Listas de história: exploradores não chamados de Colombo

Listas de história: exploradores não chamados de Colombo


3. Harriet Chalmers Adams

Harriet Chalmers Adams, amplamente considerada como sua primeira exploradora do tempo & # 8217s, nunca foi à escola & # 8211, ela apenas lia muito e tinha uma necessidade urgente de ver as coisas por si mesma. Isso a levou a cavalgar pelas rotas de Colombo e de outros conquistadores espanhóis, escrever extensivamente para a sociedade National Geographic, fundar e presidir sua própria Sociedade de Geógrafos de Mulheres e servir como correspondente da Primeira Guerra Mundial para Harper & # 8217s em 1916 (ela era a única mulher permitida nas trincheiras). Ao longo de sua carreira de 50 anos, ela deixou seus passos por mais de centenas de milhares de milhas do mundo e só teve uma pausa na confusão sobre por que outras mulheres não a seguiram:

& # 8220I & # 8217 me perguntei por que os homens monopolizaram de forma tão absoluta o campo de exploração. Por que as mulheres nunca foram ao Ártico, tentaram um ou outro pólo ou invadiram a África, o Tibete ou regiões selvagens desconhecidas? Nunca achei meu sexo um obstáculo, nunca enfrentei uma dificuldade que uma mulher, assim como um homem, não poderia superar, nunca senti medo do perigo, nunca faltou coragem para me proteger. Já estive em lugares apertados e vi coisas angustiantes. & # 8221

É sorte para nós que nada disso a impediu quase um século depois, seus artigos e fotografias continuam emocionantes e educacionais.


Viaje no tempo com 21 mulheres exploradoras que mudaram o mundo

No século IV, uma peregrina cristã chamada Egeria partiu do Mediterrâneo para chegar à Terra Santa, usando a Bíblia como guia. & ldquoEstas montanhas são ascendidas com trabalho infinito & rdquo, ela escreve sobre sua intrépida escalada ao Monte Sinai, em cartas detalhadas às vezes chamadas de história e primeiras memórias de viagem. Suas percepções revelam uma sensibilidade cultural que transcende o tempo: a cada parada, ela se preocupava em indagar sobre os costumes e tradições locais.

No século IV, uma peregrina cristã chamada Egeria partiu do Mediterrâneo para chegar à Terra Santa, usando a Bíblia como guia. & ldquoEstas montanhas são ascendidas com trabalho infinito & rdquo, ela escreve sobre sua intrépida escalada ao Monte Sinai, em cartas detalhadas às vezes chamadas de história e primeiras memórias de viagem. Suas percepções revelam uma sensibilidade cultural que transcende o tempo: a cada parada, ela se preocupava em indagar sobre os costumes e tradições locais.

As sagas islandesas imortalizam a esposa e mãe viking Gudrid Thorbjarnardottir como uma mulher de aparência notável e sábia também, que sabia como se comportar entre estranhos. cruzou o Atlântico Norte várias vezes entre a Groenlândia e a Islândia. Ela também navegou para a América do Norte e cinco séculos antes de Cristóvão Colombo e mdashand para Roma em uma peregrinação religiosa.

As sagas islandesas imortalizam a esposa e mãe viking Gudrid Thorbjarnardottir como uma mulher de aparência notável e sábia também, que sabia como se comportar entre estranhos. cruzou o Atlântico Norte várias vezes entre a Groenlândia e a Islândia. Ela também navegou para a América do Norte e cinco séculos antes de Cristóvão Colombo e mdashand para Roma em uma peregrinação religiosa.

Primeira circunavegadora feminina

Primeira circunavegadora feminina

Dois séculos depois que Ferdinand Magalhães deu a volta ao mundo, uma mulher francesa & ldquoherb & rdquo disfarçada de homem tornou-se a primeira mulher a circunavegar o globo. Com o peito envolto em bandagens, Jeanne Baret conspirou com seu amante e o renomado botânico mdasha e mdash para ganhar um lugar em uma expedição de 1766. O estratagema surgiu dois anos depois (o casal permaneceu nas Maurícias quando o barco partiu), mas a façanha de Baret deu uma volta completa após seu eventual retorno à França no início da década de 1770.

Dois séculos depois que Ferdinand Magalhães deu a volta ao mundo, uma mulher francesa & ldquoherb & rdquo disfarçada de homem tornou-se a primeira mulher a circunavegar o globo. Com o peito envolto em bandagens, Jeanne Baret conspirou com seu amante e o renomado botânico mdasha e mdash para ganhar um lugar em uma expedição de 1766. O estratagema acabou dois anos depois (o casal permaneceu nas Maurícias quando o barco partiu), mas a façanha de Baret deu uma volta completa após seu eventual retorno à França no início da década de 1770.

Agente de cura global inovador

Agente de cura global inovador

Embora Mary Seacole tenha ganhado fama como a & ldquoblack Florence Nightingale & rdquo, a enfermeira anglo-jamaicana considerava as viagens o antídoto definitivo para a limitada era vitoriana. Sua autobiografia espirituosa, Aventuras maravilhosas da Sra. Seacole em muitas terras, relata suas façanhas atendendo vítimas de cólera no Panamá e na linha de frente da Guerra da Crimeia. "À medida que me tornei mulher", escreve ela, "comecei a ter aquele desejo de viajar que nunca me deixará enquanto eu tiver saúde e vigor."

Embora Mary Seacole tenha ganhado fama como a & ldquoblack Florence Nightingale & rdquo, a enfermeira anglo-jamaicana considerava as viagens o antídoto definitivo para a limitada era vitoriana. Sua autobiografia espirituosa, Aventuras maravilhosas da Sra. Seacole em muitas terras, relata suas façanhas atendendo vítimas de cólera no Panamá e na linha de frente da Guerra da Crimeia. & ldquoQuando me tornei mulher & rdquo & ldquo; ela escreve & ldquo; comecei a ter aquele desejo de viajar que nunca me deixará enquanto eu tiver saúde e vigor & rdquo.

Primeira companheira da Royal Geographical Society

Primeira companheira da Royal Geographical Society

Algumas pessoas vivem para viajar Isabella Bird viajou para viver. Por ordem do médico, a inglesa com doenças crônicas partiu para a América do Norte em sua aventura de estreia em 1854. O ar livre agradava a seu bem-estar tanto quanto viajar mexia com sua alma. A primeira mulher eleita para ser membro da Royal Geographical Society, ela passou a escalar vulcões, andar a cavalo pelo deserto e comungar com os habitantes locais, narrando suas viagens em livros sobre o Havaí, Tibete, Colorado's Estes Park, Coreia, Marrocos, Vietnã e além.

Algumas pessoas vivem para viajar Isabella Bird viajou para viver. Por ordem do médico, a inglesa com doenças crônicas partiu para a América do Norte em sua aventura de estreia em 1854. O ar livre agradava a seu bem-estar tanto quanto viajar mexia com sua alma. A primeira mulher eleita para ser membro da Royal Geographical Society, ela passou a escalar vulcões, andar a cavalo pelo deserto e comungar com os habitantes locais, narrando suas viagens em livros sobre o Havaí, Tibete, Colorado's Estes Park, Coreia, Marrocos, Vietnã e além.

Primeira mulher no conselho da National Geographic e rsquos

Primeira mulher no conselho da National Geographic e rsquos

A primeira mulher eleita para o conselho da National Geographic (e a ter uma foto publicada na revista), Eliza Scidmore comparou seu apetite por viagens ao & ldquooriginal pecado. & Rdquo Entre os turistas pioneiros a cruzar Glacier Bay, ela escreveu o primeiro guia do Alasca, em 1885 No entanto, a renomada & ldquolady escritora & rdquo fez mais do que plantar as sementes do desejo de viajar em seus leitores: sua ideia de trazer cerejeiras para Washington, DC, floresceu em um rito de passagem para os viajantes da primavera em todo o mundo.

A primeira mulher eleita para o conselho da National Geographic (e a ter uma foto publicada na revista), Eliza Scidmore comparou seu apetite por viagens ao & ldquooriginal pecado. & Rdquo Entre os turistas pioneiros a cruzar Glacier Bay, ela escreveu o primeiro guia do Alasca, em 1885 No entanto, a renomada & ldquolady escritora & rdquo fez mais do que plantar as sementes do desejo de viajar em seus leitores: sua ideia de trazer cerejeiras para Washington, DC, floresceu em um rito de passagem para os viajantes da primavera em todo o mundo.

Volta ao mundo em 72 dias

Volta ao mundo em 72 dias

No filme de ação que foi sua vida, Nellie Bly sempre fez suas próprias acrobacias e mdashnone mais espetacular do que sua viagem sem fôlego ao redor do mundo em 1889. Movendo-se de trem, navio a vapor, cavalo, burro e riquixá, a jornalista de 25 anos percorreu 24.899 milhas em 72 dias. Ela fez um desvio na França para encontrar sua musa Júlio Verne, visitou uma colônia de leprosos chinesa e adquiriu um macaco de estimação em Cingapura e mdashall com apenas uma pequena bolsa e um único vestido.

No filme de ação que foi sua vida, Nellie Bly sempre fez suas próprias acrobacias e mdashnone mais espetacular do que sua viagem sem fôlego ao redor do mundo em 1889. Movendo-se de trem, navio a vapor, cavalo, burro e riquixá, a jornalista de 25 anos percorreu 24.899 milhas em 72 dias. Ela fez um desvio na França para encontrar sua musa Júlio Verne, visitou uma colônia de leprosos chinesa e adquiriu um macaco de estimação em Cingapura e mdashall com apenas uma pequena bolsa e um único vestido.

A inglesa Gertrude Bell trocou o conforto da classe alta por incursões de camelo no deserto. Uma coorte de T. E. Lawrence & mdashbut com um melhor domínio da língua árabe & mdashshe incorporou-se à vida local enquanto vagava pelas areias do Oriente Médio, da Pérsia à Síria. A Arábia & rsquos & ldquouncrowned queen & rdquo ajudou a traçar as fronteiras do Iraque moderno, aconselhou sobre a redação de sua constituição e estabeleceu o Museu Nacional do Iraque. Bell também escalou os Alpes e preservou antiguidades em escavações arqueológicas.

A inglesa Gertrude Bell trocou o conforto da classe alta por incursões de camelo no deserto. Uma coorte de T. E. Lawrence & mdashbut com um melhor domínio da língua árabe & mdashshe incorporou-se à vida local enquanto vagava pelas areias do Oriente Médio, da Pérsia à Síria. A Arábia & rsquos & ldquouncrowned queen & rdquo ajudou a traçar as fronteiras do Iraque moderno, aconselhou sobre a redação de sua constituição e estabeleceu o Museu Nacional do Iraque. Bell também escalou os Alpes e preservou antiguidades em escavações arqueológicas.

Fundou a Sociedade de Mulheres Geográficas

Fundou a Sociedade de Mulheres Geográficas

Nem os morcegos vampiros nem as avalanches conseguiram impedir Harriet Chalmers Adams de se aventurar nas profundezas da América do Sul em 1904. Ela e seu marido percorreram cerca de 40.000 milhas em três anos, cruzando os Andes a cavalo, vagando pela Amazônia ao lado de onças e canoagem em águas emaranhadas de cobras . A exclusão do Explorers Club apenas para homens não a intimidou em 1925, Adams tornou-se a presidente inaugural da Society of Woman Geographers.

Nem os morcegos vampiros nem as avalanches conseguiram impedir Harriet Chalmers Adams de se aventurar nas profundezas da América do Sul em 1904. Ela e seu marido percorreram cerca de 40.000 milhas em três anos, cruzando os Andes a cavalo, vagando pela Amazônia ao lado de onças e canoagem em águas emaranhadas de cobras . A exclusão do Explorers Club apenas para homens não a perturbou em 1925, Adams tornou-se a presidente inaugural da Society of Woman Geographers.

Antes de Thelma e Louise tomarem a estrada aberta, havia Gussie e Addie, também conhecida como Augusta Van Buren e sua irmã, Adeline. Em 1916, as socialites com uma maré rebelde cruzaram o território continental dos Estados Unidos em motocicletas e cruzaram trilhas de terra, passagens para vacas e estradas com buracos de lama enquanto percorriam cerca de 5.500 milhas em 60 longos dias de calor e chuva. Augusta passou a se juntar ao grupo Noventa e Nove de mulheres pilotas de Amelia Earhart.

Antes de Thelma e Louise tomarem a estrada aberta, havia Gussie e Addie, também conhecida como Augusta Van Buren e sua irmã, Adeline. Em 1916, as socialites com uma maré rebelde cruzaram o território continental dos Estados Unidos em motocicletas e cruzaram trilhas de terra, passagens para vacas e estradas com buracos de lama enquanto percorriam cerca de 5.500 milhas em 60 longos dias de calor e chuva. Augusta passou a se juntar ao grupo Noventa e Nove de mulheres pilotas de Amelia Earhart.

Louise Boyd pegou sua vasta herança da corrida do ouro na Califórnia e a colocou no gelo. A heroína do alto mar liderou e financiou várias expedições científicas aos confins do Ártico, ajudou a documentar fiordes e geleiras da Groenlândia, cumpriu missões secretas para o governo dos EUA e foi uma das primeiras mulheres a sobrevoar o Pólo Norte em um avião. & ldquoO norte distante, escondido atrás de barreiras sombrias de gelo, estão as terras que prendem um feitiço & rdquo, escreveu ela em 1935.

Louise Boyd pegou sua vasta herança da corrida do ouro na Califórnia e a colocou no gelo. A heroína do alto mar liderou e financiou várias expedições científicas aos confins do Ártico, ajudou a documentar fiordes e geleiras da Groenlândia, cumpriu missões secretas para o governo dos EUA e foi uma das primeiras mulheres a sobrevoar o Pólo Norte em um avião. “O norte distante, escondido atrás de barreiras sombrias de gelo, estão as terras que contêm um feitiço”, escreveu ela em 1935.

Em 1955, Emma Gatewood, de 67 anos, emergiu da Trilha dos Apalaches como a primeira mulher a caminhar sozinha todas as 2.050 milhas em uma temporada. Encorajado por um artigo em Geografia nacional, ela foi apelidada de & ldquohihiking vovó & rdquo & mdashin de fato, a mãe de 11 era uma bisavó & mdashand continuou a conquistar a trilha mais duas vezes, bem como a trilha do Oregon de 2.000 milhas. Suas ordens de marcha para & ldquopar seus pés & rdquo motivaram inúmeros caminhantes desde então.

Em 1955, Emma Gatewood, de 67 anos, emergiu da Trilha dos Apalaches como a primeira mulher a caminhar sozinha todas as 2.050 milhas em uma temporada. Encorajado por um artigo em Geografia nacional, ela foi apelidada de & ldquohihiking vovó & rdquo & mdashin de fato, a mãe de 11 era uma bisavó & mdashand continuou a conquistar a trilha mais duas vezes, bem como a trilha do Oregon de 2.000 milhas. Suas ordens de marcha para & ldquopar seus pés & rdquo motivaram inúmeros caminhantes desde então.

Primeira mulher afro-americana a pilotar

Primeira mulher afro-americana a pilotar

Bessie Coleman superou os preconceitos de sua época. Em 1921, ela disparou na história como a primeira mulher afro-americana a pilotar no mundo. Filha de empregada doméstica e meeira, a manicure que virou aviatra aprendeu a voar na França depois de ser rejeitada por escolas de aviação americanas. Por cinco anos, ela viajou pelos Estados Unidos, realizando acrobacias de parar o coração no céu & mdashat sua insistência, apenas em locais com multidões desagregadas & mdash até um acidente de avião fatal.

Bessie Coleman superou os preconceitos de sua época. Em 1921, ela disparou na história como a primeira mulher afro-americana a pilotar no mundo. Filha de empregada doméstica e meeira, a manicure que virou aviatra aprendeu a voar na França depois de ser rejeitada por escolas de aviação americanas. Por cinco anos, ela viajou pelos Estados Unidos, realizando acrobacias de parar o coração no céu & mdashat sua insistência, apenas em locais com multidões desagregadas & mdash até um acidente de avião fatal.

Ler um mapa supostamente enchia Freya Stark de & ldquoa certa loucura & rdquo, o que provocou explorações destemidas dos desertos remotos do Oriente Médio, narradas em mais de 20 livros começando com 1932 & rsquos Esboços de Bagdá. Seu meio de transporte preferido era nas costas de um burro ou camelo e, embora o sarampo, a disenteria, a dengue e outras doenças cobrassem seu preço, seu espírito ilimitado de aventura e sorriso pronto e pronto sempre perseverou. & ldquoCuriosidade & rdquo Stark escreve & ldquo é a única coisa invencível na natureza. & rdquo

Ler um mapa supostamente enchia Freya Stark de & ldquoa certa loucura & rdquo, o que provocou explorações destemidas dos desertos remotos do Oriente Médio, narradas em mais de 20 livros começando com 1932 & rsquos Esboços de Bagdá. Seu meio de transporte preferido era nas costas de um burro ou camelo e, embora o sarampo, a disenteria, a dengue e outras doenças cobrassem seu preço, seu espírito de aventura sem limites e sorriso pronto e pronto sempre perseverou. & ldquoCuriosidade & rdquo Stark escreve & ldquo é a única coisa invencível na natureza & rdquo

& ldquoWorld & rsquos garota mais viajada & rdquo

& ldquoWorld & rsquos a garota mais viajada & rdquo

Em 1922, Idris Galcia Hall, de 16 anos, perseguiu suas fantasias para & ldquosleep com os ventos do céu soprando em sua cabeça & rdquo quando ela respondeu a um anúncio para participar de uma turnê mundial. Ela ficou conhecida como Aloha Wanderwell e foi promovida como a garota mais viajada & ldquoworld & rsquos & rdquo por fim dirigindo por seis continentes em um Ford Modelo T.

Em 1922, Idris Galcia Hall, de 16 anos, perseguiu suas fantasias para & ldquosleep com os ventos do céu soprando em sua cabeça & rdquo quando ela respondeu a um anúncio para participar de uma turnê mundial. Ela ficou conhecida como Aloha Wanderwell e foi promovida como a garota mais viajada & ldquoworld & rsquos & rdquo por fim dirigindo por seis continentes em um Ford Modelo T.

Em busca de uma vida & ldquoquase explosiva em sua empolgação & rdquo, a jornalista Martha Gellhorn viu a & ldquoview do solo & rdquo em 53 países & mdashBarcelona durante a Guerra Civil Espanhola, China por sampana e cavalo e as praias da Normandia no Dia D. Descrevendo-se como & ldquopermanentemente deslocada & rdquo, a vagabunda glam se estabeleceu para uma temporada em Cuba como a terceira esposa de Ernest Hemingway, que aparece em seu livro de 1978, Viaja comigo mesmo e com outra pessoa.

Em busca de uma vida & ldquoquase explosiva em sua empolgação & rdquo, a jornalista Martha Gellhorn viu a & ldquoview do solo & rdquo em 53 países & mdashBarcelona durante a Guerra Civil Espanhola, China por sampana e cavalo e as praias da Normandia no Dia D. Descrevendo-se como & ldquopermanentemente deslocada & rdquo, a vagabunda glam se estabeleceu para uma temporada em Cuba como a terceira esposa de Ernest Hemingway, que aparece em seu livro de 1978, Viaja comigo mesmo e com outra pessoa.

O prolífico escritor galês Jan Morris viveu a primeira metade de sua vida como James Morris, destacado para a Palestina em 1946 como oficial de inteligência e descendo o Monte Everest para dar a notícia de seu primeiro encontro de sucesso em 1953. Após a transição para o sexo feminino em 1972 (a tipo diferente de jornada), Morris começou a escrever sobre lugares com seriedade, revelando um talento incomparável para retratos citadinos evocativos. Seus mais de 40 livros abrangem Veneza a Hong Kong, dos EUA ao mundo árabe.

A autora galesa Jan Morris viveu a primeira metade de sua vida como James Morris, destacado para a Palestina em 1946 como oficial de inteligência e descendo o Monte Everest para dar a notícia de seu primeiro encontro de sucesso em 1953. Após a transição para o sexo feminino em 1972 (um diferente tipo de viagem), Morris começou a escrever sobre lugares a sério, revelando um talento incomparável para retratos citadinos evocativos. Seus mais de 40 livros abrangem Veneza a Hong Kong, dos EUA ao mundo árabe.

Dervla Murphy escreveu o livro sobre viajar a todo vapor e literalmente. The Irishwoman & rsquos 1965 memórias, Full Tilt, narrou sua viagem solo de bicicleta de sua casa à Índia, passando pela Iugoslávia, Irã, Afeganistão e Paquistão. Os livros subsequentes giram em torno de viagens igualmente vorazes por meio de paisagens desafiadoras, incluindo um trabalho árduo de três meses com uma mula nas terras altas da Etiópia e uma jornada de 1.300 milhas pelos altos Andes peruanos com sua filha de nove anos. O fio condutor familiar em todas as suas façanhas: Abrace o imprevisível.

Dervla Murphy escreveu o livro sobre viajar a todo vapor e literalmente. The Irishwoman & rsquos 1965 memórias, Full Tilt, narrou sua viagem solo de bicicleta de sua casa à Índia, passando pela Iugoslávia, Irã, Afeganistão e Paquistão. Os livros subsequentes giram em torno de viagens igualmente vorazes por meio de paisagens desafiadoras, incluindo um trabalho árduo de três meses com uma mula nas terras altas da Etiópia e uma jornada de 1.300 milhas pelos altos Andes peruanos com sua filha de nove anos. O fio condutor familiar em todas as suas façanhas: Abrace o imprevisível.

San Mao, cujo nome verdadeiro era Chen Mao Ping, lançou sua ousada carreira como escritora e tradutora de Taiwan & rsquos & ldquowandering & rdquo com seu diário de viagem de 1976 Histórias do Saara. (Um exemplo de sua prosa lírica: & ldquoA cada vez que pensava em você, um grão de areia caía do céu. Assim se formou o deserto do Saara. & Rdquo) A boêmia poliglota flutuou entre a Alemanha, Espanha, noroeste da África, América Central e do Sul e nas Ilhas Canárias, passando grande parte de sua vida como expatriada e inspirando gerações de leitores e viajantes dedicados.

San Mao, cujo nome verdadeiro era Chen Mao Ping, lançou sua ousada carreira como escritora e tradutora de Taiwan & rsquos & ldquowandering & rdquo com seu diário de viagem de 1976 Histórias do Saara. (Um exemplo de sua prosa lírica: & ldquoA cada vez que pensava em você, um grão de areia caía do céu. Assim se formou o deserto do Saara. & Rdquo) A boêmia poliglota flutuou entre a Alemanha, Espanha, noroeste da África, América Central e do Sul e nas Ilhas Canárias, passando grande parte de sua vida como expatriada e inspirando gerações de leitores e viajantes dedicados.

Nenhum viajante é uma ilha - pelo menos não se a viajante Evita Robinson conseguir o que quer. O expatriado por três vezes fundou a Nomadness Travel Tribe, uma comunidade online projetada para viajantes de cor milenares. Seja mergulhando com tubarões na Cidade do Cabo ou ensinando inglês no Japão, os mais de 20.000 membros do Nomadness, mulheres predominantemente afro-americanas e mdash, surgiram como uma força na indústria de viagens nem sempre inclusiva. & ldquoEstamos aqui e somos relevantes & rdquo disse Robinson em sua palestra TED 2017 sobre viagens negras.

Nenhum viajante é uma ilha - pelo menos não se a viajante Evita Robinson conseguir o que quer. O expatriado por três vezes fundou a Nomadness Travel Tribe, uma comunidade online projetada para viajantes de cor milenares. Seja mergulhando com tubarões na Cidade do Cabo ou ensinando inglês no Japão, os mais de 20.000 membros do Nomadness, mulheres predominantemente afro-americanas e mdash, emergiram como uma força na indústria de viagens nem sempre inclusiva. & ldquoEstamos aqui e somos relevantes & rdquo disse Robinson em sua palestra TED 2017 sobre viagens negras.

Jovem Explorador da National Geographic

Jovem Explorador da National Geographic

A jovem exploradora da National Geographic, Erika S. Bergman, traz uma profundidade sem precedentes para suas viagens e se ela está escalando o dossel nebuloso da floresta tropical na Costa Rica ou implantando robôs subaquáticos no ártico gelado. O piloto de submarino de alto mar está mais em casa sondando águas desconhecidas. & ldquoQualquer um pode ser um aventureiro & rdquo, escreve ela. Sua rede de acampamentos de engenharia e programas de mentoria para meninas, Conselheiros de Engenharia e Exploração Globais, coloca esse mantra em ação.

Erika S. Bergman traz uma profundidade sem precedentes para suas viagens na National Geographic e se ela está escalando o dossel nebuloso da floresta tropical na Costa Rica ou implantando robôs subaquáticos no ártico gelado. O piloto de submarino de alto mar está mais em casa sondando águas desconhecidas. & ldquoQualquer um pode ser um aventureiro & rdquo, escreve ela. Sua rede de acampamentos de engenharia e programas de mentoria para meninas, Conselheiros de Engenharia e Exploração Globais, coloca esse mantra em ação.


Exploradores negros que devemos celebrar em vez de Colombo

Houve um tempo em que Cristóvão Colombo foi fortemente pressionado e aceito como o maior explorador deste lado do globo.

Não importa o pequeno detalhe de como alguém poderia & # 8220descobrir & # 8221 um lugar onde as pessoas já moram.

Mas, como os europeus há muito tempo reivindicaram ser a voz dominante, especialmente do chamado & # 8220New World & # 8221, sua versão dos eventos perdurou.

Como acontece com qualquer outra posição no mundo, os povos africanos também eram exploradores. Aqui estão alguns que todos devemos saber:

Abubakari II (também Abu Bakari, Abu Bakr II e Mansa Musa II)

Estudiosos ocidentais, em geral, rejeitaram a afirmação de que os africanos tiveram contato com as Américas muito antes de Colombo. Mas estudiosos como Ivan Van Sertima e Cheikh Anta Diop rejeitaram isso nos livros Eles vieram antes de Colombo (1976) e A Origem Africana da Civilização: Mito ou Realidade (1974). Mas eles não estavam sozinhos. Décadas antes, o respeitado palestrante de Harvard Leo Wiener, um estudioso russo de herança polonesa-judaica que era um poliglota habilidoso em mais de 20 línguas, notou a presença africana em seu livro de 1920 África e o Descobrimento da América.

Por volta de 2000, o historiador do Mali Gaoussou Diawara, autor de Abubakari II, disponível em francês, junto com outros pesquisadores africanos, começou a explorar a história de Abubakari, que uma vez governou o Império do Mali na África Ocidental, e a proclamá-lo a principal força por trás da chegada dos africanos às Américas antes de Colombo.

Diz-se que Abubakari é filho de Kolonkan, irmã de Sundiata Keita (também Sundjata Keita e Soundjata Keita), o imperador fundador do grande Império do Mali na África Ocidental. Em 1311, Abubakari abdicou de seu trono para Mansa Musa para perseguir sua crença de que o Oceano Atlântico, semelhante ao Rio Níger, tinha outra margem. Já durante seu governo, Abubakari havia financiado uma expedição de 200 barcos para encontrar o banco.

Quando apenas um navio voltou, com o capitão relatando que uma corrente varreu o resto da frota, levando-o a voltar, Abubakari organizou uma expedição de 2.000 barcos que ele próprio comandou. Acredita-se que Abubakari, que nunca mais voltou para casa, desembarcou no que hoje é Recife no Brasil e que alguns dos barcos anteriores desembarcaram nas Américas, incluindo o que hoje é o México e até mesmo no Colorado. É por isso que Wiener e outros antes e depois dele observam os primeiros vestígios da cultura africana nas Américas, alguns dos quais Colombo encontrou após sua chegada.

Os Irmãos Niño - Pedro Alonso (também Peralonso Niño), Francisco e Juan

Descrito como “El Negro”, o navegador e explorador Pedro Alonso Niño, filho de um espanhol branco e de uma africana escravizada, há muito é conhecido por acompanhar Colombo em sua primeira expedição às Américas em 1492 como piloto do Santa Maria. Embora Pedro seja um dos mais conhecidos da tripulação de Colombo, ele não estava sozinho - seus irmãos Francisco (o mais jovem) e Juan (o mais velho) também fizeram parte das viagens de Colombo.

Em sua casa em Moguer, Espanha, eles eram marinheiros proeminentes com experiência em viagens pelo Atlântico. Consta que Pedro chegou a navegar na costa da África Ocidental. Durante a primeira viagem de Colombo, Juan comandou o La Niña, que também era seu. Francisco era provavelmente um marinheiro do La Niña.

Os irmãos também participaram da segunda viagem de Colombo, na qual está bem documentado que Pedro estava com Colombo quando ele "descobriu" Trinidad. Na verdade, acredita-se que os filhos de Pedro e Juan também participaram das viagens de Colombo. O empreendedor Pedro partiu em sua própria expedição, em busca de riquezas nas Américas por onde Colombo não tinha se aventurado. Embora tenha retornado com sucesso à Espanha, ele foi acusado de enganar o rei em 20% do tesouro e preso. Ele morreu na prisão antes de poder ir a julgamento. Francisco morreu em Honduras. Não é amplamente conhecido onde Juan morreu.

Nascido na África, Juan Garrido foi escravizado em Portugal, mas começou sua carreira na exploração em Sevilha, Espanha, provavelmente como escravo. Por volta de 1502 ou 1503, ele desembarcou em Santo Domingo. Mais tarde, Garrido foi elevado ao status de conquistador e esteve com Ponce de Leon durante sua busca pela Fonte da Juventude na Flórida em 1513. Garrido também fez parte da invasão do México liderada por Hernán (também Hernando) Cortés em 1519, que resultou na conquista dos astecas.

Mais tarde, ele participou de expedições a Michoacán, no México, na década de 1520, e também viajou para as ilhas ao redor de San Juan e Cuba. Garrido, que se casou e teve três filhos, se estabeleceu na Cidade do México. Para garantir terras que, com base em seus serviços, deveriam ter sido automaticamente suas, ele deu testemunho de suas façanhas de 30 anos como conquistador, sem remuneração, em 1538. Hoje, ele também é creditado por ter colhido a primeira safra comercial de trigo em as Americas.

Segundo a maioria dos relatos, Esteban foi vendido como escravo por volta de 1513 em Azemmour, controlado por portugueses, na costa atlântica de Marrocos, por volta dos 10 a 13 anos, e levado para a Espanha, onde se tornou servo de Andrés Dorantes de Carranza. Com Dorantes, Esteban, que é rotulado de mouro pela maioria dos historiadores, viajou a Cuba para se juntar à expedição Pánfilo de Narváez para conquistar a Flórida para a Espanha. Embora criado como muçulmano, Esteban se converteu ao catolicismo, o que também era um requisito para participar de expedições espanholas às Américas. De Cuba, a expedição de cerca de 600 soldados espanhóis, portugueses e africanos chegou a Tampa Bay em 1528.

A maioria dos soldados morreu, no entanto. Eventualmente, um furacão deslocou Álvar Nuñez Cabeza de Vaca, Alonso del Castillo Maldonado, Dorantes e Esteban ao redor de Galveston, Texas. Supostamente capturado por povos nativos por cinco anos antes de se tornar livre, a tripulação de quatro homens caminhou por quatro anos pelo Novo México, Arizona e Norte do México até a Cidade do México. Mais tarde, em 1536, Esteban explorou o norte do México com Cabeza de Vaca. Por volta de 1539, ele fez parte de uma expedição liderada por Frei Marcos de Niza que explorou o terreno para a busca de Francisco Coronado pelas “Sete Cidades de Ouro”. Alegadamente, Esteban foi morto pela tribo Zuni perto da fronteira do Arizona e Novo México, mas seu corpo nunca foi recuperado.


Lista de exploradores

O seguinte é um lista de exploradores. Seus nomes comuns, países de origem (modernos e antigos), séculos em que estiveram ativos e as principais áreas de exploração estão listados abaixo.

Bartolomeu Dias é conhecido como o primeiro europeu a navegar pelo extremo sul da África, encontrando a rota marítima oriental para o Oceano Índico (1488).

Cristóvão Colombo. Famoso explorador italiano e possivelmente o explorador mais conhecido que já existiu. Conhecido por "descobrir" a América (1492).

John Cabot foi um navegador italiano que foi o primeiro europeu a navegar pela costa norte-americana desde os nórdicos, 500 anos antes (1497).

O navegador italiano Américo Vespucci fez várias viagens ao Novo Mundo. Ele é conhecido por convencer os europeus de que o Novo Mundo não é a Ásia, mas um continente desconhecido inteiramente novo. Este novo continente logo foi nomeado em sua homenagem, América (1497–1504).

O grande conquistador Afonso de Albuquerque invadiu, capturou e conquistou muitas cidades costeiras da Ásia para o Império Português. É também um dos primeiros europeus a navegar para as Índias Orientais e as Ilhas das Especiarias, juntamente com Francisco Serrão e António de Abreu (1503-15).

Vasco Núñez de Balboa é conhecido por ter cruzado o Istmo do Panamá até o Oceano Pacífico, tornando-se o primeiro europeu a alcançar e ver o Pacífico desde as Américas (1513).

Juan Sebastián Elcano assumiu o comando após a morte de Ferdinand e completou a viagem, tornando-se a primeira pessoa a circunavegar a Terra (1521-1522).

O corsário inglês Francis Drake saqueou muitas cidades e navios espanhóis no Caribe e em outros lugares. No entanto, ele é mais notável por completar a segunda circunavegação do mundo (1577-80).

Samuel de Champlain é conhecido como "O Pai da Nova França". Ele fundou os primeiros assentamentos europeus permanentes no Canadá e explorou muitos lagos e rios nas terras do interior desde a infância até sua morte (1603-35).

O explorador inglês Henry Hudson explorou o que hoje é Nova York e o nordeste do Canadá. Hoje ele tem um rio e uma baía com o seu nome (1609–1611).

James Cook. Famous British explorer who led three voyages to the Pacific. He is known for exploring and charting many islands in the ocean such as Polynesia, New Zealand, The Hawaiian Islands, and the eastern coast of Australia (1768–79).

Roald Amundsen was an explorer of the polar regions. He was the first person to reach the South Pole, and eventually also reached the North Pole by air (1910–26).

Why Is Christopher Columbus So Important?

Christopher Columbus was an explorer credited with discovering the New World on an expedition in 1492. Although he did not actually discover America, his expedition did kick off centuries of exploration, conquest and colonization.

For many generations, Columbus was credited with discovering the land people now know as America. However, because millions of people already lived in the lands making up North America and South America, many historians claimed that it was not possible for him to "discover" the land. He did discover the land that the Europeans did not know existed, thus opening it up for further exploration and colonization by European countries.

Early Travels and Voyages Columbus embarked on many voyages in the Mediterranean region beginning as a teenager. He also took many expeditions to Africa. In his time at sea, he heard tales of all of the riches available in China, India and the rest of Asia. It was an attractive destination for many Europeans, including Columbus. Unfortunately, land routes were becoming increasingly difficult to navigate due to hostile armies in the way. Many voyagers began traveling to Asia from Europe by sea in a route that went around the continent of Africa.

Columbus' First Voyage Columbus devised a plan to shorten the trip to Asia from Europe by traveling West across the Atlantic Ocean rather than around Africa. By his estimates, it would only be 2,300 miles from the Canary Islands to Japan. In reality, the distance is more than 12,000 miles. He presented this faster and safer route to monarchs in Portugal and England in hopes of securing a benefactor to finance his voyage. He was declined by both. In 1491, King Ferdinand and Queen Isabella of Spain agreed to his plan in hopes of finding fame and fortune and spreading Catholicism to Asia. They agreed to give Columbus 10 percent of the riches he found.

Setting Sail In 1492, Columbus set off with his three ships Ì¢‰âÂ‰Û Nina, Pinta and Santa Maria Ì¢‰âÂ‰Û across the Atlantic Ocean. A few months after setting sail, he landed in the Caribbean islands. He sailed around the islands for several months looking for riches and not finding much. He left behind several men and one ship before returning to Spain to show what he found.

Subsequent Voyages Between 1492 and 1504, Columbus made four separate voyages to the New World. Although Columbus did not find the material riches he was looking for, he did find another commodity worth of trade: slaves. Unfortunately, Queen Isabella was horrified by his gift of 500 slaves and would not accept them. Columbus was known for treating the natives in the Americas and the Caribbean horribly. By the end of his expeditions, he was arrested and stripped of his titles due to his brutal treatment of the native people and the conditions of his settlements.

Age of Exploration Although Columbus did not discover the Americas and was brutal to the people already living there, he is still an important figure in history. His voyages kicked off centuries of European exploration in the New World. Had he not landed in the Caribbean by mistake, perhaps English, French, Spanish and other European explorers would not have sent out explorers of their own.


History Lists: Explorers Not Named Columbus - HISTORY

EnchantedLearning.com is a user-supported site.
As a bonus, site members have access to a banner-ad-free version of the site, with print-friendly pages.
Click here to learn more.
(Already a member? Click here.)

You might also like:
Francisco Vasquez de Coronado: Explorer and ConquistadorHernando De Soto: ExplorerVasco da Gama: ExplorerExplorers - DJohn Cabot: ExplorerToday's featured page: Alligators Printout

Our subscribers' grade-level estimate for this page: 4th

An Enchanted Learning® Web Page
Zoom Explorers
UMA B C D E F G H eu J K eu M N O P Q R S T você V C X Y Z
Africa Antártica ártico Austrália Canadá México América do Norte América do Sul Space Undersea Mulheres
1300's and Earlier 1400's Early 1500's Late 1500's 1600's 1700's 1800's 1900's Glossary of Exploration Terms

Juan Ponce de Leon: Explorer
Juan Ponce de Leon (1460?-1521) was a Spanish explorer and soldier who was the first European to set foot in Florida. He also established the oldest European settlement in Puerto Rico and discovered the Gulf Stream (a current in the Atlantic Ocean). Ponce de Leon was searching for the legendary fountain of youth and other riches.

Born in Santervas, Spain, in 1460 (the date is uncertain), Ponce de Leon was a soldier fighting Muslims in southern Spain in the early 1490's. Ponce de Leon sailed on Christopher Columbus' second expedition to the Americas in 1493. Ponce de Leon did not return to Spain with Columbus he stayed in Santo Domingo (now called the Dominican Republic).

He was appointed governor of the Dominican province of Higuey. He later heard of gold in the neighboring island of Borinquen (now called Puerto Rico) and brutally conquered the island, claiming it for Spain. He was then appointed governor of this island. Due to his extreme brutality to Native Americans, he was removed from office in 1511.

Ponce de Leon was then given the right to find and take the island of Bimini (in the Bahamas) he was searching for riches and the fountain of youth (a legendary spring that gave people eternal life and health). He sailed from Puerto Rico on March 3, 1513, with three ships, the Santa Maria, the Santiago, and the San Cristobal, and about 200 men. After stops at Grand Turk Island and San Salvador, they reached the east coast of Florida (St. Augustine) in April 1513. Ponce de Leon named the land "Pascua de Florida" (feast of flowers) because they first spotted land on April 2, 1513, Palm Sunday. He then claimed the land for Spain.

They left on April 8, heading south in the warm current now known as the Gulf Stream. This oceanic current would become very important for Spanish trips from Europe to America. On the return trip, a fight broke out between Ponce de Leon's men and Native Americans in southern Florida. They sailed to Cuba, then headed north, again trying to find Bimini (but instead, finding Andros Island).

After returning to Puerto Rico, Ponce de Leon resumed fighting with the Native Americans (putting down their rebellions against Spanish rule). He returned to Spain and was named a Captain General by the King of Spain on September 27, 1514, and again sailed to Puerto Rico to search for the elusive Bimini.

His last expedition was another search for Bimini in 1521. His force of 200 men landed on the west coast of Florida, but were met by Native American warriors, who wounded many of the men with arrows, including Ponce de Leon. Ponce de Leon later died in Havana, Cuba, from this wound (in July, 1521). He is buried in San Juan, Puerto Rico.


10 Portuguese explorers who changed the world

by VxMag

ArtigosRelacionados

Soviet cars: 6 brands that made history in the Soviet Union

What is the Kremlin? And how many Kremlins are there in Russia?

Ivan the Great (Ivan III) and the birth of the myth of the third Rome

St. Basil’s Cathedral: the symbol of Moscow

T here was a time when the Portuguese dominated the seas and set out to discover and conquer new worlds. The Portuguese explorers were responsible for discovering more than 70% of the world previously unknown to Europeans. Many of these discoveries were not made official because Portugal was too small to be able to dominate, colonize and defend all territories against the other European powers. Territories such as Greenland, Newfoundland and Australia were discovered by the Portuguese and colonized by other peoples. Even small islands or archipelagos were left to abandon after discovered, such as the Maldives or Vanuatu. These are some of the most famous Portuguese explorers.

1. Vasco da Gama

Vasco da Gama

Vasco da Gama was born in Sines in 1468/69, and died in Cochin, India on December 24, 1524. The third of six brothers, son of Stephen of the Gama – governor of Sines – and Isabel Sodré and grandson of a homonym Vasco da Gama, judge in Elvas. He was a Portuguese navigator and explorer during the Age of Discovery, distinguished by his work as commander of the first ships to sail directly from Europe to India. At the end of his life he was, for a short time, governor of Portuguese India with the title of Viceroy.

2. Pedro Álvares Cabral

Pedro Álvares Cabral

A few months after Vasco da Gama arrived from India, and according to the information he had given the Portuguese king, a new armada was prepared with orders to wage war if necessary, in addition to establishing commercial relations in the region. Pedro Álvares Cabral commanded thirteen ships with about 1200 men. Purposely or due to a storm, the navy made a greater deviation to the west and to the 22 of April of 1500 was sighted terra firma. Pedro Álvares Cabral ordered the return to Portugal of a ship with the famous “Carta de Pero Vaz de Caminha a El-Rei D. Manuel I”, reporting the discovery of the Land of Vera Cruz (later called Brazil). This discovery and control of the Brazilian coastline will become critical to maintaining the safety of shipping to India. Brazil is integrated into the empire without a definite plan, which did not prevent D. Manuel from ordering its economic exploitation and consequent colonization.

3. Ferdinand Magellan

Ferdinand Magellan

In search of fame and fortune, Portuguese explorer Ferdinand Magellan (c. 1480-1521) set out from Spain in 1519 with a fleet of five ships to discover a western sea route to the Spice Islands. En route he discovered what is now known as the Strait of Magellan and became the first European to cross the Pacific Ocean. The voyage was long and dangerous, and only one ship returned home three years later. Although it was laden with valuable spices from the East, only 18 of the fleet’s original crew of 270 returned with the ship. Magellan himself was killed in battle on the voyage, but his ambitious expedition proved that the globe could be circled by sea and that the world was much larger than had previously been imagined.

4. Christopher Columbus

Cristóvão Colombo

It has always been up for debate weather Christopher Columbus’s nationality was Spanish or Portuguese, but nowadays historians are inclining more and more towards Italian. He lived in Portugal for quite a while, and therefore is included in our list. Between 1492 and 1503, he managed to complete four voyages, all of them starting off the coast of Spain and towards the North and South America. His endeavors were founded by the Crown of Castile. He famously discovered North America in 1492, whilst being convinced that he had actually reached the shores of India. Columbus’s voyages notably mark the onset of European exploration of the world, but also of its colonization.

5. Diogo Cão

Diogo Cão

Diogo Cão was a Portuguese navigator of the fifteenth century who was possibly born in the Parish of Sá, in the municipality of Monção, or in the region of Vila Real, or even in Évora, at an unknown date, since only the royal family made concrete records of the date of birth and death. Squire and later Knight of the House of the Infante D. Henrique, realized in the reign of D. John II two trips of discovery of the coast southwest African, between 1482 and 1486. After several problems he continued to the point of the Farilhões (Serra Parda), at 22º 10′, south latitude, where he returned to Zaire, who went up to visit the Congo King with whom he established his first relations, leaving an inscription confirming his arrival at the falls of Ielala, near Matadi. Arriving at the mouth of the Zaire River, Diogo Cão thought he had reached the southernmost point of the African continent (Cape of Good Hope), which was actually bent by Bartolomeu Dias shortly thereafter, and which he initially called Cape Storm. In 1485 it arrived at the Cape of the Cross (present Namibia). He introduced the use of stone patterns, instead of wooden crosses, to mark the Portuguese presence in the discovered areas.

6. Diogo Silves

Azores old map

Portuguese navigator of the XV century, was born in Silves, Algarve, and rendered services to the Infante D. Henrique, as pilot, in the time of the Discoveries. It is thought that it was thanks to a deviation that occurred during a habitual trip in the Atlantic Ocean that this sailor discovered the Azorean islands of the central and eastern groups in 1427. The first island to be sighted and contributed was that of Santa Maria. The feat of Diogo de Silves is known thanks to the allusion made to him by Gabriel de Valsequa, a Catalan cartographer, in 1439.

7. Bartolomeu Dias

Bartolomeu Dias

Bartolomeu Dias, a Portuguese of Jewish origins born in 1450, won his place in the history of Portugal and the World because he was the first European to sail beyond the southern tip of the European continent. The Portuguese navigator, in the service of Dom Joao II, King of Portugal, was able to “double” Cape Storm, a place that would henceforth be known as Cape of Good Hope in a clear allusion to the fact that this the starting point for reaching the Indian Ocean from the Atlantic Ocean and all the economic and expansionary possibilities that this had at the time. Bartolomeu Dias was entrusted with this important mission above all because he was a man of a level of training who guaranteed to the Portuguese monarch a very large percentage of possible success.

8. Gaspar and Miguel Corte Real

Labrador map

The Corte Real brothers were members of a noble Portuguese family. Gaspar was apparently the more aggressive of the two. In 1499 he learned of a grant from King Manoel I to a fellow Portuguese, John Fernandes, to undertake an expedition into the North Atlantic. Manoel sought to establish Portuguese control over a Northwest Passage to India and the Spice Islands. He also wanted someone who would establish Portugal’s claims to any new lands that might be discovered in this area. Fernandes did not immediately make use of his grant from the King. Gaspar seized the opportunity to obtain royal permission to undertake his own exploratory expedition in May 1500. Gaspar Corte Real left Lisbon in the summer of 1500 in a fleet of three ships, financed by his family. He sailed first to Greenland and spent several months exploring its shoreline. During this time he contacted the natives, whom he compared to the wild natives of Brazil. His ships stayed in Greenland’s waters until the winter icebergs forced them to leave. Gaspar and his ships returned to Portugal in late 1500. The following year Gaspar organized another expedition, this time in conjunction with his brother Miguel. Their expedition departed in May 1501, again bound for unknown lands to the northwest. When they reached land after about 5 weeks, they found themselves on the shores of Labrador. They explored south along the coast, charting approximately 600 miles of shore.

9. João Gonçalves Zarco and Tristão Vaz Teixeira

João Gonçalves Zarco and Tristão Vaz Teixeira

João Gonçalves Zarco (1390 – 1471) was a Portuguese explorer who established settlements and recognition of the Madeira Islands, and was appointed first captain of Funchal by Henry the Navigator. Zarco was born in Portugal, and became a knight at the service of Prince Henry the Navigator’s household. In his service at an early age, Zarco commanded the caravels guarding the coast of Algarve from the incursions of the Moors, was at the conquest of Ceuta, and later led the caravels that recognized the island of Porto Santo in 1418 to 1419 and afterward, the island of Madeira 1419 to 1420. Tristão Vaz Teixeira (1395 –1480) was a Portuguese navigator and explorer who, together with João Gonçalves Zarco and Bartolomeu Perestrelo, was the official discoverer and one of the first settlers of the archipelago of Madeira (1419–1420). Tristão was a nobleman of Prince Henry the Navigator’s House, taking part in the conquest of Ceuta. Around 1418, while exploring the coast of Africa, he and João Gonçalves Zarco were taken off course by bad weather, and came upon an island which they called Porto Santo (Holy Harbor). Shortly after, they were ordered by Prince Henry to settle the island, together with Bartolomeu Perestrelo. Following a rabbit outbreak that made it difficult to grow crops, they moved to the nearby island of Madeira

10. Duarte Pacheco Pereira

Duarte Pacheco Pereira

Duarte Pacheco Pereira (1460 – 1533), called the Portuguese Achilles (Aquiles Lusitano) by the poet Camões, was a Portuguese sea captain, soldier, explorer and cartographer. He travelled particularly in the central Atlantic Ocean west of the Cape Verde islands, along the coast of West Africa and to India. His accomplishments in strategic warfare, exploration, mathematics and astronomy were of an exceptional level. It has also been suggested that Duarte Pacheco Pereira may have discovered the coasts of Maranhão, Pará and Marajó island and the mouth of the Amazon River in 1498, preceding the possible landings of the expeditions of Amerigo Vespucci in 1499, of Vicente Yáñez Pinzon in January 1500, and of Diego de Lepe in February 1500 and the Cabral`s expedition in April 1500, making him the first known European explorer of present-day Brazil. This claim is based on interpretations of the cipher manuscript Esmeraldo de Situ Orbis, written by Duarte Pacheco Pereira.


But what about America itself?

Why aren’t the continents of North and South America called “Columbusia” after Christopher Columbus? The word America comes from a lesser-known navigator and explorer, Amerigo Vespucci. Who made the decision? A cartographer.

Like Columbus, Vespucci traveled to the New World (first in 1499 and again in 1502). Unlike Columbus, Vespucci wrote about it. Vespucci’s accounts of his travels were published between 1502 and 1504 and were widely read in Europe. Columbus was also hindered because he thought he had discovered another route to Asia he didn’t realize America was a whole new continent. Vespucci, however, realized that America was not contiguous with Asia. He was also the first to call it the New World, or Novus Mundus in Latin.

With the discovery of this “New World,” maps were being redrawn all the time. No one really knew what land was where or how big it was. Because of this confusion, maps from the 1500s are incredibly inaccurate and contradictory. (They also often feature drawings of mythical sea creatures.)


A Successful Journey

Roald Amundsen was the first to make the journey through the Passage entirely by ship.

The expeditions led by Franklin and McClure were examples of the British tradition of exploration with expensive ships that were well-funded with supplies and modern technologies. In contrast, a Norwegian explorer named Roald Amundsen set sail with a small crew of six on a small and shallow-draft vessel called the Gjøa. He was escaping creditors who were seeking to stop the expedition.

As Amundsen’s expedition travelled past Baffin Island, they harboured off King William Island to take shelter from the winter. They spent two winters (1903-04 and 1904-05) in what is now a community called Gjøa Haven. They learned from the local Netsilik Inuit people how to survive in the Arctic.

The ship Gjøa (frammuseum.no)

Leaving Gjøa Haven, they continued to sail west past Cambridge Bay and Victoria Island until they finally emerged out of the Canadian Arctic islands in August 1905. They decided to winter here before they made the final journey back to Norway.

Norway had recently gained independence from Sweden and had a new king, so Roald was excited to inform him of their success. Roald skied 800 km to Eagle City, Alaska. He used a telegraph station to send the news home, before heading 800 km back to his crew.

It wasn’t until 1942 that Henry Larsen, a Canadian RCMP officer, became the second to sail the entire passage. Larsen first traveled west to east on a two-year expedition departing from Vancouver in 1940 and arriving in Halifax in 1942. In 1944, his return trip set the record for traversing the route in a single season. The ship had undergone extensive upgrades and followed a more northerly route that was partially uncharted at the time.


Assista o vídeo: HISTÓRIA OCULTA DA AMERICA DO SUL