Projeto Manhattan

Projeto Manhattan

O Projeto Manhattan era o codinome do esforço liderado pelos americanos para desenvolver uma arma atômica funcional durante a Segunda Guerra Mundial. A controversa criação e eventual uso da bomba atômica envolveu algumas das principais mentes científicas do mundo, bem como os militares dos EUA - e a maior parte do trabalho foi feito em Los Alamos, Novo México, não no bairro da cidade de Nova York para o qual foi originalmente nomeado. O Projeto Manhattan foi iniciado em resposta a temores de que cientistas alemães estivessem trabalhando em uma arma usando tecnologia nuclear desde os anos 1930 - e que Adolf Hitler estivesse preparado para usá-la.

América declara guerra

As agências que levaram ao Projeto Manhattan foram formadas pela primeira vez em 1939 pelo presidente Franklin D. Roosevelt, depois que agentes da inteligência dos EUA relataram que cientistas que trabalhavam para Adolf Hitler já estavam trabalhando em uma arma nuclear.

A princípio, Roosevelt criou o Comitê Consultivo sobre Urânio, uma equipe de cientistas e oficiais militares encarregados de pesquisar o papel potencial do urânio como arma. Com base nas conclusões do comitê, o governo dos EUA começou a financiar pesquisas de Enrico Fermi e Leo Szilard na Universidade de Columbia, que se concentrava na separação de isótopos radioativos (também conhecida como enriquecimento de urânio) e reações em cadeia nuclear.

O nome do Comitê Consultivo sobre Urânio foi mudado em 1940 para Comitê de Pesquisa de Defesa Nacional, antes de finalmente ser renomeado como Escritório de Pesquisa e Desenvolvimento Científico (OSRD) em 1941 e adicionar Fermi à sua lista de membros.

Naquele mesmo ano, após o ataque japonês a Pearl Harbor, o presidente Roosevelt declarou que os EUA entrariam na Segunda Guerra Mundial e se aliariam à Grã-Bretanha, França e Rússia para lutar contra os alemães na Europa e os japoneses no teatro do Pacífico.

O Corpo de Engenheiros do Exército juntou-se ao OSRD em 1942 com a aprovação do presidente Roosevelt, e o projeto oficialmente se transformou em uma iniciativa militar, com cientistas servindo como apoio.

O Projeto Manhattan começa

O OSRD formou o Manhattan Engineer District em 1942 e o estabeleceu no bairro de Nova York com o mesmo nome. O Coronel Leslie R. Groves do Exército dos EUA foi nomeado para liderar o projeto.

Fermi e Szilard ainda estavam engajados na pesquisa sobre reações em cadeia nuclear, o processo pelo qual os átomos se separam e interagem, agora na Universidade de Chicago, e enriquecendo com sucesso o urânio para produzir urânio-235.

Enquanto isso, cientistas como Glenn Seaborg estavam produzindo amostras microscópicas de plutônio puro, e o governo canadense e oficiais militares estavam trabalhando em pesquisas nucleares em vários locais no Canadá.

Em 28 de dezembro de 1942, o presidente Roosevelt autorizou a formação do Projeto Manhattan para combinar esses vários esforços de pesquisa com o objetivo de tornar a energia nuclear como arma. Instalações foram instaladas em locais remotos no Novo México, Tennessee e Washington, bem como locais no Canadá, para que esta pesquisa e os testes atômicos relacionados fossem realizados.

Robert Oppenheimer e Projeto Y

O físico teórico J. Robert Oppenheimer já estava trabalhando no conceito de fissão nuclear (junto com Edward Teller e outros) quando foi nomeado diretor do Laboratório de Los Alamos no norte do Novo México em 1943.

O Laboratório de Los Alamos - cuja criação ficou conhecida como Projeto Y - foi formalmente estabelecido em 1º de janeiro de 1943. O complexo é onde as primeiras bombas do Projeto Manhattan foram construídas e testadas.

Em 16 de julho de 1945, em um local remoto do deserto perto de Alamogordo, Novo México, a primeira bomba atômica foi detonada com sucesso - o Teste da Trindade - criando uma enorme nuvem em forma de cogumelo com cerca de 40.000 pés de altura e inaugurando a Era Atômica.

Os cientistas que trabalhavam para Oppenheimer desenvolveram dois tipos distintos de bombas: um projeto baseado em urânio chamado “o menino” e uma arma baseada em plutônio chamada “o homem gordo”. Com os dois projetos em andamento em Los Alamos, eles se tornaram uma parte importante da estratégia dos EUA com o objetivo de encerrar a Segunda Guerra Mundial.

A Conferência de Potsdam

Com os alemães sofrendo pesadas perdas na Europa e quase se rendendo, o consenso entre os líderes militares dos EUA em 1945 era que os japoneses lutariam até o fim e forçariam uma invasão em grande escala da nação insular, resultando em baixas significativas em ambos os lados.

Em 26 de julho de 1945, na Conferência de Potsdam na cidade ocupada pelos Aliados de Potsdam, Alemanha, os EUA entregaram um ultimato ao Japão - rendição nos termos delineados na Declaração de Potsdam (que, entre outras disposições, exigia que os japoneses formar um novo governo democrático e pacífico) ou enfrentar "destruição imediata e total".

Como a Declaração de Potsdam não previa nenhum papel para o imperador no futuro do Japão, o governante da nação-ilha não estava disposto a aceitar seus termos.

Hiroshima e Nagasaki

Enquanto isso, os líderes militares do Projeto Manhattan identificaram Hiroshima, no Japão, como um alvo ideal para uma bomba atômica, devido ao seu tamanho e ao fato de que não havia prisioneiros de guerra americanos conhecidos na área. Uma demonstração contundente da tecnologia desenvolvida no Novo México foi considerada necessária para encorajar os japoneses a se renderem.

Sem nenhum acordo de entrega em vigor, em 6 de agosto de 1945, o avião bombardeiro Enola Gay lançou a bomba "Little Boy" ainda não testada, cerca de 1.900 pés acima de Hiroshima, causando destruição e morte sem precedentes em uma área de cinco milhas quadradas. Três dias depois, ainda sem declaração de rendição, em 9 de agosto, a bomba “Fat Man” foi lançada sobre Nagasaki, local de uma usina de construção de torpedos, destruindo mais de três quilômetros quadrados da cidade.

As duas bombas combinadas mataram mais de 100.000 pessoas e arrasaram as duas cidades japonesas.

Os japoneses informaram a Washington, que após a morte de Roosevelt estava sob a nova liderança do presidente Harry Truman, de sua intenção de se render em 10 de agosto, e se rendeu formalmente em 14 de agosto de 1945.

Legado do Projeto Manhattan

Com o desenvolvimento de armas projetadas para trazer o fim da Segunda Guerra Mundial como sua missão declarada, é fácil pensar que a história do Projeto Manhattan termina em agosto de 1945. No entanto, isso está longe de ser o caso.

Após o fim da guerra, os Estados Unidos formaram a Comissão de Energia Atômica para supervisionar os esforços de pesquisa destinados a aplicar as tecnologias desenvolvidas no Projeto Manhattan a outros campos.

Por fim, em 1964, o então presidente Lyndon B. Johnson pôs fim ao monopólio efetivo do governo dos EUA sobre a energia nuclear, permitindo a propriedade privada de materiais nucleares.

A tecnologia de fissão nuclear aperfeiçoada pelos engenheiros do Projeto Manhattan tornou-se a base para o desenvolvimento de reatores nucleares, para geradores de energia, bem como outras inovações, incluindo sistemas de imagens médicas (por exemplo, máquinas de ressonância magnética) e terapias de radiação para várias formas de Câncer.

Fontes

Manhattan: O Exército e a Bomba Atômica. Centro de História Militar do Exército dos EUA.
O Projeto Manhattan - sua história. Departamento de Energia dos EUA: Escritório de Informações Científicas e Técnicas.
Leo Szilárd, um semáforo e uma fatia da história nuclear. Americano científico.
J. Robert Oppenheimer (1904-1967). Arquivo Atômico.


Recursos históricos do projeto Manhattan

O Departamento de Energia dos EUA (DOE) desenvolveu e disponibilizou ao público uma ampla gama de recursos históricos do Projeto Manhattan impressos, online e presenciais. Isso inclui histórias, sites, relatórios e coleções de documentos, além de exibições e passeios.

Histórias DOE do Projeto Manhattan: As histórias produzidas pelo Departamento incluem The Manhattan Project, que fornece uma breve visão geral e, a mais longa, com 100 páginas (incluindo a "Galeria de fotos" de 35 páginas) O Projeto Manhattan: Fabricação da Bomba Atômica. Esses relatos não técnicos e altamente legíveis são voltados para o leitor em geral. Publicado em 1962, O Novo Mundo, 1939-1946, foi a primeira grande história do Projeto Manhattan. Conforme Volume 1 do oficial História da Comissão de Energia Atômica Series, O novo Mundo usou materiais de origem não classificados e ainda classificados e revelou muito que não havia sido divulgado anteriormente. O novo Mundo e o Centro de História Militar do Exército dos EUA Manhattan: o exército e a bomba atômica lançado em 1985 continua a ser o relato publicado mais detalhado do Projeto Manhattan e está disponível nas principais bibliotecas.

Em julho de 2013, o Departamento lançou O Projeto Manhattan: Recursos, uma colaboração conjunta baseada na web entre o Escritório de Classificação do Departamento e seu Programa de História. O site foi desenvolvido para disseminar informações e documentação sobre o Projeto Manhattan para um público amplo, incluindo acadêmicos, estudantes e o público em geral. O Projeto Manhattan: Recursos consiste em duas partes: 1) O Projeto Manhattan: Uma História Interativa, um histórico do site projetado para fornecer uma visão geral informativa, fácil de ler e abrangente do Projeto Manhattan, e 2) o História do distrito de Manhattan, uma história classificada em vários volumes encomendada pelo General Leslie Groves no final da guerra que reuniu uma vasta quantidade de informações de forma sistemática e prontamente disponível e incluiu extensas anotações, tabelas estatísticas, gráficos, desenhos de engenharia, mapas e fotografias. Todos os 36 volumes do História do distrito de Manhattan, desclassificados e desclassificados com redações, estão sendo disponibilizados o texto completo online.

Histórias do local do projeto Manhattan: Fontes adicionais de informações sobre o Projeto Manhattan podem ser encontradas nos seguintes sites hospedados pelos laboratórios e sites de campo do Departamento: Laboratório Nacional de Los Alamos Nossa história, do Complexo de Segurança Nacional Y-12 História Y-12, o local da história do Laboratório Nacional de Oak Ridge, e Hanford's História Hanford. Em conjunto com a inauguração do Parque Histórico Nacional do Projeto Manhattan em 10 de novembro de 2015, o Departamento lançou o site do Museu Virtual K-25.

Imagens do Projeto Manhattan: O DOE fornece acesso a uma variedade de imagens do Projeto Manhattan por meio de seu site no Flickr.

Registros do Projeto Manhattan: O Departamento continua a liberar relatórios e documentos desclassificados relacionados ao Projeto Manhattan em seu site OpenNet. Este banco de dados pesquisável inclui referências bibliográficas a todos os documentos desclassificados e disponibilizados ao público após 1 de outubro de 1994. Alguns documentos podem ser visualizados em texto completo. A coleção de registros não classificados e desclassificados do Projeto Manhattan pode ser acessada no National Archives and Records Administration (NARA). Os principais registros administrativos do Manhattan Engineer District (MED) vieram de Oak Ridge, Tennesee, e foram transferidos para a Região Sudeste da NARA, localizada em Atlanta, Geórgia. Também em Atlanta estão a divisão operacional MED não classificada / desclassificada e outros registros de Oak Ridge. Os registros do MED classificados foram enviados para a sede do NARA (Arquivos II em College Park).


Projeto Manhattan - HISTÓRIA

O Projeto Manhattan não apenas desencadeou eventos que consolidariam o resultado da Segunda Guerra Mundial. O Projeto Manhattan também mudou totalmente a forma como a guerra seria travada para sempre. Também contribuiu para uma mudança completa no posicionamento global das superpotências, seriam as superpotências e seus aliados.

Claro, o objetivo original do Projeto Manhattan (1942 a 1945) era acabar com a Segunda Guerra Mundial. Embora esse fosse o objetivo, nem mesmo aqueles no centro do projeto realmente perceberam como estariam para sempre mudando e moldando a história por meio da realização bem-sucedida de seu objetivo: desenvolver e criar armas atômicas funcionais.

A divisão do átomo

Na década de 1930, foi descoberto que o átomo poderia ser dividido no que é conhecido como processo de fissão. Em 1939, muitos cientistas americanos procurariam maneiras de controlar esse processo para fins militares. Ironicamente, muitos dos cientistas que trabalhariam neste projeto eram europeus recém-transplantados que haviam escapado dos regimes fascistas na Europa. Esses cientistas agora estavam dedicando suas vidas à derrota desses regimes.

Os primeiros estágios do projeto

O primeiro grande passo para o que viria a ser o Projeto Manhattan foi quando, em 1939, o cientista Enrico Fermi se reuniu com representantes do Departamento da Marinha. Logo depois, no verão de 1939, o lendário pensador Albert Einstein seria convidado a fazer uma apresentação ao então presidente Franklin D. Roosevelt. Na apresentação, Einstein mostrou que havia um enorme potencial militar na liberação de uma reação em cadeia de fissão totalmente incontrolável. Aproveitada de forma eficaz, essa reação em cadeia poderia ser usada para criar uma arma como nenhuma outra havia sido vista na Terra antes.

O primeiro estágio do projeto avançou no início de 1940. O orçamento original era uma doação de US $ 6.000 para financiamento de pesquisa. Ao longo de quase dois anos, os resultados foram promissores e o Escritório de Pesquisa e Desenvolvimento Científico começou a supervisionar o projeto em 6 de dezembro de 1941.

Os Estados Unidos entraram na Segunda Guerra Mundial em 1941 e a pesquisa em torno do projeto (ainda sem nome) seria transferida para o Departamento de Defesa. (Na época, chamado de Departamento de Guerra). A razão para a mudança foi porque o talento mais superior em pesquisa, desenvolvimento e ciências estava trabalhando na defesa. Portanto, acreditava-se que o maior progresso poderia ser feito se esses mesmos profissionais adotassem uma abordagem direta e prática na pesquisa das armas.

Nasce o Projeto Manhattan

O Projeto Manhattan acabaria por receber seu codinome oficial em 1942. Isso foi graças em grande parte à delegação de grande parte do trabalho de construção relacionado ao projeto ao escritório distrital do Corps of Engineers em Manhattan. Uma razão para isso é que grande parte das primeiras pesquisas para o projeto foi na Universidade de Columbia, localizada na área de Manhattan.

Uma coisa que deve ser entendida sobre este projeto é que foi enorme. Embora muito do trabalho tenha sido realizado na área de Manhattan, esta seção da cidade de Nova York não era o único local onde a pesquisa e o desenvolvimento estavam sendo conduzidos. Na verdade, havia escritórios de pesquisa localizados em todos os Estados Unidos, lidando com várias tarefas diferentes e entrando em águas nunca antes abordadas por cientistas e militares.

Um Projeto Internacional

Os Estados Unidos não foram o único país envolvido em tal projeto. A Alemanha havia lançado o seu próprio em 1940 e dizer que isso era da maior preocupação para os Estados Unidos e a Grã-Bretanha seria um eufemismo. A Grã-Bretanha também estava trabalhando em seu próprio projeto e acabaria trabalhando em um acordo de cooperação conjunta com os Estados Unidos e o Canadá para ajudar a levar adiante o Projeto Manhattan.

Em 1943, algumas das maiores mentes científicas do mundo contribuiriam com seu trabalho para o Projeto Manhattan, ajudando a continuar seu progresso.

Criando a Cadeia de Fissão

Um dos principais aspectos da pesquisa foi encontrar material de origem adequado para criar a cadeia de fissão. O urânio 238 foi originalmente experimentado, mas os resultados foram inúteis. O urânio 235 se tornou o próximo material a ser submetido a processos de cadeia de fissão, mas simplesmente não era confiável o suficiente e muito trabalho era necessário para ver resultados claros. Eventualmente, era o plutônio 235 que seria o composto de origem que seria usado para criar a reação em cadeia.

O Conceito da Bomba

Antes de 1943, não havia muito trabalho no desenvolvimento da bomba real que seria usada para realmente transformar a corrente de fissão em uma arma. Como o progresso limitado foi feito na divisão do átomo, o caminho para a criação da bomba se moveria em alta velocidade quando J. Robert Oppenheimer montasse um laboratório em Los Alamos, Novo México, para trabalhar na criação e teste de uma bomba real.

O escopo do Projeto Manhattan no Novo México era reduzir a quantidade de material fissionável que ainda poderia ser suficiente para produzir a massa crítica de uma explosão. Isso além de ser capaz de controlar a reação em cadeia dentro de uma bomba que poderia reagir de forma confiável e eficaz quando detonada.

O primeiro teste de bomba atômica

Depois de $ 2 bilhões de dólares em pesquisa e desenvolvimento, um protótipo viável de uma bomba atômica foi feito. Durante as primeiras horas da manhã de 16 de julho de 1945, o deserto do Novo México se tornou o local do primeiro teste da bomba atômica. A bomba explodiu na forma de uma enorme nuvem em forma de cogumelo. A força da explosão foi equivalente a 20.000 toneladas de dinamite e as ondas de choque foram sentidas por quilômetros. Grande parte da área de teste ao redor da bomba foi vaporizada. Era óbvio que a nova super arma funcionou e o tempo e o dinheiro gastos no Projeto Manhattan produziram os resultados desejados. O resultado foi a criação da arma mais destrutiva da história da humanidade até então.

Logo depois, a bomba atômica seria usada para encerrar a Segunda Guerra Mundial por meio dos bombardeios de Hiroshima e Nagasaki.


51f. The Manhattan Project


Esta fotografia outrora classificada mostra a primeira bomba atômica - uma arma que os cientistas atômicos apelidaram de "Gadget". A era nuclear começou em 16 de julho de 1945, quando foi detonado no deserto do Novo México.

No início de 1939, a comunidade científica mundial descobriu que os físicos alemães haviam aprendido os segredos da divisão de um átomo de urânio. Os temores logo se espalharam pela possibilidade de cientistas nazistas utilizarem essa energia para produzir uma bomba capaz de destruição indescritível.

Os cientistas Albert Einstein, que fugiu da perseguição nazista, e Enrico Fermi, que escapou da Itália fascista, moravam agora nos Estados Unidos. Eles concordaram que o presidente deve ser informado dos perigos da tecnologia atômica nas mãos das potências do Eixo. Fermi viajou a Washington em março para expressar suas preocupações a funcionários do governo. Mas poucos compartilhavam de sua inquietação.


Não deixando nada ao acaso, os cientistas atômicos de Los Alamos realizaram um pré-teste em maio de 1945 para verificar os instrumentos de monitoramento. Uma bomba de 100 toneladas explodiu a cerca de 800 metros do local de Trinity, onde Gadget seria detonado algumas semanas depois.

Einstein escreveu uma carta ao presidente Roosevelt instando o desenvolvimento de um programa de pesquisa atômica ainda naquele ano. Roosevelt não viu a necessidade nem a utilidade de tal projeto, mas concordou em prosseguir lentamente. No final de 1941, o esforço americano para projetar e construir uma bomba atômica recebeu seu codinome & mdash Projeto Manhattan.

No início, a pesquisa foi baseada em apenas algumas universidades - a mdash Columbia University, a University of Chicago e a University of California em Berkeley. Um avanço ocorreu em dezembro de 1942, quando Fermi liderou um grupo de físicos para produzir a primeira reação em cadeia nuclear controlada sob as arquibancadas do Stagg Field na Universidade de Chicago.


Enrico Fermi, um físico que trocou a Itália fascista pela América, encorajou os EUA a iniciar a pesquisa atômica. O resultado foi o ultrassecreto "Projeto Manhattan".

Após esse marco, os recursos foram alocados de forma mais livre e o projeto avançou a uma velocidade vertiginosa. Instalações nucleares foram construídas em Oak Ridge, Tennessee e Hanford, Washington. A principal fábrica de montagem foi construída em Los Alamos, Novo México. Robert Oppenheimer foi encarregado de juntar as peças em Los Alamos. Depois que a conta final foi apurada, quase US $ 2 bilhões foram gastos em pesquisa e desenvolvimento da bomba atômica. O Projeto Manhattan empregou mais de 120.000 americanos.

O sigilo era fundamental. Nem os alemães nem os japoneses souberam do projeto. Roosevelt e Churchill também concordaram que Stalin seria mantido no escuro. Conseqüentemente, não houve conscientização ou debate público. Manter 120.000 pessoas caladas seria impossível, portanto, apenas um pequeno quadro privilegiado de cientistas e funcionários internos sabiam sobre o desenvolvimento da bomba atômica. Na verdade, o vice-presidente Truman nunca tinha ouvido falar do Projeto Manhattan até se tornar presidente Truman.

Embora as potências do Eixo permanecessem inconscientes dos esforços em Los Alamos, os líderes americanos souberam mais tarde que um espião soviético chamado Klaus Fuchs havia penetrado no círculo interno de cientistas.


Esta cratera no deserto de Nevada foi criada por uma bomba nuclear de 104 quilotons enterrada a 635 pés abaixo da superfície. É o resultado de um teste de 1962 que investigou se as armas nucleares poderiam ser usadas para escavar canais e portos.

No verão de 1945, Oppenheimer estava pronto para testar a primeira bomba. Em 16 de julho de 1945, em Trinity Site perto de Alamogordo, Novo México, cientistas do Projeto Manhattan se prepararam para assistir à detonação da primeira bomba atômica do mundo. O dispositivo foi afixado a uma torre de 30 metros e descarregado pouco antes do amanhecer. Ninguém estava devidamente preparado para o resultado.

Um flash ofuscante visível por 200 milhas iluminou o céu da manhã. Uma nuvem em forma de cogumelo atingiu 40.000 pés, explodindo janelas de casas de civis a até 100 milhas de distância. Quando a nuvem voltou à Terra, ela criou uma cratera de oitocentos metros de largura transformando a areia em vidro. Uma falsa história de encobrimento foi rapidamente divulgada, explicando que um enorme depósito de munição acabara de explodir no deserto. Logo a notícia chegou ao presidente Truman em Potsdam, Alemanha, de que o projeto foi bem-sucedido.


Efeitos do Projeto Manhattan daqui para frente

Os bombardeios de Hiroshima e Nagasaki não foram o fim da pesquisa e do subsequente desenvolvimento de armas atômicas ainda mais potentes. Hoje, as bombas nucleares modernas têm 80 vezes a força da bomba lançada em Hiroshima. A nuvem em forma de cogumelo produzida sobre Hiroshima, quando comparada à nuvem em forma de cogumelo estimada das bombas atômicas modernas, é menor que 1% de sua contraparte moderna. Esse é um pensamento assustador, pois literalmente apenas a detonação de uma dessas bombas atômicas modernas significaria o fim de quase toda a vida na Terra.

Mesmo depois de testemunhar em primeira mão a destruição total que essas bombas trouxeram com eles, os países após o fim da 2ª Guerra Mundial só procuraram criar suas próprias bombas atômicas. Uma corrida armamentista nuclear começou entre os grandes jogadores, e houve um período de tanta incerteza entre a União Soviética e os Estados Unidos que muitos cidadãos de ambas as nações iam para a cama todas as noites se perguntando se conseguiriam acordar e ver o nascer do sol. mais tempo.


A história de um parque dedicado ao projeto Manhattan Story

Esta foto de 2016 mostra uma vista do B Reactor National Historic Landmark do local de Hanford, um desenho turístico vibrante e educacional que faz parte do Manhattan Project National Historical Park.

O Projeto Manhattan foi um programa de pesquisa e desenvolvimento ultrassecreto e sem precedentes, criado durante a Segunda Guerra Mundial para desenvolver uma arma atômica.

O início da era atômica é reconhecido como um dos eventos mais importantes do século XX. Seus profundos legados incluem a proliferação de armas nucleares, vastos esforços de remediação ambiental, o desenvolvimento do sistema laboratorial nacional e o uso pacífico de materiais nucleares, como a medicina nuclear.

Em 2001, o DOE trabalhou com o Conselho Consultivo sobre Preservação Histórica e um painel de renomados especialistas em preservação histórica para desenvolver opções de preservação para seis instalações históricas da era do Projeto Manhattan de propriedade do DOE que o painel considerou de extraordinária importância histórica e dignas de “comemoração como tesouros nacionais. ”

Em 2004, o Congresso instruiu o National Park Service (NPS) a trabalhar com o DOE para avaliar se era apropriado e viável estabelecer uma nova unidade do sistema de parques nacionais dedicada a contar a história do Projeto Manhattan.

Depois de uma década de trabalho por comunidades locais, funcionários eleitos, DOE, NPS e outras partes interessadas, o Parque Histórico Nacional do Projeto Manhattan foi autorizado como parte da Lei de Autorização de Defesa Nacional de Carl Levin e Howard P. “Buck” McKeon para o ano fiscal de 2015 O parque inclui instalações nos três principais locais do Projeto Manhattan - Los Alamos, Oak Ridge e Hanford.

Em Los Alamos, mais de 6.000 cientistas e pessoal de apoio trabalharam para projetar e construir as armas atômicas. O parque atualmente inclui três áreas lá: Gun Site, que foi associado ao projeto da bomba “Little Boy” V-Site, que foi usada para montar componentes do dispositivo Trinity e Pajarito Site, que foi usado para pesquisas químicas de plutônio.

A Clinton Engineer Works, que se tornou a Reserva Oak Ridge, apoiou três processos industriais paralelos para enriquecimento de urânio e produção experimental de plutônio.

O parque inclui o marco histórico nacional do reator de grafite X-10, que produziu pequenas quantidades de plutônio para apoiar os edifícios de trabalho de armas de Los Alamos no complexo Y-12, que abriga o processo de separação eletromagnética para enriquecimento de urânio e o local do K-25 edifício, onde a tecnologia de enriquecimento de urânio por difusão gasosa foi pioneira.

A Hanford Engineer Works, agora o local de Hanford, era o lar de mais de 51.000 trabalhadores que construíram e operaram um enorme complexo industrial para fabricar, testar e irradiar combustível de urânio em reatores e, em seguida, separar quimicamente o plutônio para ser usado em armas.

A paisagem de Hanford também é representativa de um dos primeiros atos do Projeto Manhattan - a condenação da propriedade privada e o despejo de proprietários e tribos indígenas americanas para abrir caminho para o trabalho ultrassecreto. O parque inclui o B Reactor National Historic Landmark, que produziu o material para o Teste Trinity e a bomba de plutônio e quatro edifícios históricos da virada do século que dão aos visitantes um vislumbre da história da área de Hanford antes da chegada do Manhattan Projeto.

O parque é administrado como uma parceria colaborativa entre o DOE, que continua a possuir, preservar e manter as instalações do parque e trabalhará para expandir o acesso público a elas e ao NPS, que administra o parque, interpreta a história do Projeto Manhattan e fornece assistência técnica ao DOE na preservação histórica. Um memorando de acordo entre o DOE e o Departamento do Interior dos EUA assinado em novembro de 2015 criou oficialmente o parque e orienta a implementação da missão do parque pelas duas agências.

Enquanto um componente chave da missão do parque histórico nacional dentro do DOE é melhorar o acesso público às instalações do parque, o DOE e seus contratados também estão trabalhando para desenvolver recursos online para que visitantes virtuais e estudantes possam aprender sobre as instalações históricas e o Projeto Manhattan.

Esta página do DOE oferece uma ampla variedade de recursos históricos do Projeto Manhattan impressos, online e presenciais. O Departamento também produziu podcasts sobre a história e o impacto do Projeto Manhattan.

Na unidade do parque Los Alamos, o Bradbury Science Museum, operado pelo Los Alamos National Laboratory, fornece vários recursos eletrônicos, incluindo uma visão geral do parque e do Projeto Y em Los Alamos, e uma visão geral dos locais do Projeto Manhattan em terreno de laboratório. O banco de dados de coleções online do Bradbury Science Museum permite que os visitantes pesquisem artefatos, fotos e documentos históricos do Projeto Manhattan. LANL também produziu um vídeo de locais históricos e trabalha para preservá-los para as gerações futuras.

O Museu Virtual K-25 de Oak Ridge oferece aos visitantes informações sobre o Projeto Manhattan e a Guerra Fria.

A unidade do parque Hanford é acessível a visitantes virtuais por meio de uma variedade de recursos, incluindo aqueles fornecidos por parceiros da comunidade. O DOE oferece acesso virtual ao B Reactor National Historic Landmark por meio de um sistema de câmeras de 360 ​​graus.

O Hanford History Project (HHP) na Washington State University Tri Cities preserva o Projeto Manhattan federal do DOE e a coleção de artefatos e histórias orais da Guerra Fria. O acesso virtual a essas coleções, bem como as coleções de histórias orais do HHP, materiais de arquivo doados, documentos e fotografias estão disponíveis no site do HHP.

A B Reactor Museum Association fornece uma série de vídeos com informações detalhadas sobre como o B Reactor funciona e por que é reconhecido como uma maravilha científica e da engenharia.


Mulheres Cientistas do Projeto Manhattan

Dra. Marie Curie

  • Marie Sklodowska nasceu em Varsóvia, na Polônia, em 1867, filha de uma professora de matemática e física.
  • Incapaz de frequentar uma universidade porque era mulher, Marie frequentou a “Flying University”, uma faculdade subterrânea.
  • Marie mudou-se para Paris em 1891, a fim de obter um diploma em física e matemática.
  • Depois de receber seu mestrado, Marie começou a trabalhar com Pierre Curie, que mais tarde se tornou seu marido.
  • Marie e Pierre Curie descobriram dois novos elementos, polônio e rádio, e cunharam o termo radioatividade.
  • Em 1903, Marie Curie se tornou a primeira mulher a obter seu doutorado na França.
  • Marie e Pierre receberam o Prêmio Nobel por seu trabalho em Física em 1903.
  • Em 1911, Marie Curie recebeu o Prêmio Nobel de Química.
  • Durante a Primeira Guerra Mundial, Curie dedicou seu tempo a ajudar soldados feridos e comprou títulos de guerra com o dinheiro do Prêmio Nobel.

Dra. Lise Meitner

  • Lise Meitner nasceu na Áustria em uma família judia em 1878.
  • Meitner se tornou a segunda mulher a obter um doutorado em física na Universidade de Viena em 1905.
  • Após a formatura, Meitner mudou-se para Berlim e começou a trabalhar com Otto Hahn, onde descobriram vários novos isótopos.
  • Em 1922, Meitner se tornou a primeira mulher na Alemanha a se tornar professora titular de física na Universidade de Berlim.
  • Em 1938, Meitner foi forçada a viajar secretamente de Berlim para a Suécia, onde continuaria seu trabalho.
  • Seis meses depois, Meitner e Otto Frisch publicaram resultados explicando e nomeando a fissão nuclear.
  • Embora indicada várias vezes, Lise não recebeu o Prêmio Nobel por seu trabalho. Otto Hahn recebeu o prêmio.
  • Oferecida uma posição no Projeto Manhattan, Meitner recusou o trabalho afirmando “Não terei nada a ver com uma bomba”.
  • O Elemento 109, descoberto em 1997, foi nomeado em sua homenagem. Meitnerium.

Dra. Leona Woods Marshall Libby

Dra. Leona Woods Marshall Libby

  • Leona se formou no ensino médio aos 14 anos e na Universidade de Chicago com bacharelado em química aos 19 anos.
  • Enquanto concluía seu Ph.D. Woods foi designada para trabalhar na pilha de Chicago, onde construiu os detectores de nêutrons usados ​​para medir o fluxo de nêutrons na pilha.
  • Leona também era a única mulher cientista na unidade de Hanford e trabalhava diretamente com Enrico Fermi.
  • O Dr. Libby teve uma carreira de sucesso como professor em várias universidades antes de assumir um cargo na UCLA como professor visitante, em 1973.
  • A pesquisa do Dr. Libby incluiu o estudo dos padrões de precipitação em anéis de árvores centenas de anos antes que os registros fossem mantidos. Isso abriu as portas para pesquisas sobre mudanças climáticas.

O trabalho do Projeto Manhattan

In the initial stages of the American fission effort (1939-1942), scientists at a variety of university laboratories — notably Columbia University, the University of Chicago, and the University of California–Berkeley, among many others— identified key processes for the development of the “fissile material” fuel that is necessary for a nuclear weapon to operate.

The first approach considered was the isotopic enrichment of uranium. (Chemical elements can vary in the number of neutrons in their nucleus, and these different forms are known as isotopes.) It was discovered as early as 1939 that only one isotope of uranium was fissionable by neutrons of all energies, and by 1941 it was understood that to make a fission weapon required a reasonably pure amount of material that met this criterion. Less than 1% of the uranium as mined is the fissile uranium-235 isotope, with the other 99% being uranium-238, which inhibits nuclear chain reactions. It was understood by 1941 that to make a weapon the fissile uranium-235 would need to be separated from the non-fissile uranium-238, and that because they were chemically identical this could only be accomplished through physical means that relied on the small (three neutron) mass difference between the atoms. Isotopic separation had been undertaken for other elements (for example, the separation of the hydrogen isotope deuterium from the bulk of natural water), but never on a scale of the sort contemplated for the separation of uranium. 16

Several methods were proposed and explored at small scales at various research sites in the United States. The preferred candidates by the end of the first year of the Manhattan Project (1942) were:

Electromagnetic separation, in which powerful magnetic fields were used to create looping streams of uranium ions that would slightly concentrate the lighter isotope at the fringes. This work was related to the cyclotron concept pioneered by Ernest Lawrence at the University of California, and the bulk of the research took place at his Radiation Laboratory.

Gaseous diffusion, in which a gaseous form of uranium was forced through a porous barrier consisting of extremely fine passageways. The gas molecules containing the lighter isotope would navigate the barrier slightly faster than the gas molecules containing the heavier isotope, although the effect would have to be magnified through many stages before it resulted in significant separation. This work was originally explored primarily at Columbia University under the guidance of Harold Urey and others.

Thermal diffusion, in which extreme heat and cold were applied to opposite sides of a long column of uranium gas, which also resulted in slight separation, with the lighter uranium isotope concentrating at one end. This was initially investigated by Philip Abelson at the Naval Research Laboratory.

Centrifugal enrichment, in which the rapid spinning of a uranium gas allowed for the slight concentration of the lighter element at the center of the whirling mixture, a process that would also require a large number of “stages” to be successful. This was pursued by physicist Jesse W. Beams at the University of Virginia and at the Standard Oil Development Company in New Jersey. 17

Over the course of 1943, centrifugal enrichment proved less promising than the other methods, and by 1944 the method was essentially abandoned (though it would, in the postwar period, be perfected by German and Austrian scientists working in the Soviet Union). Because it was unclear which of the other techniques would be most successful at scale, both the electromagnetic and gaseous diffusion methods were pursued with great gusto, and arguably constituted the most substantial portion of the Manhattan Project. The construction and operation of the two massive facilities required for these methods (the Y-12 facility for the electromagnetic method, and K-25 facility for the gaseous diffusion method) alone made up 52% of the cost of the overall project, and all of the Oak Ridge facilities together totaled 63% of the entire project cost. While thermal diffusion was initially imagined as a competitor process, difficulties in achieving the desired level of enrichment led to all three methods being “chained” together as a sequence: the raw uranium would be enriched from the natural level of 0.72% uranium-235 to 0.86% at the thermal diffusion plant, and its output would then be enriched to 23% at the gaseous diffusion plant, and then finally enriched to an average level of 84% at the electromagnetic plants. 18

Image 3: Calutron operators at the Y-12 plant in Oak Ridge monitored indicators and turned dials in response to changing values, not knowing that they were actually aiming streams of uranium ions, much less that they were producing the fuel for a new weapon. Source: Photo by Ed Westcott, 1944 (Department of Energy).

The plants for the production of enriched uranium were constructed in Oak Ridge, Tennessee, an isolated site that was chosen primarily for its proximity to the large electrical resources provided by the Tennessee Valley Authority. The Oak Ridge site (Site X) employed over 45,000 people for construction at its peak, and had a similar number of employees on the payroll for managing its continued operations once built. A “secret city,” the facility relied on heavy compartmentalization (“need to know”) so that practically none of its thousands of employees had any real knowledge of what they were producing. Every aspect of life in Oak Ridge was controlled by contractors and the military, in the aim of producing weapons-grade material in maximum haste and with a minimum of security breaches. Situated in the Jim Crow South, the facility was entirely segregated by law, and living conditions between African-Americans and whites varied dramatically. Various industrial contractors managed the different plants (for example, the Union Carbide and Carbon Corporation operated K-25, and the Tennessee Eastman Corporation operated Y-12). 19

In the process of researching the possibility of nuclear fission, another road to a bomb had made itself clear. Nuclear reactors had been contemplated as early as nuclear weapons. Where a nuclear weapon requires high concentrations of fissile material to function, a reactor does not: a controlled nuclear reaction (as opposed to an explosive one) can be developed through natural or slightly-enriched uranium through the use of a substance called a “moderator,” which slows the neutrons released from fission reactions. Under the right conditions, this allows a chain reaction to proceed even in unenriched material, and the reaction is considerably slower, and much more controllable, than the kind of reaction that occurs inside of a bomb.

Nuclear reactors had been explored as possible energy sources, though engineering difficulties would make this use of them more difficult than was anticipated (the first nuclear reactors for power purposes in the United States did not go critical until 1958). More importantly for the wartime planners, it was realized that the plentiful uranium-238 isotope, while not fissile, could still be quite useful. When uranium-238 absorbs a neutron, it does not undergo fission, but instead transmutes into uranium-239. Uranium-239, however, is unstable, and through a series of nuclear decays becomes, in the span of a few days, the artificial element plutonium-239. Isolated for the first time in February 1941, plutonium was calculated and confirmed to have very favorable nuclear properties (it is even more reactive than uranium-235, and thus even less of it is necessary for a chain reaction). 20

Image 4: Men working on the front face of the Hanford B-Reactor, circa 1944. Source: Department of Energy.

The first controlled nuclear reaction was achieved in December 1942 at the University of Chicago, by a team led by Enrico Fermi. The first reactor, Chicago Pile-1, used purified graphite as its moderator and 47 tons of natural (unenriched) uranium in the form of metal ingots. Even while the pilot Chicago Pile-1 reactor was still being constructed, plans were being made for the creation of considerably larger, industrial-sized nuclear reactors at a remote site in Hanford, Washington, constructed and operated by E.I. du Pont Nemours & Co. (DuPont). The Hanford site (Site W) was chosen largely for its proximity to the Columbia River, whose water would be used for cooling purposes. On dusty land near the river, three large graphite-moderated reactors were constructed starting in 1943, with the first reactor going critical in September 1944. A massive chemical facility known as a “canyon” was constructed nearby, by which, largely through automation and remote control, the irradiated fuel of the reactors was chemically stripped of its plutonium. This process involved dangerously radioactive materials, chemically noxious substances (powerful acids), and was fairly inefficient (every ton of uranium fuel that was processed yielded 225 grams of plutonium). 21

The labor conditions at Hanford varied considerably from Oak Ridge. Where Oak Ridge was imagined as a cohesive community, Hanford was not, and employed an abundance of cheap labor in far inferior work conditions (and those at Oak Ridge were not so great to begin with). The radioactive and chemical wastes at the site were treated in an expedient, temporary fashion, with the idea that in the less-hurried future they would be more properly eliminated. Subsequent administrations continued this approach for decades. Hanford became regarded as the most radioactively contaminated site in the United States, and since the end of the Cold War has been involved in expensive cleanup and remediation efforts. The Hanford project constituted about 21% of the total cost of the Manhattan Project. 22


Image 5: The relative costs (in 1945 USD) of the major expense categories of the Manhattan Project. Note that Oak Ridge has been broken down into its subcomponents (K-25, Y-12, S-50, etc.). Source: Data from Hewlett and Anderson 1962, Appendix 2, graph by Alex Wellerstein.

The work of these two sites — Oak Ridge and Hanford — constituted the vast bulk of the labor and expense of the Manhattan Project (roughly 80% of both). Without fuel, there could be no atomic bomb: it was and remains a key chokepoint in the development of nuclear weapons. As a result, it is important to conceptualize the Manhattan Project as much more than just basic science alone: without an all-out military-industrial effort, the United States would not have had an atomic bomb by the end of World War II.

The head of the Manhattan Project’s entire operation was Brigadier General Leslie R. Groves, a West-Point trained engineer who had previously been instrumental in the construction of the Pentagon building. Groves had accepted the assignment reluctantly, liking neither the risk of failure nor the fact that it was a home-front assignment. But once he accepted the job, he was determined to see it through to success. His unrelenting drive resulted in the Manhattan Project being given the top level of priority of all wartime projects in the United States, which allowed him nearly unfettered access to the resources and labor necessary to build a new atomic empire. Groves amplified the degree of secrecy surrounding the project through his application of compartmentalization (which he considered “the very heart of security”), and his own autonomous domestic and even foreign intelligence and counter-intelligence operations, making the Manhattan Project a virtual government agency of its own. (Despite these precautions, the project was, it later was discovered, compromised to the Soviet Union by several well-placed spies.) While it is uncharacteristic to associate the success or failure of massive projects with single individuals, it has been plausibly argued that Groves was perhaps the most “indispensable” individual to the project’s success, and that his willingness to accelerate and amplify the work being done in the face of setbacks, and to bully his way through military and civilian resistance, was essential to the project achieving its results when it did. 23

Though the scientific research on the project was initially dispersed among several American universities, as the work moved further into the production phase civilian and military advisors to the project concurred that the most sensitive research work, specifically that on the design of the bomb itself, should be located somewhere more secure than a university campus in a major city. Bush, Conant, and Arthur Compton had all come to the conclusion that a separate, isolated laboratory should be created for this final phase of the work. In late 1942, Groves identified Berkeley theoretical physicist J. Robert Oppenheimer as his preferred candidate for leading the as-yet-created laboratory, and on Oppenheimer’s recommendation identified a remote boys’ school in Los Alamos, New Mexico, as the location for the work. Initially imagined to be fairly small, the Los Alamos laboratory (Site Y) soon became a sprawling operation that took on a wide variety of research projects in the service of developing the atomic bomb, ending the war with over 2,500 people working at the site. 24

Image 6: The percentage distribution of personnel between divisions at Los Alamos. The reorganization in August 1944 merged several divisions into interdisciplinary groups focused around specific problems. The pre-reorganization division abbreviations: Chem = Chemistry, Eng = Engineering, Ex = Experimental Physics, Theo = Theoretical Physics,. The post-reorganization abbreviations: A = Administrative, CM = Chemistry & Metallurgy, F = Fermi (whose division studied many issues), G = Gadget, O = Ordnance, R = Research, Tr & A = Trinity and Alberta (Testing and Delivery), X = Explosives. Source: Hawkins 1983, 302.

Though the work of the bomb was even at the time most associated with physicists, it is worth noting that at Los Alamos, there were roughly equal numbers of physicists, chemists, metallurgists, and engineers. The physics-centric narrative, promulgated in part by the physicists themselves after the war (in part because the physics of the atomic bomb was easier to declassify than other aspects), obscures the multidisciplinary research work that was required to turn table-top laboratory science into a working weapon. 25

It is not exceptionally hyperbolic to say that the Los Alamos laboratory brought together the greatest concentration of scientific luminaries working on a single project that the world had ever seen. It was also highly international in its composition, with a significant number of the top-tier scientists having been refugees from war-torn Europe. This included a significant British delegation of scientists, part of an Anglo-American alliance negotiated by Winston Churchill and Roosevelt. For the scientists who went to the laboratory, especially the junior scientists who were able to work and mingle with their heroes, the endeavor took on the air of a focused and intensive scientific summer camp, and the numerous memoirs about the period at times underemphasize that the goal was to produce weapons of mass destruction for military purposes. 26

Los Alamos grew because the difficulty and scope of the work grew. Notably a key setback motivated a massive reorganization of the laboratory in the summer of 1944, when it was found that plutonium produced by nuclear reactors (as opposed to the small samples of plutonium that had been produced in particle accelerators) could not be easily used in a weapon. The original plan for an atomic bomb design was relatively simple: two pieces of fissile material would be brought together rapidly as a “critical mass” (the amount of material necessary to sustain an uncontrolled chain reaction) by simply shooting one piece into the other through a gun barrel using conventional explosives. This “gun-type” design still involved significant engineering considerations, but compared to the rest of the difficulties of the project it was considered relatively straightforward. 27

The first reactor-bred samples of plutonium, however, led to the realization that the new element could not be used in such a configuration. The presence of a contaminating isotope (plutonium-240) increased the background neutron rate of reactor-bred plutonium to levels that would pre-detonate the weapon were two pieces of material to be shot together, leading to a significantly reduced explosion (designated a “fizzle”). Only a much faster method of achieving a critical mass could be used. A promising, though ambitious, method had been previously proposed, known as “implosion.” This required the creation of specialized “lenses” of high explosives, arranged as a sphere around a subcritical ball of plutonium, that upon simultaneous detonation would symmetrically squeeze the fuel to over twice its original density. If executed correctly, this increase in density would mean that the plutonium in question would have achieved a critical mass and also explode. But the degree of simultaneity necessary to compress a bare sphere of metal symmetrically is incredibly high, a form of explosives engineering that had scarcely any precedent. Oppenheimer reorganized Los Alamos around the implosion problem, in a desperate attempt to render the plutonium method a worthwhile investment. Modeling the compressive forces, much less achieving them (and the levels of electrical simultaneity necessary) required yet another massive multidisciplinary effort. 28

As of summer 1944, there were two designs considered feasible: the “gun-type” bomb which relied upon enriched uranium from Oak Ridge, and the “implosion” bomb which relied upon separated plutonium from Hanford. The manufacture of the factories that produced this fuel required raw materials, equipment, and logistics from many dozens of sites, and together with the facilities that were involved with producing the other components of the bomb, there were several hundred discrete locations involved in the Manhattan Project itself, differing dramatically in size, location, and character. To choose a few interesting examples: a former playhouse in Dayton, Ohio, was converted into the site for the production of the highly-radioactive and highly-toxic substance polonium, which was to be used as a neutron source in the bombs, without any knowledge of the residents who lived around it most of the uranium for the project was procured from the Congo and a major reactor research site was created in Quebec, Canada, as part of the British contribution to the work. 29


Image 7: The assembled implosion “gadget” of the Trinity test, July 1945, with physicist Norris Bradbury for scale. Source: Los Alamos National Laboratory.

The uncertainties involved in the implosion design meant that the scientists were not confident that it would work and, if it did work, how efficient, and thus explosive, it would be. A full-scale test of the implosion design was decided upon, at a remote site at the White Sands Proving Ground, 60 miles from Alamogordo, New Mexico. On July 16, 1945, the test, dubbed “Trinity” by Oppenheimer, was even more successful than expected, exploding with the violence of 20,000 tons of TNT equivalent (20 kilotons, in the new standard of explosive power developed by the project participants). 30 (They had considerably more confidence in the gun-type bomb, and in any case, lacked enough enriched uranium to contemplate a test of it.)

Along with the work of the creation of the key materials for the bombs and the weapons designs themselves, additional thought was put into the question of “delivery,” the effort that would be required to detonate the bomb over a target. This aspect of the project, more a concern of engineering than science per se, was itself nontrivial: the atomic bombs were exceptionally heavy by the standards of the time, and the implosion bomb in particular had an ungainly egg-like shape. The “Silverplate” program created modified versions of the B-29 Superfortress long-range heavy bombers (most of their armaments and all of their armor were removed so that they could fly higher and faster with the heavy bombs), while Project Alberta, headquartered at Wendover Army Air Field in Utah, developed the ballistic cases of the weapons while training crews in the practice of delivering such weapons with relative accuracy. 31


Beginning in 1943, Project Y – the code name for Los Alamos during World War II – transformed the isolated Pajarito Plateau. The sounds of construction equipment replaced the voices of the Los Alamos Ranch School boys and local homesteaders. Construction crews hurriedly built many structures on mesa tops and in the canyons of Los Alamos. Countless concerns flooded Manhattan Project staff, but desiging structures to withstand the test of time was not one of them. The top-secret race to develop an atomic bomb before Nazi Germany was on and everyone felt the pressure.

Over the next 75 years, some of the structures slumped into disrepair from exposure to the harsh northern New Mexico environment — concrete cracking and spalling, wood frames rotting. That’s where Los Alamos National Laboratory’s historic preservation team enters the Manhattan Project story.

“Concrete has proven to be especially susceptible to the dozens of freeze-thaw cycles that often take place on a winter day in Los Alamos,” said Jeremy Brunette from the Laboratory’s Historic Building Surveillance and Maintenance Program.

The Manhattan Project National Historical Park team at Los Alamos identified several sites that need attention, and they work continuously to maintain, restore, and protect these historic sites. Most recently, two sites that share different stories from the early years of the Laboratory underwent preservation work.

Overshadowed story: plutonium recovery

A story that is often overshadowed when sharing Manhattan Project history is that of plutonium recovery. The Concrete Bowl helps bring that story to life.

Throughout the Manhattan Project, uranium and plutonium were so rare and costly that scientists carefully conserved every gram. By the end of 1945, it cost an estimated $390 million to create the plutonium for the Manhattan Project — that is over $5 billion in today’s money! During the Trinity Test, scientists planned to carry out a test with half the world’s plutonium, so tensions were understandably high.

If the Trinity Test did not succeed, project staff needed to recover the precious plutonium rather than losing it on a failed test. Manhattan Project researchers discussed several possible plutonium recovery approaches and tested any potential solutions that were not too far-fetched. One idea was the “water recovery method.”

For this method, staff members constructed a concrete bowl 200 feet in diameter and built a wooden water tank on a tower in the center. In this water tank, they placed a small-scale, industrial prototype of a bomb that contained natural uranium as a stand-in for plutonium. Researchers then detonated this mock-up with conventional explosives inside the water tank.

The water from the explosion landed in this concrete reservoir and drained into the bowl’s filter system, where workers recovered the metal fragments. Scientists continued these water-recovery tests until early 1945, but after realizing this method was not feasible for a full-scale nuclear test, they moved on to other potential recovery methods—including the infamous giant steel containment vessel known as “Jumbo.”

The Concrete Bowl remains in place today—an example of the wartime Laboratory’s practice of simultaneously testing different solutions to solve complex problems. In the 75 years since the bowl’s construction, weeds and trees took over and the local fauna discovered it as a reliable watering hole on the arid Pajarito Plateau.

“One of the pleasures of working at the Concrete Bowl is the amount of wildlife in the area. We saw elk, deer and coyotes every day,” Brunette said.

Concrete bowl before restoration. Concrete bowl after restoration.

Brunette also described that “in the Concrete Bowl, the steel reinforcing mesh was placed too close to the surface, exposing it to the elements and allowing it to carry moisture and rust into the concrete.”

Before any work began, the Lab’s Environmental Protection and Compliance Division ensured there was no contamination remaining from these early tests at the site. The Lab’s Historic Buildings team worked with Vital Consulting Group from Albuquerque on the removal of damaging vegetation to preserve this unique historic site. Vital Consulting Group also graded the soil away from the bowl to reduce the accumulation of water inside the bowl.

While the deer and elk may need to find a new watering hole, these efforts will preserve this historic site for years to come.

An early wartime test facility

From the beginning of Project Y, Robert Oppenheimer and Manhattan Project physicists believed they could make a “gun-type” atomic bomb, but they had to perfect the mechanism that could cause a sustained chain reaction in fissionable material. Manhattan Project researchers developed the Gun Site, known in 1943 as Anchor Ranch Proving Ground, to design and test nuclear weapon prototypes.

At this site, scientists, engineers, ordinance experts, and members of the U.S. Navy conducted experiments on the inner workings of this design. The name Gun Site refers to this site’s role in the development of the uranium weapon, Little Boy.

Because researchers fired numerous “gun-assembly” tests at this site using special gun barrels made by the U.S. Navy, they needed bunkers for protection during their experiments. Manhattan Project engineers constructed the buildings in a natural drainage, placing the tests above the bunkers and lessening the hazards of these experiments.

Scientists observed the tests from inside the concrete and earthen bunkers using a wooden periscope tower that relied on an elaborate system of mirrors—like a milk carton periscope you may have made as a child.

Gun Site during Manhattan Project—the wooden periscope tower is visible in the back right of the image.

Today, the preservation mission for this site came back to a familiar issue—concrete. Brunette explains why Manhattan Project era concrete presents the greatest preservation challenge. “We find that much of the Manhattan Project era concrete was mixed using large, smooth river rock aggregate that would not be suitable for modern construction.”

The buildings at Gun Site underwent extensive concrete repairs in 2012, including the reconstruction of the concrete parapet wall and a concrete cap to drain water from the top. However, that concrete cap failed and allowed further degradation of the historic site. The Lab and Vital Consulting Group worked to remove the crumbling concrete from the 2012 project. With this work completed, the Manhattan Project team will move forward with additional preservation efforts at Gun Site.

Gun Site parapet wall and cap before restoration. Gun Site parapet wall and cap after restoration.

These unique sites tell the story of Los Alamos National Laboratory’s history of solving difficult scientific and technological challenges and the story of a collective effort to achieve a common goal. The Manhattan Project was an immense project that created new fields of science and shaped the world we live in today.

In the spirit of its namesake, collaboration and teamwork defines the Manhattan Project National Historical Park. The National Park Service, the Department of Energy National Nuclear Security Administration’s Los Alamos Field Office, and Los Alamos National Laboratory work together to protect these sites for future generations. Ensuring that important historic sites remain intact to tell the story of this world-changing event is a crucial component of the collaborative effort to administer the Manhattan Project National Historical Park. The team is not finished they have already begun preservation work in another significant Manhattan Project historic location, V-Site.


The Manhattan Project National Historical Park

Preserving and sharing the nationally significant historic sites, stories, and legacies associated with the top-secret race to develop an atomic weapon during World War II.

This photo, taken on December 4, 1946, shows the center of Los Alamos as it looked during Project Y years. Called Technical Area 1, it was the core of the original laboratory.

  • Manhattan Project NHP-Los Alamos Public Engagement Specialist
  • Jonathan Creel
  • CPA-CPO
  • (505) 667-6277
  • O email
  • Manhattan Project NHP-Los Alamos Project Manager
  • Cheryl Abeyta
  • EPC-DO
  • O email

In 1943, as World War II raged across the globe, the United States government secretly constructed a laboratory on a group of isolated mesas in northern New Mexico. The top-secret Manhattan Project had a single military purposedevelop the world’s first atomic weapons. & # 160

The success of this unprecedented government program forever changed the world. Join us to discover the stories of the people behind the Manhattan Project and how they shaped the world we live in today.

Scientists, engineers, explosive experts, military personnel, and members of the Special Engineer Detachment all convened on the rural Pajarito Plateau in New Mexico for a secret project during World War II. Their mission: develop an atomic weapon before Nazi Germany. General Leslie R. Groves selected J. Robert Oppenheimer, a theoretical physicist from the University of California at Berkeley, as the scientific project director. This unprecedented undertaking required revolutionary science, engineering, technological innovation, and collaboration between civilians and military personnel from diverse backgrounds.

Twenty-eight months after Project Y began in Los Alamos, members of the Manhattan Project detonated the world’s first atomic weapon, the "Gadget," at the Trinity Site in southern New Mexico. After the military deployment of two atomic weapons on the Japanese cities of Hiroshima and Nagasaki, and the subsequent end of World War II, some Los Alamos scientists took their families and returned to their pre-war lives. Yet, many stayed to continue critical research in this new Nuclear Age.

Today, Los Alamos National Laboratory remains one of the United States’ premier science and technology institutions. Cutting-edge research and technological breakthroughs still happen here, as scientists and engineers work to solve some of today’s most complex problems.

The Manhattan Project’s legacy of revolutionary science and engineering, along with the lessons learned from that time, continues in the spirit of the modern Laboratory. Scientific and technological advances made in the pursuit of an atomic weapon contributed to progress in many areas: environmental and materials science, biology, nuclear medicine, nuclear energy, supercomputing, precision machining, even astronomy. This was also the beginning of the Department of Energy’s National Laboratory System.

The U.S. Congress directs the National Park Service and the Department of Energy to determine the significance, suitability, and feasibility of including signature facilities remaining from the Manhattan Project in a national historical park. This was an effort to preserve remaining structures in order to save them from being lost forever. & # 160

The National Defense Authorization Act, signed by President Obama, authorizes the creation of Manhattan Project National Historical Park. The stated the purpose of the park is “to improve the understanding of the Manhattan Project and the legacy of the Manhattan Project through interpretation of the historic resources.” On November 10, 2015, a Memorandum of Agreement signed by the Secretary of the Interior and the Secretary of the Department of Energy makes the park a reality.

Three sites tell the story of more than 600,000 Americans working to help end World War II. These three locations, integral to the Manhattan Project, comprise the park today.

    designed and built the first atomic bombs.   enriched uranium needed for the gun-type fission weapon.   created plutonium for an implosion-type weapon design.

Today

The Manhattan Project National Historical Park encompasses 17 sites on Los Alamos National Laboratory property and 13 sites in downtown Los Alamos, where “Project Y” was centered during World War II. These sites represent the world-changing history of the Manhattan Project at Los Alamos. & # 160

Today, you can visit the Los Alamos Downtown historic sites, but the sites on Laboratory land are not accessible to the public. However, the Department of Energy, Los Alamos National Laboratory, and the National Park Service collaborate to provide public tours of three sites on Laboratory property. Click here for more information on these tours and how to register for them.


Assista o vídeo: A primeira bomba nuclear testada - Projeto Manhattan