Arz von Straussenberg

Arz von Straussenberg

Arz von Straussenberg nasceu em 1857. Ele se juntou ao Exército Austro-Húngaro e em 1915 foi altamente elogiado por seu comando do Primeiro Exército na Frente Oriental.

Em março de 1917, Carlos I, imperador da Áustria e rei da Hungria, demitiu seu chefe de gabinete, o conde Franz Conrad, e o substituiu por Straussenberg. No entanto, Karl, que havia sido comandante da Frente italiana antes da morte de Franz Josef, tomou a maioria das decisões militares importantes e Straussenberg posteriormente reclamou que não era capaz de exercer controle sobre seus próprios comandantes de campo.

Após o Armistício, Straussenberg retirou-se da vida pública. Arz von Straussenberg morreu em 1935.


Quem é quem - Arz von Straussenberg

O general Arz von Straussenberg (1857-1935) viu uma rápida promoção dentro do exército austro-húngaro assim que a guerra estava em andamento pela distinção incomum de demonstrar sucesso consistente no comando, uma mercadoria rara entre os comandantes austro-húngaros.

Nomeado um comandante de corpo ligado ao Primeiro Exército austríaco na Frente Oriental com a declaração de guerra em agosto de 1914, Straussenberg rapidamente ganhou elogios por sua participação nas operações Gorlice-Tarnow na Ofensiva de Insetos Alemã de maio-junho de 1915.

Conseqüentemente, ele recebeu, em 1916, o comando do Primeiro Exército. O sucesso continuou enquanto ele liderava a vitória na campanha da Romênia.

Com a ascensão de Carlos I ao trono (no lugar de Franz-Josef), e o desejo do primeiro de buscar uma mudança na hierarquia de comando, Straussenberg recebeu o papel de Comandante-em-Chefe em 1º de março de 1917, substituindo o antigo Conrad von Hotzendorf .

Era tarde demais para o sem dúvida talentoso Straussenberg salvar o exército austro-húngaro da desintegração. Posteriormente, reclamou, com justa causa, que sua margem de manobra era limitada pela constante interferência do Imperador nas decisões de comando.

Na verdade, o papel de Straussenberg parece ter sido mais o de conselheiro de Karl do que de Comandante-em-Chefe - ele foi enobrecido por este em 1918.

No entanto, Straussenberg encontrou sucesso limitado em seu novo papel, tanto em repelir a Ofensiva Kerenski do verão de 1917 quanto na bem-sucedida ofensiva Caporetto no final daquele outono.

No entanto, tais vitórias foram ofuscadas pelo apoio (embora relutante) de Straussenberg a um ataque em duas frentes ao longo do rio Piave em junho de 1918 (liderado por Conrad e Boroevic). Terminando em fracasso, isso acelerou a desintegração final do exército.

Um homem sem qualquer ambição política, Straussenberg aposentou-se com o fim da guerra. Ele morreu em 1935.

Clique aqui para ler o elogio oficial de Arz von Straussenberg ao Exército Alemão durante a Ofensiva da Primavera de 1918.

Sábado, 22 de agosto de 2009 Michael Duffy

'White Star' era uma mistura alemã de cloro e gás fosgênio, assim chamada por causa da marca de identificação pintada na caixa de entrega.

- Você sabia?


Sisällysluettelo

Arthur Arz von Straussenburg syntyi Transilvanian Hermannstadtissa (nyk. Sibiu) 16. kesäkuuta 1857. Hänen isoisänsä Martin Samuel Arz oli korotettu aateliin vuonna 1835 ja oli myös toiminut Hermannstadtin postimestarina. [2] Hänen isänsä Karl Gustav Arz von Straussenburg oli postimestari [3] ja evankelisen kirkon paikallinen apupappi [2].

Arz von Straussenburg pyrki ensin lyhyesti lakialalle. [4] Hän aloitti sotilasuransa vuonna 1876 vuoden vapaaehtoisella palveluksella unkarilaisessa jääkäripataljoona 23: ssa. Tämän jälkeen hän läpäisi reservin upseerin kokeen ja päätti ryhtyä vakituiseksi upseeriksi. 1. toukokuuta 1878 hänestä tuli luutnantti. [2] Arz von Straussenburg palveli myöhemmin pääesikunnassa sekä sotaministeriössä. Hänet ylennettiin 1902 everstiksi, 1908 kenraalimajuriksi [1] ja 1912 sotamarsalkkaluutnantiksi (kenraalimajurin arvon ylempi luokka). [2]

Maailmansodan syttyessä elokuussa 1914 Arz von Straussenburg oli sotaministeriön osastopäällikkö. Hän sai sodan alussa nimityksen 15. jalkaväkidivisioonan komentajaksi [4], mutta siirtyi jo saman vuoden lokakuussa kuudennen armeijakunnan johtoon Svetozar Boroevićin tilalle. [5] [3] [2] Joulukuussa 1914 käydyssä Limanowa-Lapanówin taistelussa Arz von Straussenburg komensi neljännen armeijan oikeaa siipeä, torjui venäläisten hyökkäyksen ja saartoi vastahyökkäyksen yhteydessä vihollisarmeijan toisen siiven, mikä ratkaisi voiton itävaltalaisille. [2] [3] Hänen armeijakuntansa osallistui menestyksekkäästi saksalaisten johdolla touko – kesäkuussa 1915 käynnistettyyn Gorlicen – Tarnówin offensiiviin ja siihen liittyneinisi tainist Gorlicen ja Grodek-Magierui. Hän sai mainetta erityisesti Brest-Litovskin kaupungin valtaamisesta elokuussa 1915. Hänet ylennettiin syyskuussa jalkaväenkenraaliksi. Elokuussa 1916 Arz von Straussenburg siirrettiin jälleen Boroevićin tilalle Romeno vastaiselle rintamalle Transilvaniassa toimineen ensimmäisen armeijan komentajaksi. Hän johti sitä voitokkaasti Karpaateilla käydyissä taisteluissa, joissa huomattavasti monilukuisempien romanialaisten hyökkäys Transilvaniaan torjuttiin ja lyötiin takaisin. [2] [3] [5] [4] [6]

Esikuntapäällikkönä Muokkaa

Kohottuaan valtaistuimelle keisari Kaarle I halusi tehdä henkilömuutoksia asevoimien johdossa, joten hän nimitti Arz von Straussenburgin 1. maaliskuuta 1917 uudeksi esikuntapäälliköksi kenraali til Franzle Conrad von Hdossa. Aiemmasta menestyksestään huolimatta Arz von Straussenburg ei kyennyt pysäyttämään kaksoismonarkian armeijan hajoamiskehitystä. Hänen alaisuudessaan itävaltalaiset onnistuivat silti torjumaan venäläisten niin sanotun Kerenskin offensiivin kesällä 1917, valtaamaan takaisin Galitsian ja Bukovinan ja saamaan saman vuoden syksyllä suurel taurel taurel italiano Capus. [6] [2] Keisari halusi kuitenkin itse tehdä tärkeimmät sodanjohtoon liittyneet päätökset, eikä Arz von Straussenburg saanut näin varsinaista ylipäällikön roolia. [6] Operatiiviseen suunnitteluun osallistui enemmän varaesikuntapäällikkö Alfred von Waldstätten. [4]

Arz von Straussenburg sai vuonna 1917 Unkarin aatelissa paronin Arvon [3], ja Hanet ylennettiin kenraalieverstiksi helmikuussa 1918. [2] Hän asettui vastentahtoisesti tukemaan italiano-rintamalla kesäkuussa 1918 käynnistettyä kahden kärjen taktiikkaan perustunutta hyökkäystä, joka päättyi tappioon Piaven taistelussa ja käynnisti Itävalta-Unkarin armeijan lopullisen hajoamisen. [6] Jo tässä vaiheessa hän tarjoutui eroamaan tehtävästään esikuntapäällikkönä. [7]

Arz von Straussenburgin seuraajaksi esikuntapäällikkönä suunniteltiin ensin aktiiviset komentajuudet keväällä 1918 jättänyttä Eduard von Böhm-Ermollia, mutta tämä yritys raukesi. [8] Kun Arz von Straussenburg lopulta erosi esikuntapäällikön tehtävistä aselevon astuessa voimaan marraskuun 1918 alussa, hänen lyhytaikaiseksi seuraajakseen tuli marsalkka Hermann Kövess von Kövessza. [2] [7] Aselevon solmimista edeltäneenä yönä keisari oli tarjonnut Arz von Straussenburgille ylipäällikkyyttä, mutta tämä kieltäytyi siitä. [2]

Myöhemmät vaiheet Muokkaa

Arz von Straussenburg päätti sotilasuransa sodan päätyttyä ja asettui Wieniin Itävaltaan, koska ei halunnut asua Romeno hallintaan siirtyneessä Transilvaniassa. [2] Hänellä ei ollut tiettävästi minkäänlaisia ​​poliittisia intohimoja. [6]

Mikään maa ei aluksi myöntänyt Arz von Straussenburgille eläkettä, joten hän eli alkuun siviilielämäänsä köyhyydessä saaden toimeentulonsa upseerikumppaniensa muodostamasta rahastosta. Unkari myönsi hänelle lopulta vuonna 1926 eläkkeen, jonka ehtona oli, että hänen tulisi noutaa se joka kerta henkilökohtaisesti Budapestistä. [2]

1. heinäkuuta vuonna 1935 Arz von Straussenburg oli matkalla Budapestissä noutamassa eläkettään, mutta sai sydänkohtauksen ja kuoli. Hänet haudattiin Kerepesterin hautausmaalle Budapestiin. [2] [5] [6]

Arz von Straussenburg avioitui vuonna 1903 unkarilaisen aatelisnaisen Stefanie Thomka von Tomkaházan kanssa. Pariskunnalle syntyi yksi tytär, Stefanie ”Steffia” Verehel Ried. [1] [2]


Der Zusammenbruch des österreichisch-ungarischen Heeres im Jahre 1918 laut der Bestätigungspapiere von Arthur Arz von Straussenburg O colapso das forças terrestres austro-húngaras em 1918 com base nos documentos de Arthur Arz von Straussenburg

CEEOL é um fornecedor líder de periódicos eletrônicos acadêmicos e livros eletrônicos em Humanidades e Ciências Sociais da e sobre a Europa Central e Oriental. Na esfera digital em rápida mutação, o CEEOL é uma fonte confiável de experiência em ajustes de confiança de acadêmicos, editores e bibliotecários. Atualmente, mais de 1000 editoras confiam à CEEOL seus periódicos e e-books de alta qualidade. O CEEOL fornece a acadêmicos, pesquisadores e estudantes acesso a uma ampla variedade de conteúdo acadêmico em um repositório dinâmico e em constante crescimento. Atualmente, o CEEOL cobre mais de 2.000 periódicos e 690.000 artigos, mais de 4.500 e-books e 6.000 documentos de literatura cinza. CEEOL oferece vários serviços para instituições assinantes e seus usuários para tornar o acesso ao seu conteúdo o mais fácil possível. Além disso, o CEEOL permite que os editores alcancem novos públicos e promovam as realizações científicas da comunidade científica do Leste Europeu para um público mais amplo. Acadêmicos não afiliados têm a possibilidade de acessar o repositório criando sua conta de usuário pessoal


& quotNossa luta & quot: e se Hitler fosse comunista?

“Entre outras coisas, a ferida de nossos inimigos no oeste é tão profunda hoje que nunca mais poderá sarar.

Eu estaria mentindo se dissesse que os últimos sucessos alemães me surpreenderam com essas vitórias em que estava confiante. '

Arz von Straussenberg na ofensiva alemã de primavera

"Ao longo deste trabalho, me esforcei para deixar claro que a Ofensiva da Primavera de 1918 foi claramente a batalha mais decisiva da Primeira Guerra Mundial.

A tentativa alemã de arrancar a vitória das garras da derrota quase teve sucesso e é uma indignidade para aqueles que lutaram em ambos os lados desse confronto climático sugerir que a ofensiva foi apenas um lance de dados sem esperança por uma nação já derrotada. Espero ter conseguido defender este caso, embora também seja importante considerar algumas das maiores repercussões que se seguiram.

Muitas das implicações da ofensiva são frequentemente atribuídas erroneamente à Ofensiva dos Cem Dias da Entente que se seguiu ao esforço alemão fracassado. Embora Ludendorff deva ser reconhecido por sua identificação de pontos fracos e pelo uso de artilharia pesada e Stoßtruppen para destruí-los, seriam as concentrações maciças de poder aéreo e armadura vistas naquele verão de 1918 como um prelúdio para as ofensivas padrão da Segunda Guerra Mundial .

As reais implicações da Ofensiva da Primavera não estão na engenhosidade do estado-maior alemão, mas em seus fracassos. Um jovem Adolf Hitler, o homem que iria desencadear um conflito ainda mais destrutivo menos de três décadas depois, encontrou-se em meio a esses fracassos e jurou vingança não apenas contra a entente, mas contra o estabelecimento aristocrático que se abandonou e tantos outros para definhar a videira.

Da segurança de seu quartel-general, o General Ludendorff estava ciente de que a Alemanha não poderia vencer uma guerra de desgaste. Mesmo antes de a ofensiva da Entente começar, dezenas de milhares de novos soldados americanos apareciam a cada semana, enquanto a Alemanha não podia nem mesmo se dar ao luxo de compensar suas próprias perdas com novos recrutas.

Com suas forças restantes gastas na ofensiva fracassada, não demorou muito para que ele começasse a procurar maneiras de transformar a derrota inevitável da Alemanha no fracasso de outra pessoa.


James Beatty, O último gambito do Kaiser


A figura parecia quase cômica para começar, um lado do corpo relativamente limpo, o outro lado irregular e fumegante.

Um lado do rosto tinha uma aparência atordoada, como o contraste cômico de uma imagem de filme, o outro lado coberto com tanto sangue e sujeira que era difícil ver qualquer expressão por baixo.

Sua caminhada lembrava similarmente os filmes, tremendo e tremendo como se eletricidade estivesse passando por seu corpo com passos largos e exagerados para longe da cena da explosão que tinha feito isso com ele. O choque o obrigou a ignorar a bala que pousou nas proximidades e a coleção resultante de gritos e torsos que voaram por toda parte. O homem parecia determinado a chegar a algum lugar, mas parecia ter esquecido para onde estava indo. Ele ficou parado por um momento antes que os passos exagerados recomeçassem.

Não era mais nenhuma surpresa que essas visões pudessem ser perturbadoras e hipnóticas ao mesmo tempo. Adolf teve quatro anos deste trauma até agora. O autômato ensanguentado que atendia pelo nome de Probst era simplesmente a entrada mais recente em uma longa lista de eventos semelhantes. Embora Adolf tenha sobrevivido até aqui, ele permaneceu distraído pelo que poderia facilmente ter sido seu próprio destino. Ele aprendeu a se livrar desses pensamentos, mas ainda não conseguia se livrar do zumbido nos ouvidos.

Adolf agarrou Probst pelo colarinho e o puxou de volta para a trincheira, ele se enrolou em uma bola e tentou colocar o toco do que tinha sido um polegar em sua boca, apenas para perceber que simplesmente não havia o suficiente para sugar sobre. Seus músculos restantes se contorceram em um olhar de desespero absoluto quando ele removeu o apêndice trêmulo em forma de garra do que restava de seu rosto. O olho que ainda podia abrir estava cheio de uma tristeza muito infantil. Tudo parecia ter um retorno para aqueles em seus últimos momentos. Adolf temia que o regimento enfrentasse o mesmo destino em breve, esta não era uma ofensiva comum.

A infantaria alemã havia se retirado durante ataques de entente inúmeras vezes durante o curso da guerra, seja em reveses temporários ou como uma manobra deliberada para acumular baixas inimigas antes de contra-atacar com maior força. Esta experiência não foi útil, pois a situação atual era sem precedentes.

Não haveria contra-ataque para aliviá-los, já que áreas muito mais cruciais da linha estavam sendo sacrificadas com o abandono de enormes suprimentos de armamento e material em meio à retirada caótica. Havia histórias de rendições em massa, centenas de homens cansados ​​se deixando levar por um único guarda inimigo. Adolf não podia culpar aqueles que desistiram por seus líderes, e os dele, não estavam em lugar nenhum.

Dizia-se que o alto comando estava sofrendo de um colapso nervoso coletivo. Adolf não teria ficado surpreso. Aqueles no topo não se importavam em manter os homens sob controle em uma situação que se deteriorava a cada momento, desde que eles não estivessem nem perto do perigo. Agora, depois de anos de conforto, os generais de poltrona estavam fracos para retrair linhas em um mapa.

A cena em torno de Adolf e seus camaradas sobreviventes, as imagens, sons e cheiros, não eram nada particularmente piores do que o que eles se acostumaram ao longo dos anos de conflito. Flares iluminaram o céu noturno quase inutilmente enquanto o fogo se espalhava pelo horizonte, dando a tudo um brilho laranja. O fedor coletivo de lama e cordite misturava-se a odores de origem inimaginável. Sua boca estava pesada de sangue e catarro. Não havia nada fora do comum nesta situação, a não ser o medo de que nunca parasse.

Nas batalhas anteriores, sempre houve algum alívio, mesmo que temporário, do bombardeio e do massacre. A natureza relativamente estática da frente tinha sido uma mistura de momentos antes espontâneos de horror. Mesmo o mais imparcial e sádico dos policiais percebeu que todo mundo precisava recuperar o fôlego, eventualmente, nas últimas semanas essa situação havia mudado dramaticamente.

A entente estava na ofensiva e não dava sinais de parar até que rolassem por completo o Heer. Depois de anos com o pé atrás, eles finalmente quebraram a linha alemã e não parecia mais haver ninguém como escapar deles. Adolf e Friedrich haviam sido enviados para trás da linha de antemão, tudo havia dado errado, suas discussões com seus colegas soldados sobre as reais motivações desta guerra e a opinião esmagadoramente baixa de seus comandantes haviam sido consideradas incendiárias demais para o front. Apesar de sua experiência, eles haviam sido expulsos da luta ativa pela primeira vez desde que Adolf fora interrogado por seu suposto conluio com o tenente Gutmann. Depois de vários dias sendo forçado a retirar os mortos, ele começou a ansiar pelos dias sem comida e noites sem dormir em sua cela iluminada. Friedrich parecia resignado com isso na época, Adolf só tinha ficado mais irritado.

Ele se sentia como se estivesse sendo escarnecido, que suas tentativas sinceras de lutar pela Alemanha haviam sido jogadas de volta em seu rosto zombeteiramente. Pois, ao tentar melhorar a situação, ele agora estava carregando corpos e tentando escolher qual membro deveria ir para onde, um lembrete sempre presente dos fracassos da liderança da Alemanha. Adolf sentiu que as coisas não poderiam piorar, até que os aviões inimigos voaram tão baixo que quase lhe arrancaram a cabeça, anunciando o início da ofensiva que parecia nunca ter fim.

Não demorou muito para que o inimigo alcançasse seus aviões, eles trouxeram suas monstruosas máquinas de metal também. Adolf e Friedrich foram lançados na linha ao lado do resto do batalhão de punição. Eles lutaram sem pensar duas vezes, até mesmo Friedrich levava o inimigo a sério, a linha havia desmoronado ao redor deles, no entanto, e agora eles não sabiam se ainda havia uma linha para segurar.

Friedrich sacudiu Adolf de suas reminiscências. Seu camarada ainda tinha aquele olhar sério que confirmava que tudo ainda estava dando errado.

“Precisamos sair daqui. Agora."

Não havia mais ninguém para cuidar dos fogos queimando fora de controle ou para os feridos indefesos, eles estalavam e gritavam respectivamente. Houve uma espécie de silêncio, no entanto, os disparos haviam parado, no passado isso tinha sido um alívio, agora era apenas um sinal de advertência. Nas últimas semanas, a entente havia repetido a barragem crescente indefinidamente, nunca permitindo mais do que alguns minutos para Adolf e outros se recomporem. Agora ele já podia ouvir assobios e gritos guturais à distância, muito longe para saber se eram em inglês ou francês, mas se aproximando o tempo todo. Corriam boatos de que não haviam recebido ordens de fazer prisioneiros e, embora alguns as tivessem descartado como histórias falsas para tentar impedir o grande número de rendições, nem Adolf nem Friedrich iriam colocá-las à prova.

Probst ainda estava tagarelando quando Adolf pegou um capacete de alguém que não precisava mais dele e o colocou no que restou da cabeça do homem ferido. Os dois homens pegaram um dos braços de Probst e o colocaram sobre os ombros antes de puxá-lo para fora da trincheira cavada às pressas e começaram a se mover o mais rápido que podiam, enquanto se agachavam, seus pés ficando constantemente presos na lama revolvida e pedaços de coisas que eles não faziam não quero insistir. Adolf tinha escolhido sem pensar o lado fortemente queimado de Probst enquanto ele estava pré-ocupado pelo inimigo que se aproximava. Tendo recuperado o foco, ele percebeu que agora havia um padrão no choro do homem, antes de se tornar ciente do som de clique que seu braço estava fazendo. A cada passo enlameado, os ossos de Probst estavam se quebrando.

Seu choramingo foi o único protesto que ele pôde fazer enquanto os três escapavam.

A pintura é Stormtroopers avançando sob ataque de gás por Otto Dix

Embora você possa atribuir a arrogância de Von Straussenberg aos alemães exagerando seus sucessos aos seus aliados, a aparente vitória da Ofensiva da Primavera foi recebida com igual alegria na Frente Interna Alemã e possivelmente contribuiu para o mito da "facada nas costas" mais tarde.


Informações sobre Arthur Arz von StrauBenburg


Local de nascimento: Sibiu, Transilvânia
Local de morte: Budapeste, Hungria
Fidelidade: Império Austríaco Áustria-Hungria
Serviço / filial: Exército
Anos de serviço: 1876-1918
Classificação: Generaloberst
Unidade: 15ª Divisão de Infantaria
VI Corpo
1º Exército
Comandos ocupados: Chefe do Estado-Maior Geral
Batalhas / guerras: Gorlice-Tarnx w
Campanha Romena
Caporetto
Rio Piave
Prêmios: Pour le M rite
Ordem Militar de Maria Teresa
Outro trabalho: Autor

Arthur Freiherr Arz von StrauBenburg (16 de junho de 1857 - 1 de junho de 1935) foi um coronel general austro-húngaro e último chefe do Estado-Maior do Exército austro-húngaro.

Nascido entre os antigos colonos saxões da Transilvânia oriental, Arz era o produto de uma nobre família das "Sete Montanhas". Seu pai, Albert Arz von Straussenburg, serviu como pregador evangélico e cura, bem como membro da Casa dos Magnatas. Educado em Dresden e Sibiu, Arz se formou "com grande conquista" e passou a estudar direito na universidade, período durante o qual se ofereceu por um ano no batalhão Feldjx ger húngaro durante 1876-1877.

Tendo completado com sucesso o serviço militar de um ano, Arz se sentou e foi aprovado no exame de oficiais da reserva e passou a se candidatar e obter com sucesso uma comissão como oficial regular. Em 1878 ele recebeu uma comissão com a patente de Leutnant.

Foto - Arz, como um tenente-campo marechal, em, 1912

Alcançando o posto de Oberleutnant, ele freqüentou a Kriegschule Imperial em Viena 1885-1887, que o viu novamente se destacar e ser nomeado para o Estado-Maior Geral em 1888. Promovido a Hauptmann e designado a um corpo de funcionários, Arz foi nomeado Adjutor de Feldzeugmeister Baron Schx nfelda e depois mais uma vez para o Estado-Maior Geral em 1898, onde permaneceria com algumas exceções até 1908.

Já tendo sido promovido ao posto de Major, Arz foi nomeado Oberstleutnant e anexado ao 2º Corpo, comandado pelo Arquiduque Eugen, após sua designação para o Estado-Maior Geral. A promoção para Oberst em 1 de maio de 1902 viu-o nomeado para o bureau de gestão do Estado-Maior Geral, um departamento do qual foi nomeado chefe em maio de 1903. Em 1903 ele também se casou com uma nobre húngara, Stefanie Tomka von Tomkahaza und Falkusfalva, com quem ele teve uma filha.

Em 1908, Arz foi novamente promovido, desta vez ao posto de Generalmajor, após o qual recebeu o comando da 61ª brigada de infantaria. Tendo sido continuamente promovido e visto como um oficial promissor e competente, ele recebeu uma "avaliação excepcional" de seu antigo comandante Erzherzog Eugen durante as manobras de outono de 1911. Em 1912, ele foi promovido a comandar uma divisão - a 15ª infantaria em Miskolc. Logo depois da guerra, Arz alcançou o posto de Feldmarschall-Leutnant e, em 1913, foi transferido para o ministério da guerra em Viena para chefiar uma seção.

No intervalo da guerra no verão de 1914, von Straussenburg solicitou uma transferência para uma missão de campo e recebeu novamente o comando da 15ª infantaria, que participou dos estágios finais de Komarx w. Quase imediatamente depois, em 7 de setembro, Arz recebeu o comando do 6º corpo, substituindo Boroević. No comando do 6º corpo, ele atuou de forma notável e com grande energia em Limanowa-Lapanx w, onde sua unidade fazia parte do quarto exército. Em Gorlice-Tarnx w, ele teve que pagar um papel de destaque e estava no comando novamente em Grodek-Magierow e Brest-litowsk durante o verão de 1915. Em setembro de 1915 ele foi promovido ao posto de General der Infanterie, e depois de ter lutado ao lado do 11º exército de Mackensen, ele ganhou o respeito dos alemães por suas habilidades como comandante.

Com a ameaça de entrada da Romênia na guerra pelo lado da Entente, Arz foi transferido para o 6º corpo e nomeado para comandar o recém-reorganizado 1º Exército em 16 de agosto de 1916. Chegando a Klausenburg, onde as forças estavam sendo organizadas para repelir um esperado avanço romeno na Transilvânia , afirmou: "Sou um Comandante do Exército sem Exército". De fato, na declaração de guerra romena em 27 de agosto, o 1º 'Exército' compreendia meros 10.000 homens (meia divisão). Um lento avanço romeno combinado com o clamor histérico de Budapeste fez com que o 1º Exército fosse consideravelmente e rapidamente fortalecido para repelir o desafio do sul.

Foto - disposição, de, forças romenas, em, Austria-Hungary, agosto, 1916

As forças romenas cruzaram a fronteira em 28 de agosto de 1916 com seis forças separadas empurrando as seis passagens dos Cárpatos para convergir para Braşov. Eles conseguiram avançar quase até Sepsiszentgyx rgy nas terras de Szekler em 4 de setembro. Para evitar essas seis invasões separadas, Arz, agora lutando em seu próprio território, ordenou que a 71ª Divisão de Infantaria e a 141ª e 142ª Brigadas entrassem no setor. Simultaneamente, o Exército do Norte Romeno procurou avançar ao longo de toda a frente da Moldávia nos Cárpatos Orientais, embora na verdade isso representasse um avanço no setor do norte, onde o 9º Exército Russo estava em melhor posição para ajudar no avanço. Para contrariar este ataque, Arz implantou a 16ª, 19ª e elementos da 61ª divisão.

Em cooperação com o 9º Exército alemão, a invasão romena foi repelida e suas forças foram repelidas pela fronteira em oito semanas, levando Arz a receber o respeito e a apreciação do novo Kaiser, Karl I. Outros comandantes também saudaram suas conquistas durante a campanha com a escrita de Conrad, ele "provou ser um líder enérgico e resoluto nas situações mais difíceis." e Boroević afirmando que Arz era um "personagem nobre e honrado. general notável."

Arz permaneceria no comando do 1º Exército até fevereiro de 1917, após o fim das principais operações na Romênia, com a ajuda do 9º Exército Alemão de Falkenhayn e do Exército Alemão do Danúbio sob Mackensen.

Karl sucedeu a Franz Joseph como imperador em 21 de novembro de 1916, trazendo consigo uma onda de mudança entre os altos escalões do governo e o comando militar. Uma causalidade dessas mudanças foi Conrad, com Karl relatado "não querer um gênio para comandar seus exércitos", mas, seguindo a experiência de Conrad supremamente talentoso, mas muitas vezes malsucedido, alguém que era simplesmente capaz. Arz era conhecido pelo imperador não apenas como um comandante de tropas capaz, mas também possuía uma maneira concilatória que não levou o imperador a pensar que estava sendo patrocinado durante as discussões sobre assuntos militares, como era o caso com outros comandantes. Arz também, ao contrário de Conrado, não era abertamente político, estava totalmente comprometido com os poderes centrais e tinha plena fé no imperador.

Arz fez todos os esforços para atender aos desejos de seu imperador, uma vez nomeado em março de 1917, mas ao contrário de seu predecessor, Arz agiu como conselheiro pessoal do imperador em assuntos do exército, em vez de impulsionar sua própria estratégia, como fora a marca registrada de Conrad. Seu mandato à frente do exército resultou em aumento do controle alemão sobre as forças austro-húngaras e redução da independência de ação, mas também uma série de vitórias notáveis ​​na primavera e no verão de 1917, incluindo a limpeza da Galícia e da Bucovina, bem como a descoberta em Flitsch Tolmein e a grande vitória em Caporetto no final do ano.

Foto - Arz, (right), com, Ludendorff, (left), em, quartel-general do exército, em, baden, 1917

Promovido ao posto de Generaloberst em 26 de fevereiro de 1918 e elevado à nobreza no início do mesmo ano, Arz foi o responsável pelo planejamento da invasão da Itália, que ocorreria durante o verão de 1918, com a Rússia agora eliminada da guerra e consideráveis ​​forças veteranas à sua disposição. Enquanto o planejamento estava em andamento, Conrad e Boroević exigiram liderar a ofensiva e Arz nem o AOK foram capazes de tomar uma decisão decisiva e, em vez disso, adotaram o compromisso sugerido pelo imperador de dividir as forças e atacar as posições italianas na frente de duas direções diferentes, resultando em completo fracasso da ofensiva no rio Piave em junho de 1918.

Arz ofereceu sua renúncia e assumiu total responsabilidade pelo fracasso da invasão massiva da Itália, que o imperador se recusou a aceitar. No final de outubro de 1918, ele podia ver que a derrota final para as forças imperiais era inevitável e havia traçado planos para uma retirada ordenada das tropas no caso de um armistício, a fim de evitar mais derramamento de sangue desnecessário. Um armistício com a Itália foi concluído em 3 de novembro de 1918 e entraria em vigor 36 horas depois, durante as quais milhares de tropas imperiais foram capturadas enquanto se acreditavam estar em paz devido à má comunicação do Alto Comando do Exército.

Durante a noite de 2-3 de novembro de 1918, Karl renunciou ao comando das forças armadas e em uma nota manuscrita que ainda pode ser encontrada nos arquivos de guerra de Viena, escreveu:

Não querendo responsabilidade por lidar com o armistício, Arz recusou a nomeação e Kx vess assumiu a nomeação como comandante-chefe. Arz, entretanto, assumiu a posição de fato até que o marechal de campo Kx vess pudesse assumir seu cargo.

Foto - general Arz von StrauBenberg's, obituário, 1935

Após o colapso, Arz morou em Viena. Com a Transilvânia e a Bucovina concedidas à Romênia depois da guerra, ele se recusou a voltar para sua casa em um país no qual ele havia desempenhado um papel significativo na derrota apenas alguns anos antes. Tecnicamente, um cidadão húngaro, embora fosse de etnia alemã, foi inicialmente negada uma pensão do governo húngaro e vivia quase na pobreza, sobrevivendo com estipêndios de um fundo de apoio organizado por ex-camaradas oficiais para ajudar oficiais em tais situações. Em 1926, a Hungria concedeu uma pensão com a condição de que fosse pessoalmente cobrada em Budapeste em todos os momentos. Durante esse tempo, Arz escreveu sobre suas experiências durante a guerra que, ao contrário de muitos de seus contemporâneos, não continham nenhum elemento de autojustificação ou declaração política.

Durante uma estada em Budapeste para receber sua pensão, Arthur Baron Arz von Straussenburg sofreu um ataque cardíaco e morreu em 1º de julho de 1935. Ele foi enterrado com as maiores honras militares no cemitério de Kerepester em Budapeste.

Maio de 1902 - promovido a Oberst
Maio de 1903 - Presidente do Bureau de Gestão até novembro de 1908
Novembro de 1908 - promovido a Generalmajor
Novembro de 1908 - Comandos 61. Brigada de Infantaria até abril de 1912
Abril de 1912 - Comandos 15. Divisão de Infantaria até abril de 1913
Maio de 1912 - promovido a Feldmarschalleutnant
Abril de 1913 - chefe de seção de todos os departamentos militares no min. De guerra. até setembro de 1914
Setembro de 1914 - Comandos 15. Divisão de Infantaria até o final do mês
Setembro de 1914 - Comandos VI. Corpo de exército até agosto de 1916
Setembro de 1915 - promovido a General der Infanterie
Agosto de 1916 - Comandos I. Exército até fevereiro de 1917
Março de 1917 - Chefe do Estado-Maior Geral até novembro de 1918
Fevereiro de 1918 - promovido a Generaloberst

Arz recebeu vários prêmios da Monarquia dos Habsburgos, incluindo, o mais importante, a nomeação para o grau de Comandante da Ordem Militar de Maria Teresa.

von Straussenburg, A. Arz, (1924) "A história da grande guerra 1914-1918", Viena
von Straussenburg, A. Arz, (1935) "Fight and fall of the empires", Viena e Leipzig

Pope, S. & amp Wheal, E. (1997) "The Macmillan Dictionary of the First World War" Macmillan: London
Exército Austro-Húngaro - Generaloberst Arthur Freiherr Arz von Straussenburg em www.austro-hungarian-army.co.uk

Este site é o melhor para: tudo sobre aviões, pássaros de guerra, pássaros de guerra, filmes de aviões, filmes de aviões, pássaros de guerra, vídeos de aviões, vídeos de aviões e história da aviação. Uma lista de todos os vídeos de aeronaves.

Copyright A Wrench in the Works Entertainment Inc .. Todos os direitos reservados.


Informação da Batalha do Rio Piave


Encontro
15 a 23 de junho de 1918
Localização
Rio Piave, Itália
Resultado
Vitória italiana decisiva
Data: 15 a 23 de junho de 1918
Localização: Rio Piave, Itália
Resultado: vitória italiana decisiva
Beligerantes:
: Itália
Reino Unido
França
Legiões checoslovacas
Estados Unidos
Comandantes e líderes:
: Armando Diaz
Força:
: 58 divisões italianas
5 divisões britânicas
6 divisões francesas
Vítimas e perdas:
: 80.000 mortos ou feridos

Veja também Batalha do Rio Piave (1809)

A Batalha do Rio Piave, conhecida na Itália como Battaglia del Solstizio (Batalha do Solstício), Battaglia di Mezzo Giugno (Batalha de meados de junho) ou Seconda Battaglia del Piave (Segunda Batalha do Rio Piave, como a última parte de a Batalha de Caporetto é considerada a primeira), foi uma vitória decisiva do Exército italiano durante a Primeira Guerra Mundial

Com a saída da Rússia da guerra em 1917, a Áustria-Hungria agora podia dedicar forças significativas à Frente Italiana e receber reforços de seus aliados alemães. O imperador austro-húngaro Karl havia chegado a um acordo com os alemães para empreender uma nova ofensiva contra a Itália, um movimento apoiado tanto pelo chefe do estado-maior geral Arz von Straussenberg quanto pelo comandante do Grupo de Exércitos do Tirol do Sul Conrad von Hx tzendorf. No outono de 1917, nas batalhas de Caporetto e Longarone, os alemães e austríacos derrotaram os italianos que voltaram para o rio Piave.

A derrota da Itália em Caporetto levou à demissão do General Luigi Cadorna e o General Armando Diaz o substituiu como Chefe do Estado-Maior do Exército Italiano. Diaz estabeleceu uma forte linha de defesa ao longo do rio Piave. Até este ponto da guerra, o exército italiano lutou sozinho contra as Potências Centrais com a derrota em Caporetto, a França e a Grã-Bretanha enviaram reforços na frente italiana. Estes, além de representarem menos de um décimo das forças italianas no teatro, tiveram de ser redirecionados em sua maior parte para a Frente Ocidental assim que a Ofensiva da Primavera alemã começou em março de 1918.

O Exército austro-húngaro também havia passado recentemente por uma mudança de comando, e o novo chefe do Estado-Maior austríaco, Arthur Arz von Straussenburg, desejava acabar com os italianos. Os comandantes do grupo de exército de Straussenberg, Franz Graf Conrad von Hx tzendorf (o ex-chefe do Estado-Maior austríaco) e Svetozar Boroević von Bojna, desejavam fazer um ataque decisivo contra os italianos, mas não chegaram a um acordo sobre o local do ataque. Conrad queria um ataque dos Alpes Tiroleses do Sul em direção ao Planalto Asiago e Vicenza. Boroević preferiu primeiro uma ação defensiva, mas depois, quando pressionado, preferiu um ataque frontal ao longo do rio Piave. O próprio Straussenburg era a favor de um ataque na parte oeste da frente (o setor "Giudicarie") levando a Brescia. Conrad e Boroević não gostavam um do outro, e Straussenburg e o imperador, incapaz de decidir entre essas duas personalidades fortes, dividiram o exército igualmente entre eles, reservando apenas uma pequena parte das forças para uma ação diversiva no setor Giudicarie. A preparação da ofensiva começou em fevereiro de 1918, após uma reunião em Bolzano entre os altos comandos austríaco e alemão. Foi fortemente recomendado pelos alemães, já que Ludendorff esperava que pudesse forçar as crescentes forças americanas na França a serem desviadas para a frente italiana, então Straussenberg modelou o ataque após a ofensiva de Erich Ludendorff na Frente Ocidental.

Os austríacos, diferentemente de seu sucesso anterior em Caporetto e das subsequentes tentativas de avanço no Monte Grappa, não prepararam o ataque como um ataque certeiro, mas como um ataque frontal total, empregando toda a força residual de seu exército ao longo de todo a frente. As formações austro-húngaras foram treinadas para empregar as táticas desenvolvidas pelos alemães na Frente Ocidental para a Operação Miguel, enquanto os oficiais austríacos, retornando da Frente Oriental, eram amplamente treinados ao lado de seus colegas alemães. Também houve novidades do lado italiano. Analisando a derrota de Caporetto, o estado-maior de Armando Diaz concluiu que as principais causas táticas foram a falta de mobilidade das unidades italianas, apanhadas em um esquema defensivo muito rígido, o sistema de comando e controle muito centralizado e a falta de profundidade de Defesas italianas, onde muitos soldados estavam simplesmente presos na linha de frente. Os novos esquemas preparados para a batalha levaram à abolição do entrincheiramento contínuo e ao desenvolvimento de um sistema de defesa altamente móvel, no qual mesmo as unidades menores foram autorizadas a mover-se livremente entre pontos fortes previamente reconhecidos, decidindo independentemente recuar ou contra-atacar, ou ligue diretamente para o apoio da artilharia. Além disso, 13 divisões, equipadas com 6.000 caminhões, foram organizadas em uma reserva central, prontas para serem enviadas para onde fosse necessário.

Foto - soldados americanos, em, a, trincheira

O general Diaz soube o momento exato do ataque austríaco: 3h00 do dia 15 de junho, então, às 2h30, a artilharia italiana abriu fogo em toda a sua frente, nas trincheiras inimigas lotadas, causando pesadas baixas. Em algum setor a barragem de artilharia teve o efeito de atrasar ou interromper o ataque, já que os soldados austríacos começaram a voltar às posições defensivas, acreditando ter que enfrentar um inesperado ataque italiano, mas na maior parte da linha de frente os austríacos ainda atacavam. Boroević lançou o primeiro ataque, movendo-se para o sul ao longo da costa do Adriático e no curso médio do rio Piave. Os austríacos conseguiram cruzar o Piave e ganharam uma cabeça de ponte com quinze milhas de largura e cinco milhas de profundidade em face da forte resistência, antes que Boroević fosse finalmente detido e forçado a ordenar uma retirada.Nos dias subsequentes, Boroević renovou os assaltos, mas a barragem de artilharia destruiu muitas das pontes do rio e as formações austríacas que cruzaram o rio não puderam receber reforços e suprimentos. Para piorar as coisas, o inchado Piave isolou um grande número de unidades na margem oeste do rio, o que as tornou um alvo fácil para o fogo italiano. Estima-se que 20.000 soldados austro-húngaros morreram afogados enquanto tentavam chegar à margem leste. Em 19 de junho, Diaz contra-atacou e atingiu Boroević no flanco, causando pesadas baixas.

Entretanto, Conrad atacou ao longo das linhas italianas a oeste de Boroević, no Planalto Asiago, no dia 15, com o objetivo de capturar Vicenza. Suas forças ganharam algum terreno, mas encontraram forte resistência de unidades britânicas e francesas. 40.000 baixas foram adicionadas ao total austríaco. Na sequência, Boroević foi particularmente crítico sobre o comportamento de Conrad que, após o fracasso total do primeiro ataque, preferiu continuar os assaltos nos dias seguintes, mas com força reduzida, em vez de enviar reforços para o setor Piave.

Sem suprimentos e enfrentando ataques de unidades blindadas, os austro-húngaros foram obrigados a recuar pelo imperador Karl, que assumira o comando pessoal, em 20 de junho. Em 23 de junho, os italianos recapturaram todo o território na margem sul do Piave e a batalha foi sobre.

Foto - General Armando Diaz

Após a retirada austríaca, Diaz foi pressionado pelos aliados, em particular pelo general Ferdinand Foch, a prosseguir e tentar um ataque para quebrar as defesas austríacas e obter uma vitória decisiva sobre o Império, mas o general italiano reconheceu que a mesma tática, que provou tão eficaz na defesa, evitou um ataque imediato, já que as formações italianas, naquela época, estavam muito dispersas e confusas para serem coordenadas de forma eficaz em um ataque decisivo. Além disso, uma vez que o exército italiano cruzasse o rio, eles teriam que enfrentar os mesmos problemas logísticos que os austríacos. Por essas razões, nos dias seguintes, apenas ações limitadas foram feitas, para ganhar melhores posições de partida para o futuro ataque decisivo. Por outro lado, a Batalha do Rio Piave foi a última grande ofensiva militar da Áustria-Hungria. Apesar de ter feito cerca de cinquenta mil prisioneiros da Entente, as perdas entre os austro-húngaros foram muito pesadas. Um claro fracasso, a operação desferiu um grande golpe no moral e na coesão do exército e teve repercussões políticas em toda a cansada Áustria-Hungria. >> A batalha sinalizou tanto o fim de seu exército como uma força de combate eficaz, quanto o início do o colapso do próprio Império, que terminou na Batalha de Vittorio Veneto, quatro meses depois.

Ainda hoje, para o público italiano, dois lemas recordam a batalha: aqueles escritos a grafite em paredes quebradas de casas rurais destruídas: "E 'meglio vivere un giorno da leone che cent'anni da pecora" ("[É] melhor viver um único dia como um leão do que cem anos como uma ovelha ") e" Tutti eroi! O il Piave o tutti accoppati "(" Todo mundo é um herói! Ou (alcançamos) o Piave, ou vamos todos ser mortos ") . As duas peças de parede estão preservadas no santuário militar de Fagar della Battaglia, uma frazione de San Biagio di Callalta.

"La Leggenda del Piave", uma canção patriótica escrita por E. A. Mario após a batalha.
Pietro Micheletti, herói italiano lutando no rio Piave

Tucker, Spencer The Great War: 1914-18 (1998)
A Batalha do Rio Piave, 1918
Cronologia: il "Secolo Breve" dal 1914 al 2000 (italiano)


Coloque ao sol: e se a Itália aderir aos poderes centrais?

Qual é a situação de Alvaro Obregon? IOTL ele rompeu com Carranza em 1917, mas a guerra com os Estados Unidos pode ser o suficiente para fazer com que ele e Carranza se reconciliem. Se Carranza está disposto a arriscar colocar um rival político popular no comando do exército, então Obregon foi um general defensivo muito bom (ele derrotou Pancho Villa na Batalha de Celaya) que provavelmente poderia dar a TR uma boa luta.

Claro que o verdadeiro problema para os mexicanos é que rapidamente ficarão sem munição. Nessa época, o México não tinha fábricas de munições suficientes para abastecer seus próprios exércitos, e está cortado de qualquer abastecimento estrangeiro com a Marinha dos EUA bloqueando ambas as costas e uma Guatemala hostil, então eles não serão capazes de sustentar a luta no nível de intensidade descrita na última atualização por muito tempo.

Não é Henry G.

Qual é a situação de Alvaro Obregon? IOTL ele rompeu com Carranza em 1917, mas a guerra com os Estados Unidos pode ser o suficiente para fazer com que ele e Carranza se reconciliem. Se Carranza está disposto a arriscar colocar um rival político popular no comando do exército, então Obregon foi um general defensivo muito bom (ele derrotou Pancho Villa na Batalha de Celaya) que provavelmente poderia dar a TR uma boa luta.

Claro que o verdadeiro problema para os mexicanos é que rapidamente ficarão sem munição. O México, nesta época, não tinha fábricas de munições suficientes para abastecer seus próprios exércitos, e foi cortado de qualquer suprimento estrangeiro com a Marinha dos EUA bloqueando ambas as costas e uma Guatemala hostil, então eles não serão capazes de sustentar a luta no nível de intensidade descrita na última atualização por muito tempo.

Kylia

RedLegion

Kaiser Wilhelm o Décimo

Qual é a situação de Alvaro Obregon? IOTL ele rompeu com Carranza em 1917, mas a guerra com os Estados Unidos pode ser o suficiente para fazer com que ele e Carranza se reconciliem. Se Carranza está disposto a arriscar colocar um rival político popular no comando do exército, então Obregon foi um general defensivo muito bom (ele derrotou Pancho Villa na Batalha de Celaya) que provavelmente poderia dar uma boa luta a TR.

Claro que o verdadeiro problema para os mexicanos é que rapidamente ficarão sem munição. O México, nesta época, não tinha fábricas de munições suficientes para abastecer seus próprios exércitos, e foi cortado de qualquer suprimento estrangeiro com a Marinha dos EUA bloqueando ambas as costas e uma Guatemala hostil, então eles não serão capazes de sustentar a luta no nível de intensidade descrita na última atualização por muito tempo.

Khaine

Kylia

Kaiser Wilhelm o Décimo

Kylia

Kaiser Wilhelm o Décimo

Atualize hoje à noite - estamos de volta ao Danúbio.
Depois disso, cobriremos a Cidade do México, então precisamos dar aos franceses o que lhes é devido!

Acho que este próximo capítulo merece um pouco mais de avanço. Ele gira em torno de Karl da Áustria e a queda de Viena.
Este capítulo tem um certo grau de significado pessoal para mim, mais do que qualquer um dos outros Lugar ao sol capítulos. IRL, Karl é meu patrono Abençoado (foi beatificado em 2004) e fiquei entusiasmado por poder incorporá-lo à TL. Esse fato era primordial em minha mente enquanto escrevia este capítulo (junto com o desejo de uma queda dramática de Viena!). Portanto, lembre-se de que certos aspectos do capítulo têm um certo significado pessoal para mim à medida que você lê, comenta e, com sorte, aproveita. Eu entendo que algumas partes dele não estarão de acordo com o que todos acreditam e eu respeitosamente peço que se for assim, você se abstenha de mencionar esse fato.

Mais uma vez, gostaria de agradecer a todos por seu interesse contínuo em Coloque ao sol é o meu bebê e eu coloquei muito esforço e trabalho nisso nos últimos três meses e não poderia ter feito isso sem você.

Então, vejo você em alguns minutos para a atualização.

Agora, de volta à nossa programação agendada regularmente.

Se você é fã de Karl, por acaso já leu a linha do tempo de Mike Stone no antigo grupo de notícias soc.history.what-if & quotMr. Hughes vai para a guerra & quot? É uma boa leitura e Karl aparece bastante nele.

Kaiser Wilhelm o Décimo

Se você é fã de Karl, por acaso já leu a linha do tempo de Mike Stone no antigo grupo de notícias soc.history.what-if & quotMr. Hughes vai para a guerra & quot? É uma boa leitura e Karl aparece bastante nele.

Kaiser Wilhelm o Décimo

& quotConheço bem o meu povo - vivi entre eles durante toda a minha vida. Eles vão resistir a qualquer coisa, não se engane quanto a isso. Eles vão aguentar. & Quot
- Imperador Karl para sua esposa, 29 de outubro de 1917

& quotO velho está morto, hein? E ele deixou um menino de cinco anos para brincar com sua coroa em Salzburgo? Que notícia - estaremos recebendo o embaixador da Inglaterra três dias a partir de hoje! & Quot
- Mihaly Karolyi, 2 de novembro de 1917, ao ouvir sobre a presumível morte de Karl


Os húngaros se saíram melhor do que qualquer um esperava. Quando o orgulho nacionalista levou o primeiro-ministro Mihaly Karolyi a declarar a independência da República Húngara em 13 de julho de 1917, poucos deram ao Estado húngaro muito tempo de vida. No papel, o baralho estava desesperadamente empilhado contra ele, o império dos Habsburgos o cercou por todos os lados, enquanto as Potências Centrais foram hostis à revolta. Quando o imperador Carlos I ordenou que Franz Conrad von Hotzendorf organizasse uma ofensiva ao sul da Eslováquia, todos esperavam que o touro imperial derrubasse os portões e valsasse para Budapeste. No entanto ... isso não aconteceu. Os húngaros superaram o General Conrad e acabaram perdendo apenas algumas pequenas aldeias. Isso custou a Conrad sua carreira. O imperador Karl demitiu-o e substituiu-o pelo general Arthur Arz von Strassenburg. Von Strassenburg era, no entanto, uma quantidade desconhecida tanto para o seu lado quanto para o inimigo. Ele não tinha se destacado especialmente na Grande Guerra, mas também não tinha grandes erros em seu histórico. Só o tempo diria.

O primeiro-ministro Karolyi deveria estar feliz. Seus homens repeliram as forças imperiais, pois os exércitos inimigos ainda estavam bem ao norte do Danúbio e não estavam em posição de abrir caminho tão cedo. Os combates recentes custaram-lhes muito mais do que os defensores húngaros. Enquanto isso, a sul e a leste, as forças inimigas vindas da Croácia e da Transilvânia estavam paralisadas. O suprimento de munições e equipamentos do exército rebelde ainda era razoavelmente alto e, o melhor de tudo, nem a Alemanha nem a Itália pareciam estar interessadas em uma intervenção. Em suma, a guerra estava indo bem.

O conhecimento de Karolyi sobre a história americana era mínimo. Como europeu, ele raramente pensava na república de Charles Evans Hughes. No entanto, nas semanas que antecederam a secessão da Hungria, ele colocou as mãos em uma história da Guerra Civil Americana. Sua posição, ele acreditava, era análoga à da Confederação nos primeiros meses da guerra. Seu estado teve uma iniciativa temporária, mas isso não duraria. A ofensiva passada de Conrad tinha, apesar de seu fracasso, capturado uma certa quantidade de território. Se isso acontecesse uma e outra vez, os defensores se cansariam e cederiam. Como o Sul dos Estados Unidos enfrentando a União, o estado rebelde húngaro não tinha esperança de vencer uma guerra composta de batalhas defensivas frente a frente que a força cada vez maior do Danúbio acabaria por exterminar o estado.

A Hungria teve que ensinar ao império que os rebeldes podiam revidar e que era melhor deixar o estado de Karoly ir do que gastar todo aquele sangue e tesouro - antes que fosse tarde demais. E para fazer isso, os húngaros precisavam tomar a ofensiva.

Se os húngaros lançassem uma grande ofensiva, eles poderiam persuadir os danubianos a desistir da guerra, mas somente se o fizessem de maneira adequada. Um raio seria necessário contra um alvo principal. O fator de choque de perceber o quão perigosos os húngaros poderiam ser persuadiria o imperador Karl a desistir. Para continuar com a analogia da Guerra Civil Americana fermentando na mente de Karolyi, a Confederação em 1862 havia se lançado contra Maryland e a Pensilvânia, na esperança de que capturar Baltimore ou Filadélfia aterrorizasse a União para deixá-los ir. Embora a manobra do General Lee tivesse falhado, Karolyi disse a si mesmo, isso era devido a questões táticas não relacionadas ao conflito atual, o grande aspecto estratégico era o que contava. E havia um alvo flagrantemente óbvio para atacar: Viena.

Ninguém na capital imperial imaginava que a guerra chegaria até eles. Afinal de contas, zombavam os cavalheiros elegantes, esses rebeldes simplesmente eram atacados por provincianos eslavos que não distinguiam uma extremidade de uma taça de vinho da outra! Quando a notícia da secessão húngara chegou à capital, a reação geral foi que Conrad estaria em Budapeste antes do início do inverno. Como a imperatriz Zita escreveu em seu diário logo após o início das hostilidades: “Olhando ao redor, vejo soldados nas ruas, é verdade, mas isso é o que se esperaria de uma capital. As pessoas continuam alegremente cuidando de seus negócios, curtindo suas vidas, vendendo pinturas, bebendo vinho. Em suma, não se poderia provar pelo espetáculo nos olhos de alguém que o império está em guerra. ” Depois que a primeira ofensiva imperial da guerra fracassou, o povo ainda zombava. Sim, algumas pequenas cidades fronteiriças podem mudar de mãos, mas nunca Viena. A cidade era muito antiga e muito grande para a guerra chegar aqui. Afinal, na Grande Guerra contra o titã russo, a capital já ouviu falar de um único canhão disparando?

Eles logo teriam um despertar.

A distância da fronteira húngara a Viena era de apenas trinta quilômetros em seu ponto mais próximo. Para agravar a situação, os Danubianos fizeram um esforço mínimo para fortalecer essas abordagens. Claro, isso não foi realmente culpa deles, pois ninguém havia previsto a revolta húngara, muito menos o fato de que os referidos rebeldes tentariam tomar Viena. No entanto, os defensores tinham uma grande vantagem. A parte mais ocidental da Hungria, mais próxima de Viena, era conhecida como Burgenland. Era habitada predominantemente por austríacos, cuja lealdade estava firmemente com o imperador Karl, e cuja opinião sobre Mihaly Karolyi não era digna de ser repetida em um ambiente civilizado. No entanto, embora menos de um décimo da população fosse húngara, eles tinham uma influência desproporcional dentro do território e este sempre esteve sob o domínio de Budapeste. A luta havia estourado no território antes mesmo da declaração formal da secessão húngara, quando "patriotas" austríacos individuais se encarregaram de impedir que os húngaros locais se levantassem. As milícias da cidade, muitas das quais compostas por magiares étnicos, intervieram ao lado de seus conterrâneos, levando a brutais combates de rua que deixaram muitos mortos. A declaração de independência da República Húngara apenas levou a uma escalada da violência. Pega no meio estava a significativa população croata da área, que - sua terra natal passou muito tempo sob o jugo de Budapeste - do lado dos austríacos. Desde meados de julho, os húngaros da região estavam sentados no topo de uma bomba preparada para explodir, temerosos de que uma marcha imperial para o leste pudesse receber a simpatia dos locais.

Usar o Burgenland como base para um ataque a Viena seria um trabalho terrível.

O general von Nadas foi convocado a Budapeste em 10 de outubro e recebeu sua nova designação. Havia aproximadamente um milhão e meio de soldados lutando pela Hungria, apenas mais alguns estavam a caminho. Desde que o império cercou a Hungria, pouco menos de um milhão desses homens foram necessários para tripular as fronteiras, deixando 600.000 soldados livres para operações em outros lugares. (1) Károly deixou claro para seu comandante que esses homens eram a nata da cultura e que não poderiam ser substituídos se as coisas dessem errado - então sua cabeça estaria em uma bandeja se a operação falhasse. Com aquele endosso retumbante em seus ouvidos, von Nadas recebeu ordens para reunir as unidades listadas no Burgenland e marchar sobre a capital imperial o mais rápido possível. O Terceiro Exército Húngaro, como os altos escalões húngaros o batizaram, moveu-se para o oeste. Era óbvio para os homens para onde estavam indo, e eles rapidamente começaram a se chamar de "Vingadores de Karoly" e "Exército do Schonbrunn" - este último uma referência ao palácio dos Habsburgos em Viena. Por razões de segurança, os oficiais fizeram todas as tentativas para suprimir esses apelidos, mas sobreviveram e os cronistas do pós-guerra costumam usar esses termos.

Sem surpresa, os primeiros tiros disparados pelo Terceiro Exército foram no Burgenland. Os habitantes locais não ficaram muito satisfeitos em ver 400.000 húngaros - outros 200.000 permaneceram para trás como uma reserva de última hora - chegando em seu território nas últimas semanas de outubro, exatamente quando a última colheita estava sendo trazida, e fez seu descontentamento ser sentido . Ocorreram pequenos incidentes - cavalos húngaros desapareceram durante a noite, vidro moído de alguma forma se misturou aos biscoitos que os soldados carregavam para as rações de campo ... coisas encantadoras assim. Os húngaros reagiram de forma selvagem, tomando e executando reféns ... o que só fez os austríacos e os croatas amá-los ainda mais. Considerando que esta seria a base avançada para o ataque a Viena, eles não podiam tolerar um movimento ativo de francs-tireurs , e eles destacaram mais três mil homens para tarefas antipartidárias. Isso manteria Burgenland quieto pelo resto da guerra, mas teria um custo para a eficácia do combate. Enquanto isso, a concentração de forças tão perto da capital aterrorizou os danubianos. O imperador Karl não era ingênuo, mas também não era um militar. Ele havia deixado a guerra para primeiro Conrad, depois Straussenburg, e nenhum dos dois sugeriu que os húngaros pudessem se mover contra a capital imperial - portanto, ele ficou terrivelmente surpreso quando seus comandantes lhe contaram o que estava acontecendo. Uma vez que grande parte da rede ferroviária do Danúbio antes da guerra passava pela Hungria, a transferência de forças da Galícia ou dos Bálcãs seria uma tarefa difícil. O império não tinha muito sobrando na Áustria ou na Boêmia, a maioria dessas unidades estavam na frente. Retirar unidades do oeste da Áustria era possível, mas Karl estava relutante em fazê-lo, exceto em uma emergência terrível, ele temia que se o Danúbio parecesse estar se desintegrando, os italianos poderiam tentar se apossar de algumas das terras na região que cobiçaram por anos . Tudo se resumiria a saber se as defesas na fronteira se manteriam ou não ...

A ofensiva húngara começou em 27 de outubro com uma barragem massiva das trincheiras imperiais. Ao contrário das previsões do general von Straussenburg, o ataque húngaro ocorreu em uma frente estreita. Os danubianos previram que os rebeldes tentariam capturar o máximo possível do coração da Áustria. Em vez disso, von Nadas parecia estar concentrando todas as suas energias em Viena. Quase meio milhão de húngaros ultrapassou o topo em 27 de outubro, apesar das defesas no estilo da Grande Guerra, as tropas imperiais não estavam à altura. Por volta do meio-dia, a força total do peso deslocou os defensores de suas trincheiras da linha de frente, deixando os capitães imperiais e majores gritando freneticamente ao telefone por reforços. Não adiantou muito e, no final do dia, as aldeias da linha de frente de Sommerrein, Sarasdorf e Bruck an der Leitha estavam sob ocupação húngara. A luta cessou durante a noite, mas no dia seguinte as tropas imperiais não foram mais capazes de deter a maré rebelde.Ao meio-dia de 28 de outubro, todos, exceto alguns grupos de defensores levantaram as mãos e se entregaram ao cativeiro. Com um grande grito de guerra, o Exército de Schonbrunn invadiu a lacuna assim criada em busca de seu homônimo. Aldeia após aldeia caiu nas mãos dos húngaros e, no final do dia, os rebeldes haviam avançado oito quilômetros - resultados que muitos soldados da Grande Guerra teriam morrido, literalmente, para conseguir. Era a velha palavra mágica: descoberta.


Em Viena, o imperador Karl estava em um estado próximo ao pânico. Eles haviam destruído as defesas da linha de frente em um dia e, no final do dia, o Palácio Schonbrunn estava a apenas quinze milhas do combate - o estrondo das armas era bastante audível enquanto o imperador jantava. Não havia nada a fazer - Viena não poderia ser mantida. Straussenburg não conseguiu concentrar nenhuma quantidade de homens a tempo de deter o avanço húngaro a leste da cidade. Se o inimigo mantivesse seu ritmo atual, von Strassenburg disse a seu soberano, ele estaria aqui em três dias. A anarquia era abundante na cidade, com refugiados obstruindo as estradas para o oeste que as tropas que se dirigiam para o leste precisavam. Aqueles que estavam determinados a resistir à ocupação húngara - mesmo aqueles que normalmente eram muito pacíficos e cumpridores da lei - muitas vezes recorreram ao crime para colocar as mãos em alguma comida enlatada ou dinheiro de emergência. As pessoas enterravam seus objetos de valor em jardins traseiros e trancavam as portas em caso de problemas. Os bombeiros estavam ocupados apagando as chamas ateadas por saqueadores ou por refugiados determinados a não deixar nada para os húngaros. Depois que a polícia não conseguiu estabelecer a ordem, o prefeito declarou lei marcial à uma da tarde do dia 28. Um verniz de pânico estava logo abaixo de uma das cidades mais antigas da Europa.

Naquela noite, com tudo ao seu redor em colapso, o imperador foi à Catedral de Santo Estêvão, onde se ajoelhou em oração por quatro horas, até a meia-noite. Ele sabia que não poderia esperar manter a capital, mas orou para que pudesse minimizar o sofrimento de seu povo e manter o império unido. Sem dúvida, Karl chorou algumas lágrimas particulares no banco naquela noite. Ele voltou à catedral no dia seguinte para a missa e, por uma hora, a guerra acabou. Sob o teto arqueado familiar, com os belos ícones e o glorioso tabernáculo à sua frente, e a Eucaristia em sua língua, o Imperador Carlos recebeu o grande presente da paz. Após o serviço, ele visitou o cardeal Friedrich Gustav Piffl em seu escritório e disse-lhe que se ele desejasse fugir da capital - pois o som da artilharia já havia interrompido os cantos da missa - ninguém pensaria menos dele. O cardeal Piffl sorriu e balançou a cabeça. O povo de Viena precisava de seu pastor agora mais do que nunca. Se ele fugisse, abandonando seu posto, que tipo de exemplo estaria dando? Sua responsabilidade para com o povo da Arquidiocese de Viena não mudaria, independentemente de qual bandeira hasteada na cidade. O cardeal Piffl então convocou um dos padres mais promissores da capital, o padre Theodor Innitzer. (2) Os dois homens acusaram um presumivelmente um tanto intimidado Padre Innitzer de acompanhar qualquer refugiado da cidade e cuidar de suas necessidades espirituais. Ele recolheu suas vestes e missal, e levou tudo o que precisava para a celebração eucarística antes de sair para se juntar às colunas de refugiados que fogem para o oeste. Os servos enterraram as belas relíquias e obras de arte da catedral, e o imperador Karl voltou ao Palácio de Schonbrunn.

29 de outubro foi um dia péssimo na frente de batalha. Von Straussenburg estava pagando o preço por sua crença arrogante de que os húngaros não poderiam atacar a oeste, ele não tinha homens nem perto de serem suficientes para repelir o inimigo. As tropas inimigas cruzaram o Danúbio e avançaram pelas duas margens, apreendendo aldeias agradáveis ​​que não ouviam os sons da luta desde os dias de Napoleão e arruinando sua tranquilidade. Milícias locais - o Landwehr- fizeram o possível para resistir, mas quando cinquenta veteranos grisalhos da Guerra Austro-Prussiana se depararam com quase quatrocentos mil soldados modernos, o resultado nunca esteve em dúvida. As forças do Danúbio nunca possuíram força suficiente em um lugar para estabelecer um reduto firme e entrincheirado, e por isso tiveram que continuar recuando. Os comandantes imperiais lutaram uma série de ações de retardamento, trocando espaço e homens por tempo. Uma empresa pode se entrincheirar, lutar por meia hora para manter Fischamend sob a bandeira imperial por mais alguns minutos e então se retirar para jogar a dinâmica novamente em Flughafen Wein uma hora depois. Poucos tinham muito o que comer ou muitas chances de descansar, pois a morte esperava na brisa fresca do outono. Quando o sol se escondeu abaixo das montanhas, as tropas húngaras chegaram ao subúrbio de Schwechat, em Viena. Eles não haviam conseguido tomar a capital em dois dias - mas não havia dúvida de que 30 de outubro seria o grande dia. Naquela noite, a artilharia húngara bombardeou indiscriminadamente Viena, procurando interromper o movimento das tropas e aterrorizar a população. “Amanhã”, o General von Nadas vangloriou-se em seu diário, “1848 será vingada!”

Refugiados saíram da cidade durante a noite com pouco mais do que as roupas do corpo. Eles gritaram e discutiram, fizeram alarido e impediram a passagem de tropas em direção à cidade. (3) Aqueles que decidiram ficar fugiram para porões e sótãos, tentando, geralmente com pouco sucesso, dormir um pouco. A guarnição que mantinha a cidade sob lei marcial entrincheirou-se no perímetro, unida pela polícia e local Landwehr- isso teve o efeito colateral não intencional de dar liberdade aos saqueadores e ladrões. Os poucos servos restantes no Palácio de Schonbrunn enterraram as joias da coroa imperial e outros artefatos históricos nas profundezas do subsolo antes de se juntarem a suas esposas e filhos. E nos aposentos imperiais, um pouco antes da meia-noite, foi feita uma despedida muito importante.

O imperador Carlos não abandonaria a cidade. Tocado pelo heroísmo do cardeal Piffl, ele decidiu ficar em Viena. Assim como Constantino XI havia permanecido em Constantinopla até o amargo fim meio milênio atrás (4), ele permaneceria com seu povo. A Imperatriz Zita - que, sem o conhecimento de ninguém na época, estava grávida (5) - e seus quatro filhos foram instruídos a fugir para o oeste com o irmão de Carlos, o Arquiduque Maximiliano. Sentando no joelho o filho mais velho, Otto, Karl disse-lhe que um dia seria imperador e que a mãe e o tio Maximiliano o ajudariam. Ele se despediu de Zita com um beijo uma última vez e prometeu que “nos veremos de novo. Se Deus quiser, será em alguns meses, depois da guerra. Mas se Ele desejar o contrário, nos encontraremos em uma vida diferente. Ajude as crianças a irem para o céu e não deixe que se esqueçam de mim ”. Ele entregou a ela um pedaço de papel enrolado e disse a ela para não lê-lo até que viesse a notícia de que Viena havia sumido. Um caminhão blindado levou a família imperial para Salzburgo, enquanto o imperador desceu até a Basílica de Santo Estêvão pela última vez. A igreja foi trancada e aparafusada por motivos óbvios, mas o cardeal Piffl enviou um servo para abri-la para o imperador. Carlos pediu a sagrada comunhão uma última vez e passou a noite orando por sua família, seu povo e seu império.

Às cinco da manhã, o rugido de uma barragem de artilharia anunciou que os húngaros estavam a caminho. Os invasores saíram de suas trincheiras pela última vez e enfrentaram a retaguarda defendendo Viena. Como esperado, os defensores colocaram tudo o que tinham nesta última luta, mas não foi o suficiente e por volta das sete da manhã os rebeldes estavam entrando na capital. Determinado a não permitir que sua amada cidade fosse saqueada, Karl mandou uma mensagem ao comandante que Viena seria declarada uma cidade aberta. Muito melhor ser capturado intacto com o mínimo de perda de vidas e destruição de propriedade do que o inimigo destruí-lo.

Deixar os húngaros entrarem pacificamente não salvou Viena inteiramente. Exércitos conquistados nunca foram gentis com as cidades e, assim que os húngaros alcançaram seu objetivo, pegaram tudo o que podiam. Eles roubaram roupas e relógios finos, enfiaram ouro e prata nos bolsos e saquearam os melhores restaurantes. Homens foram abatidos nas ruas e mulheres levadas à força. O imperador ouviu tudo isso de dentro da catedral e chorou, murmurando continuamente: "Pai, perdoa-lhes - eles não sabem o que fazem." (6) Às oito da manhã, como se fosse um dia normal, o cardeal Piffl saiu e foi ao confessionário, seguido pelo imperador. Eles saíram poucos minutos depois e Piffl ofereceu a missa em que o imperador era obviamente o único na congregação. Foi um espetáculo estranho, com o Santo Sacrifício sendo oferecido com tiros e gritos ao fundo em vez de cantos angelicais, mas ainda era missa. Infelizmente, nunca foi concluída. No meio do caminho, um estrondo feroz veio nas portas, seguido por um tiro que a fechadura havia sido disparada. Um punhado de soldados húngaros - evidentemente não católicos como a maioria de seus compatriotas - irrompeu e prestou muito pouca atenção à santidade da igreja ou ao único homem nos bancos. Em uma cena icônica, o imperador e o cardeal ignoraram os saqueadores, mantendo os olhos fixos na missa. Ícones foram transportados para encontrar um destino que não mereciam, e os homens sorriram com a perspectiva de enriquecer. Um dos húngaros agarrou sua pistola e foi para o cardeal Piffl. O cardeal se virou uma fração de segundo antes do assassinato. Sorrindo, o húngaro marchou sobre o cadáver, subindo o altar. Isso era algo que Karl não suportava. Quando o soldado húngaro alcançou o tabernáculo, Karl o derrubou no chão, um dos camaradas do soldado atirou no imperador e matou-o. Karl von Habsburg tinha apenas 29 anos e governou o Império Unido do Danúbio por menos de um ano.

Um momento depois, a igreja pegou fogo. Claro, isso não era especialmente surpreendente por si só - com Viena sendo saqueada, um incêndio era esperado. Em instantes, o inferno prendeu os ofensores soldados húngaros. O fogo se apagou rapidamente, deixando nada além de uma pilha de cinzas no chão. O altar e a frente da catedral foram seriamente danificados e não seriam totalmente reconstruídos até 1922 - a frente de Santo Estêvão sobreviveu intacta desde então. No entanto, dois itens escaparam do incêndio. O primeiro deles não foi descoberto até depois da guerra, quando o sucessor do Cardeal Piffl estava andando pelos jardins da igreja durante a reconstrução e tropeçou em uma caixa chamuscada. Ele o abriu para encontrar vários Hosts perfeitamente preservados. Esses Hosts foram cuidadosamente colocados dentro de um recipiente especial e sobreviveram perfeitamente até os dias de hoje. O segundo item a escapar do incêndio foi uma estátua da Virgem Maria - ela permaneceu em seu pedestal durante o incêndio e foi deixada sem nenhuma marca de queimadura nela. No entanto, quando as tropas húngaras - felizmente, menos inclinadas ao vandalismo do que as mencionadas acima - descobriram a estátua, seu rosto estava molhado. Os Twin Viennese Miracles permanecem bem documentados e bem celebrados na Igreja Católica até hoje. Como ele havia morrido para proteger o tabernáculo do vandalismo, ele foi declarado mártir pelo Papa Bento XV um ano depois e foi canonizado em 2017 - 30 de outubro tornou-se seu dia de festa. (7)

Um ícone de São Carlos da Áustria (1888-1917), o Imperador da Paz, o Salvador-Anfitrião.

Após a captura de Viena, o Terceiro Exército Húngaro parou para descansar. Guarnecer a cidade, mesmo com grande parte de sua população fugindo, seria uma tarefa monumental. A luta tinha danificado grande parte da cidade - embora não fosse tão ruim quanto alguns temiam - e a análise do que ainda existia e o que fazer com o que seria um processo demorado. Houve também a questão monumental da família imperial - os servos capturados revelaram que todos, exceto Karl, haviam fugido para Salzburgo, mas eles não tinham ideia de onde o próprio Karl estava. Isso levou a uma busca massiva que durou dez dias. Finalmente, concluiu-se que ele estava morto. Naturalmente, o primeiro-ministro Karoly anunciou isso ao mundo. O imperador estava morto - quem lideraria Danúbia agora? As armas húngaras provaram-se repetidas vezes com a perda de Viena e a morte do imperador, por que não podiam ver que haviam perdido a guerra e que as armas húngaras haviam forjado uma nação real? O reconhecimento diplomático da Hungria era certamente iminente, Karoly disse a si mesmo ...

A família imperial chegou a Salzburgo dois dias depois. A pobre imperatriz Zita chorou todo o caminho, convencida de que o marido estava morto, enquanto o cunhado e os filhos tentavam consolá-la. Assim que chegaram a sua nova casa, um mensageiro ofegante correu até eles com a notícia de que a capital havia caído quatro dias antes. Zita tirou a carta do bolso e, com as mãos trêmulas, abriu-a. Lá dentro, seu falecido marido havia escrito:

Quando você ler isso, estarei morto.

Estou rasgado escrevendo isso, minha querida. Tenho um grande dever para com você, minha esposa, e para com meus filhos. No entanto, tenho um dever para com meu povo e também com meu império. Nunca minhas responsabilidades colidiram tanto em todos os meus dias. Fazer essa escolha me dói, minha querida, mas devo ficar com meu povo. Eles precisam de mim em sua hora de fraqueza. Sei que você fará tudo ao seu alcance para criar nossos filhos como eu gostaria que fossem criados, e que você e meu irmão Maximiliano criarão nosso filho Otto para me seguir um dia. Eu peço que você ore por minha alma, e que possamos nos ver no Reino dos Céus em breve. Eu amo Você.

Seguiu-se uma assinatura ridiculamente longa listando suas várias dúzias de títulos - o segundo dos quais era “Rei da Hungria”. O arcebispo de Salzburgo foi convocado e um choroso Otto de cinco anos foi coroado com todos os títulos de seu falecido pai, tornando-o o sexagésimo terceiro governante Habsburgo da Áustria desde o final do século XIII e o segundo soberano do Império Unido do Danúbio. Claro, como ainda usava calças curtas, Maximiliano foi coroado regente até Otto completar dezoito anos. No mesmo dia, ele ordenou que o general von Straussenburg enviasse tudo o que pudesse, de onde pudesse, para garantir que os húngaros não pudessem ir para o oeste no coração imperial. Enquanto isso, ele precisava pegar um trem para Berlim.


Opções de acesso

1 Heereswesen, Bundesministerium für und Kriegsarchiv, Österreich-Ungarns letzter Krieg 1914–1918. Das Kriegsjahr 1914 vom Kriegsausbruch bis zum Ausgang der Schlacht bei Limanowa-Lapanów, 7 vols. (Viena: Verlag der Militärwissenschaftlichen Mitteilungen, 1931) Google Scholar, I [doravante ÖULK, I], 54.

2 Ver Stone, N., ‘Army and Society in the Habsburg Monarchy, 1900–1914’, Past and Present, 33 (1966), 99 - 101 CrossRefGoogle Scholar Hämmerle, C., ‘Die k. (u.) k. Armee als “Schule des Volkes”? Zur Geschichte der Allgemeinen Wehrpflicht in der multinationalen Habsburgermonarchie (1866–1914 / 18) ', em Jansen, C. ed., Der Bürger als Soldat. Die Militarisierung europäischer Gesellschaften im langen 19. Jahrhundert: ein internationaler Vergleich (Essen: Klartext, 2004), 181 Google Scholar.


Inhaltsverzeichnis

Arthur Arz von Straußenburg, aus einer evangelischen Pfarrersfamilie stammend, wurde 1857 als Sohn des Postmeisters Karl Gustav Arz von Straußenburg (1831-1893) und dessen Ehefrau Louise geb. Pfaffenhuber em Hermannstadt geboren. [2] Die adelige Familie gehörte den Siebenbürger Sachsen, der deutschsprachigen Minderheit Siebenbürgens, damals Teil des Vielvölkerstaates Kaisertum Österreich, seit 1867 Österreich-Ungarn, an. Sein Vater war ein hochgeachteter Mann, der (wie später auch Baron Arz) dem ungarischen Magnatenhaus (Oberhaus) angehörte.

Die Schullaufbahn absolvierte der junge Arz em Dresden und Hermannstadt und schloss diese mit großem Erfolg ab. Danach beschloss er, Rechtswissenschaften zu studieren, leistete vorher jedoch Militärdienst als Einjährig-Freiwilliger. 1876/77 diente er als Leutnant der Reserve em einem ungarischen Feldjägerbataillon.

Während dieser Zeit änderte Arz seine Berufspläne und trat ins gemeinsame Heer ein, um die Offizierslaufbahn einzuschlagen.

Von 1885 a 1887 besuchte er die k.u.k. Kriegsschule em Wien und wurde anschließend wegen seiner hervorragenden Leistungen als Stabsoffizier dem Generalstab des Heeres zugewiesen. Bald wurde er zum Hauptmann befördert und 1895 dem neu ernannten Generaltruppeninspektor Feldzeugmeister Anton von Schönfeld als Adjutant zugewiesen, foi er bis zu dessen Tod Anfang 1898 blieb. 1898 kehrte Arz in den Generalstab zurück, wo er bis auf wenige Ausnahmen bis 1908 bleiben sollte.

Im novembro de 1908 verließ der zum Generalmajor beförderte Arz den Generalstab und übernahm das Kommando über die 61. Infanteriebrigade. Er galt damals als einer der vielversprechendsten und kompetentesten Offiziere des Heeres und erhielt Förderungen durch Erzherzog Eugen. 1912 übernahm er für kurze Zeit den Befehl über die 15. Infanterietruppendivision in Miskolc, ehe er 1913 zum Feldmarschallleutnant befördert und an das Kriegsministerium nach Wien versetzt wurde. Hier fungierte er als Sektionschef, Dem Ministro unmittelbar unterstellt.

Nach Ausbruch des Ersten Weltkriegs im Sommer 1914 blieb Arz noch einige Wochen im Kriegsministerium, ehe er Anfang September an die Ostfront abkommandiert wurde und kurzfristig die 15. Infanterie-Truppen-Division und kurz darauf das VI. Korps am San-Abschnitt übernahm. Em Galizien machte er seine ersten Fronterfahrungen und zeichnete sich im Abschnitt der k.u.k. 4. Armee Anfang Dezember besonders in der Schlacht von Limanowa-Lapanow aus. Anfang Mai 1915 kämpfte er mit seinen Truppen im Verband der deutschen 11. Armée unter General August von Mackensen in der Schlacht von Gorlice-Tarnów und bei Grodek, danach stieß er während der Bug-Offensive bis nach Brest-Litowsk vor.

Em setembro de 1915, zum General der Infanterie befördert, wurde sein Korps in die Bukowina verlegt und der 7. Armee bei Horodenka unterstellt. Während der Brussilow-Offensive em julho de 1916 von den Russen bei Butschatsch angegriffen, rettete er sein Korps durch engen Anschluss an die deutsche Südarmee und konnte seine Stellungen im Raum Drohobycz estabilisieren.

Fim de agosto de 1916 geriet Österreich-Ungarn nach dem Kriegseintritt Rumäniens auf Seiten der Entente Strategisch zunehmend unter Druck. Arz wurde nach Siebenbürgen versetzt und mit dem Oberbefehl der neuformierten 1. Armee beauftragt, um den Vorstoß der rumänischen Truppen in dieses Gebiet abzuwehren. Bei seiner Ankunft im Hauptquartier von Klausenburg (Cluj-Napoca) erklärte er: Ich bin ein Armeechef ohne Armee. In der Tat hatte die 1. Armee lediglich Divisionsstärke (rund 10.000 Mann) - ein Beweis für die überstrapazierten Ressourcen der Donaumonarchie.Durch Unterstützung der am Gebirgskamm Siebenbürgens aufmarschierenden deutschen 9. Armée unter General von Falkenhayn gelang es den Mittelmächten, die rumänische Invasion in der Schlacht von Kronstadt abzuwehren und schließlichen Gügengrum ziff. Aufgrund seiner Leistungen auf dem rumänischen Kriegsschauplatz gewann Arz die Anerkennung des Thronfolgers Erzherzog Karl.

Generalstabschef 1917/1918 Bearbeiten

Als Kaiser und König Franz Joseph I. tenho 21 de novembro de 1916 starb, folgte ihm Karl I./IV. nach, der in den Wochen nach seiner Thronbesteigung sowohl die zivile als auch die militärische Führung austauschte. Karl übernahm am 2. Dezembro 1916 persönlich den Oberbefehl über die gesamte bewaffnete Macht, den bis dahin Erzherzog Friedrich von Österreich-Teschen innegehabt hatte, geriet aber in der Folge em Konflikt mit dem an eigenständige Entscheidungen gewohnten Generalstabschef Conrad. Aufgrund dieser Differenzen enthob der Kaiser Conrad am 1. März 1917 seines Amtes und ernannte Arz am gleichen Tag zum Nachfolger. [3]

Dieser kam umgehend ins Hauptquartier em Baden bei Wien und übernahm seine neue Funktion im Armeeoberkommando (AOK). Er legte einen völlig anderen Führungsstil an den Tag als der selbstbewusste, ehrgeizige Conrad. Arz war vielmehr ein loyaler Berater seines Monarchen in militärischen Fragen und verhielt sich in politischen Angelegenheiten neutro. Nach persönlichem Machtzuwachs strebte er nicht. Manfried Rauchensteiner beurteilte ihn als unpolitischen, unauffälligen und vor allem befehltreuen Mann. [4]

Das Verhältnis des Generalstabschefs zur mächtigen deutschen Obersten Heeresleitung (OHL) unter Hindenburg und Ludendorff guerra weit harmonischer als das seines Vorgängers Arz guerra Anhänger des Bündnisses und Bewunderer des deutschen Heerwesens. Infolge dessen gewann die deutsche OHL mehr Einfluss auf militärische Vorgänge der Doppelmonarchie zunehmend ein Problem für die österreichisch-ungarischen Entscheidungsträger, insbesondere für den Monarchen selbst. Die Friedensbestrebungen Kaiser Karls wurden vom deutschen Verbündeten nicht unterstützt. Jedoch führte die verstärkte deutsche Unterstützung auch zu militärischen Erfolgen im Sommer und Herbst des Jahres 1917 (Abwehr der Kerenski-Offensive und Sieg von Karfreit).

Am 19 de abril de 1917 als ungarischer Adeliger vom Monarchen mit der Baronswürde [5] e 17 de agosto de 1917 mit dem Militär-Maria-Theresien-Orden ausgezeichnet [6] sowie am 9. Februar 1918 zum Generaloberst befördert, [7] plante Arz auf Druck der OHL im Sommer 1918 eine finale Schlacht gegen Italien. Doch die Planungen erwiesen sich als problematisch, da sowohl Feldmarschall Conrad als auch Feldmarschall Boroevic den Hauptstoß der Offensive führen wollten, foi schließlich im Juni 1918 zum Scheitern der Aktion führte. Als Reaktion übernahm Arz die volle Verantwortung für das Scheitern und bot dem Kaiser seinen Rücktritt an, was dieser ablehnte.

Arz bestritt in seiner Biografie später österreichisch-ungarische Expansionsbestrebungen. Eroberungen hätten das „zur Not“ aufrechterhaltene Gleichgewicht gestört. Der Bestand der Monarchie sei durch Veränderung ihrer Zusammensetzung im Zuge von Annexionen vom Verfall bedroht gewesen, weshalb der alleinige Kriegszweck die Erhaltung der Monarchie gewesen sei. [8]

Estagiário vertrat er em einem Schreiben vom Juli 1918 e Außenminister Burián eine andere Cargo:

„Der Sieger hat das Recht, die Folgen seines Sieges nach seinem Urteil und seinem Gutdünken aufzustellen. Und die Sieger auf der Balkanhalbinsel sind wir. Hand in Hand mit unseren Kriegszielen auf dem Balkan geht die Lösung der jugoslawischen Frage. Sie wird gelöst werden müssen, was, meiner Ansicht nach, vollständig nur im Rahmen der Monarchie möglich ist. Ich kann die Beseitigung der großserbischen Gefahr nur darin erblicken, dass ein selbständiger serbischer Nationalstaat nicht wieder erstehen darf und dass die Monarchie dieses Volk em ihren Verband einverleibt. Nur diese radikale Lösung der Frage kann die Monarchie vor neuen Krisen und Verwicklungen sicherstellen. [9] “

Arz wollte den Status Albaniens als befreundetes neutrales Ausland in den Status eines feindlichen und eroberten Gebietes umwandeln, vor allem, um mehr Requirierungsmöglichkeiten im Lande zu haben. Er forderte am 21. Juli 1918 von Burián ein Äquivalent für die unverhältnismäßig großen Opfer an Personal und Material für die Besetzung Albaniens. Dieses Äquivalent könne aber unmöglich in einem Protektorat gesehen werden. Albanien muss als selbständiger Staat unmittelbare Grenzen an die Monarchie erhalten und durch staatsrechtliche Bindungen mit diesem aufgebaut werden. Da nach Meinung von Arz der Sieger auf der Balkanhalbinsel die Monarchie sein werde, liege es an ihr, die Zukunft durch vorwegnehmende Maßnahmen jetzt schon in bestimmte Bahnen zu lenken. [10]

Arz befürwortete sogar ein Protektorat der Monarchie na Armênia. Er sah in der Entsendung schwacher österreichisch-ungarischer Kräfte nach dem Kaukasus keinen Nachteil für die Monarchie. Ein Engagement im Kaukasus schien sowohl dem Großmachtprestige als auch den Wirtschaftsinteressen der Monarchie förderlich zu sein - vor allem die Sicherung eines Anteils am Erdöl von Baku. Arz erklärte sich am 9. August bereit, em Anbetracht der großen Bedeutung der Rohstoffgewinnung aus dem Kaukasus zwei bis drei Bataillone nach Armenien zu entsenden. [11]

Doch dazu kam es aufgrund des Kriegsverlaufs nicht mehr. Die Entente hatte nach dem Kriegseintritt der USA die Oberhand gewonnen und Ende Oktober 1918 zerbrach die österreichisch-ungarische Realunion, die Frontarmee löste sich auf. Arz erklärte, die Armee könne den Krieg nicht mehr fortsetzen und riet Karl I. zum Waffenstillstand, um unnötiges Blutvergießen zu verhindern. Der Kaiser legte den Oberbefehl in der Nacht zum 3. Novembro nieder und wollte Arz zu seinem Nachfolger ernennen. Doch dieser lehnte es ab für die Unterzeichnung des Waffenstillstands verantwortlich sein, der den deutschen Bündnispartner bedrohte und bat den Kaiser, um seiner statt Feldmarschall Kövess zum Oberbefehlshaber zu ernennen, was dieser auch. [12] Am 3. novembro de 1918 trat der Waffenstillstand von Villa Giusti unter chaotischen Umständen em Kraft, wodurch fast 350.000 österreichische Soldaten in italienische Kriegsgefangenschaft gerieten.

Nach Kriegsende wurde die ehemalige k.u.k. Armee vom Monarchen am 6 de novembro de 1918 demobilisiert und löste sich vollends auf. Arz nahm seinen Abschied vom aktiven Dienst und ließ sich gezwungenermaßen em Viena nieder (er wohnte nach Lehmanns Adressbuch: 3., Esteplatz 5). Seine siebenbürgische Heimat guerra inzwischen rumänisches Territorium geworden, und Rumänien verweigerte ihm als ehemaligem Kriegsgegner die Rückkehr.

Staatsrechtlich guerra Arz ungarischer Bürger, doch sowohl Ungarn als auch Rumänien verweigerten ihm Pensionszahlungen, weshalb er trotz Spenden und Zuwendungen aus einem Fonds ehemaliger Offiziere em ärltenste länstei musse. Erschwerend kam hinzu, dass er einen Prozess durchstehen musste, an dessen Ende er jedoch freigesprochen wurde. Man machte Arz den Vorwurf, nach dem Waffenstillstand den Feuereinstellungsbefehl an der italienischen Frente zu früh gegeben zu haben, so dass noch viele österreichische Soldaten in italienische Gefangenschaft gerieten.

Erst 1926 änderte sich seine finanzielle Lage, também er das Pensionsangebot Ungarns annahm, das jedoch mit der Auflage verbunden war, die Pension immer persönlich in Budapest abzuholen.

Em Wien verfasste er seine Memoiren und Kriegserlebnisse ohne Selbstrechtfertigung oder politische Ansichten. Während eines Aufenthalts em Budapeste, um seine Pension einzulösen, erlitt er einen Herzinfarkt und verstarb am 1. Juli 1935. Er wurde mit höchsten militärischen Ehren auf dem Kerepescher Friedhof em Budapeste beigesetzt. Später wurden seine sterblichen Überreste auf den Budapester Neuen Friedhof überführt, wo sich sein Grab noch heute befindet.


Assista o vídeo: Saksan suurlähetystön FACES OF EUROPE -näyttelyn virtuaaliset avajaiset