US San Juan - História

US San Juan - História

USS San Juan CL-54

San Juan II
(CL-54: dp. 6.000; 1. 541'6 "; b. 53'2"; dr. 20'10 "; s. 31,8 k .; cpl. 820; a. 16 5", 16 1,1 ", 8 20 mm., 8 21 "tt., 2 atos, 6 dcp .; cl Atlanta)

O segundo San Juan (CL-54) foi lançado em 15 de maio de 1940 pela Bethlehem Steel Co. (Fore River), Quincy, Massachusetts, lançado em 6 de setembro de 1941; patrocinado pela Sra. Margarita Coll de Santori, e encomendado em 28 de fevereiro de 1942, o capitão James E. Maher no comando.

Após o shakedown no Atlântico, San Juan partiu de Hampton Roads, Virgínia, em 5 de junho de 1942 como parte de um grupo-tarefa de porta-aviões formado em torno do Wasp (CV-7) e com destino ao Pacífico. O grupo partiu de San Diego em 30 de junho, escoltando um grande grupo de transportes de tropas com destino às Ilhas Salomão, onde a Marinha estava prestes a lançar a primeira grande operação anfíbia americana da guerra.

Após o ensaio nas Ilhas Fiji, San Juan forneceu suporte de tiroteio para os desembarques em Tulagi em 7 de agosto de 1942. Na noite de 8 e 9 de agosto, ela estava patrulhando as abordagens orientais da área de transporte entre Tulagi e Guadalcanal quando flashes de armas indicaram que combates ocorriam nas abordagens ocidentais. A ação acabou sendo a Batalha da Ilha de Savo, na qual uma força de cruzadores inimiga afundou quatro cruzadores Aliados. San Juan retirou-se da área avançada com os transportes vazios no dia 9 e os acompanhou até Noumea.

Ela então voltou ao Wasp e operou com a força de transporte por várias semanas entre as Novas Hébridas e as Salomões, em guarda contra um ataque de porta-aviões japonês. No entanto, quando este ataque se materializou em 24 de agosto, San Juan retirou-se para reabastecer e, portanto, perdeu a Batalha das Salomões Orientais. O Enterprise (CV-6) foi atingido na batalha, e San Juan, que havia danificado um suporte de canhão ao largo de Guadalcanal, escoltou o porta-aviões até Pearl Harbor, chegando em 10 de setembro de 1942.

Em 5 de outubro, o cruzador rumou novamente para o Pacífico Sul, parando primeiro em Funafuti nas ilhas Ellice para entregar um convés de canhões de 20 milímetros aos fuzileiros navais que acabavam de pousar ali. Em seguida, ela realizou uma incursão nas Gilbert, afundando dois navios de patrulha japoneses em 16 de outubro. Desembarcando prisioneiros japoneses em Espiritu Santo, o cruzador juntou-se à Enterprise no dia 23d. Três dias depois, após os aviões de patrulha terem feito contato com as forças de porta-aviões inimigas, a Batalha da Ilha de Santa Cruz foi travada, na qual o Hornet (CV-8) foi perdido e a Enterprise danificada, enquanto os japoneses sofreram graves perdas em aeronaves e pilotos. Durante o último ataque com bombardeio de mergulho à formação, uma bomba passou pela popa de San Juan, inundando vários compartimentos e danificando, embora não incapacitando, seu leme. Ela chegou a Noumea com a força-tarefa em 30 de outubro e depois passou 10 dias em Sydney, Austrália, recebendo reparos permanentes.

San Juan juntou-se ao transportador Saratoga (CV-3), na Ilha Nandi Viti Levu, nas Fijis, a 24 de novembro. De dezembro de 1942 a junho de 1943, o cruzador baseou-se em Noumea e operou no Mar de Coral, tanto com grupos de porta-aviões quanto sozinho. No final de junho de 1943, durante a ocupação da Nova Geórgia, San. O grupo de porta-aviões de Juan patrulhou o Mar de Coral por 26 dias para evitar a interferência inimiga. No final de julho, a força fez uma parada rápida em Noumea e mudou-se para as Novas Hébridas, primeiro para Havannah Harbour, Efate, e depois para Espiritu Santo.

Em 1º de novembro, o grupo Saratoga, incluindo San Juan, neutralizou os campos de aviação em Bougainville e Rabaul enquanto as forças aliadas pousavam em Bougainville. Em meados de novembro, o grupo-tarefa atuou como uma força de cobertura para a ocupação das Gilbert. San Juan então se juntou a Essex (CV-9) em um ataque a Kwajalein nos Marshalls, lutando contra ataques persistentes de torpedeiros em 4 e 5 de dezembro. Destacado em 6 de dezembro, o cruzador retornou aos Estados Unidos para uma revisão na Ilha de Mare.

San Juan retornou a Saratoga ao largo de Pearl Harbor em 19 de janeiro de 1944 e a força cobriu a ocupação de Eniwetok em fevereiro. San Juan acompanhou as transportadoras, Yorktown (CV-10) e Lexington (CV-16), em greves em Palau, Yap e Ulithi entre 30 de março e 1º de abril. Em 7 de abril, o cruzador juntou-se ao novo porta-aviões Hornet (CV-12), que cobriu os desembarques em Hollandia em abril e depois atingiu Truk em 29 e 30 de abril. Depois de retornar às bases nos Marshalls, o grupo Hornet começou a apoiar a campanha das Marianas no início de junho, atacando Iwo Jima e Chichi Jima nos Bonins enquanto as tropas americanas pousavam em Saipan. San Juan ajudou a proteger seu grupo durante a Batalha do Mar das Filipinas, quando o poder aéreo naval americano derrotou decisivamente um contra-ataque japonês para salvar as Marianas; e, ao fazer isso, praticamente aniquilou a força aérea naval japonesa.

Depois de uma curta parada em Eniwetok, San Juan escoltou os transportadores Wasp (CV-18) e Franklin (CV-13), durante o mês de julho, enquanto cobriam a captura de Guam com ataques a Iwo Jima e Chichi Jima. Após uma greve em Palau e Ulithi, San Juan foi mandado para San Francisco para revisão e partiu de Eniwetok em 4 de agosto, escoltando Yorktown.

Após o treinamento de atualização em San Diego e Pearl Harbor, San Juan juntou-se ao grupo de trabalho de Lexington em Ulithi em 21 de novembro. No início de dezembro, ela fez a triagem dos porta-aviões em greves em Formosa e Luzon em apoio aos pousos em Mindoro. Durante esta operação, ela foi enviada sozinha para o alcance de reconhecimento de aeródromos japoneses em um esforço para atrair aeronaves japonesas por rádio-engano, mas ninguém mordeu a isca. Em 18 e 19 de dezembro, a força foi atingida por um tufão e voltou para Ulithi na véspera de Natal. Em andamento novamente seis dias depois, os transportadores cobriram a ocupação de Luzon com greves em Formosa Okinawa e Luzon de 3 a 9 de janeiro de 1945 e, em seguida, de 10 a 20 de janeiro, invadiram portos e navios no Mar da China Meridional, particularmente Saigon Cam Ranh Bay e Hong Kong. Depois de reabastecer em Ulithi, San Juan escoltou o porta-aviões Hornet em ataques aéreos a Tóquio durante a operação Iwo Jima em fevereiro e, em seguida, voltou a Ulithi em 1º de março para se preparar para a invasão de Okinawa.

San Juan voltou ao Hornet em 22 de março e, até 30 de abril, operou com ela ao norte e leste de Nansei Shoto, interrompendo sua ocupação regular de apoio a ataques aéreos e reabastecimento no mar com um bombardeio em 21 de abril de Minami Daito Shima, um pequeno ilha a cerca de 180 milhas de Okinawa. Aviões do grupo de San Juan ajudaram a afundar o gigante navio de guerra japonês, Yamato, em 7 de abril. Depois de nove dias em Ulithi, o grupo Hornet estava de volta à estação ao largo de Nansei Shoto para ataques a alvos no Japão. San Juan chegou ao Golfo de Leyte em 13 de junho para reparos e, em seguida, juntou-se ao porta-aviões Bennington em 1º de julho para mais ataques nas ilhas japonesas. Ela estava no mar quando a notícia da capitulação japonesa foi recebida em 15 de agosto e, no dia 27, após 59 dias no mar, ela se juntou às forças de van para a entrada triunfal da Frota 3D em Sagami Wan, nos arredores da Baía de Tóquio .

O comandante da unidade embarcada de San Juan, Comodoro Rodger W. Simpson, recebeu a responsabilidade de libertar, cuidar e evacuar os prisioneiros de guerra Aliados no Japão. Em 29 de agosto, o navio entrou na Baía de Tóquio e desembarcou grupos que libertaram prisioneiros nos campos de Omori e Ofuna e no hospital Shanagawa. Os ex-prisioneiros foram transferidos para os navios-hospital, Benevolência e Resgate. Depois de evacuar os campos na área da Baía de Tóquio, San Juan mudou-se para a área de Nagoya-Hamamatsu ao sul e depois para a área de Sendai-Kamaishi ao norte. Ao completar seu dever de libertação, o cruzador atracou em 23 de setembro próximo ao último navio de guerra japonês, Nagato, em Yokosuka, mudando para um ancoradouro externo lá em 28 de outubro. Ela partiu para os Estados Unidos em 14 de novembro, desembarcou do Comodoro Simpson em Pearl Harbor e continuou para os EUA com tropas com destino a casa, chegando em 29 de novembro. Três dias depois, ela partiu no "tapete mágico" para Noumea e Tutuila, retornando a San Pedro, Califórnia, em 9 de janeiro de 1946 com uma carga completa de tropas. O cruzador chegou a Bremerton, Wash., Para inativação em 24 de janeiro de 1946, e foi desativado e colocado na reserva lá em 9 de novembro de 1946. San Juan foi redesignado como CLAA-54 em 28 de fevereiro de 1949. Ele foi retirado da lista da Marinha em 1 Março de 1959 e vendida em 31 de outubro de 1961 para a National Metals and Steel Co., Terminal Island, Califórnia, para sucateamento.

San Juan recebeu 13 estrelas de batalha por seu serviço na Segunda Guerra Mundial.


US San Juan - História

Cultivar ao longo do fundo do rio San Juan era uma proposta arriscada, pois o traiçoeiro rio inundava ou secava com muita freqüência para uma irrigação confiável. Os primeiros pecuaristas, como os irmãos Al e Jim Scorup, se saíram melhor na região do desfiladeiro acidentado do que os fazendeiros. Depois de uma década de luta contra os elementos, muitos colonos descobriram que a vida era um pouco mais fácil nas terras altas ao redor das Montanhas Abajo, e as cidades de Blanding e Monticello substituíram Bluff como os principais pontos focais da vida no condado de San Juan.

A mineração tem sido uma parte inconsistente, mas estimulante da economia do condado. A corrida do ouro no rio San Juan no início da década de 1890 durou pouco, mas os mineiros de Glen Canyon, no rio Colorado, ganharam uma vida melhor com os depósitos ao longo das barras do rio. A exploração de petróleo e gás na virada do século foi produtiva, e ainda é possível ver poços operando ao longo do rio San Juan. O boom do urânio no início dos anos 1950, entretanto, trouxe um grande número de pessoas para a área e viu a criação de algumas grandes fortunas.

Atualmente, a maioria dos residentes vê o turismo como seu recurso econômico mais promissor, especialmente desde a criação do Lago Powell no início dos anos 1960. Rainbow Bridge é a atração turística mais popular do condado, mas as marinas em Hite, Hall's Crossing e Piute Farms atraem um grande número de visitantes, e passeios fluviais pelo Cataract Canyon e no Rio San Juan também são populares.


US San Juan - História

San Juan II
(CL-54: dp. 6.000 1. 541'6 & quot b. 53'2 & quot dr. 20'10 & quot s. 31,8 k. Cpl. 820 a. 16 5 & quot, 16 1,1 & quot, 8 20 mm., 8 21 & quot., 2 act ., 6 dcp. Cl Atlanta)

O segundo San Juan (CL-54) foi estabelecido em 15 de maio de 1940 pela Bethlehem Steel Co. (Fore River), Quincy, Massachusetts, lançado em 6 de setembro de 1941, patrocinado pela Sra. Margarita Coll de Santori, e encomendado em 28 Fevereiro de 1942, capitão James E. Maher no comando.

Após o shakedown no Atlântico, San Juan partiu de Hampton Roads, Virgínia, em 5 de junho de 1942 como parte de um grupo-tarefa de porta-aviões formado em torno do Wasp (CV-7) e com destino ao Pacífico. O grupo partiu de San Diego em 30 de junho, escoltando um grande grupo de transportes de tropas com destino às Ilhas Salomão, onde a Marinha estava prestes a lançar a primeira grande operação anfíbia americana da guerra.

Após o ensaio nas Ilhas Fiji, San Juan forneceu suporte de tiroteio para os desembarques em Tulagi em 7 de agosto de 1942. Na noite de 8 e 9 de agosto, ela estava patrulhando as abordagens orientais da área de transporte entre Tulagi e Guadalcanal quando flashes de armas indicaram que combates ocorriam nas abordagens ocidentais. A ação acabou sendo a Batalha da Ilha de Savo, na qual uma força de cruzadores inimiga afundou quatro cruzadores Aliados. San Juan retirou-se da área avançada com os transportes vazios no dia 9 e os acompanhou até Noumea.

Ela então voltou ao Wasp e operou com a força de transporte por várias semanas entre as Novas Hébridas e as Salomões, em guarda contra um ataque de porta-aviões japonês. No entanto, quando este ataque se materializou em 24 de agosto, San Juan retirou-se para reabastecer e, portanto, perdeu a Batalha das Salomões Orientais. O Enterprise (CV-6) foi atingido na batalha, e San Juan, que havia danificado um suporte de canhão ao largo de Guadalcanal, escoltou o porta-aviões até Pearl Harbor, chegando em 10 de setembro de 1942.

Em 5 de outubro, o cruzador rumou novamente para o Pacífico Sul, parando primeiro em Funafuti nas ilhas Ellice para entregar um convés de canhões de 20 milímetros aos fuzileiros navais que acabavam de pousar ali. Em seguida, ela realizou uma incursão nas Gilbert, afundando dois navios de patrulha japoneses em 16 de outubro. Desembarcando prisioneiros japoneses em Espiritu Santo, o cruzador juntou-se à Enterprise no dia 23. Três dias depois, após os aviões de patrulha terem feito contato com as forças de porta-aviões inimigas, a Batalha da Ilha de Santa Cruz foi travada, na qual o Hornet (CV-8) foi perdido e a Enterprise danificada, enquanto os japoneses sofreram graves perdas em aeronaves e pilotos. Durante o último ataque com bombardeio de mergulho à formação, uma bomba passou pela popa de San Juan, inundando vários compartimentos e danificando, embora não incapacitando, seu leme. Ela chegou a Noumea com a força-tarefa em 30 de outubro e depois passou 10 dias em Sydney, Austrália, recebendo reparos permanentes.

San Juan juntou-se ao transportador Saratoga (CV-3), na Ilha Nandi Viti Levu, nas Fijis, a 24 de novembro. De dezembro de 1942 a junho de 1943, o cruzador baseou-se em Noumea e operou no Mar de Coral, tanto com grupos de porta-aviões quanto sozinho. No final de junho de 1943, durante a ocupação da Nova Geórgia, San. O grupo de porta-aviões de Juan patrulhou o Mar de Coral por 26 dias para evitar a interferência inimiga. No final de julho, a força fez uma parada rápida em Noumea e mudou-se para as Novas Hébridas, primeiro para Havannah Harbour, Efate, e depois para Espiritu Santo.

Em 1 de novembro, o grupo Saratoga, incluindo San Juan, neutralizou os campos de aviação em Bougainville e Rabaul enquanto as forças aliadas pousavam em Bougainville. Em meados de novembro, o grupo-tarefa atuou como uma força de cobertura para a ocupação das Gilbert. San Juan então se juntou a Essex (CV-9) em um ataque a Kwajalein nos Marshalls, lutando contra ataques persistentes de aviões torpedeiros em 4 e 5 de dezembro. Destacado em 6 de dezembro, o cruzador retornou aos Estados Unidos para uma revisão na Ilha de Mare.

San Juan retornou a Saratoga ao largo de Pearl Harbor em 19 de janeiro de 1944 e a força cobriu a ocupação de Eniwetok em fevereiro. San Juan acompanhou as transportadoras, Yorktown (CV-10) e Lexington (CV-16), em greves em Palau, Yap e Ulithi entre 30 de março e 1º de abril. Em 7 de abril, o cruzador juntou-se ao novo porta-aviões Hornet (CV-12), que cobriu os desembarques em Hollandia em abril e depois atingiu Truk em 29 e 30 de abril. Depois de retornar às bases nos Marshalls, o grupo Hornet começou a apoiar a campanha das Marianas no início de junho, atacando Iwo Jima e Chichi Jima nos Bonins enquanto as tropas americanas pousavam em Saipan. San Juan ajudou a proteger seu grupo durante a Batalha do Mar das Filipinas, quando o poder aéreo naval americano derrotou decisivamente um contra-ataque japonês para salvar as Marianas e, ao fazê-lo, praticamente aniquilou a força aérea naval japonesa.

Após uma curta parada em Eniwetok, San Juan escoltou os transportadores Wasp (CV-18) e Franklin (CV-13), durante o mês de julho, enquanto cobriam a captura de Guam com ataques a Iwo Jima e Chichi Jima. Depois de uma greve em Palau e Ulithi, San Juan foi enviado para San Francisco para revisão e partiu de Eniwetok em 4 de agosto, escoltando Yorktown.

Após o treinamento de atualização em San Diego e Pearl Harbor, San Juan juntou-se ao grupo de trabalho de Lexington em Ulithi em 21 de novembro. No início de dezembro, ela fez a triagem dos porta-aviões em greves em Formosa e Luzon em apoio aos pousos em Mindoro. Durante esta operação, ela foi enviada sozinha para o alcance de reconhecimento dos aeródromos japoneses em um esforço para atrair aeronaves japonesas por meio de rádio-engano, mas ninguém mordeu a isca. Em 18 e 19 de dezembro, a força foi atingida por um tufão e voltou para Ulithi na véspera de Natal. Em andamento novamente seis dias depois, os transportadores cobriram a ocupação de Luzon com greves em Formosa Okinawa e Luzon de 3 a 9 de janeiro de 1945 e, em seguida, de 10 a 20 de janeiro, invadiram portos e navios no Mar da China Meridional, particularmente Saigon Cam Ranh Bay e Hong Kong. Depois de reabastecer em Ulithi, San Juan escoltou o porta-aviões Hornet em ataques aéreos a Tóquio durante a operação Iwo Jima em fevereiro e, em seguida, voltou a Ulithi em 1º de março para se preparar para a invasão de Okinawa.

San Juan voltou ao Hornet em 22 de março e, até 30 de abril, operou com ela ao norte e leste de Nansei Shoto, interrompendo sua ocupação regular de apoio a ataques aéreos e reabastecimento no mar com um bombardeio em 21 de abril de Minami Daito Shima, um pequeno ilha a cerca de 180 milhas de Okinawa. Aviões do grupo de San Juan ajudaram a afundar o gigante navio de guerra japonês, Yamato, em 7 de abril. Depois de nove dias em Ulithi, o grupo Hornet estava de volta à estação ao largo de Nansei Shoto para ataques a alvos no Japão. San Juan chegou ao Golfo de Leyte em 13 de junho para reparos e, em seguida, juntou-se ao porta-aviões Bennington em 1º de julho para mais ataques nas ilhas japonesas. Ela estava no mar quando a notícia da capitulação japonesa foi recebida em 15 de agosto e, no dia 27, após 59 dias no mar, ela se juntou às forças de van para a entrada triunfal da Frota 3D em Sagami Wan, nos arredores da Baía de Tóquio .


Rio san juan

Por 5.000 anos, culturas arcaicas ocuparam a área. Por volta de 500 a.C., os primeiros ancestrais puebloans, os fabricantes de cestos, começaram a cultivar e a tecer. Por volta de 700 d.C., eles se tornaram pedreiros, ligando as casas como Pueblos, um estilo que ainda pode ser visto hoje no Novo México. A fabricação de cestos deu lugar à cerâmica e nasceu uma cultura da cerâmica. Por volta de 900 d.C., as civilizações estavam florescendo e as rotas comerciais ligavam culturas distantes. Os conjuntos de habilidades foram refinados e o trabalho de arte tornou-se mais complexo. Em 1150, os pueblos continuaram a crescer, mas os puebloans mudaram suas casas para alcovas e sob os penhascos. A Ruína da Casa do Rio, facilmente encontrada no Rio San Juan, é desse período.

Os pioneiros da América & # 8217s moveram-se pela área: colonos mórmons, caçadores de ouro e boomers do petróleo. Eles trouxeram consigo a caça aos recursos naturais, cujos subprodutos podem ser vistos ao longo das margens.

Ecologia

À medida que o rio cria um oásis sinuoso de vida, a biodiversidade é forte, desde o bagre gigante da tradição local até os pássaros canoros coloridos que chamam o cânion de lar, os lagartos espinhosos que caçam esperando nos arbustos até o lagarto de colarinho que se lança na areia nas patas traseiras. Nos penhascos estão as ovelhas selvagens do deserto que podem pular aberturas de 20 pés e escalar faces de rocha incrivelmente íngremes.


Disputa de fronteira de San Juan

O oficial do exército americano sabia que as chances contra ele eram esmagadoras. Os três navios de guerra ancorados na baía abaixo de seu acampamento montaram um total de 61 canhões e transportaram quase mil homens, incluindo um contingente de fuzileiros navais reais. Tripulado por apenas 66 soldados, sua posição recentemente ocupada foi fortificada por terraplenagens e protegida apenas por um único canhão de seis libras e dois obuseiros de montanha. As ordens que o capitão George Edward Pickett do Exército dos EUA recebeu de seu general comandante foram claras, no entanto, e ele estava determinado a manter sua posição.

Pickett serviu com bravura na Guerra do México logo após sua graduação na Academia Militar dos Estados Unidos em West Point, e posteriormente serviu em vários postos de fronteira. Agora, em 3 de agosto de 1859, o homem cujo nome estaria para sempre ligado à mais famosa de todas as acusações da Guerra Civil era o comandante americano em cena quando os Estados Unidos e a Grã-Bretanha novamente estavam à beira da guerra. A questão que divide os dois países desta vez era a propriedade das ilhas San Juan, frequentemente envoltas em nevoeiro, que pontuam o estreito entre o que é hoje o estado de Washington e a Colúmbia Britânica e a Ilha de Vancouver # 8217. *

As ilhas de San Juan constituíam a última porção de território disputado ao longo da fronteira entre os Estados Unidos e as colônias britânicas ao norte do Canadá. Um tratado de 1818 estendeu a fronteira internacional para o oeste ao longo do paralelo quadragésimo nono, do Lago dos Bosques, no que hoje é o extremo oeste da província de Ontário, até as Montanhas Rochosas. Além disso, ficava uma vasta região pouco explorada entre a Califórnia espanhola ao sul e o Alasca russo ao norte, que era vagamente chamada de & # 8216Oregon Country. & # 8217

Ao não chegarem a acordo sobre a divisão do território, os dois países o deixaram aberto à exploração e ocupação por nacionais de ambos. Mas em 15 de junho de 1846, após muitos anos de reivindicações conflitantes, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha assinaram o Tratado de Oregon, estabelecendo a fronteira no quadragésimo nono paralelo a oeste das Montanhas Rochosas & # 8216 até o meio do canal que separa o continente da Ilha de Vancouver & # 8217s e daí ao sul através do meio do referido canal e do Estreito de Fuca & # 8217s para o Oceano Pacífico. & # 8217

Resta resolver a localização exata da fronteira por aquele canal, no meio do qual ficam as ilhas de San Juan. O estreito de Haro a oeste separava as ilhas de Vancouver e a ilha 8217. Foi este canal que os americanos reivindicaram como fronteira. Por sua vez, a Grã-Bretanha insistiu que a fronteira internacional ia até o leste, o Estreito de Rosário, e que as ilhas de San Juan, portanto, pertenciam à Coroa.

Como seu território ao norte do paralelo quadragésimo nono e a oeste das Montanhas Rochosas ainda não havia atraído uma abundância de colonos permanentes, o governo britânico em 1849 arrendou toda a Ilha de Vancouver & # 8217s para a Hudson & # 8217s Bay Company por sete xelins por ano, com a condição de que a empresa assuma os esforços de colonização. Em 1851, James Douglas, ex-chefe da Hudson & # 8217s Bay Company na Ilha de Vancouver & # 8217s, foi nomeado governador daquela colônia.

No final de 1853, a presença britânica na própria Ilha de San Juan, com 38 quilômetros de extensão e 13 quilômetros de largura, incluía uma estação de pesca Hudson & # 8217s Bay Company & # 8217s e a Bellevue Farm, um rancho de ovelhas com 4.500 cabeças. No ano seguinte, um coletor da alfândega dos Estados Unidos, Isaac N. Ebey, desembarcou na Ilha de San Juan com seu vice, Henry Webber, e tentou cobrar impostos do gerente da fazenda, que jurou um mandado de prisão para o deputado & # 8217s por invasão de propriedade em solo britânico. Nada mais resultou desse incidente, e a disputa foi deixada ferver.

Em março de 1855, o xerife americano Ellis Barnes do condado de Whatcom, o condado mais ao norte do Território de Washington, * apoiado por um grupo de dez homens armados, reuniu 35 ovelhas pertencentes à Hudson & # 8217s Bay Company, com a intenção de vendê-las como pagamento de volta impostos. Esta ação gerou protestos do governador Douglas ao seu homólogo, governador Isaac I. Stevens de Washington, e ao British Colonial Office e levou à apresentação de uma reclamação de $ 15.000 em danos pela Hudson & # 8217s Bay Company.

* O continente a oeste das Montanhas Rochosas, do quadragésimo nono paralelo ao Alasca, era conhecido como Nova Caledônia até 1858, quando se tornou a colônia da Colúmbia Britânica. A Ilha de Vancouver & # 8211até 1861 conhecida como & # 8216Vancouver & # 8217s Island & # 8217 & # 8211era uma colônia britânica separada. As duas ex-colônias juntas se juntaram à confederação canadense como província da Colúmbia Britânica em 1871.

A situação criou preocupação suficiente em Washington, D.C., que o secretário de Estado William L. Marcy escreveu ao governador Stevens para recomendar que as autoridades do Território de Washington não fizessem nada que pudesse provocar conflito na área. Ele ainda pediu que nem os americanos nem os britânicos tentassem exercer direitos soberanos exclusivos até que a propriedade das ilhas pudesse ser resolvida. Marcy solicitou que o British Colonial Office enviasse uma mensagem semelhante ao governador Douglas, o que eles fizeram.

Parecia que as autoridades nas sedes do governo em Londres e Washington, D.C., acreditavam que a disputa pela propriedade das ilhas seria decidida no devido tempo. Uma Comissão Conjunta de Fronteiras, com Archibald Campbell como chefe da delegação americana e o capitão da Marinha Real James C. Prevost liderando os britânicos, reuniu-se na área disputada várias vezes durante 1857, mas nada acertou.

A questão ficou inquieta durante a revolta indiana que ameaçou o Território de Washington em meados da década de 1850 e a corrida do ouro do Rio Fraser de 1857-58 no território da Hudson & # 8217s Bay Company & # 8217s da Nova Caledônia. A revolta trouxe uma presença militar americana muito aumentada no noroeste do Pacífico, e a corrida do ouro levou a Grã-Bretanha a estabelecer a Nova Caledônia como uma colônia formal, conhecida como Colúmbia Britânica, com James Douglas & # 8211 já governador da Ilha de Vancouver & # 8217s & # 8211 como seu governador.

Em 1859, 18 americanos, sem sucesso nos campos de ouro do vale do rio Fraser, haviam se estabelecido na Ilha de San Juan. Em junho daquele ano, um deles, Lyman A. Cutlar, atirou em um porco que viu fuçando em seu jardim. Percebendo que o animal era da fazenda da Hudson & # 8217s Bay Company, Cutlar se ofereceu para compensar o gerente da fazenda. Mas ao ser informado de que o porco era criador premiado no valor de US $ 100, Cutlar se recusou a pagar. Sua posição ocasionou uma visita de AG Dallas, presidente do conselho da Hudson & # 8217s Bay Company e genro do governador Douglas, e vários outros senhores à fazenda Cutlar & # 8217s para informá-lo de que ele estava invadindo solo britânico e estaria sujeito à prisão pelas autoridades britânicas se não pagasse o que era devido.

Esta situação já volátil foi exacerbada pela chegada à cena do Brigadeiro General William Selby Harney, o comandante recentemente nomeado do Departamento Militar dos Estados Unidos & # 8217 do Oregon. Harney, de 58 anos, era bem conhecido no exército por sua bravura na batalha, seu mau humor e língua vivamente vulgar, sua frequente insubordinação e sua disposição para ignorar ou evitar a cadeia de comando militar e as prerrogativas de outro governo departamentos a fim de atingir os fins que considerava necessários.

Baseado em Fort Vancouver, Território de Washington, o General Harney navegou para a Ilha de San Juan em julho de 1859 a bordo do USS Massachusetts. Ao chegar, ele conheceu alguns dos residentes americanos da ilha e soube dos ataques dos índios ao assentamento e do incidente com o porco, bem como do medo e antipatia dos ilhéus americanos pelos britânicos. Harney imediatamente prometeu seu apoio e sugeriu que eles redigissem uma petição & # 8211 para a qual ele forneceu o texto & # 8211 solicitando que ele posicionasse uma força militar na ilha.

Sem consultar as autoridades territoriais civis ou seus superiores no Departamento de Guerra, Harney então ordenou que o Capitão Pickett e a Companhia D da Nona Infantaria procedessem do Forte Bellingham no continente para a Ilha de San Juan e estabelecessem um posto, ostensivamente para proteger os habitantes de hostis Índios e & # 8216para resistir a todas as tentativas de interferência das autoridades britânicas residentes na Ilha de Vancouver & # 8217s, por intimidação ou força & # 8230. & # 8217 Embora ele tenha emitido a ordem em 11 de julho, Harney não enviou um relatório de sua ação para o Departamento de Guerra em Washington, DC, até 19 de julho, esse relatório não chegou lá até setembro.

Quando James Douglas soube da ação de Harney & # 8217s, deu ordens ao capitão Geoffrey Phipps Hornby do navio de guerra britânico Tribuna, que havia sido despachado de Hong Kong para a costa do Pacífico da América do Norte, para desembarcar uma força de fuzileiros navais reais na ilha. Embora o governador tivesse todo o direito de emitir essas ordens, ele foi abordado em 29 de julho por oficiais da Marinha britânica que o desaconselharam por ser contrário à política da Marinha Real no Pacífico. Douglas então despachou um segundo conjunto de ordens para Hornby, revogando suas instruções originais. No entanto, Hornby decidiu convidar Pickett para negociar com ele a bordo do Tribuna em 3 de agosto. O oficial americano sugeriu que eles se encontrassem no acampamento americano.

Hornby aquiesceu e desembarcou acompanhado pelos capitães James Prevost e G. H. Richards, os dois comissários de fronteira britânicos. A reunião, realizada na tenda de Pickett & # 8217s, foi educada, mas não cordial. Hornby começou produzindo um extrato da comunicação do Secretário de Estado Marcy & # 8217s quatro anos antes, e Pickett rebateu citando a idade da carta.

Quando Hornby perguntou em que termos Pickett havia ocupado a ilha, o capitão americano declarou que o fizera por ordem do general que comandava o território para proteger a vida dos cidadãos americanos. Pickett acrescentou que acreditava que o general Harney estava agindo sob as ordens do governo de Washington. Mas esse não era o caso das notícias de que as ordens do general Harney & # 8217 para Pickett não chegariam à capital por mais de um mês.

O capitão Hornby então entregou a Pickett uma carta datada do dia anterior. Era uma cópia de um protesto formal que o governador Douglas, da Colúmbia Britânica, havia protocolado junto ao general Harney. Pickett respondeu que, como oficial do Exército dos Estados Unidos, ele seguiria suas ordens gerais, não as de um governador britânico.

Com a paciência quase esgotada, Hornby afirmou que, como os Estados Unidos ocuparam uma ilha disputada com uma força militar, cabia à Grã-Bretanha tomar medidas semelhantes. & # 8216 Estou sob ordens do meu governo & # 8217 Pickett respondeu. & # 8216 Não posso permitir nenhuma ocupação conjunta da ilha antes de me comunicar com o General Harney e ouvi-lo. & # 8217

Com isso, a reunião foi encerrada e Pickett solicitou que Hornby redigisse uma carta abordando os principais pontos de sua conversa, o que o oficial da Marinha britânica concordou em fazer. Quando a carta chegou naquela tarde, Pickett escreveu um aviso cuidadoso, reiterando que estava na ilha por ordem de seu governo e insistindo para que nenhuma outra ação fosse tomada até que ele tivesse a oportunidade de se comunicar com o general Harney. Em resposta a uma declaração na carta de Hornby & # 8217s que colocava a culpa de qualquer confronto futuro nos americanos, Pickett respondeu astutamente: & # 8216Se você julgar adequado agir de outra forma, você será a pessoa que causará o mais infeliz e dificuldade desastrosa, e não os funcionários dos Estados Unidos & # 8217. & # 8217

Permanecendo com seu navio no porto por mais algumas semanas, o capitão Hornby não fez nenhuma tentativa de desembarcar um grupo de fuzileiros navais. Em seu retorno à Ilha de Vancouver & # 8217s, ele suportou a ira do governador Douglas, cujo temperamento piorou quando o contra-almirante Robert L. Baynes, comandante das forças navais britânicas no Pacífico, chegou e informou ao impaciente e belicoso funcionário civil que ele não tinha intenção de precipitar uma guerra com os Estados Unidos na ausência de instruções expressas do Almirantado Britânico e do governo em Londres. Baynes sugeriu que ele e o governador escrevessem a seus superiores e esperassem suas respostas antes de prosseguir. Ele concordou, entretanto, em manter pelo menos um navio de guerra estacionado na baía da Ilha de San Juan, abaixo do acampamento americano, até que novas ordens fossem recebidas.

Pickett & # 8217s relato de seu encontro com o comandante do Tribuna agradou ao general Harney, que estava, no entanto, preocupado com a avaliação do capitão & # 8217s de que suas forças eram fracas demais para repelir qualquer ataque em grande escala dos britânicos. Harney, therefore, dispatched reinforcements to San Juan Island, over the continued protests of Governor Douglas, until the American garrison there numbered 461. By the end of August, the British contingent assigned to the San Juan Islands included five warships, mounting 167 guns and carrying complements of more than two thousand, including Royal Marines and engineers.

When President James Buchanan learned on September 3, 1859, of the confrontation with the British through newspapers in the American capital, he was shocked. After receiving General Harney’s July 19 report on that same day, the president took swift action. He directed the acting secretary of war, W. R. Drinkard, to send an urgent message to General Harney stating that ‘the President was not prepared to learn that you had ordered military possession to be taken of the Island of San Juan or Bellevue. Although he believes the Straits of Haro to be the true boundary between Great Britain and the United States, under the Treaty of June 15, 1846, . . . he had not anticipated that so decided a step would have been resorted to without instructions.’ Secretary of State Lewis Cass assured the British ambassador, Lord Lyons, that General Harney was not acting on the instructions of his government, and Buchanan dispatched the general in chief of the army, 73-year-old Winfield Scott, to the Pacific Northwest to order Harney to desist.

In spite of his poor health, Scott left New York City on September 20 on the steamer Star of the West for the long sea voyage to the west coast, arriving in San Francisco on October 17. Scott immediately continued on to Fort Vancouver, where he met with General Harney on October 21 and with Captain Pickett the following day. Scott concluded from these meetings that both men were quite proud of their actions, and he set about at once to defuse the situation they had created.

In negotiating with Governor Douglas, Scott resurrected the offer of joint military occupation of San Juan Island, which Britain’s Captain Hornby had made to Captain Pickett at their meeting in August. Scott also unilaterally reduced the American garrison stationed there to a single company under the command of Captain Lewis C. Hunt. Governor Douglas accepted the arrangement, on the condition that Pickett not be reinstated at that post. This being agreed to, General Scott thought the matter resolved and began to plan his return to the District of Columbia. Before leaving, however, he attempted to persuade General Harney to relinquish his command in Oregon and transfer to the Department of the West, whose headquarters was in St. Louis, but the troublesome general flatly refused.

Returning to the nation’s capital, General Scott reported on the matter to Secretary of War John B. Floyd and expressed grave doubts about the wisdom of leaving Harney in command. ‘The highest obligation of my station,’ Scott stated, ‘compels me to suggest a doubt whether it be safe in respect to our foreign relations, or just to the gallant officers and men of the Oregon Department, to leave them longer, at so great a distance, subject to the ignorance, passion, and caprice, of the present headquarters of that Department.’

Even after the joint-occupation agreement was reached, the British naval personnel on the scene continued to act with remarkable restraint. When Governor Douglas told Admiral Baynes that he had received word from the British government that such an occupation should now take place, he demanded that marines be landed on the island immediately. But Baynes resisted, preferring to wait until clear instructions had been received from the Admiralty. Those orders arrived in March of the following year, and shortly afterward, a Royal Marine detachment of 84 men, under the command of Captain George Bazalgette, landed and set up camp on the opposite end of the island from the American troops.

On April 10, 1860, General Harney–furious that he had not been advised about the joint-occupation agreement and that his man, Pickett, had been replaced as commander on the island–committed a final act of insubordination. In spite of the agreement reached by General Scott and the British, and in violation of Scott’s direct orders, Harney sent Company D under Captain Pickett back to San Juan Island to relieve Captain Hunt’s Fourth Infantry company.

When this news–and the flurry of protests from the British government that it caused–reached Washington, reaction was swift and coordinated. The departments of state and war being of one mind, Secretary of State Cass reported to the president that, on June 8, the adjutant general sent a dispatch to Harney, ordering him to turn over command to the officer next in rank and to ‘. . . repair without delay to Washington City, and report in person to the Secretaries of State and War.’

Harney avoided court-martial but received a reprimand from Secretary of War Floyd for his actions ‘. . . which might have been attended by disastrous consequences.’ Given command of the Department of the West, he traveled to St. Louis, but after reporting difficulties with his officers, he was recalled from that post in May 1861. He held no further command and was retired in 1863.

General Harney’s departure from the Northwest mollified the British, who withdrew their objection to Captain Pickett commanding on San Juan Island. Pickett, a Virginian, left that post on June 25, 1861, and soon after, he resigned his commission and traveled to Richmond, where he was appointed a colonel in the army being formed by the Confederate States of America.

For the next decade, the boundary location for the still jointly occupied San Juan Islands remained in dispute. Finally, the United States and Great Britain submitted the matter to Kaiser Wilhelm I of Germany for arbitration. On October 21, 1872, he ruled that the boundary should be drawn through the Haro Strait, which made the San Juan Islands part of the United States. Britain withdrew its garrison of Royal Marines a month later.

Peaceful negotiations won out, ending a confrontation that could have escalated into war, a conflict that, as Admiral Baynes remarked, would have involved ‘two great nations in a war over a squabble about a pig.’ *

* The United States divided the Oregon Territory in 1853. The northern portion became known as the Washington Territory. The San Juan Islands were considered by the U.S. to be part of that territory’s Whatcom County. The southern section of the former Oregon Territory was admitted into the Union as the state of Oregon in 1859.

This article was written by Michael D. Haydock and originally published in the February 2001 issue of História americana Magazine.

For more great articles, subscribe to História americana revista hoje!


‘We Just Changed History’: Cheers and Tears in San Juan

SAN JUAN, P.R. — All day, the drums and the chants had blared through the streets outside La Fortaleza, the governor’s residence in San Juan, the Puerto Rican capital.

But just before midnight on Wednesday, a silence fell over the crowd.

For nearly seven hours, Puerto Ricans had gathered to protest their embattled governor, Ricardo A. Rosselló, in hopes that days of demonstrations and political unrest would culminate with his resignation.

But as the night dragged on, many had begun to worry their activism would not be rewarded. Some believed he might not resign, perhaps plunging the country into further political divisions. And how would the crowds react if he did not step aside? A hot night. Mounds of empty beer cans. Weeks, months, years of pent-up energy.

Imagem

When the governor finally began to speak, in a statement delivered on Facebook, hundreds of protesters huddled together to listen to their phones.

Some loud cursing, as he spoke at length about his accomplishments as governor.

Then, the sound of exultation pierced through the crowd: “RENUNCIÓ!”

A flurry of Puerto Rican flags flew into the air, strangers clasped arms and friends began jumping in circles, singing “¡Oé! ¡Oé! ¡Oé!” Cars from all over the city began to honk and, as people danced, fireworks erupted overhead.

Some cried, the emotion of recent days overcoming them as they realized something historic had happened. Their dissent mattered.

“We just changed history in Puerto Rico,” said Andrea Fanduiz, 25, a pharmacy technician who was among those celebrating. “Ricky the pig is gone,” she added, referring to the governor, “and whoever comes next had better listen to the streets.”

Throughout the night, the celebrations took on the feel of a music festival in parts of the old city, as some motorists blasted music from their car stereos. Some street corners resembled spontaneous dance parties as protesters celebrated the shift in Puerto Rico’s politics.

Over several days, the walls of Calle Fortaleza, the street leading to the governor’s residence, had gradually grown more and more covered with political graffiti that read like a wish list, with phrases like “Resign now!” and others too impolite to print.

But what would happen in the coming days remained unclear. Mr. Rosselló said his resignation would not take effect until Aug. 2, and many have already said his possible successor, Wanda Vázquez, is not a suitable replacement.

During a protest the night before the governor’s announcement, Alejandro Santiago Calderón, 30, had wondered if resignation would be enough. Would it be enough to convince him that the island was on a better path?

“This has to change, and it has to change from the top all the way to the bottom,” he said.


US San Juan - History

National Park Service job opportunities on San Juan Island are announced on USAJobs. Applicants must submit a specific application, within a specific time frame, for every position available. There is not a "generic" application for positions, nor is there a "standing file" for positions. Only United States citizens may be considered for government positions with the NPS. All applicants receive consideration without regard to race, color, sex, religion, age, or national origin. Generally, employees must be 18 years of age.

Volunteer

San Juan Island NHP participates in the National Park Service's Volunteers in Parks (VIP) program. Each year more than 85,000 volunteers donate more than 3,000,000 hours of service in the US national parks. The program uses voluntary help in a way that is mutually beneficial to the National Park Service and the volunteer. Volunteer applications can be submitted directly to the park.

Youth Conservation Corps

The Youth Conservation Corps (YCC) is a summer employment program for people ages 15 through 18. Youth Conservation Corps, through work projects done in the park, provides enrollees with a better understanding of their environment and management of parks. Applications for 2018 YCC are being accepted until May 4, e-mail us for an application.

Deliver completed application by May 4, to:
San Juan Island NHP Headquarters
Attn: Julie Cowen
650 Mullis St. Suite 100
Friday Harbor, WA 98250


História dos Estados Unidos

The Spanish American War was fought between the United States and Spain in 1898. The war was fought largely over the independence of Cuba. Major battles took place in the Spanish colonies of Cuba and the Philippines. The war began on April 25, 1898 when the United States declared war on Spain. The fighting ended with a U.S. victory three and a half months later on August 12, 1898.


Charge of the Rough Riders at San Juan Hill
by Frederic Remington

Leading Up to the War

Cuban revolutionaries had been fighting for the independence of Cuba for many years. They first fought the Ten Year's War between 1868 and 1878. In 1895, Cuban rebels rose up again under the leadership of Jose Marti. Many Americans supported the cause of the Cuban rebels and wanted the United States to intervene.

Sinking of the Battleship Maine

When conditions in Cuba worsened in 1898, President William McKinley sent the U.S. battleship Maine to Cuba to help protect American citizens and interests in Cuba. On February 15, 1898, a huge explosion caused the Maine to sink in Havana Harbor. Although no one was sure exactly what caused the explosion, many Americans blamed Spain. They wanted to go to war.

President McKinley resisted going to war for a few months, but eventually public pressure to act became too great. On April 25, 1898, the United States declared war on Spain and the Spanish American War had begun.

The first action of the United States was to attack Spanish battleships in the Philippines to prevent them from going to Cuba. On May 1, 1898, the Battle of Manila Bay occurred. The U.S. navy led by Commodore George Dewey soundly defeated the Spanish navy and took control of the Philippines.

The United States needed to get soldiers to help fight in the war. One group of volunteers included cowboys, ranchers, and outdoorsmen. They earned the nickname the "Rough Riders" and were led by Theodore Roosevelt, future president of the United States.


Teddy Roosevelt
Photo by Unknown

US San Juan - History

San Juan County is a part of the Colorado Plateau, a geologic region formed mostly of sandstone and limestone that includes two-thirds of the state of Utah as well as parts of Colorado, New Mexico, and Arizona. Mighty rivers like the Colorado and the San Juan have carved deep canyons and unusual erosional forms through the colorful sedimentary rock, and many people find the area to be spectacularly beautiful on a grand scale.

In prehistoric times, the San Juan country was the home of the Anasazi, whose cliff houses, pictographs, and petroglyphs have baffled and fascinated visitors to the country since their disappearance shortly after A.D. 1300. The Basketmakers, the earliest phase of the Anasazi Culture, were first identified and studied in Grand Gulch. The Navajo Indians, who were perhaps a cause of the disappearance of the Anasazi, now occupy a large part of San Juan County--from the San Juan River to the Arizona border.

Although there were a few white residents along the San Juan River before 1879, the Mormon scouts who planned the famous Hole-in-the-Rock Trail that year began the full-scale settlement of San Juan County. The 230 pioneers who left Escalante in the fall of that year arrived at the present site of Bluff on 6 April 1880.

Farming along the San Juan River bottom was a chancy proposition, for the treacherous river either flooded or went dry too often for dependable irrigation. Early cattleman like the brothers Al and Jim Scorup did better in the rough canyon country than did farmers. After a decade of fighting the elements, many settlers discovered that life was somewhat easier in the high country around the Abajo Mountains, and the towns of Blanding and Monticello replaced Bluff as the main focal points of San Juan County life.

Mining has been an inconsistent but exciting part of the economy of the county. A gold rush on the San Juan River in the early 1890s was short-lived, but miners in Glen Canyon of the Colorado River eked out a better living from deposits along the river bars. Oil and gas exploration around the turn of the century was productive, and one can still see wells operating along the San Juan River. The uranium boom of the early 1950s, however, brought large numbers of people into the area and saw the creation of a few large fortunes.

At present, most residents see tourism as their most promising economic resource, particularly since the creation of Lake Powell in the early 1960s. Rainbow Bridge is the most popular tourist attraction in the county, but the marinas at Hite, Hall's Crossing, and Piute Farms draw large numbers of visitors, and river trips through Cataract Canyon and on the San Juan River are also popular.


Puerto Rico - History and Heritage

Christopher Columbus arrived at Puerto Rico in 1493. He originally called the island San Juan Bautista, but thanks to the gold in the river, it was soon known as Puerto Rico, or "rich port" and the capital city took the name San Juan. Soon, Puerto Rico was a Spanish colony on its way to becoming an important military outpost.

Conteúdo Relacionado

Puerto Rico began to produce cattle, sugar cane, coffee and tobacco, which led to the importation of slaves from Africa. As a result, Puerto Rican bloodlines and culture evolved through a mixing of the Spanish, African, and indigenous Taíno and Carib Indian races that shared the island. Today, many Puerto Rican towns retain their Taíno names, such as Utuado, Mayagüez and Caguas.

Over the years numerous unsuccessful attempts were made by the French, Dutch, and English to conquer the island. To guard against these incursions, the Spanish constructed the many forts and ramparts still found on the island. Puerto Rico remained an overseas province of Spain until the Spanish-American war, when U.S. forces invaded the island with a landing at Guánica. Under the Treaty of Paris of 1898, Spain ceded Puerto Rico (along with Cuba, the Philippines and Guam) to the U.S.

As a result, the turn of the century saw Puerto Rico under United States sovereignty. At that time, Puerto Rico's economy relied on its sugar crop, but by the middle of the century, an ambitious industrialization effort, called Operation Bootstrap, was underway. Cheap labor and attractive tax laws attracted American companies, and soon the Puerto Rican economy was firmly grounded in manufacturing and tourism. Today, Puerto Rico is a leading tourist destination and manufacturing center the island produces high-tech equipment and many top-selling American pharmaceuticals.


San Juan County, Colorado

San Juan County is one of the 64 counties of the U.S. state of Colorado. As of the 2010 census, the population was 699, [1] making it the least populous county in Colorado. The county seat and the only incorporated municipality in the county is Silverton. [2] The county name is the Spanish language name for "Saint John", the name Spanish explorers gave to a river and the mountain range in the area. With a mean elevation of 11,240 feet (3426 meters), San Juan County is the highest county in the United States.


Assista o vídeo: ORIGEN DE LA FIESTA DE SAN JUAN