Panzerkampfwagen III (Fl)

Panzerkampfwagen III (Fl)

Panzerkampfwagen III (Fl)

O Panzerkampfwagen III (Fl) era um tanque equipado com lança-chamas baseado no Panzer III Ausf M. A ideia de converter o Panzer III para transportar um lança-chamas teve origem em novembro de 1942, quando se pretendia enviá-los a Stalingrado para participar do combates de rua na cidade, mas nenhum estava pronto a tempo.

Cem Panzer III Ausf Ms construídos por MIAG em Braunschweig foram entregues a Wegmann Waggonfabrik de Kassel, que realizou as conversões. O canhão de 5cm do Ausf M foi retirado e substituído por um projetor de chama a óleo de 14cm, com um cano de 1,5m de comprimento. Foram transportados 1.000 litros de óleo para chamas, o suficiente para 80 rajadas de dois a três segundos de duração. As chamas tinham um alcance máximo de 60 jardas, mas um alcance efetivo próximo a 40 jardas. Um motor auxiliar de 2 tempos foi instalado no casco para alimentar o lança-chamas.

Embora o Panzerkampfwagen II (Fl) tenha chegado tarde demais para Stalingrado, quarenta e um estiveram envolvidos na batalha de Kursk, dividida entre a 6ª e a 11ª Divisões Panzer e a Divisão Panzer Grossdeutschland.

Nomes
Panzerkampfwagen III (Fl)
Flammpanzer
Sd Kfz 141/3

Estatísticas
Número produzido: 100
Produzido: fevereiro a abril de 1943
Comprimento: 6,41 m
Largura do casco: 2,95 m / 9 pés 8 pol.
Altura: 2,50 m / 8 pés 2 pol.
Tripulação: 3 (Comandante, motorista, operador de rádio)
Peso: 23 toneladas
Motor: Maybach HL120TRM
Velocidade máxima: 40km / h / 24mph
Alcance máximo: 155 km / 96 milhas
Armamento: Um Flammenwerfer de 14 mm, mais um MG 34 de 7,92 mm na torre e um na frente da superestrutura

Armaduras


Armaduras

Frente

Lado

Traseira

Superior / Inferior

Torre

57 mm / 2,25 pol.

30 mm / 1,2 pol.

30 mm / 1,2 pol.

10 mm / 0,4 pol.

Superestrutura

50 mm / 2 pol.

30 mm / 1,2 pol.

50 mm / 2 pol.

18 mm / 0,66 pol.

casco

50 mm / 2 pol.

30 mm / 1,2 pol.

50 mm / 2 pol.

16 mm / 0,62 pol.

Mantelete de arma

50 mm / 2 pol.

Favoritar esta página: Delicioso Facebook StumbleUpon


História da flórida

o história da flórida pode ser rastreada até quando os primeiros nativos americanos começaram a habitar a península há 14.000 anos. [1] Eles deixaram para trás artefatos e evidências arqueológicas. A história escrita da Flórida começa com a chegada dos europeus, o explorador espanhol Juan Ponce de León em 1513 fez os primeiros registros textuais. O estado recebeu seu nome daquele conquistador, que chamou a península La Pascua Florida pelo reconhecimento da paisagem verdejante e por ser a época da Páscoa, a que os espanhóis chamam Pascua Florida (Festa das Flores). [2] [3] [4]

Esta área foi o primeiro reino continental dos Estados Unidos a ser colonizado por europeus. Assim, 1513 marcou o início da fronteira americana. Desde aquela época de contato, a Flórida teve muitas ondas de colonização e imigração, incluindo assentamentos franceses e espanhóis durante o século 16, bem como a entrada de novos grupos indígenas americanos migrando de outras partes do Sul, e negros livres e escravos fugitivos, que no século 19 tornou-se aliado dos nativos americanos como Black Seminoles. A Flórida esteve sob domínio colonial da Espanha do século 16 ao século 19, e brevemente pela Grã-Bretanha durante o século 18 (1763-1783) antes de se tornar um território dos Estados Unidos em 1821. Duas décadas depois, em 1845, a Flórida era admitido no sindicato como o 27º estado dos EUA.

A Flórida é apelidada de "Estado do Sol" devido ao seu clima quente e dias de sol, que atraem migrantes e turistas do norte desde a década de 1920. Uma população diversificada e uma economia urbanizada se desenvolveriam durante o século XX. Em 2011, a Flórida com mais de 19 milhões de habitantes, ultrapassou Nova York e se tornou o terceiro estado mais populoso do país. [5]

A economia da Flórida se desenvolveu ao longo do tempo, começando com a exploração de recursos naturais na extração de madeira, mineração, pesca e mergulho com esponja, bem como na pecuária, agricultura e cultivo de frutas cítricas. Os negócios de turismo, imobiliário, comércio, bancos e destinos de aposentadoria viriam mais tarde.


Vývoj [editovat | editovat zdroj]

Tanque Pz III měl představovat hlavní bitevní tanque německých vojsk v nastávající válce. Jeho původní verze byly vyzbrojeny 37mm kanonem, předpokládalo se, že por časem mohly být přezbrojeny na 50mm kanony. Tank se v prvních taženích osvědčil, byť jeho relativně slabá výzbroj se ukazovala jako problematická, pokud se setkal s odolnějšími francouzskými nebo britskými tanky. V roce 1940 se proto začaly objevovat první stroje s krátkými 50mm kanony. Stroje s 50 mm kanony (Panzer III J) porly například použity německými vojsky v bitvě o Gazalu.

Původní koncepce tanku byla přehodnocena během zahájení operace Barbarossa. Tanky Pz III se začaly setkávat s masami tanků T-34 a KV-1, na něž jejich kanony vůbec nestačily. Urychleně proto byly vyvinuty nové typy vyzbrojené dlouhými 50mm kanony (5 & # 160cm KwK 39 L / 60) a starší tanky byly přezbrojovány. Ačkoliv tak došlo ke značnému zvýšení úderné síly, Pz III stále ještě nepředstavovaly adekvátní prostředek pro boj s ruskými protějšky. Nakonec nezbylo než akceptovat skutečnost, že Pz III byl příliš malý a lehký a neumožňoval instalaci dostatečně silné zbraně. Proto byla jeho výroba v roce 1943 ukončena.

Hned v počátku se kolem tohoto stroje objevil konflikt mezi zbrojním úřadem a inspektorátem motorizovaných vojsk týkající se hlavní výzbroje nového tanku. Zatímco zbrojní úřad (Waffenamt) považoval za dostatečný kanon ráže 37 & # 160mm, druhá strana trvala na ráži 50 & # 160mm. Nakonec byl vybrán kanon menšího kalibru protože i ostatní vojsko již bylo vyzbrojeno protitankovými kanony 3,7 & # 160 cm, díky čemuž stačila výroba pouze jednoho druhu munice. Dle požadavku inspektorátu byla však alespoň věž tanku konstruována tak, aby umožňovala případné pozdější osazení kanonem větší ráže.

V roce 1934 formuloval zbrojní úřad konečně požadované charakteristiky nového stroje a předal je firmám MAN, Daimler-Benz, Rheinmetall-Borsig a Krupp spolu s objednávkou na vývoj prototypu. Hmotnost vozidla neměla podle specifikací překročit 15 & # 160tun. Požadovaná maximální rychlost stroje byla 40 & # 160km / h a posádku mělo tvořit pět mužů - velitel, střelec a nabíječ umístění ve věži, řidič a radista v přední části trupu. Stroj měl být samozřejmě plně pásový s výzbrojí soustředěnou v otočné věži.

Pouze firmy Krupp a Daimler-Benz však dovedly vývoj až k postavení prototypu. Stroj firmy Krupp, označovaný MKA, spočíval na podvozku složeném ze šesti plných pojezdových kol, loukoťového kola napínacího a kola hnacího s kruhovými odlehčovacími otvory. V horní části dosedal pás na tři podpůrné kladky. Trup tanku byl tvořen rovnými pancéřovými deskami, které byly spojeny většinou svárem. Za prudce skosenou čelní deskou se zvedala nástavba v jejíž přední stěně se nalevo nacházel průzor řidiče. Další průzory byly na obou bocích. Levým vyhlížel opět řidič, pravý sloužil radistovi, který měl v této části stroje své stanoviště.

Na ploché desce nástavby byla zhruba v polovině délky stroje umístěna plně otočná věž. V zádi trupu byl potom motorový prostor. Přední spodní rohy věže byly skosené, což se stalo pro věže pozdějších tanků standardem. V čelním štítu věže byla instalována hlavní zbraň, kanon ráže 37 & # 160mm a doplňkový kulomet ráže 7,92 & # 160mm.

Testy obou prototypů probíhaly v oblasti Kummersdorfu a Ulmu na přelomu let 1936 a 1937. Jako vítimasěz z nich vzešel jednodušší protótipo firmy Daimler-Benz vedený pod označením ZW neboli Zugführer Wagen (vozidlo velitele čety). Další osud neúspěšného prototypu MKA není znám, ale zřejmě dosloužil jako cvičné vozidlo.

Základní konstrukce prototypu Daimler-Benz byla shodná s tou od firmy Krupp. Podvozek sestával z pěti relativně velkých pojezdových kol s kruhovými odlehčovacími otvory a gumovou obručí po obvodu. Každé kolo bylo uchyceno i odpruženo samostatně. Vpředu se dále nacházelo rovněž perforované kolo hnací a zcela vzadu kolo napínací, obě zvednutá nad úroveň terénu. Shora dosedal pás na dvě podpůrné kladky s gumovou bandáží. Trup byl svařen a snýtován z rovných pancéřových desek o síle 14,5 & # 160mm. Pouze dno vany mělo tloušťku jen 5 & # 160mm.

Za samotnou čelní deskou podvozkové vany následovala rovná plošina, ve které se nalézaly průlezy řidiče a radisty, uzavřené dvoudílnými poklopy. Z této plošiny se zvedala čelní stěna nástavby. V její levé části byl odklopný průzor řidiče, v pravé potom korbový kulomet MG 34 ráže 7,92 & # 160 mm uchycený v kruhovém střelišti. Kulomet obsluhoval radista sedící v trupu tanku hned vedle řidiče. Rovněž v obou bočních stěnách nástavby se nacházely odklopné průzory sloužící řidiči a radistovi k výhledu do stran.

Zbylí tři členové posádky, velitel, střelec a nabíječ, měli svá stanoviště ve věži. Věž byla umístěna na horní ploše nástavby zhruba v polovině délky celého stroje. V jejích bočních stěnách byly průlezy pro střelce a nabíječe, oba opatřené jednodílnými dvířky otvíranými do strany. Dvířka byla opatřena jednoduchými štěrbinovými průzory. Další dva průzory se nacházely na bocích věže před těmito dvířky. Tyto průzory byly stejného typu jako již zmíněné boční průzory řidiče a radisty. Daly se odklopit směrem nahoru pro lepší výhled. Během pobytu v bojové oblasti ale zůstávaly uzavřené a výhled zajišťovaly pouze štěrbiny v jejich krytech.

Ze zádi věže vystupovala část oblouku velitelské věžičky, pod kterou bylo stanoviště velitele tanku. Věžička měla po svém obvodu osm symetricky rozmístěných pozorovacích otvorů, kterými velitel sledoval okolí vozu. Po stranách tubusu velitelské věžičky byly v zadní stěně věže umístěny malé obdélníkové střílny pro ruční zbraně opatřené kryty. Tloušťka pancéřování věže činila 14,5 & # 160mm na všech stěnách kromě stropu, ten byl tlustý pouze 10 & # 160mm. Čelní stěna věže nesla ve vnějším úchytu hlavní zbraň tanku - kanon KwK 36 L / 46,5 ráže 37 & # 160mm. Po jeho pravé straně se potom nacházely dva spřažené kulomety MG 34. Celková zásoba munice na palubě stroje činila 120 & # 160nábojů pro kanon a 4425 & # 160nábojů pro všechny tři kulomety.


Módulos

Torres

Motores

Suspensões

Rádios

Equipamento Compatível

Consumíveis Compatíveis

Opinião do jogador

Prós e contras

  • O mesmo DPM da pistola de 75 mm do Pz4H. Mais DPM do que o Hydrostat e o T-25
  • Bom alcance de visualização (para alemão médio, "média" para camada)
  • Alto valor de HP
  • Boa classificação de camuflagem
  • Boa depressão da arma
  • Capacidade de munição muito baixa, apenas 9 cartuchos a mais que o Turán III PT!
  • O pior manuseio de armas de todos os meios de nível 5. Precisão básica indutora de vômito para um meio frágil.
  • Má velocidade máxima e aceleração e péssima velocidade reversa
  • Pobre armadura geral, ELE será a ruína deste tanque.
  • A penetração de projéteis padrão medíocre o forçará a usar rodadas premium para penetrar os inimigos de maneira semi-confiável.

Atuação

Um tanque medíocre, o Panzer III K sofre bastante em comparação com outros tanques médios de nível 5. Ele tem uma blindagem muito pobre e é ainda pior do que sua contraparte de nível 4, o Panzer III, com apenas 50 mm no máximo, exceto pelo mantelete da arma e a cúpula do comandante. Embora o tanque tenha uma boa depressão do canhão a 10 graus, seu mantelete é pequeno e cobre apenas uma pequena parte da torre, o que significa que a maioria dos tiros disparados contra o casco do Panzer III K vai penetrar. O tanque é abençoado com uma grande quantidade de HP com 790 pontos de vida, para que possa absorver uma boa quantidade de tiros antes de cair. Sua mobilidade também é muito pior do que um Panzer III padrão e medíocre para os padrões de nível 5. Suas resistências de solo acima da média não são suficientes para compensar seu motor fraco e baixa velocidade máxima, deixando o tanque ultrapassado pela maioria dos outros tanques médios, a menos que seja equipado com o novo equipamento turboalimentador, mesmo assim ele ainda ficará um pouco em comparação com seus pares.

O tanque tem um alcance de visão decente, mas nunca tente localizar inimigos se você não tiver backups ou uma rota de fuga próxima, já que sua mobilidade é bastante fraca. Atirar nessa coisa é uma opção muito duvidosa, uma prática fútil na melhor das hipóteses, devido aos valores horríveis de manuseio da arma do tanque, que está entre os piores no nível no papel, e praticamente a pior em seu nível, levando em consideração sua penalidade de dispersão em movimento. A arma também carece de penetração, tornando difícil lidar com oponentes de nível superior - que podem incluir nível 7 devido à falta de combinação preferencial - sem munição premium. Como tal, o Panzer III K é melhor jogado mais como um tanque de suporte do que um meio contemporâneo como o DS PZInż, o T-34 ou o M4, entrando em distâncias o suficiente para garantir que você não seja aniquilado dentro de 10 segundos, mas perto o suficiente para ter certeza de que sua arma funcionará de forma semi-confiável. No geral, um tanque que você não deve comprar, a menos que esteja acostumado a manejar armas ruins, e um presente de Natal para um membro do clã ou um amigo que você mais odeia.


No anime

Em Izetta, a última bruxa, o Mk III viu o combate durante a invasão da Livônia e a invasão do Thermidor muito parecido com sua contraparte do mundo real. Ele também viu o combate nas primeiras rodadas da Invasão de Eylstadt, onde se mostrou eficaz em romper as trincheiras de Eylstadt.

O Mk III também foi usado durante a Batalha de Coenenburg, onde lutou contra o Eylstadt Renault FT-17s sem baixas e rompendo a primeira defensiva em Coenenburg antes de ser detido por ataques precisos de artilharia. No entanto, os Mk IIIs não tiveram nenhum efeito ao lutar contra Izetta, a maioria foi lançada ao ar e marcada como morte por mobilidade.


Panzerkampfwagen III

Panzerkampfwagen III - нямецкі сярэдні танк часоў Другой сусветнай вайны, які серыйна выпускаўся з 1938 па 1943 год. Скарочанымі назвамі гэтага танка з'яўляліся PzKpfw III, Panzer III, Pz III. У ведамасным рубрыкатары ваеннай тэхнікі нацысцкай Германіі гэты танк меў абазначэнне Sd.Kfz. 141 (Sonderkraftfahrzeuge 141 - машына спецыяльнага прызначэння 141). У савецкіх гістарычных дакументах і папулярнай літаратуры PzKpfw III называўся як «Тып 3», Т-III ці Т-3.

Panzerkampfwagen III
PzKpfw III Ausf. H
Panzerkampfwagen III Ausf. E
Тып сярэдні танк
Баявая маса, т 19,5
Кампанавальная схема маторнае аддзяленне ззаду, трансмісійнае спераду, баявое і кіравання пасярэдзіне
Экіпаж, чал. 5
Гісторыя
Гады распрацоўкі 1935-1937
Гады вытворчасці 1939—1943
Гады эксплуатацыі 1939—1945
Асноўныя аператары
Габарыты
Даўжыня, мм 5380
Шырыня, мм 2910
Вышыня, мм 2500
Дарожны прасвет, мм 385
Браніраванне
Тып брані стальная хроманікелевая катаная, паверхнева загартаваная
Лоб корпуса (верх), мм / град. 30 / 9°
Лоб корпуса (сярэдзіна), мм / град. 25 / 87°
Лоб корпуса (ніз), мм / град. 30 / 21—52° — 25 / 75°
Борт корпуса, мм / град. 30 / 0°
Кармы корпуса (верх), мм / град. 20 / 30°
Кармы корпуса (сярэдзіна), мм / град. 20 / 10°
Кармы корпуса (ніз), мм / град. 20 / 65°
Дах корпуса, мм 16 / 75—90°
Лоб вежы, мм / град. 30 / 15°
Борт вежы, мм / град. 30 / 25°
Дах вежы, мм 10 / 83—90°
Узбраенне
Калібр і марка гарматы 37 mm KwK 36, 50 mm KwK 38 / KwK 39, 75 mm KwK 37
Тып гарматы наразная
Даўжыня ствала, калібраў 46,5 / 42 / 60 / 24
Боекамплект гарматы 125
Вуглы ВН, град. -10…+20°
Прыцэлы тэлескапічны T.Z.F.5a
Рухомасць
Тып рухавіка V-падобны 12-цыліндравы карбюратарны вадкаснага ахаладжэння
Хуткасць па перасечанай мясцовасці, км / г <<<хуткасць па="" перасечанай="" мясцовасці="">>>
Тып падвескі індывідуальная тарсіённая, з гідраўлічнымі амартызатарамі

Гэтыя баявыя машыны выкарыстоўваліся вермахтам з першага дня Другой сусветнай вайны. Апошнія запісы пра баявое ўжыванне PzKpfw III у штатным саставе падраздзяленняў вермахта датуюцца сярэдзінай 1944 года, адзіночныя танкі ваявалі аж да капітуляцыі Германіі. З сярэдзіны 1941 да пачатку 1943 года PzKpfw III быў асновай бранетанкавых войскаў вермахта (панцэрвафэ) і, нягледзячы на ​​адносную слабасць у параўнанні з сучаснымі яму танкамі краін антыгітлераўскай кааліцыі, унёс значны ўнёсак у поспехі вермахта таго перыяду. Танкі гэтага тыпу пастаўляліся арміям краін-саюзнікаў Германіі па Восі. Захопленыя PzKpfw III з добрымі вынікамі выкарыстоўваліся Чырвонай арміяй. На базе PzKpfw III у Германіі і СССР ствараліся самаходна-артылерыйскія ўстаноўкі (СССР ствараліся самаходна-артылерыйскія ўстаноўкі (САУ) рознаная прознана.


Módulos

Torres

Motores

Suspensões

Rádios

Equipamento Compatível

Consumíveis Compatíveis

Opinião do jogador

Prós e contras

  • Grande mobilidade: alta aceleração e velocidade máxima
  • Jack-of-All-Trades, diretamente superior ao Pz.IV H montando a mesma arma de 7,5cm L / 48
  • A blindagem do casco é decentemente inclinada, a placa superior é mais espessa do que alguns tanques pesados ​​de nível 5
  • Penetração de armas muito mais confiável para derrubar inimigos, em comparação com os 50mm L / 60 mais fracos no nível IV.
  • A armadura de torre espaçada é quase completamente invulnerável a HEAT e reduz o dano de HE
  • Precisão medíocre, um tanto difícil de atingir alvos distantes
  • Grande compartimento de transmissão montado na frente, sujeito a danos ao motor e tiros de rastreamento
  • Lado fraco do casco e armadura da torre, não pode ser angular eficaz
  • A torre é um ponto fraco gigante de 50 mm, embora telas de armadura espaçadas possam enganar seus inimigos para atirar neles e não causar danos
  • O alcance de visão medíocre não permite um reconhecimento ativo muito eficaz

Atuação

Como na introdução da página, o Pz.Kpfw. III / IV é um tanque de nível 5 único. É algo entre um flanker e um meio batedor, combinando alta mobilidade, boa aceleração, agilidade e uma armadura de casco bastante poderosa ao preço de algumas fraquezas gritantes. Notavelmente, estes são precisão medíocre, armadura pobre nas laterais do casco e torre, também um pouco sem dano alfa, dando-lhe uma capacidade ofensiva limitada. Em termos de tática, use a mobilidade para se posicionar em pontos vitais no mapa, como pontos de captura e nos flancos de seus inimigos, contanto que você fique longe o suficiente para estar coberto por uma rota de fuga. Tente reagir e se defender de um abrigo ou ataque com precisão à distância, em vez de atacar e partir para a ofensiva.

Em primeiro lugar, mobilidade. jogado pela primeira vez com todas as ações de módulos, você pode ficar desapontado com seu movimento desleixado, pois está muito longe de seu Pz.Kpfw. III, mas com um motor de topo ridiculamente forte e suspensão aprimorada, você será capaz de ultrapassar quase todos os tanques não-batedores que enfrentará. O melhor uso para a alta velocidade é estourar as cristas, localizar o inimigo para armas mais pesadas e ganhar alguns tiros instantâneos sozinho. A agilidade é excelente e adequada para circular, com velocidade de passagem da torre incomparável, embora nunca seja demais ficar vigilante de reforços inimigos que possivelmente planejam flanquear você.

Em termos de capacidade de sobrevivência, 80 mm de armadura glacis superior inclinada é diretamente superior a 70 mm no PzKpfw III, embora também enfrente oponentes com armas maiores. As partes inferiores e laterais deixaram muito a desejar, mal melhoraram em 60 mm e 30 mm, respectivamente. Em termos de tamanho, o tanque é bastante alto e tem uma camuflagem medíocre. Se você puder adicionar sua própria pesca à mistura, poderá obter uma conquista Parede de Aço por sorte. Observe também que uma grande parte do lado do seu casco não é coberta por blindagem espaçada, então um tiro de um obuseiro de 105 mm provavelmente o aleijará.

o arma de fogo é um dos problemas mais notáveis ​​do Pz.Kpwf. III / IV. Ele não pode montar um obus de 105 mm como o Pz.Kpfw. IV ou M4 Sherman e 7,5cms 'não são realmente impressionantes, com precisão medíocre, penetração e RoF aceitável. Se você estiver colocando em uso, é melhor evitar combates de longo alcance para preservar a munição. Normalmente, se você utilizar seus recursos corretamente, ainda assim sairá por cima dos duelos (ou seja, devido à armadura e agilidade). Em um engajamento solo, espreite pelos cantos com uma armadura angular e chegue bem perto e force-os a girar desamparadamente no lugar e abusar de sua recarga mais lenta.

É aconselhável ir para a suspensão antes de mais nada, porque o padrão tem uma velocidade de travessia lamentável e resistência do terreno, mesmo com o motor de topo montado. Esteja ciente de que a arma atualizada tem quantidades marginais de penetração e precisão em relação à arma padrão e não é necessariamente a primeira escolha para pesquisa. Além disso, a torre lhe dá uma boa dose de saúde, então isso aumentará sua capacidade de sobrevivência geral e também provavelmente será mais útil do que ir direto para a arma.

Recomenda-se que as habilidades da tripulação se concentrem na maximização da mobilidade já notável, bem como na compensação da capacidade de observação medíocre e da eficiência do poder de fogo. O carregador que não puder ajudar com isso pode levar o Safe Stowage para evitar danos ao rack de munição dos lados fracos (ou reparos, se você tende a não levar grandes impactos). GLD, Optics e Gun Rammer são bons equipamentos para ajudar essas duas características, respectivamente - a óptica é especialmente obrigatória para o próximo tanque, o VK 3001D.


BILLY BOWLEGS III TINHA UM NOME COM HISTÓRIA

Alguns Seminoles usavam nomes que soavam ingleses. Às vezes, eles assumiam os sobrenomes de homens brancos como um sinal de honra. Outras vezes, os homens brancos inventavam nomes para eles.

O nome & quotBilly Bowlegs & quot era um pouco de cada um, e o legado de Bowlegs se estendeu por três gerações.

O primeiro Bowlegs foi o líder Seminole Bolek, às vezes soletrado Boleck ou Bolechs.

Maj. Gen. O.O. O livro de Howard, do início de 1900, Famous Indian Chiefs I have known sugere que os Bowlegs originais receberam esse nome porque ele montava cavalos espanhóis tanto quando criança que suas pernas se arqueavam. Seu pai o apelidou de Piernas Curvas, que significa pernas curvas. Mais tarde, foi expandido para Guillermito a las Piernas Curvas ou Pequeno Willie das Pernas Curvas.

A outra versão é que ele herdou o nome de um homem branco chamado Bolek, um comerciante da época em que mercadores e capitães de navios britânicos estabeleceram feitorias na Flórida espanhola.

O primeiro Bowlegs foi o irmão do rei Payne, de quem Paynes Prairie, a terra aberta ao sul de Gainesville, recebe o nome. Os irmãos eram da realeza Seminole do clã Snake. Ambos eram chefes que bloquearam os georgianos de

Esta é a última das três colunas de Billy Bowlegs III. Hoje: o legado do Bowlegs. entrando na Flórida espanhola e capturando escravos africanos em fuga no início do século XIX. Quando o rei Payne morreu por volta de 1812, seu irmão se tornou o chefe que resistiria à invasão de Andrew Jackson na Flórida, que desencadeou a primeira das três guerras Seminole e forçou a Espanha a desistir da Flórida.

O segundo Bowlegs foi a lenda Seminole da última das guerras, aquela às vezes chamada de Guerra Billy Bowlegs. Este começou depois de uma década de relativa paz, quando soldados turbulentos roubaram bananas e esmagaram abóboras no jardim de Bowlegs. Bowlegs, um líder da resistência, havia se tornado um defensor da paz na época em que o secretário da Guerra Jefferson Davis, que mais tarde se tornaria o presidente da Confederação, começou a pressionar o Exército por uma política mais agressiva para livrar o estado de suas tribos.

Quando os engenheiros do Exército em uma excursão de levantamento destruíram o jardim do chefe, Bowlegs pediu dinheiro e um pedido de desculpas. Eles riram dele. A resposta de Billy Bowlegs foi rápida e decisiva. Um dia antes do amanhecer de dezembro de 1855, o chefe liderou um ataque ao acampamento dos engenheiros. Dois homens foram mortos e outros quatro ficaram feridos. O derramamento de sangue levou a dois anos de escaramuças, marcadas principalmente por ataques Seminole a assentamentos pioneiros e confrontos com tropas do Exército e milícias.

A rendição de Billy Bowlegs II em 1858 encerrou as guerras Seminole na Flórida. Ele foi enviado para o oeste, para o território do Arkansas, mas 100 ou mais Seminoles permaneceram na Flórida, incluindo muitos de seus parentes.

Como seu homônimo, Billy Bowlegs III cuidava de seu jardim.

"Seu acampamento é cercado por manchas de batata-doce, mandioca, cana-de-açúcar e abóboras, das quais ele ainda cuida", escreve George Albert DeVane em DeVane's Early Florida History.

Os seminoles eram frequentemente conhecidos por muitos nomes, um desde o nascimento, outro durante a infância e um terceiro quando amadureciam. O nome de nascimento de Billy Bowlegs III era Mo-pee-fah-gee. Em sua juventude, ele foi chamado de Cho-fee-hadjo, que significa coelho, às vezes soletrado Co-fee-hat-co ou Cofehatke.

Em um Green Corn Dance, quando ele tinha 15 anos, Cho-fee-hadjo foi renomeado para Billy Bowlegs III.

& quotBilly fazia parte da banda liderada pelo capitão Tom Tiger, que encontrou o primeiro trem a chegar em Kissimmee City [em 1882). Por pré-arranjos do Sr. Plant e para a diversão de seus convidados, o Capitão Tom Tiger deu o grito de guerra. & Quot

Billy também assistiu ao descarregamento de uma locomotiva do vapor White City em Júpiter. A locomotiva puxou o trem sobre a Celestial Railroad de Júpiter a Vênus e Marte. (Vênus está no lado leste do Lago Okeechobee, mas Marte não está mais marcado para mapas da Flórida.)

Quando o primeiro trem de Flagler chegou a Palm Beach, Billy estava lá.

Quando Billy tinha 100 anos, DeVane se juntou a ele para a primeira viagem de avião do Seminole. Algumas voltas no vôo, Billy estava apreciando a vista quando DeVane perguntou como ele estava, "Billy respondeu: 'Tudo bem, voe como um pássaro."


Um Apelo à Bandeira do Céu

Durante os primeiros dias da Guerra pela Independência - enquanto a fumaça das armas ainda cobria os campos de Lexington e Concord e os canhões ainda ecoavam em Bunker Hill - a América enfrentou inúmeras dificuldades e uma série de decisões difíceis. Sem surpresa, a escolha de uma bandeira nacional permaneceu sem resposta por muitos meses devido a questões mais urgentes, como providenciar uma defesa e formar o governo.

No entanto, uma bandeira ainda era necessária para os militares, a fim de diferenciar as forças americanas recém-forjadas daquelas dos britânicos que se aproximavam. Várias bandeiras temporárias foram rapidamente empregadas a fim de satisfazer a necessidade. Um dos padrões mais famosos e difundidos erguidos em mastros de bandeira tanto em terra quanto no mar foi o “Pinetree Flag,” ou às vezes chamado “Um Apelo ao Céu” bandeira.

Como o nome sugere, esta bandeira era caracterizada por ter uma árvore (mais comumente considerada um pinheiro ou um cipreste) e a leitura do lema “Um apelo ao Céu.” Normalmente, eles eram exibidos em um campo branco e frequentemente usados ​​por tropas, especialmente na Nova Inglaterra, já que a árvore da liberdade era um símbolo proeminente do norte para o movimento de independência. [I]

Na verdade, antes da Declaração de Independência, mas após o início das hostilidades, a Bandeira Pinetree era uma das bandeiras mais populares para as tropas americanas. De fato, “Estão registrados na história daqueles dias muitos exemplos do uso da bandeira do pinheiro entre outubro de 1775 e julho de 1776.”[ii]

Algumas das primeiras batalhas e vitórias da América foram travadas sob uma bandeira declarando “Um apelo ao Céu.” Alguns historiadores documentam que as tropas do general Israel Putnam em Bunker Hill usaram uma bandeira com o lema e, durante a Batalha de Boston, as baterias flutuantes (barcaças flutuantes armadas com artilharia) hastearam orgulhosamente a famosa Bandeira Pinetree branca. [Iii] Em janeiro de 1776, o Comodoro Samuel Tucker hasteava a bandeira enquanto capturava com sucesso um transporte de tropas britânicas que tentava socorrer as forças britânicas sitiadas em Boston. [Iv]

A bandeira Pinetree foi comumente usada pela Marinha Colonial durante este período da guerra. Quando George Washington encomendou os primeiros navios militares oficialmente sancionados para a América em 1775, o coronel Joseph Reed escreveu aos capitães pedindo-lhes que:

Por favor, fixe alguma cor particular para uma bandeira, e um sinal pelo qual nossos navios possam se conhecer. O que você acha de uma bandeira com fundo branco, uma árvore no meio, o lema ‘Apelo ao Céu’? Esta é a bandeira de nossas baterias flutuantes. [V]

Nos meses seguintes, a notícia se espalhou até mesmo pela Inglaterra de que os americanos estavam empregando essa bandeira em seus navios de guerra. Um relatório de um navio capturado revelou que, “A bandeira tirada de um provinciano [Americano] corsário está agora depositado no almirantado, o campo é uma bandeira branca, com uma árvore verde extensa como lema, ‘Apelo ao Céu’ ”.[vi]

À medida que as escaramuças se desdobraram em uma guerra total entre os colonos e a Inglaterra, a bandeira Pinetree com sua oração a Deus tornou-se sinônimo da luta americana pela liberdade. Um mapa antigo de Boston refletia isso mostrando uma imagem lateral de um casaca vermelha britânica tentando arrancar esta bandeira das mãos de um colono (veja a imagem à direita). [Vii] O lema principal, “Um Apelo ao Céu,” inspirou outras bandeiras semelhantes com lemas como “Um apelo a Deus,” que também costumava aparecer nas primeiras bandeiras americanas.

Para muitos americanos modernos, pode ser surpreendente saber que um dos primeiros lemas e bandeiras nacionais foi “Um apelo ao Céu.” De onde se originou essa frase e por que os americanos se identificaram com ela?

Para entender o significado por trás da Bandeira Pinetree, devemos voltar ao influente Segundo Tratado de Governo (1690). Neste livro, o famoso filósofo explica que quando um governo se torna tão opressor e tirânico que não resta mais nenhum remédio legal para os cidadãos, eles podem apelar para o Céu e então resistir a esse governo tirânico por meio de uma revolução. Locke recorreu à Bíblia para explicar seu argumento:

Para evitar este estado de guerra (onde não há apelo senão para o Céu, e onde toda a menor diferença pode acabar, onde não há autoridade para decidir entre os contendores) é uma grande razão para os homens se colocarem na sociedade e desistirem [deixando] o estado de natureza, pois onde há uma autoridade - um poder na terra - do qual se pode obter alívio por recurso, aí a continuação do estado de guerra é excluída e a controvérsia é decidida por esse poder. Had there been any such court—any superior jurisdiction on earth—to determine the right between Jephthah and the Ammonites, they had never come to a state of war, but we see he was forced to appeal to Heaven. The Lord the Judge (says he) he judge this day between the children of Israel and the children of Ammon, Judg. XI. 27.[viii]

Locke affirms that when societies are formed and systems and methods of mediation can be instituted, armed conflict to settle disputes is a last resort. When there no longer remains any higher earthly authority to which two contending parties (such as sovereign nations) can appeal, the only option remaining is to declare war in assertion of certain rights. This is what Locke calls an appeal to Heaven because, as in the case of Jephthah and the Ammonites, it is God in Heaven Who ultimately decides who the victors will be.

Locke goes on to explain that when the people of a country “have no appeal on earth, then they have a liberty to appeal to Heaven whenever they judge the cause of sufficient moment [importance].”[ix] However, Locke cautions that appeals to Heaven through open war must be seriously and somberly considered beforehand since God is perfectly just and will punish those who take up arms in an unjust cause. The English statesman writes that:

he that appeals to Heaven must be sure he has right on his side and a right to that is worth the trouble and cost of the appeal as he will answer at a tribunal that cannot be deceived [God’s throne] and will be sure to retribute to everyone according to the mischiefs he hath created to his fellow subjects that is, any part of mankind.[x]

The fact that Locke writes extensively concerning the right to a just revolution as an appeal to Heaven becomes massively important to the American colonists as England begins to strip away their rights. The influence of his Second Treatise of Government (which contains his explanation of an appeal to Heaven) on early America is well documented. During the 1760s and 1770s, the Founding Fathers quoted Locke more than any other political author, amounting to a total of 11% and 7% respectively of all total citations during those formative decades.[xi] Indeed, signer of the Declaration of Independence Richard Henry Lee once quipped that the Declaration had been largely“copied from Locke’s Treatise on Government.”[xii]

Therefore, when the time came to separate from Great Britain and the regime of King George III, the leaders and citizens of America well understood what they were called upon to do. By entering into war with their mother country, which was one of the leading global powers at the time, the colonists understood that only by appealing to Heaven could they hope to succeed.

For example, Patrick Henry closes his infamous “give me liberty” speech by declaring that:

If we wish to be free—if we mean to preserve inviolate those inestimable privileges for which we have been so long contending—if we mean not basely to abandon the noble struggle in which we have been so long engaged, and which we have pledged ourselves never to abandon—we must fight!—I repeat it, sir, we must fight!! An appeal to arms and to the God of Hosts, is all that is left us![xiii]

Furthermore, Jonathan Trumbull, who as governor of Connecticut was the only royal governor to retain his position after the Declaration, explained that the Revolution began only after repeated entreaties to the King and Parliament were rebuffed and ignored. In writing to a foreign leader, Trumbull clarified that:

On the 19 th day of April, 1775, the scene of blood was opened by the British troops, by the unprovoked slaughter of the Provincial troops at Lexington and Concord. The adjacent Colonies took up arms in their own defense and the Congress again met, again petitioned the Throne [the English king] for peace and settlement and again their petitions were contemptuously disregarded. When every glimpse of hope failed not only of justice but of safety, we were compelled, by the last necessity, to appeal to Heaven and rest the defense of our liberties and privileges upon the favor and protection of Divine Providence and the resistance we could make by opposing force to force.[xiv]

John Locke’s explanation of the right to just revolution permeated American political discourse and influenced the direction the young country took when finally being forced to appeal to Heaven in order to reclaim their unalienable rights. The church pulpits likewise thundered with further Biblical exegesis on the importance of appealing to God for an ultimate redress of grievances, and pastors for decades after the War continued to teach on the subject. For example, an 1808 sermon explained:

War has been called an appeal to Heaven. And when we can, with full confidence, make the appeal, like David, and ask to be prospered according to our righteousness, and the cleanness of our hands, what strength and animation it gives us! When the illustrious Washington, at an early stage of our revolutionary contest, committed the cause in that solemn manner. “May that God whom you have invoked, judge between us and you,” how our hearts glowed that we had such a cause to commit![xv]

Thus, when the early militiamen and naval officers flew the Pinetree Flag emblazoned with its motto “An Appeal for Heaven,” it was not some random act with little significance or meaning. Instead, they sought to march into battle with a recognition of God’s Providence and their reliance on the King of Kings to right the wrongs which they had suffered. The Pinetree Flag represents a vital part of America’s history and an important step on the journey to reaching a national flag during the early days of the War for Independence.

Furthermore, the Pinetree Flag was far from being the only national symbol recognizing America’s reliance on the protection and Providence of God. During the War for Independence other mottos and rallying cries included similar sentiments. For example, the flag pictured on the right bore the phrase “Resistance to Tyrants is Obedience to God,” which came from an earlier 1750 sermon by the influential Rev. Jonathan Mayhew. [xvi] In 1776 Benjamin Franklin even suggested that this phrase be part of the nation’s Great Seal.[xvii] The Americans’ thinking and philosophy was so grounded on a Biblical perspective that even a British parliamentary report in 1774 acknowledged that, “If you ask an American, ‘Who is his master?’ He will tell you he has none—nor any governor but Jesus Christ.” [xviii]

This God-centered focus continued throughout our history after the Revolutionary War. For example, in the War of 1812 against Britain, during the Defense of Fort McHenry, Francis Scott Key penned what would become our National Anthem, encapsulating this perspective by writing that:

Blest with vict’ry and peace may the heav’n rescued land

Praise the power that hath made and preserv’d us a nation!

Then conquer we must, when our cause it is just,

And this be our motto: “In God is our trust.”[xix]

In the Civil War, Union Forces sang this song when marching into battle. In fact, Abraham Lincoln was inspired to put “In God we Trust” on coins, which was one of his last official acts before his untimely death.[xx] And after World War II, President Eisenhower led Congress in making “In God We Trust” the official National Motto,[xxi] also adding “under God” to the pledge in 1954.[xxii]

Throughout the centuries America has continually and repeatedly acknowledged the need to look to God and appeal to Heaven. This was certainly evident in the earliest days of the War for Independence with the Pinetree Flag and its powerful inscription: “An Appeal to Heaven.”

[i] “Flag, The,” Cyclopaedia of Political Science, Political Economy, and of the Political History of the United States, ed. John Lalor (Chicago: Melbert B. Cary & Company, 1883), 2.232, here.

[ii] Report of the Proceedings of the Society of the Army of the Tennessee at the Thirtieth Meeting, Held at Toledo, Ohio, October 26-17, 1898 (Cincinnati: F. W. Freeman, 1899), 80, here.

[iii] Schuyler Hamilton, Our National Flag The Stars and Stripes Its History in a Century (New York: George R. Lockwood, 1877), 16-17, here

[iv] Report of the Proceedings of the Society of the Army of the Tennessee at the Thirtieth Meeting, Held at Toledo, Ohio, October 26-17, 1898 (Cincinnati: F. W. Freeman, 1899), 80, here.

[v] Richard Frothingham, History of the Siege of Boston, and of the Battles of Lexington, Concord, and Buner Hill (Boston: Charles C. Little and James Brown, 1849), 261, here.

[vi] Richard Frothingham, History of the Siege of Boston, and of the Battles of Lexington, Concord, and Buner Hill (Boston: Charles C. Little and James Brown, 1849), 262, here.

[vii] Richard Frothingham, History of the Siege of Boston, and of the Battles of Lexington, Concord, and Buner Hill (Boston: Charles C. Little and James Brown, 1849), 262, here.

[viii] John Locke, Two Treatises of Government (London: A. Millar, et al., 1794), 211, here.

[ix] John Locke, Two Treatises of Government (London: A. Millar, et al., 1794), 346-347, here

[x] John Locke, Two Treatises of Government (London: A. Millar, et al., 1794), 354-355, here.

[xi] Donald Lutz, The Origins of American Constitutionalism (Baton Rouge: Louisiana State University, 1988), 143.

[xii] Thomas Jefferson, The Writings of Thomas Jefferson, Andrew A. Lipscomb, editor (Washington, D.C.: The Thomas Jefferson Memorial Association, 1904), Vol. XV, p. 462, to James Madison on August 30, 1823.

[xiii] William Wirt, The Life of Patrick Henry (New York: McElrath & Bangs, 1831), 140, here

[xiv] Jonathan Trumbull quoted in James Longacre, The National Portrait Gallery of Distinguished Americans (Philadelphia: James B. Longacre, 1839), 4.5, here.

[xv] The Question of War with Great Britain, Examined upon Moral and Christian Principles (Boston: Snelling and Simons, 1808), 13, here.

[xvi] Jonathan Mayhew, A Discourse Concerning Unlimited Submission and Non-Resistance to the Higher Powers (Boston: D. Fowle, 1750) [Evans # 6549] see also, John Adams, Letters of John Adams, Addressed to His Wife, ed. Charles Francis Adams (Boston: Charles C. Little and James Brown, 1841), 1:152, to Abigail Adams on August 14, 1776.

[xvii] “Benjamin Franklin’s Great Seal Design,” The Great Seal (accessed September 2, 2020), here.

[xviii] Hezekiah Niles, Principles and Acts of the Revolution in America (Baltimore: William Ogden Niles, 1822), 198.

[xix] Francis Scott Key, “The Defence of Fort M’Henry,” The Analectic Magazine (Philadelphia: Moses Thomas, 1814) 4.433-444.

[xx] B. F. Morris, Memorial Record of the Nation’s Tribute to Abraham Lincoln (Washington, DC: W. H. & O. H. Morrison, 1866), 216, here.

[xxi] D. Jason Berggan, “In God We Trust,” The First Amendment Encyclopedia (2017), here.

[xxii] Rachel Siegel, “The Gripping Sermon that Got ‘Under God’ Added to the Pledge of Allegiance on Flag Day,” The Washington Post (June 14, 2018), here.


Assista o vídeo: Tank Chats #106. Panzer IV. The Tank Museum