Fred H. Moore

Fred H. Moore

Fred H. Moore foi um advogado que começou sua carreira trabalhando para empresas ferroviárias. Ele então abriu um escritório em Los Angeles. Moore tornou-se socialista e em 1912 aceitou o caso de um amigo, que era membro dos Trabalhadores Industriais do Mundo (IWW) e fora preso enquanto fazia um discurso em San Diego.

Depois desse caso, Moore geralmente representava os membros do IWW. Isso incluiu a defesa das pessoas presas durante o ataque na American Woolen Company em Lawrence, Massachusetts. O Lawrence Textile Strike se tornou tão violento que, como William Cahn apontou em seu livro Lawrence 1912: The Bread and Roses Strike (1977): "Para salvaguardar a saúde das crianças pequenas durante a greve, os pais as mandavam para parentes e amigos em outras cidades. As crianças pequenas eram embrulhadas, com crachás de identificação pendurados no pescoço, e enviadas para passar algumas semanas em Nova York ou Bridgeport ou Barre ou Filadélfia. Normalmente, uma demonstração de recepção seria dada às crianças ao chegarem a uma comunidade.

O governador de Massachusetts ordenou a saída da milícia estadual e, durante uma manifestação, um menino de quinze anos foi morto pela baioneta de um miliciano. Logo depois, uma atacante, Anna LoPizzo, foi morta a tiros. O sindicato alegou que ela havia sido morta por um policial, mas Joseph Caruso, um grevista, foi acusado de seu assassinato. Arturo Giovannitti e Joseph Ettor, que estavam a cinco quilômetros de distância falando em uma reunião de greve, foram presos e acusados ​​de "cúmplices do assassinato".

Fred Moore foi enviado para foi enviado para Lawrence para defender os homens. Diante da crescente má publicidade, em 12 de março de 1912, a American Woollen Company acedeu a todas as demandas dos grevistas. No final do mês, o resto das outras empresas têxteis em Lawrence também concordaram em pagar os salários mais altos. No entanto, Giovannitti e Ettor permaneceram na prisão sem julgamento. As reuniões de protesto ocorreram em cidades por toda a América e o caso acabou acontecendo em Salem. Em 26 de novembro de 1912, os dois homens foram absolvidos.

Em 1919, o Workers Defense Union pediu a Fred Moore para defender Charles Krieger, um organizador dos Trabalhadores Industriais do Mundo que havia sido acusado de dinamitar a casa de um oficial da Standard Oil em Tulsa, Oklahoma. A líder do IWW, Elizabeth Gurley, enviou Eugene Lyons para ajudá-lo. Em sua autobiografia, Tarefa na Utopia (1937): "Moore, de aparência bastante sinistra sob seu chapéu ocidental de aba larga, percebeu minhas centenas de quilos de juventude esquelética, meu corte de cabelo poético, a desordem boêmia de minhas roupas, em uma inspeção carrancuda. ​​Ele não se preocupou em esconda seu nojo. " Moore comentou: "E eu pensei que Gurley estava nos enviando um homem!" Outro ajudante foi a escritora Lola Darroch, que mais tarde se casou com Moore.

Durante o julgamento que durou dez semanas, Moore e Lyons souberam que um grupo de vigilantes sob o controle da Standard Oil, o Comitê dos Cem, pretendia linchar Moore e Lyons. Isso nunca aconteceu porque, de acordo com Lyons, após o julgamento eles descobriram "que estávamos sob a proteção perspicaz de um pequeno exército de atiradores particulares, com ordens de atirar no primeiro homem que nos tocasse". Fred Moore conseguiu mostrar que Krieger foi vítima de uma armação da Standard Oil e o júri o considerou inocente. Lyons argumentou: "Os livros sobre o trabalho americano e os movimentos radicais não fazem justiça a Moore. Um advogado brilhante, quixoticamente dedicado e abnegado, foi prejudicado por um gênio por não conformidade."

Em 5 de maio de 1920, Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti foram presos e entrevistados sobre os assassinatos de Frederick Parmenter e Alessandro Berardelli, em South Braintree. Os homens foram mortos carregando duas caixas com a folha de pagamento de uma fábrica de calçados. Depois que Parmenter e Berardelli foram mortos a tiros, os dois ladrões pegaram os $ 15.000 e entraram em um carro com vários outros homens e foram embora. Várias testemunhas oculares afirmaram que os ladrões pareciam italianos. Um grande número de imigrantes italianos foi interrogado, mas finalmente as autoridades decidiram acusar Sacco e Vanzetti pelos assassinatos. Embora os dois homens não tivessem antecedentes criminais, argumentou-se que eles haviam cometido o roubo para adquirir fundos para sua campanha política anarquista.

Moore concordou em defender os dois homens. Eugene Lyons, realizou pesquisas para Moore. Lyons mais tarde lembrou: "Fred Moore, na época em que parti para a Itália, estava no comando de um caso obscuro em Boston envolvendo um peixeiro chamado Bartolomeo Vanzetti e um sapateiro chamado Nicola Sacco. Ele me deu instruções explícitas para despertar toda a Itália para a importância do caso de assassinato de Massachusetts e para caçar certas testemunhas e provas. O movimento operário italiano, no entanto, tinha outras coisas com que se preocupar. Um ex-socialista chamado Benito Mussolini e uma praga de gafanhotos de camisas negras, por exemplo. De alguma forma. Coloquei peças sobre Sacco e Vanzetti em Avanti!, que Mussolini editou uma vez, e em um ou dois outros artigos. Eu até consegui incitar alguns socialistas onorevoles, como o deputado Mucci, da aldeia natal de Sacco, na Puglia, e o deputado Misiano, um incendiário siciliano da extrema esquerda. Mucci trouxe o caso Sacco-Vanzetti para o plenário da Câmara dos Deputados, o primeiro jato de protesto estrangeiro no que viria a se tornar uma violenta inundação internacional. "

O julgamento começou em 21 de maio de 1921. A principal evidência contra os homens era que ambos carregavam uma arma quando foram presos. Algumas pessoas que viram o crime ocorrendo identificaram Bartolomeo Vanzetti e Nicola Sacco como os ladrões. Outros discordaram e ambos os homens tinham bons álibis. Vanzetti estava vendendo peixe em Plymouth enquanto Sacco estava em Boston com sua esposa tirando uma fotografia. A promotoria deu muita importância ao fato de que todos aqueles que foram chamados a fornecer provas para apoiar esses álibis também eram imigrantes italianos.

Vanzetti e Sacco estavam em desvantagem por não terem um domínio completo da língua inglesa. Webster Thayer, o juiz foi claramente preconceituoso contra os anarquistas. No ano anterior, ele repreendeu um júri por absolver o anarquista Sergie Zuboff de violar o estatuto da anarquia criminal. Algumas das respostas que Vanzetti e Sacco deram no tribunal deixaram claro que tinham interpretado mal a questão. Durante o julgamento, a acusação enfatizou as crenças políticas radicais dos homens. Vanzetti e Sacco também foram acusados ​​de comportamento antipatriótico ao fugir para o México durante a Primeira Guerra Mundial.

Eugene Lyons argumentou em sua autobiografia, Tarefa na Utopia (1937): "Fred Moore era, no fundo, um artista. Instintivamente, ele reconheceu os materiais de uma questão mundial no que parecia a outros uma questão rotineira ... Quando o caso se transformou em uma disputa histórica, esses homens ficaram totalmente perplexos. Mas Moore viu sua magnitude desde o início. Suas táticas jurídicas têm sido objeto de disputa e recriminação. Acho que há um certo tom de verdade, na verdade, na acusação de que ele às vezes subordinou as necessidades literais do procedimento legalista às necessidades maiores do caso como um símbolo da luta de classes. Se não o tivesse feito, Sacco e Vanzetti teriam morrido seis anos antes, sem o consolo do martírio. Com a deliberação de um compositor desenvolvendo os detalhes de uma sinfonia que ele sente em sua totalidade arredondada Moore passou a esclarecer e aprofundar os elementos implícitos no caso. E, em primeiro lugar, pretendeu delinear o caráter de classe dos preconceitos automáticos que operavam contra Sacco e Vanzetti. Às vezes, sobre os protes Por causa dos próprios homens, ele rompeu convenções legalistas para revelar os motivos subjacentes. Não é de admirar que o juiz tenso e dispéptico e os advogados mesquinhos passaram a odiar Moore com um ódio que era admiração virada do avesso. "

No tribunal Nicola Sacco afirmou: “Eu sei que a pena será entre duas classes, a classe oprimida e a classe rica, e sempre haverá colisão entre uma e outra. Confraternizamos o povo com os livros, com a literatura. Você perseguir o povo, tiranizá-lo e matá-lo. Procuramos sempre a educação do povo. Você tenta colocar um caminho entre nós e alguma outra nacionalidade que se odeia. É por isso que estou hoje aqui neste banco, por ter sido de a classe oprimida. Bem, você é o opressor. " O julgamento durou sete semanas e em 14 de julho de 1921, os dois homens foram considerados culpados de assassinato de primeiro grau e condenados à morte. O jornalista. Heywood Broun relatou que quando o juiz Thayer sentenciou Sacco e Vanzetti, uma mulher no tribunal disse aterrorizada: "É a morte que condena a vida!"

Bartolomeo Vanzetti comentou no tribunal após o anúncio da sentença: “O júri nos odiava porque éramos contra a guerra, e o júri não sabe que faz diferença um homem que é contra a guerra porque acredita que a guerra é injusto, porque não odeia nenhum país, porque é cosmopolita, e um homem que é contra a guerra porque é a favor do outro país que luta contra o país em que está, e portanto um espião, um inimigo, e ele comete qualquer crime no país em que está em nome do outro país, a fim de servir ao outro país. Não somos homens desse tipo. Ninguém pode dizer que somos espiões alemães ou espiões de qualquer tipo ... Nunca cometi um crime na minha vida - nunca roubei e nunca matei e nunca derramei sangue, e lutei contra o crime, e lutei e me sacrifiquei até mesmo para eliminar os crimes que a lei e a igreja legitima e santifica ”.

Em 1925, Celestino Madeiros, imigrante português, confessou ser membro da quadrilha que matou Frederico Parmenter e Alessandro Berardelli. Ele também citou os outros quatro homens, Joe, Fred, Pasquale e Mike Morelli, que haviam participado do roubo. Os irmãos Morelli eram criminosos conhecidos que haviam cometido roubos semelhantes na área de Massachusetts. No entanto, as autoridades recusaram-se a investigar a confissão feita por Madeiros.

Importantes figuras dos Estados Unidos e da Europa envolveram-se na campanha para derrubar a condenação. John Dos Passos, Alice Hamilton, Paul Kellog, Jane Addams, Heywood Broun, William Patterson, Upton Sinclair, Dorothy Parker, Ben Shahn, Edna St. Vincent Millay, Felix Frankfurter, John Howard Lawson, Freda Kirchway, Floyd Dell, Bertrand Russell, George Bernard Shaw e HG Wells se envolveram em uma campanha para obter um novo julgamento. Embora Webster Thayer, o juiz original, tenha sido oficialmente criticado por sua conduta no julgamento, as autoridades se recusaram a anular a decisão de executar os homens.

Eugene Debs, o líder do Partido Socialista da América, pediu uma ação sindical contra a decisão: "A suprema corte de Massachusetts falou finalmente e Bartolomeo Vanzetti e Nicola Sacco, dois dos mais bravos e melhores escuteiros que já serviram aos trabalhadores movimento, deve ir para a cadeira elétrica .... Agora é a hora de todo o trabalho ser despertado e se reunir como uma vasta hoste para reivindicar sua honra atacada, para afirmar seu respeito próprio e para emitir sua demanda que, apesar dos tribunais controlados por capitalistas de Massachusetts, trabalhadores honestos e inocentes, cujo único crime é sua inocência do crime e sua lealdade ao trabalho, não serão assassinados pelos assalariados oficiais dos poderes corporativos que governam e tiranizam o estado. "

No verão de 1927, ficou claro que Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti seriam executados. Vanzetti comentou com um jornalista: “Se não fosse por isso, eu poderia ter vivido minha vida falando nas esquinas para homens desprezíveis. Eu poderia ter morrido, sem marcação, desconhecido, um fracasso. Agora não somos um fracasso. Esta é a nossa carreira e o nosso triunfo. Nunca em toda a nossa vida poderemos ter a esperança de fazer tal trabalho pela tolerância, justiça, pela compreensão do homem pelo homem, como agora fazemos por acidente. Nossas palavras - nossas vidas - nossas dores - nada! tirando nossas vidas - vidas de um bom sapateiro e de um pobre mascate de peixe - tudo! Esse último momento nos pertence - essa agonia é o nosso triunfo. Em 23 de agosto de 1927, o dia da execução, mais de 250.000 pessoas participaram de uma manifestação silenciosa Em Boston.

O romancista Upton Sinclair decidiu investigar o caso. Ele entrevistou Moore e de acordo com o mais recente biógrafo de Sinclair, Anthony Arthur: "Fred Moore, Sinclair disse mais tarde, que confirmou suas dúvidas crescentes sobre a inocência de Sacco e Vanzetti. Encontrando-se em um quarto de hotel em Denver a caminho de casa de Boston, ele e Moore falou sobre o caso. Moore disse que nenhum dos dois jamais admitiu isso para ele, mas tinha certeza da culpa de Sacco e bastante seguro do conhecimento de Vanzetti sobre o crime, se não de sua cumplicidade nele. " Uma carta escrita por Sinclair na época reconheceu que ele tinha dúvidas sobre o testemunho de Moore: "Eu percebi certos fatos sobre Fred Moore. Ouvi dizer que ele estava usando drogas. Eu sabia que ele havia se separado do comitê de defesa após a mais amarga das brigas .... Moore admitiu para mim que os próprios homens nunca admitiram sua culpa para ele, e eu comecei a me perguntar se sua atitude e conclusões atuais não poderiam ser o resultado de sua reflexão sobre seus erros. "

Sinclair agora não tinha certeza se um erro judiciário havia ocorrido. Ele decidiu encerrar o romance com uma nota de ambigüidade em relação à culpa ou inocência dos anarquistas italianos. Quando Robert Minor, uma figura importante do Partido Comunista Americano, descobriu as intenções de Upton Sinclair, ele telefonou para ele e disse: "Você vai arruinar o movimento! Será traição!" Romance de Sinclair, Boston, apareceu em 1928. Ao contrário de alguns de seus primeiros trabalhos radicais, o romance recebeu críticas muito boas. O jornal New York Times chamou de "realização literária" e que era "cheio de observação aguda e caracterização selvagem", demonstrando um novo "artesanato na técnica do romance".

De uma luta trabalhista para outra, ele vagou, assumindo os casos que não podiam pagar os advogados mais divulgados, os casos desesperados e desesperados da luta trabalhista. Muitas dessas batalhas jurídicas se tornaram famosas na história do trabalho americana - o caso Ettore-Giovanniti; a luta pela liberdade de expressão de Spokane; o caso Everett, Washington; o caso Bisbee, Arizona; o Wichita I.W.W. caso, mas nenhuma parte desta fama acumulada para ele. Sempre brigou com os comitês de defesa ou com os clientes, ou se meteu em algum apuro emocional particular e perdeu os louros da vitória. Mesmo no caso Sacco-Vanzetti, ao qual ele deu quatro anos - e provavelmente não teria existido tal caso se Moore não tivesse se apoderado dele e o transformado em um causar celebre - um advogado capitalista bem pago no final colheu o crédito e a fama.

A acusação de dinamitação contra o "Garotão" Krieger, um holandês alto e magro da Pensilvânia, foi uma armação tão palpável que ninguém fingiu ser outra coisa. O cidadão médio de Tulsa, que então era governado por um comitê vigilante de cem, apenas tinha um interesse esportivo em saber se o público da Standard Oil poderia fazer sua fantástica invenção persistir. O caso foi a última etapa de um determinado esforço dos interesses petrolíferos para expulsar o estado de I. W.W, a agitação sindical, que vinha avançando consideravelmente. Os organizadores foram espancados, cobertos de alcatrão e penas, montados em trilhos. Mas eles continuavam voltando como muitas moscas incômodas. Uma noite, alguém soltou dinamite sob a varanda do Pew, onde a Sra. Pew normalmente dormia. Ela não estava lá, aconteceu, e não houve muito dano. Mas a imprensa prontamente publicou como Terror Vermelho e as autoridades começaram a cercar todos os I.W.W. em Oklahoma.

A polícia ficou consideravelmente decepcionada quando parecia que nenhum dos homens presos havia estado em ou perto de Tulsa na noite da explosão. Depois das recentes festas de piche e penas, os Wobblies aparentemente se mantiveram distantes da cidade. Mas esse pequeno detalhe não eliminou o ardor patriótico. O Terror Vermelho, decidiu a polícia, havia sido aplicado com ausência de tratamento.

Fred Moore era um artista de coração. Instintivamente, ele reconheceu os materiais de uma questão mundial no que parecia para os outros uma questão de rotina. Um jornalista socialista passou alguns dias em Boston e voltou a Nova York para relatar que "não há nenhuma história nisso ... apenas alguns wops em um engarrafamento". Nenhum dos membros do comitê de defesa formado imediatamente após a prisão dos homens suspeitou que o caso fosse algo maior do que parecia. Se não o tivesse feito, Sacco e Vanzetti teriam morrido seis anos antes, sem o consolo do martírio.

Com a deliberação de um compositor desenvolvendo os detalhes de uma sinfonia que ele sente em sua totalidade arredondada, Moore passou a esclarecer e aprofundar os elementos implícitos no caso. Não é de admirar que o juiz tenso e dispéptico e os advogados mesquinhos tenham odiado Moore com um ódio que era admiração virado do avesso. Ele não estava "jogando o jogo" de acordo com suas regras sagradas.

Talvez sua tarefa mais difícil e, portanto, sua realização mais criativa, tenha sido mostrar os dois italianos como tipos e símbolos de trabalhadores em todos os lugares. Elementos trabalhistas em outros países reconheceram Sacco e Vanzetti como seus muito antes de os trabalhadores americanos consentirem com essa identificação. O trabalho americano, e especialmente a porção organizada em sindicatos conservadores, a princípio rejeitou violentamente a implicação de que esses dois estrangeiros - anarquistas confessos, internacionalistas e ateus - eram em qualquer sentido trabalhadores americanos representativos. Suas visões sociais eram "não americanas". Aceitá-los como irmãos era lançar dúvidas sobre as ilusões da classe média do movimento trabalhista de boa fé.

Foi Fred Moore, disse Sinclair mais tarde, quem confirmou suas dúvidas crescentes sobre a inocência de Sacco e Vanzetti. Moore disse que nenhum dos dois jamais admitiu isso para ele, mas tinha certeza da culpa de Sacco e bastante seguro do conhecimento de Vanzetti sobre o crime, se não de sua cumplicidade nele. Esse conhecimento não impediu Moore de fazer tudo o que pudesse para salvar os dois homens, talvez incluindo atividades ilegais. Todo o sistema legal era corrupto, Moore insistiu, garantindo a Sinclair que "não há advogado criminal que atingiu a fama na América, exceto inventando álibis e contratando testemunhas. Não há outra maneira de ser um grande advogado criminal na América.


Fred H. Moore, Sr. Obituário

& ldquo O tio Fred fazia parte daquele grande grupo de homens Moore que papai amava. Sua mãe, Mable Davis, contou grandes histórias sobre seu pai e seus irmãos e. Leia mais »& rdquo
1 de 1 | Postado por: Margaret Davis Noah - Montrose, CO

  • Ver tudo
  • Deixe uma memória
  • Sair da memória de áudio
  • Acenda uma vela
Flores de simpatia

Serviços funerários de Fred H. Moore, Sr., De Start, LA foram realizadas às 14:00, domingo, 30 de setembro de 2012 na Start Baptist Church, Start, LA, com o Rev. Jeff Smart oficiando. O enterro ocorreu no Cemitério de Start, em Start, LA, sob a direção da Casa Funeral Brown-Holley, em Rayville, LA.

Fred nasceu em 11 de junho de 1920 em Rayville, LA, e faleceu quinta-feira, 27 de setembro de 2012 em Monroe, LA com a idade de 92 anos. Ele foi precedido por sua esposa, Viola Simpson pais Moore, Harland e Mary Williams Moore filhos, Charles R. Moore, nora de John E. Moore, irmãos Elaine Farley Moore, James, Harvey, Tommy, Harrold "Joe", irmãs Horace, Raymond e Felix, Mable, Dolly e Florence.

Os sobreviventes incluem seus filhos, Fred H. Moore, Jr. e esposa, Ethel of Start, Kenneth D. Moore e esposa, Cindy de Sterlington, LA, Mike Moore e esposa, Nita of Start nora, Barbara Moore de Davenport, Iowa 12-netos 16-bis netos e várias sobrinhas, sobrinhos e primos.

A família gostaria de expressar sua gratidão à Sra. Betty Crawford por seu cuidado dedicado e amoroso ao Sr. Moore.

Os palestrantes foram Brian Allen, Brandon Moore, Chuck Moore, Nicky Smith, Bubba Moore, David Moore, Elliott Colvin e Will Minchew.


Genealogia MOORE

WikiTree é uma comunidade de genealogistas que desenvolve uma árvore genealógica colaborativa cada vez mais precisa que é 100% gratuita para todos para sempre. Por favor junte-se a nós.

Junte-se a nós na colaboração com as árvores genealógicas MOORE. Precisamos da ajuda de bons genealogistas para cultivar um completamente grátis árvore genealógica compartilhada para conectar todos nós.

AVISO DE PRIVACIDADE IMPORTANTE E ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE: VOCÊ TEM A RESPONSABILIDADE DE USAR CUIDADO AO DISTRIBUIR INFORMAÇÕES PRIVADAS. A WIKITREE PROTEGE AS INFORMAÇÕES MAIS SENSÍVEIS, MAS SOMENTE NA EXTENSÃO INDICADA NO TERMOS DE SERVIÇO E POLÍTICA DE PRIVACIDADE.


Biografia de Fred H. Moore Biografias do Condado de Jefferson, NY Fred H. Moore. - Destacado entre os cidadãos de Watertown, tanto por sua habilidade profissional quanto por sua preocupação pública com os assuntos da comunidade, é Fred H. Moore, que está servindo como escrivão do Condado de Jefferson. Ele nasceu nesta cidade, em 14 de novembro de 1879, filho de Jacob H. e Mary E. (Steadman) Moore. Jacob H. Moore e sua esposa eram naturais do condado de Albany, N. Y. Ele morreu em 1915 e sua esposa em 1923. Fred H. Moore frequentou as escolas públicas locais e ingressou nos escritórios de advocacia da Smith & amp Reeves. Ele foi admitido na ordem dos advogados do estado de Nova York em 1902 e, até 1921, exerceu com sucesso a advocacia nesta cidade. Desde então, ele serviu como escrivão competente do Condado de Jefferson. Politicamente, o Sr. Moore é um republicano e ocupou o cargo de secretário do comitê republicano do condado de Jefferson. Foi eleito presidente em maio de 1930 e reeleito em setembro do mesmo ano. Ele serviu como promotor distrital assistente do Condado de Jefferson e como vereador do Fifth Ward. O Sr. Moore é membro da Trinity Episcopal Church e é afiliado às lojas Maçônica e Elk. Ele é identificado com a Ordem dos Advogados do Condado de Jefferson e pertence à Liga Lincoln. The North Country Uma história que abraça Jefferson, St. Lawrence, Oswego, Lewis e condados de Franklin, Nova York. Por: Harry F. Landon Editora Histórica Indianópolis, Indiana, 1932 A esposa de Freddy Moore fala sobre a chocante afirmação de traição de Demi Moore, diz que o músico está lutando contra o mal de Alzheimer

Em seu novo livro de memórias 'Inside Out', Demi Moore fala sobre sua infância difícil e conta a história de quando foi estuprada aos 15 anos. O homem teria pago US $ 500 para sua mãe fazer sexo com ela.

A esposa de Freddy Moore, Renee Moore, está se apresentando após Demi Moore admitir que ela traiu o músico em seu chocante "Inside Out".

Moore escreveu em "na noite antes de nos casarmos, em vez de cumprir meus votos", ela escapou de sua despedida de solteira e dormiu com um homem que conheceu no set de um filme.

A esposa do músico de rock, Renee, com quem ele se casou em 2005, abordou a revelação da bomba em uma declaração exclusiva à Fox News.

“Nós não vimos o livro, então não podemos e não vou comentar sobre nenhum específico”, disse Renée na quinta-feira. “O que vou dizer é que Rick [Freddy] e Demi se casaram há muito tempo, quando suas vidas eram muito diferentes. No tempo desde que ambos seguiram seus próprios caminhos. ”

Demi Moore e Freddy Moore durante a & quotFridays & quot Wrap Party no ABC Studios em Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos. (Foto de Ron Galella / Coleção Ron Galella via Getty Images)

De acordo com o blog de Renee, It’s Not a Rumor, Freddy, que nasceu Frederick George Moore, foi diagnosticado com Alzheimer aos 60 anos.

“Rick está, como muitos outros, lutando contra os horrores do Alzheimer”, explicou ela. “Nossos pensamentos e esforços estão focados em seu cuidado. Antes de a doença progredir, ele escreveu sua história e, em algum momento, ela será compartilhada em seu próprio livro. Nós vemos isso como dele, tanto quanto eu tenho certeza que Demi vê o livro dela como se fosse dela. "

Freddy Moore e Demi Moore durante a & quotFridays & quot Wrap Party no ABC Studios em Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos. (Foto de Ron Galella / Coleção Ron Galella via Getty Images)

Por meio do blog, Renee tem aumentado a conscientização sobre a doença devastadora que prejudica a memória e encoraja os leitores a falar sobre como ela impactou suas próprias famílias.

“Casei-me com o amor da minha vida”, escreveu Renée em uma postagem datada de fevereiro deste ano. “Ele era brilhante, um gênio na verdade, bonito, e tão amoroso e generoso, a pessoa mais doce que você poderia conhecer. Ele era um compositor, músico e cantor incrível. Tínhamos conversas até as primeiras horas da manhã e estar juntos era o paraíso. ”

“Após 35 anos de amor mútuo e casamento, recebemos a horrível notícia de que Rick teve a doença de Alzheimer aos 60 anos”, ela continuou. “Mas 60? É uma idade tão jovem de 60 anos. Os homens até têm filhos aos 60, meu pai tinha. As pessoas não se aposentam antes dos 65. Receber essa notícia foi o dia mais triste da minha vida. ”

Freddy e Moore se casaram quando ela tinha apenas 18 anos em 1980. O casal desistiu em 1985.

Quando o Daily Mail conversou com o músico na quarta-feira, ele fez gestos "loucos" quando questionado sobre os contos do livro, disse o meio de comunicação, mas acrescentou que iria "ler o mais rápido possível".

Esta atriz nasceu como Demetria Gene Guynes. (Reuters)

Em suas memórias, agora um best-seller, Moore analisa por que ela traiu seu marido antes do casamento.

“Por que eu fiz isso?” Moore escreveu. “Por que não fui ver o homem com quem me comprometia a passar o resto da minha vida para expressar minhas dúvidas. Porque eu não conseguia enfrentar o fato de que estava me casando para me distrair de chorar a morte de meu pai. Porque eu senti que não havia espaço para questionar o que eu já havia colocado em ação. Eu não poderia sair do casamento, mas poderia sabotá-lo. "

Rumer Willis, Demi Moore, Bruce Willis, Scout Willis, Emma Heming Willis e Tallulah Willis participam da festa de lançamento do livro & quotInside Out & quot de Demi Moore em 23 de setembro de 2019 em Los Angeles. (Getty)

A estrela de Brat Pack casou-se com o ator Bruce Willis em 1987. As duas estrelas compartilham três filhas: Rumer, 31, Scout, 28, e Tallulah Belle, 25. O casal se divorciou em 2000.

Moore começou a namorar Ashton Kutcher em 2003, um relacionamento que ela descreveu ao New York Times no início deste mês como "uma renovação".

“Como se eu pudesse simplesmente voltar no tempo e experimentar como era ser jovem, com ele - muito mais do que eu jamais fui capaz de experimentar quando tinha na verdade meus 20 anos”, disse Moore sobre seus 15 anos. ano diferença de idade.

Ashton Kutcher e Demi Moore na estréia de & quotNo Strings Attached & quot no Regency Village Theatre em Los Angeles, 11 de janeiro de 2011. Moore alegou que Kutcher a envergonhou por seu abuso de álcool durante o casamento. (Reuters)

O jornal disse que Moore engravidou depois que ela e Kutcher começaram a namorar. Ela perdeu a criança, uma menina que ela teria chamado de Chaplin Ray, com seis meses de gravidez.

Depois que o casal se casou em 2005, Moore e Kutcher procuraram tratamentos de fertilidade. No entanto, Moore teve uma recaída e começou a beber e abusar de Vicodin. Moore afirmou que Kutcher a havia traído. O casal se separou em 2011 e se divorciou dois anos depois.

Moore disse ao Times que não estava preocupada que qualquer coisa que ela escreveu em suas memórias pudesse impactar sua carreira em Hollywood.

16 de novembro de 2014. A atriz Demi Moore posa no 9º Prêmio Anual Kirk Douglas de Excelência em Cinema do Festival Internacional de Cinema de Santa Bárbara em Santa Bárbara, Califórnia. (Reuters)

“Não há nada que eu tenha que proteger”, ela explicou. "Mesmo. Definitivamente, não estou interessado em culpar ninguém. É um desperdício de energia. Espero que todos que estão no livro sintam que estão - não sei o que espero que eles sintam. Bom, não é ruim. ”

Jon Cryer respondeu recentemente à alegação de Moore de que ela tirou sua virgindade durante o tempo que passavam juntos no set de seu filme de 1984 "No Small Affair".

“Eu interpretei uma jovem cantora de boate e Jon Cryer interpretou o fotógrafo de 19 anos que se apaixona por ela, em seu primeiro papel no cinema”, escreveu Moore, de acordo com a People. “Jon também se apaixonou por mim na vida real e perdeu a virgindade comigo enquanto estávamos fazendo aquele filme”.

Ela acrescentou: “Dói-me pensar em como fui insensível com os sentimentos dele - que roubei dele o que poderia ter sido um momento tão importante e bonito”.

Na terça-feira, Cryer, 54, estrela de longa data do sitcom "Two and a Half Men", abordou um artigo sobre o trecho no Twitter, escrevendo: "Bem, a coisa boa sobre isso é que ela não precisa se sentir mal. mais, porque embora eu tenha certeza de que ela estava totalmente justificada em fazer essa suposição com base no meu. nível de habilidade (e o olhar atordoado no meu rosto na época), eu realmente perdi minha virgindade no colégio ", esclareceu.

"Mas ela está certa da outra parte, eu estava radiante por ela durante um período muito conturbado em sua vida", acrescentou ele. "Eu não tenho nada além de afeto por ela e nenhum arrependimento no mundo."

Mariah Haas e Jessica Napoli da Fox News contribuíram para este relatório.


Fred Moore

Quando um amigo não conseguiu dar uma entrevista agendada com Walt Disney por causa de uma dor de dente, Fred Moore, de 19 anos, aproveitou a oportunidade e foi em seu lugar. Um desenhista nato, sem nenhum treinamento formal em arte, exceto por algumas aulas noturnas que ganhava em troca de trabalho de zelador no Chouinard Art Institute, Fred ganhou o emprego. Seu gênio da animação seria posteriormente impresso nos filmes da Disney e em uma geração inteira de artistas iniciantes, que ele inspirou por meio de seus desenhos impecáveis.

O narrador Larry Clemmons certa vez lembrou: “Ele foi uma grande ajuda para os outros caras. Os caras entravam em seu quarto e diziam: ‘Fred, como você faria isso?’ Fred dizia: ‘Bem, aqui!’ - e ele mostrava a eles - ele não dava aula, ele apenas fazia. ”

Nascido Robert Fred Moore em 7 de setembro de 1911, ele estudou na Polytechnic High School em Los Angeles. Enquanto crescia, Fred frequentemente enviava desenhos para o Los Angeles Junior Times, uma revista para jovens. Cada vez que um desenho seu era publicado, Fred ganhava o que chamava de “botões brilhantes do Junior Times”, em vez de dinheiro.

Fred ganhou muitos botões quando entrou na Disney. Enquanto estava lá, ele transformou o visual de Mickey Mouse da tradicional escola de desenho de “mangueira de borracha e círculo redondo”, que usava uma técnica de “esmagar e esticar” que fazia o personagem parecer mais elástico, no personagem amado ainda hoje em dia.

A marca registrada do estilo de desenho de Fred, no entanto, era sua habilidade fantástica de dar emoção, charme e apelo aos personagens, ao mesmo tempo em que tornava suas ações mais convincentes.

Quando ele animou os porcos em Três porquinhos, por exemplo, Fred também recebeu o maior elogio de Walt de que "finalmente, conquistamos a verdadeira personalidade em um quadro completo". Fred contribuiu com quase 35 curtas ao todo, incluindo Dia do Julgamento de Plutão, Três gatinhos órfãos, que ganhou um Oscar ®, e Brave Little Tailor, que foi indicada ao Oscar ®.

Em 1934, Walt nomeou Fred o animador de direção dos Anões no primeiro longa-metragem de animação do Studio, Branca de Neve e os Sete Anões. Os anões estavam entre as maiores conquistas de Fred, de acordo com os animadores Frank Thomas e Ollie Johnston. No livro deles Disney Animation: The Illusion of Life, eles escreveram, “Na mente do público, não houve personagens mais memoráveis ​​do que os anões”. Outros personagens que Fred trouxe à vida incluíram Lampwick em Pinóquio, Timothy em Dumbo, e as Centauretas em Fantasia.


Livro de Memórias

Flores de simpatia

Fred nasceu em 25 de março de 1929 e faleceu na terça-feira, 1º de fevereiro de 2011.

Fred morava em Drummonds, Tennessee.

As informações neste obituário são baseadas em dados do Índice de Mortes da Previdência Social do governo dos Estados Unidos. No further information is available. More details on this data source are provided in our Frequently Asked Questions section.

Send Condolences
SEARCH OTHER SOURCES

The beautiful and interactive Eternal Tribute tells Fred's life story the way it deserves to be told in palavras, pictures e vídeo.

Create an online memorial to tell that story for generations to come, creating a permanent place for family and friends to honor the memory of your loved one.

Select An Online Memorial Product:

Share that special photograph of your loved one with everyone. Document family connections, service information, special times and priceless moments for all to remember and cherish forever with support for unlimited copy.

  • Online multimedia memorial with unlimited pictures, videos, music and more
  • Elegant, immersive format honors your loved one
  • Customizable themes, backgrounds and music give it that personal touch
  • Interactive Guest Book lets everyone share their memories and provide support
  • Enjoy all the features of the Eternal Tribute
  • Preserve the memory and sacrifices of a loved one’s national service
  • Choose from five elegant military branch themes
  • Highlight military service details
  • Unlimited photos and military record information
Leave A Memory

Fred H. Moore - History

Fred M. Moore, Jr. Union Grand Council Knights of Pythagoras

The period around 500-600 B.C. was extraordinary for the number of men whose thought would profoundly affect the world from that time forward.

In India, Prince Siddhartha was becoming the Gautama Buddha. In China, it was the time of Lao-tse and Confucius. In the western world, it was the time of Pythagoras.

In our modern perspective on "history", everything before Plato and Aristotle is murky, and even semi-mythic. We tend to see everything before the rise of Periclean Athens as primitive an arrogant and fallacious perspective. Pythagoras, some seven generations before Plato, was a philosopher/scientist in a line of teaching already thousands of years old, the Orphic tradition.

The major names we know from this ancient line are Orpheus (semi-mythological), Hermes Trismegistus of Egypt (legendary), Pythagoras, (historical personage), and Plato. The classic writers regarded Orpheus as the greatest spiritual master, Pythagoras the greatest scientist, and Plato the greatest philosopher in this line of teaching.

From our perspective we see the historical Pythagoras as an originator, but it would be more accurate to see him as the inheritor of a very ancient body of teaching, as is demonstrated in his own biography Most of his life was spent traveling, studying the accumulated wisdom of the ancient world from Egypt to India.

We can trace his path fairly accurately from Roman and Greek sources. Pythagoras left his birth island of Samos (in the third year of the 53rd Olympiad), at the age of 18, to spend the next 40 years studying with the greatest teachers of all schools in the ancient world. He spent 22 years in Egypt, and another 12 years in Babylon. He also studied in India, and with teachers in Crete and Sparta.

It was not until the age of 56 (in the 62nd Olympiad) that Pythagoras settled in the Italian city of Crotona. Crotona was one of the many Greek colonies around the northern Mediterranean, the autonomous cities of Magna Graecia.

In Crotona he established his Academy and its religious-scientific- philosophical-political movement, the secret wisdom school known as the Pythagorean Brotherhood. The Academy was to endure, in some form, for approximately 200 years after Pythagoras' death.

At about the same time Pythagoras married for the first time. His wife Theano was the daughter of Pythagoras' most famous disciple, Milo of Crotona, from whose house Pythagoras managed his school. (Men and women were admitted to the Academy on an equal basis, and Theano was a disciple at the Academy in her own right. Pythagoras' father-in-law and eminent disciple, Milo of Crotona, was the most famous wrestler of antiquity, winner of six Olympic Games.)

Pythagoras and Theano had seven children, four girls and three boys. After the murder of Pythagoras, Theano took over management of the Academy and one of the daughters, Damo, was entrusted with preserving, and keeping secret, her father's writings.

The Pythagorean Brotherhood was the archetypal Secret Society, whose inner teachings were available only to the initiates. It was a severe and authoritarian discipline. For the first five years of apprenticeship the applicants were not permitted to speak or to ask questions. Their teacher spoke to them from the other side of a curtain. When students, male or female, were initiated into the esoteric inner school, they joined an active dialogue "behind the curtain."

The body of Pythagorean teaching is known through the writings of others. Only two preserved letters are believed to have been directly written by Pythagoras. The wisdom of the initiates was never intended as public knowledge.

It was probably resentment of this elitist discipline of the Brotherhood that led to Pythagoras' murder at 80. The most frequent story goes that the richest, most powerful citizen of Crotona, named Cylon, applied to Pythagoras for discipleship, and was refused for reasons of bad personal character -- specifically, being "of a harsh, violent, turbulent Humor."

Enraged by the rejection, Cylon assembled a small private army. Waiting until a meeting at the disciple Milo's house, Cylo's thugs set the house afire, killing Pythagoras and forty of his disciples. This was in the 4th year of the 70th Olympiad, after Pythagoras had lived in Crotona for 20 years.

Other sources claim Pythagoras' murder was a simple political assassination, owing to the enormous political influence the Brotherhood had acquired in the colonies of Magna Graecia.


Fred H. Moore - History

Fred Moore:
An African-American Leader in Denton

Fred Moore was born Jan. 1, 1875. His mother was Mary Jane Goodall, an African-American whose parents had been slaves. She was called Janie. Because she was born in the time of slavery, she was never taught to read or write. Fred's father was an Indian man who disappeared six months before Fred was born.
It was cold and snowing the night Fred was born. Dr. Owsley, a woman doctor who helped deliver most of the babies in Denton at that time, came to help Janie with her new baby. She also helped Janie name the baby Frederick Douglas after the famous African-American leader.
When Fred was first born, Janie worked for a family in west Denton and she carried her baby with her to work. They made a cradle for the baby to stay in while he was there. She didn't earn much money, but she also was paid in food and clothes for the baby, so she managed to care for Fred.
When Fred was a year old, Janie married Henry Lucien Moore. Henry Moore adopted the baby, so Fred's full name became Frederick Douglas Moore. After their marriage, Janie and Henry Moore moved two miles south of the Owsley home and Janie worked for the Owsleys. Later, they moved to Mill Street where Henry worked at the old Davenport Mill. He lost his job when the mill burned. He then went to work at a brick plant carrying bricks and mortar. After the college that is now the University of North Texas opened, Henry became its first janitor.
Denton was still a frontier town when Fred was little. There were no electric lights. There were only a few streets. Lanterns hung at the street corners to illuminate the crossings.
The Moores lived in a one-room log house with two windows. The kitchen was in a side-room, a practice at those times to keep the heat from cookstoves away from the main living area. The house had a wood plank floor, which Janie kept clean by putting lye in the water when she mopped the floor. They had two very high beds, with mattresses filled with hay or straw.
Outside, the Moores had what was called a clean dirt yard or swept yard, the same kind of yard that most people had then. The grass was scraped away with a hoe, and the ground was swept regularly to keep it free of grass and weeds. They kept ducks, geese, chickens and pigs. Behind the house was an orchard where pear, plum, and peach trees grew, and grapes grew on the fence.
The Moores joined the Methodist Church. Traveling preachers came by horseback or horse and buggy to preach at the church, and they usually stayed at the Moore home while in Denton. Traveling peddlers in covered wagons also came by the house, selling or trading such hard-to-get items as pins, needles, threads, buttons and tobacco.
Fred had chores, such as carrying in the wood for his mother's cookstove, but he also had time to play. He liked to make pictures on the ground using berries, sticks and rocks. He used clay to make figures of people and animals and mixed mud with sticks to make tiny houses.
Fred started to school when he was seven years old. He learned to write so well that by the time he was ten, he was appointed secretary of the Sunday School at his church. He loved school and church. He made good grades in school, and he learned to play many musical instruments. He continued to be active in his church and was elected superintendent of Sunday schools when he was 19. He began collecting books and articles about the Bible and teaching his mother from them.
His schooling ended when he finished the ninth grade. It was time for him to go to work. His first job away from home was at a bank and he later worked at barbershops. Then he began using his musical talents. He organized a 14-piece band that played for events all over the county and he organized a string band that played for white people's dances. His bands became popular and he became known as the Professor. He met his wife, Sadie, when he took his band to Lewisville to play for a Juneteenth picnic and celebration. Fred and Sadie were married in 1902.
Eight years later, Sadie heard about a vacancy in the school for African-Americans in Denton. She convinced Fred that he should turn to education as a profession. He began studying and then passed an examination to earn his teachers certificate. He became principal of the school in 1915, beginning a career in education that spanned 40 years.
He kept studying during those early years, borrowing money to go to summer school. He attended Prairie View State Normal and Industrial College from 1917 to 1921, graduating in 1921. He later attended Fisk University and did graduate work at Columbia University in New York.
As teacher and principal in public school, a Sunday School official and leader in his church and community, Fred Moore influenced generations of students with his philosophy based on the following rules of conduct:

Exercise self-control control tongues, thoughts, temper and actions.
Seja econômico.
Never ridicule or defile the character of another.
Keep your self-respect and help others to keep theirs.
Kindness be kind in thoughts and never despise anyone.
Be kind in speech, never gossip or speak unkindly of others.
Good health is important. Keep yourself clean in body and mind.
Be self-reliant, but listen to the advice of wiser and older people.
Develop independence and wisdom.
Act according to what seems right and fair.
Never fear being laughed at for doing what is right.
Be brave. A coward does not make a good citizen.
Always play fair. Never cheat.
Always treat your opponents with courtesy.

Fred Moore was an honored citizen of Denton for many years. City landmarks such as Fred Moore Park and Fred Moore School were named in his honor. He died Oct. 1, 1953.

*Information for this biography is from the book, Fred Moore, by his wife, Sadie Moore.


Conteúdo

On the night of Christmas Eve, a family is settling down to sleep when the father is disturbed by noises on the lawn outside. Looking out the window, he sees Saint Nicholas in a sleigh pulled by eight reindeer. After landing his sleigh on the roof, Saint Nicholas enters the house down the chimney, carrying a sack of toys. The father watches his visitor fill the stockings hanging by the fireplace, and laughs to himself. They share a conspiratorial moment before Saint Nicholas bounds up the chimney again. As he flies away, he wishes a "Happy Christmas to all, and to all a good night."

The authorship of A Visit is credited to Clement Clarke Moore who is said to have composed it on a snowy winter's day during a shopping trip on a sleigh. His inspiration for the character of Saint Nicholas was a local Dutch handyman as well as the historic Saint Nicholas. Moore originated many of the features that are still associated with Santa Claus today while borrowing other aspects, such as the use of reindeer. [2] The poem was first published anonymously in the Troy, New York Sentinela on 23 December 1823, having been sent there by a friend of Moore, [1] and was reprinted frequently thereafter with no name attached. It was first attributed in print to Moore in 1837. Moore himself acknowledged authorship when he included it in his own book of poems in 1844. By then, the original publisher and at least seven others had already acknowledged his authorship. [3] [4] Moore had a reputation as an erudite professor and had not wished at first to be connected with the unscholarly verse. He included it in the anthology at the insistence of his children, for whom he had originally written the piece. [3]

Moore's conception of Saint Nicholas was borrowed from his friend Washington Irving, but Moore portrayed his "jolly old elf" as arriving on Christmas Eve rather than Christmas Day. At the time that Moore wrote the poem, Christmas Day was overtaking New Year's Day as the preferred genteel family holiday of the season, but some Protestants viewed Christmas as the result of "Catholic ignorance and deception" [1] and still had reservations. By having Saint Nicholas arrive the night before, Moore "deftly shifted the focus away from Christmas Day with its still-problematic religious associations". As a result, "New Yorkers embraced Moore's child-centered version of Christmas as if they had been doing it all their lives." [1]

No An American Anthology, 1787–1900, editor Edmund Clarence Stedman reprinted the Moore version of the poem, including the Dutch spelling of “Donder” and German spelling of "Blitzen" that he adopted, rather than the version from 1823 "Dunder and Blixem" that is more similar to the old Dutch “Donder en Blixem” that translates to "Thunder and Lightning". [5]

Modern printings frequently incorporate alterations that reflect changing linguistic and cultural sensibilities. Por exemplo, breast in "The moon on the breast of the new-fallen snow" is frequently bowdlerized to crest the archaic ere in "But I heard him exclaim ere he drove out of sight" is frequently replaced with Como. This change implies that Santa Claus made his exclamation during the moment that he disappeared from view, while the exclamation came before his disappearance in the original. "Happy Christmas to all, and to all a good-night" is frequently rendered with the traditional English locution "Merry Christmas". [ citação necessária ]

Moore's connection with the poem has been questioned by Professor Donald Foster, [6] who used textual content analysis and external evidence to argue that Moore could not have been the author. [7] Foster believes that Major Henry Livingston Jr., a New Yorker with Dutch and Scottish roots, should be considered the chief candidate for authorship, a view long espoused by the Livingston family. Livingston was distantly related to Moore's wife. [7] Foster's claim, however, has been countered by document dealer and historian Seth Kaller, who once owned one of Moore's original manuscripts of the poem. Kaller has offered a point-by-point rebuttal of both Foster's linguistic analysis and external findings, buttressed by the work of autograph expert James Lowe and Dr. Joe Nickell, author of Pen, Ink and Evidence. [3] [8] [9]

Evidence in favor of Moore Edit

On January 20, 1829, Troy editor Orville L. Holley alluded to the author of the Christmas poem, using terms that accurately described Moore as a native and current resident of New York City, and as "a gentleman of mais merit as a scholar and a writer than many of more noisy pretensions". [10] In December 1833, a diary entry by Francis P. Lee, a student at General Theological Seminary when Moore taught there, referred to a holiday figure of St. Nicholas as being "robed in fur, and dressed according to the description of Prof. Moore in his poem". [11] Four poems including A Visit from St. Nicholas appeared under Moore's name in The New-York Book of Poetry, edited by Charles Fenno Hoffman (New York: George Dearborn, 1837). The Christmas poem appears on pp. 217–19, credited to "Clement C. Moore". Moore stated in a letter to the editor of the New York American (published on March 1, 1844) that he "gave the publisher" of The New-York Book of Poetry "several pieces, among which was the 'Visit from St. Nicholas.'" Admitting that he wrote it "not for publication, but to amuse my children," Moore claimed the Christmas poem in this 1844 letter as his "literary property, however small the intrinsic value of that property may be". A Visit from St. Nicholas appears on pp. 124–27 in Moore's volume of collected Poems (New York: Bartlett and Welford, 1844). Before 1844, the poem was included in two 1840 anthologies: attributed to "Clement C. Moore" in Selections from The American Poets, edited by William Cullen Bryant (New York: Harper & Brothers, 1840), pp. 285–86 and to "C. C. Moore" in the first volume of The Poets of America, edited by John Keese (New York: S. Colman, 1840), pp. 102–04. The New-York Historical Society has a later manuscript of the poem in Moore's handwriting, forwarded by T. W. C. Moore along with a cover letter dated March 15, 1862 giving circumstances of the poem's original composition and transmission after a personal "interview" with Clement C. Moore. [12]

Depois de A Visit from St. Nicholas appeared under Moore's name in the 1837 New-York Book of Poetry, newspaper printings of the poem often credited Moore as the author. For example, the poem is credited to "Professor Moore" in the 25 December 1837 Pennsylvania Inquirer and Daily Courier. Although Moore did not authorize the earliest publication of the poem in the Troy Sentinela, he had close ties to Troy through the Protestant Episcopal Church that could explain how it got there. Harriet Butler of Troy, New York (daughter of the Rev. David Butler) who allegedly showed the poem to Sentinela editor Orville L. Holley, was a family friend of Moore's and possibly a distant relative. [13] A letter to Moore from the publisher Norman Tuttle states, "I understand from Mr. Holley that he received it from Mrs. Sackett, the wife of Mr. Daniel Sackett who was then a merchant in this city". [14] The reported involvement of two women, Harriet Butler and Sarah Sackett, as intermediaries is consistent with the 1862 account of the poem's earliest transmission in which T. W. C. Moore describes two stages of copying, first "by a relative of Dr Moores in her Album" and second, "by a friend of hers, from Troy". [15] Moore preferred to be known for his more scholarly works, but allowed the poem to be included in his anthology in 1844 at the request of his children. By that time, the original publisher and at least seven others had already acknowledged his authorship. Livingston family lore gives credit to their forebear rather than Moore, but Livingston himself ever claimed authorship, [16] nor has any record ever been found of any printing of the poem with Livingston's name attached to it, despite more than 40 years of searches. [ citação necessária ]

Evidence in favor of Livingston Edit

Advocates for Livingston's authorship argue that Moore "tried at first to disavow" the poem. [17] They also posit that Moore falsely claimed to have translated a book. [18] Document dealer and historian Seth Kaller has challenged both claims. Kaller examined the book in question, A Complete Treatise on Merinos and Other Sheep, as well as many letters signed by Moore, and found that the "signature" was not penned by Moore, and thus provides no evidence that Moore made any plagiaristic claim. Kaller's findings were confirmed by autograph expert James Lowe, by Dr. Joe Nickell, the author of Pen, Ink & Evidence, and by others. According to Kaller, Moore's name was likely written on the book by a New-York Historical Society cataloger to indicate that it had been a gift from Moore to the Society. [3] [19] [20]

The following points have been advanced in order to credit the poem to Major Henry Livingston Jr.:

Livingston also wrote poetry primarily using an anapaestic metrical scheme, and it is claimed that some of the phraseology of A Visit is consistent with other poems by Livingston, and that Livingston's poetry is more optimistic than Moore's poetry published in his own name. But Stephen Nissenbaum argues in his Battle for Christmas that the poem could have been a social satire of the Victorianization of Christmas. Furthermore, Kaller claims that Foster cherry-picked only the poems that fit his thesis and that many of Moore's unpublished works have a tenor, phraseology, and meter similar to A Visit. Moore had even written a letter titled "From Saint Nicholas" that may have predated 1823.

Foster also contends that Moore hated tobacco and would, therefore, never have depicted Saint Nicholas with a pipe. However, Kaller notes, the source of evidence for Moore's supposed disapproval of tobacco is The Wine Drinker, another poem by him. In actuality, that verse contradicts such a claim. Moore's The Wine Drinker criticizes self-righteous, hypocritical advocates of temperance who secretly indulge in the substances which they publicly oppose, and supports the social use of tobacco in moderation (as well as wine, and even opium, which was more acceptable in his day than it is now).

Foster also asserts that Livingston's mother was Dutch, which accounts for the references to the Dutch Sinteklaes tradition and the use of the Dutch names "Dunder and Blixem". Against this claim, it is suggested by Kaller that Moore – a friend of writer Washington Irving and member of the same literary society – may have acquired some of his knowledge of New York Dutch traditions from Irving. Irving had written A History of New York in 1809 under the name of "Dietrich Knickerbocker". It includes several references to legends of Saint Nicholas, including the following that bears a close relationship to the poem:

And the sage Oloffe dreamed a dream,‍—‌and lo, the good St. Nicholas came riding over the tops of the trees, in that self-same wagon wherein he brings his yearly presents to children, and he descended hard by where the heroes of Communipaw had made their late repast. And he lit his pipe by the fire, and sat himself down and smoked and as he smoked, the smoke from his pipe ascended into the air and spread like a cloud overhead. And Oloffe bethought him, and he hastened and climbed up to the top of one of the tallest trees, and saw that the smoke spread over a great extent of country and as he considered it more attentively, he fancied that the great volume of smoke assumed a variety of marvelous forms, where in dim obscurity he saw shadowed out palaces and domes and lofty spires, all of which lasted but a moment, and then faded away, until the whole rolled off, and nothing but the green woods were left. And when St. Nicholas had smoked his pipe, he twisted it in his hatband, and laying his finger beside his nose, gave the astonished Van Kortlandt a very significant look then, mounting his wagon, he returned over the tree-tops and disappeared.

MacDonald P. Jackson, Emeritus Professor of English at the University of Auckland, New Zealand and a Fellow of the Royal Society of New Zealand, has spent his entire academic career analyzing authorship attribution. He has written a book titled Who Wrote "The Night Before Christmas"?: Analyzing the Clement Clarke Moore Vs. Henry Livingston Question, [22] published in 2016, in which he evaluates the opposing arguments and, for the first time, uses the author-attribution techniques of modern computational stylistics to examine the long-standing controversy. Jackson employs a range of tests and introduces a new one, statistical analysis of phonemes he concludes that Livingston is the true author of the classic work.

Parts of the poem have been set to music numerous times, including a bowdlerized version (that omitted several verses such as "The moon on the breast of the new fallen snow . etc.". and rewrote and replaced many others such as "the prancing and pawing of each little hoof" with "the clattering noise of each galloping hoof"), by the American composer Ken Darby (1909-1992), [23] [24] whose version was recorded by Fred Waring and the Pennsylvanians three separate times in 1942, [25] [26] 1955, [27] and 1963. [23] The latter 1963 stereo recording for Capitol Records became the most familiar of the poem's musical adaptations. [28] Christmas song-writing specialist Johnny Marks also composed a short version in 1952, titled The Night Before Christmas Song, which has been recorded multiple times, [29] and was used in the soundtrack for the 1964 TV special Rudolph the Red-Nosed Reindeer, sung by Burl Ives. [30] The poem was also set to music by British child composer Alma Deutscher (b. 2005). [31] In 1953, Perry Como recorded a recitation of the poem for RCA Victor with background music arranged and conducted by Mitchell Ayres.Louis Armstrong recited the poem in a March 1971 recording made only four months before his death. [32] [33] It was recorded at his home in Corona, Queens and released as 45rpm by Continental Records. [34]

The first completely musical rendition, that used the text of the poem in its entirety without material additions or alterations, was the cantata "A Visit from St. Nicholas" composed by Lucian Walter Dressel in 1992 and first performed by the Webster University Orchestra, SATB Soloists, and Chorus. [35] More recent performances of the cantata have been performed by regional orchestras and choruses in Missouri, Illinois and Colorado. [36]

Four hand-written copies of the poem are known to exist and three are in museums, including the New-York Historical Society library. [37] The fourth copy, written out and signed by Clement Clarke Moore as a gift to a friend in 1860, was sold by one private collector to another in December 2006. It was purchased for $280,000 by an unnamed "chief executive officer of a media company" who resides in New York City, according to Dallas, Texas-based Heritage Auctions which brokered the private sale. [38]


Assista o vídeo: Fred Hammond - Radical for Christ