A arqueologia mostra como as antigas sociedades africanas gerenciavam as pandemias

A arqueologia mostra como as antigas sociedades africanas gerenciavam as pandemias

De vez em quando, surge uma pandemia que altera dramaticamente a sociedade humana. A peste negra (1347-1351) foi uma delas; a gripe espanhola de 1918 foi outra. Agora há COVID-19.

Os arqueólogos há muito estudam doenças em populações anteriores. Para fazer isso, eles consideram uma ampla gama de evidências: layout de assentamentos, sepulturas, restos funerários e esqueletos humanos.

Por exemplo, por causa dos arqueólogos, sabemos que o impacto prejudicial das epidemias levou a medidas extremas por parte dos antigos africanos, como o abandono dos assentamentos em Akrokrowa em Gana durante o início do século 14 DC. Cerca de 76 cemitérios infantis em um assentamento abandonado que agora faz parte do Patrimônio Mundial de Mapungubwe no Vale do Limpopo na África do Sul sugerem que uma pandemia atingiu as pessoas que vivem lá depois de 1000 DC.

Como os antigos africanos gerenciavam as pandemias

As percepções arqueológicas e históricas também expõem algumas das estratégias que as sociedades adotaram para lidar com as pandemias. Isso incluiu a queima de assentamentos como desinfetante e a mudança de assentamentos para novos locais. O distanciamento social foi praticado por assentamentos dispersos. As descobertas dos arqueólogos em Mwenezi, no sul do Zimbábue, também mostram que era um tabu tocar ou interferir nos restos mortais, para evitar que doenças fossem transmitidas dessa forma.

Estudar as sociedades dos antigos africanos, como o Grande Zimbábue (na foto), pode revelar como as comunidades lidavam com doenças e pandemias. ( evenfh / Estoque da Adobe)

No final da década de 1960, alguns membros de uma escavação arqueológica que escavava pisos de casas do século 13 em Phalaborwa, África do Sul, se recusaram a continuar trabalhando depois de encontrar sepulturas que acreditavam serem sagradas. Eles também temiam que os enterros estivessem relacionados a um surto de doença.

O distanciamento social e o isolamento se tornaram palavras de ordem durante a pandemia de COVID-19. Pela arqueologia, sabemos que as mesmas práticas formaram uma parte crítica do gerenciamento de pandemias em sociedades africanas históricas. No que hoje é o Zimbábue, o povo Shona nos séculos 17 e 18 isolou aqueles que sofriam de doenças infecciosas - como a lepra - em estruturas residenciais temporárias. Isso significava que muito poucas pessoas podiam entrar em contato com os enfermos. Em alguns casos, cadáveres foram queimados para evitar a propagação do contágio.

Os humanos têm tendência a relaxar e mudar as prioridades quando as calamidades acabam. Os dados coletados por arqueólogos, que mostram como os sistemas de conhecimento indígenas ajudaram as sociedades antigas na África a lidar com o choque de doenças e pandemias, podem ajudar a lembrar os formuladores de políticas sobre as diferentes maneiras de preparar as sociedades modernas para os mesmos problemas.

Distanciamento Social e Isolamento

A pesquisa no assentamento urbano inicial de K2, parte do local do Patrimônio Mundial de Mapungubwe, lançou uma luz significativa sobre as pandemias antigas.

O local do Patrimônio Mundial de Mapungubwe na África do Sul. (JJ van Zyl / CC BY-SA 3.0 )

Os habitantes de K2 (que data entre AD1000 e AD1200) prosperaram na agricultura, pecuária, metalurgia, caça e coleta de alimentos da floresta. Eles tinham economias locais e regionais bem desenvolvidas que alimentavam redes internacionais de intercâmbio com a orla do Oceano Índico. As cidades suaíli da África Oriental atuaram como conduítes.

O trabalho arqueológico no K2 revelou um número excepcionalmente alto de enterros (94), 76 dos quais pertenciam a bebês na categoria de 0-4 anos. Isso se traduziu em uma taxa de mortalidade de 5%. As evidências do local mostram que o assentamento foi abandonado abruptamente na mesma época que esses cemitérios. Isso significa que uma pandemia motivou a decisão da comunidade de mudar para outro assentamento.

Mudando para outra região da África, o trabalho arqueológico nos primeiros assentamentos urbanos no centro e sul de Gana identificou o impacto de pandemias em locais como Akrokrowa (AD950 - 1300) e Asikuma-Odoben-Brakwa no distrito central de Gana.

Esses assentamentos, como outros no vale de Birim, no sul de Gana, eram delimitados por intrincados sistemas de trincheiras e bancos de terra. As evidências mostram que, após alguns séculos de ocupação contínua e estável, os assentamentos foram abandonados abruptamente. O período de abandono parece coincidir com a devastação da Peste Negra na Europa.

Após a pandemia, as casas não foram reconstruídas; nem qualquer lixo se acumulou nas atividades diárias. Em vez disso, as comunidades desestruturadas foram morar em outro lugar. Como não há sinais de efeitos de longo prazo - na forma de longos períodos de dificuldades, mortes ou drásticas mudanças socioeconômicas ou políticas - os arqueólogos acreditam que essas comunidades foram capazes de administrar e se adaptar à pandemia.

A análise de evidências arqueológicas revela que esses antigos africanos adotaram várias estratégias para controlar as pandemias. Isso inclui a queima de assentamentos como desinfetante antes de reocupá-los ou mudar as propriedades para novos locais. Os sistemas de conhecimento indígenas africanos deixam claro que a queima de assentamentos ou florestas era uma forma estabelecida de manejo de doenças.

O layout dos assentamentos também foi importante. Em áreas como o Zimbábue e partes de Moçambique, por exemplo, os assentamentos foram dispersos para abrigar uma ou duas famílias em um espaço. Isso permitiu que as pessoas ficassem distantes umas das outras - mas não muito distantes para se envolverem em cuidados diários, apoio e cooperação. Enquanto a coerência social era a cola que mantinha a sociedade unida, o distanciamento social era embutido, de uma forma favorável. As comunidades sabiam que os surtos eram imprevisíveis, mas possíveis, por isso construíram seus assentamentos de forma dispersa para planejar com antecedência.

Esses comportamentos também foram aumentados por dietas diversificadas que incluíam frutas, raízes e outras coisas que forneciam nutrientes e fortaleciam o sistema imunológico.

  • Medicina tradicional africana e seu papel na cura em um mundo moderno
  • Invasões da África Oriental na América do Sul: rastreando pistas culturais e artefatos deixados pelos primeiros viajantes
  • O texto ayurvédico de 5.000 anos previu o coronavírus?

Passado da África e o futuro das pandemias

Houve várias implicações de longo prazo de pandemias nessas comunidades. Talvez o mais importante seja que as pessoas se organizassem de forma a facilitar a convivência com as doenças, tratando-as e ao mesmo tempo mantendo o básico como boa higiene, saneamento e controle do meio ambiente. A vida não parou por causa das pandemias: as populações tomaram decisões e fizeram escolhas para conviver com elas.

Algumas dessas lições podem ser aplicadas ao COVID-19, orientando decisões e escolhas para proteger os vulneráveis ​​da pandemia enquanto permite que a atividade econômica e outros aspectos da vida continuem. Como mostram as evidências do passado, o comportamento social é a primeira linha de defesa contra as pandemias: é essencial que isso seja considerado ao planejar o futuro pós-pandêmico mais recente.


A arqueologia mostra como as antigas sociedades africanas gerenciavam as pandemias

O estudo de sociedades africanas antigas, como o Grande Zimbábue, pode revelar como as comunidades lidaram com doenças e pandemias usando distanciamento e isolamento social. Grande Zimbábue. Foto: Yves Picq / Creative Commons Attribution-Share Alike 4.0 International

De vez em quando, surge uma pandemia que altera dramaticamente a sociedade humana. A Peste Negra (1347 & # 8211 1351) foi uma e a gripe espanhola de 1918 foi outra. Agora existe o COVID-19.

Os arqueólogos há muito estudam doenças em populações anteriores. Para fazer isso, eles consideram uma ampla gama de evidências: layout de assentamentos, sepulturas, restos funerários e esqueletos humanos.

Por exemplo, por causa dos arqueólogos, sabemos que o impacto prejudicial das epidemias levou ao abandono dos assentamentos em Akrokrowa, em Gana, durante o início do século 14 DC. Cerca de 76 cemitérios infantis em um assentamento abandonado que agora faz parte do Patrimônio Mundial de Mapungubwe no Vale do Limpopo na África do Sul sugerem que uma pandemia atingiu as pessoas que vivem lá depois de 1000 DC.

As percepções arqueológicas e históricas também expõem algumas das estratégias que as sociedades adotaram para lidar com as pandemias. Isso incluiu a queima de assentamentos como desinfetante e a mudança de assentamentos para novos locais. O distanciamento social foi praticado por assentamentos dispersos. As descobertas dos arqueólogos em Mwenezi, no sul do Zimbábue, também mostram que era um tabu tocar ou interferir nos restos mortais, para evitar que doenças fossem transmitidas dessa forma. No final dos anos 1960, alguns membros de uma escavação arqueológica que escavava pisos de casas do século 13 em Phalaborwa, África do Sul, se recusaram a continuar trabalhando depois de encontrar sepulturas que acreditavam serem sagradas. Eles também temiam que os enterros estivessem relacionados a um surto de doença.

O distanciamento social e o isolamento se tornaram palavras de ordem durante a pandemia de COVID-19. Pela arqueologia, sabemos que as mesmas práticas formaram uma parte crítica do gerenciamento de pandemias em sociedades africanas históricas. No que hoje é o Zimbábue, o povo Shona nos séculos 17 e 18 isolou aqueles que sofriam de doenças infecciosas & # 8211 como a lepra & # 8211 em estruturas residenciais temporárias. Isso significava que muito poucas pessoas podiam entrar em contato com os enfermos. Em alguns casos, cadáveres foram queimados para evitar a propagação do contágio.

Os humanos têm tendência a relaxar e mudar as prioridades quando as calamidades acabam. Os dados coletados por arqueólogos, que mostram como os sistemas de conhecimento indígenas ajudaram as sociedades antigas na África a lidar com o choque de doenças e pandemias, podem ajudar a lembrar os formuladores de políticas sobre as diferentes maneiras de preparar as sociedades modernas para os mesmos problemas.


A arqueologia oferece pistas para repercussões de uma pandemia do passado

Crédito: Pixabay

Como a pandemia COVID-19 redefine o que consideramos "normal", a arqueologia e a história antiga podem fornecer algum consolo sobre a grande adaptabilidade de nossa espécie.

A arqueóloga e historiadora da Universidade Flinders, Dra. Ania Kotarba, aponta para as respostas de eventos históricos extremos que ameaçaram o homo sapiens no passado como evidência de que a sociedade - e a economia - podem e irão voltar novamente.

Dr. Kotarba pesquisa conectividade global no passado através do estudo de antigas rotas de comércio internacional e adaptação humana a mudanças extremas.

Ela diz que os processos de urbanização, crescimento populacional e proto-globalização no mundo antigo permitiram inicialmente surtos de doenças infecciosas e epidemias. Muitas vezes, isso resultava surpreendentemente no estímulo da economia.

"A Peste Negra que acreditamos ter matado um quarto ou mais da população da Europa e do Oriente Próximo nos anos 1300, na verdade resultou, a longo prazo, em melhorias nas condições de vida e de trabalho para as classes trabalhadoras, abriu mercados e impulsionou a economia". diz o Dr. Kotarba.

O Dr. Kotarba diz que as evidências arqueológicas mostram que as epidemias antigas começaram com as bases da vida urbana e se intensificaram com o surgimento da antiga economia global.

A arqueóloga Dra. Ania Kotarba trabalhando em um laboratório da Universidade de Oxford. Crédito: Flinders University

"A primeira vez que reconhecemos a disseminação de doenças infecciosas arqueologicamente é no período Neolítico, quando pequenos grupos de caçadores-coletores passaram a ter uma vida mais sedentária. Os primeiros grandes assentamentos permanentes e a mudança em direção à urbanização aumentaram o número de pessoas que vivem perto de uns aos outros e com seus animais recém-domesticados, que se alimentam de dejetos ”, diz o Dr. Kotarba.

"Isso permitiu a primeira grande disseminação de doenças zoonóticas (de origem animal), como as pragas bubônicas - embora as primeiras doenças zoonóticas já possam ser observadas em esqueletos de cerca de 2,8 milhões de anos atrás, em um de nossos predecessores mais antigos, Australopitecus Africanus.

A arqueologia está mostrando que isso é algo com que os humanos, tanto modernos quanto arcaicos, têm lidado por milhões de anos e exacerbado com a mudança para estilos de vida mais modernos. "

A situação se tornou mais complexa à medida que o comércio de longa distância floresceu entre cidades totalmente urbanizadas, que se desenvolveram em diferentes partes do mundo durante a Idade do Bronze (aproximadamente 3.000-1200 aC).

Já neste estágio, as populações de muitas cidades antigas atingiam mais de 100.000 pessoas, com a Roma antiga que se dizia ter atingido bem mais de 1 milhão de pessoas por volta de 200 EC.

Dr. Kotarba durante uma pesquisa arqueológica no Kuwait. Crédito: Flinders University

"As rotas comerciais, muitas vezes ligadas à demanda por bens exóticos e luxuosos (como especiarias), foram responsáveis ​​por surtos generalizados de doenças infecciosas no mundo antigo e nos períodos medieval e moderno.

“Desde o início de uma economia global, caravanas e navios conectaram povos, culturas e ecossistemas díspares de maneiras sem precedentes e, portanto, serviram como nós-chave na propagação de doenças globais.

Isso também ocorre porque não havia navios de passageiros no mundo antigo, então todas as viagens tinham que ser feitas a bordo de navios mercantes ao longo das rotas comerciais. A própria palavra 'quarentena' vem, na verdade, da terminologia marítima. "

O Dr. Kotarba diz que o homo sapiens é uma das espécies mais adaptáveis ​​da Terra, tendo emergido com sucesso de eventos de extrema pressão demográfica e ambiental. Isso inclui a erupção supervulcânica Toba de 75.000 anos atrás, que criou um gargalo genético com apenas uma estimativa de 3.000-10.000 pessoas sobrevivendo em todo o planeta.

Ela também aponta para a Peste Justiniana Romana tardia (541–542 EC), que parece ter matado entre 25-50 milhões de pessoas. "Depois disso, voltamos como espécie, com características mais adaptáveis ​​favorecidas por aqueles que sobreviveram."

Dr. Kotarba ensinando um curso de ‘Primeiros socorros ao patrimônio cultural em conflitos e desastres naturais’ para funcionários de museus nos Emirados Árabes Unidos. Crédito: Flinders University

Este quadro histórico tornou-se mais claro graças à arqueologia biomolecular e à genética de patógenos, que agora estão na vanguarda da exploração de doenças antigas, juntamente com o estudo da conectividade de rotas comerciais antigas.

As novas técnicas estão trazendo novos insights sobre a extensão territorial e o alcance de várias cepas de vírus e bactérias - e apontam para o precedente de resultados positivos de longo prazo de pandemias históricas e outras catástrofes.

"Já estamos vendo alguns pequenos impactos positivos dos bloqueios relacionados ao COVID-19, por exemplo, nas mudanças climáticas", disse o Dr. Kotarba.

“Estamos vendo pessoas fazendo mais jardinagem e se esforçando para estar mais perto da natureza, enquanto os governos populistas parecem estar perdendo seus seguidores à medida que os eleitores estão cada vez mais se voltando para os líderes que usam empatia e dados baseados em evidências para informar as políticas.

"Vamos torcer para que, como nossos predecessores no Egito Antigo, em Roma e na Grã-Bretanha medieval, possamos ressurgir de nosso isolamento mais fortes e, com sorte, mais sábios."


Gravações e relatórios de webinars anteriores

  • 13 de maio - Experiências compartilhadas com COVID-19 em comunidades africanas e afro-americanas
    Assista o vídeo | Leia o relatório

  • 20 de maio - Combate ao Racismo e à Xenofobia durante COVID-19
    Assista o vídeo | Leia o relatório

  • 27 de maio - Resposta de saúde da África ao COVID-19
    Assista o vídeo | Leia o relatório (Em breve)

  • 3 de junho - COVID-19 e a economia africana
    Assista o vídeo | Leia o relatório (Em breve)

  • 10 de junho - corrida para uma vacina
    Assista o vídeo | Leia o relatório (Em breve)

  • 17 de junho - COVID-19 e a força de trabalho africana
    Assista o vídeo | Leia o relatório (Em breve)

  • 24 de junho - Implicações do COVID-19 em Segurança Alimentar e Nutricional
    Assista o vídeo | Leia o relatório (Em breve)

  • 1º de julho - Impacto do COVID-19 na educação na África
    Assista o vídeo | Leia o relatório (Em breve)

  • 8 de julho -Futuro dos sistemas de saúde da África
    Assista o vídeo | Leia o relatório (Em breve)

  • 23 de setembro - O papel da saúde digital e da telemedicina
    Assista o vídeo | Leia o relatório (em breve)

  • 30 de setembro - Estado Atual e Prioridades
    Assista o vídeo | Leia o relatório (em breve)

  • 14 de outubro - Expressão de Arte e Cultura
    Assista o vídeo | Leia o relatório (em breve)

  • 28 de outubro - Expandindo o acesso à saúde mental
    Assista o vídeo | Leia o relatório (em breve)

  • 18 de novembro - Enfrentando os desafios do ensino superior na África
    Veja o video | Leia o relatório (em breve)

  • 2 de dezembro -O impacto para as mulheres
    Assista o vídeo | Leia o relatório (em breve)

  • 9 de dezembro - Juventude e redução da lacuna de inovação
    Assista ao vídeo (em breve) | Leia o relatório (em breve)

  • Obtenha as estatísticas mais atualizadas sobre COVID-19 no continente africano através do site do CDC da África aqui.
  • 16 de julho de 2020: Azad Essa, Harvard Neiman Fellow '18 publicou um livro infantil com Nathi Ngubane chamado “Duma diz” que é sobre as aventuras de Duma, sua irmã Zihle e seus amigos, enquanto tentam encontrar seu caminho durante a pandemia do coronavírus na África do Sul. Esta série de livros educacionais escrita e ilustrada por Nathi Ngubane, nascida em Durban, e produzida pela experimental Social Bandit Media, com sede entre Joanesburgo e Nova York. Você pode ler mais sobre "Duma diz" aqui. Você também pode baixar Duma Says em isiZulu, Kiswahili e isiXhosa aqui.
  • 26 de junho de 2020: Membro do Comitê Executivo do CAS, Professor Fernando Reimers, está publicando uma série que documenta algumas iniciativas nacionais que garantiram a continuidade da educação para todos usando a tecnologia e forneceram apoio a professores, alunos e suas famílias chamada Continuidade da educação durante a crise do Coronavírus:
    • Uganda: a resposta de Popow no rádio à Covid-19
    • Serra Leoa e Libéria: Rede Rising Academy no ar

    • O objetivo da África ao navegar na crise COVID-19 deve ser não apenas a preservação, mas a melhoria, não simplesmente um retorno à normalidade, mas a melhoria dos padrões de vida. O desdobramento da crise apresenta uma oportunidade única para remodelar o continente, trazendo um grande número de trabalhadores informais das sombras, algo que tem escapado aos formuladores de políticas no continente há décadas.
    • A maioria dos países africanos tem uma estreita margem de erro devido aos fracos sistemas de saúde que operam perto da capacidade fora de uma pandemia e a necessidade de manter o controle de outras doenças infecciosas. Períodos escalonados de distanciamento social relaxado podem evitar um grande ressurgimento de casos, ao mesmo tempo que proporcionam uma pausa para a atividade econômica. No entanto, o monitoramento da eficácia das intervenções não farmacêuticas e o exercício da flexibilidade em sua implementação precisam ser orientados pela vigilância contínua por meio de testes comunitários. Para atender a essa demanda, a capacidade de teste e a implementação precisam ser aumentadas substancialmente.
    • 14 de maio de 2020: Leia um artigo sobre como A arqueologia mostra como as antigas sociedades africanas controlavam as pandemias.
      • O distanciamento social e o isolamento se tornaram palavras de ordem durante a pandemia de COVID-19. Pela arqueologia, sabemos que as mesmas práticas formaram uma parte crítica do gerenciamento de pandemias em sociedades africanas históricas. No que hoje é o Zimbábue, o povo Shona nos séculos 17 e 18 isolou aqueles que sofriam de doenças infecciosas - como a lepra - em estruturas residenciais temporárias. Isso significava que muito poucas pessoas podiam entrar em contato com os enfermos. Em alguns casos, cadáveres foram queimados para evitar a propagação do contágio.
      • 11 de maio de 2020: David Williams, a Florence Sprague Norman e Laura Smart Norman Professora de Saúde Pública e Professora de Estudos Africanos e Afro-Americanos na Universidade de Harvard, é co-autora de um artigo sobre COVID-19 e Health Equity - um novo tipo de “imunidade de rebanho”.
        • COVID-19 é uma lupa que destacou a maior pandemia de disparidades raciais / étnicas na saúde. Por mais de 100 anos, pesquisas documentaram que indivíduos afro-americanos e nativos americanos têm expectativa de vida mais curta e mais doenças do que pessoas brancas. Imigrantes hispânicos inicialmente tendem a ter um perfil relativamente saudável, mas com o aumento do tempo de permanência nos Estados Unidos, sua saúde tende a piorar. Uma criança negra nascida nos Estados Unidos tem duas vezes mais probabilidade de morrer antes de seu primeiro aniversário em comparação com uma criança branca. Na idade adulta, os indivíduos negros apresentam taxas de mortalidade mais altas do que os brancos para a maioria das principais causas de morte.

        23 de abril de 2020: O Harvard Center for African Studies e outros Centros e Departamentos emitiram uma declaração conjunta sobre Ações xenófobas e racistas em resposta ao COVID-19.

        • Condenamos veementemente os atos xenófobos e racistas decorrentes da pandemia global COVID-19. Os meios de comunicação internacionais relataram incidentes em todo o mundo visando indivíduos e comunidades de ascendência asiática e a disseminação de desinformação com alvos raciais nas plataformas de mídia social. Ações xenófobas e racistas também foram relatadas contra comunidades africanas e afro-americanas em Guangzhou, China. As ações relatadas não são apenas injustas e desumanas, mas também servem para minar a cooperação global necessária em resposta ao COVID-19.
        • 22 de abril de 2020: Professor Peter Huybers, membro do Comitê Diretor e do Comitê Executivo do Centro de Estudos Africanos, pesquisa em co-autoria sobre Os dados de febre e mobilidade indicam que o distanciamento social reduziu a incidência de doenças transmissíveis nos Estados Unidos.
          • "Estimar a eficácia dessas estratégias de distanciamento social é um desafio porque a vigilância de COVID-19 tem sido limitada, com testes geralmente sendo priorizados para casos de alto risco ou hospitalizados de acordo com critérios que variam temporal e regionalmente. Aqui, mostramos que as reduções na mobilidade entre os condados dos EUA com pelo menos 100 casos confirmados de COVID-19 levou a reduções na incidência de febre, conforme capturado por termômetros inteligentes. "
          • 22 de abril de 2020: Hippolyte Fofack, o Economista Chefe e Diretor do Departamento de Pesquisa e Cooperação Internacional do Banco Africano de Exportação e Importação, escreveu uma opinião sobre a Mudança da dependência de commodities cruciais para a África.
            • Cada crise, embora trágica, apresenta oportunidades. A combinação da queda do coronavírus e da guerra do preço do petróleo ressaltou o risco perene da dependência das commodities. Também acentuou a necessidade de expandir as capacidades industriais e de manufatura na África. Muitos países do continente dependem de importações estrangeiras de bens essenciais, incluindo alimentos básicos, enquanto o comércio intrarregional permanece amplamente fragmentado. Enquanto o coronavírus circula pelo mundo, os líderes africanos enfrentam um terrível desafio. Fechar suas fronteiras pode proteger seus países contra a disseminação desenfreada do vírus, mas corre o risco de deixar suas populações de fome e restringir o acesso a equipamentos médicos essenciais que estão em falta na região.
            • 21 de abril de 2020: Euvin Naidoo, professor sênior de listas de administração de empresas 7 estratégias de batalha bem-sucedidas para vencer o COVID-19.
              • "A metodologia Agile usada para acelerar o desenvolvimento de software complexo também é útil para gerenciar a tomada de decisões no ambiente de crise atual."
              • 21 de abril de 2020: Shelby Carvalho, estudante de doutorado e bolsista por mérito presidencial da Harvard University, é co-autora de uma postagem no blog sobre Como os doadores internacionais estão respondendo às necessidades de educação durante a pandemia de COVID?
                • "A pandemia e suas consequências provavelmente continuarão por muito tempo e, inevitavelmente, terão impactos duradouros nos sistemas de educação. Clareza sobre quais doadores estão fazendo o quê, como e por que é fundamental para ajudar os sistemas de educação a enfrentar a pandemia e limitar o crescimento de já amplas lacunas de financiamento para a educação nos países em desenvolvimento. "
                • 20 de abril de 2020: Shelby Carvalho, estudante de doutorado e bolsista por mérito presidencial da Harvard University, é co-autora de um blog em A pandemia reforça as antigas divisões urbanas rurais no acesso à educação na Etiópia.
                  • "Diante de uma crise global incerta e do potencial de um tempo prolongado fora da escola, faz sentido investir no desenvolvimento de estratégias de aprendizagem à distância na Etiópia. No entanto, nossas entrevistas sugerem que há uma necessidade de maior envolvimento com os alunos e famílias e os professores devem comunicar a importância da aprendizagem enquanto as escolas estão fechadas e apoiar o desenvolvimento de soluções equitativas e eficazes para a aprendizagem de emergência e eventual recuperação no futuro. "
                  • 16 de abril de 2020: Myriam Sidibe Fellow, Mossavar-Rahmani Center for Business and Government, Harvard Kennedy School, é co-autora de um artigo sobreOs africanos podem lutar contra o COVID-19 com o capitalismo das partes interessadas.
                    • Com a pandemia COVID-19 ameaçando dominar grande parte da África, as empresas do continente devem ampliar suas perspectivas. Em vez de se concentrar em retornos de curto prazo para proprietários e investidores, eles devem considerar as necessidades de uma variedade de partes interessadas - funcionários, fornecedores, clientes e as sociedades em que operam. Este capitalismo de partes interessadas ajudará as empresas a reescrever suas regras de envolvimento da comunidade e a reconstruir seus negócios mais rapidamente após o COVID-19.
                    • 16 de abril de 2020: Afiliado do corpo docente do CAS, Professora Sarah Dryden-Peterson, oferece sua perspectiva sobre Aprendizagem e comunidade em tempos de crise.
                      • "Em tempos de crise, abordagens padronizadas e amplamente acessíveis são essenciais para ajudar a combater as desigualdades existentes e evitar agravá-las, mesmo em sistemas educacionais tipicamente descentralizados como os Estados Unidos. Durante a crise de Ebola na África Ocidental em 2014, os professores gravaram aulas no rádio fornecendo uma voz confiável diretamente nas casas de milhões de crianças. "
                      • 15 de abril de 2020: Professora Rema HannaJeffrey Cheah, Professor de Estudos do Sudeste Asiático e Presidente da Área de Desenvolvimento Internacional da Harvard Kennedy School, é co-autor de um artigo sobre Amortecendo os pobres do choque COVID-19.
                        • "Expandir a proteção social para alcançar as pessoas vulneráveis ​​rapidamente deve ser um pilar da estratégia COVID-19 de cada país. Para conseguir isso, os governos com recursos limitados devem olhar para a experiência anterior e pesquisas existentes para projetar os programas mais eficazes e eficientes possíveis."
                        • 14 de abril de 2020: Nerissa Naidoo LLM’19, explora a desinformação COVID-19 na África do Sul no artigo Uma análise dos regulamentos de desinformação Covid-19 da África do Sul.
                          • “Mas só porque não há obrigação legal de garantir a credibilidade das informações que compartilhamos, não significa que não tenhamos uma informação social. As categorias de informações falsas enumeradas nos regulamentos têm o potencial de resultar em danos físicos, incitam medo ou discriminação e atrapalham os esforços de saúde pública. "
                          • 15 de abril de 2020: Professora Rema HannaJeffrey Cheah, Professor de Estudos do Sudeste Asiático e Presidente da Área de Desenvolvimento Internacional da Harvard Kennedy School, é co-autor de um artigo sobre Amortecendo os pobres do choque COVID-19.
                            • "Expandir a proteção social para alcançar as pessoas vulneráveis ​​rapidamente deve ser um pilar da estratégia COVID-19 de cada país. Para conseguir isso, os governos com recursos limitados devem olhar para a experiência anterior e pesquisas existentes para projetar os programas mais eficazes e eficientes possíveis."
                            • 15 de abril de 2020: Uma pesquisa da GeoPoll sobre Coronavírus na África Subsaariana: como africanos em 12 nações estão respondendo ao surto COVID-19.
                              • "Embora muitos países da África tenham relatado apenas um pequeno número de casos, há um alto nível de medo em torno do surto. O nível de preocupação é alto em todos os países, e a maioria também acredita que eles próprios correm o risco de contrair a doença . A segurança alimentar e os impactos econômicos da doença nas economias que já enfrentam dificuldades estão no topo da mente de muitas pessoas, em linha com os avisos de especialistas de que a África Subsaariana pode enfrentar altos níveis de insegurança alimentar e uma recessão econômica devido a o vírus."
                              • 13 de abril de 2020: O curso Harvard edX gratuito começa em Lições do Ebola: Prevenindo a Próxima Pandemia.
                                • Este curso de quatro semanas fornece o contexto para entender o surto de Ebola - por que agora e por que tantas pessoas sofreram e morreram? O curso apresenta a estrutura de governança global - como deveria ser a resposta global e onde ela falhou? O curso contará com profissionais, especialistas e acadêmicos que se concentrarão em cultivar uma melhor compreensão da epidemia de Ebola e suas implicações para os sistemas de saúde futuros para garantir que o mundo seja mais eficaz na prevenção da próxima pandemia.
                                • 12 de abril de 2020: Presidente da União Africana e Presidente da República da África do Sul, Sua Excelência Cyril Ramaphosa nomeia enviados especiais para mobilizar apoio econômico internacional para a luta continental contra COVID-19. Leia o comunicado de imprensa aqui.
                                  • O Presidente da União Africana, Presidente da República da África do Sul Sua Excelência Cyril Ramaphosa nomeou o Dr. Ngozi Okonjo-Iweala, Dr. Donald Kaberuka, o Sr. Tidjane Thiam e o Sr. Trevor Manuel como Enviados Especiais da União Africana para mobilizar o apoio internacional para a África esforços para abordar os desafios econômicos que os países africanos enfrentarão como resultado da pandemia COVID-19.
                                  • 9 de abril de 2020: O Centro de Ciência e Assuntos Internacionais da Harvard Kennedy School Belfer publicou um novo caso sobre COVID-19 & amp Security: Lessons From the Ebola Fight: “Gerenciando uma resposta de segurança à epidemia de ebola na Libéria
                                    • Na pressa de abordar o COVID-19, os formuladores de políticas estão procurando orientação nos surtos recentes. Particularmente relevante é o aumento, a propagação e a contenção do Ebola na África Ocidental em 2014. Um novo caso do Programa de Casos da Harvard Kennedy School analisa as lições de segurança que podemos aprender com essa crise. O caso, desenvolvido por Margaret Bourdeaux e Juliette Kayyem do Projeto de Segurança e Saúde Global do Centro Belfer, analisa os vários atores estatais e não estatais envolvidos na contenção de uma epidemia viral. Ele também explora como e se as forças de segurança podem ser usadas para impor quarentenas e as ramificações de tal decisão.
                                    • 8 de abril de 2020:Membro do Comitê Executivo do CAS, Professor Fernando Reimers, publicou um livro de acesso aberto gratuito, recém-publicado, explicando como reformar os sistemas educacionais para que eles educem todos os alunos como cidadãos globais, com as competências necessárias para alcançar os ODS da ONU: Educando Alunos para Melhorar o Mundo.
                                      • Este livro de acesso aberto aborda como ajudar os alunos a encontrar um propósito em um mundo em rápida mudança. Em uma análise investigativa e visionária do campo da educação global, Fernando Reimers explica como liderar a transformação das escolas e dos sistemas escolares a fim de preparar mais efetivamente os alunos para enfrentar os desafios mais urgentes de hoje e inventar um futuro melhor. Oferecendo uma estrutura abrangente e multidimensional para projetar e implementar um programa de educação global que combina perspectivas culturais, psicológicas, profissionais, institucionais e políticas, o livro integra um extenso corpo de literatura empírica sobre a prática da educação global.
                                      • 2 de abril de 2020: Membro do Conselho de Liderança do CAS, Amandla Ooko-Ombaka foi coautor deste artigo: McKinsey: Combatendo COVID-19 na África.
                                        • Em todo o continente, os líderes dos setores público, privado e de desenvolvimento já estão tomando medidas decisivas - tanto para salvar vidas quanto para proteger famílias, empresas e economias nacionais das consequências da pandemia. Mas vários líderes nos disseram que precisam de uma imagem mais clara do impacto econômico potencial da crise. At the same time, many African countries are still in the early stages of organizing their responses into focused, prioritized efforts that make the most of the limited time and resources available.
                                        • March 30, 2020:CAS Executive Committee member, Professor Fernando Reimers, co-authored this report to support the development of an education response to COVID-19: A framework to guide an education response to the COVID-19 Pandemic of 2020
                                          • This report aims at supporting education decision making to develop and implement effective education responses to the COVID-19 Pandemic. The report explains why the necessary social isolation measures will disrupt school-based education for several months in most countries around the world. Absent an intentional and effective strategy to protect opportunity to learn during this period, this disruption will cause severe learning losses for students.
                                          • March 29, 2020:Folorunso Alakija, CAS Africa Advisory Board member and Vice-Chairman of Famfa Oil Limited, donated N1 billion (US$ 2.6 million) to support the fight against COVID-19 in Nigeria.
                                            • “As the world rallies to deal with the health, security, economic and social implications of the coronavirus, it’s clear that we will feel the effects much more deeply than many of the developed world. Managing a crisis of this magnitude means that the strength of our response will determine our ability to weather the storm. Individually and collectively, we are rising to this unprecedented challenge in a way that symbolizes our resilience, our character and strength.” - Read more in this article.
                                            • March 29, 2020: Harvard Sociology Department Lecturer, Shai Dromi, shared his thoughts on Africa and philanthropy during COVID-19 with Inside Philanthropy: COVID-19 is Spreading in Africa. How Should Philanthropy Respond?
                                              • "Philanthropists wanting to make an effective intervention during COVID-19 should turn to one of the most commonly neglected aspects of epidemic interventions: continuing healthcare for all medical conditions and supporting the local healthcare systems in affected countries. Not only will this strategy help patients in need during the pandemic, it will also help the country sustain its independent healthcare sector in the long run. ​​​​​​"
                                              • March 25, 2020: Q&A on the economic impacts of COVID-19 on developing countriescom Professor Rema Hanna, Jeffrey Cheah Professor of South-East Asia Studies and Chair of the International Development Area at the Harvard Kennedy School.
                                                • "The economic impact may be devastating as production, retail, trade, and almost everything comes to a standstill. For developing countries, it will be particularly devastating as they have fewer resources and lower borrowing ability to raise the funds needed to provide the kinds of health and economic support their citizens need, and providing the kind of support that citizens need right now could risk debt spiraling out of control."
                                                • March 24, 2020:Ricardo Hausmann, Director of the Growth Lab at Harvard's Center for International Development and the Rafik Hariri Professor of the Practice of International Political Economy at Harvard Kennedy School, authored an article on Flattening the COVID-19 Curve in Developing Countries.
                                                  • "The more contained you want the novel coronavirus to be, the more you will need to lock down your country – and the more fiscal space you will require to mitigate the deeper recession that will result. The problem for most of the Global South is that policymakers lack fiscal space even in the best of times."
                                                  • March 20, 2020: The Harvard Gazette covered how CAS Faculty Affiliate, Dr. Paul Farmer, the Harvard Medical School faculty members, and their colleagues at Partners In Health (PIH) are collaborating with local communities and national governments to help prepare some of the world’s most vulnerable people for the COVID-19 pandemic. Read the article 'Getting ready for the inevitable' on the Harvard Gazette website.
                                                  • March 5, 2020: Africa CDC: Africa Joint Continental Strategy for COVID-19 Outbreak
                                                    • In Africa, the primary strategy for COVID-19 will be to limit transmission and minimize harm. Given that transmission throughout the continent is inevitable, delaying and diminishing the peak of outbreaks can help health systems better manage the surge of patients and communities better adapt to the disruption of social, cultural, and economic activities. Tactics to achieve this include rapid diagnosis and isolation of infected persons, quarantine of people who had close contact with an infected person, and social distancing within the general population. Rigorous infection prevention and control practices will be needed in healthcare facilities and other high-risk congregate settings, including schools and prisons. Healthcare facilities will need to restrict hospital admission to infected persons who absolutely require a higher-level of care, such as intravenous antibiotics, oxygen, ventilatory or hemodynamic support, and/or management of complex co-morbid conditions.

                                                    Watch & Listen

                                                    • April 22, 2020: The Harvard T.H. Chan School of Public Health hosted a seminar at 11:00AM EST on Addressing Mental Health During the Covid-19 Outbreak in Africa as Health Care Systems Brace for a Battering.
                                                      • When the WHO declared COVID-19 a pandemic, Africa was initially spared. However, this is changing rapidly, with over 12,000 cases and 600 fatalities. This online forum is for anyone interested in learning about how Africa’s health care system and mental health professionals are preparing for the looming threat and surge of COVID-19 cases in the continent. You can watch event recording here.
                                                      • April 13, 2020: The Harvard Center for African Studies hosted the African Studies Workshop featuring CAS Executive Committee member, Dr. Eugene Richardson, who presented two articles titled Pandemicity e On the Coloniality of Global Public Health. The discussant was CAS Faculty Affiliate, Dr. Paul Farmer.
                                                        • Eugene Richardson, MD, PhD, is a physician-anthropologist based at Harvard Medical School. He previously served as the clinical lead for Partners In Health’s (PIH) Ebola response in Kono District, Sierra Leone, where he continues to conduct research on the social epidemiology of Ebola virus disease.
                                                        • A recording of this workshop is available here:https://vimeo.com/408381902.
                                                        • April 17, 2020: Article published: Pandemicity, COVID-19 and the limits of public health ‘science’
                                                        • April 8, 2020:Margaret Anadu, CAS Africa Advisory Board member and head of Goldman Sachs’ Urban Investment Group, talks about COVID-19’s impact on US small businesses in this podcast.
                                                        • April 7, 2020: CAS Faculty Affiliate, Dr. Paul Farmer, and co-founder of Partners In Health, a global health non-profit, is featured on Reimagined Podcast's first episode of a new series Covid-19: the long view with Dr. Paul Farmer. He discusses what can lessons from Ebola teach us about how to effectively deal with Covid-19. Is this the moment to rebuild our human social architecture to ensure fatalities on this scale never happen again?
                                                          • “Shame on us if we cannot seize this moment to make some desperately needed improvements in our health systems.”
                                                          • March 27, 2020: She Leads Africa, co-founded by CAS Leadership Council member, Yasmin Belo-Osagie, is offering a free webinar "Are you an African woman who needs a supportive network through the Covid-19 crisis and beyond?" Join their community here to gain access.
                                                            • She Leads Africa is a community that helps young African women achieve their professional dreams. With engaging online content and pan-African events, our vision is to become the #1 destination for smart and ambitious young women.
                                                            • March 19, 2020: Mass General hosted its second Medical Grand Rounds lecture related to COVID-19. Members of the Greater Boston medical community, presented on the global effects of the pandemic. Watch the video here COVID-19 in Low-resourced Settings: Reaching for Global Health Equity.
                                                              • Speakers included Louise Ivers, the executive director of the Mass General Center for Global Health,David Walton, MD, MPH, of Build Health International and Brigham and Women’s Hospital Inobert Pierre, MD, of Health Equity International and St. Boniface Haiti Quarraisha Abdool Karim, PhD, of the Centre for the Programme of AIDS Research in South Africa, Columbia University and Paul Farmer, MD, PhD, of Partners In Health and Brigham and Women's Hospital.
                                                              • March 5, 2020: o Harvard Global Health Institute Director and K.T. Li Professor of Global Health, Dr. Ashish Jha asks Dr. John Nkengasong, Director, Africa Centres for Disease Control and Prevention on preparing for Coronavirus: How did he do it, what is the current capacity for testing, and what's next as the virus spreads around the world? You can watch this short video here: How Africa's CDC is Testing for Coronavirus.
                                                              • March 5, 2020: The Harvard Center for African Studies was hosted Dr. John Nkengasong (Director, Africa Centres for Disease Control and Prevention) in collaboration with the Harvard T.H. Chan School of Public Health as the keynote speaker for a lecture generously supported by the CAS Africa Advisory Board member, Dr. Joseph Agyepong, the Inaugural Joseph S. Agyepong Distinguished Lecture on Public Health in Africa.
                                                                • In collaboration with the Harvard Africa Policy Journal, we interviewed Dr. John Nkengasong at the cusp of this global health pandemic. You can watch the interview excerpt with Dr. John Nkengasong discussing COVID-19 and Africa on our vimeo channel.

                                                                Initiatives & Opportunities

                                                                The UNDP is calling on Hackster's global community to support developing countries through the sharing and transfer of open source technology. This challenge has three priority actions:


                                                                Social distancing and isolation

                                                                Research at the early urban settlement of K2, part of the Mapungubwe World Heritage site, has thrown significant light on ancient pandemics.

                                                                The inhabitants of K2 (which dates back to between AD1000 and AD1200) thrived on crop agriculture, cattle raising, metallurgy, hunting and collecting food from the forest. They had well developed local and regional economies that fed into international networks of exchange with the Indian Ocean rim. Swahili towns of East Africa acted as conduits.

                                                                Archaeological work at K2 uncovered an unusually high number of burials (94), 76 of which belonged to infants in the 0-4 age category. This translated into a mortality rate of 5%. The evidence from the site shows that the settlement was abruptly abandoned around the same time as these burials. That means a pandemic prompted the community’s decision to shift to another settlement.

                                                                Shifting to another region of Africa, archaeological work at early urban settlements in central and southern Ghana identified the impact of pandemics at places such Akrokrowa (AD950 – 1300) and Asikuma-Odoben-Brakwa in the central district of Ghana.

                                                                These settlements, like others in the Birim Valley of southern Ghana, were bounded by intricate systems of trenches and banks of earth. Evidence shows that after a couple of centuries of continuous and stable occupation, settlements were abruptly abandoned. The period of abandonment appears to coincide with the devastation of the Black Death in Europe.

                                                                Post-pandemic, houses were not rebuilt nor did any rubbish accumulate from daily activities. Instead, the disrupted communities went to live elsewhere. Because there are no signs of long term effects – in the form of long periods of hardship, deaths or drastic socioeconomic or political changes – archaeologists believe that these communities were able to manage and adapt to the pandemic.

                                                                Analysis of archaeological evidence reveals that these ancient African communities adopted various strategies to manage pandemics. These include burning settlements as a disinfectant before either reoccupying them or shifting homesteads to new locations. African indigenous knowledge systems make it clear that burning settlements or forests was an established way of managing diseases.

                                                                The layout of settlements was also important. In areas such as Zimbabwe and parts of Mozambique, for instance, settlements were dispersed to house one or two families in a space. This allowed people to stay at a distance from each other – but not too far apart to engage in daily care, support and cooperation. While social coherence was the glue that held society together, social distancing was inbuilt, in a supportive way. Communities knew that outbreaks were unpredictable but possible, so they built their settlements in a dispersed fashion to plan ahead.

                                                                These behaviours were also augmented by diversified diets that included fruits, roots, and other things that provided nutrients and strengthened the immune system.


                                                                Archaeological Record Reveals Epidemics and Responses Throughout History

                                                                Bioarchaeologists analyze skeletons to reveal more about how infectious diseases originated and spread in ancient times.

                                                                The previous pandemics to which people often compare COVID-19 – the influenza pandemic of 1918, the Black Death bubonic plague (1342-1353), the Justinian plague (541-542) – don’t seem that long ago to archaeologists. We’re used to thinking about people who lived many centuries or even millennia ago. Evidence found directly on skeletons shows that infectious diseases have been with us since our beginnings as a species.

                                                                Bioarchaeologists like us analyze skeletons to reveal more about how infectious diseases originated and spread in ancient times.

                                                                How did aspects of early people’s social behavior allow diseases to flourish? How did people try to care for the sick? How did individuals and entire societies modify behaviors to protect themselves and others?

                                                                Knowing these things might help scientists understand why COVID-19 has wreaked such global devastation and what needs to be put in place before the next pandemic.

                                                                Clues about illnesses long ago

                                                                How can bioarchaeologists possibly know these things, especially for early cultures that left no written record? Even in literate societies, poorer and marginalized segments were rarely written about.

                                                                In most archaeological settings, all that remains of our ancestors is the skeleton.

                                                                For some infectious diseases, like syphilis, tuberculosis and leprosy, the location, characteristics and distribution of marks on a skeleton’s bones can serve as distinctive “pathognomonic” indicators of the infection.

                                                                Most skeletal signs of disease are non-specific, though, meaning bioarchaeologists today can tell an individual was sick, but not with what disease. Some diseases never affect the skeleton at all, including plague and viral infections like HIV and COVID-19. And diseases that kill quickly don’t have enough time to leave a mark on victims’ bones.

                                                                To uncover evidence of specific diseases beyond obvious bone changes, bioarchaeologists use a variety of methods, often with the help of other specialists, like geneticists or parasitologists. For instance, analyzing soil collected in a grave from around a person’s pelvis can reveal the remains of intestinal parasites, such as tapeworms and round worms. Genetic analyses can also identify the DNA of infectious pathogens still clinging to ancient bones and teeth.

                                                                Bioarchaeologists can also estimate age at death based on how developed a youngster’s teeth and bones are, or how much an adult’s skeleton has degenerated over its lifespan. Then demographers help us draw age profiles for populations that died in epidemics. Most infectious diseases disproportionately affect those with the weakest immune systems, usually the very young and very old.

                                                                For instance, the Black Death was indiscriminate 14th-century burial pits contain the typical age distributions found in cemeteries we know were not for Black Death victims. In contrast, the 1918 flu pandemic was unusual in that it hit hardest those with the most robust immune systems, that is, healthy young adults. COVID-19 today is also leaving a recognizable profile of those most likely to die from the disease, targeting older and vulnerable people and particular ethnic groups.

                                                                We can find out what infections were around in the past through our ancestors’ remains, but what does this tell us about the bigger picture of the origin and evolution of infections? Archaeological clues can help researchers reconstruct aspects of socioeconomic organization, environment and technology. And we can study how variations in these risk factors caused diseases to vary across time, in different areas of the world and even among people living in the same societies.

                                                                How infectious disease got its first foothold

                                                                Human biology affects culture in complex ways. Culture influences biology, too, although it can be hard for our bodies to keep up with rapid cultural changes. For example, in the 20th century, highly processed fast food replaced a more balanced and healthy diet for many. Because the human body evolved and was designed for a different world, this dietary switch resulted in a rise in diseases like diabetes, heart disease and obesity.

                                                                From a paleoepidemiological perspective, the most significant event in our species’ history was the adoption of farming. Agriculture arose independently in several places around the world beginning around 12,000 years ago.

                                                                Prior to this change, people lived as hunter-gatherers, with dogs as their only animal companions. They were very active and had a well balanced, varied diet that was high in protein and fiber and low in calories and fat. These small groups experienced parasites, bacterial infections and injuries while hunting wild animals and occasionally fighting with one another. They also had to deal with dental problems, including extreme wear, plaque and periodontal disease.

                                                                One thing hunter-gatherers didn’t need to worry much about, however, was virulent infectious diseases that could move quickly from person to person throughout a large geographic region. Pathogens like the influenza virus were not able to effectively spread or even be maintained by small, mobile, and socially isolated populations.

                                                                The advent of agriculture resulted in larger, sedentary populations of people living in close proximity. New diseases could flourish in this new environment. The transition to agriculture was characterized by high childhood mortality, in which approximately 30% or more of children died before the age of 5.

                                                                And for the first time in an evolutionary history spanning millions of years, different species of mammals and birds became intimate neighbors. Once people began to live with newly domesticated animals, they were brought into the life cycle of a new group of diseases – called zoonoses – that previously had been limited to wild animals but could now jump into human beings.

                                                                Add to all this the stresses of poor sanitation and a deficient diet, as well as increased connections between distant communities through migration and trade especially between urban communities, and epidemics of infectious disease were able to take hold for the first time.

                                                                Globalization of disease

                                                                Later events in human history also resulted in major epidemiological transitions related to disease.

                                                                For more than 10,000 years, the people of Europe, the Middle East and Asia evolved along with particular zoonoses in their local environments. The animals people were in contact with varied from place to place. As people lived alongside particular animal species over long periods of time, a symbiosis could develop – as well as immune resistance to local zoonoses.

                                                                At the beginning of modern history, people from European empires also began traveling across the globe, taking with them a suite of “Old World” diseases that were devastating for groups who hadn’t evolved alongside them. Indigenous populations in Australia, the Pacific and the Americas had no biological familiarity with these new pathogens. Without immunity, one epidemic after another ravaged these groups. Mortality estimates range between 60-90%.

                                                                The study of disease in skeletons, mummies and other remains of past people has played a critical role in reconstructing the origin and evolution of pandemics, but this work also provides evidence of compassion and care, including medical interventions such as trepanation, dentistry, amputation and prostheses, herbal remedies and surgical instruments.

                                                                Other evidence shows that people have often done their best to protect others, as well as themselves, from disease. Perhaps one of the most famous examples is the English village of Eyam, which made a self-sacrificing decision to isolate itself to prevent further spread of a plague from London in 1665.

                                                                In other eras, people with tuberculosis were placed in sanatoria, people with leprosy were admitted to specialized hospitals or segregated on islands or into remote areas, and urban dwellers fled cities when plagues came.

                                                                As the world faces yet another pandemic, the archaeological and historical record are reminders that people have lived with infectious disease for millennia. Pathogens have helped shape civilization, and humans have been resilient in the face of such crises.

                                                                Michael Westaway, Australian Research Council Future Fellow, Archaeology, School of Social Science, The University of Queensland

                                                                This article is republished from The Conversation under a Creative Commons license. Read the original article.


                                                                The Introduction of Paper as a Wipe

                                                                Although paper originated in China in the second century B.C., the first recorded use of paper for cleansing is from the 6th century in medieval China, discovered in the texts of scholar Yen Chih-Thui. In 589 A.D, he wrote, “Paper on which there are quotations or commentaries from the Five Classics or the names of sages, I dare not use for toilet purposes.”

                                                                By the early 14th century, the Chinese were manufacturing toilet paper at the rate of 10 million packages of 1,000 to 10,000 sheets annually. In 1393, thousands of perfumed paper sheets were also produced for the Hongwu Emperor’s imperial family.

                                                                Paper became widely available in the 15th century, but in the Western world, modern commercially available toilet paper didn’t originate until 1857, when Joseph Gayetty of New York marketed a "Medicated Paper, for the Water-Closet,” sold in packages of 500 sheets for 50 cents. Before his product hit the market, Americans improvised in clever ways.

                                                                "The greatest necessity of the age! Gayetty&aposs medicated paper for the water-closet."

                                                                Barry Kudrowitz, associate professor and director of product design at the University of Minnesota, has studied the history and use of toilet paper. Through the 1700s, corncobs were a common toilet paper alternative. Then, newspapers and magazines arrived in the early 18th century. “The ‘legend’ goes that people were primarily using the Sears catalog in outhouses, but when the catalog began to be printed in glossy paper people needed to find a replacement,” says Kudrowitz. Americans also nailed the Farmer’s Almanac onto outhouse walls, leading the company to pre-drill the legendary “hole” into their publication in 1919.

                                                                The first perforated toilet paper rolls were introduced in 1890, and by 1930 toilet paper was finally manufactured “splinter free.” Today, softer, stronger and more absorbent describe the toilet paper found in American homes.


                                                                2. Black Death—The Invention of Quarantine

                                                                A couple suffering from the blisters of the Black Death, the bubonic plague that swept through Europe in the Middle Ages. From the Swiss manuscript the Toggenburg Bible, 1411. 

                                                                VCG Wilson/Corbis/Getty Images

                                                                The plague never really went away, and when it returned 800 years later, it killed with reckless abandon. The Black Death, which hit Europe in 1347, claimed an astonishing 200 million lives in just four years.

                                                                As for how to stop the disease, people still had no scientific understanding of contagion, says Mockaitis, but they knew that it had something to do with proximity. That’s why forward-thinking officials in Venetian-controlled port city of Ragusa decided to keep newly arrived sailors in isolation until they could prove they weren’t sick.

                                                                At first, sailors were held on their ships for 30 days, which became known in Venetian law as a trentino. As time went on, the Venetians increased the forced isolation to 40 days or a quarantino, the origin of the word quarantine and the start of its practice in the Western world.

                                                                “That definitely had an effect,” says Mockaitis.


                                                                The Black Death

                                                                “The Plague” was a global outbreak of bubonic plague that originated in China in 1334, arrived in Europe in 1347, following the Silk Road. Within 50 years of its reign, by 1400, [24] it reduced the global population from 450 million to below 350 million, possibly below 300 million, with the pandemic killing as many as 150 million. Some estimates claim that the Black Death claimed up to 60% of lives in Europe at that time [25].

                                                                Starting in China, it spread through central Asia and northern India following the established trading route known as the Silk Road. The plague reached Europe in Sicily in 1347. Within 5 years, it had spread to the virtually entire continent, moving onto Russia and the Middle East. In its first wave, it claimed 25 million lives [24].

                                                                The course and symptoms of the bubonic plague were dramatic and terrifying. Boccaccio, one of the many artistic contemporaries of the plague, described it as follows:

                                                                In men and women alike it first betrayed itself by the emergence of certain tumours in the groin or armpits, some of which grew as large as a common apple, others as an egg. From the two said parts of the body this deadly gavocciolo soon began to propagate and spread itself in all directions indifferently after which the form of the malady began to change, black spots or livid making their appearance in many cases on the arm or the thigh or elsewhere, now few and large, now minute and numerous. As the gavocciolo had been and still was an infallible token of approaching death, such also were these spots on whomsoever they showed themselves [26].

                                                                Indeed, the mortality of untreated bubonic plague is close to 70%, usually within 8ꃚys, while the mortality of untreated pneumonic plague approaches 95%. Treated with antibiotics, mortality drops to around 11% [27].

                                                                At the time, scientific authorities were at a loss regarding the cause of the affliction. The first official report blamed an alignment of three planets from 1345 for causing a “great pestilence in the air” [28]. It was followed by a more generally accepted miasma theory, an interpretation that blamed bad air. It was not until the late XIX century that the Black Death was understood for what it was – a massive Yersinia Pestis pandemic [29].

                                                                This strain of Yersinia tends to infect and overflow the guts of oriental rat fleas (Xenopsylla cheopis) forcing them to regurgitate concentrated bacteria into the host while feeding. Such infected hosts then transmit the disease further and can infect humans – bubonic plague [30]. Humans can transmit the disease by droplets, leading to pneumonic plague.

                                                                The mortality of the Black Death varied between regions, sometimes skipping sparsely populated rural areas, but then exacting its toll from the densely populated urban areas, where population perished in excess of 50, sometimes 60% [31].

                                                                In the vacuum of a reasonable explanation for a catastrophe of such proportions, people turned to religion, invoking patron saints, the Virgin Mary, or joining the processions of flagellants whipping themselves with nail embedded scourges and incanting hymns and prayers as they passed from town to town [32]. The general interpretation in predominantly Catholic Europe, as in the case of Justinian plague, centered on the divine “punishment for sins.” It then sought to identify those individuals and groups who were the “gravest sinners against God,” frequently singling out minorities or women. Jews in Europe were commonly targeted, accused of “poisoning the wells” and entire communities persecuted and killed. Non-Catholic Christians (e.g., Cathars) were also blamed as “heretics” and experienced a similar fate [33]. In other, non-Christian parts of the world affected by the plague, a similar sentiment prevailed. In Cairo, the sultan put in place a law prohibiting women from making public appearances as they may tempt men into sin [34].

                                                                For bewildered and terrified societies, the only remedies were inhalation of aromatic vapors from flowers or camphor. Soon, there was a shortage of doctors which led to a proliferation of quacks selling useless cures and amulets and other adornments that claimed to offer magical protection [35].

                                                                Entire neighborhoods, sometimes entire towns, were wiped out or settlements abandoned. Crops could not be harvested, traveling and trade became curtailed, and food and manufactured goods became short. The plague broke down the normal divisions between the upper and lower classes and led to the emergence of a new middle class. The shortage of labor in the long run encouraged innovation of labor-saving technologies, leading to higher productivity [2].

                                                                The effects of such a large-scale shared experience on the population of Europe influenced all forms of art throughout the period, as evidenced by works by renowned artists, such as Chaucer, Boccaccio, or Petrarch. The deep, lingering wake of the plague is evidenced in the rise of Danse Macabre (Dance of the death) in visual arts and religious scripts [36], its horrors perhaps most chillingly depicted by paintings titled the Triumph of Death (Fig. 2.2 ) [37].

                                                                The Triumph of Death (Trionfo Della Morte), fresco, author unknown, cca. 1446, on display at Palazzo Abatellis, Palermo, Italy


                                                                Assista o vídeo: COMO COMUNIDADES AFRICANAS ANTIGAS LIDAVAM COM AS PANDEMIAS?