Por que alguns cavalos europeus do Mioceno eram anões?

Por que alguns cavalos europeus do Mioceno eram anões?

Mais de 10 milhões de anos atrás, um grupo de equídeos de três dedos chamados hyparions, que eram semelhantes em tamanho ao grande pônei de hoje (cerca de 150 quilos de peso) e se alimentavam de uma maior variedade de recursos, como folhas, cascas e frutos, do que os cavalos, burros e zebras de hoje, que pastam principalmente.

Estes Os primeiros hyparyons a chegar à Europa diversificaram-se rapidamente, e em alguns casos eles reduziram seu tamanho consideravelmente.

Na Grécia atual, espécies grandes coexistiram com um pequeno hyparion, que estava diminuindo de tamanho para pesar apenas cerca de 70 quilos, nove milhões de anos atrás.

Já na Península Ibérica, a diminuição do tamanho da hyparia ocorreu posteriormente, no fim de Mioceno mais alto, cerca de seis milhões de anos atrás.

Mas por que e como essas mudanças de tamanho ocorrem ao longo da evolução? Pesquisadores afirmam que mudanças na altura podem ser uma consequência indireta da ação da seleção natural nos ciclos de vida.

Analisando o dentro de ossos longos Muitas informações sobre esses ciclos podem ser obtidas de animais.

“Nos fósseis observamos certas marcas que - de maneira semelhante ao que vemos nos anéis dos troncos das árvores - nos informam das paradas no crescimento anual do animal”, explica Guillem Orlandi, pesquisador do Grupo de Paleobiologia Evolutiva do Institut Català de Paleontologia Miquel Crusafont (ICP) e principal autora do estudo.

A comparação das taxas de crescimento ósseo e as idades de maturidade relativa dos híparions nos permite afirmar que o Os cavalos balcânicos e ibéricos seguiram duas estratégias diferentes mas isso os levou paralelamente a uma diminuição no tamanho do corpo.

"Por um lado, vemos que os hyparions anões ibéricos cresceram mais lentamente e amadureceram mais tarde, enquanto seus análogos gregos pararam de crescer cedo e atingiram a maturidade mais cedo", diz Meike Köhler, professor de pesquisa do ICREA e chefe do Grupo de Pesquisa de Paleobiologia Evolucionário do ICP que também participou da pesquisa.

“Achamos que essas diferentes estratégias respondem a diferentes situações ambientais. Provavelmente estariam relacionadas aos diferentes habitats e, com isso, às diferentes pressões de seleção, que existiam no passado nas duas margens do Mediterrâneo ”, explica a pesquisadora.

Cavalos anões em diferentes habitats

Os habitats da Grécia atual no final do Mioceno estavam abertos, com pouca densidade de árvores. Nesse ambiente, os hyparions estariam mais expostos à predação por carnívoros, como hienas e dentes de sabre.

Quando uma população está sujeita a um alta predação –E, conseqüentemente, com uma alta taxa de mortalidade em indivíduos adultos– as perdas populacionais são minimizadas com o avanço da maturação sexual.

Graças a este sistema, o tempo entre uma geração e a próxima é encurtado e a população pode permanecer estável apesar dos predadores.

Em vez disso, naquela época, a Península Ibérica foi dominada por ambientes mais fechados e arborizados. Nessas circunstâncias, pequenos herbívoros são menos propensos a ataques de predadores.

Ao mesmo tempo, porém, esses ecossistemas tendem a ser mais pobres em alimentos para eqüinos, situação que se agravaria em períodos de seca como na região de onde provêm os restos.

Sob estas condições, Hyparions teria menos comida disponível, eventualidade que afeta principalmente a mortalidade de indivíduos juvenis. A estratégia ótima nesse cenário é a reprodução tardia, pois o atraso na maturidade leva a um aumento na taxa de sobrevivência dos juvenis como consequência de pais mais experientes.

Ao mesmo tempo, baixos níveis de recursos causam uma diminuição nas taxas de crescimento (como ocorre em populações humanas) e favorecem uma diminuição no tamanho do corpo. Neste contexto, os animais crescem lentamente e por mais tempo, como se viu na população de pequenos hyparions ibéricos.

Os resultados do estudo publicados em Relatórios Científicos, além de fornecer novas informações sobre o complexo história evolutiva de equídeos, fornecem novas evidências que indicam como mudanças semelhantes no tamanho podem ser causadas por adaptações dos ciclos de vida a diferentes pressões de seleção.

A evolução dos cavalos

A linhagem dos cavalos tem sido um exemplo clássico de evolução em livros de história natural por mais de 100 anos. No final do século XIX, alguns autores americanos propunham uma evolução linear que terminaria com o surgimento dos cavalos atuais e que passaria por uma diminuição dos dedos nos membros e um aumento da altura dos dentes e do tamanho corporal.

Esta concepção excessivamente simplista há muito foi descartada e a ideia de uma árvore complexa de linhagens das quais apenas as espécies do gênero Equus, como cavalos ou zebras.

O ramo da hyparia, embora totalmente extinto, era muito prolífico e muito diversificado na forma e na dimensão, como o evidencia a presença na Península Ibérica de formas com mais de 300 quilos e outras com pouco mais de 30. O estudo destas As linhagens confirmam a ideia de uma evolução equídea complexa e ramificada.

Referência bibliográfica:

Orlandi-Oliveras, G., Nacarino-Meneses, C., Koufos, G. D., Köhler, M., 2018. «A histologia óssea fornece insights sobre os mecanismos de história de vida subjacentes ao nanismo em hipparioninas«. Relatórios científicos. DOI: 10.1038 / s41598-018-35347-x

Depois de estudar História na Universidade e depois de muitos testes anteriores, nasceu Red Historia, um projeto que surgiu como um meio de divulgação onde encontrar as notícias mais importantes da arqueologia, história e humanidades, bem como artigos de interesse, curiosidades e muito mais. Em suma, um ponto de encontro para todos onde possam compartilhar informações e continuar aprendendo.


Vídeo: Dicas de como Aumentar o Ganho de Massa e Crescimento do seu Cavalo!