Um tesouro literário: o poema inglês mais antigo que sobreviveu - Beowulf e suas batalhas épicas

Um tesouro literário: o poema inglês mais antigo que sobreviveu - Beowulf e suas batalhas épicas

Talvez o mais antigo longo poema sobrevivente em inglês antigo, Beowulf é comumente visto como uma das obras mais importantes da literatura inglesa antiga. Embora a data da composição do poema ainda seja debatida, a única certeza é que o manuscrito físico foi produzido em algum momento entre 975 e 1025 DC. O autor era um poeta anônimo, talvez de ascendência anglo-saxônica, que agora é conhecido como o "poeta Beowulf". O poema propriamente dito não tem um título específico, por isso foi nomeado em homenagem ao protagonista da história. O poema completo sobreviveu apenas em um manuscrito conhecido como Nowell Codex. O manuscrito foi seriamente danificado em um incêndio na Ashburnham House, em Londres, em 1731. No entanto, o manuscrito não foi destruído neste incêndio e atualmente está abrigado na Biblioteca Britânica.

Primeira página de Beowulf contida no Nowell Codex danificado

The Date Debate

A datação do poema continua sendo um ponto de discórdia entre os estudiosos. Embora haja uma data bastante concreta para a produção do manuscrito contendo o poema, as opiniões divergem sobre se o poema em si é contemporâneo de sua transcrição. Talvez houvesse uma proto-versão do poema transmitida pela tradição oral antes mesmo de ser copiada. J.R.R. Tolkien sentiu fortemente que o poema retém muita memória genuína do paganismo anglo-saxão para ter sido composto mais do que algumas gerações após a conclusão da cristianização da Inglaterra por volta de 700 DC. Outros afirmam que o poema tem elementos que datam de uma época muito anterior. O manuscrito foi transcrito por dois escribas, um dos quais escreveu as primeiras linhas de 1939 e outro escreveu o restante. Os dois escribas apresentam dois estilos de escrita distintos e, embora seja claro que revisaram seu trabalho, ainda existem vários erros. Essa informação foi usada para argumentar que os escribas transcreveram sua própria interpretação da tradição oral anterior do poema.

Beowulf e os Grendels

O poema se passa na Escandinávia, onde o protagonista Beowulf, um herói geatense (de uma área que agora faz parte da Suécia moderna), atende ao pedido de ajuda do rei dinamarquês Hrothgar. O grande salão do rei, Heorot, está sendo atacado pelo monstro Grendel. Este monstro sofre com os sons de uma alegria da qual não pode participar. Uma noite, enquanto Hrothgar e seus homens estão dormindo, Grendel decide pôr um fim à alegria desses homens e ataca o salão, matando e devorando muitos dos homens de Hrothgar . Como resultado, Heorot é abandonado por aqueles que sobraram e um pedido de ajuda é feito. Beowulf atende a chamada e enfrenta Grendel um a um, sem nenhuma arma. Os homens de Beowulf vêm em seu auxílio no calor da batalha, mas suas espadas não podem perfurar a pele do monstro. Finalmente, Beowulf arranca o braço de Grendel de seu corpo e o monstro recua para os pântanos e morre.

  • Animais fantásticos e onde encontrá-los: uma história de monstros, de lobisomens a hipogrifos
  • Desvendando os segredos perdidos de Beowulf
  • Canção dos Nibelungos: o conto germânico épico de amor, morte e vingança

Vikings carregando a cabeça de Grendel, a besta que atacou o salão de festas em ‘Beowulf’

Depois de descobrir seu filho morto, a mãe de Grendel sai noite adentro em busca de vingança. Os homens de Hrothgar dormem em Heorot, acreditando estar a salvo de ataques. Assim que a mãe de Grendel chega a Heorot, ela mata violentamente Aechere, um dos guerreiros mais leais de Hrothgar. Hrothgar junto com Beowulf e seus homens rastreiam a mãe de Grendel até seu covil sob o lago. Depois de explicar a Hrothgar seus desejos de morrer, Beowulf pula no lago. no fundo do lago, ele encontra uma caverna contendo o corpo de Grendel e os restos mortais. Beowulf se envolve em uma batalha com a mãe de Grendel, e ela parece prevalecer no início. Mais uma vez descobrindo que as espadas não podem perfurar a pele do monstro, ele joga sua própria espada de lado e pega uma de dentro do covil e corta a cabeça dela com ela. Beowulf também decapita o cadáver de Grendel. Trazendo as cabeças de volta à superfície, ele as apresenta a Hrothgar e, ao retornar a Heorot Beowulf, é presenteado com muitos presentes. O evento leva a uma longa reflexão do rei, conhecida como "sermão de Hrothgar", no qual ele exorta Beowulf a ser cauteloso com o orgulho.

Beowulf lutando contra a Mãe de Grendel ao lado do corpo de Grendel. Crédito: ndhill

As novas sagas de Beowulf

Após suas batalhas na terra dos dinamarqueses, Beowulf retorna ao seu próprio povo e eventualmente se torna rei. Cinquenta anos após a batalha com a mãe de Grendel, um escravo rouba uma taça de ouro do covil de um dragão em Earnanaes. Vendo que o copo foi roubado, o dragão fica furioso, queimando tudo à vista. Beowulf e seus guerreiros vão lutar contra o dragão, mas ele diz a seus homens que lutará sozinho contra o dragão e que eles devem esperá-lo no túmulo. Entrando na batalha com o dragão, Beowulf vê que ele está em desvantagem. Ao ver isso, seus homens temem por suas vidas e se refugiam na floresta. Apenas um dos homens de Beowulf, Wiglaf, vai em seu auxílio. Os dois matam o dragão, mas Beowulf é mortalmente ferido. Após a morte de Beowulf, ele é ritualmente queimado em uma pira como era a tradição da época e este povo de Geatland lamenta sua morte. Em seguida, um carrinho de mão, visível do mar, é construído em sua memória.

  • Dez criaturas mitológicas no folclore antigo
  • Labirinto misterioso e cavernas rituais: arqueólogos desenterram o passado da Idade da Pedra na ilha sueca
  • Canção dos Nibelungos: O épico conto germânico de amor, morte e vingança - Parte 2

Wiglaf falando com Beowulf após sua batalha com o dragão

Cenário Histórico do Poema

Os eventos do poema acontecem na maior parte das 6 º século, depois que os anglo-saxões começaram a entrar no que viria a ser a Inglaterra; quando eles ainda tinham laços estreitos com seus parentes germânicos. Como tal, o poema pode ter sido trazido para a Inglaterra por uma pessoa de origem geatense. Alguns sugeriram que o poema foi composto pela primeira vez no século 7 º século em East Anglia, já que o enterro do navio Sutton Hoo guarda grande semelhança com os sepultamentos na Escandinávia e aqueles descritos no poema. Por outro lado, outros associaram o poema à corte do rei Alfredo, o Grande, na década de 9 º e 10 º séculos. Embora o poema tenha sido composto para entretenimento, os estudiosos concordam que ele entrelaça lendas com eventos do mundo real. Beowulf é fictício, mas os personagens coadjuvantes também aparecem em fontes escandinavas, assim como alguns dos eventos. A datação desses eventos pode ter sido confirmada por escavações arqueológicas de túmulos, indicando a prática tradicional de sepultamento na Escandinávia. Quando o monte de Eadgils foi escavado na Suécia em 1874, os restos mortais mostraram que um homem poderoso foi enterrado no monte ca. 575 DC, em uma pele de urso com dois cães e ricas ofertas de túmulos. O enterro teria sido adequado para um homem rico famoso de fontes nórdicas antigas. Talvez este seja o verdadeiro enterro de Beowulf, o grande rei guerreiro.


Análise de Beowulf and Paradise Lost

Na primeira batalha, é óbvio que Grendel é o principal antagonista porque ele é um demônio e mata os homens de Hrothgar. A segunda batalha coloca Beowulf contra a mãe de Grendel, que dizem ser muito pior do que o próprio Grendel. Mas, mais uma vez, é óbvio que a mãe de Grendel é má. No entanto, no terceiro ato do poema, o dragão não é necessariamente mau. O dragão está guardando seu tesouro quando de repente alguém entra e rouba parte dele. & Hellip


Comparação Beowulf e Judith

De acordo com o livro The Norton Anthology, English Literature, “Beowulf é o mais antigo dos grandes longos poemas escritos em inglês há mais de mil e duzentos anos. Agora é amplamente aceito que Beowulf é a obra de um único poeta que era cristão e que seu poema reflete uma tradição cristã bem estabelecida. ” O livro Norton Anthology, English Literature declara: “Um dos livros bíblicos dos quais Elfric extraiu material foi o Livro de Judith. Não sabemos a data para a tradução do Livro de Judith para a poesia anglo-saxônica, mas provavelmente foi composto em algum momento do século X ”. Nas histórias, Beowulf e Judith ambos os personagens têm semelhanças e diferenças que mostram suas perspectivas ao longo da vida. Na história de Beowulf, Beowulf pode ser descrito como um humano mortal que nasceu e foi criado em Geatland. Beowulf tem muitas características que mostram sua liderança épica, coragem e responsabilidades para com seu povo. Ele acreditava que todo o seu povo era igual e nenhuma pessoa era melhor que a outra. Na história de Judith, Judith foi uma grande líder que tentou proteger e servir seu povo. Judith foi a heroína judia que salvou os judeus matando Holofernes, que era o general do exército que os sitiava. Ambos os personagens mostram grande adversidade e cristianismo em seus poemas.

Beowulf e Judith são semelhantes em muitos aspectos quando se trata de liderar seu povo. Beowulf nunca tinha medo de desistir de uma luta, mas tinha espadas para protegê-lo. Beowulf matou Grendel com as próprias mãos. Beowulf mostrou o troféu onde Grendel havia sido derrotado e era o braço de Grendel. Beowulf defende valores, traços e responsabilidades como um herói deveria. Judith tinha Deus ao seu lado quando se tratava de lutar contra os bandidos. Judith não precisa de espadas ou magia para ajudá-la a lutar porque ela tem o poderoso Deus pronto para ajudá-la a vencer suas lutas. Judith é mais esperta que seus inimigos, então ela pode derrotá-los e conseguir o que deseja no final. Judith fala com Deus sobre tudo antes de fazer isso, então ela saberá como lidar com a luta. Pessoalmente, Judith é mais corajosa porque ela não tem nada, mas a palavra de Deus e isso é difícil de seguir para a maioria das pessoas. Os poemas são sobre dois heróis diferentes e como eles superam todos os momentos difíceis e bons de suas vidas. Quando temos Deus ao nosso lado, vamos passar por momentos difíceis, mas Deus está lá para nos guiar e nos ajudar a sair dessas situações. Judith é uma mulher e Beowulf é um homem. Esses dois líderes fortes têm os mesmos valores e desejam o que é melhor para seu pessoal. Judith e Beowulf têm que defender aquilo em que acreditam e lutar quando se trata de proteger seu povo. Beowulf e Judith têm empregos difíceis porque têm tantas pessoas dependendo deles que precisam ficar vigilantes o dia todo, todos os dias. Beowulf e Judith são muito respeitados porque seu povo sabe que eles protegem, não importa o que aconteça. Devido às responsabilidades esmagadoras que Beowulf e Judith têm, cada um administra suas responsabilidades à sua maneira.

No poema Beowulf, o texto é influenciado por conceitos coloridos do texto original de Beowulf. A Antologia Norton da Literatura Inglesa diz: “Ao longo da história de Beowulf, encontramos muitos elementos da filosofia cristã: que o homem sobrevive apenas por meio da proteção de Deus, que todos os dons terrenos fluem de Deus e que o comportamento adequado do homem é para seja humilde e altruísta. No entanto, há também um forte sentimento de orgulho heróico em Beowulf, que às vezes está em conflito direto com esses valores cristãos. Marshall declara: “Beowulf tem uma atitude cristã em relação à riqueza. Ele observa o interesse de Beowulf em distribuir presentes para seus lacaios, para os quais ele precisaria de um tesouro. " Beowulf repetidamente reconhece Deus como seu protetor. Ele sabe que Deus está cuidando de sua sobrevivência. Edward Irving escreve que “Deus é verdadeiramente sentido como uma presença viva apenas nos momentos em que sentimos as ondas de poder heróico em Beowulf. Nesse sentido especial, o herói é de fato o agente de Deus, pois ele é a única maneira pela qual podemos estar cientes de Deus e de como ele age no mundo dos homens que conhecemos. ” Estados medievais iluminados, Beowulf é protegido menos pela divindade do que por forças físicas, como sua armadura. Na história, Beowulf nunca fala diretamente com Deus. ”

O poema Judith é fortemente influenciado pelo Livro de Judith na Bíblia. Judith acredita fortemente em Deus e na fé que ela deposita em Deus para ser uma grande líder. Drumheller diz: "Judith tem fé completa em Deus, soando como o Senhor falando com Jó do redemoinho, Judith desafia a noção do povo de testar Deus. Você não consegue nem mesmo entender o funcionamento interno do pensamento e das emoções humanas, Judith proclama. Como você pode sonhar em entender o pensamento de Deus? Judith lembra aos governantes e ao povo de Bethulia a importância do arbítrio humano no plano de Deus: “Portanto, enquanto esperamos pelo livramento [de Deus], ​​vamos invocá-lo para nos ajudar, e ele ouvirá nossa voz, se lhe agrada ( 8:17). ” Mediveal lit afirma: "O Deus de Judith protege sua heroína".

O bravo Beowulf e a prudente Judith não podem travar suas batalhas sem definir a ajuda Beowulf e Judith representam uma enorme quantidade de bravura em seus poemas. Na primeira luta de Beowulf, antes de enfrentar Grendel, Beowulf "tirou o capacete e entregou seu ajudante / a espada padronizada" (672-673), decidindo que o uso de uma arma ou proteção de qualquer tipo tornaria a batalha muito fácil. Pouco depois de fazer isso, ele se gaba: “Quando se trata de luta, eu me considero / tão perigoso a qualquer dia quanto Grendel”, afirmou Cory. Beowulf mostra uma enorme coragem ao matar Grendel e enquanto tenta matar Grendel, Beowulf percebe que suas armas não estavam funcionando. Como resultado das armas não funcionarem, Beowulf matou Grendel com as próprias mãos. Na segunda batalha, Beowulf está tentando destruir a mãe de Grendel. Beowulf viaja para as margens do lago para a caverna da mãe de Grendel para destruir a bruxa demônio por si mesmo. Beowulf escolheu lutar sozinho, o que mostrou sua bravura. Na terceira batalha, Beowulf tenta derrotar um dragão. Beowulf está determinado a derrotar o dragão sozinho, o que mostra sua coragem. Mesmo assim, Beowulf não acabou lutando sozinho contra o dragão. Judith representa bravura usando apenas sua fé em Deus quando ela vai para a batalha. Craven diz: “Judith e sua mão escaparam do acampamento, levando a cabeça de Holofernes de volta para Bethulia. Os judeus foram encorajados por sua bravura. ” A poética Judith tem força heróica. Claramente, a força de Judith no poema é maior do que a força da Judith bíblica e essa força é um produto da tradição heróica. Judith usou sua força heróica para carregar o peso morto dos bêbados Holofernes dentro da tenda. Em ambos os poemas, Beowulf e Judith mostram grandes sinais de bravura para o leitor e seu povo.

Disparidades também aparecem entre os personagens Beowulf e Judith. Beowulf é um guerreiro masculino, enquanto Judith é uma guerreira. Beowulf aceita recompensas por todas as suas vitórias. Essas recompensas incluem celebrações, elogios, status e presentes caros. Judith dificilmente aceita qualquer tipo de recompensa. Beowulf fala sobre ele e quer que todos saibam como ele pode derrotar monstros com as próprias mãos. Beowulf é protegido pela divindade do que pela armadura. Judith é protegida por Deus e por ele cuidar dela. Judith tem um Deus que está ao seu lado o tempo todo e nunca a deixa e responde a todas as suas orações. O Deus de Beowulf é mais uma figura de linguagem e nem sempre está lá para ele quando ele o chama. Quando Judith recebe recompensas, ela vê isso como um presente de Deus. Quando Beowulf recebe recompensas, ele as quer e quer que todos saibam que ele as tem. Medieval lit afirma: "Após o retorno triunfante de Judith a Bethulia, a heroína não se detém em sua vitória, mas transmite apenas o que é necessário para reunir seu povo, observando que são eles que receberão a glória. Ela se mostra consistentemente satisfeita em ganhar glória para os outros quando se conclui que “ela não duvidou da recompensa que tanto ansiava. Para que seja glória ao amado Senhor para todo o sempre. ” O ego de Beowulf se interpõe entre ele e sua Deusa. A humildade de Judith a liga à dela. Medieveal lit diz: "O motivo de Beowulf em confrontar Grendel se assemelha apenas parcialmente ao motivo de Judith em confrontar Holofernes, a natureza da vitória de Beowulf se assemelha apenas parcialmente à de Judith. Ao contrário da "santa donzela" Judith, cuja aspiração e conquista derivam de Deus, Beowulf enfatiza sua própria importância nos procedimentos, expressando sua "completa confiança em seu fortalecimento dos membros e no favor do Senhor", e observando que o Senhor Divino " em Sua sabedoria, conceda a glória da vitória a qualquer lado que ele achar adequado. ”

Beowulf é um bom líder porque representa tudo o que um líder deve ter. Beowulf fez alianças com os dinamarqueses. Ele trouxe riquezas para seu povo, ele defendeu seu povo, ele foi um rei eficaz, ele foi um guerreiro brilhante. Seu maior momento de liderança foi quando ele lutou contra o dragão no final. Beowulf sabia que estava muito velho para lutar contra o dragão, mas se levantou e o fez porque nunca desiste de uma luta. Ele fez tudo o que podia durante a luta, mas acabou perdendo. Beowulf lutou porque sabia que seu tempo estava quase acabando, então queria dar tudo o que tinha. Todo mundo tem suas falhas, então Beowulf não é perfeito de forma alguma. Beowulf ama seu povo e quer fazer de tudo para mantê-lo seguro e fora de perigo. Beowulf não tem medo de lutar, mas às vezes pode não saber quando parar. A falha de Beowulf é que ele quer que todos saibam o que ele faz e ele quer mostrar todas as recompensas que recebe. Poderíamos dizer que a falha de Beowulf seria que ele tentou continuar lutando quando sabia que estava muito velho, mas cada um tem sua própria opinião. Minha opinião pessoal é que Beowulf sabia que estava velho e estava chegando a hora de os geats conseguirem um novo líder, mas ele morreu tentando o seu melhor para seu povo, mesmo que tivesse apenas uma pessoa ao seu lado.

Judith é uma boa líder porque comanda, planeja e conduz seu povo na direção certa. Planejar, liderar e comandar são as coisas mais importantes para ser um bom líder e apoiar seu pessoal. As pessoas sempre dizem que uma mulher não será uma grande líder, mas isso não é verdade e Judith mostra isso de muitas maneiras diferentes. Judith decompõe as coisas e encontra uma maneira de consertar as situações com um plano e o tem em ordem. Judith sabe como o poder atua com ela e com os homens, e não deixará que os homens a ponham em prática só porque acham que são melhores do que ela. Judith age bem com seu coração e com as pessoas que ama. Judith confia em Deus e com Deus tudo é possível. Quando tivermos Deus ao nosso lado, ele nos protegerá e nos ajudará em tempos difíceis, desde que estejamos com ele em tudo. As pessoas querem seguir a Deus quando tudo é bom, mas quando o mal chega, elas querem dar meia-volta e fugir.

Judith duvidou dos dons neste mundo, onde encontrou proteção do glorioso Senhor. Judith tem o favor mais necessário do mais alto Juiz, para que o Senhor a defendesse contra o maior terror. Deus concedeu a Judith seu pedido porque ela permaneceu fiel à sua fé. Holofernes avidamente emitiu convites para uma festa e forneceu todos os tipos de maravilhas magníficas. Judith era uma boa pessoa e sempre queria fazer a coisa certa, para que seu povo fosse protegido e ela sempre pudesse manter sua fé em Deus. Judith fez tudo o que pôde para garantir que sua fé em Deus nunca acabasse. Judith é alguém que todos deveriam desejar como líder, porque ela se preocupa e se esforça ao máximo para fazer a coisa certa. É difícil estar sempre perto de Deus, especialmente quando os tempos difíceis chegam, mas é importante saber se temos Deus ao nosso lado, podemos realizar e superar qualquer coisa.

Beowulf, que era um herói dos geats, mais tarde na vida ele se torna o rei dos geats. Beowulf representa valores, motivações, características e lealdade. É possível que Beowulf seja o único sobrevivente. Hrothgar e Beowulf são retratados como moralmente corretos e iluminados. A tentativa do jovem Beowulf de confortar o rei enlutado invocando o código de vingança pode ser um dos vários exemplos do tratamento irônico do poeta da trágica futilidade de intermináveis ​​rixas de sangue. Em vez disso, o poema gira em torno das três grandes lutas de Beowulf contra o mal sobrenatural, que habita o espaço perigoso e demoníaco que cerca a sociedade humana. Ele empreende a luta contra Grendel para salvar os dinamarqueses do monstro e exigir vingança pelos homens que Grendel matou.

A luta mais heróica que Beowulf lutou foi contra o dragão. Beowulf superou seu destino e sua velhice, para que pudesse proteger seu povo e morrer lutando. Esta luta foi notável porque ninguém nesta idade lutaria nesta luta, mas Beowulf lutou mesmo assim porque é forte e ama o seu povo e faria qualquer coisa por ele. Beowulf disse a seus guerreiros que esta era sua última batalha. Beowulf trouxe sua espada e escudo especial e enquanto caminhava para lutar contra o dragão, ele grita, para que o dragão acorde. O dragão acorda e atira fogo em Beowulf, o escudo pega as chamas, mas Beowulf tenta ir atrás do dragão e sua espada não dá conta do recado. Beowulf não tem proteção e fica desarmado. Os onze guerreiros que vieram com Beowulf não se levantaram e protegeram seu líder porque estavam com medo. Dos onze guerreiros que vieram com ele, apenas um permaneceu e ficou com Beowulf durante tudo. Quando os dez guerreiros deixaram Beowulf, isso mostra que você não pode contar com as pessoas porque, quando as coisas ficarem difíceis, nem todos estarão lá para se proteger porque estão com medo. Beowulf desaba e Wiglaf, o único guerreiro que permaneceu, derramou água na ferida, mas era tarde demais e nada que eles pudessem fazer a respeito. Antes de Beowulf morrer, ele diz a Wiglaf para trazer o tesouro para ele, para que ele possa ver por que está morrendo.

A luta mais heróica de Judith foi com Holofernes. Judith salvou seu povo decapitando Holofernes. A história de Judith e Holofernes vem da Bíblia. O nome de Judith significa senhora judia, ela era uma mulher bonita. Ela seduz Holofernes com sua beleza e espera até que ele esteja bêbado e corta sua cabeça depois de falar com Deus sobre isso primeiro.

Em conclusão, Beowulf e Judith têm várias semelhanças e diferenças que atribuem a seu grande sucesso como líderes. No poema Beowulf, existem alguns temas que podem ser retirados da leitura do poema. Lealdade, generosidade, reputação são três temas que se destacam ao longo de todo o poema. Beowulf pode ser conhecido como um líder altruísta. Ao longo do poema Beowulf, ele estava destinado a buscar fama e glória por suas realizações. Beowulf era muito leal a toda a sociedade Angelo-Saxton por ser um verdadeiro herói para seu povo. Ele mostrou muita generosidade para com todo o seu povo, indo para as batalhas sozinho. No poema Judith, ela permaneceu fiel à sua crença em Deus. Judith não queria elogios e recompensas, ela queria que seu povo agradecesse a Deus. Judith, à sua maneira, pode ser conhecida como uma pessoa altruísta por sempre colocar seu povo antes de si mesma. No poema Judith, o Cristianismo desempenha um papel importante na maneira como as pessoas veem as coisas ao longo do poema. Beowulf e Judith mostram grande temor e liderança em ambos os poemas. Beowulf e Judith são dois grandes poemas que podem servir de inspiração para mostrar grande coragem, liderança e generosidade.


Beowulf - apresentação PPT do PowerPoint

PowerShow.com é um site líder de compartilhamento de apresentações / slides. Quer seu aplicativo seja comercial, como fazer, educação, medicina, escola, igreja, vendas, marketing, treinamento online ou apenas para diversão, o PowerShow.com é um ótimo recurso. E, o melhor de tudo, muitos de seus recursos interessantes são gratuitos e fáceis de usar.

Você pode usar o PowerShow.com para localizar e baixar exemplos de apresentações de ppt do PowerPoint on-line sobre praticamente qualquer tópico que você possa imaginar, para que possa aprender como melhorar seus próprios slides e apresentações gratuitamente. Ou use-o para encontrar e baixar apresentações de PowerPoint ppt de instruções de alta qualidade com slides ilustrados ou animados que irão ensiná-lo a fazer algo novo, também gratuitamente. Ou use-o para carregar seus próprios slides do PowerPoint para que você possa compartilhá-los com seus professores, turmas, alunos, chefes, funcionários, clientes, investidores em potencial ou o mundo. Ou use-o para criar apresentações de slides de fotos muito legais - com transições 2D e 3D, animação e sua escolha de música - que você pode compartilhar com seus amigos do Facebook ou círculos do Google+. Isso também é gratuito!

Por uma pequena taxa, você pode obter a melhor privacidade online do setor ou promover publicamente suas apresentações e apresentações de slides com as melhores classificações. Mas, fora isso, é grátis. Nós até converteremos suas apresentações e apresentações de slides no formato Flash universal com toda sua glória multimídia original, incluindo animação, efeitos de transição 2D e 3D, música ou outro áudio embutido, ou até mesmo vídeo embutido em slides. Tudo de graça. A maioria das apresentações e slideshows no PowerShow.com é gratuita para visualização, muitos até são gratuitos para download. (Você pode escolher se deseja permitir que as pessoas baixem suas apresentações originais do PowerPoint e slideshows de fotos mediante o pagamento de uma taxa ou de graça ou não.) Visite PowerShow.com hoje - GRATUITAMENTE. Existe realmente algo para todos!

apresentações gratuitas. Ou use-o para encontrar e baixar apresentações de PowerPoint ppt de instruções de alta qualidade com slides ilustrados ou animados que irão ensiná-lo a fazer algo novo, também gratuitamente. Ou use-o para carregar seus próprios slides do PowerPoint para que você possa compartilhá-los com seus professores, turmas, alunos, chefes, funcionários, clientes, investidores em potencial ou o mundo. Ou use-o para criar apresentações de slides de fotos muito legais - com transições 2D e 3D, animação e sua escolha de música - que você pode compartilhar com seus amigos do Facebook ou círculos do Google+. Isso tudo é grátis também!


Obtenha uma cópia


Sistema de valor em Beowulf

status de uma pessoa por um sistema de valores. Embora, o sistema de valores dos anglo-saxões na Idade Média seja bastante diferente dos sistemas de valores de hoje. Os sistemas de valores, como a maioria das pessoas sabe, determinam o status por quanto dinheiro ou quão talentoso um indivíduo é. Isso é semelhante ao sistema de valores explicado no poema épico, mas existem apenas algumas diferenças. O sistema de valores é determinado principalmente pelo código heróico, no qual o personagem principal do poema épico, Beowulf, mostra muitas dessas características


Beowulf e Judith

De acordo com o livro The Norton Anthology, English Literature, Beowulf é o mais antigo dos grandes longos poemas escritos em inglês há mais de mil e duzentos anos. Agora é amplamente aceito que Beowulf é a obra de um único poeta que foi cristão e que seu poema reflete uma tradição cristã bem estabelecida. O Norton Anthology, livro de Literatura Inglesa declara: Um dos livros bíblicos do qual Elfric extraiu material foi o Livro de Judith.

Não sabemos a data para a tradução do Livro de Judith para a poesia anglo-saxônica, mas provavelmente foi composto em algum momento do século décimo. Nas histórias, Beowulf e Judith ambos os personagens têm semelhanças e diferenças que mostram suas perspectivas ao longo de suas vidas. Na história de Beowulf, Beowulf pode ser descrito como um humano mortal que nasceu e foi criado em Geatland. Beowulf tem muitas características que mostram sua liderança épica, coragem e responsabilidades para com seu povo.

Ele acreditava que todo o seu povo era igual e nenhuma pessoa era melhor que a outra. Na história de Judith, Judith foi uma grande líder que tentou proteger e servir seu povo. Judith foi a heroína judia que salvou os judeus matando Holofernes, que era o general do exército que os sitiava. Ambos os personagens mostram grande adversidade e cristianismo em seus poemas.

Beowulf e Judith são semelhantes em muitos aspectos quando se trata de liderar seu povo. Beowulf nunca tinha medo de desistir de uma luta, mas tinha espadas para protegê-lo. Beowulf matou Grendel com as próprias mãos. Beowulf mostrou o troféu onde Grendel havia sido derrotado e era o braço de Grendels. Beowulf defende valores, características e responsabilidades como um herói deve fazer. Judith tinha Deus ao seu lado quando se tratava de lutar contra os bandidos. Judith não precisa de espadas ou magia para ajudá-la a lutar porque ela tem o poderoso Deus pronto para ajudá-la a vencer suas lutas. Judith é mais esperta que seus inimigos, então ela pode derrotá-los e conseguir o que deseja no final. Judith fala com Deus sobre tudo antes de fazer isso, então ela saberá como lidar com a luta.

Pessoalmente, Judith é mais corajosa porque ela não tem nada, mas a palavra de Deus e isso é difícil de seguir para a maioria das pessoas. Os poemas são sobre dois heróis diferentes e como eles superam todos os momentos difíceis e bons de suas vidas. Quando temos Deus ao nosso lado, vamos passar por momentos difíceis, mas Deus está lá para nos guiar e nos ajudar a sair dessas situações. Judith é uma mulher e Beowulf é um homem.

Esses dois líderes fortes têm os mesmos valores e desejam o que é melhor para seu pessoal. Judith e Beowulf têm que defender aquilo em que acreditam e lutar quando se trata de proteger seu povo. Beowulf e Judith têm empregos difíceis porque têm tantas pessoas dependendo deles que precisam ficar vigilantes o dia todo, todos os dias. Beowulf e Judith são muito respeitados porque seu povo sabe que eles protegem, não importa o que aconteça. Devido às responsabilidades esmagadoras que Beowulf e Judith têm, cada um administra suas responsabilidades à sua maneira.

No poema Beowulf, o texto é influenciado por conceitos coloridos do texto original de Beowulf. A Antologia Norton da Literatura Inglesa diz: Ao longo da história de Beowulf, encontramos muitos elementos da filosofia cristã: que o homem sobrevive apenas por meio da proteção de Deus, que todos os dons terrenos fluem de Deus e que o comportamento adequado do homem deve ser humilde e altruísta. No entanto, há também um forte sentimento de orgulho heróico em Beowulf, que às vezes está em conflito direto com esses valores cristãos. Marshall afirma: Beowulf tem uma atitude cristã em relação à riqueza. Ele observa o interesse de Beowulf em distribuir presentes a seus lacaios, para os quais ele precisaria de um tesouro. Beowulf repetidamente reconhece Deus como seu protetor.

Ele sabe que Deus está cuidando de sua sobrevivência. Edward Irving escreve que Deus é verdadeiramente sentido como uma presença viva apenas nos momentos em que sentimos as ondas de poder heróico em Beowulf. Nesse sentido especial, o herói é de fato o agente de Deus, pois ele é a única maneira pela qual podemos ter consciência de Deus e de como ele age no mundo dos homens que conhecemos. Estados medievais iluminados, Beowulf é protegido menos pela divindade do que por forças físicas, como sua armadura. Na história, Beowulf nunca fala diretamente com Deus.

O poema Judith é fortemente influenciado pelo Livro de Judith na Bíblia. Judith believes strongly in God and the faith she puts into God to be a great leader. Drumheller says, Judith has complete faith in God, sounding like the Lord speaking to Job from the whirlwind, Judith challenges the peoples notion of testing God. You cannot even understand the inner-workings of human thought and emotions, Judith proclaims. How could you dream of understanding the thought of God? Judith reminds the rulers and people of Bethulia the importance of human agency in Gods plan: Therefore, while we wait for [Gods] deliverance, let us call upon him to help us, and he will hear our voice, if it pleases him (8:17). Mediveal lit states, Judiths God protects his heroine.

The brave Beowulf and the prudent Judith cannot fight their battles without define help Beowulf and Judith both represent enormous amounts of bravery throughout their poems. In Beowulfs first fight, before facing Grendel, Beowulf took off the helmet and handed his attendant / the patterned sword (672-673), deciding that using a weapon or protection of any kind would make the battle too easy. Shortly after doing this, he boasts, When it comes to fighting, I count myself / as dangerous any day as Grendel stated Cory. Beowulf displays a huge amount of bravery by killing Grendel and while trying to kill Grendel, Beowulf realizes that his weapons were not working. As a result of the weapons not working, Beowulf killed Grendel with his bare hands.

In the second battle, Beowulf is trying to destroy Grendels mother. Beowulf travels to the lake shores to Grendels mothers cave to destroy the demon hag by his self. Beowulf made the choice to fight alone which showed his bravery. In the third battle, Beowulf is trying to defeat a dragon. Beowulf is determined to defeat the dragon alone, which shows his courage. Even though in the end, Beowulf did not end up fighting the dragon alone.

Judith represents bravery by using only her faith in God when she goes into battle. Craven says, Judith and her handmade snuck out of the camp, taking Holofernes head back to Bethulia. The Jews were emboldened by their bravery. The poetic Judith has heroic strength. Clearly the strength of Judith in the poem is greater than the strength of the biblical Judith and this strength is a product of the heroic tradition. Judith used her heroic strength to lug the dead weight of the drunken Holofernes around inside the tent. In both poems, Beowulf and Judith show great signs of bravery to the reader and their people.

Disparities also come out between the characters Beowulf and Judith. Beowulf is a male warrior, while Judith is a female warrior. Beowulf accepts rewards for all his victories. These rewards include celebrations, praise, status , and expensive gifts. Judith hardly accepts any type of reward. Beowulf makes it all about him and wants everyone to know how he can defeat monsters with his bare hands. Beowulf is protected by divinity than by armor. Judith is protected by God and his watching over her. Judith has a God that is there for her all the time and never leaves her and answers all of her prayers.

Beowulfs God is more a figure of speech and not always there for him when he calls out to him. When Judith receives rewards she looks at it as a gift from God. When Beowulf receives rewards he wants it and wants everyone to know he has it. Medieval lit states, Upon Judiths triumphant return to Bethulia, the heroine does not dwell on her victory but conveys only as much of it as is necessary to rally her people, remarking that it is they who will receive the glory. She shows herself consistently content to win glory for others when it is conclude that she did not doubt in the reward which she had long yearned for. For that be glory to the beloved lord for ever and ever. Beowulfs ego comes between him and his God Judiths humility bonds her to hers.

Medieveal lit says, Beowulfs motive in confronting Grendel only partially resembles Judiths motive in confronting Holofernes, the nature of Beowulfs victory only partially resembles that of Judiths. Unlike the holy maiden Judith, whose aspiration and achievement both stem from God, Beowulf emphasizes his own importance in the proceedings by expressing his complete trust in his strengthen of limb and the Lords favor, and observing that the Divine Lord will in His wisdom grant the glory of victory to whichever side he sees fit.

Beowulf is a good leader because he represents everything a leader should have. Beowulf made alliances with the Danes. He brought riches to his people, he defended his people, he was an effective king, he was a brilliant warrior. His biggest leadership moment was when he fought the dragon at the end. Beowulf knew he was too old to fight the dragon, but he stood up and did it because he never backs down from a fight. He did all he could during the fight, but he ended up short.

Beowulf fought because he knew his time was almost up, so he wanted to give it all he had. Everyone has their flaws, so Beowulf is not perfect by any means. Beowulf loves his people and wants to do everything to keep them safe and out of harms way. Beowulf is not scared to fight, but sometimes he may not know when to stop. Beowulfs flaw is he wants everyone to know what he does and he wants to show all his rewards he gets. We could say that Beowulfs flaw would be that he tried to keep fighting when he knew he was to old, but everyone has their own opinion. My personally opinion is Beowulf knew he was old and it was getting time for the Geats to get a new leader, but he died trying his best for his people even if he only had one person left standing by his side.

Judith is a good leader because she commands, plans, and leads her people in the right direction. Planning, leading, and commanding is the number one thing to be a good leader and to step up for your people. People always say that a women will not make a great leader, but that is not true and Judith shows that in many different ways.

Judith breaks down things and finds way to fix situations with a plan and has it in order. Judith knows how power works with her and men and she will not let men step over her just because they think they are better than her. Judith acts good out of her heart and out of the people she loves. Judith trust in God and with God anything is possible. When we have God on our side he will protect us and bring us through hard times as long as we are with him through it all. People want to follow God when everything is good, but when the bad hits they want to turn around and run.

Judith doubted gifts in this world, where she found protection from the glorious Lord. Judith has the most needed favor from the highest Judge, so that the Lord defended her against the greatest terror. God granted Judith her request because she stayed true to her faith. Holofernes eagerly issued invitations to a feast and provided all types of magnificent wonders.

Judith was a good person and always wanted to do the right thing, so her people would be protected and she could always keep her faith in God. Judith did everything she could to make sure her faith in God never ran out. Judith is someone that everyone should want as their leader because she cares and tries her best to do the right thing. It is hard to always stay close to God especially when the hard times hit, but it is important to know if we have God on our side we can accomplish and get through anything.

Beowulf who was a hero of the Geats, later in life he becomes the king of the Geats. Beowulf represents values, motivations, characteristics, and loyalty. It is possible that Beowulf may be the lone survivor. Hrothgar and Beowulf are portrayed as morally upright and enlightened. The young Beowulfs attempt to comfort the bereaved king by invoking the code of vengeance may be one of several instances of the poets ironic treatment of the tragic futility of never ending blood feuds. Instead, the poem turns on Beowulfs three great fights against preternatural evil, which inhabits the dangerous and demonic space surrounding human society. He undertakes the fight against Grendel to save the Danes from the monster and to exact vengeance for the men Grendel has slain.

The most heroic fight Beowulf fought was the one against the dragon. Beowulf overcame his destiny and his old age, so he could protect his people and go down fighting. This fight was remarkable because nobody of this age would of fought this fight, but Beowulf did anyways because he is strong and he loves his people and would do anything for them. Beowulf told his thanes that this was his last battle. Beowulf brought his sword and special shield and as he was walking in to fight the dragon he hollers, so the dragon will wake up.

The dragon wakes up and blows fire on Beowulf, the shield catches the flames, but Beowulf tries to go after the dragon and his sword does not do the job. Beowulf has no protecting and is left unarmed. The eleven thanes that came with Beowulf did not stand up and protect their leader because they were scared. Out of the eleven thanes that came with him, only one remained and stuck with Beowulf through it all. When the ten thanes left Beowulf it shows that you cannot count on people because when the going gets tough not everyone will be there to protect because they are scared. Beowulf collapses and Wiglaf, the only thane that stayed, poured water on the wound, but it was to late and nothing they could do about it. Before Beowulf dies he tells Wiglaf to bring him the treasure, so he can see what he is dying for.

The most heroic fight Judith had was with Holofernes. Judith saved her people by beheading Holofernes. The story of Judith and Holofernes comes from the Bible. Judith name means Lady Jew, she was a beautiful woman. She seduces Holofernes with her beauty and waits until he is drunk and cuts his head off after she talked to God about it first.

In conclusion, Beowulf and Judith have several similarities and differences that attributed to their great success as leaders. In the poem Beowulf, there are a few themes that can be taken out of reading the poem. Loyalty, generosity, reputation are three themes that stand out throughout the whole poem. Beowulf can be known as a selfless leader. Throughout the poem Beowulf, he was destined to seek fame and glory for his achievements. Beowulf was very loyal to all the Angelo-Saxton society by being a true hero to his people. He showed a great deal of generosity to all his people by going into battles alone.

In the poem Judith, she stayed true to her belief in God. Judith did not want praise and rewards, she wanted her people to give their thanks to God. Judith, in her own way, can be known as a selfless person for always putting her people before herself. In the poem Judith, Christianity plays a huge role in the way the people see things throughout the poem. Both Beowulf and Judith show great fearfulness and leadership throughout both poems. Beowulf and Judith are two great poems that can be inspiration to show great courage, leadership, and generosity.


Para maiores informações

Baker, Peter S., ed. Beowulf: Basic Readings. New York: Garland, 1995.

Bede. A History of the English Church and People. Trans. Leo Sherley-Price. Baltimore: Penguin, 1955.

Beowulf. Trans. Seamus Heaney. New York: Farrar, Straus and Giroux, 2000.

Blackburn, A. F. “The Christian Coloring in the Beowulf.” PMLA 12 (1897): 205-25.

Garmonsway, George Norman, and Jacqueline Simpson, eds. Beowulf and its Analogues. London: J. M. Dent & Sons, 1968.

Kiernan, Kevin S. Beowulf and the Beowulf Manuscript. New Brunswick: Rutgers University Press, 1981.

Nicholson, Lewis E., ed, An Anthology of Beowulf Criticism. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 1963.

Niles, John D. Beowulf: The Poem and its Tradition. Cambridge: Harvard University Press, 1983.

Stenton, Sir Frank. Anglo-Saxon England. 3d. ed. Oxford: Oxford University Press, 1971.

Tolkien, J. R. R. Beowulf: The Monsters and the Critics. Proceedings of the British Academy 22 (1936): 245-95.


Assista o vídeo: Beowulf 1010 Movie CLIP - Slaying the Dragon 2007 HD