Stonehenge

Stonehenge

Stonehenge é um monumento neolítico / da Idade do Bronze localizado em Salisbury Plain, Wiltshire, no sul da Inglaterra. O primeiro monumento no local, começou por volta de 3100 aC, era uma construção circular 'henge' com cerca de 360 ​​pés (110 metros) de diâmetro, um 'henge' no sentido arqueológico sendo uma área plana circular ou oval delimitada por um limite terraplenagem.

Esta estrutura provavelmente continha um anel de 56 postes de madeira (ou possivelmente um antigo círculo de pedra azul), cujos poços são chamados de Aubrey Holes (em homenagem ao antiquário local do século 17, John Aubrey). Mais tarde, por volta de 3000 aC (o início da fase II de Stonehenge), algum tipo de estrutura de madeira parece ter sido construída dentro do recinto, e Stonehenge funcionou como um cemitério de cremação, o mais antigo e maior até agora descoberto na Grã-Bretanha. A Fase III em Stonehenge, começando por volta de 2.550 AC, envolveu a remodelação da terra simples e do henge de madeira em um monumento de pedra único.

No primeiro estágio, dois círculos concêntricos, (às vezes conhecido como 'Círculo Duplo Bluestone'), de 80 pilares de 'bluestone' (dolorita, riolito e tufo) foram erguidos no centro do monumento, com uma entrada principal para o Norte Leste. Essas pedras azuis, pesando cerca de 4 toneladas cada, são originárias das colinas Preseli, em Pembrokeshire, no sudoeste do País de Gales, e provavelmente foram transportadas de lá para a planície de Salisbury por uma rota de pelo menos 185 milhas (veja o capítulo sobre Preseli). Além das pedras azuis, uma placa de arenito esverdeado de 5 metros de comprimento, agora conhecida como Pedra do Altar, foi trazida para Stonehenge de algum lugar entre Kidwelly, perto de Milford Haven, na costa ao sul das Colinas Preseli e Abergavenny, no sudeste do País de Gales.

Pensa-se que a entrada nordeste do recinto foi remodelada durante a Fase III para que ficasse precisamente alinhada com o nascer do sol do meio do verão e o pôr do sol do solstício de inverno do período. Fora dessa entrada, outro elemento, conhecido como Avenida, foi adicionado à paisagem de Stonehenge. A avenida (provavelmente um caminho cerimonial) consiste em um par paralelo de valas e margens que se estendem por 1,5 milhas de Stonehenge até o rio Avon. Anteriormente, pensava-se que por volta de 2.400 aC as pedras azuis foram desenterradas e substituídas por enormes blocos sarsen trazidos de uma pedreira a cerca de 38 quilômetros ao norte nas Colinas de Marlborough.

No entanto, um trabalho recente liderado por Mike Parker Pearson, Professor de Arqueologia da Universidade de Sheffield, sugeriu redefinir a fase sarsen para 2640-2480 aC, o que obviamente afetaria a cronologia do site de forma significativa. Trinta desses enormes sarsens, cada um com cerca de 13,5 pés de altura, 7 pés de largura e pesando cerca de 25 toneladas, foram colocados em um círculo de 98 pés de diâmetro. Em cima deles foram colocados lintéis sarsen menores (pedras horizontais) abrangendo os topos e mantidos no lugar por juntas de "encaixe e espiga". Dentro desse círculo sarsen, foi erguido um engaste em forma de ferradura com mais 15 sarsens, perfazendo cinco trilithons (duas grandes pedras colocadas na vertical para sustentar uma terceira em seu topo). Em algum lugar entre 2280 e 1900 AC, as pedras azuis foram reerguidas e dispostas pelo menos três vezes, finalmente formando um círculo interno e uma ferradura entre o círculo sarsen e os trilithons, espelhando os dois arranjos de pedras sarsen. Este arranjo é essencialmente o monumento que vemos os restos de hoje.

Entre 2030 e 1520 aC, um anel duplo de poços oblongos, conhecidos como buracos Y e Z, foi cavado fora do círculo sarsen mais externo, possivelmente para receber outro conjunto de pedras. No entanto, não há evidências de que os buracos jamais tenham sustentado pedras ou postes de madeira e que eventualmente pudessem assorear naturalmente. Os buracos Y e Z parecem marcar o fim da atividade significativa no local e após c. 1520 AC não houve mais construção em Stonehenge, e o monumento parece ter sido abandonado.

História de amor?

Inscreva-se para receber nosso boletim informativo semanal gratuito por e-mail!

Mas por que Stonehenge foi construído e foi usado para isso? Como mencionado acima, o monumento certamente funcionou como um cemitério de cremação no início de sua história, provavelmente para o enterro de membros de elite de clãs ou famílias locais proeminentes. A presença de vários cemitérios ao redor de Stonehenge que exibem sinais de trauma ou deformidade sugeriu a alguns pesquisadores, entre eles o professor Timothy Darvill, da Universidade de Bournemouth, que o monumento era um local de cura, semelhante a uma Lourdes pré-histórica. Outros pesquisadores, como o professor Mike Parker Pearson, chefe do Projeto Stonehenge Riverside da Universidade de Sheffield, acreditam que Stonehenge funcionou como o domínio dos mortos em uma paisagem ritual que envolvia procissões sagradas até o monumento henge próximo às paredes de Durrington.

Mas seria errado tentar definir um único uso para Stonehenge. A função do monumento provavelmente mudou muitas vezes ao longo de sua história de 1500 anos, à medida que diferentes povos iam e vinham na paisagem circundante, e a natureza da sociedade mudou irrevogavelmente do Neolítico para a Idade do Bronze.


O que é Stonehenge?

A maravilha neolítica de Stonehenge

Para apreciar completamente o antigo local que é Stonehenge, um pouco de história ajuda a colocá-lo em perspectiva. Caso contrário, existe o risco de que as pessoas possam simplesmente vê-lo "frio", simplesmente como um anel de pedras em um campo árido no meio do nada.

Aqueles que vão lá tendo lido um pouco sobre nossos ancestrais neolíticos que o construíram e adoraram lá, muitas vezes voltam com sua 'experiência' de Stonehenge como uma memória de sua vida.

Portanto, esta página tem como objetivo fornecer algumas informações básicas e fatos sobre o povo neolítico que construiu Stonehenge, quando o construiu e as pedras que foram usadas. Temos outra página, Os Mistérios de Stonehenge, que é uma continuação natural desta página e cobre as teorias sobre para que Stonehenge foi usado e como foi construído.

Acreditamos que se você ler essas duas páginas antes de sua visita a Stonehenge, o conhecimento aumentará muito a sua diversão e proporcionará um certo nível de expectativa pelo que você verá em sua visita.


História Antiga de Stonehenge

Os arqueólogos foram capazes de estabelecer quando a construção de Stonehenge começou e estimar em 2700 aC, com as primeiras pedras grandes sendo colocadas por volta de 2500 aC.

As grandes pedras foram erguidas e, em seguida, a Avenue, um monumento de terraplenagem em grande escala estendendo-se por quase 2 milhas do rio Avon até a entrada nordeste de Stonehenge, foi iniciada. Arqueólogos afirmam que a construção foi concluída por volta de 2.000 aC com a colocação das pedras levantadas sobre o círculo de pedras colocadas antes e a colocação da pedra do calcanhar no início da avenida.

Modificações, esculturas e pedras periféricas continuaram a ser adicionadas nos próximos 500-1000 anos.

Abaixo está o desenho que mostra como o monumento concluído provavelmente parecia em 1500 aC.

Também agora que, devido ao tempo necessário para criar Stonehenge, vários grupos diferentes participaram da construção e, provavelmente, com motivações diferentes para o projeto.


Stonehenge T heories

Stonehenge também encorajou uma boa quantidade de argumentos cientificamente sólidos. Aqui estão poucas teorias que ainda existe:

Lugar para a cura

Esta teoria sugere que as pessoas de Idade da Pedra viu o site como um lugar de cura com as coisas curativas presentes nele.

Arqueólogos Timothy Darvill e Geoggry Wainwright estabelecido em 2008, aquele vasto número de ossos desenterrados de Stonehenge representava sinais de ferimentos ou doenças.

Eles também relataram a detecção de pedaços de Pedras azuis de Stonehenge foram as primeiras pedras construídas aqui, porém, foi danificada pelos povos primitivos. Provavelmente para usar como pedras para fins de proteção ou tratamento.

Uma paisagem sonora

De acordo com Steven Waller, pesquisador em Arqueoacústica, disse isso Circular de Stonehenge ereção foi desenvolvida para representar um engano de som.

Ele disse que se dois flautistas estivessem tocando os instrumentos em um campo, aquele que está ouvindo música ouviria um efeito estranho.

As pedras geram um impacto semelhante, excluindo as pedras, em vez de ondas sonoras conflitantes, dissuadindo o som, afirmou Steven na reunião do American Association para o Avanço da Ciência em 2012.

Ele afirmou ainda que as lendas conectadas com Stonehenge mencione flautistas também. Os círculos pré-históricos são convencionalmente chamados de pedras de flauta. Sua teoria é hipotética.

No entanto, outros cientistas corroboraram que Stonehenge tinha uma acústica excelente.

Um Observatório Celestial

Não faz diferença quando foi construído, pode ter sido criado tendo o sol em mente.

Um caminho ligando o lápide com o linha do rio Aven com o sol no solstício de inverno.

Provas arqueológicas revelam que porcos foram massacrados em Stonehenge em Dezembro e janeiro, insinuando provável celebração ou cerimônias nos monumentos ao longo do solstício de inverno.

Um lugar para sepultamento

De acordo com a nova pesquisa, provavelmente foi um cemitério originalmente para os exclusivos. Peças de caveira foram inicialmente desenterrados do local há séculos.

Contudo, arqueólogo não descobriram que os restos mortais eram tão importantes, então eles decidiram enterrá-los novamente.

Os pesquisadores britânicos novamente exumam os restos mortais de mais de 50.000 pedaços de crânio incineradoss do local onde foram abandonados, representando 63 seres separados.

Pretende marcar a sua próxima viagem? Confira os seguintes serviços que usamos e amamos ou clique no link anterior para ler mais!

Reservas Para encontrar as melhores ofertas de hotéis.
Melhores ofertas de voos internacionais para reservar em 2019.
Nômades do mundo para garantir sua viagem.
Hostelworld para encontrar um albergue econômico.
Jetradar reservar voo a preço barato.
Visitas guiadas GetyourGuide.


7 fatos fascinantes sobre a Inglaterra e o Mysterious Stonehenge # 8217s

Banco de fotos de The Walker / Shutterstock
Este post pode conter links afiliados. Se você fizer uma compra, o My Modern Met pode ganhar uma comissão de afiliado. Por favor, leia nossa divulgação para mais informações.

Um dos monumentos antigos mais famosos da história, Stonehenge há muito tempo capturou a imaginação do público. O monumento pré-histórico, localizado em Wiltshire, na Inglaterra, está envolto em mistério. Sua natureza enigmática tornou o local famoso desde sua redescoberta no século 18 e agora mais de 1 milhão de pessoas por ano se reúnem para caminhar entre as pedras.

O que há em Stonehenge que o torna tão fascinante? Talvez seja a conexão folclórica com os rituais dos antigos druidas ou talvez seja sua persistência na cultura popular. Os Beatles, Black Sabbath e Spinal Tap incluíram Stonehenge em suas músicas, enquanto ele é consistentemente apresentado no cinema e na televisão.

Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1986, Stonehenge se tornou tão popular entre os visitantes que agora existem cordas para evitar que o público se aproxime demais e danifique as pedras. Exceções a isso ocorrem durante o solstício de verão e inverno e o equinócio de primavera e outono, quando os visitantes têm permissão para passear entre as pedras.

Com tanto mistério em torno de Stonehenge, sua popularidade significa que cientistas e arqueólogos têm pesquisado extensivamente o local. Portanto, embora não tenhamos todas as respostas, há uma quantidade surpreendente de fatos de Stonehenge que ajudam a descascar as camadas da história em torno do sítio pré-histórico.

Banco de fotos de Nicholas Gray / Shutterstock

Stonehenge não foi construído de uma vez

Stonehenge, como o vemos agora, não é obra de um único período de construção. Em vez disso, a área foi construída em etapas ao longo de 1.500 anos. Inicialmente, o monumento era apenas um barranco circular e uma vala fechada. Concluída por volta de 3100 aC, a vala foi cavada com picaretas de chifre. A pedra tornou-se o material preferido por volta de 2600 aC e até 1600 aC foram erguidas e organizadas em estágios para se tornar o monumento que agora conhecemos.

Banco de fotos de Wayne Hilton Shakell / Shutterstock

Stonehenge era provavelmente parte de uma área sagrada maior

Salisbury Plain, onde Stonehenge está localizado, é um planalto de giz que se estende por 300 milhas quadradas. Stonehenge, que poderia ter funcionado como um cemitério, não é o primeiro monumento sagrado na área. Três grandes postes de madeira erguidos no local datam de 10.500 anos atrás, indicando que Salisbury Plain já era uma área sagrada muito antes de Stonehenge.

Em 2014, os cientistas divulgaram os resultados de um estudo de quatro anos que usou radar e outras técnicas não invasivas para fazer o levantamento da área. Curiosamente, eles encontraram uma série de santuários neolíticos ocultos que fornecem mais evidências para a teoria de que Stonehenge era uma pequena peça de um quebra-cabeça muito maior.

Banco de fotos de Rifki Alfirahman / Shutterstock

O monumento usa dois tipos de pedra

Existem dois tipos de pedras encontradas em Stonehenge & mdashlarger sarsens e pedras azuis menores. Sarsens, que são um tipo de arenito, são encontrados naturalmente na área ao redor do local. Os arqueólogos acreditam que os sarsens vieram de Marlborough Downs, que fica a 32 quilômetros de distância. As pedras azuis, por outro lado, viajaram muito mais longe. Ele pensou que eles foram trazidos de Preseli Hills, no sudoeste do País de Gales, que fica a cerca de 140 milhas de Stonehenge.

Recriação de como as pedras podem ter sido movidas para Stonehenge. (Banco de fotos de SherSS / Shutterstock)

O transporte continua sendo um mistério

Como muitas coisas sobre Stonehenge, como as rochas chegaram ao local permanece um mistério. Um sarsen médio pesa 25 toneladas, enquanto as pedras azuis pesam de 2 a 5 toneladas. Existem diferentes teorias sobre como essas pedras chegaram a Stonehenge, incluindo a ideia de que as pedras azuis foram trazidas para a planície de Salisbury por geleiras. No entanto, é mais do que provável que eles tenham sido transportados por humanos usando cursos de água e transportando-os sobre a terra.

Banco de fotos de Rifki Alfirahman / Shutterstock

A construção exigiu grandes feitos da engenharia

Fazer as pedras ficarem de pé exigiu um pouco de engenhosidade. No final, os construtores usaram uma técnica associada com mais frequência ao trabalho em madeira do que à alvenaria. Eles criaram orifícios de encaixe e encaixes salientes para encaixar as pedras usando juntas macho e fêmea. Claro, levantar as pedras também exigiu um pouco de engenharia.

Depois que um buraco foi cavado para as pedras, postes de madeira foram colocados na parte de trás do buraco para atuar como um suporte. A pedra foi então colocada em posição e içada para cima usando cordas enquanto entulho foi colocado no buraco para segurar a pedra no lugar.

Banco de fotos de Roger Nichol / Shutterstock

O DNA está ajudando a resolver os mistérios de quem construiu Stonehenge

Um dos maiores mistérios da história, não está claro exatamente quem construiu Stonehenge. Por muito tempo se acreditou que os druidas e os pagãos celtas e mdash o construíram como um local de adoração. No entanto, a construção em Stonehenge começou muito antes dos Druidas existirem.

Recentemente, um grupo de pesquisadores usou a análise de DNA para localizar as origens dos construtores. Depois de analisar o DNA de povos mesolíticos e neolíticos na Grã-Bretanha, eles notaram que havia grandes semelhanças genéticas com os agricultores da Europa Ocidental. Eles acreditam que cerca de 4000 fazendeiros aC da costa do Egeu migraram para a Grã-Bretanha, colocando-os no país no momento crítico em que Stonehenge estava sendo construído.

Banco de imagens de Charles Bowman / Shutterstock

Stonehenge tem uma longa história com astronomia

Stonehenge está há muito tempo entrelaçado com a astronomia, particularmente devido ao fato de que se alinha na direção do nascer do sol do solstício de verão e do pôr do sol do solstício de inverno. Isso foi notado pela primeira vez em 1720 por William Stukeley, o arqueólogo britânico que foi um dos pioneiros no estudo de Stonehenge.

Desde aquela época, muitos astrônomos renomados estudaram Stonehenge, tentando encontrar conexões entre sua construção e as estrelas. Uma das teorias mais famosas vem do astrônomo americano Gerald Hawkins. Sua publicação de 1963 Decodificado argumentou que Stonehenge poderia ter sido usado para prever eclipses.


Edifício Stonehenge

Stonehenge é apenas uma parte de uma paisagem sagrada maior que contém muitas outras estruturas de pedra e madeira, bem como túmulos. Os arqueólogos também encontraram evidências de uma caça pré-histórica generalizada e de uma estrada que pode ter levado a Stonehenge.

Pelo que os cientistas podem dizer, a planície de Salisbury era considerada uma área sagrada muito antes da construção de Stonehenge. Já em 10.500 anos atrás, três grandes postes de pinho, que eram uma espécie de postes totêmicos, foram erguidos no local.

A caça desempenhou um papel importante na área. Os pesquisadores descobriram cerca de 350 ossos de animais e 12.500 ferramentas ou fragmentos de sílex, a apenas uma milha de Stonehenge, as descobertas datando de 7500 a.C. a 4700 a.C. A presença de caça abundante pode ter levado as pessoas a considerarem a área sagrada.

Dezenas de túmulos foram descobertos perto de Stonehenge, indicando que centenas, senão milhares, de pessoas foram enterradas lá nos tempos antigos. Pelo menos 17 santuários, alguns em forma de círculo, também foram descobertos perto de Stonehenge. Uma "Casa dos Mortos" foi descoberta recentemente perto de Stonehenge que data de 3700 a.C.-3500 a.C.

Cerca de 5.500 anos atrás, duas obras de terraplenagem conhecidas como monumentos Cursus foram erguidas em Stonehenge, a mais longa das quais percorreu 3 km (1,8 milhas). Há 5.300 anos, duas enormes paliçadas de madeira em forma de óculos, que foram incendiadas durante as cerimônias, foram construídas em Avebury, perto de Stonehenge.

Em Stonehenge, mais construções ocorreram por volta de 5.000 anos atrás, com postes indicando que tanto pedras azuis quanto postes de madeira verticais estavam apoiados no local. Então, cerca de 4.600 anos atrás, um círculo duplo feito com dezenas de pedras azuis foi criado no local.

Por volta de 4.400 anos atrás, Stonehenge havia mudado novamente, tendo uma série de pedras sarsen erguidas em forma de ferradura, com cada par dessas pedras enormes tendo um lintel de pedra conectando-as. Por sua vez, um anel de sarsens circundava essa ferradura, seus topos se conectando entre si, dando a aparência de um círculo gigante de pedras interconectadas em torno da ferradura.

Há 4.300 anos, Stonehenge foi expandido para incluir a adição de dois anéis de bluestone, um dentro da ferradura e outro entre a ferradura e a camada externa de pedras sarsen interconectadas.

A construção em Stonehenge diminuiu cerca de 4.000 anos atrás. Com o passar do tempo, o monumento caiu em abandono e desuso, algumas de suas pedras caíram enquanto outras foram levadas embora. [Em fotos: Um passeio por Stonehenge]

Há uma conexão interessante entre os monumentos Cursus anteriores e o Stonehenge posterior. Os arqueólogos descobriram que o maior monumento de Cursus tinha dois poços, um no leste e outro no oeste. Esses poços, por sua vez, se alinham com a pedra do calcanhar de Stonehenge e uma avenida processional.

"De repente, você tem uma ligação entre [o longo poço Cursus] e Stonehenge por meio de dois poços enormes, que parecem estar alinhados ao nascer e pôr do sol no solstício de verão", disse o arqueólogo Vincent Gaffney, da Universidade de Birmingham, que está liderando um projeto para mapear Stonehenge e seus arredores.

Algumas das pessoas que construíram Stonehenge podem ter vivido perto do monumento em uma série de casas escavadas em Durrington Walls. Recentemente, os arqueólogos descobriram evidências de que as pessoas que viviam nessas casas se alimentavam de carne e laticínios. A rica dieta das pessoas que podem ter construído Stonehenge fornece evidências de que eles não eram escravos ou coagidos, disse uma equipe de arqueólogos em um artigo publicado em 2015 na revista Antiquity.


O que está abaixo de Stonehenge?

Caminhamos pela avenida, a antiga rota ao longo da qual as pedras foram primeiro arrastadas do rio Avon. Durante séculos, esse foi o caminho formal para o grande henge, mas agora o único indício de sua existência era uma ou duas reentrâncias na grama alta. Foi um belo dia de verão inglês & # 8217, com nuvens finas e rápidas acima, e enquanto passávamos por campos pontilhados de botões de ouro e margaridas, vacas e ovelhas, poderíamos ter caminhado em qualquer lugar, não fosse pelo monumento fantasmagórico nas proximidades distância.

Livros Relacionados

Vídeos relacionados

Vídeo: Por que este homem foi sacrificado em Stonehenge?

Vídeo: O que significa a sepultura em massa de Stonehenge

Conteúdo Relacionado

Fraca como a avenida estava, Vince Gaffney se apressava como se fosse iluminada pelas luzes da pista. Um arqueólogo baixo e ágil de 56 anos, natural de Newcastle upon Tyne, no nordeste da Inglaterra, ele conhece essa paisagem tão bem quanto qualquer pessoa viva: caminhou, respirou e estudou por incontáveis ​​horas. Ele não perdeu seu senso de admiração. Parando para fixar o monumento em sua linha de visão e estendendo a mão em direção às pedras no horizonte, ele disse: & # 8220Olhe, torna-se catedrático.”

O último esforço de pesquisa de Gaffney & # 8217s, o Stonehenge Hidden Landscapes Project, é uma colaboração de quatro anos entre uma equipe britânica e o Instituto Ludwig Boltzmann de Prospecção Arqueológica e Arqueologia Virtual na Áustria, que produziu a primeira pesquisa subterrânea detalhada da área ao redor de Stonehenge, totalizando mais de quatro milhas quadradas. Os resultados são surpreendentes. Os pesquisadores encontraram evidências enterradas de mais de 15 monumentos do Neolítico tardio anteriormente desconhecidos ou mal compreendidos: henges, carrinhos de mão, valas segmentadas, fossas. Para Gaffney, essas descobertas sugerem uma escala de atividade em Stonehenge muito além do que se suspeitava anteriormente. & # 8220Havia uma espécie de ideia de que Stonehenge estava sentado no meio e ao redor era efetivamente uma área onde as pessoas provavelmente foram excluídas, & # 8221 Gaffney me disse, & # 8220 um anel de mortos em torno de uma área especial & # 8212 para a qual poucas pessoas poderia ter sido admitido. Talvez houvesse padres, homens grandes, o que quer que fossem, dentro de Stonehenge fazendo procissões pela avenida. algo extremamente misterioso. É claro que esse tipo de análise depende de não sabermos o que realmente está acontecendo na área ao redor de Stonehenge. Era terra incógnita, realmente. & # 8221

Ninguém ainda colocou uma pá no solo para verificar as novas descobertas, que foram meticulosamente recolhidas por geofísicos e outros empunhando magnetômetros e radares de penetração no solo que examinam o solo para detectar estruturas e objetos vários metros abaixo da superfície. Mas Gaffney não tem dúvidas sobre o valor do trabalho & # 8217s. & # 8220Esta é uma das paisagens mais importantes, e provavelmente a paisagem mais estudada do mundo, & # 8221 diz ele. & # 8220E a área foi totalmente transformada por esta pesquisa. Não será o mesmo novamente. & # 8221

As alegrias e frustrações de todos os estudos arqueológicos & # 8212 talvez todas as investigações históricas & # 8212 adquirem um relevo particularmente nítido em Stonehenge. Mesmo para o observador mais casual, o monumento é profundamente significativo. Essas enormes pedras, posicionadas em anéis concêntricos no meio de uma bacia na planície de Salisbury, cuidadosamente colocadas por quem-sabe-quem há milhares de anos, devem significar & # 160algo. Mas ninguém pode nos dizer o quê. Não exatamente. As pistas que restam sempre serão insuficientes para nossa curiosidade. Cada avanço arqueológico produz mais perguntas e mais teorias a serem testadas. Nossa ignorância diminui em frações. O que sabemos é sempre ofuscado pelo que nunca poderemos saber.

Cada uma das enormes pedras azuis pesa entre quatro e oito toneladas e foram trazidas ao local do Norte de Gales, a 170 milhas de distância. (Foto de Henrik Knudsen, com agradecimentos ao English Heritage) A paisagem de Stonehenge, sugerem as novas evidências, guiou o movimento de grandes multidões. (Foto de Henrik Knudsen, com agradecimentos ao English Heritage) A pedra do calcanhar se alinha com o sol nascente no solstício de verão, visto do círculo de pedra, a cerca de 80 metros de distância. É um dos & # 8220um número excessivo & # 8221 de tais características na paisagem de Stonehenge. (Foto de Henrik Knudsen, com agradecimentos ao English Heritage) O enorme monumento de pedra erguendo-se da Planície de Salisbury deve ter sido uma visão impressionante para os visitantes antigos (acima, o local ao amanhecer). (Foto de Henrik Knudsen, com agradecimentos ao English Heritage) O Stonehenge Hidden Landscapes Project usou radares de penetração no solo (esquerda) e magnetômetros guiados por GPS (direita) para produzir o que equivale a um mapa 3-D de uma área de quatro milhas quadradas. (Foto de Henrik Knudsen, com agradecimentos ao National Trust, Stonehenge, Wiltshire) A noite apenas aumenta o mistério de Stonehenge (acima, um par de enormes trilithons). Era um templo? Um cemitério? Um lugar de cura? (Foto de Henrik Knudsen, com agradecimentos ao English Heritage) Os estudiosos acreditam que as primeiras pedras foram erguidas em Stonehenge por volta de 2600 a.C. e essa construção continuou no local por um milênio. (Foto de Henrik Knudsen, com agradecimentos ao English Heritage)

Considere a grande questão: Stonehenge era predominantemente um templo, um parlamento ou um cemitério? Foi um campo de cura? Não sabemos, com certeza. Sabemos que pessoas foram enterradas lá e que as pedras estão alinhadas de maneiras astronomicamente importantes. Também entendemos, por causa da composição química dos ossos de animais encontrados nas proximidades e da proveniência das pedras, que as pessoas viajaram centenas de quilômetros para visitar Stonehenge. Mas não podemos dizer, com certeza, por quê.

Tente uma pergunta mais simples: como as pedras azuis, que pesam entre quatro e oito toneladas cada, chegaram ao local, há quase 5.000 anos, de 170 milhas de distância, no oeste de Gales? Terra ou mar? Ambas as alternativas explodem com possibilidades, e ninguém tem uma teoria inexpugnável. Mike Parker Pearson, da University College London, está trabalhando em uma nova ideia de que as pedras azuis podem ter sido erguidas em enormes treliças de madeira e carregadas por dezenas de homens até o local. Mas é apenas uma teoria. Não podemos saber, definitivamente. Só podemos ter perguntas mais bem informadas.

Um mapa completo das descobertas do projeto & # 8217s será apresentado em 9 de setembro no British Science Festival em Birmingham, Inglaterra. (David Preiss)

A inefabilidade de Stonehenge não enfraqueceu nosso apetite. O site há muito provou ser irresistível para os escavadores. Em 1620, o duque de Buckingham mandou seus homens escavarem bem no centro do monumento. Embora eles não soubessem disso na época, eles cavaram no local de uma cova pré-histórica. Os homens de Buckingham encontraram crânios de gado & # 8220 e outras feras & # 8221 e grandes quantidades de & # 8220 carvões ou carvão & # 8221 & # 8212 mas nenhum tesouro, como esperavam.

No século 19, a escavação de carrinhos & # 8220 & # 8221 ou a escavação de monumentos pré-históricos e morros funerários era um passatempo popular entre a pequena nobreza latifundiária. Em 1839, um oficial da marinha chamado Capitão Beamish cavou cerca de 400 pés cúbicos de solo do nordeste da Pedra do Altar em Stonehenge. Como Parker Pearson observa em seu livro Stonehenge, Beamish & # 8217s & # 8220 buraco grande foi provavelmente o golpe final para quaisquer características pré-históricas. que ficava no centro de Stonehenge & # 8217s. & # 8221

Cursus delineado em efeitos especiais. (& # 169 October Films for Smithsonian Channel) Vince Gaffney (em uma cena de efeitos especiais no filme Império Stonehenge) fica acima do fosso misterioso na extremidade oeste do Cursus. (& # 169 October Films for Smithsonian Channel) Quadros de Império Stonehenge mostram pedras cujas localizações foram determinadas apenas em 2013. (& # 169 October Films for Smithsonian Channel) O monumento como teria aparecido em seu apogeu neolítico. (& # 169 October Films for Smithsonian Channel) O monumento como teria aparecido em seu apogeu neolítico. (& # 169 October Films for Smithsonian Channel)

O trabalho em Stonehenge tornou-se menos invasivo. Em 1952, Willard Libby & # 8212o químico americano e mais tarde um ganhador do Prêmio Nobel & # 8212 usou sua nova técnica de datação por radiocarbono em um pedaço de carvão de uma fossa dentro de Stonehenge para datar o monumento de 1848 a.C., 275 anos a mais ou a menos. Desde então, essa data foi refinada várias vezes. A opinião predominante é que as primeiras pedras foram erguidas no local por volta de 2600 a.C. (embora a construção de Stonehenge tenha sido realizada ao longo de um milênio e houvesse séculos de atividade ritual no local antes que as pedras estivessem no lugar).

Em 2003, Parker Pearson conduziu sua própria pesquisa, concentrando-se no assentamento próximo em Durrington Walls e na área entre lá e o rio Avon. Com base em cabanas, ferramentas e ossos de animais que descobriu, ele concluiu que as paredes de Durrington provavelmente abrigavam os trabalhadores que construíram Stonehenge. Com base em uma análise de restos mortais que posteriormente escavou em Stonehenge, ele também presumiu que, longe de ser um local de atividade religiosa cotidiana, Stonehenge servia como um cemitério & # 8211a & # 8220 local para os mortos. & # 8221

O Stonehenge Hidden Landscapes Project é diferente de tudo o que veio antes dele. Quando Gaffney e sua equipe começaram seu trabalho, estavam menos interessados ​​em teorias do que em dados. Para tanto, eles se concentraram em tirar o que equivale a uma fotografia tridimensional e com metros de profundidade de toda a paisagem. & # 8220A sabedoria percebida foi impulsionada pelos monumentos que conhecíamos & # 8221 diz Gaffney. & # 8220 & # 8217 Colocamos nos dados entre os monumentos. & # 8221

Chris Gaffney, irmão mais novo, mais franzino e menos volúvel de Vince & # 8217, foi um dos instigadores dessa nova abordagem. O avô da dupla era um professor de metalurgia de Newcastle com interesse em arqueologia, que levou seus espertos netos em viagens para a Muralha de Adriano, a velha barreira entre o Império Romano e o norte destruído. Não é de admirar que Vince tenha se tornado arqueólogo e Chris geofísico, agora na Universidade de Bradford.

O interesse dos irmãos Gaffney & # 8217 em novas tecnologias que estavam se tornando disponíveis para os arqueólogos os levou aos primeiros sistemas de magnetômetro guiado por GPS. Um magnetômetro tem sensores que permitem a um geofísico ver evidências de construções históricas e até antigas escavações de valas abaixo do solo mapeando as variações no campo magnético da Terra. As versões guiadas por GPS foram capazes de apontar algumas dessas descobertas com precisão de um centímetro. Os Gaffneys acreditavam que a bolsa de estudos de Stonehenge precisava de um magnetômetro massivo e um levantamento conduzido por radar de todo o local. & # 8220Nós simplesmente não & # 8217t sabíamos se havia algo & # 8217 lá, & # 8221 Vince Gaffney lembrou. & # 8220Assim, estamos construindo várias hipóteses com base em algo que não sabemos. & # 8221

Na mesma época, um arqueólogo austríaco chamado Wolfgang Neubauer, agora do Instituto Boltzmann, esperava realizar projetos de grande escala em toda a Europa usando ferramentas como magnetômetros GPS e radar de penetração no solo. A equipe da Neubauer & # 8217s também desenvolveu um software para processar os 40 ou 50 gigabytes de dados brutos que esses instrumentos poderiam criar em um dia. De repente, em vez de esperar semanas ou meses para ver o que as máquinas haviam encontrado, foi possível cobrir vários acres com magnetômetros e radar em um dia e exibir essas informações em uma tela quase que instantaneamente.

Uma das áreas que Neubauer queria escanear era Stonehenge e, na primavera de 2009, ele contatou Vince Gaffney. Poucos meses depois, o Instituto Boltzmann e a Universidade de Birmingham & # 8212 plus várias outras universidades, museus e empresas britânicas e europeias que contribuíram com conhecimento e recursos & # 8212 começaram sua colaboração em Stonehenge.

Their first days on site, Gaffney recalled, were “like a geophysical circus has come to town.” Tractors pushed the ground-penetrating radars, which looked like high-powered lawn mowers. All-terrain vehicles dragged the magnetometer sensors on long strings. Delicate instruments covering hard, uneven ground kept mechanics and technicians busy. “I have seen one of our magnetometers shear clear apart in front of me,” said Gaffney. “It was back in service the next day.” In all, the fieldwork took about 120 days, spread over four years.

In a multimedia room at the University of Birmingham there was a vast touch screen, six feet by nine, on which a new map of the Stonehenge landscape appeared. Gaffney pointed out the key features.

There was Stonehenge itself, marked by the familiar circles. To the north was the long, thin strip called the Stonehenge Cursus or the Greater Cursus, which was demarcated by ditches, and ran east to west for nearly two miles. (The Cursus was given its name by the antiquarian William Stukeley in the 18th century because it looked like an ancient Roman race course. Its construction predates the first building work at Stonehenge by several hundred years.) Gaffney also pointed out the Cursus Barrows—hillocks containing mass human graves—just south of the Cursus itself, and King Barrow Ridge to the east.

Scattered all over the map were blotches of black: features without names. These were new finds, including the more than 15 possible new or poorly understood Neolithic monuments. Gaffney emphasized possível, acknowledging that it will require digging—“the testimony of the spade”—to discover precisely what was there.

Standing in front of this constellation of evidence, he seemed unable to decide where to start, like a child at the Christmas tree. “These are little henge monuments,” he said, touching the screen to highlight a group of black smudges. “Nice little entrance there, and a ditch. These things we know nothing about.”

He saved his greatest enthusiasm for the discoveries that had been made in the Cursus. This feature, said Gaffney, had always been thought of as a “bloody great barrier to the north of Stonehenge.” Nobody knew quite what it was for. Because the Cursus runs east to west, archaeologists have always believed that its presence owes something to the passage of the sun. The monument must be significant: It was dug in the fourth millennium B.C. using antler picks—hundreds of thousands of man-hours went into its construction.

The Hidden Landscapes Project’s instruments discovered several new clues. First of all, they found gaps in the ditch, in particular a very large break in the northern side, to allow people to enter and exit the Cursus. Now, instead of seeing the Cursus exclusively as a monument that encouraged movement along the path of the sun, east to west, Gaffney began to consider these gaps as “channels through the landscape” to guide the movement of people north to south.

A bigger discovery, Gaffney says, was a “bloody huge” pit about five yards in diameter at the eastern end of the Cursus. Today it lies buried at least three feet below the surface of the ground. Such a pit was much too large for a practical use—for instance, burying trash—because of the labor involved in digging it. In the archaeologists’ minds it could only have ritual implications, as “a marker of some kind,” Gaffney said. What’s more, if you drew a straight line between the pit and the heelstone at Stonehenge, it ran directly along the final section of the Avenue, on the path of the sunrise on the summer solstice.

“We thought, That’s a bit of a coincidence!” Gaffney recalled. “That was the point at which we thought, What’s at the other end? And there’s another pit! Two pits, marking the midsummer sunrise and the midsummer solstice, set within a monument that’s meant to be something to do with the passage of the sun.”

With his hands passing over the map, Gaffney showed how—on the longest days of the year—the pits formed a triangle with Stonehenge marking sunrise and sunset.

“Nobody had ever seen these pits before,” he continued. “But they link the area of Stonehenge with the Cursus directly. Either these things have been put inside the Cursus to mark these points, or the Cursus has been wrapped around them.”

What was so interesting about the Cursus pits was that they told a story about the landscape. The “sunrise” pit was visible from Stonehenge, but the “sunset” pit was not—it was nestled behind a ridge, and could have been seen only if there had been fire and smoke coming from it. (At some point the pits will have to be excavated for evidence of such activity.) These discoveries fed into a larger understanding of Stonehenge as “diachronic”—operating in light and dark, sunrise and sunset, day and night.

“The point I think we’re coming to,” said Gaffney, “is that increasingly we can see the area around Stonehenge as providing extensive evidence for complex liturgical movement—which we can now understand, largely because we know where things are.”

Parker Pearson, for his part, takes a cautious view of the new research. “Until you dig holes, you just don’t know what you’ve got,” he told me in his office at University College London. “What date it is, how significant it is. [There are] extraordinary new features coming up, and we’re thinking well, what are they?”

To be sure, he said the data from the Hidden Landscapes Project “backs up the pattern we’ve already been seeing for some years. We have an excessive number of solstice-aligned monuments in that landscape. Nowhere in the rest of Europe comes even close.” He added, “This is fantastic stuff that’s been done, and it’s raised a whole series of new questions,” he said. “It’s going to take years.”

The clouds shifted in front of the sun, dappling the landscape with shadow. Gaffney and I were walking the Avenue, 300 yards or so from Stonehenge, and in the distance a string of barrows gleamed like opals. Although he acknowledged the fallibility of all archaeological projection (“In the end,” he said, “we are all wrong”), his work has led him to a new interpretation of how Stonehenge was used.

Gaffney’s idea was not to focus on Stonehenge itself, but on “processionality” within the whole landscape. He imagined people moving around the area like Roman Catholics processing through the Stations of the Cross. He recalled an Easter Friday ritual he saw in Croatia, in which a “bloke with a cross” led fellow barefoot celebrants on a miles-long trip. In Gaffney’s view, the building of the great stone circle was a “monumentalizing” of a similar, if heathen, procession.

As we walked downhill through the fields, Gaffney stopped from time to time to point out the hillocks in which “the illustrious dead” were buried. He also noted how the Avenue was not a straight line between the Avon and Stonehenge, but rather a series of tacks that brought the visitor to the Stonehenge site in a “theatrical” way, along the line of sunrise on the summer solstice.

He thrust himself into the mind of a Bronze Age visitor to the site. “You will have seen nothing like it,” he said. “It would have been massively impressive.” Soon we descended into a valley called Stonehenge Bottom, only a hundred yards or so from the great stones. “They’re disappearing. Watch, just watch!” he said.

Within a few yards, the monument became invisible. When you picture Stonehenge in your mind’s eye, you imagine the concentric rings of vast stones standing in a desolate open landscape, visible for miles around. But now, here we were, a hundred yards away, and the thing had gone.

We stood in a field, watched by some lethargic cows, and savored the strangeness of the moment. Then, as we stepped uphill, Stonehenge re-emerged on the horizon. It happened fast. The lintels, then the great sarsens, then the smaller bluestones were suddenly before us.

Gaffney’s voice lifted. He spoke about Jerusalem Syndrome: the feeling of intense emotion experienced by pilgrims on their first sighting of the Holy City. In the prehistoric world, there was no conception of God as he was understood by the later Abrahamic faiths. But, said Gaffney, as Stonehenge reappeared before us, “whatever the ancient version of Jerusalem Syndrome is, that’s what you’re feeling now.”


'Substantial stones'

"Each outcrop was found to have a different geochemical signature, but it was the chance to test the returned core that enabled us to determine the source area for the Stonehenge sarsens."

Ms Greaney said: "To be able to pinpoint the area that Stonehenge's builders used to source their materials around 2,500 BC is a real thrill.

"While we had our suspicions that Stonehenge's sarsens came from the Marlborough Downs, we didn't know for sure, and with areas of sarsens across Wiltshire, the stones could have come from anywhere.

"They wanted the biggest, most substantial stones they could find and it made sense to get them from as nearby as possible."

Ms Greaney added the evidence highlights "just how carefully considered and deliberate the building of this phase of Stonehenge was".


Comments

AS a suggestion, and to finally settle matters between yourselves, please build a replica with the Aubrey holes and all the bits everyone speculates about, aligned exactly howsoever your belief system concludes things should be, and check out your theories in 3D instead of computer models that are too far removed from human experience to impress.

Then , while you are at it- and it can just be a small scale balsa wood model, or even clay fired replicas of all the stones etc try remembering the debut of 2001: and the apes are yourselves.

Our paper does not speak of religion, shaman or elites. The 93 page paper, The Stonehenge Carvings, discusses the evolution of calendar keeping at Stonehenge. And that's all.

The Aubrey hole circle was a calendar counting device. I have no idea what they used the construction in the centre for. That wasn't needed for calendar keeping.

In your reply to my post you make a number of statements for which there is no proof at all. The concept of shaman and the concept of religious elites guarding secrets to maintain a grip on the "ignorant" populace is , of course, very popular amongst academics who themselves imagine they are an elite. But there is some trueh missing from these concepts, as you will have noticed how much we, as others, communicate with each other. No practical knowledge of this at all has ever been kept secret from populations, since if there were elites then and there as you claim, they are entirely and wholly dependant for sustenance and defence etc on the population as a whole, whom historically they have always helped and guided in these ways, unless as Galileo and Copernicus they were shut up , not to preserve secrecy, but to save face.

No, a religious elite exists and guards secrets of a spiritual nature, and these shamans, guides etcetera have always existed outside of buildings and any organized religions and worship, so that even the concept of Stonehenge being a construction for the benefit of initiates, druids or shamans is ridiculous, laughable. Additionally all the holes and markers you have researched so well, and with such commitment very probably had some part in the way that Stonehenge was built. Just as builders leave measuring marks now. What I noticed years later again trying to read Le Mesuriers (clue?) book on Gizeh was how he was consistently taking mere coincidence between unrelated measurements in unrelated fields, and even dimensions of time and space, to be significant, and to have meaning, where it all really only smoke and mirrors, like poetry and philosophy and religious "doctrines" are.

Much of what you say is quite true and I have lived in a place for more than 40 years and have been able to watch the Sunset every evening when it wasn't raining or snowing. and over time I knew where about the sun should be at Summer Solstice etc.

Farming is mostly the weather. I have planted at the end of May but this year, planting might be ok in a couple of weeks. You harvest when things are ripe. You don't need a calendar for that.

In 3000 BCE people were very much into astrology and astrologers then were astronomers. Astronomy is at the root of surveying and navigating. There is plenty of proof on the landscape of many countries were people have been surveying. If you wanted to go out to sea, you needed to know astronomy and navigation which was based on that astronomy.

From the grave goods in some of the barrows we can see that there were elites. With elites usually come the shaman? priests? astronomer/astrologers? or all those things. They set the feast days which were based on the calendar and it would be very handy to be able to tell folks to get ready for the feast in ten days. Your average farmer was not going to be able to tell you that by just looking at Sunset. Ordinary folks never did figure out eclipses, that was kept secret and used. That knowledge was power to those who knew how to use it.

We take calendars for granted, every device has one. Eclipses are a curiousity, no longer something to fear and we have GPS to take us anywhere. But then there was only the stars, the Sun and the Moon to keep track by.

The best example of such speculations still has to be "The Great Pyramid Decoded". However we must ask ourselves WHY exactly people become obsessed with calendars and "ley" lines and imagine it a Great Discovery that the sun rises at a certain point at the same place every year depending on your viewpoint and position.

Not to unkind, BUT, unfortunately we can all make exactly the same observations at home and mark then on the window or the garden wall or whatever, and we can all do this without having to build pyramids, or Henges, or Karnac or Avebury or Callaneish or Northgrange.

Just as we all have watches, so too very probably did the ancients, as this kind of knowledge is not the sort that can be kept secret by some sort of "sacred priesthood".

ANY group of stones, or trees can be turned into a clock or a calendar, and there are a myriad of easily readable signs in Nature indicating sowing times etc- ask any farmer anywhere on Earth.

So NO! that was not the purpose of these standing stones, or any others, in that it was not there reason for being, or the cause of their being transported with difficulty and put up in a pattern. If you go to Carnac in France there are a lot of stones. There are a lot of stones at Avebury, and unlike Stonehenge, you do not get charged £20 to see them!!

But they are just stones. Back in the day, there was no TV or radio. There was no writing, no literature that we know of, and Asterix and Obelix just needed something to do that would create an interesting activity and a community, maybe somebody thought, we could create something that will impress and yes, possibly mystify future generations, just like artists do now. They could just be sculptures.


We Want Details!

That’s fine for the children. De acordo com Richard Morin, Washington Post Polling Director, in a 1999 article raising concerns about “dumbing down”, especially in journalism, marketers and reporters gleefully drive “the controversy rather than merely report the facts.”

The news media, according to Morin, were getting “increasingly careless with the news” condescending its audiences by boiling down anything that sounds challenging to its lowest common denominator: God forbidding that readers might have to learn something. And now, twenty years later, when English archaeologists gain a richer understanding of the underlying mechanics of one of the world’s most iconic ancient buildings, these days we get the “Lego” version.

Lego can be made into some wonderful creations, and it’s longevity as an immensely popular children’s toy is laudable, but it is almost disrespectful to those ancient people who with bone tools carved, transported, shaped, raised and locked into time a magnificence unrivaled anywhere in the world. Meccano, is just far more appropriate.

Top image: The rare photo showing the ingenious Stonehenge engineering. Fonte: English Heritage

Ashley

Ashley is a Scottish historian, author, and documentary filmmaker presenting original perspectives on historical problems in accessible and exciting ways.

He was raised in Wick, a small fishing village in the county of Caithness on the north east coast of. consulte Mais informação


Assista o vídeo: Scientists Finally Crack Stonehenge Mystery