườn vào ngày 9 de 12 de novembro de 1918 tại xưởng tàu Squantum Victory Yard của hãng Bethlehem Shipbuilding Corporation ở Squantum, Massachusetts. Nó được hạ thủy vào ngày 28 tháng 6 năm 1919, và được đưa ra hoạt động vào ngày 10 tháng 12 năm 1919 dưới quyền chỉ huy của Hạm trưởng, Trung tá Hải quân James D. Wilson.

Được phân về Hạm đội Thái Bình Dương, temperamental khởi hành từ Boston, Massachusetts vào ngày 9 tháng 2 năm 1920, nhận đạn dược và ngư lôi tại Newport, Rhode Island, rồi di chuyển ngang qua Nova York, vịnh Guantánamo, Cuba vi kênh đào Panama để i Em San Diego, Califórnia, vào ngày 31 tháng 3. Nó hoạt động dọc theo vùng bờ biển Califórnia trong suốt tháng 6, rồi khởi hành từ San Francisco, Califórnia vào ngày 1 tháng 7 để đi Washington nơi vào ngày 10, nó gia chuyến đi của Bộ trưởng Hải quân Josephus Daniels, Bộ trưởng Nội vụ John B. Payne và Đô đốc Hugh Rodman, Tư lệnh Hạm đội Thái Bình Dương, no Alasca. Nham mục đích Thị sát các Mo do que Dja và Dau Hoa của Alaska đồng Thoi Khao sát DJIA điểm tiem Nang neo Đậu Ham đối, Chuyên đi đã Ghé qua 9 Cang Tai khu VUC bao GOM Sitka, Dia Duncan và Juneau, và kéo dài trong gần một tháng. temperamental quay trở về San Diego vào ngày 31 tháng 8 để tiếp tục các hoạt động huấn luyện và thực tập dọc bờ biển Califórnia trong hai tháng tiếp theo. Nó đi đến San Diego vào ngày 10 tháng 10, ở lại đây, và được cho xuất biên chế vào ngày 15 tháng 6 năm 1922.

temperamental được cho nhập biên chế trở lại vào ngày 27 tháng 9 năm 1923 dưới quyền chỉ huy của Hạm trưởng, Đại úy Hải quân E. A. Zehner. Được phân về Hải đối Khu Truc Truc Thuoc Ham đối Chien Tran, nenhuma HOAt động Doc theo Bo Biển Thái Binh Duong Trong Gan hai năm Tiep theo, và đã Khoi Hành từ Bremerton, Washington vào ngày 27 tháng 5 năm 1925 DJE thuc Hành Ham đội tại khu vực quần đảo Havaí. Hoạt động ngoài khơi Trân Châu Cảng và Lahaina Estradas trong một tháng, nó rời Trân Châu Cảng ngày 1 tháng 7 để đi đến khu vực Nam Thái Bình Dương, ghé thựm hii Pago vc, Melbourne, ghé thựhi Pago Pago nc, Melbourne , Austrália cùng Dunedin và Wellington, Nova Zelândia. Quay trở về San Diego ngang qua Honolulu vào ngày 26 tháng 9, chiếc tàu khu trục tiếp nối các hoạt động thường lệ dọc theo bờ Tây cho đến năm 1927, bao gồm hai chuyến đi đến đi đến i đến.

Vào ngày 17 de 2 năm 1927, temperamental khởi hành từ San Diego cho đợt cơ động chiến thuật cùng Hạm đội Hoa Kỳ tại vùng biển Caribe. Bằng qua Kenh Đạo Panamá vào ngày 4 tháng 3, NO đi đến Vinh Guantânamo vào ngày 18 tháng 3, VA HOAt động từ Cang này cung như từ Gonaïves cho cuộc tập Tran Van DJE Ham đối VII, một KICH bản bao Gom việc phòng thủ kênh đào Panamá, cho đến ngày 22 tháng 4. Sau đó nó đi đến Nova York để sửa chữa, rồi lên đường vào ngày 16 tháng 5 để quay trở về nhà, vền San Diego vào ngày 25 thángu 6. tc tiếp tục phục vụ cùng Hạm đội Chiến Trận cho đến giữa năm 1929. Từ tháng 4 đến tháng 6 năm 1928, nó cùng hạm đội thực hiện một chuyến đi khác đến kạc vực Havaí Vm ghu VIII. Nó lên đường đi México và Panamá vào đầu năm 1929, và đến tháng 7 đã thực hiện chuyến đi đến khu vực Tây Bắc Thái Bình Dương, về phía Bắc đến tận Ketchikan.

temperamental được cho xuất biên chế tại San Diego vào ngày 2 tháng 6 năm 1930, được cho kéo đến Xưởng hải quân mare Ilha, đến nơi vào ngày 8 tháng 6. Tên nó được cho ngày 3 khỏi hi quân Hang bengi 11 nhằm tuân thủ những điều khoản hạn chế vũ trang của Hiệp ước Hải quân Londres. Hầu hết cấu trúc thượng tầng của nó được tháo dỡ và bán sắt vụn vào ngày 10 tháng 6 năm 1931, và lườn tàu được bán cho hãng phim Metro-Goldwyn-Mayer với phim Giáo kayer với trị giáo quay 35 000 cm. đắm tàu.

Nó được tân trang nhằm mô phỏng một tàu khu trục Đức, và các khối chất nổ được đặc đặt cẩn thận bên trong lườn tàu. Vào xế trưa ngày 21 tháng 2 năm 1933, khối chất nổ đặt giữa các khoang kín nước được kích hoạt, làm tách đôi con tàu trong khi tiếpung tục nổi sau đó hai chc nc ni sau phá hai chc nc ni sau phá hai chc nc ni tc hai khc nn đánh đắm con tàu vào chiều tối hôm đó. Các cảnh quay này nhằm mô phỏng sự phá hủy của ngư lôi phóng từ chiếc tàu ngầm hư cấu Hoa Kỳ AL-14 (faça chiếc USS S-31 (SS-136) thể hiện) trong bộ phim Inferno abaixo năm 1933 của hãng M-G-M.


Destino [editar | editar fonte]

temperamental descomissionado em San Diego em 2 de junho de 1930. Ela foi rebocada para o Mare Island Navy Yard chegando no dia 8. O destróier foi retirado do Registro de Embarcações Navais em 3 de novembro, de acordo com o Tratado de Londres que limita os armamentos navais. A maior parte de sua superestrutura foi vendida como sucata em 10 de junho de 1931 e ela foi vendida para a Metro-Goldwyn-Mayer por cerca de US $ 35.000. Ex-temperamental foi alterado para representar um contratorpedeiro alemão, e cargas de dinamite foram colocadas em locais cuidadosamente planejados. Na tarde de 21 de fevereiro de 1933, a primeira carga foi detonada, dividindo ex-temperamental entre dois compartimentos estanques, então ela continuou a flutuar depois de quebrar. Em seguida, duas outras detonações romperam as anteparas estanques, afundando o Hulk mais tarde naquela noite. As explosões e naufrágios foram filmados como a destruição causada por torpedos do submarino americano fictício AL-14 (interpretado por USS S-31 (SS-136)) no filme submarino de 1933 Inferno abaixo.


Moody DD- 277 - História

DD 277, USS temperamental

o temperamental foi afundado para a produção de 1933 da MGM de & quotHell Below & quot, estrelado por Jimmy Durante e Robert Montgomery. Você está prestes a ver algumas cenas do filme editadas em conjunto para mostrar o temperamental explodido em dois e os destroços dando o mergulho final para o fundo.

O submarino americano acaba de disparar torpedos contra o contratorpedeiro alemão durante a Primeira Guerra Mundial.


O USS temperamental (DD 277) foi lançado pela Bethlehem Ship building Corp., Squantum, Mass, 9 de dezembro de 1918 e lançado em 28 de junho de 1919, a meia hora do Henshaw, outro destróier de quatro pilhas. O lançamento foi patrocinado pela Srta. Mary E. Moody, irmã da Justiça Moody, ex-juíza da Suprema Corte dos Estados Unidos e secretária da Marinha.

Encomendado em Boston em 10 de dezembro de 1919 com o Comdr. James D. Wilson no comando, ela foi designada para a Frota do Pacífico e a temperamental partiu de Boston em 9 de fevereiro de 1920, carregou torpedos e munições em Newport, R.I., e navegou via Nova York, Guantánamo e o Canal do Panamá para a costa oeste, chegando a San Diego no dia 31. O quatro stacker com deck embutido operou ao longo da costa da Califórnia até junho e, em seguida, partiu de São Francisco em 1º de julho para Washington, onde no dia 10 fez uma excursão de inspeção nos campos de petróleo e carvão do Alasca procurando possíveis ancoradouros para a frota, tocando em nove portos, incluindo Sitka , Duncan Bay e Juneau. Retornando a San Diego em 31 de agosto, ela operou na costa da Califórnia em treinamento e em exercícios de batalha até seu descomissionamento em 15 de junho de 1922.

O destróier foi desativado em 27 de setembro de 1923, com o tenente E. A. Zehner no comando. Designado para Destroyer Squadrons, navio operado ao longo da costa do Pacífico e frota de exercícios nas ilhas havaianas, Pago Pago, Samoa, e depois fez visitas de boa vontade a Melbourne, Austrália, e Dunedin e Wellington, Nova Zelândia. Retornando a San Diego em 26 de setembro, temperamental em seguida, retomou as operações na costa oeste em 1927, incluindo uma viagem ao Panamá entre fevereiro e abril de 1928.

Em 17 de fevereiro de 1927, ela partiu de San Diego para manobras táticas com a Frota dos EUA no Caribe. Seguindo pelo Canal do Panamá em 4 de março, ela chegou a Guantánamo em 18 de março e operou a partir desse porto e de Gonaives no Problema de Frota 7, envolvendo a defesa do Canal do Panamá até 22 de abril. Ela então seguiu para Nova York para reparos, voltando para casa em 16 de maio, chegando a San Diego em 25 de junho.

Em 14 de março de 1928, o temperamental estava perseguindo um torpedo durante o treino no Pt. Loma, quando de repente virou para o lado de estibordo e atingiu o temperamental. Embora o torpedo não estivesse armado, ocorreu uma explosão, amassando gravemente o casco e danificando o suporte de estibordo. Logo depois, o contratorpedeiro desativado foi levado de volta à Ilha de Mare para reparos.

O destróier permaneceu em serviço com a frota de batalha até meados de 1929. De abril a junho de 1928, ela fez outro cruzeiro para
Havaí com a frota para os exercícios extensivos do Problema da Frota 8. Ela navegou para o México e o Panamá no início de 1929 e então em julho cruzou para o noroeste do Pacífico, tão ao norte quanto Ketchikan.

o temperamental foi novamente desativado em San Diego em 2 de junho de 1930 e foi rebocado para o Mare Island Navy Yard chegando no dia 8. O destróier foi retirado da lista da Marinha em 3 de novembro e descartado de acordo com o Tratado de Londres que limita os armamentos navais. A maior parte de sua superestrutura foi vendida como sucata em 10 de junho de 1931.

Ela estava indo para o estaleiro quando a MGM a comprou por cerca de $ 35.000 para um filme baseado em & quotPig Boats & quot do Comodoro Edward Ellsberg, que se tornou o filme & quotHell Below & quot de 1933, estrelado por Robert Montgomery e Jimmy Durante.

Ela foi rebocada da Ilha Mare para o estaleiro Craig e retrabalhada para representar um contratorpedeiro alemão para o filme. Para simular seu naufrágio por & quottorpedoes & quot do submarino americano, AL-14 (interpretado pelo sub S-31), Merritt-Chapman & amp Scott Corporation, foram contratados para o naufrágio. Uma carga de dinamite foi colocada a bordo logo atrás da ponte. Pouco depois do meio-dia de 21 de fevereiro de 1933, o temperamental foi explodido em dois. A explosão foi colocada entre dois compartimentos à prova d'água para que ela continuasse a flutuar após a explosão. Duas outras explosões destruíram as anteparas à prova d'água e o temperamental finalmente afundou às 5:30 daquela noite. Cerca de uma dúzia de barcos, muitos com jornalistas esperando para filmar o destruidor que afundava, pairava ao redor da equipe de filmagem, criando um incômodo. Ameaças foram trocadas, mas a filmagem foi feita. No dia seguinte, com bolhas e óleo ainda chegando à superfície, o naufrágio foi arrastado por arame e descobriu que a profundidade mínima ultrapassava 30 metros.

Linhas básicas do casco / convés da classe Wickes / Clemson.

Mergulhando no temperamental

Redescoberto por mergulhadores locais em naufrágios em 1973, o temperamental, descansando em 140 fsw, é estritamente um mergulho para o mergulhador experiente. Os destroços estão divididos em duas seções. Dada a profundidade, o temperamental permaneceu protegido de qualquer rebentação, no entanto, as seções do casco, uma vez intactas, ruíram para baixo. O arco, torcido e deitado de lado, formou uma tigela na areia até 150 pés. A popa fica de pé, completa com as hélices intactas, mas enterradas na areia. As duas seções ficam paralelas a cerca de 30 metros de distância e os mergulhadores às vezes amarram uma linha entre as duas seções.

Um mergulhador explora os destroços.


Situadas a vários quilômetros da costa, as águas estão desprotegidas e podem surgir fortes correntes. A visibilidade neste local remoto geralmente é boa, com média de mais de 25 '. No entanto, a coluna de água alta acima absorve a maior parte da luz, e o uso de uma luz de mergulho pode ser necessário. Em algumas ocasiões, a visibilidade pode ultrapassar 50 'e há até histórias sobre mergulhadores sendo capazes de ver as duas seções ao mesmo tempo - mais de 100' de visibilidade!

Os destróieres de quatro pilhas eram virtualmente feitos de latão - sua principal atração para mergulhadores de naufrágios. Outros descobriram que era uma das poucas áreas no sul da Califórnia com uma densa população de caules altos e brancos de Metridium anenemes. Qualquer que seja sua isca, a profundidade, visibilidade limitada e fortes correntes repentinas reivindicaram mais de um ao longo da vida do mergulhador confidente. Mas é uma emoção de um mergulho de naufrágio, garantido.

Veja também a Honda ou Hogan páginas para outros destroços de destruidores de quatro pilhas locais.


Paul Dwight Moody

Paul Dwight Moody (1879-1947) foi o décimo presidente de Middlebury. Nascido em Baltimore, Maryland, ele era filho de Emma Revell Moody e do conhecido evangelista Reverendo Dwight Lyman Moody. Ele se formou no Yale College em 1901. Ele estudou na Escócia, no New College, em Edimburgo e no Glasgow College, e em Connecticut, no Hartford Theological Seminary. Moody ensinou na escola por seis anos em Northfield, Vermont, trabalhou na editora de George H. Doran em Nova York e foi ordenado ministro congregacional em 1912.

Como pastor da Igreja Congregacional do Sul, ele estava em St. Johnsbury, Vermont, até 1917, quando se alistou no exército como capelão e serviu na França, inicialmente ligado à Primeira Infantaria de Vermont até sua promoção a capelão sênior. Após a guerra, ele foi chamado para a Igreja Presbiteriana da Madison Avenue na cidade de Nova York, onde permaneceu dois anos, até 1921. Então ele foi escolhido pelos curadores de Middlebury como presidente. Moody ingressou em Middlebury, quando seus 464 alunos eram o maior corpo discente na história do College & # 8217s, e quando o corpo docente tinha acabado de ser ampliado para dez novos membros. Mas os estudantes de graduação estavam lutando com as forças sociais da década de 1920, bem como as demandas de uma população de veteranos de guerra ansiosa para retomar suas vidas. Os alojamentos estudantis e o espaço das salas de aula foram estendidos além do limite e seu antecessor & # 8217s campanha de doação de um milhão de dólares enfrentou um prazo de um ano. Moody convenceu o doador a adiar a data e, no final da primavera de 1922, após uma campanha frenética e animada, o presidente enfrentou o desafio. Moody não era um arrecadador de fundos talentoso, entretanto, em comparação com John M. Thomas, e esse sucesso inicial não seria seguido por muitos outros, embora o campus tenha tido alguma expansão. O Chateau e um music hall foram os primeiros edifícios construídos durante a administração Moody. O Forest Hall viria a seguir em 1936, com Gifford Hall e Munroe Hall sendo construídos em 1940 e 1941.

Moody moveu Middlebury em direção a uma tradição de artes liberais solidamente fundamentada, mas ele acreditava firmemente na educação segregada por gênero, anunciando que a classe de calouros em 1922 seguiria uma doutrina separada, mas igual, um movimento que muitos curadores aplaudiram. Embora uma faculdade feminina em Middlebury tenha sido formalmente estabelecida entre 1930 e 1931, a Depressão e o início da Segunda Guerra Mundial atrapalharam os esforços para solidificar a instituição.

Paul Dwight Moody planejava se aposentar em 1944, quando chegasse aos 65 anos, mas o conselho decidiu que precisava de um executivo mais forte caso o país fosse levado à guerra. Depois de reuniões secretas de curadores em dezembro e janeiro de 1942, convocando a demissão do presidente, Moody transmitiu uma reunião especial com o corpo docente e anunciou emocionalmente que estava renunciando ao cargo em 1º de julho de 1942. A faculdade e a comunidade da cidade ficaram chocadas, tristes e irritadas.

Paul Dwight Moody tornou-se pastor assistente na Primeira Igreja Presbiteriana na cidade de Nova York, mas a saúde e a idade o incentivaram a se aposentar, e em 1946 ele e sua esposa, Charlotte Hull Moody, com quem se casou em 1904 e com quem teve dois filhas, mudou-se para Shrewsbury, Vermont, onde morreu pouco mais de um ano depois, em agosto de 1947.

Sobre Middlebury History Online | Coleções digitais | Conecte-se
& copy 2012 O presidente e membros do Middlebury College. Todos os direitos reservados.
Hospedado por Middlebury


Gerações presentes e futuras

Northen continuou o trabalho da Fundação Moody, que W. L. Jr. estabeleceu “para beneficiar perpetuamente as gerações presentes e futuras de texanos”.

A Fundação Moody cresceu e se tornou uma das maiores fundações privadas do Texas, concedendo doações em todo o Texas para faculdades e universidades privadas, projetos de saúde infantil, projetos de preservação e bibliotecas.

Northen serviu como curadora da fundação até sua morte em 1986. Desde então, os negócios da Moodys permaneceram nas mãos da família. O sobrinho de Northen, Robert L. Moody Sr., continuou a dirigir a Fundação da família junto com seus filhos, Ross R. Moody e Frances Moody-Dahlberg.

Atualmente, os três atuam como curadores da Moody Foundation, que continua a fornecer subsídios principalmente em Austin, Dallas, Galveston e Houston, com ênfase em educação, serviços sociais, necessidades das crianças e desenvolvimento comunitário.


O general corajoso que liderou o caminho para o primeiro ataque bem-sucedido do Dia D e # 8217s

Quando o general de brigada Norman “Dutch” Cota pousou na praia de Omaha às 7h25 da manhã de 6 de junho de 1944, ele viu morte, destruição e derrota. Das escarpas com vista para a costa, metralhadoras e rifles alemães varreram a praia, e granadas de artilharia e morteiros aumentaram o caos. Soldados americanos mortos e feridos jaziam esparramados na areia e flutuando na água. Armas, coletes salva-vidas e objetos pessoais descartados foram espalhados e tanques inutilizados queimaram ferozmente.

Os soldados atordoados, desanimados e exaustos que atravessaram a praia amontoados pelo paredão sob as falésias, "inertes, sem líder e quase incapazes de ação", como um relatório pós-ação do Exército dos EUA descreveu, suas armas sujas de areia e água e sua resolução abalada pelos horrores que eles tinham visto. “A cruzada na Europa neste momento estava desarmada e nua diante de seus inimigos”, lembrou o capitão Charles Cawthon da 29ª Divisão de Infantaria.

O que Cota viu não o surpreendeu. Ele sabia que as aterrissagens raramente seguem o roteiro, e esta não era uma aterrissagem comum. Foi a maior e mais complexa invasão já tentada e foi, os planejadores admitiram, "repleta de perigos, tanto em natureza quanto em magnitude". Enquanto esquadrinhava a praia, Cota viu que tudo que podia dar errado havia dado errado. Ele sabia que dependia dele - e dos homens perto do quebra-mar - fazer o pouso funcionar de alguma forma.


O general de brigada Norman “Dutch” Cota invocou experiência, astúcia e bravura crua para superar os obstáculos mortais que enfrentavam as tropas de assalto na praia de Omaha em 6 de junho de 1944. EXÉRCITO DOS EUA / ARQUIVOS NACIONAIS

OS ALIADOS TINHAM PLANEJANDO a invasão da França, apelidada de Operação Overlord, por mais de um ano. Eles tinham como alvo a primavera de 1944 para a fase de assalto, Operação Netuno, escolhendo um trecho de 80 quilômetros da costa da Normandia como local de pouso. As tropas britânicas e canadenses atacariam três praias - Juno, Sword e Gold - enquanto as tropas americanas atacariam duas a oeste, Utah e Omaha.

A Praia de Omaha, com 6,5 quilômetros de extensão, também conhecida como Praia 46, tem o formato da noz mais difícil de quebrar. Seu terreno era ideal para defesa. Na maré baixa, as tropas invasoras teriam que cruzar 300 metros de praia aberta para alcançar a cobertura de um quebra-mar de mais de um metro de altura. Penhascos arenosos íngremes, subindo de 30 a 70 metros, dominavam a costa e dominavam a paisagem. Os alemães fortificaram fortemente esses penhascos, concentrando seu poder de fogo máximo na praia. Artilheiros em oito caixilhos - com paredes de concreto de três pés ou mais de espessura e abrigando canhões de 75 mm ou maiores - 85 posições de metralhadora, 35 casamatas, 38 poços de foguetes e seis posições de morteiro, todos voltados para a costa, enquanto fossos, paredes, arame farpado e campos minados impediram as tropas e veículos aliados de escalar os penhascos. Mas Omaha Beach teve que ser tomada para evitar deixar uma lacuna vulnerável entre a praia de Utah diretamente a oeste e as três praias anglo-canadenses a leste.

Em fevereiro de 1943, Norman Cota, graduado em West Point em 1917, recebeu sua primeira estrela e foi designado para a equipe de planejamento da invasão Aliada no Quartel-General de Operações Combinadas. Como chefe do estado-maior da 1ª Divisão de Infantaria, ele ajudou a planejar e executar os desembarques bem-sucedidos no Norte da África em novembro de 1942. Ele era todo soldado de infantaria, tão hábil em liderar um esquadrão quanto em planejar uma invasão.

Quando o planejamento para Netuno começou a funcionar em junho de 1943, Cota advertiu seus colegas de que o plano de invasão deve ser “totalmente honesto e simples” e confiar “na experiência daqueles que já tentaram isso antes”. Acima de tudo, ele alertou, deve incluir uma margem de erro suficiente - o que ele chamou de “fatores de segurança” - para os contratempos inesperados que inevitavelmente ocorrem. O maior perigo, ele acreditava, era repensar o plano. Uma multidão de oficiais do exército, da marinha e da força aérea britânicos e americanos tiveram um dedo na torta da invasão e, Cota disse, "nada pode passar tão rápido do simples para o complexo como uma operação combinada".


O Comandante Supremo Dwight D. Eisenhower (sentado, ao centro) e outros líderes da Força Expedicionária Aliada organizaram a maior invasão da história. © IMPERIAL WAR MUSEUMS, TR 1631

OS RECURSOS COMPROMETIDOS para a operação foram surpreendentes - 132.000 soldados e 23.000 paraquedistas pousariam apenas no Dia D, apoiados por quase 12.000 aviões e mais de 6.000 navios. Se a invasão fracassasse, demoraria muitos meses, pelo menos, até que os Aliados pudessem reunir os recursos para tentar novamente. “Não podemos falhar”, enfatizou o Comandante Supremo Dwight D. Eisenhower.

Os Aliados fizeram desembarques bem-sucedidos no Norte da África e na Itália, mas nenhum envolveu praias tão fortemente defendidas como as da Normandia. O único ataque a uma costa bem fortificada - o ataque ao porto francês de Dieppe em agosto de 1942 - fracassou, com mais da metade dos atacantes mortos, feridos ou capturados. Nenhum forte bombardeio pré-invasão precedeu a operação Dieppe, e os planejadores apontaram isso como a falha fatal. Em qualquer ataque futuro à França, advertiu o comodoro britânico John Hughes-Hallett, comandante naval em Dieppe, “os preparativos intensivos por meio de bombardeio aéreo e marítimo são essenciais para suavizar as defesas”.

Os arquitetos da invasão tinham considerável poder de fogo à sua disposição e pretendiam usá-lo. Na praia de Omaha, os navios de guerra USS Texas e USS Arkansas, três cruzadores e uma dúzia de destróieres explodiriam as defesas, e 480 bombardeiros pesados ​​B-24 Liberator foram designados para atacar as posições alemãs. O ataque também dependeria fortemente de uma arma nova, mas não comprovada: 64 tanques Sherman anfíbios de drive duplex (DD) que nadariam até a costa para fornecer apoio crítico às tropas.

Os planejadores sabiam que o poder de fogo tinha limitações. O general de brigada das Forças Aéreas do Exército dos EUA, Robert C. Candee, enfatizou que seria "altamente perigoso para mim prometer de qualquer forma" que um bombardeio poderia destruir as defesas da praia. Da mesma forma, o Comandante da Marinha dos EUA Elliott B. Strauss alertou que o tiroteio naval "não pode ser confiável para reduzir permanentemente as baterias em terra bem colocadas e protegidas". O máximo que se podia esperar, disseram os oficiais, era atordoar os defensores com concussões de explosão, neutralizando-os temporariamente quando as primeiras ondas de infantaria invadiram a costa.

Essas limitações conduziram os planejadores ao que Cota havia alertado: um plano complexo com pouca margem de erro. Na praia de Omaha, a primeira onda teve que pousar antes que os alemães atordoados recuperassem o juízo. Para isso, o bombardeio naval de 40 minutos e o ataque de bombardeiros de 25 minutos terminariam às 6h25, e as primeiras tropas de assalto pousariam às 6h31, apenas seis minutos depois. Se a primeira leva de tropas chegasse tarde demais, os defensores estariam prontos para enfrentá-los com fogo fulminante, mas uma chegada mais cedo arriscava baixas amistosas de bombas ou projéteis navais que falhavam. A Força Aérea estimou que até 8 por cento de suas bombas cairiam na água entre as embarcações de desembarque.

NA HORA OS PLANOS foram finalizados, a Cota deixou de fazer parte do processo. Em outubro de 1943, ele foi designado para a 29ª Divisão de Infantaria - com a 1ª, uma das duas divisões programada para atingir a Praia de Omaha - como comandante assistente da divisão. Cota passou o resto de 1943 e o início de 1944 treinando o dia 29, que ainda não havia entrado em ação. Homem robusto e atarracado, Cota era presença onipresente nos exercícios de treinamento, encorajador e instrutivo. Ele era universalmente conhecido como “holandês”, um apelido que aprendeu ao jogar futebol americano no colégio, em Massachusetts, sua cidade natal.

Em 9 de abril de 1944, dois meses antes do Dia D, um desenvolvimento inesperado complicou um plano que já tinha pouco espaço para erros. O reconhecimento aéreo mostrou os alemães construindo obstáculos de praia concentrados na praia de Omaha, algo que os planejadores da invasão acreditavam que o inimigo não tinha recursos para fazer.

No Dia D, esses obstáculos eram muitos e variados. Farthest from the shore were about 200 Belgian gates, seven-by 10-foot iron barricades, many with mines attached. Next were about 2,000 wooden or concrete poles pointed seaward, again with mines or artillery shells often attached. The finishing touch was 1,050 hedgehogs—six-foot steel bars welded together at right angles—placed near the shoreline.


In a Wehrmacht propaganda photo, a German soldier surveys coastal beach defenses in northern France prior to D-Day. The Germans erected multiple barricades in anticipation of an amphibious Allied attack. BUNDESARCHIV, BILD 101I-299-1809-14/PHOTO: SCHECK

These obstacles posed a serious threat because they could damage any landing craft that hit them, and those armed with mines or artillery shells could blow boats apart. At the very least, the barriers could delay or prevent landing craft from reaching the shore, upsetting the split-second timing needed for the men to land before the enemy had recovered from the bombardment. Until these obstacles were removed, troops under fire would have to wade more than 50 yards through water knee-deep or higher to reach the shore. Then, soaked, exhausted, and still under fire, they would have to cross the beach to the seawall.

To meet this threat, the planners assigned 24 demolition teams to blow 16 50-yard-wide gaps through the obstacles, but the timing was tight—perhaps too tight. The demolition teams would land at 6:33 a.m., only two minutes after the first wave, and would have to finish their work in less than half an hour, before the bulk of the assault troops began landing at 7 a.m. and before the rising tide submerged the barricades.

Nevertheless, Eisenhower was confident. “If our gun support of the operation and the DD tanks during this period are both highly effective, we should be all right,” he wrote on June 3, 1944. “The combination of under-sea and beach obstacles is serious but we believe we have it whipped.”

Cota had his doubts. His experience had taught him not to count on any landing going according to plan, and he was skeptical of this plan’s split-second timing because he knew “confusion and chaos are inherent in the very nature of the operation.” He wasn’t alone in this thinking. Colonel Paul R. Goode of the 29th Infantry Division briefed his regiment by tossing aside the bulky invasion plan. “Forget this goddamned thing,” he told his men. “There ain’t anything in this plan that is going to go right.”

On June 5, 1944, aboard the attack transport USS Charles Carroll, Cota gave his staff, self-dubbed the “Bastard Brigade,” a no-holds-barred briefing on what to expect the next morning. Cota anticipated that the air and naval bombardments wouldn’t meet expectations, and he assumed the landing craft would arrive late. Gaining a beachhead would be no easy task, he believed, but leadership, courage, and quick thinking would carry the day. “We must improvise, carry on, not lose our heads,” he emphasized. He knew that soldiers, not plans, win battles.

BY THE TIME COTA and his aides landed on the Dog White section of Omaha Beach the next morning, his predictions had come terribly true. The invasion plan had gone hopelessly awry, and the landings had become, said Neptune’s ground commander, British General Bernard Law Montgomery, a “very sticky party.” What began as an organized assault had “deteriorated into a struggle for personal survival,” according to one 29th Infantry Division after-action report.

Strong winds, rough seas, and overcast skies played havoc with the landings. Because cloud cover prevented bombardiers from seeing their targets, they had to bomb by radar. Air commanders lacked confidence in this method for close support of ground troops, so they ordered bombardiers to hold their payloads for an extra five to 30 seconds to avoid hitting friendly landing craft, which would be as close as 400 yards from the shore. This caused the B-24 Liberators’ 1,286 tons of explosives to fall far beyond the Germans’ beach defenses. A later investigation confirmed that there was “no evidence of bomb strikes on or near the target areas or anywhere in the vicinity of the beach,” something angry soldiers already knew.


A medic of the 1st Infantry Divison tends to wounded soldiers taking shelter at the seawall fronting Omaha Beach. NATIONAL ARCHIVES

“The Air Corps might just as well have stayed home in bed for all the good that their bombing concentration did,” Lieutenant Colonel Herbert C. Hicks Jr. complained in his after-action report, and one infantryman wrote home that the airmen “might have done better if they had landed their planes on the beach and chased the enemy out with bayonets.” The air force later conceded that the pre-invasion bombardment had “afforded little support to the landing operations.”

o Texas had fired nearly 700 14-inch rounds and the Arkansas more than 700 12-inch shells, but the navy neither destroyed nor neutralized the defenses. The thick concrete casements survived all the navy threw at them, and most “did not show signs of direct hits nor of any shells exploding sufficiently close to be effective,” noted Colonel E. G. Paules of the U.S. Army Corps of Engineers the following month. Many fortifications were so cleverly hidden that they were invisible to aerial or seaward observation, and all were “exceedingly difficult to detect,” wrote Admiral John L. Hall Jr., the naval commander at Omaha Beach, in a report directly after the assault.

Choppy seas caused the untried DD tanks to fail. Only about half of the 64 DD tanks made it ashore the others sank or were knocked out by artillery fire. The German defenders, thought to be of low quality, had been augmented with veteran troops. The beach obstacles remained in place because they were “much more numerous than Intelligence reports had indicated,” Admiral Hall reported, and because nearly half the demolition men became casualties. The biggest impediment to demolition, however, was that soldiers—many severely wounded—clustered behind the barricades to shelter themselves from the deadly small-arms fire.

Strong currents had prevented the first waves from landing as planned. “All semblance of wave organization was lost,” Admiral Hall noted, and boats landed individually—often late—giving the Germans time to regain their wits after the naval bombardment and focus their fire on the men leaving each craft. The first waves were slaughtered, with “men being killed like flies from unseen gun positions,” reported Major Stanley Bach, a member of the “Bastard Brigade.”

COTA ALMOST DIDN’T make it ashore. His boat, LCVP 71, hit a mined wooden pole. “Kiss everything goodbye,” he thought as he braced for the explosion, but the mine fell harmlessly into the water. Cota and his staff landed 50 yards from shore in knee-deep water and quickly came under fire. After briefly taking cover behind a tank, Cota made it to the timber seawall, where he found disorganized groups of soldiers taking cover. The seawall protected them from small-arms fire, but not from mortars shrapnel the size of a shovel blade killed a man near Cota.

Huddled by the seawall, Private William Stump craved a cigarette, but his matches were soaked, so he asked the soldier next to him for a light. When that soldier turned towards him, Stump was startled to see he was a general. “Sorry, sir,” he stammered. “That’s OK, son, we’re all here for the same reason,” Cota said as he lent Stump his Zippo lighter.

Staying by the seawall was suicide, so Cota looked for a way to get the men on the move. Although admittedly “scared to death,” he walked along the beach, seemingly oblivious to enemy fire while encouraging the troops forward. The prone soldiers took notice. “I guess all of us figured that if he could go wandering around like that, we could too,” said Sergeant Francis Huesser.


In one of the few photographs of troops in battle on D-Day, a U.S. Army Ranger who landed at Omaha Beach takes aim at the enemy. U.S. ARMY/NATIONAL ARCHIVES

Cota knew he, too, had to lead. He crawled past the seawall, found a good position, and put a soldier with a Browning Automatic Rifle there to provide covering fire. He had another soldier use a Bangalore torpedo to blow a hole in the double-apron barbed wire blocking access to the bluffs. The first soldier through the gap was hit by machine-gun fire, writhing on the ground screaming for a medic and his mother until he died. This rattled the already-jarred troops Cota knew something dramatic was needed, so he charged through the gap and made it. Others followed. A mortar shell landed nearby, killing two men near Cota and throwing him up the bluff. At 51, Cota was perhaps the oldest man on Omaha Beach, but he popped up unharmed.

Using a communications trench for cover, Cota led a small group up the bluff. At the top, machine-gun fire from across a field stalled the advance. Cota had several men lay down covering fire, and he tried to find a sergeant or lieutenant to lead an attack. “None of the leaders seemed to be in evidence, and his exhortations were not too successful,” noted Cota’s aide, Lieutenant Jack Shea. So Cota himself led the charge, and the Germans fled. This was, historians Stephen Ambrose and Joseph Balkoski believe, the first successful infantry assault of the Allies’ Normandy campaign.

Cota’s party advanced to the nearby town of Vierville-sur-Mer. About 500 yards from town, a machine gun opened up. Cota sent a patrol to flank the gun, and the Germans ran away. By 10 a.m., a few other troops had come up the bluffs. “Where the hell have you been, boys?” was Cota’s cheerful greeting.


Wehrmacht soldiers surrender to the advancing Allies. Cota and the men who followed him up Omaha’s bluffs took the first of thousands of German prisoners on D-Day. THE LIFE PICTURE COLLECTION/GETTY IMAGES

By noon, Cota was concerned that no vehicles had come up from the beach to Vierville, so he led a five-man patrol back to the shore to investigate. Germans fired on them from a nearby cavern in return, a “dozen rounds of carbine and pistol fire sufficed to bring five Germans down,” Lieutenant Shea said. The prisoners were, one observer noted, a “sorry looking bunch in comparison to our well-fed and equipped men.” Continuing toward the beach, the patrol encountered mines. Cota had one of the prisoners lead his men through the minefield, with the Americans careful to follow the German prisoner’s footsteps. Cota’s patrol passed the bodies of more than 30 29th Infantry Division men killed trying to advance up the bluff.

Cota saw the reason for the hold-up: a thick concrete antitank wall blocked the road. Engineers said they lacked explosives to demolish it, but Cota noticed a bulldozer tank nearby loaded with TNT. When no one volunteered to drive the bulldozer to the antitank wall, he challenged the men. “Hasn’t anyone got guts enough to drive it down?” ele perguntou. A young soldier came forward, and Cota slapped him on the back with a hearty “That’s the stuff,” adding, “Goddamit, get moving.” Soon, the wall was gone. Cota regretted not getting the volunteer’s name so he could put him in for the decoration he deserved.

On the way back toward the front, Cota had his first chuckle of the day when he came across a sailor—whose landing craft had been shot out from under him—carrying an unfamiliar rifle in his hands. “How in hell do you work one of these?” he asked, complaining that this was just why he had joined the navy, to avoid “fighting as a goddamn foot-soldier.”

By late afternoon, the acute crisis had passed. Troops, vehicles, and supplies were streaming ashore and advancing up the bluffs. By the end of the day, 34,000 men had landed on Omaha Beach and the crusade in Europe was back on track. The price, however, was high: 2,400 dead, wounded, or missing.


Within days of the first assault, tens of thousands of Allied troops and weapons came ashore the hard-won beaches of Normandy. U.S. COAST GUARD/NATIONAL ARCHIVES

THE SOLDIERS who were at Omaha Beach knew what had made the high command’s plan work. “Navy can’t hit ’em—air cover can’t see ’em—so infantry had to dig ’em out,” Major Bach wrote in notes scribbled that afternoon. To Colonel Paules, “those bluffs were captured and those exits opened solely through the plain undaunted heroism of those infantry teams of the 1st and 29th divisions and their attached engineer units…. The two cemeteries at Omaha Beach speak eloquently of the type of men who were there that day.”

What tipped the scales, Captain John C. Raaen of the 5th Ranger Infantry Battalion wrote in a letter home, was the “magnificent leadership of a few officers like General C.,” who put their lives on the line “when the chips were down.” Cota had improvised, carried on, and kept his head. On June 29, 1944, he was awarded the Distinguished Service Cross for his “superb leadership, personal bravery, and zealous devotion to duty” in rallying the troops and leading them up the bluffs. But to Cota, it was the men on the beach who deserved the credit. “Believe me,” he wrote to a friend in 1949, “they were the only reason that enabled an old crock like myself to shake fear loose and ‘Roll On.’” ✯

This story was originally published in the June 2019 issue of World War II revista. Subscribe here.


Types of AAA Bonds

Municipal Bond Types

Municipal bonds can be issued either as revenue bonds or as general obligation bonds—with each type relying on different sources of income. Revenue bonds, for example, are paid using fees and other specific income-generating sources, like city pools and sporting venues. On the other hand, general obligation bonds are backed by the issuer's ability to raise capital through levying taxes. Pointedly: State bonds rely on state income taxes, while local school districts depend on property taxes.

Secured vs. Unsecured Bonds

Issuers can sell both secured and unsecured bonds. Each type of bond carries with it a different risk profile. A secured bond means that a specific asset is pledged as collateral for the bond, and the creditor has a claim on the asset if the issuer defaults. Secured bonds may be collateralized with tangible items such as equipment, machinery, or real estate. Secured collateralized offerings may have a higher credit rating than unsecured bonds sold by the same issuer.

Conversely, unsecured bonds are simply backed by the issuer's promised ability to pay, therefore the credit rating of such instruments relies heavily on the issuer's income sources.


TL Series

Honeywell MICRO SWITCH TL Series toggle switches are military qualified to MIL-DTL-3950, specifications for sealed toggle switches. Quality construction features include a bonded seal between the toggle lever and bushing, and between the cover and case.

The robust design of the TL Series toggle is well-suited for many military, aerospace and other demanding applications where reliability is essential. These applications include environments where the panels are subjected to mechanical shock, vibration, and temperature extremes as well as environments with dust, splashing or hose-directed water.

TL Series toggle switches offer a variety of circuitry and pole options to easily integrate into a number of applications. A long history in military and aerospace applications has shown the TL Series toggle provides reliable performance with long operating life under the toughest conditions.


Assista o vídeo: Moody