Thomas Audley

Thomas Audley

Thomas Audley, filho de Geoffrey Audley, nasceu em Hay House, Earls Colne, por volta de 1487. Freqüentou o Buckingham College (Magdalene College) e em julho de 1510 foi admitido no Inner Temple.

Em 1514, Audley tornou-se secretário municipal de Colchester. Por volta de 1519 ele se casou com Christina Barnardiston, filha de Sir Thomas Barnardiston. Eles não tinham filhos. Audley foi nomeado juiz de paz de Essex pela primeira vez em novembro de 1520. Ele ocupou o cargo por mais de vinte anos. (1)

Em março de 1523 ele foi eleito para representar Colchester na Câmara dos Comuns. No Parlamento, ele se tornou um apoiador do Cardeal Thomas Wolsey. Em dezembro de 1526 foi nomeado procurador-geral. No ano seguinte, ele era membro da casa de Wolsey e, em julho, tornou-se cavalariço da câmara do rei. Suas ambições políticas sofreram um sério golpe quando Wolsey foi demitido do cargo em outubro de 1529. (2)

Audley teria "esperado o grande selo na queda de Wolsey", mas seu rival, Thomas More, foi nomeado Lord Chancellor. (3) De acordo com Peter Ackroyd, esta foi uma jogada política astuta. "Como More era conhecido por ser um ávido caçador de hereges, era uma prova evidente de que Henrique não queria repudiar a Igreja ortodoxa. Na verdade, More começou sua perseguição um mês depois de assumir sua posição, ele prendeu um cidadão de Londres, Thomas Phillips, sob suspeita de heresia ... Foi o início da campanha de terror do novo chanceler contra os hereges. " (4)

Em dezembro de 1529, Audley tornou-se presidente da Câmara dos Comuns. Foi alegado que isso foi a pedido de Henrique VIII. Audley desempenhou um papel fundamental na condução do Parlamento a legislação que levou ao rompimento com Roma e permitiu que Henrique se divorciasse de Catarina de Aragão. Audley teve tanto sucesso nisso que John Fisher, bispo de Rochester, acusou o Commons de promover a destruição da igreja e comparou Audley e seus partidários a "pagãos e infiéis". Em 26 de janeiro de 1533 Audley foi nomeado Lord Chancellor. (5) Ele também era o presidente da Câmara dos Lordes e Henry achou que isso seria importante em sua luta com o Parlamento. (6)

Em março de 1534, o Papa Clemente VII anunciou que o casamento de Henrique com Ana Bolena era inválido. Henrique reagiu declarando que o papa não tinha mais autoridade na Inglaterra. Em novembro de 1534, o Parlamento aprovou o Ato de Supremacia. Isso deu a Henrique o título de "chefe supremo da Igreja da Inglaterra". Um Ato de Traição também foi aprovado que tornava uma ofensa tentar por qualquer meio, incluindo escrever e falar, acusar o rei e seus herdeiros de heresia ou tirania. Todos os súditos foram obrigados a fazer um juramento de aceitação disso. (7)

Sir Thomas More e John Fisher, bispo de Rochester, recusaram-se a prestar juramento e foram presos na Torre de Londres. More foi convocado perante o arcebispo Thomas Cranmer e Thomas Cromwell no Palácio de Lambeth. More ficou feliz em jurar que os filhos de Ana Bolena poderiam suceder ao trono, mas não podia declarar sob juramento que todos os Atos do Parlamento anteriores haviam sido válidos. Ele não podia negar a autoridade do papa "sem colocar minha alma em perigo para a condenação perpétua". (8)

Thomas Audley agora juntou forças com Thomas Cromwell e Richard Rich para minar o poder da Igreja Católica Romana. Como seu biógrafo apontou: "A promoção a lorde chanceler não aumentou imediatamente a intimidade de Audley com Henry. Seu papel parece ter sido o de um canal entre o conselho e os tribunais, quando ele não estava em negócios locais ... Durante o As cartas de Audley, na década de 1530, contendo aconselhamento jurídico para o rei e pedidos de subsídios para si mesmo, foram endereçadas a Cromwell, que então as passava a Henrique. Tais pedidos eram geralmente redigidos nos termos mais humildes e submissos, mas suas cartas sobre questões jurídicas sugerem que Audley estava confiante, até mesmo agressivo, em promover sua opinião profissional, e também que ele era minucioso e bem preparado, fornecendo amplos exemplos de precedentes legais para apoiar seus argumentos, mas também sugerindo estratagemas alternativos. " (9)

Em janeiro de 1535, Cromwell foi nomeado Vigário Geral. Isso o tornou o representante do Rei como Chefe Supremo da Igreja. No dia 3 de junho, ele enviou uma carta a todos os bispos ordenando-lhes que pregassem em apoio à supremacia e garantindo que o clero em suas dioceses também o fizesse. Uma semana depois, ele enviou mais cartas aos juízes de paz ordenando-lhes que relatassem quaisquer ocorrências de desobediência às suas instruções. No mês seguinte, ele voltou sua atenção para os mosteiros. Em setembro, ele suspendeu a autoridade de todos os bispos do país para que os seis canonistas que ele havia nomeado como seus agentes pudessem concluir suas pesquisas sobre os mosteiros. (10)

A pesquisa revelou que a renda total anual de todos os mosteiros era de cerca de £ 165.500. Os onze mil monges e freiras nessas instituições também controlavam cerca de um quarto de todas as terras cultivadas na Inglaterra. Os seis advogados forneceram relatórios detalhados sobre os mosteiros. De acordo com David Starkey: "Seus relatórios subsequentes concentraram-se em duas áreas: as falhas sexuais dos monges, assunto sobre o qual os visitantes conseguiram combinar intensa desaprovação com detalhes de estalar os lábios, e os falsos milagres e relíquias, dos quais eles deram igualmente orgulho contas. " (11)

Como Jasper Ridley, autor de Henry VIII (1984) apontou: "Depois que Cromwell recebeu os relatórios dos visitantes sobre o estado dos mosteiros, um projeto de lei foi apresentado no Parlamento para dissolver as casas religiosas menores. Audley, o Lord Chancellor, e Rich, que foi escolhido como Orador da Câmara dos Comuns, explicou aos senhores e deputados que o rei desejava preservar todos os mosteiros que vivessem de acordo com o antigo e puro ideal monástico, mas suprimir aqueles em que o vício floresceu, pois seria melhor confiar seus bens a o rei, para que pudesse usá-los para fins educacionais e de caridade. Como estava claro que uma melhor disciplina era mantida nas casas maiores do que nas menores, todos os mosteiros e conventos que tivessem uma renda anual inferior a £ 200 deveriam ser suprimidos , a menos que o rei, em casos especiais, permitisse que algumas dessas casas continuassem. Os deputados, indignados com os relatos de prostituição e sodomia dos visitantes, votaram com entusiasmo pelo projeto. " (12)

Um total de 419 casas monásticas foram obrigadas a fechar, mas os abades pediram isenções e 176 dos mosteiros foram autorizados a permanecer abertos. Alega-se que Audley e Cromwell foram subornados em dinheiro e bens para chegar a este acordo. A terra do mosteiro foi confiscada e vendida a preços baixos a nobres e mercadores. Eles, por sua vez, venderam algumas das terras para fazendeiros menores. Este processo significou que um grande número de pessoas tinha bons motivos para apoiar o fechamento dos mosteiros. (13) Thomas Fuller, o autor de A História da Igreja da Grã-Bretanha: Volume IV (1845) argumentou que a dissolução dos mosteiros foi de grande benefício pessoal para Audley. (14)

Thomas Audley recebeu autoridade primária sobre "assuntos de justiça". Nessa função, foi criticado pelo embaixador da França, Charles de Marillac, que se queixou de que Audley "não fala francês nem latim e tem fama de ser um bom vendedor de justiça sempre que encontra comprador". L. L. Ford afirma que isso foi injusto e, embora ele fosse um bom servidor e um político astuto, suas "decisões raramente parecem motivadas pelo lucro ao invés da justiça". (15)

David Loades argumentou que Henrique VIII gostava de empregar o que chamou de funcionários "vilãs", como Thomas Audley. "O rei não tinha intenção de dispensar Cromwell ou Rich, ou Cranmer ou Audley, seus outros conselheiros que pudessem ser designados como 'baseborn'. Ele não seria obrigado, declarou mais tarde, a ser servido por nobres, mas seria escolha os homens que possam ser mais adequados para as tarefas que ele tinha em mente. Sua autoridade por si só deveria ser suficiente para garantir que eles fossem obedecidos. " (16)

O Lord Chancellor Audley foi o responsável pelo julgamento de William Brereton, Henry Norris, Mark Smeaton, Francis Weston no Westminster Hall. Todos os homens foram acusados ​​de ter relações sexuais com a rainha Ana Bolena. Audley e Thomas Cromwell certificaram-se de que um júri confiável fosse formado, consistindo quase inteiramente de inimigos conhecidos dos Bolena. "Esses não foram difíceis de encontrar, e todos eram homens substanciais, com muito a ganhar ou perder com seu comportamento em um teatro tão conspícuo". (17)

Poucos detalhes sobrevivem do processo. Testemunhas foram chamadas e várias falaram da alegada atividade sexual de Ana Bolena. Uma testemunha disse que "nunca houve tal prostituta no reino". No final do julgamento, o júri deu o veredicto de culpado, e os quatro homens foram condenados por Thomas Audley a serem sorteados, enforcados, castrados e esquartejados. Eustace Chapuys afirmou que Brereton foi "condenado por presunção, não por prova ou confissão válida, e sem quaisquer testemunhas". (18)

Thomas Audley apoiou totalmente a decisão de Henry de se casar com Jane Seymour em 30 de maio de 1536. Ele a descreveu como "casta, pura e fértil" e fez uma oração pelo casamento: "Vamos orar a Deus para que envie descendência ao nosso mais excelente Príncipe ; damos graças por Deus o ter preservado para nós a salvo de tantos e tão grandes perigos ... e nos deixar assim para a sua posteridade ”. (19)

Em 29 de novembro de 1538, Thomas Audley foi nomeado Barão Audley de Walden. Sua esposa Christina Audley morreu em 23 de janeiro de 1538. Três meses depois, ele se casou com Lady Elizabeth, filha de Thomas Gray, segundo marquês de Dorset (1477-1530). Audley e sua segunda esposa tiveram duas filhas, Mary e Margaret. O Ato de Precedência aprovado pelo parlamento de 1539 elevou a importância política de Audley, dando-lhe precedência sobre todos, exceto duques de sangue real no parlamento, conselho privado e Câmara das Estrelas. (20)

O Lord Chancellor Audley abriu o Parlamento de 1540. Thomas Cromwell tentou explicar as políticas religiosas do governo: "A majestade do rei não deseja nada mais do que concórdia ... ele sabe que há aqueles que incitariam contendas, e em alguns lugares em seu campo brotou joio para prejudicar o trigo. A agressividade e a luxúria carnal de alguns, a corrupção inveterada e a tenacidade supersticiosa de opinião de outros excitam a disputa e as brigas mais horríveis em tão bons homens cristãos; um lado chama os outros de papistas, e o outro os chama de hereges, tanto perversos e insolentes. .. Eles distorcem o dom sagrado de Deus, ora em heresia e ora em superstição. " (21)

A execução de Cromwell em 28 de julho de 1540 deu a Audley ainda mais poder. "Audley parece ainda ter sido o esteio do conselho privado com base em Londres, onde serviu como contato para embaixadores estrangeiros, recebeu ordens dos conselheiros privados no tribunal sobre negócios a serem feitos, passou informações a eles sobre questões de Londres, e respondeu à convocação para debater questões específicas nas quais sua experiência jurídica era presumivelmente desejada. Em particular, ele parece ter sido considerado o especialista em questões de traição. Sua casa em Londres na Christ Church em Aldgate tornou-se um ponto de encontro conveniente e prisão informal . " (22)

Em 30 de abril de 1541, Thomas Fiennes, 9º Barão Dacre e treze outros jovens partiram do Castelo de Herstmonceux em uma expedição de caça furtiva nas terras de Sir Nicholas Pelham de Laughton. Os homens se dividiram em dois grupos e Lord Dacre e sete outros homens encontraram três guarda-caça em Hellingly, que tentaram impedi-los de caçar. Houve uma luta e um dos guarda-caça ficou gravemente ferido, morrendo dois dias depois. (23)

Lord Dacre foi acusado de homicídio e julgado no Tribunal de King's Bench em Westminster antes de Thomas Audley. Dacre se declarou inocente e negou que tivesse qualquer intenção de matar o guarda-caça. Após discussões com Audley, Dacre mudou sua declaração de culpado. Presumia-se que um acordo havia sido fechado e que ele seria tratado com indulgência. William Paget afirmou que entendia que Dacre fora levado a acreditar que a sentença de morte seria comutada se ele se declarasse culpado. No entanto, o Lord Chancellor sentenciou Dacre à forca.

Os apelos foram feitos pelos amigos e familiares de Dacre, mas Henrique VIII insistiu para que a sentença fosse executada. Jasper Ridley apontou: "A juventude de Dacre e sua conduta calma, digna e arrependida em seu julgamento despertaram muita simpatia entre os espectadores e o público; e havia poucos países na cristandade onde um nobre seria enforcado por matar um guarda-caça. " (24) Dacre foi executado em 28 de junho de 1541. Edward Hall registrou "ele foi conduzido a pé entre os dois xerifes de Londres da Torre através da cidade até Tyburn, onde foi estrangulado como assassinos comuns e seu corpo enterrado na igreja de St Selpulchre ". (25)

Como Thomas Fiennes foi condenado por um crime, sua propriedade foi confiscada para a coroa. Afirma-se que esta é a razão pela qual Henry não o perdoou. O biógrafo de Dacre rejeita esta sugestão: "Dacre e seus companheiros foram acusados ​​de assassinato e julgados no tribunal do banco do rei em 27 de junho. Dacre originalmente entrou com uma declaração de inocente da acusação de homicídio doloso, mas mais tarde foi induzido a mudá-lo para culpado e se entregar à misericórdia do rei. Apesar da intercessão do conselho em nome de Dacre, o rei recusou-se a conceder-lhe uma prorrogação ... Embora o destino de Dacre tenha sido usado anteriormente como um exemplo da crescente intolerância e brutalidade de Henrique, a sentença foi justa : como Miller apontou, o barão era indiscutivelmente um cúmplice de assassinato, cuja punição era a morte. " (26)

Em novembro de 1541, Thomas Audley providenciou para que Sir Richard Rich e Sir John Gage questionassem Thomas Culpeper e Francis Dereham sobre seu relacionamento com a rainha Catarina Howard. De acordo com Alison Weir, autor de As seis esposas de Henrique VIII (2007) Rich e Gage "supervisionaram a tortura, com instruções para proceder à execução dos prisioneiros, se sentissem que nada mais haveria a ser ganho com mais interrogatórios". (27)

A rainha Catarina e sua dama de companhia, Jane Boleyn (Lady Rochford) foram ambas executadas em 3 de fevereiro de 1542. David Loades, o autor de As seis esposas de Henrique VIII (2007) afirma que Thomas Audley ficou insatisfeito com a decisão: "Lord Chancellor Audley parece ter alguns escrúpulos sobre isso, temendo que a justiça pudesse não ser vista a ser feita, mas talvez se sentisse que o espetáculo de outra rainha em julgamento por substancialmente a mesma ofensa pode ter causado ridicularização sobre a Coroa inglesa. " (28)

Nessa época, Thomas Audley havia adquirido uma quantidade considerável de propriedades. A Dissolução dos Mosteiros trouxe-lhe a Igreja de São Botolph em Colchester e o priorado de Prittlewell. Ele também obteve mansões em Essex e Suffolk. Audley também comprou mansões e terras do convento de Holywell em Hertfordshire. A mais valiosa de suas aquisições foi Walden Abbey, que mais tarde foi renomeada para Audley End. Estima-se que seu patrimônio valia £ 800 por ano. Em 1542, ele concordou em emprestar a Henrique VIII £ 4.000. "A obscuridade inicial de Audley e a conseqüente obsessão em adquirir riqueza e status, a grande despesa que sua posição elevada acarretava e suas esperanças de uma consideração posterior por Henry em termos de terras ou presentes são temas constantes de sua correspondência." (29)

Thomas Audley, Barão Audley de Walden, morreu aos cinquenta e seis anos, em sua casa em Christ Church, Aldgate, Londres, em 30 de abril de 1544. Ele foi enterrado em Saffron Walden, Essex. O historiador da igreja, Thomas Fuller, disse sobre a tumba de mármore preto contendo seus restos mortais, "a pedra não é mais dura, nem o mármore mais preto do que o coração daquele que jaz abaixo". (30)

Depois que Cromwell recebeu os relatórios dos visitantes sobre o estado dos mosteiros, um projeto de lei foi apresentado no Parlamento para dissolver as casas religiosas menores. Os parlamentares, indignados com os relatórios de prostituição e sodomia dos visitantes, votaram com entusiasmo a favor do projeto.

A promoção a lorde chanceler não aumentou imediatamente a intimidade de Audley com Henry. Seu papel parece ter sido o de um canal entre o conselho e os tribunais, quando ele não estava viajando a negócios locais. Já em outubro de 1532, ele administrava os negócios reais na ausência de Thomas Cromwell e do rei, que estavam ambos em Calais na época. Tais pedidos eram geralmente expressos nos termos mais humildes e submissos, mas suas cartas sobre questões jurídicas sugerem que Audley estava confiante, até mesmo agressivo, em promover sua opinião profissional, e também que ele era meticuloso e bem preparado, fornecendo amplos exemplos jurídicos precedente para apoiar seus argumentos, mas também sugerindo estratagemas alternativos.

Henrique VIII (resposta ao comentário)

Henrique VII: um governante sábio ou perverso? (Responder comentário)

Hans Holbein e Henry VIII (resposta ao comentário)

O casamento do Príncipe Arthur e Catarina de Aragão (resposta ao comentário)

Henrique VIII e Ana de Cleves (resposta ao comentário)

A rainha Catarina Howard foi culpada de traição? (Responder comentário)

Anne Boleyn - reformadora religiosa (resposta ao comentário)

Ana Bolena tinha seis dedos na mão direita? Um estudo na propaganda católica (resposta ao comentário)

Por que as mulheres eram hostis ao casamento de Henrique VIII com Ana Bolena? (Responder comentário)

Catherine Parr e os direitos das mulheres (resposta ao comentário)

Mulheres, Política e Henrique VIII (resposta ao comentário)

Historiadores e romancistas sobre Thomas Cromwell (resposta ao comentário)

Martin Luther e Thomas Müntzer (responder a comentários)

O anti-semitismo de Martinho Lutero e Hitler (resposta ao comentário)

Martinho Lutero e a Reforma (resposta ao comentário)

Mary Tudor and Heretics (resposta ao comentário)

Joan Bocher - Anabatista (resposta ao comentário)

Anne Askew - Queimada na Estaca (Resposta ao Comentário)

Elizabeth Barton e Henry VIII (resposta ao comentário)

Execução de Margaret Cheyney (resposta ao comentário)

Robert Aske (resposta ao comentário)

Dissolução dos mosteiros (resposta ao comentário)

Peregrinação da Graça (resposta ao comentário)

Pobreza em Tudor Inglaterra (resposta ao comentário)

Por que a Rainha Elizabeth não se casou? (Responder comentário)

Francis Walsingham - Códigos e codificação (resposta ao comentário)

Sir Thomas More: Santo ou Pecador? (Responder comentário)

Arte e propaganda religiosa de Hans Holbein (resposta ao comentário)

Tumultos do Dia de Maio de 1517: Como os historiadores sabem o que aconteceu? (Responder comentário)

(1) L. Ford, Thomas Audley: Dicionário Oxford de Biografia Nacional (2004-2014)

(2) Howard Leithead, Thomas Cromwell: Dicionário Oxford de Biografia Nacional (2004-2014)

(3) Edward Kelly Purnell, Magdalene College (1904) página 32

(4) Peter Ackroyd, Tudors (2012) página 56

(5) L. Ford, Thomas Audley: Dicionário Oxford de Biografia Nacional (2004-2014)

(6) David Starkey, Seis esposas: as rainhas de Henrique VIII (2003) página 478

(7) Roger Lockyer, Tudor e Stuart Britain (1985) páginas 43-44

(8) Peter Ackroyd, Tudors (2012) página 82

(9) L. Ford, Thomas Audley: Dicionário Oxford de Biografia Nacional (2004-2014)

(10) Howard Leithead, Thomas Cromwell: Dicionário Oxford de Biografia Nacional (2004-2014)

(11) David Starkey, Seis esposas: as rainhas de Henrique VIII (2003) página 529

(12) Jasper Ridley, Henry VIII (1984) página 256

(13) Peter Ackroyd, Tudors (2012) página 90

(14) Thomas Fuller, A História da Igreja da Grã-Bretanha: Volume IV (1845) páginas 358

(15) L. Ford, Thomas Audley: Dicionário Oxford de Biografia Nacional (2004-2014)

(16) David Loades, Thomas Cromwell (2013) página 138

(17) David Loades, As seis esposas de Henrique VIII (2007) página 82

(18) Alison Weir, As seis esposas de Henrique VIII (2007) página 324

(19) David Starkey, Seis esposas: as rainhas de Henrique VIII (2003) página 595

(20) L. Ford, Thomas Audley: Dicionário Oxford de Biografia Nacional (2004-2014)

(21) David Loades, Thomas Cromwell (2013) página 210

(22) L. Ford, Thomas Audley: Dicionário Oxford de Biografia Nacional (2004-2014)

(23) Luke MacMahon, Thomas Fiennes: Dicionário Oxford de Biografia Nacional (2004-2014)

(24) Jasper Ridley, Henry VIII (1984) página 352

(25) Edward Hall, História da inglaterra (1550) página 842

(26) Luke MacMahon, Thomas Fiennes: Dicionário Oxford de Biografia Nacional (2004-2014)

(27) Alison Weir, As seis esposas de Henrique VIII (2007) página 472

(28) David Loades, As seis esposas de Henrique VIII (2007) página 126

(29) L. Ford, Thomas Audley: Dicionário Oxford de Biografia Nacional (2004-2014)

(30) Edward Kelly Purnell, Magdalene College (1904) página 37


Dicionário de biografia nacional, 1885-1900 / Audley, Thomas

AUDLEY, THOMAS, Barão Audley de Walden (1488-1544), senhor chanceler, era um homem de Essex, cuja família, embora desconhecida para bons genealogistas, é suposto por alguns ter tido uma conexão distante com a dos Lordes Audley em uma data anterior . Acredita-se que ele tenha estudado no Magdalen College, em Cambridge, de onde foi posteriormente um benfeitor. Ele então veio para Londres e dedicou-se à lei no Inner Temple, onde foi leitor de outono em 1526. Nesse ínterim, foi admitido como burguês de Colchester em 1516 e foi nomeado secretário da cidade lá. Seu nome ocorre na comissão da paz para Essex já em 1521 (Brewer, Calendário de Henrique VIII, iii. 1081, 12 de novembro), e em comissões para a cobrança do subsídio em Colchester em 1523 e 1524 (ib. pp. 1367, 1458 e iv, 236). Diz-se que ele era mordomo do duque de Suffolk e que a maneira como cumpria os deveres daquele cargo o recomendava primeiro ao conhecimento do rei. Em 1523 foi devolvido ao parlamento e em 1525 tornou-se um homem de tanto peso que, quando se julgou necessário fazer uma busca privada por personagens suspeitos em Londres, o trabalho foi confiado a homens como os duques de Norfolk e Suffolk, Lord Edmund Howard e os principais residentes nos diferentes subúrbios, encontramos o nome de Audley sugerido com alguns outros para ajudar no exame do distrito de Temple Bar a Charing Cross (ib. 4. 1082). No mesmo ano, ele foi nomeado membro do conselho da Princesa Maria, então recentemente estabelecido nas marchas de Gales (Madden, Despesas de Bolsa Privada da Princesa Maria, introd. xxx). Um pouco mais tarde, ele foi nomeado advogado do ducado de Lancaster, e foi candidato ao cargo de sargento comum da cidade de Londres (Calendário de Henrique VIII, 4. 2639). Em 1527 ele era noivo da câmara, e uma anuidade de 20eu. foi concedido a ele em 10 de julho com o subsídio e ulnage de tecido em Bristol e Gloucester (ib. p. 3324). Logo depois, ele se tornou um membro da família do Cardeal Wolsey (ib. p. 1331). Com a queda de seu mestre em 1529, algumas mudanças ocorreram nas quais ele alcançou um maior avanço. Sir Thomas More foi nomeado chanceler na sala do cardeal, e Audley foi nomeado chanceler do ducado de Lancaster na sala de Sir Thomas More. Outro cargo que More havia preenchido alguns anos antes era o de presidente da Câmara dos Comuns, e também nesse cargo foi sucedido por Audley quando o parlamento se reuniu em novembro. Ao ser eleito e enviado à Câmara dos Lordes, na qual o rei naquele dia estava presente, ele fez um discurso eloqüente em que 'se incapacitou com modéstia convencional para o alto cargo que lhe era imposto, e implorou ao rei que fizesse o comuns para voltar para sua casa e escolher outro orador. Esse tipo de desculpa era uma forma tradicional, e sua recusa era igualmente natural. 'O rei', diz Hall, 'pela boca do senhor chanceler, respondeu que se ele se incapacitasse em sagacidade e erudição, sua própria oratória ornamentada testemunhava o contrário e, no tocante à sua discrição e outras qualidades, o próprio rei tinha bem o conhecia e seus feitos, sith ele estava a seu serviço, para ser sábio e discreto e assim para um homem capaz ele o aceitou, e para o orador ele admitiu. '

Deve-se observar que este foi o parlamento por cuja ajuda Henrique VIII, em última análise, separou a si mesmo e seu reino de toda fidelidade à Sé de Roma. Suas sessões continuaram, com várias prorrogações, por um período de seis anos e meio e é claro que desde o início os Comuns foram encorajados a atacar o clero e fazer reclamações contra eles. Na Câmara dos Lordes, Fisher, bispo de Rochester, percebeu o caráter de seus procedimentos. 'Meus senhores', disse ele, 'vocês vêem diariamente as contas que chegam da casa comunal, e tudo se destina à destruição da igreja. Pelo amor de Deus, veja que reino era o reino da Boêmia, e quando a igreja caiu, então caiu a glória do reino. Agora, com o Commons nada mais é que "Abaixo a igreja!" E tudo isso, meseemeth, é apenas por falta de fé. ' Mas as palavras apenas forneceram à Câmara Baixa outra queixa, e uma delegação dos Comuns, com Audley como orador à frente, esperou pelo rei em seu palácio em Westminster, reclamando que aqueles que haviam sido eleitos como os homens mais sábios de sua vários constituintes deveriam ser acusados ​​de serem pouco melhores do que os turcos ou infiéis. O rei (a cujo segredo incitou, sem dúvida, essa protesto realmente foi feita) assumiu um tom de moderação em sua resposta, dizendo que iria chamar o bispo e relatar a eles como ele explicou suas palavras, após o que convocou Fisher para seu presença, junto com o Arcebispo de Canterbury e seis outros bispos, para prestar contas de sua linguagem na Casa dos Pares. O bispo realmente não tinha nada a retratar, já que seus irmãos prelados testemunharam junto com ele que ele havia imputado a falta de fé não aos comuns, mas apenas aos boêmios. O aviso, no entanto, foi significativo.

O avanço profissional de Audley nessa época mal acompanhou sua distinção política. Foi apenas dois anos após sua eleição como presidente da Câmara que o encontramos chamado ao grau de sargento-em-lei, e um ou dois dias depois, em 14 de novembro de 1531, ele foi nomeado sargento do rei (Dugdale, Origines, 83). Ele recebeu, no entanto, da coroa, em 2 de março de 1531, uma concessão de terras em Colchester e Mile End em Essex (Calendário de Henrique VIII, v. 166, 1) e no ano seguinte ele atingiu de repente um grau de eminência profissional que seus antecedentes mal pareciam justificar. Um incidente relatado pelo cronista Hall talvez nos permita compreender por que essa promoção foi conferida a ele.

Durante a sessão prorrogada do parlamento realizada em abril de 1532, uma moção foi feita na Câmara dos Comuns por um membro chamado Temse para que o rei, que agora havia se separado da rainha Katharine, embora ainda não tivesse obtido o divórcio, deveria ser instado a aceitar de volta sua rainha e evitar os graves perigos que podem surgir da bastardização de sua única filha, Maria. Esse era um grau de independência que Henrique não esperava de seus fiéis Comuns, embora seus protestos sobre outros assuntos muitas vezes se adequassem bem a seus propósitos. No último dia de abril, ele mandou chamar Audley, o orador e alguns outros, e os lembrou em primeiro lugar como eles exibiram no ano passado uma nota de queixas contra o clero, que ele entregou aos seus súditos espirituais para responder a, e como ele acabara de receber a resposta deles, que entregou nas mãos de Audley, insinuando que achava que isso dificilmente os satisfaria. 'Mas', disse o rei, 'vocês são uma grande espécie de homens sábios. Não tenho dúvidas, mas você olhará com cautela sobre o assunto, e seremos indiferentes entre vocês. ' Tendo assim, com uma pretensão de neutralidade, assegurado-lhes seu apoio contra o clero, ele passou a expressar seu espanto por alguém de sua Casa ter se aventurado a falar de sua separação da rainha, assunto que não era da sua competência. determinar, visto que tocou sua consciência. Ele acrescentou que desejava de todo o coração encontrar um bom casamento, mas havia recebido a decisão de muitas universidades de que era inválido e detestável aos olhos de Deus que ele não foi movido por um apetite desenfreado aos quarenta anos. um ano de idade para abandonar a rainha pelo bem de outra pessoa, mas que ele sentia ser um dever positivo separar-se dela. Pois em parte alguma, exceto na Espanha e em Portugal, um homem era conhecido por se casar com duas irmãs, e quanto ao casamento com a esposa de um irmão, era tão abominável entre todas as nações cristãs, que ele nunca tinha ouvido falar de nenhum cristão fazendo isso, exceto ele mesmo. Este vergonhoso pedaço de hipocrisia, Audley foi comissionado para relatar à Câmara dos Comuns como o fundamento sincero da conduta do rei, e ele o fez como um dever.

Antes que a sessão terminasse, ele foi chamado novamente para vir perante o rei, junto com doze de sua própria casa e oito pares, a quem o rei fez um discurso, declarando que havia descoberto que o clero era apenas metade de seus súditos. Eles haviam feito um juramento, de fato, a ele, mas também haviam feito um juramento ao papa, o que era totalmente inconsistente com sua lealdade a ele. Este assunto ele desejava que os Comuns levassem em consideração cuidadosamente, e Audley consequentemente fez com que os dois juramentos fossem lidos no parlamento, preparando assim o caminho para o Ato de Supremacia, que foi aprovado dois anos depois.

Esta conferência com o rei foi em 11 de maio de 1532. No dia 16 do mesmo mês, Sir Thomas More, não gostando dos procedimentos do rei, foi autorizado a renunciar ao cargo de senhor chanceler e entregou o grande selo aos cuidados do próprio rei. Quatro dias depois, Henry o entregou a Audley com instruções para cumprir todos os deveres de um lorde chanceler, embora ele só fosse chamado, por enquanto, guardião do grande selo. Naquele mesmo dia, o rei o nomeou cavaleiro, e no dia 5 de junho seguinte, sendo o primeiro dia do mandato da Trindade, ele prestou juramento na corte da Chancelaria como guardião do grande selo. Seus poderes foram mais formalmente estabelecidos em uma comissão datada de 5 de outubro seguinte, mas no início do próximo ano foi considerado aconselhável dar-lhe o nome, bem como os deveres de lorde chanceler, e ele foi nomeado para esse cargo em 26 de janeiro , 1533 (ib. v. 1075, 1295, 1499 (9), vi. 73). O nome do lorde chanceler, aparentemente, tinha sido omitido dele a princípio para que ele ainda pudesse atuar como presidente da Câmara dos Comuns, mas agora Humphrey Wingfield foi escolhido como orador em seu lugar, e Audley tomou seu assento no saco de lã no Câmara dos Lordes. Durante o tempo em que ele era o senhor guardião, o rei ordenou que o antigo grande selo (no qual as letras estavam muito gastas) fosse destruído e um novo fosse feito.

A partir dessa época, toda a sua carreira é a de um instrumento submisso nas mãos de Henrique VIII e seu grande ministro Cromwell, Doente em sua constituição física, pois ele se queixa até mesmo agora da pedra, de um coração e estômago fracos, e de febre intermitente (ib. vi. 2, 976, 1049, 1063), sua constituição moral, aparentemente, não era mais robusta, e ele não poderia manter as despesas de seu novo cargo sem mendigar muito. Ele estava em dívida como detentor do grande selo, e queixou-se da pobreza como chanceler (ib. 2, 927). Como algum alívio, ele teve permissão, na linguagem curiosa de Fuller, de "esculpir para si o primeiro corte" da propriedade monástica, o priorado da Igreja de Cristo na cidade de Londres, que foi suprimido alguns anos antes da supressão geral e dado a ele por patente (ib. vii. 419 (28), 587 (10), 1601 (35)). Mas não foi exatamente um 'bocado delicado' como o historiador insinua, sendo na verdade apenas entregue pelo prior porque estava muito endividado. Tampouco o cargo de chanceler foi muito honrado no mandato de Audley, especialmente considerando quem foi seu antecessor. O senhor chanceler, de acordo com a teoria jurídica, é o guardião da consciência do soberano, e não poderia haver dúvida quanto à custódia de uma consciência como a de Henrique VIII, mesmo desde a época de sua nomeação. A primeira coisa que ele teve que fazer foi sancionar o que More não podia sancionar - o divórcio de Katharine de Arragon e o casamento com Ana Bolena para ajudar no próximo ano (1534) na obtenção de um novo Ato de Sucessão, e fazer o juramento do Senhores e Comuns e dos súditos do rei geralmente em conformidade com eles (ib. vii. 392, 434). Em seguida, ele foi encarregado, junto com Cromwell, de examinar seu predecessor. Sir Thomas More, a quem o tribunal se esforçava para implicar nas loucuras e traição da freira de Kent (ib. 296). Então, quando isso falhou, ele teve que examiná-lo tocando em sua recusa em fazer o juramento de sucessão (ib. 575). Não se deve supor que ele não tinha humanidade. Suas conversas com a filha de More, Lady Alington, parecem mostrar que ele era simplesmente um homem de baixo tom moral, que teria salvado More se pudesse, mas se perguntou por que algum homem deveria nutrir tais escrúpulos. 'De boa fé', disse ele satiricamente, 'fico muito contente por não ter nenhum aprendizado, a não ser em algumas das fábulas de Æsop', insinuando que aprendizado demais apenas deu origem a escrúpulos morais sem os quais os homens seriam muito melhores. And the two fables he immediately after related to Lady Alington with a laugh were distinctly designed to illustrate these principles — that when fools are stronger than wise men it is better to go with fools, and that life is vastly simplified by suiting your conscience to your convenience.

What were his feelings next year when the play developed into a tragedy it is unnecessary to inquire. On 15 June 1535 he presided at the trial of Bishop Fisher, who like More had refused the oath and on 1 July he presided at that of More himself. His conduct in both these trials is universally reprobated. He was even ready to have passed sentence upon More without addressing the usual question to the prisoner beforehand. In 1536 he conducted Anne Boleyn a prisoner to the Tower, and her supposed accomplices were tried before him, while she herself was brought before the court of the lord high steward and found guilty by a jury of peers. That same year he opened a new parliament with a speech showing the necessity of a fresh Act of Succession and the repeal of some former statutes connected with the marriage of Anne Boleyn. Next year he tried the Lincolnshire rebels at Easter, and the Yorkshire rebels — Aske, Sir Robert Constable, Sir Francis Bigot, and others— on 16 May. Never was so much criminal jurisdiction committed to a lord chancellor. On 29 Nov. 1538 he was created a peer by the name of Baron Audley of Walden, apparently for the express purpose that he might fill the office of lord high steward at the trial of the Marquis of Exeter and other lords, whose chief guilt was being either of the blood royal or in some way connected with Cardinal Pole. In reward for services like these a few more of the suppressed monasteries were granted to him at the general dissolution, among which, at his own very earnest suit, was the abbey of Walden in Essex. It is not true, as stated by Dugdale and carelessly repeated by others, that he asked for this expressly on the ground that he had incurred infamy in the king's service. The words used in his letter to Cromwell are 'damage and injury' but what sort of injuries he could have incurred beyond the expenses of a prominent position in the state, we are left free to speculate. Walden became his country seat as Christchurch had been converted into his town house. At Walden he constructed a tomb for himself during his own life, and his grandson, Thomas Howard, earl of Suffolk, built the mansion of Audley End, which is now the seat of Lord Braybrooke.

On 28 April 1539, at the opening of a new parliament, Audley as chancellor made an oration in presence of the king and the assembled lords and on 5 May he conveyed to the peers a message from the king declaring his majesty's desire that measures should be taken as soon as possible for the abolition of differences of opinion concerning ​ the christian religion. The bloody 'Act of the Six Articles' was the result. Next year, on 24 April, Audley was made a knight of the Garter, and within less than three months after it became his duty to carry through parliament an act for the attainder of Cromwell, earl of Essex, the hitherto powerful minister, on whom he had been for eight years dependent, and another for the dissolution of the king's marriage with Anne of Cleves. In 1541 he was again appointed lord steward for the trial of a peer— Lord Dacres of the South, who confessed a homicide he had committed while hunting in Kent, and was accordingly hanged. In December of the same year he passed judgment on the paramour of Queen Katharine Howard, the queen's own case being reserved for the parliament which met in January following, which the lord chancellor opened with a very long speech.

In the spring of 1542 a remarkable case involving the privileges of the House of Commons was brought before the lord chancellor. George Ferrers, member for Plymouth, was arrested in London on some private suit in which judgment was passed against him, and he was committed to the Counter. The Commons sent their serjeant-at-arms to fetch him out of prison but he was resisted, and a scuffle took place in the streets with the sheriffs' officers. The house, on this, refused to attend to other business till their member was delivered, and desired a conference with the lords. The lord chancellor declared it a flagrant contempt, and left the punishment to the House of Commons, on which the sheriffs and their officers were committed to the Tower by the speaker's warrant. It was a precedent of some importance in parliamentary history. Yet even here the conduct of Audley was governed simply by the convenience of the court, which required a subsidy of the House of Commons for it seems to have been the opinion of good authorities that the commitment was strictly legal, and the privilege unjust.

Nothing more is known of the public life of Audley. He may have opened the session of 1543, and even that of January 1544 but in all probability he was prevented, at least as regards the latter, by increasing infirmity. On 21 April in that year he sent the great seal to the king, praying his majesty to accept his resignation of an office which he was now unable to discharge from mere physical weakness, and on the 30th of the same month he breathed his last. His remains were deposited in the magnificent tomb which he had erected for himself at Saffron Walden, and a doggrel epitaph engraved upon it is believed to have been his own composition also. Beneath the verses is given the date of his death, which is said to have been in the thirteenth year of his chancellorship and the fifty-sixth of his age ( Weever , Fun. Seg. 624).

In person he is said to have been tall and majestic — the sort of man Henry VIII loved to see at his court. He was twice married but left no son to succeed him. His first wife was a Suffolk lady, daughter of Sir Thomas Barnardiston, by whom he had no children. His second, whom he married in April 1538, was Elizabeth, daughter of Thomas Grey, marquis of Dorset. By her he had two daughters, of whom the elder, Mary, died unmarried the second, Margaret, married, first, a son of Dudley, duke of Northumberland, and afterwards Thomas, duke of Norfolk, who was beheaded in the time of Queen Elizabeth. The nobleman who built Audley End was a son of this duke of Norfolk and of Margaret Audley.

[Wriothesley's Chronicle Hall's Chronicle Dugdale's Baronage Lloyd's State Worthies, 72 (a rather doubtful authority, being mainly an encomium which has the effect of a satire) Biographia Britannica Campbell's Lord Chancellors Foss's Judges.]


Randle Pointon (1814 – 1892)

On the 9th August 1814, my 4 times great grandfather, Randle Pointon was baptised at St James, Audley, Staffordshire, England to Thomas (a labourer) and Jane (nee Darlington), who were apparently living in Wybunbury, Cheshire at the time.

Thomas (then of Audley) died on the 28th August 1815, and was buried at St James, Audley on the 30th August.

Jane Pointon (nee Darlington) went on to have 2 further children Joseph, the son of a James Leigh in 1822, and Abel, the son of a Daniel Darlington (who Jane had married at Audley in 1829) in 1829.

On the 12th December 1835, Randle made his first appearance in a newspaper called the Staffordshire Advertiser, which stated:

Randle Pointon and George Burgess, charged with stealing one duck, the property of George Steele, at Audley.

Official records state that on the 6th January 1836, the case was brought to court in Stafford. The outcome was “no bill”.

The Staffordshire Advertiser of the 16th April 1836 stated:

Randle Pointon, charged with stealing from the person of Thomas Cooper, at Audley, five shillings.

Randle’s next appearance in the Staffordshire Advertiser on the 9th July 1836 stated:

To be imprisoned three months. – Randle Pointon, for stealing from the person of Thomas Cooper, at Audley, two half crown pieces, his property

A look at the official records for trials at Stafford on the 29th June 1836 show that this sentence was indeed the case.

Randle next shows up in official records on the 1841 census in Audley, taken on the 6th June that year. His occupation is stated as “J. Paviour”, not born in Staffordshire.

Randle is listed living with his mum, Jane, half brother Joseph, and I believe his paternal grandmother, Jane Pointon (nee Dale).

My 3 times great grandfather, George, was born on the 7th August 1844 At Audley to a Mary Madew, and, I believe, Randle Pointon was the father.

On the 21st December 1845, Randle (a “paver”) married Mary Madew, the widow of Ralph Madew (daughter of Samuel and Frances (nee Corn)) at St James, Audley. Randle signed his own name, while Mary made her mark. The witnesses to the marriage were Richard Ashley and Samuel Hilditch.

Randle and Mary had their first “legitimate” child, Thomas, born in about 1848 in Audley.

At the taking of the 1851 census on the 30th March, Randle (a “paver”), his wife Mary, Mary’s son, Ralph Madew (aged 13), George (aged 6) and Thomas (aged 3) are at “Betley Common”, Staffordshire, England

Randle (I think this is “my” Randle) seems to make another appearance in the Staffordshire Advertiser on the 8th March 1856, which states:

On Monday, a charge, preferred by Mr. Samuel Berks, of Audley, against Randle Pointon and William Dean, of stealing from his person £20, was investigated at Newcastle.

The magistrates apparently dismissed the case. I can find no record of this case in the official records.

On the 7th April 1861, listed on the census of that date at “Knowlend”, Staffordshire, England are Randle Pointon (a paviour), Mary his wife, and their son, George. For some reason Randle and Mary’s son, Thomas doesn’t appear in that census with the family. It’s probable I think that Thomas appears in that census as a Thomas “Poynton” aged 14, who is a farm labourer at Checkley Hall Farm, Cheshire, England.

There was an explosion at a pit at Talke O’ the Hill, Staffordshire on the 13th December 1866, which would undoubtedly shake the family. Thomas Pointon, then aged about 18, was killed in the explosion. He was buried at St James, Audley on the 16th December.

George Pointon, at the age of 23, married Ann Hough, aged 18 on the 6th July 1868 at St Luke, Silverdale, Staffordshire. The witnesses were Joseph Knapper and Elizabeth Hough.

At the time of the 1871 census (2nd April), Randle (a “pavior”) and wife, Mary, were living at Ravens Lane, Audley

On the 3rd June 1873 Randle’s mum, Jane, died of “senile decay” at the workhouse in Newcastle, Staffordshire.

The 26th July 1873 saw Randle’s last appearance in the Staffordshire Advertiser. It stated:

Randle Pointon, Raven’s Lane, Audley, charged by Mr. Meakin, supervisor of Inland Revenue, Newcastle, was convicted of keeping a dog without a licence, and was fined 25s.

Mary Pointon (nee Eardley) died of “disease of kidneys” and “dropsy” on the 10th October 1877 at High Street, Silverdale, Staffordshire, the informant being her son, my 3 times great grandfather George.

At the time of the census on the 3rd April 1881 and 5th April 1891, Randle was listed living at Ravens Lane, Audley.

Randle died of “Old age V. Debility” on the 9th January 1892 at the workhouse in Newcastle. He was listed as a Pavior (master) of Audley at the time of his death.


Motivo do bloqueio: O acesso de sua área foi temporariamente limitado por razões de segurança.
Tempo: Wed, 30 Jun 2021 5:24:50 GMT

Sobre Wordfence

Wordfence é um plugin de segurança instalado em mais de 3 milhões de sites WordPress. O proprietário deste site está usando o Wordfence para gerenciar o acesso ao site.

Você também pode ler a documentação para aprender sobre as ferramentas de bloqueio do Wordfence e # 039s ou visitar wordfence.com para saber mais sobre o Wordfence.

Generated by Wordfence at Wed, 30 Jun 2021 5:24:50 GMT.
Horário do seu computador:.


8th June 1536.

So it was Today in 1536 that the English Parliament met and settled the succession on the future children of that marriage, and in the process confirmed that The Princesses Mary and Elizabeth were indeed illegitimate.(1)

However the young, Protestant Edward, as king had been persuaded to make a will, which by the Succession of the Crown Act, granted the throne to Protestant, Lady Jane Gray, granddaughter of Henry’s sister Mary, Duchess of Suffolk. She was destined to become ‘The Nine Days’ Queen’.

On the death of Edward VI in 1553, rabid, Catholic, Mary Tudor, even though declared a ‘bastard’, and assuming the throne was hers, now saw her inheritance likely to disappear with Jane as queen.

Luckily for Mary, support for Lady Jane Grey declined, Edward’s will was swept away, relating to the Succession to the Crown Act, and it ended with the beheading of Jane and her supporters.

Thus Mary I ascended the throne, and her first parliament overturned the annulment of her mother’s marriage, making Mary legitimate.

In 1558 she was followed by her sister Elizabeth who never did bother to legitimatize herself.(2)

(1) The Lady Mary wrote to her father for reconciliation on 8.6.1536, the same date as the 2nd Act of Succession was passed by parliament. This said Henry was lawfully divorced and Parliament confirmed the legitimacy of his marriage to Jane Seymour.

(2) Elizabeth was 25 year old on accession, being born on the 7 th September 1533. She had been declared a bastard by Lord Chancellor, Thomas Audley 1 st Baron of Walden (1488-30 April 1544). He was Lord Chancellor, had a splendid tomb built at Saffron Walden, Essex.

The barony line of the Audleys’, became extinct, but not before he had acquired the dissolved Abbey of Walden. His palace at Audley End was said to be the biggest in the country, when built.

Ref: Neville Williams, Elizabeth, Queen of England Weidenfeld and Nicholson, 1967. Williams in 1967 was an assistant keeper at the PRO in 1967.

Ref: tudorhistory.org/mary-queen-of -scots.

Ref: Punch Magazine, ‘Tudor Style‘, Review by Alison Macleod. 29.11.1967.


Mermaidcamp

My 15th great-grandfather was a lawyer and a complete tool of Henry VIII. When Henry dissolved the English Catholic monasteries, Thomas was given the Abbey at Walden, which he made his mansion, Audley End House. He replaced Sir Thomas More as Speaker of the House of Commons.

The 1st Lord Audley. Thomas Audley, 1st Baron Audley of Walden, KG, PC, KS (c. 1488 – 30 April 1544), Lord Chancellor of England, born in Earls Colne, Essex, the son of Geoffrey Audley, is believed to have studied at Buckingham College, Cambridge. He was educated for the law, entered the Middle Temple, was town clerk of Colchester, and was in the commission of the peace for Essex in 1521. In 1523 he was returned to Parliament for Essex, and represented this constituency in subsequent Parliaments. In 1527 he was Groom of the Chamber, and became a member of Wolsey’s household. On the fall of the latter in 1529, he was made Chancellor of the Duchy of Lancaster, and the same year Speaker of the House of Commons, presiding over the famous assembly styled the Reformation Parliament, which abolished the papal jurisdiction. The same year he headed a deputation of the Commons to the king to complain of Bishop Fisher’s speech against their proceedings. He interpreted the King’s “moral” scruples to parliament concerning his marriage with Catherine, and made himself the instrument of the King in the attack upon the clergy and the preparation of the Act of Supremacy. In 1531 he had been made a serjeant-at-law and king’s serjeant and on 20 May 1532 he was knighted, and succeeded Sir Thomas More as Lord Keeper of the Great Seal, being appointed Lord Chancellor on the 26 January 1533. He supported the king’s divorce from Catherine and the marriage with Anne Boleyn and presided at the trial of Fisher and More in 1535, at which his conduct and evident intention to secure a conviction has been criticised by some. Next year he was part of trial of Anne Boleyn and her “lovers” for treason and adultery. The execution of the king’s wife left him free to declare the king’s daughter Princess Elizabeth a bastard, and to marry Anne’s maid, Jane Seymour. Audley was a witness to the queen’s execution, and recommended to Parliament the new Act of Succession, which made Jane Seymour’s issue legitimate. In 1537 he condemned to death as traitors the rebels of the Pilgrimage of Grace. On 29 November 1538 he was created Baron Audley of Walden and soon afterwards presided as Lord Steward at the trials of Henry Pole, Lord Montacute, and of the Marquess of Exeter. In 1539, though inclining himself to the Reformation, he made himself the King’s instrument in enforcing religious conformity, and in the passing of the Six Articles Act. On April 24, 1540 he was made a Knight of the Garter, and subsequently managed the attainder of Thomas Cromwell, Earl of Essex, and the dissolution of Henry’s marriage with Anne of Cleves. In 1542 he warmly supported the privileges of the Commons, but his conduct was inspired as usual by subservience to the court, which desired to secure a subsidy, and his opinion that the arrest was a flagrant contempt has been questioned by good authority. He resigned the great seal on 21 April 1544, and died on April 30, being buried at Saffron Walden, where he had prepared for himself a splendid tomb. He received several grants of monastic estates, including Holy Trinity Priory in Aldgate, London and the abbey of Walden, Essex, where his grandson, Thomas Howard, 1st Earl of Suffolk, built Audley End, doubtless named after him. In 1542 he endowed and re-established Buckingham College, Cambridge, under the new name of St Mary Magdalene, and ordained in the statutes that his heirs, “the possessors of the late monastery of Walden” should be visitors of the college in perpetuum. A Book Orders for the Warre both by Sea and Land (Harleian MS. 297, 144) is attributed to his authorship. He married Christina, daughter of Sir Thomas Barnardiston, and later Elizabeth, daughter of Thomas Grey, 2nd Marquess of Dorset, by whom he had two daughters. His barony became extinct at his death. Preceded by Sir Thomas MoreSpeaker of the House of Commons
1529–1533Succeeded by
Sir Humphrey Wingfield Preceded by
Sir Thomas More(Lord Chancellor)Keeper of the Great Seal
1532–1533 Succeeded by
The Earl of Wriothesley(Lord Chancellor)Lord Chancellor
1533–1544Preceded by
New CreationBaron Audley of Walden

Thomas Audley (1503 – 1544)
is my 15th great grandfather
Margaret Audley (1545 – 1564)
daughter of Thomas Audley
Margaret Howard (1561 – 1591)
daughter of Margaret Audley
Lady Ann Dorset (1552 – 1680)
daughter of Margaret Howard
Robert Lewis (1574 – 1645)
son of Lady Ann Dorset
Robert Lewis (1607 – 1644)
son of Robert Lewis
Ann Lewis (1633 – 1686)
daughter of Robert Lewis
Joshua Morse (1669 – 1753)
son of Ann Lewis
Joseph Morse (1692 – 1759)
son of Joshua Morse
Joseph Morse (1721 – 1776)
son of Joseph Morse
Joseph Morse III (1752 – 1835)
son of Joseph Morse
John Henry Morse (1775 – 1864)
son of Joseph Morse III
Abner Morse (1808 – 1838)
son of John Henry Morse
Daniel Rowland Morse (1838 – 1910)
son of Abner Morse
Jason A Morse (1862 – 1932)
son of Daniel Rowland Morse
Ernest Abner Morse (1890 – 1965)
son of Jason A Morse
Richard Arden Morse (1920 – 2004)
son of Ernest Abner Morse
Pamela Morse
I am the daughter of Richard Arden Morse


AUDLEY, Thomas II (by 1492-1554), of St. Ives, Hunts.

Of the dozen and more Thomas Audleys living in the second quarter of the 16th century two were preeminent, the chancellor and the soldier. They appear to have been unrelated, Thomas Audley I being the son of an Essex yeoman whereas his namesake came from Lewes in Sussex. What is known of the Audleys of Lewes, including the Thomas Audley who was a draper and churchwarden and who occupied Moat House, now 73 High Street, hardly bears out the claim made in Audley’s rhymed epitaph that he was ‘well born’, although in other respects this account of him, composed anonymously at the bidding of Audley’s son, seems trustworthy. The first indication of Audley’s exercise ‘in feats of wars full long beyond the seas’ may be a captaincy of footmen in the Tournai campaign of 1513, but both the epitaph and the records are then silent until his exploits at Guisnes in the early 1540s led to his appointment as provost-marshal there his initial demur that he was ‘too pitiful’ for the post was overruled by the Privy Council at the instance of his commanding officer Sir John Wallop. In 1544-5 Audley served in Scotland and at Berwick-upon-Tweed, but when Boulogne fell in the following year he was put in charge of the bulwark there known as the Old Man. The King acknowledged Audley’s merits by making him a gentleman usher of the privy chamber (a status which he shared with a namesake with whom he is apt to be confused) and by directing him to produce a military treatise for the instruction of Prince Edward. Audley discharged this commission, which he received through ‘Mr. Fowler’, doubtless his fellow-usher Thomas Fowler, by writing the ‘Booke of Orders for the Warre both by Sea and Land’ and presenting this to Edward in the first year of his reign. Unlike most of its counterparts, which copied from their classical models and from one another, Audley’s work contained much that was based on his 30 years’ experience and so justified the title of ‘their father’ bestowed on him by the leading soldiers of the time. His tangible rewards included a bequest of 200 marks from Henry VIII and an annuity of £50 from Edward VI.3

Audley’s progress at court had probably been smoothed by his marriage, which made him the brother-in-law of Robert Perrot, one of Edward VI’s tutors, and the uncle of John Perrot. It was followed by his acquisition in 1544, first on lease and then by grant in tail male, of the dissolved priory of St. Ives, formerly belonging to Ramsey abbey. It is not clear why he chose to settle in Huntingdonshire but he quickly came to the fore there. Although he is not known to have served against the Norfolk rebels in 1549—the Thomas Audley who captured Robert Ket was a namesake from Essex, probably the chancellor’s younger brother—it was clearly his military record which earned him appointment in 1551 as lord lieutenant jointly with Sir Robert Tyrwhitt, a fellow courtier who was also a newcomer to the shire. For Audley, whose exploits had somewhat surprisingly not brought him a knighthood, the lieutenancy was a signal honour, even in a county lacking a peer for the office, and it was appropriately followed by his election as knight of the shire to the second Edwardian Parliament, with Tyrwhitt as his probable fellow-Member. Nothing has come to light about either in connexion with the succession crisis of 1553, but they were soon called upon to defend the new regime against the rebellion led by Sir Thomas Wyatt II for his service on this occasion Audley was given 200 marks. Neither he nor Tyrwhitt had been re-elected to the first Parliament of the reign and only Tyrwhitt was to reappear in the second, although both were retained on the commission of the peace.4

Audley was buried at St. Mary Overy, Southwark, on 29 Oct. 1554 among the mourners was William, 13th Lord Grey of Wilton, his former commander at Boulogne. His wife survived him until 1560, when the property at St. Ives passed to their son Robert, then rising 21.5


Supremacy and Survival: The English Reformation

Thomas Audley, lst Baron Audley of Warren died on April 30, 1544--he managed to die safely in his bed with his head intact by serving Henry VIII very well. A lawyer by training, Audley served Cardinal Wolsey and served in Parliament, representing Essex and he continued to rise in office throughout Henry VIII's reign.

Audley participated in the trials and executions of not only Thomas More and John Fisher, but also of Anne Boleyn and Thomas Cromwell, and he sentenced the rebels of the Pilgrimage of Grace to death. For these and other services (the annulment of Henry VIII's marriage to Anne of Cleves, for instance), he was not only knighted but became a member of the Order of the Garter. Audley was Lord Keeper of the Great Seal from 1532, when he succeeded Thomas More, to 1544, when he resigned it on April 21. He also succeeded Thomas More as Speaker of the House of Commons in 1529 and as Lord Chancellor in 1533. According to this parliamentary history website, there has been some controversy about his activity at these trials and about his religious positions:

If his knightly status exempted Audley from the trial of Anne Boleyn in 1536 (it was not he but John, 8th Lord Audley, who took part in this), he was involved in all the other state trials of these years. His conduct in these trials, and especially in More’s, has been much criticized but it deserves to be judged in the light of Audley’s own beliefs concerning the rights of the sovereign and the duties of the subject. No such criticism, despite occasional and clearly prejudiced charges of favouritism and corruption, can be levelled against his conduct as an equity judge, and even in cases of treason his attitude is illustrated by his advice in 1536 that the Duke of Suffolk should be armed against the Lincolnshire rebels with a commission to try cases of treason, showing that he took for granted, even in such circumstances, the necessity of a trial at common law.

Audley’s religious position is difficult to assess. A correspondent of Melanchthon named him with Cromwell and Cranmer as friends to Protestantism but, if he was, the friendship was always qualified by his allegiance to the King whose policies he faithfully carried out, a course which in general gives an impression of conservatism. Thus an anonymous enthusiast for the Act of Six Articles (31 Hen. VIII, c.14) again linked Audley with Cromwell as two men who, this time in contrast to Cranmer and to other bishops, had been ‘as good as we can desire’ in the furtherance of the measure. Audley was equally content to follow Cromwell’s lead and what few clashes there were between them arose largely out of minor questions of patronage.

Audley also benefitted from the Dissolution of the Monasteries, receiving grants of Holy Trinity Priory in Aldgate, London (which had been founded by Queen Matilda or Maud, Henry I's wife) and Walden Abbey, where his grandson, Thomas Howard, 1st Earl of Suffolk built Audley End, which is now part of the English Heritage program. He founded Magdalene College at the University of Cambridge in 1542, after the Benedictine's Buckingham College was closed.

Audley's title as lst Baron Audley of Warren died with him. One of his daughters, Margaret, married Thomas Howard, the 4th Duke of Norfolk (who was executed by Elizabeth I).


Audsley History, Family Crest & Coats of Arms

The name Audsley is part of the ancient legacy of the Anglo-Saxon tribes of Britain. It is a product of when the family lived in the village of Audley in Staffordshire.

Conjunto de 4 canecas de café e chaveiros

$69.95 $48.95

Early Origins of the Audsley family

The surname Audsley was first found in Staffordshire, where they the name dates back to the Roll of Battel Abbey which lists the name Audeley whose family originated at "Verdon, whose chief seat was at Alton Castle, in the northern part of Staffordshire. In the immediately succeeding reigns few families held a more conspicuous place in history, but its most distinguished member was the renowned James de Audley, Lord Audley, the hero of Poictiers." [1]

"[Audley, Staffordshire] was originally given by Hervey de Stafford to the barons of Aldeleigh, or Audley, who erected the baronial residence of Heyley Castle, commanding an extensive range of the surrounding country." [2]

One of the earliest records of the family was Henry de Audley (1175-1246), the English Royalist Baron, son of Adam de Alditheley, who held Alditheley, Staffordshire from the Verdons in 1186. He was Sheriff of Shropshire and Staffordshire 1227 and 1229. His son was James de Audley (1220-1272), another English Baron. Nicholas Audley, 1st Baron Audley of Heighley Castle, Staffordshire (1289-1316), was an English peer. His only surviving son was Nicholas Audley, 3rd Baron Audley (c.1328- 1391), born in Heighley Castle, Staffordshire, he was later known as Lord of Rougemont. Through marriage he was granted the Lordship of the Isle of Man in 1310 and his descendants would later become King of Mann. [3]

Sir James Audley (or Audeley) KG (c. 1318-1369) was one of the founders of the Order of the Garter. He was the eldest son of Sir James Audley of Stratton Audley in Oxfordshire.

All of the above claim a common heritage from the aforementioned Henry de Audley (died 1246) as all share a similar Coats of Arms but with variations to depict their distinctive branch.


Audley History, Family Crest & Coats of Arms

The present generation of the Audley family is only the most recent to bear a name that dates back to the ancient Anglo-Saxon culture of Britain. Their name comes from having lived in the village of Audley in Staffordshire.

Conjunto de 4 canecas de café e chaveiros

$69.95 $48.95

Early Origins of the Audley family

The surname Audley was first found in Staffordshire, where they the name dates back to the Roll of Battel Abbey which lists the name Audeley whose family originated at "Verdon, whose chief seat was at Alton Castle, in the northern part of Staffordshire. In the immediately succeeding reigns few families held a more conspicuous place in history, but its most distinguished member was the renowned James de Audley, Lord Audley, the hero of Poictiers." [1]

"[Audley, Staffordshire] was originally given by Hervey de Stafford to the barons of Aldeleigh, or Audley, who erected the baronial residence of Heyley Castle, commanding an extensive range of the surrounding country." [2]

One of the earliest records of the family was Henry de Audley (1175-1246), the English Royalist Baron, son of Adam de Alditheley, who held Alditheley, Staffordshire from the Verdons in 1186. He was Sheriff of Shropshire and Staffordshire 1227 and 1229. His son was James de Audley (1220-1272), another English Baron. Nicholas Audley, 1st Baron Audley of Heighley Castle, Staffordshire (1289-1316), was an English peer. His only surviving son was Nicholas Audley, 3rd Baron Audley (c.1328- 1391), born in Heighley Castle, Staffordshire, he was later known as Lord of Rougemont. Through marriage he was granted the Lordship of the Isle of Man in 1310 and his descendants would later become King of Mann. [3]

Sir James Audley (or Audeley) KG (c. 1318-1369) was one of the founders of the Order of the Garter. He was the eldest son of Sir James Audley of Stratton Audley in Oxfordshire.

All of the above claim a common heritage from the aforementioned Henry de Audley (died 1246) as all share a similar Coats of Arms but with variations to depict their distinctive branch.


Assista o vídeo: Какие часы не покупать?