Knob Creek Late Night Shoot

Knob Creek Late Night Shoot


Tópico: teve uma explosão na maçaneta. Knob Creek que é

Não, eu não li isso em um manual ou fiquei em um Holiday Inn Express ontem à noite. são apenas os fatos, senhora.

Qual é a diferença entre um porco e um engenheiro?
Você pode discutir com o Porco.

Fornecedor Patrocinador

Data de inscrição abril de 2013 Localização Bem aqui .. pelo menos eu estava há um minuto Postagens 4.629

Eu carrego um Nuke50 porque limpar a bagunça é tolice !!

Venda de pó de revestimento em pó de alta qualidade

Revendedor de visão noturna e térmica PULSAR. PM me por um bom negócio

Venda de pó de revestimento em pó de alta qualidade

Revendedor de visão noturna e térmica PULSAR. PM me por um bom negócio

Eu não estou louco, minha mãe me testou

Existe uma linha tênue entre gênio e louco .. Eu sou essa linha
e dependendo do dia, posso simplesmente ultrapassar essa linha.

Não, eu não li isso em um manual ou fiquei em um Holiday Inn Express ontem à noite. são apenas os fatos, senhora.

Qual é a diferença entre um porco e um engenheiro?
Você pode discutir com o Porco.

Não compre nada que você não pode levar para casa

Guru do estilo roupa íntima térmica.
& quotExclusivo distribuidor internacional de roupas Jeff Brown Hunt Club. & quot
Fornecedor para os ricos (?) E infames.

Acabei de chegar de um final de semana lllloooooooonnnnnggggg lá. 13h às 17h qui., 7h30 às 20h30 sex., 8h às 22h sáb. e das 8h às 18h hoje. Estou ficando muito velho para esse tipo de trabalho. Já se passaram mais de 10 anos. já que trabalhei em feiras de armas, agora me lembro porque desisti.

Acima de tudo, um momento muito agradável. Falei brevemente com Sgtonory Fri. Ele é um dos poucos membros do Cast Boolit que conheço de vista. Se eu fizer isso de novo, vou pegar um boné ou camiseta CB para nos encontrarmos. Se o seu filho ganhou um estojo 50BMG grátis, foi do Tim e eu da TNW Firearms.

O pó estava em estoque MUITO CURTO. Algumas cartilhas estavam disponíveis a preços que não eram completamente ultrajantes e desapareceram rapidamente, mas havia balas e metais nas forças armadas e na LE. em abundância. Eu digo & quot em abundância & quot, mas. havia muitos disponíveis, mas não durou muito devido a alguns preços bastante decentes. Eu peguei um 30 cal. lata de munição cheia de 55 gr. 0,223 por $ 70 / K de Jeff Bartlett da GIBrass, que é o melhor preço que vi em alguns anos. Tive a sorte de conseguir isso às 9h de sábado. ele se esgotou alguns minutos depois. Ele havia vendido a primeira carga do caminhão ao meio-dia de sexta-feira. Ele ainda tinha um pouco de pólvora excedente no sábado, acho que é um bom sinal. Acho que ele nem mesmo criou a Sun.

Tim trouxe cerca de 100K 50 cal. AP e rastreadores e 50K ou mais de latão 50BMG e vendeu tudo com os melhores preços que ouvi recentemente. Alguns deles estavam em péssimas condições, mas todos pareciam felizes em vê-los disponíveis novamente.

Agora, este não é o seu show de armas comum, mas uma coisa que notei foi a cena do AR15. ou melhor, a mudança nele. Eu não vi tantos caras carregando ARs como normalmente vejo em shows locais. Espero ver muitos AKs nesta multidão, mas desta vez parecia mais inclinar-se para o AK contra o AR. Muitas pessoas disseram que não viram racks cheios de ARs como esperavam. Agora que todo mundo e seu irmão são fabricantes de AR, talvez o mercado esteja finalmente saturado. Os preços recentes parecem estar voltando aos níveis de '06.

Mas. um bom amigo vendeu todos os receptores 80% AR inferiores que ele tinha (um número que provavelmente surpreenderia você), todos os seus redutores e superiores in-the-white e a maioria de seus forjados brutos em 0,223 e 0,308. Não tenho certeza do que está acontecendo, mas, pelo menos, acho que há uma declaração sobre o clima político atual em algum lugar.

Anyhoooooo. um fim de semana muito bom no geral.

Design original de Tim. Já estive em três feiras municipais e em uma matança de ratos e nunca vi nada que eu gostasse mais do que isso.


Tiro com metralhadora Knob Creek

As armas disponíveis para aluguel variam, desde armas de fogo americanas básicas, como a M-16 e M-14, até a AK-47 e Uzi, e raras armas antigas, como a alemã MG-42.

Convocando todos os fãs de história militar e entusiastas militares! Você está cansado de apenas ler sobre armas militares? Você deseja vê-los em ação? Você já sonhou em ser capaz de disparar uma metralhadora real sozinho, em ser capaz de controlar o poder de fogo cru e destrutivo de uma Browning calibre .50 ou MG-42? Se sim, então o Knob Creek Machine-Gun Shoot e Military Gun Show é um sonho tornado realidade!

O Knob Creek Machine-Gun Shoot, junto com o Knob Creek Military Gun Show, é um evento semestral de fim de semana realizado perto de West Point, Kentucky, todos os meses de abril e outubro. O show de tiro e armas geralmente dura três dias, começando por volta das 9h de uma sexta-feira e terminando às 16h de um domingo e inclui um tiroteio noturno de cinco horas no sábado.

A sessão de fotos é assistida por milhares de pessoas de todo o mundo. A grande variedade de armas poderosas e exóticas em exibição & mdash de miniguns a PPShs a rifles de precisão calibre .50 & mdash torna a metralhadora Atire um verdadeiro banquete para os olhos, embora um pouco áspero para os ouvidos. A quantidade de armamento militar em exibição no Knob Creek Shoot é mais do que a maioria dos civis verá em toda a vida.

De acordo com o folheto oficial, & ldquoA metralhadora (sic) atirar em si, consiste em quatro rodadas de tiros em uma ampla gama de aparelhos, veículos, pirâmides de pneus e barris de combustível com cargas pirotécnicas anexadas. As cargas pirotécnicas são então. . . zarpar, fugir . . . Criação de nuvens em forma de cogumelo grandes e pequenas e bolas de fogo. . . & rdquo

A maior parte do tiroteio é conduzida em uma grande faixa superior. Os atiradores devem pré-registrar suas armas e receber passes de alcance antes de serem autorizados a participar do tiro. Os disparos são estritamente cronometrados e monitorados pelo pessoal de segurança e geralmente são conduzidos em uma base de & ldquo meia hora com meia hora de folga & rdquo, começando às 9h da sexta-feira em que o evento começa.

Além da faixa superior, há uma faixa menor e mais baixa, onde o aluguel de metralhadoras está disponível para quem deseja ter sua própria chance de disparar uma arma militar de verdade. As armas disponíveis para aluguel variam, desde armas de fogo americanas básicas, como a M-16 e M-14, até armas de fogo estrangeiras, como AK-47 e Uzi, e raras armas antigas, como a alemã MG-42. Disparar 30 tiros (um carregador) de um M-16 ou AK-47 custa $ 40, enquanto disparar 50 tiros com um MG-42 custa $ 65.

Lança-chamas também podem ser alugados na faixa superior, pelo preço elevado de $ 195. O aluguel de metralhadoras e passeios panorâmicos de helicóptero a bordo de um helicóptero UH-1 Huey também estão disponíveis.

O Knob Creek Military Gun Show é realizado em conjunto com o Machine-Gun Shoot. Localizado em um grande pavilhão iluminado ao lado da linha de tiro de alcance superior e do escritório principal de Knob Creek, o show permite aos participantes comprar, vender e trocar armas de fogo Classe III (metralhadoras, espingardas de cano curto ou rifles e outras armas controladas sob Título 2 da Lei de Armas de Fogo de 1968). Muito mais do que armas estão à venda na feira de armas, no entanto, é um evento eclético em todos os sentidos da palavra, com vendedores e mercadorias que variam de peças de armas a militaria a excedentes a meteoritos. Até mesmo um canhão antitanque francês de 25 mm da Segunda Guerra Mundial estava à venda na exposição mais recente.

A sessão de fotos do outono de 2008 foi realizada em 10 de outubro e 12 de outubro. As datas para as sessões de primavera e outono do próximo ano são 3 de abril e 5 de outubro e 9 de outubro e 11 de outubro.

Para obter mais informações, visite o site oficial Knob Creek Machine-Gun Shoot. Clique aqui para saber mais sobre a Knob Creek Range, que está aberta o ano todo.

Fotos da esquerda para a direita: 1. O autor dispara um AK-47 2. A linha de tiro 3. Aluguel do Flamethrowner 4. Consequências na faixa superior 5. Knob Creek Military Gun Show 6. O autor e o irmão # 8217s com um MG-42 7 Arma antiaérea dupla MG-42.


Tiro com metralhadora Knob Creek 26 de julho de 2007 15:29 Assinar

Enquanto olhar para um bando de adultos atirando em alvos diz algo sobre os atiradores, todos aqueles tiros não parecem prejudicar, mas seus próprios bolsos e o ocasional atirador sem movimento. Dar aquele ak47 para o garoto, a maneira como ele recuou, foi tão idiota e perigoso, então acho que alguns farão isso de novo e de novo.


Justiniano escreve & quotConduzir não está na Constituição. & quot
Nenhum está carregando munição
postado por elpapacito às 4:21 PM de 26 de julho de 2007

phrontist, o GE Minigun (o M134) dispara entre 3.000 e 6.000 rpm. A granel de 7,62 x 51 mm (também conhecido como 0,308) é vendido por cerca de US $ 249/1000 ou 0,25 por rodada.

Agora, por acaso, esses belos números redondos tornam muito fácil descobrir quanto custa por segundo:

(vamos supor que ele está configurado para disparar em velocidade máxima) 6000 rpm / 60 segundos = 100 tiros por segundo * 0,25 = $ 25 por segundo.

O que, por mais divertido que seja, é muito rico para o meu sangue.
postado por quin às 16h26 de 26 de julho de 2007

Kentucky não tem leis estaduais de armas

Claro que sim. Nossa constituição estadual tem uma versão um pouco mais ampla e rígida da 2ª emenda dos EUA. E há algumas restrições à posse de menores (revólveres, eu acho, mas rifles são permitidos) e criminosos, e o porte escondido só é permitido com uma licença.

O transporte aberto é bom e elegante, no entanto.
postado por diletante às 4:48 PM em 26 de julho de 2007

Eu tive os mesmos pensamentos sobre os custos de munição. Uau. fale sobre como economizar seu $$ para explodi-lo em 10 segundos de destruição de algo. Cada um com sua mania.

Fico irritado com o custo de munição .22, então não acho que estou na mesma liga que esses caras. uma minigun? com que frequência você realmente consegue filmar isso? Ele deve ser a inveja de seu grupo de pares (fortemente armado), que sem dúvida era o ponto :)
postado por EricGjerde às 4:56 PM em 26 de julho de 2007

Postagem muito divertida. Estou surpreso que não haja mais comentários de quem odeia armas.

Ok, bem, eu odeio armas. Parece que esses caipiras estão apenas se divertindo.
postado por litfit às 17h06 de 26 de julho de 2007

mas, assim como me pergunto em todos os shows clássicos de carros e bicicletas que vou, isso é apenas um empreendimento de homens brancos?

Presumo que você nunca viu um lowrider (quase sempre modelos mais antigos). E eu conheci vários entusiastas de armas não brancos. E mesmo os motociclistas são mais diversificados do que você pensa.
postado por jonmc às 17:15 em 26 de julho de 2007

agora temos rosa? Carregar uma arma é a maneira mais rápida de triplicar suas chances de levar um tiro na cidade.

Pode ser. Mas, ao mesmo tempo, pode fazer algum bicho-papão pensar duas vezes. Mas o mesmo aconteceria com um grupo de patrulha de cidadãos ao estilo dos Anjos da Guarda em bairros gays. Não estou falando de vigilantismo, apenas um lembrete sutil de que coisas assim não deveriam ser toleradas.
postado por jonmc às 17:26 em 26 de julho de 2007

Knob Creek é uma explosão. Algumas das miniguns disparam tão rápido que parecem um tom sólido. Estávamos tentando descobrir quantos megahertz é igual a 30-50 rodadas por segundo.

e quando dois disparam, desenvolvem harmônicos como gigantescos balões explosivos.
postado por Megafly às 17:45 em 26 de julho de 2007

As pessoas devem ser obrigadas a obter treinamento e passar em um teste antes de se tornarem proprietários de armas. Existem muitos idiotas com armas - ninguém reclama que você precisa passar em um teste antes de dirigir.

Concordo, mas considerando que há mais de 43.000 mortes de veículos a cada ano, em comparação com 900 mortes acidentais por armas de fogo, talvez os testes de direção e os regulamentos de veículos devam ser mais rigorosos também.
postado por BrotherCaine às 17:49 em 26 de julho de 2007

Concordo, mas considerando que há mais de 43.000 mortes de veículos a cada ano, em comparação com 900 mortes acidentais por armas de fogo, talvez os testes de direção e os regulamentos de veículos devam ser mais rigorosos também.

Antes de poder fazer uma comparação significativa, você teria que ter informações comparando a prevalência do uso de armas de fogo com a prevalência do uso de automóveis.

Mas talvez os americanos realmente disparem suas armas com a mesma frequência com que dirigem seus carros?
postado por PeterMcDermott às 18:39 em 26 de julho de 2007

Concordo, mas considerando que há mais de 43.000 mortes de veículos a cada ano, em comparação com 900 mortes acidentais por armas de fogo, talvez os testes de direção e os regulamentos de veículos devam ser mais rigorosos também.

Você não deveria incluir as pessoas que foram mortas intencionalmente?
postado por ssg às 19:01 em 26 de julho de 2007

Talvez possamos fazer um carro que dispare armas.

Eh, estive lá. Eu quero uma arma que atira inteira carros.
postado por loquacious às 19:31 em 26 de julho de 2007

total de mortes por armas de fogo (2004) 29.500.

apenas um ponto de dados. deste site totalmente legal
postado por edgeways às 20h05 em 26 de julho de 2007

Estávamos tentando descobrir quantos megahertz é igual a 30-50 rodadas por segundo.
30-50 Hertz, um pouco mais baixo do que zumbido elétrico. Ou 0,00003 a 0,00005 MHz.

que? QUE?
postado por longsleeves às 20h09 em 26 de julho de 2007

Um hertz é apenas um [qualquer] por segundo.
postado por ROU_Xenophobe às 20:42 em 26 de julho de 2007

edgeways - O que essa estatística não leva em consideração é a grande porcentagem daqueles que não são acidentais, incluindo mais particularmente os suicídios. As armas são uma forma popular de se matar, por razões que deveriam ser óbvias.

De qualquer forma, quando eu estava no Maine (que não tem regulamentação estadual para armas de fogo Classe III além do material federal), sempre invejei os caras com cintos federais. até que eu olhei para quanto eles gastam em munição. E barris. Ah, e pelo que ouvi, um legal custará, em média, cerca de US $ 10 mil, mais os impostos do BATF. (Nada mal para uma arma que provavelmente custou ao Tio Sam algumas centenas de dólares originalmente.)

O que eles explodem em uma tarde, posso filmar no meu semi-automático durante a maior parte do ano. Ainda assim, eles são legais. E, ao contrário de um carro clássico, você não precisa construir uma garagem sobressalente para mantê-lo dentro.

Infelizmente, ouvi dizer que a fabricação e a importação de Classe III foram bloqueadas recentemente, então não haverá mais nenhum deles. Triste, especialmente considerando que só houve um (entre mais de 100.000) usado em um crime.
postado por Kadin2048 às 23h32 de 26 de julho de 2007

Quando minha filha estava na segunda série nos Estados Unidos, eles costumavam fazer exercícios de emergência regulares durante os quais ela e seus colegas de classe tinham que se esconder sob as carteiras para tentar evitar as balas de um intruso armado. Isso foi o suficiente para mim, honestamente.

* calcula mentalmente a distância entre as crianças e Knob Creek *

Ufa. Talvez seja melhor irmos um pouco mais para o leste. Zelosos & quotmas-eu-tenho-o-direito-a-uma-arma-de-assalto & quot freaks de armas me irritam.

P: & quotPuxa, chuckdarwin, por que você levou sua família e deixou os Estados Unidos? & Quot

R: & quotAs balas não podem nos alcançar aqui. & Quot

Nota para qualquer um estúpido o suficiente para acreditar no velho castigo sobre se defender de seu próprio governo (por precaução, você sabe): sua pistola não vai adiantar muito contra um caça AC130, um enxame de helicópteros de ataque ou um ataque aéreo (que é como seu amado governo tomou Bagdá). Você é um idiota. No caso de sua arma de fogo pessoal tirar uma vida, essa vida provavelmente será de um de seus próprios familiares.

* limpa a bunda com a 2ª emenda *
postado por chuckdarwin às 1:50 da manhã em 27 de julho de 2007 [2 favoritos]

odinsdream - Mesmo que houvesse um assassinato em massa no estilo Columbine / Virginia Tech na América TODAS AS SEMANAS, ninguém faria nada para mudar a lei. Alguma alma gentil iria começar o site. As pessoas paravam de polir seus rifles por um momento e refletiam sobre a trágica perda de vidas.

Chega um momento em que alguém é forçado a desistir da América: seus cidadãos nunca verão a razão dessa questão.
postado por chuckdarwin às 7h19 de 27 de julho de 2007

Chega um momento em que alguém é forçado a desistir da América: seus cidadãos nunca verão a razão dessa questão.

Bem, então desista de nós. Graças a Deus, porque precisamos da sua aprovação.

Acho que exatamente sobre o Reino Unido, devemos desistir do Reino Unido, já que eles nunca verão a razão para essa questão.


Quanto ao post original, eu adoraria ir para Knob Creek para as filmagens por um ano. Terei que reservá-lo para o próximo mês de abril para meu marido e eu, dias de armamento automático? Muita diversão. O melhor momento que já tive atirando foi quando alugamos armas automáticas no estande.

Se as pessoas anti-nucleares pudessem ver por um minuto que o tiro ao alvo, e partidas como essa, são divertidas, isso tornaria a discussão mais fácil.
postado por SuzySmith às 8:38 AM em 27 de julho de 2007 [1 favorito]

OK.
postado por chuckdarwin às 9h09 em 27 de julho de 2007

Eu nunca estive lá: é muito longe para andar e meu & quotSO & quot não me leva.

Eles têm um alvo Pat Tillman?
postado por davy às 9h13 em 27 de julho de 2007 [1 favorito]

Eles têm um alvo Pat Tillman?

Que diabos está acontecendo com você?
postado por Scoo às 9h59 em 27 de julho de 2007 [2 favoritos]

Incrível Steven C. Den Beste, porque todos nós sabemos como isso funcionou bem para a Festa dos Panteras Negras. agora temos rosa?

Na verdade, as rosas são mais velhas que as pretas.
postado por Pollomacho às 10:11 em 27 de julho de 2007

“Nota para qualquer um estúpido o suficiente para acreditar no velho idiota sobre se defender de seu próprio governo. ”- chuckdarwin

E a sua experiência com qualquer tipo de arma de fogo é? Alguma experiência militar, afinal? Pegou um livro de história? Sabe alguma coisa sobre policiamento básico?

Nota para qualquer um estúpido o suficiente para postular o velho espantalho sobre o seu governo atingir sua própria população com ataques aéreos ou assaltar bairros com o dragão mágico para mirar no proprietário de uma arma - isso não acontece. Se você acha que sim, você é um idiota.
Mas vamos seguir essa linha de pensamento por um momento. O governo SEU governo envia helicópteros de assalto para o centro da cidade (digamos) Chicago (porque eu moro aqui) e mata todos em um raio de 4 quilômetros de, digamos, Oeste e Divisão. O que você vai fazer, escrever ao seu congressista?
Mesmo assim - eu iria me separar. Leva tempo para invocar um grande poder de fogo. Se eu estivesse atirando, eu acertaria e desapareceria. Mas isso é tudo uma fantasia de merda.
A violência pode destruir o poder, mas é totalmente incapaz de criá-lo (para roubar uma citação de Arendt).

Mas a principal razão de eu ter uma arma (em vez de rifles e outras armas que são muito úteis em qualquer tipo de operação de guerrilha) é para matar pessoas como você.
Você leu certo. Certamente, não você especificamente. Isso não é uma ameaça, é uma explicação de um ponto muito sério - são exatamente pessoas como você que, quando a merda chegar, o ventilador “denuncia” pessoas como eu. Eu os mataria em um ou dois, normalmente usando subterfúgio (e, você sabe, uma pistola).

Talvez você estivesse se engajando em uma hipérbole quando disse que limparia sua bunda com a 2ª emenda. Ponto discutível. Existem pessoas que fariam exatamente isso e fariam, têm e fazem - colocam a "pureza" de seu idealismo acima da praticidade ou dos direitos dos outros ou mesmo da justiça. (Vimos muito disso nesta administração atual).
Que seus ideais sejam (ou pareçam ser) à "esquerda" é irrelevante para a forma que o governo despótico assume. (Admitindo que é o 'certo' atualmente liderando o ataque ao totalitarismo - mas eu suspeito que atualmente são apenas dois fantoches da mesma fonte despótica. Eu ficaria muito surpreso se - seja quem for o próximo presidente, não liderar o ataque para revogar a posse de armas. Um presidente de "esquerda" ajudaria muito em tal movimento, tanto quanto este atual presidente de "direita" foi auxiliado por seu quadro de restringir outros direitos. E eu ficaria surpreso se esse futuro presidente não fosse aplaudido exatamente da mesma maneira que este.)

Em termos práticos, os governos não podem usar hardware massivamente destrutivo para erradicar sua população mais voltada para o indivíduo. Eles precisam, no mínimo, do show de lei e ordem. A aparência disso. Até Stalin teve os julgamentos espetaculares.
Mas, realmente, os déspotas não precisam de equipamentos militares pesados ​​para intimidar a população. Já esteve em um país governado por um déspota? É exatamente o experimento Milgram. Todos estão desempenhando um papel. O mais importante é solidificar o seu próprio papel (como bom apoiante do partido ou o que for) denunciando os outros.
Então, no exemplo bacana de Joe Steel, ele não precisava de ataques aéreos, helicópteros, metralhadoras ou mesmo balas, apenas pequenos esquadrões com apoio logístico para prisioneiros (nas Black Mariahs) porque ele tinha milhões de cidadãos soviéticos normais desmascarando seus concidadãos.

“Uma sociedade que é intensa na luta pela mudança tem um outro lado do seu idealismo: a intolerância. As pessoas viam inimigos em todos os lugares, inimigos que queriam destruir a revolução e diminuir os resultados de seu árduo trabalho e realizações, inimigos que queriam restaurar o capitalismo por motivos egoístas contra os interesses coletivos da nação. Se aqueles que estão no topo do Partido Comunista e um velho revolucionário como Trotsky pudessem se juntar ao inimigo, que dizer das pessoas menos importantes? Nas fábricas e escritórios, reuniões em massa eram realizadas nas quais as pessoas eram instadas a ficarem vigilantes contra a sabotagem. Cabia às pessoas comuns fazer a distinção entre incompetência e destruição intencional [ou seja, sabotagem], e qualquer acidente pode ser atribuído à destruição. As denúncias tornaram-se comuns. Vizinhos denunciaram vizinhos. As denúncias eram uma boa forma de golpear as pessoas de quem não gostava, inclusive os pais, uma forma de eliminar quem bloqueava sua promoção e. um meio de provar o patriotismo de alguém. Muitos perceberam que algumas pessoas inocentes estavam sendo vitimadas, e dizia-se que "quando você corta madeira, as lascas voam". Tal como aconteceu com Lenin, acreditava-se que alguns inocentes teriam de ser vitimados se todos os culpados fossem apreendido. ”

E uma vez que algumas pessoas ficam felizes em limpar seu traseiro com o que considero ser um importante direito constitucional, só posso supor o que fariam comigo em um, dois ou em massa. Inferno, eu posso estourar déspotas. Eles estão muito expostos. Tudo o que é preciso é vontade de trabalhar nisso. Para eles me pegar - um ninguém anônimo - seria um problema real. Eu posso me esconder, mudar meu nome, etc., eles não podem, eles têm que mandar.
Mas, assim como a reclamação dos ateus contra Jesus, em um nível pessoal não é o governo que espero me matar, é o fã-clube deles.
postado por Smedleyman às 12h03 em 27 de julho de 2007 [4 favoritos]

Nota para qualquer um estúpido o suficiente para acreditar no velho idiota sobre se defender de seu próprio governo (apenas no caso, você sabe): sua pistola não vai fazer muito bem contra um caça AC130, um enxame de helicópteros de ataque ou um ataque aéreo ( que é como seu amado governo tomou Bagdá).

Nota para qualquer um estúpido o suficiente para acreditar no acima: ajuda lembrar que enquanto nós tomou Bagdá com ataques aéreos, é necessário segurar com infantaria. E a história do século 20 - inferno, o último dia ou dois de ataques de franco-atiradores em Bagdá - mostra muito claramente que as táticas de guerrilha de armas pequenas funcionam contra a infantaria. O povo do Iraque está armado principalmente com explosivos improvisados ​​e armas pequenas e está resistindo a uma ocupação provocada pelo exército mais poderoso do mundo.

Claramente, "minha pistola" pode ser um seguro melhor contra a tirania do que você parece pensar. e, de qualquer forma, é certamente melhor do que nada. Não me surpreende que algumas pessoas não estejam dispostas a se armar - obviamente não é para todos -, mas fico continuamente surpreso com argumentos como o seu, que ignoram inteiramente as realidades da força física. Se a guerra fosse tão simples quanto "ataques aéreos & gt armas pequenas", ninguém jamais teria lutado depois de 1945, e nós certamente não estaríamos vivendo em um mundo em que um dos exércitos mais bem treinados e bem fornecidos já reunidos perdeu mais de uma guerra contra os lutadores pela liberdade de armas pequenas.
postado por vorfeed às 14h25 em 27 de julho de 2007

Alguma experiência militar, afinal?


Bill: & quotAcredito que o aborto é moralmente errado. & Quot
Dave: & quotClaro que você diria isso, você é um padre. & Quot
Bill: & quotE os argumentos que apresentei para apoiar a minha posição? & Quot
Dave: & quotAqueles não contam. Como eu disse, você é padre, então tem que dizer que o aborto é errado. Além disso, você é apenas um lacaio do Papa, então não posso acreditar no que você diz. & Quot
postado por chuckdarwin às 15h09 em 27 de julho de 2007

vorfeed apresenta um caso muito mais forte, mas não consegue me convencer.

. certamente é melhor do que nada.

Não para mim. O cenário mais provável em que eu seria chamado para usar uma arma seria para me defender de um ladrão. Eu prefiro que eles levem a TV, honestamente. Não quero ter a vida de alguém na minha consciência.

Tudo se resume a isto: as pessoas nos Estados Unidos querem manter suas pistolas e semi-automóveis porque querem ser capazes de lutar contra o governo [um cenário altamente improvável]. Enquanto isso, qualquer maluco pode conseguir um e eliminar dezenas de alunos em qualquer campus do país.

Eu sou a única pessoa que vê isso como uma troca de merda? Certamente um rifle seria bom o suficiente para se defender. e um rifle grande com certeza é difícil de enfiar sorrateiramente em uma escola.

Mas não. As pessoas não se mexem. Alguns de vocês não ficarão felizes até que possuam um obus.
postado por chuckdarwin às 15:21 em 27 de julho de 2007

Alguma experiência militar, afinal?

Não, não é ad hominem, ninguém com experiência militar saberia que há uma enorme diferença entre batalhas e ocupação, como descreveu Vorfeed.

as pessoas nos Estados Unidos querem manter suas pistolas e semi-automóveis porque querem ser capazes de lutar contra o governo [um cenário altamente improvável].

É um cenário altamente improvável, em parte porque as pessoas seguraram suas armas. Não há como existir um governo aqui sem o apoio do povo.
postado por mim e meu macaco às 15:45 em 27 de julho de 2007

Não é preciso ser soldado para saber a diferença entre uma batalha e uma ocupação.

Atacar a mim e ao meu passado pessoal em vez de atacar meu argumento é um argumento ad hominem. Leia sobre isso.
postado por chuckdarwin às 15:55 em 27 de julho de 2007

chuckdarwin - meu objetivo ao perguntar sobre sua experiência é questionar a premissa na qual sua declaração foi baseada.
Moralmente, você pode ocupar qualquer posição que desejar. Onde essa base moral entra em conflito com a realidade está aberto à discussão em uma base prática, não teórica.
Você pode então argumentar que o aborto é moralmente errado.
No entanto, você não pode apoiar genuinamente esse argumento moral afirmando que o médico do aborto bombardeia o feto, a paciente e toda a vizinhança com radiação prejudicial.
Simplesmente não é factual pela experiência prática (minha própria, mas mais importante, por outros facilmente pesquisados) e pela história documentada que pequenos grupos que usam armas pequenas são ineficazes contra forças militares maiores e mais fortemente armadas.
Você deseja argumentar que o número de mortes por posse de armas é muito alto para justificar uma dada interpretação da segunda emenda - multa. Posso abordar isso conceitualmente e podemos nos engajar em um argumento razoável baseado nos graus em que respectivamente valorizamos a vida e a liberdade.
Você quer dizer que eu não posso criar todos os tipos de inferno no quintal de alguém fortemente protegido, simplesmente não é verdade.
Os argumentos sobre a eficácia da resistência em atingir objetivos políticos são outra coisa.
Mas a citação de Arendt (a violência pode destruir o poder, mas é totalmente incapaz de criá-lo) é solidamente baseada na observação direta, bem como em muita erudição sobre ciência política, comportamento humano, autoridade, totalitarismo e violência em geral. Sua declaração vai contra isso, assim como meu próprio estudo.
Minha pergunta é - em que realidade prática se baseia a afirmação que você fez?
Existe alguma base histórica para sua crença? Eu não sei de nenhum - daí a questão.

E não é um ad hominem. Um ad hominem seria afirmar que seus argumentos não têm mérito, porque você é o tipo de idiota que se recusa a abordar quaisquer pontos explicados por um contra-argumento e, em vez disso, se engaja nessas regras acadêmicas de besteira falácia retórica.

Poderia trabalhar se não fosse sério. Mas não, levei seu argumento muito a sério e me esforcei para observar que não estou em desacordo com você pessoalmente.
E se não foi claro implicitamente, vou torná-lo explícito: Eu concedo os outros argumentos (não as explosões mais irracionais a que todos estamos sujeitos às vezes) - mais particularmente a noção de que ser um proprietário de arma - automaticamente - torna outro, um cidadão mais responsável - isso não acontece.
Além disso, não tenho nenhum argumento sobre o número de mortos ou qualquer coisa dessa natureza. Estou disposto a debater (como acima) a moralidade da posse de armas de fogo, mas não foi isso que abordei aqui.

O que eu perguntei - mais claramente é: como então é - ou o que torna - impossível para um cidadão armado resistir à força militar de seu país?

Descrevi por que rejeito a ideia de que um governo usaria força avassaladora em seus próprios súditos com base no simbolismo do poder (na verdade, lembro-me dos chineses se esforçando para evitar atropelar UM cidadão desarmado enfrentando uma coluna de tanque) e outras razões - facilmente pesquisadas no Google (já que minha própria experiência não está aberta ao escrutínio objetivo).

Alguma coisa para substanciar sua posição - sobre essa afirmação - além do dicionário de falácias?

Para esclarecer ainda mais: eu não consideraria uma consessão como uma “vitória” para uma posição pró-arma. Minha paixão por este assunto deriva do desejo de classificar adequadamente o uso de armas de fogo - não de estabelecer a moralidade delas. Assunto diferente.
Por mais que eu contestasse a caracterização acima - bombardeio irresponsável por radiação - de aborto.

(Embora eu diga que nunca entendi como algumas pessoas podem ser pró-escolha e anti-armas de fogo. Parece inconsistente afirmar que as vidas dos nascituros são secundárias à vida e liberdade da mãe e o governo não deve tentar para proteger essas vidas e, ainda assim, recusar-se a considerar a liberdade mais importante do que a vida no que diz respeito à posse de armas de fogo. E, como foi apontado, há outras entidades além do governo que podem desejar privá-lo de seus direitos.
Suponho que a saída seria considerar que um feto não é "vida". Eu não compro isso (sou pró-escolha, no entanto, exatamente pelas razões que declarei) - mas reconheço isso como um ponto contestado. Existem certas questões técnicas e outras questões práticas que muitas vezes são distorcidas pelas forças de um lado ideológico ou de outro. Este assunto - as armas pequenas são ineficazes contra as forças militares - vejo na mesma linha e desejo remover a distorção, e não, neste tópico pelo menos, contestar a ideologia de qualquer maneira.)
postado por Smedleyman às 16h04 em 27 de julho de 2007

Não é preciso ser soldado para saber a diferença entre uma batalha e uma ocupação.

No entanto, você parecia incapaz de fazer isso.

Atacar a mim e ao meu passado pessoal em vez de atacar meu argumento é um argumento ad hominem. Leia sobre isso.

Em vez de ler sobre isso, direi apenas que tive a mesma reação de Smedleyman - ninguém com experiência militar teria escrito o que você escreveu. Mas obrigado pelo conselho útil, eu acho. Por sua vez, você pode querer ler sobre a história do desarmamento de populações sob governos despóticos. Existem muitos exemplos disponíveis.
postado por mim e meu macaco às 16h07 em 27 de julho de 2007

It comes down to this: people in the US want to hang on to their pistols and semi-autos because they want to be able to fight off the government [a highly unlikely scenario].

Is it so completely impossible for people to understand that for a lot of us, it's not about fighting off the government or defending our homes from pirates or whatever, and it's that we enjoy shooting? That is what the links here are about. A bunch of people who like to go out into a big empty space and shoot guns.

You can see in this very thread people have discussed how enjoyable they find this experience.

Meanwhile, any nutjob can get one and wipe out dozens of students on any campus in the country.

sim. And any nutjob could also do the same thing with a knife, or a propane bomb, or a car. Nutjobs are nutjobs, the gun in their hand don't change that.

Am I the only person who sees this as a shitty trade-off?

No, there are lots of people just like you. Which is why whenever anyone posts anything about guns, invariably it turns into a discussion just like this one.

Surely a rifle would be good enough to defend yourself with. and a large rifle sure is hard to sneak into a school.

Again, not everyone who shoots is doing so to defend themselves. And in some cases, no a rifle is not an ideal choice to defend yourself. In a confined space for example.

But, no. People won't budge. Some of you won't be happy until you can own a Howitzer.

Is that an option?
posted by quin at 4:14 PM on July 27, 2007

It comes down to this: people in the US want to hang on to their pistols and semi-autos because they want to be able to fight off the government [a highly unlikely scenario]. Meanwhile, any nutjob can get one and wipe out dozens of students on any campus in the country.

Am I the only person who sees this as a shitty trade-off? Surely a rifle would be good enough to defend yourself with. and a large rifle sure is hard to sneak into a school.

I'm not sure why you're including semi-autos in this. Semi-auto or full-auto "assault weapons" of the sort in the video are very rarely used in crimes, and on top of that, many long-rifles of the typical hunting persuasion (i.e. the type you'd apparently let people keep) estão semi-automatic.

Also, a rifle is certainly não an appropriate weapon for self-defense. Rifles fire high-velocity, high-penetration rounds by design, which means they're likely to go right through the attacker, the wall behind him, the wall of the other house behind that, and then through your neighbor's kid. Rifles are offensive weapons meant for hitting something between 50 and 300+ yards away from you, not 5 yards or less, as in the case of a physical or handgun attack. This is the very reason why bayonets and/or handguns are carried by soldiers: because rifles don't make good defensive weapons. If you want a home-defense weapon, you want a handgun or a shotgun. and a handgun is much easier to secure and conceal, things you need to think about when choosing such a weapon.

So yeah, it's a trade-off, but not as simple a trade-off as you seem to think, particularly since Constitutional rights are in the mix. That goes double when you realize that our 200-million-plus guns kill around 15,000 non-suicides a year -- this doesn't exactly lend credence to the idea that guns are such tremendously hazardous objects that we ought not be allowed to have them. At best, a perfectly effective (and perfectly draconian) gun ban could save a few thousand lives. by eliminating a Constitutional right and disenfranchising millions. That's a shitty tradeoff, if you ask me.
posted by vorfeed at 4:19 PM on July 27, 2007

So vorfeed, you guys are willing to trade 15,000 lives a year for your right to own a pistol?

I think that says more than any argument I can make.

Besides, Smedleyman, if your arguments were really persuasive, wouldn't every country in Europe have already legalised gun ownership? Maybe they all think that 15,000 extra murders per year are too high a price to pay for 'freedom'.
posted by chuckdarwin at 4:57 AM on July 29, 2007

So vorfeed, you guys are willing to trade 15,000 lives a year for your right to own a pistol?

I think that says more than any argument I can make.

For one thing, it's obviously not a direct trade. A perfectly effective gun ban might prevent 15,000 "gun deaths", but I rather doubt they'd prevent 15,000 deaths total, because I'm pretty sure people aren't going to immediately stop murdering each other if they don't have any access to guns. And at any rate, a perfectly effective ban on anything is a dream to begin with -- in reality, both criminals and citizens who want self-defense would simply turn to illegal sources for guns. Maybe it's just me, but I don't think that would be a positive development.

Also, it's not just about "my right to own a pistol", it's about "my right not to have yet another perfectly harmless action turned into an excuse for the government to throw me in jail". Judging by how well the War on Drugs has worked (for the prison industry, that is), I'd say a War on Guns would probably end up ruining an order of magnitude more than 15,000 lives. We already have laws against murder. If you want to save lives, enforce those, and leave law-abiding people who don't hurt anybody alone.

Besides, I'd be willing to trade my life for my right to own a pistol, if need be. This may blow your mind, but some people really do have convictions that matter more than the simple existence of life. For me, one of those is self-defense.

Besides, Smedleyman, if your arguments were really persuasive, wouldn't every country in Europe have already legalised gun ownership? Maybe they all think that 15,000 extra murders per year are too high a price to pay for 'freedom'.

Here's another mind-blowing concept for you: different countries have different cultures! If (for example) the UK likes surveillance cameras more than guns, more power to them, and better them than us. I'm not interested in dictating the proper lifestyle for people in places I don't choose to live in, unlike some I could mention in this thread.

Also, considering that at least one country in Europe has not just legal, but compulsory gun ownership, maybe "freedom" is an important concept overseas as well. Then again, you'd have to actually know something about European gun ownership rates (hint: Guns are legal with restrictions in many EU countries. Some countries even have rates of per-capita firearm ownership close to ours, yet markedly lower homicide rates. So much for your easy trade-off.) And for more on the trade-off I mentioned earlier, read this, a paper written by an Austrian criminologist about gun control in the EU. The bottom line: gun control doesn't have an obvious effect on crime rates, but it does have an obvious effect on rates of illegal gun running and on civil rights. For more on the non-connection between legal gun ownership and crime, try Gark Kleck's "Point Blank: Guns and Violence in America".
posted by vorfeed at 11:55 AM on July 29, 2007

Thanks for a well-made argument: if it really does come down to culture over facts, let me be the first to say that I'm glad that I live in a country that eschews guns. Are my kids less likely to be shot living here or living in the states?

Here.
posted by chuckdarwin at 5:17 PM on July 29, 2007

Oh, come on. "Culture over facts"? I haven't seen a single supported fact from you this entire time. Nor have you responded to any argument made in this thread, other than to insult people and make snarky and/or factually incorrect one-liners.

At any rate, it's clear that you're only interested in making assertions, not arguments. Funny how someone who claims that "Americans will never come to see reason on this issue" hasn't actually employed any reason to back up his beliefs. Yes, you value a sense of personal safety over gun rights -- good for you, perhaps now you'll bother to make some argument as to why such values should be adopted by Americans, or, failing that, why we should be considered "idiots" for not sharing them. I've given plenty of reasoning to support my position, but I'm not seeing any from you, and I'm getting tired of bothering when it's obvious that you're not really interested in challenging your previously-held notions on this issue. Easier to think of people on the other side of the issue as fools, I suppose.

p.s. Correlation (e.g. "the UK has relatively few guns and a relatively low violent crime rate") is not causation (e.g. "if the US also had relatively few guns, it would therefore have a relatively low violent crime rate"). There are many differences between your country and mine that have been shown to have a strong causative relationship with violent crime (namely poverty and inequality), and I've shown that there's a distinct lack of such a connection with regards to gun possession. So, while I understand why the relative lack of violent crime in the UK affects your own opinion about which country you'd like to live in, I don't see why it should have anything to do with American gun policy, and, by extension, this argument.
posted by vorfeed at 9:33 PM on July 29, 2007

“Besides, Smedleyman, if your arguments were really persuasive,”

Apparently my previous comment held absolutely no sway, or you ignored it, or are incapable of understanding the difference.
The point being - what arguments? My contention with you is over a point of fact.

“Maybe they all think that 15,000 extra murders per year are too high a price to pay for 'freedom'.”

Perhaps all the babies aborted each year are too high a price to pay for the “freedom” to choose.

- you see, that’s one of the (many) reasons my argument is over the reality of the situation and meaning of the words.
Forgive me for belaboring certain points, I don’t mean to insult your intellect, but you don’t seem to be understanding it. That there that I just did? That’s an example of how you are attempting to characterize the argument devoid of acknowleging that certain facts are contended. It’s similar to arguing a practical point with a religious fanatic or a pro-lifer. Many of them refuse to acknowlege the practical points against their “facts.” This doesn’t dispute the ideology, merely the realities. Yet they refuse to relinquish them when faced with solid evidence.)

Some countries don’t bring moralistic arguments into a woman’s right to choose what to do with her body - I favor that because although morally I’m entirely pro-life, I can’t in good conscience allow the government to have that power. For me it’s a legal right, period. Similar to gay marriage - which I oppose, but I respect the legal right. There’s a difference between the practical applications of power in terms of how it violates rights or creates a privileged class and any given moral standard.

Some countries have legalized drug usage, I favor that (in some cases) as well. I see many willing to sacrifice their health for the sake of certain freedoms.
But again - this is academic as you refuse to concede to any facts brought to bear that interfere with your ideology.

To again belabor the point - while I refuse to allow the government to interfere with the birth cycle - I do so on principle. Not because of any given technique of abortion - whether one is painful or harmful or not. That would be a sub-set of the overall question. And obviously I would oppose any harmful technique.
In much the same way “kids getting shot” is a subset of the overall question of gun ownership that is obviously universally opposed. The two positions - while related - are different in kind.
While I happen to agree with vorfeed that you have not brought any reasonable argument to support your position, I suspect that it is because you do not understand this difference. I’m not saying you’re stupid or anything, it is often the case that deeply held beliefs can occlude, in the passion to pursue them, a clearer perspective of not only what others are saying, but what one is saying oneself.
And vorfeed’s patience has been exemplary. My own is at an end.
posted by Smedleyman at 8:48 AM on July 30, 2007

Easier to think of people on the other side of the issue as fools, I suppose.

I don't think that either of you are fools I think you're people who are convinced that guns make you safer. This is merely perception.

So, while I understand why the relative lack of violent crime in the UK affects your own opinion about which country you'd like to live in, I don't see why it should have anything to do with American gun policy, and, by extension, this argument.

You're right it's too late. Even in the event of a ban, there are too many guns in America to ever be recovered. Keep your pistol. just don't point the fucking thing at me and mine.
posted by chuckdarwin at 4:10 PM on July 30, 2007

Thanks for trying to change my mind. Right before I left the states, three kids were executed on prom night. This was very near my house.

I can't say that it made me feel very good about sending my kids to said high school.

Call me stubborn.
posted by chuckdarwin at 4:13 PM on July 30, 2007

I don't think that either of you are fools I think you're people who are convinced that guns make you safer. This is merely perception.

Here's something you said in an earlier post. In case you have problems finding it, it's just a few posts before you started crying about ad-hominem:
"Note to anyone stupid enough to believe the old chestnut about defending yourself from your own government [. ] You are an idiot."

It's pretty hard for me to take your "I don't think that either of you are fools" statement seriously, considering that you came right out and said the opposite just a couple of days ago. Sorry, I'm not buying it.

Also, please find even ONE place in this thread where I said something to the effect that I believe guns "make you safer". I haven't used the word "safe" at all, other than to describe your position, because I personally believe that feelings of "safety" are misleading and ultimately meaningless. What guns do is give you the ability to fight and kill if necessary, and that's clearly not safe in the least. I have guns precisely because I'm não willing to bet my life and well-being on passive ideals of "safety". Instead, I cherish active values of self-sufficiency and self-defense: that is to say, the personal, physical ability to fight unto death, if need be. This is probably why we've been talking over each other -- we have two very different world-views. I'm not interested in your "safety", and you're not interested in my "freedom". It's the sort of cultural difference one can live with. until you start smearing shit on the latter, yes?

As for my conviction being "merely perception", tell me: since there is no evidence that rates of gun possession have a direct relationship with rates of violent crime, how is your own conviction that a lack of neighbors with guns makes you safer not also merely perception? What do you think convictions even estão, if not matters of mere perception? Yes, optimally, they should be backed up by facts. but that's why I don't understand your continual failure to offer any to defend your point of view.

At any rate, I was right -- you're NOT interested in reason or in responding to anyone's points, as demonstrated by yet another specious bunch of one-liners. I'm more than happy to exercise politeness and reason in debate (or "patience", as Smedleyman kindly put it), but when you fail to respond in kind, even after having been repeatedly called out for it, I'm just wasting my time.
posted by vorfeed at 5:42 PM on July 30, 2007

I cherish active values of self-sufficiency and self-defense: that is to say, the personal, physical ability to fight unto death, if need be.

That says it all, vorfeed: you're willing to take another life if need be, and I'm not.

If someone wants to rob me (which could happen almost anywhere), I'll certainly try and disarm the person or diffuse the situation, but if I have no choice, I'd rather give them the money than kill them. I'm no killer, and I don't wish to be.

You're correct: this is a waste of time.
posted by chuckdarwin at 3:48 AM on July 31, 2007

Chuckdarwin, if you fear murder, you are right to live in the UK, because guns aside, it is a less murderous culture. Personally, I fear death in general for myself and my loved ones. I don't want to be run over, misdiagnosed, exposed to bad nutrition, or die in a household accident. As far as I'm concerned, gun homicide is a drop in the bucket when compared to the statistics of death. The best thing I can do for me and mine is shorten our time on the roadways.

You are right that it is too late for America to embrace gun control. There are over 200 million guns in this country, and at least 39% of households have one. Judging by the countries that have gun bans and higher gun homicide rates like Mexico, I doubt it would have gotten us anything positive to ban them.
posted by BrotherCaine at 11:24 PM on July 31, 2007

« Older Are They Not KoRn? | Don't Go Breakin' My Art Newer »


Kentucky: Roar of the Tommy Guns, smell of the crowd

WEST POINT, Ky | Sat Oct 20, 2012

The slow-moving snarl last weekend brought upwards of 17,000 people to Knob Creek’s three-day Machine Gun Shoot, an event that twice a year draws machine gun collectors and enthusiasts from around the country to test out weapons like Tommy Guns, water-cooled Brownings and M16s.

“Guns aren’t bad,” said Knob Creek manager Kenny Sumner. “They’re only bad when the wrong people have them.”

The event, which started in the 1970s and bills itself as the country’s largest, shows the attraction for some people of firing off renowned big guns, even as the presidential candidates spar over whether modern military-style weapons should be allowed in civilian hands.

In the recent debate, President Barack Obama said he would back an assault weapons ban, while Republican candidate Mitt Romney said he’s not in favor of such a law, though he signed one while governor of Massachusetts.

Machine gun shoots like Knob Creek – and this weekend’s competing Big Sandy shoot in Arizona – offer enthusiasts a rare opportunity to get their hands on fully automatic weapons, which can be difficult to buy under federal laws, and to fire a variety of them.

Most of the guns used and sold at machine gun shoots are fairly old. Federal law prohibits private individuals from possessing or acquiring machine guns other than those lawfully registered before 1986.

Inside the gates of the Knob Creek Shoot, gun dealers mingled with Tea Party activists and sport shooters. Knives, ammunition, all types of guns and accessories, and bumper stickers were on sale from about 225 vendors.

There were military insignias, tri-cornered hats and “Don’t Tread on Me” flags. At least one booth sold flags and banners with swastikas, and uniformed paramilitary groups also displayed signs bearing the Nazi symbol.

Most of the vendors were arrayed around the range’s main firing line, the event’s center stage with weapons pre-positioned on tripods or other mounts.

Concession stands and the National Rifle Association signup booth shared prime real estate next to a line of packed bleachers. Nearly everyone used ear protection to counter the extreme roar from the simultaneous firing of well over a dozen machine guns only a few feet away.

Dust, smoke and the smell of gunpowder filled the air.

Targets included old appliances, cars and boats spread out down a narrow, wooded valley, some perched on the hillsides, others right handy to the shooters. Some were set ablaze by tracer bullets. The night show, which featured barrels of fuel with pyrotechnic charges attached, resulted in fiery mushroom clouds and fireballs.

Admission for adults was $10. The crowd was almost entirely white, with twice as many men as women. Kids under age 12, mostly boys, some riding their fathers’ shoulders, got in for half price. Some even got to have their own quality time with an assault weapon.

Nine-year-old Cody Miller from Cincinnati was among them. At a secondary firing range a few hundred yards from the main one, a gun range assistant laid an empty ammo box on the ground for the youngster to stand on to fire a Soviet-made PKS heavy machine gun.

“Are you ready for this?” the spotter asked. The boy nodded and opened fire as his proud father looked on and photographed the scene. Cody said this was his second year firing machine guns. No big deal, he shrugged.

“We shoot a lot,” explained his father, Jeff Miller.

Joshua Horwitz, director of the Washington-based Coalition to Stop Gun Violence, said his group has no position on organized shooting events like Knob Creek.

“Our feeling is that if you’re going to use a firearm, that’s the place to do it – on a range,” said Horwitz, whose organization is typically at odds with the National Rifle Association on relaxing gun laws.

Horwitz said he does see something disturbing in the symbolism and right-wing themes that sometimes emerge at shoots.

“Often at these events … we see vestiges of the insurrectionist idea – the idea that firearms are to be stockpiled and used against the government,” he said.

Many people who attend such events profess patriotism, he said, but “their contempt for the government borders on treason.

“I worry far more about the political ideology of these events than I do the firearms.”

(Reporting by Steve Robrahn Editing by Mary Wisniewski and Prudence Crowther)


The blast wave thumping into my body felt familiar. My mind flashed to a memory — face full of grit, ears ringing, eyes fixed on a convulsing, dying 13-year-old boy whose legs had been blown off by a bomb hidden on a dirt path in Southern Afghanistan.

I began to take a knee, but paused. I was not in a war zone. I am no longer a soldier. I was in America, at a gun range in Kentucky. This was a show, an experience manufactured for my entertainment. The muted grunts from a child’s blood-filled mouth were replaced by cheers and rebel yells.

The Knob Creek Gun Range is 30 minutes outside of Louisville near the town of West Point, on a former military testing range. Twice a year, the range hosts “the Machine Gun Shoot,” arguably the most famous — and impressive — display of civilian-owned firepower in America.

For three days in late October, the firing line was packed. Shooters unloaded everything from the type of gas-operated machine guns my grandfather used in World War II to the M-249 Squad Automatic Weapon I was first given as an 18-year-old Infantryman. They shot weapons I’ve fired, and weapons that have been fired at me. They aimed downrange at cars, washing machines, kitchen appliances, barrels filled with explosives, and even a boat. Thousands of spectators watched from a nearby observation stand, their smartphones extended skyward to capture the action.

Attending the shoot as a veteran was a complex experience. My first instinct was to try to convince myself that I was having fun. The shoot felt like an essentially American activity, after all — regular citizens legally and safely fire fully automatic weapons and blow inanimate objects to smithereens. Fully automatic weapons are almost exclusively owned by collectors — they cost tens of thousands of dollars — and are almost never used in crimes.

Some of the attendees were curious onlookers, or enthusiasts looking to vent some pent up frustration or stress by paying hundreds of dollars to blow up a propane tank or annihilate an old car. Between firing sets, shooters and spectators were allowed to walk out on the range to observe the targets torn apart and aflame. Children posed for photographs next to burning cars and skipped between pockmarked household appliances, digging through the dirt to find bullets that were theirs to keep.

But the novelty quickly wore off. It felt too much like a raw outpouring of the new masculine standard of American gun culture: possessing weapons systems and gear more complicated and high-tech than what I carried into combat. And there was hatred on display.

People sported shirts emblazoned with “Armed Infidel” or “Fuck Hillary.” In the range’s vendor area, sellers offered tables of guns, armor, and survivalist equipment. One sold Nazi uniforms, billed for “re-enactment purposes.” Another offered a t-shirt that read, “Lee Harvey, we need you now!” in bold block letters across the front. Several sheriff’s deputies stopped momentarily to observe the message, but continued on their way.

While walking the grounds I noticed a familiar sight, the Army’s Combat Action Badge on the hat of a man in his mid-20s, my age. He’d served two tours in Iraq, he told me. He was also an avid weapons collector. I asked about some of the anti-government rhetoric I’d heard, and seen — and what he thought about the recent arrest of several anti-government extremists in rural Kansas who had been caught plotting a terror attack on Somali immigrants.

“What do you think the guys hauling off all this gear and ammo at the show are doing?” he joked, implying that some people in attendance might be capable of similar plots.

As the sun set, I settled into the stands to watch the long weekend’s main event: the night fire: literally, shooting high-powered weapons after dark. Explosions lit up the sky. I snapped photos and enjoyed the view, but I couldn’t help but think of that shirt.

The attempted terrorists in Kansas were outed by a colleague, who alerted police to the same types of words and political energy I’d seen worn on t-shirts and patches all weekend. At Knob Creek, most of the crowd, I assumed, was harmless: people who like big guns and have the money to spend on them. But I’m worried that the violent words might escalate to action — that what’s billed as entertainment and play is practice for something real.

Alex Flynn is a photographer working out of Missouri and New York. He spent six years in the Army, serving as an infantryman and then as a combat correspondent.


Machine gun shoot vacation (VIDEO)

While some people call a beach and hammock their vacation place, Richard Creager of Frederick, Maryland likes to relax and unwind at the bi-annual Knob Creek machine gun shoot in West Point, Kentucky. ‘Its one of the few things I do for vacation.’ He says.

He’s obviously not alone. Dozens of other machine gun enthusiasts wait up to ten years to get a spot on the coveted firing line where they get to fire off a few thousand rounds at exploding targets. Tens of thousands of spectators attend the event to watch the ruckus.

Richard brings a small arsenal with him. Among his favorites firearms are an assortment of AKs, some of which he made himself, a 1910 Maxim machine gun and a model 1917 Lewis gun. Referring to his guns, he says, ‘They’re reliable and that’s kind of my hobby. I enjoy shooting them and they have a little history with them which is interesting.’

He insists that anyone that enjoys guns must attend the night shoot at the Knob Creek. It takes place on the Saturday night of the event and is second to none in terms of sheer firepower and explosions.

Read More On:

Latest Reviews

The Glock 19 Gen 5 is a great pistol, that’s one of the reasons it was a top seller in 2020. The FN 509 is also an excellent polymer-framed handgun manufactured by one of the premier companies in this industry. We compare the two for defensive use.

Perfect for year-round concealed carry, Inside the Waistband aka IWB holsters are among the most popular style of holster sold today. IWB concealed carry keeps the holster and your gun out of sight and extremely secure.

Leupold puts hunters on the straight path to success with their new BX-5 Santiam binoculars. Many hunters already top their rifles with Leupold optics, but the time is now for these premium handhelds.


Knob Creek Late Night Gun Shoot - HISTORY

Upcoming on the History Channel:

Knob Creek Gun Range: #90.
Airs on Tuesday, January 3 at 8:00pm ET

Host R. Lee Ermey heads to Knob Creek Gun Range in West Point, Kentucky, outside of Fort Knox, for the Knob Creek Shoot, a weekend when machine-gun owners and collectors converge for unbridled mayhem. At this former military-munitions test range, shooters nationwide come to buy, sell, and trade.

First, the Gunny shows us around, talks about the history, hits sales tables, and fires off a few thousand rounds--from state-of-the-art to early vintage.

Next, Lee takes a turn on the "Jungle Walk", a machine-gun shooting course with hidden targets and dense brush to recreate what it was like for the grunts in Viet Nam and he gets a lift on a mule to the Knob Creek helipad where he goes aloft in a Cayuse OH-6A Helicopter for the range's aerial shooting course.

Then, it's the night shoot, when you really get to see raw power as machine guns shoot tracers and fire at targets filled with diesel fuel and dynamite, incinerating cars, refrigerators, and oil drums.

Now, since not all of you have access to the History Channel, you can download the entire program and watch it at your leisure. Be warned, however, that it's a 47 meg. file! If you don't have broadband, don't even try!

1 Comments:

A friend of mine was down there at the time and go to meet him.
He said he was a very nice, friendly guy, and interestingly, a total chick-magnet.

2008 Steel Challenge World Championships, Piru, California.


ABC News Used Footage From a Kentucky Gun Show and Said It Was Syrian Warfare

Trust in the news media is at historic lows. Days like today won't make it any better.

During Sunday evening and Monday morning broadcasts, ABC News showed footage from a gun show at the Knob Creek Gun Range in West Point, Kentucky. Except they told viewers it was a showdown between Syria and Turkey.

"We've taken down video that aired on World News Tonight Sunday e Good Morning America this morning that appeared to be from the Syrian border immediately after questions were raised about its accuracy," a network representative told the Washington Examiner, which first reported this story. "ABC News regrets the error."

Tensions have indeed escalated between Turkish forces and the Syrian Kurds after President Donald Trump abruptly pulled back U.S. troops from northern Syria, essentially greenlighting an invasion from Turkey. "Turkey will soon be moving forward with its long-planned operation into Northern Syria," said a statement from the White House last week. There have already been reports of violence, including footage of Turkish militants executing a group of civilians and a Kurdish politician on the side of a highway.

Many say Trump's sudden decision was devoid of foresight, which made a bad situation much worse. Rep. Justin Amash (I–Mich.), a non-interventionist by all means, tweeted that the president "facilitated a disaster" in choosing this course.

"The situation rapidly spiraling out of control in northern Syria," said ABC News anchor Tom Llamas as he narrated the video clip on Sunday. "One week since President Trump ordered U.S. forces out of that region, effectively abandoning America's allies in the fight against [the Islamic State]."

So perhaps ABC was searching for footage—dramatic, explosive footage—that confirmed that narrative. Or maybe it was a clumsy mistake. Whatever it was, it shows how few journalists understand the particulars of guns.

Last year, for instance, the Examiner highlighted an Associated Press story which continuously differentiated between semi-automatic and non-automatic rifles, which are the same thing. Perhaps more seriously, "assault weapons"—a vague term that no one quite understands—are constantly compared to machine guns and weapons of war, although they fire at the same speed as other semi-automatic weapons.

Those mistakes are relatively small, though, when compared with ABC's latest blunder.


2013 Knob Creek Machine Gun Shoot In One Word…Bacchanalia!

USA –-(Ammoland.com)- The Knob Creek Machine Gun shoot runs Friday through Sunday, twice a year, and Saturday night is the main event.

About an hour before dark, folks are out on the range setting up all sorts of explosives while a crowd builds, anxiously awaiting what we all know is coming.

The lights go out, and the next thing you know machine guns are going off for almost 20 straight minutes. This year’s October 2013 edition did not disappoint. I’ve now crossed this off of my “Things to Do Before I Die” list.

Check out the video below, other than the beginning, my favorite part is at the 5:50 mark. Enjoy! Oh yeah, turn your volume all the way up for best effect.


Assista o vídeo: Big Sandy 2021, largest machine gun shoot in the country.