Crash Report Libertor A.N.925, 18 de fevereiro de 1942 (2 de 3)

Crash Report Libertor A.N.925, 18 de fevereiro de 1942 (2 de 3)

Crash Report Libertor A.N.925, 18 de fevereiro de 1942 (2 de 3)

Crash Report for Liberator A.N.925 em 18 de fevereiro de 1942 (página 2 de 3)

Enquanto estávamos atendendo o sargento Wilson, o comandante de ala Gates e o líder de esquadrão Kerr entraram em cena direto do local nº 4. Eles afirmaram que o Flying Officer Wakefield estava sofrendo de queimaduras e choque severo. Ele foi deixado em S / Ldr. Quarto de Kerr depois que as medidas anti-choque foram tomadas.

A carrinha 'Standard' chegou ao Sick Quarters por volta das 05.00 horas; ambos os pacientes sendo recebidos pelo sargento Smith. A.C. Owen permaneceu no Sick Quarters para ajudar a colocar os pacientes na cama na enfermaria No.2. Não se perdeu tempo no fornecimento de garrafas de água quente, cobertores quentes e bebidas quentes. Uma solução de bicarbonato de sódio foi aplicada nas áreas queimadas e os pacientes ficaram o mais confortáveis ​​possível nas circunstâncias.

LACA. Underwood voltou ao local do acidente na van 'Standard' para dar a assistência necessária.

A ambulância chegou a Sick Quarters cerca de dez minutos depois. Primeiramente, o P / O Densham e o F / O Bannister foram rapidamente descarregados e carregados para o Crash Theatre. O sargento Wilson foi colocado próximo ao fogão no escritório, acomodado da maneira mais confortável que a maca permitia e abastecido com garrafas de água quente e bebidas quentes. Mais tarde, ele foi colocado na cama na enfermaria nº 2. Ficou muito claro que F / O Bannister e P / O Densham ficaram gravemente chocados, portanto, todos os esforços foram feitos para colocá-los em camas quentes e fornecer todas as medidas antichoque disponíveis tão rapidamente quanto possível. As feridas e áreas queimadas até onde puderam ser observadas foram banhadas em solução de bicarbonato de sódio e cobertas.

Mais macas e cobertores foram colocados na ambulância, A.C Maidment sendo instruída a prosseguir para o local novamente e entrar em contato com o L.A.C. Underwood e os oficiais?

Ao retornar do Alojamento para Doentes na van 'Standard', L.A.C. Underwood contatou F / O Claydon, que estava prestes a fazer o reconhecimento da área ao redor dos destroços em chamas, mas foi ordenado a se manter no caminho e ser cauteloso com o perigo de novas explosões das cargas de profundidade restantes. Depois de esperar um intervalo de alguns minutos, ele entrou na van 'Standard' e desceu o caminho para o Local No.4. Ele foi informado por curiosos que uma vítima estava presente em uma das cabanas. Ao fazer uma investigação, ele encontrou F / O. Wakefield no quarto de S / Lrd Kerr com o oficial médico atendendo-o. L.A.G. Underwood foi instruído a adquirir uma maca e alguns meios de transporte. A ambulância chegou ao Local No.4 neste ponto, portanto, com a ajuda da A.C. Maidment, a paciente foi colocada em uma maca, colocada na ambulância e encaminhada para a enfermaria com S / Lrd Kerr e A.C. Maidment no atendimento. LACA. Underwood voltou na van 'Standard'.

Durante o tour de F / O Claydon de inspeção através de valas e montes de terra cobrindo, ele enfrentou o comandante de ala Gates e o líder de esquadrão Kerr em variopus poijts que resultou em um circuito completo dos destroços em chamas sendo feito. Nenhuma evidência foi encontrada para indicar a presença de mais vítimas. Estando satisfeito de que nada mais poderia ser feito permanecendo na cena, ele desceu correndo o caminho para os aposentos dos doentes.

O oficial voador Wakefield foi colocado na cama ao lado das outras vítimas e todos os tratamentos antichoque possíveis foram fornecidos.

Os médicos colaboraram, examinando minuciosamente cada paciente e prescrevendo as medidas profiláticas necessárias para aplicação imediata.

Todas as feridas e áreas queimadas foram limpas e tratadas sob supervisão médica. Outras medidas anti-choque foram tomadas conforme a necessidade.

O transporte dos seis pacientes para o hospital era um problema. A cooperação da R.A.F. Aldergrove foi convidado a esse respeito; um acordo foi rapidamente alcançado pelo qual nossa ambulância 'Morris' tomaria o lugar da ambulância Aldergrove 'Albion'. A troca temporária foi realizada sem perda de tempo.

Foi dada confirmação telefônica de que três pacientes seriam aceitos pelo Hospital Militar Stranmillis e três pelo 31º Hospital Geral. Assim, os três oficiais foram carregados na ambulância Nutt's Corner 'Albion'

Muito obrigado a Peter Claydon por nos enviar essas fotos, que pertenceram a seu pai, C.W.J. Claydon, que passou grande parte da guerra servindo como oficial médico no Esquadrão No.120 em Ballykelly, Irlanda do Norte.


Histórias da tripulação aérea, tripulação terrestre e prisioneiros de guerra da Wendling England

As histórias a seguir foram compiladas pelos pesquisadores do www.b24.net. Essas histórias e diários foram enviados por um dos cruzados, seus parentes, compilados de outras publicações ou tomados como narrativas dos cruzados. Existem várias outras histórias sobre cada um dos Stalag Lufts na seção de Pesquisa do POW.

Voando na Rota do Norte para a Inglaterra - Richard Hoffman, Ball Turret Gunner, 579º Esquadrão, conta sua história voando de Alamogordo, NM para a Inglaterra.

Voando na Rota do Sul para a Inglaterra - Burrell Ellison, Piloto, 576º Esquadrão, conta sua história voando de Morrison Field, FL para a Inglaterra.

Manny Abrams, Navigator, 579º Esquadrão - O LIBERADOR INVISÍVEL - Não éramos invisíveis. Estávamos simplesmente sentados no campo de aviação errado e conversando com a torre de controle correta. Então - depois de mais uma decolagem embaraçada (se possível), fizemos um novo pouso no aeródromo correto e chegamos à nossa parada final no pátio em frente à torre.

Várias testemunhas oculares da queda de Alfred - Por volta das 14h30 Eu ouvi o som de uma aeronave e então vi um B24 Liberator se aproximando baixo sobre o mar. O bombardeiro estava obviamente com problemas, com pelo menos dois de seus quatro motores fora de ação. Ao ultrapassar o topo do penhasco e começar a voar para o interior, ele desviou para a esquerda, quase como se o piloto estivesse tentando fazer uma curva de volta e aterrissar no mar, perto da costa. No entanto, durante a curva, o bombardeiro aleijado perdeu altura e sua asa direita atingiu árvores na borda de um bosque em terreno ascendente, uma área conhecida localmente como Pretty Corner.

M / Sgt. Ernie Barber - 578º Chefe de Tripulação - O Diário de Ernie Barber do início ao fim da guerra.

M / Sgt. Ernest Barber - (como dito a Greg Hatton em 16 de setembro de 1989) Outra das grandes entrevistas de Greg Hatton. M / Sgt. Barber era o chefe da tripulação do 578º esquadrão. Ele veio para Wendling com o quadro original do 392º.

Sargento da equipe Bert M. Beals - Artilheiro de Nariz - O Diário da missão Bert Major Beals Jr no Slayten Crew. Abrange suas missões de 25 de setembro de 1944 a 20 de abril de 1945. Enviado por seu filho, Zachary Beals.

Berlim - 29 de abril de 1944 - Annette Tison compartilha sua pesquisa aprofundada da missão de 29 de abril de 1944 a Berlim, voada pela 8ª Força Aérea em 29 de abril de 1944, com ênfase no papel do 392º Grupo de Bombardeiros. Após vários anos de pesquisa sobre a tripulação Wyatt, incluindo seu tio, 2Lt Douglas N. Franke.

Sargento da equipe Jim Blanco - Engenheiro 579 - Como membro da tripulação da Bell, lembro-me com bastante nitidez da experiência daquele dia. A missão começou por volta das 2300 horas do dia 19 de junho, quando o C.Q. veio para nos tirar de nossas sacolas com as informações usuais sobre o café da manhã e os horários das instruções. Após o café da manhã, briefing. Ainda me lembro da sensação na boca do estômago, porque o excesso de traços de nossa rota de entrada e saída da área-alvo não era visível no chão. Isso significava uma longa jornada. As duas primeiras missões, ou talvez cinco, ainda é uma experiência de aventura. Depois disso, você começa a ficar sóbrio.

Landon H. Brent - Eu voei trinta e uma missões com o 392º grupo de bombas 578º esquadrão de bombas

Guy D. Carnine - Companhia Aérea B-24 do Coronel Bernt Balchen - 578º Sqdn

Capitão Bill Cetin - Lead Bombardier, tripulação do Cassell conforme ditado a Mary (Rocky) Rothrock em janeiro de 2000 Este diário começa com as anotações de Bill sobre o ataque a Friedrichshafen em 18 de março de 1944 e continua com suas anotações de missões até 16 de janeiro de 1945. Rocky Rothrock, amigo próximo e vizinho do pós-guerra, era um artilheiro com esta 579ª tripulação.

2º Tenente John B. Cihon - Nose Turret Gunner - Este é o diário do 2º Ten Cihon sendo abatido em "Poco Loco", durante a missão Gotha, em 24 de fevereiro de 1944 e seu tempo como prisioneiro de guerra.

Robert D. Copp - Pilot AC # 27491: "Grávida Peg" 29 de abril de 1944 - Uma das tripulações originais do 577º esquadrão e possivelmente, a única a completar a turnê de vinte e oito missões. Esta história é um relato do ataque a Berlim, em 29 de abril de 1944. Esse ataque perdeu oito aviões em dezoito para a segunda maior taxa de perda da 392ª história.

Sargento da equipe William B. Dowling - 578º Chefe de Tripulação - A História de William Dowling desde a fase de recrutamento até a dispensa.

Ray J. Dunphy - 578º Navegador - Este é um excelente diário das 392ª missões de 13 de dezembro de 1943 a 12 de julho de 1944.

Charles E. Dye - Charlie Dye era um oficial de munição com a 1825ª Ordnance Supply and Maintenance Company - História bem escrita de seu tempo desde a graduação na Ordnance Officer Candidate School em 31 de janeiro de 1943 até voltar para casa no Queen Mary chegando ao New York Harbor Pier 90 em junho 20, 1945

Charles Dye e Guy Spinelli - CARREGANDO AS BOMBAS - Inspecionamos individualmente cada bomba que entrou na área de armazenamento de bombas, chamada afetuosamente de "Depósito de Bomba". Inspecionamos cada bomba para garantir que os fios, o nariz e o fusível da cauda e as aletas estavam corretas, de modo que não haveria problemas para inserir o fusível na aleta da cauda.

Burrell Ellison - NOSSA EQUIPE - Pilot 576th Sqdn. Excelente história escrita sobre a primeira tripulação a terminar todas as suas missões no 576º Sqdrn.

Victor Ferrari, Navigator, 578º Esquadrão - O que aconteceu com a Ferrari e Roberts depois que seu bombardeiro caiu é uma história do que aconteceu com eles depois de serem abatidos em 13 de novembro de 1944 e terem sido resgatados. Grande história de fuga e evasão.

2º Ten. Douglas N. Franke - Tripulação do Wyatt AC # 42-7510: "El Lobo" 29 de abril de 1944 - o irmão de Douglas, Robert, conta a história e as circunstâncias da tripulação do Wyatt que foi morta no ataque a Berlim, 29 de abril de 1944.

John Gilbert - John relembra vários eventos interessantes quando sua família se mudou para a base de Wendling depois que sua casa em Unthank Road, Norwich, foi destruída nos pesados ​​bombardeios naquela cidade em abril de 1942.

Coronel Lawrence G. Gilbert - (como contado a Greg Hatton em 16 de setembro de 1989) Este é um relato bem escrito de como o 392º foi formado e dá uma grande visão dos desafios operacionais e logísticos que só puderam ser contados pelo Coronel Gilbert, o C.O. em Wendling.

S / Sgt. Oliver Guillot - Tripulação Kaminitsa do artilheiro de cintura, 576 sq. S / Sgt. Oliver Guillor relata sua experiência com o 576º, sua última missão e vida no Stalag 17b. Enviado por Greg Hatton.

2º Tenente George Graham - Tripulação do copiloto Kaminitsa - Down 29 de abril de 44. Há tantas coisas em que penso agora que havia esquecido nos últimos anos. Alguns dias, de um céu azul claro, penso em algo que aconteceu que eu não pensava há trinta anos. Eu voei 9 missões com a tripulação de Kamenitsa, mas tive 22 missões ao todo.

1º Ten Gordon L. Hammond - Piloto, 579º Esquadrão - Esta "Declaração ou Relatório de Entrevista de Pessoal Recuperado" fornece detalhes sobre a última missão do 1º Ten Hammond (22 de abril de 1944) e sua prisão em Stalag Luft III.

Navegador Robert J. Harron - 577º Esquadrão - Tripulação Schuster - A História do Navegador Robert Harron, KIA 28 de janeiro de 1945, Missão # 231, após uma colisão com o 577º Sq. Avião de Dodd sobre o alvo.

S / Sgt. Hyman Hatton - artilheiro de cintura, tripulação Ofenstein. O pesquisador do B24.NET POW, Greg Hatton, entrevista seu pai em setembro de 1974, um 392º POW da tripulação do Offenstein. Um dos melhores documentos históricos da vida em um campo de prisioneiros da Segunda Guerra Mundial.

Reflexões finais de Ruth Hatton - Uma noite em julho de 1945, Hy me ligou do Hospital Halloran em Staten Island. Foi a primeira vez que ouvi falar dele desde que se tornou um prisioneiro de guerra. Ele não havia mudado de ideia sobre o casamento e queria ir para a costa oeste o mais rápido possível: "Vamos continuar com nossas vidas."

2º Ten Milton Henderson - Co-piloto na missão Gotha. - Outra passagem logo após as bombas desaparecerem e eles pegaram o motor # 3 e o incendiaram. O motor número 4 não foi embandeirado na esperança de que pudéssemos acompanhar o Grupo, mas como não tinha óleo, rapidamente fugiu. Johns colocou o avião em um mergulho íngreme para tentar apagar o fogo que o tacômetro # 4 havia feito girar além dos gritos dos números.

Hugh Malcolm Hinshaw - DO CÉU PARA O INFERNO - A história de Malcolm Hinshaw sobre ser abatido e um prisioneiro de guerra

Vagões para Barth: S / Sgt. Hyman Hatton (392º BG) - Evacuação do campo de Luft 4 para Luft 1 de janeiro de 1945, conforme relatado por S / Sgt. Fred Weiner (44BG).

2º Tenente William Kamemitsa - Parte 1 - Pilot AC # 41-100371 Uma das histórias mais coloridas que li da vida de um 576º Quadrado muito articulado e interessante. piloto. Esta história começa com seu treinamento nos Estados Unidos durante a invasão em Berlim, em 29 de abril de 1944. Tenente ..

2º Tenente William Kamemitsa - Parte 2 - Tenente William Kamenitsa caiu em 29 de abril de 1944. Kamemitsa era prisioneiro de guerra no Stalag Luft 3

Tenente Jack Kaplan - A experiência de um aviador em combate. Esta é uma entrevista de Miriam Zverin do Tenente Kaplan e suas experiências em Wendling como navegador do 577º.

Coronel Myron Keilman - Friedrichshafen, A MOST DISASTROUS MISSION, 18 de março de 1944.

Coronel Myron Keilman - The Gotha Mission, THE BIG WEEK, 24 de fevereiro de 1944.

Coronel Myron Keilman - SEM SORTE HARRY, o coronel Myron Keilman se lembra de Harry.

Coronel Myron Keilman - THE BOMBING OF SWITZERLAND, 1 de abril de 1944.

S / Sgt. Vitold Krushas - Tripulação Offenstein da torre Engineer-Top. Quando voltamos para casa, ainda tínhamos 24 ou 25 anos. Chegamos em casa e foi tudo uma experiência. Você passou por momentos difíceis no Exército, mas de alguma forma estava gostando dessas coisas. Não sabíamos que nossas vidas estavam em jogo, toda vez que decolamos no treinamento. Não sabíamos que sempre foi assim e será assim geração após geração, não importa a guerra. Quando eles dizem "Um em cada cinco de vocês não vai voltar". Não vai ser sua tripulação. Será um dos outros aviões: "Eu não! Que pena que um de vocês não vai voltar".

John Krejci - Tripulação do artilheiro Kaminitsa da cintura direita e ex-presidente da organização Stalag 17b. - "Eu me soltei da minha metralhadora e fui puxado em linha reta. Eu pensei:" Nós baixamos, o que é o suor? "Naquele momento, o nariz baixou e eu naveguei por toda a extensão da fuselagem. através até que eu bati contra a antepara da frente, atrás da cabine da frente. Caramba, eu olhei e Ollie Guillot estava bem ali do meu outro lado. Archie Young olhou para cima e viu duas pessoas passando por cima de sua cabeça e ele disse que viu nós dois colocamos uma panqueca na antepara mais ou menos ao mesmo tempo. "

Sgt. Maurice Lampe - Cartas e documentos descrevendo a missão final da tripulação do Whitemore em 23 de junho de 44

T / sgt. Robert Longo, Waist Gunner Rogers 'crew, Down 29 de abril de 1944 Luft 1, 4 e 6 - "Os caças só fizeram uma passagem. As balas foram direto para o meio do avião. O bombardeiro Kane foi morto Eu o ouvi gritar quando os caças primeiro nos atacou. Eddy Gienko, na torre superior, estava com seu traje antiaéreo pendurado e disse que podia ouvir as balas atingindo-o. Duas balas atingiram Bob Danford, o atirador da torre de balas. Uma bala me atingiu nas costas, mas não fiz nada, apenas entrou e saiu novamente através da minha jaqueta de couro. O navio inteiro estava em chamas, então chamei-os pelo intercomunicador e disse: "Está tudo quente aqui!" O co-piloto, Dick Weir, me ouviu e disse: Socorro. "

T / sgt. Robert Longo, Acima das Nuvens em Trinta Abaixo. As memórias de Robert "Smiley" Longo antes, durante e depois da guerra contadas e escritas por Max Pottinger. Mais de 130 páginas.

Joe Maloy - Sgt. Joe Maloy (BT) descreve a missão final da tripulação Shere e seu salvamento.

Tenente Coronel James R. Maris - NOSSA MISSÃO INESQUECÍVEL - 578º Sqdn, Missão 23 valeu cada "centavo"! - "Engenheiro para piloto, engenheiro para piloto: Nosso motor número um foi arrancado da asa. Número três foi despojado de seu capô e do supercompressor. Há um orifício de um metro de largura na asa esquerda entre os motores um e dois. O compartimento de bombas portas são esmagadas. E nós temos uma bomba pendurada nas algemas do compartimento de bombas. "

Tenente Coronel James R. Maris - PEQUENO QUADRADO DE AÇO - Ao verificar o B-24 no dia seguinte, um buraco no lado esquerdo da cabine foi identificado como o local onde o estilhaço penetrou no avião e, felizmente, atingiu minha jaqueta. O médico garantiu-me que o estilhaço teria penetrado no meu coração se não tivesse sido detido por aquele pequeno quadrado de aço. (Eu mantive a pequena seção do colete à prova de balas e estilhaços e agora eles fazem parte da minha coleção de memórias dos meus dias B-24.) "

Busca de Jim Marsteller por informações sobre a morte de seu tio. - Esta é a incrível história da busca de Jim na missão Friedrichshafen de 18 de março de 1944. Seu tio, Jim Morris, era o engenheiro da Books Crew, que foi morto em ação quando o bombardeiro B-24 caiu perto de Hart, Alemanha, em 18 de março de 1944. Muitos autores e historiadores comentaram que sua pesquisa é uma das mais esforços extraordinários já feitos em uma única missão da Segunda Guerra Mundial.

A história de John McCormick - Este artigo explica por que o S / Sgt John E. McCormick está enterrado na cidade holandesa de Zoetermeer e descreve por que ele ainda é lembrado e homenageado lá mais de 61 anos após sua morte.

Bill McGuire, filho do tenente William C. McGuire, 579º quadrado. - FALA AUTOR / PESQUISADOR DE SEGUNDA GERAÇÃO. Esta entrevista não apenas conta a história por trás do livro, "Depois dos Libertadores", mas também destaca porque descobrir os fatos sobre a história da Segunda Guerra Mundial e dos sacrifícios de nossos guerreiros continua a ser importante para todos nós. "

William McGinley, atirador de cauda B-24 "Sally Ann", 579º Esquadrão - A HISTÓRIA DE SUA TRIPULAÇÃO EM WENDLING. "Nossa tripulação, comandada pelo tenente Stukas, havia chegado a Wendling em 15 de outubro de 1943 como uma das primeiras tripulações de substituição e completado oito missões de combate quando, em 29 de janeiro de 1944, fomos acordados nas primeiras horas do nosso nono e o que acabou sendo nossa última missão. "

George W. Michel, Operador de Rádio / Artilheiro, 576th Sq. - A 10ª MISSÃO DA TRIPULAÇÃO SIG ROBERTSON EM 11 DE JULHO DE 1944 EM MUNIQUE, ALEMANHA. A excelente história escrita de ser abatido sobre a Alemanha, tentando manter o avião fora do território inimigo, o acidente e a captura, depois o internamento na Suíça e a fuga final de George Michel.

S / Sgt. Jack A. Money - Diário de Missões de S / Sgt. Jack A. Money 8ª Força Aérea, Grupo de Bombardeiros 392, Esquadrão de Bombardeiros 579, 4 de outubro de 1943 a 18 de março de 1944

Jack Morris - Navigator, 576º Esquadrão, 7 de julho de 1944 - Em sua 32ª missão, voando B-24J 42-94772, o 392º. Eles foram abatidos após bombardear uma fábrica de aeronaves em Bernberg. Jack e sua equipe acabaram no campo de prisioneiros de guerra, Stalag Luft 3.

Francis Nashwinter - MINHAS MEMÓRIAS - 578º Sqdn, memórias de Francis Nashwinter - escrito em 2001.

Tenente Leo Ofenstein, 392º BG / 576sq. KIA 29 de abril de 44 - Uma homenagem de seu filho e irmão. - "Nos céus violentos de Berlim, dois homens mantiveram no alto um B-24 gravemente danificado por determinação de cisalhamento. Por causa deles, cinco tripulantes escaparam da aeronave em chamas e tiveram a chance de resgatar. Três gerações depois, os nomes Leo Ofenstein e John Wall ainda é reverenciado pelas famílias daqueles que sobreviveram. "

Margaret Meen-Parker, estudante inglesa, QUANDO ELES CHEGARAM, EU TINHA NOVE - Há tantas memórias do campo de aviação em Wendling, tanto felizes quanto tristes: recebendo "caronas" da escola para casa, sentado no travessão das bicicletas do GI - tristeza na sala de aula da Wendling School quando aprendemos que os aviões não devolveram a empolgação e o alívio enquanto observávamos os retardatários, aviões solitários gravemente danificados, a princípio aparecendo como minúsculos pontos acima do horizonte distante,

A história de vida de Oak Mackey, "Minha História da Força Aérea do Exército". Escrito mais de 60 anos após sua alta. Enquanto estava estacionado na Inglaterra com o 392º BG, ele manteve anotações sobre cada uma de suas missões de combate e, após retornar, escreveu uma versão maior. Esta história é 60 páginas de eventos bem documentados do 392º BG e experiências de Oak Mackey.

Oak Mackey, "Crunch Landing" em Seething. Sem pensar duas vezes e talvez por instinto, empurrei o leme totalmente para a esquerda, o que fez o avião girar para a esquerda e pousamos de lado. O trem de pouso disparou, as duas hélices do motor externo se quebraram e saíram girando pelo campo de aviação. Deslizamos de lado na fuselagem por um longo caminho no gelo e na neve que pareceu uma eternidade.

Ted Parsons, destacamento da RAF - O pessoal da RAF estava tão envolvido com a atmosfera tensa de uma iminente missão de penetração profunda quanto o solo americano e as tripulações de vôo. Naquela época, parecia que a guerra poderia durar vários anos e a visão sombria de B-24s severamente danificados e destruídos e o ocasional bombardeiro Lancaster da RAF trouxe isso para casa com mais força.

2º lt. David Purner, Navigator, tripulação do Ofenstein, Down em 29 de abril de 1944, Missão: Berlin - "Quando fomos atingidos, eu sabia onde estávamos - tinha acabado de registrar um relatório de posição porque era um bom ponto - o tempo estava melhorando, mas não consegui ver Hanover. "

Diário do Tenente David Purner - Este diário começa com sua inscrição para treinamento de cadete em fevereiro de 1942, alistamento em 4 de abril de 1942, chegada a Wendling em 24 de março de 1944, abatido em 29 de abril de 1944, capturado em 1º de maio de 1944 e enviado para Stalag Luft III. Marcha forçada para Nuremberg em janeiro de 1945, depois para Moosburg em março de 1945, seguida pela libertação do campo de prisioneiros de guerra pelo general George Patton em 29 de abril de 1945. Este relato histórico termina com algumas reflexões vívidas da vida dos prisioneiros de guerra.

"Double Trouble Mission Notes" Um relato em primeira mão do S / Sgt George J. Reade George J. Reade era um jovem de 19 anos de Brooklyn, NY, quando se alistou no Army Air Corps. Ele era um dos quatro irmãos, três serviram na Europa e o quarto no Pacífico. Todos voltaram em segurança para casa na conclusão da guerra em 1945. Estas são as primeiras notas contemporâneas de George de suas 28 missões a bordo do "Double Trouble" com o 392º Grupo de Bombardeios, Esquadrão 578. Elas foram contribuídas por Audrey-Ann Byron e Michael Reade.

O diário de combate de S / Sgt Theodore A. Rausch - 26 VIAGENS AO INFERNO - As 26 missões do H.W. Tripulação de Miller de 1º de dezembro de 1943 a 24 de março de 1944.

Tenente Jim Reynolds (cp) - Missão final da tripulação Hummel, descida em 23 de março de 1945 (Missão Wesel). "Nas últimas 81 horas, voei da Inglaterra para a Alemanha, fui abatido, ferido, capturado, resgatado, hospitalizado, apanhado carona em parte da Alemanha e da Bélgica. Depois voado de volta para a Inglaterra."

S / Sgt. Robert H. Richards - O artilheiro RW na tripulação Beuchler completou 20 missões entre 11 de julho e 12 de setembro de 1944. S / Sgt. Roberts passou o inverno em Luft 4. Em fevereiro de 1945, ele participou da marcha forçada pela Alemanha que terminou em Halle, Alemanha, em 26 de abril

James M. Ross - NOSSA PRÓXIMA VIRADA - conforme contado a seu filho, James E. Ross A história completa de um Cruzado da Segunda Guerra Mundial, desde a indução às missões em que voou, a ser abatido, a ser capturado, a viver em 3 campos de prisioneiros de guerra diferentes e sobrevivente da marcha da morte , para a liberação e descarga. Esta é a história para todos os educadores conhecerem a vida de um soldado da Segunda Guerra Mundial.

Everett F. Satterly - A história do engenheiro da tripulação de James Sibley do 578º Esquadrão de Bombardeiros.

Birdie Schmidt Larrick - COMO ERA, Reminiscences About the American Red Cross Aeroclub at Wendling por Birdie Schmidt Larrick. Birdie foi a Diretora do Programa ARC no 392º BG de dezembro de 1943 ao início de 1945. Ela era tão querida que um dos aviões do Grupo foi nomeado em sua homenagem. Essa história e as muitas fotos que a acompanham fornecem uma imagem da vida no século 392 que não é documentada de outra forma.

Birdie Schmidt Larrick - Aeroclube da Cruz Vermelha americana em Wendling, Uma breve história e histórias do Aeroclube da Cruz Vermelha americana dos Cruzados do Século 20 livro em quatro seções.

Sgt. Bernard Sender - 579º Mecânico da Torre - Sargento. Sender fala sobre o dia-a-dia de um mecânico de aeronaves em Wendling.

Louis M. Stephens - UM CURTO SAGA - Nossa tripulação voou mais 7 missões antes de ser abatida em 9 de setembro de 1944 em uma missão em Maintz, Alemanha. Houve duas explosões que destruíram JAW-JA-BOY imediatamente após passar por cima do alvo. Bill Riddleberger e eu fomos arrancados da aeronave pela segunda explosão, que foi a única maneira de escaparmos.

Robert Tays, Piloto, 578º Esquadrão - FERRY CREW - O transporte de B-24 danificados da França para a Inglaterra.

John G. Thiel - Sgt, Operador de Rádio / Artilheiro, 576º Sqdn - "Eu era um atirador de operador de rádio em B-24s com o 576º esquadrão do 392º Grupo de Bombardeiros voando de Kings Lynn (perto de Norwich) na Inglaterra. Eu voei 30 missões e fomos baleados e caiu na última missão depois de entregar suprimentos a pára-quedistas na Holanda. Também voamos no Dia D. Tenho uma lista com datas, etc. de cada missão que participamos, além de um diário. Tenho muitas histórias que poderia contar. "

S / Sgt. Jackson A. Tupper - Suas memórias de como o Engenheiro Assistente na Tripulação do Tenente Burrell Ellisons no 576º B.S. 1943 - 1945

Tripulação Bob Vickers - The Niagara Special Legacy - O acidente, a tripulação e o retorno à França Esta é a história escrita por Keith Roberts, Vickers Crew Navigator, sobre o acidente e os eventos que ocorreram quando a tripulação retornou ao local do acidente em 1998.

2º Tenente John Wall (KIA 29 de abril de 44) - Sra. Carol (Wall) Williams lembra de seu irmão - "Minha oração é que esta história não glamourize o evento da guerra. Palavras nunca podem expressar os sentimentos que as famílias têm quando seus jovens são enviados para matar ou serem mortos. Não importa quão nobre a causa pode parecer, pois não há vencedor enquanto a nata dessa geração morre. Somente vivendo este período alguém pode realmente sentir as dores da guerra: "

"Farmer", de Londres, torna-se parte da equipe de limpeza do interior do Bomber - por David Ward - "Com o passar do tempo, pediram-me para limpar o interior do Liberator depois de retornar de ataques. Naturalmente, aproveitei a oportunidade e recebi uma" bicicleta de serviço ". "caminhão, um veículo que era uma espécie de trator sem cabine, apoiado em chassi que rodava sobre esteiras."

"Waugh Crew" Em seu manuscrito, "Not Forgotten", Doug Willies reconta "A história da tripulação do B-24 que foi a primeira a voar" Ginger ", a última a voar" Alfred "e como eles foram lembrados cinquenta anos depois." Descreve os homens que faziam parte da tripulação do 2 / tenente Colby Waugh, seu treinamento, suas missões, seu acidente fatal perto de Upper Sheringham, Norfolk, Inglaterra, em 4 de janeiro de 1944, e o memorial na vila que os homenageia. A extensa pesquisa de Doug foi feita "em gratidão pela liberdade que desfrutamos hoje."

Tripulação Wyatt - Dedicação e Memorial 29 de abril de 2004 - Annette Tison e sua família viajam para o local do acidente de seu tio da tripulação de Wyatt e dedicam um memorial lá. Este é um grande testemunho de pesquisa individual combinada com a colocação de um memorial para a tripulação 50 anos após o fato. Essa história deve inspirar outras pessoas a buscar informações sobre um ente querido perdido na guerra e o que pode ser feito para lembrá-lo mais de meio século depois.

Stanley C. Zybort - Aircrew SGT - O último vôo de Zybort e os eventos de ser abatido e um POW. - Pegando um punhado após o outro, jogando a chafe para fora da abertura. Coloco meu fone de ouvido e relato ao capitão do avião o que aconteceu. Armetta está fora de ação. Ele parece chocado. Em transe! Estou jogando fora a chafe. Segundos depois, o flak atinge o avião. Um buraco à direita e um pouco abaixo de mim. Uma explosão de bola de fogo laranja e preta é vista para fora do buraco. Eu pulo para cima. Estou atingido. A panturrilha da minha perna esquerda queima. Meu macacão de vôo está rasgado onde fui atingido.


Crash Report Libertor A.N.925, 18 de fevereiro de 1942 (2 de 3) - História

Jayne postou este comentário na postagem do Kaimai Crash:

Liguei para um amigo e colega pesquisador esta noite que sabe um pouco sobre a história de Whenuapai e pedi mais informações.

Aparentemente, houve dois acidentes do Liberator no aeroporto de Whenuapai em 1943 (que, durante a Segunda Guerra Mundial, foi o único aeroporto principal de Auckland). Um permanece classificado - mas dizem que as bombas a bordo quando ele caiu foram ouvidas em todo Auckland. O outro envolveu as vítimas civis.

Segundo o pesquisador, estavam a bordo japoneses e taiwaneses, trazidos de todo o Pacífico, e aparentemente estavam envolvidos em uma troca planejada por tropas aliadas. Os corpos após a queda foram cremados secretamente à noite, então as cinzas foram armazenadas e devolvidas aos seus respectivos países somente após a guerra.

Ao redor, um triste incidente.

Atualização, setembro de 2010: Publicação adicional sobre os acidentes de guerra de Whenuapai, aqui.

17 comentários:

Obrigado por isso, Lisa, excelente trabalho :)
Vou pedir esse livro na nossa biblioteca local, foi um acontecimento muito triste para todos os envolvidos.

A Enciclopédia de 1966 da Nova Zelândia tem detalhes de dois acidentes em Whenuapai em 1942 e 1943:
http://www.teara.govt.nz/1966/D/DisastersAndMishapsAirLosses/Pre-warAndWartimeAccidents/en

Muito obrigado por esse link.

Meu avô foi o co-piloto desse acidente, ele foi entrevistado por um programa de TV da Nova Zelândia fazendo uma reportagem sobre isso. Ele sempre falava comigo sobre isso quando eu era mais jovem.

Obrigado por nos informar. Se desejar, sinta-se à vontade para nos contar mais.

Muito interessado em ler isso, porque tenho tentado descobrir se Kendrick Smithyman viu esse acidente terrível e se a visão pode ter ajudado a desligá-lo da Força Aérea e todas as coisas relacionadas ao vôo.

Você gostaria de tomar um café / cerveja / almoçar (meu grito!) E discutir Smithyman e assuntos relacionados aos seus próprios interesses de pesquisa? Eu ficaria muito feliz se você o fizesse! Meu e-mail é [email protected] se você quiser deixar cair uma linha.

Olá mapas, espere um e-mail meu em breve. Saúde!

Oi
Eu estive no RNZAF muitos anos depois que isso aconteceu. Enquanto em Whenuapai (de 1967-72 aproximadamente), havia destroços de aeronaves antigas visíveis perto da Ilha Herald. Disseram-me que era um bombardeiro de guerra que caiu. No entanto, fui informado que havia um outro bombardeiro da 2ª Guerra Mundial que caiu em uma fazenda na outra extremidade da pista de Whenuapai, e este supostamente tinha uma grande carga de armas a bordo, pois houve uma enorme explosão. Além disso, meu pai estava no RNZAF em Whenuapai durante a 2ª Guerra Mundial como controlador de tráfego aéreo, depois foi enviado para Gualdalcanal um dia antes de sua partida, um Lockheed Ventura caiu no telhado curvo do hangar de concreto ao sul. Durante muitos anos, a reparação do telhado foi visível tanto no interior como no exterior. Tentei encontrar informações sobre esses eventos, nunca tive sorte.
[email protected]

Obrigado por seu comentário. Percebo que há muitas referências de arquivos no Archway a acidentes que aconteceram em Whenuapai durante a Segunda Guerra Mundial. Vou ver se consigo reuni-los em uma lista com datas para outra postagem e enviar o link para você. Saúde.

Minha avó ajudou a identificar os mortos naquele acidente de avião em 4 de agosto de 1943. Ela era casada com um japonês que era um dos prisioneiros de guerra na Ilha de Soames.
Existe um livro fictício sobre o internamento japonês / alienígena na Nova Zelândia chamado & quotThe Swap & quot escrito por Wendy Catran com base em fatos .. e o acidente de avião é mencionado no livro .. Todos os nomes foram mudados, é claro.
It is also recorded in the book "Tact and Tenacity" a book about the 1st 60 years of Women police in NZ..my grandmother helped Edna Pearce (she was in the 1st intake of policewomen)set up and run an internment camp at Pokeno for the Japanese women.
When the plane crashed my grandmother and her husband acted as interpreters between the police and survivors and helped identify the dead..
In 2006 the NZ Police presented my grandmother with an award and thanked her for her volunteer help during that time.
She has lived in Japan since 1946. but periodically visited NZ..
If you google her name.. Jessie Banno..and check out the Police 10 4 that comes up it will tell you about her

Hi Rhonda. Thank you very much for your comment -- your grandmother sounds like she was an amazing woman. There's information about her service here.

She is an amazing woman. she will be 100 next year.
Yes I was fortunate to be given the video of her receiving that award by the reporter who did the story on TV1

If you like, Rhonda -- I'd be delighted and honoured to publish a guest post by you here on Timespanner about her. Feel free to contact me at [email protected]

This just received from a reader, Mitchell Hutchings:

"Hi – I’ve just read your post about the 1943 crash at Whenuapai. My father grew up in Greenhithe and was an avid plane spotter. He was a teenager when the crash occurred and always told us how he and his mates rowed over from “Devil’s Back” to the crash site once the military cordon had been lifted. They obviously went at low tide as he recounted having a good look all over the plane. He delighted in scaring us kids by describing how they lifted up a piece of wing and found a severed hand beneath! For many years we had an old fuselage door from the plane, which was a good source of hard-to-find aluminium after the war. I also have the navigator’s map folder that Dad retrieved and cleaned – a somewhat macabre souvenir from a wartime accident.

"There is still part of the wreckage visible at low tide just off the Hobsonville approaches to the Upper Harbour Bridge. At least that’s what I’ve always understood it to be. Many years ago it was way more recognisable as a piece of aircraft."

Hi, I am leading a project at Hobsonville Point Secondary which is investigating and doing archaeology around the crashes from Whenuapai. We have been out to investigate the wreckage by the Upper Harbour Bridge and found that it is a piece of a wing - but we can't identify if it is in fact from the Liberator or some other crash. Any help with this would be much appreciated.

We are also planning to go and see if there are any other pieces we can find in the mud-flats off the end of Pohutukawa Rd - any confirmation that we might be looking in the right place would also be greatly appreciated!


Gordon Henry Taylor "Gord" Farquharson

By P/O H. R. McDONALD, A Canadian Airfield in France, June 29, 1944 - (CP) - Canadian fighter planes, in one of the most brilliant achievements in the history of the R.C.A.F., shot down 26 out of a total of 34 enemy aircraft destroyed over the Normandy front between dawn and dusk yesterday.
In addition, R.C.A.F. pilots chalked up a number of enemy planes probably shot down and a number of others which were damaged.
Four pilots scored double kills. They were W/C J. E. (Johnny) Johnson, English&ndashborn commander of a Canadian fighter wing operating from an R.C.A.F. base in Normandy, and F/Ls. H. C. Trainor, Charlottetown W. T. Klersy, 14 Harcroft Rd., Toronto, and R. K. Hayward, St. John's, Nfld.

Destroys Two, Damages Third
Hayward destroyed two FW-190's and damaged a third, which gave him the highest R.C.A.F. individual score of the day.
Earlier reports indicated the Canadian airmen had downed 18 enemy planes in yesterday's daylight operations.
The complete figures were reached by intelligence officers today after a period of aerial operations which exceeded in intensity anything since the Allied Normandy beachhead was opened June 6.
Besides the toll of enemy planes, which included all fighter types, R.C.A.F. pilots also strafed transport on the roads.Final claims on two aircraft are being sifted
Among the R.C.A.F. Spitfire pilots contributing to the total with one Hun each were: F/Ls. Irving Kennedy, Cumberland, Ont. G. R. Patterson, Kelowna, B.C. J. McElroy, Kamloops, B.C. Henry Zary, New York R. M. Stayner, Saskatoon A. F. Halcrow, Penticton, B.C. G. W. Johnson, 102 Beechwood Ave., Hamilton, Ont. D. E. Noonan, 146 Willingdon Ave., Kingston, Ont. J. P. Rainville, Montreal and Flying Officers W. J. Banks, Leaside, Ont. e G. H. Farquharson, Corbyville, Ont.
W/C Johnson's score of two brought his total of enemy planes downed to 32, equaling the mark set by G/C A. G. (Sailor) Malan, a South African now on ground duty.
Among the R.C.A.F. fliers scoring probables were F/O A. C. Brandon, Timmins, Ont. F/O J. B. O'Sullivan, Vancouver and P/O J. M. Flood, Hearst, Ont.

Nine Others Damaged
At least nine others wire damaged by fliers of the R.C.A.F.
Of the wings comprising G/C W. (Bill) MacBrien's R.C.A.F. sector, the one led by 22-year-old W/C George Keefer, D.F.C. and Bar, Charlottetown, was high scorer of the day with 13 confirmed victories. Johnson's wing was second with seven, in a close race with a unit led by W/C R. A. Buckham, Vancouver.
The margin for Keefer's wing was established in two dusk operations in which seven enemy planes were destroyed and two damaged. In the first action Hayward sighted more than 25 Nazi fighters and led his formation in pursuit. He damaged one.
Later the same Spitfires became embroiled with a dozen FW-190's, and Hayward got two of them. The first fell out of control, and the second burst into flames and crashed after Hayward had followed it down to tree-top height.
"The Huns were like bees,&rdquo said WO. Murray Havers, 1 Lloyd St., Hamilton. Ont. "They seemed confused and acted as though they did not know what they were doing."
The Canadian airmen said the Germans did not put up much of a fight despite their numerical advantage.
Other Canadians credited with kills during the day were F/O G. R. Stephen, Montreal F/O Larry Robillard, Ottawa F/O W. A. Gilbert, Dartmouth, N.S. F/O Don Goodwin, Maynooth, Ont. and F/O Tommy Wheler, 10 Beauford Rd., Toronto.
F/O Klersy took a prominent part in athletics at St. Michael's College, playing hockey and rugby. He also rowed for his college, and was goalie for Ostrander's mercantile hockey team. Enlisting in June 1941, he took aircrew training in Toronto, Oshawa and Dunnville and after nearly a year with a fighter squadron at Bagotville, F/O Klersy went overseas in May 1942.
The 21-year-year old airman is the son of Mr. and Mrs. W. P. Klersy, 14 Harcroft Rd.

Born in Toronto, 10 May 1921
Home in Corbeyville, Ontario
In Cadet Movement for five years
Enlisted in Toronto, 28 October 1940
Trained at
No.2 ITS (graduated 20 February 1941)
No.2 EFTS (graduated 22 April 1941) &
No.32 SFTS (graduated 17 July 1941)
Flight Sergeant on 1 February 1942
Warrant Officer on 1 August 1942
P/O 29 September 1942
F/O 1 January 1943
F/L 10 April 1944
Posted overseas in July 1941
Further trained at No.54 OTU
Posted to Malta, 3 May 1942
- via aircraft carrier fly-off on 9 May 1942
Assigned to No.126 Squadron
Returning to Britain, he was injured in a
- Liberator crash at Gibraltar, 31 Oct. 1942 *
Assigned to
No.61 OTU, 2 December 1942
No.416 Squadron, 10 September 1943
Repatriated to Canada, 29 September 1944 &
- after staff postings
(notably No.6 Repair Depot, January to May 1945)
He was released on 14 September 1945.

TEN AWARDS ARE ISSUED TO RCAF MEN

Ottawa, Aug. 28, 1944 - (CP) - Air force headquarters announced tonight 10 awards &mdash three Distinguished Service Orders, four Distinguished Flying Crosses and three Distinguished Flying Medals &mdash to members of the RCAF serving overseas.
The D.S.O. went to three officers who previously had received the D.F.C. They were honored for continuing to display exceptional skill, determination and devotion to duty. The awards:

D.S.O.
S/L G. D. S. Koester, D.F.C., Guatemala.
S/L J. R. McDonald, D.F.C., Victoria.
F/L H. B. Hay, Edmundston, N.B.
D.F.C.
S/L B. D. C. Patterson, Calgary.
F/L D. W. McGowan, Saskatoon.
F/L T. A. Brannagan, Windsor.
F/O G. H. Farquharson, Corbyville, Ont.
D.F.M.
Sgt. D. C. Harkness, whose wife, Mrs. P. L. Harkness, lives at 400 Woodfield Rd., Toronto.
Sgt. D. R. McEvoy, Lindsay Ont., (reported missing June 16, 1944).
Sgt. D. J. Webb of Kelowna, B.C.

FARQUHARSON, F/O Gordon Henry Taylor (J15976) - DFC - No.416 Sq.
Award effective 21 August 1944 as per London Gazette dated 29 August 1944 &
AFRO 2373/44 dated 3 November 1944.

Flying Officer Farquharson is a keen and enthusiastic fighter pilot. He has led his flight on numerous occasions and has proved himself a good and capable leader. He has destroyed at least four enemy aircraft.

Victories Include :


11 July 1942
13 de julho de 1942
28 July 1942
27 Aug 1942
13 Oct 1942


JER McRae, HV West, GH Farquharson, JB Gould, HG McNab & DF Prentice

All content should be considered the property of the contributers and/or The Canadian Fighter Pilot & Air Gunner Museum - unless otherwise noted


Part 1: An Alleged 1953 UFO Crash and Burial Near Garrison, Utah

November 10, 2005 – Fifty-two years ago on May 20, 1953, it’s been said by a variety of sources that some kind of unidentified aerial craft allegedly crashed in a desert site near Kingman, Arizona. Follow the red arrow in the map below from Kingman to the yellow marked location two hundred miles straight north. The yellow marks a dry lakebed east of Fishlake National Forest which the U. S. government photographed in a grid pattern on June 11, 1953.

Red arrow points 200 miles straight north from Kingman, Arizona, to the yellow-colored DRES facility near alleged lakebed crash site, perhaps in May 1953.

Two dozen high altitude photographs were taken in a grid pattern of a large triangular feature in the dry lakebed near a government facility known as the Desert Research Experimental Station, or D.R.E.S. The triangle measured approximately 4,400 feet long and 2,700 feet wide. The measurements are from a 1999 geologist’s analytical report.

“M 14 AMS 11 June 53 126.” Aerial photograph taken on June 11, 1953, one of two dozen all focused on the region of the triangle feature which measures 4,400 feet long by 2,700 feet wide.

The location of this unusual triangle feature is 175 miles south of the highly classified Dugway Proving Grounds. At least one former United States Air Force pilot says he has firsthand knowledge that a large aerial vehicle “not from this world” impacted in 1953 where the triangle was dug to bury the craft – and perhaps to provide a permanent marker in the lakebed for unknown purposes.

Dugway Proving Grounds and its highly classified test center are 175 miles north of the DRES facility and the odd triangular crash site. Dugway is south of Salt Lake City, Utah.

The nearest small town to the lake bed is Garrison, Utah. A few miles beyond is Baker, Nevada, where at least one local resident remembers a vivid explosion of something in the direction of the lakebed around 1953.

Garrison, Utah is 30 miles northwest of the DRES facility. Baker, Nevada, is ten miles beyond Garrison.

On July 16, 2005, I’m standing inside the odd triangle feature in the lakebed. Three miles away beneath the yellow arrow is the U. S. Forest Service’s Desert Research Experimental Station, DRES.

Linda standing inside lakebed triangle on July 16, 2005. Arrow points to DRES facility three miles away, highlighted by yellow arrow. Photograph by Steve Jones.

The Desert Experimental Research Range was established in 1933 by President Herbert Hoover “as an agricultural range experiment station,” covering 87 square miles.

Map of the DRES’s 87 square miles featured in plaque at DRES facility which was established in 1933 by President Herbert Hoover. Photograph by Linda Moulton Howe.

According to U. S. government history about the site, range lands during the severe drought years of the 1930s had deteriorated, affecting survival of livestock and ranchers. No one knew how to manage desert plants, so the Desert Experimental Range was created to learn.

Dry, cracked lakebed inside triangle near DRES on July 17, 2005. Photograph © 2005 by Linda Moulton Howe.

In 1933, the Civilian Conservation Corps, or CCC, built the DRES facility where the yellow arrow points below. 135 miles of fence was also built by the CCC to mark the boundary of DRES using hundreds of wire rolls and over 40,000 wood posts cut by hand. Most of the original posts still stand ­ a testament to the dry, high desert climate there.

Road and 1933-built fence to lakebed triangle. Arrow points to DRES. Photograph © 2005 by Linda Moulton Howe.

By 1935, the CCC built these two stone obelisks as a gate entrance to DRES, indicated by the yellow arrow.

Stone obelisk gate to DRES, July 17, 2005. Photograph © 2005 by Linda Moulton Howe.

Two and a half decades later on October 26, 1976, the United Nations Educational Scientific and Cultural Organization formally dedicated the Desert Experimental Range as part of the “international network of biosphere reserves. This network of protected samples of the world’s major ecosystem types is devoted to conservation of nature and scientific research in the service of man. It provides a standard which the effect of man’s impact on his environment can be measured.”

Ordered by Amadon-Mahtai M’Bow, Director General of UNESCO on October 26, 1976, under the decision of the Bureau of the International Coordinating Council of the “Program On Man and the Biosphere.” Exactly why this occurred and what the legal implications are in making DRES a U. N. biosphere are still not clear.

United Nations Biosphere Reserve Designation for DRES by UNESCO on October 26, 1976. Plaque built into stone at driveway entrance to DRES buildings. Photograph © 2005 by Linda Moulton Howe.

Today in 2005 from the outside, the DRES facility looks run down with paint peeling badly on all the buildings. But a strange juxtaposition to all the peeling paint and boarded up windows are new padlocks and many new doors with brand new solid locks. [ Nota do Editor & # 8217s: Stan Kitchen, current manager of the DRES installation since 1999, says he has been forced to put on new doors and locks because vandals have broken into the facility. But he has no knowledge about the triangular feature in the lakebed. ]

Weed-filled circular driveway ringed by deteriorating DRES buildings and empty flagpole. July 17, 2005 photograph © by Linda Moulton Howe. Peeling paint and boarded up DRES buildings. July 17, 2005 photograph © by Linda Moulton Howe. New lock hardware on peeling paint at DRES, July 17, 2005. Photograph © by Linda Moulton Howe. New lock on brand new door surrounded by peeling paint, July 17, 2005. Photograph © 2005 by Linda Moulton Howe.

The new doors and locks stand out as peculiar amid all the peeling paint and unkempt look of the buildings and grounds. There is also fresh weather caulking around the doors.

Above: New door and locks surrounded by peeling paint. Below: Fresh weather caulking on peeling paint around new door, July 17, 2005.
Photograph © 2005 by Linda Moulton Howe.

From behind one of the decrepit-looking DRES buildings, a new mono-directional antenna is powered by a new solar energy array constructed several hundred yards from the DRES facility.

Above and below: Mono-directional antenna powered by new solar energy array, July 17, 2005.
Photographs © 2005 by Linda Moulton Howe.

Continued in Parte 2 – An Intelligence Safe House Hiding in Plain Sight?


Crash Report Libertor A.N.925, 18 February 1942 (2 of 3) - History

Visit Military Aircraft Crash Sites
In the USA
You can purchase the military aircraft accident report and crash site pictures from AAIR for any of the aircraft crashes below.
See our ordering information page to learn how.

North American F-100 Super Sabre
F-100D s/n 55-3789
17 NOV 59
15 miles northwest of Las Vegas NV

Lockheed P-38 Lightning
P-38L s/n 44-24492
17 SEP 45
30 miles northeast of Daggett CA

Consolidated B-24 Liberator
B-24J s/n 42-50890
15 SEP 44
10 miles north of Flagstaff AZ

Lockheed P-80 Shooting Star
P-80A s/n 48-85271
11 APR 53
28 miles east of Boulder City Nevada

Vultee BT-13 Valiant
BT-13A s/n 42-42223
13 FEB 43
60 miles northeast of Marana AAF Arizona

Featured Crash Site
Yap Expedition
June 2006
U.K. Crashes
Virtual Crash Site Tour
Northrop T-38 Talon
T-38A s/n 61-0928
18 APR 1967
Devils Canyon AZ
Consolidated PBY Catalina
PBY-5A Bu# 48416
4 MAY 1945
Sausalito California
Martin PBM Mariner
PBM-5 Bu# 45415
30 NOV 1944
Mount Tamalpias California
North American F-100 Super Sabre
F-100D s/n 56-2931
1 JUN 1960
25 miles north of Nellis AFB NV
Bell P-39 Airacobra
P-39Q s/n 44-3082
29 JAN 1945
40 miles north of Las Vegas NV
Republic F-84 Thunderstreak
F-84F s/n 52-7071
14 JAN 1958
7 NE Swansea AZ
Northrop T-38 Talon
T-38A s/n 61-0921
26 JUL 1971
Superstition Mountains AZ
Douglas B-23 Dragon
B-23 s/n 39-052
29 JAN 1943
Loon Lake ID
Boeing B-17 Flying Fortress
B-17C s/n 40-2047
2 NOV 1941
Tells Peak, 25 east of Georgetown CA
Cessna UC-78 Bobcat
UC-78B s/n 43-7968
24 JAN 1945
10 miles south of Arlington AZ
Sabre F-86 norte-americano
F-86A s/n 49-1148
10 MAR 1952
5 miles southwest of Patten ME
Boeing B-29 Super Fortress
B-29A s/n 44-69943
30 JUN 1945
95 Miles East of El Paso TX
North American T-6 Texan
T-6D s/n 44-81553
28 AUG 47
16 Miles Northeast of Williams AFB
Northrop F-5 Tiger
F-5E Aggressor
Central Nevada
Beechcraft C-45 Expediter
C-45F s/n 44-87062
8 APR 46
Near Danville CA
McDonnell F-101 Voodoo
F-101B s/n 58-0264 & F-101B s/n 58-0301
15 DEC 62
19 miles southeast of Yucca AZ
Lockheed P-38 Lightning
P-38L s/n 44-24745
26 FEB 45
10 miles west of Geyserville CA
Chance Vought F4U Corsair
F4U Bu# 50391 & FG-1 Bu# 13858
4 OCT 45
Mt. Tamalpias CA
Douglas C-47 Skytrain
C-47D s/n 44-76266
30 DEC 51
35 miles north of Globe AZ
AAIR field report for July 1998

To make up for missing July's crash of the month AAIR has posted a field report of our activities over the last few months to let you know why we have been so busy.

Sabre F-86 norte-americano
F-86F s/n 52-5013
5 FEB 54
18 miles northwest of Moapa NV
Boeing B-17 Flying Fortress
B-17F s/n 42-5318
30 MAY 43
10 miles northeast of Covelo California
North American AT-6 Texan
AT-6D s/n 42-85684
14 MAR 45
20 miles west-northwest of Tonopah Arizona
Douglas AD Skyraider
AD-6 Bu# 135254 & AD-6 Bu# 135264
26 AUG 54
Mount Saint Helena California
General Dynamics F-16 Fighting Falcon
F-16A s/n 80-600
12 JAN 83
T-Bird Lake Nevada
North American B-25 Mitchell
B-25J s/n 44-31401
11 AUG 45
25 miles south-southwest of Yucca Arizona
Consolidated B-24 Liberator
B-24E s/n 42-7350
22 MAR 44
22 miles southeast of Willcox AZ
North American F-100 Super Sabre
F-100F s/n 56-3743
7 MAY 63
16 miles west of Wickenburg AZ
Lockheed F-104 Starfighter
F-104G s/n 63-13270
3 MAR 66
5 miles west of Aguila AZ
Gruman F6F Hellcat
F6F-3 Bu# 42746
21 AUG 45
5 miles north of Rodeo NM
Republic F-84 Thunderjet
F-84F s/n 52-6833
16 MAY 61
13 miles west of Wickenburg AZ
Douglas SBD Dauntless
SBD-3 Bu# 06630
10 SEP 42
90 miles east of Tucson AZ
Abandoned
WWII Airfield
17 miles west of Wickenburg AZ

You can purchase the military aircraft accident report and crash site pictures from AAIR for any of the aircraft crashes below.
See our ordering information page to learn how.


Horsham St Faith

Aerial photograph of Horsham St Faith airfield, 16 April 1946, taken by No. 541 Squadron, sortie number RAF/106G/UK/1428. English Heritage (RAF Photography).

Airmen of the 458th Bomb Group gather outside a hangar before a mission in July 1944. In the foreground are Joe Kania (without cap), Charlie Aillet (with cap) and Bob Vincent (with cigar). Image via Lieutenant Vincent Handwritten caption on reverse: 'Intill smoke cigars, 753rd Hangar & operations. Kania W/O cap, Cullet W/ Cap, Vincent with cigar.'

Pilots of the 56th Fighter Group relax with the papers or a pack of cards at a dispersal point rest room at Horsham St. Faith air base. Passed for publication 29 May 1943. Printed caption attached to print: 'A Match for the Nazi - F.W. 190 - the "Thunderbolt" New American High-Altitude Fighter. The latest Amerian single-seater fighter, the Republic P.47, known as the "Thunderbolt" has been in operation from British bases for some time. The largest and heaviest single-seater fighter - around 40,000 ft - the "Thunderbolt"'s top speed rated in excess of 400 m.p.h., at altitude, is derived from a Pratt and Whitney Radial engine of 2,000 h.p. fitted with Turbo-Supercharger. The armament consists of eight and a half in. calibre magine guns, these give a total rate of fire of 6,400 rounds a minute. In a series of operations they have shot down several of the German crack Fw 190s. Photograph shows - Crew at ease at dispersal point rest room. FOX MAY 1943.

Pilots of the 56th Fighter Group discuss route for a prospective sweep at Horsham St. Faith air base. Passed for publication 20 May 1943. Intelligence Officer David W. Robinson, in shirt sleeves, stands behind the group. Printed caption attached to print: 'A Match for the Nazi - F.W. 190 - the "Thunderbolt" New American High-Altitude Fighter. The latest Amerian single-seater fighter, the Republic P.47, known as the "Thunderbolt" has been in operation from British bases for some time. The largest and heaviest single-seater fighter - around 40,000 ft - the "Thunderbolt"'s top speed rated in excess of 400 m.p.h., at altitude, is derived from a Pratt and Whitney Radial engine of 2,000 h.p. fitted with Turbo-Supercharger. The armament consists of eight and a half in. calibre magine guns, these give a total rate of fire of 6,400 rounds a minute. In a series of operations they have shot down several of the German crack Fw 190s. Photograph shows - Crew discussing prospective sweep at dispersal point. FOX MAY 1943.

Men of the 56th Fighter Group gather outside a hangar at Horsham St. Faith air base to listen to radio reports of Lieutenant Ralph A. Johnson's dramatic bail out from his P-47 Thunderbolt over the North Sea, 26 June 1943. Printed caption on reverse of print: 'Men listening to radio as Lt. Ralph Johnson bails out of damaged P-47.'

P-47 Thunderbolts of the 62nd Fighter Squadron, 56th Fighter Group, lined up on the grass at Horsham St. Faith air base. Passed for publication 10 May 1943. Printed caption attached to print: 'The "Thunderbolt" - newest American fighter plane to reach Britain, Designed for fast speeds at high altitudes, the "Thunderbolts", newest American fighter plane to arrive in this country, has a wingspan of 41 feet, a 2,000 H.P. engine and a speed of over 400 M.P.H. Its ceiling, range and other details are still a secret. In the U.S. where it is in quantity production for the U.S.A.A.F. It is known as the P-47. Associated Press Photo shows: "Thunderbolts" lined up awaiting the take-off at a U.S. fighter station "somewhere in England".

P-47 Thunderbolts of the 62nd Fighter Squadron, 56th Fighter Group, lined up on the grass at Horsham St. Faith. Passed for publication 10 May 1943. Printed caption attached to print: 'The "Thunderbolt" - newest American fighter plane to reach Britain, Designed for fast speeds at high altitudes, the "Thunderbolts", newest American fighter plane to arrive in this country, has a wingspan of 41 feet, a 2,000 H.P. engine and a speed of over 400 M.P.H. Its ceiling, range and other details are still a secret. In the U.S. where it is in quantity production for the U.S.A.A.F. It is known as the P-47. Associated Press Photo shows: "Thunderbolts" lined up awaiting the take-off at a U.S. fighter station "somewhere in England".

Flying crew quarters of the 458th Bomb Group at Horsham St Faith. Handwritten caption on reverse: 'Flying Crew Quarters at Horsham, 458 BG.'

B-24 Liberators of the 458th Bomb Group line up for take off at Horsham St Faith. Handwritten caption on reverse: '458 BG Libs waiting to take off on mission. 81781 AC.'

A mobile control tower of the 458th Bomb Group at Horsham St Faith. Image via Tim W Kinnally Printed caption beneath image: 'Mobile Control Tower, 458th BG, Hosham St Faith.'


First Teddy bear goes on sale

On February 15, 1903, toy store owner and inventor Morris Michtom places two stuffed bears in his shop window, advertising them as Teddy bears. Michtom had earlier petitioned President Theodore Roosevelt for permission to use his nickname, Teddy. The president agreed and, before long, other toy manufacturers began turning out copies of Michtom’s stuffed bears, which soon became a national childhood institution.

One of Theodore Roosevelt’s hunting expeditions provided the inspiration for the Teddy bear. Ironically, though he was an avid conservationist, Roosevelt-led hunting trips often resulted in excessive slaughter, including one African trip during which his party killed more than 6,000 animals for sport and trophies. However, the idea for the teddy bear likely arose out of one of Roosevelt’s more compassionate acts.

Reports differ as to the exact details of the inspiration behind the teddy bear, but it is thought that while hunting in Mississippi in 1902, Roosevelt came upon an old injured black bear that his guides had tied to a tree. (The age, sex and state of health of the bear remain contested.) While some reports claim Roosevelt shot the bear out of pity for his suffering, others insist he set the bear free. Political cartoonists later portrayed the bear as a cub, implying that under the tough, outdoorsy and macho image of Roosevelt lay a much softer, more sensitive interior.


Serviço

Pessoas

Thomas Baker

Militar | 93rd Bomb Group
While assigned temporarily out of North Africa, on February 25, 1943, Baker flew as a passenger B24 41-23740. 'Red Ass' was forced to land in Spanish Morocco. The crew was interned. Chapter 10 of Ted's Travelling Circus chronicles their adventures in.

Lyman Dulin

Militar | Master Sergeant | Ground crew | 93rd Bomb Group
While assigned temporarily out of North Africa, on February 25, 1943, Dulin was a passenger on B24 41-23740 'Red Ass' was forced to land in Spanish Morocco. The crew was interned. Chapter 10 of Ted's Travelling Circus chronicles their adventures in.

Alex Halbridge

Militar | Sergeant | Engineer | 93rd Bomb Group
While assigned temporarily to fly out of North Africa, on February 25, 1943, B24 41-23740 'Red Ass' was forced to land in Spanish Morocco. The crew was interned. Chapter 10 of Ted's Travelling Circus chronicles their adventures in this incident.

James Holliday

Militar | Sergeant | Radio Operator | 93rd Bomb Group
While assigned temporarily to fly out of North Africa, on February 25, 1943, B24 41-23740 'Red Ass' was forced to land in Spanish Morocco. The crew was interned. Chapter 10 of Ted's Travelling Circus chronicles their adventures in this incident.

Harold Kendall

Militar | First Lieutenant | Pilot | 93rd Bomb Group
Harold Kendall was assigned to the 93rd Bomber Group / 409th Bomber Squadron and flew missions from England until the 93rd was temporarily assigned to fly out of North Africa in support of the Allied forces in that theater. On February 25, 1943, B-24.

Dell Kettering

Militar | Technical Sergeant | Radio Operator | 93rd Bomb Group
Dell Kettering was on board B-24 41-23740 of the 93rd Bomber Group / 409th Bomber Squadron when it was being ferried from Port Lyautey, French Morocco to England on 25 February 1943. Short of fuel, the pilot, Lt Jacob (Jake) B. Epting, had to crash.

Ben Kuroki

Militar | Staff Sergeant | Top Turret Gunner | 93rd Bomb Group
Crew member B-24 41-24105, flew on 1st Aug 43 Ploesti raid, returning safely to Libya. Second generation Japanese. Finished war as one of most highly decorated sergeants in WW II. Believed to be only enlisted man to fight in three theaters (Western.

George Metcalf

Militar | Master Sergeant | Ground crew | 93rd Bomb Group
While assigned temporarily to North Africa, on February 25, 1943, flew as a passenger on B24 41-23740 'Red Ass' was forced to land in Spanish Morocco. The crew was interned. Chapter 10 of Ted's Travelling Circus chronicles their adventures in this.

Homer Moran

Militar | Lieutenant | Co-Pilot | 93rd Bomb Group
While assigned temporarily to fly out of North Africa, on February 25, 1943, B24 41-23740 'Red Ass' was forced to land in Spanish Morocco. The crew was interned. Chapter 10 of Ted's Travelling Circus chronicles their adventures in this incident. Ele era.

Albert Naum

Militar | First Lieutenant | Bombardier | 93rd Bomb Group

Units served with

93rd Bomb Group

Group
93rd Bombardment Group (Heavy) was activated 1-March-1942 at Barksdale Field, Louisiana. On 15-May-1942 the Group moved to Ft. Myers, Florida to continue advanced flight training and also to fly anti-submarine patrols over the Gulf of Mexico they.

409th Bomb Squadron

Aeronave

41-24105 'Tupelo Lass'

B-24 Liberator
Flew on 1st Aug 43 Ploesti oil refinery raid, returning safely to Libya. Salvaged after crashing at Hardwick 11th Dec 43 on return from Emden.

41-23740 Red Ass

B-24 Liberator
Assigned to the 93rd Bomb Group, B-24H #41-23740 had been flown from the United States and delivered to the 2nd Bomb Wing on 2 December 1942. On 25 February 1943, the Liberator, piloted by 93rd BG pilot Jacob B. Epting, was being ferried from Port.

Missões

Operation Tidal Wave

1 August 1943
Operation TIDAL WAVE. B24D Liberators attack the oil refineries at Ploesti, Romania. The bombers flew low to avoid radar detection and dropped time delayed bombs. Out of the 177 B-24s that took part in the raid 167 managed to attack their targets. 57 B.


B-32 Dominator


Consolidated B-32-1-CF Dominator (S/N 42-108471)

o Consolidated B-32 Dominator was a four-engined heavy bomber ordered by the Army Air Force at the same time as the Boeing B-29 Superfortress. In reality, the B-32 was a fall-back aircraft in the event that the complex, technology-laden B-29 did not meet its expectations as the nation's premier heavy bomber of World War II.

The Dominator's original design was similar to Consolidated's existing bomber, the B-24 Liberator, in that it used twin fins and a large Davis-type wing but it featured with a longer, rounder fuselage and a rounded nose.

Although the B-32 was designed to the same specifications as the Boeing B-29, considerably more development was necessary by Consolidated to meet the USAAF's specifications. Pressurization and remote control of the gun turrets were abandoned and the twin-ruddered B-24-type tail was replaced in 1944 by a very large B-29-type single fin and rudder.

In the end, the B-32's testing and production problems resulted in limited availability, and consequently the bomber saw little action during WWII. An airplane conceived in 1939 was not ready for war action until mid-1945. The success of the B-29 Superfortress also gave lesser importance to the B-32 program.

A total of 300 B-32s were ordered, but only 118 were delivered to the USAAF. A total of 130 were flyable, and 170 more cancelled.