Mansão Wyeth / Tootle

Mansão Wyeth / Tootle

A Mansão Wyeth / Tootle está localizada em 1100 Charles, em St. Joseph, Missouri. Wyeth, em 1879. A Mansão Wyeth / Tootle foi projetada por Eckel e Mann Architects no estilo gótico, com contribuições dos Wyeths, que reuniram suas próprias ideias sobre o que queriam, em uma viagem pela Europa. A mansão é destacada por seus belos trabalhos em madeira de nogueira no salão principal e os vitrais nos patamares das escadas. A mansão foi a casa da família Wyeth até 1887, quando foi comprada pela Sra. Membros da família Tootle viviam no mansão até 1946. Recentemente, a Mansão Wyeth / Tootle foi restaurada pela equipe do Museu St. Joseph. A maior parte do primeiro andar e um quarto do segundo andar foram restaurados à sua antiga elegância vitoriana.


52 Trade Houses Parte 2: The Wyeth Hardware Company

Ao longo do próximo ano, iremos detalhar a história de 52 empresas que venderam equipamentos de pesca de marca. 52 casas de comércio em 52 semanas - algumas obscuras, algumas famosas, e todas disponíveis exclusivamente aqui no Blog Pesca pela História! Se você tiver algum item do post da semana que gostaria de compartilhar conosco, envie do meu jeito e eu irei garantir que ele apareça no blog.

Para obter uma discussão sobre o que exatamente é o tratamento comercial, clique aqui. Aproveite o 52 por 52!


o - o - o - o - o - o - o - o - o - o - o - o - o - o

Trade House Tackle, Parte 2:
The Wyeth Hardware Company

A Wyeth Hardware Company de St. Joseph, Missouri, foi uma das numerosas empresas de atacado que surgiram no século XIX no Vale do Mississippi. Isso ocorre porque o rio serviu como ponto de demarcação para a migração para o oeste, e empresas como Wyeth, Blish-Mize & amp Silliman e muitas empresas de atacado de hardware em St. Louis começaram a equipar colonos.

Esta empresa em particular foi fundada por William Wyeth em 1860. Wyeth mudou-se para St. Joseph, Missouri em 1860 com sua esposa Elizabeth e fundou a W.M. Wyeth & amp Company. Ele enriqueceu muito rapidamente e, notavelmente, encomendou em 1879 uma mansão gótica de 43 quartos que hoje é um museu e um exemplo desse estilo de arquitetura. É conhecido hoje como Mansão Wyeth Tootle.


Nascido em Harrisburg, Pensilvânia, William Maxwell Wyeth (1832-1901) estava no negócio de produtos secos desde o início de 1850, mas entrou na linha de ferragens em 1856 com a Lewis & amp Wyeth, uma empresa localizada em Chillicothe, Ohio. Como afirma uma história antiga do Missouri, "Wyeth se estabeleceu em St. Joseph, Missouri, selecionando-o acima de outras localidades que ele inspecionou durante & # 8230 semanas de viagem."

Ele escolheu São José porque, como a revista Varejo faça você mesmo declarado em 1986, era "o maior ponto de venda no atacado [para trens de vagões] a oeste de St. Louis. Os trens de vagões precisavam de tudo & # 8212 potes, panelas, ferramentas, barris de água, lanternas." Wyeth forneceu-lhes os bens necessários para construir o Ocidente.

Após um desastroso incêndio em 1866, a empresa reconstruiu em bairros maiores e negociou especificamente com hardware até 1872, quando se expandiu para a fabricação de selas e arreios. Em 1881, a empresa foi incorporada como Wyeth Hardware and Manufacturing Company.

Nessa época, a empresa era uma das mais prósperas do estado, e acompanhada por seu filho Huston Wyeth, a dupla era dois dos homens de negócios mais proeminentes em toda a região. Em 1901, quando William Wyeth morreu e foi substituído como presidente da empresa por Huston, ela era uma das vinte principais empresas de atacado de hardware do país, com negócios em dez estados e uma enorme subsidiária na fabricação de selas. Em 1910, a empresa publicou uma história de Aniversário de Ouro, detalhando seu meio século de crescimento.

(Esquerda) William Wyeth (Direita) Huston Wyeth.
Como a maioria das empresas de hardware no atacado, a empresa enviou catálogos enormes, geralmente com 1.500 a 2.000 páginas. Estes aparecem ocasionalmente para venda.



Wyeth Hardware tinha dois nomes comerciais importantes. O primeiro foi o WYCO, usado em tudo, de martelos a espingardas. A segunda foi a "Marca Wyeth Shield", que foi vendida com o slogan vigoroso, "Marca Wyeth Shield, os bens em demanda". Isso era usado em tudo, desde itens domésticos até itens de hardware.



O que não se sabe é se foi marcado em algum equipamento de pesca. Eu suspeito que poderia ter sido, mas eu não vi até agora.

O que eu vi, a única peça real da marca Wyeth que encontrei, é um grande carretel de linha marcado "Linha de fundição de nylon trançado do 100º aniversário". Em algum ponto, a Wyeth começou a retratar a fundação da empresa em 1859, portanto, esse carretel em particular data de 1959.



A Wyeth Hardware and Manufacturing Company tornou-se The Wyeth Company após a Segunda Guerra Mundial e conseguiu sobreviver à década de 1960, que submeteu muitas dessas empresas. No entanto, não sobreviveu aos anos 1980. A última referência que posso encontrar a ele foi 1986.

No entanto, a empresa estava no mercado há muito tempo para ter tão poucas peças de equipamento de pesca. Tem que haver mais do que apenas bobinas de linha. Eles claramente venderam equipamentos por muitos dos mais de 120 anos em que estiveram no mercado, e se eles eram como outras empresas semelhantes, em algum lugar deve haver um carretel, haste ou outra peça de equipamento marcada WYCO ou Wyeth.

Você já viu algum equipamento de pesca Wyeth?

ATUALIZAÇÃO: Esta garrafa de verniz de haste Wyeth "Shield Brand" acabou de aparecer no eBay:


St. Joseph é conhecido por uma extensa coleção de belas mansões construídas no final de 1800, e a Wyeth Tootle Mansion na esquina da 11th Street com a Charles Streets é um excelente exemplo. Com três andares, uma torre e mais de 40 quartos, é hoje um dos melhores exemplos da riqueza e opulência de São José do final do século 19, com impressionantes carpintarias, tetos pintados à mão e vitrais importados.

Em 1879, William e Eliza Wyeth contrataram o arquiteto Edmond Eckel para projetar uma mansão semelhante aos castelos que haviam visto no rio Reno enquanto viajavam pela Alemanha. Esta mansão em estilo gótico de 43 quartos combina um exemplo das casas dos primeiros residentes proeminentes de São José com exposições sobre a história de São José.

O primeiro andar da Mansão Wyeth Tootle foi parcialmente restaurado à sua grandiosidade vitoriana. Fotografias antigas de cada sala ajudam os visitantes a visualizar o interior como era por volta de 1900. O teto de cada sala é impressionantemente diferente, desde os querubins que flutuam acima da sala Luís XVI às cores ricas e escuras que cobrem a sala mourisca. Os pisos em parquet ornamentados e os trabalhos em madeira de nogueira mudam de divisão para divisão.

História da Mansão Wyeth-Tootle

William e Eliza Wyeth se mudaram para St. Joseph em 1859, e William logo desenvolveu seu pequeno negócio de atacado e varejo na próspera Wyeth Hardware and Manufacturing Company e Wyeth Saddle Factory. Em 1879, os Wyeths mudaram-se para esta mansão com uma vista panorâmica da cidade e do rio Missouri. No entanto, eles moraram na casa por apenas oito anos.

Na primavera de 1887, os Wyeth venderam a casa para a Sra. Katherine Tootle. A Sra. Tootle era a viúva recente de Milton Tootle. O obituário de Milton o identificava como "o construtor da prosperidade de St. Joseph e o líder de sua 'Era de Ouro'. Seus interesses comerciais incluíam estabelecimentos comerciais, o Western Bank of Missouri e a Tootle Opera House. Com sua morte, ele acumulou a maior fortuna de qualquer indivíduo na cidade. A Sra. Tootle continuou com muitos de seus interesses comerciais.

Depois de comprar a casa, ela contratou a firma Pottier and Stymus de Nova York para redecorar o interior. O salão principal apresentava um teto com painéis de nogueira e uma escada elaboradamente entalhada. Os pisos de parquete, de acordo com o estilo da época, eram quase inteiramente cobertos com tapetes e móveis. Dois vitrais foram adicionados nos patamares das escadas. Um parecia uma pintura de estilo renascentista e o outro era de vitrais lindamente lapidados. Os tetos foram pintados à mão sobre tela por um artista europeu.

O filho de Katherine, Milton Tootle Jr., foi o próximo ocupante da casa. Ele e sua esposa Lillian acrescentaram uma grande varanda ao lado sul e uma sala de jantar para a família no lado sudeste. Um artigo de jornal de 1932 descreveu a casa de Milton Tootle: "Os tetos foram pintados na Europa, e as paredes foram forradas com cortinas pesadas, quase uma polegada de espessura, com apliques elaborados feitos de materiais cuja manufatura se tornou uma arte perdida. E objetos de arte encantadores por todos os lados intrigam a imaginação e ajudam na criação de uma atmosfera estética. ”

As salas do primeiro andar eram a Sala de Recepção Francesa de talha preta e dourada, a Sala de Estar Luís XVI com anjos pintados no teto, a Biblioteca, a Sala de Jantar formal, a Sala Mourisca com sua decoração do Oriente Médio, e a Antiga Sala de jantar da família americana. Na parte de trás do primeiro andar ficava a sala de jantar e preparação de comida dos empregados e uma cozinha.

Quando Milton Tootle Jr. morreu em 1946, a casa ficou disponível para compra. William Goetz, presidente do conselho do Museu St. Joseph, e a M. K. Goetz Brewing Company doaram o dinheiro para comprar o prédio e a cidade igualou a quantia para adaptar a casa particular em um museu público.

Edifice: The Architecture of E. J. Eckel. O arquiteto da Mansão Wyeth-Tootle e o fundador da empresa responsável por 75 por cento dos edifícios em St. Joseph. A exposição enfoca sua vida e o impacto duradouro de suas realizações.

Interseções: de tempo e edifícios.Esta exposição está alojada em três salas renovadas no segundo andar. A exposição explora as interseções de história, arte, arquitetura e humanidades, bem como o passado, presente e futuro da cidade. Profissionais de museus, preservacionistas, acadêmicos e artistas locais trabalharam juntos neste projeto inovador. Intersections é uma combinação de exposição de arte, exploração da história de São José e imaginação do papel da preservação histórica no futuro da cidade. A exposição foi criada pelo St. Joseph Museum em parceria com o Missouri Humanities Council com o apoio do National Endowment for the Humanities e Friends of St. Joseph.

Confluência: O Grande Dilúvio de 1993. Uma exposição que narra as enchentes na área de St. Joseph, incluindo a enchente em 1952 que cobriu grande parte do Parque de Diversões Lake Contrary. Os detalhes sobre as causas e impactos do Dilúvio de 1993 serão incluídos como uma lembrança catártica daqueles meses difíceis no verão de 1993, quando grande parte do Meio-Oeste estava debaixo d'água. O nome da exposição “Confluência” refere-se à fusão de rios e águas de enchentes, bem como à união de comunidades em face de um dos desastres naturais mais custosos da história.

História do Museu São José.Volte no tempo através da extensa história do Museu St. Joseph. Fundado em 1927 como Museu das Crianças, o Museu St. Joseph considerou cinco locais como sua casa ao longo do próximo século em que existe. Os itens exibidos nesta exposição são algumas das primeiras doações que estavam em exibição quando o museu foi inaugurado no anexo da Biblioteca Pública de São José. Venha aprender como nossa organização cresceu e evoluiu ao longo dos anos e o que o futuro nos reserva.


Mansão Wyeth-Tootle

Para ter um gostinho da arquitetura europeia, não deixe de visitar a Mansão Wyeth-Tootle dos Museus St. Joseph, Inc. A Mansão Wyeth-Tootle, 1100 Charles Street, St. Joseph, Missouri, oferece uma experiência acessível (e inesquecível) .

A Mansão Wyeth-Tootle não celebra apenas a arquitetura gótica e o design de interiores da era vitoriana. Ele também abriga exposições que exploram os primeiros empreendimentos locais, história natural, história cultural e até mesmo desastres naturais que moldaram a história da região.

Cada um dos três andares da mansão ornamentada de 1879 é dedicado a uma ou mais exposições históricas, a mais recente das quais é intitulada Confluence: The Great Flood of 1993. Esta exposição do terceiro andar é um acessório permanente para o museu que trata da inundação & # Efeitos físicos, econômicos e sociais da 8217s na área circundante.

As mansões de altura imponente, torre impressionante e vista notável da região do Rio Missouri foram inspiradas nas viagens dos proprietários originais e # 8217 aos castelos ao longo do Rio Reno na Alemanha. William e Eliza Wyeth contrataram o arquiteto E.J. Eckel para ajudá-los a realizar sua grande visão. A visão arquitetônica e o talento de Eckel & # 8217s deixaram uma marca duradoura na comunidade de St. Joseph, quando sua empresa projetou 75% dos edifícios históricos notáveis ​​de St. Joseph & # 8217s.

O primeiro e o segundo andares do Wyeth-Tootle refletem a história da arquitetura da área. A restauração destaca a decoração da era vitoriana e as fotografias de época para dar aos hóspedes um visual adicional de como seria visitar a casa na virada do século XX. Os visitantes costumam vivenciar um momento & # 8220wow & # 8221 no incrível trabalho em madeira da Mansão & # 8217s, pisos com padrões ornamentados e tetos pintados à mão, incluindo imagens de querubins e nuvens celestiais.

Três dos 43 quartos do Mansion & # 8217s são dedicados a & # 8220Intersections: Of Time and Buildings & # 8221, uma exposição que examina as junções da história, arte, arquitetura e humanidades, juntamente com o passado, presente de St. Joseph & # 8217s e futuro. The & # 8220Edifice: The Architecture of E.J. A exposição Eckel & # 8221 na Wyeth-Tootle comemora o talento e a contribuição de Eckel & # 8217 para o apelo arquitetônico de St. Joseph & # 8217s. As vistas da área infantil do terceiro andar são algumas das mais amplas e amplas da cidade.

Além de abrigar exposições históricas e culturais, Wyeth-Tootle Mansion hospeda eventos comunitários durante o verão e outono, incluindo festas Mah Jongg e Música na Mansão. A mansão também serve como local para casamentos, festas de fim de ano e reuniões de negócios.

Quer você seja apaixonado por história ou arquitetura ou queira entender melhor o desenvolvimento da região, uma viagem a São José certamente será educacional e gratificante. Para planejar sua visita à Mansão Wyeth-Tootle, providenciar um aluguel ou participar de um evento, encontre uma lista de datas e detalhes no site do St. Joseph Museums, Inc.: stjosephmuseum.org.


Mansão Wyeth-Tootle

St. Joseph é conhecido por uma extensa coleção de belas mansões construídas por volta da virada do século, e a Wyeth Tootle Mansion na esquina das Ruas Eleventh e Charles é um excelente exemplo. Com três andares, uma torre e mais de 40 quartos, é hoje um dos melhores exemplos da riqueza e opulência de São José do final do século 19, com impressionantes carpintarias, tetos pintados à mão e vitrais importados. Em 1879, William e Eliza Wyeth contrataram o arquiteto E. J. Eckel para projetar uma mansão semelhante aos castelos que eles tinham visto no rio Reno quando viajavam pela Alemanha. Esta mansão em estilo gótico de 43 quartos combina um exemplo das casas dos primeiros residentes proeminentes de São José com exposições sobre a história de São José. O primeiro andar da Mansão Wyeth Tootle foi restaurado à sua grandiosidade vitoriana. Fotografias antigas de cada sala ajudam os visitantes a visualizar o interior como era por volta de 1900. O teto de cada sala é impressionantemente diferente, desde os querubins que flutuam acima da sala Luís XVI às cores ricas e escuras que cobrem a sala mourisca. Os pisos em parquet ornamentados e os trabalhos em madeira de nogueira mudam de divisão para divisão. As exposições históricas incluem retratos de prestigiosos cidadãos de São José da época, uma linha do tempo do crescimento de São José nos anos 1800, negócios de São José como a farinha de panqueca Tia Jemima que teve impacto nacional ou internacional, a Guerra Civil em São José e Jesse James. Uma das salas de exposição apresenta Edmund J. Eckel, o arquiteto da mansão Wyeth-Tootle e cuja empresa foi responsável pelo projeto de 75 por cento dos edifícios em St. Joseph. A exposição enfoca sua vida e o impacto duradouro de suas realizações em São José e inclui sua mesa, mesa de desenho e esboços. História natural preenche o terceiro andar do Wyeth-Tootle. Os visitantes podem ver montarias de mamíferos, pássaros e peixes que preenchem a região noroeste do Missouri, incluindo alguns animais que não são desta área, incluindo um leão africano em tamanho real e um urso pardo do Alasca que um membro da família Wyeth trouxe para casa da caça expedições.


Investigadores de atividades paranormais

St. Joseph é conhecido por sua quantidade de belas mansões construídas por volta da virada do século 20, e a Wyeth-Tootle Mansion na esquina das Ruas Eleventh e Charles é um excelente exemplo.

William e Eliza Wyeth se mudaram para St. Joseph em 1859, e William logo desenvolveu seu pequeno negócio de atacado e varejo na próspera Wyeth Hardware and Manufacturing Company e Wyeth Saddle Factory. Em 1879, o Wyeths contratou o arquiteto E.J. Eckel projetará esta mansão de estilo gótico com 43 quartos e vista panorâmica da cidade e do rio Missouri. Uma característica única era a torre do lado norte, que fazia a mansão parecer um castelo. Mais de um milhão de tijolos foram usados ​​na construção. A fachada do prédio foi coberta com arenito nativo. Os Wyeths decoraram o interior com piso de parquete ornamentado e madeira de nogueira. A parte frontal da casa, que tem o exterior em arenito, foi a residência da família. A extensão traseira com o exterior de tijolos abrigava a cozinha, despensas e quartos dos empregados. O primeiro andar, com suas grandes salas que se abrem para um corredor central, era usado principalmente para entretenimento. O segundo andar continha suítes e o terceiro andar servia como quartos e salas de trabalho dos empregados. A torre continha uma entrada no lado norte da casa e uma escada para o primeiro andar. Os Wyeth viveram em seu castelo-casa por menos de dez anos. Na primavera de 1887, eles venderam a casa para a Sra. Kate Tootle.

Kate Tootle era a viúva recente de Milton Tootle, Sr., obituário de Milton o identificou como o construtor da prosperidade de St. Joseph e o líder de sua "Era Dourada". Seus interesses comerciais incluíam estabelecimentos comerciais, os Western Bank of Missouri e Tootle Opera House. Com sua morte, ele acumulou a maior fortuna de qualquer indivíduo na cidade. Kate continuou com muitos de seus interesses comerciais. Depois de comprar a casa, ela contratou a firma Pottier and Stymus de Nova York para redecorar o interior. O salão principal apresentava um teto com painéis de nogueira e uma escada elaboradamente entalhada. Os pisos de parquete, de acordo com o estilo da época, eram quase inteiramente cobertos com tapetes e móveis. Dois vitrais foram adicionados nos patamares das escadas. Um parecia uma pintura de estilo renascentista e o outro era de vitrais lindamente lapidados. Os tetos foram cobertos com telas de artistas austríacos. O filho de Kate, Milton Tootle Jr., foi o próximo ocupante da casa. Ele e sua esposa, Lillian, acrescentaram uma grande varanda ao lado sul e uma sala de jantar para a família no lado sudeste. Um artigo de jornal de 1932 descreveu a casa de Milton Tootle: & quotOs tetos foram pintados na Europa e as paredes foram forradas com cortinas pesadas, com quase uma polegada de espessura, com apliques elaborados feitos de materiais cuja manufatura se tornou uma arte perdida. E objetos de arte encantadores por todos os lados intrigam a imaginação e ajudam na criação de uma atmosfera estética. & Quot

As salas do primeiro andar eram a Sala de Recepção Francesa em madeira preta e dourada, a sala de estar Luís XVI com querubins pintados no teto, a biblioteca, a sala de jantar formal, a Sala Mourisca com sua decoração do Oriente Médio e a Sala Antiga. Sala de jantar da família americana. Na parte de trás do primeiro andar ficava a sala de jantar e de preparação de comida dos empregados, nº 39, bem como uma cozinha.

Quando Milton Tootle Jr. morreu em 1946, a casa ficou disponível para compra. William Goetz, presidente do conselho do St. Joseph Museum, e o M.K. A Goetz Brewing Company doou o dinheiro para a compra do prédio e o museu igualou a quantia para adaptar a casa particular em um museu público. Depois de sessenta anos como um museu, o primeiro andar do edifício está sendo restaurado à sua grandiosidade vitoriana e os móveis estão sendo adicionados. A sala de jantar formal no primeiro andar é completa com porcelanas da família Wyeth, móveis e retratos. Fotografias da casa tiradas por volta de 1900 estão em exibição em todo o edifício. O segundo andar apresenta um quarto vitoriano restaurado e exposições sobre a arquitetura do famoso arquiteto St. Joseph E.J. Eckel. Eckel projetou a mansão de 1879 e 75 por cento das estruturas em St. Joseph. Outras exposições apresentadas incluem o impacto dos primeiros negócios de St. Joseph que tiveram um impacto nacional, como a Chase Candy Company, a Hillyard Chemical Company e a M.K. Goetz Brewing Company. O terceiro andar contém exposições sobre a história natural da região.

Christina Anderson: Como uma pessoa que passou muito tempo em St. Joseph, posso lembrar os dias da mansão como o Museu de St. Joseph. Foi maravilhoso ver o trabalho árduo e a dedicação empregados na restauração desta mansão à sua antiga glória. Já se foram as janelas fechadas com tábuas e as salas institucionais indefinidas dos dias anteriores. Foi um verdadeiro prazer visitar este importante pedaço da história de São José.
Começamos a investigação no primeiro andar, no que seria uma sala de recepção ou sala de estar para mulheres. Nada de significativo ocorreu aqui, embora algum movimento de sombra tenha sido visto em outras salas deste ponto de vista.
O próximo local neste andar que verificamos foi o grande salão de baile com o piso de parquete trompe l & rsquooeil. A posição que tomei na sala, perto da entrada principal e vários metros para dentro, era extremamente fria, e me senti muito desconfortável aqui. Mudei-me para outros locais da sala, mas cada vez que voltava a este local específico, fazia muito frio. Durante o tempo em que senti esse ponto frio, vários membros da equipe se aproximaram e confirmaram que essa área estava realmente fria. Não havia explicação para essa diferença de temperatura, já que o ar ao redor deste local estava mais quente e qualquer HVAC ou dutos teria impactado essas áreas também.
Na porta que separava a sala de jantar e o salão de baile, enquanto estava com Jenny e Lisa, senti o cheiro de um perfume que foi embora rapidamente. Eu verifiquei os dois e não era nenhum deles.
Ao retornar ao salão de baile, o local onde eu estava ainda estava extremamente frio, e parecia que uma pessoa estava lá. Becky me perguntou se parecia uma criança ou um adulto, e definitivamente parecia um adulto. Eu não conseguia discernir se isso era ou não energia masculina ou feminina. Tive a sensação de que eles estavam preocupados com o estado da sala como um todo, como se estivessem preocupados que as pessoas estivessem perturbando a sala. Lisa se juntou a mim neste local e foi capaz de captar uma impressão feminina e deu detalhes sobre aparência, roupas, etc.
No caminho até as escadas para o segundo andar, o perfume foi novamente sentido. No andar seguinte, vários membros da equipe e eu entramos na sala com as exibições arquitetônicas e plantas nas paredes. Inicialmente, parecia haver uma área de energia localizada bem no meio da sala que Lisa e eu sentíamos, mas ela foi embora rapidamente.
Enquanto nos movíamos da sala anterior para a sala vitoriana na frente da mansão, Sevren e eu sentimos que alguém estava nos observando da escada atrás de nós. Fiz sinal para que Lisa viesse olhar, porque essa sensação era extremamente intensa. Na verdade, foi forte o suficiente para me fazer parar e dizer "Há alguém na escada". Lisa afirmou que viu algo descendo as escadas e que havia parado. Eu me virei e vi o que parecia ser uma névoa escura e ondulada, inclinada sobre o corrimão com uma forma vagamente humana. Após aproximadamente 20 segundos, ele se dissipou ou se afastou, assim como a sensação de estar sendo observado.
Enquanto na sala vitoriana, nada digno de nota ocorreu.
Passos ou ruídos semelhantes foram ouvidos vindos do primeiro andar, enquanto estava na escada principal no segundo andar. Isso pode ter sido causado por pessoas andando no segundo andar e ecos ocorrendo abaixo.
No terceiro andar, nenhuma experiência foi registrada.
No geral, acredito que a mansão esteja ativa, mas que a atividade seja variada e imprevisível. Estarei revisando meu áudio nos próximos dias e compartilharei quaisquer descobertas.

Angela Hodge: Investigar a Mansão Wyeth-Tootle foi muito interessante. Gostei da arquitetura da casa e da história da casa, do terreno, da família.
Durante nossa caminhada, o cuidador foi muito informativo. A casa ainda parece ter vida correndo por ela, embora esteja vazia.
O primeiro andar parece estar ativo no primeiro, senti muitos pontos frios, mas não tenho certeza se eles tiveram algum significado para a ventilação da casa em todas as direções para você.
O segundo andar parecia ativo na escada. Eu pensei ter visto o que parecia ser uma sombra pairando sobre a grade do terceiro andar. Depois de olhar para a área por um tempo, cheguei um pouco mais perto e percebi que eram meus olhos pregando peças em mim.
O terceiro andar não estava ativo para mim. Eu senti que o chão estava silencioso.
No geral gostei da visita, esperava que fosse um pouco mais ativa, mas para mim não foi.

Sevren Jacobs: Esta foi a primeira vez que visitei a mansão Wyeth-Tootle. Minhas principais ferramentas para a noite foram meu notebook, câmera Truthcam35 com sensor de movimento, gravador de voz digital Olympus e um gravador de voz digital Sony.
Na chegada, fomos levados a um tour que incluiu tanto dentro quanto fora do prédio com uma história verbal das famílias e da estrutura.
Minha câmera IR e gravador de voz Sony foram colocados um ao lado do outro no segundo andar da mansão no início de nossa investigação. O caderno e o gravador de voz Olympus permaneceram comigo a noite toda.
Aproximadamente às 22:15, testemunhei a toalha de mesa de plástico se mover ligeiramente, como se tivesse sido escovada. Isso estava em uma pequena mesa perto de um manto de lareira em uma sala no primeiro andar. Este quarto também tinha uma caixa registradora e era usado como uma pequena loja de presentes. Após uma inspeção mais detalhada da sala, há uma boa chance de que uma brisa vinda do sistema de ventilação provavelmente tenha causado o movimento da toalha de mesa.
Também houve relatos de outros investigadores de um ponto frio concentrado na sala de visitas do primeiro andar. Pude sentir brevemente uma mudança de temperatura na área que eles mencionaram. Alguns membros do nosso grupo afirmaram estar sentindo uma espécie de carga emocional no mesmo local, com menção a uma forte sensação de tristeza ou preocupação. Eu estava lá para testemunhar o incidente, mas não experimentei nenhum efeito emocional.
Finalmente fomos para o segundo andar e nosso grupo se dividiu em duas salas conectadas. Alguns membros estavam em uma sala que tinha blocos e indicaram que sentiam uma presença ali com eles. Eu e alguns outros investigadores ficamos na sala de desenho anexa. Inicialmente, parecia que poderia haver uma presença ali conosco, mas o sentimento não durou muito. Aproximadamente às 23:01 saímos da sala de desenho. Christina e eu ainda estávamos na sala principal do segundo andar e imediatamente sentimos que algo nos observava da escada. Nossa outra colega de equipe, Lisa, se juntou a nós e afirmou que podia ver uma espécie de figura escura descendo lentamente as escadas descendo do terceiro andar. Não fui capaz de ver a figura, mas ela nos foi descrita como lenta e quase curiosa por natureza. Tive uma sensação muito intensa de estar sendo observada e meu estômago parecia estar em nós. Não parecia intimidante ou assustador por natureza, mas as outras sensações que mencionei eram tão fortes que quase congelou onde estava. Este incidente durou apenas alguns minutos antes que a sombra e todas as sensações de estar sendo observado se dissipassem rapidamente.
Enquanto estava no segundo andar, nosso grupo ouviu sons fracos vindos do primeiro andar, como se alguém estivesse descendo as escadas, e então um som de movimento no terceiro andar perto da escada.
Continuamos nossa investigação e passamos para o terceiro andar, onde a única coisa emocionante que encontrei foi um pequeno morcego na sala com o TeePee. Nosso grupo voltou ao primeiro andar, onde não experimentei nenhuma atividade adicional. Concluímos nossa investigação pouco antes da 1h.
A revisão do meu áudio e das filmagens da câmera de trilha não produziu nenhum resultado incomum. Gostei muito de poder passar a noite neste local e sou grato pelo nosso grupo ter tido esta oportunidade. Eu gostaria muito de voltar a este local em um futuro próximo.

Jenny Kerr: Quando entrei em casa pela primeira vez, me senti mais ansiosa do que o normal. Minhas mãos e braços estavam formigando, o que geralmente é o meu sinal de que algo paranormal está lá.
Durante a revisão do áudio, um estrondo alto que parecia algo sendo derrubado ou um único tiro foi ouvido aproximadamente às 22h20, mas ninguém reconheceu ter ouvido o som no momento em questão. Falando com Becky, foi determinado que seu gravador de áudio havia sido derrubado no chão de madeira em algum momento e foi isso que, mais do que provavelmente, causou o estrondo.
Pouco depois, Lisa começou a obter imagens mentais de uma mulher que trabalhava em casa. A seguir estão minhas impressões sobre a mesma mulher. Normalmente tenho palavras que surgem na minha cabeça como uma voz mental, esta é a primeira vez que fico sobrecarregada com informações sobre uma pessoa. Foi bastante estimulante e me encheu de energia. Não foi assustador. Mas era como se eu estivesse relembrando informações sobre alguém que conhecia.
No momento em que Lisa diz que o ar em sua área imediata tornou-se quente de frio, eu então senti o ar quente passar por mim e entrar na sala de jantar. Daquele ponto em diante, fui atraído para a sala de jantar, onde me senti muito confortável. A mulher é muito convidativa e gostaria que nos sentássemos e nos alimentássemos, se pudesse. Eu sinto que ela é uma governanta ou alguém comparável a um mordomo. Ela mantém tudo em ordem e no lugar. Ela se orgulhava de seu trabalho, especialmente da sala de jantar. Minha impressão foi que ela tem olhos azuis e nariz arrebitado. Ela pode ser irlandesa. I then felt compelled to go underneath the rope, to the far end of the table by the windows and sit down in a chair in front of the windows which faced the dining table, where I was overwhelmed with information. Lisa asked me what thoughts I was having. I said, Thoughts about the table. She made sure it was set. I got up and walked around the table and said, She knew exactly where the silverware went, the dishes and the glasses and the chairs. She made sure it was perfect. She would walk around the table and make sure each place was perfect. She would stand back from the table and make sure it was perfect. And when she was satisfied she was done and left the dining room. She didn't set the table herself she oversaw the work of others.
On the 2nd floor:
As we all ascended the stairs to the 2nd floor the woman from downstairs followed us up. I felt her warm air go by me. I didn't feel her again until I went to the furnished Victorian style room. While on the 2nd floor in the main room with windows that stretched from floor to ceiling. I felt as if someone had been sick in that room and they often looked out the window.
In the Period Bedroom:
The woman from downstairs is in the room. The room is very comfortable and inviting. However the woman does not like the stroller in the room. She says it does not belong in the room. It belongs in another room. She says everything else is fine, but the stroller needs to go. It needs to be moved. I felt as those she was always cheerful, rarely in a bad mood, possibly had an Irish accent. I could pick her out of a photo. The children of the house liked her and thought of her like a grandmother. She was very loving towards the children. They loved to get hugs from her because they sank into her bosom.
On the 3rd floor:
I felt nothing.
I did not record any EVP's and had no anomalies in photos.

Tania Marg:Upon initial investigation of the house, I did find a few spots that intrigued me. The first was in the parquet floor room near the glass case containing Wedgewood teacups and saucers. There was a spot on the floor that made me feel very odd &ndash no chills or anything, just weird in general. Lisa confirmed that it made her dizzy. Also the threshold at the main doors felt very energetic, and I could tell there had been a lot of coming and going and energy there. Lisa showed me a spot to the direct right of the entrance that had a particularly interesting bit of energy held in it &ndash it felt much like the spot by the Wedgewood teacups and saucers. The entrance from the side of the Moroccan room also had a dizzying effect when I walked in from the threshold hallway. The second floor kids play room struck me as complete dizzying when I walked in. In fact, I felt almost like I was in a different place for a minute. It was a really weird effect, so I took note of it.
I didn&rsquot write down times, but when we were all sitting together initially in the center drawing room near the entrance, I did start to feel colder (could have been drafts) but my stomach also started to hurt. I don&rsquot have an explanation for it because it wasn&rsquot a regular type of stomach cramp you&rsquod experience from food, and I purposely ate a dinner of a salad, which I didn&rsquot think would upset my stomach - in the past, with me it mostly seems to be related to the taking of energy. This continued while we moved to the parquet room and eventually stopped at the point where the older lady was noticed by Christina and Lisa. I also agree with Lisa&rsquos ideas on her &ndash I was starting to feel like it was an older woman wearing black, and her shoes were particularly odd to me. They were black high-heeled shoes, circa 1890, but they had large white ribbons lacing them with black trim. I doubt we can find any historical record of that, but I kept coming back to her shoes. I wanted to keep quiet though because I wanted to see if Lisa was seeing what I was seeing, but I didn&rsquot want to interfere or alter what she was seeing with my ideas. I also remember that her hair was tucked up and curly around the edges and she had a very round, kind face.
I also didn&rsquot really know anything about Woodrow Wilson before this visit, however something kept sticking in my head about him, and I did some research later and he was the president that declared war for World War I. This might have left an imprint on residents of the house at the time.
On the second floor, initially walking in, there was not as much of a dizzying effect as there had been early, but there was still energy in the room that I recognized as being different from the other rooms on that floor, so I decided to check it out. I did keep seeing shadows over the blocks as well as in the corner where the children&rsquos table was. When I moved the magnets around towards the time when we left that room, I definitely freaked out for a moment because I saw very definite movement of a person about the size of a child in the corner of the room, coming towards me. It scared me because there was very definitely a note of interest in what I was doing, and perhaps an intention to move the magnets along with me. I kept sensing a little boy around the age of six or seven with very short hair, overalls, and a striped blue and green shirt in that room.
When everyone was hearing the noises on the stairs, I kept picturing a child bouncing a medium size blue ball down the stairs. It seemed like a little boy, possibly the one in the room nearby. There were noises I heard that sounded similar to a bouncing ball as well during the times we were hearing rustling and bouncing. The rustling might have even been from a bat we discovered on the third floor, however.

Becky Ray:This was a very interesting investigation. I personally did not capture anything out of the ordinary on video or audio, however I did experience a few things I could not explain including temperature changes and the smell of kerosene a few times.
One thing we did that seemed to increase activity was experiment with playing different audio including music and speeches from the past. While I was playing a turn of the century music box everyone seemed to notice sounds coming from throughout the house.
While on the second floor I sat with Jennifer and Tania in one of the rooms and definitely felt as though a child were in that room with us. In one corner I kept seeing slight shadow movements that I could not recreate from any of the light sources. Tania also saw this shadow movement from the other side of the room.
It should be noted I had shoulder surgery the day prior to this investigation and was on pain killers so I wasn't as observant as I normally am, which is why I'm looking forward to returning for a follow up to see if we can repeat some activity.


#GUMPTIOUS Wyeth Mansion and Huston Wyeth

DEFINITION: Takes initiative with attention, common sense, spunk and resourcefulness .

One of St. Joseph public schools earliest and most successful students, Huston Wyeth, built in 1918-1922 what was considered a very large country estate located northeast of central downtown. It was called Wyethwood.

HUSTON WYETH, THE MAN BEHIND WYETHWOOD

Wyeth was born on July 8, 1863, in St. Joseph, Mo. as the only son of William Maxwell Wyeth and Eliza Renick Wyeth, and was in the eighth generation from the founder of the Wyeth name in America. His only sibling was his older sister, Maud.

He attended St. Paul’s Academy and Racine Business College in Racine, Wisc. At the age of 17, he engaged in the cattle business, afterwards working in the offices, factories and warehouses of the retail hardware trade. In 1880, in recognition of his interest and ability, Wyeth was elected a director and vice president of the company his father founded, Wyeth Hardware & Manufacturing Co. in St. Joseph.

In addition to this post, he organized the St. Joseph Artesian Ice and Cold Storage Co. in 1892 and became its president and active head. In addition to these two companies, records show he was a businessman officially connected with a number of other corporations such as Blue Valley Creamery Co., Wyeth Realty and Investment Co., Leavenworth Terminal Railway and Bridge Co., National Bank of St. Joseph, Mo., Lyon & Judson Hardware Co., St. Joseph Gas Co., St. Joseph & Grand Island R.R. Co., and St. Joseph Water Co.

Wyeth married Leila Ballinger on April 4, 1883. She was also a St. Joseph native, a daughter of Isaac and Elizabeth Kuechle Ballinger. Their first born was William Maxwell on May 12, 1884. They had three more children who grew to adulthood and marry: Maud, Alison, and John.

Wyeth was a globetrotter traveling extensively in both the United States and Europe. In addition to work and family, he served his country and the community in many ways. He organized United States Company C, Fourth Regiment of Missouri Volunteers, known as the Wyeth Guards, in the 1898 Spanish-American War.

His duty to country was lifelong as a Navy League life member, National Rifle Association life member, American Defense Society Life Member, and Sons of the Revolution and the Sons of 1812 War member.

In Masonry, Wyeth was a noble of the Ancient Order, St. Joseph Lodge Perfection, No. 6 Scottish Rite Moila Temple of the Mystic Shrine St. Joseph Lodge and others. He also socialized, sailed and golfed as a member of the St. Joseph Country Club, Highlands Golf Club, Benton Club, Rotary Club, Larchment Yacht Club, and more. For a western businessman immersed in St. Joseph’s late 19th century and early 20th century economic growth, he was also well established as a eastern seaboard yachtsman and enjoyed a winter home in Florida.

His sense of camaraderie and intuition about people and animals alike throughout his life contributed to his success, which in turn, gave him the financial freedom to enjoy the rare privilege of being involved in so many businesses and organizations. This full-circle character trait seemed to make him a leader at work, in all of his civic and social organizations, his military service, and in his race horse breeding stables and dog breeding kennels at home.

Huston Wyeth died on January 25, 1925, at the age of 61 at his winter home in Miami, Fla. He is buried in Mount Mora Cemetery, St. Joseph next to his wife, Leila, who lived another 30 years until the age of 89.

St. Joseph’s famous Wyeth-Tootle Mansion near downtown is the home of Huston’s father, William and his wife, Eliza. Much of the family’s history can be found in the home that is now open to the public as part of St. Joseph Museums.

REFERENCES:

Houses of Missouri 1870-1940 by Cydney Millstein and Carol Grove , Acanthus Press, New York, 2008.

Men of the South: A Work for the Newspaper Reference Library , by Daniel Decatur Moore, Souther Biographical Association, New Orleans, La., 1922.

The Book of Missourians: The Achievements and Personnel of Notable Living Men and Women of Missouri in the Opening Decade of the Twentieth Century , edited by M.L. Van Nada, T. J. Steele & Co., Chicago and St. Louis, 1906.

A History of Northwest Missouri, Volume 2 , edited by Walter Williams, The Lewis Publishing Company, Chicago and New York, 1915.

#ORIGINAL

Amidst the chaos of a packed gymnasium… squeak, squeak. Bounce. Bounce. These are the only sounds that matter. Sneakers and a basketball against a polished gym floor.

#LUCKY

Games of chance and dining establishments have been a part of St. Joseph, Missouri’s uncommon character since the earliest settlers gathered to let off some steam and gamble on optimistic odds.

#NATURAL

As one of St. Joseph’s most unique, hands-on educational experiences, this award-winning museum and attraction has everything

#WANDERLUST

Starting in the 1910s organizations, communities, and even private individuals began developing the first paved highways to connect metropolitan areas which would collectively become known as the National Auto Trail system.

#FOUNDING

Born in 1783 to a St. Louis family of merchants and fur traders, Joseph Robidoux would become the founder of St. Joseph, MO.

RELOCATING? See this site for more info.
QUESTIONS? We'll connect you with answers.


Wyeth Tootle Mansion Ghost Hunt

Our Ghost Hunts at Wyeth Tootle Mansion in St. Joseph, Missouri satisfies the intriguing lure of one of the most haunted locations in St. Josephs.

This very foreboding haunted location maybe beautiful in the daylight, but as night draws in, it’s haunted inhabitants come out.

William Goetz, St Josephs Museum board president helped purchase this mansion, around 1946.

Some of the paranormal that has been captured are the full blown apparitions of two children playing in one of the bedrooms, others have captured EVP’s which relate back to Mrs Tootle.

Is Wyeth Tootle Mansion haunted by some of the former patients from Glore Psychiatric Museum?

With macabre devices and haunted objects on display, there is no doubt that the spirits are still lingering and just waiting to share their stories with you!

Your ghost hunt at Wyeth Tootle Mansion includes the following:

Ghost Hunt with experienced Ghost Hunting Team.

Use of our equipment which includes, trigger objects and EMF Meters.

Private time to explore this location and to undertake your very own private vigils.

Unlimited refreshments available throughout the night including: Coffee, Coca Cola, Diet Coke, and Bottled Water.

St. Joseph is known for an extensive collection of beautiful mansions built in the late 1800s, and the Wyeth Tootle Mansion at the corner of 11th and Charles Streets is a prime example. With three floors, a tower and more than 40 rooms, it stands today as one of the best examples of St. Joseph’s late 19th century wealth and opulence, featuring stunning woodwork, hand-painted ceilings and imported stained glass.

In 1879, William and Eliza Wyeth hired architect Edmond Eckel to design a mansion resembling the castles they had seen on the Rhine River as they were traveling in Germany. This 43-room Gothic style mansion combines an example of the homes of early prominent St. Joseph residents with exhibits on the history of St. Joseph.

The first floor of the Wyeth Tootle Mansion has been partially restored to its Victorian grandeur. Old photographs of each room help visitors visualize the interior as it was around 1900. Each room’s ceiling is impressively different, from the cherubs that float above the Louis XVI parlor to the dark rich colors that cover the Moorish room. Ornate parquet floors and walnut woodwork change from room to room.

William and Eliza Wyeth moved to St. Joseph in 1859, and William soon developed his small wholesale-retail business into the prosperous Wyeth Hardware and Manufacturing Company and Wyeth Saddle Factory. In 1879, the Wyeths moved into this mansion with a panoramic view of the city and the Missouri River. However, they only lived in the home for eight years.

In the spring of 1887, the Wyeths sold the home to Mrs. Katherine Tootle. Mrs. Tootle was the recent widow of Milton Tootle. Milton’s obituary identified him as “the builder of the prosperity of St. Joseph and the leader of its ‘Golden Age.’ His business interests included mercantile establishments, the Western Bank of Missouri, and the Tootle Opera House. At his death, he had amassed the largest fortune of any individual in the city. Mrs. Tootle continued with many of his business interests.

After purchasing the home, she hired the New York firm of Pottier and Stymus to redecorate the interior. The main hall featured a walnut paneled ceiling and an elaborately carved staircase. The parquet floors, in keeping with the style of the time, were almost entirely covered with area rugs and furniture. Two stained-glass windows were added on the stairway landings. One resembled a Renaissance-style painting, and the other is of beautifully cut, stained glass. The ceilings werehand painted on canvas by a European artist.

Katherine’s son, Milton Tootle Jr., was the next occupant of the house. He and his wife Lillian added a large porch to the south side and a family dining room on the southeast side. A 1932 newspaper article described Milton Tootle’s home: “The ceilings were painted in Europe, and the walls were lined with heavy draperies, nearly an inch thick, with elaborate handwork appliqués made of materials the manufacture of which has become a lost art. And charming objects of art on every side intrigue the imagination and aid in the creating of an esthetic atmosphere.”

The rooms on the first floor were the French Reception Room of black and gold woodwork, the Louis the XVI Sitting Room with angels painted on the ceiling, the Library, the formal Dining Room, the Moorish Room with its Middle Eastern decor, and the Early American Family Dining Room. At the rear of the first floor were the servants’ dining and food preparation room and a kitchen.

When Milton Tootle, Jr., died in 1946 the home became available for purchase. William Goetz, St. Joseph Museum board president, and the M. K. Goetz Brewing Company donated the money to purchase the building and the city matched the amount to adapt the private home into a public museum.


St. Joseph, MO

William and Eliza Wyeth moved to St. Joseph in 1860, and William soon developed his small wholesale-retail business into the prosperous Wyeth Hardware and Manufacturing Company and Wyeth Saddle Factory.

William and Eliza Wyeth hired architect E. J. Eckel to design a mansion resembling the castles they had seen on the Rhine River as they were traveling in Germany.

In the spring of 1887, the Wyeths sold the home to Mrs. Kate Tootle. Kate Tootle was the recent widow of Milton Tootle. Milton’s obituary identified him as “the builder of the prosperity of St. Joseph and the leader of its ‘Golden Age.’ His business interests included mercantile establishments, the Western Bank of Missouri, and the Tootle Opera House. At his death, he had amassed the largest fortune of any individual in the city. Kate continued with many of his business interests.

When Milton Tootle, Jr., died in 1946 the home became available for purchase. William Goetz, St. Joseph Museum board president, and the M. K. Goetz Brewing Company donated the money to purchase the building and the city matched the amount to adapt the private home into a public museum.

With three floors, a tower and more than 40 rooms, it stands today as one of the best examples of St. Joseph’s late 19th-century wealth and opulence, featuring stunning woodwork, hand-painted ceilings and imported stained glass.


Wyeth/Tootle Mansion - History

The St. Joseph Museums, Inc., encompasses four museums at two locations with an extensive collection of artifacts and stories in exciting, detailed exhibits you won't want to miss. The Glore Psychiatric Museum, the Black Archives Museum, and the St. Joseph Museum are located on Frederick Avenue in St. Joseph, Missouri. The Glore Psychiatric Museum, a unique and favorite destination, chronicles the 140-year history of what was once known as “State Lunatic Asylum No. 2.” The Museum uses full-sized replicas, interactive displays, audio-visuals, artifacts, and documents to illustrate how mental illness has been portrayed and treated. The Black Archives Museum showcases local African-American history with exhibits on such topics as the Civil Rights era in St. Joseph and the achievements and contributions of local community leaders. The St. Joseph Museum features one of the most extensive American Indian collections in the Midwest. Exhibits include clothing, accessories, fans, pottery, pipes, weapons, kachinas, jewelry, and archaeological artifacts from ten cultural regions.

The Wyeth-Tootle Mansion of the St. Joseph Museums, Inc., is located at 1100 Charles Street. This 1879 Gothic sandstone Mansion illustrates the cultural, architectural, and economic history of 19th century St. Joseph, Missouri. Designed by E. J. Eckel, the exterior features a unique north side turret, making the Mansion resemble a castle. The interior features oil-on-canvas paintings on the first floor ceilings, ornate walnut woodwork and staircase, and stained glass windows. Several rooms, such as the formal dining room, appear as they did when the Mansion was a private home. Exhibits at the Wyeth-Tootle Mansion include Fame and Politics: The Life of Ruth Warrick which showcases the story of St. Joseph native Ruth Warrick, her career, philanthropy, and political activism. Visitors can also explore the history of area architecture through the Intersection of Time and Buildings exhibit and the Architecture of E. J. Eckel exhibit. E. J. Eckel came to American from France in 1869. His 65 year career allowed him to make a permanent mark on the landscape with his architectural firm responsible for the design of 75 percent of the structures in the City.


Assista o vídeo: Drake - When To Say When u0026 Chicago Freestyle