USS Indianapolis (CA-35)

USS Indianapolis (CA-35)

USS Indianapolis (CA-35)

Introdução e pré-guerra

USS Indianápolis (CA-35) foi um cruzador da classe Portland que lutou nas Aleutas, nas Ilhas Gilbert e Marshall, em Saipan, na batalha do Mar das Filipinas, em Tinian, Guam, as Carolinas, Iwo Jima e Okinawa, mas é melhor conhecido por ter sido afundado depois partes da primeira bomba atômica para Tinian. o Indianápolis ganhou 10 estrelas de batalha pelo serviço na Segunda Guerra Mundial.

o Indianápolis foi estabelecido em março de 1930, lançado em novembro de 1931 e comissionado em 15 de novembro de 1932. Ele foi equipado para servir como uma nau capitânia, e isso também o tornou um navio adequado para transportar VIPs. Uma de suas primeiras missões após o cruzeiro de shakedown foi transportar o presidente Roosevelt para Annapolis em julho de 1933. Em setembro de 1933, ela se tornou a nau capitânia do Secretário da Marinha enquanto ele conduzia uma viagem de inspeção dos meios navais dos EUA no Pacífico. Em 1 de novembro de 1933, ela se tornou a capitã da Força de Escotismo. Nessa função, ela carregou o presidente Roosevelt quando ele revisou a frota em 1934 e novamente quando fez uma visita à América do Sul, visitando o Rio de Janeiro, Buenos Aires e Montevidéu.

Serviço de guerra

Quando os japoneses atacaram Pearl Harbor, o Indianápolis estava no mar, realizando um bombardeio simulado da Ilha Johnston (750 milhas náuticas a sudoeste do Havaí). Após o ataque japonês, ela se juntou à Força-Tarefa 12, que participou de uma tentativa malsucedida de encontrar os porta-aviões japoneses. Ela então retornou a Pearl Harbor, chegando em 13 de dezembro, onde se juntou à Força-Tarefa 11.

o Indianápolis forneceu parte da força de cobertura para as transportadoras Lexington e Saratoga durante as primeiras operações no Pacífico Sul e em torno da Nova Guiné. Sua primeira experiência de combate ocorreu em 20 de fevereiro de 1942, quando a frota foi atacada por dezoito aeronaves japonesas, abatendo 16 delas. Em 10 de março as operadoras, com Yorktown adicionado à força, lançou um ataque aos navios japoneses em Lae e Salamaua. A frota estava situada ao sul da Nova Guiné e a aeronave voou para o norte através da ilha para pegar os japoneses de surpresa.

Após este ataque, o Indianápolis voltou aos Estados Unidos para uma reforma no Estaleiro Marinha da Ilha Mare. Isso durou até julho, quando ela voltou ao Pacífico escoltando um comboio para a Austrália. Ela então se mudou para o lado oposto do Pacífico para participar da Campanha das Aleutas. Em 7 de agosto o Indianápolis tomou parte em um bombardeio da Ilha de Kiska. Em janeiro de 1943, ela apoiou a invasão de Amchitka. Em 19 de fevereiro de 1943, enquanto navegava a sudoeste de Attu, ela interceptou e destruiu o Akagane Maru, um navio de carga japonês.

o Indianápolis permaneceu nas Aleutas até o final da campanha. Ela apoiou a invasão de Attu em maio de 1943 e a invasão de Kiska em 15 de agosto. Quando os americanos desembarcaram em Kiska, descobriram que os japoneses haviam evacuado a ilha sob a cobertura do terrível tempo.

o Indianápolis agora voltou ao centro da luta, tornou-se a nau capitânia do vice-almirante Spruance (5ª Frota). Ela participou da Operação Galvânica, a invasão das Ilhas Gilbert, bombardeando Tarawa em 19 de novembro e Makin em 20 de novembro. Ela então apoiou as tropas americanas que lutavam em Tarawa.

o Indianápolis ainda era a nau capitânia da frota para a invasão das Ilhas Marshall. Ela bombardeou o Atol de Kwajalein em 31 de janeiro e apoiou a invasão de 1º de fevereiro de 1944. Em 2 de fevereiro, ela até mesmo realizou uma rastejante barragem para apoiar as tropas americanas. Ela conseguiu entrar na lagoa em 4 de fevereiro, onde permaneceu até o final da batalha.

Em março-abril de 1944, ela participou de uma série de ataques às ilhas Palau. Estes foram principalmente ataques de porta-aviões e aeronaves atingiram as Ilhas Palau em 30-31 de março, Yap e Ulithi em 31 de março e Woleai em 1 de abril. o Indianápolisde O principal papel era lutar contra aeronaves japonesas e ela abateu um torpedeiro durante os ataques.

Em junho o Indianápolis participou da invasão das Ilhas Marianas. Em 13 de junho, ela participou de um bombardeio de Saipan, disparando suas principais armas em ação. Os japoneses responderam à invasão de Saipan enviando uma frota poderosa para atacar os americanos, na esperança de travar a única batalha decisiva em torno da qual haviam construído sua estratégia. O resultado foi de fato uma grande batalha - a Batalha do Mar das Filipinas (junho de 1944), mas seriam os japoneses que sofreram a derrota. o Indianápolis fazia parte da escolta de uma força de porta-aviões rápida enviada para atacar bases aéreas em Iwo Jima e Chichi Jima, em seguida, voltou a reunir-se à frota pouco antes da batalha principal. Durante a batalha, ela abateu um avião torpedeiro japonês.

o Indianápolis regressou às Ilhas Marianas a 23 de junho. Ela participou dos combates em Tinian, antes de se tornar o primeiro navio de guerra dos EUA a entrar no Porto de Apra em Guam, uma base dos EUA antes da guerra. Ela então se mudou para Peleliu, onde bombardeou alvos costeiros de 19 a 29 de setembro.

Depois de servir em Peleliu, ela voltou para a Ilha de Mare para uma reforma. Ela então se juntou à força de porta-aviões rápido do almirante Marc Matcher e participou do primeiro ataque de porta-aviões a Tóquio desde o ataque do Doolittle de abril de 1942. O ataque, em 16-17 de fevereiro de 1945, serviu tanto como um golpe contra o moral japonês, quanto como cobertura para a invasão de Iwo Jima.

Após o ataque às ilhas, a frota mudou-se para se juntar ao ataque a Iwo Jima. o Indianápolis atuou como navio de bombardeio em terra durante grande parte da batalha, permanecendo até o início de março.

O mesmo padrão foi repetido para a invasão de Okinawa. Em meados de março, os porta-aviões deixaram Ulithi e em 18 de março atacaram alvos em Kyushu e Honshu. Em 24 de março o Indianápolis começou sete dias de bombardeio costeiro em Okinawa. Em 31 de março, ela foi atacada por um único caça. Apesar do fogo pesado, o caça conseguiu lançar uma bomba a bombordo do convés principal da popa, antes de colidir com o navio. o Kamikaze O ataque causou poucos danos, mas a bomba penetrou na blindagem do convés, atravessou todo o navio e explodiu embaixo dele. A explosão criou dois buracos subaquáticos e matou nice. Parte do navio inundou, mas o problema foi mantido sob controle e ela foi capaz de se mudar para um navio de salvamento sob seu próprio poder. Ela sofreu danos bastante graves no ataque, mas ainda estava prestes a voltar para a Ilha de Mare sob seu próprio poder.

Depois que o último conjunto de reparos foi concluído, o Indianápolis recebeu uma missão importante: transportar as partes das bombas atômicas através do Pacífico até Tinian. Ela deixou São Francisco em 16 de julho, chegou a Pearl Harbor em 19 de julho e chegou a Tinian em 26 de julho, uma viagem de 5.000 milhas em 10 dias.

o Indianápolis alcançou Tinian em 26 de julho e entregou sua carga mortal. Seu próximo porto de escala foi Guam. Ela foi então enviada em uma viagem de rotina para Leyte, bem longe das principais zonas de combate. Seu capitão, Charles McVay, queria uma escolta de contratorpedeiro, mas a área era considerada segura e então o cruzador navegou sem escolta. No início da manhã de 30 de julho de 1945, ela cruzou o caminho do submarino japonês I-58, comandado pelo Tenente Cdr. Mochitsura Hashimoto. Ele primeiro seis torpedos, dois dos quais atingiram o Indianápolis em o lado frontal de estibordo. Ela afundou em apenas doze minutos.

Tragicamente, a perda do Indianápolis não foi notada em Leyte, onde deveria ter chegado em 31 de julho. Seus sobreviventes foram finalmente descobertos por um patrulhamento Lockheed PV-Ventura e o esforço de resgate finalmente começou. O atraso significou que apenas 316 dos 800 sobreviventes estimados foram resgatados. o Indianápolis era o último grande navio de guerra Aliado a ser afundado durante a Segunda Guerra Mundial.

Modificações em tempo de guerra

No início de 1942, o Indianápolis recebeu armas quad 1.1in para melhorar seu poder de fogo antiaéreo.

Em 1943 o Indianápolis foi dado controle de fogo e radar de busca. Parte do equipamento de radar foi transportado em um novo mastro de tripé de treliça que foi adicionado perto do funil de popa. Vários canhões antiaéreos de 20 mm também foram instalados. Na época em que lutou nas Aleutas, ela também carregava um suporte de canhão gêmeo Bofors de 40 mm na torre Número Três.

No verão de 1944, seis canhões Bofors quádruplos de 40 mm foram adicionados e o número de canhões de 20 mm foi aumentado para dezenove. Ao mesmo tempo, o número de aeronaves foi reduzido para três e a catapulta de estibordo removida.

Deslocamento (padrão)

10.258t

Deslocamento (carregado)

12.755t

Velocidade máxima

32,5kts

Faixa

10.000 nm a 15kts

Armadura - cinto

2,25 pol.

- maquinário

Cinto de 0,75 pol.
Deck de 2,5 polegadas

- revistas

Cinto de 5,75 polegadas
Deck de 2,125 pol

- barbetes

1,5 pol.

- casas de armas

2,5 polegadas
Telhado de 2 polegadas
0,75 pol. Lateral e traseira

Comprimento

610 pés oa

Armamentos

Nove canhões de 8 polegadas (três torres de 3 canhões)
Oito armas 5in / 25 (oito posições individuais)
Oito armas de 0,5 pol. (Oito posições individuais)
Quatro aeronaves

Complemento de tripulação

807 (917 Indianápolis)

Deitado

31 de março de 1930

Lançado

7 de novembro de 1931

Concluído

15 de novembro de 1932

Perdido

30 de julho de 1945


Destroços do USS Indianapolis encontrados

& cópia 2017 Navigea Ltd. R / V Petrel

O sino de um navio é visível em meio aos destroços do USS Indianapolis.

Mais de 70 anos depois que o cruzador pesado foi afundado com a maior perda de vidas na história da Marinha dos EUA, uma expedição localizou os destroços do Indianápolis no fundo do Oceano Pacífico Norte, a mais de 18.000 pés abaixo da superfície.


A busca por sobreviventes

“À medida que nos aproximávamos do local, todas as mãos que não eram necessárias para operar o motor, a sala de incêndio, o CIC ou o rádio foram chamadas ao convés e posicionadas o mais alto possível para procurar visualmente por sobreviventes. Decidi não usar nossas quatro embarcações de pouso LCVP para pegar pessoas fora da água. As tripulações dos barcos tinham visão horizontal limitada, em comparação com os vigias do navio. E, quaisquer homens recolhidos pelos barcos ainda teriam que ser transferidos para o Ringness.

“Por volta das 10h, encontramos nosso primeiro grupo de sobreviventes - oito ou nove homens a bordo de três jangadas amarradas. Um dos homens, um oficial de calça cáqui, estava de pé e agitava freneticamente os braços, como se não víssemos as jangadas e fôssemos atropelá-las. o Ringness foi cuidadosamente manobrado ao lado das jangadas, e os sobreviventes escalaram as redes de carga com o mínimo de ajuda de nossa tripulação.

“O oficial resgatado provou ser o capitão Charles B. McVay III, oficial comandante de Indianápolis. Sobre o resgate, um autor afirmou: ‘McVay cambaleou até a ponte e gaguejou sua história para o Tenente Comandante. William C. Meyer, capitão do Ringness.… 'Esta afirmação simplesmente não é verdade. Quando o capitão McVay subiu a bordo, ele recebeu atenção médica imediata e foi acomodado na cabine do comandante. Ele era um oficial da marinha muito honrado para interromper a companhia de um navio envolvida no resgate de seus homens do mar. Meu primeiro contato pessoal com o capitão foi na minha cabine por volta da 1 hora. Isso foi depois que eu determinei que nosso setor estava totalmente coberto e eu verifiquei com o médico do nosso navio se estaria tudo bem em falar com o Capitão McVay.


Um pesadelo aquático

Estima-se que quatrocentos homens morreram nas explosões do torpedo, mas 850 homens conseguiram escapar para o mar. O cruzador afundou tão rápido, porém, que poucos botes salva-vidas e jangadas foram colocados na água. A maioria dos sobreviventes dependia de seus coletes salva-vidas para mantê-los à tona.

O terror começou na segunda-feira - quando os tubarões atacaram. Mas os tubarões não eram o único perigo a ser enfrentado. Como nenhuma outra nave Aliada estava nas proximidades e nenhum SOS havia sido enviado, nenhuma autoridade Aliada saberia por um tempo considerável sobre o naufrágio, atrasando assim os esforços de resgate. As horas, depois os dias, passaram. A exposição ao sol ofuscante, vômitos por engolir água do mar e óleo, sede extrema e puro desespero logo diminuíram as fileiras dos sobreviventes. Os coletes salva-vidas ficaram encharcados e perderam a flutuabilidade, arrastando os marinheiros para uma sepultura de água.

Os homens na água tentaram atrair a atenção de aeronaves distantes, mas por dias sem sucesso. Somente quatro dias depois, um piloto de bombardeiro da Marinha avistou a mancha de óleo do Indianápolis, e percebi dezenas de homens delirantes acenando freneticamente para ele.

Um hidroavião Catalina PBY logo chegou e largou botes salva-vidas e suprimentos. O piloto então pousou na água e 56 homens subiram a bordo - cobrindo o corpo e as asas. O PBY tornou-se um barco de resgate.


Sobrevivendo ao naufrágio do USS Indianápolis

Centenas de tripulantes do navio flutuaram no Pacífico por dias. Sua localização e destino eram desconhecidos da Marinha dos Estados Unidos.

Natural de Massachusetts, Harlan Twible era recém-formado na Academia Naval dos Estados Unidos quando foi designado para o cruzador pesado USS Indianápolis (CA-35) no final de junho de 1945. Ele queria ser designado para um navio mais novo e mais glamoroso, desejando ser aviador naval ou submarinista. Como qualquer jovem e confiante graduado da Academia, Twible queria conquistar um lugar para si na história e presumiu que um cruzador como o Indianápolis, carinhosamente conhecido como o “Indy” por sua tripulação, não seria aquele navio. O destino provaria que ele estava errado nessa suposição.

Em 26 de julho de 1945, Twible e “Indy” estavam sentados nas docas da ilha de Tinian. Twible, que servia como oficial do convés naquele dia, olhou para o outro lado do cais e notou um contingente anormalmente grande de “oficiais” - oficiais militares de alta patente - agrupados em grandes grupos no cais. O que Twible não sabia na época era que sua nave havia transportado peças vitais para a primeira arma nuclear do mundo a ser usada na guerra para cientistas em Tinian. A missão do navio era ultrassecreta, então os oficiais e homens não tinham ideia da importância de sua carga ou por que havia tantos oficiais de alto escalão observando a tripulação descarregar sua carga vital. “Havia almirantes. . . tudo o que era importante na ilha de Tinian estava lá para saudar o que mais tarde descobrimos ser a bomba ”, disse ele.

Após a entrega de sua carga, o “Indy” foi enviado para Guam e ordenado a se juntar a outras forças de superfície na área do Golfo de Leyte, nas Filipinas, para treinamento adicional antes da invasão do Japão. Em 29 de julho de 1945, “Indy” estava navegando em direção ao seu encontro com a frota a uma velocidade de 17 nós, sem escolta e sozinho. Às 00h15 de 30 de julho, o cruzador pesado foi atingido por dois torpedos japoneses disparados do submarino I-58. O primeiro torpedo explodiu a proa do navio enquanto o segundo atingiu quase no meio do navio perto do paiol de pólvora. A explosão resultante dividiu literalmente o navio até a quilha, tirando toda a força e fazendo-o afundar pela proa rapidamente.

A bordo do navio atingido, o jovem alferes Twible olhou em volta para não encontrar nenhum oficial encarregado da situação caótica. “Sabíamos que estávamos em apuros”, disse ele. “Então eu assumi o comando e disse a eles para se agarrarem a qualquer coisa que pudessem. . . . Então, quando a inclinação ficou muito grande. . . Dei a ordem de abandonar o navio. Ninguém abandonou, então gritei: 'Siga-me!' E os corpos chegaram tão rápido que foi inacreditável. ” Twible pulou no mar e imediatamente nadou para longe do navio. Indianápolis afundou em apenas 12 minutos, trazendo quase 300 de sua tripulação com ela. Enquanto ela desaparecia sob as ondas, 900 tripulantes do navio flutuaram no Oceano Pacífico, sua localização e destino desconhecidos para a Marinha dos EUA.

Após o naufrágio do navio, a próxima tarefa para Twible e seus companheiros era a sobrevivência em mar aberto. Muitos membros da tripulação, incluindo Twible, foram feridos durante as explosões do torpedo, alguns gravemente. “Todo mundo estava morrendo de medo”, disse ele. “Eram todos garotos de 18 e 19 anos.” Apesar da pouca idade, os homens ficaram um tanto calmos depois de serem colocados na água. “Não houve nenhuma luta, nenhuma turbulência.” ele disse. “Mas todo mundo estava com medo.” Muitos membros da tripulação formaram grupos para proteção mútua à medida que a noite avançava. Quando o sol nasceu, Twible fez uma contagem e percebeu que era o único oficial encarregado de 325 sobreviventes.

À medida que o primeiro dia avançava para o quarto dia, muitos dos homens começaram a perder a fé de que um dia seriam resgatados. “Tentamos fazer com que os homens pensassem que seriam salvos, mas não havia como na terra verde de Deus eu saber que seríamos salvos”, disse ele. “Meu medo era realmente pelos homens, não por mim. Minha maior preocupação era que as pessoas que poderíamos salvar, nós as salvássemos. ”

O desespero e o medo cresceram entre os homens que flutuavam nas águas infestadas de tubarões. A imagem comum da história de Indianápolis é a de centenas de homens sendo devastados por tubarões por dias a fio. Embora tenha havido muitos ataques de tubarão, o número exato de morte por ataque de tubarão entre os sobreviventes é desconhecido, havia muitos sobreviventes que nunca viram um tubarão. Twible e seu grupo, no entanto, não estavam entre esses homens afortunados. Os tubarões agarraram alguns dos sobreviventes que haviam flutuado para longe dos grupos maiores, então Twible organizou "vigias de tubarão" para manter os homens juntos e afastar os tubarões quando eles entrassem. Os tubarões geralmente ficavam longe dos grupos maiores, o que iria espancar e chutar os tubarões, normalmente afastando-os. Ainda assim, os predadores cobraram seu tributo aos sobreviventes do grupo de Twible. Twible insistiu em separar os mortos dos destroços flutuantes aos quais eles haviam se amarrado e, em seguida, empurrá-los para o mar para que os que restassem não tivessem um exemplo visual constante de seu destino potencial.

Depois de quatro dias e cinco noites, os sobreviventes foram finalmente avistados por uma aeronave da Marinha dos Estados Unidos em patrulha de rotina. O piloto transmitiu por rádio o relato de "muitos homens na água", que alertou um barco voador PBY que, por sua vez, alertou um contratorpedeiro próximo, o USS Cecil Doyle (DD-368). Resgatando marinheiros durante a noite, o PBY e o destruidor foram a resposta às orações do sobrevivente. Dos 900 homens que entraram na água, apenas 316 sobreviveram para serem resgatados. o Indianápolis O desastre continua sendo uma das piores - e mais controversas - tragédias da história da Marinha dos Estados Unidos.

Harlan Twible permaneceu na Marinha após a Segunda Guerra Mundial, servindo durante a Guerra da Coréia, eventualmente se aposentando em 1958 devido a problemas de saúde sofridos durante sua flutuação no Oceano Pacífico. Ele entrou no mundo dos negócios e se tornou bem-sucedido, aposentando-se aos 54 anos e se mudando para a Flórida com sua esposa. Como muitos veteranos de combate, Harlan Twible nunca falou sobre o desastre nos anos imediatamente seguintes à guerra. Ele fez o possível para esquecer o que havia acontecido e não discutiu o naufrágio e o tempo que passou à deriva no mar, nem mesmo com sua esposa. Inicialmente, a experiência horrível foi demais para Twible compartilhar, mas seus pensamentos finalmente mudaram. Ele sente que falar sobre o desastre ajuda as pessoas a se lembrarem dele e homenageia aqueles que nunca conseguiram sair do mar. Refletindo sobre sua decisão de ordenar que a tripulação abandonasse o navio, ele disse: “Que decisão eu poderia tomar que fosse tão importante (quanto) a decisão de dizer àqueles homens para jogarem suas vidas na água? Essa foi uma das maiores decisões que já tomei. Eu estava apostando na vida de todos que íamos ganhar. "

Seth Paridon

Seth Paridon foi historiador da equipe do The National WWII Museum de 2005 a 2020. Ele começou sua carreira conduzindo histórias orais e pesquisas para minisséries da HBO O Pacífico e tem a distinção de ser o primeiro historiador contratado pelo Departamento de Pesquisa do Museu. Nos 12 anos em que foi Gerente de Serviços de Pesquisa, Seth e sua equipe aumentaram a coleção de história oral de 25 para quase 5.000 histórias orais.


USS Indianapolis (CA-35) Trivia Quiz

    Participou de todas as três batalhas: O USS Indianápolis ganhou 10 estrelas de batalha pelo serviço prestado na Segunda Guerra Mundial. Em 7 de dezembro de 1941, ela estava se exercitando em Pearl Harbor quando os japoneses atacaram. Ela viu sua primeira ação em 1942, no Pacífico Sul, em águas dominadas pelos japoneses.

Em novembro de 1943, após se reabilitar na Ilha Mare, ela se tornou a nau capitânia do vice-almirante Raymond A. Spruance, comandando a 5ª Frota dos EUA. Em 19 de novembro de 1943, ela atuou como um navio de apoio de fogo durante a batalha de Tarawa. Em junho de 1944, ela participou do "Marianas Turkey Shoot". Em 19 de fevereiro de 1945, ela participou como navio de apoio durante o bombardeio pré-invasão crítico de Iwo Jima.

O Discovery Channel afirmou que o naufrágio do USS Indianápolis resultou no maior número de ataques de tubarões a humanos na história. A maioria dos ataques foi atribuída ao tubarão de pontas brancas oceânicas.

Infelizmente, os parentes de muitos membros da tripulação a bordo do USS Indianapolis responsabilizaram McVay pela morte de seus entes queridos. McVay cometeu suicídio atirando em si mesmo com seu revólver de serviço em sua casa em Litchfield, Connecticut. (Referência: "On the Warpath in the Pacific: Admiral Jocko Clark and the Fast Carriers," New York: Reynolds, 2000)


USS Indianapolis (CA-35) - História

9.950 toneladas (como construído)
10,110 toneladas (padrão)
610 '3 & quot x 66' 1 & quot x 17 '4 & quot
9 x 8 & quot., 55 armas cal (3x3)
8 x 5 & quot. 25 armas cal.
3 armas de 3 libras
4 x hidroaviões
2 x catapultas

Pré-guerra
Após um shakedown no Oceano Atlântico e na Baía de Guantánamo até 23 de fevereiro de 1932, seguiu para a Zona do Canal (CZ) e transitou pelo Canal do Panamá no Oceano Pacífico e passou por exercícios de treinamento adicionais e operou na costa do Chile. Após a reforma no Philadelphia Navy Yard, partiu para o Maine. Em 1º de julho de 1933, embarcou o presidente dos EUA, Franklin Roosevelt, da Ilha Campobello em New Brunswick, Canadá. Partindo mais tarde naquele dia e dois dias depois, chegou a Annapolis, Maryland, onde seis membros do Gabinete visitaram o encouraçado. Em 4 de julho de 1933, após o desembarque do presidente dos EUA, Franklin Roosevelt, partiu de Annapolis e voltou para o Estaleiro da Marinha da Filadélfia.

Depois disso, Indianápolis atuou como carro-chefe pelo resto de sua carreira em tempos de paz. Em 18 de novembro de 1936 em Charleston novamente recebeu a bordo do presidente dos EUA Franklin Roosevelt para um cruzeiro & quotBom vizinho & quot para a América do Sul transportando o presidente Roosevelt para o Rio de Janeiro, Buenos Aires e Montevidéu, Indianápolis retornou a Charleston em 15 de dezembro de 1936 quando o presidente e seu grupo desembarcou.

História da Guerra
Em 7 de dezembro de 1941, Indianápolis estava simulando um bombardeio na Ilha Johnston quando os japoneses atacaram Pearl Harbor. Depois disso, ela se juntou à Força-Tarefa 12 (TF 12) e procurou sem sucesso por transportadoras japonesas que supostamente ainda estavam nas proximidades.

Em 13 de dezembro de 1941 chegou a Pearl Harbor e juntou-se à Força-Tarefa 11 (TF-11) que fez uma surtida para o sul do Pacífico.

Em 16 de fevereiro de 1942, a Força-Tarefa 11 (TF-11) estava a nordeste de Rabaul e seus aviões porta-aviões planejaram uma greve em conjunto com as Forças Aéreas do Exército dos EUA (USAAF) B-17E Flying Fortresses do norte da Austrália. Em 20 de fevereiro de 1942, a força-tarefa foi localizada pelos japoneses e visada por duas ondas de G4M1 Bettys do 4º Kōkūtai (4º Grupo Aéreo). Os bombardeiros foram interceptados por F4F Wildcats do USS Lexington (CV-2) e o fogo antiaéreo reivindicou dezessete bombardeiros abatidos. Embora nenhum dos navios tenha sido danificado, a greve do avião porta-aviões programada para 21 de fevereiro de 1942 foi abortada.

Em 10 de março de 1942 operou no Golfo de Papua para defender o USS Yorktown (CV-5) por um ataque de porta-aviões contra Lae e Salamaua.

Posteriormente, Indianápolis voltou para a Ilha de Mare para uma revisão e alterações. Depois, escoltou um comboio para a Austrália. Em seguida, prossegue para o Pacífico Norte para as Ilhas Aleutas e se junta ao grupo de bombardeio do Grupo de Trabalho 8.6 (TG 8.6).

Em 7 de agosto de 1942, o Grupo de Tarefas do Contra-almirante William W. Smith 8.6 (TG 8.6) bombardeou a Ilha de Kiska incluindo USS Louisville (CA-28), USS Indianapolis (CA-35), USS Nashville (CL-43), USS Honolulu (CL-48) e USS St. Louis (CL-49) mais contratorpedeiros USS Elliot (DD-146), USS Reid (DD-369), USS Case (DD-370), USS Gridley (DD-380) e USS McCall (DD-400). Embora o nevoeiro tenha limitado a observação, seus hidroaviões relataram navios afundando no porto de Kiska e incêndios queimando entre as instalações costeiras. Os japoneses foram pegos de surpresa e demoraram quinze minutos antes que as baterias da costa voltassem a disparar e os hidroaviões japoneses fizessem ataques ineficazes. A operação foi considerada um sucesso apesar das escassas informações sobre seus resultados.

Em janeiro de 1943, Indianápolis apoiou a ocupação da Ilha Amchitka. Em 19 de fevereiro de 1943, durante a noite, Indianápolis e dois contratorpedeiros patrulhavam a sudoeste da Ilha Attu, na esperança de interceptar os navios inimigos transportando reforços e suprimentos para as Ilhas Kiska e Attu, ela contatou um navio cargueiro japonês, Akagane Maru. O navio de carga tentou responder ao desafio, mas foi bombardeado e explodiu sem sobreviventes, provavelmente porque estava carregado com munições. Até meados de 1943, Indianápolis continuou a operar nas Ilhas Aleutas e no Alasca, escoltando comboios e cobrindo desembarques anfíbios.

Após outra reforma na Ilha Mare, Indianápolis seguiu para Pearl Harbor, onde se tornou a nau capitânia do vice-almirante Raymond A. Spruance, comandando a 5ª Frota. Em 10 de novembro de 1943, partiu de Pearl Harbor com o corpo principal da Força de Ataque do Sul para a Operação Galvânica, a invasão das Ilhas Gilbert. Em 19 de novembro de 1943, Indianápolis bombardeou Tarawa e no dia seguinte atingiu a Ilha Makin. O navio então retornou à Ilha de Tarawa e forneceu apoio de fogo para os desembarques. Naquele dia, suas armas derrubaram um avião inimigo e bombardearam pontos fortes do inimigo em Tarawa durante a batalha.

Em 30 de janeiro de 1944, Indianápolis fazia parte de um grupo de cruzadores que chegou ao Atol de Kwajalein e começou o bombardeio de alvos antes da aterrissagem anfíbia. Em 31 de janeiro de 1944, enquanto os fuzileiros navais dos EUA pousavam, creditado com o silenciamento de duas baterias de costa. Em 1º de fevereiro de 1944, foi creditado a destruição de uma fortificação e outras instalações costeiras e apoiou o avanço das tropas com uma barragem rasteira, em seguida, continuou a fornecer suporte de fogo até a partida em 4 de fevereiro de 1944.

Durante o período de março de 1944 até abril de 1944, Indianápolis apoiou as operações nas Carolinas Ocidentais, incluindo o apoio para os ataques de aeronaves de porta-aviões da Marinha dos EUA contra navios de Palau de 30 de março de 1944 a 31 de março de 1944. Além disso, os campos de aviação foram bombardeados e as águas circundantes minadas para imobilizar os navios inimigos. Em 31 de março de 1944, Yap e Ulithi foram atingidos e em 1 de abril de 1944 Woleai foi atacado. Durante esses três dias, aviões japoneses atacaram a frota americana, mas foram expulsos sem danificar os navios americanos. Indianápolis reivindicou o abate de um avião inimigo, um torpedeiro. Esses ataques impediram que os japoneses nas Carolinas interferissem nos desembarques dos EUA na Nova Guiné.

Em junho de 1944, a 5ª Frota conduziu o assalto às Ilhas Marianas. Os ataques a Saipan começaram com aviões baseados em porta-aviões em 11 de junho, seguidos por bombardeios de superfície, nos quais Indianápolis teve um papel importante, a partir de 13 de junho. No Dia D, 15 de junho, o almirante Spruance recebeu relatos de que uma grande frota de navios de guerra, porta-aviões, cruzadores e destróieres estava indo para o sul para aliviar suas guarnições ameaçadas nas Marianas. Já que as operações anfíbias em Saipan tinham que ser protegidas a todo custo, o Almirante Spruance não podia atrair suas poderosas unidades de superfície para muito longe da cena. Consequentemente, uma força de porta-aviões rápida foi enviada para enfrentar essa ameaça, enquanto outra força atacava as bases aéreas japonesas em Iwo Jima e Chichi Jima nas ilhas Bonin e Vulcão, bases para ataques aéreos inimigos em potencial.

Uma frota combinada dos EUA lutou contra os japoneses em 19 de junho de 1944 na Batalha do Mar das Filipinas. Os aviões porta-aviões japoneses, que esperavam usar os campos de aviação de Guam e Tinian para reabastecer, rearmar e atacar a navegação off-shore americana, foram recebidos por aviões porta-aviões e os canhões dos navios de escolta aliados. Naquele dia, a Marinha dos EUA destruiu 426 aviões japoneses, perdendo apenas 29. Indianápolis abateu um avião torpedeiro. Este dia de combate aéreo ficou conhecido em toda a frota como a Batalha do Mar das Filipinas (Great Marianas Turkey Shoot). Com a eliminação da oposição aérea japonesa, os aviões porta-aviões dos EUA perseguiram e afundaram Hiyō, dois destróieres e um petroleiro e infligiram graves danos a outros navios. Dois outros porta-aviões, Taihō e Shōkaku, foram afundados por submarinos.

Indianápolis voltou a Saipan em 23 de junho para retomar o apoio de fogo lá e seis dias depois mudou-se para Tinian para destruir instalações costeiras. Enquanto isso, Guam fora tomado e Indianápolis foi o primeiro navio a entrar no porto de Apra desde que aquela base americana havia caído no início da guerra. O navio operou nas Marianas nas semanas seguintes, depois mudou-se para as Carolinas Ocidentais, onde outros desembarques foram planejados. De 12 a 29 de setembro, ela bombardeou a Ilha de Peleliu, antes e depois do desembarque. Ela então partiu para Manus, onde operou por 10 dias antes de retornar à Ilha de Mare para uma revisão.

Em 14 de fevereiro de 1945, juntou-se à força-tarefa de porta-aviões rápido do vice-almirante Marc A. Mitscher antes de seu ataque a Tóquio para cobrir o próximo pouso em Iwo Jima. O ataque atingiu uma surpresa tática completa ao se aproximar da costa japonesa sob a cobertura do mau tempo antes dos ataques de 16 a 17 de fevereiro de 1945. Durante toda a ação, Indianápolis foi um navio de apoio.

Imediatamente após os ataques, a Força-Tarefa seguiu para as Ilhas Bonin para apoiar os desembarques em Iwo Jima. O navio permaneceu lá até 1º de março de 1945 para proteger a força de invasão e fornecer suporte de fogo contra alvos em terra. O navio voltou para a Força-Tarefa do Almirante Mitscher a tempo de atacar Tóquio novamente em 25 de fevereiro de 1945 e Hachijo na costa sul de Honshu no dia seguinte. Apesar do clima extremamente ruim, os ataques resultaram em 158 aviões e cinco pequenos navios afundados, danificados em instalações terrestres e trens.

Em 14 de março de 1945 partiu de Ulithi com a força de porta-aviões rápido com destino ao Japão. Em 18 de março de 1945, enquanto 100 milhas a sudeste de Kyūshū, os porta-aviões lançaram ataques contra aeródromos e navios em Kobe e Kure. Em 21 de março de 1945, uma força de 48 aeronaves inimigas tentou um ataque, mas foi interceptada por caças de defesa a 60 milhas de distância, derrubando todos os aviões antes que eles pudessem atacar.

Em 24 de março de 1945, participou do bombardeio pré-invasão de Okinawa por sete dias com Indianápolis contribuindo com tiroteio de 8 polegadas contra as defesas da praia. Enquanto isso, aeronaves inimigas atacaram repetidamente os navios, e Indianápolis abateu seis aviões e danificou outros dois.

Em 31 de março de 1945, no início da manhã, os vigias avistaram um caça japonês como em um mergulho vertical visando a ponte. Na defesa, os canhões de 20 mm do navio abriram fogo menos de 15 segundos depois de ser avistado quando o avião inimigo estava sobre o navio. Rastreadores convergiram para ele, fazendo-o desviar, mas o piloto inimigo conseguiu lançar uma bomba de uma altura de 25 'antes de colidir com a popa a bombordo. O avião caiu inofensivamente no mar, mas a bomba despencou pelo convés, no refeitório da tripulação, no compartimento de atracação e nos tanques de combustível antes de atingir a quilha e explodir debaixo d'água. A concussão abriu dois buracos na quilha e inundou compartimentos próximos, matando nove tripulantes. Embora Indianápolis tenha começado a se acomodar ligeiramente pela popa e tombado para o porto, não houve inundação progressiva e foi enviado a um navio de salvamento para reparos de emergência.

Posteriormente, a inspeção revelou que seus eixos de hélice foram danificados, seus tanques de combustível rompidos e equipamento de destilação de água danificado. Apesar dos danos, o cruzador navegou por conta própria através do Oceano Pacífico de volta à Ilha Mare para reparos e revisão. Afterwards, proceeded to Tinian island transporting parts and the uranium projectile for the "Little Boy" atomic bomb dropped on Hiroshima.

On July 16, 1945 departed San Francisco and three days later arrived at Pearl Harbor then proceeded alone to Tinian Island arriving July 26, 1945 where her top secret cargo was unloaded. Afterwards, departed for Guam and where some of the senior crew were replaced with replacements sailors. Two days later. she departed bound for Leyte where the crew was to receive additional training before continuing to Okinawa to join Task Force 95 (TF-95) under the command of Vice Admiral Jesse B. Oldendorf.

História de Afundamento
On July 30, 1945 at 12:14am Indianapolis was hit by two Type 95 torpedoes fired by Japanese submarine I-58 in the North Philippine Sea. One hit the bow and the other hit amidships and the explosions caused massive damage and a heavy list then began to settle by the bow. Twelve minutes later at 12:26am, she rolled over and her stern lifted upward before sinking at roughly Lat 12° 2′ 0″ N Long 134° 48′ 0″ E . In total, Indianapolis earned ten battle stars for her World War II service.

Fates of the Crew
Approximately 300 of the crew went down with the ship. The remaining 900 survivors, many without life jackets and only a few lifeboats. Without food or water, the survivors drifted in the shark-infested open sea for four days until spotted and rescued. The rescued crew included Captain Charles B. McVay III.

Procurar
On July 31, 1945 when Indianapolis failed to reach Leyte, her failure to arrive was not detected and no searches were immediately undertaken. On August 2, 1945 at 10:25am a PV-1 Ventura from VPB-152 piloted by flown by Lt. Wilbur Gwinn and copilot Lt Warren Colwell on a routine patrol flight spotted men in the water and dropped them a life raft and radio. On August 3, 1945 PBY Catalina from Peleliu Airfield spotted and reported the survivors. Afterwards, all available air and surface units were sent to the location to rescue the survivors. By then, only 316 men were still alive.

Court Martial
In November 1945, Captain Charles B. McVay III was court-martialed for failing to zigzag, although he was ordered to "zigzag at his discretion, weather permitting" and Mochitsura Hashimoto, former captain of I-58 testified that zigzaging would not have prevented the sinking. Later, Admiral Nimitz remitted his sentence and returned him to active duty until he retired in 1949 with the rank of Rear Admiral. In 1968 at age 70 he committed suicide. In July 2001, the United States Secretary of the Navy ordered McVay's Navy record cleared of any wrongdoing.

Memorials
At total of 879 sailors were lost in the sinking. The crew that remain listed as Missing In Action (MIA) are memorialized at Manila American Cemetery on the courts of the missing.

The Indiana State Museum includes materials related to Indianapolis. Her commissioning pennant are located at the Heslar Naval Armory. The swim training center at United States Navy Recruit Training Command is named USS Indianapolis.

On August 2, 1985, the USS Indianapolis National Memorial was dedicated on the Canal Walk in Indianapolis, Indiana. In 2007, the USS Indianapolis Museum opened at the Indiana World War Memorial Military Museum. In May 2011, highway I-465 around Indianapolis was named "USS Indianapolis Memorial Highway".

Shipwreck
Between 2001–2016 several expeditions unsuccessfully searched for the shipwreck of USS Indianapolis. The first effort between July-August 2001 used side scan sonar. The second effort in June 2005 and was covered by National Geographic. Only pieces of metal were found in the reported sinking, but never confirmed to belong to the ship. This expedition was broadcast in the documentary "Finding of the USS Indianapolis". During July 2016 a new position was located in the records of LST-779 and National Georgraphic planned another effort in the middle of 2017.

On August 18, 2017 the shipwreck was discovered at a depth of 18,000' / 5,500m by the USS Indianapolis Project aboard RV Petrel funded by Paul Allen and the news of the discovery was released days later. During September 2017 a detailed map of the shipwreck was released.

The exact location is kept secret to protect the shipwreck as a war grave. Most of the shipwreck rests in an impact crater on a rocky bottom. Due to the depth, the ship's condition and preservation is excellent with paint visible including the name "Indianapolis".

Before the ship sank, the bow broke off and came to rest 1.5 miles to the east of the main shipwreck. Two 8" guns broke off at the surface sank 1/2 mile east of the main wreckage and was the last surface position before sinking. The wreckage of the floatplanes are .6 miles away having broke free while sinking.

Contribuir com informações
Você é parente ou associado a alguma pessoa mencionada?
Você tem fotos ou informações adicionais para adicionar?


Men and Women of Bell County in WWII: USS Indianapolis (CA-35)

USS Indianapolis (CA-35)

Seaman 2nd Class Mikeska, Willie Wodrew (8422945). Born 1 Jan 1920 in Bartlett, TX. Son of Joe and Blanche Alexena (Blad) Mikeska. Enlisted in the Navy 2 Oct. 1943. Joined the crew of the USS Indianápolis 21 Dec 1943.

Aviation Machinist’s Mate 2nd Class Meissner, Oscar August (6254451). Born 2 Oct 1921 in Bartlett, TX. Son of August and Mary E (Sturm) Meissner. Married Attie Marie Hensley 10 Jan 1947. Entered Navy 25 Aug 1942. Assigned to USS Indianápolis 19 Apr 1943 as part of the Aviation Unit. Transferred to the Naval Air Technical Training Center, Chicago 25 Nov 1944.

o Taylor Daily Press 19 Aug 1942

Oscar August Meissner died April 27, 2017. He was born in Bartlett on Oct 2, 1921 to Mary and August Meissner. He attended German-English School one mile north of Bartlett and graduated from Bartlett High School in 1940. He worked for James Bailey Chevrolet until joining the Navy in 1942. While in the Navy, he served aboard the USS Indianapolis in the Pacific, achieved the rank of Aviation Machinist Mate First Class and received five Battle Stars. Just prior to the Indianapolis sinking by torpedoes, Oscar was transferred to Chicagoattend an additional aircraft school. Oscar was joined in marriage to Attie Marie (Toots) Hensley in 1947. Returning from the Navy in 1946, Oscar returned to work at James Bailey Chevrolet for 10 months and then Naiver Bros Dodge/Plymouth until 1949 when he opened Oscar’s Motor Clinic & Auto Supply. He retired in 2002. Oscar attended the University of Texas for teacher training, Temple Junior College with an associate degree in Mid-Management and also an associate degree in the Arts and the University of Mary Hardin-Baylor for business law. Oscar was a substitute teacher in Auto Mechanics at Temple Junior College. Oscar was preceded in death by his parents, his wife of 59 years, two children, Mary Sue Meissner and Oscar A Meissner Jr and his daughter Glenda Thornton Fry. Survivors include son-in-law Edward C Fry of Bartlet two grandchildren, one great-grandchild, and one great-great grandchild.

At midnight 30 Jul 1945 the Japanese submarine I-58 (left photo) spotted the Indianápolis on its way to Leyte. Six torpedoes were fired into the Indianápolis, sinking the ship. Approximately 1196 sailors and marines crewed the Indianápolis, of that number only 316 survived their wounds, shark attacks and dehydration. They remained in the water for five days before being spotted by an American plane.


Bring the Bell Up?

Due to the recent discovery of USS Indianápolis resting 18,000 feet at the bottom of the Philippine Sea by billionaire Paul Allen, some people have already called for one particular object to be raised from the depths.

Recent photos released by the submersible visiting Indy’s watery grave show one particularly interesting photograph of a ship’s bell. But it is not THE ship’s bell, which has been on display at the Indiana World War Memorial in Indianapolis.

Should they still bring the bell up?


USS Indianapolis (CA-35) - History

In November and December 1936, USS Indianapolis transported President Franklin D. Roosevelt on his "Good Neighbor" tour of South America. This page features views of and on board the ship during this cruise.

If you want higher resolution reproductions than the Online Library's digital images, see "How to Obtain Photographic Reproductions."

Click on the small photograph to prompt a larger view of the same image .

Leaves Charleston, South Carolina, carrying President Franklin D. Roosevelt on his "Good Neighbor" cruise to South America, 18 November 1936.

Courtesy of the Naval Historical Foundation, collection of Rear Admiral Paul H. Bastedo, USN.

U.S. Naval Historical Center Photograph.

Online Image: 68KB 740 x 605 pixels

President Franklin D. Roosevelt (second from left)

Waves "farewell" to Charleston, South Carolina, as he leaves for his "Good Neighbor" cruise to South America, on board USS Indianapolis (CA-35), 18 November 1936.
Those present include (from left to right):
James Roosevelt
President Roosevelt
Captain Paul H. Bastedo, USN
Colonel Edwin M. Watson, U.S. Army and
Captain Ross T. McIntire, USN(MC).

Courtesy of the Naval Historical Foundation, collection of Rear Admiral Paul H. Bastedo, USN.

U.S. Naval Historical Center Photograph.

Online Image: 62KB 740 x 605 pixels

Scene in the ship's pilothouse, late November 1936, as she carried President Franklin D. Roosevelt on his "Good Neighbor" cruise to South America. Indianapolis ' Commanding Officer, Captain Henry Kent Hewitt, is seated in left center.

Courtesy of the Naval Historical Foundation, collection of Rear Admiral Paul H. Bastedo, USN.

U.S. Naval Historical Center Photograph.

Online Image: 69KB 740 x 610 pixels

Ship's Commanding Officer, Captain Henry Kent Hewitt, USN, (left), hears "Davy Jones" read the message from "King Neptune", as the ship crosses the Equator in late November 1936. She was then conveying President Franklin D. Roosevelt and his party on a "Good Neighbor" cruise to South America.
Commander Oscar C. Badger is looking on, at right.

Courtesy of the Naval Historical Foundation, collection of Rear Admiral Paul H. Bastedo, USN.

U.S. Naval Historical Center Photograph.

Online Image: 79KB 740 x 605 pixels

President Franklin D. Roosevelt (center)

Pleads his case before the Royal Court of "Shellbacks" as his "defense attorney" listens intently at left, during Neptune Ceremonies on board USS Indianapolis (CA-35), as she crosses the Equator in late November 1936.
Indianapolis was then carrying the President and his party on a "Good Neighbor" cruise to South America.

Courtesy of the Naval Historical Foundation, collection of Rear Admiral Paul H. Bastedo, USN.

U.S. Naval Historical Center Photograph.

Online Image: 67KB 740 x 605 pixels

James Roosevelt (center),
son of President Franklin D. Roosevelt

Receives some of the punishment due a "Polywog" at the hands of "Shellbacks", during Neptune Ceremonies on board USS Indianapolis (CA-35), as she crosses the Equator in late November 1936.
Indianapolis was then carrying the President and his party on a "Good Neighbor" cruise to South America.

Courtesy of the Naval Historical Foundation, collection of Rear Admiral Paul H. Bastedo, USN.

U.S. Naval Historical Center Photograph.

Online Image: 65KB 740 x 610 pixels

President Franklin D. Roosevelt

Receives the salute of the Argentine Navy while standing beneath the eight-inch guns of USS Indianapolis (CA-35), during his "Good Neighbor" cruise to South America, 29 November 1936.

Courtesy of the Naval Historical Foundation, collection of Rear Admiral Paul H. Bastedo, USN.

U.S. Naval Historical Center Photograph.

Online Image: 45KB 740 x 610 pixels

Arrives at Buenos Aires, Argentina, with President Franklin D. Roosevelt on board, 30 November 1936, during the President's "Good Neighbor" cruise to South America.

Donation of Captain Fred W. Connor, USMC(Retired), 1970.

U.S. Naval Historical Center Photograph.

Online Image: 112KB 740 x 565 pixels

Crewmen display the Presidential Flag below the ship's brass data plaque, as she carried President Franklin D. Roosevelt on his "Good Neighbor" cruise to South America in late November 1936.

Courtesy of the Naval Historical Foundation, collection of Rear Admiral Paul H. Bastedo, USN.

U.S. Naval Historical Center Photograph.

Online Image: 61KB 740 x 610 pixels

Bow of the Presidential barge, showing the four stars and seal of the President of the United States. Photographed on board Indianapolis as she carried President Franklin D. Roosevelt on his "Good Neighbor" cruise to South America in late November 1936.

Courtesy of the Naval Historical Foundation, collection of Rear Admiral Paul H. Bastedo, USN.


Assista o vídeo: NEVER GIVE UP! The Story of USS Indianapolis CA-35 Webinar - Part I