Fairey Swordfish I do No.820 Squadron sobre HMS Ark Royal

Fairey Swordfish I do No.820 Squadron sobre HMS Ark Royal

Fairey Swordfish I do No.820 Squadron sobre HMS Ark Royal

Um voo do Fairey Swordfish I do Esquadrão No.820 sobrevoou o HMS Ark Royal


Fairey Swordfish & # 8211 vitorioso por acaso?

Um conhecido que tem grande conhecimento de assuntos militares me disse o seguinte recentemente:

‘Todos nós temos perspectivas e experiências diferentes e as minhas levam-me a dizer o seguinte:

_ Suspeito que você tenha uma consideração maior pelo Espadarte do que se justifica. Certamente os sucessos em Bismarck e Taranto são óbvios.

'Mas o conhecimento de segunda mão das armas antiaéreas presentes em Bismarck declara que a aeronave era muito lenta para ser devidamente rastreada e, portanto, os padrões defensivos eram ineficazes contra as tripulações da FAA.

'Aeronaves altamente tecnicamente superiores (B5N e TBD) sofreram perdas terríveis em ataques semelhantes. Assim, coloco a você que os sucessos por tipo, embora não sejam totalmente circunstanciais, devem ser revisados ​​e filtrados por empregos táticos.

‘O Bristol Beaufighter, em sua marca de torpedeiro, enquanto bimotor, e não transportado por porta-aviões, alcançou grande sucesso no Med, envasando navios de carga levemente protegidos devido a ótimas táticas. Ainda assim, os superiores Martin B26 e Mitsubishi G4M foram disparados do céu no Pacífico como aeronaves de ataque de torpedo porque foram empregados contra sistemas de armas projetados para enfrentá-los.

‘O Ju88 empregado na Noruega, e embora não seja transportado por uma transportadora, alcançou grandes sucessos semelhantes aos Beaufighters do Mediterrâneo.

"É minha observação e conclusão que o emprego tático foi o fator decisivo nisso, apesar dos sucessos fortuitos do Peixe-espada Fairey. Foi simplesmente muito lento para derrubar.


O voo histórico da Marinha Real e # 8216s Swordfish LF326 voando no Yeovilton Air Day em 2011

É verdade que tenho muito respeito pelo peixe-espada. Gosto de pensar que muito disso não se baseia apenas no sentimentalismo. Nenhuma peça de hardware militar pode ser considerada isoladamente - todos fazem parte de um pacote que envolve pessoal, treinamento, táticas, disponibilidade, facilidade de manutenção, etc. e considerações ainda mais amplas, como estratégia e cadeia de suprimentos. Existem, é verdade, muitos mitos sobre o peixe-espada, e o principal deles é que ele sobreviveu a seu sucessor, o atum voador. Isso não é estritamente correto & # 8211 sim, o Swordfish permaneceu no serviço de linha de frente por mais tempo que o Albacore, mas não em seu papel principal como bombardeiro torpedeiro da frota. (Em alguns casos, o peixe-espada durou o suficiente para ser substituído pelo sucessor do albacora, o Barracuda). A longevidade do Swordfish, como a do Hawker Hurricane, deveu-se principalmente à sua conveniência indiscutivelmente coincidente para papéis alternativos, uma vez que se tornou obsoleto em seu papel projetado.

Devo ainda qualificar que, em um mundo ideal, o Fleet Air Arm nunca teria entrado em guerra em 1939 com o Swordfish, pelo menos não em seu papel principal. Meu blog ‘A Recipe For Obsolescence’ aponta o pensamento confuso e complacente que deixou o Fleet Air Arm com um conceito tão desatualizado quando outras grandes armas aéreas navais estavam equipando-se com modernos monoplanos de pele estressada. Isso não diminui a opinião que tenho sobre as qualidades da aeronave ou de suas tripulações, ou o valor de sua contribuição para o esforço de guerra - apenas que teria sido muito melhor começar a guerra com algo como o Fairey Barracuda.

É discutível que o Swordfish era totalmente obsoleto no início da guerra, possivelmente até mesmo na época em que equipou os esquadrões Fleet Air Arm. Um biplano coberto de tecido em uma era de monoplanos de pele estressada. Uma velocidade máxima um pouco mais rápida do que um WW1 SE5a. Como poderia ter contribuído com algo para o esforço de guerra? Como poderia sobreviver em um ambiente de combate? Como isso poderia ter paralisado o encouraçado mais poderoso à tona e tirado metade da frota italiana da guerra sem uma dose quase absurda de sorte? Em outras palavras, um acaso.


Um peixe-espada do esquadrão 810, um dos que atacou o Bismarck, em um acidente de pouso relativamente raro

Eu posso entender a afirmação de que o Swordfish era simplesmente muito lento para os sistemas de armas modernos suportarem. É um ponto de vista atraente. Os mais modernos torpedeiros em serviço na época da última batalha do Bismarck eram capazes de algo entre 60 e 160 mph mais rápido, enquanto os torpedo-bombardeiros terrestres, como o Bristol Beaufort, eram ainda mais rápidos.

Na minha opinião, no entanto, os sucessos do Fleet Air Arm & # 8217s em Taranto e contra o Bismarck podem ser atribuídos a mais do que apenas sorte, e até mesmo a mais do que sorte e boas táticas (embora ambos tenham desempenhado um papel). Além disso, pelo menos parte do sucesso pode ser atribuído às qualidades da aeronave e até mesmo ao bom design.

Por que o Bismarck não abateu nenhum peixe-espada?

O Bismarck foi atacado duas vezes por Swordfish após o naufrágio do HMS Hood. Uma vez em aeronaves do Esquadrão 825, grupo aéreo HMS Victorious, e uma vez em aeronaves do Esquadrão 818, Esquadrão 810 e Esquadrão 820, grupo aéreo HMS Ark Royal.

O primeiro ataque, do Victorious, resultou em um golpe de torpedo sem a perda de nenhuma aeronave. O torpedo atingiu o cinturão de blindagem principal do Bismarck - relatos divergem quanto à extensão dos danos que causou, algumas fontes sugerindo que o ataque deslocou a armadura, afrouxou as esteiras de colisão e exacerbou a inundação causada pelo ataque do Príncipe de Gales, reduzindo a velocidade da embarcação. Outros relatos sugerem que o golpe do torpedo causou apenas danos menores, e foi a violência das manobras que afrouxou as esteiras de colisão. Em qualquer caso, a redução na velocidade permitiu que a perseguidora Ark Royal se aproximasse dentro do alcance de sua aeronave.

O ataque do Ark Royal conseguiu outros três acertos, um na popa que causou tantos danos à montagem do leme que o Bismarck foi essencialmente incapaz de manobrar e pode ser capturado pelos navios capitais e cruzadores que os perseguiam.

Existem várias razões pelas quais o Bismarck não conseguiu abater nenhum dos peixes-espada. Alguns deles estão relacionados ao sistema antiaéreo do Bismarck. Em alguns aspectos, parece que era de fato "moderno demais". Não sou nenhum especialista em armamento antiaéreo, mas costuma-se dizer que os diretores de flak do Bismarck foram de fato projetados para aeronaves mais rápidas do que um peixe-espada. Não está claro o quanto isso representava um problema. É difícil dizer por que as defesas antiaéreas do Bismarck foram estabelecidas com esta falha óbvia, já que quando o navio estava em construção e sendo comissionado, o Swordfish permaneceu o principal torpedeiro britânico baseado em porta-aviões, e sua substituição planejada, apenas ligeiramente Albacore mais rápido. O único provável torpedeiro francês baseado em porta-aviões era o ainda mais lento Levasseur PL.7, que estava em serviço desde 1930.

Defesa antiaérea inadequada

Os diretores do Bismarck com dificuldade em rastrear alvos de baixa velocidade teriam sido reduzidos pela baixa deflexão do peixe-espada que se aproximava. Quanto menor a deflexão, menor a importância da capacidade do diretor de prever o curso de uma aeronave se aproximando. A deflexão no Espadarte que se aproximava, pelo menos quando eles estavam em sua corrida de torpedo, teria sido virtualmente zero. Um peixe-espada (ao contrário de aeronaves posteriores) não tinha uma mira de torpedo que calculasse o "lay off", o que significava que eles tinham que apontar a quantidade correta à frente do navio para permitir o movimento para a frente. Um piloto que voou em Swordfish com o 810 Squadron descreveu isso para mim:

“A mira do torpedo era uma barra horizontal no nível da linha de visão do piloto & # 8217s. Isso continha doze lâmpadas de lanterna igualmente espaçadas. A distância entre duas lâmpadas representou 5 nós a 1.000 jardas. Portanto, se o alvo estava viajando a 20 nós e não se voltava para a aeronave, o intervalo era de 4 lâmpadas. Não houve ajudas para auxiliar o piloto na avaliação do alcance do alvo ou da altura da aeronave - apenas a experiência do piloto. Praticávamos constantemente em ‘alvos’ amigáveis ​​e tínhamos uma câmera que registrava nosso mergulho e que parou quando tínhamos largado o torpedo. ”


O & # 8216office & # 8217 do Swordfish. A aeronave era rudimentar para os padrões da 2ª Guerra Mundial

O piloto descreveu como a aeronave tentaria induzir o capitão da embarcação sob ataque a fazer uma curva antes de lançar os torpedos, para que pudesse avaliar melhor onde o navio estaria do que se a curva fosse feita após o lançamento do torpedo. A deflexão é amiga da aeronave quando se trata de evitar o fogo antiaéreo.

Um relatório do Departamento Aéreo Naval do Almirantado em abril de 1944 comparou três métodos de ataque. Estes estavam se aproximando e escapando paralelamente ao curso do navio alvo - o método tradicional de se aproximar diretamente, quase perpendicular ao curso do navio, e então virando e se aproximando diretamente e escapando voando sobre o navio alvo. O relatório indicou que o ataque paralelo era de fato mais seguro em quase todas as circunstâncias, pois a aeronave quase sempre apresentava um alvo de deflexão maior. Na verdade, no caso mais típico, o ataque paralelo foi considerado aproximadamente oito vezes mais seguro do que um ataque "direto" convencional, pois a deflexão foi mais alta. (ADM 44/122)

Além disso, parece que as pesadas montagens de flak do Bismarck rastrearam muito lentamente para engajar aeronaves que estavam mais perto do que cerca de 3.000 metros, então a questão do Swordfish ser muito lento pode ser acadêmica.

Em qualquer caso, a velocidade da aeronave se aproximando, este foi apenas um dos problemas que afetou o flak pesado. O sistema foi equipado com dois tipos diferentes de montagem devido à indisponibilidade do tipo preferido em número suficiente e que não estavam sincronizados entre si. Além disso, o pesado flak não havia sido testado adequadamente e as tripulações não estavam totalmente treinadas. Para piorar os problemas da embarcação, alguns dos canhões estavam mal posicionados e tinham arcos de fogo limitados.

O Bismarck não tinha canhões instalados por radar, embora, para ser justo, os primeiros deles estivessem apenas sendo instalados em navios capitais. Os diretores, no entanto, careciam de qualquer tipo de estabilização que pudesse tê-los ajudado nas condições difíceis.

Os canhões SK C / 30 de 3,7 cm montados no Bismarck eram semiautomáticos. Os cartuchos tinham que ser carregados manualmente, individualmente, e era uma arma de disparo lento para defesa antiaérea. Essas armas tinham estabilização, mas nunca funcionou muito bem e foi dispensada em projetos posteriores.

Em suma, embora o Swordfish fosse um design obsoleto do pré-guerra, a mesma acusação poderia ser levantada contra as defesas antiaéreas do Bismarck. Isso seria remediado no Tirpitz quando ele estava sendo construído e em outras unidades pesadas da marinha alemã.

Também é importante notar que o Bismarck esteve nas estações de ação por um período considerável de tempo. As tripulações estavam cansadas, estressadas e, sem dúvida, não funcionando mais no pico de eficiência.

Dito isso, não é como se o fogo antiaéreo não tivesse atingido nenhuma das aeronaves. Na verdade, as aeronaves de cada um dos cinco primeiros sub-vôos no ataque Ark Royal receberam alguns tiros de projéteis de canhão e spinters - uma aeronave foi perfurada 175 vezes, e dois membros de sua tripulação de três feridos. O peixe-espada relatou voar em um flak pesado e aparentemente preciso assim que rompeu a nuvem. No momento em que o sexto sub-vôo estava em posição de ataque, a barragem era tão pesada que duas das aeronaves não conseguiram se aproximar o suficiente para atacar, e um lançou seu torpedo de cerca de duas vezes a distância recomendada de 1.000 jardas.

O outro fator que tornou a vida muito mais difícil para o Bismarck foram as condições. Isso impactou de várias maneiras. O primeiro foi a visibilidade. A nuvem baixa significava que o Swordfish poderia se aproximar do Bismarck enquanto estava escondido até que estivessem relativamente perto, reduzindo o tempo que o flak teria para enfrentá-los. Além disso, a nuvem espessa permitiu que algumas das aeronaves se reposicionassem para um ataque mais favorável quando descobriram que não estavam na posição ideal, simplesmente voando de volta para a nuvem.

Em segundo lugar, o estado do mar estava extremamente alto, e o movimento de inclinação e rotação que isso transmitido ao Bismarck foi considerável, adicionando mais dificuldades significativas à tarefa dos artilheiros.

Terceiro, os ataques foram feitos à noite, ou no crepúsculo profundo - a aeronave Victorious 'atacou à meia-noite, a Ark Royal em 2047 no dia seguinte.

Finalmente, o Bismarck estava manobrando com força para desviar os pilotos do Swordfish de sua mira - o que teve o mesmo efeito em seus próprios artilheiros.

As tripulações e táticas

As tripulações do TBR (torpedo-bombardeiro-reconhecimento) do início da guerra eram geralmente muito bem treinadas. O ataque de torpedo aéreo era a principal arma da Fleet Air Arm, e era praticado incessantemente, com manobras da frota permitindo um treinamento e avaliação de táticas mais realistas. O treinamento foi realizado primeiro em vôo baixo, depois com torpedos falsos de concreto e, em seguida, com torpedos de prática idênticos aos reais, exceto pela falta de ogiva (um flutuador de fumaça foi instalado para permitir a recuperação do torpedo quando sua execução terminasse ) e, finalmente, com a prática do torpedo contra um contratorpedeiro fazendo o possível para evitar o ataque. (Eles seriam configurados para correr mais fundo do que o vaso de prática). Esse treinamento continuaria em esquadrões operacionais. Mesmo que o 825 Squadron fosse supostamente inexperiente, sendo uma unidade nova e não tendo treinado extensivamente em conjunto, as tripulações individuais estariam bem preparadas.

Isso contrasta fortemente com os esquadrões de torpedos da Marinha dos Estados Unidos, que quase nunca treinavam com torpedos, simplesmente fazendo corridas simuladas e jogando bombas de fumaça para marcar o ponto de lançamento. De acordo com The Unknown Battle of Midway, de Alvin Kernan, muitas das tripulações dos esquadrões de torpedos nunca haviam lançado um torpedo durante o treinamento.

O ataque de torpedo padrão do pré-guerra era composto por vários sub-vôos atacando de diferentes direções. Isso foi feito para dividir as defesas antiaéreas e ajudar a mitigar as manobras defensivas do navio alvo - em outras palavras, se o capitão tentasse 'pentear' um ataque de torpedo virando-se para ele (fazendo o torpedo passar à frente do navio) , a aeronave em uma posição diferente seria melhor posicionada. Isso foi ajudado pela baixa visibilidade e baixa base de nuvens, o que significa que a aeronave poderia trabalhar em uma posição mais favorável fora da vista dos artilheiros do Bismarck.


O fim comercial do RNHF & # 8217s Swordfish LF326, mostrando o confiável motor Pegasus e um torpedo manequim 18 & # 8243

Os benefícios potenciais de um ataque noturno eram bem compreendidos no Fleet Air Arm na época, especialmente devido à vulnerabilidade de suas aeronaves à luz do dia. O ataque a Taranto demonstrou amplamente as possibilidades. Esse tipo de ataque não poderia ter sido considerado à luz do dia e com boa visibilidade pelo Fleet Air Arm em 1940-41, ao passo que um braço naval mais moderno e poderoso, como o japonês, poderia. Para ser justo, essas armas aéreas mais modernas teriam considerado um ataque noturno ou de mau tempo mais difícil de realizar.

A aeronave

É justo, dada a natureza deste ensaio, considerar as qualidades que o próprio peixe-espada pode ter contribuído. Em primeiro lugar, foi capaz de decolar, localizar o Bismarck (exceto um caso de identidade trocada com o HMS Sheffield), realizar um ataque, localizar seu próprio porta-aviões (na maior parte) e pousar novamente, em condições climáticas terríveis, à noite. Não está nada claro que outras aeronaves mais modernas teriam sido capazes de fazer isso - durante os ataques Marshall-Gilbert em janeiro de 1942, TBDs do USS Yorktown voaram em mau tempo e quatro afundaram ou caíram no mar. Uma tentativa de pouso noturno em outra ocasião teve resultados igualmente ruins.

As características de voo tratáveis ​​do Swordfish, sem dúvida, contribuíram para a capacidade da aeronave de operar em mar agitado, ventos fortes e baixa visibilidade.

Além disso, a capacidade de manobra do Swordfish, mesmo quando carregado com torpedo, permitiu aos pilotos torcerem e ziguezaguear durante a abordagem para tornar o alvo mais difícil de acertar. Monoplanos mais carregados não poderiam realizar uma ação evasiva tão violenta ao se aproximar do alvo.

Alguns dos Swordfish foram equipados com radar ASV, e isso sem dúvida lhes deu uma vantagem na localização do alvo e dos porta-aviões após o ataque. Na verdade, deu ao Swordfish uma área distinta de superioridade sobre seus rivais em outras forças aéreas, embora fosse muito mais apropriada no mau tempo e visibilidade do Mar do Norte e do Atlântico do que no Pacífico.

Finalmente, o peixe-espada provou ter excelente "capacidade de sobrevivência". Ele tinha tanques de combustível autovedantes e uma construção que significava que os cartuchos de canhão quase sempre passavam pela estrutura sem causar nenhum dano. Ao mesmo tempo, sua construção em tubo de aço era imensamente forte - a aeronave foi submetida a tensão de 9G para dar um amplo fator de segurança ao pousar pesadamente ou manobrar.


A fuselagem traseira do Swordfish LF326 com os painéis da carenagem removidos, mostrando a estrutura de aço forte, mas aberta

Outros exemplos

Meu questionador aponta para outros exemplos onde aeronaves mais modernas se saíram menos bem do que o Swordfish atacando o Bismarck. As duas aeronaves citadas são o americano Douglas TBD Devastator e o japonês Nakajima B5N ‘Kate’.

O TBD é conhecido principalmente por seu papel na Batalha de Midway, de 3 a 7 de junho de 1942. Em 4 de junho, três esquadrões atacaram a frota japonesa, VT-8 do Hornet, VT-6 da Enterprise e VT-3 de Yorktown. As quinze aeronaves do VT-8 foram todas abatidas, 14 antes de lançar seus torpedos. VT-6 e VT-3 perderam dez aeronaves, com quatro e duas aeronaves, respectivamente, escapando. Nenhum golpe de torpedo foi marcado.


The Douglas TBD Devastator

O B5N foi o torpedeiro-torpedeiro de maior sucesso da primeira metade da guerra. No entanto, embora fosse rápido para os padrões de seus concorrentes (235 mph) e carregasse o torpedo lançado do ar mais eficaz de qualquer grande marinha, o ‘Kate’ não era invulnerável. Apesar da quase total falta de aviso antes do ataque a Pearl Harbor, cinco foram abatidos por defesas antiaéreas. Durante o ataque a Yorktown e Lexington na Batalha do Mar de Coral, nove 'Kates' alcançaram com sucesso uma posição para lançar seus torpedos, dos quais três foram abatidos por fogo antiaéreo, e outra aeronave foi abatida que não lançou sua arma. À medida que a guerra avançava, a ‘Kate’ achava cada vez mais difícil sobreviver a ataques a navios inimigos. Durante o ataque americano às Ilhas Marshall em dezembro de 1943, o grupo-tarefa foi atacado por sete B5Ns no momento em que o Yorktown estava lançando um ataque. Todos os Kates foram abatidos. Apenas um lançou seu torpedo e errou.

Em cada caso, essas eram forças de ataque que eram, pelo menos superficialmente, tecnicamente muito superiores às forças do Espadarte que atacaram o Bismarck e a frota italiana em Taranto.

No entanto, essas situações são apenas superficialmente semelhantes. Os TBDs em Midway foram em sua maioria, senão todos, abatidos pelos caças da Patrulha Aérea de Combate (CAP) que protegiam a frota, que não estavam disponíveis para o Bismarck. Durante a Batalha do Mar de Coral, os TBDs se saíram muito melhor quando tinham escolta de caça ou atacaram um alvo sem proteção de caça, como o porta-aviões Shōhō que foi afundado por TBDs e SBDs. Relatórios dos pilotos sobreviventes em Midway descrevem o incêndio de AA como "muito ineficaz" e sugerem que a maioria dos projéteis explodiu consideravelmente além do alcance. Além disso, embora os TBDs tivessem tecnicamente uma velocidade máxima muito maior do que o Swordfish, sua velocidade de aproximação era quase exatamente a mesma. A razão para isso foi o torpedo usado pelo TBD, o Bliss-Leavitt Mk.XIII, que era muito problemático no início da guerra. Era frágil e sujeito a mau funcionamento, por isso os pilotos o trataram com luvas de pelica. De acordo com Kernan, (p.48) o Tenente Commmader John C Waldron, no comando do VT-8, instruiu o esquadrão a voar "muito lento, 80-100 nós, muito reto e nivelado". O relatório pós-ação para a Batalha do Mar de Coral do capitão do USS Yorktown destacou que 'nossos aviões são forçados a vir em baixa e lenta', pediu a substituição imediata do TBD pelos 'aviões torpedeiros capazes de alta velocidade , longo alcance, capacidade de mergulho e arma de fogo suficiente para sua própria defesa ', e insistiu que ataques de torpedo sem escolta seriam provavelmente extremamente caros.

O TBD tinha alguma blindagem, mas não tinha tanques de combustível autovedantes.

Da aeronave ‘Kate’ que atacou o grupo de porta-aviões nos Marshalls, três foram abatidos pelos canhões antiaéreos de Lexington e o resto pelos contratorpedeiros que os acompanhavam. Mas em 1943, os navios de capital tinham armamento antiaéreo muito mais pesado do que era comum em 1941, e os do Lexington foram instalados por radar. O grupo de porta-aviões também teve o benefício de uma tela de contratorpedeiros e cruzadores adicionando suas armas à barragem antiaérea.


Nakajima B5N sobre Pearl Harbor

Há outros casos em que o peixe-espada e aeronaves semelhantes certamente não foram muito lentos para abater. Durante o Channel Dash (Operação Cerberus, quando os cruzadores de batalha Scharnhorst e Gneisenau romperam o Atlântico para chegar à Alemanha), uma revoada de seis peixes-espada foi abatida, três três por caças e os outros três por canhões antiaéreos em Scharnhorst / Gneisenau e sua escolta.

Em outra ocasião, dois Albacores (que eram apenas marginalmente mais rápidos que o Swordfsih) foram abatidos pelas baterias antiaéreas no Tirpitz durante uma tentativa de ataque de torpedo. Durante a Batalha do Cabo Matapan, o único Swordfish que acertou o encouraçado Vittorio Veneto foi abatido por seus canhões antiaéreos.

É necessário, acredito, separar os aspectos qualitativos da aeronave de sua relativa modernidade. Algumas qualidades favoráveis ​​das aeronaves tendem a aumentar com a modernidade - desempenho total, por exemplo, incluindo velocidade, taxa de subida e teto. Outros não, como alcance, raio de giro e confiabilidade. Outras características favoráveis ​​podem ser reduzidas com a modernidade, como velocidade de pouso, docilidade e simplicidade. Em outros casos, a aeronave pode se tornar mais ou menos valiosa por outros fatores, como o equipamento e armas disponíveis, a eficiência da tripulação e as táticas empregadas.

Houve outras ocasiões em que aeronaves consideravelmente desatualizadas se mostraram eficazes em combate - em um caso extremo, os biplanos ‘Bedcheck Charlie’ Polikarpov Po-2 que fizeram ataques noturnos contra bases aéreas dos EUA durante a Guerra da Coréia. Eles causaram danos consideráveis ​​e foram muito difíceis de abater. Isso ocorreu em parte porque eles voaram muito devagar para que os caças noturnos os interceptassem, e isso não foi mais um acaso do que os sucessos do Swordfish em 1940-41.

O TBD foi, no geral, um design pobre que não aproveitou ao máximo seus recursos modernos. Ele sacrificou muitas das qualidades de que um torpedeiro bem-sucedido precisava, como a capacidade de realizar um mergulho íngreme na área do alvo para evitar ter que ficar muito tempo no alcance do fogo antiaéreo e aumentar a velocidade na 'zona de perigo '. Fez sacrifícios no alcance, capacidade de transporte de armas e aerodinâmica discutível a fim de transportar a mira de bomba Norden para bombardeio nivelado, uma função que a aeronave nunca foi obrigada a cumprir. Além disso, as más qualidades do TBD foram exacerbadas pelo torpedo Mk.XIII ineficaz e pelo treinamento pobre da tripulação. Pode ter sido tecnicamente mais avançado do que o peixe-espada, mas não era superior.

O B5N foi, em muitos aspectos, um design muito bom. Aproveitou suas características modernas, agregando velocidade, mas não perdendo a maioria das qualidades exigidas por um bom torpedeiro. Ele poderia se aproximar do alvo em altitude e, embora não pudesse mergulhar quase verticalmente como o peixe-espada, poderia facilmente planar a 30 graus e lançar seu torpedo em alta velocidade. Foi até um bombardeiro de nível eficaz, sem comprometer seu papel principal. No entanto, o ‘Kate’ não tinha tanques de combustível autovedantes e, como a maioria dos aviões militares japoneses da época, era de construção leve. Isso ajudou com velocidade, capacidade de manobra e alcance, mas significava que os ataques de fogo antiaéreo eram muito menos resistentes. Em 1941, faltava radar. Era superior ao Swordfish em muitos aspectos (e, sem dúvida, um design melhor para o Pacífico), mas ainda carecia de algumas das qualidades que permitiam ao Swordfish levar para casa um ataque efetivo no Bismarck e em Taranto.

Todas essas coisas tomadas na rodada, o Swordfish foi um bombardeiro-torpedeiro de linha de frente eficaz em 1940-41 nas condições em que foi usado. Era resistente, manobrável e podia ser usado em condições climáticas extremas e à noite. Podia ser equipado com radar e seu torpedo era resistente e confiável, embora ligeiramente lento. Suas tripulações eram bem treinadas e capazes de explorar os pontos fortes da aeronave e suas armas. É improvável que aeronaves mais modernas tivessem sucesso onde o Swordfish teve, mas isso tem mais a ver com as condições em que a aeronave era capaz de operar, as habilidades de suas tripulações e a disponibilidade de radar na aeronave e o acompanhamento navios.

O projeto dos diretores do Bismarck em não permitir que as aeronaves voassem tão lentamente quanto o Swordfish pode ter dificultado os artilheiros antiaéreos do navio, mas não está claro o quanto isso teve um efeito, e em qualquer caso, havia muitos outros fatores em jogo. As defesas antiaéreas do Bismarck eram inadequadas em vários aspectos, mas mesmo assim eram capazes de tornar a vida muito desconfortável para a aeronave de ataque. Em outros episódios, sistemas antiaéreos semelhantes foram capazes de abater pelo menos alguns peixes-espada e albacores atacantes, então isso não parecia ser um problema intransponível.

No geral, não acredito que o sucesso do Swordfish em 1940-41 possa ser considerado um acaso - e, além disso, as conquistas da aeronave em 1941-45 como uma aeronave anti-submarina protegendo comboios do Atlântico, novamente operando em condições que poucos outros tipos seriam capazes, são dignos de consideração considerável, mesmo se o Bismarck e Taranto forem removidos da equação.

Compartilhar isso:

Assim:

Relacionado


Segunda Guerra Mundial

A primeira missão do esquadrão em sua formação foi realizar tarefas de reconhecimento de observador para o porta-aviões HMS Corajoso. Mais tarde, eles foram reequipados com Fairey Seals e Blackburn Sharks, eventualmente recebendo Fairey Swordfish no outono de 1937. [2] O esquadrão foi transferido em novembro do ano seguinte para o novo porta-aviões HMS Ark Royal. O esquadrão operou de Ark Royal pelos três anos seguintes, inicialmente em funções anti-submarino, mas depois como aeronave de busca de superfície e ataque com torpedo. O esquadrão foi com Ark Royal para o Atlântico, e em abril de 1940 eles estavam apoiando operações aliadas durante a campanha norueguesa, onde bombardearam o campo de aviação de Vaernes. Após a retirada da Noruega, Ark Royal e o esquadrão mudou-se para o Mediterrâneo em junho. Aeronaves do esquadrão 820 estiveram envolvidos no ataque à frota francesa em Mers-el-Kébir e, posteriormente, na Batalha de Dakar, bem como em ataques em Cagliari. Eles também estiveram ativos durante a Batalha do Cabo Spartivento, bem como cobrindo comboios para Malta.

O próximo grande confronto do 820 Squadron foi a caça ao encouraçado alemão Bismarck. Aeronaves do Esquadrão foram capazes de desativar o BismarckA direção com um golpe de torpedo, permitindo que o Bismarck para ser contratado e afundado. [2] Em junho de 1941, o esquadrão partiu Ark Royal, e em novembro daquele ano voltou à Islândia a bordo do HMS Vitorioso. O Swordfish foi então substituído por Fairey Albacores. O Esquadrão 820 embarcou então a bordo do HMS Formidável em fevereiro de 1942, e navegou com Formidável para servir no Oceano Índico. O esquadrão estava então ativo na Batalha de Madagascar, seguida pela Operação Tocha, os desembarques Aliados no Norte da África. Durante essas operações, aeronaves do esquadrão afundaram o submarino alemão U-331, que antes havia afundado o encouraçado HMS Barham. Formidável e a esquadra permaneceu no Mediterrâneo para fornecer apoio aos desembarques Aliados na Sicília e Salerno. [2]

O esquadrão então retornou ao Reino Unido em novembro de 1943 e se desfez na RNAS Donibristle. O esquadrão foi rapidamente reformado, no entanto, e equipado com 12 Fairey Barracudas foi inicialmente baseado em RNAS Lee-on-Solent como um torpedeiro / esquadrão de reconhecimento. Eles foram atribuídos ao HMS Infatigável em junho de 1944 e entrou em ação como parte da Operação Mascote em 17 de julho e Operações Goodwood em agosto, as tentativas de afundar o encouraçado alemão Tirpitz no fiorde Kaa, Alta, Noruega. [2] As operações não causaram danos significativos ao Tirpitz. O esquadrão foi reequipado com 21 Grumman Avengers em setembro de 1944 e navegou com Infatigável para o Extremo Oriente em novembro. Eles navegaram para o Ceilão, onde o esquadrão 820 se juntou ao No 2 Strike Wing, que também consistia no esquadrão 849. O Wing atacou as refinarias de petróleo em Palembang, Sumatra, em janeiro de 1945, como parte da Operação Meridian, seguindo-a com ataques posteriores nas ilhas Sakashima Gunto. À medida que a guerra no Pacífico se aproximava do Japão, o Esquadrão 820 foi designado para o 7º Grupo Aéreo da Carrier, e realizou uma série de ataques a Tóquio antes do VJ-Day. Após o fim da guerra, Infatigável permaneceu no Pacífico por algum tempo, finalmente retornando ao Reino Unido em março de 1946. O 820 Squadron foi então dissolvido novamente. [2]

Pós guerra

O esquadrão foi reformado cinco anos depois, em julho de 1951, desta vez voando no Fairey Firefly. O esquadrão foi embarcado alternadamente a bordo dos porta-aviões HMS Indomável e HMS Teseu durante 1952 e 1953, passando a maior parte do tempo fazendo exercícios no Mediterrâneo. [2] O esquadrão operou o Grumman Avenger e depois o Fairey Gannet durante 1954 e 1956, a bordo do HMS Centauro e HMS Baluarte, antes de ser tomada a decisão de converter o 820 Squadron em um esquadrão de helicópteros. [2] 820 se separou em 2 de dezembro de 1957, mas foi imediatamente reformado no mesmo dia no HMS Vernon, equipado com o Westland Whirlwind MK VII. [2] Eles foram atribuídos ao HMS Hermes em maio de 1958 como uma força de apoio anti-submarino e comando, permanecendo a bordo Hermes até outubro de 1960, quando o esquadrão foi novamente dissolvido. [2]

O esquadrão foi reformado em 1964 e equipado com o Westland Wessex HAS.1, com o qual serviu como esquadrão anti-submarino a bordo do HMS Águia. [2] Eles foram atualizados para o Westland Wessex HAS.3 em maio de 1969, quando foram transferidos para o Tigre classe helicóptero cruzador HMS Blake. Eles permaneceram a bordo Blake até sua eliminação em 1979, o esquadrão foi então atribuído ao HMS Hermes para o primeiro trimestre de 1980. As aeronaves do esquadrão foram atualizadas com o Westland Sea King HAS.1 em dezembro de 1972, seguido pela versão HAS.2 e depois pelo HS .Mk.5 em dezembro de 1980. [2] Foi então atribuído ao HMS Invencível in early 1981 on the 6 March 1981 the squadron suffered a tragedy when two of its aircraft had a mid-air collision, five of the eight crew members were killed.

In April 1982 the squadron remained embarked for the Falklands War. During the conflict the squadron flew over 4700 hours, with Invincible spending 166 days continuously at sea, setting a world record for continuous carrier operations. [2] The squadron transferred to HMS Ark Royal in late 1985. They were re-equipped in February 1990 with the Sea King MK6 and on board Ark Royal were dispatched to the Eastern Mediterranean on Jan 10 1991, with the intention of transiting the Suez Canal, so they would be in the Red Sea for Operation Granby - UK name for Desert Storm. However, the war started before they could transit the Suez Canal, and instead, Ark Royal, remained in the Eastern Mediterranean for the duration of the War. In January 1993, 820 were dispatched aboard RFA Olwen and RFA Fort Grange to support the British forces in Bosnia as part of Operation Grapple. There the squadron was used to ferry men and supplies. 820 Squadron returned to Bosnia in 1994, this time aboard HMS Ark Royal. With the later decommissioning of Ark Royal, the squadron joined HMS Illustrious and by 1996 was in the eastern Atlantic, followed by a round the world deployment in 1997. [2]

Com Illustrious in refit from 1998, 820 Squadron operated out of Operation Palliser in Sierra Leone. [2] Further training periods followed, as well as a Search and Rescue effort in October 2004 to aid the stricken Canadian submarine HMCS Chicoutimi, which had been disabled after suffering a fire and flooding off the west coast of Ireland. [2]


Fairey Swordfish I Of 820 Squadron Over Hms Ark Royal 1939 OLD AVIATION PHOTO

Vendedor: russtysilver ✉️ (16,656) 98.2% , Localização: 5016 , Enviado para: Worldwide, Item: 154472896263 Fairey Swordfish I Of 820 Squadron Over Hms Ark Royal 1939 OLD AVIATION PHOTO. HAVE A LOOK IN MY STORE FOR MANY OTHER GREAT ITEMS USE THE SEARCH BAR TO LOOK BY NAME, TOPIC, LOCATION & SUBJECT You are bidding on a large photo, the photo is in excellent condition, it is sized 8x11 inches and has been professionally produced, Click on the image to see the photo enlarged, A great collectors piece. Postage can be combined for multiple orders. Doença: New , Return shipping will be paid by: Buyer , Retorno aceito: Returns Accepted , Item must be returned within: 30 Days , Era: 1900s , Brand: Unbranded , MPN: Does Not Apply See More


[edit] Armament and aircraft

Ark Royal’s armament was designed with anti-aircraft warfare in mind, as aircraft were expected to be the main threat ships and submarines could be outrun or dealt with by escorts. [ 14 ] [ 15 ] Her main armament was sixteen quick-firing 4.5 inch anti-aircraft guns in eight double turrets, four on each side of the hull. [ 2 ] The original design placed the turrets low on the hull, but was later altered to locate them just below the flight deck, which increased each turret's field of fire. [ 2 ] Four 8-barrelled 2 pounder (1.5 in) pom-poms were located on the flight deck, in front of and behind the superstructure island, while eight 4-barrelled .50 calibre (12.7 mm) machine guns were installed on small projecting platforms to the front and rear of the flight deck. [16]

Sixteen Fleet Air Arm squadrons were posted aboard Ark Royal during her career an average of five squadrons at any time. On entering service, most of Ark Royal’s squadrons were equipped with either Blackburn Skuas, used as fighters and dive bombers, or Fairey Swordfishes, for reconnaissance and torpedo bombing. From April 1940, squadrons equipped with Skuas were upgraded to Fairey Fulmars like their predecessors, these were used as fighters and bombers. On occasion, the carrier operated Blackburn Roc fighter-bombers (from April 1939 to October 1940) and Fairey Albacore torpedo bombers (during October 1941) these were replacement aircraft used to boost squadron numbers. [ 17 ] In June 1940, Ark Royal was host to 701 Naval Air Squadron, a training squadron which operated Supermarine Walrus reconnaissance amphibians.

Squadrons embarked aboard HMS Ark Royal
[show] Squadron Aircraft operated Embarked (from - to) Notas
800 Blackburn Skua Mk. II January 1939 - April 1941 Transferred to HMS Victorious
810 Fairey Swordfish Mk. eu January 1939 - March 1941
May 1941 - September 1941
Aboard HMS Illustrious from March to May 1941
820 Fairey Swordfish Mk. eu January 1939 - June 1941 -
821 Fairey Swordfish Mk. eu January 1939 - April 1940 Removed from operational service following losses against Scharnhorst
803 Blackburn Skua Mk. II
Blackburn Roc Mk. eu
April 1939 - October 1940 -
818 Fairey Swordfish Mk. eu August 1939 - October 1939
June 1940 - July 1940
Operated from HMS Furioso and land bases between October 1939 and June 1940
801 Blackburn Skua Mk. II April 1940 - May 1940 Transferred to HMS Furioso
807 Fairey Fulmar Mk. II April 1940 - November 1941 Embarked at sinking
701 Supermarine Walrus Mk. eu June 1940 Training squadron
808 Fairey Fulmar Mk. II September 1940 - November 1941 Embarked at sinking
821X Fairey Swordfish Mk. eu December 1940 - January 1941 Flight assembled from 821 Squadron survivors, later absorbed into 815 Squadron
800Y Fairey Fulmar Mk. eu June 1941 Flight from 800 Squadron
825 Fairey Swordfish Mk. eu June 1941 - November 1941 Embarked at sinking
816 Fairey Swordfish Mk. eu July 1941 - November 1941 Embarked at sinking
812 Fairey Swordfish Mk. eu September 1941 - November 1941 Embarked at sinking
828 Fairey Swordfish Mk. eu
Fairey Albacore Mk. eu
October 1941 Redeployed to Malta


Fairey Swordfish I of No.820 Squadron over HMS Ark Royal - History

Royal Navy Biplanes - (Post WW1) - Part 1

Fairey Swordfish and Albacore

Fairey TSR.1 Swordfish Mk.1, 820 Sqn Fleet Air Arm, RAF North Coates / HMS COURAGEOUS, March 1939

The new- mould Airfix Swordfish really is a fantastic model, accurate, finely moulded and relatively easy to build.

The Swordfish needs little introduction. Slow and agricultural in appearance, the Fairey Swordfish was an immensely robust and stable weapons platform that saw the RN through WW2, outlasting its replacement (the Albacore) and fighting with distinction in every theatre of the war. Easy to fly, perfectly tuned to carrier operations and powered by the faithful and trustworthy Bristol Pegasus engine, it made a significant contribution to the war effort. BAC 2010 - 100 Years of the Bristol Aeroplane Company

The aircraft represented by this model flew with 820 Sqn from HMS COURAGEOUS and from ashore at RAF North Coates, until the squadron was re- assigned to HMS ARK ROYAL at the end of 1939.

Fairey Swordfish Mk.1, 815 Sqn Fleet Air Arm, HMS ILLUSTRIOUS, Taranto, November 1940.

The Swordfish is another unsung Matchbox biplane gem, currently available from Revell and seen here with Aeromaster after- market decals. Far better than the Airfix kit, it can certainly hold its own with the Frog version. Standfast the rigging, it is an easy build, let down only by the very sparse cockpit. As supplied, it comes with the radar fit in the Observer's position to reflect a Mk III, but I have built this up to represent the long range tanks.

This model represents the aircraft flown at Taranto by the CO of 815 Sqn, Lt Cdr K Williamson DSO, with Observer NJ "Blood" Scarlett RN. Williamson led the first attack wave, sinking the Battleship Conte de Cavour.

Williamson's aircraft was subsequently shot down, with he and his observer taken as PoWs. The aircraft was recovered by the italians and a picture of her can be seen here: http://www.fleetairarmarchive.net/aircraft/faacapturedaircrafthomepage.html

Although the Swordfish normally carried a crew of 3, Pilot, Observer and Telegraphist Air Gunner (TAG), for this long range raid, the Observer's normal position was occupied by an auxiliary fuel tank and the TAG was not carried.

Fairey Swordfish Mk.II, 810 Sqn Fleet Air Arm, HMS ARK ROYAL, 26 May 1941.

The old Airfix Swordfish is well past its sell- by date, and the new tooling at the top of this page eclipses it totally. However, it's really not that much worse than the other contemporary 1/72 Swordfish kits (FROG & Matchbox). This is the 2009 Airfix Club issue, which came with a nice set of decals for one of 810 Sqns aircraft, plus a second set for the scheme currently worn by one of the RN Historic Flight aircraft (HMS RAIPANA in 1943).

In May 1941, after the devastating shock loss of HMS HOOD during the Battle of the Denmark Strait, the honour and spirit of the Royal Navy depended on the rapid destruction of the German surface raider BISMARCK. The entire Home Fleet, plus the Gibraltar based Force H were deployed to stop BISMARCK reaching the safety of a French port.

An initial attack in atrocious weather by Swordfish from HMS VICTORIOUS was ineffective, but a follow- on strike the next day by a large force from HMS ARK ROYAL jammed the BISMARCK's rudder, making her unmaneouverable and allowing the British Fleet to catch her and deliver the fatal blow.

The aircraft represented by this model was flown by Sub Lieutenant AWD Beale, with Observer SLt C Friend and TAG L/A K Pimlott, during the critical final action against the BISMARCK on 26 May 1941. Beale became disorientated in the poor visibility and flew back to the shadowing cruiser HMS SUFFOLK for directions. As a result he approached the BISMARCK from a different direction from the other ships, registering a torpedo hit amidships.

Fairey Swordfish TSR2 - 818 Sqn, HMS ARK ROYAL 1940.

This is the MPM enhanced kit, with Cooperativa (ex- Frog) kit, resin and photo- etch parts. Decals in the kit are a (miscoloured) copy of the original Frog ones. These are my own markings, from the spares box (some original Frog!). Rigging was fuse wire. I now know that Lycra is much better and doesn't sag ! The inspiration for this model, was Cdr Charles Lamb's astonishing autobiography "War In A Stringbag" which I thoroughly recommend.

Another of the Swordfish's most famous encounters was the disastrous 1942 Channel Dash

Lt Cdr Eugene Esmonde VC DSO RN, was posthumously awarded the Victoria Cross (VC) for leading a desperate attack in a Swordfish aircraft of 825 Naval Air Squadron. Esmonde and his men knew that most of them would die before they took off yet still they went.

"On 12 February 1942 in the Straits of Dover, off England, Lieutenant Commander Esmonde led his squadron of six Swordfish to the attack of two German battle cruisers the Scharnhorst and the cruiser Prinz Eugen, which were entering the Straits strongly escorted by surface craft. Detached from their escorting fighters (just 10 in number) by enemy fighters, all the aircraft of the squadron were damaged, but even after Lieutenant- Commander Esmonde's plane sustained a direct hit he still continued the run- in towards his target until it burst into flames and crashed into the sea. The squadron went on to launch a gallant attack, but none of the six aircraft returned".

. The Fleet Air Arm Historic Flight Swordfish about to take off at Yeovilton 2003

Fairey Albacore - 826 Sqn Dekhelia/Western Desert,1941.

Pegasus manufactured a range of interesting and unusual short run kits in the 1980s. The Albacore builds into a nice replica, but it is not one for the beginner. Kit decals are excellent, however in this case I had just finished reading Lt Cdr Donald Judd's autobiography, "Avenger From the Sky" , so was determined to do one of 826's western desert based aircraft with Black undersides.

The Albacore was intended as a replacement for the venerable Swordfish, but in the end its predecessor outlived it. Nevertheless, it was a reliable and popular aircraft, that achieved notable success in many roles. This was especially true over the Mediterranean and in the Western Desert, where RN Pilots provided close support and Strike missions for the 7th Armoured Division/Desert Rats , operating against Italian and German forces.

Background Picture - a model of Taranto Harbour from the air as displayed at the Fleet Air Arm Museum, Yeovilton

Click on the thumbnail below to go directly to the aircraft model, or simply scroll down

For the rest of my post- war RN Biplanes, click on the “Biplanes 1918- 1946” tab above


História

Segunda Guerra Mundial

The squadron's first assignment on its formation was to provide spotter-reconnaissance duties for the aircraft carrier HMS Courageous. They were later re-equipped with Fairey Seals and Blackburn Sharks, eventually receiving Fairey Swordfish in autumn 1937. [ 2 ] The squadron was reassigned in November the following year to the new aircraft carrier, HMS Ark Royal. The squadron operated from here for the next three years, initially on anti-submarine duties, but later as surface search and torpedo-attack aircraft. The squadron went with Ark Royal to the Atlantic, and by April 1940 they were supporting allied operations during the Norwegian campaign, where they bombed Vaernes airfield. After the withdrawal from Norway, Ark Royal and the squadron moved to the Mediterranean in June. Aircraft from 820 squadron were involved in attacking the French fleet at Mers-el-Kébir, and later the Battle of Dakar, as well as attacks at Cagliari. They were also active during the Battle of Cape Spartivento, as well as covering convoys to Malta.

820 Squadron's next major engagement was the hunt for the German battleship Bismarck. Aircraft from the Squadron were able to disable the Bismarck’s steering gear with a torpedo hit, allowing the Bismarck to be engaged and sunk. [ 2 ] In June 1940 the squadron left Ark Royal, and in November that year returned to Iceland aboard HMS Victorious. The Swordfish were then replaced by Fairey Albacores. 820 Squadron then embarked aboard HMS Formidable in February 1942, and sailed with Formidable to serve in the Indian Ocean. The squadron was then active in the Battle of Madagascar, followed by Operation Torch, the Allied landings in North Africa. During these operations, aircraft from the squadron sank the German U-boat U-331, which had earlier sunk the battleship HMS Barham. Formidable and the squadron remained in the Mediterranean to provide support for the Allied landings at Sicily and Salerno. [ 2 ]

The squadron then returned to the UK in November 1943 and disbanded at RNAS Donibristle. The squadron was quickly reformed however, and equipped with 12 Fairey Barracudas was initially based at RNAS Lee-on-Solent as a torpedo bomber reconnaissance squadron. They were assigned to HMS Indefatigable in June 1944 and saw action as part of Operation Mascot on 17 July and Operations Goodwood in August, the attempts to sink the German battleship Tirpitz in Kaa Fjord, Alta, Norway. [ 2 ] The operations failed to cause significant damage to the Tirpitz. The squadron was re-equipped with 21 Grumman Avengers in September 1944 and sailed with Indefatigable to the Far East in November. They sailed to Ceylon where 820 squadron joined No 2 Strike Wing, which also consisted of 849 Squadron. The Wing attacked the oil refineries at Palembang, Sumatra in January 1945 as part of Operation Meridian, following this up with later strikes on the Sakashima Gunto islands. As the war in the Pacific moved closer to Japan 820 Squadron was assigned to the 7th Carrier Air Group, and carried out a number of raids on Tokyo prior to VJ-Day. After the end of the war, Indefatigable remained in the Pacific for some time, finally returning to the UK in March 1946. 820 Squadron was then disbanded again. [ 2 ]

Post war

The squadron was re-formed five years later in July 1951, this time flying the Fairey Firefly. The squadron was embarked alternately aboard the carriers HMS Indomável e HMS Theseus during 1952 and 1953, spending most of its time on exercises in the Mediterranean. [ 2 ] The squadron operated the Grumman Avenger and then the Fairey Gannet during 1954 and 1956, aboard HMS Centauro e HMS Bulwark, before the decision was made to convert 820 Squadron as a helicopter squadron. [ 2 ] 820 disbanded on 2 December 1957 but were immediately re-formed the same day at HMS Vernon, equipped with the Westland Whirlwind MK VII. [ 2 ] They were assigned to HMS Hermes in May 1958 as an anti-submarine and commando support force, remaining aboard Hermes until October 1960, when the squadron was again disbanded. [ 2 ]

The squadron was re-formed in 1964, and equipped with the Westland Wessex MK1, with which they served as anti-submarine squadron aboard HMS Águia. [ 2 ] They were upgraded to the MK3 in 1969, when they were transferred to the Tigre class helicopter cruiser HMS Blake. They remained aboard Blake until her disposal in 1979, having been upgraded with the Westland Sea King MK1 in December 1972, followed by the M2 version and then the MK5 in December 1980. [ 2 ]

The squadron was then assigned to HMS Invincible in April 1982 for the Falklands War. During the conflict the squadron flew over 4700 hours, with Invincible spending 166 days continuously at sea, setting a world record for continuous carrier operations. [ 2 ] The squadron transferred to HMS Ark Royal in late 1985. They were re-equipped in February 1990 with the Sea King MK5, and in January 1993 were dispatched aboard RFA Olwen and RFA Fort Grange to support the British forces in Bosnia as part of Operation Grapple. There the squadron was used to ferry men and supplies. 820 Squadron returned to Bosnia in 1994, this time aboard HMS Ark Royal. With the later decommissioning of Ark Royal, the squadron joined HMS Illustrious and by 1996 was in the eastern Atlantic, followed by a round the world deployment in 1997. [ 2 ]

Com Illustrious in refit from 1998, 820 Squadron operated out of RNAS Culdrose on anti-submarine training exercises, followed with periods embarked on ships of the Royal Fleet Auxiliary. They rejoined Illustrious in 1999 and participated in relief operations in Mozambique and for Operation Pallister in Sierra Leone. [ 2 ] Further training periods followed, as well as a Search and Rescue effort in October 2004 to aid the stricken Canadian submarine HMCS Chicoutimi, which had been disabled after suffering a fire and flooding off the west coast of Ireland. [ 2 ]


Print Scale 1/72 Fairey Swordfish Decals

Since there were approximately 2400 Fairey Swordfish built, there are bound to be plenty of marking options for it. Print Scale has realized this and released this set of decals for a 1/72 kit. There is no specific model manufacturer listed, but you can be sure it was probably meant for the ultimate Swordfish kit, put out a little while ago by Airfix. There are eleven aircraft in this release:

The decals appear nicely finished and in register. My only complaint is with the instructions. While there is a four-view profile for an overall camouflaged aircraft, there is no mention at all about what "Scheme 2", "Scheme 3" or "Scheme 4" really is. Plus, the two aircraft labeled as "Scheme 2" are different one has camouflage that runs the entire fuselage, while the other only has camouflage on top of the fuselage with Sky fuselage sides.

If you have references for the Swordfish for how these schemes look, then use them. If you don't, you'll definitely need to find some to help show how these schemes differed and how they were applied. Even with my caveat, I still am glad I have these to use.


Sisällysluettelo

Ensimmäisen laivueen palvelus 1933–1943 Muokkaa

Laivue perustettiin 3. huhtikuuta 1933 Gosportissa 450 lentueesta ja puolikkaasta 445 lentueesta kalustonaan yhdeksän Fairey IIIF:ää. Laivue sijoitettiin 5. toukokuuta HMS Courageousille. B-lentue sijoitettiin tammikuussa 1934 HMS Furiousille matkaamaan Gibraltarille. Kuusi Fairey IIIF:ää vaihdettiin kesäkuussa Fairey Sealeihin ja joulukuussa koko kalusto kahteentoista Blackburn Shark -koneeseen. Sharkien moottorien epävarmuus aiheutti A-lentueen kaluston vaihtamisen elokuussa 1935 kuuteen Baffiniin Välimerelle siirryttäessä. Baffinit poistettiin laivueesta sen palattua Englantiin helmikuussa 1936. Laivue vastaanotti joulukuussa kalustokseen kaksitoista Shark Mk II:sta. Laivueen kalustoksi vastaanotettiin syyskuussa 1937 Fairey Swordfish torpedopommittajat.

Laivue määrättiin marraskuussa 1938 palvelukseen saapuneelle uudelle tukialukselle HMS Ark Royalille, minne se siirtyi 11. tammikuuta 1939 ensisijaisena tehtävänään sukellusveneiden torjunta ja vihollisen pinta-alusten etsiminen ja tuhoaminen.

Laivue siirtyi kesäkuussa 1940 HMS Victorious, minä aikana laivueen koneiksi vaihtuivat Fairey Albacoret. Laivue siirtyi HMS Formidablelle helmikuussa 1942. Laivue palasi Englantiin marraskuussa 1943 ja lakkautettiin.

Toisen laivueen palvelus 1944–1946 Muokkaa

Laivue perustettiin nopeasti uudelleen ja sen kalustoksi määrättiin 12 Fairey Barracudaa. Laivue siirrettiin HMS Indefatigablelle kesäkuussa 1944. Laivueen kalustoksi vaihdettiin syyskuussa 21 Grumman Avengeria sen siirtyessä Kaukoitään.

Ceylonille saavuttuaan laivue liitettiin osaksi toista iskulennostoa (engl. No 2 Strike Wing ) Laivue osallistui Brittiläisen Tyynenmeren laivaston mukana taisteluihin, kunnes palasi Englantiin maaliskuussa 1946, minkä jälkeen se lakkautettiin.

Kolmannen laivueen palvelus 1951–1957 Muokkaa

Laivue perustettiin uudelleen heinäkuussa 1951 kalustonaan Fairey Fireflyt. Laivue palveli HMS Indomitablella ja HMS Theseuksella Välimerellä 1952–1953. Laivueen kalusto vaihdettiin 1954 Grumman Avengereiksi ja 1956 Fairey Ganneteiksi. Tuona aikana laivue palveli HMS Centaurilla ja HMS Bulwarkilla. Laivue päätettiin muuttaa helikopterilaivueeksi ja se lakkautettiin 2. joulukuuta 1957.

Neljännen laivueen palvelus 1957–1960 Muokkaa

Laivue perustettiin uudelleen jo lakkautuspäivänään HMS Vernonilla kalustonaan Westland Whirlwind Mk VII -helikopterit. Laivue siirrettiin HMS Hermekselle toukokuussa 1958 toimimaan sukellusveneidentorjuntalaivueena sekä tukemaan erikoisjoukkojen toimintaa. Laivue lakkautettiin lokakuussa 1960.

Viidennen laivueen palvelus 1964– Muokkaa

Laivue perustettiin uudelleen 1964 kalustonaan Westland Wessex Mk 1 ja se liitettiin sukellusveneidentorjunta tehtäviin HMS Eaglelle. Laivueen kalusto vaihdettiin Mk3 versioon 1969 ja se siirrettiin Tiger-luokan helikopteriristeilijä HMS Blakelle. Laivue palveli HMS Blakella, kunnes alus poistettiin palveluksesta 1979. Laivueen kalusto päivitettiin useaan otteeseen joulukuussa 1972 Westland Sea King Mk1, Mk2 ja joulukuussa 1980 Mk3.

Laivue siirrettiin huhtikuussa 1982 HMS Invinciblelle, joka purjehti Falklandin sotaan lähteneen osaston lippulaivana. Taisteluiden kuluessa laivue lensi yli 4700 tuntia. Laivue siirrettiin loppuvuodesta 1985 HMS Ark Royalille ja sen kalustoksi vaihdettiin helmikuussa 1990 Sea King Mk5. Laivue siirtyi tammikuussa 1993 RFA Olwenille ja RFA Fort Grangelle tukemaan brittijoukkojen operaatioita Bosniassa (operaatio Grapple). Laivue palasi Englantiin 1994 HMS Ark Royalin mukana. Laivue siirtyi HMS Illustriousille, kun HMS Ark Royal siirrettiin telakalle.

HMS Illustriousin siirtyessä huoltoon 1998 laivue siirrettiin RNAS Culdroseen sukellusveneentorjuntakoulutukseen. Koulutuksen jälkeen laivue tukilaivoille. selvennä Laivue palasi HMS Illustriousille 1999 ja sen mukana Mosambikin rannikolle ja Sierra Leoneen (operaatio Palliser).


Operation Catapult: Churchill's Plan To Destroy the French Navy in 1940

Firing on the French Fleet at Mers-el-Kebir was horrific but necessary for British security.

Now, as the day grew hotter, Admiral Somerville could only steam back and forth outside Mers el Kebir and Oran, waiting anxiously for Captain Holland to signal back reports on the progress of his negotiations with the French. Two and a half hours passed while Holland, Admiral Somerville, and the War Cabinet in distant London all waited for Admiral Gensoul’s response. It was a tense, impotent time, particularly for the Force H commander.

“Answer Fire with Fire”

At noon, Somerville signaled the Admiralty that he would give Gensoul until 3 pm to reply to the British terms. Half an hour later, Somerville was signaled that if he thought the French ships were preparing to leave the harbor, he “should inform them that if they moved, he would open fire.” The Force H commander then signaled to Holland and asked if he thought there was now any alternative to bombarding the French squadron. The emissary urged that the French should be asked for a final reply before any hostile action was taken. Holland told Admiral Somerville that his knowledge of the French character suggested “an initial refusal will often come around to an acquiescence.” Holland said he “felt most strongly that the use of force, even as a last resource, was fatal to our object.” So, he used “every endeavor to bring about a peaceful solution.”

At last, around 3 pm, Admiral Gensoul agreed to meet Holland on board Dunkerque, and this encouraged Somerville to again postpone action. “I think they are weakening,” he signaled to the Admiralty. At 4:15 pm, Holland was piped over the side of the French flagship and ushered into Gensoul’s cabin. The admiral was angry and indignant and had come to believe that the British might actually use force against his squadron. He played for time British decrypts of French cipher traffic that afternoon revealed that Gensoul could expect support from other naval units and was to “answer fire with fire.” Passing the intercept on to Admiral Somerville, the Admiralty added, “Settle this matter quickly, or you may have reinforcements to deal with.”

Somerville awaited news from Captain Holland, who was now convinced “we had won through and he [Gensoul] would accept one or other of the proposals.” But Holland was unaware of what London had omitted to pass on to Somerville. Its decrypt of the French Admiralty signal to Gensoul indicated that he believed he had only two options: to join the British squadron or scuttle his ships. The tension mounted as the situation came to a head.

The French take “an Advanced State of Readiness for Sea”

Around 5:15 pm, as Gensoul was deciding to reject the British ultimatum, he received a signal from Admiral Somerville stating that Force H would sink his ships unless he accepted the terms by 5:30. The dejected Holland observed that the French battleships were in “an advanced state of readiness for sea.” Control stations were being manned, rangefinders were trained on Force H, and tugs were fussing round the sterns of the French battlewagons. Action stations was sounded, but there was little bustle among the crews, Holland noted. He took a “friendly” leave-taking from Dunkerque as he made his way back to HMS Foxhound. The officer of the watch aboard the battleship Bretanha saluted him smartly. It seemed to Captain Holland that the French could not believe that they were about to be the targets of British gunners. At 5:55 pm, HMS Foxhound got clear after laying magnetic mines across the entrance to Mers el Kebir harbor.

Then the dreaded hour of reckoning came as the battlecruiser Hood steamed at 17 knots ahead of Admiral Somerville’s line. Her eight 15-inch guns thundered at a range of 17,500 yards, closely followed by those of Resolução e Valiant. It was the first clash of battle fleets in World War II, but hardly the kind of engagement expected by Admiralty planners in the prewar years the enemy was not the German, Italian, or Japanese fleets. By a fateful, tragic irony, Force H was attacking the Royal Navy’s 18th- and 19th-century foe and 20th-century ally.

Destroying the Fleet at Mers el Kebir

Because of haze and smoke billowing from the French ships raising steam, the targets of Force H were obscured. Hood’s target, a Dunkerque-class battleship anchored abeam to the harbor mole, was indistinct. So the three British capital ships had to use the nearby Mers el Kebir lighthouse as an aiming mark and make “a general shoot into the area of the anchorage.” It was difficult for the British crews to observe the results of their volleys, but a Fairey Swordfish torpedo bomber from No. 810 Squadron aboard HMS Ark Royal reported from an altitude of 7,000 feet that Hood’s first salvo had exploded in a line across Commandante Teste, Bretagne, and the quarterdeck of Estrasburgo.

The second salvo, according to the Swordish crew, “hit the Bretagne, which blew up immediately and enveloped the harbor in smoke.” Hit in her after magazines, the French battleship died at 5:58 pm, with a thick mushroom cloud of smoke rising high behind the breakwater. When the smoke cleared, Bretanha was no longer visible to the Swordfish crew, but they observed a fire aft on the seaplane carrier. Dunkerque appeared to have hit a mine, with the loss of 210 dead, and grounded her bows on the shore opposite her berth. It was learned later that the badly damaged Provença also had beached herself. Meanwhile, a direct hit blew off the stern of the large destroyer Mogador, killing 42 men.

Cornered in confined waters and with limited fields of fire because of neighboring vessels, the French warships fired back as best they could. With a crushing 10-minute bombardment, Force H had struck a grievous blow against Gensoul’s squadron. At 6:04 pm, Admiral Somerville ordered a cease-fire in to give the French sailors an opportunity to leave their ships in the smoking harbor. By this time, more than 1,250 seamen lay dead, 977 of them in Bretanha. The cease-fire was welcomed in the British capital ships, where temperatures in the magazines and shell rooms had risen to more than 90 degrees, adversely affecting the crews.

At 6:20 pm, HMS Hood received a signal from the Ark Royal Swordfish crew saying that the battleship Estrasburgo and five escorting destroyers had left the Mers el Kebir harbor and were heading along the coast. When the report was confirmed at 6:30, Admiral Somerville ordered Hood to steer eastward in pursuit. The British battlewagon increased speed to 25 knots in an attempt to challenge Strasburgo, but then veered away to avoid a torpedo attack by the French destroyers. Somerville, who had decided against a night action, reported later that his Operation Catapult instructions “did not make sufficient provision for dealing with any French ships that might attempt to leave harbor.”

But Force H had not finished with Strasbourg, and six lumbering Swordfish torpedo bombers from Ark Royal went after her. At 8:55 pm, they approached the French battleship at a height of 20 feet and loosed their torpedoes into a calm sea. The Swordfish crews believed that they might have scored two or three hits, but Estrasburgo was able to steam away in the darkness and eventually reach haven at the big Toulon naval base in southeastern France.

Three days later, early on July 6, 1940, Swordfish planes from Ark Royal flew back to Mers el Kebir to finish off the grounded Dunkerque. Diving out of the rising sun from an altitude of 7,000 feet, the “stringbag” biplanes dropped six torpedoes, sinking the 859-ton auxiliary ship Terre Neuve, berthed alongside the battleship. The supply ship’s cargo of depth charges exploded, ripping open the side of Dunkerque. Another 150 French sailors were killed. Meanwhile, Force H was also battling surface units and submarines of the Italian Fleet elsewhere in the Mediterranean.

Dakar, Alexandria, and the Suez

On July 7, the British turned their attention to the French naval base at distant Dakar in West Africa, where the battleship Richelieu, cruiser Primauguet, a sloop, and destroyers were anchored. Commanded by Captain R.F.J. Onslow, a small force comprising the 10,850-ton carrier HMS Hermes and the cruisers Australia e Dorsetshire stood off the harbor. Onslow was given an Admiralty ultimatum for the French, similar to that given at Mers el Kebir, but the commander of the Dakar squadron refused entry to a sloop carrying a Royal Navy emissary.

During the night of July 7-8, a fast launch from Hermes sneaked through the harbor booms, dropped depth charges under the stern of Richelieu, and escaped. The charges failed to detonate, but three hours later six Swordfish from the British flattop pounced on the battleship. They achieved only one hit but distorted a propeller shaft and flooded three compartments.

At Alexandria, meanwhile, Admiral Cunningham was able to persuade the French squadron there to disarm, avoiding more bloodshed. Its fuel and ammunition were surrendered to the Royal Navy. On July 18, all French merchant ships in the Suez Canal were seized.


Assista o vídeo: Fairey Swordfish 148 Tamiya - Part 5 - Final Assemble - Full scale model kit build