Mary Baker Eddy

Mary Baker Eddy

Mary Baker Eddy foi a fundadora da Ciência Cristã, uma denominação protestante americana. Ela se tornou paciente de Phineas Quimby em 1862 e obteve alguns benefícios de sua "cura magnética". Mais tarde, ela declarou que o hipnotismo era ineficaz e abandonou Quimby. Depois de uma queda em 1866 que machucou sua coluna, ela "se voltou para Deus" e passou os três anos seguintes lendo e pensando sobre espiritualidade e cura.

Em 1875, ela publicou seu livro mais famoso, Ciência e Saúde. Tornou-se o livro-texto do movimento da Ciência Cristã. Ela abriu a Igreja de Cristo, Cientista em Boston em 1879. Ela morreu em Newton, Massachusetts, em 3 de dezembro de 1910.


Mary Baker Eddy sobre Raça e Escravidão

Muitas pessoas e instituições nos Estados Unidos estão passando por um sério autoexame sobre a questão racial agora. Os cientistas cristãos devem olhar para o legado de Mary Baker Eddy na questão de raça e escravidão. Cresci acreditando que Mary Baker Eddy foi uma corajosa abolicionista enquanto vivia no Sul, defendendo com ousadia a igualdade e a justiça para todos com grande custo pessoal. Essas são as histórias que ela contou sobre si mesma décadas depois. A certa altura, quis escrever um livro sobre Mary Baker Eddy, a corajosa abolicionista. Em 2011, me mudei para Raleigh, Carolina do Norte, e enquanto lá comecei a pesquisar o tempo da Sra. Eddy nas Carolinas. A imagem que surge com base em pesquisas futuras não é consistente com as histórias que ela contou sobre si mesma muitas décadas depois. Na verdade, eles revelam exatamente o oposto.

Décadas depois de seu tempo no Sul, a Sra. Eddy falou de si mesma como tendo sido uma abolicionista declarada [1]. Mas não há evidências para apoiar essa afirmação. Na verdade, todas as evidências que temos mostram que em 1844 ela fez campanha com entusiasmo contra os candidatos abolicionistas e moderados [2], literalmente comparando os moderados aos demônios [3], enquanto apoiava políticos pró-escravidão [4]. Ela apoiou políticos pró-escravidão mesmo quando a maioria da Carolina do Norte votou contra seu candidato. Décadas depois, ela alegou ter libertado os escravos de seu marido após sua trágica morte. [5] Mas não há evidências para apoiar essa afirmação. Na verdade, não há evidências de que seu marido já tenha possuído escravos. [6] Não há evidências de que ela libertou os escravos, o que era ilegal na Carolina do Sul e teria exigido um ato especial da legislatura da Carolina do Norte. [7] Décadas depois, ela contou histórias de um daqueles escravos que a salvou heroicamente dos ladrões após a morte de seu marido. [8] Mas não há nenhuma evidência para apoiar essa afirmação. Na verdade, ela contou histórias mutuamente contraditórias, [9] e ao contá-las afirmou que seu pai era um forte abolicionista [10] & # 8211 quando todas as evidências apontam para ele odiar Abraham Lincoln [11] e, como o irmão de Mary, Albert Baker [12], sendo um firme anti-abolicionista [13]. Décadas mais tarde, a Sra. Eddy disse que se opôs abertamente à sua família na questão da abolição nas eleições de 1852. [14] Mas não há nenhuma evidência para apoiar essa afirmação. Na verdade, ela se opôs ao candidato abolicionista ao Senado em 1852, que a maioria do estado de New Hampshire apoiava, e fez campanha para seu oponente. [15] Se ela fosse uma abolicionista, não teria feito um comentário passageiro, dizendo que não gostou muito do livro Cabine do tio Tom. [16] Em história após história, ela se retrata em termos heróicos, vivendo uma vida grandiosa e romantizada. Mas os fatos documentáveis ​​não apóiam nenhuma de suas afirmações. Na verdade, eles apontam na direção oposta.

Décadas após a abolição da escravidão, ela comparou a Ciência Cristã ao movimento de abolição em Ciência e Saúde. Em 1891, ela acrescentou a esta declaração uma referência ao escravo africano estar "no plano de vida mais baixo". [17] Mais tarde, ela revisou esta declaração para se referir meramente ao escravo como estando "no plano mais baixo da vida humana". [18] Em uma conversa particular, décadas após a Guerra Civil, ela se referiu ao "negro" daqueles dias como estando no plano mais baixo da vida humana, e ela disse a um professor de Ciência Cristã que estava ensinando afro-americanos que eles deveriam parar de ensinar eles [19], e não deveriam ensinar a Ciência Cristã aos afro-americanos antes de metade do mundo se tornar Cientista Cristão. [20] Em Ciência e Saúde, ela contrastou os "Homens Vermelhos" com as "raças mais iluminadas". [21]

Embora seus defensores possam dizer que ela era apenas uma mulher de sua época, ela estava fora de sintonia com os eleitores de New Hampshire e da Carolina do Norte enquanto fazia campanha pelos políticos pró-escravidão, e ela também sustentava ensinamentos raciais amplamente denunciados e desacreditados. Na verdade, Mary Baker Eddy seguiu um ensino herético que afirma que a "raça anglo-saxã" era a real tribos perdidas de Israel, e que os ingleses e brancos americanos eram o povo escolhido de Deus. Essa teoria anglo-israelense foi amplamente ridicularizada e denunciada por cristãos e historiadores por décadas antes que a Sra. Eddy a adotasse publicamente. Este ensino é completamente herético, completamente antibíblico e completamente infundado na história. Mary Baker Eddy escreveu com aprovação de um autor (C.A.L Totten) que defendeu o ensino anglo-israelense em seus muitos livros, incluindo Nossa raça [22]. Ela apoiou e encorajou vários de seus alunos que seguiram esse ensino anglo-israelense. [23] Ela pensou que se as conexões anglo-israelenses pudessem ser mostradas, isso provaria algum tipo de autoridade espiritual e superioridade para ela. [24] Alguns de seus alunos que acreditavam neste ensino acreditavam que a Sra. Eddy poderia ser provada ser a herdeira do trono de Davi e com direito a ser Rainha da Inglaterra. [25] Ela se referiu, em uma conversa particular, à Ciência Cristã como uma "religião anglo-saxônica". [26] Ainda em 1898, em um poema publicado em jornais de Boston, The Christian Science Journal, e Miscelânea ela se referiu ao povo da Inglaterra e dos Estados Unidos como "Anglo-Israel" e "raça cetro de Judá". Longe de defender a igualdade universal, ela articulou claramente em seus escritos publicados que os anglo-saxões são o povo escolhido de Deus.

Apesar de todas as suas afirmações, as evidências mostram que ela oposto abolição. Suas histórias sobre a libertação de escravos eram apenas histórias, com o objetivo de pintá-la como uma figura heróica & # 8211, como todas as suas histórias sobre si mesma o fizeram. Na verdade, ela considerava “o escravo africano” e “o negro” no plano de vida mais baixo. Ela se apegou a um ensino totalmente herético e completamente ridículo de que a raça anglo-saxã era o povo escolhido de Deus. Longe de ser uma abolicionista heróica e defensora da igualdade, Mary Baker Eddy foi uma fabulista serial e uma defensora implacável de ensinamentos indefensáveis ​​sobre a superioridade da raça anglo-saxônica.

Tanner Johnsrud foi um cientista cristão de quinta geração e um praticante listado no Journal por mais de uma década. Ele e sua esposa deixaram a Ciência Cristã em 2017 e se tornaram cristãos. Ele está atualmente trabalhando em um livro sobre o desenvolvimento dos ensinamentos e afirmações de Mary Baker Eddy sobre ela mesma.

[1] Reverendo Irving C. Tomlinson, M.A. C.S.B. Doze anos com memórias e experiências de Mary Baker Eddy. (Boston: The Christian Science Publishing Society, 1996.) 19

[2] Robert Peel Mary Baker Eddy: Anos de Descoberta. (Nova York: Holt, Rinehart e Winston.) 71

[3] Ernest Sutherland Bates e John V Dittemore. Mary Baker Eddy: a verdade e a tradição. (Nova York: Knopf, 1932.) 33-35

[4] Gillian Gill Mary Baker Eddy. (Cambridge, Massachusetts: Perseus Books.) 66

[5] Lyman P. Powell. Mary Baker Eddy Um retrato em tamanho real. (Nova York: Macmillan, 1930.) 81.

Julia Michael Johnston. Mary Baker Eddy: sua missão e triunfo. (Boston: The Christian Science Publishing Society. 1998.) 15

[7] Casca Anos de descoberta, p. 323 nota 2

[11] Revista McClure de janeiro de 1907. Volume XXVIII, No. 3. p. 229.

[13] Casca Anos de descoberta, p. 320 n. 93

[14] Sibyl Wilbur. A Vida de Mary Baker Eddy. (Nova York: Concord Publishing Co., 1908.) 52-54.

[16] Peel, vol 1, p. 88 A carta foi escrita em 1º de janeiro de 1853, mas não é citada em Peel. Evidentemente, ele existe nos arquivos da biblioteca The Mary Baker Eddy.

[17] Ciência e Saúde 61ª Edição, pp. 121-122 (1891)

[18] Ciência e Saúde 257ª Edição, p. 225 (1902)

[19] Elizabeth Earl Jones Sra. Eddy na Carolina do Norte e Memórias pp. 109-110

[20] (Bliss Knapp e Eloise M Knapp & # 8211 seu livro 1953.) Isto é de um bloco de notas mantido por Eloise Knapp, esposa de Bliss Knapp. Ele está localizado nos arquivos do Principia College.

[21] Ciência e Saúde 26ª Edição, p. 357.

[22] Mary Baker Eddy e Biblical Prophecy p. 17

[23] Peel Years of Authority pp. 116-117

Richard Nenneman. Peregrino Persistente: A Vida de Mary Baker Eddy. Etna, New Hampshire: Nebbadoon Press. 1997. 250-251

[24] Robert Peel Mary Baker Eddy: anos de autoridade. Nova York: Holt Rinehart Winston, 1977. 117

[25] Casca Anos de autoridade 116.

[26] Elizabeth Earl Jones Sra. Eddy na Carolina do Norte e Memórias. 109-110


Carruagens e trenós de Mary Baker Eddy

Este programa virtual, projetado para alunos do K ao 5º ano, explorará algumas das diferentes formas de transporte usadas por Mary Baker Eddy durante o século 19 e o início do século 20. Os alunos aprenderão sobre vários de seus veículos e sobre seus amados cavalos que puxavam suas carruagens e trenós. O programa incluirá uma visão de perto de uma das carruagens da Sra. Eddy atualmente em exibição no Museu Longyear, bem como um conjunto de sinos de trenó de nossa coleção e um pequeno vídeo mostrando trenós em ação aqui na Nova Inglaterra. Estamos ansiosos para recebê-lo e sua família e jovens amigos neste programa!

Recomendado para alunos do jardim à 5ª série.

Entre em contato conosco em [email protected] se tiver alguma dúvida sobre o programa.

Inscreva-se para Um instantâneo da história: Mary Baker Eddy e carruagens e trenós # 8217s agora!

REGISTRE-SE AGORA & # 8211 13h
REGISTRE-SE AGORA & # 8211 16h

Imagem acima: “American Homestead Winter”, litografia de Currier & amp Ives.


Casa de Mary Baker Eddy

Mary Baker Eddy. Cortesia da Biblioteca do Congresso. Mary Baker Eddy House, Lynn, MA. Cortesia de Judy Wellman.

Casa de Mary Baker Eddy, 8 Broad Street, Lynn, Massachusetts

Nascida em 16 de julho de 1821, Mary era a caçula de seis filhos da família Baker. Ela passou grande parte de sua juventude com doenças crônicas. Ela recebeu uma educação de homens que a apoiaram em sua vida, apesar de sua doença. Seu treinamento religioso refletia o protestantismo da Nova Inglaterra do início do século 19, embora ela discordasse da doutrina da predestinação. Durante sua educação inicial, ela se interessou por escrever.

Quando jovem, Eddy enfrentou a perda de várias pessoas importantes - seu irmão, seu primeiro marido, sua mãe e um novo noivo. Ainda com a saúde frágil, Eddy tentou se sustentar, mas escrever e ensinar não conseguiram sustentá-la. Ela se casou novamente, mas essa escolha foi difícil porque seu marido a abandonou por meses a fio. Ela finalmente recebeu o divórcio sob a alegação de adultério.

Essas experiências, sua fragilidade e suas perguntas sobre a predestinação a levaram a pesquisar o papel da mente na cura de doenças físicas. Ela tentou uma variedade de práticas médicas alternativas, que tiveram um efeito mínimo por um tempo limitado. Então, ela teve o que ela descreveu como uma epifania: que a fonte de doenças físicas poderia ser resolvida com fé e foco mental. Na década seguinte, de 1866 a 1875, ela desenvolveu e aplicou o método científico de usar a mente por meio do "Princípio divino sempre operativo", pelo qual ela se referia a Deus.

Em 1875, ela comprou uma casa em Lynn MA, começou a lecionar e concluiu seu livro seminal Ciência e saúde. Nele, ela delineou um método de cura que esperava reformar a prática religiosa na igreja cristã por meio de um retorno ao “cristianismo primitivo”, como ela passou a chamá-lo. O livro passaria por várias revisões e impressões, se tornaria um dos livros mais influentes sobre espiritualidade já escrito por um americano e ajudaria a lançar uma nova denominação. A esperança inicial de Eddy de reformar as crenças religiosas existentes cedeu após várias rejeições por parte do público. No entanto, seus próprios seguidores cresceram e juntos formaram uma nova Igreja de Cristo (Cientista).

O movimento da Ciência Cristã cresceu rapidamente durante a década de 1880. Eddy deu aulas em Boston e em Chicago, onde viajou para ensinar aqueles que expressavam interesse pela Ciência Cristã no meio-oeste e além. Ela criou e editou uma revista mensal chamada The Christian Science Journal fundou a National Christian Scientist Association e adicionou uma classe normal em sua faculdade para educar professores treinados de Ciência Cristã para espalhar a religião enquanto eles organizavam suas próprias aulas em todo o país.

À medida que crescia o interesse público pela Ciência Cristã, também crescia a crítica pública - especialmente dos bastiões gêmeos do clero e da instituição médica. Ambos se sentiram ameaçados pela incursão deste outlier em seu território, e ambos se ressentiram das deserções de suas fileiras. A afronta foi agravada pelo fato de Eddy ser uma mulher.

Embora as questões feministas nunca tenham sido o principal impulso do trabalho de Eddy, sua vida oferece um excelente exemplo de uma mulher rejeitando os papéis convencionais de gênero e criando um espaço para si mesma fora das restrições sociais do final do século 19 e início do século 20. Seu movimento reconheceu uma Deidade de gênero duplo e valorizou as contribuições de ambos os sexos igualmente. Desde o início, as mulheres desempenharam um papel fundamental no movimento da Ciência Cristã, como curadoras, professoras, conferencistas, editoras e oficiais da igreja. Ao fundar e liderar um movimento de sucesso de âmbito nacional e eventualmente internacional, sua vida espelhou e exemplificou as correntes sociais do final do século 19, à medida que as mulheres expandiam seus papéis tradicionais na sociedade.

A casa na 8 Broad Street em Lynn, MA provou ser o melhor local para reconhecer as contribuições de Eddy para os Estados Unidos. Ela comprou esta como sua primeira casa. Ela completou e publicou sua declaração teológica mais importante, Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, aqui. Nesta casa, ela ensinou e pregou formalmente, levando ao estabelecimento de uma igreja e faculdade. Ela estabeleceu a base para sua organização religiosa que lançou uma trajetória que a levaria ao cenário nacional e além. O Museu Longyear restaurou a casa após sua compra em 2007.

O National Collaborative for Women’s History Sites, a pedido do National Park Service, Northeast Division, trabalhou com o Longyear Museum para propor a casa de Eddy como um marco histórico nacional em 2016. O museu concluiu e apresentou a proposta ao NPS em dezembro de 2018.


Obtenha uma cópia


Mary Baker Eddy - História

Mary Baker Eddy viveu em Lynn, no número 8 da Broad Street, de 1875 a 1882. O local histórico passou por uma grande restauração. Esta foi a primeira casa de propriedade da autora, editora, palestrante e curandeira Mary Baker Eddy, onde ela terminou de escrever e publicou a primeira edição de seu trabalho principal, "Ciência e Saúde", em 1875.

Monumento a Mary Baker Eddy em Lynn

A prefeita de Lynn, Judith Flanagan Kennedy, rededicou o monumento histórico de Mary Baker Eddy em Lynn, criado pelo escultor e nativo de Lynn, Reno Pisano.

A homenagem é um reconhecimento aos 145 anos que se passaram desde a descoberta da Ciência Cristã, que foi o resultado da cura de Eddy & rsquos de uma queda crítica no gelo neste local em 1866. O monumento está localizado na esquina de Oxford com a Market Street aqui em Lynn, Massachusetts.

A cerimônia de rededicação do prefeito Kennedy é um lembrete oportuno de que todo esse legado mundial de Mary Baker Eddy começou aqui em Lynn.

o Lynn Reporter publicou um pequeno artigo sobre sua condição em sua edição de 3 de fevereiro de 1866. Não se esperava que sobrevivesse, três dias após a queda ela foi curada enquanto lia sua Bíblia. Sua busca para entender como essa recuperação ocorreu a levou à descoberta da Ciência Cristã. Esse acontecimento no meio de sua vida se tornou o momento decisivo em sua busca por saúde e um método divinamente científico de cura.

Cem anos atrás, quando ela faleceu em 3 de dezembro de 1910 aos 89 anos, Mary Baker Eddy era um nome conhecido. Centenas de homenagens apareceram em jornais de todo o mundo, incluindo The Boston Globe, que escreveu: & ldquoShe fez um trabalho maravilhoso & mdashan extraordinário no mundo e não há dúvida de que ela foi uma influência poderosa para o bem. & rdquo

Em 1907 Vida humana a revista proclamou Eddy & ldquot a mulher mais famosa, interessante e poderosa da América, se não do mundo hoje. & rdquo Seu legado e idéias continuam a deixar uma marca profunda hoje, mas seu nome e história diminuíram no reconhecimento público.

Susan B. Anthony certa vez escreveu publicamente em apoio a Eddy. Clara Barton ao comentar sobre a Ciência Cristã no Nova iorque americana disse & ldquoEstá fazendo mais no mundo hoje e continuará a fazê-lo à medida que mais pessoas se tornem cientes da beleza de seus ensinamentos do que qualquer outra influência para o bem. & rdquo Até mesmo Mark Twain, um crítico da Ciência Cristã, confidenciou: & ldquoQuando não conhecemos uma pessoa & ndash e também quando o conhecemos & ndash temos que julgar o tamanho e a natureza de suas realizações em comparação com as realizações de outros em sua linha especial de negócios & ndash não há outra maneira. Medido por esse padrão, já se passaram 1.300 anos desde que o mundo produziu alguém que pudesse alcançar a cintura da Sra. Eddy & rsquos. & Rdquo Ele também comentou: & ldquoDe várias maneiras, ela é a mulher mais interessante que já existiu, e a mais extraordinária. & Rdquo

O legado de Lynn como a & ldquoCity of Firsts & rdquo foi enriquecido como resultado das conquistas inovadoras de Eddy & rsquos que começaram em Lynn. Aqui, ela lutou para compartilhar sua descoberta e ser ouvida em uma época em que as mulheres não podiam votar e eram geralmente proibidas de participar do púlpito, dos seminários e da profissão médica. Seus primeiros trabalhos de cura na prática da Ciência Cristã começaram em Lynn. Ela disse que “a Bíblia contém a receita para todas as curas”. Uma delas incluía curar um garotinho de pés tortos enquanto estava com ele na costa de Lynn. O início de uma nova religião nasceu aqui, bem como os primeiros passos para a formação de uma igreja mundial. Em Lynn, o primeiro discurso público sobre a Ciência Cristã foi proferido em 23 de maio de 1875 por Eddy no Concert Hall na Market Street: & ldquoChrist Healing the Sick. & Rdquo Em junho, os primeiros serviços de domingo foram realizados no Good Templars Hall. Em 31 de janeiro de 1881, ela fundou e recebeu uma carta patente para seu Massachusetts Metaphysical College.

De seu estudo da Bíblia veio seu trabalho principal, Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, que ela completou e publicou em 1875 enquanto vivia em Lynn na 8 Broad Street. Sua casa agora é uma parada histórica na trilha da Área do Patrimônio Nacional de Essex. O filósofo Bronson Alcott escreveu que seu trabalho tinha "o selo de inspiração". Em 1992, seu livro foi nomeado "um dos 75 livros de mulheres cujas palavras mudaram o mundo" pela Associação Nacional do Livro de Mulheres.


1 Para um relato da doação, consulte Peel, Robert, Mary Baker Eddy: The Years of Authority (Boston: Christian Science Publishing Society, 1982), 9-10 Google Scholar.

2 Mary Baker Eddy, "Pond and Purpose", Escritos diversos 1883-1896, no Prosa Obras Diferentes de Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras (Boston: The First Church of Christ, Scientist, 1924), 206.

3 Eddy, Mary Baker, Não e sim, em Prose Works Other Than Science and Health with Key to the Scriptures (Boston: The First Church of Christ, Scientist, 1925) Google Scholar, 45, 46. Publicado pela primeira vez em 1891.

4 Ver Stark, Rodney e Bainbridge, William, The Future of Religion: Secularization, Revival and Cult Formation (Berkeley: University of California Press, 1985), 237-238 CrossRefGoogle Scholar. Os autores citam um censo de 1926 sobre a membresia religiosa nos Estados Unidos, no qual a divisão por gênero para a Ciência Cristã é de 75,5% do sexo feminino em comparação com uma estatística de 55,7% do sexo feminino para a membresia geral da igreja nos Estados Unidos. Um censo de 1906, publicado em Corpos religiosos: 1906, vol. 2 (Washington: Government Printing Office, 1910), apresentou uma divisão de gênero para a Igreja de Cristo, Cientista, nos Estados Unidos, como 72 por cento feminino. Eu conduzi uma análise de gênero da lista de Praticantes da Ciência Cristã (curandeiros) na edição de dezembro de 1910 da The Christian Science Journal. Meus resultados deram um número aproximado de 89 por cento do sexo feminino para os praticantes da Ciência Cristã, conforme autorizado pela Igreja da Ciência Cristã nesta época: o mês e o ano da morte de Eddy.

5 Stephen Gottschalk, O Surgimento da Ciência Cristã na Vida Religiosa Americana. (Berkeley: University of California Press, 1973), 218. Embora Gottschalk identifique tal persona da Ciência Cristã como representante de apenas uma minoria de Cientistas Cristãos, sua análise indica sua proeminência nas percepções da cultura da Ciência Cristã. Por exemplo, ele também comenta no mesmo parágrafo que "alguns dos seguidores mais etéreos da Sra. Eddy afetavam um tom de voz estridente e superficialmente doce - de modo que Ezra Pound, por exemplo, pudesse identificar prontamente uma mulher a quem ele se referia em uma carta como tendo uma 'voz da Ciência Cristã' ”. Ver Paige, DD, ed., The Letters of Ezra Pound, 1907–1941 (New York: 1950), 17Google Scholar, citado em Gottschalk, O Surgimento da Ciência Cristã na Vida Religiosa Americana, 218.

6 Putney, Clifford, Muscular Christianity: Manhood and Sports in Protestant America, 1880–1920 (Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 2001), 144Google Scholar.

7 Começando com a quinquagésima edição histórica da Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras (1891), Eddy incluiu um novo capítulo, intitulado “Ciência, Teologia, Medicina”, no qual ela discutiu sistematicamente a Ciência Cristã em relação a essas disciplinas.

8 Gottschalk argumentou que “a Ciência Cristã é melhor entendida como uma interpretação pragmática da revelação cristã”. Gottschalk, O Surgimento da Ciência Cristã na Vida Religiosa Americana, 278.

9 Erwin Canham, Compromisso com a liberdade: a história do The Christian Science Monitor (Boston: Houghton Mifflin, 1958), xvi. Canham ocupou as seguintes posições editoriais em The Christian Science Monitor: editor-chefe (1941–1944), editor (1945–1964) e editor-chefe (1964–1974).

10 “Sr. Thomas Hughes e seu endereço ”, Suplemento Harvard Advocate 10, não. 1 (Cambridge, Massachusetts, 14 de outubro de 1870).

11 Winn, William E., “ Tom Brown's Schooldays and the Development of ‘Muscular Christianity’, Church History 29, no. 1 (março de 1960): 73CrossRefGoogle Scholar, https://doi.org/10.2307/3161617.

12 Ver Brett McCay e Kate McCay, "When Christianity Was Muscular", em Cristianismo muscular: a relação entre os homens e a fé (Jenks, Okla .: Sempre Vigilis, 2018), cap. 3, Kindle. Eles observam que "o movimento do Cristianismo Muscular nunca foi oficialmente organizado ou liderado por uma única pessoa, mas sim uma tendência cultural que se manifestou de maneiras diferentes e foi apoiada por várias figuras e igrejas - predominantemente aquelas da variedade protestante liberal e de linha principal . ”

13 Putney, Cristianismo Muscular, 7.

14 Veja Putney, Cristianismo muscular, 69–70.

15 Luther Gulick, "What The Triangle Means", Era dos jovens, 18 de janeiro de 1894.

16 Gulick, "What The Triangle Means".

17 Putney, Clifford, "Luther Gulick: His Contributions to Springfield College, the YMCA, and‘ Muscular Christianity ’," Historical Journal of Massachusetts 39, no. 1-2 (verão de 2011): 158Google Scholar. O avô de Luther Gulick, Peter Gulick, assumiu a causa missionária cristã na década de 1820, aceitando uma nomeação em 1827 do Conselho Americano de Comissários para Missões Estrangeiras (ABCFM) para servir no Reino do Havaí. Os descendentes subsequentes de Peter Gulick também assumiram carreiras e cargos como missionários em terras estrangeiras.

18 Gulick, "What The Triangle Means."

19 Gulick, "What The Triangle Means".

20 Putney, Cristianismo muscular, 72.

21 Mary Baker Eddy escreveu isso em uma passagem sobre "Testemunhos" para o Manual da Igreja Mãe, A Primeira Igreja de Cristo, Cientista, em Boston, Massachusetts (Boston: Christian Science Publishing Society, 1895), 47.

22 Ver Putney, Cristianismo muscular, 150–153.

23 Ver Mary Farrell Bednarowski, Novas religiões e a imaginação teológica na América (Bloomington: Indiana University Press, 1989), 34. Embora Bednarowski tenha observado que os pontos de vista da Ciência Cristã como gnósticos são “enganosos”, ela também reconheceu sua preponderância.

24 Ver Williams, Peter, Popular Religion in America: Symbolic Change and the Modernization Process in Historical Perspective (Urbana: University of Illinois Press, 1989), 132Google Scholar.

25 Ver Sydney Ahlstrom, "Harmonial Religion desde o final do século dezenove", em Uma história religiosa do povo americano, 2ª ed. (1ª ed. 1972 New Haven, Conn .: Yale University Press, 2004), 1019–1036. Ahlstrom identifica o “pensamento harmonial” como uma tendência importante na religiosidade americana. Ainda assim, ele destaca “Ciência Cristã”, “Novo Pensamento” e “Pensamento Positivo” como “modos principais” dessa orientação espiritual.

26 Ahlstrom, "Religião Harmonial desde o Final do Século XIX", 1019.

27 Catherine Albanese, Uma República da Mente e do Espírito: Uma História Cultural da Religião Metafísica Americana (New Haven, Conn .: Yale University Press, 2007), 295.

28 Stephen Gottschalk, Rolling Away the Stone: Mary Baker Eddy's Challenge to Materialism (Bloomington: Indiana University Press, 2006), 364.

29 Putney, Cristianismo muscular, 150.

30 Eddy, Manual da Igreja Matriz, 41, aconselhou: “Quando for necessário mostrar o grande abismo entre a Ciência Cristã e a teosofia, o hipnotismo ou o espiritualismo, faça-o, mas sem palavras duras.” Sobre Helen Van Anderson como "uma das melhores missionárias de Hopkins", ver Beryl Satter, Cada Mente, um Reino: Mulheres Americanas, Pureza Sexual e o Movimento do Novo Pensamento, 1875–1920 (Berkeley: University of California Press, 1999), 116 e ver Charles Braden, Espíritos em rebelião: a ascensão e o desenvolvimento do novo pensamento (Dallas: Southern Methodist University Press, 1963), 140–141. De acordo com Braden, Hopkins recebeu instrução em Ciência Cristã de Mary Baker Eddy em dezembro de 1883. A partir de setembro de 1884, ela serviu como editora de The Christian Science Journal e posteriormente "foi demitido do cargo de editor em outubro de 1885." Além disso, para uma entrada biográfica sobre Hopkins, consulte os números de acesso. 550.58.010–550.58.027, The Mary Baker Eddy Papers, acessado em 11 de novembro de 2020, https://marybakereddypapers.org. Lê-se em parte que Hopkins “foi aluna de Mary Baker Eddy, tendo aulas de ensino fundamental em dezembro de 1883”, e que “ingressou na Christian Scientist Association (CSA) em 1884 e foi brevemente editora interina da The Christian Science Journal.”

31 Mary Baker Eddy, “Perguntas Respondidas,” The Christian Science Journal 5, não. 1 (abril de 1887): 25.

32 Para uma análise da relação entre Espiritualismo e Teosofia, ver Stephen Prothero, "From Spiritualism to Theosophy:‘ Uplifting ’a Democratic Tradition," Religião e cultura americana: um jornal de interpretação 3, não. 2 (Summer 1993): 197-216 e ver Robert Ellwood e Catherine Wessinger, "The Feminism of‘ Universal Brotherhood ’: Women in the Theosophical Movement," em Liderança feminina em religiões marginais: exploração fora do mainstream, ed. Catherine Wessinger (Urbana: University of Illinois Press, 1993), 69. Eles escrevem que os fundadores da Sociedade Teosófica Helena Blavatsky e Henry Steele Olcott “acreditavam que se as realidades não substanciais de que o Espiritismo sugeria poderiam ser penetradas e unidas à ciência do espírito progressista do dia, então a unidade da vida pode ser novamente apreendida. ”

33 Boston Daily Globe, 7 de janeiro de 1895.

34 Ver A10835B, The Mary Baker Eddy Collection, The Mary Baker Eddy Library.

35 L. L. Doggett, História da Associação Cristã de Jovens de Boston (Boston: Young Men's Christian Association, 1901), p. 72.

36 Mary Baker Eddy, Ciência e Saúde, vol. 1, 3ª ed. (Cambridge, Mass .: University Press, 1881), 233 (doravante citado como Ciência e Saúde [1881]).

37 Ver Ann Douglas, "The Loss of Theology: From Dogma to Fiction", em A Feminização da Cultura Americana (Nova York: Farrar, Straus e Giroux, 1977), 121-164.

38 Douglas, "The Loss of Theology", 124.

39 Mary Baker Eddy, Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras (Boston: Christian Science Publishing Society, 1934), 227 (doravante citado como Ciência e Saúde [1934]).

40 Mary Baker Eddy, Cientista da Primeira Igreja de Cristo e Miscelânea (Boston: First Church of Christ, Scientist, 1913), 218.

41 Charles Howard Hopkins, História do Y.M.C.A. na América do Norte (Nova York: Association Press, 1951), 246.

42 Hopkins, História do Y.M.C.A. na América do Norte, 254-255. Gulick leu este discurso na vigésima nona convenção internacional das Associações Cristãs dos Rapazes, Kansas City, Missouri, 9 de maio de 1891. Ver Era dos jovens, 26 de novembro de 1891.

43 Mary Baker Eddy, "Christian Science in Tremont Temple", Escritos Diversos, 1883-1896, no A prosa funciona além da ciência e saúde com a chave para as Escrituras (Boston: The First Church of Christ, Scientist, 1925), 96.

44 A ênfase inicial da Sociedade Teosófica no Espiritualismo tornou-o atraente para as mulheres da comunidade espiritualista. Veja "Teosofia", em junho Melby Benowitz, ed., Enciclopédia de Mulheres e Religião Americanas, 2ª ed. (Santa Bárbara, Cali: ABC-CLIO, 2017), 597.

45 Bandeira de Luz, 10 de novembro de 1866, p. 2, citado em Ann Braude, Espíritos radicais: espiritualismo e direitos das mulheres na América do século XIX (Boston: Beacon Press, 1989), 83.

46 Peel, Mary Baker Eddy: os anos de autoridade, 10.

47 Ver Eddy, “Pond and Purpose”, 203–204.

48 William James, Vale a pena viver a vida? (Filadélfia: S. Burns Weston, 1896), 61.

49 Ver Eddy, “Pond and Purpose”, 204.

50 Eddy, "Pond and Purpose", 205.

51 Eddy, “Pond and Purpose”, 205–206.

52 Nono Novo Dicionário Universitário Webster (Merriam Webster, 1991) data a origem do termo “trânsito rápido” em 1873.

53 Eddy, “Pond and Purpose”, 206.

54 Eddy, "Pond and Purpose", 207.

55 Ver Donald Meyer, "The Scientific Humanism of G. Stanley Hall", Journal of Humanistic Psychology 11, não. 2 (outubro de 1971): 201-213. Meyer observa: “Em 1904, Hall revelou as dimensões mais amplas de sua‘ antropologia superior ’quando publicou seu maior trabalho, Adolescência. ” Meyer describes Hall's view of adolescence as “an especially crucial time in a person's growth because, in this period, the higher sensibilities develop and the ideals of love and service take form.” Meyer, “The Scientific Humanism of G. Stanley Hall,” 209.


Mary Baker Eddy

The church founded by Mary Baker Eddy, known as Christian Science, is built upon the premise that sickness and death have no basis in reality because matter itself is unreal. They are illusions produced by unbelief and the failure to understand the true concept of God.

Christian Science is best known today from the refusal of its followers to take medication or to consult a doctor. Eddy believed that reality, created by God and therefore inherently good, could not contain anything not good, such as poverty, suffering, and death. The illusion ended for Mary Baker Eddy on December 3, 1910, when she suffered a very real death resulting from pneumonia.

Mary Baker was born in New Hampshire on July 16, 1821. Her childhood was filled with frequent periods of sickness, physical and emotional, for which she was treated with morphine and hypnotism. This era saw the rise of many enthusiasms such as mesmerism, spiritualism, Quakerism, and Mormonism, all of which influenced her philosophy.

She claimed that after a fall on the ice in 1866 which left her with crippling injuries (later denied by the attending doctor in a signed affidavit) she rediscovered the secrets of faith healing used by Christ which were lost when the early Christian church apostatized. She proceeded to write down these spiritual laws in a textbook, published in 1875, known as S cience and Health with Key to the Scriptures.

Eddy claimed the book was dictated to her directly by God. Of its authorship she said, “I should blush to write a Science and Health with Key to the Scriptures as I have, were it of human origin, and I, apart from God, its author but as I was only a scribe echoing the harmonies of heaven in divine metaphysics, I cannot be super-modest in my estimate of the Christian Science textbook.” In actual fact this work, considered by her followers to be of equal importance to the Bible, is of human origin. It is largely the result of plagiarism, the remainder being the pantheistic ramblings of Eddy herself.

The plagiarized material, much verbatim, was taken from the writings of P. P. Quimby and Francis Lieber.

Quimby was a hypnotist and faith healer who had previously treated Eddy and had won from her adoration and published endorsements. He coined the terms “Science of Health” and “Christian Science” to describe his theories which he compiled in a work titled Questions and Answers . A copy of this exists with corrections in Mary Baker Eddy’s own handwriting.

Lieber had produced a manuscript on the metaphysics of the philosopher Hegel, and Eddy freely copied from it. Newspapers of the day unmasked the plagiarism, O jornal New York Times of July 10, 1904 printing parallel columns of Eddy and Quimby for comparison.

Christian Science purports to be a Christian organization. It borrows heavily from the Christian vocab-ulary but denies all the fundamental Christian dogmas. It rejects the belief in a personal God, the Trinity, the divinity of Christ, the existence of sin and the devil, the Resurrection, and heaven and hell. Instead Christian Science substitutes a vague pantheism. Referring to its textbook, Mark Twain wrote, “Of all the strange and frantic and incomprehensible and uninterpretable books which the imagination of man has created, surely this one is the prize sample.”

When her third husband, Asa Eddy died, Mary Baker Eddy convinced a coroner to change the cause of death from heart attack to “arsenic poisoning mentally administered.” In a letter to the Boston Post she insisted that former students had used “Malicious Animal Magnetism” to kill him. “MAM” was the term used by Eddy to describe the misuse of the mental powers she was teaching others to employ.

Mary Baker Eddy wished to acquire wealth. The original edition of Science and Health with Key to the Scriptures was advertised as “a book that affords an opportunity to acquire a profession by which you can accumulate a fortune.” Her followers were commanded to buy and sell copies under pain of excommunication. They were forced to buy each new edition, even though only a few words might have been changed. Eddy, who started her religion without a penny, died a millionairess.

Christian Science is a non-Christian sect masquerading as Christian. When Mary Baker Eddy was alive, perhaps some were better off reading her fanciful textbook than submitting to bloodletting and primitive surgery. (Medicine was in a primitive state by today’s standards.) But disease is real, and modern medicine often can cure it. No one should labor (and die) under the illusion that “matter and death are mental illusions.” In short, Christian Science has proved itself neither Christian nor scientific.


Imparting a Fresh Impulse: Mary Baker Eddy Teaches the Class of 1898

It had been almost a decade since Mary Baker Eddy had taught classes at her Massachusetts Metaphysical College in Boston. Hoping to ensure the highest quality teaching for the future of the Christian Science movement, in mid-November 1898 she sent messages to some seventy prospective participants from near and far, requesting that they be present at Christian Science Hall in Concord, New Hampshire, Sunday afternoon, November 20, to receive “a great blessing.”

Almost all were able to come. And when they had gathered, they found out why they had been called, as Edward A. Kimball read Mrs. Eddy’s greeting to them:

You have been invited hither to receive from me one or more lessons on Christian Science…. This opportunity is designed to impart a fresh impulse to our spiritual attainments, the great need of which I daily discern. I have awaited the right hour, and to be called of God to contribute my part towards this result. 1

The class consisted of two lessons, Mrs. Eddy examining the spiritual fitness of the students, taking them higher in their understanding of God, and preparing them for the work that lay ahead. The Christian Science movement had come a long way in the thirty-two years since the discovery that impelled it, but it still needed the inspired wisdom of its Leader to temper and hone its momentum, and to establish its teaching on a sound and consistent basis.

The year 1898 brought significant action on the part of Mrs. Eddy for her church. Refining some functions within the organization brought progressive steps, including the establishment of The Christian Science Board of Lectureship, the Christian Science Sentinel, and the Board of Education. And in November, having become increasingly concerned over the quality of teaching in the Christian Science field, Mrs. Eddy decided to teach again. It would be the class of 1898, a significant event as time would tell, and her last class.

Letters or telegrams went out to some seventy people to be at Christian Science Hall in Concord at the appointed hour. Those invited were not only from nearby, but also from greater distances — the western, midwestern, and southern United States, and Canada, England, and Scotland. A “great blessing” was promised, but no specific information as to the nature of the blessing was given. And the invitations were strictly confidential. Students were told about the class when they had gathered, and why confidentiality had been essential:

I have awaited your arrival before informing you of my purpose in sending for you, in order to avoid the stir that might be occasioned among those who wish to share this opportunity and to whom I would gladly give it at this time if a larger class were advantageous to the students. 2

Christian Science Hall Concord, New Hampshire. Interior and exterior photographs. Longyear Museum collection, P2304. Christian Science Hall Concord, New Hampshire. Interior and exterior photographs. Longyear Museum collection, P2313. Stained-Glass Window. From Christian Science Hall, Concord, New Hampshire. Longyear Museum collection, AF0963.

Preparing the next generation

The class was composed of about an equal number of men and women from diverse regions, from varying walks of life, and representing varying levels of experience in their practice of Christian Science. Also invited were observers representing the press.

In a January 1898 letter to Daphne Knapp, Carol Norton, John Lathrop, and James Neal thanking them for the gift of a parasol, Mrs. Eddy addressed them, “My beloved Quartette.” About a year earlier, in December of 1896, she had recommended that these four young people become First Members of her church, an early governing body of the church.

Her reasons were clearly stated:

First, for their faithfulness in the field. Second, for the advantage to them individually. Third, from a desire to have them grow up with the First Members of the Mother Church who receive more directly my counsel and assistance. 3

When Mrs. Eddy was asked why she chose so many young people for the class, she replied, in substance, because I want my teaching carried on. — Emma C. Shipman 4

A Shared Experience

There were in the class some close family relationships — mothers and daughters, a mother and son, sisters, some husbands and wives, and even future marriage partners.

Several years after attending the 1898 class, Daisette Stocking and William P. McKenzie were married. But they had known each other since she had introduced Christian Science to him at a gathering of friends in 1891. He had been prepared for the ministry and possessed exceptional poetical and rhetorical abilities. Mrs. Eddy early perceived his talents and deeply Christian character and appointed him as one of the first members of the Christian Science Board of Lectureship in 1898, only one of many important positions he would fill in the church over the years. Daisette wore the clover-shaped gold pin (below) during the 1898 class.

Rose Cochrane and her mother, Effie Andrews, attended, as did Abigail Dyer Thompson with her mother, Emma Thompson. Of the experience Abigail wrote,

It was my blessed privilege to be a member of our Leader’s last class. Through the influence of my mother’s deep appreciation of Mrs. Eddy as God-inspired in her leadership, I was prepared to follow with absorbing interest every word of her teaching. 5

Experience lifted to higher ground

Mrs. Eddy had come to rely on workers in the Field that were strong and steady for the immense work to be done. Their resolute Christian foundations, ability to stand in the face of battle, and untiring efforts to move the Cause forward were a joy to her.

She had once referred to two of these stalwart individuals, Effie Andrews and Marjorie Colles, as “old grand soldiers,” and she invited both to partake of the class.

Judge Septimus J. and Camilla Hanna were Editor and Assistant Editor of The Christian Science Journal at the time they were invited to attend the class. This had given them a close working relationship with Mrs. Eddy, including private instruction. Camilla’s healing through Christian Science had convinced her husband to become a student, and he left his legal career and served in many responsible capacities, including First Reader of The Mother Church, a member of The Board of Lectureship, and Normal class teacher in the Christian Science Board of Education in 1907.

Certificate for Normal Class Instruction. Given to Kate Davidson Kimball after instruction by Mary Baker Eddy in the November 1898 class, Longyear Museum collection, LMDB-6018.

Edward and Kate Kimball were from Chicago, where Edward had managed a successful manufacturing business for some twenty years. As was the case for many other families, Edward’s healing through Christian Science changed the course of their lives, which became devoted to working for the Cause. Edward held several prominent positions — he was one of the first teachers appointed to the Christian Science Board of Education, and one of the first members of The Christian Science Board of Lectureship. He is said to have delivered over 1,000 lectures in nine years. The certificate (below) is the one presented to Kate Kimball after attending the 1898 class.

Sue Harper Mims had been a leader in social and public life of Atlanta, Georgia, for many years, when her healing of a long-standing illness brought her into the active practice of Christian Science. She became one of the first teachers to be established in the southeastern United States, and was appointed in 1898 to The Christian Science Board of Lectureship— one of the first women to serve in that capacity.

In her Communion address of June 4, 1899, Mrs. Eddy said, “The students in my last class in 1898 are stars in my crown of rejoicing.” 6 These words recall thoughts expressed in her earlier article, “Fidelity”:

Is a musician made by his teacher? He makes himself a musician by practising what he was taught. The conscientious are successful. They follow faithfully through evil or through good report, they work on to the achievement of good by patience, they inherit the promise…. The lives of great men and women are miracles of patience and perseverance. Every luminary in the constellation of human greatness, like the stars, comes out in the darkness to shine with the reflected light of God. 7

Student Irving C. Tomlinson writes about the class in his Twelve Years with Mary Baker Eddy: “The purpose of the gathering was not to teach the letter of Christian Science, Mrs. Eddy said, for the members were supposed to possess that knowledge. It was rather to spiritualize the Field, and she remarked to me afterward that her work with that class changed the character of the entire Field.” 8


Where is color?

Mrs. Eddy writes: "Has not the truth in Christian Science met a response from Prof. S. P. Langley, the young astronomer? He says that 'color is in nós,' not 'in the rose' and he adds that this is not 'any metaphysical subtlety,' but a fact 'almost universally accepted, within the last few years, by physicists.'" (Rudimental Divine Science, page 6.)

For additional background on Mary Baker Eddy and Natural Science, scan down to "Christian Science and Natural Science" on the Founder's page here.


Assista o vídeo: Suffering From Others Thoughts, from Unity of Good, by Mary Baker Eddy