Stockton and Darlington Railway

Stockton and Darlington Railway

Em suas viagens comprando e vendendo lã, Edward Pease chegou à conclusão de que havia uma grande necessidade de uma ferrovia com vagões puxados por cavalos para transportar carvão das minas de West Durham ao porto de Stockton. Em 1821, Pease e um grupo de empresários formaram a Stockton & Darlington Railway Company. Mais de três quartos dos £ 120.000 originais investidos vieram da área de Darlington. O maior investidor foi Joseph Gurney, o banqueiro Quaker de Norwich, que comprou £ 14.000 em ações.

Em 19 de abril de 1821, foi aprovada uma Lei do Parlamento que autorizou a empresa a construir uma ferrovia a cavalo que ligaria as minas de carvão em West Durham, Darlington e o rio Tees em Stockton. Nicholas Wood, o gerente da Killingworth Colliery, e seu construtor de motores, George Stephenson, conheceram Pease e sugeriram que ele deveria considerar a construção de uma locomotiva ferroviária. Stephenson disse a Pease que "um cavalo em uma estrada de ferro puxaria dez toneladas por uma tonelada em uma estrada comum". Stephenson acrescentou que o Blutcher a locomotiva que ele construiu em Killingworth "valia cinquenta cavalos".

Naquele verão, Edward Pease aceitou o convite de Stephenson para visitar a Killingworth Colliery. Quando Pease viu o Blutcher no trabalho, percebeu que George Stephenson estava certo e ofereceu-lhe o cargo de engenheiro-chefe da empresa Stockton & Darlington. Agora era necessário que Pease se candidatasse a uma nova Lei do Parlamento. Desta vez, foi acrescentada uma cláusula que afirmava que o Parlamento autorizava a empresa "a fabricar e erguer locomotivas ou motores móveis".

Em 1823, Edward Pease juntou-se a Michael Longdridge, George Stephenson e seu filho Robert Stephenson, para formar uma empresa para fazer as locomotivas. A Robert Stephenson & Company, em Forth Street, Newcastle-upon-Tyne, tornou-se a primeira construtora de locomotivas do mundo. Stephenson recrutou Timothy Hackworth, um dos engenheiros que ajudou William Hedley a produzir Billy soprando, para trabalhar para a empresa. A primeira locomotiva ferroviária, Locomoção, foi concluído em setembro de 1825. A locomotiva era semelhante às que Stephenson produziu nas minas de Killingworth e Heaton. A caldeira do Locomoção tinha um único tubo de incêndio e dois cilindros verticais colocados no cano e as quatro rodas eram acopladas por hastes em vez de uma corrente.

O trabalho na pista começou em 1822. Stephenson usou trilhos de ferro maleável carregados em cadeiras de ferro fundido. Esses trilhos foram colocados em blocos de madeira por 12 milhas entre Stockton e Darlington. Os trilhos de 15 milhas das minas e Darlington foram colocados em blocos de pedra.

A Stockton & Darlington Railroad foi inaugurada em 27 de setembro de 1825. Grandes multidões viram George Stephenson no controle do Locomoção enquanto puxava 36 vagões. Doze vagões de carvão e farinha, seis de hóspedes e quatorze vagões cheios de operários. A viagem inicial de pouco menos de 14 quilômetros levou duas horas. No entanto, durante a descida final para o término de Stockton, velocidades de 15 mph (24 km / h) foram alcançadas. Este aumento de velocidade surpreendeu um homem e ele caiu de uma das carroças e ficou gravemente ferido.

O trem também incluía um vagão de passageiros especialmente construído, chamado de Experimentar. A carruagem acomodava 18 passageiros e, como não tinha molas, deve ter proporcionado uma viagem desconfortável, mas pela primeira vez na história, uma locomotiva a vapor transportou passageiros em uma ferrovia pública.

A Darlington & Stockton Railroad começou a operar trens todos os dias, exceto aos domingos. A empresa recebeu 1d por tonelada de carvão para cada milha transportada. No ano seguinte, esse valor foi reduzido para meio centavo por milha. Proprietários de mina de carvão locais relataram que o transporte de locomotivas era um terço mais barato do que o transporte de cavalos.

Nos primeiros anos, apenas os vagões de carga eram puxados por locomotivas. O treinador de passageiros, Experimentar, foi morado. Foi construído como uma carruagem de estrada comum, exceto que tinha duas pontas para que o veículo não precisasse ser virado para as viagens de volta. Os trens Darlington & Stockton eram equipados com carrinhos elegantes nos quais os cavalos eram colocados durante a descida.

A hora das dez chegou antes que tudo estivesse pronto para começar. Por volta dessa época, a locomotiva, ou cavalo a vapor, como era geralmente denominado, dava nota de preparação. A cena, no movimento do motor, define a descrição em desafio. O espanto não se limitou à espécie humana, pois os animais do campo e as aves do céu pareciam ver com admiração e admiração a máquina, que agora avançava a uma velocidade de 10 ou 12 mph com um peso não inferior a 80 toneladas anexadas a ele.

A distância de Brussleton a Stockton é de vinte milhas e meia, toda a extensão de Witton Park Colliery, quase 25 milhas, sendo, acreditamos, a maior ferrovia do Reino. Toda a população das cidades e vilas a poucos quilômetros da ferrovia parece ter desaparecido, e acreditamos que falamos dentro dos limites da verdade, quando dizemos que não menos de 40 ou 50.000 pessoas foram reunidas para testemunhar os procedimentos de o dia.

Os passageiros da locomotiva tiveram o prazer de acompanhar e animar seus irmãos passageiros da carruagem que passava ao lado e observar o contraste marcante que a potência da locomotiva apresentava e do cavalo - a locomotiva com seus 600 passageiros e carga e a carruagem com quatro cavalos e apenas 16 passageiros.

A novidade da cena e a delicadeza do dia atraíram uma imensa multidão de espectadores, os campos de cada lado da ferrovia literalmente cobertos por damas e cavalheiros a cavalo e pedestres de todos os tipos. O trem de carruagens foi então acoplado a uma locomotiva, construída por George Stephenson, na seguinte ordem: (1) Locomotiva, com o engenheiro (Sr. George Stephenson) e auxiliares. (2) Tender, com carvão e água; a seguir, seis vagões carregados de carvão e farinha; depois, um elegante vagão coberto, com o comitê e outros proprietários da ferrovia; depois 21 vagões, preparados para passageiros; e, por último, seis vagões carregados de carvão, perfazendo ao todo um trem de 38 carruagens. Quando a cavalgada chegou a Stockton, onde foi recebida com grande alegria, não havia menos de 600 pessoas dentro e penduradas nas carruagens.

Além das vantagens sociais decorrentes do aumento da comunicação, havia o desenvolvimento do comércio e a crescente importância dos vários lugares por onde passava. A ferrovia Stockton e Darlington transformou o lojista em um comerciante, deu pão a centenas; e conferiu felicidade a milhares.

Saiu de casa na companhia de John Dixon para assistir ao internamento de George Stephenson em Chesterfield. Temo que ele morreu descrente. Quando reflito sobre meu primeiro contato com ele e as consequências resultantes, minha mente parece perdida em dúvidas quanto aos resultados benéficos - que a humanidade foi beneficiada pelo uso diminuído de cavalos e pela menor crueldade com eles, tanta facilidade, segurança, velocidade e menor despesa em viagens são obtidas, mas quanto aos resultados e efeitos de tudo aquilo a que as ferrovias levaram minha querida família, ser benéfico em qualquer sentido é incerto.


Celebrando a história, preservando o patrimônio

Temos muito orgulho de nossa história e de nossa associação com as ferrovias.

É uma das razões pelas quais nossos esquemas de habitação abrigada têm o nome de pessoas que são sinônimos de ferrovias. Patrick Stirling, Tempest Anderson, Timothy Hackworth e Robert Stephenson são apenas algumas das "lendas" ferroviárias que são homenageadas quando você visita nossos projetos em Doncaster, Darlington, Stockton e Hull.

Essas vilas e cidades, junto com outras onde temos estoque de moradias como Newcastle, York e Leeds, estão todas inextricavelmente ligadas às ferrovias.

Também gostamos muito do patrimônio. É a razão pela qual simpaticamente convertemos um galpão de locomotiva degradado construído em 1844 em lindas casas de cavalariças em Darlington e também porque estamos prestes a realizar a restauração de um antigo prédio escolar listado como Grau II em Bishop Auckland, onde a lenda da comédia Stan Laurel uma vez compareceu.

& # 8220Patrick Stirling, Tempest Anderson, Timothy Hackworth e Robert Stephenson & # 8211 apenas algumas das lendas ferroviárias que são homenageadas quando você visita nossos projetos & # 8221

Há alguns anos, comemoramos nosso 100º aniversário e o marcamos com um evento exclusivo a bordo de vagões ferroviários puxados pelo Tornado, uma locomotiva a vapor restaurada à sua antiga glória.

Portanto, foi muito agradável ver o Tornado usado recentemente como parte do 195º aniversário da Stockton and Darlington Railway.

E pensei que éramos velhos!

  • Railway Housing Association & # 8217s excursão de celebração do 100º aniversário na ferrovia de Wensleydale. Crédito: Stuart Boulton

Ironicamente, embora sempre tenha sido conhecida como Stockton and Darlington Railway, a Locomotion No.1 fez sua viagem inaugural em 27 de setembro de 1825, transportando carvão e passageiros entre Shildon e Stockton.

Pobre Shildon, eliminado dos livros de história por Darlington, mas pelo menos eles agora têm o incrível museu Locomotion na cidade, o que certamente ajudou a colocá-lo de volta no verso & # 8211 e com razão.

Como chefe de uma associação habitacional que começou a construir casas para ferroviários e suas famílias, é bom fazer parte desta história e poder desempenhar nossa própria pequena parte no registro e preservação de tal legado para as gerações futuras.

Imagem principal: Anne Rowlands, diretora executiva, Railway Housing Association


Neste dia, em 1825, a Stockton and Darlington Railway & # 8230

Bem, eu tinha planejado escrever sobre John Adams e seus esforços para conversar sobre a paz que começaram neste dia, em 1779, que eventualmente levariam ao Tratado de Paris, mas o History Channel & # 8211 em sua infinita sabedoria & # 8211 roubou meu & # 8220On este dia & # 8221 como a história principal. Então você terá que se conformar com um pouco da história britânica, haha, brincadeira! (Brincadeira sobre estabelecer acordos, não sobre obter a história britânica.) Nesse dia (27 de setembro), em 1825, a Stockton and Darlington Railway funcionava para a época. Esta ferrovia foi a primeira ferrovia de passageiros com assinatura pública. A Stockton and Darlington Railway (S & ampDR) era uma ferrovia do nordeste da Inglaterra construída tanto para o transporte de passageiros quanto para o transporte de mercadorias. A primeira viagem levou seiscentos passageiros, doze milhas, em duas horas. A maioria dos passageiros viajou em vagões abertos de carvão. Havia uma carruagem de passageiros chamada & # 8220The Experiment & # 8221 que era basicamente um grande galpão de madeira sobre rodas. (A imagem abaixo é o modelo atualizado de 1826).

A força motriz que puxa este primeiro trem de passageiros? o Locomoção No. 1. Essa locomotiva a vapor era especial não só porque fazia a primeira viagem de passageiros, mas também por causa de seu design. o Locomoção No. 1 foi único porque foi o primeiro a usar hastes de acoplamento em vez de engrenagens. Foi rotulada como & # 8220The World & # 8217s First Locomotive mais bem-sucedida & # 8221 pela The New Zealand Railways Magazine. [1] Ao longo dos próximos trinta e oito anos, S & ampDR iria expandir esta linha em toda a Inglaterra até que foi absorvida pela North Eastern Railway em 1863.

As gerações mais jovens não conseguem entender a importância dos trens. Quando se trata de viajar, eles pegam um carro, um avião ou, se estiverem realmente desesperados, um ônibus Greyhound. Poucas pessoas usam mais trens para transporte. Os trens são apenas um atraso no tráfego, um inconveniente, porém, os trens mudaram tudo. Eles tornam as viagens de longa distância mais seguras e parecem instantâneas para pessoas impacientes. Os trens, como os aviões ou a internet, deram às empresas novas opções, opções mais baratas e rápidas. Como os aviões de passageiros não apareceram até 1913, o trem foi o campeão por várias décadas.


Quanto da ferrovia ainda existe?

Cerca de 20 milhas (32 km) da ferrovia ainda está em uso, formando a base para os serviços Ferroviários do Norte entre Shildon e Stockton.

As características originais incluem a Skerne Bridge em Darlington, considerada a ponte ferroviária mais antiga do mundo construída para esse fim ainda em uso e que figurou na nota de £ 5 na década de 1990, bem como pinturas celebrando a jornada inaugural da ferrovia & # x27s.

Cinco pubs construídos como & quotproto-estações & quot, lugares para os passageiros esperarem por seus trens, também ainda existem, de acordo com Hammond.

Isso inclui o Masons Arms em Shildon, que agora é um restaurante temático africano, o Kings Arms em Heighington (agora fechado) e a Railway Tavern em Darlington.

Cleveland Bay, que marcava o terminal do ramal para Yarm, é considerado o pub ferroviário mais antigo do mundo ainda em uso, enquanto os edifícios que antes abrigavam uma bilheteria e uma taverna na Bridge Road Stockton são agora um albergue para os sem-teto .

Vários edifícios ligados ao S & ampDR podem ser encontrados ao redor do Locomotion Museum em Shildon, incluindo a casa onde o engenheiro da ferrovia Timothy Hackworth vivia e trabalhava, enquanto há também um depósito de mercadorias próximo à North Road Station e Head of Steam Museum em Darlington que remonta aos primeiros dias da ferrovia.

Para o Sr. Coulls do Museu Ferroviário Nacional, os vestígios mais interessantes podem ser encontrados na ferrovia & # x27s nas primeiras 5 milhas (8 km), entre Witton Park e Shildon, que rapidamente caiu em desuso conforme a ferrovia se expandia e a tecnologia melhorava rapidamente.

Através desta seção, cavalos puxavam os trens ao longo das planícies enquanto motores estacionários eram usados ​​para puxar os vagões pelas duas inclinações de Etherley e Brusselton.

Neste último, os restos de uma grande margem de terra conduzem a cabanas ferroviárias e a um reservatório usado pela máquina a vapor estacionária.

Os fundamentos de pedra de uma ponte sobre o rio Gaunless perto de West Auckland ainda podem ser facilmente encontrados enquanto a ferragem está no National Rail Museum em York, embora haja planos para movê-la para Shildon.

Mais ao norte, há uma trilha pública arborizada ao longo da inclinação Etherley, um grande aterro que atravessa o campo em direção ao terraço de Phoenix Row e ao vilarejo de Witton Park.

Ao longo do percurso, as grandes pedras que sustentavam os carris de ferro originais ainda se encontram espalhadas pela vegetação rasteira.


Stockton e Darlington Railway Heritage Action Zone

A Zona de Ação do Patrimônio Ferroviário de Stockton e Darlington (HAZ) foi estabelecida para ajudar a rejuvenescer e restaurar o trecho de 26 milhas da ferrovia histórica e para ajudar a realizar seu potencial para se tornar uma grande atração patrimonial e destino de visitantes na construção até seu bicentenário de 2025 .

A Heritage Action Zone, que durará um período de 5 anos, cobre os 26 quilômetros de ferrovia de Witton Park em County Durham, através de Shildon, Darlington e Stockton. A Ferrovia operou ao longo desta rota desde 1825 e foi o berço do sistema ferroviário moderno, usando tecnologia inovadora para se tornar uma valiosa rede de passageiros e carga.

A Zona de Ação do Patrimônio estabelece um ambicioso programa de pesquisa e designações, que incluirá levantamentos aéreos, arqueologia e avaliações de edifícios. Irá abordar o património em risco e as reparações urgentes de estruturas históricas, garantindo ao mesmo tempo uma melhor conservação e gestão a longo prazo. Ao desenvolver a linha como uma atração para os visitantes, espera-se que esta Zona de Ação do Patrimônio ajude a trazer mudanças de longo prazo para esta importante parte de nossa história.

O programa Heritage Action Zone será entregue em parceria com: -

  • Darlington Borough Council
  • Durham County Council
  • Stockton Borough Council
  • Autoridade Combinada de Tees Valley
  • Amigos de Stockton e Darlington Railway
  • Grupo do Museu da Ciência (Locomoção)
  • A1 Steam Locomotive Trust
  • Trilho da Rede
  • Northern Rail
  • Virgin Trains
  • Hitachi
  • Parceria Bishop Line Community Rail

A parceria trabalhará com a população local para incentivar o crescimento econômico de longo prazo, desenvolvendo habilidades patrimoniais, recursos de escolas históricas, treinamento e turismo, além de oferecer oportunidades de saúde e recreação e eventos comunitários.


Stockton and Darlington Railway - História

Língua Inglesa e História

Selecionado e preparado para pessoas

Concerto para piano nº 2 em Lá bemol maior:
3: Moderato innocente
John Field (1782-1837)

Observação: A gravação na Amazon e a gravação no YouTube podem não ser iguais.

‘LOCOMOÇÃO’ levou três horas para deslocar oito milhas e meia de Shildon a Darlington, onde dez mil pessoas a saudaram, e outras três nas cinco milhas até Stockton, agora transportando trinta e um veículos com quinhentos e cinquenta passageiros.

O dia de abertura foi declarado um sucesso triunfante.

Em três anos, os poços de Durham estavam enviando mais de 50.000 toneladas de carvão por ferrovia para estádios em Stockton no rio Tees, com destino a Londres. * Na própria Stockton, o preço do carvão caiu pela metade.

Logo, os navios mineiros cada vez maiores exigiam as águas mais profundas do estuário de Tees, em Middlesbrough. Doze meses depois que a ferrovia o alcançou, a minúscula vila havia se transformado em uma movimentada cidade de 2 mil habitantes.

À medida que a ferrovia gerava mais ramificações, a bitola de 4 pés 8 polegadas que Stephenson trouxe de Killingworth e Hetton tornou-se (com meia polegada extra) o padrão para a região.

Hoje, quase sessenta por cento das ferrovias do mundo e a maioria das linhas de alta velocidade usam a bitola Stockton e Darlington.


Conteúdo

Stockton and Darlington Railway Edit

O No. 179 foi construído como um vagão de quatro rodas e quatro compartimentos, pela Stockton and Darlington Railway em sua Hopetown Carriage Works em Darlington. Era um vagão de vagão básico, mas robusto, construído para uso apenas em trens diurnos de mercado, já que a condição do estoque existente estava sendo prejudicada devido aos passageiros que transportavam gado e produtos nos compartimentos dos vagões. Tem o corpo de tábua horizontal com caixilharia exterior comum na época. O exterior é feito de teca, com o interior granulado de carvalho. Como era sua prática, foi terminado pelo S & ampDR em libré de teca desbotada com ferragens verdes.

Na época de sua construção, o S & ampDR já fazia parte da North East Railway, tendo sido comprado por eles em 1863, porém continuou a operar de forma independente por mais dez anos.

Edição da Forcett Limestone Company

Depois que o NER assumiu o controle direto, no entanto, eles começaram a se desfazer de ações indesejadas da S & ampDR. Em 1884, o No.179 foi vendido para a Forcett Limestone Company, cuja pedreira em Forcett, South Durham, estava conectada à Forcett Railway, um ramal da linha Darlington to Barnard Castle. Na propriedade de Forcett, ele foi modificado, adicionando um compartimento de guardas e freio de mão associado e janela final, então colocado para uso por pedreiros.

Edição de redescoberta

Recentemente armazenado na Forcett Goods Station, foi reivindicado para preservação sob o sistema de listagem da Comissão de Transporte Britânica. Inicialmente, foi exibido no museu ferroviário de York (o antecessor do National Railway Museum). Posteriormente, ele se deteriorou enquanto estava armazenado em Clay Cross, Derbyshire.

Ferrovia Beamish e restauração de Shildon Editar

Em 1970 foi salva de ser desmantelada após ser assumida pelo Museu Beamish, entrando no seu acervo (n.º 1970-343). Como parte das comemorações do 150º aniversário do S & ampDR em Shildon, o nº 179 foi restaurado ao longo de um período de quatro meses por voluntários na Shildon Wagon Works da British Rail Engineering. Superado as compras em março de 1975, ele então foi exibido. Mais tarde naquele ano, ele voltou para Beamish, onde foi operado na linha da Estação Rowley como parte da formação do trem de passageiros transportado a vapor.

Museu Timothy Hackworth / Edição de Locomoção

Tendo novamente se deteriorado devido aos elementos, em 1984 voltou novamente ao BREL Shildon para mais atenção. Isso foi interrompido pelo fechamento das obras, após o que o nº 179 foi passado para o vizinho Museu Timothy Hackworth, do outro lado da cidade. Quando esse museu foi incorporado à nova estação externa do Museu Ferroviário Nacional, o Locomoção museu, em 2004, entrou no acervo do NRM (nº 1978-7053). Permaneceu no local, transferindo-se para a nova sala de coleta construída para Locomoção.

Retornar para a edição Beamish

Em 4 de julho de 2011, o treinador foi comprado por Beamish, que o passou para o Stanegate Restorations and Replicas em Haltwhistle para restauração. Beamish pretende usá-lo em sua Waggonway, liberando veículos para outros usos. Ele deveria ser restaurado à sua aparência S & ampDR original, mas sem remover as modificações feitas em Forcett - ele será equipado com freios a ar de linha dupla, de maneira reversível, para utilizar plenamente essas alterações de Forcett. Uma vez restaurado, o No.170 será o ônibus completo mais antigo em condição operacional.


Stockton and Darlington Railway - História

Língua Inglesa e História

Selecionado e preparado para pessoas

Concerto para piano nº 2 em Lá bemol maior:
2: Molto espressivo
John Field (1782-1837)

Observação: A gravação na Amazon e a gravação no YouTube podem não ser iguais.

A Stockton and Darlington Railway é celebrada como a primeira ferrovia pública para passageiros pagantes, e mais de 30.000 viajaram pela linha em doze meses a partir de julho de 1826. Mas suas carruagens puxadas por cavalos sobre trilhos (tarifa um e seis) * não eram o verdadeiro negócio da linha.

Isso foi para transportar longas cargas de carvão dos campos de carvão do Condado de Durham para os Tees em Stockton, para o qual George Stephenson e seu filho Robert convenceram Edward Pease, o principal investidor da linha, a usar energia a vapor, estabelecendo uma nova locomotiva em Forth Street em Newcastle.

Em 27 de setembro de 1825, a ‘Locomotion No. 1’ de Forth Street liderou a grande inauguração da Stockton and Darlington, a primeira ferrovia comercial do mundo servindo ao público em geral.

Atrás dele estava uma carruagem chamada ‘Experiment’ e vinte e um vagões de carvão temporariamente equipados com assentos destinados a trezentos passageiros, embora quase o dobro deles empilhados no trem.

Em 1822, George Stephenson foi contratado para construir uma nova ferrovia, movida por locomotivas a vapor, de Shildon a Stockton via Darlington no condado de Durham. Destinado principalmente ao transporte de carvão, foi também a primeira linha a oferecer serviços de passageiros ao público em geral pagador, e foi inaugurada em 27 de setembro de 1825.


Ferrovias de Ferro

Beamish Waggonway correu de Beamish Mary Pit NZ2053 para a Great North Road. O mapa do Ordnance Survey de 1890 mostra a waggonway fazendo uma curva em S para se juntar à rota Stanhope e Tyne na junção Beamish. Beamish Waggonway sobreviveu até 1960 como parte do National Coal Board.

Lambton Railway - Newbottle Colliery NZ3351 era um grupo de poços de propriedade de John Neasham (ou Nesham). Em cerca de 1812, uma waggonway puxada por corda foi construída de Dorothea Pit via West Herrington e Grindon Hill NZ3654 para Sunderland. Era chamado de Newbottle ou Philadelphia waggonway. Em 1819, a Newbottle Colliery foi comprada por John Lambton.
Uma nova Ferrovia Lambton foi construída via Hasting Hill para Sunderland. A rota foi de Dorothea Pit para Herrington Engine, Fox Cover Engine e Grindon Engine, juntando-se à rota da Filadélfia perto de Grindon Hall.
Arch Engine NZ3755 agora é coberto pela A183 Broadway, que substituiu a velha Chester Road, agora Melbourne Place.
Glebe Engine NZ3856 agora é coberto pelo Hospital em Chester Road.
Em 1865, a Lambton Railway conseguiu os direitos de operação sobre a linha principal da NER de Cox Green a Sunderland, de modo que a estrada de ferro sobre Hasting Hill não era mais necessária. Poucos vestígios dele permanecem no mapa do Ordnance Survey de 1890.
Transporte por corda e locomotivas foram usados ​​em ramais de poços em Sherburn House NZ3241, Littletown NZ3343, Houghton-le-Spring NZ3350, Frankland NZ2945 e Lumley NZ2948. As locomotivas foram revisadas na Philadelphia Lambton Engine Works NZ3352.
Poços em Cater House NZ2645 e Framwellgate Moor enviaram seu carvão para o ramo Frankland da Lambton Railway.
Após a fusão em 1911 e 1924, a Lambton Railway tornou-se a Lambton, Hetton and Joicey Railway. Foi nacionalizado em 1947 e fechado em 1967.
Ferrovia de Londonderry - Aviões inclinados alcançados de Alexandrina Pit NZ3346, Adventure Pit NZ3147 e Pittington NZ3344 para Penshaw (ou Painshaw) Staiths.
Ferrovia Londonderry por George Hardy. Publicado por Goose & amp Son 1973, ISBN 0900404159 - Introduzido por Charles E Lee, com um relato apresentado em 1902 para a Sociedade de Antiquários por William Weaver Tomlinson intitulado "O Duque de Wellington em uma waggonway North Country". Esta viagem ocorreu em 1827 na Ferrovia Londonderry puxada por corda de Pittington Hallgarth via Benridge Bank Top e Plain Pit até Colliery Row (então chamada de Viena). Perto dali, ele examinou um motor de locomotiva ou elefante de vapor. A viagem continuou via Dubmire até a casa de máquinas em Penshaw. Uma carruagem especial foi usada.
Chopwell Waggonway - Na década de 1890, uma nova waggonway ia de Chopwell Colliery NZ1158 à Garesfield Waggonway NZ1359 em High Spen. Havia um bonde de bitola estreita da Whittonstall Drift Mine NZ0857 para Chopwell Colliery.
Greenside Colliery Waggonway correu de Greenside Colliery NZ1361 para Stargate Pit NZ1663 e Addison Colliery NZ1664 na linha Newcastle e Carlisle. Parte da rota era anteriormente um vagão de vagões de madeira próximo ao Stephens Hall NZ1562.
Towneley Main Waggonway correu de Emma Pit NZ1463 para Stargate Pit e Stella. Parte da rota era anteriormente uma waggonway de madeira e agora é usada pela moderna estrada A695 em Stargate.
The Tanfield Railway - Em 1839, a Brandling Junction Railway colocou trilhos de ferro na rota das vagas de madeira de Redheugh NZ2462 para Sunnyside e Marley Hill NZ2057. Ele contornou Causey Arch seguindo ao longo da margem leste de Causey Burn antes de cruzar para East Tanfield Colliery e Tanfield Lea Colliery. A linha foi estendida em uma inclinação íngreme até Tanfield Moor Colliery NZ1654, tirando a receita do ramal da ferrovia Stanhope e Tyne para Annfield Plain. Em 1843, o BJR relançou a trilha nesta rota S & ampTR.
A Tanfield Railway tornou-se parte da NER e da LNER, que foi nacionalizada como British Railways em 1948. Em Gibraltar NZ2057, fez uma passagem de nível com a Bowes Railway, que se tornou parte do National Coal Board em 1947.
www.tanfield-railway.co.uk - The Tanfield Railway - trens a vapor circulam entre Sunniside e East Tanfield.
www.sunnisidelocalhistorysociety.co.uk/wagonways.html - Sunniside Local History Society tem uma página sobre a ferrovia de Tanfield
Ouston e Pelaw Waggonway - também conhecida como Ferrovia Pelaw Main, acredita-se que esta waggonway tenha começado em 1809 ou 1810. O transporte por corda foi usado nos poços em Urpeth, passando pelo Três Tuns na Great North Road em Birtley. O mapa do Ordnance Survey de 1862 mostra uma Old Engine perto do Lamb Pit acima de Birtley. Um mapa de 1812 mostra o carvão descendo de lá, via Oxclose, até o rio Wear em Washington. Em 1815, uma nova rota de Urpeth NZ2554 e Ouston passou pelo William IV em Birtley. Os motores de transporte estavam em Blackfell e Eighton Banks. Pensa-se que o transporte de corda foi usado na seção nivelada para White Hill NZ2760.
Uma filial de poços no Team Valley juntou-se a White Hill. Havia um motor de reboque na Equipe Colliery, onde o vagão passou sob a A167 New Durham Road NZ2658. Outro motor de transporte estava perto do Sete estrelas NZ2759 em Wrekenton, onde Gateshead Electric Tramways cruzou a waggonway até 1951. As locomotivas foram mais tarde usadas para transportar carvão pelas encostas íngremes de Team Valley. O galpão da locomotiva estava na Equipe Colliery, no lado oposto da A167 New Durham Road para onde o Anjo do norte agora está.
De White Hill, um declive automático descia até Heworth. A waggonway cruzou a Sunderland Road no caminho para Pelaw Main Staiths NZ3063. Os portões de passagem de nível causaram congestionamento de tráfego nesta estrada que já foi principal, agora a B1426. O desvio A184 Felling foi construído em 1959 com uma ponte sobre a estrada de vagões. A inclinação automática fechou logo em seguida. O carvão do Team Valley deu ré em White Hill e fez uma curva para a Bowes Railway NZ2858. Esta curva ainda é usada para trens de passageiros pelo Bowes Railway Museum. As linhas foram nacionalizadas em 1947 e passaram a fazer parte do National Coal Board.
Hetton Colliery Railway inaugurado em 1822 da Hetton Colliery NZ3647 via Byer Engine, Flat Engine, Warden Law Engine NZ3650 e North Moor Engine para Hetton Drops NZ3957 no River Wear em Sunderland. Usava transporte por corda, rampas de ação automática e locomotivas Stephenson. O carvão também veio da Eppleton Colliery e da Elemore Colliery. Anos depois, uma filial foi feita para Silksworth Colliery. A Hetton Railway foi adquirida pela Lambton Railway em 1911 e fechada em 1959.
The Stockton and Darlington Railway teve uma grande inauguração em 1825 com George Stephenson em Locomoção No 1 à frente de um longo trem.
A rota foi puxada por corda de Witton Park para Etherley Inclines, West Auckland (então chamado St.Helen's Auckland), Gaunless Bridge, Brusselton Inclines e Shildon. Locomotivas operavam de Shildon a Heighington, Darlington North Road, Fighting Cocks, Goosepool e Stockton. Fighting Cocks e Goosepool eram bebedouros na velha estrada de Darlington a Stockton. Havia uma ramificação de Hopetown Junction para um depósito de carvão em Darlington. Outra filial corria para Egglescliffe, em frente a Yarm nas camisetas. Em 1853, entre Eaglescliffe e Bowesfield, os trilhos foram movidos para o lado de Leeds Northern Railway.

1827 Shildon para Black Boy Colliery no Black Boy Branch.
1829 Albert Hill Junction para Croft Depot via Darlington Bank Top.
1830 Haggerleases Branch. West Auckland para Butterknowle. O ramal cruzou o rio Gaunless em uma Skew Bridge NZ1125 de pedra, às vezes chamada de Ponte Swin ou Ponte Giratória.
1830 Junção de Bowesfield para Middlesbrough. Isso cruzou o rio Tees em uma ponte pênsil NZ4417 que foi limitada a vagões de carvão puxados por cavalos.
1842 Bishop Auckland and Weardale Railway. Shildon Tunnel para Crook via South Church, Bishop Auckland, Etherley, Howden-le-Wear e Beechburn. Uma estação em Witton Park aparece apenas no mapa do Ordnance Survey da primeira edição.
1845 Weardale Extension Railway. Crook to Waskerley via Tow Law, High Stoop e Saltersgate. Serviços de transporte de passageiros por corda operados em Sunnyside Incline. A estação High Stoop NZ1040 é mostrada como High Souk no mapa do Ordnance Survey da primeira edição.
1846 Middlesbrough and Redcar Railway.
1847 Wear Valley Railway. Use Valley Junction NZ1631 para Wolsingham, Frosterley e Bishopley Quarry. Havia uma estação em Wear Valley Junction que não é mostrada nos mapas do Ordnance Survey.
1853 Middlesbrough and Guisborough Railway.
1856 Shildon Tunnel para West Auckland, evitando Brusselton Inclines.
1856 Darlington and Barnard Castle Railway, operado pela S & ampDR. De Hopetown Junction em Darlington passando por Piercebridge, Gainford, Winston e Broomielaw até Barnard Castle. A ferrovia cruzou o rio Tees duas vezes dentro de algumas centenas de metros em Gainford Bridge e West Tees Bridge NZ1517. Havia uma filial da Westholme Colliery NZ1317. A estação Broomielaw foi construída para a família Bowes-Lyon do Castelo Streatlam. Esta estação foi privada até 1942. Havia acampamentos militares próximos em Stainton Camp, Streatlam Camp, Barford Camp, Humbleton Camp e Westwick Camp.

O viaduto Hownsgill de 1858 foi construído para contornar as inclinações íngremes puxadas por corda em Howns Gill.
1858 Crook to Waterhouses via Stanley Inclines.
1859 Burnhill Junction NZ0644 to Whitehall Junction NZ0747, bypassing Nanny Mayors Incline on the Stanhope and Carrhouse Branch.
1861 Redcar and Saltburn Railway. The line terminated inside the Zetland Hotel at Saltburn-by-the-Sea. The town was built by the S&DR as a holiday resort. Original S&DR stone block sleepers are used as paving on the promenade.

1861 South Durham and Lancashire Union Railway, operated by the S&DR. It was built to take coke to the West Coast blast furnaces and iron ore back to Cleveland. From a junction with the Darlington and Barnard Castle Railway, this required a new station at Barnard Castle. The original station became a goods depot. The line ran via the Tees Viaduct, Lartington Station, Deepdale Viaduct, Bowes Station and on to Stainmore Summit, Belah Viaduct and Kirkby Stephen.
www.evr.org.uk - Eden Valley Railway at Appleby and Warcop.
www.kirkbystepheneast.co.uk - Stainmore Railway Company Ltd (SRC) at Kirkby Stephen East (KSE).
1862 Frosterley to Stanhope, Newlandside Quarry and Parson Byers Quarry.
1863 Bishop Auckland to Fieldon Junction on the 1856 line to West Auckland.
1863 South Durham and Lancashire Union Railway, operated by the S&DR. From Spring Gardens Junction on the 1830 Haggerleases Branch to Barnard Castle. The S&DR then had a route from Shildon and Bishop Auckland to the iron works on the West Coast of England.
1863 The S&DR joins the NER but is effectively independent for years after.
1867 Crook to Tow Law on a deviation around Sunnyside Incline.
1895 Wear Valley Extension Railway. Stanhope to Wearhead was opened by the NER.

The Bowes Railway was also known as the Pontop and Jarrow Railway. When complete in 1855 it ran from Dipton to Jarrow.
1826 - the first section opened from Jarrow NZ3265 to Springwell Colliery NZ2858. There was a self-acting incline from Springwell Colliery down to Lingey Lane NZ2960. This incline was still working in the 1960s. Locomotives were used from Lingey Lane to Jarrow. The original line near Jarrow was abandoned when new staiths were built at Hebburn.
Blackham's Hill NZ2858, or Blackim Hill stationary steam engine worked inclines down to both Springwell Colliery and Mount Moor NZ2857.
1842 - with a hauling engine at Mount Moor, the line was extended down the east side of Team Valley and then up the west side to Kibblesworth Colliery NZ2456. This is now a cycle route under the ECML.
1845 - using a former wooden waggonway route, coal from Burnopfield Hobson Pit NZ1756 ran to Marley Hill NZ2057 and then down the Tanfield Railway to Redheugh.
1854 - the line from Marley Hill to Kibblesworth was opened. A level crossing was made with the Tanfield Railway at Gibraltar Crossing.
1855 - the final section opened from Burnopfield via Pickering Nook NZ1755 to Dipton Delight Colliery NZ1553.
1947 - the line became part of the National Coal Board.
www.bowesrailway.co.uk - Bowes Railway Museum is at Springwell Colliery.

Springwell Colliery - The aerial photo shows the pit for the return wheel at the top of the self-acting incline on the Bowes Railway. Loaded waggon sets descending the incline hauled empty waggons up to Springwell. Only three rails were needed, with the centre rail used by both up and down trains. At the halfway point the centre rail divided so that trains could pass each other. A brakesman controlled the speed of the return wheel from the signal box. With a mile of steel rope running on cast-iron rollers, the noise could be heard from a distance.
At night a burning coal brazier was the "headlight" when the train crossed Leam Lane.

Microsoft Virtual Earth - Birds Eye View of Springwell Colliery


Bowes Line on YouTube
www.amber-online.com - order a DVD of the Bowes Line from Amber Online.
The Rainton and Seaham Railway opened in 1831 to take coal from the Londonderry pits to the new Seaham Harbour, which was built out from the Durham coast. This railway used rope haulage via Rainton Bridge NZ3448, Rainton Engine and Copt Hill NZ3549, where it burrowed under the Hetton Railway. The R&SR then climbed to Warden Law NZ3649 and descended to Seaton Bank Top NZ3949 on the Long Run. There were further inclined planes at Seaton Bank, Londonderry Bank, Carrhouse Plane and Seaham Bank to Seaham Harbour NZ4349. The line closed in 1896.
RAF aerial photo 1944 - Seaton Bank Top, with the Rainton and Seaham Railway crossing the Durham and Sunderland Railway.
South Hetton Railway opened in 1833 and was also known as Braddyll's Railway. It used rope haulage from South Hetton Colliery NZ3845 up to Cold Hesleden Engine NZ4147 and then down to Seaham Harbour NZ4349. There were branches to Haswell Colliery (1835) NZ3742 and Murton Colliery. In the 1960s coal from Eppleton, Elemore and Murton was sent underground to the new Hawthorn Combined Mine NZ3945 on the South Hetton Railway.
RAF aerial photo 1940s - South Hetton Colliery (www2.getmapping.com - zoom out to view 1940s photo).
The Clarence Railway opened in 1833 from Port Clarence NZ5021 to Simpasture Junction NZ2624 on the Stockton and Darlington Railway.
A branch ran from Norton NZ4222 to Stockton on Tees NZ4519.
In 1834 a branch opened from Stillington Junction NZ3524 to Sedgefield NZ3328, Ferryhill NZ3031 and Coxhoe NZ3136, with plans to extend the line to Sherburn.
In 1837 a branch opened to Spennymoor NZ2533 and Byers Green NZ2233.
In 1844 the Clarence Railway was leased to the Stockton and Hartlepool Railway, eventually becoming part of the NER in 1865.
In 1915 the NER electrified the line from Shildon NZ2325 via Simpasture and Stillington to Newport Yard NZ4618 on Teesside. The electric locomotives drew power from overhead wires to haul trains of coal waggons. The line reverted to steam locomotives in the 1930s.
During WWII, 1939 to 1945, a Royal Ordnance Factory was built near Aycliffe and two stations were opened on branches from the old Clarence Railway. They were Simpasture Station NZ2724 and Demons Bridge Station NZ2823. This industrial area was the beginning of Newton Aycliffe.
The Aycliffe Angels website describes the factory, with a map showing the new stations (archived on "Wayback Machine").
RAF aerial photo 1944 - Demons Bridge Station.
The Stanhope and Tyne Railway opened in 1834 from Stanhope to Waskerley, Rowley, Consett, Stanley, Vigo, Washington, Boldon and South Shields. After financial problems, the S&TR east of Carrhouse became the Pontop and South Shields Railway. The western part from Stanhope to Consett became the Stanhope and Carrhouse Branch, operated by the Stockton and Darlington Railway.
Stanhope to Rowley - The western end of the Stanhope and Tyne Railway began at quarries NY9940 near Stanhope. Waggons were hauled up the steep inclines by Crawley Engine and Weatherhill Engine NY9942. Passengers also used this rope-hauled railway in its early years. Rope haulage was used to Parkhead Wheel NZ0044, Meetingslack Engine NZ0345 and Waskerley NZ0545.
From Waskerley the line ran down via Nanny Mayor's Incline to Rowley NZ0847.
Rowley to Carrhouse - Steep inclined planes were needed to descend into Howns Gill NZ0949. Hownsgill Viaduct was built by the S&DR in 1858 to bypass the steep inclines. The line continued to Carrhouse Engine NZ1150.
Carrhouse to Annfield - At the eastern end of Carrhouse Incline was a branch to Derwent Colliery NZ1254. Horses were used on the level section to the western foot of Annfield Incline.
Annfield to Stanley - At the top of the hill Annfield Engine NZ1551 worked both inclines to the east and west. There was a branch to Tanfield Moor Colliery NZ1654 from the foot of the eastern incline. The line continued via Oxhill to West Stanley Colliery and Stanley Engine NZ2052. There was a terrible explosion at West Stanley Colliery in 1909.
Stanley to Pelaw Grange - From Stanley Engine NZ2052 was a series of inclined planes passing Twizell Colliery (Twizel, Twizle), Edenhill and West Pelton down to Pelton Fell NZ2551 and Stella. The line crossed the Great North Road at Pelaw Grange NZ2753.
Pelaw Grange to Washington - Vigo Engine NZ2854 worked inclines from Pelaw Grange to Fatfield where locomotives took over the route to Washington NZ3155. At Biddick Burn NZ3054 the first edition Ordnance Survey Map shows Fatfield Gears. Gears were wooden constructions to carry early waggonways over waterways and hollows.
Washington to South Shields - From Washington the line continued via Washington Lane, to the Boldon Turnpike and coal drops at South Shields. South Shields Metro Station is on the 1834 S&TR route.
In the early years passenger services were operated from Pelton and the Durham Turnpike via Vigo Engine to Washington, Boldon and South Shields.
Hartlepool Dock and Railway Company opened in 1835 from Hartlepool NZ5233 to Hart NZ4836, Hesleden NZ4437, Castle Eden NZ4237, Thornley NZ3939 and Haswell NZ3743. There were branches to Ludworth Colliery, Thornley Colliery, Shotton Colliery and Wheatley Hill Colliery. At Haswell the HD&R crossed the D&SR at a higher level. In 1877 the NER opened a curve joining the two. The planned link with the Durham Junction Railway at Moorsley NZ3346 was never completed, although shown on some old maps. The rope-hauled incline at Hesleden was bypassed in 1874, so that locomotives could climb without assistance.
Durham and Sunderland Railway opened in 1836 from Sunderland Town Moor NZ4057 to Ryhope NZ4152, Seaton Bank Top NZ3949, Murton NZ3847, Haswell NZ3743 and Pittington NZ3245. It reached Sherburn House NZ3041 in 1837 and Shincliffe NZ2840 in 1839.
Rope hauled passenger trains lasted for over 20 years before locomotives were used. At Murton Junction there were stationary hauling engines for the lines to Haswell and Hetton. A mineral railway ran from Shincliffe to Croxdale Pit NZ2639. In 1893 the NER opened the branch from Sherburn House Station to Durham Elvet Station NZ2842.
RAF aerial photo 1940s - Murton Junction (www2.getmapping.com - zoom out to view 1940s photo).
Chilton Branch Waggonway opened in 1836 from the Clarence Railway NZ3230 to Chilton Colliery NZ2730 and Leasingthorne Colliery NZ2530. The waggonway crossed the Great North Road where Chilton Branch Library now stands.
Durham Junction Railway opened in 1838 from a junction with the Stanhope and Tyne Railway at Washington NZ3155, via the Victoria Bridge, Penshaw and Fencehouses to Rainton Meadows NZ3247. It is also known as the Leamside Line. The planned link with the Hartlepool Dock and Railway Company line at Haswell NZ3743 was never completed, although shown on some old maps. The DJR built Victoria Bridge NZ3254 across the River Wear. The main arch has a span of 160 feet (about 48 metres) and is the largest masonry railway arch in England. It is also known as Victoria Viaduct. There is a larger span railway bridge in Scotland.
The bridge is a Listed Building No. 456/4/17.
Trains from London began crossing Victoria Bridge in 1844. They had to go via Brockley Whins to continue on to Gateshead along the former Brandling Junction Railway. The journey from London to Gateshead took over 12 hours. The track is still in place but has not been used for years. There are plans to reopen the line for freight to reduce congestion on the ECML through Durham.
In 2003 some miles of steel rail were stolen near Penshaw. Newspaper archives, 21 May 2003:-
The Sunderland Echo - Conman gets two years for rail theft
The Northern Echo - Jailed - man who lifted railway line
Newcastle Chronicle and Journal - The great rail robbery

"Birds Eye View" from Microsoft - Stolen track - this later view shows most of the sleepers have now been lifted near Penshaw.

Great North of England, Clarence and Hartlepool Junction Railway opened in 1839 from the Clarence Railway NZ3033 via West Cornforth, Coxhoe Bridge, Kelloe Bank Head, Trimdon Grange and Wingate NZ4036, joining the Hartlepool Dock and Railway Company NZ4137.
The western part was recently used as a mineral railway for Raisby Quarry NZ3435 and Thrislington Cement Works NZ3032.
Burnhope Waggonway ran from the Stanhope and Tyne Railway at Grange Villa NZ2352 to Holmside Colliery William Pit NZ2150 (opened 1839) and Burnhope Colliery NZ1948 (opened 1850). William Hedley moved his old locomotive Wylam Dilly from Wylam for use at Holmside Colliery.
Sacriston Colliery Waggonway opened in 1839 from the Stanhope and Tyne Railway at Pelton Fell NZ2551 via Waldridge, Sacriston Engine and Daisy Hill to Sacriston Colliery NZ2347. Part of the route from Pelton Fell to Waldridge used the course of a wooden waggonway. There were branches to Witton Colliery, Charlaw Colliery, Nettlesworth Colliery and West Edmondsley Colliery.
The Brandling Junction Railway opened in 1839 from Gateshead NZ2563 (425600_563600) to Brockley Whins NZ3462, with branches to Monkwearmouth and South Shields.
British History 1:2500 scale 1884 map and Microsoft Virtual Earth showing the site of the BJR Gateshead terminus. High on the south bank of the River Tyne, this became the site of Rooneys Scrap Merchants Ltd.
An inclined plane ran down from Gateshead to Redheugh to join the Newcastle and Carlisle Railway. The archway for the incline is still visible in the 1906 King Edward VII railway bridge.
British History 1:2500 scale 1895 map of the old BJR station near Felling Metro Station NZ2762.
The BJR crossed the Stanhope and Tyne Railway at Pontop Crossing NZ3562. In Monkwearmouth the terminus was at Broad Street NZ3958 (439850_558100) which is now Roker Avenue. A branch from Fulwell ran down to North Dock NZ4058 on the River Wear.
The South Shields branch followed the Stanhope and Tyne Railway before turning towards the River Tyne for the Brandling Drops (435700_566700). A station was later built closer to South Shields market place.
The BJR was purchased by the Newcastle and Darlington Junction Railway in 1845. Much of the route from Gateshead to Monkwearmouth is used by the Tyne and Wear Metro.
West Durham Railway opened in 1840, joining the Clarence Railway at Byers Green NZ2233. It ran to Todd Hill and then down an incline to the River Wear. It then climbed Sunnybrow Incline NZ1934 to Helmington, reaching Old White Lea Colliery NZ1537 in 1841. In 1867 the deviation line around Sunnyside Incline joined the West Durham Railway at West Durham Junction NZ1537. In 1885 the NER line from Bishop Auckland joined the Clarence Railway route at Burnhouse Junction NZ2333.
Westerton Railway - Also known as the Binchester Colliery Railway, this ran from the Clarence Railway NZ2633 to Westerton Colliery and Binchester Colliery NZ2331. There was a branch to Dean and Chapter Colliery NZ2833.
The Stockton and Hartlepool Railway opened in 1841 from the Clarence Railway at Billingham Junction NZ4623 to Greatham, Seaton Carew and West Hartlepool. It used the Norton branch of the Clarence Railway to reach Norton Road Station in Stockton NZ4419.
The Newcastle and Darlington Junction Railway opened in 1844 from a junction with the DJR at Rainton Crossing NZ3248. There were stations at Leamside, Belmont, Sherburn, Shincliffe, Ferryhill, Bradbury and Aycliffe. It crossed the Stockton and Darlington Railway at the famous S&D crossing in Darlington, finally joining the GNER at Parkgate Junction NZ2915 on the old Croft Branch.
Belmont Station NZ3044 was the junction for the Durham Gilesgate branch, which is now the route of the A690 road. Gilesgate Station NZ2842 became a goods shed when Durham North Road Station opened in 1857. The goods shed was used by Archibald's builders merchants until it was demolished in recent years.
The N&DJR took over the D&SR, BJR, DJR, GNER and P&SSR. The N&DJR became part of the YN&BR in 1847.
Rookhope Railway opened in 1846 and ran from Rookhope NY9342 to Park Head Depot NZ0043, where it joined the Stanhope and Tyne Railway. The Rookhope Railway was built by the Weardale Iron Company. At 515 metres, Boltslaw Engine NY9444 was the highest point on a standard gauge line in Britain.
Rookhope and Middlehope Railway ran from Rookhope NY9342 to Middlehope Lead Mine NY9040 on Middlehope Burn, high in the Wear Valley. Cambokeels Incline NY9338 was built by German prisoners of war during WWI, 1914 to 1918, down to the NER line between Eastgate and Westgate.
Groove Rake (Groverake) - This mineral railway ran from Groove Rake Lead Mine NY8944 to Rookhope NY9342. Rookhope Smelting Mill had a chimney flue about 2500 metres long running up the hillside, ending at Rookhope Chimney NY9044. Fluorspar or Fluorite is still found in this area.
York, Newcastle and Berwick Railway - 1849 Pelaw Junction to Usworth Station and Washington Station. This cut-off avoided the longer route via Brockley Whins.
Aerial views from Wikimapia - Pelaw Junction - Pontop Crossing, Brockley Whins

The Leeds Northern Railway opened in 1852. After crossing the River Tees on a long viaduct at Yarm NZ4113 it ran from Eaglescliffe to Stockton, joining the Clarence Railway at North Shore Junction NZ4420.
York, Newcastle and Berwick Railway opened in 1852 from Penshaw Junction, Cox Green, South Hylton and Pallion to Sunderland. The route from South Hylton to Sunderland is used by the Tyne and Wear Metro.
The Londonderry, Seaham and Sunderland Railway opened in 1854 from Seaham Station NZ4249 via Ryhope NZ4152 to Hendon NZ4041, to make use of the bigger Sunderland docks. There was a private station at Hall Dene NZ4150 for the use of the occupants of Seaham Hall. Stations and track separate from the D&SR were required from Ryhope to Hendon.
The line was taken over by the NER in 1900. A new Seaham Station was built when the 1905 NER line via Dawdon opened. Ryhope Grange Junction to Seaham is still open to passengers on the Sunderland and Hartlepool route.
The Forcett Railway - This private railway opened in 1866. It ran from East Layton Quarry, Forcett Quarry and Forcett Goods Station NZ1610, south of the River Tees. Heading northwards, it crossed the Tees near Gainford, to make a junction with the Darlington and Barnard Castle Railway at Forcett Junction NZ1816.
The Tees Valley Railway - This independent railway opened in 1868 from Middleton in Teesdale Station NY9424 via Mickleton Station NY9623, Romaldkirk Station NY9922 and Cotherstone Station NZ0119 to Tees Valley Junction NZ0317 on the South Durham and Lancashire Union Railway.
The Merrybent and Darlington Railway - This goods line opened in 1870 from the Barnard Castle and Darlington Railway at Merrybent Junction NZ2516 to Merrybent Quarry near Barton NZ2308. After financial difficulties it was acquired by the NER in 1890. The route now lies under the A1(M) motorway.
Leamside Line was the former Main Line through Ferryhill, Leamside, Fencehouses, Penshaw and Washington to Pelaw. The companies were the Durham Junction Railway and the Newcastle and Darlington Junction Railway. It was by-passed in 1872 with the opening of the ECML from Tursdale Junction NZ3035 via Croxdale, Relley Mill Junction, Durham, Newton Hall Junction and Chester-le-Street to Gateshead.

See the Durham Junction Railway for details of the stolen track near Penshaw.


History and heritage

We&rsquore rightfully very proud of our history and our association with the railways.

It&rsquos one of the reasons why our sheltered housing schemes are named after people synonymous with the railways.

Patrick Stirling, Tempest Anderson, Timothy Hackworth and Robert Stephenson are just some of the railway &lsquolegends&rsquo that are honoured when you visit our schemes in Doncaster, Darlington, Stockton and Hull.

Those towns and cities, along with others where we have housing stock like Newcastle, York, and Leeds, are all inextricably linked with the railways.

We&rsquore also very keen on heritage. It&rsquos the reason why we sympathetically converted a rundown railway engine shed built in 1844 into lovely mews homes in Darlington and we&rsquore about to undertake a project which will include the restoration of a Grade II listed former school building in Bishop Auckland, where comedy legend Stan Laurel once attended.

Last year we celebrated our 100th anniversary and marked it with a signature event on-board railway carriages pulled by the Tornado, a steam locomotive restored to its former glory.

It was therefore very pleasing to see the Tornado used recently as part of the 195th anniversary of the Stockton and Darlington Railway.

And I thought we were old!

Ironically, even though it has always been known as the Stockton and Darlington Railway, Locomotion No.1 actually made its inaugural journey on 27th September 1825, transporting both coal and passengers between Shildon and Stockton.

Poor Shildon, struck out of the history books for Darlington, but at least they now have the amazing Locomotion museum in the town which certainly has helped to put it back on the back, and rightfully so.

As the head of a housing association which started life to build homes for railwaymen and their families, it&rsquos nice to be part of this history and to be able to play our own small part in recording and preserving this for future generations.


Assista o vídeo: Stockton to Darlington Railway