A Batalha de Marengo, 1800, Olivier Lapray

A Batalha de Marengo, 1800, Olivier Lapray

A Batalha de Marengo, 1800, Olivier Lapray

A Batalha de Marengo, 1800, Olivier Lapray

A batalha de Marengo é uma das vitórias mais famosas de Napoleão, ajudando a garantir sua nova posição como Primeiro Cônsul da França, mas não foi uma de suas melhores. Se os austríacos não tivessem relaxado, pensando que a batalha estava ganha ou os reforços franceses chegavam bem a tempo, a batalha teria sido perdida e a carreira de Napoleão poderia ter terminado bem mais rápido do que acabou.

Este livro, em vez disso, representa o ponto de vista francês. A campanha que restaurou o controle austríaco do norte da Itália e, no processo, desfez as conquistas de Napoleão durante sua primeira campanha na Itália, tem apenas um parágrafo. Da mesma forma, as vitórias de Moreau na Alemanha, terminando em Hohenlinde, que garantiu a vitória francesa na guerra, têm apenas um parágrafo. Esta é muito a história de Napoleão.

A tradução é um pouco áspera nas bordas. A divisão de Boudet é referida como 'A Divisão de Boudet' e as fileiras recebem um 'o' desnecessário (como em 'O Boudet geral atacado'),

A seção impressionante sobre os dois exércitos dedica espaço igual ao lado francês e austríaco, com ilustrações coloridas de tropas para uma ampla gama de unidades. Isso inclui ilustrações modernas e, quando disponíveis, fotos contemporâneas (muitas de um guia para uniformes de 1798). O livro inteiro é ricamente ilustrado e o texto é bem apoiado por mapas.

Este é um relato decente da batalha de Marengo, mas sua principal força é a esplêndida coleção de fotos, que cobrem toda a expedição francesa, desde a travessia dos Alpes (muitas vezes de forma dramatizada) até o rescaldo da batalha.

Capítulos
A segunda campanha da Itália
O exército francês
O exército austríaco
A Batalha de Marengo
A Carga do General Kellermann

Autor: Olivier Lapray
Edição: capa dura
Páginas: 144
Editora: Histoire & Collections
Ano: 2014



Ordem de batalha de Marengo

A Batalha de Marengo (14 de junho de 1800) foi travada entre o exército francês do Primeiro Cônsul Napoleão Bonaparte e um exército dos Habsburgos liderados pelo General der Kavallerie Michael von Melas. Com o exército de Napoleão cruzando a linha de comunicação do exército dos Habsburgos para o oeste, Melas resolveu atacar. No início da manhã, o exército dos Habsburgos avançou da cidade de Alessandria e pegou o exército francês de surpresa. Só às 9h da manhã o exército de Melas atravessou completamente um gargalo nas pontes do rio Bormida. A princípio, o ataque austríaco foi interrompido, retardado pela amarga resistência francesa. Por volta das 15h, o exército dos Habsburgos obrigou seus oponentes em menor número a recuar. [1] Dolorido por ter dois cavalos mortos sob seu comando, Melas entregou o comando da perseguição a um subordinado e foi para a retaguarda. [2] No final da tarde, uma divisão francesa recém-chegada atacou de repente os perseguidores austríacos. Combinado com uma rajada rápida de tiros de canhão e uma carga de cavalaria oportuna, o ataque surpresa causou um colapso completo da coluna central austríaca, que fugiu para a segurança temporária de Alessandria. [3] Os franceses sofreram pelo menos 7.700 baixas, incluindo dois generais mortos e cinco feridos. Os austríacos admitiram perder 9.416 mortos, feridos e desaparecidos, mas algumas estimativas variam de 11.000 a 12.000 vítimas. Os austríacos perderam um general morto e cinco feridos. [4] No dia seguinte, Melas solicitou um armistício. A vitória deu a Bonaparte poder de barganha suficiente para obter o controle do noroeste da Itália durante as negociações subsequentes. [3]


A Batalha de Marengo, 1800: O Primeiro Cônsul Vitorioso

Com mais de 40 anos de experiência coletiva em venda de livros, publicação e compra de livros a granel, conhecemos as necessidades de planejadores de eventos, autores, palestrantes e, é claro, leitores.

Grandes descontos

Oferecemos descontos na compra de livros em massa de quase todos os títulos clássicos e novos em muitos gêneros diferentes. Quer você precise motivar os funcionários, aumentar a produtividade ou melhorar seu produto, temos o título certo para você.

Entre em contato conosco

Procurando um título não listado? Precisa de ajuda para fazer um pedido? Seja qual for sua dúvida, nós podemos ajudar.


Campo de batalha [editar | editar fonte]

Torre Garofoli, quartel-general de Napoleão antes da batalha

A batalha ocorreu a leste de Alessandria, em uma planície atravessada por um rio que formava meandros, o Bormida, sobre o qual os austríacos instalaram uma cabeça de ponte. Na planície se espalharam numerosos povoados e fazendas que representavam pontos estratégicos. Os três locais principais da batalha formaram um triângulo, com Marengo no oeste, Castel Ceriolo no norte e San Giuliano Vecchio no leste. Um pequeno riacho, o Fontanone, passava entre Marengo e o Bormida. O Primeiro Cônsul tinha estabelecido a sua sede na Torre Garofoli, que ficava mais a leste. Esta sede hoje visitável está situada na rua: "Strada Comunale Cerca" coordenadas GPS N44 ° 53'37.01 E 8 ° 48'14,12 Α]


Forças

Os 30.000 austríacos e seus 100 canhões enfrentaram a oposição de 22.000 franceses e seus 15 canhões. Enquanto isso, após a chegada de Desaix, 6.000 homens reforçariam o exército de Bonaparte. [1]

A campanha de 1799 exauriu o exército austríaco na Itália, com baixas e doenças reduzindo alguns regimentos a 300 homens. O maior componente do exército estava no Piemonte e no vizinho vale do Pó, apenas algumas unidades foram transferidas para quartéis de inverno em áreas mais bem abastecidas. Longas distâncias das bases domésticas, das quais os regimentos retiravam reforços, significavam que os transportes de tropas tinham que suportar condições miseráveis, de modo que apenas cerca de 15 por cento alcançaram o exército de campanha. O exército de março de 1800 era pouco maior do que na conclusão da campanha de 1799. [9] Equipamentos e uniformes foram melhorados e atualizados. Embora um uniforme mais simples, com capacete de couro e mosquetes de menor calibre, tenha sido introduzido, pouco havia chegado aos exércitos de campanha em 1800. Esforços foram feitos para padronizar o equipamento, mas muitas unidades usaram uma variedade de padrões de mosquete e sabre. [10] Melas dividiu seu exército em três corpos enfrentando o Bormida, na frente de Alessandria. No norte da FML Ott (a guarda avançada de Friedrich Heinrich von Gottesheim mais as divisões de Joseph von Schellenberg e Ludwig von Vogelsang), na divisão sul do FML O'Reilly, ele comandava no centro a formação mais importante (as divisões de Karl Joseph Hadik von Futak, Konrad Valentin von Kaim, Ferdinand Johann von Morzin e Anton von Elsnitz). [11]

Em 1799, as 36.000 tropas francesas na Itália estavam em um estado desesperador semelhante ao do final de 1795. Os suprimentos de todos os tipos eram inadequados, a disciplina estava se rompendo, a deserção estava aumentando e, em algumas ocasiões, formações inteiras marcharam para a retaguarda em busca de comida. Os sobreviventes teriam valor de combate limitado. Ao estabelecer o Exército da Reserva na França, o primeiro movimento de Bonaparte foi reformar o sistema de abastecimento para fornecer às tropas comida regular e uniformes decentes. Sem a grande superioridade em infantaria e artilharia desfrutada em muitas campanhas republicanas, o núcleo da reserva de Bonaparte era de 30.000 homens, principalmente da República Batávia, que haviam sido usados ​​sob Guillaume Marie Anne Brune para esmagar a rebelião na Vendéia. Tropas veteranas adicionais vieram dos restos mortais do antigo Exército da Inglaterra. [12] A nova doutrina militar enfatizava a ofensiva, a mobilidade e a baioneta, sobre o poder de fogo linear. [13] À frente do exército austríaco estava estacionado, ao sul de Marengo, o corpo de Victor (as divisões de Jacques-Antoine de Chambarlhac de Laubespin e Gaspard Amédée Gardanne), apoiado na esquerda pela cavalaria de François Étienne de Kellermann e , mais a nordeste, pelo corpo de Lannes (divisão de François Watrin, brigada de Mainoni) juntamente com duas brigadas de cavalaria. A leste de Castel Ceriolo tomou posição a divisão de Jean-Charles Monnier, apoiada pela Guarda, que formou a reserva. Victor seria o único que suportaria o impacto do ataque austríaco. [14]


A Batalha de Marengo, 1800, Olivier Lapray - História

Em 14 de junho de 1800, durante a segunda campanha italiana, Napoleão venceu por pouco a batalha de Marengo (Piemonte). Esta famosa batalha opôs 28.000 soldados franceses contra 31.000 soldados austríacos sob o comando do General M & eacutelas.

Dominados a princípio, os franceses tiveram que recuar quase sete milhas para trás. M & eacutelas, acreditando que a vitória estava assegurada, deixou o comando para um subordinado e voltou para Alexandria. O atraso do adversário, portanto, permitiu a Napoleão concentrar suas forças, especialmente o corpo do general Desaix, que chegaria como reforço. Por volta das 5 horas da tarde, o violento contra-ataque francês obrigou os austríacos a recuar, ceifando a vida de Desaix, sem dúvida o herói da época.

Esta grande vitória leva à ocupação francesa da Lombardia e, acima de tudo, reforça a autoridade de Napoleão na França.

AVALIAÇÕES

Em resumo, é sem dúvida um grande livro. As muitas estampas em aquarela, cenas de batalha, pinturas, massas de estampas uniformes e ordens detalhadas de batalha, não obstante as reservas sobre a tradução e os mapas, tornam este um trabalho muito valioso. Pode-se passar horas examinando as fotos. É altamente recomendado tanto para o leitor comum quanto para o especialista. Para quem deseja recriar os exércitos da França revolucionária e da Áustria na virada do século 18, este livro é um & quotdeve ter & quot.

- Chris Jarvis, Miniature Wargames with Battlegames, maio de 2015

& quotInfantaria ligeira austríaca em Marengo & quot Tópico

Todos os membros em situação regular podem postar aqui. As opiniões expressas aqui são exclusivamente dos participantes, e não foram autorizadas nem são endossadas por A página de miniaturas.

Áreas de interesse

Artigo de notícias sobre hobby em destaque

Lancashire Games: Summer Sale & More Greens

Link em destaque

Guilhotina na Wikipedia

Conjunto de regras com melhor classificação

Fogo e aço

Artigo de bancada de trabalho em destaque

Pintura 6mm Baccus Napoleonic French Infantry

Macaco Cabide dá o mergulho.

Crítica do livro em destaque

Cavaleiros Templários

2.248 acessos desde 29 de agosto de 2015
& # 1691994-2021 Bill Armintrout
Comentários ou correções?

A guarda avançada de Frimont continha dois batalhões de infantaria leve austríacos. Eu li no livro de Arnold que ambos lutaram como infantaria regular e não se posicionaram como infantaria leve típica na formação de escaramuças (página 149 edição pb). Não tenho ideia se essa afirmação está correta e sei que há muito debate no TMP sobre Marengo.

Alguém tem mais detalhes sobre as táticas dessas unidades, pois não consigo encontrar nenhuma informação em inglês sobre este assunto.

Não sei, mas eles parecem não existir em 1805. Isso pode ser uma pista sobre sua eficácia.

Arnold também afirma que a Divisão de Ney na batalha de Ampfing & # 91p.218] teve dificuldades com a 'infantaria leve' austríaca. "Com ambos os flancos virados e uma nuvem de infantaria leve dos Habsburgos à sua retaguarda direita, Desperriers ordenou a retirada." Isso é estranho, porque de acordo com os OOBs de Arnold, NÃO havia infantaria leve, jagers ou batalhões de Grenzer nas forças que enfrentaram a Divisão de Ney. Eram todos batalhões de linha e granadeiros. O que Arnold diz na página 149 é "Ao contrário da prática francesa, havia poucos homens implantados como escaramuçadores para filtrar o avanço. "

Arnold não faz menção a nenhum escaramuçador francês durante Ampfing ou Marengo. Podemos presumir que nenhum escaramuçador francês foi implantado em ambos os combates? Acho que não.

Eu imaginaria que os austríacos poderiam ter deloyed ambos os batalhões de infantaria leve como infantaria leve se eles assim desejassem, e pelo livro de Arnold, em 1800, a infantaria de linha austríaca poderia e também se desdobrou como escaramuçadores nas "nuvens".

McLaddie obrigado, você está correto, Arnold disse "poucos". Estou olhando para isso de uma perspectiva de jogos de guerra, bem como de uma perspectiva de interesse histórico, e me perguntando como os dois batalhões de infantaria leve deveriam ser implantados.

No momento, estou vendo isso como infantaria leve, mas talvez apenas um terço ou metade da unidade fosse lançada como uma nuvem de escaramuçadores.

Se alguém mais tiver uma opinião ou referências, por favor, me avise

A lista para a qual estou trabalhando para o General de Brigade apareceu na Wargames Illustrated e é reproduzida no meu blog, aqui e no link hellip

Minha ideia, que pode estar totalmente errada, era implantar o Am Ende e o Bach como pequenas unidades da Line.

Recentemente, comprei o livro Histoire & amp Collections "The Battle of Marengo", de Olivier Lapray. Isso dá ao Frimonts Advanced Guard como contendo:
Chasseurs Mariassy (4 empresas): 164 homens
4ª Infantaria Leve de Bach (1 batalhão alemão): 277 homens
3ª Infantaria Ligeira Am Ende (1 batalhão alemão): 291 homens
Infantaria (1 companhia): 115 homens

Lapray lista os escaramuçadores em cada brigada como sendo os Mariassy Chasseurs (Jaegers), o que sugere que a infantaria leve não era usada como escaramuçadores. As ilustrações neste livro também mostram esses caçadores usando capacete em vez de chapéu armado.

A infantaria leve parece ter tido regimentos alemães e húngaros, dos quais eram 15, formados em 1798 e dissolvidos em 1801.

Então, eu não tenho certeza de como implantar meus escaramuçadores no meu jogo, mas no momento estou inclinado a mostrar os Batalhões Leves na linha e usar Jaegers como escaramuçadores em todo o exército. Eu posso estar errado em fazer isso.

Aqui está meu batalhão "em andamento"
ligação

Colin,
Recentemente encontrei seu blog (muito inspirador) e postei nele.
Eu concordo com sua interpretação de como a infantaria leve poderia ser implantada em um cenário GdB. Eu permitiria que 25% fossem implantados como escaramuçadores, então Frimont tem Jaegers e alguma infantaria leve em ordem de escaramuça.
Eu acho que colocar ambas as unidades de infantaria leve implantadas como escaramuçadores 100% parece incorreto.

Meu entendimento é que os austríacos dos batalhões de linha e leves nesta campanha eram bastante hábeis em escaramuças e se posicionariam conforme a situação tática exigisse.

Isso porque eles eram compostos, em grande parte, de veteranos das campanhas de 1796-7 e 1799 na Itália, onde terrenos acidentados eram a norma. Há uma citação contemporânea da campanha de 1799 mencionada por Duffy que posso desenterrar se for necessário para comprovar isso. Em minha opinião, esse exército austríaco foi o melhor que os austríacos jamais tiveram. A proporção de oficiais deles parece ser maior do que o normal, como você pode esperar dos veteranos, e em 1799 eles aprenderam o hábito da vitória pela única vez nas guerras.

Embora você não deva superestimar as luzes, parece que elas operam um pouco como as luzes britânicas revestidas de vermelho (52nd et al) por serem uma infantaria de duplo propósito. Não sei dizer como o seu sistema de regras reflete melhor isso.

Aqui está algo que pode ajudar:

Do Grande Adversário de Napoleão, de Gunther Rothenberg, 70:

Apesar dos esforços ocasionais para promover uma combinação eficaz de táticas leves e lineares, a predominância da luta corpo-a-corpo não diminuiu. Embora um famoso historiador militar austríaco tenha afirmado que “em 1798 o exército austríaco havia aprendido a lutar em ordem aberta apoiado por formações fechadas”, esta afirmação não é sustentada por evidências. Em uma ocasião, com certeza, durante a batalha de Novi em novembro de 1799, os austríacos se posicionaram em ordem aberta, mas foram expulsos do campo em desordem. Posteriormente, os regulamentos mais uma vez enfatizaram que as escaramuças deveriam ser empregadas apenas de forma limitada. Por exemplo, Zach, então chefe de gabinete do general Barão Melas na Itália, deu instruções em 1o de abril de 1800. “Em ação”, escreveu ele, as tropas devem se lembrar de não perder tempo com disparos. Apenas alguns tirailleurs são necessários para filtrar a frente. Se isso for seguido por tropas avançando corajosamente em formação fechada, com bandos tocando, e mantendo sua formação, tal avanço não pode ser repelido por um inimigo lutando em ordem aberta. ' Duas semanas depois, em 13 de abril, outra ordem do exército declarou que ações recentes mostraram que escaramuças desnecessárias só podem ser prejudiciais e diabos, mas uma carga determinada entregue em ordem, rastreada por apenas alguns escaramuçadores, certamente resultará em vitória com muito poucas baixas . ' Os austríacos não abandonaram as táticas lineares e as campanhas de 1799-1801 revelaram novamente que eles não podiam igualar os franceses em terrenos acidentados, arborizados ou montanhosos, nem que seus generais haviam superado sua preocupação com linhas seguras de comunicação e retirada. '

Se eles não estivessem lutando, as advertências não teriam sido necessárias. O problema não era que os austríacos não estivessem lutando, mas que seus superiores achavam que eles estavam desdobrando muitos escaramuçadores. Esse é um tema que se repete desde 1796 nas Instruções do arquiduque Charles até as instruções de Swartzenburg em 1813.

Existem inúmeros exemplos de escaramuças austríacos em número muito pequeno de 1794 na Holanda até Ampfing em 1800. Acho que há evidências que apóiam a opinião daquele 'notável historiador militar austríaco'. Se os comandantes austríacos tiraram proveito dessa capacidade é outra coisa. Uma coisa é ser capaz de lutar em coluna e outra é ser manobrado e engajado com vantagem.

A questão não é 'escaramuça'. Esse termo é muitas vezes usado como um título abrangente para as várias formas de escaramuça empregadas pelas várias potências durante o período.

A questão é como as tropas em ordem aberta, sejam de infantaria leve ou não, foram empregadas.

Especificamente aqui, e em outros lugares, os austríacos não usaram escaramuças da mesma forma que os franceses. Os franceses usaram tropas em ordem aberta com as principais unidades de manobra em combate até e incluindo regimentos inteiros. Os austríacos, russos e prussianos não.

Os austríacos especificamente como afirmado por Rothnberg, os usaram para proteger as tropas em formação cerrada, geralmente como uma medida defensiva para proteção da força principal. Os franceses faziam isso, mas também os empregavam mais comumente como elementos de manobra e como elementos de apoio de fogo para unidades no ataque. E muitas vezes, em vez de usar a formação usual de três fileiras na linha de frente, eles implantam suas unidades em uma tela de escaramuçadores pesada.

Usar o termo 'escaramuçadores' deve ser contextualizado pelo exército em discussão e não significa a mesma coisa todas as vezes.

Os austríacos usaram escaramuçadores? Sim eles fizeram. Eles os usaram como os franceses? Não, eles não. E esse é o ponto crucial da questão. Rothenberg mostra isso muito claramente. E isso foi discutido, ad nauseum, neste e em outros fóruns.

Esse historiador que Rothenberg estava se referindo é o mesmo que Duffy faz, e ao qual me referi acima. Este é Stutterheim, um oficial austríaco em exercício, e datado de 1812:

Zach sentiu claramente que os veteranos austríacos estavam se posicionando em uma ordem aberta muito prontamente em 1800, usando táticas úteis em terrenos acidentados em situações onde formações fechadas e aço frio seriam mais eficazes. Mas não faz nada para sugerir que os austríacos desse período não eram flexíveis - mesmo que eles não fossem tão hábeis quanto seus colegas franceses na seleção das táticas certas para qualquer situação.

Mas, voltando ao OP, sugere por que os batalhões da Luz podem ter relutado em se desdobrar totalmente em junho de 1800, se Zach estivesse insistindo muito sobre não desdobrar em ordem aberta quando inadequado.

Kevin:
Sim, essa é a questão. A resposta é observar o que os austríacos fizeram a esse respeito. Não é se eles usaram escaramuçadores "como os franceses", mas que evidência existe do que eles fizeram.

Certamente concordo com isso. Também concordo com Matthew Green que Rothenberg tinha uma propensão a fazer uma citação em um tempo e lugar específicos e usá-la para generalizá-la ao longo de décadas. Novamente, a questão é como os austríacos usaram sua infantaria leve e escaramuçadores.

O combate de escaramuças recebe pouca atenção na maioria das narrativas. Por exemplo, além do exemplo de Ampfing no livro de Arnold, de onde a 'infantaria leve' vem não é abordada quando não havia nenhuma nas forças de ataque, ele mais tarde observa que no final da batalha de Marengo p. 183:

Agora, todos os exemplos de tropas em vinhedos que eu já vi têm unidades se dispersando como escaramuçadores, o que seria prático considerando como os vinhedos foram dispostos durante o tempo. No entanto, Arnold não diz uma coisa ou outra. Muitas atividades de escaramuça são negligenciadas dessa forma.

Não, o cerne da questão, a questão desse passo, é como os austríacos usaram escaramuçadores. Você cita Rothenberg:

O problema com esta explicação "clara" é que a evidência não apóia sua afirmação, apenas a partir de referências muito vagas de Arnold demonstram que a infantaria leve e a infantaria de linha foram usadas em mais do que "modo limitado" em vários casos, particularmente no terreno tradicional da infantaria leve, bosques e terrenos acidentados como vinhas.

Se isso é "como" os franceses ou não, não é a questão. A questão é o que as evidências mostram que os austríacos fizeram, independentemente disso.

Por exemplo, aqui está uma conta de um ano antes:

A batalha de Ostrach (21 de março de 1799) foi travada em terreno acidentado. Durante as lutas intensas nas florestas ao redor de Ostrach, os austríacos também usaram sua infantaria de linha como escaramuçadores. Isso é notado no relatório de pós-ação de FML Baillet para Archeduke Charles
(assinado Sp ck, 21 de março de 1799).

"(& hellip) ich unterlasse daher nicht Euer k nigl Hoheit den Bericht zu erstatten da 3 Bat Lacy e amp 2 Batt von Schr der bereits em Lager solda links an der Strasse assim von Ostrach nach Foulendorf gehet ist, eingetroffen, das 3te Bat von Schr der aber welches zu bl nqueln em Wald verwendet annoch zerstreut & amp erst sehr sp t eintreffen wird & ndash ich habe mein Quartier in dem ersten Haus zu Specht & # 91heute: 'Sp ck'] genommen. "

"(& hellip) Não vou me abster de informar Vossa Royal Higness que 3 batalhões Lacy e 2 batalhões Von Schr der já chegaram no acampamento à esquerda da estrada de Ostrach para Foulendorf, o 3º batalhão Von Schr der, entretanto, que foi usado para escaramuças dentro da floresta, ainda está disperso e chegará tarde & ndash meus aposentos estão dentro da primeira casa em Specht & # 91'Sp ck 'nowedays] "
sterreichisches Staatsarchiv & ndash Kriegsarchiv, Viena Alte Feldakten, Alemanha 1799/3/225

Se isso é "como" os franceses, não é a questão aqui, mas sim o que os austríacos fizeram, demonstrando o que podiam fazer. Somente quando descobrirmos o que os austríacos realmente fizeram em relação às escaramuças poderemos fazer uma comparação significativa.

Rothenberg não fez referência a Stutterheim. Sua referência era Der Krieg von 1805 em Deutschland und Italien de W Rustow. Se Rustow estava citando Stutterheim, tudo bem, mas acredito que Rothenberg estava se referindo a Rustow como o 'historiador.

Rothenberg tem Krieg von 1809 de Stutterheim em sua bibliografia.

É claro que os austríacos (todas as unidades) podiam implantar escaramuçadores, o que também era bem reconhecido pelos próprios franceses, pois os ataques austríacos eram geralmente iniciados por nuvens de escaramuçadores.

Tenho certeza de que esse assunto já foi discutido aqui antes no TMP e talvez tente uma busca no Google?

Seu livro sobre a campanha de 1799 de Suvurov.

Esse era o esquema geral da prática austríaca em 1807. 1/3 na linha de combate, 1/3 como suporte e 1/3 como reserva formada. No entanto, isso significa que toda a força é dedicada à luta, embora apenas um terço esteja realmente na linha de frente a qualquer momento.

EB:
Como os britânicos mais tarde, os austríacos distribuíram seus jagers / infantaria leve em pacotes de companhia entre as brigadas, mas também os combinaram em um batalhão, conforme necessário. Sendo infantaria leve na Guarda Avançada de Frimonts, esperava-se que agissem como escaramuçadores e demônios. Foi por isso que a infantaria leve / grenzers foram colocados na Guarda Avançada do Corpo e Exércitos Austríacos. Se, em contato com o inimigo, lutavam como escaramuçadores ou formavam infantaria e o quanto em cada formação dependia da situação tática e do comandante.

Posso dar-lhe as referências para isso, se quiser.

"Os austríacos sempre tiveram mais fuzileiros do que nós nesta guerra. Brushmaker ainda notará em 1800" essa multidão de fuzileiros que geralmente acompanha os ataques dos austríacos. "& # 91De Cugnac, Campagne do exército de reserva, outono II, p. 432]
& # 911864 reimpressão do Essai historique sur l'Infantrerie Legere, página 72 de Duheme.] Duheme estava presente na Flandres durante este tempo e tem muito a dizer sobre os austríacos:
"Esses guardas avançados, bem controlados, só disputavam seu terreno o tempo suficiente para nos fazer perder tempo e homens. Eles nos levaram de uma posição a outra até chegarem ao que realmente pretendiam defender. Lá eles nos deixaram usar e espalhar nossos últimos batalhões cujo ardor geralmente se estilhaçava contra suas entrincheiramentos. Então, novas tropas saíram deles na mais perfeita ordem, eles por sua vez, lançaram escaramuçadores sobre nossos flancos e, assim, atacaram com vantagem tropas dispersas e fatigadas, corpos em desordem e incapaz de reunir a maioria de seus homens.
Duhesme mais tarde em seu trabalho escreve,
"Não tínhamos outra infantaria leve, apenas 12 batalhões de perseguidores a pé. Os austríacos se aproximaram com tropas leves mais habilidosas e testadas."

Os austríacos tinham uma longa tradição de usar infantaria leve no período de 1792 a 1815 os regimentos Grenz usuais, assim como em outras nações também, como na França ou na Grã-Bretanha poderia lutar em ordem aberta e fechada.

Como McLaddie já assinalou, você encontrará regimentos Grenz geralmente na Guarda avançada, uma posição prerrogativa das tropas leves, quando Napoleão assumiu muitos regimentos Grenz em 1809, eles foram transformados em infantaria leve por um bom motivo.

e sim, de fato o tópico foi discutido extensivamente demonstrando apropriadamente a falta de boas fontes em inglês, a única pessoa com competência sobre o Exército austríaco durante o tempo napoleônico seria Dave Hollins, apenas esqueça as outras fontes como Rothenberg.

Como alguns dos combates nos estágios finais de Marengo ocorreram dentro e ao redor dos vinhedos, e como discutido, os vinhedos de então são diferentes de agora. Mas alguém tem uma referência visual ou descritiva? Eu estava no norte da Itália no início do verão e estava hospedado no meio de um vinhedo e não era terreno que você pudesse imaginar qualquer tipo de formação de tropa para ficar em ordem. Eu gostaria de ver como poderia ser em 1800.

EB:
Os vinhedos eram praticamente os mesmos em 1800, exceto pelas seguintes diferenças. Eles eram uma colcha de retalhos assim:

em vez de vastas linhas de videiras sem árvores:

e eles não tinham as estacas e treliças que têm hoje para fazer as vinhas crescerem e caírem. As árvores eram frequentemente plantadas na vinha e as vinhas eram encorajadas a crescer para apanhar sol, mais ou menos assim:

Embora com muito mais árvores como na 2ª foto acima, muitas vezes linhas delas bloqueando o vento no lado norte das vinhas.

Fique corrigido na fonte de Rothenberg, embora certamente haja alguma sobreposição (Stutterheim pode ter usado esta fonte). Como McLaddie disse, o trabalho de Duffy foi Eagles over the Alps (1999) na campanha de 1799 de Suvorov. O trabalho de Stutterheim que ele cita é sua história de 1812 da campanha de 1799 na Itália. Se este é o mesmo Stutterheim que serviu com distinção em 1809 e que escreveu um relato da campanha de 1805, não sei & ndash ele morreu em 1811. Se assim for, ele não serviu realmente na Itália em 1799 & ndash embora estivesse no cerco de Gênova em 1800.

Alguém sabe que ação os piemonteses viram? Dave Hollins, em seu livro Osprey Marengo, tem uma lista do exército para o Seige e os piemonteses estão listados lá. Mas o que aconteceu com essas unidades? Todos eles simplesmente foram para casa?

Rothenberg certamente não faz isso no Grande Adversário de Napoleão. Ele cobre os principais tópicos (pessoal, artilharia, escaramuçadores, etc.), por período. Primeiro, ele aborda as questões do exército austríaco em 1792. Depois, consecutivamente, durante 1792-1797 1799-1801, o primeiro período de reforma-1801-1805, as campanhas de 1805 no segundo período de reforma 1806-1809 1809 e 1810-1814.

Os escaramuçadores são abordados nove vezes diferentes no volume, o que dá uma excelente imagem de como os austríacos empregavam os escaramuçadores.

E os Grenz também são abordados, e ainda mais detalhadamente em seu volume sobre o Grenz, A fronteira militar na Croácia.

E deve-se notar que antes das guerras, os Grenz não eram tropas regulares e raramente lutavam em conjunto com tropas regulares formadas no campo de batalha. E seu valor como infantaria leve foi diminuído pelos próprios austríacos antes do período 1792-1815, com a tentativa de torná-los regulares.

O ponto principal dos escaramuçadores de qualquer exército durante 1792-1815 era empregar infantaria leve regular em conjunto com corpos formados de tropas. Não apenas os oficiais austríacos superiores não gostavam de fazer isso, mas o emprego de tropas em ordem aberta era geralmente defensivo.

Por último, Rothenberg ainda é a autoridade no exército austríaco da época e ainda não foi superado.

Eu não concordo.

Rothenberg certamente não faz isso no Grande Adversário de Napoleão. Ele cobre os principais tópicos (estado-maior, artilharia, escaramuçadores, etc.), por período. Primeiro, ele aborda as questões do exército austríaco em 1792. Depois, consecutivamente, durante 1792-1797 1799-1801, o primeiro período de reforma-1801-1805, as campanhas de 1805 no segundo período de reforma 1806-1809 1809 e 1810-1814.

Os escaramuçadores são abordados nove vezes diferentes no volume, o que dá uma excelente imagem de como os austríacos empregavam os escaramuçadores.

Kevin:
Eu já sabia que você não concordaria. Eu não estava falando sobre a organização do livro por Rothenberg, nem quantas vezes ele
escaramuçadores dirigidos. Eu estava falando sobre como ele usou referências e citações e as generalizações que fez a partir delas.

Se eu achasse que ele deu uma excelente imagem de como os austríacos empregaram escaramuçadores em comparação com o que li das fontes primárias, especialmente as que ele usou, não teria dito o que disse. Seja o que for que Rothenberg seja uma autoridade insuperável, o que ele escreve naquele livro e as generalizações que ele faz não combinam bem com as evidências.

Ou devo simplesmente ignorar o que li porque Rothenberg é "a autoridade" e apenas citá-lo?

Sobre os vinhedos. Frank Chadwick incluiu um cenário de Marengo em seu Vôlei e baioneta Edição "Road to Glory". Nele, ele tem toda a extensão das estradas a leste de Marengo viajando de oeste para leste ladeada de árvores. & # 91Todos no lado sul, exceto para a estrada ao norte de Castel-Ceriolo. Lá, as árvores se alinham no lado norte da estrada. Ele escreve nas notas do cenário:

Embora nem todos os vinhedos tenham sido formados dessa forma, um bom número deles o foi. A ideia era obter o máximo de produção da videira ao sol, em vez de um arbusto onde grande parte da planta era sombreada. A solução comum no final do século era fazer cercas e forçar as vinhas a crescerem, obtendo o sol, em vez de subir, o que era mais difícil de colher.


Consequências

Os austríacos recuaram para Alessandria, tendo perdido cerca de metade das forças que haviam comprometido. Os austríacos perderam muito nas 12 horas de combate: 15 cores, 40 armas, quase 8.000 presos e 6.500 mortos ou feridos. [31] As baixas francesas (mortos e feridos) foram da ordem de 4.700 e 900 desaparecidos ou capturados, mas eles mantiveram o campo de batalha e a iniciativa estratégica. [4] O corpo de Desaix foi encontrado entre os mortos. [32]

Murat e Kellermann imediatamente atacaram os dragões de Liechtenstein que eram lentos demais para responder e os derrotaram também. [20] The fleeing Austrian horsemen crashed into the ranks of Pilatti's rattled troopers and carried them away. As the mob of terrified cavalry stampeded past them, the exhausted Austrian infantry of the main body lost heart, provoking a wild rush to the rear. The gun teams fled, pursued by French cavalry, while their whole infantry line advanced westward. [28] The second grenadier brigade under GM Karl Philippi von Weidenfeld and some unpanicked cavalry delayed Boudet’s advance long enough for O’Reilly’s cavalry to return, and together with Frimont, they mounted a last defense around Marengo village as night fell, allowing the Austrian centre to reach safety behind the Bormida. [29] Ott with the Austrian left failed to intervene and found his retreat through Castel Ceriolo blocked by French troops advancing northwest from the centre, but managed to fight his way back to the Bormida bridgehead. [30]

The French were fast to bring up and deploy the fresh troops in front of San Giuliano, and the Austrians were slow to mount their attack. Boudet and the 9ème Légère (9th Light Infantry Regiment) were quickly moved on to the exit from the main vine belt, where they surprised the head of Saint-Julien’s column. As the Austrian infantry deployed on the south side of the road, the 9ème Légère conducted a steady withdrawal for 30 minutes back to Desaix’s position. There he had placed GdB Louis Charles de Guénand’s brigade on the north side while most of the remaining French army (Monnier and Lannes) were forming up north from there. The Austrians deployed three artillery batteries on the north side of the road supported by a dragoon regiment. [20] GdB Auguste de Marmont massed the remaining French cannon against the Austrians as they advanced. Boudet's division advanced in line of brigades against the head of the Austrian column, defeating Saint-Julien's leading Austrian brigade. Zach brought forward GM Latterman's grenadier brigade in line and renewed the attack. Faced with a crisis, Napoleon sent Desaix forward again and ordered a cavalry charge requested by Desaix. The 9ème Légère halted to face the main Austrian advance and Marmont's guns blasted the Austrians with grapeshot at close range. [20] Further back, an Austrian ammunition limber exploded. In the temporary heightening of confusion, Lattermann's formation was charged on its left flank by Kellermann's heavy cavalry (ca. 400 men) and disintegrated. At the decisive moment of the battle, Desaix was shot from his horse. [20] Zach and at least 2,000 of his men were taken prisoners. [27]

However, Desaix, in charge of the force Bonaparte had detached southwards, had hastened his advance and reached a small road junction north of Cascina Grossa (3 kilometers west of San Giuliano). [20] Shortly before 5:00 pm, he reported to Bonaparte in person with the news that his force (6,000 men and 9 guns of Boudet's division) was not far behind. The story goes that, asked by Bonaparte what he thought of the situation, Desaix replied: "This battle is completely lost. However, there is time to win another." [26]


Artigos de pesquisa relacionados

o Battle of Novi saw a combined army of the Habsburg monarchy and Imperial Russians under Field Marshal Alexander Suvorov attack a Republican French army under General Barthélemy Catherine Joubert. After a prolonged and bloody struggle, the Austro-Russians broke through the French defenses and drove their enemies into a disorderly retreat. Joubert was killed while French division commanders Catherine-Dominique de Pérignon and Emmanuel Grouchy were captured. Novi Ligure is in the province of Piedmont in Italy a distance of 58 kilometres (36 mi) north of Genoa. The battle occurred during the War of the Second Coalition which was part of the French Revolutionary Wars.

Jean-Baptiste Bessières, 1st Duke of Istria was a French military commander and Marshal of the Empire who served during both the French Revolutionary Wars and the Napoleonic Wars. His younger brother, Bertrand, followed in his footsteps and eventually became a divisional general. Their cousin, Géraud-Pierre-Henri-Julien, also served Emperor Napoleon I as a diplomat and imperial official.

The French Revolutionary Wars continued from 1799 with the French fighting the forces of the Second Coalition. Napoleon Bonaparte had returned from Egypt and taken control of the French government. He prepared a new campaign, sending Moreau to the Rhine frontier and personally going to take command in the Alps, where French forces had been driven almost out of Italy in 1799.

o Italian campaigns of the French Revolutionary Wars (1792�) were a series of conflicts fought principally in Northern Italy between the French Revolutionary Army and a Coalition of Austria, Russia, Piedmont-Sardinia, and a number of other Italian states.

o Battle of Cassano d'Adda was fought on 27 April 1799 near Cassano d'Adda, about 28 km (17 mi) ENE of Milan. It resulted in a victory for the Austrians and Russians under Alexander Suvorov over Jean Moreau's French army. The action took place during the War of the Second Coalition during the larger conflict known as the French Revolutionary Wars.

Durante o siege of Genoa the Austrians besieged and captured Genoa. However, the smaller French force at Genoa under André Masséna had diverted enough Austrian troops to enable Napoleon to win the Battle of Marengo and defeat the Austrians.

o Battle of Montebello was fought on 9 June 1800 near Montebello in Lombardy. During the lead-up to the Battle of Marengo, the vanguard of the French army in Italy engaged and defeated an Austrian force in a "glorious victory".

o Battle of Bassano was fought on 8 September 1796, during the French Revolutionary Wars, in the territory of the Republic of Venice, between a French army under Napoleon Bonaparte and Austrian forces led by Count Dagobert von Wurmser. The engagement occurred during the second Austrian attempt to raise the siege of Mantua. It was a French victory, however it was the last battle in Napoleon's perfect military career as two months later he would be defeated at the Second Battle of Bassano, ending his victorious streak. The Austrians abandoned their artillery and baggage, losing supplies, cannons, and battle standards to the French.

Peter Karl Ott von Bátorkéz was a military officer in the armies of the Habsburg Monarchy. Of Hungarian origin, Ott fought in the wars against the Kingdom of Prussia, Ottoman Turkey, and the First French Republic in the last half of the 18th century. During the French Revolutionary Wars, he rose in rank to general officer and twice campaigned against the army of Napoleon Bonaparte in Italy. He played a key role in the Marengo campaign in 1800. He was Proprietor (Inhaber) of an Austrian Hussar regiment from 1801 to 1809.

The Battle of Marengo was fought between the French army of First Consul Napoleon Bonaparte and an Habsburg army led by General der Kavallerie Michael von Melas. With Napoleon's army lying across the Habsburg army's line of communications to the west, Melas resolved to attack. Early in the morning, the Habsburg army advanced from the city of Alessandria and took the French army by surprise. It was not until 9:00 am before Melas' army completely moved through a bottleneck at the Bormida River bridges. At first the Austrian attack stalled, slowed by bitter French resistance. By 3:00 pm, the Habsburg army compelled their outnumbered opponents to retreat. Sore from having two horses killed under him, Melas handed over command of the pursuit to a subordinate and went to the rear. Later in the afternoon, a newly-arrived French division suddenly attacked the pursuing Austrians. Combined with a quick burst of cannon fire and a well-timed cavalry charge, the surprise assault caused a complete collapse of the Austrian center column, which fled to the temporary safety of Alessandria. The French suffered at least 7,700 casualties, including two generals killed and five wounded. The Austrians admitted losing 9,416 killed, wounded and missing, but some estimates range as high as 11,000󈝸,000 casualties. The Austrians lost one general killed and five wounded. The next day, Melas requested an armistice. The victory gave Bonaparte enough bargaining leverage to gain control of northwest Italy during the subsequent negotiations.

o Battle of Fombio was fought between the French Army of Italy led by Napoleon Bonaparte and the Austrian army under Feldzeugmeister Johann Peter Beaulieu between 7 and 9 May 1796. It was the decisive strategic point of the campaign, as Bonaparte crossed the Po River at Piacenza in Beaulieu's rear, threatening both Milan and the Austrian line of communications. This threat forced the Austrian army to withdraw to the east.

o Battle of Lonato was fought on 3 and 4 August 1796 between the French Army of Italy under General Napoleon Bonaparte and a corps-sized Austrian column led by Lieutenant General Peter Quasdanovich. A week of hard-fought actions that began on 29 July and ended on 4 August resulted in the retreat of Quasdanovich's badly mauled force. The elimination of Quasdanovich's threat allowed Bonaparte to concentrate against and defeat the main Austrian army at the Battle of Castiglione on 5 August. Lonato del Garda is located near the SP 668 highway and the Brescia-Padua section of Autostrada A4 to the southwest of Lake Garda.

Baron Josef Philipp Vukassovich was a Croatian soldier who joined the army of Habsburg Monarchy and fought against both Ottoman Empire and the First French Republic. During the French Revolutionary Wars, he commanded a brigade in the 1796� Italian campaign against Napoleon Bonaparte. He led a division during the Napoleonic Wars and received a fatal wound in action.

No Battle of Ampfing on 1 December 1800, Paul Grenier's two divisions of the First French Republic opposed the Austrian army southwest of the town of Ampfing during the French Revolutionary Wars. The Austrians, under the leadership of Archduke John of Austria, forced their enemies to retreat, though they sustained greater losses than the French. Ampfing is located 63 kilometers east of Munich and 8 km (5.0 mi) west of Mühldorf am Inn.

Andreas Graf O'Reilly von Ballinlough was an Irish-Austrian soldier and military commander of Irish origin. His military service extended through the Seven Years' War, War of the Bavarian Succession, Austro-Turkish War, French Revolutionary Wars, and Napoleonic Wars. He retired from the army in 1810 and died at age 89.

Franz Anton Freiherr von Elsnitz was an Austrian cavalry soldier and commander during the War of the Bavarian Succession, Austro-Turkish War (1787󈟇), and French Revolutionary Wars.

Anton Freiherr von Zach was an Austrian General with Hungarian ancestors, who enlisted in the army of Habsburg Austria and fought against the First French Republic. In the French Revolutionary Wars, he gained prominence as a staff officer. Still on active service during the Napoleonic Wars, he fought in the 1805 and 1809 wars. He was not given combat assignments after 1809.

François Étienne de Kellermann, 2nd Duc de Valmy was a French cavalry general noted for his daring and skillful exploits during the Napoleonic Wars. He was the son of François Christophe de Kellermann and the father of the diplomat François Christophe Edmond de Kellermann.

o First Battle of Marengo ou Battle of San Giuliano saw Republican French soldiers under General of Division Jean Victor Marie Moreau launch a reconnaissance in force against a larger force of Habsburg Austrian and Imperial Russian troops led by Field Marshal Alexander Suvorov. The French enjoyed initial success, pressing back their opponents. However, large Austrian and Russian reinforcements soon arrived, causing the French to withdraw into Alessandria. This War of the Second Coalition action occurred near the town of Spinetta Marengo, located just east of Alessandria in northwest Italy.

o Convention of Alessandria was a treaty signed on 15 June 1800 between the French First Republic led by Napoleon and Austria during the War of the Second Coalition. Following the Austrian defeat at the Battle of Marengo, they agreed to evacuate Italy as far as the Mincio and abandon strongholds in Piedmont and Milan. Great Britain and Austria were allies and hoped to negotiate a peace treaty with France, but Napoleon insisted on separate treaties with each nation. The negotiations failed, and fighting resumed on 22 November 1800.


Battle of Marengo

caption= Louis-François Lejeune : The Battle of Marengo
date=14 June 1800
place= Spinetta Marengo , Alessandria, Piedmont , present-day Italy
result=French victory
combatant1=flagicon|France French First Republic
combatant2=flagicon|Habsburg Monarchy Habsburg Austria
commander1=flagicon|France Napoleon Bonaparte
flagicon|France Louis Desaix†
flagicon|France Francois Étienne de Kellermann
commander2=flagicon|Habsburg Monarchy Michael von Melas
strength1=28,000,
24 guns
strength2=31,000,
100 guns
casualties1=1,100 killed,
3,600 wounded,
900 missing or captured
casualties2=963 killed,
5,518 wounded,
2,921 captured

No Battle of Marengo was fought on 14 June 1800 between French forces under Napoleon Bonaparte and Austrian forces near the city of Alessandria , in Piedmont, Italy . The French defeated Austrian General Michael von Melas 's surprise attack, driving the Austrians out from Italy, and enhancing Napoleon's political position in Paris.

French forces under Napoleon Bonaparte (newly made First Consul by the Brumaire coup) were attacked by the Austrians under General Melas. The French were taken by surprise, and fell back. However, the course of the battle was reversed by the return (in response to an urgent summons from Bonaparte) of previously detached forces under the French General Louis Desaix. A counter attack led by Desaix, after a brief artillery bombardment, threw back their Austrian pursuers and a cavalry charge by François Etienne de Kellermann [The son of the victor of the Battle of Valmy .] completed their defeat. The Austrians fell back into Alessandria, having lost about 9,500 killed, wounded, or captured. The French casualties were considerably fewer, but included Desaix.

The Battle of Marengo was the victory that sealed the success of Napoleon's Italian campaign of 1800 and is best understood in the context of that campaign. In brief, by a daring crossing of the Alps on a mule [Marengo, Military History Vol. 17 Issue II, pg 63] almost before the passes were open Napoleon had placed himself across Melas's lines of communications in the belief that Melas would be forced to attack him. Melas had not done so. Napoleon became convinced that Melas would not attack, and further that Melas was about to retreat. Napoleon sent strong detachments to block Melas's routes northwards to the Po, and southwards to Genoa. At this point, Melas attacked, and Napoleon found himself at a significant disadvantage for much of the battle.

Austrian attack

The Austrian troops (about 31,000 men and 100 guns) advanced from Alessandria eastwards across the Bormida River by two bridges debouching in a narrow bend of the river (the river being not easily crossed elsewhere). This prevented any rapid development of their attack the movement began about 6 a.m., but the attack was not fully developed until 9 a.m.

The Austrian advanced guard, a force of 3,300 men under Major General Andreas O'Reilly, pushed French outposts back and deployed to become the Austrian right wing. The Austrian center (about 18,000 under Melas) advanced towards Marengo until halted by Gaspard Gardanne's French infantry (one of two divisions of Claude Victor's corps) deployed in front of the Fontanone stream. On the Austrian left, 7,500 men under General Peter Ott headed for the village of Castel Ceriolo well to the north of the French positions in the mistaken belief that it was French-held. This move threatened either an envelopment of the French right, or a further advance to cut the French line of communication with Milan).

Gardanne's men gave a good account of themselves, holding up the Austrian deployment for a considerable time. When Gardanne's division was exhausted, Victor pulled them back behind the Fontenone and committed his second division under Jacques Chambarlhac (this officer soon lost his nerve and fled). The French held Marengo village and the line of the Fontanone until about noon, with both flanks in the air. First, Melas hurled Karl Haddick's division at Victor's defenses. When Haddick was killed and his units repulsed, the Austrian commander sent in Conrad Kaim's division. Finally, as the French position was reinforced, Peter Morzin's elite grenadier division was sent in to attack Marengo village. Melas also committed a serious tactical blunder, detaching Nimptsch's brigade of 2,300 hussars to block the corps of Louis Gabriel Suchet , which was mistakenly reported to be approaching Alessandria from the south.

It took Bonaparte (5 kilometers away from Marengo) until about 10 a.m. to recognize that the Austrian activity was not a diversionary attack to cover the anticipated retreat by Melas. His subordinates (Lannes and Murat) had brought their troops up in support of Victor's corps. Jean Lannes ' corps (François Watrin's infantry division, Joseph Mainoni's infantry brigade and Pierre Champeaux's cavalry brigade) had deployed on the crucial right flank. Kellermann's heavy cavalry brigade and the 8th Dragoons took up a covering position on the left, smashing an attempt by Giovanni Pilati's light dragoon brigade to envelop Victor's flank. On the right, Champeaux was killed trying to stop the progress of Ott's column. By 11 a.m. Bonaparte was on the battlefield and had sent urgent recalls to his recently detached forces, and summoned up his last reserves.

As they came up, Jean-Charles Monnier's division and the Consular Guard were committed to extend and shore up the French right, rather than to try to hold Marengo where Victor's men were running short of ammunition. At about 2 p.m. the French attacked Castel Ceriolo. Ott defeated Monnier and forced part of his command to retreat to the northeast. About the same time, Marengo fell to the Austrians, forcing Napoleon's men into a general retreat.

The French fell back c. 3 km and attempted to regroup to hold the village of San Giuliano. With the French outnumbered (nominally 23,000 troops and 16 guns) and driven from their best defensive position, the battle was as good as won by the Austrians. Melas, who was slightly wounded, and 70, handed over command to his chief-of-staff, General Anton Zach. The Austrian center formed into a massive pursuit column in order to chase the French off the battlefield. On the Austrian right flank, O'Reilly wasted time hunting down a small French detachment (which was finally captured) and moved southeast. This took his troops out of supporting distance from the Austrian main body. On the Austrian left, Ott failed to press hard against the French because Olivier Rivaud's small brigade of French cavalry hovered to the north.

French counter-attack

Shortly before 3 p.m., however, General Desaix, in charge of the force Bonaparte had detached southwards reported to Bonaparte in person with the news that his force (5,000 men and 8 guns of Jean Boudet's division) was not far behind. The story goes that, asked by Bonaparte what he thought of the situation, Desaix replied

The French were fast to bring up and deploy the fresh troops in front of San Giuliano, and the Austrians were slow to mount their attack. Auguste Marmont massed the remaining French cannon against the Austrian column as it advanced. Boudet's division advanced in line of brigades against the head of the Austrian column, defeating Francis Saint-Julien's leading Austrian brigade. Zach brought forward Franz Lattermann's grenadier brigade in line and renewed the attack. Faced with a crisis, Napoleon sent Desaix forward again and ordered a cavalry charge. Marmont's guns sprayed the Austrians with grapeshot at close range. Further back, an Austrian ammunition limber exploded. In the temporary heightening of confusion Lattermann's formation was charged on its left flank by Kellermann's heavy cavalry (ca. 400 men) and disintegrated. Zach and many of his men were taken prisoners. Joachim Murat and Kellermann immediately pounced on the supporting Austrian horsemen and routed them as well. The Austrian cavalry stampeded through the ranks of the units behind, provoking a rush to the rear. Covered by the second grenadier brigade and some unpanicked cavalry, the Austrian center reached safety in flight behind the Bormida with the French in pursuit.

Their wings under Ott and O'Reilly withdrew in good order, but the Austrians had lost heavily in the 12 hours of fighting: 15 colours, 40 guns, almost 3,000 taken prisoner, and 6,000 dead or wounded. French casualties (killed and wounded) were on the order of 4,700 and 900 missing or captured, but they retained the battlefield and the strategic initiative. Desaix's body was found among the slain.

Consequences

Within 24 hours of the battle, Melas entered into negotiations (the Convention of Alexandria ) which led to the Austrians evacuating Northern Italy west of the Ticino River , and suspending military operations in Italy. A posição de Bonaparte como primeiro cônsul foi fortalecida pelo resultado bem-sucedido da batalha e da campanha anterior. Austria, however, remained at war with France until their forces north of the Alps were defeated at the Battle of Hohenlinden (3 December 1800) by a French army under Moreau.

*A famous dish of braised chicken with onions and mushrooms in a wine and tomato sauce called Chicken Marengo is named after this battle. Local lore says it was cooked on the battlefield by Napoleon's personal chef using all the ingredients he could find in those adventurous circumstances.
*Sardou's play " La Tosca ", and Puccini's opera" Tosca "based on it, are set against the events of this time. In Puccini's opera, arrangements are made to sing a Te Deum (and for Tosca herself to sing at a gala evening) to celebrate Bonaparte's "defeat" at Marengo, news of which arrives in Act 1. In Act 2, the true situation (namely, that Napoleon has won) becomes apparent.

*cite book|last=Arnold|first= James R.|title=Marengo & Hohenlinden: Napoleon's Rise to Power|publisher=Pen & Sword|year=2005
*cite book|last=Smith|first=D.|title=The Greenhill Napoleonic Wars Data Book|publisher=Greenhill Books|year=1998
*cite journal|title=To Marengo, Battle of 1800|last= Shosenberg|first=James|journal=Military History |date=June 2000|volume= 17 |issue=II

links externos

* [http://www.wtj.com/articles/marengo/ The Battle of Marengo - A Bicentennial Review] "An overview of the battle, including short summaries for beginning students and detailed analysis for more serious readers."
* [http://napoleonistyka.atspace.com/FRENCH_ARMY.htm The French Army 1600-1900]
* [http://napoleonistyka.atspace.com/Marengo_battle.htm Consular Guard at Marengo]
* [http://www.simmonsgames.com/research/authors/Cugnac/ArmeeReserve/index.html Gaspar Cugnac, Campaign of the Army of the Reserve in 1800] "French scans and OCR(?) complete, English translation for vol 1 only, use French version for the battle proper."
* [http://www.simmonsgames.com/research/authors/Berthier/RelationMarengo/index.html Alex. Berthier, Relation of the Battle of Marengo]

Wikimedia Foundation . 2010 .

Look at other dictionaries:

Marengo County, Alabama — Marengo County Courthouse in Linden, Alabama … Wikipedia

Marengo Order of Battle — Battle of Marengo Order of Battle The Battle of Marengo was fought on June 14, 1800 between the French army of First Consul Napoleon Bonaparte and an Austrian army led by General Michael von Melas. After bitter fighting throughout the morning and … Wikipedia

Marengo — may refer to: The Battle of Marengo, in 1800 in northern Italy French ship Marengo Chicken Marengo, a food dish Marengo (genus), a genus of jumping spiders Marengo (horse), Napoleon s horse Marengo (racehorse), in the 1847 Grand National… … Wikipedia

Marengo (horse) — Napoleon Crossing the Alps painted by Jacques Louis David (1748 1825), oil on canvas, 259 x 221 cm (8 6 x 7 3 ), 1801. Horse in the painting is believed to be Marengo Marengo (c. 1793 1831) was the famous war mount of Napoleon I of France. Named… … Wikipedia

Marengo (department) — Département de Marengo Département of French Revolution and First French Empire … Wikipedia

battle — battle1 battler, n. /bat l/, n., v., battled, battling. n. 1. a hostile encounter or engagement between opposing military forces: the battle of Waterloo. 2. participation in such hostile encounters or engagements: wounds received in battle. 3. a… … Universalium

Marengo — /meuh reng goh/ for 1 also It. /mah rddeng gaw/, n., pl. Marengos for 2, adj. n. 1. a village in Piedmont, in NW Italy: Napoleon defeated the Austrians 1800. 2. a former gold coin of Italy, issued by Napoleon after the battle of Marengo. adj. 3 … Universalium

Battle of Pozzolo — Infobox Military Conflict caption= conflict=Battle of Pozzolo partof=the War of the Second Coalition date=December 25, 1800 place=Town on the Mincio River, present day Italy result=French victory combatant1=flagicon|France First French Republic… … Wikipedia

Battle of Montebello (1800) — Infobox Military Conflict conflict=Battle of Montebello partof=the French Revolutionary Wars caption= date=9 June 1800 place=near Montebello, Lombardy result=French victory combatant1=flagicon|France France combatant2=flagicon|Habsburg… … Wikipedia

Battle of Italy — The Battle of Italy can refer to: *The Italian campaign of the war of the Second Coalition in the French Revolutionary Wars, leading up to the Battle of Marengo (1800). *The Allied invasion of Italy in 1943 in World War II … Wikipedia


Assista o vídeo: Napoleão Bonaparte Série 2002 - Legendado Parte 24 PT-BR