Franklin Roosevelt funda a March of Dimes

Franklin Roosevelt funda a March of Dimes

Franklin Delano Roosevelt, uma vítima adulta da poliomielite, fundou a National Foundation for Infantile Paralysis, que mais tarde ele rebatizou de Fundação March of Dimes, em 3 de janeiro de 1938. Uma doença predominantemente infantil no início do século 20, a poliomielite causou estragos entre as crianças americanas todo verão. O vírus, que afeta o sistema nervoso central, floresceu em alimentos e água contaminados e era facilmente transmitido. Aqueles que sobreviveram à doença geralmente sofreram de paralisia debilitante em sua vida adulta. Em 1921, com a idade relativamente avançada de 39 anos, Roosevelt contraiu poliomielite e perdeu o uso das pernas. Com a ajuda da mídia, seu Serviço Secreto e planejamento cuidadoso de eventos, Roosevelt conseguiu manter sua doença longe dos olhos do público, mas sua experiência pessoal inspirou nele uma empatia com os deficientes e o levou a fundar a March of Dimes.

Em 1926, Roosevelt fundou a Fundação Georgia Warm Springs, sem fins lucrativos, no local das nascentes que visitou para participar dos efeitos terapêuticos das águas. Doze anos depois, ele reinventou a instituição de caridade como a National Foundation for Infantile Paralysis (NFIP). O NFIP era uma associação não-partidária de cientistas da saúde e voluntários que ajudaram a financiar pesquisas para uma vacina contra a poliomielite e ajudaram as vítimas no longo caminho da reabilitação física. Fundada originalmente por meio da generosidade de celebridades ricas nos Baile de Aniversário do Presidente, a fundação não conseguiu arrecadar dinheiro rápido o suficiente para acompanhar o número contínuo de vítimas da poliomielite nas crianças da América e, durante a Depressão, a epidemia de poliomielite piorou. Em 1938, Roosevelt decidiu apelar para a ajuda do público em geral. Em uma arrecadação de fundos, o cantor Eddie Cantor, em tom de brincadeira, pediu ao público que enviasse moedas ao presidente, criando o termo March of Dimes. O público levou seu apelo a sério, inundando a Casa Branca com 2.680.000 moedas e milhares de dólares em doações.

Nos anos seguintes, a March of Dimes continuou a liderar lucrativas campanhas de arrecadação de fundos que estabeleceram o modelo para outras fundações relacionadas à saúde. Em 1941, a fundação forneceu financiamento para o desenvolvimento de um pulmão de ferro melhorado, que ajudou os pacientes com pólio a respirar quando o controle muscular dos pulmões foi perdido. O March of Dimes nomeou o Dr. Jonas Salk para liderar a pesquisa de uma vacina contra a poliomielite em 1949. Roosevelt, que morreu em 1945, não viveu para ver Salk desenvolver e testar a primeira vacina contra a poliomielite bem-sucedida em 1955.


A inspiradora história da era da depressão sobre como a 'March of Dimes' ganhou seu nome

Hoje, é fácil para os americanos darem como certo a possibilidade de mergulhar em uma piscina pública ou sentar-se em um cinema lotado sem se preocupar em contrair poliomielite.

Mas a vida era assim há 80 anos, quando o presidente Franklin Delano Roosevelt & mdash, que havia contraído poliomielite em 1921 aos 39 anos, fundou a National Foundation for Infantile Paralysis. A organização, que foi lançada oficialmente em 3 de janeiro de 1938, estava por trás da popular campanha de arrecadação de fundos March of Dimes. A ideia surgiu das & # 8220Birthday Balls & # 8221 que FDR havia organizado em seu aniversário por vários anos consecutivos, para arrecadar dinheiro para pesquisar uma cura para a poliomielite, bem como para os esforços para cuidar de pacientes e prevenir a propagação da doença .

O apoio de FDR & # 8217 à organização ajudou a elevar o perfil do público para os esforços de pesquisa de maneira crítica. Mas criar o nome & # 8220March of Dimes & # 8221 para sua principal campanha de arrecadação de fundos foi obra do comediante Eddie Cantor.

Ele compreendeu instantaneamente o apelo do [nome & # 8217s], com base em um trocadilho com o cinejornal contemporâneo, The March of Time, & # 8221 de acordo com a organização. Transmitido pela primeira vez no rádio no início dos anos 1930, The March of Time, um produto da Time Inc., tornou-se ainda mais conhecido quando as recapitulações dos noticiários de 20 minutos foram veiculadas nos cinemas.

Receba nosso Boletim de História. Coloque as notícias de hoje & # x27s em contexto e veja os destaques dos arquivos.


Pesquisar a Lei dos Americanos com Deficiências

Os Arquivos Nacionais mantêm muitos registros relacionados a cidadãos americanos com deficiência. De cartas pessoais a legislação histórica, esses registros fornecem uma visão sobre os esforços durante o século passado para estabelecer programas e proteger os direitos das pessoas com deficiência.

Esta página apresenta uma seleção desses registros do acervo das Bibliotecas Presidenciais.

Lei dos Americanos com Deficiências

Assinado em 26 de julho de 1990, o ADA foi a primeira lei abrangente de direitos civis para pessoas com deficiência. Essa lei inspirou outras nações a aprovar suas próprias leis de direitos civis para pessoas com deficiência.

Presidente Franklin D. Roosevelt e a March of Dimes

Em 1921, quando Franklin D. Roosevelt tinha trinta e nove anos, ele contraiu paralisia infantil, mais comumente conhecida como poliomielite. Inicialmente, a doença afetou quase todo o seu corpo, mas eventualmente ele não conseguia ficar em pé ou andar sem ajuda.

Em 1927, Roosevelt formou a Warm Springs Georgia Foundation. Esta organização mais tarde ficou conhecida como a March of Dimes e com a ajuda de muitas organizações e cidadãos comuns, arrecadou milhões de dólares para combater a poliomielite. Jonas Salk, com financiamento da March of Dimes, desenvolveu uma vacina que estancou a propagação da doença em 1955.

Presidente John F. Kennedy e Programas para Deficiências Intelectuais

Quando John F. Kennedy iniciou seu governo, a deficiência intelectual era um assunto negligenciado. Poucos cientistas estavam pesquisando suas causas, e ainda menos médicos e educadores foram treinados para apoiar pessoas com deficiência intelectual e suas famílias. A família Kennedy tinha uma ligação pessoal com o problema. A irmã do presidente Kennedy, Rosemary, dezesseis meses mais nova, nasceu com deficiência intelectual.

A pedido de sua irmã, Eunice Kennedy Shriver, Kennedy fez dessa questão uma prioridade para seu governo.


Esta semana na história de Roosevelt: 1 a 7 de janeiro

3 de janeiro de 1938: FDR estabelece a March of Dimes. O nome original desta organização era National Foundation of Infantile Paralysis.

Franklin D. Roosevelt acenando com um cheque representando os lucros do primeiro Baile de Aniversário na Casa Branca.
1 ° de fevereiro de 1934
Coleção de fotos da biblioteca FDR. NPx. 82-71 (20).


FDR e a March of Dimes

Em agosto de 1921, Franklin Roosevelt foi nadar com seus filhos perto de sua casa de férias na costa do Maine. Após um dia de extenuantes atividades ao ar livre que o deixaram com uma sensação ligeiramente febril e fatigada, o ex-secretário adjunto da Marinha de trinta e nove anos decidiu ir para a cama cedo, sem jantar. Em 48 horas, ele estaria paralisado do peito para baixo. Embora sua condição física melhorasse e ele nunca permitisse que sua deficiência atrapalhasse suas ambições, o futuro Presidente dos Estados Unidos seria incapaz de andar ou ficar de pé sem apoio pelo resto de sua vida.

Embora os desafios de Roosevelt com a poliomielite tenham sido amplamente documentados, seu papel em ajudar a vencer o vírus é menos conhecido.

Oitenta anos atrás, neste mês, Franklin Delano Roosevelt fundou a Fundação Nacional para a Paralisia Infantil, dedicada ao combate à poliomielite. (Embora FDR fosse adulto na época de seu diagnóstico, a grande maioria das pessoas que contraíram a doença o fizeram na infância.)

FDR e filho em sua casa de férias, 1912. Cortesia de Roosevelt Campobello International Park.

Agora conhecido como March of Dimes, em homenagem à arrecadação de fundos onde as pessoas foram encorajadas a doar tão pouco quanto dez centavos em homenagem ao aniversário do presidente, o financiamento e o apoio desta organização foram fundamentais para a descoberta das vacinas contra a poliomielite de Jonas Salk e Albert Sabin.

Um outdoor de 1942 na Califórnia, patrocinado pela National Foundation for Infantile Paralysis, posteriormente March of Dimes. O compromisso de Franklin D. Roosevelt em ajudar os pacientes da pólio continuou ao longo de seus anos na Casa Branca. Cortesia da Biblioteca FDR.

A associação entre o 32º presidente e as moedas enviadas à Casa Branca durante sua presidência contribuiu muito para que a imagem de FDR fosse colocada na moeda em 1946, onde permanece até hoje.

Tendo alcançado um sucesso incrível na erradicação da pólio na maior parte do mundo, hoje a Fundação March of Dimes lidera os esforços para melhorar a saúde de bebês e mães, com foco mais urgente na redução de defeitos congênitos, parto prematuro e perda de vidas entre recém-nascidos e bebês.


Conteúdo

O presidente Franklin D. Roosevelt morreu em 12 de abril de 1945, após liderar os Estados Unidos durante grande parte da Grande Depressão e da Segunda Guerra Mundial. Roosevelt sofria de poliomielite desde 1921 e ajudara a fundar e apoiar fortemente a March of Dimes para combater aquela doença incapacitante, então a moeda de dez centavos era uma forma óbvia de homenagear um presidente popular por sua liderança na guerra. [6] [7] Em 3 de maio, o representante da Louisiana James Hobson Morrison apresentou um projeto de lei para uma moeda de dez centavos Roosevelt. [8] Em 17 de maio, o secretário do Tesouro Henry Morgenthau Jr. anunciou que o Mercury dime (também conhecido como Winged Liberty dime) seria substituído por uma nova moeda representando Roosevelt, para entrar em circulação no final do ano. [9] Aproximadamente 90 por cento das cartas recebidas por Stuart Mosher, editor da O numismata (o jornal da American Numismatic Association), apoiaram a mudança, mas ele próprio não, argumentando que o design de Mercury era bonito e que o espaço limitado na moeda de dez centavos não faria justiça a Roosevelt, ele defendeu um dólar de prata comemorativo em vez disso . [10] Outros objetaram que, apesar de seus méritos, Roosevelt não ganhou um lugar ao lado de Washington, Jefferson e Lincoln, os únicos presidentes homenageados nas moedas em circulação até aquele ponto. [11] Como o projeto de Mercúrio, cunhado pela primeira vez em 1916, foi elaborado por pelo menos 25 anos, ele poderia ser alterado sob a lei pelo Bureau da Casa da Moeda. Nenhuma ação do Congresso foi necessária, embora os comitês de cada casa com jurisdição sobre a cunhagem fossem informados. [12]

A criação do novo desenho foi responsabilidade do gravador-chefe John R. Sinnock, que estava em sua posição desde 1925. [13] Muito do trabalho na preparação da nova moeda foi feito pelo assistente de Sinnock, mais tarde o gravador-chefe Gilroy Roberts. [14] No início de outubro de 1945, Sinnock apresentou modelos de gesso ao Diretor Assistente da Casa da Moeda F. Leland Howard (então atuando como diretor), que os transmitiu à Comissão de Belas Artes. Essa comissão analisa os designs das moedas porque foi incumbida por uma ordem executiva de 1921 do presidente Warren G. Harding de fornecer opiniões consultivas sobre obras de arte públicas. [15]

Os modelos apresentados inicialmente pela Sinnock mostravam um busto de Roosevelt no anverso e, no verso, uma mão segurando uma tocha, e também segurando ramos de oliveira e carvalho. Sinnock preparou vários outros esboços para o reverso, incluindo um flanqueando a tocha com pergaminhos inscritos com as Quatro Liberdades. Outros rascunhos mostravam representações da deusa Liberdade, e um comemorava a Conferência das Nações Unidas de 1945, exibindo a War Memorial Opera House onde ela ocorreu. [16] O numismata David Lange descreveu a maioria dos designs alternativos como "fracos". [17] Os modelos foram enviados em 12 de outubro por Howard a Gilmore Clarke, presidente da comissão, que consultou seus membros e respondeu no dia 22, rejeitando-os, afirmando que "o chefe do falecido presidente Roosevelt, retratado pelo modelos, não é bom. Precisa de mais dignidade. " [13] Sinnock apresentou um design reverso alternativo semelhante à moeda eventual, com a mão omitida e os ramos colocados em ambos os lados da tocha que Clarke preferia. [18]

Sinnock compareceu a uma conferência na casa de Lee Lawrie, escultor membro da comissão, com o objetivo de resolver as divergências, e a seguir apresentou um novo modelo para o anverso, abordando as preocupações sobre a cabeça de Roosevelt. A diretora da Casa da Moeda, Nellie Tayloe Ross, enviou fotos à comissão, que a rejeitou e propôs um concurso entre cinco artistas, incluindo Adolph A. Weinman (designer do Mercury dime e Walking Liberty meio dólar) e James Earle Fraser (que havia esculpido o níquel Buffalo). Ross recusou, pois a Casa da Moeda estava sob grande pressão para ter as novas moedas prontas para a campanha de March of Dimes em janeiro de 1946. O novo secretário do Tesouro, Fred Vinson, foi apelado, mas ele também não gostou dos modelos e os rejeitou perto do fim de dezembro. Sinnock trocou as posições da data e da palavra LIBERDADE, permitindo um alargamento da cabeça. Ele também fez outras alterações, de acordo com o autor de numismática Don Taxay, "Roosevelt nunca pareceu melhor!" [18]

Lawrie e Vinson aprovaram os modelos. Em 8 de janeiro, Ross telefonou para a comissão, informando-os disso. Com Sinnock doente (ele morreu em 1947) e a campanha da March of Dimes em andamento, Ross não esperou por uma reunião completa da comissão, mas autorizou o início da produção. Isso causou algum mal-estar entre a Casa da Moeda e a comissão, mas ela acreditava ter cumprido suas obrigações sob a ordem executiva. [19]

O anverso da moeda mostra o presidente Roosevelt, com as inscrições LIBERDADE e EM DEUS NÓS CONFIAMOS. As iniciais de Sinnock, JS, são encontrados pelo corte do busto, à esquerda da data. O reverso mostra uma tocha no centro, representando a liberdade, ladeada por um ramo de oliveira que representa a paz e um de carvalho simbolizando força e independência. A inscrição E PLURIBUS UNUM (entre muitos, um) se estende pelo campo. O nome do país e o valor da moeda são as lendas que circundam o reverso, [20] que simboliza o fim vitorioso da Segunda Guerra Mundial. [7]

O numismata Mark Benvenuto sugeriu que a imagem de Roosevelt na moeda é mais natural do que outros retratos presidenciais, lembrando uma medalha de arte. [7] Walter Breen, em seu abrangente volume sobre as moedas dos EUA, argumentou que "o novo design não foi. Nenhuma melhoria em relação ao Weinman [Mercury dime], exceto para eliminar os fasces [no reverso] e tornar a vegetação mais reconhecidamente uma oliveira ramo pela paz. " [21] O historiador de arte Cornelius Vermeule chamou a moeda de Roosevelt de "uma moeda limpa, satisfatória e modestamente elegante, sem sentido que em vista total sai com notas de grandeza". [22]

Alguns, na época do projeto e desde então, viram semelhanças entre a moeda de dez centavos e uma placa representando Roosevelt esculpida pela escultora afro-americana Selma Burke, inaugurada em setembro de 1945, que está no Recorder of Deeds Building em Washington Burke estava entre os alegados seu trabalho foi usado por Sinnock para criar a moeda de dez centavos. [21] Ela defendeu esta posição até sua morte em 1994, e convenceu uma série de numismatas e políticos, incluindo o filho de Roosevelt, James. Numismatas que apóiam seu ponto para o fato de que Sinnock tirou sua representação do Sino da Liberdade, que aparece no Sesquicentenário de 1926 meio dólar e Franklin meio dólar (1948-1963), de outro designer sem dar crédito. No entanto, Robert R. Van Ryzin, em seu livro sobre os mistérios das moedas dos Estados Unidos, apontou que Sinnock esboçou Roosevelt da vida em 1933 para sua primeira medalha presidencial (desenhada por Sinnock) e relatos da época da emissão do estado de moeda que Sinnock usou essas, bem como fotos do presidente, para preparar a moeda. [23] Um obituário de 1956 em O jornal New York Times credita Marcel Sternberger por ter tirado a fotografia que Sinnock adaptou para a moeda de dez centavos. [24] De acordo com Van Ryzin, a passagem do tempo tornou impossível verificar ou invalidar a afirmação de Burke. [25]

O centavo Roosevelt foi atingido pela primeira vez em 19 de janeiro de 1946, na Casa da Moeda da Filadélfia. [26] Ele foi lançado em circulação em 30 de janeiro, que teria sido o 64º aniversário do presidente Roosevelt. [20] A data de lançamento planejada era 5 de fevereiro, mas foi adiada para coincidir com o aniversário. [26] Com sua estreia, Sinnock se tornou o primeiro gravador chefe a receber o crédito pelo desenho de uma nova moeda norte-americana em circulação, desde que aquelas desenhadas por Charles E. Barber foram emitidas pela primeira vez em 1892. [27] O lançamento das moedas foi digno de nota. evento, e a demanda pelo novo design permaneceram fortes, embora muitos dos oponentes de Roosevelt, particularmente os republicanos, tenham ficado indignados. [28] Houve relatos de que o novo centavo foi rejeitado nas máquinas de venda automática, mas nenhuma alteração na moeda foi feita. [26] O design da moeda de dez centavos não mudou muito em seus mais de setenta anos de produção, as alterações mais significativas sendo pequenas mudanças no cabelo de Roosevelt e a mudança da marca da casa da moeda do reverso para o anverso na década de 1960. [27]

Na época em que as moedas foram lançadas, as relações com a URSS estavam se deteriorando e as iniciais de Sinnock, JS, foram considerados por alguns como se referindo ao ditador soviético Joseph Stalin, colocado lá por um simpatizante comunista. Assim que esses rumores chegaram ao Congresso, a Casa da Moeda enviou comunicados à imprensa desmascarando esse mito. [29] [30] Apesar da negação da Casa da Moeda, havia rumores na década de 1950 de que havia um acordo secreto na Conferência de Yalta para homenagear Stalin em uma moeda dos EUA. [26] A polêmica ganhou vida em 1948 com o lançamento póstumo de Franklin de Sinnock, meio dólar, que leva suas iniciais JRS. [31]

Embora geralmente mais moedas fossem cunhadas na Filadélfia do que nas outras casas da moeda durante os anos em que a moeda foi cunhada em prata, apenas 12.450.181 foram cunhadas lá em 1955, menos do que na Casa da Moeda de Denver ou em São Francisco. Isso se deveu a uma economia em queda e uma demanda sem brilho por moedas que levou a Casa da Moeda a anunciar em janeiro que a Casa da Moeda de São Francisco seria fechada no final do ano. As moedas de 1955 das três instalações são as menores cunhas por data e cunhagem entre as moedas em circulação na série, mas não são raras, pois os colecionadores as armazenavam em rolos de 50. [32]

Com o Coinage Act de 1965, a Casa da Moeda fez a transição para impressionantes moedas folheadas, feitas de um sanduíche de cobre e níquel em torno de um núcleo de cobre puro. Não há marcas da casa da moeda em moedas datadas de 1965 a 1967, já que a Casa da Moeda se esforçou para desencorajar o entesouramento que atribuiu à falta de moedas que precedeu o ato de 1965. [33] A Casa da Moeda modificou o cubo mestre apenas ligeiramente quando começou a cunhagem revestida, mas a partir de 1981, fez pequenas alterações que reduziram o relevo da moeda consideravelmente, levando a uma aparência mais plana para o perfil de Roosevelt. Isso foi feito para que as matrizes de cunhagem durassem mais. As marcas da casa da moeda foram retomadas em 1968 em Denver e para as moedas de prova em São Francisco. Embora as instalações da Califórnia começando em 1965 ocasionalmente rendessem dez centavos para o comércio, essas não traziam marcas da casa da moeda e são indistinguíveis das cunhadas na Filadélfia. [34] As únicas moedas com a marca da casa da moeda "S" para São Francisco desde 1968 foram as moedas de prova, retomando uma série cunhada de 1946 a 1964 sem a marca da casa da moeda na Filadélfia. [35] A partir de 1992, moedas de prata com a composição pré-1965 foram cunhadas em São Francisco para inclusão em conjuntos de provas anuais com moedas de prata. [36] A partir de 2019, essas moedas de prata são cunhadas em 0,999 prata, em vez de 0,900, que a Casa da Moeda não usa mais. [37]

Em 1980, o Philadelphia Mint começou a usar a marca da casa da moeda "P" nas moedas. [38] Moedas foram arrancadas intermitentemente durante as décadas de 1970 e 1980 na casa da moeda de West Point, no estado natal de Roosevelt, Nova York, para atender à demanda, mas nenhuma ostentava a marca da casa da moeda "W". Isso mudou em 1996, quando as moedas foram marcadas para o 50º aniversário do projeto de Roosevelt. Pouco menos de um milhão e meio de moedas de 1996-W revestidas foram cunhadas, mas não foram colocadas em circulação, mas foram incluídas no conjunto de moedas do ano para colecionadores. Em 2015, moedas de dez centavos foram cunhadas em West Point para inclusão em um conjunto especial de moedas para a March of Dimes, incluindo uma moeda de dez centavos na Filadélfia e um dólar de prata representando Roosevelt e o desenvolvedor da vacina contra poliomielite Dr. Jonas Salk. [39] Mintages geralmente permaneceram altos, com um bilhão de moedas cada uma cunhada na Filadélfia e em Denver em muitos dos anos folheados. [40]

Em 2003, o representante de Indiana, Mark Souder, propôs que o ex-presidente Ronald Reagan, que estava morrendo de doença de Alzheimer, substituísse Roosevelt quando ele morreu, afirmando que Reagan era tão icônico para os conservadores quanto Roosevelt era para os liberais. A esposa de Reagan, Nancy, expressou sua oposição, afirmando que tinha certeza de que o ex-presidente também não teria favorecido. Depois que Ronald Reagan morreu em 2004, houve apoio para uma mudança de design, mas Souder se recusou a prosseguir com sua proposta. [41]

O Circulating Collectible Coin Redesign Act de 2020 (Pub.L. 116–330 (texto) (pdf)) foi assinado pelo presidente Donald Trump em 13 de janeiro de 2021. Ele prevê, entre outras coisas, projetos especiais de um ano para o circulação de moedas em 2026, incluindo a moeda de dez centavos, para o semiquincentenário dos Estados Unidos (250º aniversário), com um dos desenhos retratando mulheres. [42]

Devido ao grande número de moedas atingidas, poucas moedas de dez centavos de Roosevelt de emissão regular geram um prêmio, e a série tem recebido relativamente pouca atenção dos colecionadores. Embora as emissões de prata continuem com curso legal e possam ser retiradas de circulação e coletadas por meio da caça aos rolos de moedas, as moedas folheadas constituem a maioria das moedas em circulação. Proeminentes entre eles estão as moedas arrancadas na Filadélfia em 1982, cunhadas erroneamente e lançadas sem a marca da casa da moeda "P", e podem ser vendidas por US $ 50 a US $ 75. Como nenhum jogo oficial da moeda foi emitido em 1982 ou 1983, mesmo as moedas comuns daqueles anos da Filadélfia ou Denver em perfeitas condições obtêm um prêmio significativo (as usadas, não). Muito mais caras são as moedas emitidas erroneamente como prova em 1970, 1975 e 1983 que não possuem a marca da casa da moeda "S". Um dos dois únicos conhecidos em 1975 foram vendidos em um leilão em 2011 por $ 349.600. [27] [43]


A história de Roosevelt Dimes

Era 1945 e uma época da história em que o público americano ansiava por uma forma de homenagear o líder caído que finalmente obteve a vitória após anos de luta e preocupação. A Segunda Guerra Mundial estava chegando ao fim e, naquele abril, Franklin Eleanor Delano Roosevelt, o primeiro presidente de quatro mandatos do país, morreu aos 63 anos. Planos foram rapidamente traçados pelo Departamento do Tesouro para introduzir uma moeda de prata para homenagear o presidente. A realidade simbólica da luta de Roosevelt contra a pólio levou à fundação da campanha de arrecadação de fundos & quotMarch of Dimes & quot, fundada por Roosevelt durante seu primeiro ano no cargo. A poliomielite, naquela época, era conhecida apenas como "paralisia infantil".

A longa tradição de 40 anos de convidar artistas externos para competir por novos designs de moedas foi contornada para economizar tempo neste caso. O trabalho de design foi entregue ao Engraver Chefe, John R. Sinnock. Os primeiros modelos de Sinnock foram submetidos à Comissão Federal de Belas Artes. Isso foi feito pelo atual Diretor da Casa da Moeda em exercício, Leland Howard, em 12 de outubro de 1945. Eles foram rejeitados por questões específicas de design e recomendaram que o processo de competição fosse contratado. Eles nomearam cinco escultores que eles sentiram que poderiam fornecer o talento. A necessidade era ter as moedas de prata prontas para a campanha March of Dimes de 1946, planejada para começar no aniversário de Roosevelt, em 30 de janeiro. A sugestão foi rejeitada pela então diretora da Casa da Moeda, Nellie Tayloe Ross.

De acordo com os autos, a Sinnock aproveitou a revisão da Comissão de Belas Artes e fez as alterações solicitadas. A cabeça muito pequena de Roosevelt foi substituída por um busto maior, com um muito mais minúsculo em IN DEUS NÓS CONFIAMOS. LIBERTY permanece até hoje em letras grandes, mas foi movido para a esquerda, diretamente acima do retrato. Abaixo do pescoço de Roosevelt, pequenas iniciais do signatário & quotJS & quot foram colocadas junto com a data. No verso, foi exibida uma tocha vertical representando a liberdade com ramos de oliveira e carvalho em cada lado para representar a paz e a vitória. E PLURIBIS UNUM foi desajeitadamente colocado entre esses elementos em uma única linha. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA e ONE DIME são dispostos em arcos circulares e separados um do outro por pequenos pontos. Essas revisões de última hora foram aprovadas em 8 de janeiro de 1946 pela Comissão de Belas Artes. Eles também obtiveram a aprovação do secretário do Tesouro, Fred Vinson. Com as autorizações em vigor, o Diretor Ross ordenou que a Casa da Moeda iniciasse a produção da moeda de dez centavos de prata começando os cubos e as matrizes, para que a moeda pudesse ser produzida o mais rápido possível.

Ainda há alguma controvérsia nesta área até hoje. Os designs do modelo final apresentado por Sinnock tinham uma semelhança incrível com um busto em baixo-relevo que havia sido presenteado ao presidente cinco anos antes. É muito parecido com uma cópia exata deste retrato original. Estudiosos da numismática até hoje debatem se a moeda pode realmente ter sido desenhada por Selma Burke, criadora deste baixo-relevo, com John Ray Sinnock levando o crédito.

Esta foi a primeira moeda emitida para representar uma pessoa real. Outros traziam uma imagem da Lady Liberty, ou a Lady Liberty alada chamada & quotMercury & quot mostrada na primeira moeda. A primeira emissão da moeda criou uma reação negativa do público paranóico e feliz com as projeções do pós-guerra, da era McCarthy. Acusaram-se as acusações de que o carimbo de & quotJ.S. & Quot carimbado para identificar o designer realmente representava e demonstrava uma aliança secreta do Departamento do Tesouro com Joseph Stalin.

Apesar da natureza infundada dos rumores, o medo gerado pela noção de influência comunista teve um grande efeito, e a próxima moeda de prata emitida, desenhada por Sinnock, incluía sua inicial do meio, & quotR & quot. Mesmo quando isso foi feito, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos recebeu cartas perguntando como haviam aprendido o nome do meio de Stalin (que na realidade era Vissarianovich).

Mesmo com essa medida adicional, o Departamento da Casa da Moeda dos Estados Unidos foi forçado a divulgar uma declaração identificando o criador da moeda de dez centavos de prata e refutar as alegações de que & quotReds & quot se infiltraram no Departamento da Casa da Moeda do Tesouro. O Franklin Half Dollar também foi projetado por Sinnock e também recebeu essa resposta paranóica. Aparentemente, circularam amplamente rumores de que um espião russo havia se infiltrado na Casa da Moeda do Tesouro dos Estados Unidos e subversivamente bem-sucedido em colocar as iniciais de Stalin em nossa moeda.

O primeiro Roosevelt Dime era 90 por cento de prata e dez por cento de cobre. As moedas de alto teor de prata estavam disponíveis de 1946 a 1964, quando as porcentagens de metal foram alteradas pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos. As moedas tinham uma ponta de junco, o que tornava fácil ver se alguém havia tentado raspar parte da prata. Eles pesavam 2,50 gramas.

Em 1965, o Departamento do Tesouro decidiu mudar a porcentagem de metais nas moedas para 75% de cobre puro no meio com 25% de níquel, ligado ao centro de cobre. Esta é a combinação usada ainda hoje. Essas moedas pesam 2,27 gramas. Eles têm 17,9 mm de diâmetro e as bordas ainda são reedadas por causa da tradição de longa data. Eles são cunhados na Filadélfia, San Francisco, Denver e West Point.

Algumas mudanças no hub ocorreram ao longo do tempo. O primeiro ocorreu em 1946, quando se percebeu que alguns dos desenhos do anverso eram indistintos. As iniciais da assinatura não podiam ser vistas com clareza. Algumas outras modificações ocorreram em 64 e 81 e, desde então, novos hubs são introduzidos com frequência. O desgaste resultante é pesado, causando a necessidade de repetidos afundamentos da matriz. Eles aparecem quase anualmente, mas são difíceis de detectar sem treinamento profissional.

A partir de 1950, essas moedas foram revisadas na Casa da Moeda de West Point. Isso foi feito para comemorar o aniversário de 50 anos da moeda de dez centavos e foi incluído no conjunto não circulado daquele ano. Alguns acham isso apropriado, uma vez que a Casa da Moeda de West Point é conhecida por ser muito próxima ao Roosevelt Estate, agora Hyde Park, onde FDR e sua esposa, Eleanor, foram sepultados. É também por isso que o exclusivo símbolo da casa da moeda de West Point pareceu a muitos uma boa escolha de local para circulação desta moeda. As provas que surgiram desta Casa da Moeda são posteriormente valorizadas mais elevadas do que as outras por este motivo.

O centavo Roosevelt foi cunhado na Filadélfia, Denver e San Francisco. A marca da casa da moeda estava localizada à esquerda da base da tocha de 1946. Em 1968 em diante, ela foi colocada um pouco acima da data. As moedas cunhadas na Filadélfia não tinham nenhuma marca da casa da moeda até 1980, quando a letra P foi introduzida para identificar a localização da cunhagem. As moedas cunhadas em Denver e San Francisco levavam as marcas S e D respectivamente, exceto de '65 -'67, quando as marcas da casa da moeda foram omitidas por completo. Moedas para circulação foram cunhadas ao longo de 1955, até que a Casa da Moeda de São Francisco foi convertida em um escritório de ensaio por dez anos. As duas outras casas da moeda continuaram a produção até 1965, quando a fábrica em São Francisco teve que ser reativada para lidar com uma crise de escassez de moedas. Durante os últimos meses de 1965, uma série de moedas de prata datadas de 1964, que não traziam a marca da casa da moeda, foram cunhadas.

As provas foram cunhadas na Casa da Moeda da Filadélfia no início de 1950, e essas datas até 1955 valem mais do que as provas subsequentes. A liberação da cunhagem de provas foi suspensa quando as moedas de cobre-níquel foram lançadas em circulação em 1965. Não havia provas cunhadas de '65 a '67, exceto para os "conjuntos de moedas especiais" que foram cunhados na Casa da Moeda de São Francisco. Eles têm uma qualidade "semelhante à prova de água" em suas superfícies. Essas provas de qualidade inferior não são marcadas com tanta ousadia quanto as provas verdadeiras, e menos cuidado foi tomado durante o manuseio, o que significa que agora elas exibem muitos cortes e abrasão, mesmo quando encontradas na embalagem original. A prova de cunhagem retornou em 1968. Havia uma série S-Mint cunhada a partir de 1968 que traz a marca da casa da moeda S (referindo-se à Casa da Moeda de São Francisco, onde foram cunhadas) e estão à venda exclusivamente para colecionadores. Eles são cunhados tanto como moedas folheadas de cobre-níquel convencionais quanto como as do padrão de prata original. As moedas regulares em circulação hoje são cunhadas na Filadélfia e em Denver.

Os números de cunhagem da moeda de dez centavos Roosevelt sempre foram altos. Eles variaram de dezenas a centenas de milhões. A menor tiragem de cunhagem para a questão da circulação foi de 13,5 milhões do 1949-S. As altas taxas de produção não tornam nenhuma das séries Roosevelt uma moeda rara. Depois do 1949-S, houve um breve entusiasmo com as '55 mintages '- o 1955-P tinha apenas 12,8 milhões, o '55 -D tinha 13,9 e o '55-S tinha 18,9 milhões. Como era de se esperar, as pessoas estavam à procura das moedas de 1955. O 55-P não circulado é vendido por apenas $ 3,15 sobre o valor intrínseco da prata que contém nos mercados de hoje, enquanto o '55 -D e '55-S é vendido por cerca de $ 2 sobre o valor do metal prateado quando em "condição hortelã". A moeda, novamente, é a única que tem a marca da casa da moeda de West Point em circulação, já que todas as outras eram provas, então o '49 -P é vendido por cerca de $ 29, o '50 -S sai por cerca de $ 40, o '51 -S é vendido a $ 15. Even the oldest coins from the 50's to the early 60's in top mint condition can catch between $1-$3 over the silver metal value it contains.

The Roosevelt dime remains the only US minted coin in circulation ever to receive a "W" mintmark since all others were only part of specially produced mint and proof sets. Since it is a circulation issue coin, higher values can actually still be found in the mint sets and proof sets. A mint-set retails for $10 while the '96-W proof goes for $25. The rarest of the entire Roosevelt series, the uncirculated proof the 1949-S, is worth more than its silver bullion value, and in its mint condition retails for just $45. To check for wear on one of these coins, see the high-points in FDR's hair, cheek, and flame, and on the horizontal bands of the torch.

The Mercury dimes are still considered to be the most beautifully crafted and their run contained the early and first 90 percent silver for all the dates and versions of that particular dime. The older, more classic dimes featured the seated Lady Liberty and the Barber dimes.

The value of most Roosevelt Dimes that are pre 1965 are generally based on their silver content. When they have negligible numismatic value, they are considered to be only junk silver coins. If they have collector value, then their value is something over the intrinsic silver content's worth. Roosevelt Dimes from 1965 and later are not made with any silver and are only worth face value. The junk silver dimes are highly sought after today because of the 90 percent silver they are made from.


1938… The March Of Dimes Organization

(PCM) Back in the year of 1938, President Franklin D. Roosevelt, often referred to as FDR, founded an organization which was then called the National Foundation for Infantile Paralysis. The foundation’s mission was to find a cure for polio, which FDR contracted.

The foundation immediately gained intense popularity, mostly due to its’ founder and the nations’ support for him. FDR believed that if everyone donated only a dime then polio could eventually become eradicated. After Roosevelt contracted the disease, it is said that he was never able to walk again on his own.

It is because of FDR’s motto about donating only a dime that his face was eventually memorialized on the dime coin after his death in 1945 and his foundation was renamed the March Of Dimes.

The March of Dimes, or as it was then called the National Foundation for Infantile Paralysis (NFIP) was formed during the war years, so it was definitely a feat to try to get people to donate. The foundation made use radio, Hollywood and the popularity of FDR to garner support and it definitely worked.

According to the March Of Dimes official website, “Basil O’Connor, a close associate of FDR through his entire presidency, became the leading light of the March of Dimes for over three decades, and his immediate task in 1938 was to build an organization that could quickly respond to polio epidemics anywhere in the nation. As president of the NFIP, Basil O’Connor set out at once to create a network of local chapters that could raise money and deliver aid – an adventurous program that paid off substantially just as polio was on the rise.

Little was known about polio then, but the scientific committees established by the NFIP to fund virus research found opportunities to assist the war effort by investigating diseases affecting those in uniform.”

Many chapters of the March Of Dimes opened across the nation spearheaded by groups of volunteers, work that continues to occur to this very day with various missions. With the assistance of the volunteers numerous medical researchers were granted March Of Dimes research grants and eventually a young physician named Jonas Salk, MD was able to discover a vaccine that ended the polio virus in just a few short years.

In recent years, the March Of Dimes has now shifted their focus on the prevention of birth defects and on healthy pregnancies, as well as the prevention of premature births. They have once again proven successful and the March Of Dimes is “proud to uphold its commitment as the champion for all babies”.


Roosevelt Dime Key Dates, Errors and Values

“First of all let me say what makes my girl a dime is more than what you see, and not just ’cause her body is fine. She stood by me when nobody will come around. She looked me up when I was down.” – Charlie Wilson

The Roosevelt Dime is a US dime piece that was first produced in 1946, to honor President Franklin Delano Roosevelt after his death because of all of his work with the National Foundation for Infantile Paralysis (March of Dimes). President Roosevelt had been a victim of polio, and was instrumental in the organization of this foundation.

The NFIP originally raised money to aid polio victims and to fund research for a cure. They asked for donors to send a dime, which is where the name “March of Dimes” came from.

U.S. Mint Director Nellie Tayloe Ross planned in advance for this dime to be released on what would have been President Roosevelt’s 64th birthday, January 30, 1946 – also the day that the 1946 March of Dimes fundraiser began.

Chief Engraver John R. Sinnock was chosen to design the new dime because he had previously designed a medal of President Roosevelt. Sinnock’s design including Roosevelt on the front and the following on the reverse: a torch symbolizing liberty, an olive branch symbolizing peace, and an oak branch symbolizing victory.

Through 1964, Roosevelt dimes were made of 90% silver and 10% copper (1946-1964). After 1964, they are clad.

The Roosevelt dime’s ‘key’ dates and their values in dug condition are:

  • 1949-S ($3 to $5)
  • 1955 ($3 to $5)
  • 1955-D ($3 to $5)
  • 1955-S ($3 to $5)
  • 1996-W — released only in mint sets so probably not dug ($15 to $20)

Here are some of the error coins to look for and their value in average dug condition:


FRANKLIN IS HERE.

On December 4, 2013, the Franklin D. Roosevelt Presidential Library launched FRANKLIN. What is FRANKLIN you ask?

FRANKLIN is a virtual research room and digital repository that provides free and open access to the digitized collections of the Roosevelt Library – to everyone, anywhere in the world. Whether you are a lover of history, a student working on a school project, or an experienced scholar and author, FRANKLIN opens a door to some of the most significant and in-demand historical materials our Library has to offer. Now you can search by keyword, browse through photograph galleries and document lists, and for the first time open whole folders of archival documents online – a level of discovery that till now was only possible in-person.

Many of the most important documents of the twentieth century are now available for you to view on FRANKLIN – from your living room, classroom, office or dorm room. With this initial launch, FRANKLIN makes 350,000 documents and 2,000 public domain photographs available to you now. And we will be adding even more digitized content in the months and years to come.

FRANKLIN is the result of a special cooperative effort — a unique combination of public, nonprofit, and corporate support. The Roosevelt Library and its parent agency, the National Archives, worked with nonprofit partner the Roosevelt Institute to digitize a large amount of microfilmed archival documents. The Library’s digital partner and web host, Marist College, then developed and implemented FRANKLIN’s underlying database infrastructure based on the Archon platform. Marist runs the system using powerful servers manufactured by Marist and Roosevelt Library corporate partner, IBM.

So go to the Roosevelt Library’s website www.fdrlibrary.marist.edu to start exploring FRANKLINtoday!


People Mailed Dimes ‘By The Truck Load’ to FDR’s White House to Cure Polio

What can ten cents buy you? Today, virtually nothing. In 1938, though, it could buy about what $1.71 would today.  It could also help cure polio.

Conteúdo Relacionado

The story of polio and the March of Dimes Foundation, which was officially incorporated on this day in 1938, is really about Franklin Delano Roosevelt, one of the United States’ most popular presidents and the thirty-second man to hold that office.

Polio isn’t really a threat now, thanks to regular vaccinations and years of work, but in the early twentieth century it was a regular horror. “Polio wreaked havoc among American children every summer,” according to History.com. “The virus, which affects the central nervous system, flourished in contaminated food and water and was easily transmitted.” Nobody was safe, not even future President Franklin Delano Roosevelt, who was diagnosed with  the disease at the unusually advanced age of 39. Thankfully, though, Roosevelt had the power—and popularity—to do something about it.

Roosevelt’s diagnosis came 11 years before his presidential campaign, writes Christopher Clausen for The Wilson Quarterly. He was elected governor of New York with his disability, and then president. Although there is a modern myth that people didn’t know Roosevelt used a wheelchair, he writes, they did know—he just didn’t advertise it, strategically presenting himself and restricting photo opportunities.

But the fact people knew may have contributed to their warm response to his polio fundraising efforts, first at annual “birthday balls” and then when he announced the creation of the National Foundation for Infantile Paralysis (what polio used to be called) in late 1937, which became the March of Dimes the next year.

“Over the past few days bags of mail have been coming, literally by the truck load, to the White House,” he said in a speech published in The President’s Birthday Magazine on January 30, 1938—his birthday. “In all the envelopes are dimes and quarters and even dollar bills—gifts from grown-ups and children—mostly from children who want to help other children get well.” It was too much for the White House to handle, he said, which is why the new foundation was created.

The press immediately responded to the President’s new foundation, Clausen writes. Tempo’s story began with the lead, “Franklin Roosevelt is not only the nation’s No. 1 citizen but its No. 1 victim of infantile paralysis.”

Those truck loads of mail continued, funding the Foundation, which directly funded and administrated Jonas Salk and Albert Sabin’s vaccines for the virus. Dimes were always the focus of fundraising efforts, and the "March of Dimes" slogan was used in fundraising radio broadcasts that first year.

Why dimes? Most people could spare one, foundation administrator Eddie Cantor explained at the time, and they add up. “The March of Dimes will enable all persons, even the children, to show our President that they are with him in this battle against this disease,” he said.

That first year, FDR received $268,000, or more than two and a half million dimes. Eventually, it all added up to a cure.

About Kat Eschner

Kat Eschner is a freelance science and culture journalist based in Toronto.


Assista o vídeo: Authors, Lawyers, Politicians, Statesmen,. Representatives from Congress 1950s Interviews