Recompensa do mercado negro: especialistas encontram moedas costuradas em roupas no naufrágio

Recompensa do mercado negro: especialistas encontram moedas costuradas em roupas no naufrágio

Arqueólogos marítimos fizeram uma descoberta surpreendente na costa de Kent, na Inglaterra. Enquanto investigavam um naufrágio de quase trezentos anos, eles encontraram algumas moedas que foram costuradas em roupas. Esta é a segunda descoberta arqueológica marítima importante em Kent, recentemente. Um navio Tudor também foi encontrado em alguns lamaçais em Tankerton Beach algumas semanas atrás. A última descoberta é uma que empolga os especialistas e oferece uma visão sobre a vida de pessoas comuns na década de 18 º século, demonstrando a rica herança marítima de Kent.

The Rooswijk

A descoberta foi feita perto do naufrágio do Rooswijk, no leito do Canal da Mancha. Tanto a tripulação quanto o navio desceram ao fundo do mar na costa de Kent, afundando depois de atingir um notório banco de areia, Goodwin Sands, que a BBC informa que é conhecido como "o grande engolidor de navios". O Rooswijk afundou no inverno de 1740 e todos os seus 237 passageiros e tripulantes foram perdidos. A carga do navio de barras de prata, ferro e pedras lapidadas, que se destinava às Índias Orientais, também foi perdida.

Mergulhador no local da escavação Rooswijk. (Imagem: © Historic England / RCE)

Os especialistas sabem muito mais sobre este navio do que os restos do navio Tudor encontrados na praia de Tankerton. O navio pertencia à Companhia Holandesa das Índias Orientais (VOC), que controlava grande parte da Indonésia moderna na época. Ele partiu com uma carga de prata para comprar especiarias e outros produtos de luxo na Batávia, capital das Índias Orientais Holandesas. O navio era comandado por Daniël Ronzieres e tripulado por marinheiros holandeses, alemães e suecos, alguns dos quais foram identificados através dos arquivos da VOC em Amsterdã.

  • Dezenas de naufrágios datados de milhares de anos encontrados no Mar Egeu
  • Operação Zeus impede que anel de contrabando roube mais de 26.000 artefatos da Turquia
  • Anel de falsificação e contrabando de artefato ilegal destruído em invasão policial em toda a Europa

Rooswijk de Ralph Curnow. (Imagem: Artistas na Cornualha)

Uma troca lucrativa

Arqueólogos marítimos, membros do projeto Rooswijk1740, descobriram uma coleção de moedas de prata a cerca de 25 metros no fundo do mar. Muitas das moedas de prata tinham furos para que pudessem ser costuradas nas roupas. Não havia apenas moedas holandesas, mas também ducados da Holanda espanhola. Mas por que eles foram secretados nas roupas dessa maneira? A resposta parece ser que esse dinheiro teria sido proibido de ser levado para as Índias Holandesas.

A descoberta de moedas escondidas em roupas e também de divisas proibidas sugere que a tripulação e os passageiros praticavam contrabando para as Índias Orientais. Havia uma grande procura de prata nas colônias e especula-se que os passageiros e marinheiros tentavam lucrar vendendo as moedas de prata por um valor superior ao de face em Batávia, capital das Índias Orientais. As moedas provavelmente foram costuradas nas roupas das pessoas a bordo para garantir que não fossem detectadas durante as inspeções regulares a bordo. Os historiadores sabem há muito tempo que havia um comércio ilícito de prata nas posses da empresa holandesa e acreditam que até 50% do dinheiro transportado para as Índias Orientais foi contrabandeado.

  • O Naufrágio de Antikythera - O Titanic do Mundo Antigo e seu tesouro histórico submerso
  • O infortúnio do Bom Jesus, o naufrágio do diamante
  • Vestígios antigos e novos naufrágios mostram que a ilha grega de Delos era um importante porto comercial internacional

Pedaço de Oito Espanhol ou Dólar do Pilar Espanhol. (CC BY-SA 2.5)

A história se desenrola pedaço por pedaço

Alguns outros artefatos também foram descobertos nos destroços, incluindo uma jarra de estanho. Dois pequenos ossos humanos também foram identificados e acredita-se que mais restos serão encontrados no local. Itens pessoais também foram descobertos e incluem um pente e um recipiente para queijo. Várias caixas e barris bem preservados também foram encontrados por arqueólogos marinhos.

O projeto Rooswijki1740 é uma parceria entre a Historic England e a Agência Cultural de Netherland. De acordo com o Daily Mail, o líder do projeto, Dr. Martijn Manders disse que, 'O Rooswijk é especial porque nos fala sobre as pessoas comuns daquela época'. A descoberta também ajuda os especialistas a entender as experiências pessoais daqueles que foram perdido no mar em uma noite de janeiro, quase três séculos atrás.

A equipe do projeto está trabalhando no local desde o verão passado. De acordo com o Daily Mail, ‘a equipe está trabalhando na direção da popa do navio’ e espera mais descobertas. Itens e materiais recuperados do naufrágio estão sendo armazenados em um depósito em Kent, onde serão preservados e registrados. Espera-se que alguns dos itens mais interessantes sejam eventualmente colocados em exibição pública na Holanda.

Um fim de semana aberto de 11 a 12 de agosto no Porto de Ramsgate, permitirá ao público ver muitos dos artefatos escavados este ano.

Moeda de prata do East Indiaman (VOC) Rooswijk. (CC BY-SA 3.0)

Um próspero mercado negro

A descoberta das moedas costuradas nas roupas confirma que muitos funcionários da VOC estavam envolvidos em atividades ilegais e que era quase certo que isso era extenso. Assim como hoje, o comércio de moeda pode ser lucrativo. As moedas de prata também nos permitem entender as pessoas comuns e suas experiências de quase trezentos anos atrás. A segunda descoberta importante em Kent, nas últimas semanas, é a demonstração do rico patrimônio arqueológico marítimo daquela região da Inglaterra.


A História do Dinheiro

O dinheiro, por si só, pode ter valor real, pode ser uma concha, uma moeda de metal ou um pedaço de papel. Seu valor depende da importância que as pessoas atribuem a ele - como meio de troca, unidade de medida e depósito de riquezas.

O dinheiro permite que as pessoas negociem bens e serviços indiretamente, ajuda a comunicar o preço dos bens (os preços escritos em dólares e centavos correspondem a um valor numérico em sua posse, ou seja, no bolso, na bolsa ou na carteira) e fornece aos indivíduos um forma de armazenar sua riqueza a longo prazo.

Principais vantagens

  • O dinheiro transmite a importância que as pessoas atribuem a ele.
  • O dinheiro permite que as pessoas negociem bens e serviços indiretamente, comuniquem o preço dos bens e fornece aos indivíduos uma maneira de armazenar sua riqueza a longo prazo.
  • Antes do dinheiro, as pessoas adquiriam e trocavam bens por meio de um sistema de permuta, que envolve o comércio direto de bens e serviços.
  • A primeira região do mundo a usar uma instalação industrial para fabricar moedas que poderiam ser usadas como moeda foi na Europa, na região chamada Lídia (atual Turquia Ocidental), em aproximadamente 600 a.C.
  • Os chineses foram os primeiros a conceber um sistema de papel-moeda, aproximadamente em 770 a.C.

O dinheiro é valioso simplesmente porque todos sabem que será aceito como forma de pagamento. No entanto, ao longo da história, tanto o uso quanto a forma do dinheiro evoluíram.

Embora na maioria das vezes os termos "dinheiro" e "moeda" sejam usados ​​alternadamente, existem várias teorias que sugerem que esses termos não são idênticos. De acordo com algumas teorias, o dinheiro é inerentemente um conceito intangível, enquanto a moeda é a manifestação física (tangível) do conceito intangível de dinheiro.

Por extensão, de acordo com essa teoria, o dinheiro não pode ser tocado ou cheirado. Moeda é a moeda, nota, objeto, etc. que é apresentado na forma de dinheiro. A forma básica de dinheiro são os números hoje, a forma básica de moeda são notas de papel, moedas ou cartões de plástico (por exemplo, cartões de crédito ou débito). Embora essa distinção entre dinheiro e moeda seja importante em alguns contextos, para os fins deste artigo, os termos são usados ​​de forma intercambiável.

Compreendendo a história do dinheiro


Chihuahua Hoje

Desde o advento do Nafta em 1994, as relações entre a administração e os trabalhadores de Chihuahuan foram tensas. A filiação sindical diminuiu e grande parte da força de trabalho do estado resistiu à implementação do acordo. Mesmo assim, Chihuahua continua tendo uma das economias de crescimento mais rápido do México.

Hoje, os principais motores econômicos do estado são as montadoras (chamadas maquiladoras) que produzem componentes eletrônicos, peças automotivas e produtos têxteis. Fabricantes como Toshiba, JVC e Honeywell têm instalações no estado & # x2019s recentemente desenvolveram parques industriais.

A produção de madeira e a pecuária em Chihuahua já foram os produtos básicos da economia, no entanto, em 2003, representavam menos de 10% da atividade econômica total.


Onde comemorar o décimo primeiro mês de junho em San Antonio

SANTO ANTÓNIO - Este ano marca o 156º aniversário do século de junho, o dia em que os escravos texanos foram oficialmente proclamados livres, dois anos e meio após a Proclamação de Emancipação de 1863.

Embora o anúncio em 19 de junho de 1895, em Galveston, Texas, aparentemente tenha libertado afro-americanos escravizados neste estado, o feriado é amplamente celebrado em todo o país como o fim oficial da escravidão nos Estados Unidos.

Também conhecido como Dia da Independência Afro-Americana, Juneteenth cresceu em reconhecimento oficial e agora é reconhecido em quase todos os 50 estados, incluindo o Texas.

Aqui estão alguns eventos em San Antonio onde você pode comemorar o feriado:

Juneteenth Pop-up Shop hospedada por MAAT Market

Comemore o décimo primeiro mês com uma loja pop-up! Este mercado pop-up será o culminar da cultura afro-americana e das atividades com raízes africanas. De percussão africana, roupas, presentes e produtos de cuidados naturais a uma leitura e discussão do século XX, este evento terá de tudo. Esta loja pop-up estará disponível no sábado, 19 de junho, em “Our Place”, 3455 Martin Luther King Dr., das 12h às 17h.

Noite com as missões, décimo primeiro arrecadação de fundos

Este jogo de beisebol para arrecadação de fundos entre o San Antonio Missions e o NW Arkansas Naturals vai homenagear os afro-americanos na história do beisebol. A venda de ingressos VIP para a arrecadação de fundos beneficia a Fundação Texas Kidney e o Arquivo e Museu da Comunidade Afro-Americana de San Antonio. Um ingresso VIP inclui comida, meet-and-greet com jogadores, a exposição The Invisible Diamond e um leilão silencioso da South Texas Negro League. Para amarrar tudo para um final, termina com fogos de artifício. O evento será sábado, 19 de junho, no Estádio Municipal Nelson W. Wolff, das 19h às 22h.

Décimo Primeiro Festival Anual

O comissário oficial da Décima-Sétima Junta, Byron E. Miller, sediará o oitavo festival anual de San Antonio Junete-Décima sexta-feira, 18 de junho a sábado, 19 de junho no Comanche Park. O evento contará com música ao vivo de Ruben-V e Kenne Wayne e dois eventos principais para cada dia. O principal evento de sexta-feira será uma Flotilla Fish Fry e no sábado será uma feira de saúde. Os participantes também podem contar com microfone aberto, apresentações de grupos gospel, torneios de dominó e kick ball e basquete. Esta celebração do décimo primeiro mês vai das 11h às 23h. na sexta e no sábado.

Cruzeiro pelo rio História Negra

Desfrute de um passeio ao longo do rio e aprenda sobre a história negra e figuras marcantes em San Antonio. Este evento será organizado pelo SAAACAM no dia 18 de junho, das 19h às 21h. Vai começar no SAAACAM La Villita e partir daí. Leia mais sobre o cruzeiro aqui.

Festa do quarteirão de junho

Este evento é muito novo. Foi inspirado em conversas iniciadas no ano passado durante os conflitos pela justiça racial. Esta festa de quarteirão e feira enfocará recursos e oportunidades relacionados à educação, negócios e saúde que a comunidade negra pode achar úteis. A festa do bairro será na Cervejaria Alamo no sábado, 19 de junho, das 15h às 21h. O evento é gratuito, mas os ingressos devem ser reservados no site do evento.

Black Freedom Factory apresenta The Future is Freedom: Décima quinta celebração na amarelinha

Este evento será no museu da amarelinha e combinará diversão, saúde e educação em uma única comemoração. O Futuro é Liberdade celebrará não apenas o passado, mas também o presente e o futuro da liberdade. Você poderá desfrutar de música ao vivo, comida, vendedores, poesia e um museu interativo. Haverá apresentações e palestras de Sacred fantasy, Shokare Nakpodia, Kimiya Denise, Alan Borris, Band Mc2 e DJ Mr.G. Alimentos e bebidas serão fornecidos por Tony G’s Soul Food e pelo Chef Robbie Rodgers. Tudo acontece no Hopscotch San Antonio na quinta-feira, 17 de junho. O evento acontecerá das 18h30 às 22h00. Os ingressos variam de $ 15 a $ 50.

Décima quinta no Legacy Park

Prepare-se para uma noite de artes e apresentações de apresentações como Buffalo Soldiers, DJ Jevonchi e Fiesta Royalty. Experimente essa arte no Legacy Park no sábado, 19 de junho, das 18h às 22h

Discussão e Andar no rio Exibição de filme no Alamo

Haverá uma discussão em junho com o Dr. Carey Latimore, professor associado de história na Trinity University, seguido por uma exibição do filme Caminhe no rio: uma história negra da cidade de Álamo no Alamo Gardens na sexta-feira, 18 de junho, das 19h30 às 21h30.

Adoraríamos saber como você planeja comemorar e o que Juneteenth significa para você. Deixe-nos saber aqui.


$ 1 BILHÃO DE CAÇA AO TESOURO

JAMA, Equador - Haig Jacobs emerge das águas do Pacífico e dá um soco triunfante em direção ao céu.

& quotÉ ouro, companheiros! É ouro puro! ”, Ele grita para outros caçadores de tesouro a bordo do barco de resgate Nautilus.

Em seguida, ele abre a palma da mão, revelando um pedaço de lama escondendo um carretel de fio de ouro puro - mais uma evidência de que a equipe descobriu o esconderijo de 400 anos de um galeão espanhol afundado e cheio de tesouros.

Liderados por Joel Ruth do condado de Brevard, Los Caballeros Aventureros - The Gentlemen Adventurers, vagamente traduzido - arrebatou vestígios de galeões suficientes para sustentar seus sonhos de fazer a descoberta de uma vida sob as areias e lama vulcânica da costa norte do Equador, 13 milhas do equador.

O Nuestra Senora de la Magdalena (Nossa Senhora de Madalena) afundou cerca de uma milha ao largo do rio Jama em 1612, onde os cardumes traiçoeiros do mar engoliram o navio. No porão estava o resgate de um rei em ouro, prata e pedras preciosas. Manifestos de navios centenários armazenados em Sevilha, Espanha, avaliam o tesouro em mais de US $ 1 bilhão.

A equipe de Ruth acha que pode fazer o que o rei Filipe III da Espanha e os caçadores de tesouro ao longo dos séculos não conseguiram: exumar a carga de Magdalena de sua sepultura aquosa.

Se eles estiverem certos, será o maior galeão espanhol já encontrado, superando a descoberta de Mel Fisher em 1985 ao largo de Key West do Atocha. E como o Magdalena afundou na lama, madeira de navio, armas com hastes de madeira e outros artefatos finos provavelmente estão mais bem preservados do que os de outros galeões recuperados.

Ruth arriscou tudo - dinheiro, saúde e sua reputação - para chegar tão longe.

Mas ele ainda não pode ter certeza de que encontrará o tesouro de Magdalena e sua riqueza abundante ou se anos de esforço renderão apenas algumas bugigangas de ouro de um navio muito devastado pelo mar para conceder toda a sua generosidade.

Foi em uma manhã de setembro recente, após 11 dias seguidos de mergulho do navio de resgate de 52 pés, que Jacobs fez sua descoberta, entregando sua bolsa de mergulhador carregada com facas de prata incrustadas de lama para o capitão Keith Plaskett.

Jacobs também segurou o fio de ouro puro, antes destinado a ser costurado nas capas e roupas dos aristocratas e da realeza do Velho Mundo, e que estava enrolado em uma bobina de prata.

“Isso é tudo?” Ruth, 54, impassível. Sua caça ao tesouro durou quatro anos, e a última recuperação não é muito melhor do que a que sua equipe trouxe em mergulhos anteriores.

"Está aqui", murmurou o arqueólogo marinho e especialista em moedas. & quotPode estar espalhado por um quilômetro, mas está aqui. & quot

A busca de Ruth começou quando um amigo caçador de tesouros lhe mostrou um mapa perplexo, desenhado à mão e manchado de água, cerca de uma década atrás.

& quotNeste cardume da R. Jama foi jogado fora. . . . No ano de 1612. Nela havia uma abundância de pratos e outros tesouros, ”dizia.

O mapa antigo não nomeia um país ou navio. Mas isso indicava que um navio naufragou perto do estranhamente chamado Ensenada Borrachos, ou Baía dos Bêbados, e uma montanha chamada Coaque (pronuncia-se KWACK-eh).

Ruth, uma caçadora de tesouros em tempo integral por mais de uma década, ficou intrigada. Ele reconheceu R. Jama como o rio Jama no Equador, onde trabalhou para outros salvadores de vez em quando desde o final dos anos 1990. Ruth, que se formou em história e economia pela Florida Atlantic University e Rollins College, sabe de cor as rotas que as frotas espanholas fizeram ao longo do Pacífico.

Ruth esquivou o mapa, esperando que um dia ele o levasse ao seu sonho.

Então, no final do verão de 2003, enquanto ele estava explorando a costa em uma parte remota do Equador, Ruth escalou um penhasco de 60 metros, examinou a paisagem de manhã cedo e notou seus estranhos solavancos.

O cabelo de sua nuca se arrepiou.

& quotEu pensei: 'Lá está. Essas colinas. . . são estes aqui no mapa ', disse ele. & quotFoi como se alguém falasse comigo ao longo dos séculos. & quot

Ruth percebeu que ele havia encontrado a localização do navio afundado. Mas nem todo navio vale a pena limpar. Alguns não carregavam objetos de valor, outros possuíam uma grande riqueza. O desafio era descobrir o nome desse navio para saber de sua carga.

Apenas um homem saberia a resposta.

Como outros caçadores de tesouros, o maior especialista em galeões vivos do mundo, Sir Robert Marx, guarda seus segredos.

O velho aventureiro de língua salgada e autor de mais de 60 livros mora não muito longe da casa Indialantic de Ruth em Brevard County.

Quando Ruth contou a Marx o que ele havia descoberto, "ele disse: 'Você [palavrão]", lembrou Ruth. "Sempre quis ir atrás daquele navio, mas nunca tive a chance." & quot

Marx, cujos tesouros recuperados foram vendidos pelas grandes casas de leilão do mundo, encontrou registros do navio nos arquivos de Sevilha, onde passou seis anos fazendo pesquisas.

Marx aceitou que nunca seria capaz de caçar o navio sozinho. Mas por 110 moedas de oito - moedas que valem vários milhares de dólares para colecionadores - ele daria a Ruth a resposta que ele buscava.

"Estou velho", explicou Marx. & quotNão há mais espera. Quero ver isso encontrado. & Quot

Os homens fecharam o acordo e, enquanto Marx falava, Ruth prendeu a respiração.

O navio era o Magdalena, o segundo de um comboio de três navios que transportava 18 milhões de pesos - ou US $ 1,5 bilhão - em prata e outros tesouros.

Construído com madeiras tropicais nos estaleiros navais do Novo Mundo da Espanha, ele estava fortemente armado com 68 canhões de bronze e teria um contingente de soldados armados com rifles de fósforo, lanças longas e espadas.

O navio do tesouro viajava anualmente ao longo da costa do Pacífico para transportar prata, ouro, pedras preciosas e outros objetos de valor das minas em Lima, Peru, Potosi, Bolívia e outros lugares.

O tesouro foi então levado para o norte, para a fortaleza da Espanha no istmo do Panamá, onde foi descarregado, transportado para a costa do Atlântico e colocado a bordo de navios com destino à Espanha.

Para evitar os piratas holandeses que aguardavam os navios, os comboios se dividiram. Mas o Magdalena se aventurou muito perto da costa, adernando nos baixios e deslocando sua carga de 800 toneladas. Sob seu próprio peso, seu casco rachou como um ovo - e os sobreviventes, se houver, teriam enfrentado uma caminhada de meses de duração até o assentamento espanhol mais próximo.

Ruth percebeu o significado da revelação de Marx. O navio, ao contrário do típico galeão que transporta madeira, especiarias e produtos agrícolas ao longo da rota do Atlântico, era uma arca de tesouro flutuante.

Registros antigos mostraram que três tentativas de salvamento falharam, resultando em apenas dois canhões sendo levantados.

Esta era a oportunidade com que Ruth sonhava desde que crescia na Costa do Espaço, fascinado pela história enquanto seus amigos queriam ser astronautas. Essa descoberta superaria qualquer coisa que ele já tivesse feito: trabalhar na recuperação de Atocha com Mel Fisher e até mesmo encontrar três navios mercantes ingleses ao largo do Haiti.

E ele tinha a sensação de que seria maior do que Santa Maria de la Consolacion, na Ilha de Santa Clara, no Equador, que está rendendo tesouros de prata graças ao sucesso de Ruth em localizar o navio para seus patrões.

Ruth estava pronta para perseguir a maior descoberta de sua carreira.

Em meados do verão de 2003, Ruth começou a montar uma equipe de caça ao tesouro. Ele precisava de trabalhadores confiáveis ​​que não revelassem seu segredo. E ele precisava de dinheiro.

A caça ao tesouro custa cerca de US $ 20.000 por mês.

O apoio financeiro veio de dois amigos do condado de Brevard: Lou Ullian, um dos fundadores da famosa Real Eight Co., os mergulhadores que primeiro encontraram o tesouro nos naufrágios espanhóis da frota de 1715 e Ed O'Connor, um coronel aposentado da Força Aérea e um especialista em reconhecimento.

Para um mergulhador, Ruth recorreu ao ex-residente de Orlando e Key West Jacobs, 38, que ele conhecia desde os dias de mergulho com tesouros com Fisher na Flórida.

Ele contratou um especialista em eletrônica para operar o equipamento, mais mergulhadores e uma série de capitães de navios. Alguns ainda estão trabalhando com ele. Ruth demitiu outros que ele passou a desconfiar. Em 2005, ele contratou seu atual capitão, Keith Plaskett, um ex-mergulhador da Marinha e especialista em segurança.

Mas navegar sobre um antigo tesouro afundado requer negociação e papelada do século 21.

Ele desembolsou milhares de dólares por uma licença de salvador que garante seus direitos na área e concordou - como de costume - em compartilhar metade de sua descoberta com o governo equatoriano, que exibirá os artefatos recuperados em um museu nacional. Os aborrecimentos burocráticos e a obtenção de equipamentos na alfândega demoraram meses.

Ele abriu uma loja em Matal, uma pobre cidade de pescadores tão fora dos caminhos que não aparece na maioria dos mapas.

Cerca de 200 residentes vivem em cabanas de bambu com telhados de palha. A maioria vive do mar, usando redes de emalhar para pegar wahoo e marlonga negra. Alguns ainda usam canoas.

Eles vendem o peixe que valeria uma pequena fortuna em uma cidade grande por apenas alguns centavos. O evento de fim de semana de apostas altas são lutas de galo que ganham jogadores ganhando $ 5 ou $ 10.

Não há polícia, dando rédea quase livre aos pequenos vigaristas e traficantes de drogas.

O capitão Plaskett manteve a bordo uma velha espingarda com balas que podem perfurar um bloco de motor.

"Espero que, quando a notícia se espalhar, as pessoas pensem que guardamos o tesouro aqui", disse Plaskett.

Qualquer tesouro será guardado em um cofre do governo. A equipe armazenou equipamento de mergulho, comida, água, armas e detectores de metal de alta tecnologia em uma casa segura com cadeado, escondida atrás de portões de ferro. Organizar a operação foi como "citar uma escalada ao Monte Everest com a turba", disse Ruth.

Em outubro de 2003, sua equipe estava pronta para fazer sua primeira incursão no mar.

O trabalho começou devagar. Os membros da equipe passaram meses arrastando detectores de metal sobre a água, uma tarefa semelhante a cortar uma faixa de 160 quilômetros do oceano - repetidamente. O objetivo era traçar onde o navio e seu conteúdo foram enterrados sob pelo menos 5 a 12 pés de lama. Os sinais se espalharam por uma milha quadrada.

Ruth se concentrou em alguns dos maiores sucessos, mas precisava fazer alguns mergulhos, o que exigia mais equipamentos e também mais licenças do governo e burocracia.

Ele desembolsou milhares de dólares para um arqueólogo do governo observar o trabalho e para mergulhadores da marinha equatoriana (Hombres Rana, ou homens-rãs), que fornecem segurança e garantem que tudo o que for encontrado seja colocado a sete chaves.

Foi só em janeiro de 2005 que Ruth e sua equipe estavam prontos para mergulhar.

Eles usaram máquinas para abrir trincheiras na lama. Mas nuvens lamacentas tornavam tudo tão escuro que os mergulhadores tinham que apalpar os buracos com as mãos, ouvindo os sinais sonoros do detector de metais para dizer onde chegar.

"É como café, trabalhar em uma xícara de café", disse Jacobs.

Eles abriram buracos por dias antes de finalmente captarem um vislumbre de algo valioso.

Jacobs enfiou a mão e tirou um carretel de linha dourada. Outro buraco revelou armas, datando do final da década de 1580 a 1620 - a época exata em que o Magdalena teria afundado.

As armas, chamadas arcabuzes, eram as armas mais avançadas da época, e apenas a mais alta ordem militar as possuía, disse Madeleine Burnside, diretora executiva da Mel Fisher Maritime Heritage Society em Key West.

"É como um detetive resolvendo um assassinato", disse Ruth. & quotVocê junta todas as peças e aponta para apenas uma coisa. & quot

Seu júbilo foi passageiro, no entanto.

Mergulhos repetidos durante os meses seguintes produziram apenas mais algumas armas. Ruth pensou que os canhões fossem do castelo de proa do Magdalena, perto da proa onde estaria o arsenal. O tesouro ficaria na popa - e bem no fundo do porão, acima da quilha. Ele poderia ter se afastado ou estava enterrado ainda mais fundo, então eles cavaram em uma área mais ampla.

Os dias e meses foram passando.

Ruth estava com pouco dinheiro e teve que acalmar seus impetuosos patrocinadores. O barco alugado quebrou e os membros da tripulação foram acometidos de doenças intestinais que os mantinham em terra durante semanas. Alguns dos trabalhadores de Ruth pediram demissão ou foram demitidos. Frustrado por trabalhar com equipamentos desatualizados e barcos emprestados, Ruth decidiu comprar seu próprio navio.

Mas demorou meses para que o navio e os novos equipamentos passassem pela alfândega.

E então, em um dia muito ruim em agosto de 2005, os membros da equipe de Ruth pensaram que tudo estava acabado.

Jacobs e outro mergulhador, além do ex-especialista em eletrônica de Ruth, tinham acabado de retornar a um prédio de apartamentos em Guayaquil, onde alugaram quartos para encontrar a porta entreaberta e três homens armados dentro.

Os pistoleiros exigiram dinheiro e ficaram com raiva porque o trio não tinha mais do que alguns dólares. Jacobs percebeu que era uma armação. Uma semana antes, o computador de um amigo com fotos do tesouro foi roubado, então ele imaginou que esses ladrões erroneamente pensaram que tinham o butim com eles.

Os pistoleiros conduziram os caçadores de tesouro escada abaixo, ordenando-lhes que se ajoelhassem.

Jacobs sabia que suas vidas estavam em jogo. Então, quando chegaram ao fim da escada e se moveram em direção à porta do corredor, Jacobs agiu.

"Eu recuei e deixei os outros passarem", disse ele.

Exatamente quando os ladrões estavam na porta, Jacobs bateu com o corpo no primeiro atirador com a porta.

Ele pegou o braço e a pistola do atirador na porta. Olhando para o focinho, Jacobs, respirando com dificuldade, tentou desesperadamente fechar a porta.

& quotEu estava batendo os pés no lugar de Joel. Eles tinham calças de couro e eu não conseguia segurar. Meus pés estavam escorregando. & Quot

Seus dois amigos pareciam paralisados. Eles não se moveram em direção à porta.

& quotA ideia de que estávamos perdidos passou pela minha cabeça. & quot

Com a força alimentada pela adrenalina, Jacobs apoiou um pé contra um degrau e bateu a porta com força contra o braço do atirador. O ladrão praguejou e seu braço e a arma desapareceram atrás da porta enquanto eles fugiam.

Jacobs e seus amigos estavam seguros.

Mas a lição foi clara: Ruth, que não estava com eles na época, lembrou à tripulação que o segredo é a única coisa que os mantém vivos.

Era 29 de dezembro quando a tripulação pairava sobre o local de mergulho, operando no pior clima da temporada, quando o capitão pensou que eles estavam flutuando sobre um cemitério.

"David Jones e todos os fantasmas do marinheiro estavam a bordo esta noite", escreveu ele em seu diário de bordo.

Ruth pediu a um padre local que abençoasse o local.

Mas durante o mês seguinte, o barco foi atormentado por fortes correntes, puxando-os para longe de seus pontos de ancoragem.

As soldas dos sopradores quebraram, uma delas cortando profundamente a mão esquerda de Plaskett em 19 de janeiro. Ele a embrulhou e continuou trabalhando. Mas uma semana depois, ele estava febril por causa da infecção. Um médico local cortou a mão do capitão seis vezes em três dias, removendo tecido necrótico a cada vez. Mas a infecção se espalhou, então Ruth o colocou em um avião com destino a um hospital da Flórida.

Sem o Plaskett, a equipe não poderia pilotar o barco. Ele voltou em uma semana, mas o azar continuou. O barco teve mais problemas mecânicos e Ruth foi hospitalizada por causa da dengue transmitida por um mosquito. A tripulação estava ficando cansada de doenças intestinais e do calor.

"Estávamos exaustos", disse Ruth.

Eles desistiram - temporariamente - e voltaram para casa por alguns meses para descansar. Com o tesouro tão inacessível e soldados do governo guardando o local, eles poderiam partir com a certeza de que ninguém mais poderia roubar seu prêmio. O sigilo havia se tornado menos importante do que no início.

"Algumas pessoas nos chamam de loucos, mas eu, Ludwig van Beethoven, provarei que estão errados", brincou Ruth, com os olhos arregalados e imitando um sotaque alemão.

Os homens se reuniram novamente no Equador em agosto e retomaram suas caminhadas no fundo do mar lamacento. Era o meio da manhã de 2 de setembro quando Jacobs gritou que havia encontrado ouro e armas.

"Fresco da salmoura, camaradas", disse ele enquanto erguia uma pistola com cabo de madeira chamada hackbut ou hagbut.

Cheirava a enxofre - ferro velho.

"Tem mais", disse Jacobs. & quotHá uma parede inteira deles. & quot

Com a ajuda de quatro homens, uma corda e um cabo, ele ergueu uma grande laje com oito a dez arcabuzes antigos. Misturados estavam um tesouro de facas com cabo de coral preto, contas, alfinetes de latão e anéis.

Ruth sorriu e disse: & quotVolte, Mel [Fisher]. & Quot

Os apoiadores de Ruth também estão confiantes. Eles esperam que colecionadores particulares, museus e casas de leilão de elite paguem bem pelas riquezas do galeão.

"O mercado para esses artefatos é enorme", disse O'Connor.

Os homens não planejam vender todos os artefatos, no entanto. Eles gostariam de montar um museu em Cacau.

Seu entusiasmo está crescendo. Apenas algumas semanas atrás, Ruth e sua equipe puxaram um baú de mogno - quase perfeitamente preservado - que continha uma caixa de espadas antigas.

É uma descoberta que impulsionou os espíritos de Ruth e sua tripulação mais alto do que nunca.

"Estamos perto", disse Ruth. & quotEu posso sentir isso. & quot

Hoje, a caça começou. Existe um tesouro aqui.

E Ruth não tem planos de desistir - mesmo se a recompensa do navio for descoberta uma arma, uma espada, um carretel de linha dourada por vez.


Nova exposição de história sobre as roupas da Yooper

MARQUETTE, Mich. (WJMN) & # 8211 O Marquette Regional History Center lançou uma nova exibição especial centrada nas roupas usadas pelos Yoopers nos últimos 170 anos.

Esta coleção mostra as roupas de diferentes Yoopers, incluindo professores, crianças, advogados, fazendeiros e pioneiros.

Jo Writtler é curadora do Marquette Regional History Center, disse ela, & # 8220 quando você olha para algumas das roupas mais antigas, a maioria das roupas de hoje pensamos que você tem frente e costas e todo o formato de um corpete feminino & # 8217 era muito diferente de como foi construído. Quando você olha para os anos 1800 & # 8217, leva em consideração o corpo humano, que não é plano de forma alguma. ”

A exposição oferece um vislumbre da funcionalidade e do design das roupas. Cada peça de roupa tem uma história e uma foto de seu dono conectada a ela.

A exposição conta histórias de amor, perda e as pessoas que construíram a U.P. para o que é hoje. Você pode ver a exposição até janeiro de 2022.


ARTIGOS RELACIONADOS

Na foto: uma representação comum do Jolly Roger do Capitão Henry Every

According to some historical accounts, the marauders tortured and killed the men aboard the Mughal vessel and raped the women in a so-called 'orgy of horror', seeking to extract information on where in her hold the Ganj-i-Sawai's treasures had been hidden.

Some versions of the story also suggest, grimly, that Captain Every himself found 'something more pleasing than jewels' onboard the vessel — often said to be the daughter, granddaughter or another relative of emperor Aurangzeb.

Having left the ransacked Ganj-i-Sawai to limp back to Surat and after compensating the crew of the Pearl for their share of the spoils, the Fancy set sail for Bourbon, today the island of Réunion, arriving two months later.

Here, the pirates divvyed up the treasures — with each man receiving £1,000 (the equivalent of £93,300–128,000 today, and far more than any sailor could typically expect to make across their lifetime) as well as a selection of gemstones.

In September 7, 1695, Captain Every's ship, the Fancy, engaged the Ganj-i-Sawai, which was owned by one of the world's most-powerful men, the Mughal emperor Aurangzeb. Pictured: a 19th century woodcut depicting the battle between the two vessels

On September 7, 1695, the Fancy and Mayes' ship, 'Pearl', engaged the Ganj-i-Sawai, which was owned by one of the world's most-powerful men, the Mughal emperor Aurangzeb (depicted here sitting on a throne holding a hawk while seated on a gold throne)

The attack had significant ramifications for both England and the East India Trading company — which was still recovering from the disastrous Anglo-Mughal War if 1686–90 — with the very future of English trade in India placed under threat.

Both the attack on the Ganj-i-Sawai's pilgrim travellers and the raping of the Muslim women were seen as a religious violation.

The local Indian governor took the step of arresting all English subjects in Surat, partly as retribution but also to protect them from rioting locals.

Meanwhile, Emperor Aurangzeb closed down four of the East India Company's factories in India and imprisoned their officers — and even threatened to attack the city of Bombay wit the goal of expelling the English from India forever.

To appease the Mughal empire, the East India Company promised to pay reparations for Every's crimes, while Parliament declared the pirates 'hostis humani generis' ('enemies of the human race').

This maritime law term placed them outside of legal protections and thereby allowing them to be 'dealt with' by any nation that saw fit.

Alongside this, the government placed a £500 bounty on Captain Every's head — one which the East India Company later doubled to £1,000 — with the Board of Trade coordinating what became the first worldwide manhunt.

Some versions of the story suggest, grimly, that Captain Every himself found 'something more pleasing than jewels' onboard the vessel — often said to be the daughter, granddaughter or another relative of emperor Aurangzeb. Pictured: a 20th Century illustration depicting Captain Every's encounter with the Emperor's granddaughter

'If you Google "first worldwide manhunt", it comes up as Every. Everybody was looking for these guys,' explained Mr Bailey.

Given their wanted status, Captain Every's crew disagreed on where to sail next.

Ultimately, the French and Danes elected to stay on Bourbon, while the rest of the crew set course for Nassau, the capital of New Providence in the Bahamas, which was considered a pirate haven.

Shortly before setting sail, Every is said to have purchased around ninety slaves — an acquisition which served the dual purpose of providing labour on the journey to the other side of the world, as well as serving as a resource that could be traded.

In this way, the pirates were able to avoid using their foreign currency, an act which would have served as a clue to their identities.

Breaking their voyage at the uninhabited Ascension Island, in the middle of the Atlantic, the crew succeeded in catching 50 sea turtles — enough food to last the rest of the voyage to Nassau — while losing 70 men who decided to remain there.

By the March of 1696, the Fancy had passed through St Thomas in the Virgin Islands — where the crew sold off some of their treasure — before dropping anchor near Eleuthera, some 50 miles (80 km) northeast of New Providence.

Captain Every (depicted here receiving three chests of treasure) and his crew initially fled with their ill-gotten gains to Bourbon (now Réunion), before ultimately making way to the island of New Providence in the Bahamas via Ascension Island

Masquerading as one 'Captain Henry Bridgeman', Every presented his crew to the island's governor, Sir Nicholas Trott, as unlicensed English slave traders who had just arrived from the coast of Africa and were in need of shore time.

In keeping with this deceit, the crew promised £860 — and the Fancy, once her cargo was unloaded — to Sir Trott in return for permission to make port and his keeping secret their claimed violation of the East India Company's trading monopoly.

The bribe was an attractive proposition for the governor, who also saw the benefits, with French forces reportedly en route, of having a heavily-armed ship in the harbour along with enough extra men on the island to properly man Nassau's 28 cannons.

When the Fancy was handed over to his possession, Sir Trott discovered a further bribe had been left on board for him — totalling 100 barrels of gunpowder and 50 tons of ivory tusks, as well as firearms, ammunition and ship anchors.

Sir Trott initially turned a blind eye to the pirates' possession of large quantities foreign-minted coins, as well as the patched-up battle damage on the Fancy.

However, he was also quick to strip the ship of anything valuable and — according to some accounts, deliberately arranged for her to be scuttled in order to dispose of evidence that could have later proved inconvenient for him.

To appease the Mughal empire, the English Parliament declared the pirates 'hostis humani generis' ('enemies of the human race'). This maritime law term placed them outside of legal protections and thereby allowing them to be 'dealt with' by any nation that saw fit. Alongside this, the government placed a £500 bounty on Captain Every's head (pictured) — one which the East India Company later doubled to £1,000 — with the Board of Trade coordinating what became the first worldwide manhunt

When word finally reached Nassau that both the Royal Navy and the East India Company were hunting for Every/'Bridgeman', the governor maintained that he and the islanders 'saw no reason to disbelieve' the crew of the Fancy's story.

Nevertheless, to maintain his reputation, he was forced to disclose the location of the pirates to the authorities — but not before tipping off Every and his 113-strong crew, who succeeded in escaping the island before they could be apprehended.

Exactly what happened to Captain Every after leaving New Providence in the June of 1696, however, has remained unclear.

Conflicting accounts suggest he retired quietly back to Britain or some unidentified tropical island, or squandered his wealth and ended up destitute.

According to one tale, for example, the former crew of the Fancy split up — with some remaining in the West Indies, some heading for North America and the rest returning to Britain.

After this, Every and twenty of the men supposedly sailed aboard the sloop (one-masted sailing boat) Sea Flower — captained by Joseph Faro — eventually arriving in Ireland.

Unloading their treasure, however, the pirates aroused suspicion, the account goes, with two of the men arrested while Every escaped once again.

Exactly what happened to Captain Every after leaving New Providence in the June of 1696, however, has remained unclear. Conflicting accounts suggest he retired quietly back to Britain or some unidentified tropical island, or squandered his wealth and ended up destitute. Pictured: an 1887 engraving depicting Captain Every selling his jewels

THE ONES THAT DIDN'T GET AWAY

Pictured: the High Court of Admiralty report on the trial of Every's crew in 1696

While Captain Every may have successfully vanished from recorded history after fleeing from the island of New Providence in June 1696, not all of his crew similarly evaded justice.

At the end of July the same year, Every's coxswain, John Dann, was arrested in Rochester on suspicion of piracy, after his chambermaid discovered he had sewn £1, 045 of gold sequins and ten English guineas into his waistcoat — and reported the fact to the local authorities.

Dann ultimately agreed — along with another captured crewman, Philip Middleton — to testify against other members of the Fancy's crew, who had been caught after trying to sell their treasures to jewellers.

Six of the pirates were convicted at trail — with five hanged and the sixth, Joseph Dawson, shown leniency for his guilty plea.

According to Mr Bailey, however, the coins he and others have found are evidence that the pirate captain first — or, at the vary least, a member of his crew — made their way to the American colonies, spending their plunder on day-to-day expenses.

The first complete coin surfaced in 2014 at Sweet Berry Farm in Middletown, a spot that had piqued Mr Bailey's curiosity two years earlier after he found old colonial coins, an 18th-century shoe buckle and some musket balls at the site.

Waving a metal detector over the soil, he got a signal, dug down and hit his 'paydirt' — a darkened, dime-sized silver coin that he initially assumed was either Spanish, or money minted by the Massachusetts Bay Colony.

The first complete coin surfaced in 2014 at Sweet Berry Farm in Middletown, a spot that had piqued Mr Bailey's curiosity two years earlier after he found old colonial coins, an 18th-century shoe buckle and some musket balls at the site. Waving a metal detector over the soil, he got a signal, dug down and hit his 'paydirt' — a darkened, dime-sized silver coin that he initially assumed was either Spanish, or money minted by the Massachusetts Bay Colony. Pictured: Mr Bailey scanning first for Colonial-era artefacts in a field in Warwick, Rhode Island

According to Mr Bailey, it was the Arabic text on the coin (pictured), he said, that got his pulse racing. Analysis confirmed that the exotic coin was minted in 1693 in Yemen

However, it was the Arabic text on the coin, he said, that got his pulse racing.

Analysis confirmed that the exotic coin was minted in 1693 in Yemen, a fact which immediately raised questions.

As Mr Bailey explained, there's no evidence that American colonists — who would have been struggling just to eke out a living in the New World — travelled to anywhere in the Middle East for trade purposes until decades later.

Since the 2014 find, other detectorists have unearthed 15 additional Arabian coins from the same era — ten in Massachusetts, three in Rhode Island and two in Connecticut (one of which was found in 2018 at a 17th-century farm site.)

Another coin, meanwhile, was found in North Carolina, where records have indicated that some of Every's men came ashore at the end of their voyage.

Since the 2014 find (pictured here resting against a piece of 17th century broken pottery featuring a likeness of Queen Mary) other detectorists have unearthed 15 additional Arabian coins from the same era — ten in Massachusetts, three in Rhode Island and two in Connecticut (one of which was found in 2018 at a 17th-century farm site)

'It seems like some of [Captain Every's] crew were able to settle in New England and integrate,' said Connecticut state archaeologist Sarah Sportman.

'It was almost like a money laundering scheme,' she added.

'There´s extensive primary source documentation to show the American colonies were bases of operation for pirates,' added Mr Bailey.

In fact, he said, obscure records show that a ship named the 'Sea Flower' — the same as the vessel Every supposedly reached Ireland on — sailed up the Eastern seaboard, arriving in Newport, Rhode Island, in 1696 bearing nearly four dozen slaves.

Finding the Arabian coin is not Mr Bailey's only pirate-themed find — in the late 1980s, he also served as an archaeological assistant during explorations of the wreck of the 18th Century pirate ship the Whydah Gally off of the coast of Cape Cod.


WATCH: What You Need To Know — June 15, 2021: Dueling House Resolutions — Rise in Covid-19 Infections — Asia Brown, Social Activist

WATCH: What You Need To Know — June 14, 2021: George Floyd Policing Act — Fight Against Voter Suppression — Prison Over Mask Dispute

WATCH: What You Need To Know — June 11, 2021: Voting Rights Tour — Diabetes, Heart Disease Deaths Spiked — LA State Police Investigated

WATCH: What You Need To Know — June 9, 2921: Voting Rights Fight — Coronavirus Update — Support Black Business

WATCH: What You Need To Know — June 8, 2021: Primary Voting Day — New Alzheimer’s Drug — Obama Calls on Corporate America


Cost of Living 1996

Yearly Inflation Rate EUA 2.93%

Year End Close Dow Jones Industrial Average 6448

Interest Rates Year End Federal Reserve 8.25%

Average Cost of new house $118,200.00

Average Income per year $36,300.00

Average Monthly Rent $554.00

Cost of a gallon of Gas $1.22

US Postage Stamp 32 cents

Average cost of new car $16,300.00

Minimum Hourly Wage Raised To $5.15

Abaixo estão alguns preços para guias do Reino Unido em libras esterlinas

Average House Price 69,453

Yearly Inflation Rate Reino Unido 2.4%

Interest Rates Year End Bank of England 5.94%


Black Market FAQs

What Is a Simple Definition of the Black Market?

A black market is any market where the exchange of goods and services takes place in order to facilitate the transaction of illegal goods or to avoid government oversight and taxes, or both.

How Does the Black Market Work?

There are a variety of black markets and all of them work in different ways. A black market can be a physical market where two individuals meet to exchange illegal goods, for example, a drug transaction on a street corner. A black market can also exist online, such as on the dark web, where individuals communicate to exchange goods and payments are made in digital currencies.

What Is an Example of a Black Market?

An example of a black market would be the human trafficking market that engages in the capture of people throughout the world and their sale into various areas, such as forced labor and prostitution.

Is the Black Market Illegal?

All black markets are illegal.

Why Is It Called the Black Market?

There are various theories as to why it is called the "black" market. These include the association of the word black with shadows and darkness, with the markets that continued to sell slaves after abolition, and the association of the color black with anarchist groups.


Assista o vídeo: NAJBARDZIEJ POŻĄDANY CZOŁG ŚWIATA