Jornalismo amarelo: sem barreiras

Jornalismo amarelo: sem barreiras

"Imprensa amarela" era um termo aplicado aos jornais populares francamente imperialistas da cidade de Nova York, por volta de 1890. Hoje, "jornalismo amarelo" se refere a publicações sinistras que enfatizam o lado sensacional das notícias. O ideal do jornalismo foi expresso no final do século 18 por Benjamin Rush, que escreveu a um amigo que estava começando um jornal com várias recomendações:

Evite encher seu jornal com anedotas de vícios e loucuras britânicas. O que os cidadãos dos Estados Unidos têm a ver com os duelos, as fugas, as consortes criminosas, as amantes mantidas, os assassinatos, os suicídios, os roubos, as falsificações, as lutas de boxe, as apostas para comer, beber e caminhar , etc., etc., do povo da Grã-Bretanha? Essas coisas, quando circuladas em nosso país por meio de um jornal, têm como objetivo destruir aquela delicadeza da mente que é uma das salvaguardas da virtude de um país jovem. Nunca publique em seu jornal um artigo que não desejaria que esposa e filha (se tiver alguma) devem ler ou compreender.

Os princípios descritos nunca estiveram muito em evidência no jornalismo americano, mas um século depois de Rush escrever sua carta, um feitiço particularmente desagradável de baixo jornalismo estourou. Na década de 1890, uma guerra de circulação amarga estourou entre Joseph Pulitzer New York World e de William Randolph Hearst New York Journal. Em uma competição crescente de jornalismo ultrajante, os jornais usaram todos os meios para atrair leitores - doses pesadas de assassinato e sexo, manchetes de banner e suplementos coloridos. Pulitzer apresentou a primeira história em quadrinhos, The Yellow Kid, desenhado por Richard Outcault. O personagem se tornou imensamente popular e inspirou o nome da imprensa sensacionalista da época. Ambos Hearst e Pulitzer desempenharam papéis importantes na formação da opinião pública americana sobre o conflito entre a Espanha e sua colônia cubana. Os jornais relataram as atrocidades espanholas em detalhes exagerados, mas não mencionaram os crimes cubanos. Ambos pediram repetidamente uma intervenção armada e, mais tarde, uma guerra total.


Assista o vídeo: AOS 39 ANOS PERDEMOS MAIS UMA ATRIZ MUITO TALENTOSA QUERIDA. LEANDRA LEAL RELEMBRA REPRISE DE IMPÉRI