A campanha de escavação começa nas jazidas da Sierra de Atapuerca

A campanha de escavação começa nas jazidas da Sierra de Atapuerca

Na segunda-feira, 17 de junho, um grupo avançado de escavadeiras do Equipe de Pesquisa Atapuerca Foi iniciada a preparação das infraestruturas das jazidas da Serra de Atapuerca.

As obras dirigidas por Juan Luis Arsuaga, José María Bermúdez de Castro e Eudald Carbonell, terão a colaboração, durante este mês de junho, de alguns 80 pessoas que escavarão na Sima del Elefante, Galería, Gran Dolina, Cueva Fantasma, ─todas localizadas na Trincheira da Estrada de Ferro─ e na Cueva del Mirador.

O restante da Equipe de Pesquisa da Atapuerca chegará em julho, atingindo cerca de 200 pessoas no total. Em julho, será escavado, além dos locais mencionados, na Cueva Mayor (Portalón, Sima de los Huesos e Galería de las Estatuas) e nas escavações a céu aberto de La Paredeja. Nesse mês, também terão início as obras de lavagem de sedimentos nas margens do Rio Arlanzón.

O grupo de pessoas que vêm para cavar na Sierra de Atapuerca pertencem a diferentes centros de pesquisa do Projeto Atapuerca: Centro Nacional de Pesquisas em Evolução Humana de Burgos (CENIEH), Universidade de Burgos (UBU), Instituto de Paleoecologia Humana e Evolução Social (IPHES - Tarragona), Centro de Evolução e Comportamento Humano (Universidade Complutense de Madrid - ISCIII) e Universidade de Zaragoza (UNIZAR). Há também pesquisadores de outras universidades e centros de pesquisa nacionais e internacionais. Vale destacar a participação de vários alunos do University College of London e do National Museum of Georgia, graças aos convênios firmados com a Fundação Atapuerca.

o Fundação AtapuercaComo complemento do financiamento que a Junta de Castilla y León atribui às escavações, coordenará o funcionamento da campanha com apoio organizacional, administrativo, económico, logístico, manutenção, comunicação e organização de eventos.

As características dos diferentes sítios que serão escavados nesta campanha e os objetivos traçados para cada um deles são detalhados a seguir.

Sima del Elefante

Neste local, localizado na Fossa da Estrada de Ferro, já foram escavados os níveis inferiores onde apareceu o primeiro europeu.

O objetivo desta campanha é abrir a superfície máxima possível do nível TE7. Este é o nível mais antigo de toda a Trincheira, com mais de 1,3 milhão de anos. Desta forma, a expansão da escavação deste nível permitirá a recuperação de um maior número de restos fósseis, bem como melhor compreensão do processo de seu acúmulo.

Galeria

Também está na Trincheira da Ferrovia, a cerca de 50m do local da Gran Dolina.

O objetivo principal é continuar a escavação da seção inferior da Unidade GIII em todos os setores da jazida (TZ, TG, TN), onde se concentram os solos de última ocupação (GSU), sendo estes os mais ricos neste pacote estratigráfico . Esta intervenção supõe, ao mesmo tempo, avançar para o interior da cavidade acompanhando a topografia da caverna.

Dolina Grande

É um dos locais mais famosos da Vala da Ferrovia, sem dúvida pela descoberta de uma nova espécie, o Homo antecessor.

Nivel superior

Durante esta campanha, será encerrado o nível 10 da Gran Dolina, cuja escavação de extensão envolveu mais de 20 campanhas, devido à extrema riqueza arqueo-paleontológica. Neste ano, está prevista também o início da escavação da unidade TD9 em toda a área de escavação, que ocupa cerca de 85 m2.

TD4

O primeiro objetivo desta campanha é continuar a obtenção de dados geocronológicos que nos permitam refinar a idade do depósito. A segunda é paleontológica, e por sua vez pode ser subdividida em três: 1) recuperar mais vestígios da espécie Ursus dolinensis para ajudar a melhorar sua descrição, 2) aumentar os restos de ungulados, para consolidar as características das comunidades de mamíferos existentes naquele período nas montanhas e como um indicador biocronológico que pode contribuir para datar outros sítios europeus, e 3) obter mais dados sobre a microfauna do sítio, como um excelente indicador das condições ambientais prevalecentes na Serra de Atapuerca nos momentos imediatamente a seguir a Jaramillo. O terceiro objetivo é inteiramente arqueológico e tenta recuperar mais evidências da presença humana para compreender os modos de vida dessas comunidades em um ambiente como o da Serra de Atapuerca um milhão de anos atrás.

Caverna Mirador

Este local está localizado na parte sul da Serra de Atapuerca. Este ano, está prevista a continuação da intervenção nos setores 100 e 200. No setor 100, a estratégia de aprofundamento de forma escalonada, colada no teto e na parede norte, continuará com o objetivo de conhecer a progressão da cavidade no plano horizontal. Apesar de durante 2018 ter se aprofundado significativamente, em 2019 a escavação continuará para conseguir espaço suficiente para continuar entrando no interior da caverna.

Prosseguirá também a escavação dos níveis abertos em 2018, MIR108, 109, 202 e 206, cujo penúltimo presente vestígios atribuídos à tumba colectiva (MIR203) que continuam a aparecer no perímetro à medida que é aprofundado, as paredes abertas e a superfície é ampliada. Neste setor você descerá verticalmente, como em um furo convencional, já que, no momento, as paredes não se abrem o suficiente para tentar um avanço horizontal.

Caverna fantasma

Depois de concluídas todas as obras de engenharia e adaptação pertinentes, incluindo a construção da cobertura do reservatório, a perfuração continuará durante esta campanha; registrar e inventariar seus restos mortais e abrir uma área de 20m2 aprox. pela sua escavação em extensão.

La Paredeja

Durante a campanha de 2019, a intenção é continuar com a intervenção neste depósito. Para a realização dos trabalhos de escavação, primeiramente, é necessária a limpeza da área e o corte completo da pedreira, bem como a preparação do acesso à área de escavação. Assim que essas tarefas forem concluídas, o trabalho será feito no primeiro nível fértil localizado na última campanha de escavação.

Caverna Principal

O Cueva Mayor inclui três locais diferentes: o Portalón, a Galeria das Estátuas e Sima de los Huesos. As obras de escavação em todo este complexo começarão em julho próximo.

Portão

Este site está localizado na entrada de Cueva Mayor. Desde a campanha de 2014, um nível Neolítico foi escavado. Este nível caracteriza-se pela presença de estruturas habitacionais de grande qualidade (pisos preparados, lareiras, paredes de pedra, etc.), nas quais se encontram materiais em pedra e cerâmica típicos da época e abundante fauna doméstica e silvestre.

No ano passado foi dada continuidade à escavação de um solo ativo que surgiu em 2016 e onde surgiram pequenas fogueiras e que ainda não foi concluído. O objetivo para a campanha de 2019 é continuar com a intervenção nesta área do Setor II, correspondendo ao nível 9 e, portanto, aos momentos finais do Neolítico.

Da mesma forma, continuarão as escavações na área alargada para obter mais informação sobre os materiais correspondentes aos últimos momentos de ocupação da gruta e que em 2018 ficaram na fase correspondente à Idade do Bronze Final.

Galeria de estátuas

A Galería de las Estatuas encontra-se a cerca de 350 metros da actual entrada da Cueva Mayor, neste local continuarão com os inquéritos abertos nas duas provas em que estão a escavar. No GE-I existe uma sequência entre 80 e 112 mil anos.

Em parte da degustação eles alcançaram o nível mais baixo conhecido até agora (nível 5), então é possível que eles possam continuar a sequência. Seria muito interessante saber se abaixo do nível 5 existem níveis férteis em nível arqueológico que poderiam dar informações sobre como os Neandertais viviam no planalto durante os últimos 125-130 mil anos interglaciais atrás.

Chasm of the bones

No Sima de los Huesos, a escavação continuará na zona de transição entre a rampa e a câmara distal. Nas tabelas localizadas no eixo central do sítio, está sendo feito um trabalho de delimitação do contato lateral das argilas fossilíferas com restos humanos e a clareira. Ao longo da parede da cavidade, mais restos humanos serão revistados para completar os crânios encontrados em campanhas recentes nessas mesmas pinturas.

Lavagem do rio Arlanzón e bioestratigrafia

Tão importante quanto a própria escavação de cada local é a lavagem de sedimentos. Esta atividade, liderada pela paleontóloga da Universidade de Zaragoza e integrante do EIA, Gloria Cuenca, serve para recuperar a microfauna Atapuerca, ou seja, os minúsculos fósseis de mamíferos, anfíbios, aves, répteis e peixes das jazidas da Serra Atapuerca .

Realiza-se nas margens do rio Arlanzón ao passar por Ibeas de Juarros, e todo o sedimento de cada uma das jazidas escavadas na Serra de Atapuerca é lavado e peneirado.


Vídeo: Nuevo hallazgo en Atapuerca!!!!