Lei de inscrição

Lei de inscrição

Em janeiro de 1863, ficou claro que os governadores de estado no norte não conseguiam reunir tropas suficientes para o Exército da União. Em 3 de março, o governo federal aprovou a Lei de Inscrições. Este foi o primeiro exemplo de recrutamento ou serviço militar obrigatório na história dos Estados Unidos. A decisão de permitir que os homens evitassem o alistamento, pagando US $ 300 para contratar um substituto, resultou na acusação de que se tratava de uma guerra de ricos e de uma luta de pobres.

A lei de inscrição resultou em motins em várias cidades americanas. Houve muitas perdas de vidas em Detroit, mas os piores tumultos ocorreram na cidade de Nova York em julho. A multidão ateou fogo a uma igreja e orfanato afro-americano e atacou o escritório do New York Tribune. Iniciada por imigrantes irlandeses, as principais vítimas foram afro-americanos e ativistas do movimento antiescravista. O Exército da União foi enviado e teve que abrir fogo contra os manifestantes para obter o controle da cidade. Quando o motim acabou, quase 1.000 pessoas foram mortas ou feridas.

Estima-se que, dos que participaram da Guerra Civil Americana, 75.215 eram regulares, 1.933.779 eram voluntários e 46.347 foram convocados e 73.600 eram suplentes. Oficialmente, 201.397 homens desertaram, destes 76.526 foram presos e devolvidos aos seus regimentos.


The Dawes Rolls: cartões do censo

Observação: Apenas uma parte dos cartões do censo são descritos online, e nenhum para o Choctaw. Se você estiver procurando por um Choctaw, você ainda pode querer fazer a pesquisa online conforme descrito abaixo, uma vez que pode haver registros online para um aplicativo de 1896. (As inscrições de 1896 foram declaradas inválidas pela Comissão Dawes, mas ainda podem ser úteis para sua pesquisa. Cópias estão disponíveis em Fort Worth.)

Fazendo primeiro uma simples pesquisa de nome para cartões de censo de Dawes (inscrição) no Catálogo de Arquivos Nacionais, você pode ser capaz de ignorar uma pesquisa por seu antepassado no Índice de Rolagem Final e Rolagem Final (Etapas 3 e 4). O objetivo de usar o Índice de Rolagens Finais e as Rolagens Finais é obter o número do cartão do censo da pessoa, pois isso o levará a registros adicionais. Uma vez que muitas das descrições dos cartões do censo estão disponíveis online, um resultado bem-sucedido do Catálogo de Arquivos Nacionais fornecerá imediatamente o número do cartão do censo da pessoa e você poderá ir direto para a Etapa 5: O que você pode fazer a seguir!
Observe que apenas um pequeno número dos cartões de inscrição descritos online têm cópias digitais anexadas a eles.

Para procurar a descrição do Cartão do Censo Dawes online:

  1. Vá para a página principal do Catálogo de Arquivos Nacionais
    http://www.archives.gov/research/catalog/
  2. Clique no botão amarelo Pesquisar.
  3. Na próxima tela, preencha as caixas da seguinte forma:
    1. Na caixa Palavra-chave, digite o nome da pessoa ou, alternativamente, digite "Inscrição e" (sem aspas) e o sobrenome da pessoa
    2. Selecione 100 onde diz "Limitar resultados a".
    3. Clique em "Go".

    Resultado 1: você encontra uma descrição do Cartão de Inscrição para Censo
    Para um pequeno número de pessoas, uma descrição do cartão do Censo (Inscrição) resultará, possivelmente com uma imagem digital anexada. Se você encontrar sua pessoa aqui, anote o número do cartão do censo, bem como as outras informações que encontrar listadas, e você pode pular para a Etapa 5: O que você pode fazer a seguir! Você aprenderá como entrar em contato com Fort Worth para obter cópias e quais recursos adicionais estão disponíveis.

    Resultado 2: Diz "Solicitação de Cidadania de 1896".
    Para outro pequeno número de pessoas, depois de digitar o nome da pessoa no Catálogo dos Arquivos Nacionais, você obterá um resultado que diz "Solicitação de Cidadania de 1896". Se você vê isso, significa que eles se inscreveram na Comissão Dawes durante o processo de inscrição inicial de 1896, que mais tarde foi declarado inválido. Se for isso que você encontrar, escreva o nome da pessoa e sua tribo e entre em contato com os Arquivos Nacionais em Fort Worth em (817) 831-5620. Eles lhe enviarão uma cópia do formulário de 1896.

    Resultado 3: não encontrado
    Para a maioria das pessoas, você receberá uma tela que diz "Nenhum resultado de pesquisa foi encontrado em resposta aos seus critérios de pesquisa" ou encontrará cartões de censo para pessoas com nomes semelhantes, não aquele que você está procurando. Nesse caso, você deve prosseguir para a Etapa 3: Usar o Índice para as Rolagens Finais online.

    Para ilustrar o que foi dito acima, procuraremos por 3 indivíduos no Catálogo de Arquivos Nacionais que acreditamos estarem listados nas Rolagens Finais.

    Primeiro, procuramos Ambrose Crain.

    1. Vamos para a página principal do Catálogo de Arquivos Nacionais
      http://www.archives.gov/research/catalog/
    2. Na caixa, digitamos Ambrose Crain e pressionamos Enter.
    3. O principal resultado da pesquisa é "Enrollment for Seminole Census Card 8", então clique nele.
    4. Em seguida, role para baixo e você verá os detalhes desse registro, ou seja, National Archives Identifier: 267582 e Local Identifier: 75-53A-SEMINOLE (8). Clique também no link abaixo, que diz "Informações adicionais sobre este item". Você pode imprimir ou anotar.
    5. Ao olhar para as imagens digitais, você verá que existem 2 cartões. Verifique cada um para ver a visualização ampliada e determine quais, se houver, são relevantes para você. Você pode então fazer o download para o seu computador.
    6. Você verá que apenas a primeira carta contém Ambrose Crain, que temos seguido neste exemplo. (O segundo cartão tem o mesmo número do cartão do censo, mas está na categoria Seminole Freedmen e é para uma pessoa diferente.)

    1. Uma vez que esses resultados fornecem a você imediatamente o cartão do censo (inscrição) e o número no canto direito, você não precisa procurar a pessoa no Índice de Rolls Final e nas listas de Rolls Finais. Você deve imprimir o cartão ou anotar todas as informações que encontrar, especialmente o número do Cartão do Censo.
    2. Você está pronto para pular direto para a Etapa 5: O que você pode fazer a seguir, para saber como entrar em contato com Fort Worth para solicitar cópias e muito mais.

    Exemplo 2:

    Em segundo lugar, faremos uma busca por Winnie Buckhammon.

    Não há nada aqui a respeito de um cartão de inscrição ou censo. Na verdade, se você ver "Solicitação de Cidadania de 1896 para Winnie Joe Buckhammon, cerca de 1896 - cerca de 1897" como resultado, isso significa que a pessoa solicitou a Comissão Dawes sob o processo de candidatura inicial de 1896, que mais tarde foi declarado inválido.

    1. Vamos para a página principal do Catálogo de Arquivos Nacionais
      http://www.archives.gov/research/catalog/
    2. Na caixa, digitamos Winnie Buckhammon e clicamos no botão Pesquisar ou Enter
    3. Clique no nome de Winnie para obter mais detalhes, especificamente para descobrir sua tribo.
    4. Para receber uma cópia do requerimento de 1896 para a Comissão Dawes, anote o nome da pessoa e a tribo que você encontra listados aqui, e entre em contato com os Arquivos Nacionais em Fort Worth, Texas. Consulte a Etapa 5: o que você pode fazer a seguir.

    Como exemplo final, procuraremos Napoleon Ainsworth.

    1. Vá para a página principal do Catálogo de Arquivos Nacionais
      http://www.archives.gov/research/catalog/
    2. Na caixa, digitamos Napoleon Ainsworth e clicamos no botão "Pesquisar" ou pressionamos Enter
    3. Conforme você navega pelos resultados da pesquisa, você verá que não há um cartão do censo online para Napoleon Ainsworth. Muito poucos desses cartões de inscrição foram escaneados e digitalizados no Catálogo de Arquivos Nacionais, e nenhum para Choctaw. Como não encontramos seu cartão do censo aqui, passamos a procurá-lo no índice de Rolls Final.
      Etapa 3: use o índice para as jogadas finais online.

    Se você encontrou o cartão do censo da pessoa que está procurando, prossiga para
    Etapa 5: o que você pode fazer a seguir.

    Se você não encontrou o cartão da pessoa, continue na Etapa 3: use o índice para as jogadas finais online.


    Inscrição

    A nova oportunidade de inscrição ocorrerá da próxima semana até 15 de maio.

    Os testes SARS-CoV-2 baseados em PCR foram realizados no momento da inscrição e os participantes também foram testados quanto à presença de anticorpos contra o vírus.

    Em maio daquele ano, 164 alunos de Ellington - quase 30% das matrículas - foram formalmente acusados ​​de morar fora da cidade e não pagar as mensalidades.

    A cidade tem uma população de cerca de 3.500 habitantes e a escola tem cerca de 300 matrículas.

    Os críticos dizem que tais demandas restringem a inscrição nessas duas redes a pais e filhos que podem lidar com a pressão.

    A administração está, no entanto, mantendo as expectativas de números de matrículas comparativamente modestas desta vez.

    Agora, com o segundo período de inscrições da ACA em andamento, o governo Obama está renovando sua campanha de celebridades no Obamacare.

    Por Kristen Domonell for Life por DailyBurn Você sabia que o segundo período de inscrições abertas do Obamacare começa em 15 de novembro?

    Algumas semanas antes, a escola havia sido avisada pelo estado sobre o baixo índice de matrículas.

    Meus padrões pessoais são realmente muito altos, mas isso não tem nada a ver com minha inscrição no processo MOC.

    Inscrição é o termo usado para descrever o registro de uma embarcação que se dedica à navegação ou comércio de cabotagem ou interior.

    Licença significa o mesmo que inscrição, mas é aplicada a pequenas embarcações com carga de 20 toneladas ou menos.

    Algumas escolas religiosas foram organizadas, mas alcançaram um número muito pequeno de crianças com suas matrículas.

    Certa tarde, logo após minha inscrição, conheci Ally Merton descendo a colina.

    Isso dá aos batistas e metodistas 90,8 por cento do total de matrículas nessas 38 instituições.


    História

    Em 30 de julho de 1965, o presidente Lyndon B. Johnson sancionou a lei que levou ao Medicare e ao Medicaid. O programa Medicare original incluía a Parte A (Seguro Hospitalar) e a Parte B (Seguro Médico). Hoje, essas 2 partes são chamadas de “Medicare Original”. Ao longo dos anos, o Congresso fez alterações no Medicare:

    Por exemplo, em 1972, o Medicare foi expandido para cobrir os deficientes, pessoas com doença renal em estágio terminal (ESRD) que requerem diálise ou transplante renal e pessoas com 65 anos ou mais que selecionam a cobertura do Medicare.

    No início, o Medicaid dava seguro médico para pessoas que recebiam assistência em dinheiro. Hoje, um grupo muito maior é coberto:

    • Famílias de baixa renda
    • Mulheres grávidas
    • Pessoas de todas as idades com deficiência
    • Pessoas que precisam de cuidados de longo prazo

    Os estados podem adaptar seus programas Medicaid para melhor servir as pessoas em seus estados, então há uma grande variação nos serviços oferecidos.

    Benefício de medicamentos prescritos do Medicare Parte D

    O Medicare Prescription Drug Improvement and Modernization Act de 2003 (MMA) fez as maiores mudanças no programa do Medicare em 38 anos. De acordo com o MMA, os planos de saúde privados aprovados pelo Medicare ficaram conhecidos como Planos de Vantagens do Medicare. Esses planos às vezes são chamados de "Parte C" ou "Planos MA”.

    O MMA também expandiu o Medicare para incluir um benefício opcional de medicamentos prescritos, “Parte D”, que entrou em vigor em 2006.

    Programa de seguro saúde infantil

    O Programa de Seguro Saúde para Crianças (CHIP) foi criado em 1997 para fornecer seguro saúde e cuidados preventivos a quase 11 milhões, ou 1 em 7, crianças americanas sem seguro. Muitas dessas crianças vieram de famílias trabalhadoras sem seguro que ganhavam muito para serem elegíveis para o Medicaid. Todos os 50 estados, o Distrito de Columbia e os territórios têm planos CHIP.

    Affordable Care Act

    O Affordable Care Act (ACA) de 2010 trouxe o Health Insurance Marketplace, um lugar único onde os consumidores podem se inscrever e se inscrever em planos privados de seguro saúde. Também criou novas maneiras de projetar e testar como pagar e fornecer cuidados de saúde. O Medicare e o Medicaid também foram melhor coordenados para garantir que as pessoas que têm o Medicare e o Medicaid possam obter serviços de qualidade.

    50º aniversário - Evento Medicare e Medicaid: 50 anos, milhões de vidas mais saudáveis

    Medicare e Medicaid: mantendo-nos saudáveis ​​por 50 anos

    Em 30 de julho de 1965, o presidente Lyndon B. Johnson sancionou a legislação que estabeleceu os programas Medicare e Medicaid. Por 50 anos, esses programas têm protegido a saúde e o bem-estar de milhões de famílias americanas, salvando vidas e melhorando a segurança econômica de nossa nação.

    Embora o Medicare e o Medicaid tenham começado como programas de seguro básico para americanos que não tinham seguro saúde, eles mudaram ao longo dos anos para fornecer a cada vez mais americanos acesso aos cuidados de saúde de qualidade e acessíveis de que precisam.

    Marcamos o aniversário desses programas reconhecendo as maneiras pelas quais esses programas transformaram o sistema de saúde do país nas últimas 5 décadas. Continuamos olhando para o futuro e explorando maneiras de manter o Medicare e o Medicaid fortes pelos próximos 50 anos, construindo um sistema mais inteligente e saudável para que esses programas continuem sendo os porta-estandartes de cobertura, qualidade e inovação na assistência médica americana.


    O Centro de Pesquisa oferece pacotes de inscrição para registro de 1896 por uma taxa fixa de $ 35. Ao solicitar um pacote, certifique-se de incluir as informações listadas no índice, incluindo o nome completo da pessoa, a tribo e o número do caso. Faça o pedido pelo correio com o formulário de pedido para impressão ou ligue para 405-522-5225 para fazer o pedido por telefone. Por favor, tenha seu cartão de crédito em mãos.

    As coleções de OHS incluem os cartões do censo de 1896 e os pacotes de inscrição, se disponíveis. Os pacotes variam em comprimento, alguns incluem várias páginas de informações sobre o indivíduo, enquanto outros podem incluir apenas uma única página. Observe que há poucos pacotes disponíveis para a tribo Creek.

    Sociedade Histórica de Oklahoma | 800 Nazih Zuhdi Drive, Oklahoma City, OK 73105 | 405-521-2491
    Índice do site | Contate-nos | Privacidade | Sala de Imprensa | Consultas do site


    ARTIGO II · ASSOCIAÇÃO TRIBAL
    SEÇÃO I. Os membros da Tribo Modoc de Oklahoma consistirão nas seguintes pessoas, desde que sejam cidadãos dos Estados Unidos:

    (a) Todas as pessoas nomeadas no Censo Modoc de Subsistência e Ração de 1878, conforme aprovado pelo Secretário Adjunto Interino - Assuntos Indianos em 14 de outubro de 1981. Todas as pessoas nomeadas nesse rol são declaradas membros puro-sangue da tribo para o propósito de computar o grau de sangue de seus descendentes.

    (b) Todos os descendentes diretos de pessoas nomeadas no Censo de 1878 designadas como rol de base na Seção I (a) acima que não retornaram a Klamath, Oregon, de acordo com a Lei de 9 de março de 1909, (35 Estat. 751 ), e os descendentes de tais índios que, de outra forma, atendam aos requisitos adotados pela tribo.

    (c) Para fins de identificação e associação, os indivíduos listados na lista final dos membros da tribo de índios Klamath, conforme publicado no Federal Register of May IJ, 1955 (20 FR 3269), de acordo com a Seção 3 da Lei de 13 de agosto de 1954, (68 Stat. 718) serão considerados membros da Tribo Modoc de Oklahoma, desde que atendam aos requisitos da Seção 1 (b).

    (d) Após a aprovação desta alteração, as pessoas, que ainda não estejam no Modoc Roll, que estejam inscritas em outra Tribo Reconhecida Federalmente, serão inelegíveis para associação na Tribo Modoc de Oklahoma. Esta seção deve ser interpretada de forma a proibir a inscrição tribal dupla e as transferências de membros.

    SEÇÃO 2. O Conselho Tribal Modoc terá o poder de prescrever regras e regulamentos que regem a associação futura, incluindo adoções, perda da associação e / ou renúncia.

    SEÇÃO 3. Qualquer pessoa que tenha sido rejeitada como membro pode apresentar ou ter interposto em seu nome um recurso ao Conselho Tribal Modoc, cuja decisão será final.

    SEÇÃO 4. O Conselho Eleito Modoc servirá como Comitê de Inscrição.


    Lei de Inscrição - História

    T O Departamento de Inscrição Shoshone-Bannock processa e mantém todos os registros de inscrição tribal. É missão deste departamento proteger, honrar e cumprir as disposições de inscrição estabelecidas pela Constituição e Estatutos Shoshone-Bannock e pela Lei de Procedimento de Inscrição.

    As funções do Departamento de Inscrição incluem: Certificados de Sangue Indígena (CIBs) completos, auxiliar com árvores genealógicas, fornecer cartas de verificação para status de inscrição e distribuições de jogos e auxiliar com o inventário do Bureau of Indian Affairs e solicitações departamentais. Os membros da equipe também emitem cartões de identificação tribal e auxiliam na coleta de documentação de apoio para solicitações de inscrição.


    Neste dia da história militar

    Trezentos dólares ou a sua vida
    Uma das muitas manchetes dos jornais democratas.

    "Na América, o recrutamento é desconhecido e os homens são induzidos a se alistarem por generosidade." escreveu Alexis de Tocqueville. "As noções e hábitos do povo. Se opõem tanto ao recrutamento compulsório que não acho que possa ser sancionado por suas leis." No entanto, como a Guerra Civil Americana afetou a masculinidade do Norte, o Congresso aprovou a Lei de Inscrição de 1863 em 3 de março daquele ano. Muitos nas fileiras do Exército da União achavam que a nova legislação lhes daria uma suspensão. Como Edwin Weller, da 107ª Nova York, escreveu a seu pai no final do mês: "Todos ficamos felizes quando ouvimos sobre a aprovação da Lei de Conscritos e esperamos que eles a apliquem. Que muitos desses guardas domésticos, como chamamos eles, venham aqui e repassem o que temos e eles não reclamarão tanto sobre o Exército e por que ele não faz mais ”. Infelizmente para as tropas de Weller e da União com ideias semelhantes, não foi assim que funcionou.

    Na América, o recrutamento é desconhecido e os homens são induzidos a se alistarem por meio de generosidades. Nas palavras do historiador James McPherson, o recrutamento era "uma cenoura e um bastão desajeitado para estimular o voluntariado. O bastão era a ameaça de ser convocado e a cenoura era uma recompensa pelo voluntariado". McPherson também acrescenta que "meio bilhão de dólares pagos em generosidades pelo Norte representou uma espécie de transferência de riqueza dos ricos para os pobres". Essa mudança foi ajudada por "saltadores de recompensa", homens que se alistam, obtêm seu dinheiro, desertam, mudam sua identidade e vão para algum outro lugar no Norte, e então começam seu alistamento novamente. Tornou-se mais organizado do que os "corretores de recompensas" receberiam metade da recompensa como pagamento por ajudar seu cliente a encontrar o melhor lugar para ele se voluntariar. Para muitos, a generosidade era um exemplo melhor da vilania da Administração Lincoln do que a Lei de Inscrição.

    Para garantir que a lei seria executada, o Congresso estabeleceu o Provost Marshals Bureau, que enviaria os reitor Marshals a todos os distritos eleitorais. Lá, eles assinariam todo cidadão ou imigrante do sexo masculino que tentasse se tornar um, com idade entre 20 e 45 anos, e solicitariam que se inscrevessem no alistamento. Esses soldados em potencial foram separados em duas classes:

    No primeiro rascunho de julho de 1863, 20% dos homens que se inscreveram, selecionados por sorteio, foram instruídos a se apresentar ao serviço. Para os rascunhos subsequentes, cada distrito recebeu uma cota do Departamento de Guerra. Cinquenta dias foram atribuídos aos distritos para atender à demanda de mão de obra tentando conseguir voluntários, se não desse certo, então a loteria e o saque seriam usados. No entanto, a eficácia do recrutamento foi essencialmente nula. A maioria dos convocados tentaria encontrar um novo lar no Oeste, no Canadá, ou longe de qualquer tipo de civilização, descobrindo que a cota havia sido atingida e teria que voltar para casa para persuadir as autoridades de que eles não podiam pegar em armas porque tinham para cuidar de um ente querido, alegar que os alienígenas fingem ser loucos ou ter uma doença mutilada, pagar uma taxa de comutação de US $ 300 ou contratar um substituto.

    Uma ilustração em Harper's Weekly, 1863: Reinício do projeto - dentro do escritório do Provost Marshal, Sixth District [New York City] - a roda gira. Um homem vendado está desenhando os nomes dos convocados.

    Foi a taxa e a substituição que decepcionou soldados como Weller e se tornaria um dos capítulos mais tristes do conflito.

    Trezentos dólares é, claro, muito dinheiro hoje, mas em meados do século 19 tinha ainda mais valor. Na verdade, era sobre o salário anual de um trabalhador não qualificado. Não é de surpreender que a muitos parecesse que os pobres eram os que teriam de lutar, enquanto os ricos não. "Estamos vindo, Pai Abraão, mais trezentos mil" tornou-se "Estamos vindo, pai Abraão, mais trezentos dólares". No entanto, esse não foi necessariamente o caso. Com a ajuda do dinheiro que lhes foi dado pelos governos locais, seus chefes e organizações de seguros, muitos da classe baixa estavam capaz de escapar do projecto. No entanto, o Congresso aboliu a comutação em julho de 1864.

    Mas a substituição, um mal que não era novo na história americana mesmo então (foi usado durante a Revolução Americana, bem como na milícia), não era. Os substitutos eram adolescentes ou imigrantes que ainda não haviam tentado se tornar cidadãos, e eles concordaram em fazê-lo devido ao dinheiro que receberiam. Mais uma vez, patrões e localidades vieram em socorro da classe trabalhadora, reunindo recursos financeiros suficientes para a contratação de um substituto.

    O recrutamento só fortaleceu o exército da União em 120.000 homens, 76.000 dos quais eram substitutos, enquanto 46.000 eram recrutados, mas não contribuiu para a vitória do Norte. Os homens mais responsáveis ​​por vencer a guerra foram os homens que se alistaram naqueles dias patrióticos de 61 e 62, aqueles veteranos cuja experiência os tornou oponentes dignos dos rebeldes, em Gettysburg, Vicksburg, Chattanooga, Atlanta , e além.


    Inscrição automática em 401 (k) s

    A Lei de Proteção à Pensão de 2006 isenta os empregadores que inscrevem automaticamente os funcionários nos planos 401 (k) de certas regras de “não discriminação” que, de outra forma, seriam aplicáveis.

    A maioria dos planos 401 (k) exige que os funcionários escolham afirmativamente colocar dinheiro em um plano 401 (k). Nos últimos anos, alguns empregadores instituíram a "inscrição automática", o que significa que retêm uma certa porcentagem do salário de seus funcionários, colocam-no no 401 (k) e, em seguida, dão aos funcionários a oportunidade de optarem por sair do plano .

    Para incentivar mais empregadores a adotar a inscrição automática, a nova lei estabelece planos 401 (k) de “porto seguro” que incluem certos recursos de inscrição automática. O empregador coloca uma porcentagem especificada do salário de um empregado na conta 401 (k) do empregado, a menos que o empregado opte por não participar ou escolha uma porcentagem diferente do salário para contribuir para o plano. O percentual retido automaticamente deve ser aplicado uniformemente a todos os funcionários cobertos pelo plano e não deve exceder 10 por cento do salário.

    Um novo tipo de plano 401 (k) possui um recurso de escalonamento automático. Segue abaixo um gráfico do percentual mínimo que deve ser retido de acordo com o número de anos de participação do empregado no plano.

    Porcentagem retida da compensação

    Ano de participação no plano

    Os empregadores que oferecem esta nova inscrição automática 401 (k) também devem igualar as contribuições de seus funcionários ou colocar dinheiro no plano para todos os funcionários cobertos. Se o empregador fornecer contribuições equiparadas, a equiparação deve ser de 100 por cento do primeiro um por cento do salário e 50 por cento da contribuição de um funcionário até 6 por cento do salário. Se, em vez disso, o empregador contribui para todos os funcionários, a contribuição deve ser de pelo menos três por cento da remuneração dos funcionários. Os funcionários terão direito a qualquer contribuição do empregador após dois anos de serviço.

    Os empregadores que aproveitarem as novas disposições de inscrição automática não estarão mais sujeitos às regras de “não discriminação” que vinculam os valores que os empregados com salários mais altos podem contribuir para um 401 (k) aos valores médios contribuídos pelos empregados com salários mais baixos. De acordo com esta disposição, os empregados com salários mais altos podem contribuir com o máximo para o plano 401 (k), mesmo que todos os empregados com salários mais baixos optem por sair do plano. Visite nosso gráfico COLA para saber os limites máximos de contribuição anual para planos 401 (k).

    Os empregadores têm a opção de adicionar um recurso de retirada a um plano de inscrição automática 401 (k). Esse recurso de retirada dá aos funcionários 90 dias para retirar suas próprias contribuições do plano sem incorrer em multa fiscal. Sem esse recurso, os funcionários que retirarem contribuições podem estar sujeitos a uma penalidade de imposto de 10% sobre o valor retirado. Além disso, o valor retirado estaria sujeito ao imposto de renda.

    As regras de inscrição automática também se aplicam aos planos 403 (b) fornecidos por entidades sem fins lucrativos.

    A provisão entrou em vigor em 2008

    Leia a Seção 902 da Lei de Proteção à Pensão de 2006 (Lei Pública 109-280).
    Leia o scorecard do Projeto de Segurança de Aposentadoria sobre a lei de inscrição automática.
    Leia o artigo do San Francisco Chronicle sobre Inscrição automática.


    Uma História da Lei de Educação de Indivíduos com Deficiências

    O Congresso promulgou a Lei de Educação para Todas as Crianças com Deficiência (Lei Pública 94-142), também conhecida como EHA, em 1975 para apoiar estados e localidades na proteção dos direitos, atendimento das necessidades individuais e melhoria dos resultados para bebês e crianças pequenas , crianças e jovens com deficiência e suas famílias. O nome dessa lei histórica mudou para Lei de Educação de Indivíduos com Deficiências, ou IDEA, em uma reautorização de 1990. A lei foi reautorizada pela última vez em 2004, e o departamento publicou periodicamente regulamentações novas ou revisadas para tratar da implementação e interpretação da IDEA.

    Antes da EHA, muitas crianças não tinham acesso à educação e oportunidades de aprender. Em 1970, as escolas dos EUA educavam apenas uma em cada cinco crianças com deficiência, e muitos estados tinham leis que excluíam certos alunos, incluindo crianças surdas, cegas, com distúrbios emocionais ou com deficiência intelectual.

    Desde a aprovação do EHA em 1975, um progresso significativo foi feito em direção ao cumprimento das principais metas nacionais para o desenvolvimento e implementação de programas e serviços eficazes para intervenção precoce, educação especial e serviços relacionados. Os EUA progrediram da exclusão de quase 1,8 milhão de crianças com deficiência das escolas públicas antes da implementação da EHA para fornecer educação especial a mais de 7,5 milhões de crianças com deficiência e serviços relacionados projetados para atender às suas necessidades individuais no ano letivo de 2018-19.

    Em 2018-19, mais de 64% das crianças com deficiência estavam em salas de aula de educação geral 80% ou mais de seu dia escolar (IDEA Parte B Contagem de Crianças e Coleção de Ambientes Educacionais), e serviços de intervenção precoce foram fornecidos a mais de 400.000 bebês e crianças com deficiência e suas famílias (IDEA Parte C Contagem de crianças e configurações).

    Outras realizações diretamente atribuíveis à IDEA incluem educar mais crianças nas escolas de seus bairros, ao invés de escolas e instituições separadas, e contribuir para melhorias na taxa de conclusão do ensino médio, matrícula pós-secundária e emprego pós-escolar para jovens com deficientes que se beneficiaram da IDEA.

    Condições antes de EHA e IDEA

    Antes da promulgação da EHA, o destino de muitos indivíduos com deficiência provavelmente era sombrio. Muitos indivíduos viviam em instituições estatais para pessoas com deficiência intelectual ou doença mental. Muitos desses ambientes restritivos forneciam apenas alimentos, roupas e abrigo mínimos, e as pessoas com deficiência eram frequentemente apenas acomodadas em vez de avaliadas, educadas e reabilitadas.

    Além disso, a maioria das famílias não teve a oportunidade de participar do planejamento ou das decisões de colocação de seus filhos, e não havia recursos disponíveis para permitir que crianças com deficiências significativas vivessem em casa e recebessem educação em escolas do bairro em sua comunidade.

    Década de 1950, 1960 e 1970: Resposta Federal Inicial

    Nas décadas de 1950 e 1960, o governo federal, com forte apoio e defesa das associações familiares, começou a desenvolver e validar práticas para crianças com deficiência e suas famílias. Essas práticas estabeleceram a base para a implementação de programas e serviços eficazes de intervenção precoce e educação especial em estados e localidades em todo o país.

    A legislação federal inicial apoiava programas e serviços aprimorados. Exemplos notáveis ​​incluem:

    • a Lei de Formação de Pessoal Profissional de 1959 (Lei Pública 86-158), que ajudou a treinar líderes para educar crianças com deficiência mental *
    • os Captioned Films Acts de 1958 (Public Law 85-905), as disposições de formação para professores de alunos com deficiência mental * (Public Law 85-926), e 1961 (Public Law 87-715), que apoiava a produção e distribuição de filmes acessíveis
    • a Lei dos Professores de Surdos de 1961 (Lei Pública 87-276), que treinava pessoal instrucional para crianças surdas ou com deficiência auditiva
    • a Lei de Construção de Instalações de Retardo Mental e Centros Comunitários de Saúde Mental de 1963 (Lei Pública 88-164) expandiu os programas de treinamento específicos anteriores para incluir o treinamento em todas as áreas de deficiência
    • a Lei da Educação Elementar e Secundária de 1965 (Lei Pública 89-10) e a Lei das Escolas Estaduais (Lei Pública 89-313) forneceram aos estados assistência de subsídio direto para ajudar a educar crianças com deficiência e
    • a Lei de Assistência à Educação Infantil com Deficiência de 1968 (Lei Pública 90-538) e as Emendas de Oportunidades Econômicas de 1972 (Lei Pública 92-424) autorizou o apoio, respectivamente, a programas exemplares para a primeira infância e aumento de matrículas no Head Start para crianças pequenas com deficiência .

    Decisões judiciais de referência aumentaram ainda mais as oportunidades educacionais para crianças com deficiência. Por exemplo, a Associação da Pensilvânia para Cidadãos Retarded v. Commonwealth (1971) e Mills v. Board of Education do Distrito de Columbia (1972) estabeleceram a responsabilidade dos estados e localidades de educar crianças com deficiência.

    * Uma revisão de 2017 refletiu as alterações feitas na Lei de Educação de Indivíduos com Deficiências pela Lei de Rosa, que substitui as referências a & # 8220 retardo mental & # 8221 na lei federal por & # 8220 deficiência intelectual & # 8221 ou & # 8220 deficiência intelectual. & # 8221

    1975: Lei Pública 94-142

    Em 29 de novembro de 1975, o presidente Gerald Ford sancionou a Lei de Educação para Todas as Crianças com Deficiência (Lei Pública 94-142), ou EHA. A EHA garantiu uma educação pública adequada e gratuita, ou FAPE, para cada criança com deficiência em todos os estados e localidades do país.

    Os quatro objetivos do EHA eram:

    • para garantir que todas as crianças com deficiência tenham à sua disposição ... uma educação pública apropriada e gratuita que enfatiza a educação especial e serviços relacionados projetados para atender às suas necessidades específicas,
    • para garantir que os direitos das crianças com deficiência e de seus pais ... sejam protegidos,
    • ajudar os estados e localidades a providenciarem a educação de todas as crianças com deficiência, e
    • para avaliar e assegurar a eficácia dos esforços para educar todas as crianças com deficiência.

    A lei autorizou incentivos financeiros para permitir que estados e localidades cumpram a EHA.

    A EHA foi uma resposta à preocupação do Congresso com dois grupos de crianças: os mais de 1 milhão de crianças com deficiência totalmente excluídas do sistema educacional e as crianças com deficiência que tinham acesso limitado ao sistema educacional e, portanto, tiveram uma educação adequada negada. Este último grupo compreendia mais da metade de todas as crianças com deficiência que viviam nos EUA naquela época.

    Fatos e figuras

    No ano escolar de 1976-77, 3.694.000 alunos de 3 a 21 anos foram atendidos pela EHA.

    1980 e 1990, incluindo a introdução da intervenção precoce

    To achieve the national goals for access to education for all children with disabilities, several special issues and special populations required federal attention. Key amendments to the law in the 1980s and 1990s reflected these national concerns.

    Reauthorizations

    • The 1986 reauthorization (Public Law 99-457) addressed early intervention and mandated that individual states provide services to families of children born with disabilities from the time they are born. Previously, these services were not available until a child reached the age of three.
    • The 1990 reauthorization (Public Law 110-476) changed the law’s name from EHA to the Individuals with Disabilities Education Act, or IDEA. It also added traumatic brain injury and autism as new disability categories. Additionally, Congress mandated that as a part of a student’s individualized education program (IEP), an individual transition plan (ITP) must be developed to help the student transition to post-secondary life.
    • The 1997 (Public Law 105-17) reauthorization articulated a new challenge to improve results for children with disabilities and their families. This included an emphasis on access to the general curriculum. Additionally, states were given the authority to expand the “developmental delay” definition to also include students up to age nine. The law also required parents be provided an opportunity to attempt to resolve disputes with schools and local educational agencies (LEAs) through mediation and provided a process for doing so.

    Birth Through Age 2

    The 1980s saw a national concern for young children with disabilities and their families. While the EHA mandated programs and services for children 3 to 21 years that were consistent with state law, the 1986 amendments to the EHA mandated that states provide programs and services from birth.

    These early intervention and preschool programs prepared young children with disabilities to meet the academic and social challenges that lie ahead of them, both while in school and in later life.

    Facts and Figures

    In the 1980-81 school year, 4,144,000 students aged 3 through 21 were served under EHA. By the 1990-91 school year, 4,710,000 infants, toddlers, children, and youth with disabilities from birth through age 21 were served under IDEA.

    Ages 3 Through 21

    The 1980s and 1990s saw a push to expand the opportunities for educating children with disabilities in the least restrictive environment. For example, in the early 1980s, EHA supported several “Severely Handicapped Institutes” to develop and validate effective approaches for integrating children with significant disabilities with their non-disabled family members at home and their non-disabled classmates at school.

    Model projects’ efforts led the way for millions of children with significant disabilities to attend their neighborhood schools and learn the life skills needed for full, active participation in integrated activities with their family members, friends, neighbors and co-workers.

    Additionally, in 1982, the U.S. Supreme Court addressed for the first time, what is meant by a free appropriate public education under EHA. In Hendrick Hudson Dist. Bd. Of Ed. v. Rowley, the Supreme Court concluded that to meet its obligation to provide FAPE, the school district must provide access to specialized instruction and related services which are individually designed to provide educational benefit to the child with a disability. In 2017, the Court revisited the question of what level of educational benefit the school district must confer on children with disabilities to provide FAPE, as noted in Endrew F. v. Douglas County School District Re-1 (2017) below.

    The law has also supported the preparation of students for vocational success through new and improved transition programs.

    The law’s 1983 amendments (Public Law 98-199), 1990 amendments (Public Law 101-476) and 1997 amendments (Public Law 105-17) supported initiatives for transition services from high school to adult living.

    Because of these mandates, each transition-aged student’s IEP must include transition plans or procedures for:

    • Identifying appropriate employment and other postschool adult living objectives for the student
    • Referring the student to appropriate community agencies and
    • Linking the student to available community resources, including job placement and other follow-up services.

    The IEP must also specifically designate who is responsible for each transition activity.

    Facts and Figures

    Of student with disabilities ages 14 through 21 who were known to have left school in the 1994-95 school year:

    • 52% graduated with a regular diploma,
    • 63% graduated with a regular diploma or certificate of completion, and
    • 34% dropped out.

    2000s and 2010s

    In 2004, the IDEA reauthorization aligned the IDEA with the No Child Left Behind Act requirements.

    The 2004 reauthorization called for:

    • Early intervening services for children not currently identified as needing special education but who need additional academic and behavioral support to succeed in a general education environment,
    • Greater accountability and improved educational outcomes, and
    • Raised standards for instructors who teach special education classes.

    The 2000s and 2010s saw revised regulations to the IDEA. The department issued these periodic revisions to address the implementation and interpretation of the IDEA.

    In August 2006, the department issued regulations necessitated by the 2004 reauthorization. The 2006 IDEA regulations required schools to use research-based interventions in the process of assisting students with learning difficulties or determining eligibility for special education. The 2006 regulations also addressed other new requirements included in the 2004 reauthorization, such as:

    • The resolution process required when a parent files a due process complaint, and
    • Shifting the responsibility to provide equitable services for parentally-placed private school children with disabilities to the local educational agency (LEA) in which the private school is located.

    In 2008, the department issued regulations it determined were needed to clarify and strengthen effective implementation and administration of IDEA programs. These IDEA regulations addressed:

    • Parental consent for continued special education and related services
    • Non-attorney representation in due process hearings
    • State monitoring, technical assistance, and enforcement
    • Allocation of funds and
    • Positive efforts to employ and advance in employment individuals with disabilities.

    Both 2011 and 2013 regulations included clarifications or revisions to the IDEA for infants and toddlers with disabilities programs. Additionally, the 2013 regulations revised the parental consent requirements related to a child’s or parent’s public benefits and ensured parent of children with disabilities are specifically informed of all their legal protections when public agencies seek access to public benefits or insurance to pay for services required under the IDEA.

    The 2015 revisions revised regulations governing the requirement that LEAs maintain fiscal effort removed the authority for states to define modified academic achievement standards and develop alternate assessments based in those modified academic achievement standards or eligible students with disabilities.

    Notably, a 2017 revision reflected changes made to the Individuals with Disabilities Education Act by Rosa’s Law, which replaces references to “mental retardation” in Federal law with “intellectual disability” or “intellectual disabilities.” Other 2017 revisions removed and revised IDEA definitions based on the Elementary and Secondary Education Act of 1965 (ESEA), as amended by the Every Student Succeeds Act of 2015 (ESSA).

    In March 2017, the Supreme Court ruled on a landmark case that defines the scope of FAPE requirements under IDEA. In Endrew F. v. Douglas County School District Re-1, the Supreme Court determined that “[t]o meet its substantive obligation under the IDEA, a school must offer an IEP reasonably calculated to enable a child to make progress appropriate in light of the child’s circumstances.” The Court additionally emphasized the requirement that “every child should have the chance to meet challenging objectives.”

    Facts and Figures

    Birth Through Age 2

    In 2005-06, 299,048 infants and toddlers with disabilities from birth through age 2 were served under IDEA, Part C. By 2018-19, 409,315 infants and toddlers with disabilities from birth through age 2 were served under IDEA, Part C.

    Ages 3 Through 21

    In the 2018-19 school year, 7,130,238 students with disabilities from 3 through 21 were served under IDEA, Part B.

    In the 2017-18 school year, 72.7% of students with disabilities, age 14-21, exiting school graduated with a regular high school diploma and 16% dropped out.

    Educators/Service Providers

    In the 2005-06 school year, 695,466 teachers and related service personnel were employed to serve students age 3 through 21. By the 2017-18 school year, 942,446 teachers and related service personnel were employed to serve students age 3 through 21.

    Partes interessadas

    Famílias

    From the beginning of special education legislation, families of children with disabilities have been considered important partners in meeting the needs of children with disabilities.

    IDEA includes key principles to guide families and professionals to work together to enhance the educational opportunities for their children.

    IDEA requires active parent participation throughout the educational process including the development of the child’s IEP.

    IDEA 1997 amendments mandated that schools report progress to parents of children with disabilities as frequently as they report to parents of non-disabled children. The intent was to maintain an equal and respectful partnership between schools and families.

    Educators and Service Providers

    IDEA has continued the long-standing federal commitment to provide an adequate supply of qualified teachers.

    Today, hundreds of thousands of professionals specializing in early childhood and special education are being trained with IDEA support. These professionals include early intervention staff, classroom teachers, therapists, counselors, psychologists, program administrators, and other professionals who will work with future generations of children with disabilities and their families.

    IDEA has supported states and localities in meeting their identified challenges for personnel preparation.

    For example, IDEA has supported local communities who were developing and implementing early childhood programs schools serving students with low-incidence disabilities, such as children who are blind or deaf or children with autism or traumatic brain injury and schools in rural or large urban areas, where financial and other resources are often scarce.

    State Lead Agencies, State Educational Agencies, and Local Educational Agencies

    The IDEA requires states and other public agencies to implement programs designed to improve results for infants, toddlers, children and youth with disabilities and their families.

    Additionally, the IDEA allows for the award of annual formula grants to states to support early intervention services for infants and toddlers with disabilities and their families, and the provision of special education and related services to preschool children ages three through five, and children and youth with disabilities

    Discretionary Grant Recipients

    IDEA discretionary grants award grants through a competitive process to state educational agencies, institutions of higher education, and other nonprofit organizations to support technical assistance and dissemination, technology and media services, state personnel development grants, personnel preparation, state data collections, and parent-training and information centers.


    Assista o vídeo: Nova Lei de Licitações. Episódio 11. Diálogo Competitivo