Teca YN-30 - História

Teca YN-30 - História

Teca
(YN-30: dp. 805 (lim.), 1. 163'2 "; b. 30'6" dr. 11'8 "s. 12,5 k. (Tl.); Cpl. 48; a. 13 ", 4 20 mm. 4, 60 mg., Cl. Aloe)

A teca (YN-30) foi colocada em 25 de outubro de 1940 em Camden, NJ, por John H. Mathias & Co., lançada em 7 de julho de 1941, patrocinada pela Sra. EL Patch, colocada em serviço em 7 de maio de 1942, e encomendada em 10 de dezembro de 1942 em Colon, Canal Zone, tenente Harl Stanley Day, USNR, no comando.

No momento de seu comissionamento, o tender da rede foi atribuído às redes que guardam o portão oeste do Canal do Panamá. Teak transitou pelo canal em 15 de dezembro de 1942; partiu de Balboa na véspera de Natal; e chegou a São Francisco em 6 de janeiro de 1943. Com base no Tiburon Naval Net Depot na Baía de West San Francisco, ela começou a cuidar das redes anti-submarino do porto no dia 10.

Ao longo de 1943 e 1944, a Teak patrulhou e manteve as redes que protegiam os ancoradouros e o porto da Baía de São Francisco. Ela inspecionou as redes, consertou e substituiu peças gastas e bóias, e libertou âncoras de amarração e um navio ocasional sujado nas redes. Essas tarefas rotineiras, mas vitais, foram alteradas por reparos na Alameda, com exercícios de artilharia em outubro e com uma viagem a San Pedro em dezembro.

Reclassificado um navio de lançamento de rede e redesignado AN35 em 20 de janeiro de 1944, Teak passou sob a ponte Golden Gate pouco antes do pôr do sol em 2 de março e definiu seu curso para o sul do Pacífico. Prosseguindo via Samoa, ela chegou à Nova Guiné em 4 de abril e começou a operar a partir de Milne Bay e nas vizinhas Ilhas Trobriand. Nos seis meses seguintes, ela prestou serviços de reboque em águas próximas, transportou cargas, colocou bóias de sonar e pegou bóias e amarrações desnecessárias.

Reatribuída para a Unidade de Serviço do Golfo Leyte da 7ª Força de Serviço da Frota, ela partiu da Baía de Humboldt em comboio em 18 de outubro e entrou no Golfo de Leyte no dia 24. Nas semanas seguintes, apesar dos frequentes telefonemas para os quartéis gerais, ela colocou amarrações de rede e bóias de sinalização no Golfo de Leyte, auxiliou pequenas embarcações ancoradas e fez reboques. No final de novembro, ela começou a trabalhar na estação de bóia de sonar entre as ilhas Samar e Homohon. Em 17 de janeiro de 1945, ela voltou a cuidar e colocar amarrações. Em meados de março, ela seguiu para Luzon e operou na baía de Manila, principalmente ocupada em levantar barcaças submersas, sampanas, barcos a diesel e barcos a vapor. Durante esse período - enquanto foi designada para a Unidade de Salvamento de Navios, Combate a Incêndio e Resgate, Força de Serviço, Pacífico - ela ganhou a Comenda de Unidade da Marinha.

Ela permaneceu nas Filipinas até o final de novembro, quando se dirigiu, via Marianas e Pearl Harbor, para a costa da Califórnia e chegou a San Pedro em 4 de janeiro de 1946. Ela foi rebocada para Astoria por Mimosa (AN-26) em junho e foi desativado e colocado na reserva em 30 de agosto de 1946. Ela foi colocada sob custódia da Administração Marítima em junho de 1961, mas permaneceu sob propriedade da Marinha. A teca foi vendida para Levin Metals Corp., San Jose, Califórnia, em 16 de março de 1976.


O .35 Whelen foi desenvolvido em 1922 como um cartucho pioneiro. A Remington Arms Company padronizou o cartucho como uma munição comercial regular e o disponibilizou pela primeira vez no Remington modelo 700 Classic em 1988. [1] Desde então, ele foi compartimentado por outros fabricantes de armas em rifles de ferrolho, semiautomáticos e de tiro único. Tem um número modesto, mas constante de seguidores entre os grandes caçadores da América do Norte.

Uma versão de sua origem é que foi projetado pelo Coronel Townsend Whelen quando ele era oficial comandante do Arsenal Frankford. Em uma edição de 1923 de Fuzileiro americano O Coronel Whelen refere-se a ele como "o primeiro cartucho que projetei" e afirma que "o Sr. James V. Howe empreendeu este trabalho de fazer matrizes, alargadores, ferramentas de câmara e câmara de rifles, tudo de acordo com meu projeto . " James V. Howe foi um fabricante de ferramentas no Arsenal e mais tarde fundador da Griffin & amp Howe.

Em seu livro de 1940 O rifle de caça: design, seleção, balística, pontaria, O coronel Whelen dá uma versão diferente de sua origem após descrever o .400 Whelen.

Quando concluímos o desenvolvimento deste cartucho, fiz uma longa viagem de caça no noroeste e, quando voltei, o Sr. Howe me mostrou outro cartucho que ele havia desenvolvido. A caixa .30-06 tinha o pescoço do calibre .35 para usar as balas de calibre .35 existentes. O Sr. Howe pediu minha permissão para chamar este cartucho de .35 Whelen, mas só ele merece crédito por seu desenvolvimento. [2] [3]

35 Whelen Editar

O 35 Whelen tem uma história interessante. Foi desenhado por James Howe, de Griffin e Howe, parcialmente em resposta a cartas de Leslie Simpson e Stewart Edward White, sugerindo que um bom rifle versátil para uso africano seria um de 333 a 350 calibre, com uma bala de 250 - para 300 grãos (idealmente 275 a 2500 fps. Ambos os homens (junto com Roy Chapman Andrews e o Rev. Dr. Harry Caldwell, que atuaram na Ásia), talvez as melhores tacadas de grande jogo que nosso país já produziu, estavam cientes do excelente desempenho do 318 Westley-Richards com uma bala de 250 grãos, o 333 Jeffrey com uma bala de 300 grãos e o 350 Rigby com uma bala de 310 grãos em jogos perigosos e não perigosos de pele fina na África. É interessante notar que a bala do antigo 333 Jeffery britânico é muito parecida com a bala de tubo de cobre de 300 grãos que Winchester introduziu para o Magnum 338. O Whelen 35 foi o primeiro de 3 (três) esforços de Griffin e Howe para produzir um cartucho que atenderia a esse ideal. Todos eram do calibre 35. Os 35 O Whelen é simplesmente o 30-06 com gargalo até o calibre 35 e é quase tão fácil de formar a partir do latão '06 quanto o 270. Mais tarde, uma versão "aprimorada" do 35 Whelen, com ombros venturi como cartuchos Weatherby, foi criada , mas nunca pegou. O 35 Whelen, agora disponível em várias rodadas de fábrica, e com câmaras de fábrica em vários rifles diferentes (embora alguns armeiros ainda vendam latão devidamente formado para ele) acumulou um recorde tremendo em todo o mundo, rivalizando com o 375 Holland and Holland em sua eficácia . Ele foi originalmente projetado, parcialmente, como um substituto para o 375 H & amp H, uma vez que rifles para ele poderiam ser feitos usando ações 30-06 baratas em vez de ações Mauser de comprimento magnum dispendiosas. Ele matou, com aprumo e eficiência, todos os os animais troféus do mundo, com a possível exceção dos "Três Grandes" (elefante, rinoceronte e búfalo). Pode ser carregada até 35 velocidades Remington para recuo leve e tiro ao alvo, ou carregada para fornecer excelente poder de parada - mais do que deveria ser necessário para um atirador competente enfrentando o grande jogo americano. Embora não seja legal em certas partes da África para caça perigosa (alguns países exigem o uso de rifles de pelo menos 375 ou 400 calibres), balas de ponta sólidas estão disponíveis para que, em um piscar de olhos, provavelmente serviriam. É fácil rebarrelar uma ação para este cartucho - não requer nem mesmo a abertura da face do parafuso ou furar o latão sem aro para isso, como com o 358, é mais barato e mais fácil de fabricar do que o latão com cinto necessário para o 350 Remington, 35 Griffin e Howe (ou Holanda e Holanda, como às vezes é conhecido) e 358 Norma Magnum. Ainda há um grande futuro aguardando os 35 Whelen e, agora que o 22-250 foi legitimado, talvez possamos esperar que os 35 Whelen tenham a mesma sorte. [4]

Rifle: Win. Mod. 70

Tambor personalizado: 24 "pol.

Torção: 1-16

CASOS: Latão, questão governamental

A maioria das pessoas pensa que o cartucho .35 Whelen, que é uma caixa .30/06 com pescoço de calibre .35, foi projetado pelo Coronel Townsend Whelen. Na verdade, foi nomeado apenas em homenagem ao Coronel Whelen, mas foi desenhado por James Howe, que então trabalhava para a famosa firma de Griffin and Howe.

O cartucho foi projetado no início dos anos 1920, em uma época em que a única maneira de obter um Magnum .375 era construí-lo com a longa e cara ação do Magnum Mauser. A grande vantagem do .35 Whelen era que este era um cartucho capaz de lidar com balas pesadas e ainda assim poderia ser usado em ações curtas como 98 Mauser e o Springfield.

Como os gabinetes .30/06 são baratos e abundantes e como balas boas como as feitas pela Speer Inc. no calibre 35 estão disponíveis, as 35 Whelen ainda mantêm uma popularidade considerável. No entanto, provavelmente existem menos Whelens .35 em uso hoje do que havia na década de 1920 e início de 1930, porque com um mínimo de confusão e incômodo pode-se obter um Winchester modelo 70 de fábrica no calibre .375. Esse grande cartucho, é claro, vencerá o .35 Whelen em todas as contagens.

No entanto, o homem que tem um iene por um rifle usando balas pesadas de diâmetro razoavelmente grande em boas velocidades não pode dar errado com um Whelen .35, se ele for um carregador de mão - e, claro, ele é um carregador de mão ou não estar lendo este livro.

Existem duas variedades do .35 Whelen e talvez mais. O cartucho original tinha um ombro curto com a mesma inclinação do .30/06. A chamada versão melhorada tem um ombro mais afiado que, teoricamente, pelo menos manterá melhor o headspace contra o golpe do pino de disparo.

Balas adequadas de 0,358 pol. (9,1 mm) variam em peso de 150 a 300 grãos (9,7 a 19,4 g). Usando uma bala de 250 grãos (16 g), o .35 Whelen irá gerar 3.500 ft⋅lbf (4.700 J) na boca de um cano de 24 pol (61 cm).

O .35 Whelen não é o gêmeo balístico do .350 Remington Magnum e cai cerca de 500 libras por pé. Com a escolha correta da bala, este cartucho é adequado para praticamente todos os jogos grandes e perigosos de pele fina. A designação europeia para este cartucho seria 9 × 63 mm com sua ampla seleção de projéteis e alta energia de boca, ele está no mesmo escalão que o de 9,3 × 62 mm.


Conteúdo

A DRC é inicialmente sem sintomas e geralmente é detectada em exames de sangue de rotina por aumento da creatinina sérica ou proteína na urina. À medida que a função renal diminui:

    aumenta devido à sobrecarga de fluidos e à produção de hormônios vasoativos criados pelo rim por meio do sistema renina-angiotensina, aumentando o risco de desenvolver hipertensão e insuficiência cardíaca. se acumula, levando à azotemia e, por fim, à uremia (sintomas que variam de letargia a pericardite e encefalopatia). Devido à sua alta concentração sistêmica, a uréia é excretada no suor écrino em altas concentrações e cristaliza na pele à medida que o suor evapora ("geada urêmica"). acumula-se no sangue (hipercalemia com vários sintomas, incluindo mal-estar e arritmias cardíacas potencialmente fatais). A hipercalemia geralmente não se desenvolve até que a taxa de filtração glomerular caia para menos de 20–25 ml / min / 1,73 m 2, ponto em que os rins têm capacidade diminuída de excretar potássio. A hipercalemia na DRC pode ser exacerbada pela acidemia (que leva ao desvio extracelular do potássio) e pela falta de insulina. [20] os sintomas podem variar de edema leve a edema pulmonar com risco de vida. resulta da eliminação deficiente de fosfato no rim. A hiperfosfatemia contribui para o aumento do risco cardiovascular, causando calcificação vascular. [21] As concentrações circulantes de fator de crescimento de fibroblastos-23 (FGF-23) aumentam progressivamente conforme a capacidade renal de excreção de fosfato diminui, o que pode contribuir para a hipertrofia ventricular esquerda e aumento da mortalidade em pessoas com DRC. [22] [23] resulta de 1,25 dihidroxivitamina D3 deficiência (causada por alto FGF-23 e redução da massa renal) [24] e resistência à ação do hormônio da paratireóide. [25] Os osteócitos são responsáveis ​​pelo aumento da produção de FGF-23, que é um potente inibidor da enzima 1-alfa-hidroxilase (responsável pela conversão de 25-hidroxicolecalciferol em 1,25 diidroxivitamina D3) [26] Posteriormente, isso progride para hiperparatireoidismo secundário, osteodistrofia renal e calcificação vascular que prejudica ainda mais a função cardíaca. Uma consequência extrema é a ocorrência de uma condição rara denominada calcifilaxia. [27]
  • Alterações no metabolismo mineral e ósseo que podem causar 1) anormalidades de cálcio, fósforo (fosfato), hormônio da paratireóide ou metabolismo da vitamina D 2) anormalidades na renovação óssea, mineralização, volume, crescimento linear ou força (osteodistrofia renal) e 3) calcificação vascular ou de outro tecido mole. [10] Distúrbios ósseos e minerais com DRC foram associados a desfechos desfavoráveis. [10] pode resultar da diminuição da capacidade de gerar amônia suficiente a partir das células do túbulo proximal. [20] A acidemia afeta a função das enzimas e aumenta a excitabilidade das membranas cardíacas e neuronais pela promoção da hipercalemia. [28] é comum e é especialmente prevalente em pacientes que requerem hemodiálise. Tem uma causa multifatorial, mas inclui aumento da inflamação, redução da eritropoietina e hiperuricemia, levando à supressão da medula óssea. A anemia hipoproliferativa ocorre devido à produção inadequada de eritropoietina pelos rins. [29]
  • Em estágios posteriores, a caquexia pode se desenvolver, levando à perda de peso não intencional, perda de massa muscular, fraqueza e anorexia. [30] é muito comum em homens e mulheres com DRC. A maioria dos homens tem um desejo sexual reduzido, dificuldade em obter uma ereção e atingir o orgasmo, e os problemas pioram com a idade. A maioria das mulheres tem problemas com a excitação sexual, e menstruação dolorosa e problemas para praticar e desfrutar do sexo são comuns. [31] uerques M, Jannini EA, Strippoli GF | exibir-autores = 6 | title = Intervenções para tratamento da disfunção sexual em pacientes com doença renal crônica | journal = Banco de dados Cochrane de revisões sistemáticas | problema = 12 | páginas = CD007747 | data = dezembro de 2010 | pmid = 21154382 | doi = 10.1002 / 14651858.CD007747.pub2 | url = https://espace.library.uq.edu.au/view/UQ:238403/UQ238403_OA.pdf >> & lt / ref & gt
  • Pessoas com DRC são mais propensas do que a população em geral a desenvolver aterosclerose com conseqüente doença cardiovascular, um efeito que pode ser pelo menos parcialmente mediado por toxinas urêmicas. [32] [fonte médica não confiável?] Pessoas com DRC e doença cardiovascular têm prognósticos significativamente piores do que aqueles com apenas doença cardiovascular. [33]

As três causas mais comuns de DRC em ordem de frequência em 2015 são diabetes mellitus, hipertensão e glomerulonefrite. [34] Cerca de um em cada cinco adultos com hipertensão e um em cada três adultos com diabetes têm DRC. Se a causa for desconhecida, ela é chamada idiopático. [35]

Por localização anatômica Editar

    a doença inclui doença de grandes vasos, como estenose bilateral da artéria renal, e doença de pequenos vasos, como nefropatia isquêmica, síndrome hemolítico-urêmica e vasculite.
  • A doença glomerular compreende um grupo diverso e é classificada em:
    • Doença glomerular primária, como glomeruloesclerose segmentar focal e nefropatia por IgA (ou nefrite)
    • Doença glomerular secundária, como nefropatia diabética e nefrite lúpica

    Outra edição

    • Doença congênita genética, como doença renal policística ou síndrome de microdeleção 17q12. , é "uma nova forma de doença renal que poderia ser chamada de nefropatia agrícola". [36] Um número alto e até agora inexplicado de novos casos de CKD, conhecido como nefropatia mesoamericana, foi observado entre trabalhadores do sexo masculino na América Central, principalmente em plantações de cana-de-açúcar nas terras baixas de El Salvador e Nicarágua. Suspeita-se de estresse por calor de longas horas de trabalho por peça em altas temperaturas médias [37] [38] [39] [40] de cerca de 36 ° C (96 ° F), assim como produtos químicos agrícolas [41]

    O diagnóstico de DRC é amplamente baseado na história, exame e tira reagente de urina combinados com a medição do nível de creatinina sérica (veja acima). É importante diferenciar a DRC da lesão renal aguda (LRA) porque a LRA pode ser reversível. Uma pista diagnóstica que ajuda a diferenciar a DRC da LRA é um aumento gradual da creatinina sérica (ao longo de vários meses ou anos), em oposição a um aumento repentino da creatinina sérica (vários dias a semanas). Em muitas pessoas com DRC, já são conhecidas doenças renais anteriores ou outras doenças subjacentes. Um número significativo apresenta DRC de causa desconhecida.

    Edição de triagem

    A triagem daqueles que não apresentam sintomas nem fatores de risco para DRC não é recomendada. [42] [43] Aqueles que devem ser examinados incluem: aqueles com hipertensão ou história de doença cardiovascular, aqueles com diabetes ou obesidade acentuada, aqueles com idade> 60 anos, indivíduos com ascendência afro-americana, aqueles com histórico de doença renal no passado, e indivíduos que têm parentes com doença renal que necessitem de diálise.

    A triagem deve incluir o cálculo da TFG estimada (eGFR) a partir do nível de creatinina sérica e medição da relação albumina / creatinina (ACR) em uma amostra de urina da primeira manhã (isso reflete a quantidade de uma proteína chamada albumina na urina ), bem como uma tela de vareta de urina para hematúria. [44]

    A taxa de filtração glomerular (TFG) é derivada da creatinina sérica e é proporcional a 1 / creatinina, ou seja, é uma relação recíproca: quanto maior a creatinina, menor a TFG. Ele reflete um aspecto da função renal: a eficiência com que os glomérulos - as unidades de filtragem - funcionam. A TFG normal é 90-120 mLs / min. As unidades de creatinina variam de país para país. Mas, uma vez que os glomérulos constituem & lt5% da massa do rim, a TFG não indica todos os aspectos da saúde e função renal. Isso pode ser feito combinando o nível de TFG com a avaliação clínica da pessoa, incluindo o estado de fluidos, e medindo os níveis de hemoglobina, potássio, fosfato e hormônio da paratireóide (PTH).

    Edição de ultrassom

    A ultrassonografia renal é útil para fins diagnósticos e prognósticos na doença renal crônica. Quer a alteração patológica subjacente seja esclerose glomerular, atrofia tubular, fibrose intersticial ou inflamação, o resultado geralmente é o aumento da ecogenicidade do córtex. A ecogenicidade do rim deve estar relacionada à ecogenicidade do fígado ou do baço (Figura 22 e Figura 23). Além disso, a diminuição do tamanho do rim e o afinamento cortical também são frequentemente observados, especialmente quando a doença progride (Figura 24 e Figura 25). No entanto, o tamanho do rim se correlaciona com a altura, e pessoas baixas tendem a ter rins pequenos, portanto, o tamanho do rim como o único parâmetro não é confiável. [45]

    Doença renal crônica causada por glomerulonefrite com aumento da ecogenicidade e redução da espessura cortical. A medição do comprimento do rim na imagem dos EUA é ilustrada por '+' e uma linha tracejada. [45]

    Síndrome nefrótica. Rim hiperecoico sem demarcação de córtex e medula. [45]

    Pielonefrite crônica com redução do tamanho do rim e afinamento cortical focal. A medição do comprimento do rim na imagem dos EUA é ilustrada por '+' e uma linha tracejada. [45]

    Doença renal crônica em estágio final com ecogenicidade aumentada, arquitetura homogênea sem diferenciação visível entre parênquima e seio renal e tamanho do rim reduzido. A medição do comprimento do rim na imagem dos EUA é ilustrada por '+' e uma linha tracejada. [45]

    Editar imagem adicional

    Testes adicionais podem incluir varredura MAG3 de medicina nuclear para confirmar o fluxo sanguíneo e estabelecer a função diferencial entre os dois rins. Varreduras de ácido dimercaptossuccínico (DMSA) também são usadas em imagens de rins com MAG3 e DMSA sendo usados ​​quelados com o elemento radioativo tecnécio-99. [46]

    Edição de fases

    Uma taxa de filtração glomerular (TFG) ≥ 60 ml / min / 1,73 m 2 é considerada normal sem doença renal crônica se não houver lesão renal presente.

    Danos renais são definidos como sinais de danos observados no sangue, na urina ou em estudos de imagem que incluem a relação albumina / creatinina de laboratório (ACR) ≥ 30. [48] Todas as pessoas com TFG & lt60 ml / min / 1,73 m 2 por 3 meses são definidas como portador de doença renal crônica. [48]

    A proteína na urina é considerada um marcador independente para o agravamento da função renal e doenças cardiovasculares. Portanto, as diretrizes britânicas acrescentam a letra "P" ao estágio da doença renal crônica se a perda de proteína for significativa. [49]

    1. Estágio 1: lesão renal de função ligeiramente diminuída com TFG normal ou relativamente alta (≥90 ml / min / 1,73 m 2) e albuminúria persistente. Danos renais são definidos como anormalidades patológicas ou marcadores de danos, incluindo anormalidades em exames de sangue ou urina ou estudos de imagem. [48]
    2. Estágio 2: redução leve da TFG (60–89 ml / min / 1,73 m 2) com lesão renal. Danos renais são definidos como anormalidades patológicas ou marcadores de danos, incluindo anormalidades em exames de sangue ou urina ou estudos de imagem. [48]
    3. Estágio 3: redução moderada da TFG (30–59 ml / min / 1,73 m 2) :. [48] ​​As diretrizes britânicas distinguem entre o estágio 3A (GFR 45–59) e o estágio 3B (GFR 30–44) para fins de triagem e encaminhamento. [49]
    4. Estágio 4: redução severa da TFG (15–29 ml / min / 1,73 m 2) [48] Preparação para terapia de substituição renal.
    5. Estágio 5: Insuficiência renal estabelecida (TFG & lt15 ml / min / 1,73 m 2), terapia de substituição renal permanente [48] ou doença renal em estágio terminal.

    O termo "doença renal crônica não dependente de diálise" (NDD-CKD) é uma designação usada para abranger o status daquelas pessoas com uma DRC estabelecida que ainda não requerem os tratamentos de suporte de vida para a insuficiência renal conhecidos como terapia de substituição renal (TRS, incluindo diálise de manutenção ou transplante renal). A condição de indivíduos com DRC, que requerem um dos dois tipos de terapia de substituição renal (diálise ou transplante), é chamada de doença renal em estágio terminal (ESKD). Portanto, o início do ESKD é praticamente a conclusão irreversível do NDD-CKD. Mesmo que o status NDD-CKD se refira ao status de pessoas com estágios anteriores de CKD (estágios 1 a 4), pessoas com estágio avançado de CKD (estágio 5), que ainda não iniciaram a terapia de substituição renal, também são referidas como NDD-CKD.

    Além de controlar outros fatores de risco, o objetivo da terapia é retardar ou interromper a progressão da DRC. O controle da pressão arterial e o tratamento da doença original são os princípios gerais do manejo.

    Editar pressão arterial

    Os inibidores da enzima de conversão da angiotensina (IECA) ou antagonistas do receptor da angiotensina II (ARA) são recomendados como agentes de primeira linha, uma vez que foram encontrados para retardar o declínio da função renal, em relação a um declínio mais rápido naqueles que não tomam um desses agentes. [13] Eles também reduzem o risco de eventos cardiovasculares maiores, como infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca e morte por doença cardiovascular, quando comparados ao placebo em indivíduos com DRC. [13] IECA podem ser superiores aos ARBs para proteção contra a progressão para insuficiência renal e morte por qualquer causa em pessoas com DRC. [13] A redução agressiva da pressão arterial diminui o risco de morte das pessoas. [50]

    Outras medidas Editar

    • O tratamento agressivo de lipídios elevados no sangue é recomendado. [51]
    • Uma dieta pobre em proteínas e sal pode resultar em progressão mais lenta da DRC e redução da proteinúria, bem como controlar os sintomas da DRC avançada para retardar o início da diálise. [52] Uma dieta baixa em proteínas sob medida, projetada para baixa acidez, pode ajudar a prevenir danos aos rins de pessoas com DRC. [53]
    • Anemia - Um nível alvo de hemoglobina de 9–12 g / dL é recomendado [54] [55], elevando os níveis de hemoglobina para a faixa normal não foi considerado benéfico. [56]
      • As diretrizes recomendam o tratamento com ferro parenteral antes do tratamento com eritropoietina.
      • A reposição de eritropoietina é freqüentemente necessária em pessoas com doença avançada. [57]
      • Não está claro se os andrógenos melhoram a anemia. [58]

      Encaminhamento para um nefrologista Editar

      As diretrizes para encaminhamento a um nefrologista variam entre os países. A maioria concorda que o encaminhamento para nefrologia é necessário para a DRC no Estágio 4 (quando a eTFG / 1,73 m 2 é menor que 30 ml / min ou diminui em mais de 3 ml / min / ano). [59]

      Também pode ser útil em um estágio anterior (por exemplo, CKD3) quando a proporção de albumina / creatinina na urina é superior a 30 mg / mmol, quando a pressão arterial é difícil de controlar, ou quando hematúria ou outros achados sugerem um distúrbio principalmente glomerular ou doença secundária passível de tratamento específico. Outros benefícios do encaminhamento para nefrologia precoce incluem educação adequada sobre as opções de terapia de substituição renal, bem como transplante preventivo e avaliação oportuna e colocação de uma fístula arteriovenosa em pessoas com doença renal crônica que optam por hemodiálise futura.

      Terapia de substituição renal Editar

      No estágio 5 da DRC, a terapia de substituição renal geralmente é necessária, na forma de diálise ou transplante renal.

      Na DRC, inúmeras toxinas urêmicas se acumulam no sangue. Mesmo quando a ESKD (em grande parte sinônimo de CKD5) é tratada com diálise, os níveis de toxina não voltam ao normal, pois a diálise não é tão eficiente. Da mesma forma, após um transplante de rim, os níveis podem não voltar ao normal, pois o rim transplantado pode não funcionar 100%. Em caso afirmativo, o nível de creatinina geralmente é normal. As toxinas apresentam diversas atividades citotóxicas no soro e possuem diferentes pesos moleculares, sendo algumas delas ligadas a outras proteínas, principalmente à albumina. As toxinas urêmicas são classificadas em três grupos como pequenos solutos solúveis em água, solutos de peso molecular médio e solutos ligados a proteínas. [60] A hemodiálise com membrana de diálise de alto fluxo, tratamento longo ou frequente e aumento do fluxo de sangue / dialisado melhorou a remoção de toxinas urêmicas de baixo peso molecular solúveis em água. Moléculas de peso molecular médio são removidas mais efetivamente com hemodiálise usando uma membrana de alto fluxo, hemodiafiltração e hemofiltração. No entanto, o tratamento de diálise convencional é limitado em sua capacidade de remover toxinas urêmicas ligadas a proteínas. [61]

      A DRC aumenta o risco de doenças cardiovasculares, e as pessoas com DRC geralmente apresentam outros fatores de risco para doenças cardíacas, como níveis elevados de lipídios no sangue. A causa mais comum de morte em pessoas com DRC é a doença cardiovascular, e não a insuficiência renal.

      A doença renal crônica resulta em pior mortalidade por todas as causas (a taxa de mortalidade geral), que aumenta à medida que a função renal diminui. [62] A principal causa de morte na doença renal crônica é a doença cardiovascular, independentemente de haver progressão para o estágio 5. [62] [63] [64]

      Embora as terapias de substituição renal possam manter as pessoas indefinidamente e prolongar a vida, a qualidade de vida é afetada negativamente. [65] [66] O transplante de rim aumenta a sobrevida de pessoas com DRC em estágio 5 quando comparado a outras opções [67] [68], entretanto, está associado a um aumento da mortalidade em curto prazo devido a complicações da cirurgia. Transplante à parte, a hemodiálise domiciliar de alta intensidade parece estar associada à melhora da sobrevida e maior qualidade de vida, quando comparada à hemodiálise convencional três vezes por semana e à diálise peritoneal. [69]

      Pessoas com ESKD apresentam risco geral aumentado de câncer. [70] Esse risco é particularmente alto em pessoas mais jovens e diminui gradualmente com a idade. [70] Organizações profissionais de especialidades médicas recomendam que os médicos não realizem o rastreamento de câncer de rotina em pessoas com expectativa de vida limitada devido à ESKD, pois as evidências não mostram que esses testes levam a melhores resultados. [71] [72]

      Cerca de uma em cada dez pessoas tem doença renal crônica. No Canadá, estima-se que 1,9 a 2,3 milhões de pessoas tenham DRC em 2008. [56] Estima-se que a DRC afetou 16,8% dos adultos dos EUA com 20 anos ou mais no período de 1999 a 2004. [73] Em 2007, 8,8% da população da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte teve CKD sintomático. [74]

      A doença renal crônica foi a causa de 956.000 mortes em todo o mundo em 2013, contra 409.000 mortes em 1990. [19]

      Doença renal crônica de etiologia desconhecida Editar

      A causa da doença renal crônica é, em alguns casos, desconhecida; ela é chamada de doença renal crônica de etiologia desconhecida (CKDu). Em 2020 [atualização], uma doença renal crônica rapidamente progressiva, inexplicada por diabetes e hipertensão, aumentou dramaticamente em prevalência ao longo de algumas décadas em várias regiões da América Central e do México, um CKDu conhecido como nefropatia mesoamericana (MeN). Foi estimado em 2013 que pelo menos 20.000 homens morreram prematuramente, alguns na casa dos 20 e 30 anos, um número de 40.000 por ano foi estimado em 2020. Em algumas áreas afetadas, a mortalidade por DRC foi cinco vezes a taxa nacional. MeN afeta principalmente os homens que trabalham como trabalhadores da cana-de-açúcar. [38] A causa é desconhecida, mas em 2020 a ciência encontrou uma conexão mais clara entre trabalho pesado em altas temperaturas e a incidência de melhorias de CKDu, como acesso regular à água, descanso e sombra, pode diminuir significativamente a incidência potencial de CKDu. [75] CKDu também afeta pessoas no Sri Lanka, onde é a oitava maior causa de mortalidade hospitalar. [76]

      Embora o CKDu tenha sido documentado pela primeira vez entre os trabalhadores da cana-de-açúcar na Costa Rica na década de 1970, ele pode muito bem ter afetado os trabalhadores das plantações desde a introdução da cultura da cana-de-açúcar no Caribe em 1600. Na época colonial, o registro de mortes de escravos nas plantações de açúcar era muito maior do que o de escravos forçados a outros trabalhos. [75]

      Edição de corrida

      Africanos, hispânicos e sul-asiáticos, especialmente os do Paquistão, Sri Lanka, Bangladesh e Índia, correm alto risco de desenvolver DRC. Os africanos correm maior risco devido ao número de pessoas afetadas com hipertensão entre eles. Como exemplo, 37% dos casos de ESKD em afro-americanos podem ser atribuídos à hipertensão, em comparação com 19% entre os caucasianos. [77] A eficácia do tratamento também difere entre os grupos raciais. A administração de medicamentos anti-hipertensivos geralmente interrompe a progressão da doença em populações brancas, mas tem pouco efeito em retardar a doença renal em negros, e o tratamento adicional, como terapia com bicarbonato, costuma ser necessário. [77] Embora o status socioeconômico mais baixo contribua para o número de pessoas afetadas pela DRC, as diferenças no número de pessoas afetadas pela DRC ainda são evidentes entre africanos e brancos ao controlar os fatores ambientais. [77]

      A Sociedade Internacional de Nefrologia é um órgão internacional que representa especialistas em doenças renais.

      Estados Unidos Editar

      • A National Kidney Foundation é uma organização nacional que representa pessoas com doenças renais crônicas e profissionais que tratam dessas doenças.
      • O American Kidney Fund é uma organização nacional sem fins lucrativos que fornece assistência financeira relacionada ao tratamento a uma em cada cinco pessoas em diálise a cada ano.
      • A Rede de Apoio Renal é uma organização sem fins lucrativos, com foco no paciente e dirigida por pacientes, que fornece serviços não médicos para pessoas afetadas pela DRC.
      • A Associação Americana de Pacientes Renais é um grupo sem fins lucrativos centrado no paciente com foco na melhoria da saúde e do bem-estar da DRC e das pessoas em diálise.
      • A Renal Physicians Association é uma associação que representa os profissionais de nefrologia.

      Reino Unido Editar

      Dizia-se que custava ao NHS cerca de £ 1,5 bilhões por ano em 2020. [78]

      A Federação Nacional do Rim do Reino Unido e a Associação Britânica de Pacientes Renais (BKPA) representam as pessoas com doença renal crônica. A Renal Association representa os médicos renais e trabalha em estreita colaboração com o National Service Framework para doenças renais.

      Austrália Editar

      A Kidney Health Australia atende a esse país.

      A taxa de incidência de DRC em cães foi de 15,8 casos por 10.000 cães-ano em risco. The mortality rate of CKD was 9.7 deaths per 10,000 dog years at risk. (rates developed from a population of 600,000 insured Swedish dogs one dog year at risk is one dog at risk for one year)The breeds with the highest rates were the Bernese mountain dog, miniature schnauzer and boxer. The Swedish elkhound, Siberian husky and Finnish spitz were the breeds with the lowest rates. [79] [80]

      Currently, several compounds are in development for the treatment of CKD. These include the angiotensin receptor blocker (ARB) olmesartan medoxomil and sulodexide, a mixture of low molecular weight heparin and dermatan sulfate. [81] [82]

      Unbiased research with complete reporting is required to determine the safety and effectiveness of acupuncture to treat depression, pain, sleep problems, and uraemic pruritus in people who are undergoing dialysis treatments on a regular basis. [83]


      Our 100-Year History

      Victor Tyrie joined the Royal Marines as a drummer boy in 1912, aged 14 years. This studio photograph was taken just before he deployed to the Western Front in 1917. Victor was eventually invalided from the service in 1919 following the loss of his left thumb, still clearly evident here.

      In 1919 following service in the First World War, Victor Tyrie and Frederick Barlow were employed by The Castles Shipbreaking Company on a government subsidized training scheme making outdoor furniture from Teak, which was sourced from the breaking of old timber ships, the foundation of the teak outdoor furniture industry. This employment ceased when the subsidy finished after one year. Further interesting information is available on the Castles Shipbreaking website, in particular chapter 8.

      In 1920 Victor and Frederick together with a few others started their own business in London, initially in Walthamstow and shortly afterwards moving to a small horse stable no longer required behind a terrace of Victorian houses in Leytonstone.

      In the early years our outdoor furniture was made almost entirely by hand with the only machine being a saw-bench we made ourselves from an electric motor, steel shaft, bearings and with a wooden table. Production, including planing the teak and cutting the mortice and tenon joints was all performed using hand tools and it took the most efficient worker at least a full day to make one teak seat.

      The business prospered based on a quickly earned reputation for quality and value. The following pages from our catalogue in the 1920s shows the Rothesay and London design seats that we still make today. The retail prices shown evidences the inflation since that time of more than 200 times.


      Teak Patio Parasols – Built to Last, Designed to Inspire

      Inspired by the boat building industry through the years, the new Nautical Teak Hardwood Parasol Collection by TUUCI blends the beauty of teak hardwood with marine-grade stainless steel materials to create an elegant new line of patio umbrellas. Each masterfully crafted teak umbrella is paired with highly durable marine-grade Tuff-skin canopy fabric available in a wide range of vibrant colors. This exclusive line of parasols also features an updated pulley made of marine-grade steel. Long-lasting teak wood and marine-grade steel that can withstand harsh weather conditions are optimal materials for design. Both elegant and sturdy. Wood patio umbrellas are redefined!

      This luxury collection complements the shade which nature already provides. As the international brand leading restaurants and luxury resorts, TUUCI offers top quality, top style wood patio umbrellas to enhance any outdoor setting. Be at one with nature in your own outdoor sanctuary. Interior designers seeking to elevate exterior spaces for their clients should look no further than the new Nautical Teak Hardwood Parasol Collection. This collection is not to be missed – contact a specialist today!


      Mid-Century Modern Danish Teak Furniture

      Furnish Me Vintage carries one of the Florida’s largest teak furniture collections including beds, tables, chairs, and desks by mid century modern designers.

      After WWII ships returned from Asia with as much teak as they could, not wanting to return without goods. This is one reason why this particular wood was so cost effective for Scandinavian countries, beginning in the late 40’s. There was an abundance and Scandinavian designers began building teak furniture at a low cost to be mass produced. However, this wasn’t the first time this wood had been utilized. Teak, or Tectona grandis, is native to the tropics. It was used as early as the 7th century, adorning homes of wealthy and powerful people. As early as the 1600’s Indonesia was colonized by the dutch, who began using teak wood for shipbuilding for its ability to ward off dry rot. Teak has an abundance of natural oils and rubber locked within the tight grain of the wood. They also protect the wood from dry rot, which can happen to older wood furniture. What’s more, the oils and rubber protect the heart of the wood from invaders like fungi and parasites, even termites that can destroy other woods. Protecting wooden furniture from such intruders requires applications of weatherproof oils and treatments not so with teak. You’ll find an abundance of natural oils and rubber locked right into the tight grain of the wood. All woods contain oils that protect the tree — think maple, sap or tea tree oil. Teak, however, can retain these oils and its rubber even after being felled and processed. Because of this, teak has greater naturally weather-resistant properties than just about any other type of wood. When dried to a proper moisture level the oils and rubber weatherproof the wood. If well cared for, teak pieces can last for a hundred plus years.


      Can Teak Wood Be Used in a Shower?

      Teak wood is enjoyed because of its beauty and because of its high oil content, which makes it more moisture-resistant than most other types of wood. Teak is sometimes used in swim platforms on boats, and has been used in shipbuilding for centuries. It requires little maintenance even in the dampest conditions, making it a viable option for shower use.


      History of Teak Wood

      Teak, also known as Tectona Grandis, is a tall, straight deciduous tree that grows with buttressing stems and a large crown. Teak is native to South East Asia and its natural distribution goes from the Indian subcontinent through Myanmar and Thailand to Laos. We do not know if the teak stands in Indonesia are native or the result of early cultivation by the Hindu settlers, quite possibly as early as the 7th century.

      Since the Middle Ages it has been used in ship building. Its durability and natural oils made it a perfect choice for the construction of ocean going vessels. Teak oil also creates a resistance to splitting and cracking and wards off termites and other insects.

      It is also easy to work with, and it is resistant to decay. The main advantage of teak for the building of ships is its unique ability to prevent rust and corrosion when in contact with metal. These qualities make it a valuable resource. Even today, teak wood is used in the construction of ships and expensive yachts and boats.

      When the ships were no longer sea worthy the ships decking was in such good condition that the teak wood was recycled and made into outdoor furniture. It is possible that the first outdoor teak benches were made of old ship decks. Teak wood is so durable and strong that there are century old teak park benches in England still in use today.

      The harvesting of teak wood is not an easy process. The logs are so heavy they will not float. Therefore, transporting the wood is not a particularly easy thing to do. In fact, elephants pull the logs through the jungle regions, just as they did a century ago. The elephants must pull the logs a long way through the jungles to the waterways. The trained elephants stack the logs in piles.

      Teak wood was admired for its beauty back in the 1800s in India. It was able to capture the romantic nature of the Victorian era making it a perfect complement to an English garden. The durable and versatile nature of teak wood make it well sought after throughout the world.

      Teak is grown today throughout Central America, parts of South America and Asia. Teak wood today is used for indoor wood flooring and other general construction. Teak is popular for durable and beautiful outdoor patio furniture. Its high oil content makes it ideal for outdoor furniture. Teak wood patio furniture is favored among high-end ski resorts. For construction projects requiring durability and elegance, teak wood is the wood of choice.


      Nossa história

      In 1998, Justine Stamen Arrillaga founded The TEAK Fellowship in memory of DeWitt White (1981 – 1997) and Teak Dyer (1970 – 1988), two people close to her whose lives were tragically cut short. Wanting to provide other young people with the opportunity for a brighter future, she created a program to help aspiring students use education to overcome economic hardships and achieve their potential.

      Starting with a pioneer class of 22 seventh grade students, Justine directed TEAK and managed its growth for eight years. In 2005, Lynn D. Sorensen succeeded Justine as TEAK’s Executive Director, and in 2015, John F. Green became TEAK’s third Executive Director. Starting with the first cohort, 100 percent of TEAK Fellows have been accepted into top independent, public, and parochial high schools. Every single Fellow has matriculated to 4-year colleges of these, 89 percent have entered top-tier schools, including an average of 30 percent into the Ivy League each year. Of the students who have completed the Fellowship, 89 percent are college graduates and leaders in multiple professions.

      While continuing its core work of preparing students to apply to and succeed at top high schools and colleges, TEAK has expanded its programming over the course of its history to better achieve and build upon these goals. In 2008, TEAK celebrated its first class of college graduates. In 2012, TEAK shifted the program’s entry point from 7th grade to 6th grade to increase student preparation prior to entering their rigorous high schools. In 2019, after a successful capital campaign, Glancing Back>Looking Forward, TEAK expanded its program by 50%, increasing enrollment from 30 students per cohort to 45 Fellows. Today, TEAK remains an enduring yet innovative program, opening doors to excellent educational opportunities and preparing students to succeed and lead in their schools, professions, and communities.


      In the Future

      Some researchers have predicted that lifestyle factors like obesity will halt or even reverse the rise in life expectancy for the first time in modern history.

      Epidemiologists and gerontologists such as S. Jay Olshanky warn that in the United States—where two-thirds of the population is overweight or obese—obesity and its complications, like diabetes, could very well reduce life expectancy at all ages in the first half of 21st century.  

      In the meantime, rising life expectancy in the West brings both good and bad news—it’s nice to be living longer, but you are now more vulnerable to the types of illnesses that hit as you get older. These age-related diseases include coronary artery disease, certain cancers, diabetes, and dementia.

      While they can affect quantity and quality of life, many of these conditions can be prevented or at least delayed through healthy lifestyle choices like following an anti-aging diet, maintaining a healthy weight, exercising regularly and keeping stress hormones like cortisol at bay.


      Assista o vídeo: ENTREVISTA A MIKLOS LUKACS! EL CONSERVADURISMO