Ordem executiva

Ordem executiva

Uma ordem executiva é uma diretriz oficial dos EUA. Ao longo da história, ordens executivas têm sido uma forma de expansão do poder do presidente e do ramo executivo do governo - em graus que às vezes são controversos.

O que é uma Ordem Executiva?

A Constituição dos EUA não define diretamente ou dá ao presidente autoridade para emitir ações presidenciais, que incluem ordens executivas, memorandos presidenciais e proclamações.

Em vez disso, esse poder implícito e aceito deriva do Artigo II da Constituição, que afirma que, como chefe do poder executivo e comandante-chefe das forças armadas, o presidente “deve cuidar para que as leis sejam fielmente executadas”.

Com uma ordem executiva, o presidente instrui o governo a trabalhar dentro dos parâmetros já fixados pelo Congresso e pela Constituição. Na verdade, isso permite ao presidente aprovar mudanças nas políticas sem passar pelo Congresso.

Ao emitir uma ordem executiva, o presidente não cria uma nova lei ou se apropria de quaisquer fundos do Tesouro dos EUA; apenas o Congresso tem o poder de fazer essas duas coisas.

Como uma Ordem Executiva é executada

Qualquer ordem executiva deve identificar se a ordem é baseada nos poderes dados ao presidente pela Constituição dos Estados Unidos ou delegados a ele pelo Congresso.

Desde que a ordem tenha uma base sólida na Constituição e nos poderes que confere ao presidente - como chefe de estado, chefe do ramo executivo e comandante-chefe das forças armadas do país - ou em leis aprovadas pelo Congresso, um executivo a ordem tem força de lei.

Depois que o presidente emite uma ordem executiva, essa ordem é registrada no Federal Register e é considerada vinculativa, o que significa que pode ser aplicada da mesma forma como se o Congresso a tivesse promulgado como lei.

Verificações e saldos em ordens executivas

Assim como as leis, as ordens executivas estão sujeitas a revisão legal, e a Suprema Corte ou tribunais federais inferiores podem anular ou cancelar uma ordem executiva se determinarem que é inconstitucional.

Da mesma forma, o Congresso pode revogar uma ordem executiva aprovando uma nova legislação. Estes são exemplos de freios e contrapesos embutidos no sistema de governo dos EUA para garantir que nenhum ramo - executivo, legislativo ou judiciário - se torne muito poderoso.

Um exemplo importante dessa dinâmica ocorreu em 1952, depois que Harry Truman emitiu uma ordem executiva instruindo seu secretário de comércio a tomar o controle das siderúrgicas do país durante a Guerra da Coréia.

Mas em sua decisão em Youngstown Sheet & Tube Co. v. Sawyer mais tarde naquele ano, a Suprema Corte decidiu que a ordem de Truman violava a cláusula do devido processo da Constituição e que o presidente não havia recebido autoridade estatutária do Congresso para confiscar propriedade privada.

Pedidos executivos ao longo da história

Praticamente todos os presidentes desde George Washington usaram a ordem executiva de maneiras diferentes durante suas administrações.

A primeira ordem de Washington, em junho de 1789, determinou que os chefes dos departamentos executivos apresentassem relatórios sobre suas operações. Ao longo dos anos, os presidentes normalmente emitiram ordens executivas e outras ações para estabelecer feriados para funcionários federais, regular o serviço público, designar terras públicas como reservas indígenas ou parques nacionais e organizar esforços federais de assistência a desastres, entre outros usos.

William Henry Harrison, que morreu após um mês no cargo, é o único presidente a não emitir uma única ordem executiva; Franklin D. Roosevelt, o único presidente a cumprir mais de dois mandatos, assinou, de longe, a maioria dos decretos executivos (3.721), muitos dos quais estabeleceram partes essenciais de suas amplas reformas do New Deal.

Ordens executivas também foram usadas para afirmar os poderes da guerra presidencial, começando com a Guerra Civil e continuando ao longo de todas as guerras subsequentes. Durante a Guerra Civil, Abraham Lincoln usou de forma polêmica ordens executivas para suspender o habeas corpus em 1861 e para decretar sua Proclamação de Emancipação em 1863.

E durante a Segunda Guerra Mundial, FDR notoriamente emitiu uma ordem executiva ordenando o internamento de nipo-americanos em 1942.

Vários presidentes usaram ordens executivas para fazer cumprir a legislação de direitos civis em face da resistência estadual ou local. Em 1948, Truman emitiu uma ordem executiva desagregando as forças armadas do país, enquanto Dwight D. Eisenhower usou uma ordem para enviar tropas federais para integrar escolas públicas em Little Rock, Arkansas, em 1957.

Ordens Executivas Trump

Entre 1789 e 1907, os presidentes dos EUA emitiram um total combinado de aproximadamente 2.400 ordens executivas. Desde 1908, quando as ordens foram numeradas cronologicamente pela primeira vez, os presidentes já emitiram mais de 13.700 ordens executivas, refletindo a expansão do poder presidencial ao longo dos anos.

Novos presidentes costumam assinar uma série de ordens executivas e outras ações nas primeiras semanas de sua administração, a fim de direcionar as agências federais que estão assumindo.

Presidentes recentes levaram essa prática a novos patamares: em janeiro de 2017, Donald Trump estabeleceu um novo recorde para o número de ações executivas emitidas por um novo presidente em sua primeira semana, com 14 (um a mais que os 13 emitidos por seu antecessor imediato, Barack Obama, em janeiro de 2009), incluindo seis ordens executivas. O presidente Joe Biden ultrapassou esse recorde durante suas primeiras duas semanas no cargo, assinando mais de 30 ordens executivas.

Fontes

Ordens Executivas, The Oxford Guide to the United States Government.
Ordens Executivas 101: Constituição Diária.
Ordens Executivas: Emissão, Modificação e Revogação, Serviço de Pesquisa do Congresso.
Truman vs. Steel Industry, 1952, Time.
Ordens Executivas, Projeto da Presidência Americana.
O que é uma ordem executiva? E como o presidente Trump se compara? Washington Post.


Ordens executivas: The Famous, The Infamous & The Ridiculous

Os críticos os chamam de "legislação por outros meios". Os defensores os defendem como uma ferramenta necessária para liderar o país "" especialmente diante de um Congresso que não quer ou não pode fazer escolhas difíceis. Qualquer que seja sua posição, a Ordem Executiva tem sido usada por presidentes para o bem, para o mal e às vezes para o justo simples razões estranhas.

Base Constitucional

O Artigo II, Seção 1 da Constituição dos Estados Unidos contém uma referência vaga às ordens executivas, dando ao presidente o poder de "cuidar para que as leis sejam fielmente executadas". Construcionistas estritos interpretam esta frase para dar poder ao presidente apenas para promulgar leis aprovadas pelo Congresso, mas os presidentes mostraram uma flexibilidade mental notável para superar esse obstáculo potencial. Os decretos executivos cobriram todos os tópicos, desde a eliminação da segregação escolar até o início de guerras e o fornecimento de cargos governamentais confortáveis ​​aos apoiadores políticos.

Esses pedidos permaneceram praticamente sem controle até que o presidente Harry Truman assinou a Ordem Executiva 10340, que colocou todas as usinas siderúrgicas dos EUA sob controle federal. A Suprema Corte decidiu que Truman havia extrapolado sua autoridade porque tentou fazer leis em vez de esclarecer uma parte da legislação existente. O juiz Hugo Black, preocupado com o fato de sua opinião majoritária ter ofendido o presidente (o que aconteceu), convidou Truman para jantar. Truman, superado pela hospitalidade da Justiça, comentou: "Hugo, não me importo muito com a sua lei, mas, caramba, este uísque é bom."

Desde então, os presidentes têm exercido mais moderação e costumam citar leis específicas ao assinar uma Ordem Executiva. Uma vez assinados, no entanto, eles carregam o poder da lei e obrigam todos os cidadãos, agências e empresas dos EUA a segui-los.

Ordens executivas famosas, infames e ridículas

Você deve ter lido sobre essas ordens executivas na aula de história do 11º ano da Sra. Snodergrape. Infelizmente, a Sra. Snodergrape geralmente deixava de fora os petiscos mais interessantes.

Proclamação de Emancipação: Talvez a mais famosa de todas as ordens executivas, a Proclamação libertou todos os escravos que viviam na Confederação. (Isso não permitiu, no entanto, escravos livres nos estados fronteiriços de Kentucky, Missouri, Maryland, Delaware e West Virginia "“ estados que permitiam a escravidão, mas não haviam se separado da União.)

A Proclamação foi, na verdade, a última tentativa do presidente Lincoln de encerrar rapidamente a Guerra Civil. Seu primeiro desejo era salvar a União, não acabar com a escravidão. Em julho de 1862, Lincoln redigiu uma "Proclamação de Emancipação Preliminar" que anunciava que libertaria os escravos em qualquer território ainda sob rebelião em 1º de janeiro de 1863. Teoricamente, os estados que cessaram as hostilidades e voltaram à União antes dessa data ainda podiam praticar a escravidão. Após a desastrosa derrota da Confederação em Antietam em setembro, Lincoln emitiu esta Proclamação preliminar. Ele esperava que a derrota convencesse o Sul de que eles não poderiam ganhar a guerra e, como uma concessão a uma rendição rápida, eles teriam permissão para manter seus escravos. A Confederação não se rendeu, então Lincoln emitiu sua Proclamação de Emancipação final no dia de Ano Novo. Embora tenha libertado poucos escravos na época, esclareceu uma causa moral para a guerra e frustrou todas as esperanças de que a Confederação recebesse apoio da França ou da Grã-Bretanha.


Novo acordo: O desemprego havia chegado a 25%. Os preços das commodities caíram 60% e o mercado de ações caiu 85% de seu valor. Franklin Delano Roosevelt entrou em cena enfrentando a maior crise desde a Guerra Civil. Lançado para a presidência por meio da promessa de um "New Deal", Roosevelt fundamentou seu programa de recuperação na Works Progress Administration, promulgada por E.O. 7034 em 1935. O WPA se baseou no altamente popular Civilian Conservation Corps e forneceu trabalho para cerca de 8,5 milhões de pessoas. Em seus oito anos, construiu mais de 600.000 milhas de estradas, 125.000 pontes, 8.000 parques e 850 pistas de aeroportos. O WPA também empregou pintores, escultores, músicos e escritores. O resultado: 2.500 murais, 17.500 peças de escultura, 34 novas orquestras, 2.000 cartazes de serviço público e o Guia americano série - o guia de viagem mais completo para os Estados Unidos já publicado.

[Pôster WPA cortesia da Biblioteca do Congresso.]

Desagregação das Forças Armadas: Em fevereiro de 1948, um esperançoso presidente Harry S. Truman enviou ao Congresso uma proposta de dez pontos sobre a extensão dos direitos civis aos afro-americanos. Incluído nesse plano estava uma proposta para desagregar os militares e eliminar gradualmente as unidades totalmente negras que datavam da Guerra Civil. Ele subestimou enormemente a reação de seus colegas democratas, que naquele julho se separaram do Partido Democrata e formaram o Partido Dixiecrat com Strom Thurmond como candidato à presidência. Menos de duas semanas depois, Truman emitiu a Ordem Executiva 9981, "[declarando que] é política do Presidente que deve haver igualdade de tratamento e oportunidade para todas as pessoas nas forças armadas, independentemente de raça, cor, religião ou origem nacional." Em 1953, 95% de todos os membros do serviço afro-americanos haviam sido integrados em unidades que antes eram totalmente brancas.

Internação Nipo-Americana: "Tora! Tora! Tora!" O principal avião japonês comunicou-se por rádio com o quartel-general para indicar que a surpresa total fora alcançada em Pearl Harbor. Os Estados Unidos e o Japão estavam em guerra, a nação estava com medo e estava convencida de que os espiões japoneses espreitavam por toda parte. O presidente Roosevelt assinou a Ordem Executiva 9066, autorizando a detenção de mais de 110.000 nipo-americanos. Retirados principalmente da Costa Oeste, aproximadamente 60% dos internados eram cidadãos americanos, sem o direito de habeas corpus e arrancados de suas casas pelo simples crime de ter ascendência japonesa. Posteriormente, uma comissão determinou que E.O. 9066 foi o resultado de "preconceito racial, histeria de guerra e um fracasso da liderança política".

Reservas indígenas: Em 1851, o Congresso aprovou a Lei de Apropriações Indígenas, que autorizava o governo a remover, à força se necessário, os nativos americanos de suas terras natais ancestrais para locais menos desejáveis ​​mais a oeste. Essa política rapidamente ficou em segundo plano na Guerra Civil, mas o presidente Ulysses S. Grant criou dezenas de reservas. Algumas tribos foram pacificamente, enquanto outras, como os Sioux, travaram uma luta amarga. Eventualmente, mais de 300 reservas foram criadas, a maioria em áreas extremamente inóspitas que ninguém mais queria.

De que adianta ser presidente se você não pode fazer um pouco do que quer? Essas ordens executivas têm historiadores coçando a cabeça e dizendo, "hein?"

Ordens executivas explicitadas: Os relatórios do TPS o desanimaram? No que poderia ter sido a imprensa antecipada para o filme Escritório, O presidente Herbert Hoover assinou E.O. 5658 em 24 de junho de 1931. Esta ordem executiva é sobre "“ você adivinhou "“ ordens executivas. Ele descreve todos os detalhes úteis que você precisa saber sobre gramática, ortografia, margens, seleção de um título e até mesmo o tamanho do papel a ser usado (8 1/2 x 11). Pelo menos não havia nada de importante acontecendo na época como, você sabe, a Grande Depressão.


1. A Proclamação de Emancipação

Possivelmente, a ordem executiva mais famosa foi emitida em um tempo antes de as diretivas serem oficialmente numeradas. A Proclamação de Emancipação de 1º de janeiro de 1863 foi emitida pelo presidente Abraham Lincoln para declarar a liberdade de mais de três milhões de escravos em toda a Confederação. Embora a ordem apenas libertasse escravos verdadeiramente em estados controlados pela União (cerca de 20-50.000), ela forneceu uma estrutura para a eventual emancipação de milhões mais quando os exércitos da União alcançaram os confederados.


A Ordem Executiva: Uma História de Sua Ascensão e Lento Declínio

Franklin Roosevelt emitiu mais ordens executivas do que qualquer outro presidente, 3.721, uma média de 307 por ano. (Arquivos Nacionais dos EUA)

Nos primeiros 100 dias de cada administração, sempre há muita discussão sobre ordens executivas e ação presidencial unilateral. O presidente Joe Biden não é exceção, e qualquer avaliação de seus primeiros meses no cargo incluirá uma conversa sobre suas ordens executivas. No entanto, a história da ordem executiva não é uma história de expansão consistente, e entender seu papel em alguns dos maiores momentos de nossa nação é essencial para avaliar a presidência.

A Constituição não articula o direito presidencial de emitir proclamações ou ordens executivas. Na verdade, eles nem mesmo são mencionados. Mas quase desde o início, George Washington entendeu que a autoridade presidencial deveria incluir atividades que não foram especificamente definidas na Constituição para liderar a nação. Em 8 de junho de 1789, o presidente Washington emitiu sua primeira diretiva. O Congresso ainda não havia estabelecido os novos departamentos executivos, de modo que os secretários dos departamentos da Confederação existentes haviam permanecido no cargo atuando como representantes. Washington pediu a John Jay, secretário interino de relações exteriores, que fornecesse “um relato claro do Departamento à frente do qual você tem estado, como pode ser suficiente ... para me impressionar com uma ideia geral completa, precisa e distinta dos Estados Unidos . ”

Nos oito anos seguintes, Washington emitiu sete proclamações ou ordens adicionais, como uma proclamação declarando um dia de ação de graças em 26 de novembro de 1789 e a Proclamação de Neutralidade em 22 de abril de 1793, declarando os Estados Unidos neutros na guerra entre a França e Grã-Bretanha. No século 21, não consideraríamos necessariamente as cartas solicitando informações ou proclamações de agradecimento como ordens executivas, mas elas estabeleceram um precedente importante para os sucessores de Washington.


3. Ordem Executiva 10834

Ordem Executiva 10834

A bandeira dos Estados Unidos mudou várias vezes ao longo da história do jovem país. Inicialmente com 13 estrelas e 13 listras, esta Ordem Executiva promulgada pelo Presidente Dwight D. Eisenhower padronizou o desenho da bandeira e como ela poderia mudar no futuro. Com cada novo estado adicionado à União, uma estrela extra seria adicionada ao design existente. Também fez provisões sobre o tamanho das bandeiras que poderiam ser vendidas e até mesmo a altura de cada faixa, a tonalidade do fundo azul e o layout das estrelas


Tabelas de disposição de ordens executivas

Observação: As atualizações de ordens executivas foram descontinuadas em 20 de janeiro de 2017. Informações sobre ordens executivas atuais podem ser encontradas em www.federalregister.gov/executive-orders.

Ordens executivas são documentos oficiais, numerados consecutivamente, por meio dos quais o Presidente dos Estados Unidos administra as operações do Governo Federal. Saber mais

Saiba mais sobre ordens executivas

Depois que o presidente assina uma ordem executiva, é:


    Contente: Status de ordens executivas
    Datas: 8 de janeiro de 1937 - 19 de janeiro de 2017

    Contente: Compilação de documentos presidenciais assinados recebidos pelo Escritório do Registro Federal e publicados no Federal Register.
    Datas: Anualmente a partir de 1º de janeiro

    Contente: Ordens executivas e proclamações editadas e reorganizadas
    Datas: 13 de abril de 1945 - 20 de janeiro de 1989 (esgotado)

A história surpreendentemente controversa das ordens executivas

Apesar dos gritos de que os presidentes Trump e Obama emitiram ordens executivas "sem precedentes", os presidentes adotaram ações executivas para promulgar políticas polêmicas desde o início da República.

Recentemente, o USA Today destruiu as ordens executivas do presidente Trump desde que assumiu o cargo, desde o incentivo à aprovação do Keystone XL até a alteração da política de imigração, como uma "nevasca sem precedentes". Em 2014, o Washington Post censurou o presidente Obama por suas diretivas de imigração de ação adiada, mais comumente chamadas de DACA e DAPA, considerando-as "sem precedentes" e "abrangentes", enquanto Ted Cruz publicou um artigo no Wall Street Journal atacando o "imperialismo de Obama" ”Ordem executiva aumentando o salário mínimo para contratantes federais como um“ sem precedentes ”. Um artigo de 2009 no Mother Jones lamentou uma ordem executiva do presidente George W. Bush permitindo que ex-presidentes e suas famílias bloqueiem a divulgação de registros presidenciais como - você adivinhou - “sem precedentes”.

Com toda a conversa sobre precedentes, você pode pensar que, historicamente, as ordens executivas pouco mais fizeram do que definir o cronograma de rega dos gramados da Casa Branca. Mas a realidade é que os presidentes há muito empregam ações executivas para cumprir objetivos surpreendentemente polêmicos sem a aprovação do Congresso. Seus esforços tiveram vários graus de sucesso - tanto nos tribunais de justiça quanto nos tribunais de história.

Prosa com qualquer outro nome

No início, a terminologia é importante. Vários documentos diferentes são formas de “ação executiva” por meio das quais o presidente instrui seus subordinados no poder executivo sobre como seu chefe deseja que eles façam cumprir a lei.

Os mais proeminentes são “ordens executivas”. A ordem de Trump restringindo a imigração foi uma ordem executiva. As ordens executivas são as mais formais. Eles foram numerados desde 1907, e uma lei promulgada na década de 1930 exigia que a maioria (mas não todos) fosse publicada no Federal Register. Uma ordem executiva da era JFK requer ordens executivas posteriores para citar autoridade legal.

“Memorandos presidenciais”, antes chamados de cartas presidenciais, são menos formais, mas ainda assim ação direta da agência com a mesma força que ordens executivas. Na verdade, eles são basicamente os mesmos, mas os memorandos presidenciais não precisam incluir nenhuma das características de numeração, autoridade ou mesmo publicação de ordens executivas (embora os governos Trump e Obama tenham publicado muitos deles no site da Casa Branca e alguns no Federal Register). O governo Trump começou a emitir um novo tipo de memorando presidencial chamado "Memorando de Segurança Nacional Presidencial". A reorganização do Conselho de Segurança Nacional para elevar Steve Bannon e rebaixar oficiais militares e de inteligência veio em um desses memorandos.

“Proclamações presidenciais”, como a proclamação presidencial de Trump declarando seu Dia da Posse um “Dia Nacional de Devoção Patriótica”, são as menos formais e não têm autoridade obrigatória dentro do ramo executivo. Eles podem ser publicados no Federal Register e geralmente são bem respeitados por nomeados executivos. Normalmente incluem proclamações como hastear bandeiras a meio mastro ou a criação de um novo monumento nacional.

Os decretos executivos são mais fáceis de rastrear hoje em dia, com os requisitos de publicação e numeração, mas os memorandos e proclamações presidenciais não. Ninguém sabe quantos memorandos existem ou o que todos cobrem. Os historiadores estimam que pode haver até 50.000 flutuando.

The American Precedent

Embora não haja autoridade constitucional explícita para ações executivas, todos os presidentes as empregaram, e os acadêmicos geralmente aceitam que estão implícitas no Artigo II, a exigência da Seção 3 de que o presidente "tome cuidado para que as Leis sejam fielmente executadas."

Os presidentes Adams e Monroe emitiram uma ordem executiva cada durante seus mandatos, o menor de todos os presidentes (exceto o presidente William Harrison, que morreu após um mês no cargo). O presidente Washington emitiu oito. Entre eles estão uma ordem para que todos os americanos ajam de forma “amigável e imparcial” na guerra entre a Grã-Bretanha e a França, e outra que estabelece um dia nacional de Ação de Graças no final de novembro.

O presidente Lincoln emitiu 42 ordens executivas. Sua Ordem Geral de Guerra 1 enviou tropas da União para a guerra contra “forças insurgentes” e outra ordenou a prisão de todos os editores de jornais que favoreciam a rebelião. A Proclamação de Emancipação libertando escravos nos estados do sul foi tanto uma proclamação presidencial quanto uma ordem executiva. O presidente Grant, um ex-general acostumado a emitir ordens, emitiu mais de 200 delas. Vários criaram reservas indígenas modernas, com base apenas na ampla autoridade do Congresso para realocar tribos nativas americanas.

O presidente Franklin Roosevelt, em contraste, emitiu quase 4.000 ordens executivas. Sua Ordem Executiva 9066 autorizou a remoção de qualquer pessoa das áreas militares "conforme considerado necessário ou desejável". Os militares mais tarde definiriam toda a Costa Oeste dos Estados Unidos como uma "área militar" e ordenariam a remoção de nipo-americanos para campos de internamento. (O Congresso aprovou financiamento para internamento por estatuto vários meses depois, após apenas uma hora e meia de debate.) A Ordem Executiva 7034 de Roosevelt organizou a Works Progress Administration, um dos pilares centrais de sua resposta à Grande Depressão, que empregou mais de 3 milhões de pessoas e tinha um orçamento de quase $ 70 bilhões em dólares de 2017.

O outro presidente da Guerra Mundial, Woodrow Wilson, emitiu quase 2.000 ordens executivas, incluindo a Ordem Executiva 1885, que estabeleceu a soberania dos EUA sobre a zona do Canal do Panamá. O presidente Truman emitiu a Ordem Executiva 9981, desagregando os militares. A Ordem Executiva 10730, durante a era Eisenhower, enviou tropas federais para forçar a dessegregação nas escolas do Alabama. A Ordem Executiva 10924 do presidente Kennedy estabeleceu o Corpo de Paz, enquanto sua Ordem Executiva 10925 pela primeira vez exigia que os contratados do governo tomassem uma "ação afirmativa" para garantir a não discriminação no emprego. A Ordem Executiva 11246 do presidente Johnson inovou ao proibir a discriminação nas decisões federais de emprego com base em raça, cor, religião, sexo ou nacionalidade, e a Ordem Executiva 11905 do presidente Ford proibiu assassinatos políticos por agências de inteligência.

O presidente Reagan emitiu 381 ordens executivas, sua Ordem Executiva 12333 estabeleceu a Agência de Segurança Nacional. O presidente Clinton emitiu 364 ordens executivas, incluindo a Ordem Executiva 13166, que declarou a ex-Iugoslávia uma “zona de combate” e iniciou uma ação militar em Kosovo. Os doze anos de ambos os presidentes Bushes viram 457 ordens executivas em questões que vão desde o colapso da União Soviética à Guerra contra o Terror.

O presidente Obama emitiu 277 ordens executivas durante seu mandato de oito anos, que é o menor número para qualquer presidente de dois mandatos desde Grover Cleveland. Isso incluiu a Ordem Executiva 13694, sancionando a Rússia por ataques cibernéticos durante as eleições de 2016, e a Ordem Executiva 13658, exigindo que os contratantes federais paguem um salário mínimo mais elevado.

Obama também utilizou memorandos presidenciais e proclamações para atingir objetivos significativos, e em uma extensão um pouco maior do que os presidentes anteriores - Obama provavelmente emitiu cerca de um terço a mais de memorandos do que seu antecessor imediato, o presidente Bush, e talvez tantos quanto seus decretos executivos. Mas os memorandos presidenciais não são todos contados ou publicados, então é difícil saber quantos foram emitidos com precisão. Os memorandos publicados de Obama designados Alaskan costas proibidas para perfurações, política de imigração alterada para "Sonhadores" e definir prioridades de pesquisa do governo.

Verificado e equilibrado

As ações executivas podem ser, e freqüentemente são, revogadas. Um novo presidente pode simplesmente emitir uma nova ordem executiva ou memorando que retire ou substitua um anterior. O Congresso também pode legislar para derrubar uma ordem executiva ou se recusar a financiar uma ação executiva que exija financiamento.

Os tribunais têm servido como um fórum ocasional para contestar ordens executivas. Em 1952, no auge da Guerra da Coréia, ataques a usinas siderúrgicas levaram o presidente Truman a emitir a Ordem Executiva 10340, que autorizava o Secretário de Comércio a confiscar e nacionalizar siderúrgicas e exigir a continuidade das operações. Uma ação judicial dos proprietários da usina levou a Suprema Corte dos EUA a anular a ação de Truman como inconstitucional e em excesso de sua autoridade sob qualquer legislação. A decisão do Tribunal em Youngstown Sheet & amp Tube Co. v. Sawyer constitui a base para a jurisprudência moderna sobre os limites do poder presidencial.

Da mesma forma, em 1996, a Ordem Executiva 12954 do presidente Clinton, que proibia empreiteiros federais de substituir trabalhadores em greve, foi derrotada no Tribunal de Apelações dos EUA para o Circuito do Distrito de Columbia. Esse tribunal considerou que a ordem conflitava com a Lei Nacional de Relações Trabalhistas.

Em seus primeiros 12 dias no cargo, Trump assinou 18 ordens executivas públicas e memorandos. Alguns eram há muito esperados e outros um tanto enfadonhos a "Política da Cidade do México", uma regra da era Reagan que retém fundos para grupos de ajuda internacional que realizam abortos independentemente de os fundos irem para serviços de aborto, foi revertida toda vez que a Casa Branca mudou festas. Outros, como as ordens que pretendem cortar o financiamento federal às chamadas “Cidades-santuário” (Ordem Executiva 13768) e aos esforços adicionais para construir um muro ao longo da fronteira mexicana (Ordem Executiva 13767) têm sido altamente controversas. A Proclamação 9571 de Trump proclamou uma "Semana de Escolha da Escola Nacional", uma celebração inédita de ensino particular, licenciado e doméstico, mas não de escola pública. Enquanto Trump seguiu o caminho de Clinton ao assinar uma ação executiva no primeiro dia (Ordem Executiva 13765, exigindo que as agências federais minimizassem a carga do Affordable Care Act), a ordem de Clinton estabelecendo diretrizes éticas mais rígidas para funcionários do governo foi muito menos polêmica.

Para ter certeza, as 18 ações executivas de Trump são menos um do que as 19 do presidente Obama durante o mesmo período de duas semanas. Mas o que é claramente novo é que Trump está fazendo uma exibição muito maior e mais agressiva de suas primeiras ações executivas. Ao contrário de Obama, que tendia a assinar ações executivas em particular, Trump gosta de grandes cerimônias de assinatura no Salão Oval. Um executivo de negócios sem experiência em política, Trump provavelmente se sente mais confortável com o imediatismo das ações executivas do que o empurra-empurra para a elaboração de legislação. E, como questão política, ele provavelmente vê as ações do executivo como uma ferramenta para mostrar que está cumprindo as promessas de campanha rapidamente e que representa "ação" e "mudança". (Uma grande mudança, no entanto, é que a administração Trump ainda não buscou a opinião de uma série de agências administrativas impactadas por suas ações executivas, uma ruptura total com a prática anterior.)

Em última análise, os gritos de ação executiva “sem precedentes” em ambos os lados são mais histriônicos do que históricos. No entanto, por serem facilmente anulados, revogados ou limitados por lei, os presidentes sabiamente preferiram a legislação a ações executivas na formulação de políticas. Consequentemente, o impacto final das ações executivas de Trump até agora (e por vir) ainda está para ser visto. Alguns certamente afetarão a vida de centenas, milhares ou mais, para melhor ou para pior, enquanto outros podem servir como pouco mais do que pontuação simbólica para constituintes partidários na próxima eleição.

Afinal, uma das primeiras ações executivas do presidente Obama em 2009, a Ordem Executiva 13492, ordenou o fechamento do campo de detenção da Baía de Guantánamo em Cuba. Hoje, quase uma década depois, o campo operacional ainda abriga mais de 40 detidos.


Uma breve história da ação afirmativa

Esta seção não pretende ser uma visão geral abrangente da lei, casos ou políticas de ação afirmativa. É, no entanto, uma breve revisão de algumas das leis e regulamentos que impactaram a política, prática e discussão da UCI sobre a ação afirmativa nos últimos anos.

Ordem Executiva 10925

Em 6 de março de 1961, o presidente John F. Kennedy emitiu a Ordem Executiva 10925, que incluía uma disposição que os contratantes do governo "tomam medidas afirmativas para garantir que os candidatos sejam empregados e os funcionários sejam tratados durante o emprego, independentemente de sua raça, credo, cor, ou origem nacional. " A intenção desta ordem executiva era afirmar o compromisso do governo com oportunidades iguais para todas as pessoas qualificadas e tomar medidas positivas para fortalecer os esforços para concretizar oportunidades iguais para todos. Esta ordem executiva foi substituída pela Ordem Executiva 11246 em 1965.

Ordem Executiva 11246

Em 24 de setembro de 1965, o presidente Lyndon B. Johnson emitiu a Ordem Executiva 11.246, proibindo a discriminação no emprego com base em raça, cor, religião e nacionalidade por parte das organizações que recebem contratos federais e subcontratos. Em 1967, o presidente Johnson alterou a ordem para incluir o sexo na lista de atributos. A Ordem Executiva 11246 também exige que os contratantes federais tomem ações afirmativas para promover a plena realização da igualdade de oportunidades para mulheres e minorias. O Office of Federal Contract Compliance Programs (OFCCP), sob o Departamento de Trabalho, monitora esse requisito para todos os contratados federais, incluindo todos os campi da UC, e desenvolveu regulamentos aos quais esses contratados devem aderir. Para contratantes federais que empregam mais de 50 pessoas e têm contratos federais totalizando mais de US $ 50.000, a conformidade com esses regulamentos inclui a disseminação e aplicação de uma política de não discriminação, estabelecimento de um plano de ação afirmativa por escrito e metas de colocação para mulheres e minorias e implementação de programas orientados para a ação para alcançar esses objetivos. Além disso, um funcionário da organização deve receber a responsabilidade pela implementação de oportunidades iguais de emprego e do programa de ação afirmativa.

An excerpt from the executive order follows (Part II, Subpart B, Sec. 202(1)):

The contractor will not discriminate against any employee or applicant for employment because of race, color, religion, sex, or national origin. The contractor will take affirmative action to ensure that applicants are employed, and that employees are treated during employment, without regard to their race, color, religion, sex or national origin. Such action shall include, but not be limited to the following: employment, upgrading, demotion, or transfer recruitment or recruitment advertising layoff or termination rates of pay or other forms of compensation and selection for training, including apprenticeship.

SP-1 and SP-2

On July 20, 1995 the Board of Regents of the University of California adopted Regents Resolutions SP-1 and SP-2. In effect, SP-1 required that race, religion, sex, color, ethnicity, and national origin not be considered in the admissions decision process. SP-2 focused on University employment and contracts, eliminating consideration of the same attributes in hiring and contracting decisions. Both resolutions stipulated that nothing contained within these sections should be interpreted to prohibit any action strictly necessary to maintain or establish eligibility to receive federal or state funding. To that end, the requirements set forth under Executive Order 11246 still applied to UC campuses. The relevant sections are as follows:

Effective January 1, 1997, the University of California shall not use race, religion, sex, color, ethnicity, or national origin as criteria for admission to the University or to any program of study.

Effective January 1, 1996, the University of California shall not use race, religion, sex, color, ethnicity, or national origin as criteria in its employment and contracting practices.

SP-1, Section 6 (and SP-2, Section 3):

Nothing in Section 2 (Section 1 of SP-2) shall prohibit any action which is strictly necessary to establish or maintain eligibility for any federal or state program, where ineligibility would result in a loss of federal or state funds to the University.

Proposition 209

During the November 5, 1996 election, California voters voted 54% to 46% to amend the California Constitution through an initiative commonly known as Proposition 209, or the California Civil Rights Initiative. The proposition has been incorporated into the California Constitution under Article 1, Section 31. Although the constitutionality of the initiative was legally challenged, the U.S. Supreme Court denied further appeal and let stand the new California law on November 3, 1997. The proposition includes the following sections:

(uma) The State shall not discriminate against, or grant preferential treatment to, any individual or group on the basis of race, sex, color, ethnicity, or national origin in the operation of public employment, public education, or public contracting.

(e) Nothing in this section shall be interpreted as prohibiting action which must be taken to establish or maintain eligibility for any federal program, where ineligibility would result in a loss of federal funds to the State.

(f) For the purpose of this section, "State" shall include, but not necessarily be limited to, the State itself, any city, county, city and county, public university system, including the University of California, community college district, school district, special district, or any other political subdivision or governmental instrumentality of or within the State.

On May 16, 2001 the Board of Regents of the University of California unanimously approved Regents Resolution RE-28. This resolution rescinded SP-1 and SP-2 and at the same time acknowledged the University would be governed by Article 1, Section 31 of the California Constitution (Proposition 209). The section of the resolution referring to the above statements is as follows:

Now, therefore, be it resolved that SP-1 and SP-2 are rescinded by this resolution, and:

A. That the University has complied with and will be governed by Article 1, Section 31 of the California Constitution by treating all students equally in the admissions process without regard to their race, sex, color, ethnicity or national origin, and by treating employees and contractors similarly.

Students and state lawmakers had urged the repeal, arguing that the ban on "affirmative action" had caused the university to be perceived as inhospitable to minority students. Proponents of the repeal cited a sharp drop in the number of in-state black and Hispanic first-year students and the hiring rates of women and underrepresented minority faculty members.

This repeal reaffirms the University's commitment to a student body and workforce representative of California's diverse population. "This sends a clear and unequivocal message that people of all backgrounds are welcome at the University of California," said Regent Judith L. Hopkinson, who introduced RE-28.

The University of California remains governed, however, by both Proposition 209, which bans the use of preferences, and by federal law that bans employment discrimination by federal contractors. Although the repeal will have little immediate, practical impact on the University, RE-28 includes a commitment to K-12 outreach programs that aim to improve the educational preparation of California's elementary and secondary school students to pursue a college education.

Current Status

SP-1, SP-2, and Proposition 209 reiterated the intent that no preferential treatment be given to any individual or group on the basis of race, sex, color, ethnicity, or national origin. Executive Orders 10925 and 11246 referred to taking affirmative action to ensure nondiscrimination based on these same characteristics. The question facing the University is how the institution will pursue equal opportunity for all qualified applicants, students and employees, and meet its obligations as a federal contractor. As the debate continues regarding what is permissible and what is ethically responsible, the University continues to fulfill its affirmative action obligations within the parameters of the law.

The University must publish its nondiscrimination policy, develop a written affirmative action plan, and take affirmative action to ensure discrimination is not practiced based on race, color, religion, sex, or national origin. The University must also monitor its activities to ensure compliance with federal and state law and University nondiscrimination policies.

T he Office of Equal Opportunity & Diversity (OEOD) is responsible for maintaining, updating, and ensuring compliance with the University non-discrimination and affirmative action policy regarding academic and staff employment. OEOD also prepares and distributes an annual Affirmative Action Plan, and compiles data for affirmative action and organizational analysis. For more information about the University's nondiscrimination or affirmative action policies, please contact the Office of Equal Opportunity & Diversity at (949) 824-5594 or [email protected]

103 Multipurpose Science & Technology Building
University of California, Irvine
Irvine, CA 92697-1130


The Federal Register

Legal Status

This site displays a prototype of a “Web 2.0” version of the daily Federal Register. It is not an official legal edition of the Federal Register, and does not replace the official print version or the official electronic version on GPO’s govinfo.gov.

The documents posted on this site are XML renditions of published Federal Register documents. Each document posted on the site includes a link to the corresponding official PDF file on govinfo.gov. This prototype edition of the daily Federal Register on FederalRegister.gov will remain an unofficial informational resource until the Administrative Committee of the Federal Register (ACFR) issues a regulation granting it official legal status. For complete information about, and access to, our official publications and services, go to About the Federal Register on NARA's archives.gov.

The OFR/GPO partnership is committed to presenting accurate and reliable regulatory information on FederalRegister.gov with the objective of establishing the XML-based Federal Register as an ACFR-sanctioned publication in the future. While every effort has been made to ensure that the material on FederalRegister.gov is accurately displayed, consistent with the official SGML-based PDF version on govinfo.gov, those relying on it for legal research should verify their results against an official edition of the Federal Register. Until the ACFR grants it official status, the XML rendition of the daily Federal Register on FederalRegister.gov does not provide legal notice to the public or judicial notice to the courts.

Legal Status

Executive Order on Establishing the President’s Advisory 1776 Commission

By the authority vested in me as President by the Constitution and the laws of the United States of America, and in order to better enable a rising generation to understand the history and principles of the founding of the United States in 1776, and, through this, form a more perfect Union, it is hereby ordered as follows:

Seção 1. Purpose. The American founding envisioned a political order in harmony with the design of “the Laws of Nature and of Nature’s God,” seeing the rights to life, liberty, and the pursuit of happiness as embodied in and sanctioned by natural law and its traditions.

The formation of a republic around these principles marked a clear departure from previous forms of government, securing rights through a form of government that derives its legitimate power from the consent of the governed. Throughout its national life, our Republic’s exploration of the full meaning of these principles has led it through the ratification of a Constitution, civil war, the abolition of slavery, Reconstruction, and a series of domestic crises and world conflicts. Those events establish a clear historical record of an exceptional Nation dedicated to the ideas and ideals of its founding.

Against this history, in recent years, a series of polemics grounded in poor scholarship has vilified our Founders and our founding. Despite the virtues and accomplishments of this Nation, many students are now taught in school to hate their own country, and to believe that the men and women who built it were not heroes, but rather villains. This radicalized view of American history lacks perspective, obscures virtues, twists motives, ignores or distorts facts, and magnifies flaws, resulting in the truth being concealed and history disfigured. Failing to identify, challenge, and correct this distorted perspective could fray and ultimately erase the bonds that knit our country and culture together.

The recent attacks on our founding have highlighted America’s history related to race. These one-sided and divisive accounts too often ignore or fail to properly honor and recollect the great legacy of the American national experience ‑- our country’s valiant and successful effort to shake off the curse of slavery and to use the lessons of that struggle to guide our work toward equal rights for all citizens in the present. Viewing America as an irredeemably and systemically racist country cannot account for the extraordinary role of the great heroes of the American movement against slavery and for civil rights — a great moral endeavor that, from Abraham Lincoln to Martin Luther King, Jr., was marked by religious fellowship, good will, generosity of heart, an emphasis on our shared principles, and an inclusive vision for the future.

As these heroes demonstrated, the path to a renewed and confident national unity is through a rediscovery of a shared identity rooted in our founding principles. A loss of national confidence in these principles would place rising generations in jeopardy of a crippling self-doubt that could cause them to abandon faith in the common story that binds us to one another across our differences. Without our common faith in the equal right of every individual American to life, liberty, and the pursuit of happiness, authoritarian visions of government and society could become increasingly alluring alternatives to self-government based on the consent of the people. Thus it is necessary to provide America’s young people access to what is genuinely inspiring and unifying in our history, as well as to the lessons imparted by the American experience of overcoming great national challenges. This is what makes possible the informed and honest patriotism that is essential for a successful republic.

A restoration of American education grounded in the principles of our founding that is accurate, honest, unifying, inspiring, and ennobling must ultimately succeed at the local level. Parents and local school boards must be empowered to achieve greater choice and variety in curriculum at the State and local levels.

The role of the Federal Government is to protect and preserve State and local control over the curriculum, program of instruction, administration, and personnel of educational institutions, schools, and school systems. Indeed, that is why my Administration rejects the Common Core curriculum and all efforts to have the Federal Government impose a national curriculum or national standards in education.

Vigorous participation in local government has always been America’s laboratory of liberty and a key to what makes us exceptional. The best way to preserve the story of America’s founding principles is to live it in action by local communities reasserting control of how children receive patriotic education in their schools.

Sec. 2. The President’s Advisory 1776 Commission. (a) Within 120 days of the date of this order, the Secretary of Education shall establish in the Department of Education the President’s Advisory 1776 Commission (“the 1776 Commission”) to better enable a rising generation to understand the history and principles of the founding of the United States in 1776 and to strive to form a more perfect Union.

(b) The 1776 Commission shall be composed of not more than 20 members, who shall be appointed by the President. Members shall serve for a term of 2 years and shall not be removed except for inefficiency, neglect of duty, or malfeasance. The 1776 Commission may include individuals from outside the Federal Government with relevant experience or subject-matter expertise. The 1776 Commission shall also include the following ex-officio members or such senior officials as those members may designate:

(ii) the Secretary of Defense

(iii) the Secretary of the Interior

(iv) the Secretary of Housing and Urban Development

(v) the Secretary of Education

(vi) the Assistant to the President for Domestic Policy and

(vii) the Assistant to the President for Intergovernmental Affairs.

(c) The 1776 Commission shall:

(i) produce a report for the President, within 1 year of the date of this order, which shall be publicly disseminated, regarding the core principles of the American founding and how these principles may be understood to further enjoyment of “the blessings of liberty” and to promote our striving “to form a more perfect Union.” The Commission may solicit statements and contributions from intellectual and cultural figures in addition to the views of the Commission members

(ii) advise and offer recommendations to the President and the United States Semiquincentennial Commission regarding the Federal Government’s plans to celebrate the 250th anniversary of American Independence and coordinate with relevant external stakeholders on their plans

(iii) facilitate the development and implementation of a “Presidential 1776 Award” to recognize student knowledge of the American founding, including knowledge about the Founders, the Declaration of Independence, the Constitutional Convention, and the great soldiers and battles of the American Revolutionary War

(iv) advise executive departments and agencies (agencies) with regard to their efforts to ensure patriotic education — meaning the presentation of the history of the American founding and foundational principles, the examination of how the United States has grown closer to those principles throughout its history, and the explanation of why commitment to America’s aspirations is beneficial and justified — is provided to the public at national parks, battlefields, monuments, museums, installations, landmarks, cemeteries, and other places important to the American Revolution and the American founding, as appropriate and consistent with applicable law

(v) advise agencies on prioritizing the American founding in Federal grants and initiatives, including those described in section 4 of this order, and as appropriate and consistent with applicable law and

(vi) facilitate, advise upon, and promote other activities to support public knowledge and patriotic education on the American Revolution and the American founding, as appropriate and consistent with applicable law.

(d) The 1776 Commission shall have a Chair and Vice Chair, designated by the President from among its members. An Executive Director, designated by the Secretary of Education in consultation with the Assistant to the President for Domestic Policy, shall coordinate the work of the 1776 Commission. The Chair and Vice Chair shall work with the Executive Director to convene regular meetings of the 1776 Commission, determine its agenda, and direct its work, consistent with this order.

(e) The Department of Education shall provide funding and administrative support for the 1776 Commission, to the extent permitted by law and subject to the availability of appropriations.

(f) Members of the 1776 Commission shall serve without compensation but shall be reimbursed for travel expenses, including per diem in lieu of subsistence, as authorized by law for persons serving intermittently in the Government service (5 U.S.C. 5701-5707).

(g) Insofar as the Federal Advisory Committee Act, as amended (5 U.S.C. App.), may apply to the 1776 Commission, any functions of the President under that Act, except that of reporting to the Congress, shall be performed by the Secretary of Education, in accordance with the guidelines issued by the Administrator of General Services.

(h) The 1776 Commission shall terminate 2 years from the date of this order, unless extended by the President.

Sec. 3. Celebration of Constitution Day. All relevant agencies shall monitor compliance with Title I of Division J of Public Law 108-447, which provides that “each educational institution that receives Federal funds for a fiscal year shall hold an educational program on the United States Constitution on September 17 of such year for the students served by the educational institution,” including by verifying compliance with each educational institution that receives Federal funds. All relevant agencies shall take action, as appropriate, to enhance compliance with that law.

Sec. 4. Prioritize the American Founding in Available Federal Resources. The following agencies shall prioritize Federal resources, consistent with applicable law, to promote patriotic education:

(a) the Department of Education, through the American History and Civics Academies and American History and Civics Education-National Activities

(b) the Department of Defense, through the Pilot Program on Enhanced Civics Education and

(c) the Department of State, through the Bureau of Educational and Cultural Affairs, and through opportunities in the Fulbright, U.S. Speakers, and International Visitors Leadership programs, as well as in American Spaces.

Sec. 5. General Provisions. (a) Nothing in this order shall be construed to impair or otherwise affect:

(i) the authority granted by law to an executive department or agency, or the head thereof or

(ii) the functions of the Director of the Office of Management and Budget relating to budgetary, administrative, or legislative proposals.

(b) This order shall be implemented consistent with applicable law and subject to the availability of appropriations.

(c) This order is not intended to, and does not, create any right or benefit, substantive or procedural, enforceable at law or in equity by any party against the United States, its departments, agencies, or entities, its officers, employees, or agents, or any other person.


Assista o vídeo: Havaí contesta nova ordem executiva de imigração assinada por Trump