A primeira mulher a nadar no canal da Mancha bateu o recorde masculino em duas horas

A primeira mulher a nadar no canal da Mancha bateu o recorde masculino em duas horas

“INGLATERRA OU DROWN!” proclamou a nova iorque Notícias diárias em suas primeiras páginas. Era 6 de agosto de 1926, o dia em que uma americana, Gertrude Ederle, estava prestes a se tornar a primeira mulher a nadar no Canal da Mancha.

Apenas cinco homens já haviam nadado na água antes. Os desafios incluíam marés em rápida mudança, ondas de quase dois metros, temperaturas frias e muitas águas-vivas. Naquele dia, Ederle não apenas conseguiu atravessar, ela bateu todos os tempos anteriores dos homens - nadando 35 milhas em 14 horas e meia.

Ederle nasceu em outubro de 1905, filho de imigrantes alemães na cidade de Nova York. Ela aprendeu a nadar na piscina pública local e na praia de Nova Jersey, e abandonou a escola quando era adolescente para nadar competitivamente. Ela ingressou na Associação de Natação Feminina e ganhou seu primeiro prêmio de competição local aos 16 anos. Dois anos depois, ela chegou às Olimpíadas de 1924.

“A América estava na vanguarda do mundo da natação e da natação feminina”, diz Gavin Mortimer, autor de The Great Swim. “Ela estava na idade certa para lucrar com isso. E, claramente, ela tinha uma veia muito competitiva. ”

Ederle, de 18 anos, esperava ganhar três medalhas de ouro olímpicas nos Jogos de Paris de 1924 e ficou desapontada por receber apenas uma medalha de ouro em sua prova por equipes e duas medalhas de bronze em suas provas individuais. Mas enquanto estava no exterior, ela teve uma ideia do que queria fazer a seguir: nadar no canal entre a França e a Inglaterra.

Ela tentou cruzar o Canal da Mancha pela primeira vez em 1925, mas não conseguiu. A imprensa inglesa afirmou que ela foi desqualificada porque alguém no barco de apoio que a seguiu através da água a tocou (os pilotos do barco de apoio podiam dar-lhe comida e bebida, mas não podiam tocá-la). No entanto, Mortimer diz que a imprensa britânica inventou essa história por causa da rivalidade nacional.

“Acontece que eles entenderam a maré errada e ela não se preparou o suficiente para isso”, diz ele. “Você tem essa maré vazante e vazante, que muda a cada cinco a seis horas. Então você não nada em linha reta; você tem que ziguezaguear para acompanhar a maré. ”

Seu treinador Bill Burgess, a segunda pessoa a nadar no canal, disse a ela para desistir quando ele pensou que ela se esforçava demais para continuar.

“Ela alegou que seu treinador a fez desistir, que ela teria continuado a nadar”, diz Tim Dahlberg, co-autor de Garota da América: a história incrível de como a nadadora Gertrude Ederle mudou a nação. “Mas isso a deixou ainda mais determinada a voltar em 1926 e realmente fazê-lo.” (Além disso, seu pai prometeu a ela um roadster vermelho se ela conseguisse atravessar.)

Quando Ederle chegou no ano seguinte para tentar novamente aos 20 anos, ela estava mais bem preparada para seguir as marés. Crucialmente, ela também evitou o maiô tradicional que usou da última vez por um prático que ela mesma desenhou.

Os maiôs femininos eram basicamente vestidos de lã com meias e sapatos quando surgiram no final do século 19. Os reformadores argumentaram que esses ternos eram pesados ​​e inseguros, mas muitas mulheres continuaram a usá-los porque os ternos mais simples eram tabu e possivelmente ilegais. Em 1907, a polícia de Revere Beach, em Boston, prendeu uma nadadora australiana chamada Annette Kellerman por usar um traje de uma peça que mostrava suas pernas nuas.

Durante a primeira tentativa de Ederle através do canal, ela usava uma peça única pesada que se encheu de água e esfolou sua pele. Mas em 6 de agosto de 1926, ela chegou à extremidade francesa do canal usando um duas peças mais leve que ela havia criado cortando uma peça única. “Ela estava tão suja de graxa que mal era reconhecível”, observa Dahlberg.

Seu barco de apoio estava cheio de coxas de frango, laranjas e canja de galinha de legumes para sustentá-la em sua jornada de Cape Gris-Nez, na França, a Dover, na Inglaterra. Os repórteres também a seguiram de barco, transformando sua natação em um evento de mídia de um dia inteiro.

“Eles usam o wireless pela primeira vez, como um evento esportivo play-by-play”, diz Dahlberg, que também é redator de esportes da Associated Press. “Eles tinham uma máquina sem fio a bordo do rebocador que a acompanhava e mandavam relatórios a Londres para os jornais sobre onde ela estava, como estava.”

As mensagens sem fio permitiram que os jornais atualizassem o progresso de Ederle em diferentes edições publicadas ao longo do dia. Quando ela chegou na costa de Kingsdown, perto de Deal, Inglaterra naquela noite, havia uma multidão esperando para recebê-la porque leram que ela estava chegando perto.

Um jornalista que a seguia de barco estava tão ansioso para publicar sua história que pulou na água e se dirigiu ao bar mais próximo para registrá-la por telefone. Ederle, por sua vez, estava tão exausto que mal conseguia se levantar na praia.

“Ela foi descrita no final da natação como parecida com uma boxeadora”, diz Mortimer “porque a água atinge seu rosto. Ela estava toda machucada. E também sua língua tinha inchado tanto por causa da água salgada que ela mal conseguia falar. ” Além disso, ela teve algumas picadas de água-viva.

De volta aos EUA, dois milhões de pessoas saudaram Ederle com o primeiro desfile da cidade de Nova York para homenagear uma mulher. O presidente Calvin Coolidge a apelidou de "a melhor garota da América", e seu pai comprou para ela aquele roadster vermelho. “Ela passou alguns meses sendo a pessoa mais famosa do mundo”, diz Mortimer.

Essa fama foi eclipsada em maio de 1927, quando Charles Lindbergh voou em um avião pelo Oceano Atlântico pela primeira vez. Comparado a este feito tecnológico, o de Ederle parecia antiquado.

“Ele se tornou o novo herói”, diz Mortimer. "Ela era quase como uma relíquia durante a noite."

Mesmo assim, a conquista de Ederle fez uma contribuição duradoura para os esportes femininos durante uma década em que os papéis de gênero estavam mudando. No início dos anos 20, a campeã americana de golfe Edith Cummings se tornou a primeira atleta feminina na capa de Tempo, A estrela do tênis francesa Suzanne Lenglen dominou Wimbledon e Ederle provou que uma mulher pode superar um homem em uma das provas de natação mais exigentes do mundo.

Suas realizações pavimentaram o caminho para outras nadadoras. As próximas quatro pessoas a nadar com sucesso no canal atrás dela eram todas mulheres. Ederle manteve seu título de natação mais rápida no Canal da Mancha até 1951, quando uma mulher chamada Winnie Roach-Leuszler - a primeira canadense a nadar no canal - a venceu por cerca de uma hora. Em 2019, a nadadora do Colorado Sarah Thomas superou os esforços anteriores ao se tornar a primeira pessoa a nadar a distância entre a Inglaterra e a França quatro vezes sem parar, nadando por mais de 50 horas.


Ela foi a primeira mulher a nadar através do Canal da Mancha

Gertrude Ederle (1905-2003), aos 15 anos, tornou-se a primeira mulher a nadar toda a extensão da baía de Nova York e, em 1924, conquistou três medalhas nas Olimpíadas de Paris. A atleta germano-americana atingiu o estrelato internacional em 1926, aos 20 anos, como a primeira mulher a nadar pelo Canal da Mancha, feito que apenas cinco homens haviam realizado, então considerado um dos testes de resistência mais difíceis do mundo. Usando um maiô revolucionário de duas peças e óculos de proteção que ela mesma projetou, por 14 horas e meia, Ederle lutou por 21 milhas de água gelada e marés traiçoeiras, batendo o recorde existente do homem mais rápido & # 8217s em quase duas horas & # 8212 pela primeira vez na história do esporte que uma mulher completou um evento em um tempo mais rápido do que um homem. Apelidada de "Rainha das Ondas" e "Melhor Garota da América", sua conquista ajudou a demonstrar que as mulheres podem ser grandes atletas e desafiou a sabedoria convencional sobre as mulheres como & # 8220 o sexo mais fraco. & # 8221 A audição de Ederle, que já havia sido prejudicada por um caso de sarampo na infância, que piorou gravemente depois de nadar no Canal da Mancha e a deixou “surda como pedra”, em suas palavras. Incapaz de competir em competições de natação, Ederle fez um breve tour pelos EUA no circuito vaudeville. Mais tarde, ela ensinou natação para crianças surdas na cidade de Nova York.

Entrevistados: historiador Linda J. Borish, Professor Associado de História, Western Michigan University e Co-Autor de Esportes na história americana: da colonização à globalização duas vezes medalhista olímpico Lia Neal, a primeira mulher afro-americana a nadar em uma final olímpica pelos Estados Unidos.

As realizações de Gertrude Ederle não foram apenas na água, como nadadora olímpica e a primeira mulher a nadar no Canal da Mancha, mas também teve um grande impacto na paisagem americana.

1924, Paris, França. Gertrude Ederle, de 19 anos, competiu pela equipe feminina de natação dos EUA nos Jogos Olímpicos de verão.

Quando as Olimpíadas modernas foram fundadas em 1896, esses jogos não apresentavam competidoras femininas.

Então, em 1900, você tinha cinco eventos para mulheres: tênis, golfe, croquet, hipismo e vela.

1912 foi a primeira vez que as mulheres foram incluídas nos esportes aquáticos: natação e mergulho.

Ela conquistou a medalha de ouro no revezamento 4x100 estilo livre, e também ganhou duas medalhas de bronze.

'As corridas olímpicas? Eu tive que nadar como o inferno. Quando estamos na água, não estamos neste mundo. '. Gertrude Ederle nasceu em 1905 na cidade de Nova York, em uma família de imigrantes alemães que possuía um açougue.

Seu pai a ensinou a nadar em um rio quando ela tinha nove anos, amarrando uma corda na cintura.

Quando Gertrude Ederle contraiu sarampo quando criança, ela teve complicações que a levaram a ter problemas de audição, e a natação não ajudou em seu problema de audição.

'Os médicos me disseram que minha audição pioraria se eu continuasse nadando, mas eu amava tanto a água que simplesmente não conseguia parar.' Ederle abandonou a escola no início da adolescência para treinar como nadadora o ano todo.

Acho que o apoio da família foi tremendo, principalmente do pai.

A maioria dos jovens, se abandonava a escola, era para trabalhar para ajudar no sustento das famílias. Aqui estava ela, concentrando-se exclusivamente na natação.

A sociedade via as mulheres como o sexo mais fraco, que eram biologicamente menos capazes de ter coragem física e resistir aos rigores da competição.

Alguns médicos até as chamavam de "mulheres com feridas maternas", pois muito esforço físico pode prejudicar o papel das mulheres na procriação.

Portanto, havia um limite real para o que as mulheres eram incentivadas a fazer na área do esporte.

Em 1918, Ederle entrou para uma equipe feminina e começou a nadar competitivamente.

A Associação de Natação Feminina foi fundada por Charlotte Epstein em 1917 e é realmente uma das primeiras organizações atléticas fundadas por mulheres para promover o esporte competitivo feminino. Eles tinham um treinador masculino, Louis de Breda Handley, um ex-atleta olímpico, que acreditava que as mulheres podiam e deveriam nadar. E isso levou às competições, uma vez que o sindicato dos atletas amadores permitiu que as mulheres competissem na década de 1910.

“Para mim, o mar é como uma pessoa - como uma criança que conheço há muito tempo. Parece loucura, eu sei, mas quando nado no mar, falo com ele.

Nunca me sinto só quando estou lá fora. '. Aos 20 anos, Ederle estabeleceu 29 recordes mundiais no estilo livre feminino, incluindo uma corrida de longa distância de Nova York a Nova Jersey.

Gertrude Ederle nadou os 22 quilômetros em 7 horas e 11 minutos.

E esse recorde ficou por mais de 80 anos. Então ela era uma nadadora campeã de curta distância, longa distância.

Não consigo pensar em ninguém que seria capaz de fazer isso agora.

Isso é muito único. Sou Lia Neal e sou duas vezes olímpica. Entrei para uma equipe de natação quando tinha oito anos e, desde então, nado competitivamente.

A seleção muda a cada ano com quem é o mais rápido do país no momento. Nas Olimpíadas de 2012, em Londres, me tornei a primeira mulher afro-americana a nadar em uma final do revezamento livre dos 400 metros. E participando das Olimpíadas de 2016, também me tornei a primeira mulher afro-americana a fazer duas Olimpíadas de natação.

Eu era como a visão de túnel, não estabelecendo nenhum limite para mim mesma, constantemente subindo a escada.

Em 1925, com patrocínio da Associação de Natação Feminina, Ederle se voltou para o teste de resistência definitivo: nadar através do Canal da Mancha.

Homens estavam fazendo isso, e cinco homens conseguiram.

As mulheres tentaram, mas ninguém o fez com sucesso.

'Cinco homens conseguiram, por que não uma mulher?

Certamente no clube de atletismo somos quase iguais em resistência! '. Temos que lembrar, as mulheres mal tinham o direito de votar em 1920.

E então Ederle estava tentando demonstrar emancipação física.

Mas os riscos envolvidos eram enormes.

Você tinha as ondas enormes, a temperatura fria, as águas-vivas e, muitas vezes, os ventos vinham e te tiravam do curso.

Portanto, foi um enorme esforço físico que a maioria pensava que os homens mal sobreviveriam, quanto mais uma mulher.

Ederle saiu de uma praia na França, determinado a vencer os 33 quilômetros de natação.

- Estou pronto para isso. Traga seu canal antigo. '. Ela usava o estilo livre e a maioria dos nadadores usava o nado peito.

Mas ela parecia se mover na água muito rapidamente e, a princípio, parecia estar bem.

Mas uma onda enorme surgiu, e sua carruagem, do rebocador que a seguia, disse: 'Gertrude, você deveria sair.' Ele a tocou, o que foi uma violação.

E então a natação parou e ela ficou furiosa porque poderia ter continuado, ela pensou.

'Meu lema é, se no início você não conseguir, tente, tente novamente.

Vou tentar nadar o Canal da Mancha novamente em julho próximo. '. Ederle contratou um novo treinador e passou um ano treinando pelo menos quatro horas por dia.

Ela também desenhou seus próprios óculos de proteção e um maiô mais aerodinâmico.

No final do século 19, início do século 20, as mulheres nas praias e piscinas eram instruídas a se cobrirem.

Eles precisavam usar saias compridas, geralmente meias ou calções, e isso limita a mobilidade na água. Ederle revolucionou a natação com seu traje esportivo.

Em 6 de agosto de 1926, às 7 horas, Ederle partiu pela segunda vez da costa da França.

Ela se lambuzou de graxa para se proteger contra a água fria e as picadas de água-viva.

- Não deixe ninguém me tirar da água a menos que eu peça. Prometa-me Inglaterra ou falência. '. Dois rebocadores acompanharam o ritmo - um carregando sua família e fãs, o outro, repórteres de um jornal que patrocinou a natação.

Quando ela estava pegando um pouco de comida, ela descansava de costas.

Ela teria caldo, cubos de açúcar e chocolate.

As pessoas no barco começaram a cantar para ela.

Não havia nada que a impediria desta vez.

14 horas e 39 minutos depois, Gertrude Ederle, de 20 anos, chegou à costa britânica.

Ela não foi apenas a primeira mulher a nadar no Canal da Mancha, mas também bateu o recorde masculino existente em duas horas.

'Aposto que todas as mulheres do mundo vão comemorar esta noite.

É com as mulheres e com os homens. '. Quando Ederle voltou, a cidade de Nova York deu a ela um enorme desfile de ticker tape e havia mais de 2 milhões de pessoas que se enfileiraram nas ruas e docas para fazer parte disso.

Ela tinha apelidos como 'Rainha das Ondas' ou 'Vênus manchada de graxa'.

Ela foi uma das primeiras mulheres a visitar a Casa Branca, e o presidente Calvin Coolidge, ele a referiu como 'a Melhor Garota da América'.

Houve um curta-metragem feito sobre Ederle e algumas canções dedicadas a ela.

Ederle eliminou os equívocos sobre as mulheres serem fracas.

Embora a maioria dos americanos não tenha nadado antes, a repentina fama de Ederle inspirou mais de 60.000 mulheres nos EUA a ganhar certificados de natação da Cruz Vermelha na década de 1920.

Ela viajou pelo país no circuito vaudeville por dois anos, demonstrando suas habilidades em um tanque portátil.

No entanto, como resultado da pressão avassaladora da atenção da imprensa, Ederle sofreu o que os médicos então chamavam de 'colapso nervoso'.

A natação do Canal também piorou significativamente sua audição.

Ela se aposentou do esporte em 1928, aos 22 anos.

- Finalmente peguei os tremores. Eu era apenas um feixe de nervos.

Tive que desistir e fiquei surdo como uma pedra. ' Na casa dos cinquenta, Ederle ensinou natação em uma escola para crianças surdas na cidade de Nova York.

É incrível que ela, enfrentando a possibilidade de se tornar surda, acabou servindo outras gerações e compartilhando seu dom.

Não há muitas treinadoras.

Portanto, acho que cabe a nós, pioneiros, retribuir às nossas comunidades que são menos privilegiadas, para que saibam que essa é uma opção.

Contanto que você acelere seu coração e trabalhe duro o suficiente para isso, você vai conseguir.

Elderle morreu em 2003, aos 98 anos, após ser indicado para o International Swimming Hall of Fame.

Gertrude Ederle faz parte deste longo legado de pioneiras no esporte, onde as mulheres competem e têm sucesso.

Ela certamente derrubou as portas da participação olímpica, ao mostrar que as mulheres, tendo oportunidade, podem quebrar barreiras e às vezes conquistar até mais do que os homens.

'Quando alguém me diz que não posso fazer algo, é quando o faço. As pessoas diziam que as mulheres não sabiam nadar no canal, mas eu provei que sabiam.


Conteúdo

Gertrude Ederle nasceu em 23 de outubro de 1905, em Manhattan, Nova York. Ela era a terceira de seis filhos e filha de imigrantes alemães, Gertrude Anna Haberstroh e Henry Ederle. [5] [6] De acordo com uma biografia de Ederle, Garota da América, seu pai tinha um açougue na Amsterdam Avenue, em Manhattan. Seu pai a ensinou a nadar em Highlands, New Jersey, onde a família possuía uma casa de verão.

Ederle treinou na Associação de Natação Feminina (WSA), que produziu concorrentes como Ethelda Bleibtrey, Charlotte Boyle, Helen Wainwright, Aileen Riggin, Eleanor Holm e Esther Williams. Sua anuidade de US $ 3 lhe permitia nadar na minúscula piscina coberta de Manhattan. Mas, de acordo com Garota da América, “a WSA já era o pólo da natação competitiva, esporte que se popularizava cada vez mais com a evolução do maiô que facilitou o acesso na água”. A diretora, Charlotte "Eppy" Epstein, já havia instado a AAU a endossar a natação feminina como esporte em 1917 e, em 1919, pressionou a AAU a "permitir que os nadadores tirassem suas meias para a competição, contanto que vestissem rapidamente um manto depois de saiu da água. " [ citação necessária ]

Essa não era a única vantagem de pertencer à WSA. O rastreamento americano, uma variação do rastreamento australiano, foi desenvolvido na WSA por Louis Handley. De acordo com Garota da América, "Handley achou que o rastreamento australiano, no qual os nadadores deram três chutes e depois viraram de lado para respirar e dar um chute em tesoura, poderia ser melhorado. O produto final - e sua variação de oito batidas, que Ederle usaria - tornou-se o rastejamento americano, e Handley era seu orgulhoso pai. " Junto com Handley, Epstein fez das nadadoras de Nova York uma força a ser reconhecida. Ederle se juntou ao clube quando ela tinha apenas 12 anos. No mesmo ano, ela estabeleceu seu primeiro recorde mundial no estilo livre de 880 jardas, tornando-se a mais jovem detentora do recorde mundial na natação. Ela estabeleceu mais oito recordes mundiais depois disso, sete deles em 1922 em Brighton Beach. [7] No total, Ederle deteve 29 recordes nacionais e mundiais dos EUA de 1921 até 1925. [8]

Nos Jogos Olímpicos de Verão de 1924 em Paris, Ederle ganhou uma medalha de ouro como membro da equipe americana em primeiro lugar no revezamento 4 × 100 metros livre. Junto com suas companheiras de revezamento americanas Euphrasia Donnelly, Ethel Lackie e Mariechen Wehselau, ela estabeleceu um novo recorde mundial de 4: 58,8 na final do evento. Individualmente, ela recebeu medalhas de bronze por terminar em terceiro nas corridas de estilo livre feminino de 100 metros e de 400 metros livre feminino. [7]

Ederle foi o favorito para ganhar o ouro em todos os três eventos e "mais tarde diria que seu fracasso em ganhar três medalhas de ouro nos jogos foi a maior decepção de sua carreira". Mesmo assim, ela estava orgulhosa de ter feito parte da equipe americana que trouxe para casa 99 medalhas nas Olimpíadas de Paris. Foi uma ilustre equipe olímpica - o nadador Johnny Weissmuller, o remador Benjamin Spock, a tenista Helen Wills e o saltador DeHart Hubbard, que, segundo Garota da América, foi "o primeiro homem negro a ganhar um ouro individual". A equipe olímpica dos EUA teve seu próprio desfile de fita adesiva em 1924. [ citação necessária ]

Em 1925, Ederle se profissionalizou. No mesmo ano, ela nadou as 22 milhas de Battery Park a Sandy Hook em 7 horas e 11 minutos, um tempo recorde que durou 81 anos antes de ser quebrado pela nadadora australiana Tammy van Wisse. [9] O sobrinho de Ederle, Bob, mais tarde descreveu o mergulho de sua tia como uma "brincadeira da meia-noite" e um "aquecimento" para ela mais tarde atravessar o Canal da Mancha. [9]

A Associação de Natação Feminina patrocinou Helen Wainwright e Ederle para uma tentativa de nadar no Canal. Helen Wainwright desistiu no último minuto por causa de uma lesão, então Ederle decidiu ir para a França por conta própria. Ela treinou com Jabez Wolffe, um nadador que tentou nadar no Canal 22 vezes. Durante o treinamento, Wolffe continuamente tentou diminuir seu ritmo, dizendo que ela nunca duraria naquela velocidade. O treinamento com Wolffe não foi bem. Em sua primeira tentativa no Canal em 18 de agosto de 1925, ela foi desclassificada quando Wolffe ordenou que outro nadador (que estava fazendo sua companhia na água), Ishak Helmy, para recuperá-la da água. Segundo ela e outras testemunhas, ela não estava "se afogando", mas sim descansando, flutuando de bruços. Ela discordou amargamente da decisão de Wolffe. Wolffe havia comentado anteriormente que as mulheres podem não ser capazes de nadar no Canal da Mancha e foi especulado que ele não queria que Ederle tivesse sucesso. [10]

Sua natação bem-sucedida no Canal - desta vez treinando com o técnico Bill Burgess, que havia nadado com sucesso no Canal em 1911 - começou aproximadamente um ano depois no Cabo Gris-Nez, na França, às 07h08 da manhã de 6 de agosto de 1926. Ela desembarcou em Kingsdown, Kent, 14 horas e 34 minutos depois. Seu recorde permaneceu até que Florence Chadwick nadou pelo Canal da Mancha em 1950 em 13 horas e 20 minutos. Ederle usava óculos de motociclista para proteger os olhos da água salgada, assim como Burgess em 1911. No entanto, enquanto Burgess nadava de peito, ela usava crawl e, portanto, tinha seus óculos lacrados com parafina para torná-los impermeáveis. [11]

Ederle possuía um contrato de ambos New York Daily News e Chicago Tribune quando ela tentou nadar no Canal pela segunda vez. O dinheiro que ela recebeu pagou suas despesas e proporcionou-lhe um salário modesto. Também deu a ela um bônus em troca dos direitos exclusivos de sua história pessoal. o Notícias diárias e a Chicago Tribune ganhou destaque em todos os outros jornais da América.

Outra nadadora americana na França em 1926 para tentar nadar no Canal da Mancha foi Lillian Cannon, de Baltimore. Ela também foi patrocinada por um jornal, o Baltimore Post, que tentou criar uma rivalidade entre ela e Ederle nas semanas passadas treinando na costa francesa. Além de Cannon, vários outros nadadores, incluindo duas outras mulheres americanas - Clarabelle Barrett e Amelia Gade Corson - estavam treinando na Inglaterra com o objetivo de se tornar a primeira mulher a nadar no Canal da Mancha. Barrett e Cannon não tiveram sucesso, mas três semanas depois da façanha de Ederle, Corson cruzou em um tempo que foi 50 minutos mais lento que Ederle.

Para sua segunda tentativa no Canal, Ederle tinha uma comitiva a bordo do rebocador (o Alsácia) em 6 de agosto de 1926, que incluía seu pai e uma de suas irmãs, Meg, bem como Julia Harpman, esposa de Westbrook Pegler e escritora da New York Daily News, o jornal que patrocinou a natação de Ederle. Harpman não permitiria repórteres de outros jornais no rebocador - a fim de proteger seu "furo" - e, como resultado, um segundo rebocador foi contratado pelos repórteres descontentes. Em várias ocasiões durante a natação, este rebocador (o Morinie) chegou perto de Ederle e quase colocou em risco suas chances. O incidente causou amargura subsequente. Isso também gerou acusações na imprensa britânica de que os dois rebocadores haviam de fato protegido Ederle do mau tempo e, portanto, tornado-a "mais fácil" nadar.

Durante sua décima segunda hora no mar, Burgess, seu treinador, ficou tão preocupado com os ventos desfavoráveis ​​que a chamou 'Gertie, você deve sair!' A nadadora ergueu a cabeça das águas agitadas e respondeu: 'Para quê?'

Apenas cinco homens conseguiram nadar no Canal da Mancha antes de Ederle. O melhor tempo foram 16 horas e 33 minutos de Enrique Tiraboschi. Ederle subiu a praia em Kingsdown, Inglaterra, depois de 14 horas e 34 minutos. A primeira pessoa a cumprimentá-la foi um oficial da imigração britânico que solicitou um passaporte do "adolescente de olhos turvos e encharcado". (Ela tinha na verdade 20 anos, não era "uma adolescente", quando nadou com sucesso pelo Canal da Mancha.)

Quando Ederle voltou para casa, ela foi saudada com um desfile de fita adesiva em Manhattan. Mais de dois milhões de pessoas alinharam-se nas ruas do percurso do desfile para saudá-la. Ela fez um acordo com Edward L. Hyman para fazer uma aparição pessoal no Brooklyn Mark Strand, e ela recebeu uma quantia muito maior do que eles já haviam pago a um artista individual antes. [12] Posteriormente, ela passou a interpretar a si mesma em um filme (Swim Girl, Swim estrelado por Bebe Daniels) e percorrer o circuito vaudeville, incluindo mais tarde Aquacade de Billy Rose. Ela conheceu o presidente Coolidge e teve uma música e um passo de dança com o seu nome. Seu empresário, Dudley Field Malone, não foi capaz de capitalizar sua notoriedade, então a carreira de Ederle no vaudeville não foi um grande sucesso financeiro. A Grande Depressão também diminuiu suas recompensas financeiras. Uma queda nos degraus de seu prédio em 1933 torceu sua espinha e a deixou acamada por vários anos, mas ela se recuperou bem o suficiente para aparecer na Feira Mundial de 1939 em Nova York.


Conteúdo

Nos Jogos do Império Britânico e da Commonwealth de 1962, McGill ganhou a medalha de bronze na borboleta feminina de 110 jardas, a medalha de prata no medley individual feminino de 440 jardas e a medalha de ouro no revezamento medley 4 × 110 jardas. [2] Em 1964, ela competiu em quatro eventos nos Jogos Olímpicos de Tóquio, terminando em quarto lugar no medley de 400 metros. [3] Mais tarde naquele ano, ela foi banida pelas autoridades de natação amadora por quatro anos por suposto mau comportamento nos jogos. [4] [5]

Em 1965, McGill mudou-se para Londres com um visto de trabalho durante as férias. Durante o verão de 1965 no hemisfério norte, ela aceitou o desafio de nadar no Canal da Mancha. Embora ela tenha representado seu país como nadadora olímpica no ano anterior, ela se especializou em distâncias relativamente curtas e nunca havia nadado mais de um quilômetro por vez - o Canal, ao contrário, tem 35 km. Funcionários da Associação do Canal da Mancha ficaram chocados ao saber que ela estava prestes a tentar nadar no Canal com apenas algumas semanas de treinamento na hora do almoço e nenhuma experiência de longa distância ou água fria. McGill, no entanto, decidiu ir em frente com a natação, sentindo em parte que o sucesso poderia ajudar a justificar sua proibição anterior da natação olímpica. [5] Ela completou a natação de longa distância, tornando-se a primeira australiana a nadar no Canal da Mancha em 7 de agosto de 1965, [4] nadando em topless e posando de topless para fotos de imprensa após a natação. [5] Nessa natação, ela terminou em 11 horas e 12 minutos e perdeu o recorde mundial feminino da época por apenas 11 minutos. [6] [7]

Em um esforço para bater o recorde, ela formalmente solicitou e obteve permissão da Associação de Natação do Canal para nadar de topless, a fim de evitar que as alças de seu traje de banho cortassem seus ombros, como haviam feito em nados longos anteriores. [8] [9] Em 1967, ela bateu o recorde com um tempo de pouco menos de 10 horas. [4] Em 23 de maio de 1976, nadando em topless a maior parte do caminho, ela se tornou a primeira pessoa a nadar ao redor da Ilha de Hong Kong, conseguindo isso em 17 horas e 6 minutos. A natação, no sentido anti-horário, foi patrocinada pela Cathay Pacific e começou e terminou em Repulse Bay. McGill enfrentou dificuldades, incluindo picadas de água-viva, poluição, objetos na água, navios e clima inclemente. Começando a nadar oito quilômetros, ela tirou a parte de cima do biquíni e ficou de topless para evitar atrito. Embora os registros oficiais não sejam mantidos para natação em Hong Kong, esta natação estabeleceu um recorde não oficial para ambos os sexos que durou mais de 40 anos. O recorde de McGill foi batido em 11 de novembro de 2017 por Simon Holliday, que nadou a distância em 12 horas e 32 minutos. [10] [11] [12] [13] [14]

  • 1958 juntou-se à formação da Forbes Carlyle
  • 1960 juntou-se ao coaching de Don Talbot
  • 1961 Australian Swimming Championship, Brisbane: ganhou o título nacional aberto
  • 1962 Australian Swimming Championship, Brisbane: ganhou o medley individual de 440 jardas, 110 jardas borboleta, 2o 220 jardas peito
  • 1962 Perth Commonwealth Games - natação de exibição: ganhou o revezamento medley com Dawn Fraser, Marguerithe Ruygrok e Pam Sargeant (recorde mundial)
  • 1962 Perth Commonwealth Games: medalha de bronze nos 110 metros borboleta, prata no medley individual de 440 metros, ouro no revezamento medley de 440 metros (recorde mundial).
  • 1963 Títulos nacionais: 5 recordes: 100m borboleta (recorde australiano), 200m borboleta (recorde australiano), 400m medley individual (recorde australiano), 200m medley individual (recorde australiano) e 200m peito (recorde australiano)
  • Jogos Olímpicos de Tóquio em 1964: 5º no medley individual (recorde australiano), competiu nos 200m peito, 100m borboleta, 400m medley individual, revezamento 4x100m medley
  • Competição da Associação de Natação do Ceilão de 1964: muitos recordes
  • Agosto de 1965 Canal da Mancha da França para a Inglaterra: completou sua primeira travessia (primeiro australiano 11 horas 12 minutos)
  • Julho de 1967 Natação no porto de Sydney: quebrou o recorde americano
  • Canal da Mancha de 1967: completou sua segunda travessia (13 horas 2 minutos)
  • Canal da Mancha de setembro de 1967: completou sua terceira travessia (novo recorde mundial feminino de 9 horas 59 minutos e 56 segundos)
  • Dia de Ano Novo de 1968: ela recebeu o MBE (o mais jovem ganhador australiano)
  • Janeiro de 1968 Cruzamento da Baía Phillip: venceu o evento (primeira pessoa a nadar 14 horas)
  • 1968 Corrida de Capri a Nápoles, 29 km (primeira mulher 9 horas 52 minutos)
  • 1968 Lago Ontário, Canadá (retirado devido ao frio extremo)
  • 1968 Traversee Internationale du Lac Saint-Jean, Canadá 51 km: (12 horas, 2 minutos e 33 segundos)
  • 1968 Lago Simone, Canadá, 24 km
  • 1968 Block Island para Rhode Island, EUA, 32 km
  • 1968 Brisbane para Moreton Island, Austrália
  • 1968 Townsville para Magnetic Island, Austrália (primeira pessoa a nadar)
  • 1968 introduzido no International Marathon Swimming Hall of Fame
  • Maio de 1976 Ilha de Hong Kong, 45 km: natação ao redor da ilha (primeira pessoa a nadar 17 horas e 6 minutos)
  • 1977 Nadou da Arábia Saudita ao Bahrein (primeira pessoa a nadar)
  • 1977 Rabaul, Nova Guiné
  • Julho de 1983 Manhattan Island Marathon Swim, 45,8 km: o primeiro australiano a nadar ao redor da Ilha de Manhattan (9 horas 10 minutos e 55 segundos)
  • Agosto de 1984 Manhattan Island Marathon Swim, 45,8 km: (8 horas 23 minutos e 10 segundos)
  • Agosto de 1986 Manhattan Island Marathon Swim, 45,8 km: (8 horas 48 minutos 16 segundos)
  • 1989 World Masters Games, Rio de Janeiro, Brasil
  • 2020 introduzido no Australian Marathon Swimming Hall of Fame
  1. ^"Around Hong Kong swims | LongSwims Database". Federação de nadadores de maratona. Página visitada em 15 de outubro de 2020.
  2. ^
  3. "Equipe australiana de 1962 e resultados" (PDF). Jogos da Commonwealth na Austrália. Arquivado do original (PDF) em 13 de fevereiro de 2014. Retirado em 12 de janeiro de 2014.
  4. ^
  5. "Resultados de Linda Carol McGill". Olimpíadas . Página visitada em 23 de maio de 2021.
  6. ^ umabc
  7. "McGill, Linda". O Registro de Mulheres Australianas. Retirado em 12 de janeiro de 2014.
  8. ^ umabc
  9. McGill, Linda (2007). Surviving the Sea of Life: The triumphs and tragedies of an Australian Olympian. New Holland. ISBN978-1741105285 .
  10. ^
  11. "Linda McGill | LongSwims Database". Marathon Swimmers Federation . Retrieved 15 October 2020 .
  12. ^
  13. "Channel Swim Easy for Linda McGill". The Tuscaloosa News . Retrieved 12 January 2014 .
  14. ^
  15. "Swimmer in Channel Topless" (PDF) . Watertown Daily Times . Retrieved 17 March 2014 .
  16. ^
  17. "Topless Swimmer". Montreal Gazette . Retrieved 17 March 2014 .
  18. ^
  19. "Linda swims around Hong Kong". The Age . Retrieved 12 January 2014 .
  20. ^
  21. Wood, Chris (4 November 2017). "1976, and a topless Australian is first to swim around Hong Kong Island". South China Morning Post . Retrieved 13 December 2017 .
  22. ^
  23. Blundy, Rachel (19 August 2017). "Expat eyeing record for swimming around Hon<g Kong Island wants to make splash for charity". South China Morning Post . Retrieved 13 December 2017 .
  24. ^
  25. McNicol, Andrew (11 November 2017). "Two years in the planning . five months of training . 12 hours and 32 minutes of exhaustion . then victory". South China Morning Post . Retrieved 13 December 2017 .
  26. ^
  27. Fitzgerald, Quinn (November 2017). "Simon Holliday Replicates Linda McGill Round Hong Kong - WOWSA". World Open Water Swimming Association . Retrieved 8 June 2020 .

This biographical article related to an Australian swimmer is a stub. Você pode ajudar a Wikipedia expandindo-a.


Why the first woman to swim the English Channel deserves our respect

Gertrude Ederle didn’t expect a ticker-tape parade when she returned home to New York. Strangers and admirers surrounded her, giving her congratulations for accomplishing what many thoughts was impossible for a woman to achieve. She was the first woman to successfully swim across the English Channel — and bettered the previous record by over two hours. Born with a passion for swimming and a love of being in the water, Gertrude Ederle, or “Gertie” as she was known to her close friends and relatives, often referred to herself as a “water baby.” She loved the water so much that when doctors told her that her already-compromised hearing would worsen if she continued to swim, she decided to continue swimming anyway. And if you think Ederle was only known for being the first woman to cross the English Channel, you’re sorely mistaken. She was also an Olympic gold medalist.

That’s right, our girl Ederle swam at the Olympic Games in Paris in 1924. She swam a freestyle race that helped win three Olympic medals. After winning her share of gold, Ederele decided to go big or go home and swim across the English Channel in 1925. It’s a 21-mile stretch between France and England (and depending on the tide, it could be longer) that is notoriously choppy, filled with stinging jellyfish, and unbearably cold. Undeterred, Ederle thought of it as the ultimate test of her abilities as a swimmer. However, it didn’t go as planned.

In 1925, at the age of 19, Ederle stepped into the frigid waters. But that wasn’t her big day — in fact, it was quite the opposite. She was disqualified from the race. To break the world record, Ederle had to cross without any kind of physical assistance. As she swam, people aiding her along the course (feeding her, keeping track of her health and journey) thought she was drowning and reached out to help her. Their touch automatically disqualified her. Her New York Times obituary included quotes from earlier reports where Ederle explained that she was only resting and could have easily continued. She was 23 miles into her journey — eight hours in — when they pulled her into the boat. Even her coach Bill Burgess (the second person to swim the English Channel), urged her to quit because he thought she was struggling too much in the water. Even her swimsuit was holding her back.

American swimmer Gertrude Ederle, right, the first female to swim across the English Channel, is wished bon voyage by Lillian Cannon, another U.S. swimmer, before starting her historic swim August 6, 1926 in Cape Griz-Nez, France (Photo by Hulton Archive/Getty Images)

At the time, women’s swimsuits were made out of wool. Women were also required to wear stockings with shoes. Anything less was considered taboo or illegal ( History ). Ederle had to make another drastic decision. She wasn’t about to go home and say that she tried. She decided to try again. The following year, Ederle returned to France. This time, she resolved to make her own rules. She ditched her old one-piece swimsuit and stepped out in a “scandalous” two-piece. She even designed her own pair of goggles. To hell with conformity! She had a record to set.

She slathered herself in sheep grease — a trick to ward off painful jellyfish stings and to insulate her from the freezing waters. Ederle once again braved the waters and started her journey. That day, the waters were rough. Ederle saw that the waters were not going to be kind to her. Before she threw herself to the mercy of the sea, with her heart hammering, Ederle gave a silent prayer: “Please, God, help me.” She dived in.

The water was frigid and unwelcoming. Nevertheless, she persisted…one stroke at a time. It was reported that she hummed between strokes to keep her motivated. She was fed chicken legs and vegetables by her supporters. The waters was relentless — but so was Ederle. After 35 miles, 14 hours and 31 minutes, Ederle reached English shores. The record prior to her historic swim was 16 hours and 33 minutes ( Dover ) Ederle had it beat by over two hours. Coming out of the water, Ederle looked like the ocean had given her it’s best beating, but she came out triumphant. Upon her return to the United States, she was already a celebrity. A parade was held for her. Overwhelmed, but overjoyed, Ederle felt like she accomplished the impossible. She was called the “Queen of the Waves,” and praised by not only the mayor of New York, but by President Calvin Coolidge who dubbed her, “America’s Best Girl.”


Ten minutes in France

The Department of Transport had advised Ms McCardel to seek legal advice ahead of the swim.

She said she has been advised by the Channel Swimming Association that her swim could go ahead.

"They said Channel swims are allowed as long as you observe social distancing when you land and don't stay on the shore for more than 10 minutes, which is standard practice for us," Ms McCardel told the BBC shortly before embarking on the swim.

She said there was little risk of coming into contact with someone in France because her swims usually end in an area of boulders near Cap Gris-Nez.

"I usually finish where there are large boulders and it's inaccessible to people on land because you can't walk through the boulders. There's no sand," she said.

Ms McCardel already negotiated special dispensation from the Australian government to travel to the UK for her record attempt.

In recent weeks she has completed three Channel crossings, taking her level with British swimmer Mr Murphy, on 34 crossings.

She told the Daily Telegraph that she hopes that her latest feat can help to raise awareness about domestic violence, revealing that she is a survivor who has been diagnosed with post-traumatic stress disorder.

Speaking after completing her feat, Ms McCardel said: "It's a very momentous occasion and I'm very proud to be able to represent Australia.

"I've also been thinking a lot about the people in lockdown, particularly women facing domestic violence, and I'm proud to be able to be a voice for those who don't have one."

Ms McCardel holds multiple records for endurance swimming, including the longest ratified unassisted ocean swim in 2014, when she covered 77.3 miles (124.4km) in 41.5 hours in the waters around the Bahamas.

In 2017, she became the first person to attempt a quadruple non-stop crossing of the English Channel, but she was not successful in completing the 84-mile journey.

The feat was finally achieved by Sarah Thomas, from the United States, last year - one year after she was treated for breast cancer.


Florence Chadwick, the Woman Who Conquered the English Channel

As she approached the shore of Sangatte, France, Florence Chadwick was exhausted. She had been swimming in the English Channel for over 16 hours, battling strong winds and thick fog that made every stroke a challenge. The previous leg of her journey, from France to England—which she had completed a year earlier—had been easy compared to this. But her effort would be worth it: When she finally arrived on French soil that day, September 11, 1951, she became the first woman to successfully swim round-trip across the English Channel.

Born in San Diego, California in 1918, Chadwick discovered her love of ocean swimming at an early age. Her hometown offered her easy access to the beach, and she started competing in swimming races at 6 years old. She liked pushing herself to swim in difficult conditions: at night, in fog, and in strong winds. At the age of 10, she swam a two-mile race in the rough waters of Hermosa Beach, wowing the crowds. At 13, she earned second place at the U.S. national championships.

After graduating from San Diego State College, she produced aquatic shows for the U.S. military, and in 1944, she swam with MGM’s water ballet star Esther Williams in the musical film Bathing Beauty. But Chadwick had her sights set far beyond Hollywood.

As a child, Chadwick had been inspired by Gertrude Ederle, who, in 1926, became the first woman to swim the English Channel. Before her, women were considered incapable of such a long-distance swim. Ederle not only proved them wrong, but beat the men’s record by two hours.

Chadwick became determined to be the first woman to swim the Channel round-trip—not just from France to England, as Ederle had, but from England to France. Swimmers and other experts considered the latter to be a more difficult crossing, in part because of the strong current pushing away from the shore. No woman had ever swum the England-to-France route successfully. Chadwick set a goal of swimming both Ederle's route and then back again, even if she had to rest in a bit between trips.

After World War II, Chadwick took a job as a comptometer (a type of adding machine) operator with an American oil company in Saudi Arabia. She swam in the Persian Gulf before and after work and for up to 10 hours on her days off. After two years of rigorous training, she decided she was ready to make the first part of her Channel attempt—the trip from France to England, which Ederle had swum in 1926.

On a chilly August morning in 1950, Chadwick dove into the water outside Wissant, France. She swam across the 21 miles of the Channel to Dover, England, accompanied by her father, friends, and authorities in a fishing boat. They kept an eye on her route and watched out for hazards, while she occasionally nibbled sugar cubes to keep up her energy. The trip took her a little over 13 hours—a world record for fastest swim across the Channel by a woman.

"I feel fine,” she told reporters after crawling ashore in England. “I am quite prepared to swim back." But Chadwick ended up delaying the trip back across the Channel to France for over a year, waiting for more favorable weather and tides, and fattening herself up on a calorie-rich diet in preparation for the weight loss that comes with a long swim in cold waters.

On September 11, 1951, despite dense fog and headwinds, Chadwick finally entered the water in Dover. The route to France was punishing, made worse by the fumes from an accompanying motorboat. But she completed the trip in 16 hours, 22 minutes—a world record. When she arrived, the mayor of Sangatte was there to shake her hand.

Chadwick’s accomplishment made her famous. Back in San Diego, townspeople threw her a ticker tape parade. She appeared on TV shows such as What's My Line?, endorsed Catalina Swimwear, and was given a car by the city of San Diego. Although she had achieved her goal of conquering the Channel, it wasn't enough.

On July 4, 1952, Chadwick attempted to swim across the Catalina Channel, which stretches from Catalina Island to the Palos Verde peninsula on the Southern California coast. After almost 16 hours of swimming through a thick fog, frigid water, and nearby sharks (which her support crew, following in boats, shot at with rifles), she gave up when she was just half a mile away from land. She later told a reporter: “Look, I’m not excusing myself, but if I could have seen land I might have made it.”

Two months later, she finally succeeded, making the journey to Catalina in 13 hours, 47 minutes—two hours faster than the previous official record, set by a man.

Chadwick followed up her Catalina swim with another trip across the English Channel from England to France in 1953, shaving several hours off her previous time. Later the same year, she swam across the Strait of Gibraltar between Spain and Morocco, as well as the Bosporus and the Dardanelles straits in Turkey, breaking records made by both men and women along the way.

Although she achieved incredible success, Chadwick was also notable for her perseverance: She failed to complete swims, let alone break records, more times than she succeeded, not only in the Catalina Channel but in Lake Ontario and the Irish Sea. But she never let failure stop her. A pioneer, she demolished the notion that women were incapable of long-distance endurance swimming, and paved the way for other women to continue to break records in the sport.

Even after retiring in 1960, she wasn’t content to rest. She opened swimming schools in New York and New Jersey, frequently coached young swimmers, lectured on the value of fitness, and worked as a credit counselor and stockbroker.

In 1995, 25 years after she was inducted into the International Swimming Hall of Fame, Chadwick died of leukemia in San Diego. Fittingly, her ashes were scattered in the Pacific Ocean.


First Man Across the Channel

“Distance swimming was a kind of public entertainment in the late 1800s,” says Lisa Bier, author of Fighting the Current: The Rise of American Women's Swimming 1870-1926. “Many of these early distance swimmers were half entertainers, half athletes.”

One of these swimmer-entertainers was Matthew Webb, who Bier says “started his distance swim career with big public events, such as an 18-mile [29-kilometer] swim of the Thames River in 1875.”

That same year, he became the first known person to swim the English Channel. During the swim, Bier says Webb’s trainers sustained him with “brandy, hot coffee, cod-liver oil, and beef broth.”


How Have Women’s Sports Changed Since Title IX?

When Gertrude Ederle became the first woman to swim the English Channel in 1926, she beat the record of every man who’d attempted it before her—by two hours. And she did it in a two-piece bathing suit that she’d fashioned herself, eschewing the bulky wool dress, stockings, and shoes expected to be worn by women swimmers for modesty’s sake. Before Title IX’s 1972 passage, Ederle, and pioneering sportswomen from Mildred Ella “Babe” Didrikson Zaharias to Wilma Rudolph to Billie Jean King, began the work of breaking down cultural norms around sex and sport, as well as race and class—while making history in the process. In what ways has the world changed since women were denied the opportunity to compete because of their biology? What forgotten feats by trailblazers, on and off the turf, have been relegated to the footnotes of history? And how have earlier fights for gender equality laid the groundwork for today’s debates over equal pay, anti-trans legislation, and other issues?

LPGA and World Golf Halls of Fame member Amy Alcott, ASU sports historian Victoria Jackson, and sports attorney Jill Pilgrim, who has represented the LPGA and USA Track and Field, visit Zócalo to discuss how Title IX transformed sports for women, and its unfinished work leveling the playing field when it comes to everything from equal pay to equal opportunity.


The First Woman to Swim the English Channel Beat the Men’s Record by Two Hours - HISTORY

Martin Ward, husband of one of Ederle's 10 surviving nieces and nephews, said she died on Sunday in New Jersey.

New Yorker Ederle, who was then 20, swam from Cape Griz-Nez in France to Kingsdown, England August 1926.

Her time - 14 hours 30 minutes - beat the men's record by more than two hours.

Because of the stormy weather, she had swum 35 miles (56 kilometres) in crossing the 21-mile-wide (34-kilometre-wide) channel.

She held the women's record for 24 years, until it was broken in 1950 by Florence Chadwick, who swam 23 miles (37 kilometers) in 13 hours and 20 minutes.

In an interview marking the 75th aniversary of her feat Erderle said: "People said women couldn't swim the channel. I proved they could."

When she returned to America, there were celebrations, receptions and a roaring ticker-tape parade for her in New York.

She met President Calvin Coolidge, was paid thousands to tour, played herself in a movie (Swim, Girl, Swim) and even had a song and a dance step named after her.

She recalled that during some of the hardest moments of her swim, her trainer tried to get her to give up "I'd just look at him and say, 'What for?'"

At the ticker-tape parade, the crowds shouted, "Hello, Miss What-For!"

Ederle was a champion swimmer before her Channel swim, holding a string of world records at various distances, and appeared at the 1924 Olympics in Paris.

In 1925, she swam the 21 miles (34 kilometres) from the tip of Manhattan to Sandy Hook, New Jersey, in seven hours, 11 minutes, improving the men's record.

Her first attempt on the Channel came the same year.

She later blamed failure that time on her trainer, saying he had grabbed her when she briefly began coughing.

By the 1940s, Ederle had become completely deaf, because of childhood measles and hours spent in the water.

She took up teaching deaf children to swim, saying, "Since I can't hear either, they feel I'm one of them".


Assista o vídeo: MAIOR SLIME DO BRASIL Com 300 KG DE COLA - Largest SLIME in the Brazil With 300 KG glue