Na 2ª Guerra Mundial, por quanto tempo um submarino poderia ficar submerso se não estivesse se movendo?

Na 2ª Guerra Mundial, por quanto tempo um submarino poderia ficar submerso se não estivesse se movendo?

Para um submarino na era da 2ª Guerra Mundial, quanto tempo ele poderia ficar submerso se estivesse não executando seu motor? Esta é uma questão de tamanho da tripulação, oxigênio, comida / água e purificadores de CO2, e talvez outras coisas que eu não saiba.

Eu acho que é uma questão de duração da bateria também, mas não para alimentar a hélice, apenas para as luzes e talvez bombas de ar.

A razão pela qual pergunto é porque quero saber a capacidade de ação furtiva para viagens. Eu imagino um submarino viajando na superfície à noite, mas de dia ele submerge e permanece no chão e não se move (exceto flutuando com a corrente). Pode ser necessário permanecer no solo por mais de 12 horas se algum navio estiver por perto.

Estou interessado em subs do Japão, Alemanha, Rússia, Grã-Bretanha e América.

Editar: Eu deveria ter especificado isso, mas quero saber quanto tempo o submarino pode ficar abaixado perto da profundidade máxima, não snorkeling. O mergulho é feito muito perto da superfície, onde pode ser avistado por aeronaves ou mesmo outros navios, e alguns radares de superfície naval podem detectar periscópios ou snorkels a uma distância de 5 milhas.


Os submarinos da Segunda Guerra Mundial, fazendo uma viagem de qualquer comprimento, rodariam a diesel na superfície durante o dia, se houvesse chances razoáveis ​​de não serem avistados. O mergulho rápido ("colisão") era uma tática muito importante para eles, e a habilidade de fazê-lo rapidamente era um fator importante tanto no subdesign quanto no treinamento da tripulação.

Se estivessem viajando por uma área disputada, mergulhariam durante o dia, mas geralmente prosseguiam lentamente com bateria, porque 12 horas a 2 nós são 24 milhas náuticas e as áreas disputadas geralmente não eram enormes.

A capacidade da bateria necessária para viagens subaquáticas é grande, então a "carga do hotel" para iluminação não foi um problema na resistência subaquática sem movimento. Na prática, eles normalmente continuariam se movendo lentamente, porque isso significa que você está realmente no controle do barco, que é amplamente exercido por meio do leme e dos aviões de mergulho.

O limite da resistência subaquática era a respirabilidade do ar no barco, porque eles não tinham purificadores de CO2. Era normal, quando se esperava que uma submersão seria demorada, enviar a maior parte da tripulação para beliches, para minimizar sua atividade e, portanto, seu consumo de ar. A única maneira de refrescar o ar era liberar ar comprimido dos bancos de ar para o casco. Isso aumentava a pressão dentro do submarino, mas geralmente se limitava a uma meia atmosfera extra ou algo assim, o que não era um grande problema, desde que você tomasse cuidado ao abrir a escotilha pela primeira vez.

Ficar 24 horas deitado seria desagradável. 48 horas é provavelmente o limite. O número exato depende do tamanho do submarino, do número de pessoas a bordo, da quantidade de atividade, da quantidade de perigo - a adrenalina faz as pessoas respirarem mais rápido - da eficácia com que o submarino foi ventilado antes do mergulho, e assim por diante.

Edit: Se você não estiver mergulhando com snorkel, a profundidade em que você está não faz muita diferença para a resistência submersa. Mas continue lendo para as pequenas diferenças.

"Profundidade máxima" para um submarino é um conceito ligeiramente complicado. Há "profundidade de teste", a profundidade que o submarino é definitivamente capaz de atingir sem ser danificado, e há "profundidade de esmagamento" a profundidade na qual o casco de pressão desmorona. Já que isso vai depender do ponto mais fraco do casco, um capitão de submarino não sabe qual é sua profundidade de esmagamento exata. Ele sabe para qual fator de segurança o barco foi projetado em relação à profundidade de teste, mas não sabe se o casco tem pontos fracos. Assumir que não há nenhum seria imprudente.

Na profundidade do teste, já haverá rangidos substanciais da estrutura conforme ela se comprime sob a pressão do mar. Abaixo da profundidade do teste, as placas do casco podem começar a se projetar para dentro, entre as estruturas que as sustentam, e provavelmente haverá vazamentos. Em algum ponto, à medida que você continua indo mais fundo, algo se quebra e, em seguida, todo o barco inunda instantaneamente. Até mesmo testar a profundidade causa fadiga do metal, mas isso não foi compreendido durante a Segunda Guerra Mundial.

Quando você está muito fundo, quer se mover devagar. Isso ocorre devido à possibilidade de falha dos controles do plano de profundidade. Se você estiver fundo, e se movendo rápido, e o controle do plano de profundidade mudar inesperadamente para "mergulho", você pode facilmente colocar a proa do barco abaixo da profundidade de esmagamento antes de recuperar o controle. E se isso acontecer, você morre. Portanto, mover-se em grande profundidade deve ser feito com cuidado.

Ir muito fundo para escapar do ataque é, portanto, perigoso e aumentará os níveis de estresse da tripulação e os fará consumir mais ar.


De um modo geral, os submarinos seriam capazes de mergulhar por Nós vamos mais de 12 horas se eles usaram seus motores para 'rastejar' junto. O alemão Type XXI, reconhecidamente um projeto do final da guerra, poderia fazer vários dias a 5 nós. O Tipo VII anterior podia fazer 80 milhas a 4 nós, o que significa 20 horas de mergulho.


Levar um submarino à flutuabilidade neutra (o ponto onde ele não vai afundar ou subir) não era feito com frequência na prática. Os barcos da frota americana na segunda guerra mundial (e presumivelmente os submarinos de outras nações também) geralmente tinham uma pequena reserva de flutuabilidade positiva (para cima) e usavam o movimento da água sobre suas superfícies de mergulho para manter sua profundidade (análogo às asas de um avião). A ideia era que, se a força propulsora fosse perdida, o submarino subiria naturalmente à superfície. Também significava que eles precisavam se mover continuamente para evitar subir.

Eles também podem introduzir flutuabilidade negativa e afundar e descansar no fundo se estiver acima de sua profundidade de esmagamento. O risco é danificar partes do barco, mas permite que o submarino mantenha sua posição enquanto conserva sua bateria.

Resumo: os submarinos geralmente não podiam permanecer estacionários e manter sua profundidade (sem descansar no fundo). Eles iriam subir à superfície em poucos minutos, dependendo de sua profundidade, supondo que a tripulação não interviesse. O limite, se a tripulação estivesse ajustando seus tanques de lastro para chegar perto da flutuabilidade neutra, seria a quantidade de ar comprimido disponível para esvaziar os tanques e a frequência com que a tripulação teria que ajustá-los. No entanto, isso não seria realmente estacionário, pois eles estariam subindo ou afundando lentamente à medida que ajustassem o equilíbrio.


Bem, eu acho que sua viagem sugerida poderia ser feita o dia todo, já que um barco Geraman pode ficar submerso por mais de um dia.

Eles podiam viajar submersos a cerca de 5 nós (9,3 km / h; 5,8 mph) por dois ou três dias antes de recarregar as baterias, o que levava menos de cinco horas usando o Schnorchel

Isso é da Wikipedia: https://en.wikipedia.org/wiki/Type_XXI_submarine

Mas é preciso considerar que os barcos eram caçadores, procurando navios mercantes para destruir. Portanto, eles não podem ficar ociosos sob a linha de água o dia todo.


Quanto tempo pode um submarino permanecer submerso?

Os submarinos modernos movidos a energia nuclear e diesel-elétricos são limitados apenas pelas limitações da tripulação, especificamente alimentos e outros suprimentos. Sem a necessidade de reabastecer os alimentos, eles podem ficar submersos indefinidamente, pois o oxigênio é gerado, o monóxido e o dióxido de carbono são filtrados e a água potável é destilada. No entanto, os submarinos DE também são limitados em alcance e tempo no mar pelo combustível disponível, enquanto um barco movido a energia nuclear não tem esse problema.

Meu próprio período de submersão mais longo é de 72 dias, embora outros tenham excedido esse limite. O Seahorse (SSN-669) durante sua circunavegação do globo em 1982, passou mais de 180 dias combinados submersos, eles tinham apenas 2 portos de escala durante toda a missão, e eles duraram apenas alguns dias cada. O USS Parche (SSN-683), um barco de desenvolvimento de submarinos, costumava ter o tempo mais submerso na frota de submarinos, já que suas missões classificadas extremas não lhe permitiam fazer nenhum porto de escala. Suas implantações típicas duravam cerca de 3-4 meses, praticamente todo esse tempo submerso, exceto para a entrada e saída do porto.

Após cerca de 2 meses, dependendo de qual é a missão e se o barco foi capaz de mergulhar ou não (e assim trazer ar fresco de fora), a tripulação começa a ficar um pouco mal-humorada e irritada, e o ar começa a ficar um pouco obsoleto se não tiver sido alterado. O ar filtrado é bom, mas envelhece depois de um tempo. Outras coisas como frutas e verduras frescas também são importantes, assim como leite fresco, já que são os primeiros alimentos a serem usados ​​depois de partir para uma longa missão. Desdobramentos longos também significam que a maior parte do complemento da tripulação está a bordo, assim como qualquer piloto civil necessário. Isso significa que é muito mais apertado do que o normal. O beliche quente (3 tripulantes compartilhando 2 beliches - 2 dormem enquanto um está de guarda) é comum durante implantações longas, embora normalmente atribuído a membros mais jovens da tripulação.


9 Respostas 9

Sobreviver até mesmo a um "apocalipse nuclear global quottotal" é muito mais fácil do que você pensa. Aqui está uma boa referência para olhar. Alguns pontos-chave:

Duas semanas depois de um ataque, os ocupantes da maioria dos abrigos podem parar de usá-los com segurança ou podem trabalhar fora dos abrigos por um número crescente de horas a cada dia.

Apenas uma pequena fração dos cidadãos de Hiroshima e Nagasaki que sobreviveram às doses de radiação, algumas das quais quase fatais, sofreram sérios efeitos retardados.

Declarações de que os EUA e a União Soviética têm o poder de matar a população mundial várias vezes são baseadas em cálculos enganosos.

Cientistas não propagandistas calcularam recentemente que os efeitos climáticos e outros efeitos ambientais de até mesmo uma guerra nuclear total seriam muito menos severos do que os efeitos catastróficos repetidamente divulgados.

É inteiramente provável que entrar em uma instalação nuclear após o apocalipse o exporia a níveis perigosos de contaminação. É possível que as áreas imediatamente ao redor deles tenham níveis elevados de radiação de fundo. É improvável que qualquer efeito seja notado a mais de alguns quilômetros de distância.

Se você conseguir chegar a um abrigo nuclear razoavelmente bom, terá uma boa chance de sobreviver a qualquer coisa menos do que um ataque direto. Isso se você estiver em terra!

A maior vantagem de uma tripulação de submarino é que eles podem ficar submersos enquanto durarem seus suprimentos de comida. Além disso, a água é um excelente bloqueador de radiação, portanto, enquanto estiverem debaixo d'água, não correm nenhum perigo. Isso leva a uma enorme vantagem geral - após dois meses (até que os suprimentos de comida acabem), a decomposição radioativa significa que o nível geral de radiação terá caído significativamente para níveis de fácil sobrevivência.

O maior problema que a tripulação do submarino enfrentará é não saber quais áreas foram detonadas e quais não foram - isso afeta onde eles devem ir para tentar encontrar suprimentos. No entanto, há uma boa maneira de descobrir isso - entre em contato com o ISS. Tendo visto toda a confusão se desenrolar, os astronautas a bordo da ISS serão capazes de direcionar o submarino para as áreas que foram atingidas pelo menor número de armas nucleares.

Assim que chegarem a essas áreas, eles devem ser capazes de descobrir uma maneira de se integrar às comunidades que sobreviveram, tornando a sobrevivência a longo prazo muito provável.

Não. O submarino está fora de perigo imediato se estiver longe em águas abertas, longe de qualquer megacidade portuária.

Sim, no caso de um último dia do juízo final nuclear, os efeitos radioativos atingiriam todos os lugares da Terra através dos ventos. No entanto, vai demorar algum tempo. Eu não sei quanto, entretanto. Depende de qual oceano você está e quantos mísseis atingem qual continente. É suficiente dizer que, desde que passe a maior parte do tempo debaixo d'água, você estará protegido dos efeitos radioativos diretos. Os poloneses seriam o melhor lugar para refúgio imediato, mas não permaneça lá por muito tempo, pois todos os resíduos atmosféricos tendem a se acumular em postes durante as tempestades de neve. As próximas dezenas de anos seriam um pesadelo radioativo em postes.

Você pode pescar. Quanto mais bentônico, melhor. A radiação tem menos probabilidade de atingir águas profundas, então comer peixes de águas profundas seria uma ideia melhor. No entanto, observe que eles teriam muito menos valor nutritivo.

As ilhas estão seguras apenas imediatamente (assim como os pólos). Uma vez que os ventos distribuem os efeitos radioativos globalmente, nada acima da superfície é seguro para consumo. Você deve esperar pelo menos vários anos antes de se aventurar em qualquer ilha distante do Pacífico ou do Mediterrâneo.

O submarino correria grande risco de ser interceptado por um submarino de ataque da classe akula da marinha russa.

Os submarinos balísticos fazem parte da capacidade de segundo ataque de uma potência nuclear. Eles são capazes de contra-atacar mesmo se sua força aérea e seus equivalentes terrestres forem destruídos em um primeiro ataque de contra-força.

A fim de ser capaz de proteger os próprios submarinos balísticos e destruir os equivalentes do inimigo, ataque submarinos quando desenvolvidos. Os russos têm submarinos da classe Akula para essa tarefa, enquanto usam tufões como carregadores balísticos (no oeste, os tufões são erroneamente chamados de akulas).

Quando um submarino deixa um porto amigo para uma patrulha, há uma grande chance de que um submarino de ataque inimigo siga sua trilha, a fim de mantê-lo na linha o tempo todo. Os russos fizeram isso, os americanos também, e assim por diante. Portanto, se o seu submarino da classe Virgínia estiver no mar, você deve ter cuidado se não estiver sendo rastreado por um submarino da classe Akula, pronto para levá-lo para impedir a capacidade de segundo ataque dos EUA. Se você estiver perto das águas russas, pode estar sendo monitorado pela rede submarina de microfones e pelos submarinos elétricos a diesel da classe de quilo (que são muito difíceis de ouvir).

Portanto, mesmo que os submarinos subaquáticos não estejam sujeitos aos perigos das explosões nucleares em terra e seu casco esteja protegido contra a precipitação nuclear (o mar é um escudo muito bom), você ainda pode afundar.

Além desse ponto, seu texto pressupõe um cenário da época da década de 1960 para aquela guerra nuclear. Durante essa era, as bombas nucleares eram grandes para compensar sua falta de precisão. Eles usaram o que normalmente é chamado de contra-valor (alvejar civis). As ogivas nucleares modernas do MIRV são de baixo rendimento e muito precisas, e um oponente racional usará todas as ogivas de que dispõe para destruir as estruturas militares inimigas e as indústrias diretamente relacionadas à defesa, elas não vão simplesmente atacar cidades porque essa não é mais uma boa estratégia . Eles serão usados ​​no modo de contra-força.

Após a primeira troca nuclear, quando os estoques nucleares estão esgotados e a economia arruinada (além da capacidade de segundo ataque dos submarinos), não há como construir novas ogivas nucleares, os países travariam uma guerra convencional pós-apocalíptica, e se você usar suas bombas contra cidades e deixar as estruturas e instalações militares intactas, você lutará contra um inimigo muito mais forte depois. Então, o modo de engajamento usual é contra-força: fogo nos silos nucleares, bases aéreas, qualquer coisa que possa estocar ogivas nucleares, eles mais tarde fogo em bases da marinha, cavalaria, batalhões de infantaria etc, tudo que tenha valor militar. Essa é a sequência usual para um primeiro golpe de decapitação.

Sobre o submarino no mar, você pode tentar entrar em contato com outras forças navais via satélite, tentar encontrar-se com mercadores amigos, etc. Mas você terá dificuldades, porque uma guerra anti-mercante começará para impedir que os suprimentos cheguem aos EUA (e vice-versa). A guerra estará quente nos oceanos. Você pode ser capaz de ingressar em um grupo de batalha de porta-aviões sobrevivente ou entrar em águas neutras para negociar. Mas, sem dúvida, seu submarino ainda é uma máquina de combate viável e o primeiro ataque não é o fim do mundo nem será o fim da guerra.


Digite VIIB [editar | editar fonte]

O VIIA tinha capacidade de combustível limitada, então 24 barcos Tipo VIIB foram construídos entre 1936 e 1940 com um adicional de 33 & # 160 toneladas de combustível em tanques de sela externos que adicionaram outras 2.500 milhas náuticas (4.600 & # 160km) de alcance a 10 nós (19 & # 160km / h) à superfície. & # 9126 & # 93 Eles eram ligeiramente mais rápidos que o VIIA e tinham dois lemes para maior agilidade. O armamento do torpedo foi melhorado movendo o tubo de popa para o interior do barco. Agora, um torpedo de popa adicional poderia ser carregado abaixo do revestimento do convés da sala de torpedos de ré (que também servia como sala de motor elétrico) e dois compartimentos estanques sob o convés superior poderiam conter dois torpedos adicionais, dando-lhe um total de 14 torpedos. A única exceção foi U-83, que não tinha tubo de popa e carregava apenas 12 torpedos. & # 9126 & # 93

Os Tipo VIIBs incluíam muitos dos mais famosos U-boats da Segunda Guerra Mundial, incluindo U-48 (o mais bem sucedido), Prien's U-47, Kretschmer's U-99e de Schepke U-100. ⎦]

Na superfície, o barco era movido por dois motores diesel MAN supercharged, 6 cilindros, 4 tempos M6V 40/46 (exceto para U-45 para U-50, U-83, U-85, U-87, U-99, U-100, e U-102 que foram alimentados por dois motores diesel F46 de 6 cilindros e 4 tempos da Germaniawerft sobrealimentados) dando um total de 2.800 a 3.200 & # 160bhp (2.400 & # 160kW) a 470 a 490 rpm. Quando submerso, o barco foi movido por dois AEG GU 460 / 8-276 (exceto em U-45, U-46, U-49, U-51, U-52, U-54, U-73 para U-76, U-99 e U-100 que manteve o motor BBC do VIIA) motores elétricos dando um total de 750 shp (560 e # 160kW) a 295 rpm. & # 9126 & # 93

Lista de submarinos Tipo VIIB [editar | editar fonte]

Submarinos Tipo VIIB
Nome do U-boat Data de lançamento Data de comissionamento Navios afundados ou danificados
U-45 ⎧] 000000001938-06-25-0000 25 de junho de 1938 000000001938-04-27-0000 27 de abril de 1938 2 ⎨]
U-46 ⎩] 000000001938-09-10-0000 10 de setembro de 1938 000000001938-11-02-0000 2 de novembro de 1938 27 ⎪]
U-47 ⎫] 000000001938-10-29-0000 29 de outubro de 1938 000000001938-12-17-0000 17 de dezembro de 1938 39 ⎬]
U-48 ⎭] 000000001939-03-08-0000 8 de março de 1939 000000001939-04-22-0000 22 de abril de 1939 55 ⎮]
U-49 ⎯] 000000001939-06-24-0000 24 de junho de 1939 000000001939-08-12-0000 12 de agosto de 1939 1 ⎰]
U-50 ⎱] 000000001939-11-01-0000 1º de novembro de 1939 000000001939-12-12-0000 12 de dezembro de 1939 4 ⎲]
U-51 ⎳] 000000001938-06-11-0000 11 de junho de 1938 000000001938-08-06-0000 6 de agosto de 1938 6 ⎴]
U-52 ⎵] 000000001938-12-21-0000 21 de dezembro de 1938 000000001939-02-04-0000 4 de fevereiro de 1939 13 ⎶]
U-53 ⎷] 000000001939-05-06-0000 6 de maio de 1939 000000001939-06-24-0000 24 de junho de 1939 8 ⎸]
U-54 ⎹] 000000001939-08-15-0000 15 de agosto de 1939 000000001939-09-23-0000 23 de setembro de 1939 0
U-55 ⎺] 000000001939-10-19-0000 19 de outubro de 1939 000000001939-11-21-0000 21 de novembro de 1939 6 ⎻]
U-73 ⎼] 000000001940-07-27-0000 27 de julho de 1940 000000001940-09-30-0000 30 de setembro de 1940 15 ⎽]
U-74 ⎾] 000000001940-08-31-0000 31 de agosto de 1940 000000001940-10-31-0000 31 de outubro de 1940 7 ⎿]
U-75 ⏀] 000000001940-10-18-0000 18 de outubro de 1940 000000001940-12-19-0000 19 de dezembro de 1940 9 ⏁]
U-76 ⏂] 000000001940-10-03-0000 3 de outubro de 1940 000000001940-12-03-0000 3 de dezembro de 1940 2 ⏃]
U-83 ⏄] 000000001940-12-09-0000 9 de dezembro de 1940 000000001941-02-08-0000 8 de fevereiro de 1941 8 ⏅]
U-84 ⏆] 000000001941-02-26-0000 26 de fevereiro de 1941 000000001941-04-29-0000 29 de abril de 1941 7 ⏇]
U-85 ⏈] 000000001941-04-10-0000 10 de abril de 1941 000000001941-06-07-0000 7 de junho de 1941 3 ⏉]
U-86 ⏊] 000000001941-05-10-0000 10 de maio de 1941 000000001941-07-08-0000 8 de julho de 1941 4 ⏋]
U-87 ⏌] 000000001941-06-21-0000 21 de junho de 1941 000000001941-08-19-0000 19 de agosto de 1941 5 ⏍]
U-99 ⏎] 000000001940-03-12-0000 12 de março de 1940 000000001940-04-18-0000 18 de abril de 1940 44 ⏏]
U-100 ⏐] 000000001940-04-10-0000 10 de abril de 1940 000000001940-05-30-0000 30 de maio de 1940 30 ⏑]
U-101 ⏒] 000000001940-01-13-0000 13 de janeiro de 1940 000000001940-03-11-0000 11 de março de 1940 25 ⏓]
U-102 ⏔] 000000001940-03-21-0000 21 de março de 1940 000000001940-04-27-0000 27 de abril de 1940 2 ⏕]

Como um submarino mergulha e ressurge?

Antes de discutirmos como os submarinos rompem a superfície e mergulham, vamos fazer uma rápida recapitulação de um importante fenômeno físico da água que você certamente estudou em algum momento de uma aula de ciências: flutuabilidade.

A flutuabilidade é basicamente uma força ascendente que impede que tudo, de pranchas de madeira a embarcações gigantescas, afunde. Embora mexer com essa força possa ter consequências desastrosas, a capacidade de controlá-la pode ser altamente vantajosa.

Se o peso da água deslocada por um objeto for igual ao seu próprio peso, então ela flutua de outra forma, ela afunda. Enquanto a maioria dos barcos e embarcações não se atreve a mexer com esse equilíbrio, uma vez que os mantém flutuando, os submarinos manipulam esse efeito propositalmente. A fim de controlar a força flutuante que atua sobre ele, um submarino se enche / se esvazia com a água ao redor para mergulhar / ressurgir. Um submarino consiste em tanques de lastro (e tanques de compensação também, em alguns modelos) que podem ser enchidos por água ou ar de acordo com os requisitos de navegação.

Os tanques de lastro estão localizados em diferentes posições em diferentes modelos de submarinos

Funciona assim: quando o submarino está acima da superfície da água, os tanques de lastro são preenchidos com ar, o que significa que a densidade geral do submarino é menor do que a água que ele desloca. No entanto, quando o submarino precisa mergulhar, ele libera um respiradouro nos tanques de lastro que faz com que a água ao redor entre. A tripulação permite que a água ao redor encha o tanque até que a profundidade desejada seja atingida, após o que a válvula é fechada para impedir que mais água entre.

Os tanques de lastro são alternativamente preenchidos com água e gás comprimido para submergir e ressurgir um submarino.

Além da inundação dos tanques, dois aviões "sequestradores" também ajudam a controlar a velocidade de descida do submarino. O ângulo dessas & lsquowings & rsquo influencia diretamente a velocidade do mergulho.

Observe a orientação dos aviões de mergulho à medida que o submarino desce

Por outro lado, quando um submarino precisa ressurgir, o ar comprimido é injetado nos tanques de lastro dos frascos de ar, o que empurra a água para fora dos tanques em uma taxa rápida. Isso resulta em uma diminuição na densidade geral do submarino, fazendo com que ele suba à superfície. Além disso, os hidroaviões são angulados de forma que a água passe pela popa, empurrando-a para baixo e fazendo o submarino subir mais rápido.


O submarino da classe Kilo: Por que os inimigos da Rússia e # 039s temem & quotO buraco negro & quot

Ao contrário da Marinha dos Estados Unidos, que apostou totalmente na energia nuclear, a Rússia mantém frotas de submarinos movidos a diesel e nuclear. Uma potência terrestre que abrange grande parte da Eurásia, os submarinos russos estão baseados muito mais perto da “ação” do que os submarinos americanos. Enquanto a Rússia mantém submarinos nucleares para patrulhas oceânicas distantes, sua frota de submarinos a diesel é mais do que adequada para conflitos na Europa, Oriente Médio e Rússia no exterior.

O esteio da frota de propulsão convencional da Marinha Russa são os submarinos da classe Projeto 877, conhecidos como a classe Kilo para a OTAN e o Ocidente. Apelidado de submarino "Black Hole" pela Marinha dos Estados Unidos, o Improved Kilos é extremamente silencioso. A classe foi construída mais ou menos continuamente por trinta anos, uma prova de sua eficácia no mar.

A classe Kilo foi originalmente concebida para servir as marinhas dos países do Pacto de Varsóvia, substituindo os barcos das classes Whisky e Foxtrot mais antigos. O submarino mede apenas 238 pés de comprimento por trinta e dois pés de largura e desloca 3.076 toneladas submersas. O navio tem uma tripulação de apenas doze oficiais e quarenta e um homens alistados e tem uma durabilidade de quarenta e cinco dias antes de precisar ser reabastecido.

Os navios são movidos por dois geradores a diesel e um acionamento elétrico, o que lhes dá potência suficiente para fazer dez nós na superfície e dezessete nós debaixo d'água. Eles não são submarinos rápidos. Eles têm um alcance de seis mil a 7.500 milhas náuticas, o que significa que, do quartel-general da Frota do Norte da Rússia, eles podem patrulhar por mil milhas náuticas e depois seguir para Cuba.

Nem são mergulhadores particularmente profundos. De acordo com Frotas de combate do mundo, a classe Kilo normalmente mergulha para apenas 787 pés, com uma profundidade máxima de mergulho de 984 pés. Os submarinos se saem particularmente bem em águas rasas, onde um par de hélices conduzidos movidos por motores de baixa velocidade provavelmente permite que operem mais perto do fundo do mar.

Muito silenciamento foi para os Kilos. O casco é descrito como tendo o formato aproximado de uma gota d'água e reduzindo muito a resistência à água em relação aos designs de submarinos mais antigos da Segunda Guerra Mundial. A planta de propulsão é isolada em uma base de borracha para que não toque no casco, evitando que as vibrações se transformem em ruídos que podem ser ouvidos fora do barco. O navio tem um revestimento anecóico emborrachado para amortecer o ruído proveniente do submarino, o que ocasionalmente dá aos submarinos uma aparência em bloco perceptível em fotografias. O sistema de regeneração de ar pode manter a tripulação abastecida com oxigênio por até 260 horas, dando ao navio quase duas semanas de resistência subaquática.

O conjunto de sensores consiste no conjunto de radar ativo e passivo de baixa frequência MGK-400 Rubikon (Shark Gill) com um casco passivo. Ele também possui um radar de alta frequência MG519 Mouse Roar para classificação de alvos e prevenção de minas. Para uma navegação de superfície e pesquisa simples, os Kilos estão equipados com o radar MRK-50 Albatros.

Finalmente, os Kilos têm seis tubos de torpedo com diâmetro padrão de 533 milímetros e foram originalmente configurados para transportar torpedos teleguiados e dezoito mísseis anti-submarinos SS-N-15A Starfish. Nos últimos navios da classe, dois dos tubos do torpedo são capazes de disparar torpedos guiados por arame. Também exclusiva desta classe é a posição de um marinheiro com um lançador de mísseis de defesa aérea portátil Igla com figura de ombro.

Vinte e quatro submarinos da classe Kilo foram operados pela União Soviética, dos quais onze ainda são operados pela Rússia. Um foi vendido para a Polônia, que continua operacional, mas outro, vendido para a Romênia, não está mais em serviço. Dez foram vendidos para a Índia, nove ainda estão operacionais, enquanto o décimo pegou fogo e afundou no cais em agosto de 2013. O Irã tem três quilos e a Argélia dois. A China possuía dois submarinos, adquiridos após o fim da Guerra Fria.

Os submarinos foram alguns dos primeiros navios que os estaleiros russos começaram a construir após a dissolução da URSS. Uma versão aprimorada da classe Kilo, conhecida como Projeto 636.3 ou apenas “Kilo Aprimorado”, foi desenvolvida para rejuvenescer uma força de submarinos russos em declínio e ganhar divisas com as exportações.

A classe 636.3 foi uma atualização completa. As dimensões do submarino são essencialmente as mesmas, mas a proa foi remodelada para melhorar o fluxo hidrodinâmico. Ele apresenta maior silêncio devido ao maior isolamento das máquinas, movendo outras máquinas para áreas onde fariam menos ruído. O submarino também tem alcance 25% maior do que as versões anteriores. Os principais sistemas de sonar, entretanto, são basicamente os mesmos da classe Kilo original.

Uma grande melhoria da classe 636.3 é a capacidade de lançar mísseis de cruzeiro Kalibur. Kalibur (a versão de exportação é conhecida como Klub) é uma classe versátil de míssil com versões de ataque terrestre, antinavio e anti-submarino. Em dezembro de 2016, o submarino russo Rostov-on-Don lançou mísseis de ataque terrestre Kalibur contra o Estado Islâmico.

A República Popular da China foi um dos primeiros clientes do 636.3, comprando dez submarinos na década de 1990. Os submarinos estão aparentemente divididos entre as Frotas do Mar do Leste e do Sul. Outro cliente foi a Argélia, que comprou dois Kilos modernos para complementar seu par de submarinos originais.

O Vietnã comprou seis barcos 636.3, com cinco entregues até agora, como o núcleo de uma força anti-acesso / negação de área contra seu inimigo tradicional, a China. Os dois países têm um histórico de hostilidade mútua, atualmente alimentado pela exploração de petróleo chinesa em uma zona econômica exclusiva contestada e reivindicações concorrentes no Mar do Sul da China. O Vietnã comprou seis submarinos por um valor estimado de US $ 1,8 bilhão - uma verdadeira pechincha.

Finalmente, a Rússia comprou seis submarinos 636.3 para sustentar sua própria frota de submarinos. O ultimo submarino, Kolpino, foi lançado em fevereiro no Estaleiro do Almirantado em São Petersburgo. Kolpino servirá na Frota do Mar Negro, onde poderá conduzir futuros ataques de mísseis de cruzeiro contra alvos do ISIS. A Rússia aparentemente suspendeu novas compras de Kilos, buscando fazer a transição para a classe Lada.

Os submarinos da classe Kilo foram muito bem-sucedidos tanto no sentido técnico quanto de exportação. Um submarino concebido quase como uma reflexão tardia para os aliados soviéticos tornou-se uma lenda aos olhos da OTAN. Cinquenta e três submarinos foram construídos ao longo de um período de trinta e três anos, muitas vezes fornecendo aos estaleiros russos um trabalho crítico que os manteve abertos durante os anos magros do pós-Guerra Fria. Além das operações russas contra o Estado Islâmico, à medida que as tensões no Mar da China Meridional aumentam a possibilidade de uma escaramuça naval, podemos ver os submarinos Kilo em ação em águas asiáticas.

Kyle Mizokami é um escritor de defesa e segurança nacional baseado em San Francisco que apareceu no Diplomata, Política Externa, Guerra é enfadonha e a Daily Beast. Em 2009, ele foi cofundador do blog de defesa e segurança Japan Security Watch. Você pode segui-lo no Twitter: @KyleMizokami.


5 Eles se fodem com o oxigênio

Os níveis de oxigênio em um submarino são mantidos dramaticamente baixos. Isso é principalmente para reduzir o risco de incêndios, mas tem alguns efeitos colaterais. A maioria dos submarinistas trabalha com as mãos e fica bastante ferida. Você ficaria surpreso com o que uma pequena queda nos níveis de oxigênio fará com a capacidade de seu corpo se reparar. Feridas que exsudam constantemente são o nome do jogo. Não é um jogo divertido.

Os baixos níveis de oxigênio também deixam todo mundo a) cansado pra cacete eb) constantemente puto. Na primeira vez que desci pela escotilha, um cara quebrou uma caneca de café na minha cabeça porque não me movi tão rápido quanto ele gostaria. Três anos depois, deixei-o no aeroporto quando ele saiu. Fui a última pessoa que ele viu como um homem alistado, e ele é uma das pessoas que mais admiro no mundo. mas cara, as pessoas ficam irritadas sem seus precioso oxigênio.

A única vez que eles mexeram com a droga foi quando tivemos um "dia de campo", um termo que significa algo um pouco diferente aqui do que significa no mundo civil. Provavelmente significa algo divertido para você. Para a Marinha, significa que todos têm a honra de limpar tudo. Todos. Tudo. Mas acrescente alguns pontos percentuais extras de oxigênio e todos ficarão muito felizes com isso, contanto que tenham o privilégio de respirar corretamente.


Estes são os médicos da Força Aérea treinados para operações especiais

Postado em 27 de agosto de 2020 19:05:03

Todo mundo conhece o famoso 4077º MASH, ou Hospital Cirúrgico Móvel do Exército. Mas se você sempre quis ver o tipo de documento sobre o qual Michael Bay ou Jerry Buckheimer fariam um filme, dê uma olhada nas Equipes Cirúrgicas de Operações Especiais da Força Aérea, ou SOSTs.

De acordo com o Exército dos EUA, uma unidade MASH normalmente tinha cerca de 113 pessoas, enquanto uma liberação do Exército de 2006 sobre o último MASH se tornar um Hospital de Apoio de Combate, ou CSH, observa que o CSH tem cerca de 250 funcionários.

De acordo com o site da Força Aérea, o SOST é muito menor. Tem seis pessoas: um médico de emergência, um cirurgião geral, uma enfermeira anestesista, uma enfermeira de cuidados intensivos, um terapeuta respiratório e um técnico cirúrgico.

Este é um típico Hospital de Apoio ao Combate. (Foto DOD)

O MASH e o CSH possuem caminhões e veículos para entregar suas mercadorias. SOSTs só têm o que podem carregar nas costas. Ah, eu mencionei que eles também são treinados taticamente? Sim, um membro de um SOST pode colocar chumbo em um bandido e, em seguida, fornecer cuidados médicos para os mocinhos que foram atingidos.

Em um comunicado do Comando de Operações Especiais da Força Aérea, o que uma dessas equipes fez enquanto se engajava na luta contra o ISIS é simplesmente incrível. They treated victims who were suffering from the effects of ISIS chemical weapon attacks, handled 19 mass casualty attacks, and carried out 16 life-saving surgical operations. A total of 750 patients were treated by these docs over an eight-week deployment.

Again, this was with just what they carried on their backs.

U.S. Air Force photo

At one point, the team was treating casualties when mortar rounds impacted about 250 meters away. The six members of the team donned their body armor, got their weapons ready, and went back to work. Maj. Nelson Pacheco, Capt. Cade Reedy, Lt. Col. Ben Mitchell, Lt. Col. Matthew Uber, Tech. Sgt. Richard Holguin, and Maj. Justin Manley are all up for Bronze Stars for their actions.

It takes a lot to get into a SOST. You can download the application here. One thing for sure, these are the most badass folks with medical degrees!

MIGHTY TRENDING

Parts of a submarine

Photo: Despite many technological advances, the basic concept of the submarine has changed little in over a century, since John Holland designed the USS Holland, the US Navy's first submarine. Photo by courtesy of Naval Historical Center.

These are some of the key parts of a typical submarine.

Pressure hull

The pressure of water pushing inward is the biggest problem for anyone who wants to go deep beneath the ocean surface. Even with scuba tanks, we can dive only so far because the immense pressure soon makes it impossible to breath. At a depth of 600m (2000ft), the maximum depth subs ever dive to, the water pressure is over 60 times greater than it is at the surface!

How do subs survive where people can't? The hull of a standard ship is the metal outside that keeps the water out. Most submarines have two hulls, one inside the other, to help them survive. The outer hull is waterproof, while the inner one (called the pressure hull ) is much stronger and resistant to immense water pressure. The strongest submarines have hulls made from tough steel or titanium.

Planes

Photo: The diving planes on either side of a submarine's tower generate lift as it moves forward, just like the wings on a plane. Photo of USS Emory S. Land by Jared Aldape courtesy of US Navy.

Just as sharks have fins on their bodies to help them swim and dive, so submarines have fins called diving planes or hydroplanes . They work a bit like the wings and control surfaces (swiveling flaps) on an airplane, creating an upward force called lift. Buoyancy is the tendency of something to sink, rise, or float at a certain depth. While it's underwater, a submarine is negatively buoyant, which means it tends to sink, left to its own devices, if it's not moving. But as the submarine's propellers push it forward, water rushes over the planes, creating an upward force called lift that helps it remain at a certain depth, creating a state of neutral buoyancy (floating). The planes can be tilted to change the lift force, so making the submarine climb or dive through the sea, as necessary. The planes provide most of the submarine's control of its depth, most of the time. The amount of lift they generate depends both on the angle to which they're tilted and on the submarine's speed (just as the lift that wings generate depends on a plane's speed and "angle of attack").

Ballast tanks

There are spaces in between the two hulls that can be filled with either air or water. These are called the ballast tanks and, with the diving planes, they give a sub control over its buoyancy, particularly during the first part of a dive or a return to the surface from the depths. When the ballast tanks are filled with air, the submarine rises to the surface because it has positive buoyancy. With water inside the tanks, the sub has negative buoyancy so it sinks deeper into the ocean. The tanks at the front (known as the front trim tanks ) are usually filled with water or air first, so the submarine's front (bow) falls or rises before its rear (stern). The ballast tanks can also be used to help a submarine surface very quickly in an emergency.

Motor

Gasoline engines and diesel engines used by cars and trucks, and jet engines used by planes, need a supply of oxygen from the air to make them work. Things are different for submarines, which operate underwater where there is no air. Most submarines except nuclear ones have diesel-electric engines. The diesel engine operates normally when the sub is near the surface but it doesn't drive the sub's propellers directly. Instead, it powers an electricity generator that charges up huge batteries. These drive an electric motor that, in turn, powers the propellers. Once the diesel engine has fully charged the batteries, the sub can switch off its engine and go underwater, where it relies entirely on battery power.

Early military submarines used breathing tubes called snorkels to feed air to their engines from the air above the sea, but that meant they had to operate very near the surface where they were vulnerable to attack from airplanes. Most large military submarines are now nuclear-powered. Like nuclear power plants, they have small nuclear reactors and, since they need no air to operate, they can generate power to drive the electric motors and propellers whether they are on the surface or deep underwater.

Tower

Photo: The tower or sail can double up as an observation platform when the sub is cruising on the surface. Note the various different communications and navigation antenna. Photo by Jeffrey M. Richardson courtesy of US Navy.

Submarines are cigar-shaped so they can slip smoothly through the water, but in the very center there's a tall tower. In older submarines, the tower was packed with navigation and other equipment and was sometimes known as the conning tower (because, historically, it contained a submarines controls). It's also referred to simply as the tower or the sail, because in a modern submarine the controls and navigation equipment take up more room and tend to be located in the hull.

Navigation systems

Photo: Periscopes are useful if you're near the surface searching for enemy ships but they're useless underwater. Photo by Jeffery S. Viano courtesy of US Navy.

Light doesn't travel well through water, so it gets darker and darker the deeper down you go. Most of the time, submarine pilots can't even see where they're going! Submarines have periscopes (seeing tubes that can be pushed up through the tower), but they're useful only when subs are on the surface or just beneath it. Submarines navigate using a whole range of electronic equipment. There's GPS satellite navigation, for starters, which uses space satellites to tell the submarine its position. There's also SONAR, a system similar to radar, which sends out pulses of sound into the sea and listens for echoes reflecting off the seabed or other nearby submarines. Another important navigation system onboard a submarine is known as inertial guidance . It's a way of using gyroscopes to keep track of how far the submarine has traveled, and in which direction, without referring to any outside information. Inertial guidance is accurate only for so long (10 days or so) and occasionally needs to be corrected using GPS, radar, or other data.

Photo: The sonar apparatus in a typical submarine. Photo by Brandon Shelander courtesy of US Navy.

Life-support systems

A large military submarine has dozens of people onboard. How can they eat, sleep, and breathe, buried deep beneath the sea, in freezing cold water, for months at a time? A submarine is a completely sealed environment. The nuclear engine provides warmth and generates electricity—and the electricity powers all the life-support systems that submariners need. It makes oxygen for people to breathe using electrolysis to chemically separate molecules of water (turning H2O into H2 and O2) and it scrubs unwanted carbon dioxide from the air. Subs can even make their own drinking water from seawater using electricity to remove the salt. Trash is compacted into steel cans, which are ejected from an airlock system (a watertight exit in the hull) and dumped on the seabed.


Deep Sea Diving

Hil.troy.k12.mi.us
Pokemon Junior #7: Nidoran's New Friend Sacon, Gregg Pokemon Junior #6: Raichu Shows Off Dive: Book Two (The Deep) Dive: Book One (The Danger) Island: Book Three (Escape) Island: Book One (Shipwreck) Shark and Other Sea Creatures Dictionary Snake Dictionary Bug Dictionary . Read Document

LONG TERM MONITORING OF PELAGIC FISHES AT MALPELO ISLAND .
(number of fish observed / dive time in minutes) around 15 m deep with water reaching 14°C Sanctuary (FFS) is a World Heritage Site declared by UNESCO in 2006 covering an extension of 9,584 km2. Figura 1. . View Full Source

The Bend - University Of Notre Dame
And I greedily sucked in the brandy fumes from your open mouth as you kissed me hard and deep. shark of the air&mdashwhy should he seem so graceful&mdashhis . enormous wings, they fall into the sea&hellip but still, the Dive Bombers press on and find the Japanese fleet. . Retrieve Here

YMCA SUMMER DAY CAMP IN HORSHAM
DAY camp you&rsquoll dissect a real shark, learn to survive at sea with a homemade solar still, create a kelp forest and make your own submarine. Stay Location: Deep Meadow Park Pavilion Are you the world&rsquos next Super Spy? . Get Doc

2010 Zoo Camps
Deep. Experience behind-the-scenes activities and Dive into the watery world of sharks and seahorses. Touch sea stars and urchins and create cool crafts. SUMMErTiME SAfAri prints, feel shark skin and explore the beach at low . View Document

Junior Shark Encounter At Deep Sea Mundo - YouTube
Kids aged between 8 and 15 can dive with sharks, in our main Underwater Safari display! Sand Tigers, Tope, and Angel Sharks can swim right past the secure platform, and the kids get a fabulous view . View Video

General Information On Australia - Nc State University
The Sydney Harbour National Park has a number of Islands - Shark, Clark, Goat, Rodd shows and attractions at a Gold Coast theme park favourite! More than just a theme park, Sea World is committed to educating guests You can snorkel or scuba dive with equipment provided and a . View This Document

Point Defiance Zoo & Aquarium Education ZooPrograms 2008
Explore the world of apes, tigers and shark skin and explore the beach at low tide in this splashing sea adventure! All Around the Zoo Dive into the watery world of sharks, seahorses, octopuses and eels, just to mention a few! Discover . Doc Retrieval

Goblin shark - Wikipedia, The Free Encyclopedia
Range of the goblin shark [1] Synonyms (Mitsukurina owstoni) is a rare species of deep-sea shark. Sometimes called a "living fossil", it is the only extant Goblin sharks inhabit upper continental slopes, submarine canyons, and seamounts throughout the world at depths . Read Article

INTEGRATING SCIENCE & LANGUAGE ARTS
INTEGRATING SCIENCE & LANGUAGE ARTS. VIA TRADEBOOKS: AN ANNOTATED Jensen, Dr. Antony, Bolt, Dr. Stephen, & Johnson, Paul (illus.). (1989). World Explorer: Underwater Dive. tarsier, glowworms & fireflies, deep-sea fish, owl, and giant squid. Also see 3D book by Frances Jones & glow . View This Document

A Morning On The Beach By Mark Plummer T
A Morning on the Beach By Mark Plummer THE STREETS are quiet at this hour. another sea creature, enjoying a brief moment of life. bring: Oh sheesh! Excelente! Just what the world needs! Another stoner raving poetic about his trip? Who cares really, . Fetch Content

Reading/Literature Sample Test 2011-2013 - High School
Crichton talks about his experiences during a dive taken with other members of his family. above the sea. The sky above us was that deep, *Likely to meet High School standards **Likely to exceed High School standards . . Fetch This Document

VTE Framework: Animal Science - Massachusetts Department Of .
Changes to some of the Frameworks Strand Two (Technical Knowledge and Skills). Specifically, Strand Two of the Frameworks for Animal Science, ocean basins of the world. Identify five geological seastar, sea cucumber, branching seastar, and sea urchin). List the features . Return Document

Family Activities And Attractions On Oahu, Hawaii
15 great activities for families on the island of Oahu, Hawaii. About.com. Food Health Home Money Style the dive takes you past numerous coral formations, Sea Life Park has been one of Oahu's most visited attractions for over 40 years. . Read Article

Shark Attack - Wikipedia, The Free Encyclopedia
Highest number of fatal shark attacks in the world with Western Australia recently becoming the deadliest place in the world for shark attacks, Sneak attack &ndash The victim will not usually see the shark, and may sustain multiple deep bites. ISA World Junior Surfing Games Ecuador Ku . Read Article

Analogy Practice Worksheet - Teacher Web
Choose the correct word to complete each analogy. One the line write the relationship between the words in each pair. 1. scissors : The surface was marred by deep scratched and gouges. 3. The winner would play for the city&rsquos Junior League Championship. . View This Document

People.lis.illinois.edu
I'm In Touch With Your World Don't Cha Stop You're All I've Got Tonight Bye Bye Love Moving In Stereo Sleeping In The Deep Sea Parochial Town Off The Edge Of Despair On The Other Side Of The Mountain Hurry, Shark Attack Theme The Life Aquatic With Steve Zissou . Access Doc

TSBVI Braille Book Listing
Biggest House in the World, The. Bill and Pete. Bill and Pete Go Down the Nile. Dive! A Book About Deep-Sea Creatures. Doctor Desoto . Doctor, The . Dog Ate My Homework, The. Shark in School . Sharks and Other Wild Water Animals. Sherman . Shiloh . . View Document

RANGALI: EXCLUSIVELY YOURS - Conrad Hotels
Destinations in the world. Deep Blue Sea. VILLAS AND SUITES Rangali Island Relax in your own little Maldivian hideaway as nature meets Measuring up to 15 metres, have the opportunity to dive with the largest fish in the ocean. &bull Diving . View Document

Grade Two List: Levels H Through M
Barbara M 2.75 Junior Gymnasts"#2 Katie Trevor M 2.75 Monster Rabbit Runs Amuck Giff Patricia / Dell M 2.75 Monsters don't Scuba Dive Dadey, Debbie M 2.75 Mop Top The Dahl ,Roald P 3.70 Experiments with Electricity Challand, Helen P 3.70 Families of the Deep Blue Sea . Get Document

Www.tsbvi.edu
Dive! A Book About Deep-Sea Creatures Elizabeth Levy Snap! The Real-Life Tale of the World&rsquos Most Famous Killer Whale Hammond, Diane Copland Picture Book of Louis Braille, A Alberic the Wise Juster, Norton Amber Brown is Not a Crayon . Access Content

U.S. Navy Submarines Frequently Asked Questions
And live together for months at a time to defend their country and protect U.S. interests around the world. How big is a submarine? The U How deep can you go in a submarine? because on a submarine operating at sea, . Read Article

Welcome Andi! - University Of Hawaii System
Welcome Andi! by Doreen Seaton Andi Shluker has recently become the MOP Mänoa become a dive master, and work with the dive program at her university. (former Director of the Hawai&lsquoi Sea Grant College Program) . Read Here

Www.eduplace.com
Set in Denmark during World War II, This book describes the three states of matter in the context of helium/oxygen use in deep sea diving. Fountas Guided Reading Level In this book, children will learn about different colored objects. . Fetch Document

Assignment #1: - University Of Hawaii System
The pressure of English proficiency has accelerated the world of the English Language Teaching -only policy in English education for the third and fourth graders in elementary school and the seventh graders in junior high school with the policy affecting one Dive!: A Book of Deep-Sea . Read Content


Assista o vídeo: Segunda Guerra Mundial 17-01 Los estragos de los submarinos Alemanes