Batalha de Tours

Batalha de Tours

Na Batalha de Tours perto de Poitiers, França, o líder franco Charles Martel, um cristão, derrota um grande exército de mouros espanhóis, interrompendo o avanço muçulmano na Europa Ocidental. Abd-ar-Rahman, o governador muçulmano de Córdoba, foi morto no conflito, e os mouros se retiraram da Gália, para nunca mais voltar com tanta força.

Carlos era o filho ilegítimo de Pepin, o poderoso prefeito do palácio da Austrásia e governante efetivo do reino franco. Depois que Pepin morreu em 714 (sem filhos legítimos sobreviventes), Charles derrotou os três netos de Pepin em uma luta pelo poder e se tornou prefeito dos Franks. Ele expandiu o território franco sob seu controle e em 732 repeliu um ataque violento dos muçulmanos.

A vitória em Tours assegurou a dinastia governante da família de Martel, os carolíngios. Seu filho Pepin se tornou o primeiro rei carolíngio dos francos, e seu neto Carlos Magno construiu um vasto império que se estendeu por toda a Europa.


Batalha de Tours



Depois de Zama, o império de Roma se espalhou por todo o mundo mediterrâneo. Em 200 anos, Roma estendeu suas fronteiras do Nilo ao Tamisa. O poder e a glória romanos chegaram ao clímax pouco antes e durante a vida de Cristo sob o primeiro imperador Augusto César e seu filho Tibério. No entanto, a dinastia César entrou em colapso trinta anos depois. O descendente vingativo, egocêntrico e ineficaz de Tibério, Nero, incitou uma revolta militar em 68 d.C.

Após a morte de Nero, Roma começou um lento declínio. Ocasionalmente, imperadores fortes como Adriano e Constantino conseguiam parar ou até reverter o declínio. No entanto, séculos de ataques bárbaros, corrupção e imperadores ineficazes finalmente culminaram em 410 d.C., quando um exército de godos saqueou a cidade de Roma, os primeiros invasores a fazê-lo em 700 anos. Embora Roma tenha conseguido manter algumas sombras de seu antigo poder e território até 476 d.C., os 66 anos intermediários foram pouco mais do que o estertor da morte do mais poderoso império da história.

Depois de 476 d.C., os destinos da Europa Oriental e Ocidental sofreram uma grande divisão. A metade oriental do antigo Império Romano, governada a partir da enorme cidade de Constantinopla no Helesponto, permaneceu razoavelmente pacífica e estável por mais de um século. A Europa Ocidental, no entanto, caiu no que agora é chamado de Idade das Trevas. As tribos que haviam derrotado Roma começaram a lutar umas contra as outras pelo controle da região, sem que nenhuma ganhasse realmente a supremacia. Esse padrão continuou na Europa Ocidental por mais de 200 anos.

Fora da Europa, porém, o tempo avançou. Em 632 d.C., Mohammad morreu. Seus seguidores logo começaram uma sangrenta campanha militar para levar o Islã a todos os cantos da terra. Eles tiveram um sucesso sem precedentes desde o início. Em menos de um século, os árabes conquistaram o Egito, Israel, Síria, Pérsia, Norte da África e Espanha. Isso não foi suficiente, no entanto, e os califas Omayyad logo começaram a considerar novas conquistas. O Império Bizantino e a Índia eram fortes demais para serem derrubados, mas os reinos "bárbaros" da Europa ocidental pareciam prontos para a invasão.

Em 721 d.C., uma primeira tentativa de invadir as terras ao norte da Espanha foi rapidamente derrotada pelo duque Odo da Aquitânia. Os muçulmanos retornaram, no entanto, em 732 d.C., com um exército de 80.000 homens. Odo foi esmagado e a invasão muçulmana varreu a França, queimando, saqueando e estuprando. Enquanto os árabes abriam caminho sangrento pelo sul da França, Odo fugiu para Paris, capital das tribos francas. Lá ele fez um acordo de proteção com o palácio-prefeito dos francos, um homem chamado Charles Martel.


Charles não era estranho à guerra. Nascido como filho ilegítimo do anterior prefeito do palácio, Pippin, em 686 d.C., Carlos teve de lutar para garantir sua posição. Ele foi preso em 714, escapou para o exílio no final de 715 e iniciou uma guerra civil que culminou três anos depois. Após sua vitória sobre seus rivais na batalha de Soissons, Charles conquistou o posto de Palácio-Prefeito. Este título era importante porque, enquanto os francos tinham um rei, o palácio-prefeito era quem detinha o verdadeiro poder político.


Charles passou os anos seguintes expandindo o poder franco e acompanhando os acontecimentos na Espanha muçulmana. Ele percebeu que precisaria de homens bem treinados e fortemente armados para repelir qualquer invasão muçulmana. Isso seria muito caro, entretanto, e os Franks não tinham dinheiro de sobra. Para conseguir o dinheiro, Charles deu um passo extremamente controverso. Ele confiscou terras da Igreja e usou o dinheiro para financiar o treinamento de um exército de 30.000 homens. Essa ação o deixou com uma força mais poderosa do que qualquer outra vista na Europa Ocidental desde os dias dos Césares. Também quase o excomungou. No entanto, Charles conseguiu - mal - evitar esse resultado desastroso.

Conforme se arrastava em 732 d.C., os muçulmanos começaram a adquirir uma grande quantidade de tesouros roubados das cidades e mosteiros que haviam devastado. Procurando aumentar esse tesouro, eles então se voltaram para o mosteiro de Tours, considerado o mais rico da França. Carlos antecipou isso, no entanto, e marchou com seu exército para Tours. Ele pegou estradas vicinais para evitar ser detectado. O movimento valeu a pena quando os árabes foram pegos de surpresa ao encontrar o exército franco esperando por eles em uma colina arborizada perto de Tours no início de outubro.

Durante sete dias, nenhum dos lados se moveu. Os muçulmanos esperavam que os cristãos viessem atacá-los na planície abaixo da colina. Charles sabia que tal movimento seria suicídio e permaneceu em sua forte posição defensiva. Finalmente, o inverno rompeu o impasse. Charles e seus homens do norte estavam preparados para o frio que se aproximava, mas o comandante muçulmano Abd er Rahman sabia que seus homens não estavam. A única maneira de chegar aos quartéis de inverno era por meio do exército franco, então, no sétimo dia, Rahman ordenou um ataque em grande escala. O futuro espiritual e político da Europa estava para ser decidido.


Os exércitos

Franks- O exército franco era composto quase inteiramente porfantry. Esses homens eram fazendeiros que Charles havia transformado em forma de lutador nos meses e anos anteriores. Eles estavam mais bem protegidos e armados do que os muçulmanos. A arma típica dos francos era um pequeno machado de arremesso chamado de Francisca . o Francisca tinha apenas um curto alcance, mas poderia passar por qualquer armadura do mundo. Seu treinamento os havia endurecido e sua situação de vida ou morte sem dúvida os levaria a lutar ainda mais duramente. No entanto, eles estavam em desvantagem numérica de quase 3 para 1 e enfrentando um inimigo feroz e invicto com uma cavalaria muito superior. O futuro do Cristianismo parecia sombrio.

Mouros- O exército mouro era composto por muçulmanos do Norte Africa e Espanha. A maioria deles não usava armadura e carregava lanças e cimitarras. As vitórias da cavalaria em Adrianópolis (378 d.C.) e Ad Decimum (533 d.C.) deixaram os cavaleiros como a unidade dominante da época, e os mouros tinham milhares de cavalaria. Eles usaram esse fato com um efeito devastador, superando e destruindo seus inimigos baseados na infantaria na Espanha e no sul da França. A excelente escolha de campo de batalha do Frank reduziu algumas vantagens mouriscas, mas Abd er Rahman ainda tinha uma superioridade numérica de 50.000 homens e seus homens estavam inflamados com fervor islâmico. Apesar de não ter explorado adequadamente o inimigo ou o terreno, ainda parecia que os mouros iriam romper e levar o Alcorão a todos os cantos da Europa na ponta de uma espada.


A batalha- Os detalhes exatos da batalha de Tours ainda são desconhecidos. As duas principais fontes de informação da Idade das Trevas, monges cristãos e escribas muçulmanos, ou exageraram na batalha além de todas as proporções razoáveis ​​ou a minimizaram severamente. Por exemplo, algumas fontes cristãs têm números de vítimas árabes na casa das centenas de milhares ao longo de uma luta de sete dias. Por outro lado, o pouco material muçulmano existente concentra-se principalmente em desculpar o resultado da batalha.


Apesar da escassez de evidências concretas, alguns fatos básicos sobre a batalha são geralmente aceitos pelos historiadores:


  1. Os francos estavam consideravelmente em menor número que os mouros.
  2. Os Franks partiram de uma praça no topo de uma colina arborizada.
  3. Os muçulmanos atacaram aquela praça.
  4. Os Franks não quebraram.
  5. Os muçulmanos não pararam de atacar.
  6. Escuteiros de Charles se infiltraram no acampamento muçulmano e começaram a libertar prisioneiros e tesouros.
  7. Os mouros começaram a voltar sorrateiramente para o acampamento para proteger o saque, e o gotejar rapidamente se tornou uma enchente.
  8. Abd er Rahman tentou impedir a deserção / retirada em massa, mas foi cercado e morto.
  9. O exército mouro nunca se reorganizou e fugiu para a Espanha, abandonando todos os seus tesouros e escravos roubados.

Carlos foi aclamado como o salvador da cristandade por sua impressionante vitória em Tours. A Igreja esqueceu MUITO rapidamente suas ofensas anteriores. Seus homens o chamaram de 'O Martelo'. O Frankish Palace-Mayor tornou-se uma estrela do rock do século VIII.

Carlos continuaria a atacar as propriedades muçulmanas no sul da França pelo resto de sua vida. Sob seu governo, os francos ascenderiam continuamente ao poder na França. Sob seu filho Pippin, os Franks continuaram essa tradição. O neto de Carlos acabou conquistando e governando a França, a Alemanha e o norte da Itália. O neto tornou-se tão poderoso que abandonou o título de Palácio-Prefeito e fez com que o Papa o coroasse imperador de Roma. O nome do neto era Carlos Magno. Ele se tornaria conhecido como o maior governante da Idade das Trevas.

Os efeitos da batalha de Tours não se limitaram ao aumento da fortuna política de uma família, no entanto. A expulsão de IsSou do norte da Europa permitiu que quase tudo de bom na cultura ocidental moderna crescesse e prosperasse. Sem o Islã, a ciência, baseada na ideia de um universo lógico e ordenado, renasceu nos mosteiros ocidentais. Sem o Islã, o cavalheirismo, a ideia que é a base do pensamento social ocidental e baseada na igualdade de gênero, cresceu e prosperou. Princípios do Estado de Direito, música e arte foram preservados para florescer mais tarde. O império de Carlos Magno, o Sacro Império Romano, deu ao Ocidente um nível de estabilidade não visto há séculos. Essa estabilidade permitiu aos povos da Europa começar a reconstruir a sua civilização. Resumindo, Tours salvou o mundo ocidental.


História

Os primeiros registros mostram que os Turones, um povo gaulês pré-romano, se estabeleceram na margem direita do rio Loire. Os romanos moveram o assentamento para o outro lado do rio e o chamaram de Caesarodunum, mas a partir do século 5 era conhecido como Civitas Turonorum. O assentamento foi evangelizado em meados do século III pelo primeiro eclesiástico e missionário cristão Gatien, que fundou o bispado. A comunidade cristã permaneceu pequena, no entanto, até a segunda metade do século 4, quando São Martin, o grande apóstolo dos gauleses, foi persuadido a se tornar seu bispo. Uma magnífica basílica foi erguida acima de seu túmulo no final do século V e, por centenas de anos, atraiu peregrinos a Tours.

Quando a cidade tornou-se parte do domínio franco sob Clovis I (reinou 481 / 482-511), Clovis aceitou para si e seus sucessores o título de cânone de São Martinho. No final do século 6, o bispado era mantido por São Gregório de Tours, que mandou construir uma abadia em torno da basílica de São Martinho. A abadia ficou imensamente rica. O imperador Carlos Magno (reinou de 768 a 814) restabeleceu a disciplina no mosteiro e desenvolveu a vida intelectual sob o comando do estudioso inglês Alcuin. Depois de saquear as incursões dos normandos, foi construída uma parede protetora em torno do distrito de St. Martin, que 400 anos depois foi unida ao bairro de Tours, quando uma parede comum foi construída em torno de Tours e Châteauneuf (originalmente distrito de St. Martin e conhecido como Martinópolis).

Em um ponto em algum lugar entre Tours e Poitiers é o local da Batalha de Tours. Lá, em 732, Charles Martel, mestre do reino franco, derrotou os invasores mouros da Espanha em uma batalha que provou ser o ponto de inflexão no avanço do Islã na Europa Ocidental. Alguns historiadores acreditam que a batalha foi travada em Moussais-la-Bataille, 6 milhas (10 km) a sudoeste de Châtellerault.

Tours continuou a manter sua prosperidade na Idade Média, apesar do envolvimento na contenda entre os reis franceses e ingleses no século 12 e mais tarde durante a Guerra dos Cem Anos (1337-1453). Em 1462, Luís XI estabeleceu um conselho cívico e uma indústria da seda que prosperou por mais de um século. A emigração dos huguenotes (um grupo protestante) após a revogação do Édito de Nantes (1685) resultou em declínio industrial. Durante a Revolução Francesa no final do século 18, a cidade foi uma base para operações contra os rebeldes monarquistas da Vendéia. Durante a Segunda Guerra Mundial, o governo francês teve seu quartel-general em Tours de 13 a 15 de junho de 1940, e o estadista britânico Winston Churchill encontrou o primeiro-ministro francês Paul Reynaud lá em uma vã tentativa de dissuadir a França de negociar um armistício com a Alemanha. Nos bombardeios de 1944 que precederam a retirada alemã e a libertação, um quarto da cidade foi destruído.


O martelo entra na briga

Charles Martel era um governante experiente e um veterano endurecido pela batalha. Suas tropas tinham a mesma experiência de estar em confrontos constantes ao longo das fronteiras orientais de seu reino, lutando contra tribos vizinhas.

Charles também entendeu a importância da situação e começou a reunir seus soldados em todo o norte. E ele mostraria sua astúcia como comandante de batalha, quando compreendesse cuidadosamente as intenções de seu inimigo.

Enquanto isso, as forças omíadas moviam-se lentamente pelas terras francas, suas forças se espalharam em grupos de guerra que devastaram o campo e acumularam uma enorme quantidade de pilhagem. Esse foco “ganancioso” no butim de guerra influenciaria enormemente sua destruição futura. Eles tinham que tomar seu tempo, pois dependiam muito da época da colheita como fonte de alimento.

Mas o destino deles estava claro para Charles Martel. Era a rica cidade de Tours - proeminente e rica, repleta de abadias de grande importância. Assim, Charles colocou suas forças francas diretamente no caminho dos vindouros Umayyads. Ele situou seu exército aproximadamente entre a cidade de Tours e a cidade devastada de Poitiers, mais ao sul.

Os francos foram colocados perto da confluência dos rios Clain e Vienne, em uma colina ligeiramente elevada e arborizada. Charles Martel deliberada e astutamente escolheu esta posição. Em primeiro lugar - ele estava em menor número e sabia disso.

Mapa da Batalha de Tours com a posição do exército de Charles Martel. (Evzen M / Domínio público )

Assim, ele escolheu a cobertura da floresta para deslocar suas tropas e esconder seu número na esperança de não revelar sua desvantagem. Em segundo lugar - ele escolheu um lugar onde os omíadas teriam que entrar em batalha, já que a única travessia dos rios era atrás das forças francas. Em terceiro lugar - a floresta protegeu suas tropas - principalmente as segundas linhas - do impacto total de uma carga de cavalaria e protegeu de alguma forma seus lados de ataques de flanco.

Quando os omíadas se aproximaram do exército cristão reunido, seu líder Abdul Rahman al Ghafiqi - também um comandante experiente - sabia que Charles Martel estava em vantagem, escolhendo seu local de batalha preferido. Mesmo assim, al Ghafiqi confiou em sua força e se posicionou para a batalha.

Uma coisa que ele deve ter notado é a diferença nas tropas - os omíadas dependiam muito da cavalaria, enquanto os francos eram em sua maioria lacaios. Mas ele falhou em levar várias coisas em consideração.

A cavalaria muçulmana usava uma armadura leve - eles preferiam se enfeitar com cota de malha e não muito mais em termos de armadura. Riquezas e quinquilharias eram muito mais do seu agrado.

Eles também montavam cavalos árabes obstinados, que eram difíceis de arrombar e, portanto, não eram as montarias de cavalaria verdadeiramente perfeitas. Alguns historiadores também mencionam que essa cavalaria estava em grande parte armada com lanças - que não eram temperadas e se quebrariam no primeiro impacto.

A cavalaria muçulmana montou cavalos árabes obstinados durante a Batalha de Tours. (Trzęsacz / Domínio público )

Por outro lado, a infantaria franca era bastante experiente. A maior parte do exército era de veteranos, com apenas uma pequena parte dos novos recrutas reservados nas segundas linhas. Eles estavam bem blindados para a época, e bem armados também. Eles estavam agrupados em linhas estreitas e prontos para um ataque de cavalaria.

Mas a batalha não começou imediatamente. As forças opostas “testaram as águas”, com pequenas escaramuças esporádicas durante sete dias.

Na verdade, foi uma demora deliberada de al Ghafiqi, que esperou que todo o seu exército se reunisse totalmente. No final, com os omíadas temendo a aproximação do inverno, eles começaram a batalha no sétimo dia - em 10 de outubro de 732 DC.


Ramificações

Os historiadores ainda discutem se os árabes foram para a Gália como um grupo de ataque ou uma invasão completa. Se acreditarmos no último, então não seria exagero dizer que as ações de Charles mudaram todo o destino da história europeia. Se os muçulmanos tivessem rompido e conquistado o reino franco, eles teriam então acesso por terra à península italiana e ao papado, se pudessem romper os lombardos. Não apenas isso, mas se eles conseguissem subjugar as tribos germânicas, havia a possibilidade de o califado omíada cercar o Império Bizantino em ambos os lados, cortando grande parte de suas rotas de comércio terrestre.

Além disso, é a religião da região, como acontece com a Espanha, é provável que a região se tornasse islâmica sob o domínio dos muçulmanos e, com a região subjugada, haveria menos potências importantes para reconquistar a área e trazê-los à existência ao cristianismo, como na Reconquista. Isso levaria a uma mudança completa na história europeia como a conhecemos.


732 DC, Batalha de Tours: Charles Martel the & # 8216Hammer & # 8217 preserva o cristianismo ocidental

Poucos Impérios surgiram tão rapidamente quanto o dos califados muçulmanos. Saindo do que hoje é a Arábia Saudita em meados do século 7, o califado islâmico se expandiu em todas as direções.

Logo no início, eles obtiveram uma vitória esmagadora sobre o antigo Império Bizantino na Batalha de Yarmouk e varreram para o oeste através do norte da África. Eventualmente, eles cruzariam o estreito de Gibraltar, derrotariam os visigodos e tomariam a Espanha.

As conquistas muçulmanas não eram inerentemente religiosas, especialmente porque os conquistadores permitiam liberdade religiosa nos territórios conquistados, mas sua presença e cultura eram uma ameaça direta ao cristianismo ocidental.

A rápida expansão do Império

Semelhante a como os vikings visavam as igrejas para saque, o mesmo aconteceu com os muçulmanos conquistadores. Além disso, com o tempo, muitas das pessoas conquistadas pelos muçulmanos adotaram sua religião.

Os muçulmanos na Espanha começaram a ameaçar a França moderna, no início do século VIII.

A Espanha estava sob o domínio dos visigodos, os descendentes dos homens que saquearam Roma, mas eles foram incapazes de resistir muito e o califado islâmico não teve contratempos até encontrar Odo da Aquitânia. Ele obteve uma vitória na Batalha de Toulouse que interrompeu temporariamente a força anteriormente imparável e às vezes é considerada tão importante quanto a batalha posterior de Tours.

Embora Toulouse tenha sido um revés para a conquista muçulmana da França, eles ainda realizariam incursões pela próxima década. Enquanto os muçulmanos se concentravam em ataques, Charles Martel se concentrava na construção de um exército para unificar e fortalecer o povo franco.

Os francos usavam machados e espadas pesadas, mas também empunhavam lanças para combater eficazmente a cavalaria.

Odo da Aquitânia havia sofrido derrotas recentemente e implorou a Charles por ajuda contra os invasores muçulmanos. Charles concordou com a estipulação de que Odo se submetesse à autoridade franca. Um poder franco estava ficando cada vez mais forte sob Carlos, e o califado não tinha ideia do que encontraria quando decidisse se aventurar para o norte com um exército mais forte.

Os francos e os muçulmanos sob o califado omíada se encontrariam no nordeste da França em outubro de 732. Charles Martel, comandante dos francos, que eram em grande parte da infantaria e provavelmente igual em número ao exército muçulmano, lutaria contra o general Abdul Rahman Al Ghafiqi , que comandou o exército omíada que tinha uma grande quantidade de cavalaria.

A força de Charles foi bem treinada e lutou com o equipamento e o estilo de ordem aproximada que ecoava as formações hoplitas dos antigos gregos. Ele ocupou uma posição elevada e usou as árvores e o terreno acidentado na frente de sua infantaria para protegê-los de cargas de cavalaria.

Um cavaleiro ocidental lutando contra um cavaleiro árabe. Ilustração do século XIX.

Os primeiros dias resultaram em várias escaramuças sem um vencedor claro. Charles adotou uma posição defensiva enquanto Abdul Rahman Al Ghafiqi estava francamente (trocadilho intencional) surpreso com a presença de uma força tão grande.

Os reforços chegaram para os muçulmanos, mas Charles tinha, sem dúvida, reforços melhores. Muitos de seus veteranos, que haviam lutado pessoalmente com ele, vieram em grande número. Esses lutadores profissionais estariam entre os melhores e mais experientes de toda a Europa. Sua chegada significava que a batalha principal estava em andamento após uma semana de escaramuças.

Os muçulmanos tinham um método testado e comprovado de derrubar o inimigo com ataques de cavalaria leve e repetidos ataques de cavalaria pesada. Sem nenhum motivo real para tentar algo diferente, a cavalaria de & # 8216Abd-al-Raḥmân colidiu com as formações francas que permaneceram firmes como "Um Baluarte de Gelo", de acordo com relatos muçulmanos posteriores. As tropas francas resistiram aos ataques e atacaram com força sempre que as tropas experientes viram uma oportunidade.

No início da luta (talvez em um segundo dia de acordo com algumas fontes), a cavalaria entrou em uma formação franca e em direção a Charles. Seu guarda, e talvez o próprio Charles, entraram na briga. Vários batedores francos foram enviados ao mesmo tempo para atacar o campo inimigo, causando estragos e libertando prisioneiros.

Os muçulmanos temiam pela segurança de seu saque, obtido durante a campanha, e muitos voltaram correndo para o acampamento. Isso foi visto como uma retirada total por muitos outros membros do exército muçulmano e uma verdadeira retirada completa logo se seguiu. & # 8216Abd-al-Raḥmân corajosamente tentou reunir suas tropas, mas foi morto na luta quando os francos vitoriosos atacaram seus inimigos em retirada.

Uma pintura ficcional que mostra os dois comandantes montados em Charles à esquerda e & # 8216Abdul Al-Rahman à direita.

O grau em que os muçulmanos foram derrotados pode ser inferido pelos eventos a seguir. Os sobreviventes retiraram-se para o acampamento, de onde fugiram no meio da noite, carregando principalmente seu precioso saque. Na manhã seguinte, Charles estava profundamente preocupado que seus inimigos estivessem armando uma emboscada, tentando fazê-lo marchar morro abaixo para campos mais abertos.

Após extensas explorações, descobriu-se que o inimigo havia fugido. Isso indicaria que a batalha certamente seria uma grande vitória, mas não uma vitória esmagadora, já que Charles ainda tinha que temer uma possível emboscada. Além disso, a maioria das baixas na batalha acontece depois que um lado começa a recuar, mas, neste caso, era um exército de infantaria vitorioso perseguindo um exército baseado em cavalaria, então provavelmente havia muitos sobreviventes muçulmanos.

As estimativas são de que os muçulmanos perderam cerca de 8 a 10.000, em comparação com cerca de 1.000 para os francos. Embora não tenha sido uma vitória esmagadora, foi um ponto decisivo para o impulso do Islã na Europa. A batalha foi inequivocamente perdida e um grande general foi perdido pelos Ummayidas.

Eles estavam sobrecarregados e acabariam sendo forçados a recuar para a Espanha. Charles recebeu o apelido de Charles “o Martelo” por esmagar seus inimigos e tanto ele quanto Odo, que conquistou a primeira grande vitória e serviu em Tours, seriam considerados heróis do Cristianismo.

Carlos continuaria a estabelecer o reino franco, e sua linha familiar produziria grandes nomes como Carlos Magno.


The Battle Of Tours 732 Ad History Ensaio

A Batalha de Tours (Batalha de Poitiers) aconteceu em 10 de outubro de 732, foi travada pelo líder franco Charles Martel e do outro lado era uma força terrestre muçulmana cujo líder era o emir Abdul Rahman AI Ghafiqi Abd Al Rahman.

Aconteceu perto da metrópole de Tours, na França.

Vamos escrever um ensaio personalizado especificamente
Para você por apenas $ 13,90 / página!

Os francos derrotaram as forças terrestres islâmicas e, além disso, o emir Abd er Rahman foi morto. O conflito impediu o avanço para o norte do Islã da Península Ibérica.

Um clipe do islâmico estava infestando os antigos restos dos impérios romano e iraniano. Estima-se que uma das forças terrestres francas estava apoiando a Gália de tamanhos diferentes.

Eles dizem que os mortos foram 15.000 e 75.000. Em St.Denis eram aproximadamente 1.500. Os muçulmanos perderam entre 60.000 e 400.000 cavalos.

As forças terrestres islâmicas são realmente difíceis de avaliar em tamanho, porque normalmente eram divididas em grupos de destruição, todas as forças terrestres muçulmanas estavam em Tours e Abd er Rahman esperou seis anos para encerrar o conflito.

No dia 7 de vinte e quatro horas o conflito começou e ambas as forças terrestres tiveram força, os muçulmanos no norte da Espanha invadiram a Septimania e fizeram uma capital em Narbonne, eles a chamaram de Arbuna.

O duque Odo de Auqitaine, além de chamado Eudes, o Grande, havia vencido uma pequena batalha em 721 na Batalha de Toulouse, mas os árabes continuaram a rebentar.

Em 725 eles foram longe como metrópole de Autun na Borgonha, os muçulmanos foram atacados pelos árabes e os francos, em 730 Eudes fez Alliess com Uthman ibn Naissa, que era chamado de Munuza pelos francos.

Uthman recebeu Lampade da menina de Eudes & # 8216 como matrimônio para fazer um armistício, mas nos doze meses seguintes Uthman se rebelou contra o governador de al-Andalus.

O duque Eudes (foi chamado de monarca masculino por alguns), trouxe suas forças terrestres em Bordeaux, mas as forças terrestres perderam, quando perderam os cristãos foram massacrados no rio Garrone.

Os cavaleiros muçulmanos foram destruídos, o duque Eudes pediu ajuda aos francos, em 732 os árabes moveram suas tropas e viajavam para o norte, no rio Loire.

A oposição gaulesa ficou sem suprimentos, então eles foram destruídos. Os árabes se dividiram em grupos de rompimento porque estavam ficando sem suprimentos que saquearam a Gália.

Charles Martel foi o significante defensivo no conflito.

O conflito de Tours # 6

Os francos tinham uma boa vestimenta para o frio e isso lhes dava uma vantagem, os árabes não estavam preparados para o frio e não tinham vontade de atacar.

Os árabes queriam entrar em campo aberto e os francos estavam fazendo uma defesa firme, de modo que a guerra se tornou um conflito que aguardava e Charles Martel venceu.

No dia 7 de vinte e quatro horas a batalha começou, porque Abd er Rahman não desejava viajar o conflito para outro clipe, Abd er Rahman pensou que sua alta qualidade do cavalo era boa o suficiente.

O conflito de Tours # 7

As forças terrestres muçulmanas confiavam que o cavalo daria uma vantagem, o cavalo vencera em antigos conflitos, o pé medival lutava com o cavalo.

O cavalo se separou, mas o franco não interrompeu, o conflito pode ter sido diferente, mas os muçulmanos ainda estavam sob controle.

Algumas pessoas disseram que no dia 2 de vinte e quatro horas os vigias francos invadiram o acantonamento e os suprimentos, uma grande parte das forças terrestres voltou ao acantonamento para resgatar seus suprimentos e parecia ser uma retirada, então depois disso tornou-se um retiro.

O conflito de Tours # 8

Quando Abd er Rahman estava tentando recuperar a ordem de suas forças de trabalho, que haviam sido capazes de interromper dentro da defesa, Abd er Rahman foi morto por ficar cercado pelas forças terrestres francas.

Além das forças terrestres árabes terem sido empurradas de volta para o sul sobre os Pirineus, Charles ganhou seu apelido de Martel, Martel significava galo, Charles Martels foi capaz de expulsar os muçulmanos da França.

Quando as forças terrestres muçulmanas confiaram nos cavaleiros / cavalaria que dariam uma vantagem, eles teriam essa ideia porque em outros conflitos venceriam.

Depois do conflito de Tours

AFTer o conflito de Tours

736, o Cailiphate tentou ocupar mais uma vez, mas este clipe eles tentaram por mar, foi encomendado por Abdul Rahman & # 8216s menino, eles começaram em Narbonne em 736 e assim tomaram Arles.

Em 736, Carlos tomou de volta Montfrin e Avignon, e Arles e Aix-en-Provence com alguma ajuda de Liutprand, rei dos lombardos, Nimes, Agde e Béziers. Ele esmagou uma força muçulmana no rio Berre.

Eles foram confrontar a invasão principal em Narbonne, ele derrotou um poderoso exército, foi o primeiro clipe para ele utilizar cavalos pesados, ele derrotou as forças terrestres muçulmanas, mas não conseguiu reconquistar a metrópole que estava em menor número quando acariciou.

Após o conflito de Tours # 2

Carlos foi um excelente general estratégico, em 736-737 ele destruiu as bases muçulmanas na Gália, Carlos não conseguiu retomar Narbonne em 737.

A Cit era defendida por muçulmanos, árabes e cidadãos visigodos cristãos, Pippin, o pequeno, conseguiu o poder e precisou adquirir a metrópole para desistir, em 759, para tentar expulsar os árabes de volta à Península Ibérica e transportar Narbonne de volta para o Franco.

Seu neto, Charlamagne, tornou-se assim o primeiro cristão como um oscilador, na península oriental os imperadores francos dos Pirenéus onde hoje é a Catalunha, eles reconquistaram Girona em 785 e além de Barcelona em 801.

Os árabes espalharam o Islã pelo Oriente Médio, Norte da África e, além da Península Ibérica, e fizeram isso em um clipe verdadeiramente curto, então começaram a distribuir no extremo oeste para Espanha e Portugal e no leste na Ásia Central e além do Pacífico Sudoeste.

Mohammed morreu em 632 e ele morreu em um conflito realmente interessante na história, o povo árabe se espalhou às pressas então se tornou uma das principais religiões do universo e a mais comum desde o Norte da África até a Ásia Central.

O Islã se espalhou por lâmina, os árabes foram atacados por dois impérios fortes, o bizantino e o persa sassânida, os árabes precisaram de 8 anos para suprimir a Síria e além dos 7 anos para suprimir o Iraque.

Eles tomaram o Egito em 2 anos, os mouros conquistaram a Espanha e Portugal em 5 anos, os árabes foram para a Ásia Central e o subcontinente indiano, o Islã se espalhou pelo Oriente Médio e foi conquistado pelo árabe conquistando o Império Bizantino.

Os árabes passaram por terras sagradas e a Mesopotâmia, forçando o recuo dos bizatinos, os exércitos árabes foram enfraquecidos pela contenda do Império Bizantino.

Os árabes destruíram a maior força terrestre iraniana, os árabes primeiro obtiveram o controle da Mesopotâmia, então assumiram a Pérsia, então os árabes trouxeram o Islã para o Egito, os árabes conquistaram a maior parte do Egito, o general árabe Amr ibn Al Aas recebeu uma oferta de Maomé, ele trouxe um forças terrestres de 4.000 cavaleiros.

Eles estavam todos armados com lanças, lâminas e, além de arcos, a missão do Amr & # 8216s era atacar a fortaleza da Babilônia (Bab al Yun)

Babilônia era o antônimo da ilha de Rawdah no rio Nilo, no ponto mais alto do Delta para Alexandria, era perigoso, mas os apoios das forças terrestres árabes vieram e obrigaram as forças terrestres árabes a manterem mais forças de trabalho.

As forças terrestres bizantinas poderiam ser capazes de recuar, Amr trouxe suas forças terrestres para Alexandria, mas o governador optou por desistir e não atacar as forças terrestres.

Then the Arab ground forces went to North Africa, and they succeeded once more The emperor of Byzantine ( Leo III ) in 718, made Arab lose a conflict and lose a district.

Moors got most of the Iberian Peninsula but so after he was defeated by a Frankish ground forces and Charles Martel in bid near Tours in 732.

Then Moors gave up South of the Pyrenees.

The Muslim ground forcess after they got Persia went to Central Asia, ( 651 ) the Arab ground forces fought against Turkic Tribes in Central Asia, Islam got the Indus vale in the eighth century.

Islam so went to India Sub-continent in India there was no conquest ground forcess and India was already established good with spiritual beliefs.

Islam was brought to Coastal India so began to make Malaysia and Indonesia. The Arabs did n’t command coastal India, because India was a unfastened society.

The Arab bargainers were non allowed to work in India, Arab bargainers made markets more to the E, really they merely went east to merchandise but it turned into sharing faith.

They built merchandising ports in Malaysia, trading happened at that place because Chinese points came from North, East Asian ships to Arab or Indian ships possibly Europe to.

Traders at that clip needed to hold arms and armour.

Islam Spreading and Battles

Islam Spreading and Battles

Islam spread truly fast and truly far, in the yesteryear, the Battle of Tours in 732, the Battle of Tours Islam leader Abd er Rahman was really considered a bad general/leader.

The map of all the conquered topographic points by Islam

Islam Spreading and Battles

It was besides astonishing how Charles Martel got back so many metropoliss with his ground forces and so finally defeated the Arab and Islam ground forcess.

The Islam and Arab were defeated

by Abd Er Rahman acquiring

Islam Spreading and Battles

Islam was spread quickly in a short clip so it sort of seemed like the Islamic people and Arabs were sort of like the “ Strongest at the clip when they conquered all the metropoliss, states, etc.


Recent Posts

What is a shame about this what if, is that it is so unknown outside of historical circles that it needs an adequate introduction before it can be explained.

The year is 732, and for decades the Umayyad Islamic conquerors have been marauding across Spain and Portugal. Their expansion has been ferocious and they have met little resistance from the local populations. With every passing day, another city, town and village falls to the Arab invaders, with only a pocket of Christian resistance on the Northern Coast of Spain. Since they landed in Gibralter in 711, the Umayyads had been content on conquering Hispania, however they now turn their attention to the fertile lands of France.

Charles Martel (Leader of the Franks) has summoned warriors from across the continent, in an attempt to make a final stand. His calls are well answered and thousands of christian men now stand shoulder to shoulder in a muddy field in Southern France ready to fight and die for their religion and their continent.

Historically, that day was won by Charles Martel (later known as ‘The Hammer’) and his Christian army, comprising of Spaniards, French, English, German and Italian warriors.This is often considered to be first major defeat that the Umayyad army suffered since their invasion of Hispania began. What is more interesting however is that this is the battle that halted their advances. Which of course brings me to my question…

What if Charles Martel had lost the battle of Tours?

Had Charles Martel last at the battle of Tours, Europe would be an altogether very different place than it is now. The Umayyad army would have continued its ferocious march northwards and would very likely have made their deep into the French heartlands. What must be remembered about the Middle Ages is that their belief in the intervention of God was very real and very frequent. Therefore it stands to reason that (as in Spain) the Christian population of conquered France would have seen their defeat as a sign God no longer favoured the Christians and would have converted en mass to Islam. The successes of the Umayyad invasion of France would have no doubt led to more Arab fortune seekers and settlers immigrating to the regions taken and thus the very demographics of the areas would have changed. I have reason to believe this is likely thanks again to what took place in Spain during their occupation. The southern region of Spain (the region under Arab rule the longest) developed a unique culture about it unseen in Northern Spain. This culture, Andalusian, is a result of cultural exchange between the native Visigoth people and the Arab/Berber invaders.

I feel comfortable asserting that had Charles Martel lost at Tours in 732, Southern France at the very least and the entire French region at the most would have been under Islamic rule. Por quanto tempo? It is impossible to say, as the further one delves into alternative history, the more variables need to be considered. Would the Frankish population risen up and resisted Arab rule? Would the rest of Christian Europe unite and again attempt to push the Umayyads out of France? Perhaps the momentum of the invasions would have continued and led to the Islamification of Western Europe?

Charles Martel’s victory halted Islamic expansion in Western Europe and it is often argued allowed for the beginning of the Reconquista (the Christians of North Spain retaking the land to the South). His victory (and Survival) also allowed for one of Europe’s most renowned leaders to take his place in history, Martel’s own grandson Charlemagne.

That Europe’s cultural, religious and linguistic heritage potentially lay in the result of one battle over a thousand years ago that the majority of people haven’t even heard of is a terrific way to show just how interesting historical What ifs can be.


Battle Of Tours Essay

The first wave of Muslim expansion into Iberia, present-day Spain and Portugal, began in 711 during the reign of the Umayyad caliph Abd al-Malik. Led by a Berber commander, Tariq ibn al-Ziyad, this expedition landed in Gibraltar and was followed by further Muslim expansion and the foundation of an Umayyad dominion in Iberia, centered in the city of Córdoba. The Muslims were able to overcome the small states that existed in Iberia because of the fractured nature of Iberian Christendom. In 730 the Umayyad caliph Hisham ibn Abd al-Malik appointed a new governor, Abd al-Rahman al-Ghafiqi, of the Iberian Muslim state, known in Arabic as al-Andalus.

Despite their religious differences, some Muslim and Christian rulers signed treaties with one another and formed alliances in order to further their political goals. In 721 the army of Eudes, Christian duke of Aquitaine, defeated an Umayyad invasion force at Toulouse. However Muslim incursions into France continued, reaching as far north as the province of Burgundy by the mid-720s. Eudes formed an alliance with Uthman ibn Naissa, the Berber ruler of Catalonia, and when Uthman rebelled against Abd al-Rahman, he was dragged into a conflict with the Umayyads. After defeating Uthman’s forces, Abd alRahman began to campaign against Eudes, defeating him in a fierce battle near the city of Bordeaux and the Garonne River.

Desperate for aid, Eudes turned toward the Carolingian Frankish ruler Charles Martel, agreeing to submit to his authority. Charles, son of Pippin the Middle and mayor of the Palace and ruler of the Frankish realms of Austrasia, moved his infantry army south to intercept Abd al-Rahman and tens of thousands of Muslim cavalrymen heading toward the monastery of St. Martin in Tours.

In October 732 Charles positioned the Frankish army, which was made up entirely of armored infantrymen equipped with heavy shields and long spears, between the Muslim invasion force and the monastery of St. Martin. Abd al-Rahman’s army, which was made up entirely of Arab and Berber cavalry, met the Franks near Tours and the two sides scouted one another’s positions and skirmished for nearly a week before commencing battle on the seventh day. Abd al-Rahman’s army was the larger of the two. The Frankish infantry formed into a tightly grouped phalanx and managed to repel successive Muslim cavalry charges throughout the day. Late in the battle Abd al-Rahman was killed while trying to rally waning Muslim forces and his army halted their attacks. With a substantial amount of captured treasure from their campaign in southern France, the Muslims decided to withdraw south back toward Iberia. In later campaigns, Charles continued to push the Iberian Muslims back across the Pyrenees Mountains and out of France.

Scholars, including the 18th century English historian Edward Gibbon, saw Charles’s victory as a landmark moment in history when a Christian ruler halted Muslim forces from advancing farther into western Europe and establishing an Islamic state there. Because of his defeat of a much larger Muslim force, Charles was given the nickname Martel or “The Hammer” and continued to expand Carolingian power throughout France and Germany. His grandson Charlemagne would rule over a Frankish empire as one of the most powerful Christian rulers in Europe.


The Battle of Tours, 732

Near the river Owar [Loire], the two great hosts of the two languages and the two creeds were set in array against each other. The hearts of [Muslim leader] Abderrahman, his captains and his men were filled with wrath and pride, and they were the first to begin to fight. The Moslem horsemen dashed fierce and frequent forward against the battalions of the Franks, who resisted manfully, and many fell dead on either side, until the going down of the sun.

Night parted the two armies, but in the gray of the morning the Muslims returned to the battle. Their cavaliers had soon hewn their way into the center of the Christian host. But many of the Moslems were fearful for the safety of the spoil which they had stored in their tents, and a false cry arose in their ranks that some of the enemy were plundering the camp whereupon several squadrons of the Moslem horsemen rode off to protect their tents. But it seemed as if they fled and all the host was troubled.

And while Abderrahman strove to check their tumult, and to lead them back to battle, the warriors of the Franks came around him, and he was pierced through with many spears, so that he died. Then all the host fled before the enemy, and many died in the flight.

Musa being returned to Damascus, the Caliph Abd-el Melek asked of him about his conquests, saying "Now tell me about these Franks—what is their nature?"

"They," replied Musa, "are a folk right numerous, and full of might: brave and impetuous in the attack, but cowardly and craven in event of defeat."

"And how has passed the war betwixt them and thyself? Favorably or the reverse?"

"The reverse? No, by Allah and the prophet!" spoke Musa. "Never has a company from my army been beaten. And never have the Moslems hesitated .

Para continuar lendo, assine agora. Os assinantes têm acesso digital completo.


Assista o vídeo: A Batalha de Tours 732 - História do Cristianismo 25